SlideShare uma empresa Scribd logo
ENFERMAGEM
PERIOPERATÓRIA
Hello!
Aline Bandeira
Enfermeira Especialista em Saúde da Família e das
comunidades.
Desliguem os
celulares
”
▹O termo perioperatório é
empregado para descrever todo o
período da cirurgia, incluindo antes
e após a cirurgia em si. As três fases
dos cuidados perioperatórios são:
Pré-operatório, Trans-operatório e
Pós-operatório.
4
PERÍODOS CIRÚRGICOS5
Períodos
Cirúrgicos
Pré
Operatório
Intra
Operatório
Pós
Operatório
6
Período de tempo desde
que é tomada a decisão da
cirurgia até o
paciente ser transferido
para a mesa de cirurgia
Pré
Operatório
7 Intra
Operatório
Começa quando o paciente
é transferido para a
mesa da sala de cirurgia e
termina na Sala de
recuperação pós-
anestésica.
8
Pós
Operatório
Começa com a admissão
do paciente na SRPA e
termina com uma avaliação
de acompanhamento
clínico ou em casa.
9
PRÉ
OPERATÓRIO
PRÉ OPERATÓRIO
▹Da decisão cirúrgica até a transferência do cliente para a
mesa cirúrgica
11
12 Desde a indicação para a
cirurgia →
até o dia anterior à mesma
Cliente é submetido a
exames que auxiliam na
confirmação do diagnóstico
Auxiliarão no planejamento
das Ações, Inclui neste
período orientações dadas
ao paciente
24 horas anteriores à
cirurgia
Preparação do cliente para
o ato cirúrgico:
Jejum, preparo intestinal,
esvaziamento vesical,
preparo da pele (tricotomia).
MEDIATO IMEDIATO
13
REVISÃO DOS EXAMES DIAGNÓSTICOS E LABORATORIAIS
PRÉ-OPERATÓRIOS
▹Hemograma completo
▹Glicemia de Jejum
▹Sinais vitais
▹Tipagem sanguínea e prova de
coagulação
▹Função Renal
▹Eletrocardiograma
▹ Condição circulatória
▹Outros exames relacionados
ao procedimento ou à condição
clínica do paciente
14
TERMO DE CONSENTIMENTO
INFORMADO
15
”
16
▹CIRUGIAS NÃO EMERGENCIAIS
▹ASSINAR O FORMULÁRIO QUE FICARÁ EM
LUGAR DE DESTAQUE NO PRONTUÁRIO
▹ANTES DA SEDAÇÃO
▹REPASSADA INFORMAÇÕES DO PROCEDIMENTO
ESTADO NUTRICIONAL E
HÍDRICO
▹Qualquer deficiência
nutricional, como a desnutrição
deverá corrigida antes da cirurgia
de modo que a proteína
suficiente esteja disponibilizada
para a reparação tissular.
17
▹A nutrição ótima é um fator
essencial na promoção de cura e
resistência à infecção e a outras
complicações cirúrgicas.
”
PESQUISA: NUTRIENTES
IMPORTANTES PARA
CICATRIZAÇÃO DAS FERIDAS
18
USO DE ÁLCOOL E DROGAS
▹Alcoolismo crônico;
▹ Observar desnutrição;
▹ Abstinência do álcool;
▹Delirium tremens – prevista
entre 48 e 72h após a
abstinência do álcool.
▹Taxa de mortalidade
significativa no PóS OP.
19
ESTADO RESPIRATÓRIO
20
A meta para pacientes cirúrgicos potenciais é a
função respiratória ótima. Ensino sobre exercícios
respiratórios Incentivo a fisioterapia respiratória
Fumantes: parar de fumar 2 meses antes ou no máximo
24 horas antes ( devido a reatividade aumentada da via
aérea, depuração muco ciliar diminuída, bem como as
alterações fisiológicasdo sistema cardiovascular e imune.
ESTADO CARDIOVASCULAR
▹Hipertensão arterial
descontrolada: contra-indicado
▹Doença cardiovascular
aumenta o risco de complicações.
Necessário assegurar um bom
funcionamento cardiovascular
para satisfazer as necessidades
de oxigenação, hídrica e
nutricionais.
▹Em casos de risco para
pressão alta, realizar
Modificação no tratamento
cirúrgico.
▹EX: (Ressecção do colon por colostomia
simples menos exposição ao período
anestésico ao invés de uma cirurgia mais
21
FUNÇÃO HEPÁTICA E RENAL
1. Fígado: biotransformação dos compostos anestésicos.
2. Rins: excreção de medicamentos anestésicos e seus
metabólicos.
▹Cirurgia contra-indicada: nefrite aguda, IRA com oligúria ou anúria.
Exceção: medida salvadora ou necessária para melhorar a-função
urinária (uropatia obstrutiva).
22
FUNÇÃO ENDÓCRINA
▹Diabetes: risco de
23
hipoglicemia (ingestão
insuficiente e administração
