SlideShare uma empresa Scribd logo

Diversidade, cultura e direitos

Slides utilizados na palestra sobre Diversidade, Culturas, Cidadania, Direitos, ministrada pela Prof. Maria Rita Medeiros Fontes, em 2015, para a turma de Matemática, da UEG, Câmpus Jussara. A discussão faz parte do GEFOPI - Grupo de Estudos em Formação de Professores e Interdisciplinaridade, coordenado pela Prof. Ms. Andréa Kochhann.

1 de 32
Baixar para ler offline
Câmpus Jussara
DIVERSIDADES, CULTURAS
E DIREITOS
Maria Rita Medeiros Fontes
Coordenadora do Programa Jovem Cidadão
Fone: (62) 3201-8638 / 9971-8362
e-mail: jovemcidadaogoias@gmail.com
Realizada pelo Grupo
GEFOPI 
Grupo de Estudos em Formação de 
Professores e Interdisciplinaridade
DIVERSIDADES, CULTURAS E DIREITOS
AMOR
UNIÃO
TOLERÂNCIA
RESPEITO
DIVERSIDADES, CULTURAS E DIREITOS
SOMOS TODOS DIFERENTES
Você é capaz de identificar diferenças pela
APARÊNCIA?
DIVERSIDADES
• IDENTIDADE DE GÊNERO
 experiência interna e individual
 pode ou não corresponder ao sexo de nascimento
 FEMININO / FEMINILIDADE
 traços socialmente construídos
 comumente associado à fragilidade e à submissão
 MASCULINO / MASCULINIDADE
 traços socialmente construídos
 comumente associado à força e agressividade
DIVERSIDADES
IDENTIDADE DE GÊNERO
 experiência interna e individual
 pode ou não corresponder ao sexo de nascimento
 CISGÊNERO
 concordância entre a identidade de gênero e o sexo biológico
 "um conceito que abarca as pessoas que se identificam com o gênero
que lhes foi determinado no momento de seu nascimento, ou seja, as
pessoas não transgênero“ Jaqueline Gomes de Jesus
 TRANSGÊNERO
 expressão de gênero e/ou identidade de gênero de uma pessoa é diferente
daquelas atribuídas ao gênero designado no nascimento
 MASCULINO – mulher para homem
 FEMININO – homem para mulher

Recomendados

Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulherulissesporto
 
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)Seduc MT
 
1 ano da Lei do Feminicídio no Brasil
1 ano da Lei do Feminicídio no Brasil1 ano da Lei do Feminicídio no Brasil
1 ano da Lei do Feminicídio no BrasilAlice Bianchini
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cartilha informativa sobre abuso sexual contra a criança e o adolescente.
Cartilha informativa sobre abuso  sexual contra a criança e o adolescente. Cartilha informativa sobre abuso  sexual contra a criança e o adolescente.
Cartilha informativa sobre abuso sexual contra a criança e o adolescente. Aline Kelly
 
Projeto de Psicologia Social - Violência doméstica contra a mulher
Projeto de Psicologia Social - Violência doméstica contra a mulherProjeto de Psicologia Social - Violência doméstica contra a mulher
Projeto de Psicologia Social - Violência doméstica contra a mulherAdriana Vazzoler Mendonca ∴
 
Feminismo e igualdade de gênero
Feminismo e igualdade de gêneroFeminismo e igualdade de gênero
Feminismo e igualdade de gêneroAlice Bianchini
 
Texto violência contra a mulher
Texto violência contra a  mulherTexto violência contra a  mulher
Texto violência contra a mulherSadrak Silva
 
Violência contra a mulher: gênero, número e grau
Violência contra a mulher: gênero, número e grauViolência contra a mulher: gênero, número e grau
Violência contra a mulher: gênero, número e grauAlice Bianchini
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualchirlei ferreira
 
VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
 VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTESDarciane Brito
 
Roteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulherRoteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulherSadrak Silva
 
Mobilização pelos direitos da mulher - Maringá/PR
Mobilização pelos direitos da mulher - Maringá/PRMobilização pelos direitos da mulher - Maringá/PR
Mobilização pelos direitos da mulher - Maringá/PRAtualidades Do Direito
 
Projeto contra violência 2003
Projeto contra violência 2003Projeto contra violência 2003
Projeto contra violência 2003Liene Campos
 
Apostila do curso violência sexual
Apostila do curso violência sexual Apostila do curso violência sexual
Apostila do curso violência sexual Laura Fernanda Nunes
 
20190329 DW Debate:A Violência Doméstica - Consequências Para as Crianças e P...
20190329 DW Debate:A Violência Doméstica - Consequências Para as Crianças e P...20190329 DW Debate:A Violência Doméstica - Consequências Para as Crianças e P...
20190329 DW Debate:A Violência Doméstica - Consequências Para as Crianças e P...Development Workshop Angola
 
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...Marilene dos Santos
 
Dados da Violência Contra a Mulher (1)
Dados da Violência Contra a Mulher (1)Dados da Violência Contra a Mulher (1)
Dados da Violência Contra a Mulher (1)Conceição Amorim
 

Mais procurados (20)

Cartilha informativa sobre abuso sexual contra a criança e o adolescente.
Cartilha informativa sobre abuso  sexual contra a criança e o adolescente. Cartilha informativa sobre abuso  sexual contra a criança e o adolescente.
Cartilha informativa sobre abuso sexual contra a criança e o adolescente.
 
