SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 75
Introdução à Enfermagem 
Aula Higiene e Conforto 
Prof. Enfª Viviane D. da Silva
ÉÉttiiccaa nnoo pprroocceeddiimmeennttoo 
Código de ética dos profissionais de enfermagem 
 Das relações com a pessoa, família e coletividade 
Responsabilidades e deveres 
Art 19. Respeitar o pudor, a privacidade e a íntimidade 
do ser humano, em todo o seu ciclo vital, inclusive nas 
situações de morte e pós morte. 
Art 25.Registrar no Prontuário do Paciente as 
informações inerentes e indispensáveis ao processo de 
cuidar.
ÉÉttiiccaa nnoo pprroocceeddiimmeennttoo 
 Das relações com trabalhadores de enfermagem, 
saúde d e o u t r o s d e v e r e s 
Responsabilidades e deveres 
Art 39. Participar da orientação sobre benefícios, riscos e 
conseqüências decorrentes de exames e de outros 
procedimentos, na condição de membro da equipe de 
saúde. 
Do sigilo profissional 
Art 83. Orientar, na condição de Enfermeiro, a equipe sob 
sua responsabilidade sobre o dever do sigilo profissional.
AAggrraavvaanntteess 
 Negligência 
Falta de cuidado, de atenção, desleixo, falta de interesse de 
monitoração, indiferença, preguiça, descuido. 
Ex: Posicionar o cliente de maneira errada; deixar de fazer 
higiene. 
 Imprudência 
Falta de prudência; forma de culpa, que consiste na falta 
involuntária de observância de medidas de precaução e 
segurança, de consequências previsíveis, que se faziam 
necessárias no momento, para evitar um mal. 
Ex: Inspeção diária, para que não ocorra o aparecimento de 
úlceras.
Higiene corporal envolve: 
• Higiene oral 
• Banho 
• Higiene íntima ou lavagem externa 
• Lavagem dos cabelos ou “xampu” 
• Higiene das mãos e do rosto
Importância da higiene corporal 
Conceito de higiene 
e saúde 
prevenção de problemas 
(verminoses, escabiose, 
pediculose, infecções de pele)
Fatores que influenciam 
a prática de higiene 
• Práticas sociais – c ultura , há bito s fam ilia re s 
• Condição sócio-econômica – lim ita ç õ e s , a d a p ta ç õ e s . 
• Conhecimento 
• Preferências pessoais 
• Condição física e mental
Doença e hospitalização 
necessidades de higiene 
• Fatores que influenciam a capacidade da 
pessoa para fazer o auto cuidado 
• Limitações 
Percepção da necessidade, 
Diminuição da tolerância para a atividade (fadiga, 
redução da força muscular) 
Capacidade de equilibrar-se, ficar em pé, sentar. 
Coordenação motora 
Visão 
Dor
http://catalogohospitalar.com.br/kit-banho-no-leito.html 
BBaannhhoo 
http://serdeficiente.blogspot.com/2008_08_01_archive.htm 
l 
http://www.metalbagno.com.br/www/arquivos/produt 
os/9lu8i4n1_coluna%20banho%20croma%20160.JPG
Intervenções 
• Higiene oral – limpeza, conforto e umidificação das 
estruturas da boca e próteses quando presentes. 
• Cuidados com os cabelos: lavar e pentear 
• Tricotomia do pêlo facial (fazer a barba) 
• Higiene corporal completa incluindo unhas 
• Lavagem das mão antes e após refeições e após 
eliminações. 
• Higiene perineal no pós-parto e certas cirurgias, 
• Higiene íntima após eliminações, antes de 
cateterismo vesical, após a retirada da sonda
• Higiene: a prática varia de indivíduo para 
individuo; 
• Umidade, migalhas de alimentos, lençóis 
amarrotados: causam escaras.
Problemas comuns na falta de higiene: 
• Odores desagradáveis; 
• Unhas encravadas; 
• Formação de placas, tártaros 
e gengivite; 
• Língua saburrosa; 
• Caspa, piolhos, lêndias.
1.Banho 
No momento do banho a enfermagem 
Deve aproveitar para movimentar as 
Articulações do paciente e massagear 
seus membros inferiores e superiores da 
extremidade distal para proximal. 
• Banho de aspersão/ chuveiro pode ser com 
ou sem auxílio; 
• Banho no leito;
TTiippooss ddee bbaannhhoo 
1- Imersão - banho na 
banheira; 
2- Ablução - colocar 
pequenas porções de 
água sobre o corpo; 
3- Completo no leito – 
administrado em 
clientes totalmente 