excessiva de insulina) durante a
anestesia ou no PÓS OP
▹hiperglicemia (devido ao
estresse cirúrgico que aumenta o
risco: de infecção);
▹meta: glicemia em menos
200mg/dl
USO DE MEDICAMENTOS
PRÉVIOS
▹Histórica Medicamentosa de cada
paciente (Anestesiologista);
▹Casos específicos:
▹Aspirina, interromper 7 a 10 dias
antes de cirurgias significativas;
▹Medicamentos fitoterápicos,
interromper 2 a 3 semanas antes da
cirurgia.
24
25
Equinácea, Éfedra,
Alho(Allium sativum),
Ginkgo biloba, Ginseng,
Kava kava, Erva-são-
joão, Alcaçuz, Valeriana
(Valeriana officinalis)
SITUAÇÕES ESPECIAIS
▹Pacientes obesos
A obesidade aumenta o risco e a gravidade das
complicações associadas a cirurgia, como por exemplo, as
deiscências e infecções de ferida cirúrgica.
O peso avantajado é um fator complicante devido a
dificuldade de cuidar. Em decúbito dorsal o cliente obeso
respira mal, o que aumenta o risco de hipoventilação e
complicações pulmonares pós-operatórias. Além disso, a
distensão abdominal a flebite e as doenças
cardiovasculares, endócrinas, hepáticas e biliares
ocorrem mais prontamente nos pacientes obesos.
26
Deiscência27
28
29
SITUAÇÕES ESPECIAIS
▹Pacientes idosos: Podem estar associados doenças
crônicas concomitantes aquelas em que o motivo leva ao
procedimento cirúrgico.
▹ O risco está no número e à gravidade dos problemas
de saúde coexistente e á natureza e duração de
procedimento operatório. O cliente idoso apresenta
menor reserva fisiológica, onde as reservas cardíacas são
menores, as funções renal e hepática estão deprimidas e
a atividade gastrointestinal esteja reduzida. A artrite
pode afetar a imobilidade e condutas devem ser
realizadas para a redução de pressão em protuberâncias
ósseas. Com a diminuição do tecido adiposo, o cliente
idoso torna-se ais susceptível a alterações da
temperatura.
30
Ensino de
Enfermagem
Pré Operatório
Efeito do
Ensino Pré
Operatório nos
Resultados
31
Pesquisa para determinar a eficácia do
ensino de enfermagem
▹108 mulheres
▹Histerectomia abdominal total
▹Ensino pré operatório
▹Deambulação
32
▹As complicações pós operatórias mais comuns de
histerectomia total ou qualquer cirurgia abdominal
são a atelectasia, pneumonia, íleo paralítico e
trombose venosa profunda. Os estudos mostraram que
a deambulação PÓS OP diminuiu ou impede essas
complicações.
”
QUANDO E O QUE ENSINAR?
33
INSTRUÇÕES AO PACIENTE
▹Respiração Diafragmática;
▹Tosse;
▹Exercício com a perna;
▹Virando para o lado;
▹Levantando-se do leito.
34
INSTRUÇÕES AO PACIENTE
▹Uma das metas do cuidado de enfermagem no pré-
operatório é ensinar ao paciente como promover a
expansão pulmonar e a oxigenação sanguínea após a
anestesia geral. Isto é conseguido pela demonstração
para o paciente sobre como fazer uma respiração
profunda e lenta e sobre como expirar lentamente e ainda
o ensino 'da utilização do espirômetro. Deve ser ensinado
Enfermeiro
35
36
▹A meta quanto a promoção da tosse
é mobilizar as secreções de forma que
elas possam ser removidas. Quando
uma respiração profunda é feita antes
da tosse, o reflexo da tosse é
estimulado.
37
▹Colocar as mãos entrelaçadas
no abdome nos casos de cirurgias
abdominais e torácicas, para
alívio da dor em casos de tosse.
▹Se o paciente não tosse
efetivamente, atelectasia,
pneumonia e outras complicações
pulmonares.
TOSSE
38
Mudança de Decúbito e
Movimentação Ativa do
Corpo
▹As metas quanto à promoção de
movimentos corporais deliberados no
pós-operatório são melhorar a
circulação, prevenir a estase venosa e
contribuir para uma ótima função
respiratória.
39
▹Deve-se usar uma adequada
mecânica corporal e a instruir o
paciente a fazer o mesmo.
MOBILIDADE E MOVIMENTO
CORPORAL ATIVO
40
MOBILIDADE E MOVIMENTO
CORPORAL ATIVO41
Controle da Dor