Projeto de Psicologia Social - Violência doméstica contra a mulher
Projeto de Psicologia Social - Violência doméstica contra a mulherProjeto de Psicologia Social - Violência doméstica contra a mulher
Projeto de Psicologia Social - Violência doméstica contra a mulher
 
Violência contra mulher
Violência contra mulherViolência contra mulher
Violência contra mulher
 
Victimology
VictimologyVictimology
Victimology
 
Feminismo e igualdade de gênero
Feminismo e igualdade de gêneroFeminismo e igualdade de gênero
Feminismo e igualdade de gênero
 
Texto violência contra a mulher
Texto violência contra a  mulherTexto violência contra a  mulher
Texto violência contra a mulher
 
Violência contra a mulher: gênero, número e grau
Violência contra a mulher: gênero, número e grauViolência contra a mulher: gênero, número e grau
Violência contra a mulher: gênero, número e grau
 
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexualAssistencia a mulher vitima de violencia sexual
Assistencia a mulher vitima de violencia sexual
 
Violência doméstica
Violência doméstica   Violência doméstica
Violência doméstica
 
VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
 VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
VISÃO SOBRE O ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
 
Roteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulherRoteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulher
 
Mobilização pelos direitos da mulher - Maringá/PR
Mobilização pelos direitos da mulher - Maringá/PRMobilização pelos direitos da mulher - Maringá/PR
Mobilização pelos direitos da mulher - Maringá/PR
 
Cultura do estupro
Cultura do estuproCultura do estupro
Cultura do estupro
 
Projeto contra violência 2003
Projeto contra violência 2003Projeto contra violência 2003
Projeto contra violência 2003
 
Apostila do curso violência sexual
Apostila do curso violência sexual Apostila do curso violência sexual
Apostila do curso violência sexual
 
20190329 DW Debate:A Violência Doméstica - Consequências Para as Crianças e P...
20190329 DW Debate:A Violência Doméstica - Consequências Para as Crianças e P...20190329 DW Debate:A Violência Doméstica - Consequências Para as Crianças e P...
20190329 DW Debate:A Violência Doméstica - Consequências Para as Crianças e P...
 
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
 
A ViolêNcia Humana
A ViolêNcia HumanaA ViolêNcia Humana
A ViolêNcia Humana
 
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
Dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolesce...
 
Dados da Violência Contra a Mulher (1)
Dados da Violência Contra a Mulher (1)Dados da Violência Contra a Mulher (1)
Dados da Violência Contra a Mulher (1)
 

Destaque

mind uploading in word doc format
mind uploading in word doc formatmind uploading in word doc format
mind uploading in word doc formatSumit Bajaj
 
7г властивості прям_трикутн
7г властивості прям_трикутн7г властивості прям_трикутн
7г властивості прям_трикутнdaniil chilochi
 
Tutorial para aprender hacer una unidad tematica carlos leon
Tutorial para aprender hacer una unidad tematica carlos leonTutorial para aprender hacer una unidad tematica carlos leon
Tutorial para aprender hacer una unidad tematica carlos leonCarlos Jose Leon Polanco
 
GRADE: エビデンスの確実性の評価
GRADE: エビデンスの確実性の評価GRADE: エビデンスの確実性の評価
GRADE: エビデンスの確実性の評価yokomitsuken5
 
Uma análise do currículo
Uma análise do currículoUma análise do currículo
Uma análise do currículoAndréa Kochhann
 
U.cs101 лаборатори 1
U.cs101 лаборатори 1U.cs101 лаборатори 1
U.cs101 лаборатори 1Ganbaatar ch
 
ESTRATEGIAS PARA UN MEJOR DESARROLLO DE LA GEOMETRÍA Y ESTADISTICA
ESTRATEGIAS PARA UN MEJOR DESARROLLO DE LA GEOMETRÍA Y ESTADISTICAESTRATEGIAS PARA UN MEJOR DESARROLLO DE LA GEOMETRÍA Y ESTADISTICA
ESTRATEGIAS PARA UN MEJOR DESARROLLO DE LA GEOMETRÍA Y ESTADISTICAYESSICA NATALI CORREA MARTINEZ
 
Atualidades 7 - Oriente médio, ciranda geopolitica
Atualidades 7 - Oriente médio, ciranda geopoliticaAtualidades 7 - Oriente médio, ciranda geopolitica
Atualidades 7 - Oriente médio, ciranda geopoliticaGerson Coppes
 
