SlideShare uma empresa Scribd logo
Enfermeiro: Ivanilson Gomes
02/2016

 É a introdução de um cateter estéril através da
uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina,
deve-se utilizar técnica asséptica no procedimento a
fim de evitar uma infecção urinária no paciente.
Sondagem Vesical –
Cateterismo Vesical

 Aliviar a retenção urinária
 Permitir irrigação vesical
 Mensurar a urina residual da bexiga após a micção
 Pré operatório e exames pélvicos
 Coleta de urina estéril para exames
 Controlar o débito urinário
Finalidade
Saco coletor – Sistema fechado

 Coletor – Sistema Fechado
 Sonda vesical (numeração adequada)
 Biombo, Cúpula, Cuba Rim, pacote de gaze, seringa
20ml, pinça, luva estéril, luva de procedimento,
xilocaína gel, clorexidina, água destilada, agulha
40x12, campo cirúrgico ou compressa estéril,
esparadrapo.
Material

 1- Explicar ao paciente o que será feito
 2- Preparar o material
 3- Preparar o ambiente (retirar acompanhantes,
posicionar o biombo, desocupar mesa da cabeceira)
 4- *Posicionar o paciente (F/M)
 5- Realizar lavagem das mãos na técnica correta
 6- Pedir para o paciente retirar suas vestimentas da
parte inferior.
 7- Calçar as luvas de procedimento, e com auxílio da
pinça, gaze e clorexidina realizar higienização da
região genital.
Procedimento
 8- Calçar a luva estéril, posicione o campo cirúrgico
ou compressa estéril na região genital do paciente.
 Com auxílio de um outro profissional aspire a AD e
teste o Cuff da sonda, após conecte a mesma junto a
extensão do saco coletor (sistema fechado).
 Sexo feminino: Peça para que passem xilocaina em
aproximadamente 8cm da extensão da sonda, com
sua mão NÃO dominante, afaste os pequenos e
grandes lábios, introduza lentamente a sonda no
canal da uretra até que a mesma esteja totalmente
introduzida. Após infle o Cuff e tracione a sonda
para que fique locada adequadamente. Realize a
fixação.
Procedimento


 Sexo masculino: Retire o êmbolo da seringa de 20ml,
despreze xilocaina gel dentro da seringa (+/-10ml),
recoloque o êmbolo, com sua mão NÃO dominante
segure o pênis do paciente, introduza a xilocaina dentro
do canal da uretra, após introduza a sonda lentamente,
até que a mesma esteja completamente inserida, infle o
Cuff, e tracione para que fique locada adequadamente.
Realize a fixação.
Procedimento


 Consiste na introdução de um cateter da uretra até
á bexiga. É uma técnica asséptica e invasiva, e tem
como principal objetivo, o esvaziamento vesical
diante à situações agudas de retenção urinária (pós-
operatório) ou coleta de exames em casos distintos.
Sondagem De Alívio

 Saco coletor descartável
 Extensão silicone descartável
 Sonda uretral (de acordo com a numeração certa)
 Mascara, capote, gorro, gaze, xilocaina gel, seringa
20ml, campo cirurgico ou compressa esteril, luva
estéril, luva de procedimento, clorexidina,
esparadrapo
Material


Sondagem
Nasogástrica

 A Sonda Nasogástrica é um tubo de polivinil que
quando prescrito, deve ser tecnicamente introduzido
desde as narinas até o estômago. Sua finalidade está
associada à maneira com ficará instalada no paciente,
podendo ser aberta ou fechada.
Definição

Obs: Importante ressaltar que na sondagem gástrica a sonda não progride para
o duodeno, conforme demonstra a imagem, sua localização final é no estômago.