▹O paciente é informado que
a medicação pré-anestésica
será administrada para
promover o relaxamento,
podendo causar sonolência e
possivelmente sede.
▹ No pós-operatório
medicações serão
administradas para reduzir a
dor e manter o conforto, ao
paciente é assegurado que a
medicação estará disponível.
42
Controlando a Nutrição e
Líquidos
▹O propósito da suspensão dos
alimentos antes da cirurgia é evitar a
aspiração. A aspiração acontece
quando o alimento ou líquido é
regurgitado do estômago e entra no
sistema pulmonar.
43
▹JEJUM:As restrições dependem da
idade e do tipo de alimento ingerido
▹12 h - cirurgias do trato
gastrointestinal
▹08 h - ingestão de alimentos
gordurosos; 04 h - ingestão Láctea;
▹02 h - líquidos leves
Preparo Intestinal
▹Os enemas NÃO são comumente
prescritos, a menos que o paciente
vá se submeter a uma cirurgia
abdominal pélvica. Os objetivos
desta preparação são permitir a
visualização satisfatória do sítio
cirúrgico e evitar o trauma do
intestino e a contaminação do
peritônio por fezes.
▹Antibióticos podem ser prescritos
para reduzir a flora intestinal
44
Preparo da pele
▹A meta da preparação da pele
no pré-operatório é diminuir as
fontes bacterianas sem lesar a
pele.
▹Quando há tempo, como em
uma cirurgia eletiva, o paciente
pode ser instruído a utilizar um
sabão contendo um detergente
germicida para limpar a região da
pele vários dias antes da cirurgia
para reduzir o número de
organismos da pele.
45
▹O horário do banho deve ser o mais/próximo possível |do
horário da cirurgia e a finalidade é reduzir o risco de
contaminação da pele da ferida cirúrgica a lavagem dos
cabelos no dia anterior à operação é aconselhável a menos
que a condição do paciente não o permita
46
▹É preferível que a pele no local e à volta da região a ser
operada não seja tricotomizada. Se o pelo deve ser
removido, os cortadores elétricos são usados para a
remoção segura de pelo imediatamente antes da cirurgia
47
No entanto, diante da necessidade da tricotomia, deve-se
atentar para dois indicadores: período máximo de duas horas
antes da cirurgia e utilizar o tricotomizador elétrico. Essas
são medidas imprescindíveis para promover segurança do
paciente diante da intervenção cirúrgica, reduzindo os riscos
da infecção do sítio cirúrgico
48
”
INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM
PRÉ-OPERATÓRIAS IMEDIATAS
49
Administração de Medicamento Pré-anestésico
50
Manutenção do Registro
Transporte do paciente
”
▹Vestir camisola hospitalar apropriada; - Cobrir a cabeça com um
gorro;
▹- Remover próteses dentárias (podem gerar obstrução
respiratória); - Remover jóias, bijuterias, piercings, maquiagem e
cabelos de náilon;
▹- Roupas íntimas devem ser retiradas;
▹Retirar esmalte
▹- Orientar para urinar imediatamente antes da cirurgia, a fim de
promover a continência durante a cirurgia abdominal baixa e tornar
mais acessíveis os órgãos abdominais; a sondagem deverá ser feita
somente em sala cirúrgica. - Administrar medicação pré-anestésica
"perante a chamada da sala de cirurgia". Por provocar sonolência e
tonteira, as grades do leito ou da maca deverão estar elevadas;
51
”
▹Registro Pré-ooeratórío
▹Pode ser realizado através de roteiro pré-operatório
(checklist). O prontuário completo acompanha o paciente à
sala de operação. O consentimento informado é também
afixado, assim como todos os resultados laboratoriais e
evoluções de enfermagem. Qualquer observação de última
hora não usual, que possa ter influência sobre a anestesia ou
cirurgia, ,é colocada na parte anterior do prontuário em um
local de evidência
52
ATENÇÃO!53
Resultados
Esperados!
▹Alívio da Ansiedade;
▹Medo Diminuído;
▹Compreensão da
Intervenção Cirúrgica;
▹Nenhuma evidência de
complicação pré
operatória.
54
”
Bons Estudos
55

