SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 105
Baixar para ler offline
O	
  ESSENCIAL	
  PARA	
  OS	
  EXAMES	
  DE	
  FILOSOFIA	
  
	
  
TEMA	
  1	
  
NOÇÕES	
  BÁSICAS	
  DE	
  ARGUMENTAÇÃO	
  
	
  
Argumento	
  
Um	
  conjunto	
  finito	
  de	
  proposições	
  formado	
  pela	
  conclusão	
  e	
  pelas	
  premissas	
  que	
  
visam	
  apoiá-­‐la.	
  Um	
  argumento	
  pode	
  ter	
  várias	
  premissas	
  mas	
  só	
  uma	
  conclusão.	
  Os	
  
argumentos	
  podem	
  também	
  ser	
  chamados	
  	
  raciocínios	
  ou	
  inferências.	
  
	
  
Todos	
  os	
  minhotos	
  são	
  
portugueses	
  
	
  
	
  
Premissa	
  
	
  
Estas	
  duas	
  frases	
  são	
  as	
  proposições	
  
que	
   usamos	
   para	
   defender	
   ou	
  
justificar	
  a	
  conclusão.	
  São	
  as	
  razões	
  
que	
   se	
   apresentam	
   para	
   fazer	
  
aceitar	
   a	
   ideia	
   de	
   que	
   	
   todos	
   os	
  
minhotos	
  são	
  europeus.	
  
	
  
Todos	
  os	
  portugueses	
  são	
  
europeus.	
  
	
  
	
  
Premissa	
  
	
  
	
  
Logo,	
  todos	
  os	
  minhotos	
  são	
  
europeus.	
  
	
  
	
  
	
  
Conclusão	
  
	
  
	
  
Aquilo	
  que	
  se	
  pretende	
  justificar	
  ou	
  
apoiar	
  mediante	
  as	
  premissas.	
  
	
  
Proposição	
  
 
	
  
	
  
PROPOSIÇÕES	
  
	
  Ideias	
   expressas	
   por	
   frases	
   declarativas	
   com	
   valor	
   de	
   verdade	
   –	
   que	
   ou	
   são	
  
verdadeiras	
   ou	
   falsas	
   –	
   mesmo	
   que	
   o	
   desconheçamos	
   e	
   ainda	
   não	
   o	
   tenhamos	
  
descoberto.	
  
Frases	
  que	
  exprimem	
  
proposições.	
  
Frases	
  que	
  não	
  exprimem	
  proposições.	
  
1	
  –	
  Hoje	
  é	
  feriado.	
  
2	
  –	
  Domingo	
  é	
  dia	
  de	
  
descanso	
  para	
  toda	
  a	
  
gente.	
  
3	
  –	
  Se	
  tivessem	
  muito	
  
dinheiro	
  todas	
  as	
  pessoas	
  
seriam	
  felizes.	
  
4	
  –	
  Todas	
  as	
  pessoas	
  têm	
  
casa.	
  
5	
  –	
  Os	
  animais	
  têm	
  
direitos.	
  
6	
  –	
  Nem	
  todas	
  as	
  pessoas	
  
têm	
  os	
  mesmos	
  
costumes.	
  
7	
  -­‐O	
  conhecimento	
  
humano	
  	
  
	
  tem	
  limites.	
  
1	
  –	
  Frases	
  interrogativas:	
  Quem	
  foi	
  o	
  criador	
  da	
  vacina	
  
contra	
  o	
  tétano?	
  Porque	
  são	
  pretos	
  os	
  pneus	
  dos	
  carros?	
  
Os	
  cirurgiões	
  operam	
  com	
  batas	
  brancas	
  ou	
  verdes?	
  
2	
  –	
  Frases	
  exclamativas:	
  Meu	
  Deus!	
  Cuidado!	
  
3	
  –	
  Promessas:	
  Não	
  voltarei	
  a	
  magoar	
  –	
  te;	
  Não	
  
aumentarei	
  os	
  impostos.	
  
4	
  –	
  Ordens:	
  Cala-­‐	
  te!	
  Senta	
  –	
  te!	
  	
  
5	
  –	
  Conselhos:	
  Se	
  conduzir	
  não	
  beba;	
  Tem	
  calma;	
  É	
  
melhor	
  poupares	
  esse	
  dinheiro;	
  Pare,	
  escute	
  e	
  olhe!	
  
6	
  –	
  Desejos	
  –	
  Quem	
  me	
  dera	
  que	
  chegue	
  o	
  Verão;	
  Como	
  
eu	
  gostava	
  de	
  ser	
  rico.	
  
	
  
	
  
	
  
Uma	
  proposição	
  é	
  todo	
  o	
  enunciado	
  que	
  pode	
  ser	
  verdadeiro	
  ou	
  falso,	
  isto	
  é,	
  que	
  
declara	
  algo	
  que	
  tem	
  valor	
  de	
  verdade.	
  Ter	
  valor	
  de	
  verdade	
  significa	
  não	
  que	
  a	
  
proposição	
  	
  é	
  verdadeira	
  mas	
  sim	
  que	
  pode	
  ser	
  verdadeira	
  ou	
  falsa.	
  	
  
Todas	
  as	
  proposições	
  são	
  frases	
  declarativas	
  mas	
  nem	
  todas	
  as	
  frases	
  declarativas	
  
são	
  proposições.	
  
 
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
Como	
  reconhecer	
  	
  e	
  clarificar	
  um	
  argumento.	
  
Indicadores	
  de	
  conclusão	
  
Então…	
  
O	
  que	
  mostra	
  (prova)	
  
que…	
  
Assim…	
  
Consequentemente….	
  
Daí	
  que…	
  
Por	
  conseguinte…	
  
Assim	
  sendo…	
  
Por	
  isso…	
  
Portanto…	
  
Segue-­‐se	
  que…	
  
E	
  por	
  essa	
  razão…	
  
Infere-­‐se	
  que…	
  
(…)	
  
	
  
Qualquer	
  frase	
  colocada	
  a	
  seguir	
  a	
  estes	
  indicadores	
  é	
  a	
  
conclusão.	
  
Ex:	
  Todos	
  os	
  animais	
  que	
  ladram	
  são	
  cães	
  e	
  por	
  isso	
  o	
  
animal	
  que	
  tenho	
  em	
  casa	
  é	
  um	
  cão.	
  
	
  
A	
  proposição	
  antes	
  do	
  indicador	
  por	
  isso	
  é	
  uma	
  premissa.	
  
A	
  proposição	
  a	
  seguir	
  é	
  a	
  conclusão.	
  
Implícita	
  está	
  a	
  outra	
  premissa,	
  que	
  identificaríamos	
  
como	
  omissa:	
  
Tenho	
  em	
  casa	
  um	
  animal	
  que	
  ladra.	
  
Argumento:	
  
Todos	
  os	
  animais	
  que	
  ladram	
  são	
  cães.	
  
Tenho	
  em	
  casa	
  um	
  animal	
  que	
  ladra.	
  
Logo,	
  o	
  animal	
  que	
  tenho	
  em	
  casa	
  é	
  um	
  cão.	
  
	
  
	
  
Indicadores	
  de	
  premissa	
  
 
Porque…	
  
Uma	
  vez	
  que…	
  
Pois…	
  
Visto	
  que…	
  
Em	
  virtude	
  de…	
  
Como…	
  
Assumindo	
  que…	
  
Considerando	
  que…	
  
Devido	
  a…	
  
Por	
  causa	
  de…	
  
Ora...	
  
Admitindo	
  que…	
  
Supondo	
  que…	
  
(…)	
  
	
  
Qualquer	
  frase	
  colocada	
  a	
  seguir	
  a	
  estes	
  indicadores	
  é	
  
uma	
  premissa.	
  
Ex:	
  O	
  animal	
  que	
  tenho	
  lá	
  em	
  casa	
  é	
  um	
  cão,	
  visto	
  que	
  é	
  
um	
  animal	
  que	
  ladra.	
  
A	
  proposição	
  antes	
  do	
  indicador	
  visto	
  que	
  é	
  a	
  conclusão.	
  
Implícita	
  está	
  a	
  outra	
  premissa:	
  
Todos	
  os	
  animais	
  que	
  ladram	
  são	
  cães.	
  
Argumento	
  
Todos	
  os	
  animais	
  que	
  ladram	
  são	
  cães.	
  
Tenho	
  em	
  casa	
  um	
  animal	
  que	
  ladra.	
  
Logo,	
  o	
  animal	
  que	
  tenho	
  em	
  casa	
  é	
  um	
  cão.	
  
	
  
I	
  
Explicite	
  a	
  premissa	
  omitida	
  ou	
  subentendida	
  em	
  cada	
  um	
  dos	
  argumentos.	
  
1.O	
  assassinato	
  de	
  um	
  ser	
  humano	
  inocente	
  deve	
  ser	
  condenado.	
  	
  	
  	
  
Logo,	
  o	
  aborto	
  deve	
  ser	
  condenado.	
  
R:	
  A	
  premissa	
  omitida	
  é	
  O	
  aborto	
  é	
  o	
  assassinato	
  de	
  um	
  ser	
  humano	
  inocente.	
  	
  
Argumento:	
  	
  
O	
  aborto	
  é	
  o	
  assassinato	
  de	
  um	
  ser	
  humano	
  inocente.	
  
O	
  assassinato	
  de	
  um	
  ser	
  humano	
  inocente	
  deve	
  ser	
  condenado.	
  	
  	
  	
  
Logo,	
  o	
  aborto	
  deve	
  ser	
  condenado.	
  
2.	
  Qual	
  é	
  o	
  melhor	
  clube	
  de	
  futebol	
  do	
  mundo?	
  O	
  que	
  tem	
  mais	
  títulos.	
  	
  Como	
  podes	
  
verificar	
  é	
  o	
  Real	
  Madrid.	
  
R:	
  A	
  premissa	
  omitida	
  é	
  O	
  Real	
  Madrid	
  é	
  o	
  clube	
  de	
  futebol	
  que	
  tem	
  mais	
  títulos.	
  
Argumento:	
  	
  
O	
  clube	
  de	
  futebol	
  que	
  tem	
  mais	
  títulos	
  é	
  o	
  melhor	
  clube	
  de	
  futebol	
  do	
  mundo.	
  
O	
  Real	
  Madrid	
  é	
  o	
  clube	
  de	
  futebol	
  que	
  tem	
  mais	
  títulos.	
  
Logo,	
  o	
  Real	
  Madrid	
  é	
  o	
  melhor	
  clube	
  de	
  futebol	
  do	
  mundo.	
  
3.	
  O	
  João	
  tem	
  os	
  dedos	
  manchados	
  de	
  nicotina;	
  logo,	
  o	
  João	
  é	
  fumador.	
  
R:	
  A	
  premissa	
  omitida	
  é	
  Os	
  fumadores	
  têm	
  os	
  dedos	
  manchados	
  de	
  nicotina.	
  
Argumento:	
  	
  
Os	
  fumadores	
  têm	
  os	
  dedos	
  manchados	
  de	
  nicotina.	
  
O	
  João	
  tem	
  os	
  dedos	
  manchados	
  de	
  nicotina.	
  
Logo,	
  o	
  João	
  é	
  fumador.	
  
	
  
4.	
   Os	
   milagres	
   não	
   existem	
   e,	
   sem	
   eles,	
   Deus	
   é	
   algo	
   cuja	
   existência	
   são	
   se	
   pode	
  
provar.	
  
	
  
R:	
  A	
  premissa	
  subentendida	
  é	
  Os	
  milagres	
  são	
  a	
  única	
  prova	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  .	
  
	
  
Argumento:	
  	
  
Os	
  milagres	
  são	
  a	
  única	
  prova	
  da	
  existência	
  de	
  Deus.	
  
Os	
  milagres	
  não	
  existem.	
  
Logo,	
  Deus	
  é	
  algo	
  cuja	
  existência	
  são	
  se	
  pode	
  provar.	
  
	
  
5.	
  O	
  melhor	
  detergente	
  é	
  o	
  que	
  lava	
  mais	
  branco	
  e	
  por	
  isso	
  XC	
  lava	
  mais	
  branco.	
  	
  
R:	
  A	
  premissa	
  omitida	
  é	
  XC	
  é	
  o	
  melhor	
  detergente.	
  
Argumento:	
  	
  
O	
  melhor	
  detergente	
  é	
  o	
  que	
  lava	
  mais	
  branco.	
  
XC	
  é	
  o	
  melhor	
  detergente.	
  
Logo,	
  XC	
  lava	
  mais	
  branco.	
  
4.	
  Nenhum	
  entimema	
  é	
  completo	
  pelo	
  que	
  este	
  argumento	
  é	
  incompleto.	
  
R:	
  A	
  premissa	
  omitida	
  é	
  Este	
  argumento	
  é	
  um	
  entimema.	
  
Argumento:	
  
Todos	
  os	
  entimemas	
  são	
  incompletos	
  (argumentos	
  incompletos).	
  
Este	
  argumento	
  é	
  um	
  entimema.	
  
Logo,	
  este	
  argumento	
  é	
  incompleto.	
  
5.	
   “É	
   moralmente	
   errado	
   tratar	
   os	
   seres	
   humanos	
   como	
   meros	
   objetos.	
   Alguém	
  
poderá	
  então	
  deixar	
  de	
  afirmar	
  que	
  a	
  engenharia	
  genética	
  é	
  moralmente	
  errada?”	
  
R:	
  A	
  premissa	
  omitida	
  é	
  A	
  engenharia	
  genética	
  trata	
  os	
  seres	
  humanos	
  como	
  meros	
  
objetos.	
  
Argumento:	
  
É	
  moralmente	
  errado	
  tratar	
  os	
  seres	
  humanos	
  como	
  meros	
  objetos.	
  
A	
  engenharia	
  genética	
  trata	
  os	
  seres	
  humanos	
  como	
  meros	
  objetos.	
  
Logo,	
  a	
  engenharia	
  genética	
  é	
  moralmente	
  errada.	
  
VALIDADE	
  E	
  VERDADE	
  
Os	
  argumentos	
  não	
  são	
  verdadeiros	
  nem	
  falsos.	
  As	
  proposições	
  que	
  os	
  constituem	
  
é	
   que	
   podem	
   ser	
   verdadeiras	
   ou	
   falsas.	
   A	
   verdade	
   distingue-­‐se	
   da	
   validade.	
   A	
  
validade	
  é	
  uma	
  propriedade	
  da	
  conexão	
  entre	
  premissas	
  e	
  conclusão,	
  e	
  não	
  uma	
  
propriedade	
  das	
  proposições,	
  seja	
  das	
  premissas,	
  seja	
  da	
  conclusão.	
  
	
  
	
  
Validade	
  Dedutiva	
  
	
  
Validade	
  não	
  -­‐	
  dedutiva	
  
-­‐	
   Exprime	
   uma	
   relação	
   de	
   implicação	
  
entre	
  as	
  premissas	
  e	
  a	
  conclusão.	
  
-­‐	
  A	
  verdade	
  das	
  premissas	
  –	
  suposta	
  ou	
  
factual	
   –	
   garante	
   absolutamente	
   a	
  
verdade	
  da	
  conclusão.	
  
-­‐	
   A	
   validade	
   ou	
   invalidade	
   dos	
  
argumentos	
   é	
   avaliada	
   em	
   função	
   da	
  
forma	
  ou	
  estrutura	
  do	
  argumento.	
  
-­‐	
   Do	
   ponto	
   de	
   vista	
   dedutivo,	
   o	
   único	
  
critério	
  da	
  validade	
  é	
  a	
  forma	
  lógica	
  dos	
  
argumentos.	
  
-­‐	
  Não	
  exprime	
  uma	
  relação	
  de	
  implicação	
  
entre	
  as	
  premissas	
  e	
  a	
  conclusão.	
  
-­‐	
   A	
   verdade	
   das	
   premissas	
   não	
   exclui	
   a	
  
possibilidade	
  de	
  a	
  conclusão	
  ser	
  falsa.	
  
-­‐	
   A	
   forma	
   lógica	
   dos	
   argumentos	
   é	
  
insuficiente	
   para	
   avaliar	
   a	
   sua	
   validade.	
  
Temos	
  de	
  ter	
  em	
  conta	
  o	
  seu	
  conteúdo.	
  	
  
-­‐	
   Do	
   ponto	
   de	
   vista	
   não	
   dedutivo,	
   os	
  
critérios	
   de	
   validade	
   são	
   vários:	
   a	
  
razoabilidade,	
  o	
  grau	
  de	
  probabilidade	
  e	
  a	
  
relevância.	
  
Exemplo	
  de	
  argumento	
  dedutivamente	
  
válido.	
  
Todos	
  os	
  cereais	
  são	
  plantas.	
  
O	
  centeio	
  é	
  um	
  cereal.	
  
Logo,	
  o	
  centeio	
  é	
  uma	
  planta.	
  
Exemplo	
  de	
  argumento	
  	
  que	
  não	
  	
  é	
  
dedutivamente	
  válido.	
  
Até	
   agora	
   nunca	
   fomos	
   campeões	
   do	
  
mundo	
  de	
  futebol.	
  
Logo,	
   não	
   vamos	
   ganhar	
   o	
   Mundial	
   de	
  
2016.	
  
	
  
	
  
Considere	
  os	
  seguintes	
  argumentos:	
  
1.Todos	
  os	
  futebolistas	
  que	
  jogam	
  em	
  grandes	
  clubes	
  são	
  atletas	
  muito	
  bem	
  pagos.	
  
	
  	
  	
  	
  Ronaldo	
  joga	
  num	
  grande	
  clube.	
  
	
  	
  	
  	
  Logo,	
  Ronaldo	
  é	
  um	
  atleta	
  muito	
  bem	
  pago.	
  
	
  
2.	
  Cerca	
  de	
  90%	
  dos	
  futebolistas	
  que	
  jogam	
  em	
  grandes	
  clubes	
  são	
  atletas	
  muito	
  bem	
  
pagos.	
  
Mikael	
  joga	
  num	
  grande	
  clube.	
  
Logo,	
  Mikael	
  é	
  um	
  atleta	
  muito	
  bem	
  pago.	
  
	
  
Quanto	
  ao	
  primeiro	
  argumento,	
  se	
  aceitarmos	
  as	
  premissas	
  temos	
  de	
  aceitar	
  também	
  
a	
  conclusão.	
  Também	
  se	
  pode	
  dizer	
  que	
  este	
  argumento	
  é	
  demonstrativo	
  porque	
  a	
  
verdade	
   das	
   premissas	
   “obriga”	
   à	
   verdade	
   da	
   conclusão.	
   Esta	
   é	
   uma	
   consequência	
  
lógica	
   das	
   premissas.	
   Existe	
   uma	
   relação	
   de	
   implicação	
   entre	
   as	
   premissas	
   e	
   a	
  
conclusão.	
  Trata	
  –	
  se	
  de	
  um	
  argumento	
  dedutivamente	
  válido.	
  
Quanto	
   ao	
   segundo	
   argumento,	
   será	
   razoável,	
   admitindo	
   que	
   as	
   premissas	
   são	
  
verdadeiras,	
   concluir	
   que	
   a	
   conclusão	
   é	
   verdadeira?	
   Sim,	
   porque	
   há	
   uma	
   forte	
  
probabilidade	
  de	
  Mikael,	
  jogando	
  num	
  grande	
  clube,	
  ser	
  muito	
  bem	
  pago.	
  Por	
  outras	
  
palavras,	
   as	
   premissas	
   são	
   relevantes	
   para	
   que	
   a	
   conclusão	
   seja	
   aceite	
   como	
  
verdadeira.	
   Mas	
   atenção.	
   	
   Só	
   como	
   provavelmente	
   verdadeira.	
   Neste	
   caso,	
   ao	
  
contrário	
  do	
  argumento	
  1,	
  aceitar	
  as	
  premissas	
  não	
  significa	
  que	
  temos	
  de	
  aceitar	
  a	
  
conclusão	
  (aceitar	
  a	
  verdade	
  das	
  premissas	
  não	
  exclui	
  a	
  possibilidade	
  de	
  a	
  conclusão	
  
ser	
   falsa).	
   Mikael	
   pode	
   ser	
   um	
   dos	
   atletas	
   muito	
   bem	
   pagos	
   –	
   há	
   uma	
   alta	
  
probabilidade	
  de	
  isso	
  acontecer	
  –	
  mas	
  também	
  pode	
  pertencer	
  aos	
  10%	
  que	
  não	
  são	
  
muito	
  bem	
  pagos.	
  	
  
O	
  que	
  dizer	
  então	
  da	
  relação	
  que	
  no	
  argumento	
  2	
  se	
  estabelece	
  entre	
  as	
  premissas	
  e	
  
a	
  conclusão?	
  Podemos	
  dizer	
  que	
  a	
  verdade	
  das	
  premissas	
  torna	
  provável	
  a	
  verdade	
  da	
  
conclusão	
   mas	
   não	
   que	
   a	
   garante	
   necessariamente.	
   Deve	
   notar	
   que	
   se	
   no	
   caso	
   do	
  
argumento	
  1	
  basta	
  analisar	
  a	
  forma	
  lógica	
  do	
  argumento	
  para	
  avaliar	
  se	
  é	
  válido	
  ou	
  
não,	
  no	
  caso	
  do	
  argumento	
  2	
  esse	
  critério	
  não	
  é	
  suficiente.	
  Temos	
  de	
  dar	
  atenção	
  ao	
  
seu	
   conteúdo.	
   Com	
   efeito,	
   se	
   na	
   primeira	
   premissa	
   se	
   afirmasse	
   que	
   30%	
   dos	
  
futebolistas	
   que	
   jogam	
   em	
   grandes	
   clubes	
   são	
   muito	
   bem	
   pagos,	
   isso	
   mudaria	
  
significativamente	
  a	
  relação	
  entre	
  as	
  premissas	
  e	
  a	
  conclusão.	
  E	
  teríamos	
  também	
  de	
  
esclarecer	
  o	
  que	
  são	
  grandes	
  clubes.	
  Não	
  estamos	
  perante	
  um	
  argumento	
  em	
  que	
  as	
  
premissas	
  garantem	
  absolutamente	
  a	
  conclusão.	
  O	
  argumento	
  2.	
  não	
  é	
  um	
  argumento	
  
dedutivamente	
  válido.	
  
Dizer	
  que	
  um	
  argumento	
  não	
  é	
  dedutivamente	
  válido	
  não	
  é	
  condená	
  –	
  lo	
  a	
  ser	
  um	
  
mau	
  argumento.	
  É	
  um	
  mau	
  argumento	
  do	
  ponto	
  de	
  vista	
  dedutivo	
  mas	
  pode	
  ser	
  um	
  
bom	
   argumento	
   de	
   um	
   outro	
   ponto	
   de	
   vista,	
   por	
   exemplo,	
   de	
   um	
   ponto	
   de	
   vista	
  
indutivo.	
  É	
  o	
  caso	
  do	
  argumento	
  2.	
  
	
  
TEMA	
  2	
  
ANÁLISE	
  E	
  COMPREENSÃO	
  DO	
  AGIR:	
  A	
  REDE	
  CONCETUAL	
  DA	
  AÇÃO	
  
1.	
  Uma	
  ação	
  é	
  um	
  acontecimento.	
  Porquê?	
  
Uma	
  ação	
  é	
  e	
  tem	
  de	
  ser	
  um	
  acontecimento	
  porque	
  é	
  algo	
  que	
  acontece	
  num	
  dado	
  
momento	
   e	
   num	
   certo	
   lugar.	
   Assim,	
   ir	
   à	
   praia	
   é	
   uma	
   ação	
   e	
   ao	
   mesmo	
   tempo	
   um	
  
acontecimento	
  porque	
  vamos	
  à	
  uma	
  praia	
  num	
  determinado	
  local	
  –	
  Algarve	
  –	
  e	
  em	
  
dado	
  momento	
  –	
  normalmente	
  no	
  verão,	
  de	
  manhã	
  ou	
  de	
  tarde.	
  
2.	
  Todos	
  os	
  acontecimentos	
  são	
  ações?	
  	
  
Não.	
  Um	
  furacão	
  é	
  um	
  acontecimento,	
  mas	
  não	
  é	
  uma	
  ação.	
  
3.	
  O	
  que	
  se	
  infere	
  do	
  que	
  foi	
  dito	
  antes?	
  
Infere-­‐se	
   que,	
   embora	
   todas	
   as	
   ações	
   sejam	
   acontecimentos,	
   nem	
   todos	
   os	
  
acontecimentos	
  são	
  ações.	
  Um	
  furacão	
  é	
  simplesmente	
  algo	
  que	
  acontece	
  	
  
4.	
  Qual	
  a	
  condição	
  necessária	
  para	
  que	
  um	
  acontecimento	
  seja	
  uma	
  ação?	
  
Um	
  acontecimento,	
  para	
  ser	
  uma	
  ação,	
  tem	
  de	
  ser	
  realizado	
  por	
  um	
  agente.	
  
5.	
  Esta	
  condição	
  indispensável	
  não	
  é	
  contudo	
  suficiente.	
  Porquê?	
  
Toda	
   e	
   qualquer	
   ação	
   envolve	
   um	
   agente	
   e	
   tem	
   nele	
   a	
   sua	
   origem.	
   Esta	
   é	
   uma	
  
condição	
  necessária	
  para	
  haver	
  ação.	
  Mas	
  não	
  é	
  uma	
  condição	
  suficiente.	
  Imaginemos	
  
que	
  alguém	
  rouba	
  um	
  relógio	
  valioso	
  numa	
  ourivesaria.	
  Essa	
  pessoa	
  fez	
  algo,	
  fez	
  com	
  
que	
  algo	
  acontecesse.	
  Mais	
  tarde	
  até	
  pode	
  arrepender-­‐se	
  do	
  que	
  fez,	
  mas	
  na	
  altura	
  
não	
   resistiu	
   a	
   uma	
   compulsão	
   patológica	
   para	
   o	
   roubo	
   a	
   que	
   se	
   dá	
   o	
   nome	
   de	
  
cleptomania.	
  Fez	
  algo:	
  roubou.	
  É	
  a	
  causa	
  do	
  que	
  aconteceu.	
  Mas	
  não	
  se	
  trata	
  de	
  uma	
  
ação	
  porque	
  o	
  que	
  o	
  agente	
  fez	
  não	
  derivou	
  da	
  sua	
  vontade,	
  mas	
  de	
  uma	
  força	
  interna	
  
que	
  o	
  compeliu	
  a	
  fazer	
  o	
  que	
  fez.	
  