 Quando o objetivo é drenar líquidos intra-gástrico, a
saber:
 - Esverdeado: Bile
 - Borra de café: bile + sangue
 - Sanguinolenta vivo
 - Sanguinolento escuro
 - Amarelado
 Podemos exemplificar cirurgias onde no pós operatório se
deseja o repouso do sistema digestivo e também em casos
de intoxicação exógena, onde o conteúdo ingerido precisa
ser removido rapidamente.
Sonda Nasogástrica
Aberta

 Utilizada com finalidade de alimentação, quando por
alguma razão o paciente não pode utilizar a boca no
processo de digestão. Ex: câncer de língua, anorexia.
 Obs: Quase nunca utilizada, cada dia menos presente
nas unidades hospitalares e ambulatoriais.
Sonda Nasogástrica
Fechada
 Sonda Nasogástrica (também chamada de Levine) de
numeração 10, 12, 14, 16, 18 (adulto)
 - esparadrapo
 - xilocaína gel
 - gaze
 - par de luvas de procedimento
 - seringa de 20ml
 -estetoscópio
 - toalha de rosto de uso pessoal
 Caso a Sonda Nasogástrica seja aberta adicione:
 -extensão
 - saco coletor.
Material

 - Explicar a procedimento ao paciente;
 - Colocá-lo em posição de Fowler;
 - Colocar a toalha sob o pescoço;
 - Calçar as luvas;
 - Abrir o pacote da sonda;
 - Medir o comprimento da sonda: do lóbulo da orelha até a ápse
do nariz, até apêndice xifóide + 8 cm.
 - Marcar o local com o esparadrapo;
 - Passar xilocaína gel aproximadamente uns 10 cm;
 - Introduzir a sonda por uma das narinas;
 - Flexionar o pescoço aproximando ao tórax, pedindo ao
paciente para realizar movimentos de deglutição;
 - Introduzir a sonda até o ponto de marcação com o
esparadrapo;
 - Fazer os 2 testes: Encaixar a ponta da seringa na ponta da
sonda, e aspirar se vier líquido, a sonda está no lugar certo;
pegar o estetoscópio e auscultar.
Procedimento


 A Sonda Nasoenteral quando prescrita, deve ser
tecnicamente introduzida desde as narinas até o
estômago podendo progredir para o duodeno. Sua
finalidade está associada a quadros de desnutrição
e/ou quando o paciente está incapacitado de
deglutir, sendo necessário um aporte nutricional
maior.
Sonda Nasoenteral

 Sonda enteral DOOBBHOFF, com fio guia (mandril),
Seringa de 20ml, gaze, toalha de rosto; xilocaína gel,
esparadrapo, estetoscópio, biombo s/n, luvas de
procedimento.
Material

 - Explicar a procedimento ao paciente;
 - Colocá-lo em posição de Fowler;
 - Colocar a toalha sob o pescoço;
 - Calçar as luvas;
 - Abrir o pacote da sonda;
 - Medir o comprimento da sonda: do lóbulo da orelha até a ápse
do nariz, até apêndice xifóide + 8 cm.
 - Marcar o local com o esparadrapo;
 - Passar xilocaína gel aproximadamente uns 10 cm;
 - Introduzir a sonda por uma das narinas;
 - Flexionar o pescoço aproximando ao tórax, pedindo ao
paciente para realizar movimentos de deglutição;
 - Introduzir a sonda até o ponto de marcação com o
esparadrapo;
 - Fazer os 2 testes: Encaixar a ponta da seringa na ponta da
sonda, e aspirar se vier líquido, a sonda está no lugar certo;
pegar o estetoscópio e auscultar.
Procedimento

 Após passagem da SNE, deve ser feito um raio x e
mostrar ao médico, para certificar que a sonda esta
locada adequadamente, só assim a dieta pode ser
liberada.
IMPORTANTE

SONDA NO PULMÃO
SONDA NO ESTÔMAGO


 É um procedimento terapêutico, no qual se
introduz uma sonda até o interior do estômago, para
irrigar e aspirar o seu conteúdo. Apesar do
procedimento ser utilizado como preparação para a
cirurgia gástrica e para alguns exames auxiliares de
diagnóstico, é utilizada essencialmente no
tratamento de intoxicações por via digestiva.
Lavagem Gástrica