Il community performance index appilcato a TwLetteratura
Il community performance index appilcato a TwLetteraturaIl community performance index appilcato a TwLetteratura
Il community performance index appilcato a TwLetteraturavaleria baudo
 

Destaque (19)

Grout cleaning in broward county
Grout cleaning in broward countyGrout cleaning in broward county
Grout cleaning in broward county
 
mind uploading in word doc format
mind uploading in word doc formatmind uploading in word doc format
mind uploading in word doc format
 
El arte
El arteEl arte
El arte
 
Sun On E-catalog
Sun On E-catalogSun On E-catalog
Sun On E-catalog
 
7г властивості прям_трикутн
7г властивості прям_трикутн7г властивості прям_трикутн
7г властивості прям_трикутн
 
Carolina leon
Carolina leonCarolina leon
Carolina leon
 
Tutorial para aprender hacer una unidad tematica carlos leon
Tutorial para aprender hacer una unidad tematica carlos leonTutorial para aprender hacer una unidad tematica carlos leon
Tutorial para aprender hacer una unidad tematica carlos leon
 
GRADE: エビデンスの確実性の評価
GRADE: エビデンスの確実性の評価GRADE: エビデンスの確実性の評価
GRADE: エビデンスの確実性の評価
 
Uma análise do currículo
Uma análise do currículoUma análise do currículo
Uma análise do currículo
 
El antiguo egipto
El antiguo egipto El antiguo egipto
El antiguo egipto
 
Rubén 1
Rubén 1Rubén 1
Rubén 1
 
U.cs101 лаборатори 1
U.cs101 лаборатори 1U.cs101 лаборатори 1
U.cs101 лаборатори 1
 
Presentacion Moodle avanzado: calificaciones y otros aspectos (#webinarsUNIA)
Presentacion Moodle avanzado: calificaciones y otros aspectos (#webinarsUNIA)Presentacion Moodle avanzado: calificaciones y otros aspectos (#webinarsUNIA)
Presentacion Moodle avanzado: calificaciones y otros aspectos (#webinarsUNIA)
 
Presentación seminario virtual sobre Storytelling (#webinarsunia)
Presentación seminario virtual sobre Storytelling (#webinarsunia)Presentación seminario virtual sobre Storytelling (#webinarsunia)
Presentación seminario virtual sobre Storytelling (#webinarsunia)
 
ESTRATEGIAS PARA UN MEJOR DESARROLLO DE LA GEOMETRÍA Y ESTADISTICA
ESTRATEGIAS PARA UN MEJOR DESARROLLO DE LA GEOMETRÍA Y ESTADISTICAESTRATEGIAS PARA UN MEJOR DESARROLLO DE LA GEOMETRÍA Y ESTADISTICA
ESTRATEGIAS PARA UN MEJOR DESARROLLO DE LA GEOMETRÍA Y ESTADISTICA
 
cultura india
 cultura india cultura india
cultura india
 
8ºano (cap.4)
8ºano (cap.4)8ºano (cap.4)
8ºano (cap.4)
 
Atualidades 7 - Oriente médio, ciranda geopolitica
Atualidades 7 - Oriente médio, ciranda geopoliticaAtualidades 7 - Oriente médio, ciranda geopolitica
Atualidades 7 - Oriente médio, ciranda geopolitica
 
Il community performance index appilcato a TwLetteratura
Il community performance index appilcato a TwLetteraturaIl community performance index appilcato a TwLetteratura
Il community performance index appilcato a TwLetteratura
 

Semelhante a Diversidade, cultura e direitos

lei maria da penha
lei maria da penhalei maria da penha
lei maria da penhaCleide Silva
 
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02Crislaine Matozinhos
 
FACELI: II Simpósio sobre Violência contra a Mulher - A Contribuição da equi...
 FACELI: II Simpósio sobre Violência contra a Mulher - A Contribuição da equi... FACELI: II Simpósio sobre Violência contra a Mulher - A Contribuição da equi...
FACELI: II Simpósio sobre Violência contra a Mulher - A Contribuição da equi...Jordano Santos Cerqueira
 
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoViolência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoHelena Rocha
 
CARTILHA DA MULHER - LEI MARIA DA PENHA - VERSÃO DIGITAL - INTERIOR - JULHO-2...
CARTILHA DA MULHER - LEI MARIA DA PENHA - VERSÃO DIGITAL - INTERIOR - JULHO-2...CARTILHA DA MULHER - LEI MARIA DA PENHA - VERSÃO DIGITAL - INTERIOR - JULHO-2...
CARTILHA DA MULHER - LEI MARIA DA PENHA - VERSÃO DIGITAL - INTERIOR - JULHO-2...MariaFernandaPaciHSh
 
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxViolencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxVniaFerreiraCostadeO
 
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxViolencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxVniaFerreiraCostadeO
 