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
Janaína Lassala
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
Fernando de Oliveira Dutra
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Bruna Guimarães
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
Viviane da Silva
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
MirnaKathary1
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Drenos
DrenosDrenos
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Juliana Maciel
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
Eliane Pereira
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
Viviane da Silva
 

Mais procurados (20)

Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Drenos
DrenosDrenos
Drenos
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 

Semelhante a Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4

CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
EvelineMachado3
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Raniery Penha
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
RodolfoFreitas21
 
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IICirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Enfº Ícaro Araújo
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Assistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POIAssistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POI
Raquelzinha Vales
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
Rodrigo Abreu
 
Uerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritoUerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabarito
tatysants
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Bruno Cavalcante Costa
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Mayara Rodrigues
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Assistência em tratamento cirúrgico 2.pptx
Assistência em tratamento cirúrgico 2.pptxAssistência em tratamento cirúrgico 2.pptx
Assistência em tratamento cirúrgico 2.pptx
mesadedestaque
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
Aline Ferreira
 
Slide de Gastrectomia
Slide de Gastrectomia Slide de Gastrectomia
Slide de Gastrectomia
Francisca Maria
 
Ciclo iii 02
Ciclo iii 02Ciclo iii 02
Ciclo iii 02
Rodrigo Abreu
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
Eduardo Bernardino
 
cirurgia urologica.pptx.........................
cirurgia urologica.pptx.........................cirurgia urologica.pptx.........................
cirurgia urologica.pptx.........................
joseantoniodesouza72
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
doriene
 
Hiperidrose primária
Hiperidrose primáriaHiperidrose primária

Semelhante a Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4 (20)

CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IICirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Assistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POIAssistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POI
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
 
Uerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritoUerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabarito
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Assistência em tratamento cirúrgico 2.pptx
Assistência em tratamento cirúrgico 2.pptxAssistência em tratamento cirúrgico 2.pptx
Assistência em tratamento cirúrgico 2.pptx
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
 
Slide de Gastrectomia
Slide de Gastrectomia Slide de Gastrectomia
Slide de Gastrectomia
 
Ciclo iii 02
Ciclo iii 02Ciclo iii 02
Ciclo iii 02
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
 
cirurgia urologica.pptx.........................
cirurgia urologica.pptx.........................cirurgia urologica.pptx.........................
cirurgia urologica.pptx.........................
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
 
Hiperidrose primária
Hiperidrose primáriaHiperidrose primária
Hiperidrose primária
 

Último

Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 

Último (6)

Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 

Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4

  • 2. Hello! Aline Bandeira Enfermeira Especialista em Saúde da Família e das comunidades.
  • 4. ” ▹O termo perioperatório é empregado para descrever todo o período da cirurgia, incluindo antes e após a cirurgia em si. As três fases dos cuidados perioperatórios são: Pré-operatório, Trans-operatório e Pós-operatório. 4
  • 6. 6 Período de tempo desde que é tomada a decisão da cirurgia até o paciente ser transferido para a mesa de cirurgia Pré Operatório
  • 7. 7 Intra Operatório Começa quando o paciente é transferido para a mesa da sala de cirurgia e termina na Sala de recuperação pós- anestésica.
  • 8. 8 Pós Operatório Começa com a admissão do paciente na SRPA e termina com uma avaliação de acompanhamento clínico ou em casa.
  • 9. 9
  • 11. PRÉ OPERATÓRIO ▹Da decisão cirúrgica até a transferência do cliente para a mesa cirúrgica 11
  • 12. 12 Desde a indicação para a cirurgia → até o dia anterior à mesma Cliente é submetido a exames que auxiliam na confirmação do diagnóstico Auxiliarão no planejamento das Ações, Inclui neste período orientações dadas ao paciente 24 horas anteriores à cirurgia Preparação do cliente para o ato cirúrgico: Jejum, preparo intestinal, esvaziamento vesical, preparo da pele (tricotomia). MEDIATO IMEDIATO
  • 13. 13
  • 14. REVISÃO DOS EXAMES DIAGNÓSTICOS E LABORATORIAIS PRÉ-OPERATÓRIOS ▹Hemograma completo ▹Glicemia de Jejum ▹Sinais vitais ▹Tipagem sanguínea e prova de coagulação ▹Função Renal ▹Eletrocardiograma ▹ Condição circulatória ▹Outros exames relacionados ao procedimento ou à condição clínica do paciente 14
  • 16. ” 16 ▹CIRUGIAS NÃO EMERGENCIAIS ▹ASSINAR O FORMULÁRIO QUE FICARÁ EM LUGAR DE DESTAQUE NO PRONTUÁRIO ▹ANTES DA SEDAÇÃO ▹REPASSADA INFORMAÇÕES DO PROCEDIMENTO
  • 17. ESTADO NUTRICIONAL E HÍDRICO ▹Qualquer deficiência nutricional, como a desnutrição deverá corrigida antes da cirurgia de modo que a proteína suficiente esteja disponibilizada para a reparação tissular. 17 ▹A nutrição ótima é um fator essencial na promoção de cura e resistência à infecção e a outras complicações cirúrgicas.
  • 19. USO DE ÁLCOOL E DROGAS ▹Alcoolismo crônico; ▹ Observar desnutrição; ▹ Abstinência do álcool; ▹Delirium tremens – prevista entre 48 e 72h após a abstinência do álcool. ▹Taxa de mortalidade significativa no PóS OP. 19
  • 20. ESTADO RESPIRATÓRIO 20 A meta para pacientes cirúrgicos potenciais é a função respiratória ótima. Ensino sobre exercícios respiratórios Incentivo a fisioterapia respiratória Fumantes: parar de fumar 2 meses antes ou no máximo 24 horas antes ( devido a reatividade aumentada da via aérea, depuração muco ciliar diminuída, bem como as alterações fisiológicasdo sistema cardiovascular e imune.
  • 21. ESTADO CARDIOVASCULAR ▹Hipertensão arterial descontrolada: contra-indicado ▹Doença cardiovascular aumenta o risco de complicações. Necessário assegurar um bom funcionamento cardiovascular para satisfazer as necessidades de oxigenação, hídrica e nutricionais. ▹Em casos de risco para pressão alta, realizar Modificação no tratamento cirúrgico. ▹EX: (Ressecção do colon por colostomia simples menos exposição ao período anestésico ao invés de uma cirurgia mais 21
  • 22. FUNÇÃO HEPÁTICA E RENAL 1. Fígado: biotransformação dos compostos anestésicos. 2. Rins: excreção de medicamentos anestésicos e seus metabólicos. ▹Cirurgia contra-indicada: nefrite aguda, IRA com oligúria ou anúria. Exceção: medida salvadora ou necessária para melhorar a-função urinária (uropatia obstrutiva). 22
  • 23. FUNÇÃO ENDÓCRINA ▹Diabetes: risco de 23 hipoglicemia (ingestão insuficiente e administração excessiva de insulina) durante a anestesia ou no PÓS OP ▹hiperglicemia (devido ao estresse cirúrgico que aumenta o risco: de infecção); ▹meta: glicemia em menos 200mg/dl