 Sonda nasogástrica Levine de grosso calibre,
 Gel hidrossolúvel ou Xilocaína
 Luvas de procedimento,
 Seringa de 20 ml
 Estetoscópio,
 Esparadrapo
Material
 Realizar lavagens das mãos, calçar luva de procedimento.
 Realizar passagem de SNG conforme descrito no slide 19,
e posicionar o paciente em decúbito lateral esquerdo
elevado.
 Aspirar o primeiro conteúdo gástrico e reservar para
análise toxicológica (30ml).
 Infundir e retirar 250ml de SF 0,9% ou água em adultos, e
10ml/kg em crianças (aquecido). Ou conforme prescrição
médica.
 O volume retornado deve ser próximo ao volume
ofertado.
 Repetir até que o volume retornado esteja límpido.
Comunique ao médico para que o mesmo suspenda o
procedimento ou que mantenha a lavagem.
Procedimento

Lavagem
Intestinal

 Consiste em remover o conteúdo fecal presente no
intestino grosso, devido seu processo de
endurecimento (fecaloma), caracterizado por hábitos
intestinais irregulares.
Definição

 Enteroclisma: Preparado pelo Aux.Tec enfermagem
ou Enfermeiro de acordo com a prescrição médica,
consiste em parte de solução fisiológica 0,9 % e
Glicerina. Normalmente é utilizado:
800 ml Soro Fisiológico 0,9%
200 ml Glicerina
 Fleet Enema: Material retirado na farmácia ou
almoxarifado, sua formulação já é pronta.

Enteroclisma: Em um Soro fisiológico de 1000 ml,
retire 200ml e despreze. Separadamente reserve 200 ml de
glicerina. Após, aspire a glicerina e injete dentro do SF,
tendo um total de 1000ml. Conecte o equipo do Soro,
retire o ar e deixe numa bandeja junto com sonda retal,
xilocaina gel e esparadrapo.
 Realize a lavagem das mãos, explique o procedimento ao
paciente, deixe-o em posição de sims, calce luva de
procedimento, conecte a sonda retal ao equipo de soro e a
lubrifique com xilocaina, introduza via retal em torno de
8 a 10cm, faça a fixação com esparadrapo.
 Abra o soro e deixe correr lentamente, gota a gota.
Como Preparar.

 Fleet Enema: Separe o material numa bandeja
contendo: Luva de procedimento, xilocaina gel,
frasco de fleet enema.
 Realize a lavagem das mãos, explique o
procedimento ao paciente, deixe-o em posição de
sims, calce luva de procedimento, retire a capa
protetora da cânula retal e a lubrifique com
xilocaina, insira suavemente a cânula no reto, pois
pode causar alguma lesão. Injete o conteúdo do
frasco e oriente o paciente a segurar o máximo
possível, após instantes ofereça uma comadre ou
auxilie até ir ao banheiro.

Email: ivanilsongomes@hotmail.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
Laís Lucas
 
Drenos e Sondas
Drenos e SondasDrenos e Sondas
Drenos e Sondas
Eduardo Bernardino
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Drenos
DrenosDrenos
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
JulianaMyriamFraga
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
9999894014
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Karina Pereira
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
joselene beatriz
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
jaddy xavier
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
Centro Universitário Ages
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Viviane da Silva
 

Mais procurados (20)

Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
 
Drenos e Sondas
Drenos e SondasDrenos e Sondas
Drenos e Sondas
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Drenos
DrenosDrenos
Drenos
 
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
 

Destaque

Triptico Sonda Naso Gastrica
Triptico Sonda Naso GastricaTriptico Sonda Naso Gastrica
Triptico Sonda Naso Gastrica
Macarena Valenzuela
 
Transportedevitimas
TransportedevitimasTransportedevitimas
Transportedevitimas
Berenice Leite
 
Transporte intra hospitalar
Transporte intra hospitalarTransporte intra hospitalar
Transporte intra hospitalar
Pamela Manoela
 