Para	
  que	
  aquilo	
  que	
  um	
  agente	
  faz	
  seja	
  uma	
  ação,	
  tem	
  de	
  ter	
  origem	
  na	
  sua	
  vontade	
  
e	
  intenção	
  consciente.	
  
	
  
6.	
  O	
  que	
  é	
  então	
  uma	
  ação?	
  
Uma	
   ação	
   é	
   algo	
   que	
   acontece	
   mediante	
   a	
   intervenção	
   da	
   vontade	
   e	
   intenção	
  
consciente	
  de	
  um	
  agente.	
  Uma	
  ação	
  é	
  um	
  acontecimento	
  desencadeado	
  pela	
  vontade	
  
e	
  intenção	
  de	
  um	
  agente.	
  Não	
  é	
  um	
  simples	
  acontecimento,	
  não	
  é	
  simplesmente	
  algo	
  
que	
   um	
   agente	
   faz,	
   é	
   algo	
   que	
   um	
   agente	
   faz	
   acontecer	
   intencional	
   ou	
  
propositadamente.	
  
	
  
7.	
  O	
  que	
  se	
  entende	
  por	
  rede	
  concetual	
  da	
  ação?	
  
A	
   rede	
   concetual	
   da	
   ação	
   é	
   o	
   conjunto	
   de	
   conceitos	
   que	
   usamos	
   para	
   caraterizar,	
  
compreender	
  e	
  explicar	
  uma	
  ação.	
  	
  
8.	
  Que	
  conceitos	
  são	
  necessários	
  para	
  caraterizar	
  e	
  compreender	
  uma	
  ação?	
  
Os	
  conceitos	
  que	
  usamos	
  para	
  caraterizar	
  e	
  compreender	
  uma	
  ação	
  são	
  os	
  seguintes:	
  
deliberação,	
  decisão,	
  intenção,	
  motivo,	
  causa	
  e	
  consequência.	
  
 
9.	
  O	
  que	
  é	
  a	
  intenção?	
  
A	
  intenção	
  é	
  o	
  propósito	
  ou	
  o	
  objetivo	
  da	
  ação.	
  Imagine	
  que	
  alguém	
  escorrega	
  e	
  deixa	
  
cair	
  a	
  comida	
  do	
  tabuleiro	
  em	
  cima	
  dos	
  livros	
  de	
  um	
  colega,	
  danificando-­‐os.	
  Quem	
  fez	
  
isto	
  pode	
  alegar	
  que	
  não	
  tinha	
  a	
  intenção	
  –	
  que	
  não	
  era	
  seu	
  propósito	
  ou	
  objetivo	
  –	
  
causar	
  esses	
  estragos.	
  Se	
  não	
  há	
  intenção,	
  então	
  não	
  há	
  ação.	
  
	
  
10.	
  Que	
  relação	
  existe	
  entre	
  intenção	
  e	
  explicação	
  de	
  uma	
  ação?	
  
Explicar	
   uma	
   ação	
   é	
   indicar	
   a	
   sua	
   causa.	
   A	
   causa	
   de	
   uma	
   ação	
   é	
   a	
   intenção	
   ou	
   o	
  
propósito	
  do	
  agente	
  ao	
  realizá-­‐la.	
  
	
  
11.	
  Quais	
  são	
  os	
  estados	
  mentais	
  que	
  estão	
  associados	
  à	
  intenção	
  de	
  um	
  agente?	
  	
  
As	
   intenções	
   são	
   estados	
   mentais	
   frequentemente	
   associados	
   a	
   outros	
   estados	
  
psicológicos	
  que	
  são	
  as	
  crenças	
  e	
  os	
  desejos	
  do	
  agente.	
  Eis	
  um	
  exemplo:	
  inscrevo	
  o	
  
meu	
  filho	
  no	
  Instituto	
  Britânico.	
  Esta	
  é	
  a	
  minha	
  ação.	
  Com	
  que	
  intenção	
  a	
  realizo?	
  Para	
  
que	
  é	
  que	
  a	
  realizo?	
  Para	
  que	
  aprenda	
  inglês.	
  Dito	
  de	
  outro	
  modo,	
  porque	
  tenho	
  o	
  
desejo	
  de	
  que	
  o	
  meu	
  filho	
  aprenda	
  inglês	
  e	
  a	
  crença	
  de	
  que	
  o	
  Instituto	
  Britânico	
  é	
  o	
  
melhor	
  instituto	
  para	
  o	
  fazer.	
  A	
  intenção	
  da	
  minha	
  ação	
  é,	
  portanto,	
  determinada	
  pelo	
  
meu	
  desejo	
  e	
  pela	
  minha	
  crença.	
  Inscrevo	
  o	
  meu	
  filho	
  no	
  Instituto	
  Britânico	
  porque	
  
desejo	
  que	
  aprenda	
  inglês	
  e	
  acredito	
  que	
  o	
  IB	
  é	
  o	
  local	
  certo	
  para	
  o	
  fazer.	
  
	
  
12.	
  O	
  que	
  se	
  entende	
  por	
  motivo	
  de	
  uma	
  ação?	
  
O	
  motivo	
  é	
  a	
  justificação,	
  o	
  porquê	
  ou	
  a	
  razão	
  de	
  ser	
  da	
  ação.	
  	
  
Exemplo:	
  
Ação:	
  inscrevo	
  o	
  meu	
  filho	
  no	
  Instituto	
  Britânico.	
  
Intenção:	
  
Desejo:	
  quero	
  que	
  o	
  meu	
  filho	
  aprenda	
  inglês.	
  
Crença:	
  o	
  Instituto	
  Britânico	
  é	
  o	
  melhor	
  instituto	
  para	
  aprender	
  inglês.	
  
Motivo:	
  
Crença:	
  dominar	
  a	
  língua	
  inglesa	
  é	
  um	
  requisito	
  essencial	
  no	
  atual	
  mundo	
  do	
  trabalho	
  
e	
  da	
  investigação	
  científica.	
  
Desejo:	
  quero	
  que	
  o	
  meu	
  filho	
  seja	
  bem-­‐sucedido	
  profissionalmente.	
  
Este	
   desejo	
   e	
   esta	
   crença	
   acompanham	
   e	
   esclarecem	
   o	
   motivo	
   da	
   minha	
   ação,	
  
explicam-­‐na,	
  dão	
  a	
  conhecer	
  a	
  sua	
  razão	
  de	
  ser.	
  Como	
  se	
  vê,	
  as	
  crenças	
  e	
  os	
  desejos	
  do	
  
sujeito	
  estão	
  associados	
  à	
  intenção	
  e	
  à	
  motivação	
  do	
  sujeito	
  que	
  age.	
  
	
  
Que	
  relação	
  existe	
  entre	
  motivo	
  e	
  intenção?	
  
	
  A	
  relação	
  é	
  a	
  seguinte:	
  saber	
  qual	
  o	
  motivo	
  da	
  ação,	
  o	
  seu	
  porquê	
  ou	
  razão	
  de	
  ser,	
  
clarifica	
  a	
  intenção	
  ou	
  o	
  para	
  quê	
  da	
  ação,	
  torna	
  possível	
  e	
  é	
  necessário	
  para	
  que	
  
compreendamos	
  a	
  intencionalidade	
  da	
  ação.	
  Se	
  um	
  agente	
  tem	
  a	
  intenção	
  de	
  fazer	
  
algo	
  –	
  inscrever	
  o	
  filho	
  no	
  Instituto	
  Britânico	
  –,	
  saber	
  o	
  que	
  o	
  motiva	
  torna	
  mais	
  claro	
  o	
  
seu	
  propósito	
  e	
  esclarece-­‐nos	
  quanto	
  a	
  opções	
  que	
  podia	
  tomar	
  e	
  não	
  tomou.	
  
Teremos	
   por	
   outras	
   palavras	
   a	
   justificação	
   da	
   intenção.	
   As	
   noções	
   de	
   motivo	
   e	
   de	
  
intenção	
   estão	
   extremamente	
   próximas	
   uma	
   da	
   outra	
   porque	
   só	
   falamos	
   de	
   ações	
  
intencionais	
   se	
   elas	
   forem	
   determinadas	
   por	
   um	
   motivo	
   ou	
   razão	
   que	
   as	
   justifique:	
  
uma	
  ação	
  é	
  realizada	
  intencionalmente	
  quando	
  é	
  realizada	
  por	
  algum	
  motivo.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
14.	
  O	
  que	
  é	
  a	
  deliberação?	
  
A	
  deliberação	
  é	
  um	
  processo	
  reflexivo	
  que,	
  em	
  princípio,	
  ou	
  seja,	
  em	
  muitos	
  casos,	
  
antecede	
  a	
  decisão.	
  Orientados	
  por	
  determinadas	
  razões,	
  ponderamos	
  qual	
  a	
  melhor	
  
opção	
  a	
  tomar	
  entre	
  várias	
  alternativas	
  possíveis.	
  
	
  
15.	
  O	
  que	
  se	
  entende	
  por	
  decisão?	
  
A	
   decisão	
   é	
   um	
   ato	
   que	
   resulta	
   frequentemente	
   de	
   um	
   processo	
   denominado	
  
deliberação.	
   O	
   motivo	
   pelo	
   qual	
   agimos	
   ou	
   a	
   intenção	
   que	
   nos	
   orienta	
   para	
   um	
  
determinado	
  fim	
  implica	
  também	
  a	
  decisão	
  de	
  o	
  alcançar.	
  Na	
  maior	
  parte	
  dos	
  casos,	
  
decidir	
   supõe	
   escolher	
   entre	
   vários	
   rumos	
   possíveis	
   de	
   ação,	
   entre	
   várias	
  
possibilidades	
  ou	
  alternativas.	
  
	
  
TEMA3	
  
LIBERDADE	
  E	
  DETERMINISMO	
  
I	
  
NOÇÕES	
  INTRODUTÓRIAS	
  
1.	
  O	
  que	
  é	
  o	
  determinismo?	
  
O	
  determinismo	
  é	
  a	
  teoria	
  que	
  defende	
  que	
  tudo	
  é	
  determinado	
  por	
  acontecimentos	
  
anteriores,	
   ou	
   que	
   o	
   estado	
   de	
   coisas	
   atual	
   no	
   mundo	
   resulta	
   necessária	
   ou	
  
inevitavelmente	
  de	
  um	
  estado	
  de	
  coisas	
  anterior	
  que	
  é	
  a	
  sua	
  causa.	
  	
  
O	
   que	
   o	
   determinismo	
   afirma	
   é	
   que	
   um	
   acontecimento	
   resulta	
   de	
   uma	
   causa	
   ou	
  
conjunto	
  de	
  causas	
  e	
  que	
  sempre	
  que	
  essa	
  causa	
  ou	
  conjunto	
  de	
  causas	
  ocorrer	
  dará	
  
inevitavelmente	
  origem	
  ao	
  acontecimento.	
  Esta	
  é	
  a	
  crença	
  por	
  detrás	
  da	
  explicação	
  
científica	
   da	
   natureza,	
   uma	
   vez	
   que	
   explicar	
   cientificamente	
   um	
   acontecimento	
   é	
  
apresentar	
   a	
   causa	
   ou	
   o	
   conjunto	
   de	
   causas	
   que	
   dão	
   origem	
   ao	
   acontecimento	
   e	
  
mostrar	
  como	
  a	
  relação	
  entre	
  essas	
  causas	
  —	
  expressas	
  sob	
  a	
  forma	
  daquilo	
  a	
  que	
  
chamamos	
  leis	
  da	
  natureza	
  —	
  produz	
  esse	
  acontecimento.	
  
	
  
2.	
  O	
  que	
  é	
  o	
  livre-­‐arbítrio?	
  
O	
   livre-­‐arbítrio	
   consiste	
   em	
   poder	
   escolher	
   entre	
   várias	
   ações	
   possíveis.	
   As	
   ações	
  
resultantes	
  de	
  escolhas	
  livres	
  não	
  são	
  inevitáveis.	
  Há	
  livre-­‐arbítrio	
  se	
  pudermos	
  agir	
  de	
  
modo	
  diferente	
  do	
  que	
  agimos,	
  se	
  tendo	
  feito	
  uma	
  coisa	
  poderíamos	
  ter	
  feito	
  outra.	
  
	
  
3.	
  Em	
  que	
  consiste	
  o	
  problema	
  do	
  livre-­‐arbítrio?	
  
O	
  problema	
  do	
  livre-­‐arbítrio	
  consiste	
  em	
  saber	
  se	
  é	
  possível	
  conciliar	
  duas	
  convicções	
  
aparentemente	
   incompatíveis:	
   a	
   de	
   que	
   temos	
   livre-­‐arbítrio	
   e	
   a	
   de	
   que	
   tudo	
   o	
   que	
  
acontece	
  no	
  mundo	
  é	
  determinado.	
  O	
  problema	
  pode	
  formular-­‐se	
  do	
  seguinte	
  modo:	
  
o	
   livre-­‐arbítrio	
   consiste	
   em	
   poder	
   escolher	
   entre	
   várias	
   ações	
   possíveis.	
   Mas,	
   para	
  
podermos	
   escolher	
   entre	
   várias	
   ações	
   possíveis,	
   é	
   necessário	
   que	
   não	
   esteja	
   tudo	
  
determinado,	
   caso	
   contrário	
   poderíamos	
   apenas	
   fazer	
   a	
   ação	
   que	
   estivéssemos	
  
determinados	
   para	
   fazer	
   (não	
   só	
   não	
   haveria	
   várias	
   ações	
   possíveis	
   entre	
   as	
   quais	
  
optar,	
   como,	
   mesmo	
   que	
   houvesse,	
   não	
   nos	
   seria	
   possível	
   escolher	
   entre	
   elas).	
  
Portanto,	
  para	
  que	
  exista	
  livre-­‐arbítrio	
  não	
  pode	
  haver	
  determinismo.	
  
É	
  isto	
  que	
  está	
  na	
  origem	
  do	
  chamado	
  problema	
  do	
  livre-­‐arbítrio.	
  
 
4.	
  Por	
  que	
  razão	
  o	
  problema	
  do	
  livre-­‐arbítrio	
  é	
  um	
  problema	
  importante	
  do	
  ponto	
  de	
  
vista	
  prático?	
  
O	
   problema	
   do	
   livre-­‐arbítrio	
   tem	
   importantes	
   implicações	
   práticas,	
   a	
   principal	
   das	
  
quais	
  está	
  relacionada	
  com	
  a	
  responsabilidade	
  moral.	
  Tudo	
  parece	
  indicar	
  que,	
  se	
  não	
  
houver	
   livre-­‐arbítrio,	
   então	
   também	
   não	
   é	
   possível	
   responsabilizar	
   moralmente	
   um	
  
agente	
   pelas	
   ações	
   que	
   pratica	
   e,	
   consequente,	
   puni-­‐lo	
   ou	
   recompensá-­‐lo.	
   Será	
  
possível	
  construir	
  a	
  vida	
  social	
  sem	
  a	
  ideia	
  de	
  responsabilidade	
  moral?	
  Se	
  não	
  houver	
  
livre-­‐arbítrio,	
  não	
  estará	
  todo	
  o	
  nosso	
  sistema	
  penal	
  errado?	
  Não	
  será	
  que	
  o	
  criminoso,	
  
de	
  modo	
  análogo	
  à	
  pessoa	
  que	
  sofre	
  de	
  asma	
  e	
  assim	
  vê	
  o	
  seu	
  organismo	
  prejudicado,	
  
não	
  deve	
  ser	
  punido,	
  mas	
  sim	
  tratado	
  de	
  modo	
  a	
  deixar	
  de	
  ser	
  prejudicial	
  à	
  sociedade?	
  
5.	
  Em	
  que	
  condições	
  uma	
  pessoa	
  pode	
  ser	
  considerada	
  moralmente	
  responsável	
  por	
  
uma	
  ação?	
  Em	
  que	
  condições	
  atribuímos	
  responsabilidade	
  moral	
  a	
  um	
  agente?	
  
Uma	
   pessoa	
   pode	
   ser	
   considerada	
   moralmente	
   responsável	
   por	
   uma	
   ação	
   quando	
  
podia	
  não	
  ter	
  feito	
  o	
  que	
  fez.	
  Assim,	
  se	
  decido	
  invadir	
  o	
  quintal	
  do	
  vizinho	
  para	
  me	
  
apropriar	
  de	
  algumas	
  laranjas	
  apetitosas,	
  posso	
  ser	
  responsabilizado	
  porque	
  podia	
  não	
  
ter	
  feito	
  o	
  que	
  fiz.	
  Quando	
  alguém	
  me	
  censura	
  dizendo	
  «Não	
  devias	
  ter	
  feito	
  o	
  que	
  
fizeste!»	
   está	
   precisamente	
   a	
   dizer-­‐me	
   que	
   havia	
   outra	
   alternativa.	
   Mas,	
   se	
   o	
   que	
  
aconteceu	
  se	
  verificou	
  em	
  estado	
  de	
  sonambulismo,	
  não	
  posso	
  ser	
  responsabilizado	
  
porque	
  momentaneamente	
  perdi	
  o	
  controlo	
  dos	
  meus	
  atos	
  e	
  não	
  podia	
  não	
  ter	
  feito	
  o	
  
que	
  fiz.	
  	
  
7.	
  Que	
  relação	
  há	
  entre	
  agir	
  livremente	
  e	
  ser	
  moralmente	
  responsabilizado	
  pelo	
  que	
  
se	
  faz?	
  
A	
  relação	
  é	
  esta:	
  a)	
  ser	
  responsável	
  implica	
  ser	
  livre.	
  Não	
  se	
  pode	
  responsabilizar	
  uma	
  
pessoa	
  por	
  uma	
  ação	
  se	
  ela	
  não	
  agiu	
  livremente.	
  Que	
  um	
  agente	
  seja	
  responsabilizável	
  
por	
  uma	
  ação	
  implica	
  que	
  podia	
  ter	
  agido	
  de	
  modo	
  diferente,	
  não	
  ter	
  feito	
  o	
  que	
  fez	
  
ou	
  que	
  podia	
  ter	
  evitado	
  fazer	
  o	
  que	
  fez	
  (fosse	
  a	
  ação	
  boa	
  ou	
  má).	
  
b)	
  Ser	
  livre	
  implica	
  ser	
  responsável.	
  Se	
  alguém	
  pratica	
  livremente	
  uma	
  ação,	
  então	
  faz	
  
algo	
  que	
  podia	
  não	
  ter	
  feito.	
  Se	
  o	
  fez	
  nestas	
  condições,	
  é	
  o	
  autor	
  da	
  ação	
  e	
  por	
  ela	
  
pode	
   responder.	
   Se	
   agiu	
   livremente,	
   não	
   pode	
   evitar	
   ter	
   de	
   enfrentar	
   e	
   responder	
  
pelas	
  consequências	
  dos	
  seus	
  atos.	
  Se	
  forem,	
  boas	
  pode	
  ser	
  elogiado.	
  Se	
  forem	
  más,	
  
pode	
  ser	
  censurado	
  e	
  mesmo	
  sentir	
  remorso.	
  
	
  
	
  
II	
  
	
  
TRÊS	
  TEORIAS	
  SOBRE	
  O	
  PROBLEMA	
  DO	
  LIVRE-­‐ARBÍTRIO	
  
	
  
1.	
  Em	
  termos	
  gerais,	
  há	
  três	
  teorias	
  que	
  respondem	
  ao	
  problema	
  do	
  livre-­‐arbítrio.	
  
Quais	
  são?	
  
As	
  três	
  teorias	
  são:	
  o	
  determinismo	
  radical,	
  o	
  libertismo	
  e	
  o	
  determinismo	
  moderado.	
  
2.	
  O	
  que	
  é	
  o	
  determinismo	
  radical?	
  
Chama-­‐se	
  determinismo	
  radical	
  ao	
  ponto	
  de	
  vista	
  segundo	
  o	
  qual	
  só	
  o	
  determinismo	
  é	
  
verdadeiro.	
  Para	
  o	
  determinista	
  radical,	
  a	
  crença	
  no	
  determinismo	
  significa	
  acreditar	
  
que	
   é	
   verdade	
   que	
   todo	
   e	
   qualquer	
   acontecimento	
   é	
   o	
   desfecho	
   necessário	
   de	
  
acontecimentos	
  anteriores.	
  Daqui	
  decorre	
  que	
  não	
  há	
  livre-­‐arbítrio	
  (todas	
  as	
  nossas	
  
ações	
  são	
  determinadas	
  pelos	
  nossos	
  genes	
  e	
  pelo	
  meio	
  no	
  qual	
  crescemos)	
  e	
  que,	
  
assim	
  sendo,	
  não	
  podemos	
  ser	
  responsabilizados	
  pelas	
  nossas	
  ações.	
  
Em	
  suma,	
  o	
  determinismo	
  radical	
  é	
  a	
  teoria	
  que	
  considera	
  que,	
  sendo	
  verdade	
  que	
  tudo	
  
o	
  que	
  acontece	
  resulta	
  necessariamente	
  do	
  que	
  aconteceu	
  antes,	
  não	
  há	
  livre-­‐arbítrio	
  
nem	
  possibilidade	
  de	
  responsabilizar	
  alguém	
  pelo	
  que	
  fez.	
  
3.	
  O	
  que	
  é	
  o	
  determinismo	
  moderado?	
  
É	
  a	
  teoria	
  que	
  defende	
  que	
  as	
  nossas	
  ações	
  são	
  livres,	
  apesar	
  de	
  determinadas.	
  
	
  
4.	
  O	
  que	
  é	
  o	
  libertismo?	
  
O	
   libertismo	
   é	
   a	
   teoria	
   que	
   considera	
   que	
   há	
   ações	
   que	
   não	
   são	
   nem	
   causalmente	
  
determinadas	
   nem	
   produto	
   do	
   acaso,	
   mas	
   livres,	
   e	
   que,	
   portanto,	
   as	
   pessoas	
   são	
  
responsáveis	
  por	
  essas	
  ações.	
  As	
  ações	
  do	
  ser	
  humano	
  decorrem	
  das	
  suas	
  deliberações	
  
decisões	
  e	
  não	
  de	
  acontecimentos	
  anteriores	
  que	
  escapem	
  ao	
  seu	
  controlo.	
  
O	
  libertista	
  pensa	
  que,	
  apesar	
  das	
  influências	
  hereditárias	
  e	
  das	
  influências	
  do	
  meio	
  
(relativas	
   ao	
   modo	
   como	
   somos	
   educados	
   e	
   criados),	
   escolhemos	
   livremente	
   o	
   que	
  
fazemos.	
  Não	
  é	
  o	
  passado	
  que	
  decide	
  por	
  nós.	
  
	
  
5.	
   Acerca	
   do	
   problema	
   do	
   livre-­‐arbítrio,	
   fala-­‐se	
   de	
   teorias	
   incompatibilistas	
   e	
  
compatibilistas.	
  O	
  que	
  significam	
  estes	
  conceitos?	
  
Uma	
  teoria	
  é	
  compatibilista	
  quando	
  admite	
  que	
  o	
  determinismo	
  é	
  conciliável	
  ou	
  pode	
  
coexistir	
  com	
  o	
  livre-­‐arbítrio	
  e	
  a	
  responsabilidade	
  moral.	
  
Uma	
   teoria	
   é	
   incompatibilista	
   quando	
   não	
   admite	
   a	
   possibilidade	
   de	
   conciliar	
   o	
  
determinismo	
  com	
  o	
  livre-­‐arbítrio	
  e	
  a	
  responsabilidade	
  moral.	
  
6.	
  O	
  determinismo	
  radical	
  é	
  uma	
  forma	
  de	
  incompatibilismo.	
  Porquê?	
  
O	
  incompatibilismo	
  defende	
  que	
  as	
  crenças	
  no	
  livre-­‐arbítrio	
  e	
  no	
  determinismo	
  não	
  
são	
  compatíveis,	
  ou	
  seja,	
  não	
  podem	
  ser	
  ambas	
  verdadeiras.	
  O	
  determinismo	
  radical	
  
defende	
  que	
  só	
  a	
  crença	
  no	
  determinismo	
  é	
  verdadeira.	
  Se	
  liberdade	
  e	
  determinismo	
  
fossem	
   compatíveis,	
   pensa	
   o	
   determinista	
   radical,	
   teríamos	
   acerca	
   de	
   uma	
   ação	
   de	
  
dizer	
  que	
  o	
  agente	
  podia	
  não	
  ter	
  feito	
  o	
  que	
  fez	
  (caso	
  em	
  que	
  seria	
  livre)	
  e	
  que	
  não	
  
podia	
  não	
  ter	
  feito	
  o	
  que	
  fez,	
  ou	
  seja,	
  tinha	
  de	
  fazer	
  o	
  que	
  fez,	
  a	
  ação	
  não	
  poderia	
  ter	
  
sido	
  diferente	
  (caso	
  em	
  que	
  não	
  seria	
  livre).	
  Ora,	
  isto	
  é	
  contraditório.	
  
