SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
28-11-12   Filosofia   1
28-11-12   Filosofia   2
Argumentação
  Situa-se entre a retórica e a lógica.

  pelo seu carácter dialéctico, dela retirando algumas noções como,
  por exemplo, a de auditório.

  retirando dela a estrutura que sustenta o discurso.

  A argumentação
  - pode ocorrer no encontro interpessoal, isto é, numa situação de
  diálogo em que as pessoas se dirigem directamente umas às outras;

  - ou de forma mais indirecta através dos meios de comunicação
  social.
28-11-12                          Filosofia                           3
Ao nível das relações interpessoais, o discurso argumentativo
       exerce-se num contexto em que há um determinado emissor ou
           orador e um destinatário ou auditório que, de uma ou outra
       forma, estabelecem um contacto dialógico próximo e directo: a
                      palestra, a conferência, o debate, a exposição...


        Ao nível dos meios de comunicação social, agente formador e
    informador da opinião pública, o discurso argumentativo dirige-se
      a um auditório indiferenciado, como acontece com um artigo de
      fundo, com um editorial, com as notícias, com os comentários e
                                                  com a publicidade.

28-11-12                           Filosofia
                                                                          »
                                                                          4
28-11-12   Filosofia   5
Discurso argumentativo



  Acto comunicativo que apresenta provas ou razões para defesa de
uma opinião, as quais visam persuadir o receptor e interferir nas suas
                                        atitudes e comportamentos.


     Para deliberar, justificar, discutir, explicar, provar ou fundamentar,
                                  recorremos ao discurso argumentativo .




28-11-12                            Filosofia
                                                                              »
                                                                              6
Características do discurso
                argumentativo
Exerce-se numa situação comunicativa, pressupõe o uso da palavra,
excluindo a violência ou a força física para atingir o seu objectivo:
conquistar a adesão do auditório.
Serve-se da linguagem natural e não de símbolos abstractos, a
linguagem deve ser compreendida pelo auditório.
Possui carácter dialógico. Relação interactiva entre orador e
auditório, podendo ambos, em cada momento, dar assentimento ou
rejeitar aquilo que o outro diz.
As mensagens transmitidas não são neutras, visam alterar as
convicções e as atitudes das outras pessoas. Pela palavra, o orador
pretende agir sobre os outros, interferindo nas suas opiniões.
28-11-12                         Filosofia
                                                                    »
                                                                    7
»
O objectivo é granjear adesão, esforçando-se por conquistar o
auditório.
Integra um conjunto de estratégias. Para melhor convencer o
receptor, uma boa selecção e organização de argumentos pode
conduzir mais eficazmente ao que se pretende.
É uma forma problematizadora de encarar os temas – os que
conduzem à dúvida e suscitam diferentes pontos de vista. Uma
questão é objecto de argumentação se a sua verdade não for
evidente nem objectiva.


28-11-12                    Filosofia
                                                            »
                                                            8
Tipos de argumentos




28-11-12               Filosofia   9
Tipos de argumentos




28-11-12               Filosofia   10
Argumento dedutivo
 São susceptíveis de validade formal – constituem objecto de estudo da
lógica;
Característico das ciências formais, como a lógica e a matemática;
Processo de inferência pelo qual de uma ou mais proposições conhecidas
(premissas) se conclui necessariamente uma proposição (conclusão), nelas, de
algum modo, incluída e implicada;
A conclusão de um argumento dedutivo é uma consequência necessária ou
lógica das premissas;
Se as premissas forem verdadeiras, a conclusão é necessariamente
verdadeira;
Não é ampliativo ou demonstrativo.
28-11-12                            Filosofia                            11
Argumento indutivo

Num argumento indutivo, a verdade da conclusão não é garantida pela
verdade das premissas, a conclusão é apenas provavelmente verdadeira;
Está presente nas ciências experimentais como a física e a biologia
(investigação com base nos dados recolhidos pela observação na natureza);
Processo de inferência que vai do particular para o geral;
São ampliativos ou não-demonstrativos ( a conclusão “ultrapassa” as
premissas, é uma extrapolação – no sentido em que, a verdade conjunta das
premissas não garante a verdade da conclusão);
Um argumento indutivo é forte quando a força das premissas torna
altamente improvável (embora não impossível logicamente) que a conclusão
seja falsa.
28-11-12                             Filosofia                         12
Argumento indutivo