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Slide projeto violencia e abuso sexual   renataSlide projeto violencia e abuso sexual   renata
Slide projeto violencia e abuso sexual renataFabiana Subrinho
 
Violencia contra mulher e recursos tecnologias (1).pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias (1).pptxViolencia contra mulher e recursos tecnologias (1).pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias (1).pptxtatianesouza923757
 
Violência doméstica e familiar polícia militar
Violência doméstica e familiar   polícia militarViolência doméstica e familiar   polícia militar
Violência doméstica e familiar polícia militarGeazi San
 
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivasPrevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivasMarcio Paiva
 
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Maria Antonia
 
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Maria Antonia
 
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01Marcelly Cley
 
Violencia domestica parte 2 geografia
Violencia domestica parte 2 geografiaViolencia domestica parte 2 geografia
Violencia domestica parte 2 geografiaFelipe Feliciano
 
Viol€ ¢ãªncia envolvendo crian€ ¢ã§as e adole
Viol€ ¢ãªncia envolvendo crian€ ¢ã§as e adoleViol€ ¢ãªncia envolvendo crian€ ¢ã§as e adole
Viol€ ¢ãªncia envolvendo crian€ ¢ã§as e adolejorge luiz dos santos de souza
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesAlinebrauna Brauna
 
Abuso sexual - Enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes: É PR...
Abuso sexual - Enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes: É PR...Abuso sexual - Enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes: É PR...
Abuso sexual - Enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes: É PR...Camila Moraes
 

Semelhante a Diversidade, cultura e direitos (20)

lei maria da penha
lei maria da penhalei maria da penha
lei maria da penha
 
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
 
FACELI: II Simpósio sobre Violência contra a Mulher - A Contribuição da equi...
 FACELI: II Simpósio sobre Violência contra a Mulher - A Contribuição da equi... FACELI: II Simpósio sobre Violência contra a Mulher - A Contribuição da equi...
FACELI: II Simpósio sobre Violência contra a Mulher - A Contribuição da equi...
 
Violência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.dViolência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.d
 
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoViolência conjugal - formação
Violência conjugal - formação
 
CARTILHA DA MULHER - LEI MARIA DA PENHA - VERSÃO DIGITAL - INTERIOR - JULHO-2...
CARTILHA DA MULHER - LEI MARIA DA PENHA - VERSÃO DIGITAL - INTERIOR - JULHO-2...CARTILHA DA MULHER - LEI MARIA DA PENHA - VERSÃO DIGITAL - INTERIOR - JULHO-2...
CARTILHA DA MULHER - LEI MARIA DA PENHA - VERSÃO DIGITAL - INTERIOR - JULHO-2...
 
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxViolencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
 
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxViolencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
 
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
Slide projeto violencia e abuso sexual   renataSlide projeto violencia e abuso sexual   renata
Slide projeto violencia e abuso sexual renata
 
Violencia contra mulher e recursos tecnologias (1).pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias (1).pptxViolencia contra mulher e recursos tecnologias (1).pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias (1).pptx
 
Abuso
AbusoAbuso
Abuso
 
Violência doméstica e familiar polícia militar
Violência doméstica e familiar   polícia militarViolência doméstica e familiar   polícia militar
Violência doméstica e familiar polícia militar
 
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivasPrevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
Prevenção dos maus tractos e das aproximações abusivas
 
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
 
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
Cartilha da campanha_contra_o_abuso_sexual_e_pedofilia (1)
 
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
Violnciasexualcontracrianaseadolescentes 130718011435-phpapp01
 
Violencia domestica parte 2 geografia
Violencia domestica parte 2 geografiaViolencia domestica parte 2 geografia
Violencia domestica parte 2 geografia
 
Viol€ ¢ãªncia envolvendo crian€ ¢ã§as e adole
Viol€ ¢ãªncia envolvendo crian€ ¢ã§as e adoleViol€ ¢ãªncia envolvendo crian€ ¢ã§as e adole
Viol€ ¢ãªncia envolvendo crian€ ¢ã§as e adole
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Abuso sexual - Enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes: É PR...
Abuso sexual - Enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes: É PR...Abuso sexual - Enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes: É PR...
Abuso sexual - Enfrentamento ao abuso sexual de crianças e adolescentes: É PR...
 