dependentes;
4- Aspersão - banho de 
chuveiro; 
5- Parcial no leito – banhar 
regiões que provocam 
desconforto quando ficam 
sem banho; 
6- Banho seco – 
Compressas de algodão 
umidecidas com solução 
de limpeza sem enxague.
Princípios básicos para a higiene 
1. Manter a proteção contra a contaminação 
• Iniciar a higiene do menos contaminado para o 
mais contaminado (paciente com evacuação no 
leito retirar a fralda ou limpar com papel higiênico 
ou pano úmido antes de começar a higiene 
corporal. Trocar luvas) 
• Usar hamper. Não colocar a roupa suja no chão. 
• Encaminhar a roupa suja para local adequado 
• Usar as precauções padrão antes, durante e após 
o procedimento.
2. Conservar energia 
• Organizar todo o material necessário 
• Fechar portas e janelas. 
• Usar água morna 
• Manter o paciente coberto. 
• Não demorar na realização do cuidado para 
não cansar o paciente.
3. Favorecer a privacidade para o paciente 
• Usar biombos nas enfermarias. 
• Colocar aviso na porta e fechá-la 
• Permitir, se possível que o paciente faça a 
sua própria higiene íntima. 
• Se necessário, solicitar ajuda de profissional 
de mesmo sexo do/da paciente
4. Dar conforto físico e psicológico 
• Explicar, orientar, conversar com o 
paciente 
• Coordenar a higiene com outras atividades 
• Perguntar se o paciente quer 
urinar/evacuar antes de iniciar o banho 
• Estimular a participação do paciente 
• Não deixá-lo sozinho ou desamparado
5. Prevenir acidentes, danos 
•Avaliar a capacidade funcional ( nível de 
independência) e necessidade de mais 
pessoas para o procedimento 
•Prevenir quedas do leito e no banheiro. 
•Prevenir lipotímias e desmaios 
•Prevenir queimaduras
Avaliação e documentação 
do cuidado 
Respostas do paciente 
• Inspecionar a pele e cavidades 
• Inspecionar e palpar áreas específicas para observar 
estado de circulação, dor 
• Escutar o paciente. Observar o autocuidado 
• Documentar o cuidado registrando as observações e 
cuidados prestados.
MMaatteerriiaall 
 Jarro com água morna; 
 Balde e bacia; 
 Roupa de uso pessoal; 
 Material para higiene oral; 
 Material de higiene pessoal; 
 Luvas de procedimento; 
 Luvas de banho; 
 Toalhas; 
 Sabonete; 
 Cuba-rim; 
 Comadre ou papagaio; 
 Biombo. 
http://www.medilart.com.br/product_info.php?cPath=53&products_id=261&osCsid=vpj4fghllfv31u11qmdon33aj6 
http://www.gino.com.br/materialhospitalar/produtos-11.html
bbaannhhoo nnoo lleeiittoo 
 Lavar as mãos; 
 Explicar o procedimento ao cliente; 
 Fechar as portas e janelas; 
 Desocupar a mesa de cabeceira e reunir os materiais; 
 Calçar luvas; 
Oferecer comadre ou papagaio; 
 Desprender a roupa da cama; 
 Fazer higiene oral; 
 Molhar a luva de banho ou compressa; 
 Lavar os olhos; 
 Ensaboar a luva de banho ou compressa; 
 Lavar, ensaboar e enxaguar o rosto, pescoço e orelhas;
bbaannhhoo nnoo lleeiittoo 
 Remover a camisola ou camisa do pijama; 
 Colocar a toalha sob o braço mais distante de você, 
lavar e enxaguar; 
 Colocar a mão do cliente na bacia, lavar e enxugar; 
 Colocar a toalha sobre o tórax e abdome do cliente, 
afastando o lençol até o púbis; 
 Erguer a toalha com uma das mãos e com a outra lavar 
e enxaguar o tórax e abdome em movimentos 
circulares; 
 Enxugar e verificar as condições da pele e mamas; 
 Cobrir com lençol o tórax e abdome, retirando a 
toalha; 
 Retirar a calça do pijama; 
 Colocar a toalha sob a perna mais distante de você, 
lavar e enxaguar a perna e a coxa;
bbaannhhoo nnoo lleeiittoo 
 Aproximar dos pés do cliente a bacia e a cuba-rim com 
sabonete; 
 Colocar um dos pés na bacia, lavar, enxaguar e enxugar; 
 Retirar a cuba-rim e a bacia da cama; 
 Virar o cliente em decúbito lateral, colocando a toalha 
sob suas costas e nádegas; Lavar, enxaguar e massagear 
as costas, nádegas do cliente; 
 Posicionar a comadre e virar o cliente em decúbito 
dorsal e realizar a higiene íntima do cliente; 
