SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Correção da Ficha de Revisões de lógica aristotélica (Percurso A)
1. Identifica as alíneas que constituem proposições.
a) A minha vida não tem sentido.
É uma proposição pois é uma frase declarativa com sentido que tem valor de verdade, isto é, pode ser
classificada de verdadeira ou de falsa.
b) Há petróleo no Algarve?
Não proposição, pois é uma pergunta. E as perguntas não têm valor de verdade, ou seja, não podem ser
classificadas de verdadeiras ou falsas.
c) Se estudares todos os dias, tiras boas notas.
É um caso ambíguo. Por um lado, pode ser considerada uma não proposição, pois é um conselho, mas
por outro lado, pode ser considerada uma proposição, pois implicitamente está a declarar que “Quem
estuda todos os dias, tira boas notas”, frase declarativa com sentido e valor de verdade.
2. Assinala com V ou F as seguintes afirmações:
a) Os argumentos dedutivos são argumentos cuja validade depende exclusivamente da sua forma
lógica. Verdadeiro
b) Os argumentos não dedutivos são argumentos em que a conclusão pode ser falsa, apesar de as
premissas serem verdadeiras. Verdadeiro
c)Quando dizemos que a validade de um argumento dedutivo não depende do conteúdo das
proposições que o constituem, estamos a dizer que há argumentos válidos com premissas verdadeiras,
argumentos válidos com premissas falsas e argumentos inválidos com premissas verdadeiras.
Verdadeiro
d) Para determinar se um argumento dedutivo é ou não válido, não é relevante que as premissas e a
conclusão sejam de facto verdadeiras, mas se, imaginando que as premissas são verdadeiras, se pode
ou não deduzir dessas premissas uma conclusão falsa. Se pode, é inválido. Se não pode, não é.
Verdadeiro
3. Esclarece em que consiste um argumento dedutivo válido. Dá um exemplo.
Do ponto de vista dedutivo, o único critério da validade é a forma lógica dos argumentos. A validade
ou invalidade dos argumentos é avaliada em função da forma ou estrutura do argumento. Um
argumento dedutivo válido exprime uma relação de implicação entre as premissas e a conclusão: a
conclusão é uma consequência lógica das premissas e a verdade das premissas garante absolutamente
a verdade da conclusão. Exemplo: Todos os homens são mortais. Sócrates é homem. Logo, Sócrates é
mortal.
4. Esclarece em que consiste um argumento não dedutivo válido. Dá um exemplo.
A forma lógica dos argumentos não dedutivos é insuficiente para avaliar a sua validade. Temos de ter
em conta o seu conteúdo e o grau de probabilidade da conclusão. O argumento não dedutivo válido
não exprime uma relação de implicação entre as premissas e a conclusão. Num argumento não
2
dedutivo válido, a verdade das premissas não exclui a possibilidade de a conclusão ser falsa, a sua
probabilidade é menor.
5.Que premissas são omitidas ou estão subentendidas nos seguintes argumentos dedutivos?
a) Dado que não há verdades morais objetivas e universais, estamos condenados ao relativismo.
1º Premissa: Se não há verdades morais objetivas e universais, então estamos condenados ao
relativismo.
Eis o argumento:
Se não há verdades morais objetivas então estamos condenados ao relativismo.
Não há verdades morais objetivas e universais.
Logo, estamos condenados ao relativismo.
b) Ser homem é ser inteligente. O João é inteligente.
2ºPremissa: O João é homem.
Reconstituindo o argumento temos:
Todos os homens são inteligentes.
João é homem
Logo, João é inteligente
6. Coloca as proposições categóricas na respetiva forma padrão:
a) Se é homem, então é moral.
Todos os homens são mortais (Tipo A)
b) Certas mulheres são antipáticas
Algumas mulheres são antipáticas (Tipo I)
c) Há pelo menos um homem que não é belo.
Alguns homens não são belos (Tipo O)
d) Não há português que seja espanhol.
Nenhum português é espanhol. (Tipo E)