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Viviane da Silva
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
Viviane da Silva
 
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar e Inter-Hospitalar
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar  e Inter-HospitalarTransporte de Pacientes: Intra-Hospitalar  e Inter-Hospitalar
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar e Inter-Hospitalar
Jeferson Espindola
 
DiagnóStico De EnfermeríA
DiagnóStico De EnfermeríADiagnóStico De EnfermeríA
DiagnóStico De EnfermeríA
Sandra Zapata
 
Posicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferênciasPosicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferências
eccifafe
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
Patricia Mendes
 
INSTALACION DE SONDA NASOGASTRICA
INSTALACION DE SONDA NASOGASTRICAINSTALACION DE SONDA NASOGASTRICA
INSTALACION DE SONDA NASOGASTRICA
yair flores
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
SMS - Petrópolis
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
Conceição Quirino
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
Mario Santos Aguiar
 
SNG CUIDADOS DE ENFERMERIA - ENFERMERIA DE URGENCIAS EMERGENCIAS
SNG CUIDADOS DE ENFERMERIA - ENFERMERIA DE URGENCIAS EMERGENCIAS SNG CUIDADOS DE ENFERMERIA - ENFERMERIA DE URGENCIAS EMERGENCIAS
SNG CUIDADOS DE ENFERMERIA - ENFERMERIA DE URGENCIAS EMERGENCIAS
SoniaDaisy SanchezPolo
 
Cuidados de enfermeria en pacientes con necesidad de alimentacion e hidratacion
Cuidados de enfermeria en pacientes con necesidad de alimentacion e hidratacionCuidados de enfermeria en pacientes con necesidad de alimentacion e hidratacion
Cuidados de enfermeria en pacientes con necesidad de alimentacion e hidratacion
Yolanda Siguas
 
Sondaje nasogastrico
Sondaje nasogastricoSondaje nasogastrico
Sondaje nasogastrico
Benn Torres
 
Sondas y drenajes
Sondas y drenajesSondas y drenajes
Sondas y drenajes
Lorena Montero
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
Claudio Luis Venturini
 

Destaque (19)

Triptico Sonda Naso Gastrica
Triptico Sonda Naso GastricaTriptico Sonda Naso Gastrica
Triptico Sonda Naso Gastrica
 
Transportedevitimas
TransportedevitimasTransportedevitimas
Transportedevitimas
 
Transporte intra hospitalar
Transporte intra hospitalarTransporte intra hospitalar
Transporte intra hospitalar
 
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar e Inter-Hospitalar
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar  e Inter-HospitalarTransporte de Pacientes: Intra-Hospitalar  e Inter-Hospitalar
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar e Inter-Hospitalar
 
DiagnóStico De EnfermeríA
DiagnóStico De EnfermeríADiagnóStico De EnfermeríA
DiagnóStico De EnfermeríA
 
Posicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferênciasPosicionamentos e transferências
Posicionamentos e transferências
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
219275986 manual-ufcd-6571-tecnicas-de-posicionamento-mobilizacao-transferenc...
 
INSTALACION DE SONDA NASOGASTRICA
INSTALACION DE SONDA NASOGASTRICAINSTALACION DE SONDA NASOGASTRICA
INSTALACION DE SONDA NASOGASTRICA
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
SNG CUIDADOS DE ENFERMERIA - ENFERMERIA DE URGENCIAS EMERGENCIAS
SNG CUIDADOS DE ENFERMERIA - ENFERMERIA DE URGENCIAS EMERGENCIAS SNG CUIDADOS DE ENFERMERIA - ENFERMERIA DE URGENCIAS EMERGENCIAS
SNG CUIDADOS DE ENFERMERIA - ENFERMERIA DE URGENCIAS EMERGENCIAS
 