	
  
7.	
  O	
  libertismo	
  é	
  uma	
  forma	
  de	
  incompatibilismo.	
  Porquê?	
  
O	
  incompatibilismo	
  defende	
  que	
  as	
  crenças	
  no	
  livre-­‐arbítrio	
  e	
  no	
  determinismo	
  não	
  
são	
  compatíveis,	
  ou	
  seja,	
  não	
  podem	
  ser	
  ambas	
  verdadeiras.	
  O	
  libertismo	
  defende	
  que	
  
só	
  a	
  crença	
  no	
  livre-­‐arbítrio	
  é	
  verdadeira.	
  A	
  crença	
  no	
  determinismo	
  é	
  falsa	
  porque	
  
este	
  defende	
  que	
  tudo	
  faz	
  parte	
  de	
  um	
  encadeamento	
  causal,	
  tese	
  que	
  o	
  libertista	
  
nega	
   porque	
   as	
   nossas	
   deliberações	
   e	
   decisões	
   não	
   são	
   o	
   resultado	
   necessário	
   de	
  
acontecimentos	
  anteriores.	
  Há	
  ações	
  que	
  têm	
  como	
  causa	
  as	
  nossas	
  deliberações.	
  
Deliberar	
  implica	
  que	
  pudemos	
  escolher	
  agir	
  de	
  modo	
  diferente.	
  
Podendo	
  ter	
  sido	
  outras,	
  as	
  nossas	
  escolhas	
  não	
  são	
  o	
  resultado	
  necessário	
  e	
  inevitável	
  
de	
   acontecimentos	
   anteriores.	
   Não	
   são	
   o	
   desfecho	
   de	
   uma	
   longa	
   cadeia	
   causal	
   de	
  
acontecimentos	
   porque,	
   ao	
   escolher	
   fazer	
   A	
   em	
   vez	
   de	
   B,	
   suspendo	
   o	
   domínio	
   dos	
  
acontecimentos	
   anteriores	
   sobre	
   as	
   minhas	
   decisões	
   e	
   desencadeio	
   por	
   minha	
  
vontade	
  uma	
  nova	
  série	
  de	
  acontecimentos.	
  
	
  
8.	
  Das	
  três	
  teorias	
  que	
  referimos,	
  somente	
  o	
  determinismo	
  moderado	
  é	
  uma	
  teoria	
  
compatibilista.	
  Justifique.	
  
O	
  determinismo	
  moderado	
  defende	
  que	
  são	
  compatíveis	
  as	
  proposições	
  «Um	
  agente	
  
praticou	
  livremente	
  a	
  ação	
  A»	
  e	
  «A	
  ação	
  praticada	
  por	
  esse	
  agente	
  tem	
  uma	
  causa	
  e	
  
deriva	
   necessariamente	
   dessa	
   causa».	
   Liberdade	
   e	
   determinismo	
   são	
   compatíveis,	
  
para	
  esta	
  teoria.	
  	
  
9.	
   Que	
   distinção	
   permite	
   ao	
   determinista	
   moderado	
   defender	
   a	
   compatibilidade	
  
entre	
  determinismo	
  e	
  liberdade?	
  
Trata-­‐se	
   da	
   distinção	
   entre	
   ação	
   causalmente	
   determinada	
   e	
   ação	
   constrangida.	
   Só	
  
esta	
  última	
  não	
  é	
  livre.	
  
10.	
  Como	
  é	
  caraterizada	
  a	
  liberdade	
  pelo	
  determinista	
  moderado?	
  
O	
  determinista	
  moderado	
  define	
  a	
  liberdade	
  do	
  seguinte	
  modo:	
  É	
  livre	
  a	
  ação	
  em	
  que	
  
o	
   agente	
   não	
   é	
   impedido	
   por	
   fatores	
   externos	
   de	
   a	
   realizar.	
   Na	
   ausência	
   destes	
  
impedimentos,	
   o	
   agente	
   pode	
   fazer	
   o	
   que	
   tem	
   vontade	
   de	
   fazer.	
   Um	
   dos	
   mais	
  
famosos	
   defensores	
   do	
   determinismo	
   moderado	
   foi	
   David	
   Hume.	
   Hume	
   chamou	
   a	
  
atenção	
  para	
  o	
  facto	
  de	
  as	
  pessoas	
  tenderem	
  a	
  confundir	
  causalidade	
  –	
  o	
  facto	
  de	
  uma	
  
ação	
  ser	
  causada	
  –	
  e	
  coação	
  ou	
  constrangimento	
  –	
  o	
  facto	
  de	
  uma	
  ação	
  ser	
  compelida.	
  
Assim,	
  há	
  uma	
  grande	
  diferença	
  entre	
  estas	
  duas	
  ações:	
  Fazer	
  algo	
  porque	
  quero	
  fazê-­‐
lo	
  e	
  fazer	
  algo	
  porque	
  alguém	
  me	
  aponta	
  uma	
  arma	
  à	
  cabeça	
  e	
  me	
  obriga	
  a	
  fazê-­‐lo.	
  No	
  
primeiro	
   caso,	
   a	
   ação	
   é	
   causada	
   e,	
   no	
   segundo	
   caso,	
   a	
   ação	
   é	
   compelida	
   ou	
  
constrangida.	
  O	
  oposto	
  da	
  liberdade	
  é	
  a	
  coação	
  e	
  não	
  a	
  causalidade.	
  Ser	
  livre,	
  para	
  
David	
  Hume,	
  significa	
  ser	
  livre	
  de	
  coação.	
  	
  
11.	
  Para	
  o	
  determinista	
  moderado,	
  uma	
  ação	
  livre	
  é	
  causada.	
  É	
  causada	
  pelo	
  quê?	
  
É	
  causada	
  pelas	
  suas	
  crenças	
  e	
  desejos,	
  isto	
  é,	
  pela	
  sua	
  personalidade.	
  
12.	
  Por	
  que	
  razão	
  para	
  o	
  determinista	
  moderado	
  é	
  importante	
  que	
  a	
  ação	
  do	
  agente	
  
seja	
  causada	
  ou	
  determinada	
  pelas	
  suas	
  crenças	
  e	
  desejos?	
  
Se	
  as	
  ações	
  não	
  fossem	
  causadas	
  pelas	
  nossas	
  crenças	
  e	
  desejos,	
  não	
  poderíamos	
  ser	
  
responsabilizados	
  pelas	
  nossas	
  ações.	
  Não	
  seriam	
  as	
  nossas	
  ações.	
  	
  
13.	
  Esclareça	
  através	
  de	
  um	
  exemplo	
  o	
  que	
  é	
  agir	
  livremente	
  para	
  um	
  determinista	
  
moderado.	
  
Para	
  os	
  deterministas	
  moderados,	
  uma	
  ação	
  é	
  livre	
  desde	
  que	
  o	
  sujeito,	
  caso	
  o	
  tivesse	
  
desejado,	
  tivesse	
  agido	
  de	
  outra	
  forma.	
  Imagine,	
  por	
  exemplo,	
  que	
  tem	
  amanhã	
  um	
  
teste	
   da	
   disciplina	
   de	
   Filosofia	
   para	
   o	
   qual	
   está	
   a	
   estudar	
   afincadamente	
   porque	
  
acredita	
  que	
  assim	
  terá	
  boa	
  nota.	
  Uma	
  vez	
  que	
  a	
  sua	
  ação	
  resulta	
  dos	
  seus	
  desejos	
  e	
  
crenças	
  e	
  não	
  lhe	
  foi	
  imposta	
  (por	
  exemplo,	
  pelos	
  seus	
  pais,	
  devido	
  a	
  maus	
  resultados	
  
em	
  testes	
  anteriores),	
  ela	
  é	
  uma	
  ação	
  livre.	
  Mas,	
  se	
  a	
  sua	
  ação	
  de	
  estudar	
  resultasse	
  de	
  
uma	
  imposição	
  paterna	
  que	
  não	
  lhe	
  deixasse	
  qualquer	
  alternativa,	
  então	
  ela	
  não	
  era	
  
uma	
  ação	
  livre.	
  Repare	
  que	
  em	
  ambos	
  os	
  casos	
  a	
  sua	
  ação	
  tem	
  causas.	
  Contudo,	
  no	
  
primeiro	
   caso	
   as	
   causas	
   são	
   os	
   seus	
   próprios	
   desejos	
   e	
   crenças,	
   ao	
   passo	
   que	
   no	
  
segundo	
  caso	
  as	
  causas	
  são	
  os	
  desejos	
  e	
  crenças	
  dos	
  seus	
  pais.	
  É	
  essa	
  diferença	
  que	
  faz	
  
com	
  que	
  num	
  caso	
  a	
  ação	
  seja	
  livre	
  e	
  no	
  outro	
  não.	
  No	
  primeiro	
  caso,	
  a	
  sua	
  ação	
  é	
  livre	
  
porque	
  está	
  sob	
  o	
  controlo	
  das	
  suas	
  crenças	
  e	
  desejos	
  e,	
  se	
  tivesse	
  tido	
  outros	
  desejos,	
  
poderia	
  ter	
  escolhido	
  e	
  realizado	
  uma	
  ação	
  diferente.	
  No	
  segundo	
  caso,	
  de	
  nada	
  lhe	
  
valeria	
  ter	
  outros	
  desejos	
  e	
  crenças	
  porque	
  não	
  poderia	
  agir	
  de	
  acordo	
  com	
  eles.	
  
14.	
  Esclareça,	
  através	
  de	
  exemplos,	
  que	
  fatores	
  podem	
  impedir	
  o	
  agente	
  de	
  fazer	
  o	
  
que	
  tem	
  vontade	
  de	
  fazer.	
  
Sirvam	
  estes	
  dois	
  exemplos:	
  quero	
  beber	
  água,	
  mas	
  estou	
  no	
  deserto	
  e	
  não	
  há	
  água	
  
disponível;	
  quero	
  viajar,	
  mas	
  não	
  tenho	
  dinheiro.	
  
15.	
  Segundo	
  o	
  determinismo	
  moderado,	
  para	
  que	
  uma	
  ação	
  seja	
  livre	
  ela,	
  tem	
  de	
  ser	
  
causada	
  de	
  uma	
  certa	
  maneira.	
  O	
  que	
  significa	
  esta	
  afirmação?	
  
Esta	
   afirmação	
   significa	
   que	
   a	
   distinção	
   entre	
   ações	
   livres	
   e	
   não	
   livres	
   implica	
   a	
  
distinção	
  entre	
  causalidade	
  interna	
  e	
  causalidade	
  externa.	
  
Assim:	
  
a)	
   Ações,	
   escolhas	
   e	
   decisões	
   cuja	
   causa	
   imediata	
   é	
   um	
   estado	
   de	
   coisas	
   interno	
  
(desejos	
  e	
  crenças	
  do	
  agente	
  e	
  também	
  a	
  sua	
  personalidade)	
  são	
  livres.	
  
b)	
  Ações,	
  escolhas	
  e	
  decisões	
  cuja	
  causa	
  imediata	
  é	
  um	
  estado	
  de	
  coisas	
  externo	
  não	
  
são	
  livres.	
  
16.	
  O	
  sentido	
  comum	
  de	
  liberdade	
  consiste	
  em	
  dizer	
  que	
  agir	
  livremente	
  é,	
  não	
  só	
  
fazer	
  o	
  que	
  queremos	
  fazer,	
  como	
  também	
  poder	
  não	
  ter	
  feito	
  o	
  que	
  se	
  fez,	
  ou	
  seja,	
  
a	
   ausência	
   de	
   coação	
   é	
   acompanhada	
   por	
   outra	
   condição	
   que	
   é	
   o	
   agente	
   possuir	
  
alternativas	
   reais	
   de	
   ação.	
   Será	
   que	
   o	
   determinismo	
   moderado	
   salvaguarda	
   esta	
  
ideia	
  de	
  liberdade?	
  	
  
Parece	
  que	
  sim	
  e	
  parece	
  que	
  não.	
  Vejamos:	
  Um	
  agente	
  dispõe	
  de	
  alternativas	
  reais	
  se	
  
a	
   sua	
   ação	
   pudesse	
   ter	
   sido	
   diferente	
   da	
   que	
   realizou.	
   Assim,	
   ajo	
   livremente	
   se,	
  
escolhendo	
   comer	
   um	
   bolo,	
   pudesse	
   não	
   o	
   ter	
   feito	
   e,	
   eventualmente,	
   tivesse	
  
escolhido	
   uma	
   peça	
   de	
   fruta.	
   Vejamos	
   como	
   o	
   determinista	
   moderado	
   explica	
   a	
  
mesma	
  ação.	
  Comi	
  uma	
  peça	
  de	
  fruta	
  e	
  agi	
  livremente	
  porque	
  o	
  fiz	
  de	
  acordo	
  com	
  as	
  
minhas	
  crenças	
  –	
  fruta	
  é	
  mais	
  saudável,	
  assim	
  me	
  ensinaram	
  –	
  e	
  os	
  meus	
  desejos	
  –	
  
quero	
   ser	
   saudável.	
   O	
   que	
   significa	
   dizer	
   que	
   podia	
   ter	
   agido	
   de	
   modo	
   diferente	
   e	
  
comer	
   o	
   bolo	
   em	
   vez	
   da	
   fruta?	
   Que	
   os	
   meus	
   desejos	
   e	
   crenças	
   teriam	
   de	
   ser	
  
diferentes.	
  Por	
  outras	
  palavras,	
  teria	
  de	
  ser	
  uma	
  pessoa	
  diferente	
  do	
  que	
  sou,	
  de	
  ter	
  
outra	
  personalidade	
  (esta	
  é	
  constituída	
  pelas	
  nossas	
  crenças	
  e	
  desejos).	
  Mas,	
  se	
  somos	
  
deterministas,	
   mesmo	
   moderados,	
   temos	
   de	
   reconhecer	
   que	
   não	
   temos	
   controlo	
  
sobre	
   o	
   passado,	
   que	
   somos	
   o	
   resultado	
   necessário	
   da	
   educação	
   e	
   criação	
   que	
  
tivemos.	
  Não	
  podemos	
  ser	
  uma	
  pessoa	
  diferente	
  da	
  que	
  somos.	
  	
  
Assim,	
  o	
  determinismo	
  moderado	
  não	
  salvaguarda	
  a	
  ideia	
  comum	
  de	
  liberdade	
  e	
  por	
  
isso	
   tem	
   problemas	
   em	
   explicar	
   como	
   podemos	
   responsabilizar	
   alguém	
   pelas	
   suas	
  
ações.	
  
17.	
  Qual	
  é	
  uma	
  das	
  principais	
  críticas	
  de	
  que	
  o	
  determinismo	
  moderado	
  é	
  alvo?	
  
Uma	
   crítica	
   que	
   se	
   faz	
   ao	
   determinismo	
   moderado	
   é	
   a	
   de	
   não	
   explicar	
   o	
  
comportamento	
   compulsivo.	
   Quando	
   alguém	
   age	
   compulsivamente,	
   age	
   de	
   acordo	
  
com	
  os	
  seus	
  próprios	
  desejos	
  e	
  crenças.	
  Contudo,	
  dificilmente	
  se	
  pode	
  dizer	
  que	
  quem	
  
o	
  faz	
  é	
  livre.	
  É	
  o	
  caso	
  do	
  cleptómano.	
  Parece	
  também	
  difícil	
  acreditar	
  que	
  uma	
  pessoa	
  
que,	
   por	
   exemplo,	
   seja	
   uma	
   compradora	
   ou	
   jogadora	
   compulsiva	
   e	
   que,	
   por	
   causa	
  
disso,	
  contraia	
  muitas	
  dívidas	
  e	
  destrua	
  o	
  casamento,	
  seja	
  livre.	
  No	
  entanto,	
  ela,	
  ao	
  
agir	
  compulsivamente,	
  respeita	
  completamente	
  o	
  critério	
  do	
  determinismo	
  moderado,	
  
segundo	
  o	
  qual	
  uma	
  ação	
  é	
  livre	
  se	
  resultar	
  dos	
  desejos	
  e	
  crenças	
  da	
  pessoa	
  que	
  a	
  
realiza.	
  	
  
18.	
  Que	
  outra	
  crítica	
  podemos	
  dirigir	
  a	
  quem	
  defende	
  o	
  determinismo	
  moderado?	
  
Segundo	
   o	
   determinismo	
   moderado,	
   somos	
   livres	
   quando	
   não	
   somos	
   impedidos	
   de	
  
fazer	
  o	
  que	
  desejamos.	
  As	
  nossas	
  crenças	
  e	
  desejos	
  constituem	
  a	
  nossa	
  personalidade.	
  
Ora,	
   a	
   nossa	
   personalidade	
   está	
   determinada	
   pelo	
   nosso	
   passado,	
   ou	
   seja,	
   pela	
  
educação	
   e	
   pelo	
   meio	
   em	
   que	
   fomos	
   criados.	
   Não	
   será	
   isso	
   uma	
   forma	
   de	
  
constrangimento,	
   uma	
   vez	
   que	
   não	
   controlamos	
   o	
   passado?	
   Não	
   será	
   que	
   somos	
  
constrangidos	
  pelo	
  que	
  nos	
  aconteceu	
  e	
  julgamos	
  que	
  agimos	
  livremente	
  porque	
  não	
  
temos	
  consciência	
  das	
  influências	
  que	
  nos	
  formaram	
  e	
  determinaram	
  a	
  nossa	
  maneira	
  
de	
  ser?	
  	
  
19.	
  Qual	
  é	
  a	
  principal	
  crítica	
  que	
  se	
  faz	
  ao	
  determinismo	
  radical?	
  
A	
  principal	
  crítica	
  é	
  esta:	
  Se	
  não	
  somos	
  responsabilizáveis	
  pelo	
  que	
  fazemos	
  –	
  porque	
  
não	
  podemos	
  agir	
  de	
  modo	
  diferente	
  –,	
  então:	
  
1.	
  Como	
  condenar	
  e	
  ilibar	
  alguém?	
  
2.	
  Como	
  elogiar	
  e	
  censurar?	
  
3.	
  Como	
  dizer	
  a	
  alguém	
  que	
  não	
  devia	
  ter	
  feito	
  o	
  que	
  fez?	
  
4.	
  Como	
  explicar	
  sentimentos	
  de	
  remorso,	
  de	
  arrependimento	
  e	
  de	
  culpa?	
  
Muitos	
  críticos	
  do	
  determinismo	
  radical	
  pensam	
  que	
  não	
  é	
  possível	
  construir	
  a	
  vida	
  
social	
  sem	
  a	
  ideia	
  de	
  responsabilidade	
  moral.	
  
Por	
   outro	
   lado,	
   os	
   nossos	
   juízos	
   morais	
   perderão	
   qualquer	
   fundamento.	
   Se	
   o	
  
determinismo	
   implica	
   a	
   negação	
   da	
   liberdade	
   e	
   da	
   responsabilidade,	
   se	
   é	
   verdade	
  
afirmar	
  que	
  as	
  nossas	
  ações	
  são	
  o	
  resultado	
  de	
  causas	
  que	
  de	
  modo	
  algum	
  podemos	
  
controlar,	
  que	
  diferença	
  moral	
  há	
  entre	
  um	
  criminoso	
  como	
  Hitler	
  e	
  Nelson	
  Mandela?	
  
Faz	
  sentido	
  condenar	
  Hitler	
  e	
  admirar	
  Nelson	
  Mandela?	
  
	
  
	
  
20.	
  Qual	
  é	
  a	
  principal	
  crítica	
  que	
  se	
  faz	
  ao	
  libertismo?	
  
	
  
Segundo	
  o	
  determinismo	
  moderado,	
  a	
  minha	
  ação	
  é	
  livre	
  se	
  for	
  causada	
  por	
  desejos	
  
ou	
  crenças	
  –	
  estados	
  internos	
  −	
  que	
  são	
  meus.	
  Segundo	
  o	
  libertismo,	
  a	
  minha	
  ação	
  é	
  
livre	
  se	
  for	
  causada	
  por	
  mim	
  e	
  não	
  por	
  um	
  dos	
  meus	
  estados	
  internos.	
  
	
  
O	
  que	
  é	
  este	
  eu	
  que	
  através	
  das	
  suas	
  deliberações	
  é,	
  segundo	
  os	
  libertistas,	
  a	
  causa	
  de	
  
certas	
  ações?	
  Uma	
  entidade	
  física?	
  Então	
  não	
  escapa	
  ao	
  determinismo	
  universal,	
  ao	
  
encadeamento	
  causal	
  necessário	
  que	
  rege	
  todas	
  as	
  coisas	
  físicas.	
  Uma	
  entidade	
  não	
  
física?	
  Mas	
  as	
  ações	
  são	
  atos	
  físicos,	
  acontecem	
  num	
  dado	
  momento	
  e	
  lugar.	
  
Será	
   que	
   este	
   eu	
   é	
   uma	
   entidade	
   puramente	
   mental?	
   Mas	
   como	
   é	
   que	
   uma	
   causa	
  
puramente	
  mental	
  pode	
  produzir	
  efeitos	
  físicos?	
  Se	
  é	
  a	
  mente	
  que	
  causa	
  as	
  nossas	
  
ações,	
   será	
   que	
   é	
   possível	
   que	
   ela	
   exista	
   independentemente	
   do	
   cérebro,	
   que	
   é	
  
obviamente	
  uma	
  realidade	
  física?	
  
Este	
  contra-­‐argumento	
  parece	
  condenar	
  os	
  libertistas	
  a	
  reconhecerem	
  o	
  seguinte:	
  que	
  
as	
  ações	
  de	
  uma	
  pessoa	
  só	
  são	
  livres	
  se	
  não	
  tiverem	
  nenhuma	
  causa,	
  nem	
  mesmo	
  as	
  
suas	
  próprias	
  crenças	
  e	
  desejos.	
  Ora,	
  deste	
  modo,	
  o	
  libertismo	
  transforma-­‐se	
  numa	
  
espécie	
  de	
  indeterminismo,	
  algo	
  que	
  os	
  libertistas	
  sempre	
  rejeitaram.	
  
	
  
QUADRO	
  ESQUEMÁTICO	
  1	
  
Problema:	
  Qual	
  das	
  crenças	
  é	
  verdadeira,	
  o	
  determinismo	
  ou	
  o	
  livre-­‐arbítrio?	
  
A	
  resposta	
  do	
  determinismo	
  radical	
  
	
   	
   	
  
Crença	
  no	
  determinismo	
   Crença	
  no	
  livre-­‐arbítrio	
   Crença	
  na	
  responsabilidade	
  
moral	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Verdadeira	
  
1.	
   Todos	
   os	
   acontecimentos,	
   sem	
  
exceção,	
   são	
   causalmente	
   determinados	
  
por	
  acontecimentos	
  anteriores.	
  
2.	
   As	
   escolhas	
   e	
   ações	
   humanas	
   são	
  
acontecimentos.	
  
3.	
   Logo,	
   todas	
   as	
   escolhas	
   e	
   ações	
  
humanas	
   são	
   causalmente	
   determinadas	
  
por	
  acontecimentos	
  anteriores.	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Falsa	
  
Se	
   todas	
   as	
   ações	
   são	
   o	
  
desfecho	
   inevitável	
   de	
  
causas	
  anteriores,	
  não	
  há	
  
ações	
  livres.	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Falsa	
  
Se	
   não	
   há	
   ações	
   livres,	
   não	
  
podemos	
   ser	
  
responsabilizados	
   pelo	
   que	
  
fazemos.	
  
O	
   determinismo	
   radical	
   é	
   a	
   teoria	
   que	
   só	
   reconhece	
   como	
   verdadeira	
   a	
   crença	
   no	
   determinismo.	
  
Todos	
  os	
  acontecimentos	
  são	
  o	
  resultado	
  inevitável	
  de	
  causas	
  anteriores.	
  
QUADRO	
  ESQUEMÁTICO	
  2	
  
Problema:	
  Qual	
  das	
  crenças	
  é	
  verdadeira,	
  o	
  determinismo	
  ou	
  o	
  livre-­‐arbítrio?	
  
A	
  resposta	
  do	
  libertismo	
  
	
  	
  Crença	
  no	
  determinismo	
  
	
  Crença	
  no	
  livre-­‐arbítrio	
   Crença	
  na	
  responsabilidade	
  moral	
  
 
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Falsa	
  
1.	
   Nem	
   todos	
   os	
  
acontecimentos	
   são	
  
causalmente	
   determinados	
   por	
  
acontecimentos	
  anteriores	
  
2.	
   As	
   ações	
   humanas	
   são	
  
acontecimentos.	
  
3.	
   Logo,	
   há	
   ações	
   humanas	
  
desligadas	
   do	
   encadeamento	
  
causal	
  e	
  que	
  dão	
  origem	
  a	
  uma	
  
nova	
  série	
  de	
  acontecimentos.	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Verdadeira	
  
Se	
   nem	
   todos	
   os	
   acontecimentos	
  
são	
   o	
   desfecho	
   inevitável	
   de	
  
causas	
  anteriores,	
  então	
  há	
  ações	
  
livres.	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Verdadeira	
  
Se	
   há	
   ações	
   livres,	
   então	
   podemos	
  
ser	
   responsabilizados	
   pelo	
   que	
  
fazemos.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
O	
  libertismo	
  é	
  a	
  teoria	
  que	
  só	
  reconhece	
  como	
  verdadeira	
  a	
  crença	
  no	
  livre-­‐arbítrio	
  porque	
  não	
  aceita	
  o	
  
determinismo	
   universal	
   –	
   que	
   todo	
   o	
   acontecimento	
   seja	
   o	
   resultado	
   necessário	
   e	
   inevitável	
   de	
   causas	
  
anteriores.	
  
	
  
	
  
QUADRO	
  ESQUEMÁTICO	
  3	
  
  	
  
Problema:	
  Qual	
  das	
  crenças	
  é	
  verdadeira,	
  o	
  determinismo	
  ou	
  o	
  livre-­‐arbítrio?	
  
