SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA 11.º ano 
FILOSOFIA 11.º ano 
Luís Rodrigues 
Tipos de argumentos 
indutivos
Tipos de argumentos indutivos 
Tipos de argumentos indutivos 
Dois tipos de argumentos indutivos 
Generalizações Previsões 
FILOSOFIA 11.º ano
Generalização 
Tipos de argumentos indutivos 
As generalizações são argumentos em que uma conclusão geral ou 
universal é estabelecida a partir de uma amostra menos geral. A 
generalização consiste em atribuir a todos os membros de uma classe 
uma ou mais propriedades que um número limitado mas considerado 
representativo de membros da classe possui. 
FILOSOFIA 11.º ano
Generalização 
Exemplo 
Tipos de argumentos indutivos 
Cada um dos cães que observei até hoje ladrava. 
Logo, todos os cães ladram. 
FILOSOFIA 11.º ano 
Forma lógica do argumento 
Alguns A são B. 
Logo, todos os A são B.
Previsões 
Tipos de argumentos indutivos 
As previsões são argumentos em que as premissas se baseiam em 
casos passados observados ou conhecidos e a conclusão se refere a 
casos particulares não observados. 
FILOSOFIA 11.º ano
Previsões 
Exemplos 
Tipos de argumentos indutivos 
1. Todos os banhistas desta praia observados até agora estavam 
queimados pelo sol. Logo, o próximo banhista que for observado 
estará queimado pelo sol. 
2. Todos os 27 feijões que retirei deste saco são brancos. 
Logo, o próximo feijão que retirar deste saco é branco. 
3. Sempre que vou ao Terreiro do Paço, encontro a estátua de D. José. 
Logo, da próxima vez que lá for, encontrarei essa estátua. 
FILOSOFIA 11.º ano
Previsões 
Tipos de argumentos indutivos 
FILOSOFIA 11.º ano 
Forma lógica do 
argumento. 
Alguns A são B. 
Logo, o próximo A será 
B.
As generalizações e as previsões devem obedecer às seguintes 
FILOSOFIA 11.º ano 
regras 
Regra 1. A amostra deve ser 
ampla. 
Quanto maior for a amostra 
observada mais forte o 
argumento será. A conclusão de 
que certa dieta é adequada 
para certa doença será menos 
forte se for baseada em dez 
observações e mais forte se for 
baseada em milhares. 
Perguntar a 25 pessoas qual o 
partido em que vão votar não 
permite uma previsão adequada 
do resultado das eleições. 
Regra 2. A amostra deve ser 
representativa. 
Uma amostra relativamente grande pode ser a 
base de uma generalização mais fraca do que outra 
baseada numa amostra menor que contenha 
informação mais relevante. Um argumento 
baseado em quinhentas observações de doentes 
com nível etário, história clínica e hábitos 
alimentares diferentes é mais forte do que um 
argumento baseado na observação de mil doentes 
do mesmo escalão etário, de uma mesma região e 
com história clínica desconhecida. Não incluir 
numa sondagem eleitoral uma percentagem 
idêntica de homens e de mulheres e fatores como 
a idade, o grau de instrução e o meio em que se 
vive torna a amostra pouco representativa e pouco 
fiável a previsão do resultado eleitoral. 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos 
Regra 3 – A amostra não deve omitir informação relevante. 
Um argumento, mesmo sendo baseado numa amostra grande e relevante, 
será mau se omitir informação relevante. A generalização deve ser 
rejeitada se já forem conhecidos contraexemplos. 
Suponha que depois de ter contactado com noventa dos cem membros de 
uma seita, e destes só um não lhe ter parecido intolerante, formulava a 
seguinte generalização: 
Oitenta e nove dos cem membros desta seita são intolerantes. 
FILOSOFIA 11.º ano 
Logo, todos os membros desta seita são intolerantes. 
De acordo com as duas primeiras regras, o argumento é muito forte 
porque a amostra é grande e relevante. Mas, pela aplicação da terceira 
regra, concluímos que o argumento é fraco: deve ser rejeitado porque 
omitiu um contraexemplo, uma prova de que a conclusão é falsa. 
Ao não cumprir estas ou alguma destas regras, incorremos nas 
falácias da generalização precipitada ou da previsão inadequada.
Tipos de argumentos indutivos 
Exemplos de generalização precipitada 
Concluir, após uma experiência amorosa falhada, que 
«as mulheres são a nossa desgraça»; concluir que as 
bebidas alcoólicas são prejudiciais porque um familiar 
morreu devido ao abuso de álcool; concluir que a 
marijuana é saudável por ser usada no tratamento de 
algumas doenças; concluir, depois de assistir aos 
distúrbios e estragos que os adeptos de futebol ingleses 
provocam quando se deslocam ao estrangeiro, que os 
ingleses são uns vândalos. 
FILOSOFIA 11.º ano 
Exemplos de previsão inadequada 
Concluir que por até agora nenhuma mulher ter sido 
presidente do Benfica nenhuma mulher alguma vez o 
será e que se até agora nunca nevou em Cabo Verde 
nunca nevará.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hume
HumeHume
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
Luis De Sousa Rodrigues
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
Filazambuja
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Mariana Monteiro
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
Isabel Moura
 