 Fazer a arrumação da cama; 
 Vestir o cliente; 
 Recompor a unidade; 
 Retirar as luvas e lavar as mãos; 
 Fazer as anotações no prontuário.
http://www.diegonegrellos.com/site/qualitta? 
start=32 
HHiiggiieennee OOrraall http://www.dentes-brancos.com/page/3/
2.Higiene Oral: 
• Deve ser realizada pela manhã, após 
as refeições e a noite; 
• Verificar uso de prótese dentária, se 
sim realizar higiene; 
• Utilizar escova/similar, fio dental, 
creme dental/similar; 
• Em pacientes impossibilitados a 
enfermagem deve usar anti-sépticos 
para realização da higiene.
HHiiggiieennee oorraall 
Depende : 
 Cuidados pessoais. 
 Tratamento realizado por profissionais. 
Objetivos : 
Promover conforto ao cliente; evitar halitose; 
prevenir carie dentaria e conservar a boca livre de 
resíduos alimentares. 
 A equipe de enfermagem deve, prestar o cuidado de 
acordo com o grau de dependência do cliente.
PPrroobblleemmaass ccoomm aa ffaallttaa ddaa 
hhiiggiieennee oorraall 
O que acontece quando não ocorre uma 
higienização bucal adequada? 
 Formação de placa bacteriana 
ou biofilme. 
 As cáries 
 Cálculo dental ou tártaro 
 Gengivite 
 Periodentite ( doença da gengiva) 
http://www.dentaq.com.br/page_1239722474437.html acesso em 26/08/10 as 15:59 
Uma higiene oral satisfatória contribui para minimizar os riscos 
de complicações e o tempo de internação do cliente.
HHiiggiieennee oorraall:: AAuuttooccuuiiddaaddoo 
Avaliação dos estados físico e cognitivo; 
Notar se o cliente está realizando a tarefa 
corretamente, se é capaz de ser meticuloso e 
completar a tarefa.
HHiiggiieennee oorraall:: PPrrááttiiccaa 
Higiene das mãos; 
Explicar ao cliente o procedimento; 
Colocar-lo em posição confortável; 
Assistir a higiene da boca; 
Anotar alterações no prontuário.
Se possível fazer uma adaptação na escova para que o 
para que o cliente sinta-se seguro; 
http://www.nardeliofernandesluz.com/g_diaadia.htm 
Thays Vanessa
3.Cuidados com os cabelos: 
• Lavar quando necessário; 
• Pode ser feito durante 
banho de leito; 
• Secar os cabelos 
rapidamente para evitar 
resfriamento; 
• Pentear e prender o cabelo 
( se necessário)
LLaavvaaggeemm ddoo ccaabbeelloo
LLaavvaaggeemm ddoo ccaabbeelloo 
 Proteger a cama e o cliente das eventuais fugas de água, 
com resguardos impermeáveis; 
 Se a lavagem se faz na cama, instalar o cliente na 
posição semi-fowler, as costas e os ombros apoiados 
por uma ou duas almofadas e a cabeça inclinada para 
trás; 
 Proteger o canal auditivo com compressas ou algodão; 
 Envolver os ombros do cliente com um resguardo 
impermeável coberto por uma toalha cruzada a frente 
sobre o peito e fixo com um clampe;
LLaavvaaggeemm ddoo ccaabbeelloo 
 Deixar cair a extremidade do resguardo dentro do balde, 
enrolando os bordos de cada lado 
Molhar o cabelo com shampoo friccionando suavemente o 
couro cabeludo com a ponta dos dedos 
 Enxaguar, recomeçar a operação e enxaguar 
abundantemente 
 Secar o cabelo com a toalha, retirar o resguardo e o balde
4.Cuidados com a barba: 
• Quando o cliente necessitar a 
enfermagem deve ajudá-lo; 
• Água morna amolece os 
pêlos; 
• Usar loção ou sabonete, 
passar o barbeador com 
movimentos curtos e 
firmes( no sentido do 
crescimento) 
• Utilizar alguma loção, se 
houver.
5.Cuidados com as unhas: 
• Limpar e cortar caso o paciente 
não consiga; 
• Ter cuidados com pacientes com 
DM; 
• Caso as unhas sejam duras, 
colocar imersas em água morna 
durante 10-15 min. 
• Desaconselhável o uso do 
esmalte em clientes pré-cirurgicos.
MMããooss ee uunnhhaass 
 Trata-se de cuidados simples da lavagem das mãos. As mãos são 
vetores que favorecem a contaminação. As unhas são receptoras 
de bactérias. 
 Propor ao cliente para lavar as mãos antes e depois das 
refeições, antes de tomar medicamentos, antes de se deitar e 
quando for necessário. 
 Encher a bacia de água morna (37º). 