A	
  resposta	
  do	
  determinismo	
  moderado	
  
	
  
Crença	
  no	
  determinismo	
  
	
  
Crença	
  no	
  livre-­‐arbítrio	
  
	
  
Crença	
  na	
  responsabilidade	
  
moral	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Verdadeira	
  
1.	
   Todos	
   os	
   acontecimentos,	
   sem	
  
exceção,	
   são	
   causalmente	
  
determinados	
   por	
   acontecimentos	
  
anteriores	
  
2.	
  As	
  escolhas	
  e	
  ações	
  humanas	
  são	
  
acontecimentos.	
  
3.	
   Logo,	
   todas	
   as	
   escolhas	
   e	
   ações	
  
humanas	
   são	
   causalmente	
  
determinadas	
   por	
   acontecimentos	
  
anteriores.	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Verdadeira	
  
1.	
  Todas	
  as	
  ações	
  são	
  determinadas	
  
por	
  causas	
  anteriores.	
  
2.	
  As	
  ações	
  cujas	
  causas	
  são	
  forças	
  
externas	
   ao	
   sujeito	
   que	
   age	
   são	
  
ações	
  compelidas	
  ou	
  constrangidas.	
  
3.	
  Há	
  ações	
  cujas	
  causas	
  são	
  estados	
  
internos	
   do	
   sujeito	
   (crenças	
   e	
  
desejos).	
  
4.	
  Ações	
  que	
  não	
  derivam	
  da	
  força	
  
de	
  fatores	
  externos	
  são	
  ações	
  livres.	
  
5.	
   Há	
   ações	
   unicamente	
   causadas	
  
por	
   desejos,	
   motivos,	
   crenças	
   ou	
  
outros	
   estados	
   internos	
   do	
   sujeito	
  
que	
  age.	
  
6.	
  Logo,	
  há	
  ações	
  livres.	
  
	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Verdadeira	
  
Se	
   há	
   ações	
   livres,	
   podemos	
  
ser	
   responsabilizados	
   pelo	
  
que	
  fazemos.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
 
TEMA	
  4	
  
VALORES	
  E	
  VALORAÇÃO:	
  A	
  QUESTÃO	
  DOS	
  CRITÉRIOS	
  VALORATIVOS.	
  
1.	
  O	
  que	
  são	
  os	
  valores?	
  
Os	
  valores	
  são	
  termos	
  que	
  usamos	
  para	
  atribuir	
  muita,	
  pouca	
  ou	
  nenhuma	
  importância	
  
às	
  coisas	
  que	
  avaliamos.	
  As	
  coisas	
  que	
  avaliamos	
  –	
  acerca	
  das	
  quais	
  emitimos	
  juízos	
  de	
  
valor	
  –	
  podem	
  ser	
  objetos,	
  pessoas	
  e	
  atos.	
  Os	
  valores	
  são	
  padrões	
  ou	
  referências	
  em	
  
função	
  das	
  quais	
  julgamos	
  as	
  coisas.	
  Os	
  valores	
  exprimem	
  aquilo	
  que	
  julgamos	
  que	
  é	
  
importante	
  e	
  significativo	
  na	
  nossa	
  vida.	
  
	
  
2.	
  Há	
  diversas	
  espécies	
  de	
  valores?	
  
Sim.	
   Há	
   valores	
   religiosos	
   (sagrado,	
   profano),	
   valores	
   estéticos	
   (belo,	
   feio,	
   sublime,	
  
dotado	
  de	
  harmonia),	
  valores	
  éticos	
  (bem,	
  mal,	
  justiça,	
  igualdade),	
  valores	
  monetários	
  
e	
   utilitários,	
   entre	
   outros.	
   Utilizamos	
   a	
   palavra	
   valor	
   em	
   diversas	
   situações	
   e	
   com	
  
diferentes	
  sentidos.	
  
	
  
3.	
  Damos	
  o	
  mesmo	
  valor	
  a	
  todas	
  as	
  coisas?	
  
Não.	
  Além	
  de	
  diversos,	
  os	
  valores	
  são	
  hierarquizados,	
  ou	
  seja,	
  uns	
  são	
  considerados	
  
mais	
   importantes	
   do	
   que	
   outros.	
   Toda	
   e	
   qualquer	
   pessoa	
   dá	
   mais	
   importância	
   a	
  
determinados	
   valores	
   em	
   relação	
   a	
   outros,	
   estabelecendo-­‐se	
   assim	
   uma	
   espécie	
   de	
  
hierarquia	
   de	
   valores.	
   Os	
   valores	
   a	
   que	
   cada	
   pessoa	
   confere	
   mais	
   importância	
   vão	
  
refletir-­‐se	
  nas	
  suas	
  ações	
  e	
  decisões,	
  vão	
  de	
  certa	
  forma	
  organizar	
  e	
  orientar	
  toda	
  a	
  sua	
  
conduta.	
   Os	
   valores	
   podem,	
   por	
   sua	
   vez,	
   ser	
   agrupados	
   em	
   vários	
   tipos.	
   Assim,	
   e	
  
destacando	
  apenas	
  os	
  principais	
  tipos,	
  podemos	
  falar	
  em	
  valores	
  religiosos,	
  estéticos,	
  
éticos	
  (sendo	
  provavelmente	
  estes	
  três	
  domínios	
  aqueles	
  que	
  enquadram	
  os	
  valores	
  
mais	
   importantes),	
   políticos,	
   teoréticos	
   (da	
   ordem	
   do	
   conhecimento),	
   sensíveis	
   (da	
  
ordem	
  do	
  prazer	
  e	
  satisfação),	
  vitais	
  e	
  económicos.	
  
	
  
4.	
  Qual	
  o	
  valor	
  que	
  costumamos	
  considerar	
  mais	
  importante?	
  
Habitualmente,	
  o	
  valor	
  que	
  consideramos	
  mais	
  valioso	
  é	
  o	
  valor	
  da	
  vida	
  humana.	
  
5.	
  Qual	
  a	
  disciplina	
  que	
  estuda	
  a	
  natureza	
  dos	
  valores?	
  
A	
  disciplina	
  que	
  estuda	
  a	
  natureza	
  dos	
  valores	
  é	
  a	
  axiologia	
  ou	
  teoria	
  dos	
  valores.	
  
Coloca	
   questões	
   como:	
   O	
   que	
   é	
   um	
   valor?	
   Onde	
   e	
   como	
   existe?	
   Será	
   apenas	
   o	
  
resultado	
  das	
  avaliações	
  que	
  fazemos	
  das	
  coisas?	
  Para	
  muitos	
  pensadores,	
  os	
  valores	
  
não	
  são	
  coisas	
  que	
  existam	
  fora	
  da	
  nossa	
  mente,	
  mas	
  algo	
  que	
  apenas	
  existe	
  para	
  um	
  
sujeito	
   que	
   avalia	
   as	
   coisas.	
   Para	
   outros,	
   os	
   valores	
   têm	
   uma	
   existência	
   própria,	
  
independente	
  do	
  sujeito.	
  
Pense	
  no	
  seguinte	
  caso:	
  Muitas	
  pessoas	
  julgam	
  determinadas	
  coisas	
  belas,	
  enquanto	
  
outras	
   discordam.	
   Então	
   o	
   que	
   fazemos	
   quando	
   dizemos	
   que	
   algo	
   é	
   belo	
   ou	
   feio,	
  
magnífico	
   ou	
   vulgar?	
   Estamos	
   somente	
   a	
   declarar	
   o	
   que	
   sentimos	
   (prazer	
   ou	
  
desprazer)	
   quando	
   contemplamos	
   um	
   objeto	
   ou	
   estamos	
   a	
   referir	
   algo	
   que	
   são	
  
propriedades	
  do	
  próprio	
  objeto,	
  que	
  são	
  independentes	
  do	
  que	
  sentimos?	
  No	
  primeiro	
  
caso,	
   estamos	
   perante	
   uma	
   tese	
   ou	
   posição	
   filosófica	
   denominada	
   subjetivismo	
  
estético.	
   No	
   segundo	
   caso,	
   a	
   posição	
   que	
   adotamos	
   é	
   conhecida	
   por	
   objetivismo	
  
estético.	
  
Para	
  os	
  defensores	
  do	
  subjetivismo	
  estético,	
  um	
  objeto	
  é	
  belo	
  ou	
  feio	
  em	
  virtude	
  de	
  
sentirmos	
  prazer	
  ou	
  desprazer	
  ao	
  observá-­‐lo.	
  A	
  beleza	
  ou	
  fealdade	
  dependem,	
  não	
  das	
  
propriedades	
   intrínsecas	
   do	
   objeto,	
   mas	
   dos	
   sentimentos	
   que	
   em	
   nós	
   provoca	
   e	
  
desperta.	
  
Para	
  os	
  partidários	
  do	
  objetivismo	
  estético,	
  dizer	
  «A	
  catedral	
  de	
  Milão	
  é	
  bela»	
  é	
  muito	
  
diferente	
  de	
  dizer	
  «Gosto	
  da	
  catedral	
  de	
  Milão».	
  Os	
  juízos	
  estéticos	
  não	
  são,	
  para	
  o	
  
objetivista,	
  simples	
  juízos	
  de	
  gosto.	
  A	
  beleza	
  ou	
  a	
  fealdade	
  está	
  nos	
  próprios	
  objetos.	
  É	
  
devido	
  a	
  determinadas	
  propriedades	
  intrínsecas	
  que	
  um	
  objeto	
  é	
  considerado	
  belo	
  ou	
  
feio.	
  
6.	
  Que	
  relação	
  existe	
  entre	
  valores	
  e	
  ações?	
  
Os	
  valores	
  são	
  os	
  critérios	
  das	
  nossas	
  preferências	
  (são	
  os	
  motivos	
  fundamentais	
  das	
  
nossas	
   decisões).	
   Ao	
   tomarmos	
   decisões,	
   agimos	
   segundo	
   valores	
   que	
   constituem	
   o	
  
fundamento,	
  a	
  razão	
  de	
  ser	
  ou	
  o	
  porquê	
  (critério)	
  de	
  tais	
  decisões.	
  
A	
   atitude	
   valorativa	
   é	
   uma	
   constante	
   da	
   nossa	
   existência:	
   em	
   nome	
   da	
   amizade,	
  
preferimos	
  controlar	
  e	
  orientar	
  noutra	
  direção	
  uma	
  atração	
  física	
  pela	
  namorada	
  ou	
  
mulher	
  do	
  nosso	
  amigo;	
  em	
  nome	
  do	
  amor,	
  preferimos	
  desafiar	
  as	
  convenções	
  sociais	
  
em	
   vez	
   de	
   perder	
   a	
   oportunidade	
   de	
   sermos	
   felizes;	
   por	
   uma	
   questão	
   de	
   saúde,	
  
preferimos	
   o	
   exercício	
   físico,	
   a	
   dieta	
   e	
   o	
   fim	
   do	
   consumo	
   de	
   tabaco	
   aos	
   hábitos	
  
prejudiciais	
  até	
  então	
  seguidos;	
  em	
  nome	
  da	
  liberdade,	
  preferimos	
  combater,	
  lutar	
  e	
  
correr	
  riscos	
  a	
  aceitar	
  um	
  estado	
  de	
  coisas	
  que,	
  apesar	
  de	
  tudo,	
  satisfaz	
  os	
  interesses	
  
económicos	
  da	
  família	
  a	
  que	
  pertencemos;	
  por	
  solidariedade,	
  preferimos	
  auxiliar	
  os	
  
famintos	
   e	
   os	
   doentes	
   na	
   Somália	
   a	
   permanecer	
   em	
   Lisboa	
   dando	
   consultas;	
   por	
  
paixão	
   pela	
   música,	
   decidimos	
   interromper	
   um	
   curso	
   que	
   não	
   corresponde	
   à	
   nossa	
  
vocação	
  profunda;	
  em	
  nome	
  de	
  Deus,	
  renunciamos	
  a	
  certas	
  «ligações	
  terrenas»,	
  etc.	
  
7.	
  O	
  que	
  são	
  juízos	
  de	
  fato?	
  
	
  
Os	
  juízos	
  de	
  facto	
  são	
  juízos	
  sobre	
  o	
  modo	
  como	
  as	
  coisas	
  são.	
  Descrevem	
  um	
  estado	
  
de	
  coisas	
  ou	
  uma	
  situação	
  podendo	
  essa	
  descrição	
  corresponder	
  ou	
  não	
  à	
  realidade,	
  ou	
  
seja,	
   ser	
   verdadeira	
   ou	
   falsa.	
   São	
   juízos	
   totalmente	
   descritivos,	
   que	
   têm	
   valor	
   de	
  
verdade	
   (podem	
   ser	
   verdadeiros	
   ou	
   falsos).	
   A	
   sua	
   verdade	
   ou	
   falsidade	
   depende	
   de	
  
como	
  a	
  realidade	
  é	
  e	
  não	
  da	
  opinião	
  ou	
  ponto	
  de	
  vista	
  de	
  cada	
  pessoa:	
  são,	
  portanto,	
  
objetivos.	
  Ex.:	
  O	
  gato	
  é	
  um	
  mamífero	
  que	
  mia.	
  
8.	
  O	
  que	
  são	
  juízos	
  de	
  valor?	
  
Os	
  juízos	
  de	
  valor	
  são	
  juízos	
  sobre	
  que	
  coisas	
  são	
  boas	
  ou	
  agradáveis	
  e	
  sobre	
  como	
  
devemos	
  agir.	
  Os	
  juízos	
  de	
  valor	
  atribuem	
  um	
  valor	
  a	
  um	
  certo	
  estado	
  de	
  coisas	
  –	
  valor	
  
esse	
  que	
  pode	
  ser	
  positivo	
  ou	
  negativo.	
  Ex.:	
  «Este	
  quadro	
  é	
  belo»	
  –	
  valor	
  positivo	
  –	
  ou	
  
«Este	
  quadro	
  é	
  horrível»	
  –	
  juízo	
  negativo.	
  
	
   	
  
QUADRO	
  ESQUEMÁTICO	
  	
  
A	
  FORMA	
  HABITUAL	
  DE	
  DISTINGUIR	
  JUÍZOS	
  DE	
  FACTO	
  DE	
  JUÍZOS	
  DE	
  VALOR	
  
Juízos	
  de	
  facto	
  
	
  
	
  
	
  
Juízos	
  de	
  valor	
  
Descrevem	
   a	
   realidade	
   ou	
  
informam-­‐nos	
   acerca	
   de	
   factos,	
  
coisas,	
  acontecimentos	
  ou	
  ações.	
  
Durante	
  a	
  Segunda	
  Guerra	
  Mundial	
  
seis	
   milhões	
   de	
   judeus	
   morreram	
  
nos	
   campos	
   de	
   concentração	
  
nazistas.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
Avaliam	
  determinados	
  acontecimentos,	
  
coisas	
  e	
  ações.	
  
	
  
A	
  morte	
  de	
  seis	
  milhões	
  de	
  judeus	
  nas	
  
mãos	
  dos	
  nazistas	
  foi	
  um	
  ato	
  criminoso	
  
e	
  horrendo.	
  
Os	
   juízos	
   de	
   facto	
   são	
   verdadeiros	
  
ou	
   falsos,	
   isto	
   é,	
   referem-­‐se	
   aos	
  
factos,	
   podendo	
   ser	
   negados	
   ou	
  
confirmados	
  pela	
  experiência.	
  
Não	
   se	
   tem	
   a	
   certeza	
   sobre	
   o	
  
número	
   de	
   judeus	
   que	
   morreram	
  
nos	
  campos	
  de	
  concentração	
  nazis.	
  
Só	
  se	
  sabe	
  que	
  o	
  número	
  de	
  vítimas	
  
mortais	
  foi	
  elevado.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
O	
   juízo	
   de	
   valor	
   refere-­‐se,	
   de	
   forma	
  
explícita	
   ou	
   implícita,	
   a	
   valores	
   ou	
  
princípios	
   fundamentais	
   nos	
   quais	
   nos	
  
baseamos	
  para	
  produzir	
  uma	
  avaliação.	
  
A	
   morte	
   de	
   seis	
   milhões	
   de	
   judeus	
   foi	
  
um	
   ato	
   criminoso	
   porque	
   (justificação	
  
do	
   juízo)	
   o	
   respeito	
   pela	
   vida	
   e	
   digni-­‐
dade	
  do	
  homem	
  é	
  valioso.	
  
Os	
  juízos	
  de	
  facto	
  são	
  descritivos	
  ou	
  
informativos:	
   não	
   prescrevem	
   ou	
  
proíbem	
   o	
   que	
   deve	
   ou	
   não	
   fazer-­‐
se.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
Os	
   juízos	
   de	
   valor	
   são	
   normativos	
   ou	
  
prescritivos.	
  
Ao	
   julgar-­‐se	
   que	
   a	
   morte	
   de	
   seis	
  
milhões	
  de	
  judeus	
  foi	
  um	
  ato	
  criminoso	
  
dos	
  nazis,	
  considera-­‐se	
  que	
  esse	
  ato	
  não	
  
devia	
  ter	
  sido	
  cometido.	
  O	
  respeito	
  pelo	
  
valor	
   da	
   vida	
   e	
   da	
   dignidade	
   humanas	
  
traduz-­‐se	
   na	
   norma	
   «Não	
   matarás»,	
  
que,	
  neste	
  caso,	
  foi	
  infringida.	
  
	
  
9.	
  Distinga	
  os	
  seguintes	
  juízos:	
  a)	
  «A	
  pena	
  de	
  morte	
  é	
  aplicada	
  na	
  Arábia	
  Saudita»	
  e	
  
b)	
  «A	
  pena	
  de	
  morte	
  é	
  injusta».	
  
O	
  juízo	
  a)	
  é	
  apenas	
  descritivo:	
  limita-­‐se	
  a	
  dizer	
  como	
  é	
  que	
  as	
  coisas	
  são	
  na	
  Arábia	
  
Saudita	
  no	
  que	
  respeita	
  à	
  pena	
  de	
  morte.	
  Não	
  avalia	
  nada.	
  
O	
  juízo	
  b)	
  não	
  é	
  apenas	
  descritivo	
  porque	
  faz	
  uma	
  avaliação.	
  O	
  que	
  significa	
  dizer	
  que	
  a	
  
pena	
   de	
   morte	
   é	
   injusta?	
   Significa	
   dizer	
   que	
   a	
   pena	
   de	
   morte	
   não	
   deveria	
   existir.	
  
Assim,	
  este	
  juízo	
  diz-­‐nos,	
  não	
  somente	
  como	
  as	
  coisas	
  são,	
  mas	
  como	
  deveriam	
  ser.	
  
Ora,	
  ao	
  dizermos	
  como	
  as	
  coisas	
  deveriam	
  ser,	
  estamos	
  a	
  usar	
  um	
  critério	
  para	
  fazer	
  a	
  
nossa	
  avaliação.	
  Neste	
  caso,	
  o	
  critério	
  valorativo	
  é	
  a	
  justiça.	
  Quando	
  há	
  avaliação,	
  têm	
  
de	
  existir	
  critérios.	
  
	
  
10.	
  A	
  distinção	
  juízos	
  de	
  facto/juízos	
  de	
  valor	
  é	
  consensual?	
  
Não,	
  porque	
  há	
  filósofos	
  que	
  a	
  contestam	
  argumentando	
  em	
  defesa	
  da	
  ideia	
  de	
  que	
  
todos	
  os	
  juízos	
  são	
  juízos	
  de	
  facto.	
  
11.	
  O	
  que	
  são	
  critérios	
  valorativos?	
  	
  
	
  Os	
  critérios	
  valorativos	
  são	
  as	
  justificações	
  em	
  que	
  nos	
  apoiamos	
  para	
  determinar	
  que	
  
coisas	
  –	
  ações,	
  pessoas,	
  locais,	
  objetos	
  –	
  têm	
  valor	
  ou	
  importância.	
  Assim,	
  valorizamos	
  
uma	
  ação	
  honesta	
  porque	
  damos	
  importância	
  à	
  honestidade,	
  porque	
  a	
  consideramos	
  
um	
  elemento	
  importante	
  que	
  deve	
  estar	
  presente	
  nas	
  relações	
  humanas.	
  
12.	
  Em	
  que	
  consiste	
  a	
  questão	
  dos	
  critérios	
  valorativos?	
  
Um	
  juízo	
  de	
  valor	
  é	
  um	
  ato	
  mediante	
  o	
  qual	
  formulamos	
  uma	
  proposição	
  que	
  avalia	
  
certos	
  aspetos	
  da	
  realidade,	
  não	
  se	
  limitando	
  a	
  descrever	
  como	
  as	
  coisas	
  são.	
  
Uma	
  vez	
  que,	
  ao	
  avaliarmos	
  as	
  coisas,	
  utilizamos	
  critérios	
  ou	
  razões	
  que	
  se	
  baseiam	
  em	
  
valores	
   (ao	
   dizer	
   «A	
   pena	
   de	
   morte	
   é	
   injusta»	
   julgo	
   como	
   a	
   realidade	
   devia	
   ser	
  
baseando-­‐me	
   num	
   valor,	
   em	
   algo	
   que	
   valorizo	
   e	
   a	
   que	
   dou	
   importância:	
   o	
   valor	
   da	
  
justiça),	
  a	
  questão	
  dos	
  critérios	
  valorativos	
  pode	
  traduzir-­‐se	
  assim:	
  «Será	
  que	
  existem	
  
valores	
  objetivamente	
  verdadeiros?	
  Ou	
  será	
  que	
  a	
  sua	
  verdade	
  depende	
  daquilo	
  que	
  um	
  
indivíduo	
  ou	
  uma	
  sociedade	
  consideram	
  verdadeiro?».	
  
Este	
   problema	
   surge	
   porque	
   nos	
   apercebemos	
   de	
   que	
   há	
   pessoas	
   e	
   culturas	
   com	
  
valores	
  muito	
  diferentes	
  dos	
  nossos,	
  que	
  preferem	
  aquilo	
  que	
  nós	
  rejeitamos	
  ou	
  que	
  
valorizam	
   aquilo	
   que	
   temos	
   dificuldade	
   em	
   considerar	
   importante.	
   Muitas	
   pessoas	
  
julgam	
  que	
  os	
  valores	
  são	
  uma	
  questão	
  de	
  gosto	
  pessoal,	
  ou	
  que	
  variam	
  de	
  cultura	
  
para	
  cultura.	
  Em	
  ambos	
  os	
  casos,	
  não	
  têm	
  qualquer	
  objetividade.	
  	
  
Trata-­‐se	
   do	
   problema	
   da	
   verdade	
   e	
   da	
   objetividade	
   dos	
   juízos	
   de	
   valor.	
   Como	
   os	
  
juízos	
   morais	
   são	
   os	
   que	
   mais	
   importância	
   têm	
   na	
   vida	
   humana,	
   a	
   questão	
   pode	
  
enunciar-­‐se	
  desta	
  dupla	
  forma:	
  	
  
a) Os	
  juízos	
  morais	
  têm	
  valor	
  de	
  verdade?	
  
b) Se	
  têm	
  valor	
  de	
  verdade,	
  essa	
  verdade	
  é	
  objetiva,	
  ou	
  seja,	
  não	
  depende	
  dos	
  
gostos	
  dos	
  indivíduos	
  ou	
  do	
  modo	
  de	
  pensar	
  da	
  sociedade	
  em	
  que	
  vivem?	
  	
  
	
  
	
  
TEMA	
  5	
  
RELATIVISMO	
  MORAL,	
  OBJETIVISMO	
  MORAL	
  E	
  SUBJETIVISMO	
  MORAL	
  
1.	
  Acerca	
  da	
  natureza	
  dos	
  valores,	
  o	
  que	
  distingue	
  a	
  posição	
  relativista	
  da	
  posição	
  
objetivista?	
  
	
  O	
   objetivismo	
   defende	
   que	
   os	
   valores	
   são	
   propriedades,	
   qualidades	
   das	
   próprias	
  
coisas,	
  pessoas,	
  objetos,	
  situações	
  e	
  instituições,	
  embora	
  sejam	
  propriedades	
  difíceis	
  
de	
   conhecer	
   porque	
   não	
   existem	
   num	
   sentido	
   físico.	
   Nesta	
   perspetiva,	
   os	
   juízos	
   de	
  
valor	
  são	
  uma	
  espécie	
  de	
  juízos	
  de	
  facto	
  com	
  a	
  diferença	
  de	
  que	
  sobre	
  o	
  seu	
  conteúdo	
  
ainda	
   não	
   obtivemos	
   qualquer	
   certeza.	
   Isso	
   não	
   impede	
   que	
   haja	
   verdades	
   morais	
  
universais	
   e	
   objetivas.	
   Nós	
   é	
   que,	
   provavelmente	
   por	
   causa	
   das	
   nossas	
   limitações,	
  
ainda	
  não	
  os	
  descobrimos.	
  
Para	
  o	
  relativismo,	
  os	
  valores	
  não	
  são	
  propriedades,	
  qualidades,	
  das	
  próprias	
  coisas,	
  
pessoas,	
   objetos,	
   situações	
   e	
   instituições.	
   São	
   simplesmente	
   ideias	
   ou	
   crenças	
   que	
  
existem	
  na	
  mente	
  dos	
  seres	
  humanos	
  e	
  dependem	
  do	
  modo	
  como	
  sentimos	
  e	
  somos	
  
educados	
  pelo	
  meio	
  em	
  que	
  nascemos	
  e	
  vivemos.	
  	
  
	
  
2.	
  Caraterize	
  o	
  subjetivismo	
  moral.	
  
O	
  que	
  é	
  moralmente	
  correto?	
  O	
  que	
  a	
  sociedade	
  considera	
  ser	
  moralmente	
  certo?	
  Ou	
  
será	
  o	
  que	
  eu	
  acredito	
  ser	
  moralmente	
  correto?	
  Ou	
  nem	
  uma	
  coisa	
  nem	
  outra?	
  