Cuidados de enfermeria en pacientes con necesidad de alimentacion e hidratacion
Cuidados de enfermeria en pacientes con necesidad de alimentacion e hidratacionCuidados de enfermeria en pacientes con necesidad de alimentacion e hidratacion
Cuidados de enfermeria en pacientes con necesidad de alimentacion e hidratacion
 
Sondaje nasogastrico
Sondaje nasogastricoSondaje nasogastrico
Sondaje nasogastrico
 
Sondas y drenajes
Sondas y drenajesSondas y drenajes
Sondas y drenajes
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 

Semelhante a SONDAGENS E LAVAGENS

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
JessiellyGuimares
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
yassmim2023gomess
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
Gabriela Rodrigues Cavalheiro
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
ssuser51d27c1
 
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
GabriellyAndrade18
 
A 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptxA 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptx
FabianoDoVale
 
Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica
PascolatoAssessoria
 
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfAULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
IngredMariano1
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ssuser80ae40
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
Luana Santos
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
CASA
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
JoaraSilva1
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
bianca375788
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Sonda nasoenteral
Sonda nasoenteralSonda nasoenteral
Sonda nasoenteral
Alexandre Barbosa
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ssuser80ae40
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
AnthonySantos74
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
Artur Matavele Júnior
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Agneldo Ferreira
 

Semelhante a SONDAGENS E LAVAGENS (20)

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
 
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
 
A 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptxA 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptx
 
Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica
 
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfAULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Sonda nasoenteral
Sonda nasoenteralSonda nasoenteral
Sonda nasoenteral
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
 

Mais de Ivanilson Gomes

Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
AUTO EXAME DOS TESTÍSCULOS
AUTO EXAME DOS TESTÍSCULOSAUTO EXAME DOS TESTÍSCULOS
AUTO EXAME DOS TESTÍSCULOS
Ivanilson Gomes
 
VÍRUS ZIKA
VÍRUS ZIKAVÍRUS ZIKA
VÍRUS ZIKA
Ivanilson Gomes
 
PROCESSO DE TRABALHO EM CENTRO OBSTÉTRICO (CO)
PROCESSO DE TRABALHO EM CENTRO OBSTÉTRICO (CO)PROCESSO DE TRABALHO EM CENTRO OBSTÉTRICO (CO)
PROCESSO DE TRABALHO EM CENTRO OBSTÉTRICO (CO)
Ivanilson Gomes
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
Ivanilson Gomes
 
ESCALA DE BRADEN
ESCALA DE BRADENESCALA DE BRADEN
ESCALA DE BRADEN
Ivanilson Gomes
 
MALEFÍCIOS DO REFRIGERANTE
MALEFÍCIOS DO REFRIGERANTEMALEFÍCIOS DO REFRIGERANTE
MALEFÍCIOS DO REFRIGERANTE
Ivanilson Gomes
 
TOXICOLOGIA ALIMENTAR
TOXICOLOGIA ALIMENTARTOXICOLOGIA ALIMENTAR
TOXICOLOGIA ALIMENTAR
Ivanilson Gomes
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Ivanilson Gomes
 
Câncer de Pele - Assistência Integral
Câncer de Pele - Assistência IntegralCâncer de Pele - Assistência Integral
Câncer de Pele - Assistência Integral
Ivanilson Gomes
 
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃOCUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
Ivanilson Gomes
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Ivanilson Gomes
 
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇASPRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
Ivanilson Gomes
 
Antiepiléticos e Hipnóticos
Antiepiléticos e Hipnóticos Antiepiléticos e Hipnóticos
Antiepiléticos e Hipnóticos
Ivanilson Gomes
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
Ivanilson Gomes
 

Mais de Ivanilson Gomes (15)

Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
AUTO EXAME DOS TESTÍSCULOS
AUTO EXAME DOS TESTÍSCULOSAUTO EXAME DOS TESTÍSCULOS
AUTO EXAME DOS TESTÍSCULOS
 