28-11-12              Filosofia   13
Argumento por analogia




28-11-12                   Filosofia   14
28-11-12   Filosofia   15
Argumento por analogia
Baseia-se numa comparação entre objectos diferentes e inferem de certas
semelhanças outras semelhanças (partem da ideia de que se diferentes coisas
são semelhantes em determinados aspectos, também o serão noutros);
 a verdade da conclusão não é garantida pela verdade das premissas (há que
ter em conta aquilo que as premissas e a conclusão afirmam e os dados da
experiência);
A forma não permite concluir se é bom ou mau – a qualidade deste
argumento não depende da sua forma lógica;
Podem ser fortes ou fracos:
- a comparação tem de se basear num número razoável de semelhanças;
- as semelhanças apontadas devem ser relevantes para a conclusão que se
quer inferir;
- não deve haver diferenças fundamentais relativamente aos aspectos que
estão a ser comparados.
28-11-12                           Filosofia                             16
Outros argumentos: Entimema (argumento dedutivo)
É um silogismo em que uma das premissas é omitida por ser óbvia e
poder ser facilmente subentendida. É um silogismo a que falta uma
premissa, geralmente a primeira.
Ex. O aborto deve ser proibido, porque é o assassínio de inocentes.
A primeira premissa está suprimida.

                               Forma canónica
           Todo o assassínio de inocentes deve ser proibido.
           O aborto é um assassínio de inocentes.
           Logo, o aborto deve ser proibido.

28-11-12                             Filosofia                        17
Ex. Os golfinhos não são peixes porque não respiram por guelras.
Falta a primeira premissa.
                                  Forma canónica
           Os peixes respiram por guelras.
           Os golfinhos não respiram por guelras.
           Logo, os golfinhos não são peixes.
Ex. Todo o texto é subversivo. Logo, o poema é subversivo.
 Falta a segunda premissa.
                                  Forma canónica
           Todo o texto é subversivo.
           O poema é um texto.
           Logo, o poema é subversivo.
28-11-12                                 Filosofia                 18
Argumentos com base em exemplos

Argumento de natureza indutiva que consiste em citar com
oportunidade um exemplo ou caso particular


    visa produzir no auditório a convicção de que ilustra um
    princípio geral


   Efectuam generalizações e previsões a partir de casos ou
   exemplos particulares (mesmo quando os exemplos são
   verdadeiros, a generalização comporta certa possibilidade de
   erro)

28-11-12                       Filosofia                          19
Argumentos de autoridade
Argumento baseado na opinião de um especialista (pessoa ou
instituição com conhecimentos seguros sobre dada matéria).
O argumento estrutura-se da seguinte forma:
X (alguém com conhecimentos seguros) faz a afirmação Y.                            A diz que P.
Logo: A afirmação Y é verdadeira.
                                                                           ou      Logo, P.

Ex. Hegel diz que todo o real é racional e todo o racional é real; logo,
todo o real é racional e todo o racional é real.
É um mau argumento de autoridade, não porque Hegel não seja um
especialista na matéria, mas porque muitos outros especialistas na matéria
discordam dele, quanto ao que está em causa.
Nota: em filosofia, os argumentos de autoridade são quase sempre maus; isto porque os filósofos discordam
entre si acerca de quase tudo o que é interessante.
 28-11-12                                        Filosofia                                            20
Regras a ter em conta para que o argumento de autoridade seja um bom argumento:



O especialista invocado deve ser muito bom no assunto em causa


Não haver discordâncias significativas entre os especialistas relativamente ao
assunto em questão


Não haver outros argumentos mais fortes ou de força igual a favor da tese
contrária

Os especialistas não terem interesses pessoais na afirmação em causa (imparciais)



28-11-12                               Filosofia                                    21
Bibliografia
Maria Antónia Abrunhosa e Miguel Leitão, Manual Escolar “Um Olhar sobre o Mundo”,
Ensino Secundário, 11º Ano, Vol.1, Edições ASA, 2008

Fátima Alves, José Arêdes e José Carvalho, Manual Escolar “Pensar Azul Filosofia - 11º
Ano”, Texto Editores, 2008
Fátima Alves, José Arêdes e José Carvalho, Manual Escolar “705 Azul Introdução à
Filosofia - 11º Ano”, Texto Editores, 2004
Marta Paiva, Orlanda Tavares e José Ferreira Borges, Manual Escolar “Contextos, Filosofia
- 11º Ano”, Porto Editora, 2008
Artur Polónio, Faustino Vaz e Teresa Cristóvão, Manual Escolar “CriticaMente Filosofia - 11º
Ano”, Porto Editora, 2008
Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Manual Escolar “Em Diálogo Filosofia 11º Ano /
Ensino Secundário”, Lisboa Editora, 2008
 28-11-12                                  Filosofia                                     22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
Isabel Moura
 