O	
   subjetivismo	
   moral	
   responde	
   que	
   é	
   moralmente	
   verdadeiro	
   o	
   que	
   cada	
   indivíduo	
  
sente	
   que	
   é	
   verdade.	
   O	
   subjetivismo	
   moral	
   ou	
   relativismo	
   individual	
   afirma	
   que	
   há	
  
juízos	
  morais	
  verdadeiros,	
  mas	
  nega	
  que	
  essa	
  verdade	
  seja	
  objetiva.	
  A	
  cada	
  um	
  a	
  sua	
  
verdade.	
   Os	
   juízos	
   morais	
   traduzem	
   sentimentos	
   de	
   aprovação	
   e	
   de	
   reprovação.	
   Se	
  
genuinamente	
  uma	
  pessoa	
  sente	
  que	
  uma	
  determinada	
  ação	
  é	
  correta,	
  se	
  a	
  ação	
  está	
  
de	
  acordo	
  com	
  o	
  que	
  ela	
  sente	
  ser	
  correto,	
  então	
  o	
  juízo	
  moral	
  que	
  sobre	
  ela	
  faz	
  é	
  
verdadeiro.	
   Moralmente	
   verdadeiro	
   é	
   o	
   que	
   depende	
   dos	
   meus	
   sentimentos.	
   Cada	
  
indivíduo	
  tem	
  um	
  código	
  moral	
  próprio	
  que	
  lhe	
  permite	
  distinguir	
  por	
  si	
  o	
  certo	
  do	
  
errado	
   sem	
   precisar	
   de	
   consultar	
   os	
   outros	
   ou	
   submeter-­‐se	
   ao	
   que	
   a	
   maioria	
   das	
  
pessoas	
  pensa	
  sobre	
  o	
  assunto.	
  «Ninguém	
  pode	
  e	
  deve	
  dar	
  lições	
  de	
  moral	
  a	
  ninguém.	
  
A	
  cada	
  qual	
  a	
  sua	
  verdade,	
  e	
  assim	
  deve	
  ser.	
  
3.	
  Quais	
  são	
  as	
  objeções	
  mais	
  frequentemente	
  dirigidas	
  ao	
  subjetivismo	
  ético?	
  
Podemos	
  destacar	
  três:	
  	
  
	
  
a)	
  O	
  subjetivismo	
  moral	
  torna	
  inviável	
  a	
  discussão	
  de	
  questões	
  morais.	
  
O	
  subjetivismo	
  moral	
  parece	
  sugerir	
  que	
  não	
  podemos	
  dizer	
  que	
  as	
  opiniões	
  e	
  juízos	
  
morais	
  dos	
  outros	
  estão	
  errados.	
  Se	
  as	
  verdades	
  morais	
  dependem	
  dos	
  sentimentos	
  de	
  
aprovação	
  ou	
  de	
  desaprovação	
  de	
  cada	
  indivíduo,	
  basta	
  que	
  os	
  nossos	
  juízos	
  morais	
  
estejam	
  de	
  acordo	
  com	
  os	
  nossos	
  sentimentos	
  para	
  serem	
  verdadeiros.	
  Um	
  genuíno	
  
debate	
   moral	
   em	
   que	
   cada	
   interlocutor	
   tente	
   convencer	
   o	
   outro	
   das	
   suas	
   razões	
  
acerca	
   de	
   algo	
   em	
   que	
   acredita	
   perde	
   qualquer	
   sentido.	
   Para	
   o	
   subjetivista,	
   será	
  
mesmo	
  sinal	
  de	
  intolerância.	
  
b)	
   O	
   subjetivismo	
   ético	
   acredita	
   que	
   não	
   há	
   juízos	
   morais	
   objetivos	
   porque	
   os	
  
assuntos	
  morais	
  são	
  objeto	
  de	
  discórdia	
  generalizada,	
  mas	
  isso	
  não	
  prova	
  que	
  não	
  
haja	
  uma	
  resposta	
  correta	
  ou	
  verdades	
  objetivas.	
  
Será	
  que	
  o	
  facto	
  de	
  as	
  pessoas	
  discordarem	
  acerca	
  da	
  existência	
  de	
  Deus	
  prova	
  que	
  
não	
  há	
  uma	
  resposta	
  à	
  questão	
  Será	
  que	
  Deus	
  existe?	
  Durante	
  muito	
  tempo	
  as	
  pessoas	
  
pensaram	
  que	
  as	
  doenças	
  eram	
  causadas	
  por	
  demónios.	
  Sabemos	
  hoje	
  em	
  dia	
  que	
  na	
  
maioria	
  dos	
  casos	
  são	
  causadas	
  por	
  microrganismos	
  como	
  bactérias	
  e	
  vírus.	
  
c)	
  O	
  facto	
  de	
  as	
  pessoas	
  terem	
  crenças	
  opostas	
  acerca	
  de	
  questões	
  morais	
  não	
  prova	
  
que	
  essas	
  crenças	
  sejam	
  ambas	
  verdadeiras.	
  
Se	
  dois	
  indivíduos	
  não	
  estão	
  de	
  acordo	
  acerca	
  de	
  um	
  dado	
  assunto,	
  então	
  têm	
  ambos	
  
razão,	
  ou	
  seja,	
  as	
  suas	
  crenças	
  são	
  ambas	
  verdadeiras.	
  Mas	
  e	
  se	
  as	
  duas	
  crenças	
  se	
  
negam	
  uma	
  à	
  outra,	
  se	
  contradizem?	
  Duas	
  crenças	
  que	
  se	
  contradizem	
  não	
  podem	
  ser	
  
ambas	
  verdadeiras.	
  
4.	
  «Matar	
  é	
  errado»,	
  «Roubar	
  é	
  incorreto»	
  e	
  «Mentir	
  é	
  imoral».	
  Será	
  que	
  estes	
  juízos	
  
são	
  verdadeiros?	
  Será	
  que	
  são	
  objetivos	
  e	
  universais?	
  «Há	
  verdade	
  e	
  falsidade	
  em	
  
assuntos	
  morais?»,	
  «Faz	
  sentido	
  dizer	
  que	
  uma	
  crença	
  moral	
  é	
  correta	
  e	
  que	
  outra	
  é	
  
errada?».	
  Qual	
  é	
  a	
  resposta	
  que	
  o	
  relativismo	
  cultural	
  dá	
  a	
  estas	
  perguntas?	
  
O	
  relativismo	
  cultural	
  afirma	
  que	
  aqueles	
  juízos	
  são	
  verdadeiros,	
  mas	
  não	
  em	
  todo	
  o	
  
lado	
   e	
   para	
   todas	
   as	
   pessoas.	
   A	
   verdade	
   dos	
   juízos	
   morais	
   depende	
   do	
   que	
   cada	
  
sociedade	
   aprova,	
   ou	
   seja,	
   as	
   afirmações	
   morais	
   só	
   são	
   verdadeiras	
   ou	
   falsas	
   em	
  
determinadas	
   culturas.	
   Moralmente	
   correto	
   é	
   aquilo	
   que	
   a	
   maioria	
   das	
   pessoas	
   de	
  
uma	
  sociedade	
  considera	
  correto.	
  Não	
  existe	
  nenhum	
  critério	
  objetivo	
  e	
  universal	
  para	
  
determinar	
  quem	
  tem	
  razão.	
  Um	
  juízo	
  moral	
  é	
  falso	
  quando	
  os	
  membros	
  –	
  a	
  maioria	
  –	
  
de	
  uma	
  sociedade	
  o	
  consideram	
  falso	
  e	
  verdadeiro	
  quando	
  o	
  consideram	
  verdadeiro.	
  
Assim,	
   afirmar	
   que	
   «Matar	
   é	
   errado»	
   significa	
   dizer	
   «A	
   sociedade	
   X	
   considera	
   que	
  
matar	
  é	
  moralmente	
  incorreto».	
  Afirmar	
  que	
  «Matar	
  é	
  moralmente	
  correto»	
  significa	
  
dizer	
  «A	
  sociedade	
  X	
  considera	
  que	
  matar	
  é	
  moralmente	
  correto».	
  
5.	
  Será	
  que	
  relativismo	
  cultural	
  e	
  ceticismo	
  moral	
  são	
  a	
  mesma	
  coisa?	
  
Não.	
  Para	
  o	
  ceticismo	
  moral	
  nenhum	
  juízo	
  moral	
  tem	
  valor	
  de	
  verdade,	
  ou	
  seja,	
  os	
  
juízos	
   morais	
   não	
   são	
   nem	
   verdadeiros	
   nem	
   falsos.	
   Não	
   há	
   práticas	
   moralmente	
  
corretas	
   ou	
   incorretas.	
   Ora,	
   o	
   relativismo	
   cultural	
   afirma	
   que	
   os	
   juízos	
   morais	
   são	
  
verdadeiros	
  ou	
  falsos	
  conforme	
  o	
  que	
  cada	
  cultura	
  julga	
  ser	
  verdadeiro	
  ou	
  falso.	
  
29.	
  Quais	
  são	
  as	
  objeções	
  mais	
  frequentemente	
  dirigidas	
  ao	
  relativismo	
  moral?	
  
São	
  as	
  seguintes:	
  
A)	
   Há	
   uma	
   diferença	
   significativa	
   entre	
   o	
   que	
   uma	
   sociedade	
   acredita	
   ser	
  
moralmente	
  correto	
  e	
  algo	
  ser	
  moralmente	
  correto.	
  
O	
  relativismo	
  cultural	
  transforma	
  a	
  diversidade	
  de	
  opiniões	
  e	
  de	
  crenças	
  morais	
  em	
  
ausência	
   de	
   verdades	
   objetivas.	
   Mas	
   isso	
   pode	
   ser	
   sinal	
   de	
   que	
   há	
   pessoas	
   e	
  
sociedades	
  que	
  estão	
  erradas	
  e	
  não	
  de	
  que	
  ninguém	
  está	
  errado.	
  Se	
  duas	
  sociedades	
  
têm	
  diferentes	
  crenças	
  acerca	
  de	
  uma	
  questão	
  moral,	
  o	
  relativista	
  conclui	
  que	
  então	
  
ambas	
  as	
  crenças	
  são	
  verdadeiras.	
  Os	
  adversários	
  do	
  relativismo	
  cultural	
  objetam	
  que	
  
a	
  conclusão	
  não	
  deriva	
  necessariamente	
  da	
  premissa	
  porque	
  essa	
  discórdia	
  pode	
  ser	
  
sinal	
  de	
  que	
  uma	
  sociedade	
  está	
  certa	
  e	
  a	
  outra	
  errada.	
  
B)	
  O	
  relativismo	
  cultural	
  reduz	
  a	
  verdade	
  ao	
  que	
  a	
  maioria	
  julga	
  ser	
  verdadeiro.	
  
Desde	
   quando	
   o	
   que	
   maioria	
   pensa	
   é	
   verdadeiro	
   e	
   moralmente	
   aceitável?	
   Os	
   nazis	
  
acreditavam	
  e	
  fizeram	
  com	
  que	
  a	
  maioria	
  dos	
  alemães	
  acreditasse	
  que	
  os	
  judeus	
  eram	
  
sub-­‐humanos	
   e	
   que	
   exterminá-­‐los	
   era	
   um	
   favor	
   que	
   faziam	
   à	
   humanidade.	
   Isso	
   é	
  
claramente	
  falso.	
  
C)	
  O	
  relativismo	
  cultural	
  parece	
  convidar-­‐nos	
  ao	
  conformismo	
  moral,	
  a	
  seguir,	
  em	
  
nome	
  da	
  coesão	
  social,	
  as	
  crenças	
  dominantes.	
  
Algumas	
  pessoas	
  ao	
  longo	
  da	
  história	
  quiseram	
  e	
  conseguiram	
  mudar	
  a	
  nossa	
  maneira	
  
de	
  pensar	
  acerca	
  de	
  certos	
  problemas	
  morais.	
  Estou	
  a	
  lembrar-­‐me	
  de	
  quem	
  combateu	
  
a	
   escravatura	
   em	
   nome	
   dos	
   ensinamentos	
   de	
   Cristo	
   –	
   embora	
   os	
   defensores	
   da	
  
escravatura	
  dissessem	
  que	
  a	
  Bíblia	
  justificava	
  o	
  que	
  faziam	
  –,	
  de	
  quem	
  lutou	
  contra	
  o	
  
apartheid	
   na	
   África	
   do	
   Sul	
   (Nelson	
   Mandela)	
   e	
   contra	
   a	
   segregação	
   racial	
   nos	
   EUA	
  
(Martin	
  Luther	
  King).	
  Essas	
  pessoas	
  fizeram	
  bem	
  à	
  humanidade,	
  combateram	
  injustiças	
  
e	
   devemos-­‐lhes	
   grande	
   progresso	
   moral.	
   Ora,	
   o	
   relativismo	
   cultural	
   parece	
   implicar	
  
que	
  a	
  ação	
  dos	
  reformadores	
  morais	
  é	
  sempre	
  incorreta.	
  	
  
D)	
  O	
  relativismo	
  cultural	
  torna	
  incompreensível	
  o	
  progresso	
  moral.	
  
É	
  verdade,	
  ou	
  pelo	
  menos	
  parece,	
  que	
  não	
  há	
  acordo	
  entre	
  os	
  seres	
  humanos	
  sobre	
  
muitas	
   questões	
   morais.	
   Mas	
   também	
   é	
   verdade	
   que	
   a	
   humanidade	
   tem	
   realizado	
  
progressos	
  no	
  plano	
  moral.	
  A	
  abolição	
  da	
  escravatura,	
  o	
  reconhecimento	
  dos	
  direitos	
  
das	
  mulheres,	
  a	
  condenação	
  e	
  a	
  luta	
  contra	
  a	
  discriminação	
  racial	
  são	
  exemplos.	
  Falar	
  
de	
   progresso	
   moral	
   parece	
   implicar	
   que	
   haja	
   um	
   padrão	
   objetivo	
   com	
   o	
   qual	
  
confrontamos	
   as	
   nossas	
   ações.	
   Se	
   esse	
   padrão	
   objetivo	
   não	
   existir,	
   não	
   temos	
  
fundamento	
  para	
  dizer	
  que	
  em	
  termos	
  morais	
  estamos	
  melhor	
  agora	
  do	
  que	
  antes.	
  	
  
E)	
   O	
   relativismo	
   cultural	
   torna	
   impossível	
   criticar	
   os	
   valores	
   dominantes	
   numa	
  
cultura.	
  
Como	
  explicar	
  as	
  mudanças	
  de	
  perspetiva	
  moral	
  em	
  relação	
  a	
  temas	
  como	
  os	
  direitos	
  
dos	
  animais?	
  Como	
  denunciar	
  e	
  convencer	
  a	
  maioria	
  dos	
  membros	
  que	
  numa	
  cultura	
  
consideram	
   a	
   pena	
   de	
   morte	
   justa	
   de	
   que	
   ela	
   afinal	
   é	
   injusta	
   se	
   justo	
   é	
   para	
   o	
  
relativismo	
  cultural	
  o	
  que	
  é	
  socialmente	
  aprovado	
  pela	
  maioria?	
  Não	
  compreenderiam	
  
como	
   alguém	
   pode	
   considerar	
   esse	
   castigo	
   injusto,	
   tal	
   como	
   um	
   japonês	
   não	
  
compreenderia	
  que	
  o	
  correto	
  é	
  comer	
  de	
  faca	
  e	
  garfo.	
  
F)	
  Torna	
  incompreensível	
  a	
  noção	
  de	
  direitos	
  humanos	
  universais.	
  
Estes	
   direitos	
   são	
   próprios	
   dos	
   seres	
   humanos	
   por	
   serem	
   humanos	
   e	
   não	
   por	
  
pertencerem	
  a	
  esta	
  ou	
  aquela	
  cultura.	
  Esta	
  ideia	
  é,	
  para	
  o	
  relativista,	
  produzida	
  por	
  
uma	
  cultura	
  –	
  neste	
  caso,	
  a	
  ocidental,	
  e	
  por	
  isso	
  só	
  pode	
  valer	
  no	
  interior	
  desta.	
  Pode	
  
haver	
  direitos	
  humanos,	
  mas	
  eles	
  não	
  são	
  universais.	
  
6.	
  O	
  que	
  distingue	
  o	
  relativismo	
  cultural	
  do	
  subjetivismo	
  moral?	
  
A	
  cada	
  cultura	
  a	
  sua	
  verdade,	
  defende	
  o	
  relativismo	
  cultural.	
  A	
  cada	
  indivíduo	
  a	
  sua	
  
verdade,	
  defende	
  o	
  subjetivismo	
  moral.	
  Contrariamente	
  ao	
  relativismo	
  individual	
  ou	
  
subjetivismo	
   moral,	
   o	
   relativismo	
   cultural	
   acerca	
   de	
   assuntos	
   morais	
   afirma	
   que	
   o	
  
código	
  moral	
  de	
  cada	
  indivíduo	
  se	
  deve	
  subordinar	
  ao	
  código	
  moral	
  da	
  sociedade	
  em	
  
que	
   vive	
   e	
   foi	
   educado.	
   Os	
   juízos	
   morais	
   de	
   cada	
   indivíduo	
   são	
   verdadeiros	
   se	
  
estiverem	
   em	
   conformidade	
   com	
   o	
   que	
   a	
   sociedade	
   a	
   que	
   pertence	
   considera	
  
verdadeiro.	
  	
  
	
  
	
  
SÍNTESE	
  	
  
QUESTÕES	
   O	
  relativismo	
  cultural	
   O	
  objetivismo	
  moral	
   O	
  subjetivismo	
  moral	
  
HÁ	
  VERDADES	
  MORAIS?	
   Sim.	
  	
  
O	
  relativismo	
  cultural	
  defende	
  
que	
   cada	
   cultura	
   considera	
  
verdadeiros	
   certos	
   juízos	
   de	
  
valor	
   morais.	
   Há	
   uma	
  
diversidade	
   de	
   verdades	
  
morais.	
  
	
  
Sim.	
  
	
  Há	
   verdades	
   morais	
   que	
  
valem	
  por	
  si.	
  
Sim.	
  	
  
Mas	
   essa	
   verdade	
   é	
  
puramente	
   subjetiva.	
  
Depende	
   do	
   modo	
  
como	
   cada	
   pessoa	
   vê	
  
ou	
  sente	
  as	
  coisas.	
  
HÁ	
   VERDADES	
   MORAIS	
  
OBJETIVAS	
  E	
  UNIVERSAIS?	
  
	
  
Não.	
  	
  
Uma	
  proposição	
  como	
  «Matar	
  
é	
   errado»	
   é	
   verdadeira	
   para	
  
certas	
  sociedades	
  e	
  culturas	
  e	
  
falsa	
   para	
   outras.	
   Em	
   si	
  
mesma,	
   nenhuma	
   proposição	
  
moral	
  –	
  nenhum	
  juízo	
  de	
  valor	
  
moral	
  –	
  é	
  falsa	
  ou	
  verdadeira.	
  
Verdadeiro	
   ou	
   correto	
   é	
   igual	
  
a	
  aprovado	
  ou	
  valorizado	
  pela	
  
maioria	
  dos	
  membros	
  de	
  uma	
  
certa	
  sociedade.	
  
Sim.	
  	
  
Há	
   verdades	
   morais	
   que	
  
valem	
   por	
   si,	
   são	
  
independentes	
   do	
   que	
  
cada	
   cultura	
   pensa	
   e	
   do	
  
que	
   cada	
   indivíduo	
   sente.	
  
No	
   que	
   respeita	
   aos	
  
valores	
   e	
   práticas	
   morais,	
  
é	
   errado	
   pensar	
   que	
  
ninguém	
   está	
  
objetivamente	
   certo	
   ou	
  
objetivamente	
  errado.	
  
Não.	
  
No	
   que	
   respeita	
   aos	
  
valores	
   e	
   práticas	
  
morais,	
   ninguém	
   está	
  
objetivamente	
   certo	
  
ou	
   objetivamente	
  
errado.	
   É	
   tudo	
   uma	
  
questão	
   de	
   gosto	
   ou	
  
de	
  sensibilidade.	
  
ALGUMA	
   SOCIEDADE	
   É	
  
PROPRIETÁRIA	
   DA	
  
VERDADE	
   EM	
   ASSUNTOS	
  
MORAIS?	
  
Não.	
  	
  
Nenhuma	
   sociedade	
   ou	
  
cultura	
   tem	
   legitimidade	
   para	
  
«dar	
  lições	
  de	
  moral»	
  a	
  outra.	
  
Cada	
  uma	
  define	
  o	
  que	
  é	
  certo	
  
ou	
  errado	
  de	
  forma	
  autónoma	
  
e	
  soberana.	
  
	
  
Não.	
  
	
  Havendo	
   verdades	
  
objetivas,	
   podemos	
  
considerar	
  como	
  certas	
  ou	
  
erradas	
   certas	
   práticas	
  
morais	
   de	
   certas	
   culturas	
  
ou	
  de	
  indivíduos.	
  A	
  moral	
  
é	
   a	
   mesma	
   para	
   todos	
   e	
  
não	
   depende	
   de	
   crenças	
  
Não.	
  	
  
Cada	
  pessoa	
  responde	
  
às	
   questões	
   morais	
  
com	
   base	
   no	
   seu	
  
código	
   moral	
   pessoal	
  
e	
   não	
   pode	
   estar	
  
errado	
   se	
   for	
   sincero.	
  
Não	
   admite	
   que	
   a	
  
moral	
   seja	
   a	
   mesma	
  
culturais	
   ou	
   de	
  
sentimentos.	
  
para	
   todos.	
   É	
  
moralmente	
  incorreto	
  
que	
   alguém	
   –	
   outro	
  
indivíduo	
   ou	
   uma	
  
sociedade	
   –	
   tente	
  
impor	
   as	
   suas	
  
conceções	
   morais	
  
porque	
   ninguém	
  
possui	
   a	
   verdade	
  
absoluta	
   sobre	
   estes	
  
assuntos.	
   Não	
   há	
  
princípios	
   e	
   normas	
  
morais,	
   a	
   não	
   ser	
   os	
  
que	
   cada	
   indivíduo	
  
escolhe	
   para	
   si	
  
mesmo.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
TEMA	
  6	
  
AS	
  ÉTICAS	
  DE	
  KANT	
  E	
  DE	
  MILL	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  1.	
  A	
  TEORIA	
  ÉTICA	
  DE	
  KANT	
  
	
  
TIPOS	
  DE	
  AÇÕES	
  SEGUNDO	
  KANT	
  
Ações	
  contrárias	
  ao	
  
dever	
  
Ações	
  em	
  conformidade	
  
com	
  o	
  dever	
  
Ações	
  feitas	
  por	
  dever	
  
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoIsabel Moura
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusIsabel Moura
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaRafael Cristino
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvjIsabel Moura
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidasHelena Serrão
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeJorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Objeções_Hume
Objeções_HumeObjeções_Hume
Objeções_Hume
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
 
Quiz descartes
Quiz descartesQuiz descartes
Quiz descartes
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Logica formal e_informal
Logica formal e_informalLogica formal e_informal
Logica formal e_informal
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 

Destaque

Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1Jorge Barbosa
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia mluisavalente
 
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")Jorge Barbosa
 
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAnorberto faria
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAnorberto faria
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Dylan Bonnet
 

Destaque (15)

Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
 
John rawls
John rawlsJohn rawls
John rawls
 
O projeto de descartes – versão 2
O projeto de descartes – versão 2O projeto de descartes – versão 2
O projeto de descartes – versão 2
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 
Aperfeiçoamento humano pró e contra
Aperfeiçoamento humano   pró e contraAperfeiçoamento humano   pró e contra
Aperfeiçoamento humano pró e contra
 
Popper e a indução
Popper e a induçãoPopper e a indução
Popper e a indução
 
O que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos serO que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos ser
 
As críticas a kuhn
As críticas a kuhnAs críticas a kuhn
As críticas a kuhn
 
O que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos serO que somos e o que poderemos ser
O que somos e o que poderemos ser
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
 
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
 
A falácia do falso dilema
A falácia do falso dilemaA falácia do falso dilema
A falácia do falso dilema
 
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 

Semelhante a O essencial para os exames de filosofia

Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaCleber Oliveira
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxFreiheit Ribeiro
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Jorge Barbosa
 
Síntese_Lógica-10ano
Síntese_Lógica-10anoSíntese_Lógica-10ano
Síntese_Lógica-10anoIsabel Moura
 
Proposições_argumentos
Proposições_argumentos Proposições_argumentos
Proposições_argumentos Isabel Moura
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Isabel Moura
 
Tiposdeargumentos
TiposdeargumentosTiposdeargumentos
TiposdeargumentosPelo Siro
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica AristotélicaMunis Pedro
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaArlindo Picoli
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICAAlan
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICAAlan
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosThiago Xavier
 
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosóficoFicha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosóficoAnaKlein1
 

Semelhante a O essencial para os exames de filosofia (20)

Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
 
Instrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosoficoInstrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosofico
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
 
Introdução à Lógica
Introdução à LógicaIntrodução à Lógica
Introdução à Lógica
 
Filosofia: Lógica
Filosofia: LógicaFilosofia: Lógica
Filosofia: Lógica
 
Filosofia.pdf
Filosofia.pdfFilosofia.pdf
Filosofia.pdf
 
Síntese_Lógica-10ano
Síntese_Lógica-10anoSíntese_Lógica-10ano
Síntese_Lógica-10ano
 
Proposições_argumentos
Proposições_argumentos Proposições_argumentos
Proposições_argumentos
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
Tiposdeargumentos
TiposdeargumentosTiposdeargumentos
Tiposdeargumentos
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
 
Log1 introducao
Log1 introducaoLog1 introducao
Log1 introducao
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
O que é discutir argumentos
O que é discutir argumentosO que é discutir argumentos
O que é discutir argumentos
 
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosóficoFicha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 5
 