 Molhar e lavar as mãos com um sabão neutro, depois os espaços 
interdigitais, a palma e as costas da mão. 
 Enxaguar e secar por pressão com uma toalha. 
 Pôr a mão do cliente sobre uma toalha, cortar as unhas e lixá-las 
se necessário. Para as unhas dos pés deve- se ter os mesmos 
cuidados . Secar e limpar bem os espaços interdigitais.
http://mdemulher.abril.com.br/saude/reportagem/saude-mulher/11-verdades-mitos-higiene-intima- 
421953.shtml 
CCuuiiddaaddoo PPeerriinneeaall 
http://intimidademasculina.files.wordpress.com/2010/07/1.jpg
66..HHiiggiieennee ÍÍnnttiimmaa 
Mulheres: sentido Antero-posterior; 
Homens: retrai-se o prepúcio para 
limpar, o pênis é limpo a seguir, e 
por fim a bolsa excrotal.
CCuuiiddaaddoo PPeerriinneeaall 
 DDeeffiinniiççããoo 
• Refere-se à limpeza dos genitais externos e região 
circundante. 
• A importância de realizar os cuidados perineais 
deve-se para evitar situações como: infecções 
geniturinárias, incontinência fecal e urinária.
CCuuiiddaaddoo PPeerriinneeaall 
 Materiais 
• Bacia de banho; 
• Saboneteira com sabão neutro; 
• Compressas de banho e toalha 
de banho; 
• Lençol de tratamento; 
• Comadre ou impermeável; 
• Papel higiênico ou fraldas; 
• Luvas limpas. 
 Em necessidades especiais 
• Swabs ou bolas de algodão; 
• Bolsa impermeável; 
• Água morna. 
http://www.ionia.com.br/conteudo.asp?P_pag=59 
http://www.muitogostoso.com.br/informacao/view/So 
bremesas/Doces-e-Compotas/Doce-de-Figo-em- 
Calda/ 
http://www.hartz.com.br/imagens.php 
http://catalogohospitalar.com.br/swabs-plastico-com-tubo-sem-meio. 
html
CCuuiiddaaddoo PPeerriinneeaall 
 Introdução a Habilidade 
• Realizar a inspeção do cliente; 
• Procedimento de limpeza das nádegas. 
http://vidainedita.blogspot.com/2009_12_01_archive.html
FFeemmiinniinnaa 
http://www.aventaldeseda.com/2009/08/higiene-intima-na-mulher. 
html 
• Lave e seque a parte superior das coxas da cliente; 
• Lave os grandes lábios, pequenos lábios, clitóris, pregas 
cutâneas; 
• Limpe da região anterior para a posterior do períneo para 
o reto.
FFeemmiinniinnaa 
http://www.clinimater.com.br/anatomia.htm 
Gerdália
MMaassccuulliinnaa 
http://carzem.blogspot.com/2010_01_01_archive.html 
 Começar a lavar com movimentos circulares 
pela ponta do pênis, puxando o prepúcio para 
baixo e lavando a glande, posteriormente o pênis 
e o escroto; 
 Não esquecer de voltar a colocar o prepúcio 
na sua posição normal, nomeadamente em caso 
de não circuncidado;
MMaassccuulliinnaa 
Luis Cláudio 
http://blog.perguntame.com/2010/01/cuidados-de-higiene
Problemas de desconforto: 
• Úlceras de decúbito:são lesões na pele que 
necrosou e desprendeu-se, após pressão 
inadequada do local,são causadas pela 
interrupção da circulação numa parte do 
corpo.
Fatores predisponentes: 
Umidade, má nutrição, desidratação, distúrbios 
circulatórios, proeminências ósseas desprotegidas do 
tecido adiposo pelo emagrecimento. 
Sinais/ sintomas: rubor, amolecimento da região e 
sensação de queimadura no local. 
Se o individuo não for tratado nesta fase a lesão evolui com 
maceração da pele, aumentando de profundidade e formando 
gradativamente crostas.
Medidas profiláticas: 
• Mudança de decúbito em intervalos regulares 
conforme necessidade individual do paciente. 
Diminui a pressão sobre a área atingida 
• Exercícios ativos quando o estado do paciente 
permite: melhora a circulação local 
• Manter a pele e as roupas do paciente limpas e 
secas: evitar escoriações e infecções. 
• Manter roupas de cama esticadas e sem migalhas de 
comida; 
• Uso de colchões especiais (piramidal) 
• Ingesta hídrica adequada, conforme orientação 
médica .
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Proqualis
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Técnicas assépticas e Infecções
Técnicas assépticas e Infecções Técnicas assépticas e Infecções
Técnicas assépticas e Infecções
 