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoaAd hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Luis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

A falácia do falso dilema
A falácia do falso dilemaA falácia do falso dilema
A falácia do falso dilema
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
 
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
A falácia da derrapagem
A falácia da derrapagemA falácia da derrapagem
A falácia da derrapagem
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Argumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivosArgumentos não dedutivos
Argumentos não dedutivos
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Popper e a Ciência
Popper e a CiênciaPopper e a Ciência
Popper e a Ciência
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoaAd hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
Ad hominem falacioso ou ataque indevido à pessoa
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
Actos ilocutorios
Actos ilocutoriosActos ilocutorios
Actos ilocutorios
 
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retórica
 

Destaque

Demonstração/Argumentação
Demonstração/ArgumentaçãoDemonstração/Argumentação
Demonstração/Argumentação
112114
 
O Mito da Caverna - Platão
O Mito da Caverna - PlatãoO Mito da Caverna - Platão
O Mito da Caverna - Platão
Valéria Ribeiro
 
A alegoria da caverna de platão e ética
A alegoria da caverna de platão e éticaA alegoria da caverna de platão e ética
A alegoria da caverna de platão e ética
Sônia Lazzarini
 

Destaque (20)

Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
Discurso Argumentativo e Retórica (de acordo com manual "Pensar Azul")
 
A noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutivaA noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutiva
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
 
A validade indutiva
A validade indutivaA validade indutiva
A validade indutiva
 
A noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutivaA noção de validade dedutiva
A noção de validade dedutiva
 
Demonstração/Argumentação
Demonstração/ArgumentaçãoDemonstração/Argumentação
Demonstração/Argumentação
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
 
Alegoria da Caverna 4
Alegoria da Caverna 4Alegoria da Caverna 4
Alegoria da Caverna 4
 
Mito da caverna de Platão - versão Maurício de Souza (em quadrinhos)
Mito da caverna de Platão - versão Maurício de Souza (em quadrinhos)Mito da caverna de Platão - versão Maurício de Souza (em quadrinhos)
Mito da caverna de Platão - versão Maurício de Souza (em quadrinhos)
 
O Mito da Caverna - Platão
O Mito da Caverna - PlatãoO Mito da Caverna - Platão
O Mito da Caverna - Platão
 
Mito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de PlatãoMito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de Platão
 
A alegoria da caverna de platão e ética
A alegoria da caverna de platão e éticaA alegoria da caverna de platão e ética
A alegoria da caverna de platão e ética
 
A Alegoria Da Caverna 2008 09
A Alegoria Da Caverna 2008 09A Alegoria Da Caverna 2008 09
A Alegoria Da Caverna 2008 09
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
 
Alegoria da Caverna 10
Alegoria da Caverna 10Alegoria da Caverna 10
Alegoria da Caverna 10
 
Simbología Alegoria de la Caverna
Simbología Alegoria de la CavernaSimbología Alegoria de la Caverna
Simbología Alegoria de la Caverna
 
O mito da caverna
O mito da cavernaO mito da caverna
O mito da caverna
 
Iniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosóficaIniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosófica
 
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A PropagandaPersuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
 
Persuasão
PersuasãoPersuasão
Persuasão
 

Semelhante a Argumentos

Argumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisArgumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informais
Julieta Martins
 
Ficha retórica 3
Ficha retórica 3Ficha retórica 3
Ficha retórica 3
Joana
 
Dissertação e Argumentação
Dissertação e ArgumentaçãoDissertação e Argumentação
Dissertação e Argumentação
marinamcd
 
Resumo 2º teste
Resumo 2º testeResumo 2º teste
Resumo 2º teste
Inês Mota
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
7 de Setembro
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
norberto faria
 

Semelhante a Argumentos (20)

Argumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informaisArgumentos e falácias informais
Argumentos e falácias informais
 
Ficha retórica 3
Ficha retórica 3Ficha retórica 3
Ficha retórica 3
 
Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)
 
Dissertação e Argumentação
Dissertação e ArgumentaçãoDissertação e Argumentação
Dissertação e Argumentação
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
 
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
Argumentação e retórica  trb grupo filosofiaArgumentação e retórica  trb grupo filosofia
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
 
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
 
Ficha 6.argumentação e demonstração
Ficha 6.argumentação e demonstraçãoFicha 6.argumentação e demonstração
Ficha 6.argumentação e demonstração
 
Filosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano agFilosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano ag
 