  • 24. USO DE MEDICAMENTOS PRÉVIOS ▹Histórica Medicamentosa de cada paciente (Anestesiologista); ▹Casos específicos: ▹Aspirina, interromper 7 a 10 dias antes de cirurgias significativas; ▹Medicamentos fitoterápicos, interromper 2 a 3 semanas antes da cirurgia. 24
  • 25. 25 Equinácea, Éfedra, Alho(Allium sativum), Ginkgo biloba, Ginseng, Kava kava, Erva-são- joão, Alcaçuz, Valeriana (Valeriana officinalis)
  • 26. SITUAÇÕES ESPECIAIS ▹Pacientes obesos A obesidade aumenta o risco e a gravidade das complicações associadas a cirurgia, como por exemplo, as deiscências e infecções de ferida cirúrgica. O peso avantajado é um fator complicante devido a dificuldade de cuidar. Em decúbito dorsal o cliente obeso respira mal, o que aumenta o risco de hipoventilação e complicações pulmonares pós-operatórias. Além disso, a distensão abdominal a flebite e as doenças cardiovasculares, endócrinas, hepáticas e biliares ocorrem mais prontamente nos pacientes obesos. 26
  • 28. 28
  • 29. 29
  • 30. SITUAÇÕES ESPECIAIS ▹Pacientes idosos: Podem estar associados doenças crônicas concomitantes aquelas em que o motivo leva ao procedimento cirúrgico. ▹ O risco está no número e à gravidade dos problemas de saúde coexistente e á natureza e duração de procedimento operatório. O cliente idoso apresenta menor reserva fisiológica, onde as reservas cardíacas são menores, as funções renal e hepática estão deprimidas e a atividade gastrointestinal esteja reduzida. A artrite pode afetar a imobilidade e condutas devem ser realizadas para a redução de pressão em protuberâncias ósseas. Com a diminuição do tecido adiposo, o cliente idoso torna-se ais susceptível a alterações da temperatura. 30
  • 31. Ensino de Enfermagem Pré Operatório Efeito do Ensino Pré Operatório nos Resultados 31
  • 32. Pesquisa para determinar a eficácia do ensino de enfermagem ▹108 mulheres ▹Histerectomia abdominal total ▹Ensino pré operatório ▹Deambulação 32 ▹As complicações pós operatórias mais comuns de histerectomia total ou qualquer cirurgia abdominal são a atelectasia, pneumonia, íleo paralítico e trombose venosa profunda. Os estudos mostraram que a deambulação PÓS OP diminuiu ou impede essas complicações.
  • 33. ” QUANDO E O QUE ENSINAR? 33
  • 34. INSTRUÇÕES AO PACIENTE ▹Respiração Diafragmática; ▹Tosse; ▹Exercício com a perna; ▹Virando para o lado; ▹Levantando-se do leito. 34
  • 35. INSTRUÇÕES AO PACIENTE ▹Uma das metas do cuidado de enfermagem no pré- operatório é ensinar ao paciente como promover a expansão pulmonar e a oxigenação sanguínea após a anestesia geral. Isto é conseguido pela demonstração para o paciente sobre como fazer uma respiração profunda e lenta e sobre como expirar lentamente e ainda o ensino 'da utilização do espirômetro. Deve ser ensinado Enfermeiro 35
  • 36. 36
  • 37. ▹A meta quanto a promoção da tosse é mobilizar as secreções de forma que elas possam ser removidas. Quando uma respiração profunda é feita antes da tosse, o reflexo da tosse é estimulado. 37 ▹Colocar as mãos entrelaçadas no abdome nos casos de cirurgias abdominais e torácicas, para alívio da dor em casos de tosse. ▹Se o paciente não tosse efetivamente, atelectasia, pneumonia e outras complicações pulmonares. TOSSE
  • 38. 38
  • 39. Mudança de Decúbito e Movimentação Ativa do Corpo ▹As metas quanto à promoção de movimentos corporais deliberados no pós-operatório são melhorar a circulação, prevenir a estase venosa e contribuir para uma ótima função respiratória. 39 ▹Deve-se usar uma adequada mecânica corporal e a instruir o paciente a fazer o mesmo.
  • 42. Controle da Dor ▹O paciente é informado que a medicação pré-anestésica será administrada para promover o relaxamento, podendo causar sonolência e possivelmente sede. ▹ No pós-operatório medicações serão administradas para reduzir a dor e manter o conforto, ao paciente é assegurado que a medicação estará disponível. 42