Higiene oral
Higiene oralHigiene oral
Higiene oral
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 

Destaque

Cuidados de higiene e eliminação 2
Cuidados de higiene e eliminação 2Cuidados de higiene e eliminação 2
Cuidados de higiene e eliminação 2
Rui Carvalho
 
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
Marta Lopes
 
Higienização das mãos power point
Higienização das mãos power pointHigienização das mãos power point
Higienização das mãos power point
raqueljoiacardoso
 
U. 11 - Infeções Urinárias - Folheto
U. 11 - Infeções Urinárias - FolhetoU. 11 - Infeções Urinárias - Folheto
U. 11 - Infeções Urinárias - Folheto
I.Braz Slideshares
 
Manual auxiliar enfermagem pae cad1 (1)
Manual auxiliar enfermagem   pae cad1 (1)Manual auxiliar enfermagem   pae cad1 (1)
Manual auxiliar enfermagem pae cad1 (1)
Jorge Estrela
 
Agente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Agente de Geriatria - Apresentação PessoalAgente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Agente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Frederico Brandão
 
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPointU. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
I.Braz Slideshares
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
Marci Oliveira
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idosos
gcmrs
 
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
I.Braz Slideshares
 
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos BásicosAgente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Frederico Brandão
 

Destaque (18)

Cuidados de higiene e eliminação 2
Cuidados de higiene e eliminação 2Cuidados de higiene e eliminação 2
Cuidados de higiene e eliminação 2
 
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
A importancia de demostrar paciência e sensibilidade na técnica adequada de m...
 
Higienização das mãos power point
Higienização das mãos power pointHigienização das mãos power point
Higienização das mãos power point
 
U. 11 - Infeções Urinárias - Folheto
U. 11 - Infeções Urinárias - FolhetoU. 11 - Infeções Urinárias - Folheto
U. 11 - Infeções Urinárias - Folheto
 
Stc7
Stc7Stc7
Stc7
 
Poster sobre ajudas de úlceras de pressão
Poster sobre ajudas de úlceras de pressãoPoster sobre ajudas de úlceras de pressão
Poster sobre ajudas de úlceras de pressão
 
Controlo da Dor no Idoso
Controlo da Dor no IdosoControlo da Dor no Idoso
Controlo da Dor no Idoso
 
Manual auxiliar enfermagem pae cad1 (1)
Manual auxiliar enfermagem   pae cad1 (1)Manual auxiliar enfermagem   pae cad1 (1)
Manual auxiliar enfermagem pae cad1 (1)
 
Agente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Agente de Geriatria - Apresentação PessoalAgente de Geriatria - Apresentação Pessoal
Agente de Geriatria - Apresentação Pessoal
 
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPointU. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
U. 11 - Infecções Urinárias - PowerPoint
 
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de SaúdePPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
PPT UFCD 6558_Atividade Profissional do Técnico Auxiliar de Saúde
 
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS HOSPITALARES 2
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idosos
 
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
Tarefas e funções do Técnico Auxiliar de Saúde no Bloco Operatório e no Servi...
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Desnutrição
DesnutriçãoDesnutrição
Desnutrição
 
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos BásicosAgente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
 

Semelhante a higiene e conforto do paciente

Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptxHigiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
tuttitutti1
 
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfAulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Johannesabreudeolive1
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
9999894014
 

Semelhante a higiene e conforto do paciente (20)

Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
 
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptxHigiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
 
fundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptxfundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptx
 
Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópia
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
Aula de Higiene Corporal.pptx
Aula de Higiene Corporal.pptxAula de Higiene Corporal.pptx
Aula de Higiene Corporal.pptx
 
Aula de Higiene Corporal.pdf
Aula de Higiene Corporal.pdfAula de Higiene Corporal.pdf
Aula de Higiene Corporal.pdf
 
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfAulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
 
Higiene corporal total
Higiene corporal totalHigiene corporal total
Higiene corporal total
 
Avd's
Avd'sAvd's
Avd's
 
Curso 68
Curso 68Curso 68
Curso 68
 
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
 
Cartilha mastectomia
Cartilha mastectomiaCartilha mastectomia
Cartilha mastectomia
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem
 

Mais de Viviane da Silva

Mais de Viviane da Silva (20)

Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
Cancer de pele
Cancer de peleCancer de pele
Cancer de pele
 
Cuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctorCuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctor
 
Administração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginalAdministração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginal
 
Administração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaAdministração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmica
 
Administração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasalAdministração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasal
 
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições
 
Manual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeManual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saude
 
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
 
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoaisAula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Limpeza terminal
Limpeza terminalLimpeza terminal
Limpeza terminal
 
Manual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinaçãoManual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinação
 
Reformapsiquiatrica
ReformapsiquiatricaReformapsiquiatrica
Reformapsiquiatrica
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (9)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 