VÍRUS ZIKA
VÍRUS ZIKAVÍRUS ZIKA
VÍRUS ZIKA
 
PROCESSO DE TRABALHO EM CENTRO OBSTÉTRICO (CO)
PROCESSO DE TRABALHO EM CENTRO OBSTÉTRICO (CO)PROCESSO DE TRABALHO EM CENTRO OBSTÉTRICO (CO)
PROCESSO DE TRABALHO EM CENTRO OBSTÉTRICO (CO)
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
 
ESCALA DE BRADEN
ESCALA DE BRADENESCALA DE BRADEN
ESCALA DE BRADEN
 
MALEFÍCIOS DO REFRIGERANTE
MALEFÍCIOS DO REFRIGERANTEMALEFÍCIOS DO REFRIGERANTE
MALEFÍCIOS DO REFRIGERANTE
 
TOXICOLOGIA ALIMENTAR
TOXICOLOGIA ALIMENTARTOXICOLOGIA ALIMENTAR
TOXICOLOGIA ALIMENTAR
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Câncer de Pele - Assistência Integral
Câncer de Pele - Assistência IntegralCâncer de Pele - Assistência Integral
Câncer de Pele - Assistência Integral
 
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃOCUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
 
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇASPRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS
 
Antiepiléticos e Hipnóticos
Antiepiléticos e Hipnóticos Antiepiléticos e Hipnóticos
Antiepiléticos e Hipnóticos
 
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIAESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
ESTUDO DE CASO APENDICECTOMIA
 