7. Escreve o seguinte silogismo na sua forma-padrão e avalia a sua validade:
Sem dúvida que algumas estrelas de cinema são vaidosas, pois é óbvio que as pessoas excêntricas são
vaidosas e que algumas estrelas de cinema são pessoas excêntricas.
Todas as pessoas excêntricas são vaidosas
Algumas estrelas de cinema são pessoas excêntricas.
Algumas estrelas de cinema são vaidosas
É um silogismo válido porque obedece a todas as regras. Tem três termos: menor – estrelas de cinema,
médio – pessoas excêntricas e maior – vaidosas. O termo médio (pessoas excêntricas) está distribuído
(universal) em pelo menos em uma premissa (premissa maior, sujeito de uma proposição universal,
tipo A), e não aparece na conclusão. Os termos menor e maior não aumentam de extensão na
conclusão, pois o termo menor é particular (sujeito de uma proposição particular, Tipo I) e o termo
maior também é particular (predicado de uma proposição afirmativa, Tipo I.
Quanto às proposições, a conclusão segue a parte mais fraca, de uma premissa particular (premissa
menor, Tipo I) segue-se uma conclusão particular (Tipo I). Além disso, também obedece à regra que
diz que de duas premissas afirmativas, se segue uma conclusão afirmativa. Neste caso, temos
premissas afirmativas (Tipo A e I) e uma conclusão afirmativa (Tipo I).
3
8. Aplica as regras do silogismo categórico para testar a validade dos seguintes silogismos:
a) Nenhum manual de filosofia é interessante.
Nenhuma coisa interessante é aborrecida.
Logo, nenhum manual de filosofia é aborrecido.
R: É um silogismo inválido porque não respeita uma regra quanto às proposições.
Nomeadamente, a regra que diz que de duas premissas negativas, não se segue conclusão. Neste caso,
temos duas premissas negativas (Tipo E) e uma conclusão (Tipo E), o que não devia ocorrer.
b) Todos os P são M.
Alguns S são M.
Logo, alguns S são P.
R: É um silogismo inválido porque não respeita uma regra quanto aos termos. Nomeadamente, a
regra que diz que o termo médio tem que ocorrer distribuído (universal) pelo menos uma vez em uma
premissa. Neste caso, o termo médio (M) é particular (não distribuído) nas duas premissas, pois quer
na premissa maior quer na premissa menor é predicado de uma proposição afirmativa (Tipo A e Tipo
I).
c) Alguns P não são M.
Alguns S não são M.
Logo, alguns S não são P.
R: É um silogismo inválido porque não respeita uma regra quanto aos termos e duas quanto às
proposições. Quanto aos termos, infringe a regra que diz que os termos menor e maior não podem ocorrer
distribuídos (universais) na conclusão sem estarem distribuídos na premissa. Neste caso, o termo maior (P)
é universal na conclusão (predicado de uma proposição negativa – Tipo O) e é particular na premissa maior
(sujeito de uma proposição universal – Tipo O). Quanto às proposições não respeita a regra que diz que de
duas premissas particulares, não se segue conclusão, pois temos duas premissas particulares (Tipo O) e
uma conclusão (Tipo O). Também infringe a regra que diz que de duas premissas negativas, não se segue
conclusão, e temos duas premissas negativas (Tipo O) e uma conclusão (Tipo O).
9. Escreve a proposição em falta, de modo a obter um silogismo válido.
Alguns filósofos são pianistas.
Todos os filósofos são pensadores.
Logo, alguns pensadores são pianistas
10. Constrói silogismos válidos da I ou IV Figura a partir dos elementos dados.
a) Termo maior: árvore
Termo médio: inteligente
Termo menor: artista
R: Silogismo cálido da IVº Figura
Nenhuma árvore é inteligente. – Tipo E
Todos os inteligentes são artistas. – Tipo A
Logo, alguns artistas não são árvores. – Tipo O
b) Termo maior: exploradores
Termo médio: sedentários
Termo menor: romancistas
R: Silogismo válido da Iº Figura
Todos os sedentários são exploradores – Tipo A
Alguns romancistas são sedentários. – Tipo I
Logo, alguns romancistas são exploradores. – Tipo I