Mais de Andréa Kochhann

Coaching educacional reflexões iniciais
Coaching educacional   reflexões iniciaisCoaching educacional   reflexões iniciais
Coaching educacional reflexões iniciaisAndréa Kochhann
 
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologiasA prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologiasAndréa Kochhann
 
A pesquisa educacional necessidade emergente em cursos de formação de profe...
A pesquisa educacional   necessidade emergente em cursos de formação de profe...A pesquisa educacional   necessidade emergente em cursos de formação de profe...
A pesquisa educacional necessidade emergente em cursos de formação de profe...Andréa Kochhann
 
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...Andréa Kochhann
 
A construção do conhecimento pela pesquisa científica uma discussão à luz d...
A construção do conhecimento pela pesquisa científica   uma discussão à luz d...A construção do conhecimento pela pesquisa científica   uma discussão à luz d...
A construção do conhecimento pela pesquisa científica uma discussão à luz d...Andréa Kochhann
 
Aula magna na pós graduação em docência universitária
Aula magna na pós graduação em docência universitáriaAula magna na pós graduação em docência universitária
Aula magna na pós graduação em docência universitáriaAndréa Kochhann
 
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologiasA prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologiasAndréa Kochhann
 
A pesquisa educacional necessidade emergente em cursos de formação de profe...
A pesquisa educacional   necessidade emergente em cursos de formação de profe...A pesquisa educacional   necessidade emergente em cursos de formação de profe...
A pesquisa educacional necessidade emergente em cursos de formação de profe...Andréa Kochhann
 
A importância de filmes em sala de aula e o guia do gefopi
A importância de filmes em sala de aula e o guia do gefopi  A importância de filmes em sala de aula e o guia do gefopi
A importância de filmes em sala de aula e o guia do gefopi Andréa Kochhann
 
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...Andréa Kochhann
 
A construção do conhecimento pela pesquisa científica uma discussão à luz d...
A construção do conhecimento pela pesquisa científica   uma discussão à luz d...A construção do conhecimento pela pesquisa científica   uma discussão à luz d...
A construção do conhecimento pela pesquisa científica uma discussão à luz d...Andréa Kochhann
 
Pesquisa princípio científico e educativo
Pesquisa   princípio científico e educativoPesquisa   princípio científico e educativo
Pesquisa princípio científico e educativoAndréa Kochhann
 
Uma discussão sobre cotas raciais
Uma discussão sobre cotas raciaisUma discussão sobre cotas raciais
Uma discussão sobre cotas raciaisAndréa Kochhann
 
Relato de experiência de cidadania e cultura
Relato de experiência de cidadania e culturaRelato de experiência de cidadania e cultura
Relato de experiência de cidadania e culturaAndréa Kochhann
 
Pesquisa acadêmica e a autonomia do pensamento
Pesquisa acadêmica e a autonomia do pensamentoPesquisa acadêmica e a autonomia do pensamento
Pesquisa acadêmica e a autonomia do pensamentoAndréa Kochhann
 
Paulo Freire para além do ensino
Paulo Freire para além do ensinoPaulo Freire para além do ensino
Paulo Freire para além do ensinoAndréa Kochhann
 
Paradigmas, práticas educativas e perfil do professor
Paradigmas, práticas educativas e perfil do professorParadigmas, práticas educativas e perfil do professor
Paradigmas, práticas educativas e perfil do professorAndréa Kochhann
 
O uso de filmes no ensino suiperior
O uso de filmes no ensino suiperiorO uso de filmes no ensino suiperior
O uso de filmes no ensino suiperiorAndréa Kochhann
 
O uso de filmes em sala de aula por meio da extensão
O uso de filmes em sala de aula por meio da extensãoO uso de filmes em sala de aula por meio da extensão
O uso de filmes em sala de aula por meio da extensãoAndréa Kochhann
 

Mais de Andréa Kochhann (20)

Coaching educacional reflexões iniciais
Coaching educacional   reflexões iniciaisCoaching educacional   reflexões iniciais
Coaching educacional reflexões iniciais
 
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologiasA prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
 
A pesquisa educacional necessidade emergente em cursos de formação de profe...
A pesquisa educacional   necessidade emergente em cursos de formação de profe...A pesquisa educacional   necessidade emergente em cursos de formação de profe...
A pesquisa educacional necessidade emergente em cursos de formação de profe...
 
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
 
A construção do conhecimento pela pesquisa científica uma discussão à luz d...
A construção do conhecimento pela pesquisa científica   uma discussão à luz d...A construção do conhecimento pela pesquisa científica   uma discussão à luz d...
A construção do conhecimento pela pesquisa científica uma discussão à luz d...
 
Aula magna na pós graduação em docência universitária
Aula magna na pós graduação em docência universitáriaAula magna na pós graduação em docência universitária
Aula magna na pós graduação em docência universitária
 
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologiasA prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
A prática social como alicerce da aprendizagem modalidades e metodologias
 
A pesquisa educacional necessidade emergente em cursos de formação de profe...
A pesquisa educacional   necessidade emergente em cursos de formação de profe...A pesquisa educacional   necessidade emergente em cursos de formação de profe...
A pesquisa educacional necessidade emergente em cursos de formação de profe...
 
A importância de filmes em sala de aula e o guia do gefopi
A importância de filmes em sala de aula e o guia do gefopi  A importância de filmes em sala de aula e o guia do gefopi
A importância de filmes em sala de aula e o guia do gefopi
 
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
A identidade docente no projeto pedagógico do curso de pedagogia da universid...
 