O essencial para os exames de filosofia

  • 1. O  ESSENCIAL  PARA  OS  EXAMES  DE  FILOSOFIA     TEMA  1   NOÇÕES  BÁSICAS  DE  ARGUMENTAÇÃO     Argumento   Um  conjunto  finito  de  proposições  formado  pela  conclusão  e  pelas  premissas  que   visam  apoiá-­‐la.  Um  argumento  pode  ter  várias  premissas  mas  só  uma  conclusão.  Os   argumentos  podem  também  ser  chamados    raciocínios  ou  inferências.     Todos  os  minhotos  são   portugueses       Premissa     Estas  duas  frases  são  as  proposições   que   usamos   para   defender   ou   justificar  a  conclusão.  São  as  razões   que   se   apresentam   para   fazer   aceitar   a   ideia   de   que     todos   os   minhotos  são  europeus.     Todos  os  portugueses  são   europeus.       Premissa       Logo,  todos  os  minhotos  são   europeus.         Conclusão       Aquilo  que  se  pretende  justificar  ou   apoiar  mediante  as  premissas.     Proposição  
  • 2.       PROPOSIÇÕES    Ideias   expressas   por   frases   declarativas   com   valor   de   verdade   –   que   ou   são   verdadeiras   ou   falsas   –   mesmo   que   o   desconheçamos   e   ainda   não   o   tenhamos   descoberto.   Frases  que  exprimem   proposições.   Frases  que  não  exprimem  proposições.   1  –  Hoje  é  feriado.   2  –  Domingo  é  dia  de   descanso  para  toda  a   gente.   3  –  Se  tivessem  muito   dinheiro  todas  as  pessoas   seriam  felizes.   4  –  Todas  as  pessoas  têm   casa.   5  –  Os  animais  têm   direitos.   6  –  Nem  todas  as  pessoas   têm  os  mesmos   costumes.   7  -­‐O  conhecimento   humano      tem  limites.   1  –  Frases  interrogativas:  Quem  foi  o  criador  da  vacina   contra  o  tétano?  Porque  são  pretos  os  pneus  dos  carros?   Os  cirurgiões  operam  com  batas  brancas  ou  verdes?   2  –  Frases  exclamativas:  Meu  Deus!  Cuidado!   3  –  Promessas:  Não  voltarei  a  magoar  –  te;  Não   aumentarei  os  impostos.   4  –  Ordens:  Cala-­‐  te!  Senta  –  te!     5  –  Conselhos:  Se  conduzir  não  beba;  Tem  calma;  É   melhor  poupares  esse  dinheiro;  Pare,  escute  e  olhe!   6  –  Desejos  –  Quem  me  dera  que  chegue  o  Verão;  Como   eu  gostava  de  ser  rico.         Uma  proposição  é  todo  o  enunciado  que  pode  ser  verdadeiro  ou  falso,  isto  é,  que   declara  algo  que  tem  valor  de  verdade.  Ter  valor  de  verdade  significa  não  que  a   proposição    é  verdadeira  mas  sim  que  pode  ser  verdadeira  ou  falsa.     Todas  as  proposições  são  frases  declarativas  mas  nem  todas  as  frases  declarativas   são  proposições.  
  • 3.             Como  reconhecer    e  clarificar  um  argumento.   Indicadores  de  conclusão   Então…   O  que  mostra  (prova)   que…   Assim…   Consequentemente….   Daí  que…   Por  conseguinte…   Assim  sendo…   Por  isso…   Portanto…   Segue-­‐se  que…   E  por  essa  razão…   Infere-­‐se  que…   (…)     Qualquer  frase  colocada  a  seguir  a  estes  indicadores  é  a   conclusão.   Ex:  Todos  os  animais  que  ladram  são  cães  e  por  isso  o   animal  que  tenho  em  casa  é  um  cão.     A  proposição  antes  do  indicador  por  isso  é  uma  premissa.   A  proposição  a  seguir  é  a  conclusão.   Implícita  está  a  outra  premissa,  que  identificaríamos   como  omissa:   Tenho  em  casa  um  animal  que  ladra.   Argumento:   Todos  os  animais  que  ladram  são  cães.   Tenho  em  casa  um  animal  que  ladra.   Logo,  o  animal  que  tenho  em  casa  é  um  cão.       Indicadores  de  premissa  
  • 4.   Porque…   Uma  vez  que…   Pois…   Visto  que…   Em  virtude  de…   Como…   Assumindo  que…   Considerando  que…   Devido  a…   Por  causa  de…   Ora...   Admitindo  que…   Supondo  que…   (…)     Qualquer  frase  colocada  a  seguir  a  estes  indicadores  é   uma  premissa.   Ex:  O  animal  que  tenho  lá  em  casa  é  um  cão,  visto  que  é   um  animal  que  ladra.   A  proposição  antes  do  indicador  visto  que  é  a  conclusão.   Implícita  está  a  outra  premissa:   Todos  os  animais  que  ladram  são  cães.   Argumento   Todos  os  animais  que  ladram  são  cães.   Tenho  em  casa  um  animal  que  ladra.   Logo,  o  animal  que  tenho  em  casa  é  um  cão.     I   Explicite  a  premissa  omitida  ou  subentendida  em  cada  um  dos  argumentos.   1.O  assassinato  de  um  ser  humano  inocente  deve  ser  condenado.         Logo,  o  aborto  deve  ser  condenado.   R:  A  premissa  omitida  é  O  aborto  é  o  assassinato  de  um  ser  humano  inocente.     Argumento:     O  aborto  é  o  assassinato  de  um  ser  humano  inocente.   O  assassinato  de  um  ser  humano  inocente  deve  ser  condenado.         Logo,  o  aborto  deve  ser  condenado.   2.  Qual  é  o  melhor  clube  de  futebol  do  mundo?  O  que  tem  mais  títulos.    Como  podes   verificar  é  o  Real  Madrid.  
  • 5. R:  A  premissa  omitida  é  O  Real  Madrid  é  o  clube  de  futebol  que  tem  mais  títulos.   Argumento:     O  clube  de  futebol  que  tem  mais  títulos  é  o  melhor  clube  de  futebol  do  mundo.   O  Real  Madrid  é  o  clube  de  futebol  que  tem  mais  títulos.   Logo,  o  Real  Madrid  é  o  melhor  clube  de  futebol  do  mundo.   3.  O  João  tem  os  dedos  manchados  de  nicotina;  logo,  o  João  é  fumador.   R:  A  premissa  omitida  é  Os  fumadores  têm  os  dedos  manchados  de  nicotina.   Argumento:     Os  fumadores  têm  os  dedos  manchados  de  nicotina.   O  João  tem  os  dedos  manchados  de  nicotina.   Logo,  o  João  é  fumador.     4.   Os   milagres   não   existem   e,   sem   eles,   Deus   é   algo   cuja   existência   são   se   pode   provar.     R:  A  premissa  subentendida  é  Os  milagres  são  a  única  prova  da  existência  de  Deus  .     Argumento:     Os  milagres  são  a  única  prova  da  existência  de  Deus.   Os  milagres  não  existem.   Logo,  Deus  é  algo  cuja  existência  são  se  pode  provar.     5.  O  melhor  detergente  é  o  que  lava  mais  branco  e  por  isso  XC  lava  mais  branco.     R:  A  premissa  omitida  é  XC  é  o  melhor  detergente.   Argumento:     O  melhor  detergente  é  o  que  lava  mais  branco.   XC  é  o  melhor  detergente.  
  • 6. Logo,  XC  lava  mais  branco.   4.  Nenhum  entimema  é  completo  pelo  que  este  argumento  é  incompleto.   R:  A  premissa  omitida  é  Este  argumento  é  um  entimema.   Argumento:   Todos  os  entimemas  são  incompletos  (argumentos  incompletos).   Este  argumento  é  um  entimema.   Logo,  este  argumento  é  incompleto.   5.   “É   moralmente   errado   tratar   os   seres   humanos   como   meros   objetos.   Alguém   poderá  então  deixar  de  afirmar  que  a  engenharia  genética  é  moralmente  errada?”   R:  A  premissa  omitida  é  A  engenharia  genética  trata  os  seres  humanos  como  meros   objetos.   Argumento:   É  moralmente  errado  tratar  os  seres  humanos  como  meros  objetos.   A  engenharia  genética  trata  os  seres  humanos  como  meros  objetos.   Logo,  a  engenharia  genética  é  moralmente  errada.   VALIDADE  E  VERDADE   Os  argumentos  não  são  verdadeiros  nem  falsos.  As  proposições  que  os  constituem   é   que   podem   ser   verdadeiras   ou   falsas.   A   verdade   distingue-­‐se   da   validade.   A   validade  é  uma  propriedade  da  conexão  entre  premissas  e  conclusão,  e  não  uma   propriedade  das  proposições,  seja  das  premissas,  seja  da  conclusão.       Validade  Dedutiva     Validade  não  -­‐  dedutiva  
  • 7. -­‐   Exprime   uma   relação   de   implicação   entre  as  premissas  e  a  conclusão.   -­‐  A  verdade  das  premissas  –  suposta  ou   factual   –   garante   absolutamente   a   verdade  da  conclusão.   -­‐   A   validade   ou   invalidade   dos   argumentos   é   avaliada   em   função   da   forma  ou  estrutura  do  argumento.   -­‐   Do   ponto   de   vista   dedutivo,   o   único   critério  da  validade  é  a  forma  lógica  dos   argumentos.   -­‐  Não  exprime  uma  relação  de  implicação   entre  as  premissas  e  a  conclusão.   -­‐   A   verdade   das   premissas   não   exclui   a   possibilidade  de  a  conclusão  ser  falsa.   -­‐   A   forma   lógica   dos   argumentos   é   insuficiente   para   avaliar   a   sua   validade.   Temos  de  ter  em  conta  o  seu  conteúdo.     -­‐   Do   ponto   de   vista   não   dedutivo,   os   critérios   de   validade   são   vários:   a   razoabilidade,  o  grau  de  probabilidade  e  a   relevância.   Exemplo  de  argumento  dedutivamente   válido.   Todos  os  cereais  são  plantas.   O  centeio  é  um  cereal.   Logo,  o  centeio  é  uma  planta.   Exemplo  de  argumento    que  não    é   dedutivamente  válido.   Até   agora   nunca   fomos   campeões   do   mundo  de  futebol.   Logo,   não   vamos   ganhar   o   Mundial   de   2016.       Considere  os  seguintes  argumentos:   1.Todos  os  futebolistas  que  jogam  em  grandes  clubes  são  atletas  muito  bem  pagos.          Ronaldo  joga  num  grande  clube.          Logo,  Ronaldo  é  um  atleta  muito  bem  pago.     2.  Cerca  de  90%  dos  futebolistas  que  jogam  em  grandes  clubes  são  atletas  muito  bem   pagos.   Mikael  joga  num  grande  clube.   Logo,  Mikael  é  um  atleta  muito  bem  pago.     Quanto  ao  primeiro  argumento,  se  aceitarmos  as  premissas  temos  de  aceitar  também   a  conclusão.  Também  se  pode  dizer  que  este  argumento  é  demonstrativo  porque  a   verdade   das   premissas   “obriga”   à   verdade   da   conclusão.   Esta   é   uma   consequência   lógica   das   premissas.   Existe   uma   relação   de   implicação   entre   as   premissas   e   a   conclusão.  Trata  –  se  de  um  argumento  dedutivamente  válido.  
  • 8. Quanto   ao   segundo   argumento,   será   razoável,   admitindo   que   as   premissas   são   verdadeiras,   concluir   que   a   conclusão   é   verdadeira?   Sim,   porque   há   uma   forte   probabilidade  de  Mikael,  jogando  num  grande  clube,  ser  muito  bem  pago.  Por  outras   palavras,   as   premissas   são   relevantes   para   que   a   conclusão   seja   aceite   como   verdadeira.   Mas   atenção.     Só   como   provavelmente   verdadeira.   Neste   caso,   ao   contrário  do  argumento  1,  aceitar  as  premissas  não  significa  que  temos  de  aceitar  a   conclusão  (aceitar  a  verdade  das  premissas  não  exclui  a  possibilidade  de  a  conclusão   ser   falsa).   Mikael   pode   ser   um   dos   atletas   muito   bem   pagos   –   há   uma   alta   probabilidade  de  isso  acontecer  –  mas  também  pode  pertencer  aos  10%  que  não  são   muito  bem  pagos.     O  que  dizer  então  da  relação  que  no  argumento  2  se  estabelece  entre  as  premissas  e   a  conclusão?  Podemos  dizer  que  a  verdade  das  premissas  torna  provável  a  verdade  da   conclusão   mas   não   que   a   garante   necessariamente.   Deve   notar   que   se   no   caso   do   argumento  1  basta  analisar  a  forma  lógica  do  argumento  para  avaliar  se  é  válido  ou   não,  no  caso  do  argumento  2  esse  critério  não  é  suficiente.  Temos  de  dar  atenção  ao   seu   conteúdo.   Com   efeito,   se   na   primeira   premissa   se   afirmasse   que   30%   dos   futebolistas   que   jogam   em   grandes   clubes   são   muito   bem   pagos,   isso   mudaria   significativamente  a  relação  entre  as  premissas  e  a  conclusão.  E  teríamos  também  de   esclarecer  o  que  são  grandes  clubes.  Não  estamos  perante  um  argumento  em  que  as   premissas  garantem  absolutamente  a  conclusão.  O  argumento  2.  não  é  um  argumento   dedutivamente  válido.   Dizer  que  um  argumento  não  é  dedutivamente  válido  não  é  condená  –  lo  a  ser  um   mau  argumento.  É  um  mau  argumento  do  ponto  de  vista  dedutivo  mas  pode  ser  um   bom   argumento   de   um   outro   ponto   de   vista,   por   exemplo,   de   um   ponto   de   vista   indutivo.  É  o  caso  do  argumento  2.     TEMA  2   ANÁLISE  E  COMPREENSÃO  DO  AGIR:  A  REDE  CONCETUAL  DA  AÇÃO   1.  Uma  ação  é  um  acontecimento.  Porquê?   Uma  ação  é  e  tem  de  ser  um  acontecimento  porque  é  algo  que  acontece  num  dado   momento   e   num   certo   lugar.   Assim,   ir   à   praia   é   uma   ação   e   ao   mesmo   tempo   um   acontecimento  porque  vamos  à  uma  praia  num  determinado  local  –  Algarve  –  e  em   dado  momento  –  normalmente  no  verão,  de  manhã  ou  de  tarde.   2.  Todos  os  acontecimentos  são  ações?     Não.  Um  furacão  é  um  acontecimento,  mas  não  é  uma  ação.  
  • 9. 3.  O  que  se  infere  do  que  foi  dito  antes?   Infere-­‐se   que,   embora   todas   as   ações   sejam   acontecimentos,   nem   todos   os   acontecimentos  são  ações.  Um  furacão  é  simplesmente  algo  que  acontece     4.  Qual  a  condição  necessária  para  que  um  acontecimento  seja  uma  ação?   Um  acontecimento,  para  ser  uma  ação,  tem  de  ser  realizado  por  um  agente.   5.  Esta  condição  indispensável  não  é  contudo  suficiente.  Porquê?   Toda   e   qualquer   ação   envolve   um   agente   e   tem   nele   a   sua   origem.   Esta   é   uma   condição  necessária  para  haver  ação.  Mas  não  é  uma  condição  suficiente.  Imaginemos   que  alguém  rouba  um  relógio  valioso  numa  ourivesaria.  Essa  pessoa  fez  algo,  fez  com   que  algo  acontecesse.  Mais  tarde  até  pode  arrepender-­‐se  do  que  fez,  mas  na  altura   não   resistiu   a   uma   compulsão   patológica   para   o   roubo   a   que   se   dá   o   nome   de   cleptomania.  Fez  algo:  roubou.  É  a  causa  do  que  aconteceu.  Mas  não  se  trata  de  uma   ação  porque  o  que  o  agente  fez  não  derivou  da  sua  vontade,  mas  de  uma  força  interna   que  o  compeliu  a  fazer  o  que  fez.   Para  que  aquilo  que  um  agente  faz  seja  uma  ação,  tem  de  ter  origem  na  sua  vontade   e  intenção  consciente.     6.  O  que  é  então  uma  ação?   Uma   ação   é   algo   que   acontece   mediante   a   intervenção   da   vontade   e   intenção   consciente  de  um  agente.  Uma  ação  é  um  acontecimento  desencadeado  pela  vontade   e  intenção  de  um  agente.  Não  é  um  simples  acontecimento,  não  é  simplesmente  algo   que   um   agente   faz,   é   algo   que   um   agente   faz   acontecer   intencional   ou   propositadamente.     7.  O  que  se  entende  por  rede  concetual  da  ação?   A   rede   concetual   da   ação   é   o   conjunto   de   conceitos   que   usamos   para   caraterizar,   compreender  e  explicar  uma  ação.     8.  Que  conceitos  são  necessários  para  caraterizar  e  compreender  uma  ação?   Os  conceitos  que  usamos  para  caraterizar  e  compreender  uma  ação  são  os  seguintes:   deliberação,  decisão,  intenção,  motivo,  causa  e  consequência.  
  • 10.   9.  O  que  é  a  intenção?   A  intenção  é  o  propósito  ou  o  objetivo  da  ação.  Imagine  que  alguém  escorrega  e  deixa   cair  a  comida  do  tabuleiro  em  cima  dos  livros  de  um  colega,  danificando-­‐os.  Quem  fez   isto  pode  alegar  que  não  tinha  a  intenção  –  que  não  era  seu  propósito  ou  objetivo  –   causar  esses  estragos.  Se  não  há  intenção,  então  não  há  ação.     10.  Que  relação  existe  entre  intenção  e  explicação  de  uma  ação?   Explicar   uma   ação   é   indicar   a   sua   causa.   A   causa   de   uma   ação   é   a   intenção   ou   o   propósito  do  agente  ao  realizá-­‐la.     11.  Quais  são  os  estados  mentais  que  estão  associados  à  intenção  de  um  agente?     As   intenções   são   estados   mentais   frequentemente   associados   a   outros   estados   psicológicos  que  são  as  crenças  e  os  desejos  do  agente.  Eis  um  exemplo:  inscrevo  o   meu  filho  no  Instituto  Britânico.  Esta  é  a  minha  ação.  Com  que  intenção  a  realizo?  Para   que  é  que  a  realizo?  Para  que  aprenda  inglês.  Dito  de  outro  modo,  porque  tenho  o   desejo  de  que  o  meu  filho  aprenda  inglês  e  a  crença  de  que  o  Instituto  Britânico  é  o   melhor  instituto  para  o  fazer.  A  intenção  da  minha  ação  é,  portanto,  determinada  pelo   meu  desejo  e  pela  minha  crença.  Inscrevo  o  meu  filho  no  Instituto  Britânico  porque   desejo  que  aprenda  inglês  e  acredito  que  o  IB  é  o  local  certo  para  o  fazer.     12.  O  que  se  entende  por  motivo  de  uma  ação?   O  motivo  é  a  justificação,  o  porquê  ou  a  razão  de  ser  da  ação.     Exemplo:   Ação:  inscrevo  o  meu  filho  no  Instituto  Britânico.   Intenção:   Desejo:  quero  que  o  meu  filho  aprenda  inglês.   Crença:  o  Instituto  Britânico  é  o  melhor  instituto  para  aprender  inglês.   Motivo:   Crença:  dominar  a  língua  inglesa  é  um  requisito  essencial  no  atual  mundo  do  trabalho   e  da  investigação  científica.   Desejo:  quero  que  o  meu  filho  seja  bem-­‐sucedido  profissionalmente.  
  • 11. Este   desejo   e   esta   crença   acompanham   e   esclarecem   o   motivo   da   minha   ação,   explicam-­‐na,  dão  a  conhecer  a  sua  razão  de  ser.  Como  se  vê,  as  crenças  e  os  desejos  do   sujeito  estão  associados  à  intenção  e  à  motivação  do  sujeito  que  age.     Que  relação  existe  entre  motivo  e  intenção?    A  relação  é  a  seguinte:  saber  qual  o  motivo  da  ação,  o  seu  porquê  ou  razão  de  ser,   clarifica  a  intenção  ou  o  para  quê  da  ação,  torna  possível  e  é  necessário  para  que   compreendamos  a  intencionalidade  da  ação.  Se  um  agente  tem  a  intenção  de  fazer   algo  –  inscrever  o  filho  no  Instituto  Britânico  –,  saber  o  que  o  motiva  torna  mais  claro  o   seu  propósito  e  esclarece-­‐nos  quanto  a  opções  que  podia  tomar  e  não  tomou.   Teremos   por   outras   palavras   a   justificação   da   intenção.   As   noções   de   motivo   e   de   intenção   estão   extremamente   próximas   uma   da   outra   porque   só   falamos   de   ações   intencionais   se   elas   forem   determinadas   por   um   motivo   ou   razão   que   as   justifique:   uma  ação  é  realizada  intencionalmente  quando  é  realizada  por  algum  motivo.           14.  O  que  é  a  deliberação?   A  deliberação  é  um  processo  reflexivo  que,  em  princípio,  ou  seja,  em  muitos  casos,   antecede  a  decisão.  Orientados  por  determinadas  razões,  ponderamos  qual  a  melhor   opção  a  tomar  entre  várias  alternativas  possíveis.     15.  O  que  se  entende  por  decisão?   A   decisão   é   um   ato   que   resulta   frequentemente   de   um   processo   denominado   deliberação.   O   motivo   pelo   qual   agimos   ou   a   intenção   que   nos   orienta   para   um   determinado  fim  implica  também  a  decisão  de  o  alcançar.  Na  maior  parte  dos  casos,   decidir   supõe   escolher   entre   vários   rumos   possíveis   de   ação,   entre   várias   possibilidades  ou  alternativas.     TEMA3   LIBERDADE  E  DETERMINISMO  
  • 12. I   NOÇÕES  INTRODUTÓRIAS   1.  O  que  é  o  determinismo?   O  determinismo  é  a  teoria  que  defende  que  tudo  é  determinado  por  acontecimentos   anteriores,   ou   que   o   estado   de   coisas   atual   no   mundo   resulta   necessária   ou   inevitavelmente  de  um  estado  de  coisas  anterior  que  é  a  sua  causa.     O   que   o   determinismo   afirma   é   que   um   acontecimento   resulta   de   uma   causa   ou   conjunto  de  causas  e  que  sempre  que  essa  causa  ou  conjunto  de  causas  ocorrer  dará   inevitavelmente  origem  ao  acontecimento.  Esta  é  a  crença  por  detrás  da  explicação   científica   da   natureza,   uma   vez   que   explicar   cientificamente   um   acontecimento   é   apresentar   a   causa   ou   o   conjunto   de   causas   que   dão   origem   ao   acontecimento   e   mostrar  como  a  relação  entre  essas  causas  —  expressas  sob  a  forma  daquilo  a  que   chamamos  leis  da  natureza  —  produz  esse  acontecimento.     2.  O  que  é  o  livre-­‐arbítrio?   O   livre-­‐arbítrio   consiste   em   poder   escolher   entre   várias   ações   possíveis.   As   ações   resultantes  de  escolhas  livres  não  são  inevitáveis.  Há  livre-­‐arbítrio  se  pudermos  agir  de   modo  diferente  do  que  agimos,  se  tendo  feito  uma  coisa  poderíamos  ter  feito  outra.     3.  Em  que  consiste  o  problema  do  livre-­‐arbítrio?   O  problema  do  livre-­‐arbítrio  consiste  em  saber  se  é  possível  conciliar  duas  convicções   aparentemente   incompatíveis:   a   de   que   temos   livre-­‐arbítrio   e   a   de   que   tudo   o   que   acontece  no  mundo  é  determinado.  O  problema  pode  formular-­‐se  do  seguinte  modo:   o   livre-­‐arbítrio   consiste   em   poder   escolher   entre   várias   ações   possíveis.   Mas,   para   podermos   escolher   entre   várias   ações   possíveis,   é   necessário   que   não   esteja   tudo   determinado,   caso   contrário   poderíamos   apenas   fazer   a   ação   que   estivéssemos   determinados   para   fazer   (não   só   não   haveria   várias   ações   possíveis   entre   as   quais   optar,   como,   mesmo   que   houvesse,   não   nos   seria   possível   escolher   entre   elas).   Portanto,  para  que  exista  livre-­‐arbítrio  não  pode  haver  determinismo.   É  isto  que  está  na  origem  do  chamado  problema  do  livre-­‐arbítrio.  
  • 13.   4.  Por  que  razão  o  problema  do  livre-­‐arbítrio  é  um  problema  importante  do  ponto  de   vista  prático?   O   problema   do   livre-­‐arbítrio   tem   importantes   implicações   práticas,   a   principal   das   quais  está  relacionada  com  a  responsabilidade  moral.  Tudo  parece  indicar  que,  se  não   houver   livre-­‐arbítrio,   então   também   não   é   possível   responsabilizar   moralmente   um   agente   pelas   ações   que   pratica   e,   consequente,   puni-­‐lo   ou   recompensá-­‐lo.   Será   possível  construir  a  vida  social  sem  a  ideia  de  responsabilidade  moral?  Se  não  houver   livre-­‐arbítrio,  não  estará  todo  o  nosso  sistema  penal  errado?  Não  será  que  o  criminoso,   de  modo  análogo  à  pessoa  que  sofre  de  asma  e  assim  vê  o  seu  organismo  prejudicado,   não  deve  ser  punido,  mas  sim  tratado  de  modo  a  deixar  de  ser  prejudicial  à  sociedade?   5.  Em  que  condições  uma  pessoa  pode  ser  considerada  moralmente  responsável  por   uma  ação?  Em  que  condições  atribuímos  responsabilidade  moral  a  um  agente?   Uma   pessoa   pode   ser   considerada   moralmente   responsável   por   uma   ação   quando   podia  não  ter  feito  o  que  fez.  Assim,  se  decido  invadir  o  quintal  do  vizinho  para  me   apropriar  de  algumas  laranjas  apetitosas,  posso  ser  responsabilizado  porque  podia  não   ter  feito  o  que  fiz.  Quando  alguém  me  censura  dizendo  «Não  devias  ter  feito  o  que   fizeste!»   está   precisamente   a   dizer-­‐me   que   havia   outra   alternativa.   Mas,   se   o   que   aconteceu  se  verificou  em  estado  de  sonambulismo,  não  posso  ser  responsabilizado   porque  momentaneamente  perdi  o  controlo  dos  meus  atos  e  não  podia  não  ter  feito  o   que  fiz.     7.  Que  relação  há  entre  agir  livremente  e  ser  moralmente  responsabilizado  pelo  que   se  faz?   A  relação  é  esta:  a)  ser  responsável  implica  ser  livre.  Não  se  pode  responsabilizar  uma   pessoa  por  uma  ação  se  ela  não  agiu  livremente.  Que  um  agente  seja  responsabilizável   por  uma  ação  implica  que  podia  ter  agido  de  modo  diferente,  não  ter  feito  o  que  fez   ou  que  podia  ter  evitado  fazer  o  que  fez  (fosse  a  ação  boa  ou  má).   b)  Ser  livre  implica  ser  responsável.  Se  alguém  pratica  livremente  uma  ação,  então  faz   algo  que  podia  não  ter  feito.  Se  o  fez  nestas  condições,  é  o  autor  da  ação  e  por  ela   pode   responder.   Se   agiu   livremente,   não   pode   evitar   ter   de   enfrentar   e   responder  