Resumo 2º teste
Resumo 2º testeResumo 2º teste
Resumo 2º teste
 
Aula1_LógicaInferênciaeArgumento_RaciocínioAnalítico.pdf
Aula1_LógicaInferênciaeArgumento_RaciocínioAnalítico.pdfAula1_LógicaInferênciaeArgumento_RaciocínioAnalítico.pdf
Aula1_LógicaInferênciaeArgumento_RaciocínioAnalítico.pdf
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 10
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 10FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 10
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 10
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp022 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
 
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptxSLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
 
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGicaApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
 

Argumentos

  • 1. 28-11-12 Filosofia 1
  • 2. 28-11-12 Filosofia 2
  • 3. Argumentação Situa-se entre a retórica e a lógica. pelo seu carácter dialéctico, dela retirando algumas noções como, por exemplo, a de auditório. retirando dela a estrutura que sustenta o discurso. A argumentação - pode ocorrer no encontro interpessoal, isto é, numa situação de diálogo em que as pessoas se dirigem directamente umas às outras; - ou de forma mais indirecta através dos meios de comunicação social. 28-11-12 Filosofia 3
  • 4. Ao nível das relações interpessoais, o discurso argumentativo exerce-se num contexto em que há um determinado emissor ou orador e um destinatário ou auditório que, de uma ou outra forma, estabelecem um contacto dialógico próximo e directo: a palestra, a conferência, o debate, a exposição... Ao nível dos meios de comunicação social, agente formador e informador da opinião pública, o discurso argumentativo dirige-se a um auditório indiferenciado, como acontece com um artigo de fundo, com um editorial, com as notícias, com os comentários e com a publicidade. 28-11-12 Filosofia » 4
  • 5. 28-11-12 Filosofia 5
  • 6. Discurso argumentativo Acto comunicativo que apresenta provas ou razões para defesa de uma opinião, as quais visam persuadir o receptor e interferir nas suas atitudes e comportamentos. Para deliberar, justificar, discutir, explicar, provar ou fundamentar, recorremos ao discurso argumentativo . 28-11-12 Filosofia » 6
  • 7. Características do discurso argumentativo Exerce-se numa situação comunicativa, pressupõe o uso da palavra, excluindo a violência ou a força física para atingir o seu objectivo: conquistar a adesão do auditório. Serve-se da linguagem natural e não de símbolos abstractos, a linguagem deve ser compreendida pelo auditório. Possui carácter dialógico. Relação interactiva entre orador e auditório, podendo ambos, em cada momento, dar assentimento ou rejeitar aquilo que o outro diz. As mensagens transmitidas não são neutras, visam alterar as convicções e as atitudes das outras pessoas. Pela palavra, o orador pretende agir sobre os outros, interferindo nas suas opiniões. 28-11-12 Filosofia » 7
  • 8. » O objectivo é granjear adesão, esforçando-se por conquistar o auditório. Integra um conjunto de estratégias. Para melhor convencer o receptor, uma boa selecção e organização de argumentos pode conduzir mais eficazmente ao que se pretende. É uma forma problematizadora de encarar os temas – os que conduzem à dúvida e suscitam diferentes pontos de vista. Uma questão é objecto de argumentação se a sua verdade não for evidente nem objectiva. 28-11-12 Filosofia » 8
  • 11. Argumento dedutivo  São susceptíveis de validade formal – constituem objecto de estudo da lógica; Característico das ciências formais, como a lógica e a matemática; Processo de inferência pelo qual de uma ou mais proposições conhecidas (premissas) se conclui necessariamente uma proposição (conclusão), nelas, de algum modo, incluída e implicada; A conclusão de um argumento dedutivo é uma consequência necessária ou lógica das premissas; Se as premissas forem verdadeiras, a conclusão é necessariamente verdadeira; Não é ampliativo ou demonstrativo. 28-11-12 Filosofia 11
  • 12. Argumento indutivo Num argumento indutivo, a verdade da conclusão não é garantida pela verdade das premissas, a conclusão é apenas provavelmente verdadeira; Está presente nas ciências experimentais como a física e a biologia (investigação com base nos dados recolhidos pela observação na natureza); Processo de inferência que vai do particular para o geral; São ampliativos ou não-demonstrativos ( a conclusão “ultrapassa” as premissas, é uma extrapolação – no sentido em que, a verdade conjunta das premissas não garante a verdade da conclusão); Um argumento indutivo é forte quando a força das premissas torna altamente improvável (embora não impossível logicamente) que a conclusão seja falsa. 28-11-12 Filosofia 12