A falácia do falso dilema
A falácia do falso dilemaA falácia do falso dilema
A falácia do falso dilema
Luis De Sousa Rodrigues
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
Isabel Moura
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
InesVieiraAluno
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Isabel Moura
 
A falácia da derrapagem
A falácia da derrapagemA falácia da derrapagem
A falácia da derrapagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
Dylan Bonnet
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
pauloricardom
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
Luis De Sousa Rodrigues
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
Luis De Sousa Rodrigues
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
mluisavalente
 

Mais procurados (20)

Hume
HumeHume
Hume
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
A falácia do falso dilema
A falácia do falso dilemaA falácia do falso dilema
A falácia do falso dilema
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
A falácia da derrapagem
A falácia da derrapagemA falácia da derrapagem
A falácia da derrapagem
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 

Destaque

Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Isaque Tomé
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
Julieta Martins
 
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Jorge Barbosa
 
A validade indutiva
A validade indutivaA validade indutiva
A validade indutiva
Luis De Sousa Rodrigues
 
Apelo falacioso à ignorância
Apelo falacioso à ignorânciaApelo falacioso à ignorância
Apelo falacioso à ignorância
Luis De Sousa Rodrigues
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
Luis De Sousa Rodrigues
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípio
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
Ana Castro
 
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
norberto faria
 
Tipos de argumentação
Tipos de argumentaçãoTipos de argumentação
Tipos de argumentação
Ana Lúcia Moura Neves
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
norberto faria
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
Paulo Gomes
 
A noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutivaA noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutiva
Luis De Sousa Rodrigues
 
Validade não dedutiva
Validade não dedutivaValidade não dedutiva
Validade não dedutiva
Luis De Sousa Rodrigues
 
A noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutivaA noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutiva
Luis De Sousa Rodrigues
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
Jamille Rabelo
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
mluisavalente
 
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoaAd hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Luis De Sousa Rodrigues
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Ensayo con tipos de argumento
Ensayo con tipos de argumentoEnsayo con tipos de argumento
Ensayo con tipos de argumento
ivosorio
 

Destaque (20)

Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retórica
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
 
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
 
A validade indutiva
A validade indutivaA validade indutiva
A validade indutiva
 
Apelo falacioso à ignorância
Apelo falacioso à ignorânciaApelo falacioso à ignorância
Apelo falacioso à ignorância
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípio
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
 
Tipos de argumentação
Tipos de argumentaçãoTipos de argumentação
Tipos de argumentação
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
 
A noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutivaA noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutiva
 
Validade não dedutiva
Validade não dedutivaValidade não dedutiva
Validade não dedutiva
 
A noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutivaA noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutiva
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
 
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoaAd hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
 
Ensayo con tipos de argumento
Ensayo con tipos de argumentoEnsayo con tipos de argumento
Ensayo con tipos de argumento
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Luis De Sousa Rodrigues
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Luis De Sousa Rodrigues
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 5
Freud 5Freud 5