higiene e conforto do paciente

  • 1. Introdução à Enfermagem Aula Higiene e Conforto Prof. Enfª Viviane D. da Silva
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. ÉÉttiiccaa nnoo pprroocceeddiimmeennttoo Código de ética dos profissionais de enfermagem  Das relações com a pessoa, família e coletividade Responsabilidades e deveres Art 19. Respeitar o pudor, a privacidade e a íntimidade do ser humano, em todo o seu ciclo vital, inclusive nas situações de morte e pós morte. Art 25.Registrar no Prontuário do Paciente as informações inerentes e indispensáveis ao processo de cuidar.
  • 22. ÉÉttiiccaa nnoo pprroocceeddiimmeennttoo  Das relações com trabalhadores de enfermagem, saúde d e o u t r o s d e v e r e s Responsabilidades e deveres Art 39. Participar da orientação sobre benefícios, riscos e conseqüências decorrentes de exames e de outros procedimentos, na condição de membro da equipe de saúde. Do sigilo profissional Art 83. Orientar, na condição de Enfermeiro, a equipe sob sua responsabilidade sobre o dever do sigilo profissional.
  • 23. AAggrraavvaanntteess  Negligência Falta de cuidado, de atenção, desleixo, falta de interesse de monitoração, indiferença, preguiça, descuido. Ex: Posicionar o cliente de maneira errada; deixar de fazer higiene.  Imprudência Falta de prudência; forma de culpa, que consiste na falta involuntária de observância de medidas de precaução e segurança, de consequências previsíveis, que se faziam necessárias no momento, para evitar um mal. Ex: Inspeção diária, para que não ocorra o aparecimento de úlceras.
  • 24. Higiene corporal envolve: • Higiene oral • Banho • Higiene íntima ou lavagem externa • Lavagem dos cabelos ou “xampu” • Higiene das mãos e do rosto
  • 25. Importância da higiene corporal Conceito de higiene e saúde prevenção de problemas (verminoses, escabiose, pediculose, infecções de pele)
  • 26. Fatores que influenciam a prática de higiene • Práticas sociais – c ultura , há bito s fam ilia re s • Condição sócio-econômica – lim ita ç õ e s , a d a p ta ç õ e s . • Conhecimento • Preferências pessoais • Condição física e mental
  • 27. Doença e hospitalização necessidades de higiene • Fatores que influenciam a capacidade da pessoa para fazer o auto cuidado • Limitações Percepção da necessidade, Diminuição da tolerância para a atividade (fadiga, redução da força muscular) Capacidade de equilibrar-se, ficar em pé, sentar. Coordenação motora Visão Dor
  • 28. http://catalogohospitalar.com.br/kit-banho-no-leito.html BBaannhhoo http://serdeficiente.blogspot.com/2008_08_01_archive.htm l http://www.metalbagno.com.br/www/arquivos/produt os/9lu8i4n1_coluna%20banho%20croma%20160.JPG
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32. Intervenções • Higiene oral – limpeza, conforto e umidificação das estruturas da boca e próteses quando presentes. • Cuidados com os cabelos: lavar e pentear • Tricotomia do pêlo facial (fazer a barba) • Higiene corporal completa incluindo unhas • Lavagem das mão antes e após refeições e após eliminações. • Higiene perineal no pós-parto e certas cirurgias, • Higiene íntima após eliminações, antes de cateterismo vesical, após a retirada da sonda
  • 33. • Higiene: a prática varia de indivíduo para individuo; • Umidade, migalhas de alimentos, lençóis amarrotados: causam escaras.
  • 34. Problemas comuns na falta de higiene: • Odores desagradáveis; • Unhas encravadas; • Formação de placas, tártaros e gengivite; • Língua saburrosa; • Caspa, piolhos, lêndias.
  • 35. 1.Banho No momento do banho a enfermagem Deve aproveitar para movimentar as Articulações do paciente e massagear seus membros inferiores e superiores da extremidade distal para proximal. • Banho de aspersão/ chuveiro pode ser com ou sem auxílio; • Banho no leito;
  • 36. TTiippooss ddee bbaannhhoo 1- Imersão - banho na banheira; 2- Ablução - colocar pequenas porções de água sobre o corpo; 3- Completo no leito – administrado em clientes totalmente dependentes;
  • 37. 4- Aspersão - banho de chuveiro; 5- Parcial no leito – banhar regiões que provocam desconforto quando ficam sem banho; 6- Banho seco – Compressas de algodão umidecidas com solução de limpeza sem enxague.
  • 38. Princípios básicos para a higiene 1. Manter a proteção contra a contaminação • Iniciar a higiene do menos contaminado para o mais contaminado (paciente com evacuação no leito retirar a fralda ou limpar com papel higiênico ou pano úmido antes de começar a higiene corporal. Trocar luvas) • Usar hamper. Não colocar a roupa suja no chão. • Encaminhar a roupa suja para local adequado • Usar as precauções padrão antes, durante e após o procedimento.