  • 15. 28-11-12 Filosofia 15
  • 16. Argumento por analogia Baseia-se numa comparação entre objectos diferentes e inferem de certas semelhanças outras semelhanças (partem da ideia de que se diferentes coisas são semelhantes em determinados aspectos, também o serão noutros);  a verdade da conclusão não é garantida pela verdade das premissas (há que ter em conta aquilo que as premissas e a conclusão afirmam e os dados da experiência); A forma não permite concluir se é bom ou mau – a qualidade deste argumento não depende da sua forma lógica; Podem ser fortes ou fracos: - a comparação tem de se basear num número razoável de semelhanças; - as semelhanças apontadas devem ser relevantes para a conclusão que se quer inferir; - não deve haver diferenças fundamentais relativamente aos aspectos que estão a ser comparados. 28-11-12 Filosofia 16
  • 17. Outros argumentos: Entimema (argumento dedutivo) É um silogismo em que uma das premissas é omitida por ser óbvia e poder ser facilmente subentendida. É um silogismo a que falta uma premissa, geralmente a primeira. Ex. O aborto deve ser proibido, porque é o assassínio de inocentes. A primeira premissa está suprimida. Forma canónica Todo o assassínio de inocentes deve ser proibido. O aborto é um assassínio de inocentes. Logo, o aborto deve ser proibido. 28-11-12 Filosofia 17
  • 18. Ex. Os golfinhos não são peixes porque não respiram por guelras. Falta a primeira premissa. Forma canónica Os peixes respiram por guelras. Os golfinhos não respiram por guelras. Logo, os golfinhos não são peixes. Ex. Todo o texto é subversivo. Logo, o poema é subversivo. Falta a segunda premissa. Forma canónica Todo o texto é subversivo. O poema é um texto. Logo, o poema é subversivo. 28-11-12 Filosofia 18
  • 19. Argumentos com base em exemplos Argumento de natureza indutiva que consiste em citar com oportunidade um exemplo ou caso particular visa produzir no auditório a convicção de que ilustra um princípio geral Efectuam generalizações e previsões a partir de casos ou exemplos particulares (mesmo quando os exemplos são verdadeiros, a generalização comporta certa possibilidade de erro) 28-11-12 Filosofia 19
  • 20. Argumentos de autoridade Argumento baseado na opinião de um especialista (pessoa ou instituição com conhecimentos seguros sobre dada matéria). O argumento estrutura-se da seguinte forma: X (alguém com conhecimentos seguros) faz a afirmação Y. A diz que P. Logo: A afirmação Y é verdadeira. ou Logo, P. Ex. Hegel diz que todo o real é racional e todo o racional é real; logo, todo o real é racional e todo o racional é real. É um mau argumento de autoridade, não porque Hegel não seja um especialista na matéria, mas porque muitos outros especialistas na matéria discordam dele, quanto ao que está em causa. Nota: em filosofia, os argumentos de autoridade são quase sempre maus; isto porque os filósofos discordam entre si acerca de quase tudo o que é interessante. 28-11-12 Filosofia 20
  • 21. Regras a ter em conta para que o argumento de autoridade seja um bom argumento: O especialista invocado deve ser muito bom no assunto em causa Não haver discordâncias significativas entre os especialistas relativamente ao assunto em questão Não haver outros argumentos mais fortes ou de força igual a favor da tese contrária Os especialistas não terem interesses pessoais na afirmação em causa (imparciais) 28-11-12 Filosofia 21
  • 22. Bibliografia Maria Antónia Abrunhosa e Miguel Leitão, Manual Escolar “Um Olhar sobre o Mundo”, Ensino Secundário, 11º Ano, Vol.1, Edições ASA, 2008 Fátima Alves, José Arêdes e José Carvalho, Manual Escolar “Pensar Azul Filosofia - 11º Ano”, Texto Editores, 2008 Fátima Alves, José Arêdes e José Carvalho, Manual Escolar “705 Azul Introdução à Filosofia - 11º Ano”, Texto Editores, 2004 Marta Paiva, Orlanda Tavares e José Ferreira Borges, Manual Escolar “Contextos, Filosofia - 11º Ano”, Porto Editora, 2008 Artur Polónio, Faustino Vaz e Teresa Cristóvão, Manual Escolar “CriticaMente Filosofia - 11º Ano”, Porto Editora, 2008 Adília Maia Gaspar e António Manzarra, Manual Escolar “Em Diálogo Filosofia 11º Ano / Ensino Secundário”, Lisboa Editora, 2008 28-11-12 Filosofia 22