  • 43. Controlando a Nutrição e Líquidos ▹O propósito da suspensão dos alimentos antes da cirurgia é evitar a aspiração. A aspiração acontece quando o alimento ou líquido é regurgitado do estômago e entra no sistema pulmonar. 43 ▹JEJUM:As restrições dependem da idade e do tipo de alimento ingerido ▹12 h - cirurgias do trato gastrointestinal ▹08 h - ingestão de alimentos gordurosos; 04 h - ingestão Láctea; ▹02 h - líquidos leves
  • 44. Preparo Intestinal ▹Os enemas NÃO são comumente prescritos, a menos que o paciente vá se submeter a uma cirurgia abdominal pélvica. Os objetivos desta preparação são permitir a visualização satisfatória do sítio cirúrgico e evitar o trauma do intestino e a contaminação do peritônio por fezes. ▹Antibióticos podem ser prescritos para reduzir a flora intestinal 44
  • 45. Preparo da pele ▹A meta da preparação da pele no pré-operatório é diminuir as fontes bacterianas sem lesar a pele. ▹Quando há tempo, como em uma cirurgia eletiva, o paciente pode ser instruído a utilizar um sabão contendo um detergente germicida para limpar a região da pele vários dias antes da cirurgia para reduzir o número de organismos da pele. 45
  • 46. ▹O horário do banho deve ser o mais/próximo possível |do horário da cirurgia e a finalidade é reduzir o risco de contaminação da pele da ferida cirúrgica a lavagem dos cabelos no dia anterior à operação é aconselhável a menos que a condição do paciente não o permita 46 ▹É preferível que a pele no local e à volta da região a ser operada não seja tricotomizada. Se o pelo deve ser removido, os cortadores elétricos são usados para a remoção segura de pelo imediatamente antes da cirurgia
  • 47. 47 No entanto, diante da necessidade da tricotomia, deve-se atentar para dois indicadores: período máximo de duas horas antes da cirurgia e utilizar o tricotomizador elétrico. Essas são medidas imprescindíveis para promover segurança do paciente diante da intervenção cirúrgica, reduzindo os riscos da infecção do sítio cirúrgico
  • 48. 48
  • 50. Administração de Medicamento Pré-anestésico 50 Manutenção do Registro Transporte do paciente
  • 51. ” ▹Vestir camisola hospitalar apropriada; - Cobrir a cabeça com um gorro; ▹- Remover próteses dentárias (podem gerar obstrução respiratória); - Remover jóias, bijuterias, piercings, maquiagem e cabelos de náilon; ▹- Roupas íntimas devem ser retiradas; ▹Retirar esmalte ▹- Orientar para urinar imediatamente antes da cirurgia, a fim de promover a continência durante a cirurgia abdominal baixa e tornar mais acessíveis os órgãos abdominais; a sondagem deverá ser feita somente em sala cirúrgica. - Administrar medicação pré-anestésica "perante a chamada da sala de cirurgia". Por provocar sonolência e tonteira, as grades do leito ou da maca deverão estar elevadas; 51
  • 52. ” ▹Registro Pré-ooeratórío ▹Pode ser realizado através de roteiro pré-operatório (checklist). O prontuário completo acompanha o paciente à sala de operação. O consentimento informado é também afixado, assim como todos os resultados laboratoriais e evoluções de enfermagem. Qualquer observação de última hora não usual, que possa ter influência sobre a anestesia ou cirurgia, ,é colocada na parte anterior do prontuário em um local de evidência 52
  • 54. Resultados Esperados! ▹Alívio da Ansiedade; ▹Medo Diminuído; ▹Compreensão da Intervenção Cirúrgica; ▹Nenhuma evidência de complicação pré operatória. 54

Notas do Editor

  1. PESQUISA: NUTRIENTES IMPORTANTES PARA CICATRIZAÇÃO DAS FERIDAS
  2. Exemplos de medicamentoscom potencial para afetar a exeperiência cirúrgica OBS: Medicamentos a base de ervas: efeitos sobre a coagulação e interação com outros medicamentos: Equinácea, Éfedra, Alho(Allium sativum), Ginkgo biloba, Ginseng, Kava kava, Erva-são-joão, Alcaçuz, Valeriana (Valeriana officinalis)
  3. No entanto, diante da necessidade da tricotomia, deve-se atentar para dois indicadores: período máximo de duas horas antes da cirurgia e utilizar o tricotomizador elétrico. Essas são medidas imprescindíveis para promover segurança do paciente diante da intervenção cirúrgica, reduzindo os riscos da infecção do sítio cirúrgico