  • 39. 2. Conservar energia • Organizar todo o material necessário • Fechar portas e janelas. • Usar água morna • Manter o paciente coberto. • Não demorar na realização do cuidado para não cansar o paciente.
  • 40. 3. Favorecer a privacidade para o paciente • Usar biombos nas enfermarias. • Colocar aviso na porta e fechá-la • Permitir, se possível que o paciente faça a sua própria higiene íntima. • Se necessário, solicitar ajuda de profissional de mesmo sexo do/da paciente
  • 41. 4. Dar conforto físico e psicológico • Explicar, orientar, conversar com o paciente • Coordenar a higiene com outras atividades • Perguntar se o paciente quer urinar/evacuar antes de iniciar o banho • Estimular a participação do paciente • Não deixá-lo sozinho ou desamparado
  • 42. 5. Prevenir acidentes, danos •Avaliar a capacidade funcional ( nível de independência) e necessidade de mais pessoas para o procedimento •Prevenir quedas do leito e no banheiro. •Prevenir lipotímias e desmaios •Prevenir queimaduras
  • 43. Avaliação e documentação do cuidado Respostas do paciente • Inspecionar a pele e cavidades • Inspecionar e palpar áreas específicas para observar estado de circulação, dor • Escutar o paciente. Observar o autocuidado • Documentar o cuidado registrando as observações e cuidados prestados.
  • 44. MMaatteerriiaall  Jarro com água morna;  Balde e bacia;  Roupa de uso pessoal;  Material para higiene oral;  Material de higiene pessoal;  Luvas de procedimento;  Luvas de banho;  Toalhas;  Sabonete;  Cuba-rim;  Comadre ou papagaio;  Biombo. http://www.medilart.com.br/product_info.php?cPath=53&products_id=261&osCsid=vpj4fghllfv31u11qmdon33aj6 http://www.gino.com.br/materialhospitalar/produtos-11.html
  • 45. bbaannhhoo nnoo lleeiittoo  Lavar as mãos;  Explicar o procedimento ao cliente;  Fechar as portas e janelas;  Desocupar a mesa de cabeceira e reunir os materiais;  Calçar luvas; Oferecer comadre ou papagaio;  Desprender a roupa da cama;  Fazer higiene oral;  Molhar a luva de banho ou compressa;  Lavar os olhos;  Ensaboar a luva de banho ou compressa;  Lavar, ensaboar e enxaguar o rosto, pescoço e orelhas;
  • 46. bbaannhhoo nnoo lleeiittoo  Remover a camisola ou camisa do pijama;  Colocar a toalha sob o braço mais distante de você, lavar e enxaguar;  Colocar a mão do cliente na bacia, lavar e enxugar;  Colocar a toalha sobre o tórax e abdome do cliente, afastando o lençol até o púbis;  Erguer a toalha com uma das mãos e com a outra lavar e enxaguar o tórax e abdome em movimentos circulares;  Enxugar e verificar as condições da pele e mamas;  Cobrir com lençol o tórax e abdome, retirando a toalha;  Retirar a calça do pijama;  Colocar a toalha sob a perna mais distante de você, lavar e enxaguar a perna e a coxa;
  • 47. bbaannhhoo nnoo lleeiittoo  Aproximar dos pés do cliente a bacia e a cuba-rim com sabonete;  Colocar um dos pés na bacia, lavar, enxaguar e enxugar;  Retirar a cuba-rim e a bacia da cama;  Virar o cliente em decúbito lateral, colocando a toalha sob suas costas e nádegas; Lavar, enxaguar e massagear as costas, nádegas do cliente;  Posicionar a comadre e virar o cliente em decúbito dorsal e realizar a higiene íntima do cliente;  Fazer a arrumação da cama;  Vestir o cliente;  Recompor a unidade;  Retirar as luvas e lavar as mãos;  Fazer as anotações no prontuário.
  • 48. http://www.diegonegrellos.com/site/qualitta? start=32 HHiiggiieennee OOrraall http://www.dentes-brancos.com/page/3/
  • 49. 2.Higiene Oral: • Deve ser realizada pela manhã, após as refeições e a noite; • Verificar uso de prótese dentária, se sim realizar higiene; • Utilizar escova/similar, fio dental, creme dental/similar; • Em pacientes impossibilitados a enfermagem deve usar anti-sépticos para realização da higiene.
  • 50. HHiiggiieennee oorraall Depende :  Cuidados pessoais.  Tratamento realizado por profissionais. Objetivos : Promover conforto ao cliente; evitar halitose; prevenir carie dentaria e conservar a boca livre de resíduos alimentares.  A equipe de enfermagem deve, prestar o cuidado de acordo com o grau de dependência do cliente.