SONDAGENS E LAVAGENS

  • 2.   É a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina, deve-se utilizar técnica asséptica no procedimento a fim de evitar uma infecção urinária no paciente. Sondagem Vesical – Cateterismo Vesical
  • 3.   Aliviar a retenção urinária  Permitir irrigação vesical  Mensurar a urina residual da bexiga após a micção  Pré operatório e exames pélvicos  Coleta de urina estéril para exames  Controlar o débito urinário Finalidade Saco coletor – Sistema fechado
  • 4.   Coletor – Sistema Fechado  Sonda vesical (numeração adequada)  Biombo, Cúpula, Cuba Rim, pacote de gaze, seringa 20ml, pinça, luva estéril, luva de procedimento, xilocaína gel, clorexidina, água destilada, agulha 40x12, campo cirúrgico ou compressa estéril, esparadrapo. Material
  • 5.   1- Explicar ao paciente o que será feito  2- Preparar o material  3- Preparar o ambiente (retirar acompanhantes, posicionar o biombo, desocupar mesa da cabeceira)  4- *Posicionar o paciente (F/M)  5- Realizar lavagem das mãos na técnica correta  6- Pedir para o paciente retirar suas vestimentas da parte inferior.  7- Calçar as luvas de procedimento, e com auxílio da pinça, gaze e clorexidina realizar higienização da região genital. Procedimento
  • 6.  8- Calçar a luva estéril, posicione o campo cirúrgico ou compressa estéril na região genital do paciente.  Com auxílio de um outro profissional aspire a AD e teste o Cuff da sonda, após conecte a mesma junto a extensão do saco coletor (sistema fechado).  Sexo feminino: Peça para que passem xilocaina em aproximadamente 8cm da extensão da sonda, com sua mão NÃO dominante, afaste os pequenos e grandes lábios, introduza lentamente a sonda no canal da uretra até que a mesma esteja totalmente introduzida. Após infle o Cuff e tracione a sonda para que fique locada adequadamente. Realize a fixação. Procedimento
  • 7.
  • 8.   Sexo masculino: Retire o êmbolo da seringa de 20ml, despreze xilocaina gel dentro da seringa (+/-10ml), recoloque o êmbolo, com sua mão NÃO dominante segure o pênis do paciente, introduza a xilocaina dentro do canal da uretra, após introduza a sonda lentamente, até que a mesma esteja completamente inserida, infle o Cuff, e tracione para que fique locada adequadamente. Realize a fixação. Procedimento
  • 9.
  • 10.   Consiste na introdução de um cateter da uretra até á bexiga. É uma técnica asséptica e invasiva, e tem como principal objetivo, o esvaziamento vesical diante à situações agudas de retenção urinária (pós- operatório) ou coleta de exames em casos distintos. Sondagem De Alívio
  • 11.   Saco coletor descartável  Extensão silicone descartável  Sonda uretral (de acordo com a numeração certa)  Mascara, capote, gorro, gaze, xilocaina gel, seringa 20ml, campo cirurgico ou compressa esteril, luva estéril, luva de procedimento, clorexidina, esparadrapo Material
  • 12.
  • 14.   A Sonda Nasogástrica é um tubo de polivinil que quando prescrito, deve ser tecnicamente introduzido desde as narinas até o estômago. Sua finalidade está associada à maneira com ficará instalada no paciente, podendo ser aberta ou fechada. Definição
  • 15.  Obs: Importante ressaltar que na sondagem gástrica a sonda não progride para o duodeno, conforme demonstra a imagem, sua localização final é no estômago.
  • 16.   Quando o objetivo é drenar líquidos intra-gástrico, a saber:  - Esverdeado: Bile  - Borra de café: bile + sangue  - Sanguinolenta vivo  - Sanguinolento escuro  - Amarelado  Podemos exemplificar cirurgias onde no pós operatório se deseja o repouso do sistema digestivo e também em casos de intoxicação exógena, onde o conteúdo ingerido precisa ser removido rapidamente. Sonda Nasogástrica Aberta
  • 17.   Utilizada com finalidade de alimentação, quando por alguma razão o paciente não pode utilizar a boca no processo de digestão. Ex: câncer de língua, anorexia.  Obs: Quase nunca utilizada, cada dia menos presente nas unidades hospitalares e ambulatoriais. Sonda Nasogástrica Fechada
  • 18.  Sonda Nasogástrica (também chamada de Levine) de numeração 10, 12, 14, 16, 18 (adulto)  - esparadrapo  - xilocaína gel  - gaze  - par de luvas de procedimento  - seringa de 20ml  -estetoscópio  - toalha de rosto de uso pessoal  Caso a Sonda Nasogástrica seja aberta adicione:  -extensão  - saco coletor. Material