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
Isabel Moura
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
Isabel Moura
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Maria Góis
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
os-maias-capitulo-final (1).pptx
os-maias-capitulo-final (1).pptxos-maias-capitulo-final (1).pptx
os-maias-capitulo-final (1).pptx
MartaMendes81
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Patrícia Pereira
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
Luis De Sousa Rodrigues
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Catarina Castro
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
Helena Serrão
 
Português " Os Maias"
Português " Os Maias"Português " Os Maias"
Português " Os Maias"
Catarina Sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
António Aragão
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
José Galvão
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Rodrigues
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
António Fernandes
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
Bruno Pedro
 
Os Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIVOs Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIV
António Fernandes
 

Mais procurados (20)

Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
os-maias-capitulo-final (1).pptx
os-maias-capitulo-final (1).pptxos-maias-capitulo-final (1).pptx
os-maias-capitulo-final (1).pptx
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 
Português " Os Maias"
Português " Os Maias"Português " Os Maias"
Português " Os Maias"
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
 
Os Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIVOs Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIV
 

Destaque

Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
mluisavalente
 
Aula 12 - Lógica
Aula 12 - LógicaAula 12 - Lógica
Aula 12 - Lógica
Jocelma Rios
 
Prep. 2º teste fil. 10º
Prep.  2º teste fil. 10ºPrep.  2º teste fil. 10º
Prep. 2º teste fil. 10º
Filipe Prado
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
mluisavalente
 
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e FaláciasFilosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Joana Pinto
 
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho   módulo inicialF 2007 ficha de trabalho   módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
mluisavalente
 
Teste 10º ano
Teste 10º anoTeste 10º ano
Teste 10º ano
mluisavalente
 
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valoresF 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
mluisavalente
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
mluisavalente
 

Destaque (11)

Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Filosofia 4
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
 
Aula 12 - Lógica
Aula 12 - LógicaAula 12 - Lógica
Aula 12 - Lógica
 
Prep. 2º teste fil. 10º
Prep.  2º teste fil. 10ºPrep.  2º teste fil. 10º
Prep. 2º teste fil. 10º
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e FaláciasFilosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
 
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho   módulo inicialF 2007 ficha de trabalho   módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
 
Teste 10º ano
Teste 10º anoTeste 10º ano
Teste 10º ano
 
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valoresF 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
 

Semelhante a Correção ficha de revisões 1 teste 11

Introdução à Lógica
Introdução à LógicaIntrodução à Lógica
Introdução à Lógica
Luciano Cadaval Basso INC.
 
Rac logico
Rac logicoRac logico
Rac logico
Ewerton Rodrigues
 
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelicoProposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Wellington Oliveira
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
Alan
 
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
Sandra Wirthmann
 
Anotações sobre as aulas de lógica
Anotações sobre as aulas de lógicaAnotações sobre as aulas de lógica
Anotações sobre as aulas de lógica
Caio Grimberg
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
Alan
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
Alan
 
Diagramas lógicos
Diagramas lógicosDiagramas lógicos
Diagramas lógicos
Sérgio de Castro
 
Raciocinio logico 05
Raciocinio logico 05Raciocinio logico 05
Raciocinio logico 05
Adriana Ribeiro
 
Filosofia.pdf
Filosofia.pdfFilosofia.pdf
Filosofia.pdf
AngelaRamos98
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Correção_atividade sc
Correção_atividade scCorreção_atividade sc
Correção_atividade sc
Isabel Moura
 
E+book+200+questões+RLM+Bruno+Villar.pdf
E+book+200+questões+RLM+Bruno+Villar.pdfE+book+200+questões+RLM+Bruno+Villar.pdf
E+book+200+questões+RLM+Bruno+Villar.pdf
MarcelFinger2
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
Cleber Oliveira
 
21227771 exercicios-logica
21227771 exercicios-logica21227771 exercicios-logica
21227771 exercicios-logica
Luiz Magno Nunes
 
Argumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formalArgumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formal
Joaquim Melro
 
Operadores lógicos
Operadores lógicosOperadores lógicos
Operadores lógicos
elearning_ucp
 