  • 14. pelas  consequências  dos  seus  atos.  Se  forem,  boas  pode  ser  elogiado.  Se  forem  más,   pode  ser  censurado  e  mesmo  sentir  remorso.       II     TRÊS  TEORIAS  SOBRE  O  PROBLEMA  DO  LIVRE-­‐ARBÍTRIO     1.  Em  termos  gerais,  há  três  teorias  que  respondem  ao  problema  do  livre-­‐arbítrio.   Quais  são?   As  três  teorias  são:  o  determinismo  radical,  o  libertismo  e  o  determinismo  moderado.   2.  O  que  é  o  determinismo  radical?   Chama-­‐se  determinismo  radical  ao  ponto  de  vista  segundo  o  qual  só  o  determinismo  é   verdadeiro.  Para  o  determinista  radical,  a  crença  no  determinismo  significa  acreditar   que   é   verdade   que   todo   e   qualquer   acontecimento   é   o   desfecho   necessário   de   acontecimentos  anteriores.  Daqui  decorre  que  não  há  livre-­‐arbítrio  (todas  as  nossas   ações  são  determinadas  pelos  nossos  genes  e  pelo  meio  no  qual  crescemos)  e  que,   assim  sendo,  não  podemos  ser  responsabilizados  pelas  nossas  ações.   Em  suma,  o  determinismo  radical  é  a  teoria  que  considera  que,  sendo  verdade  que  tudo   o  que  acontece  resulta  necessariamente  do  que  aconteceu  antes,  não  há  livre-­‐arbítrio   nem  possibilidade  de  responsabilizar  alguém  pelo  que  fez.   3.  O  que  é  o  determinismo  moderado?   É  a  teoria  que  defende  que  as  nossas  ações  são  livres,  apesar  de  determinadas.     4.  O  que  é  o  libertismo?   O   libertismo   é   a   teoria   que   considera   que   há   ações   que   não   são   nem   causalmente   determinadas   nem   produto   do   acaso,   mas   livres,   e   que,   portanto,   as   pessoas   são   responsáveis  por  essas  ações.  As  ações  do  ser  humano  decorrem  das  suas  deliberações   decisões  e  não  de  acontecimentos  anteriores  que  escapem  ao  seu  controlo.  
  • 15. O  libertista  pensa  que,  apesar  das  influências  hereditárias  e  das  influências  do  meio   (relativas   ao   modo   como   somos   educados   e   criados),   escolhemos   livremente   o   que   fazemos.  Não  é  o  passado  que  decide  por  nós.     5.   Acerca   do   problema   do   livre-­‐arbítrio,   fala-­‐se   de   teorias   incompatibilistas   e   compatibilistas.  O  que  significam  estes  conceitos?   Uma  teoria  é  compatibilista  quando  admite  que  o  determinismo  é  conciliável  ou  pode   coexistir  com  o  livre-­‐arbítrio  e  a  responsabilidade  moral.   Uma   teoria   é   incompatibilista   quando   não   admite   a   possibilidade   de   conciliar   o   determinismo  com  o  livre-­‐arbítrio  e  a  responsabilidade  moral.   6.  O  determinismo  radical  é  uma  forma  de  incompatibilismo.  Porquê?   O  incompatibilismo  defende  que  as  crenças  no  livre-­‐arbítrio  e  no  determinismo  não   são  compatíveis,  ou  seja,  não  podem  ser  ambas  verdadeiras.  O  determinismo  radical   defende  que  só  a  crença  no  determinismo  é  verdadeira.  Se  liberdade  e  determinismo   fossem   compatíveis,   pensa   o   determinista   radical,   teríamos   acerca   de   uma   ação   de   dizer  que  o  agente  podia  não  ter  feito  o  que  fez  (caso  em  que  seria  livre)  e  que  não   podia  não  ter  feito  o  que  fez,  ou  seja,  tinha  de  fazer  o  que  fez,  a  ação  não  poderia  ter   sido  diferente  (caso  em  que  não  seria  livre).  Ora,  isto  é  contraditório.     7.  O  libertismo  é  uma  forma  de  incompatibilismo.  Porquê?   O  incompatibilismo  defende  que  as  crenças  no  livre-­‐arbítrio  e  no  determinismo  não   são  compatíveis,  ou  seja,  não  podem  ser  ambas  verdadeiras.  O  libertismo  defende  que   só  a  crença  no  livre-­‐arbítrio  é  verdadeira.  A  crença  no  determinismo  é  falsa  porque   este  defende  que  tudo  faz  parte  de  um  encadeamento  causal,  tese  que  o  libertista   nega   porque   as   nossas   deliberações   e   decisões   não   são   o   resultado   necessário   de   acontecimentos  anteriores.  Há  ações  que  têm  como  causa  as  nossas  deliberações.   Deliberar  implica  que  pudemos  escolher  agir  de  modo  diferente.   Podendo  ter  sido  outras,  as  nossas  escolhas  não  são  o  resultado  necessário  e  inevitável   de   acontecimentos   anteriores.   Não   são   o   desfecho   de   uma   longa   cadeia   causal   de  
  • 16. acontecimentos   porque,   ao   escolher   fazer   A   em   vez   de   B,   suspendo   o   domínio   dos   acontecimentos   anteriores   sobre   as   minhas   decisões   e   desencadeio   por   minha   vontade  uma  nova  série  de  acontecimentos.     8.  Das  três  teorias  que  referimos,  somente  o  determinismo  moderado  é  uma  teoria   compatibilista.  Justifique.   O  determinismo  moderado  defende  que  são  compatíveis  as  proposições  «Um  agente   praticou  livremente  a  ação  A»  e  «A  ação  praticada  por  esse  agente  tem  uma  causa  e   deriva   necessariamente   dessa   causa».   Liberdade   e   determinismo   são   compatíveis,   para  esta  teoria.     9.   Que   distinção   permite   ao   determinista   moderado   defender   a   compatibilidade   entre  determinismo  e  liberdade?   Trata-­‐se   da   distinção   entre   ação   causalmente   determinada   e   ação   constrangida.   Só   esta  última  não  é  livre.   10.  Como  é  caraterizada  a  liberdade  pelo  determinista  moderado?   O  determinista  moderado  define  a  liberdade  do  seguinte  modo:  É  livre  a  ação  em  que   o   agente   não   é   impedido   por   fatores   externos   de   a   realizar.   Na   ausência   destes   impedimentos,   o   agente   pode   fazer   o   que   tem   vontade   de   fazer.   Um   dos   mais   famosos   defensores   do   determinismo   moderado   foi   David   Hume.   Hume   chamou   a   atenção  para  o  facto  de  as  pessoas  tenderem  a  confundir  causalidade  –  o  facto  de  uma   ação  ser  causada  –  e  coação  ou  constrangimento  –  o  facto  de  uma  ação  ser  compelida.   Assim,  há  uma  grande  diferença  entre  estas  duas  ações:  Fazer  algo  porque  quero  fazê-­‐ lo  e  fazer  algo  porque  alguém  me  aponta  uma  arma  à  cabeça  e  me  obriga  a  fazê-­‐lo.  No   primeiro   caso,   a   ação   é   causada   e,   no   segundo   caso,   a   ação   é   compelida   ou   constrangida.  O  oposto  da  liberdade  é  a  coação  e  não  a  causalidade.  Ser  livre,  para   David  Hume,  significa  ser  livre  de  coação.     11.  Para  o  determinista  moderado,  uma  ação  livre  é  causada.  É  causada  pelo  quê?   É  causada  pelas  suas  crenças  e  desejos,  isto  é,  pela  sua  personalidade.  
  • 17. 12.  Por  que  razão  para  o  determinista  moderado  é  importante  que  a  ação  do  agente   seja  causada  ou  determinada  pelas  suas  crenças  e  desejos?   Se  as  ações  não  fossem  causadas  pelas  nossas  crenças  e  desejos,  não  poderíamos  ser   responsabilizados  pelas  nossas  ações.  Não  seriam  as  nossas  ações.     13.  Esclareça  através  de  um  exemplo  o  que  é  agir  livremente  para  um  determinista   moderado.   Para  os  deterministas  moderados,  uma  ação  é  livre  desde  que  o  sujeito,  caso  o  tivesse   desejado,  tivesse  agido  de  outra  forma.  Imagine,  por  exemplo,  que  tem  amanhã  um   teste   da   disciplina   de   Filosofia   para   o   qual   está   a   estudar   afincadamente   porque   acredita  que  assim  terá  boa  nota.  Uma  vez  que  a  sua  ação  resulta  dos  seus  desejos  e   crenças  e  não  lhe  foi  imposta  (por  exemplo,  pelos  seus  pais,  devido  a  maus  resultados   em  testes  anteriores),  ela  é  uma  ação  livre.  Mas,  se  a  sua  ação  de  estudar  resultasse  de   uma  imposição  paterna  que  não  lhe  deixasse  qualquer  alternativa,  então  ela  não  era   uma  ação  livre.  Repare  que  em  ambos  os  casos  a  sua  ação  tem  causas.  Contudo,  no   primeiro   caso   as   causas   são   os   seus   próprios   desejos   e   crenças,   ao   passo   que   no   segundo  caso  as  causas  são  os  desejos  e  crenças  dos  seus  pais.  É  essa  diferença  que  faz   com  que  num  caso  a  ação  seja  livre  e  no  outro  não.  No  primeiro  caso,  a  sua  ação  é  livre   porque  está  sob  o  controlo  das  suas  crenças  e  desejos  e,  se  tivesse  tido  outros  desejos,   poderia  ter  escolhido  e  realizado  uma  ação  diferente.  No  segundo  caso,  de  nada  lhe   valeria  ter  outros  desejos  e  crenças  porque  não  poderia  agir  de  acordo  com  eles.   14.  Esclareça,  através  de  exemplos,  que  fatores  podem  impedir  o  agente  de  fazer  o   que  tem  vontade  de  fazer.   Sirvam  estes  dois  exemplos:  quero  beber  água,  mas  estou  no  deserto  e  não  há  água   disponível;  quero  viajar,  mas  não  tenho  dinheiro.   15.  Segundo  o  determinismo  moderado,  para  que  uma  ação  seja  livre  ela,  tem  de  ser   causada  de  uma  certa  maneira.  O  que  significa  esta  afirmação?   Esta   afirmação   significa   que   a   distinção   entre   ações   livres   e   não   livres   implica   a   distinção  entre  causalidade  interna  e  causalidade  externa.  
  • 18. Assim:   a)   Ações,   escolhas   e   decisões   cuja   causa   imediata   é   um   estado   de   coisas   interno   (desejos  e  crenças  do  agente  e  também  a  sua  personalidade)  são  livres.   b)  Ações,  escolhas  e  decisões  cuja  causa  imediata  é  um  estado  de  coisas  externo  não   são  livres.   16.  O  sentido  comum  de  liberdade  consiste  em  dizer  que  agir  livremente  é,  não  só   fazer  o  que  queremos  fazer,  como  também  poder  não  ter  feito  o  que  se  fez,  ou  seja,   a   ausência   de   coação   é   acompanhada   por   outra   condição   que   é   o   agente   possuir   alternativas   reais   de   ação.   Será   que   o   determinismo   moderado   salvaguarda   esta   ideia  de  liberdade?     Parece  que  sim  e  parece  que  não.  Vejamos:  Um  agente  dispõe  de  alternativas  reais  se   a   sua   ação   pudesse   ter   sido   diferente   da   que   realizou.   Assim,   ajo   livremente   se,   escolhendo   comer   um   bolo,   pudesse   não   o   ter   feito   e,   eventualmente,   tivesse   escolhido   uma   peça   de   fruta.   Vejamos   como   o   determinista   moderado   explica   a   mesma  ação.  Comi  uma  peça  de  fruta  e  agi  livremente  porque  o  fiz  de  acordo  com  as   minhas  crenças  –  fruta  é  mais  saudável,  assim  me  ensinaram  –  e  os  meus  desejos  –   quero   ser   saudável.   O   que   significa   dizer   que   podia   ter   agido   de   modo   diferente   e   comer   o   bolo   em   vez   da   fruta?   Que   os   meus   desejos   e   crenças   teriam   de   ser   diferentes.  Por  outras  palavras,  teria  de  ser  uma  pessoa  diferente  do  que  sou,  de  ter   outra  personalidade  (esta  é  constituída  pelas  nossas  crenças  e  desejos).  Mas,  se  somos   deterministas,   mesmo   moderados,   temos   de   reconhecer   que   não   temos   controlo   sobre   o   passado,   que   somos   o   resultado   necessário   da   educação   e   criação   que   tivemos.  Não  podemos  ser  uma  pessoa  diferente  da  que  somos.     Assim,  o  determinismo  moderado  não  salvaguarda  a  ideia  comum  de  liberdade  e  por   isso   tem   problemas   em   explicar   como   podemos   responsabilizar   alguém   pelas   suas   ações.   17.  Qual  é  uma  das  principais  críticas  de  que  o  determinismo  moderado  é  alvo?  
  • 19. Uma   crítica   que   se   faz   ao   determinismo   moderado   é   a   de   não   explicar   o   comportamento   compulsivo.   Quando   alguém   age   compulsivamente,   age   de   acordo   com  os  seus  próprios  desejos  e  crenças.  Contudo,  dificilmente  se  pode  dizer  que  quem   o  faz  é  livre.  É  o  caso  do  cleptómano.  Parece  também  difícil  acreditar  que  uma  pessoa   que,   por   exemplo,   seja   uma   compradora   ou   jogadora   compulsiva   e   que,   por   causa   disso,  contraia  muitas  dívidas  e  destrua  o  casamento,  seja  livre.  No  entanto,  ela,  ao   agir  compulsivamente,  respeita  completamente  o  critério  do  determinismo  moderado,   segundo  o  qual  uma  ação  é  livre  se  resultar  dos  desejos  e  crenças  da  pessoa  que  a   realiza.     18.  Que  outra  crítica  podemos  dirigir  a  quem  defende  o  determinismo  moderado?   Segundo   o   determinismo   moderado,   somos   livres   quando   não   somos   impedidos   de   fazer  o  que  desejamos.  As  nossas  crenças  e  desejos  constituem  a  nossa  personalidade.   Ora,   a   nossa   personalidade   está   determinada   pelo   nosso   passado,   ou   seja,   pela   educação   e   pelo   meio   em   que   fomos   criados.   Não   será   isso   uma   forma   de   constrangimento,   uma   vez   que   não   controlamos   o   passado?   Não   será   que   somos   constrangidos  pelo  que  nos  aconteceu  e  julgamos  que  agimos  livremente  porque  não   temos  consciência  das  influências  que  nos  formaram  e  determinaram  a  nossa  maneira   de  ser?     19.  Qual  é  a  principal  crítica  que  se  faz  ao  determinismo  radical?   A  principal  crítica  é  esta:  Se  não  somos  responsabilizáveis  pelo  que  fazemos  –  porque   não  podemos  agir  de  modo  diferente  –,  então:   1.  Como  condenar  e  ilibar  alguém?   2.  Como  elogiar  e  censurar?   3.  Como  dizer  a  alguém  que  não  devia  ter  feito  o  que  fez?   4.  Como  explicar  sentimentos  de  remorso,  de  arrependimento  e  de  culpa?   Muitos  críticos  do  determinismo  radical  pensam  que  não  é  possível  construir  a  vida   social  sem  a  ideia  de  responsabilidade  moral.   Por   outro   lado,   os   nossos   juízos   morais   perderão   qualquer   fundamento.   Se   o   determinismo   implica   a   negação   da   liberdade   e   da   responsabilidade,   se   é   verdade   afirmar  que  as  nossas  ações  são  o  resultado  de  causas  que  de  modo  algum  podemos  
  • 20. controlar,  que  diferença  moral  há  entre  um  criminoso  como  Hitler  e  Nelson  Mandela?   Faz  sentido  condenar  Hitler  e  admirar  Nelson  Mandela?       20.  Qual  é  a  principal  crítica  que  se  faz  ao  libertismo?     Segundo  o  determinismo  moderado,  a  minha  ação  é  livre  se  for  causada  por  desejos   ou  crenças  –  estados  internos  −  que  são  meus.  Segundo  o  libertismo,  a  minha  ação  é   livre  se  for  causada  por  mim  e  não  por  um  dos  meus  estados  internos.     O  que  é  este  eu  que  através  das  suas  deliberações  é,  segundo  os  libertistas,  a  causa  de   certas  ações?  Uma  entidade  física?  Então  não  escapa  ao  determinismo  universal,  ao   encadeamento  causal  necessário  que  rege  todas  as  coisas  físicas.  Uma  entidade  não   física?  Mas  as  ações  são  atos  físicos,  acontecem  num  dado  momento  e  lugar.   Será   que   este   eu   é   uma   entidade   puramente   mental?   Mas   como   é   que   uma   causa   puramente  mental  pode  produzir  efeitos  físicos?  Se  é  a  mente  que  causa  as  nossas   ações,   será   que   é   possível   que   ela   exista   independentemente   do   cérebro,   que   é   obviamente  uma  realidade  física?   Este  contra-­‐argumento  parece  condenar  os  libertistas  a  reconhecerem  o  seguinte:  que   as  ações  de  uma  pessoa  só  são  livres  se  não  tiverem  nenhuma  causa,  nem  mesmo  as   suas  próprias  crenças  e  desejos.  Ora,  deste  modo,  o  libertismo  transforma-­‐se  numa   espécie  de  indeterminismo,  algo  que  os  libertistas  sempre  rejeitaram.     QUADRO  ESQUEMÁTICO  1   Problema:  Qual  das  crenças  é  verdadeira,  o  determinismo  ou  o  livre-­‐arbítrio?   A  resposta  do  determinismo  radical        
  • 21. Crença  no  determinismo   Crença  no  livre-­‐arbítrio   Crença  na  responsabilidade   moral                            Verdadeira   1.   Todos   os   acontecimentos,   sem   exceção,   são   causalmente   determinados   por  acontecimentos  anteriores.   2.   As   escolhas   e   ações   humanas   são   acontecimentos.   3.   Logo,   todas   as   escolhas   e   ações   humanas   são   causalmente   determinadas   por  acontecimentos  anteriores.                            Falsa   Se   todas   as   ações   são   o   desfecho   inevitável   de   causas  anteriores,  não  há   ações  livres.                                                Falsa   Se   não   há   ações   livres,   não   podemos   ser   responsabilizados   pelo   que   fazemos.   O   determinismo   radical   é   a   teoria   que   só   reconhece   como   verdadeira   a   crença   no   determinismo.   Todos  os  acontecimentos  são  o  resultado  inevitável  de  causas  anteriores.   QUADRO  ESQUEMÁTICO  2   Problema:  Qual  das  crenças  é  verdadeira,  o  determinismo  ou  o  livre-­‐arbítrio?   A  resposta  do  libertismo      Crença  no  determinismo    Crença  no  livre-­‐arbítrio   Crença  na  responsabilidade  moral  
  • 22.                                        Falsa   1.   Nem   todos   os   acontecimentos   são   causalmente   determinados   por   acontecimentos  anteriores   2.   As   ações   humanas   são   acontecimentos.   3.   Logo,   há   ações   humanas   desligadas   do   encadeamento   causal  e  que  dão  origem  a  uma   nova  série  de  acontecimentos.                      Verdadeira   Se   nem   todos   os   acontecimentos   são   o   desfecho   inevitável   de   causas  anteriores,  então  há  ações   livres.                              Verdadeira   Se   há   ações   livres,   então   podemos   ser   responsabilizados   pelo   que   fazemos.           O  libertismo  é  a  teoria  que  só  reconhece  como  verdadeira  a  crença  no  livre-­‐arbítrio  porque  não  aceita  o   determinismo   universal   –   que   todo   o   acontecimento   seja   o   resultado   necessário   e   inevitável   de   causas   anteriores.       QUADRO  ESQUEMÁTICO  3  
  • 23.     Problema:  Qual  das  crenças  é  verdadeira,  o  determinismo  ou  o  livre-­‐arbítrio?   A  resposta  do  determinismo  moderado     Crença  no  determinismo     Crença  no  livre-­‐arbítrio     Crença  na  responsabilidade   moral                                  Verdadeira   1.   Todos   os   acontecimentos,   sem   exceção,   são   causalmente   determinados   por   acontecimentos   anteriores   2.  As  escolhas  e  ações  humanas  são   acontecimentos.   3.   Logo,   todas   as   escolhas   e   ações   humanas   são   causalmente   determinadas   por   acontecimentos   anteriores.                      Verdadeira   1.  Todas  as  ações  são  determinadas   por  causas  anteriores.   2.  As  ações  cujas  causas  são  forças   externas   ao   sujeito   que   age   são   ações  compelidas  ou  constrangidas.   3.  Há  ações  cujas  causas  são  estados   internos   do   sujeito   (crenças   e   desejos).   4.  Ações  que  não  derivam  da  força   de  fatores  externos  são  ações  livres.   5.   Há   ações   unicamente   causadas   por   desejos,   motivos,   crenças   ou   outros   estados   internos   do   sujeito   que  age.   6.  Logo,  há  ações  livres.                                    Verdadeira   Se   há   ações   livres,   podemos   ser   responsabilizados   pelo   que  fazemos.          
  • 24.   TEMA  4   VALORES  E  VALORAÇÃO:  A  QUESTÃO  DOS  CRITÉRIOS  VALORATIVOS.   1.  O  que  são  os  valores?   Os  valores  são  termos  que  usamos  para  atribuir  muita,  pouca  ou  nenhuma  importância   às  coisas  que  avaliamos.  As  coisas  que  avaliamos  –  acerca  das  quais  emitimos  juízos  de   valor  –  podem  ser  objetos,  pessoas  e  atos.  Os  valores  são  padrões  ou  referências  em   função  das  quais  julgamos  as  coisas.  Os  valores  exprimem  aquilo  que  julgamos  que  é   importante  e  significativo  na  nossa  vida.     2.  Há  diversas  espécies  de  valores?   Sim.   Há   valores   religiosos   (sagrado,   profano),   valores   estéticos   (belo,   feio,   sublime,   dotado  de  harmonia),  valores  éticos  (bem,  mal,  justiça,  igualdade),  valores  monetários   e   utilitários,   entre   outros.   Utilizamos   a   palavra   valor   em   diversas   situações   e   com   diferentes  sentidos.     3.  Damos  o  mesmo  valor  a  todas  as  coisas?   Não.  Além  de  diversos,  os  valores  são  hierarquizados,  ou  seja,  uns  são  considerados   mais   importantes   do   que   outros.   Toda   e   qualquer   pessoa   dá   mais   importância   a   determinados   valores   em   relação   a   outros,   estabelecendo-­‐se   assim   uma   espécie   de   hierarquia   de   valores.   Os   valores   a   que   cada   pessoa   confere   mais   importância   vão   refletir-­‐se  nas  suas  ações  e  decisões,  vão  de  certa  forma  organizar  e  orientar  toda  a  sua   conduta.   Os   valores   podem,   por   sua   vez,   ser   agrupados   em   vários   tipos.   Assim,   e   destacando  apenas  os  principais  tipos,  podemos  falar  em  valores  religiosos,  estéticos,   éticos  (sendo  provavelmente  estes  três  domínios  aqueles  que  enquadram  os  valores   mais   importantes),   políticos,   teoréticos   (da   ordem   do   conhecimento),   sensíveis   (da   ordem  do  prazer  e  satisfação),  vitais  e  económicos.     4.  Qual  o  valor  que  costumamos  considerar  mais  importante?   Habitualmente,  o  valor  que  consideramos  mais  valioso  é  o  valor  da  vida  humana.  