A construção do conhecimento pela pesquisa científica uma discussão à luz d...
A construção do conhecimento pela pesquisa científica   uma discussão à luz d...A construção do conhecimento pela pesquisa científica   uma discussão à luz d...
A construção do conhecimento pela pesquisa científica uma discussão à luz d...
 
Pesquisa princípio científico e educativo
Pesquisa   princípio científico e educativoPesquisa   princípio científico e educativo
Pesquisa princípio científico e educativo
 
Uma discussão sobre cotas raciais
Uma discussão sobre cotas raciaisUma discussão sobre cotas raciais
Uma discussão sobre cotas raciais
 
Um natal mais solidário
Um natal mais solidárioUm natal mais solidário
Um natal mais solidário
 
Relato de experiência de cidadania e cultura
Relato de experiência de cidadania e culturaRelato de experiência de cidadania e cultura
Relato de experiência de cidadania e cultura
 
Pesquisa acadêmica e a autonomia do pensamento
Pesquisa acadêmica e a autonomia do pensamentoPesquisa acadêmica e a autonomia do pensamento
Pesquisa acadêmica e a autonomia do pensamento
 
Paulo Freire para além do ensino
Paulo Freire para além do ensinoPaulo Freire para além do ensino
Paulo Freire para além do ensino
 
Paradigmas, práticas educativas e perfil do professor
Paradigmas, práticas educativas e perfil do professorParadigmas, práticas educativas e perfil do professor
Paradigmas, práticas educativas e perfil do professor
 
O uso de filmes no ensino suiperior
O uso de filmes no ensino suiperiorO uso de filmes no ensino suiperior
O uso de filmes no ensino suiperior
 
O uso de filmes em sala de aula por meio da extensão
O uso de filmes em sala de aula por meio da extensãoO uso de filmes em sala de aula por meio da extensão
O uso de filmes em sala de aula por meio da extensão
 

Último

5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024excellenceeducaciona
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 

Último (20)