Lógica da argumentação
Lógica da argumentaçãoLógica da argumentação
Lógica da argumentação
Sérgio de Castro
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
Munis Pedro
 

Semelhante a Correção ficha de revisões 1 teste 11 (20)

Introdução à Lógica
Introdução à LógicaIntrodução à Lógica
Introdução à Lógica
 
Rac logico
Rac logicoRac logico
Rac logico
 
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelicoProposicoes categoriais e silogismo aristotelico
Proposicoes categoriais e silogismo aristotelico
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
 
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
3 Ano_Logica para aprofundamento3 ano logica para aprofundamento
 
Anotações sobre as aulas de lógica
Anotações sobre as aulas de lógicaAnotações sobre as aulas de lógica
Anotações sobre as aulas de lógica
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
 
Diagramas lógicos
Diagramas lógicosDiagramas lógicos
Diagramas lógicos
 
Raciocinio logico 05
Raciocinio logico 05Raciocinio logico 05
Raciocinio logico 05
 
Filosofia.pdf
Filosofia.pdfFilosofia.pdf
Filosofia.pdf
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Correção_atividade sc
Correção_atividade scCorreção_atividade sc
Correção_atividade sc
 
E+book+200+questões+RLM+Bruno+Villar.pdf
E+book+200+questões+RLM+Bruno+Villar.pdfE+book+200+questões+RLM+Bruno+Villar.pdf
E+book+200+questões+RLM+Bruno+Villar.pdf
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
 
21227771 exercicios-logica
21227771 exercicios-logica21227771 exercicios-logica
21227771 exercicios-logica
 
Argumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formalArgumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formal
 
Operadores lógicos
Operadores lógicosOperadores lógicos
Operadores lógicos
 
Lógica da argumentação
Lógica da argumentaçãoLógica da argumentação
Lógica da argumentação
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 

Mais de Isabel Moura

O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdfO POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
Isabel Moura
 
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Isabel Moura
 
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Isabel Moura
 
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdfTeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
Isabel Moura
 
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdfGrelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Isabel Moura
 
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educatorsDoc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Isabel Moura
 
Matriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 dMatriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 d
Isabel Moura
 
Quiz descartes
Quiz descartesQuiz descartes
Quiz descartes
Isabel Moura
 
Ae sec filosofia
Ae sec filosofiaAe sec filosofia
Ae sec filosofia
Isabel Moura
 
Programa psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionaisPrograma psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionais
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vtEx fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2
Isabel Moura
 
Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1
Isabel Moura
 
Estudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto trumanEstudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto truman
Isabel Moura
 
Ética deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaÉtica deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológica
Isabel Moura
 
Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
Isabel Moura
 
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º anoMatriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Isabel Moura
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
Isabel Moura
 
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Isabel Moura
 

Mais de Isabel Moura (20)

O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdfO POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
O POTENCIAL PEDAGÓGICO DAS FERRAMENTAS DA WEB.pdf
 
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_31_05_2021_Isabel Duarte.docx
 
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docxPlano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
Plano de aula_11_01_2021_Isabel Duarte.docx
 
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdfTeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
TeresaMorais_Guião_filosofiadaarte.docx.pdf
 
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdfGrelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
Grelha_planificacao_Aprender_com_a_BE__Grupo_E_final.pdf
 
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educatorsDoc4. super book of_web_tools_for_educators
Doc4. super book of_web_tools_for_educators
 
Matriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 dMatriz 4 teste 10 d
Matriz 4 teste 10 d
 
Quiz descartes
Quiz descartesQuiz descartes
Quiz descartes
 
Ae sec filosofia
Ae sec filosofiaAe sec filosofia
Ae sec filosofia
 
Programa psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionaisPrograma psicologia cursos profissionais
Programa psicologia cursos profissionais
 
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vtEx fil714-f2-2017-cc-vt
Ex fil714-f2-2017-cc-vt
 
Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2
 
Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1
 
Estudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto trumanEstudo de um caso concreto truman
Estudo de um caso concreto truman
 
Ética deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaÉtica deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológica
 
Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11Ficha de revisões 2 teste 11
Ficha de revisões 2 teste 11
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º anoMatriz do 2 teste de filosofia 11º ano
Matriz do 2 teste de filosofia 11º ano
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
 
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
 

Último

iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Correção ficha de revisões 1 teste 11

  • 1. 1 Correção da Ficha de Revisões de lógica aristotélica (Percurso A) 1. Identifica as alíneas que constituem proposições. a) A minha vida não tem sentido. É uma proposição pois é uma frase declarativa com sentido que tem valor de verdade, isto é, pode ser classificada de verdadeira ou de falsa. b) Há petróleo no Algarve? Não proposição, pois é uma pergunta. E as perguntas não têm valor de verdade, ou seja, não podem ser classificadas de verdadeiras ou falsas. c) Se estudares todos os dias, tiras boas notas. É um caso ambíguo. Por um lado, pode ser considerada uma não proposição, pois é um conselho, mas por outro lado, pode ser considerada uma proposição, pois implicitamente está a declarar que “Quem estuda todos os dias, tira boas notas”, frase declarativa com sentido e valor de verdade. 2. Assinala com V ou F as seguintes afirmações: a) Os argumentos dedutivos são argumentos cuja validade depende exclusivamente da sua forma lógica. Verdadeiro b) Os argumentos não dedutivos são argumentos em que a conclusão pode ser falsa, apesar de as premissas serem verdadeiras. Verdadeiro c)Quando dizemos que a validade de um argumento dedutivo não depende do conteúdo das proposições que o constituem, estamos a dizer que há argumentos válidos com premissas verdadeiras, argumentos válidos com premissas falsas e argumentos inválidos com premissas verdadeiras. Verdadeiro d) Para determinar se um argumento dedutivo é ou não válido, não é relevante que as premissas e a conclusão sejam de facto verdadeiras, mas se, imaginando que as premissas são verdadeiras, se pode ou não deduzir dessas premissas uma conclusão falsa. Se pode, é inválido. Se não pode, não é. Verdadeiro 3. Esclarece em que consiste um argumento dedutivo válido. Dá um exemplo. Do ponto de vista dedutivo, o único critério da validade é a forma lógica dos argumentos. A validade ou invalidade dos argumentos é avaliada em função da forma ou estrutura do argumento. Um argumento dedutivo válido exprime uma relação de implicação entre as premissas e a conclusão: a conclusão é uma consequência lógica das premissas e a verdade das premissas garante absolutamente a verdade da conclusão. Exemplo: Todos os homens são mortais. Sócrates é homem. Logo, Sócrates é mortal. 4. Esclarece em que consiste um argumento não dedutivo válido. Dá um exemplo. A forma lógica dos argumentos não dedutivos é insuficiente para avaliar a sua validade. Temos de ter em conta o seu conteúdo e o grau de probabilidade da conclusão. O argumento não dedutivo válido não exprime uma relação de implicação entre as premissas e a conclusão. Num argumento não
  • 2. 2 dedutivo válido, a verdade das premissas não exclui a possibilidade de a conclusão ser falsa, a sua probabilidade é menor. 5.Que premissas são omitidas ou estão subentendidas nos seguintes argumentos dedutivos? a) Dado que não há verdades morais objetivas e universais, estamos condenados ao relativismo. 1º Premissa: Se não há verdades morais objetivas e universais, então estamos condenados ao relativismo. Eis o argumento: Se não há verdades morais objetivas então estamos condenados ao relativismo. Não há verdades morais objetivas e universais. Logo, estamos condenados ao relativismo. b) Ser homem é ser inteligente. O João é inteligente. 