  • 25. 5.  Qual  a  disciplina  que  estuda  a  natureza  dos  valores?   A  disciplina  que  estuda  a  natureza  dos  valores  é  a  axiologia  ou  teoria  dos  valores.   Coloca   questões   como:   O   que   é   um   valor?   Onde   e   como   existe?   Será   apenas   o   resultado  das  avaliações  que  fazemos  das  coisas?  Para  muitos  pensadores,  os  valores   não  são  coisas  que  existam  fora  da  nossa  mente,  mas  algo  que  apenas  existe  para  um   sujeito   que   avalia   as   coisas.   Para   outros,   os   valores   têm   uma   existência   própria,   independente  do  sujeito.   Pense  no  seguinte  caso:  Muitas  pessoas  julgam  determinadas  coisas  belas,  enquanto   outras   discordam.   Então   o   que   fazemos   quando   dizemos   que   algo   é   belo   ou   feio,   magnífico   ou   vulgar?   Estamos   somente   a   declarar   o   que   sentimos   (prazer   ou   desprazer)   quando   contemplamos   um   objeto   ou   estamos   a   referir   algo   que   são   propriedades  do  próprio  objeto,  que  são  independentes  do  que  sentimos?  No  primeiro   caso,   estamos   perante   uma   tese   ou   posição   filosófica   denominada   subjetivismo   estético.   No   segundo   caso,   a   posição   que   adotamos   é   conhecida   por   objetivismo   estético.   Para  os  defensores  do  subjetivismo  estético,  um  objeto  é  belo  ou  feio  em  virtude  de   sentirmos  prazer  ou  desprazer  ao  observá-­‐lo.  A  beleza  ou  fealdade  dependem,  não  das   propriedades   intrínsecas   do   objeto,   mas   dos   sentimentos   que   em   nós   provoca   e   desperta.   Para  os  partidários  do  objetivismo  estético,  dizer  «A  catedral  de  Milão  é  bela»  é  muito   diferente  de  dizer  «Gosto  da  catedral  de  Milão».  Os  juízos  estéticos  não  são,  para  o   objetivista,  simples  juízos  de  gosto.  A  beleza  ou  a  fealdade  está  nos  próprios  objetos.  É   devido  a  determinadas  propriedades  intrínsecas  que  um  objeto  é  considerado  belo  ou   feio.   6.  Que  relação  existe  entre  valores  e  ações?   Os  valores  são  os  critérios  das  nossas  preferências  (são  os  motivos  fundamentais  das   nossas   decisões).   Ao   tomarmos   decisões,   agimos   segundo   valores   que   constituem   o   fundamento,  a  razão  de  ser  ou  o  porquê  (critério)  de  tais  decisões.   A   atitude   valorativa   é   uma   constante   da   nossa   existência:   em   nome   da   amizade,   preferimos  controlar  e  orientar  noutra  direção  uma  atração  física  pela  namorada  ou  
  • 26. mulher  do  nosso  amigo;  em  nome  do  amor,  preferimos  desafiar  as  convenções  sociais   em   vez   de   perder   a   oportunidade   de   sermos   felizes;   por   uma   questão   de   saúde,   preferimos   o   exercício   físico,   a   dieta   e   o   fim   do   consumo   de   tabaco   aos   hábitos   prejudiciais  até  então  seguidos;  em  nome  da  liberdade,  preferimos  combater,  lutar  e   correr  riscos  a  aceitar  um  estado  de  coisas  que,  apesar  de  tudo,  satisfaz  os  interesses   económicos  da  família  a  que  pertencemos;  por  solidariedade,  preferimos  auxiliar  os   famintos   e   os   doentes   na   Somália   a   permanecer   em   Lisboa   dando   consultas;   por   paixão   pela   música,   decidimos   interromper   um   curso   que   não   corresponde   à   nossa   vocação  profunda;  em  nome  de  Deus,  renunciamos  a  certas  «ligações  terrenas»,  etc.   7.  O  que  são  juízos  de  fato?     Os  juízos  de  facto  são  juízos  sobre  o  modo  como  as  coisas  são.  Descrevem  um  estado   de  coisas  ou  uma  situação  podendo  essa  descrição  corresponder  ou  não  à  realidade,  ou   seja,   ser   verdadeira   ou   falsa.   São   juízos   totalmente   descritivos,   que   têm   valor   de   verdade   (podem   ser   verdadeiros   ou   falsos).   A   sua   verdade   ou   falsidade   depende   de   como  a  realidade  é  e  não  da  opinião  ou  ponto  de  vista  de  cada  pessoa:  são,  portanto,   objetivos.  Ex.:  O  gato  é  um  mamífero  que  mia.   8.  O  que  são  juízos  de  valor?   Os  juízos  de  valor  são  juízos  sobre  que  coisas  são  boas  ou  agradáveis  e  sobre  como   devemos  agir.  Os  juízos  de  valor  atribuem  um  valor  a  um  certo  estado  de  coisas  –  valor   esse  que  pode  ser  positivo  ou  negativo.  Ex.:  «Este  quadro  é  belo»  –  valor  positivo  –  ou   «Este  quadro  é  horrível»  –  juízo  negativo.      
  • 27. QUADRO  ESQUEMÁTICO     A  FORMA  HABITUAL  DE  DISTINGUIR  JUÍZOS  DE  FACTO  DE  JUÍZOS  DE  VALOR   Juízos  de  facto         Juízos  de  valor   Descrevem   a   realidade   ou   informam-­‐nos   acerca   de   factos,   coisas,  acontecimentos  ou  ações.   Durante  a  Segunda  Guerra  Mundial   seis   milhões   de   judeus   morreram   nos   campos   de   concentração   nazistas.                 Avaliam  determinados  acontecimentos,   coisas  e  ações.     A  morte  de  seis  milhões  de  judeus  nas   mãos  dos  nazistas  foi  um  ato  criminoso   e  horrendo.   Os   juízos   de   facto   são   verdadeiros   ou   falsos,   isto   é,   referem-­‐se   aos   factos,   podendo   ser   negados   ou   confirmados  pela  experiência.   Não   se   tem   a   certeza   sobre   o   número   de   judeus   que   morreram   nos  campos  de  concentração  nazis.   Só  se  sabe  que  o  número  de  vítimas   mortais  foi  elevado.                     O   juízo   de   valor   refere-­‐se,   de   forma   explícita   ou   implícita,   a   valores   ou   princípios   fundamentais   nos   quais   nos   baseamos  para  produzir  uma  avaliação.   A   morte   de   seis   milhões   de   judeus   foi   um   ato   criminoso   porque   (justificação   do   juízo)   o   respeito   pela   vida   e   digni-­‐ dade  do  homem  é  valioso.   Os  juízos  de  facto  são  descritivos  ou   informativos:   não   prescrevem   ou   proíbem   o   que   deve   ou   não   fazer-­‐ se.                   Os   juízos   de   valor   são   normativos   ou   prescritivos.   Ao   julgar-­‐se   que   a   morte   de   seis   milhões  de  judeus  foi  um  ato  criminoso   dos  nazis,  considera-­‐se  que  esse  ato  não   devia  ter  sido  cometido.  O  respeito  pelo   valor   da   vida   e   da   dignidade   humanas   traduz-­‐se   na   norma   «Não   matarás»,   que,  neste  caso,  foi  infringida.    
  • 28. 9.  Distinga  os  seguintes  juízos:  a)  «A  pena  de  morte  é  aplicada  na  Arábia  Saudita»  e   b)  «A  pena  de  morte  é  injusta».   O  juízo  a)  é  apenas  descritivo:  limita-­‐se  a  dizer  como  é  que  as  coisas  são  na  Arábia   Saudita  no  que  respeita  à  pena  de  morte.  Não  avalia  nada.   O  juízo  b)  não  é  apenas  descritivo  porque  faz  uma  avaliação.  O  que  significa  dizer  que  a   pena   de   morte   é   injusta?   Significa   dizer   que   a   pena   de   morte   não   deveria   existir.   Assim,  este  juízo  diz-­‐nos,  não  somente  como  as  coisas  são,  mas  como  deveriam  ser.   Ora,  ao  dizermos  como  as  coisas  deveriam  ser,  estamos  a  usar  um  critério  para  fazer  a   nossa  avaliação.  Neste  caso,  o  critério  valorativo  é  a  justiça.  Quando  há  avaliação,  têm   de  existir  critérios.     10.  A  distinção  juízos  de  facto/juízos  de  valor  é  consensual?   Não,  porque  há  filósofos  que  a  contestam  argumentando  em  defesa  da  ideia  de  que   todos  os  juízos  são  juízos  de  facto.   11.  O  que  são  critérios  valorativos?      Os  critérios  valorativos  são  as  justificações  em  que  nos  apoiamos  para  determinar  que   coisas  –  ações,  pessoas,  locais,  objetos  –  têm  valor  ou  importância.  Assim,  valorizamos   uma  ação  honesta  porque  damos  importância  à  honestidade,  porque  a  consideramos   um  elemento  importante  que  deve  estar  presente  nas  relações  humanas.   12.  Em  que  consiste  a  questão  dos  critérios  valorativos?   Um  juízo  de  valor  é  um  ato  mediante  o  qual  formulamos  uma  proposição  que  avalia   certos  aspetos  da  realidade,  não  se  limitando  a  descrever  como  as  coisas  são.   Uma  vez  que,  ao  avaliarmos  as  coisas,  utilizamos  critérios  ou  razões  que  se  baseiam  em   valores   (ao   dizer   «A   pena   de   morte   é   injusta»   julgo   como   a   realidade   devia   ser   baseando-­‐me   num   valor,   em   algo   que   valorizo   e   a   que   dou   importância:   o   valor   da   justiça),  a  questão  dos  critérios  valorativos  pode  traduzir-­‐se  assim:  «Será  que  existem   valores  objetivamente  verdadeiros?  Ou  será  que  a  sua  verdade  depende  daquilo  que  um   indivíduo  ou  uma  sociedade  consideram  verdadeiro?».   Este   problema   surge   porque   nos   apercebemos   de   que   há   pessoas   e   culturas   com   valores  muito  diferentes  dos  nossos,  que  preferem  aquilo  que  nós  rejeitamos  ou  que  
  • 29. valorizam   aquilo   que   temos   dificuldade   em   considerar   importante.   Muitas   pessoas   julgam  que  os  valores  são  uma  questão  de  gosto  pessoal,  ou  que  variam  de  cultura   para  cultura.  Em  ambos  os  casos,  não  têm  qualquer  objetividade.     Trata-­‐se   do   problema   da   verdade   e   da   objetividade   dos   juízos   de   valor.   Como   os   juízos   morais   são   os   que   mais   importância   têm   na   vida   humana,   a   questão   pode   enunciar-­‐se  desta  dupla  forma:     a) Os  juízos  morais  têm  valor  de  verdade?   b) Se  têm  valor  de  verdade,  essa  verdade  é  objetiva,  ou  seja,  não  depende  dos   gostos  dos  indivíduos  ou  do  modo  de  pensar  da  sociedade  em  que  vivem?         TEMA  5   RELATIVISMO  MORAL,  OBJETIVISMO  MORAL  E  SUBJETIVISMO  MORAL   1.  Acerca  da  natureza  dos  valores,  o  que  distingue  a  posição  relativista  da  posição   objetivista?    O   objetivismo   defende   que   os   valores   são   propriedades,   qualidades   das   próprias   coisas,  pessoas,  objetos,  situações  e  instituições,  embora  sejam  propriedades  difíceis   de   conhecer   porque   não   existem   num   sentido   físico.   Nesta   perspetiva,   os   juízos   de   valor  são  uma  espécie  de  juízos  de  facto  com  a  diferença  de  que  sobre  o  seu  conteúdo   ainda   não   obtivemos   qualquer   certeza.   Isso   não   impede   que   haja   verdades   morais   universais   e   objetivas.   Nós   é   que,   provavelmente   por   causa   das   nossas   limitações,   ainda  não  os  descobrimos.   Para  o  relativismo,  os  valores  não  são  propriedades,  qualidades,  das  próprias  coisas,   pessoas,   objetos,   situações   e   instituições.   São   simplesmente   ideias   ou   crenças   que   existem  na  mente  dos  seres  humanos  e  dependem  do  modo  como  sentimos  e  somos   educados  pelo  meio  em  que  nascemos  e  vivemos.       2.  Caraterize  o  subjetivismo  moral.   O  que  é  moralmente  correto?  O  que  a  sociedade  considera  ser  moralmente  certo?  Ou   será  o  que  eu  acredito  ser  moralmente  correto?  Ou  nem  uma  coisa  nem  outra?  
  • 30. O   subjetivismo   moral   responde   que   é   moralmente   verdadeiro   o   que   cada   indivíduo   sente   que   é   verdade.   O   subjetivismo   moral   ou   relativismo   individual   afirma   que   há   juízos  morais  verdadeiros,  mas  nega  que  essa  verdade  seja  objetiva.  A  cada  um  a  sua   verdade.   Os   juízos   morais   traduzem   sentimentos   de   aprovação   e   de   reprovação.   Se   genuinamente  uma  pessoa  sente  que  uma  determinada  ação  é  correta,  se  a  ação  está   de  acordo  com  o  que  ela  sente  ser  correto,  então  o  juízo  moral  que  sobre  ela  faz  é   verdadeiro.   Moralmente   verdadeiro   é   o   que   depende   dos   meus   sentimentos.   Cada   indivíduo  tem  um  código  moral  próprio  que  lhe  permite  distinguir  por  si  o  certo  do   errado   sem   precisar   de   consultar   os   outros   ou   submeter-­‐se   ao   que   a   maioria   das   pessoas  pensa  sobre  o  assunto.  «Ninguém  pode  e  deve  dar  lições  de  moral  a  ninguém.   A  cada  qual  a  sua  verdade,  e  assim  deve  ser.   3.  Quais  são  as  objeções  mais  frequentemente  dirigidas  ao  subjetivismo  ético?   Podemos  destacar  três:       a)  O  subjetivismo  moral  torna  inviável  a  discussão  de  questões  morais.   O  subjetivismo  moral  parece  sugerir  que  não  podemos  dizer  que  as  opiniões  e  juízos   morais  dos  outros  estão  errados.  Se  as  verdades  morais  dependem  dos  sentimentos  de   aprovação  ou  de  desaprovação  de  cada  indivíduo,  basta  que  os  nossos  juízos  morais   estejam  de  acordo  com  os  nossos  sentimentos  para  serem  verdadeiros.  Um  genuíno   debate   moral   em   que   cada   interlocutor   tente   convencer   o   outro   das   suas   razões   acerca   de   algo   em   que   acredita   perde   qualquer   sentido.   Para   o   subjetivista,   será   mesmo  sinal  de  intolerância.   b)   O   subjetivismo   ético   acredita   que   não   há   juízos   morais   objetivos   porque   os   assuntos  morais  são  objeto  de  discórdia  generalizada,  mas  isso  não  prova  que  não   haja  uma  resposta  correta  ou  verdades  objetivas.   Será  que  o  facto  de  as  pessoas  discordarem  acerca  da  existência  de  Deus  prova  que   não  há  uma  resposta  à  questão  Será  que  Deus  existe?  Durante  muito  tempo  as  pessoas   pensaram  que  as  doenças  eram  causadas  por  demónios.  Sabemos  hoje  em  dia  que  na   maioria  dos  casos  são  causadas  por  microrganismos  como  bactérias  e  vírus.  
  • 31. c)  O  facto  de  as  pessoas  terem  crenças  opostas  acerca  de  questões  morais  não  prova   que  essas  crenças  sejam  ambas  verdadeiras.   Se  dois  indivíduos  não  estão  de  acordo  acerca  de  um  dado  assunto,  então  têm  ambos   razão,  ou  seja,  as  suas  crenças  são  ambas  verdadeiras.  Mas  e  se  as  duas  crenças  se   negam  uma  à  outra,  se  contradizem?  Duas  crenças  que  se  contradizem  não  podem  ser   ambas  verdadeiras.   4.  «Matar  é  errado»,  «Roubar  é  incorreto»  e  «Mentir  é  imoral».  Será  que  estes  juízos   são  verdadeiros?  Será  que  são  objetivos  e  universais?  «Há  verdade  e  falsidade  em   assuntos  morais?»,  «Faz  sentido  dizer  que  uma  crença  moral  é  correta  e  que  outra  é   errada?».  Qual  é  a  resposta  que  o  relativismo  cultural  dá  a  estas  perguntas?   O  relativismo  cultural  afirma  que  aqueles  juízos  são  verdadeiros,  mas  não  em  todo  o   lado   e   para   todas   as   pessoas.   A   verdade   dos   juízos   morais   depende   do   que   cada   sociedade   aprova,   ou   seja,   as   afirmações   morais   só   são   verdadeiras   ou   falsas   em   determinadas   culturas.   Moralmente   correto   é   aquilo   que   a   maioria   das   pessoas   de   uma  sociedade  considera  correto.  Não  existe  nenhum  critério  objetivo  e  universal  para   determinar  quem  tem  razão.  Um  juízo  moral  é  falso  quando  os  membros  –  a  maioria  –   de  uma  sociedade  o  consideram  falso  e  verdadeiro  quando  o  consideram  verdadeiro.   Assim,   afirmar   que   «Matar   é   errado»   significa   dizer   «A   sociedade   X   considera   que   matar  é  moralmente  incorreto».  Afirmar  que  «Matar  é  moralmente  correto»  significa   dizer  «A  sociedade  X  considera  que  matar  é  moralmente  correto».   5.  Será  que  relativismo  cultural  e  ceticismo  moral  são  a  mesma  coisa?   Não.  Para  o  ceticismo  moral  nenhum  juízo  moral  tem  valor  de  verdade,  ou  seja,  os   juízos   morais   não   são   nem   verdadeiros   nem   falsos.   Não   há   práticas   moralmente   corretas   ou   incorretas.   Ora,   o   relativismo   cultural   afirma   que   os   juízos   morais   são   verdadeiros  ou  falsos  conforme  o  que  cada  cultura  julga  ser  verdadeiro  ou  falso.   29.  Quais  são  as  objeções  mais  frequentemente  dirigidas  ao  relativismo  moral?   São  as  seguintes:   A)   Há   uma   diferença   significativa   entre   o   que   uma   sociedade   acredita   ser   moralmente  correto  e  algo  ser  moralmente  correto.  
  • 32. O  relativismo  cultural  transforma  a  diversidade  de  opiniões  e  de  crenças  morais  em   ausência   de   verdades   objetivas.   Mas   isso   pode   ser   sinal   de   que   há   pessoas   e   sociedades  que  estão  erradas  e  não  de  que  ninguém  está  errado.  Se  duas  sociedades   têm  diferentes  crenças  acerca  de  uma  questão  moral,  o  relativista  conclui  que  então   ambas  as  crenças  são  verdadeiras.  Os  adversários  do  relativismo  cultural  objetam  que   a  conclusão  não  deriva  necessariamente  da  premissa  porque  essa  discórdia  pode  ser   sinal  de  que  uma  sociedade  está  certa  e  a  outra  errada.   B)  O  relativismo  cultural  reduz  a  verdade  ao  que  a  maioria  julga  ser  verdadeiro.   Desde   quando   o   que   maioria   pensa   é   verdadeiro   e   moralmente   aceitável?   Os   nazis   acreditavam  e  fizeram  com  que  a  maioria  dos  alemães  acreditasse  que  os  judeus  eram   sub-­‐humanos   e   que   exterminá-­‐los   era   um   favor   que   faziam   à   humanidade.   Isso   é   claramente  falso.   C)  O  relativismo  cultural  parece  convidar-­‐nos  ao  conformismo  moral,  a  seguir,  em   nome  da  coesão  social,  as  crenças  dominantes.   Algumas  pessoas  ao  longo  da  história  quiseram  e  conseguiram  mudar  a  nossa  maneira   de  pensar  acerca  de  certos  problemas  morais.  Estou  a  lembrar-­‐me  de  quem  combateu   a   escravatura   em   nome   dos   ensinamentos   de   Cristo   –   embora   os   defensores   da   escravatura  dissessem  que  a  Bíblia  justificava  o  que  faziam  –,  de  quem  lutou  contra  o   apartheid   na   África   do   Sul   (Nelson   Mandela)   e   contra   a   segregação   racial   nos   EUA   (Martin  Luther  King).  Essas  pessoas  fizeram  bem  à  humanidade,  combateram  injustiças   e   devemos-­‐lhes   grande   progresso   moral.   Ora,   o   relativismo   cultural   parece   implicar   que  a  ação  dos  reformadores  morais  é  sempre  incorreta.     D)  O  relativismo  cultural  torna  incompreensível  o  progresso  moral.   É  verdade,  ou  pelo  menos  parece,  que  não  há  acordo  entre  os  seres  humanos  sobre   muitas   questões   morais.   Mas   também   é   verdade   que   a   humanidade   tem   realizado   progressos  no  plano  moral.  A  abolição  da  escravatura,  o  reconhecimento  dos  direitos   das  mulheres,  a  condenação  e  a  luta  contra  a  discriminação  racial  são  exemplos.  Falar   de   progresso   moral   parece   implicar   que   haja   um   padrão   objetivo   com   o   qual   confrontamos   as   nossas   ações.   Se   esse   padrão   objetivo   não   existir,   não   temos   fundamento  para  dizer  que  em  termos  morais  estamos  melhor  agora  do  que  antes.    
  • 33. E)   O   relativismo   cultural   torna   impossível   criticar   os   valores   dominantes   numa   cultura.   Como  explicar  as  mudanças  de  perspetiva  moral  em  relação  a  temas  como  os  direitos   dos  animais?  Como  denunciar  e  convencer  a  maioria  dos  membros  que  numa  cultura   consideram   a   pena   de   morte   justa   de   que   ela   afinal   é   injusta   se   justo   é   para   o   relativismo  cultural  o  que  é  socialmente  aprovado  pela  maioria?  Não  compreenderiam   como   alguém   pode   considerar   esse   castigo   injusto,   tal   como   um   japonês   não   compreenderia  que  o  correto  é  comer  de  faca  e  garfo.   F)  Torna  incompreensível  a  noção  de  direitos  humanos  universais.   Estes   direitos   são   próprios   dos   seres   humanos   por   serem   humanos   e   não   por   pertencerem  a  esta  ou  aquela  cultura.  Esta  ideia  é,  para  o  relativista,  produzida  por   uma  cultura  –  neste  caso,  a  ocidental,  e  por  isso  só  pode  valer  no  interior  desta.  Pode   haver  direitos  humanos,  mas  eles  não  são  universais.   6.  O  que  distingue  o  relativismo  cultural  do  subjetivismo  moral?   A  cada  cultura  a  sua  verdade,  defende  o  relativismo  cultural.  A  cada  indivíduo  a  sua   verdade,  defende  o  subjetivismo  moral.  Contrariamente  ao  relativismo  individual  ou   subjetivismo   moral,   o   relativismo   cultural   acerca   de   assuntos   morais   afirma   que   o   código  moral  de  cada  indivíduo  se  deve  subordinar  ao  código  moral  da  sociedade  em   que   vive   e   foi   educado.   Os   juízos   morais   de   cada   indivíduo   são   verdadeiros   se   estiverem   em   conformidade   com   o   que   a   sociedade   a   que   pertence   considera   verdadeiro.         SÍNTESE     QUESTÕES   O  relativismo  cultural   O  objetivismo  moral   O  subjetivismo  moral  
  • 34. HÁ  VERDADES  MORAIS?   Sim.     O  relativismo  cultural  defende   que   cada   cultura   considera   verdadeiros   certos   juízos   de   valor   morais.   Há   uma   diversidade   de   verdades   morais.     Sim.    Há   verdades   morais   que   valem  por  si.   Sim.     Mas   essa   verdade   é   puramente   subjetiva.   Depende   do   modo   como   cada   pessoa   vê   ou  sente  as  coisas.   HÁ   VERDADES   MORAIS   OBJETIVAS  E  UNIVERSAIS?     Não.     Uma  proposição  como  «Matar   é   errado»   é   verdadeira   para   certas  sociedades  e  culturas  e   falsa   para   outras.   Em   si   mesma,   nenhuma   proposição   moral  –  nenhum  juízo  de  valor   moral  –  é  falsa  ou  verdadeira.   Verdadeiro   ou   correto   é   igual   a  aprovado  ou  valorizado  pela   maioria  dos  membros  de  uma   certa  sociedade.   Sim.     Há   verdades   morais   que   valem   por   si,   são   independentes   do   que   cada   cultura   pensa   e   do   que   cada   indivíduo   sente.   No   que   respeita   aos   valores   e   práticas   morais,   é   errado   pensar   que   ninguém   está   objetivamente   certo   ou   objetivamente  errado.   Não.   No   que   respeita   aos   valores   e   práticas   morais,   ninguém   está   objetivamente   certo   ou   objetivamente   errado.   É   tudo   uma   questão   de   gosto   ou   de  sensibilidade.   ALGUMA   SOCIEDADE   É   PROPRIETÁRIA   DA   VERDADE   EM   ASSUNTOS   MORAIS?   Não.     Nenhuma   sociedade   ou   cultura   tem   legitimidade   para   «dar  lições  de  moral»  a  outra.   Cada  uma  define  o  que  é  certo   ou  errado  de  forma  autónoma   e  soberana.     Não.    Havendo   verdades   objetivas,   podemos   considerar  como  certas  ou   erradas   certas   práticas   morais   de   certas   culturas   ou  de  indivíduos.  A  moral   é   a   mesma   para   todos   e   não   depende   de   crenças   Não.     Cada  pessoa  responde   às   questões   morais   com   base   no   seu   código   moral   pessoal   e   não   pode   estar   errado   se   for   sincero.   Não   admite   que   a   moral   seja   a   mesma  
  • 35. culturais   ou   de   sentimentos.   para   todos.   É   moralmente  incorreto   que   alguém   –   outro   indivíduo   ou   uma   sociedade   –   tente   impor   as   suas   conceções   morais   porque   ninguém   possui   a   verdade   absoluta   sobre   estes   assuntos.   Não   há   princípios   e   normas   morais,   a   não   ser   os   que   cada   indivíduo   escolhe   para   si   mesmo.           TEMA  6   AS  ÉTICAS  DE  KANT  E  DE  MILL                                                                                  1.  A  TEORIA  ÉTICA  DE  KANT     TIPOS  DE  AÇÕES  SEGUNDO  KANT   Ações  contrárias  ao   dever   Ações  em  conformidade   com  o  dever   Ações  feitas  por  dever