5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 

Diversidade, cultura e direitos

  • 1. Câmpus Jussara DIVERSIDADES, CULTURAS E DIREITOS Maria Rita Medeiros Fontes Coordenadora do Programa Jovem Cidadão Fone: (62) 3201-8638 / 9971-8362 e-mail: jovemcidadaogoias@gmail.com
  • 3. DIVERSIDADES, CULTURAS E DIREITOS AMOR UNIÃO TOLERÂNCIA RESPEITO
  • 4. DIVERSIDADES, CULTURAS E DIREITOS SOMOS TODOS DIFERENTES Você é capaz de identificar diferenças pela APARÊNCIA?
  • 5. DIVERSIDADES • IDENTIDADE DE GÊNERO  experiência interna e individual  pode ou não corresponder ao sexo de nascimento  FEMININO / FEMINILIDADE  traços socialmente construídos  comumente associado à fragilidade e à submissão  MASCULINO / MASCULINIDADE  traços socialmente construídos  comumente associado à força e agressividade
  • 6. DIVERSIDADES IDENTIDADE DE GÊNERO  experiência interna e individual  pode ou não corresponder ao sexo de nascimento  CISGÊNERO  concordância entre a identidade de gênero e o sexo biológico  "um conceito que abarca as pessoas que se identificam com o gênero que lhes foi determinado no momento de seu nascimento, ou seja, as pessoas não transgênero“ Jaqueline Gomes de Jesus  TRANSGÊNERO  expressão de gênero e/ou identidade de gênero de uma pessoa é diferente daquelas atribuídas ao gênero designado no nascimento  MASCULINO – mulher para homem  FEMININO – homem para mulher
  • 7. DIVERSIDADES • ORIENTAÇÃO SEXUAL  atração afetiva, emocional ou sexual por pessoas do mesmo gênero, de gênero diferente ou de mais de um gênero  HETEROSEXUALIDADE – atração afetiva e sexual pelo gênero oposto  HOMOSSEXUALIDADE – atração afetiva e sexual pelo mesmo gênero  BISSEXUALIDADE – atração afetiva e sexual por ambos os gêneros
  • 8. DIVERSIDADES • ORIENTAÇÃO SEXUAL HOMOSSEXUALIDADE - Lésbicas – relacionam-se sexual e afetivamente com mulheres e se identificam como mulheres Gays – relacionam-se sexual e afetivamente com homens e se identificam como homens Bissexuais - relacionam-se sexual e afetivamente com ambos os sexos
  • 9. DIVERSIDADES • ORIENTAÇÃO SEXUAL  Transexuais - homens e mulheres que optam por transição para o gênero oposto  Travestis - vestem-se com uma identidade de gênero diferente do biológico, mas se identificam com seu corpo  Transgêneros - demais identificações
  • 11. GARANTIA DE DIREITOS Declaração Universal dos Direitos Humanos ARTIGO 1° Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. - CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA – 1988 ARTIGO 226 A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado. § 8º O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações.
  • 12. GARANTIA DE DIREITOS LEI 7.716 - 05/01/1989 – Lei CAÓ – Punição para crimes de preconceito racial  recusar acesso a estabelecimentos comerciais;  impedir matrícula de crianças em escolas ;  proibir cidadãos negros de entrar em restaurantes, bares ou edifícios públicos ou utilizar transporte público. Reconhecendo as desigualdades:  Cerca de 75% dos beneficiários dos programas sociais são negros;  73% de negros no programa “Brasil sem Miséria”  Existem no Brasil 2.197 comunidades quilombolas ( 1,17 milhão de indivíduos) “Alguém ainda critica as cotas para negros?”
  • 13. Lei 11.340 – 07/08/2006 Lei Maria da Penha Art. 3º §1º - O poder público desenvolverá políticas que visem garantir os direitos humanos das mulheres no âmbito das relações domésticas e familiares no sentido de resguardá-las de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. GARANTIA DE DIREITOS
  • 14. ORGANISMOS DE ACOLHIMENTO E ASSISTÊNCIA  CREI – Centro de Referência Estadual da Igualdade – 1 em Goiânia  inclui atendimento para a população LGBT e denúncias de racismo;  DEAM – Delegacia Especializada de Atendimento às Mulheres 20 no Interior/2 em Goiânia  CEAM – Centro Especializado de Atendimento às Mulheres 8 no Interior/ 1 em Goiânia  NEAM – Núcleo Especializado de Atendimento às Mulheres 6 no Interior GARANTIA DE DIREITOS
  • 15. ORGANISMOS DE ACOLHIMENTO E ASSISTÊNCIA  Varas Especializadas de enfrentamento à violência doméstica 2 Goiânia  Promotoria Especial de enfrentamento à violência doméstica 1 em Goiânia / 1 em Luziânia  Casa de Passagem 1 em Valparaíso  Patrulha Maria da Penha parceria com a Polícia Militar e Secretaria Cidadã GARANTIA DE DIREITOS
  • 16. TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES  Violência moral  representada por episódios de humilhações, calúnias e/ou difamação;  agressor utiliza linguagem chula ou de baixo calão ao se referir à vítima;  levanta dúvidas sobre o comportamento ou fidelidade no relacionamento;  expõe a vítima em público ou em particular, menosprezando suas atitudes ou aviltando o comportamento da vítima;  Violência psicológica  conduta que causa dano emocional e diminuição da auto-estima da vítima; prejudica e perturba seu pleno desenvolvimento; ou visa degradar ou controlar suas ações;  agressor ameaça, constrange, humilha, manipula, isola, vigia constantemente, persegue rotineiramente, insulta, chantageia ou ridiculariza a vítima;  impõe limite ao direito de ir e vir (cárcere privado);  causa prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação da vítima; GARANTIA DE DIREITOS
  • 17. TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES  Violência patrimonial  conduta que promove retenção, subtração, destruição parcial ou total de objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e /ou recursos econômicos;  agressor se arvora no poder de tomar bens e recursos da vítima, restringindo a satisfação de suas necessidades;  posse de objetos ou recursos da vítima, contrariando sua vontade;  Violência física  conduta que ofende a integridade da vítima ou sua saúde corporal;  de todos os tipos de violência, é a agressão que deixa marcas visíveis;  é representada pela utilização da força física para causar danos corporais, marcas e cicatrizes;  geralmente as agressões são marcadas pelo excesso de força, evidenciando a perda de controle do agressor. GARANTIA DE DIREITOS