2ºPremissa: O João é homem. Reconstituindo o argumento temos: Todos os homens são inteligentes. João é homem Logo, João é inteligente 6. Coloca as proposições categóricas na respetiva forma padrão: a) Se é homem, então é moral. Todos os homens são mortais (Tipo A) b) Certas mulheres são antipáticas Algumas mulheres são antipáticas (Tipo I) c) Há pelo menos um homem que não é belo. Alguns homens não são belos (Tipo O) d) Não há português que seja espanhol. Nenhum português é espanhol. (Tipo E) 7. Escreve o seguinte silogismo na sua forma-padrão e avalia a sua validade: Sem dúvida que algumas estrelas de cinema são vaidosas, pois é óbvio que as pessoas excêntricas são vaidosas e que algumas estrelas de cinema são pessoas excêntricas. Todas as pessoas excêntricas são vaidosas Algumas estrelas de cinema são pessoas excêntricas. Algumas estrelas de cinema são vaidosas É um silogismo válido porque obedece a todas as regras. Tem três termos: menor – estrelas de cinema, médio – pessoas excêntricas e maior – vaidosas. O termo médio (pessoas excêntricas) está distribuído (universal) em pelo menos em uma premissa (premissa maior, sujeito de uma proposição universal, tipo A), e não aparece na conclusão. Os termos menor e maior não aumentam de extensão na conclusão, pois o termo menor é particular (sujeito de uma proposição particular, Tipo I) e o termo maior também é particular (predicado de uma proposição afirmativa, Tipo I. Quanto às proposições, a conclusão segue a parte mais fraca, de uma premissa particular (premissa menor, Tipo I) segue-se uma conclusão particular (Tipo I). Além disso, também obedece à regra que diz que de duas premissas afirmativas, se segue uma conclusão afirmativa. Neste caso, temos premissas afirmativas (Tipo A e I) e uma conclusão afirmativa (Tipo I).
  • 3. 3 8. Aplica as regras do silogismo categórico para testar a validade dos seguintes silogismos: a) Nenhum manual de filosofia é interessante. Nenhuma coisa interessante é aborrecida. Logo, nenhum manual de filosofia é aborrecido. R: É um silogismo inválido porque não respeita uma regra quanto às proposições. Nomeadamente, a regra que diz que de duas premissas negativas, não se segue conclusão. Neste caso, temos duas premissas negativas (Tipo E) e uma conclusão (Tipo E), o que não devia ocorrer. b) Todos os P são M. Alguns S são M. Logo, alguns S são P. R: É um silogismo inválido porque não respeita uma regra quanto aos termos. Nomeadamente, a regra que diz que o termo médio tem que ocorrer distribuído (universal) pelo menos uma vez em uma premissa. Neste caso, o termo médio (M) é particular (não distribuído) nas duas premissas, pois quer na premissa maior quer na premissa menor é predicado de uma proposição afirmativa (Tipo A e Tipo I). c) Alguns P não são M. Alguns S não são M. Logo, alguns S não são P. R: É um silogismo inválido porque não respeita uma regra quanto aos termos e duas quanto às proposições. Quanto aos termos, infringe a regra que diz que os termos menor e maior não podem ocorrer distribuídos (universais) na conclusão sem estarem distribuídos na premissa. Neste caso, o termo maior (P) é universal na conclusão (predicado de uma proposição negativa – Tipo O) e é particular na premissa maior (sujeito de uma proposição universal – Tipo O). Quanto às proposições não respeita a regra que diz que de duas premissas particulares, não se segue conclusão, pois temos duas premissas particulares (Tipo O) e uma conclusão (Tipo O). Também infringe a regra que diz que de duas premissas negativas, não se segue conclusão, e temos duas premissas negativas (Tipo O) e uma conclusão (Tipo O). 9. Escreve a proposição em falta, de modo a obter um silogismo válido. Alguns filósofos são pianistas. Todos os filósofos são pensadores. Logo, alguns pensadores são pianistas 10. Constrói silogismos válidos da I ou IV Figura a partir dos elementos dados. a) Termo maior: árvore Termo médio: inteligente Termo menor: artista R: Silogismo cálido da IVº Figura Nenhuma árvore é inteligente. – Tipo E Todos os inteligentes são artistas. – Tipo A Logo, alguns artistas não são árvores. – Tipo O b) Termo maior: exploradores Termo médio: sedentários Termo menor: romancistas R: Silogismo válido da Iº Figura Todos os sedentários são exploradores – Tipo A Alguns romancistas são sedentários. – Tipo I Logo, alguns romancistas são exploradores. – Tipo I