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 5
 

Tipos de argumentos indutivos

  • 1. FILOSOFIA 11.º ano FILOSOFIA 11.º ano Luís Rodrigues Tipos de argumentos indutivos
  • 2. Tipos de argumentos indutivos Tipos de argumentos indutivos Dois tipos de argumentos indutivos Generalizações Previsões FILOSOFIA 11.º ano
  • 3. Generalização Tipos de argumentos indutivos As generalizações são argumentos em que uma conclusão geral ou universal é estabelecida a partir de uma amostra menos geral. A generalização consiste em atribuir a todos os membros de uma classe uma ou mais propriedades que um número limitado mas considerado representativo de membros da classe possui. FILOSOFIA 11.º ano
  • 4. Generalização Exemplo Tipos de argumentos indutivos Cada um dos cães que observei até hoje ladrava. Logo, todos os cães ladram. FILOSOFIA 11.º ano Forma lógica do argumento Alguns A são B. Logo, todos os A são B.
  • 5. Previsões Tipos de argumentos indutivos As previsões são argumentos em que as premissas se baseiam em casos passados observados ou conhecidos e a conclusão se refere a casos particulares não observados. FILOSOFIA 11.º ano
  • 6. Previsões Exemplos Tipos de argumentos indutivos 1. Todos os banhistas desta praia observados até agora estavam queimados pelo sol. Logo, o próximo banhista que for observado estará queimado pelo sol. 2. Todos os 27 feijões que retirei deste saco são brancos. Logo, o próximo feijão que retirar deste saco é branco. 3. Sempre que vou ao Terreiro do Paço, encontro a estátua de D. José. Logo, da próxima vez que lá for, encontrarei essa estátua. FILOSOFIA 11.º ano
  • 7. Previsões Tipos de argumentos indutivos FILOSOFIA 11.º ano Forma lógica do argumento. Alguns A são B. Logo, o próximo A será B.
  • 8. As generalizações e as previsões devem obedecer às seguintes FILOSOFIA 11.º ano regras Regra 1. A amostra deve ser ampla. Quanto maior for a amostra observada mais forte o argumento será. A conclusão de que certa dieta é adequada para certa doença será menos forte se for baseada em dez observações e mais forte se for baseada em milhares. Perguntar a 25 pessoas qual o partido em que vão votar não permite uma previsão adequada do resultado das eleições. Regra 2. A amostra deve ser representativa. Uma amostra relativamente grande pode ser a base de uma generalização mais fraca do que outra baseada numa amostra menor que contenha informação mais relevante. Um argumento baseado em quinhentas observações de doentes com nível etário, história clínica e hábitos alimentares diferentes é mais forte do que um argumento baseado na observação de mil doentes do mesmo escalão etário, de uma mesma região e com história clínica desconhecida. Não incluir numa sondagem eleitoral uma percentagem idêntica de homens e de mulheres e fatores como a idade, o grau de instrução e o meio em que se vive torna a amostra pouco representativa e pouco fiável a previsão do resultado eleitoral. Tipos de argumentos indutivos
  • 9. Tipos de argumentos indutivos Regra 3 – A amostra não deve omitir informação relevante. Um argumento, mesmo sendo baseado numa amostra grande e relevante, será mau se omitir informação relevante. A generalização deve ser rejeitada se já forem conhecidos contraexemplos. Suponha que depois de ter contactado com noventa dos cem membros de uma seita, e destes só um não lhe ter parecido intolerante, formulava a seguinte generalização: Oitenta e nove dos cem membros desta seita são intolerantes. FILOSOFIA 11.º ano Logo, todos os membros desta seita são intolerantes. De acordo com as duas primeiras regras, o argumento é muito forte porque a amostra é grande e relevante. Mas, pela aplicação da terceira regra, concluímos que o argumento é fraco: deve ser rejeitado porque omitiu um contraexemplo, uma prova de que a conclusão é falsa. Ao não cumprir estas ou alguma destas regras, incorremos nas falácias da generalização precipitada ou da previsão inadequada.
  • 10. Tipos de argumentos indutivos Exemplos de generalização precipitada Concluir, após uma experiência amorosa falhada, que «as mulheres são a nossa desgraça»; concluir que as bebidas alcoólicas são prejudiciais porque um familiar morreu devido ao abuso de álcool; concluir que a marijuana é saudável por ser usada no tratamento de algumas doenças; concluir, depois de assistir aos distúrbios e estragos que os adeptos de futebol ingleses provocam quando se deslocam ao estrangeiro, que os ingleses são uns vândalos. FILOSOFIA 11.º ano Exemplos de previsão inadequada Concluir que por até agora nenhuma mulher ter sido presidente do Benfica nenhuma mulher alguma vez o será e que se até agora nunca nevou em Cabo Verde nunca nevará.

Notas do Editor

  1. <number>
  2. <number>
  3. <number>
  4. <number>
  5. <number>
  6. <number>
  7. <number>
  8. <number>
  9. <number>