  • 18. TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES  Violência sexual  conduta que obriga a vítima a assistir, a manter ou a participar de relação sexual não desejada, por meio de uso da força, intimidação ou ameaça(estupro e abuso sexual);  a vítima é obrigada a comercializar ou a utilizar sua sexualidade;  fica impedida de usar qualquer método contraceptivo ou é forçada ao matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, por meio de chantagem, suborno ou manipulação;  o agressor limita ou anula os direitos sexuais e reprodutivos da vítima.  Tipos de violência sexual  Abuso incestuoso/ Incesto / Estupro (“Estupro corretivo”) / Assédio sexual / Exploração sexual / Pornografia infantil / Pedofilia / Voyeurismo GARANTIA DE DIREITOS
  • 19. fica implícita a relação desigual de poder entre homens e mulheres – são poucos os agressores que assumem a violência; geralmente o agressor se sente intimidado com a abertura do inquérito, mas em pouco tempo, poderá retomar as ameaças e a violência; o índice de reincidência é alto quando os agressores não são encaminhados para o serviço público de saúde mental; não se trata de somente punir, mas procurar solucionar um problema social. as agressões ocorrem, em sua maioria, motivadas por ciúmes dos parceiros ou suspeita de traição; VIOLÊNCIA DOMÉSTICA GARANTIA DE DIREITOS
  • 20. NÚMEROS DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER  no Brasil GARANTIA DE DIREITOS Fonte: Relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Violência contra Mulheres do Congresso Nacional
  • 21. NÚMEROS DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER  em Goiás  9ª posição no ranking nacional 5,7 feminicídios a cada 100 mil mulheres  Goiânia - 7ª Capital mais violenta 6,8 feminicídios a cada 100 mil mulheres GARANTIA DE DIREITOS
  • 22. NÚMEROS DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER  em Goiás POSIÇÃO RANKING MUNICÍPIO POP. FEMININA TAXA FEMINICÍDIO/ 100 MIL MULHERES 20ª FORMOSA 50.126 14,0 21ª JATAÍ 44.045 13,6 38ª VALPARAÍSO 68.358 11,7 42ª RIO VERDE 86.394 11,6 88ª ÁGUAS LINDAS 79.652 8,8 IPEA - taxa de feminicídios 5,82 /100.000 mulheres  período 2009-2011, no Brasil GARANTIA DE DIREITOS
  • 23. MITOS E ESTEREÓTIPOS QUANTO À VIOLÊNCIA 1. “a violência doméstica ocorre esporadicamente”  a cada 15 segundos uma mulher é agredida no Brasil 2. “em briga de marido e mulher ninguém mete a colher”  dados comprovam que a violência vem decaindo com as denúncias e a disseminação da Lei Maria da Penha 3. “a violência só acontece nas classes de baixa renda”  “a violência é democrática” dizia Heleith Safioti 4. “mulher gosta de apanhar”  todos gostamos de carinho e de cuidados! 5. “homens não controlam seus instintos”  justificar o crime pela incapacidade do homem de controlar suas emoções 6. “mulher é covarde: acusa e depois retira a queixa” 1. dependência econômica / medo de perder os filhos/ risco de vida/vergonha ou sentimento de humilhação/ “amor” • “violência só acontece em lares desestruturados”  desequilíbrios emocionais e dependência química podem agravar a violência
  • 24. 8. “a lei não me protege e a polícia não quer saber“  essa realidade vem mudando 8. “ violência nos casais gays e de lésbicas é mútua”  não existe equilíbrio de poder ou de força física 8. “crianças estão protegidas dentro de casa”  maior incidência de abuso casado por parentes próximos 8. “a pedofilia é cometida por homossexuais”  a maioria dos agressores é héterossexual e mantém relações com adultos 8. “criança inventa que é abusada sexualmente”  raramente a criança mente sobre isso  “ todo abusador ou pedófilo é tarado” 8. pessoas inseridas na comunidade e querida pelas crianças e adolescentes MITOS E ESTEREÓTIPOS QUANTO À VIOLÊNCIA
  • 26. JUSTIÇA SOCIAL PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA Renda Cidadã – resgatar a cidadania das famílias em extrema pobreza; Renda Cidadã Mais Educação – auxílio por filho em idade escolar; Renda Cidadã Mais Saúde – auxílio para membros da família com doença crônica; Jovem Cidadão – programa educacional remunerado DESENVOLVIMENTO SOCIAL E TRABALHO
  • 27. JUSTIÇA SOCIAL PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA Pão e Leite – atendimento a entidades sem fins lucrativos – apoio nutricional; Isenção de Água e Energia Elétrica – para santas casas de saúde e hospitais filantrópicos sem fins lucrativos e associações que representem cidadãos; Passaporte do Idoso – garantia de ir e vir em todo o Estado com dignidade e respeito. DESENVOLVIMENTO SOCIAL E TRABALHO
  • 28. JUSTIÇA SOCIAL Sistema estadual de emprego e qualificação profissional - oportunidade de emprego e renda  intermediação de mão-de-obra – captação de vagas e colocação no mercado de trabalho; emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS; Garantia dos Direitos: da pessoa idosa da pessoa com deficiência das crianças e adolescentes DESENVOLVIMENTO SOCIAL E TRABALHO
  • 29. Temos o direito a ser iguais quando a nossa diferença nos inferioriza; e temos o direito a ser diferentes quando a nossa igualdade nos descaracteriza. Daí a necessidade de uma igualdade que reconheça as diferenças e de uma diferença que não produza, alimente ou reproduza as desigualdades. Boaventura Souza Santos Temos o direito a ser iguais quando a nossa diferença nos inferioriza; e temos o direito a ser diferentes quando a nossa igualdade nos descaracteriza. Daí a necessidade de uma igualdade que reconheça as diferenças e de uma diferença que não produza, alimente ou reproduza as desigualdades. Boaventura Souza Santos CONSTRUINDO A TOLERÂNCIA
  • 30.             Agradeço sua atenção! Maria Rita Medeiros Fontes Coordenadora do Programa Jovem Cidadão Fone: (62) 3201-8638 / 9971-8362 e-mail: jovemcidadaogoias@gmail.com