  • 19.   - Explicar a procedimento ao paciente;  - Colocá-lo em posição de Fowler;  - Colocar a toalha sob o pescoço;  - Calçar as luvas;  - Abrir o pacote da sonda;  - Medir o comprimento da sonda: do lóbulo da orelha até a ápse do nariz, até apêndice xifóide + 8 cm.  - Marcar o local com o esparadrapo;  - Passar xilocaína gel aproximadamente uns 10 cm;  - Introduzir a sonda por uma das narinas;  - Flexionar o pescoço aproximando ao tórax, pedindo ao paciente para realizar movimentos de deglutição;  - Introduzir a sonda até o ponto de marcação com o esparadrapo;  - Fazer os 2 testes: Encaixar a ponta da seringa na ponta da sonda, e aspirar se vier líquido, a sonda está no lugar certo; pegar o estetoscópio e auscultar. Procedimento
  • 20.
  • 21.   A Sonda Nasoenteral quando prescrita, deve ser tecnicamente introduzida desde as narinas até o estômago podendo progredir para o duodeno. Sua finalidade está associada a quadros de desnutrição e/ou quando o paciente está incapacitado de deglutir, sendo necessário um aporte nutricional maior. Sonda Nasoenteral
  • 22.   Sonda enteral DOOBBHOFF, com fio guia (mandril), Seringa de 20ml, gaze, toalha de rosto; xilocaína gel, esparadrapo, estetoscópio, biombo s/n, luvas de procedimento. Material
  • 23.   - Explicar a procedimento ao paciente;  - Colocá-lo em posição de Fowler;  - Colocar a toalha sob o pescoço;  - Calçar as luvas;  - Abrir o pacote da sonda;  - Medir o comprimento da sonda: do lóbulo da orelha até a ápse do nariz, até apêndice xifóide + 8 cm.  - Marcar o local com o esparadrapo;  - Passar xilocaína gel aproximadamente uns 10 cm;  - Introduzir a sonda por uma das narinas;  - Flexionar o pescoço aproximando ao tórax, pedindo ao paciente para realizar movimentos de deglutição;  - Introduzir a sonda até o ponto de marcação com o esparadrapo;  - Fazer os 2 testes: Encaixar a ponta da seringa na ponta da sonda, e aspirar se vier líquido, a sonda está no lugar certo; pegar o estetoscópio e auscultar. Procedimento
  • 24.   Após passagem da SNE, deve ser feito um raio x e mostrar ao médico, para certificar que a sonda esta locada adequadamente, só assim a dieta pode ser liberada. IMPORTANTE
  • 26.
  • 27.   É um procedimento terapêutico, no qual se introduz uma sonda até o interior do estômago, para irrigar e aspirar o seu conteúdo. Apesar do procedimento ser utilizado como preparação para a cirurgia gástrica e para alguns exames auxiliares de diagnóstico, é utilizada essencialmente no tratamento de intoxicações por via digestiva. Lavagem Gástrica
  • 28.   Sonda nasogástrica Levine de grosso calibre,  Gel hidrossolúvel ou Xilocaína  Luvas de procedimento,  Seringa de 20 ml  Estetoscópio,  Esparadrapo Material
  • 29.  Realizar lavagens das mãos, calçar luva de procedimento.  Realizar passagem de SNG conforme descrito no slide 19, e posicionar o paciente em decúbito lateral esquerdo elevado.  Aspirar o primeiro conteúdo gástrico e reservar para análise toxicológica (30ml).  Infundir e retirar 250ml de SF 0,9% ou água em adultos, e 10ml/kg em crianças (aquecido). Ou conforme prescrição médica.  O volume retornado deve ser próximo ao volume ofertado.  Repetir até que o volume retornado esteja límpido. Comunique ao médico para que o mesmo suspenda o procedimento ou que mantenha a lavagem. Procedimento
  • 31.   Consiste em remover o conteúdo fecal presente no intestino grosso, devido seu processo de endurecimento (fecaloma), caracterizado por hábitos intestinais irregulares. Definição
  • 32.   Enteroclisma: Preparado pelo Aux.Tec enfermagem ou Enfermeiro de acordo com a prescrição médica, consiste em parte de solução fisiológica 0,9 % e Glicerina. Normalmente é utilizado: 800 ml Soro Fisiológico 0,9% 200 ml Glicerina  Fleet Enema: Material retirado na farmácia ou almoxarifado, sua formulação já é pronta.
  • 33.  Enteroclisma: Em um Soro fisiológico de 1000 ml, retire 200ml e despreze. Separadamente reserve 200 ml de glicerina. Após, aspire a glicerina e injete dentro do SF, tendo um total de 1000ml. Conecte o equipo do Soro, retire o ar e deixe numa bandeja junto com sonda retal, xilocaina gel e esparadrapo.  Realize a lavagem das mãos, explique o procedimento ao paciente, deixe-o em posição de sims, calce luva de procedimento, conecte a sonda retal ao equipo de soro e a lubrifique com xilocaina, introduza via retal em torno de 8 a 10cm, faça a fixação com esparadrapo.  Abra o soro e deixe correr lentamente, gota a gota. Como Preparar.
  • 34.   Fleet Enema: Separe o material numa bandeja contendo: Luva de procedimento, xilocaina gel, frasco de fleet enema.  Realize a lavagem das mãos, explique o procedimento ao paciente, deixe-o em posição de sims, calce luva de procedimento, retire a capa protetora da cânula retal e a lubrifique com xilocaina, insira suavemente a cânula no reto, pois pode causar alguma lesão. Injete o conteúdo do frasco e oriente o paciente a segurar o máximo possível, após instantes ofereça uma comadre ou auxilie até ir ao banheiro.