  • 51. PPrroobblleemmaass ccoomm aa ffaallttaa ddaa hhiiggiieennee oorraall O que acontece quando não ocorre uma higienização bucal adequada?  Formação de placa bacteriana ou biofilme.  As cáries  Cálculo dental ou tártaro  Gengivite  Periodentite ( doença da gengiva) http://www.dentaq.com.br/page_1239722474437.html acesso em 26/08/10 as 15:59 Uma higiene oral satisfatória contribui para minimizar os riscos de complicações e o tempo de internação do cliente.
  • 52. HHiiggiieennee oorraall:: AAuuttooccuuiiddaaddoo Avaliação dos estados físico e cognitivo; Notar se o cliente está realizando a tarefa corretamente, se é capaz de ser meticuloso e completar a tarefa.
  • 53. HHiiggiieennee oorraall:: PPrrááttiiccaa Higiene das mãos; Explicar ao cliente o procedimento; Colocar-lo em posição confortável; Assistir a higiene da boca; Anotar alterações no prontuário.
  • 54. Se possível fazer uma adaptação na escova para que o para que o cliente sinta-se seguro; http://www.nardeliofernandesluz.com/g_diaadia.htm Thays Vanessa
  • 55. 3.Cuidados com os cabelos: • Lavar quando necessário; • Pode ser feito durante banho de leito; • Secar os cabelos rapidamente para evitar resfriamento; • Pentear e prender o cabelo ( se necessário)
  • 57. LLaavvaaggeemm ddoo ccaabbeelloo  Proteger a cama e o cliente das eventuais fugas de água, com resguardos impermeáveis;  Se a lavagem se faz na cama, instalar o cliente na posição semi-fowler, as costas e os ombros apoiados por uma ou duas almofadas e a cabeça inclinada para trás;  Proteger o canal auditivo com compressas ou algodão;  Envolver os ombros do cliente com um resguardo impermeável coberto por uma toalha cruzada a frente sobre o peito e fixo com um clampe;
  • 58. LLaavvaaggeemm ddoo ccaabbeelloo  Deixar cair a extremidade do resguardo dentro do balde, enrolando os bordos de cada lado Molhar o cabelo com shampoo friccionando suavemente o couro cabeludo com a ponta dos dedos  Enxaguar, recomeçar a operação e enxaguar abundantemente  Secar o cabelo com a toalha, retirar o resguardo e o balde
  • 59. 4.Cuidados com a barba: • Quando o cliente necessitar a enfermagem deve ajudá-lo; • Água morna amolece os pêlos; • Usar loção ou sabonete, passar o barbeador com movimentos curtos e firmes( no sentido do crescimento) • Utilizar alguma loção, se houver.
  • 60. 5.Cuidados com as unhas: • Limpar e cortar caso o paciente não consiga; • Ter cuidados com pacientes com DM; • Caso as unhas sejam duras, colocar imersas em água morna durante 10-15 min. • Desaconselhável o uso do esmalte em clientes pré-cirurgicos.
  • 61. MMããooss ee uunnhhaass  Trata-se de cuidados simples da lavagem das mãos. As mãos são vetores que favorecem a contaminação. As unhas são receptoras de bactérias.  Propor ao cliente para lavar as mãos antes e depois das refeições, antes de tomar medicamentos, antes de se deitar e quando for necessário.  Encher a bacia de água morna (37º).  Molhar e lavar as mãos com um sabão neutro, depois os espaços interdigitais, a palma e as costas da mão.  Enxaguar e secar por pressão com uma toalha.  Pôr a mão do cliente sobre uma toalha, cortar as unhas e lixá-las se necessário. Para as unhas dos pés deve- se ter os mesmos cuidados . Secar e limpar bem os espaços interdigitais.
  • 62. http://mdemulher.abril.com.br/saude/reportagem/saude-mulher/11-verdades-mitos-higiene-intima- 421953.shtml CCuuiiddaaddoo PPeerriinneeaall http://intimidademasculina.files.wordpress.com/2010/07/1.jpg
  • 63. 66..HHiiggiieennee ÍÍnnttiimmaa Mulheres: sentido Antero-posterior; Homens: retrai-se o prepúcio para limpar, o pênis é limpo a seguir, e por fim a bolsa excrotal.
  • 64. CCuuiiddaaddoo PPeerriinneeaall  DDeeffiinniiççããoo • Refere-se à limpeza dos genitais externos e região circundante. • A importância de realizar os cuidados perineais deve-se para evitar situações como: infecções geniturinárias, incontinência fecal e urinária.
  • 65. CCuuiiddaaddoo PPeerriinneeaall  Materiais • Bacia de banho; • Saboneteira com sabão neutro; • Compressas de banho e toalha de banho; • Lençol de tratamento; • Comadre ou impermeável; • Papel higiênico ou fraldas; • Luvas limpas.  Em necessidades especiais • Swabs ou bolas de algodão; • Bolsa impermeável; • Água morna. http://www.ionia.com.br/conteudo.asp?P_pag=59 http://www.muitogostoso.com.br/informacao/view/So bremesas/Doces-e-Compotas/Doce-de-Figo-em- Calda/ http://www.hartz.com.br/imagens.php http://catalogohospitalar.com.br/swabs-plastico-com-tubo-sem-meio. html
  • 66. CCuuiiddaaddoo PPeerriinneeaall  Introdução a Habilidade • Realizar a inspeção do cliente; • Procedimento de limpeza das nádegas. http://vidainedita.blogspot.com/2009_12_01_archive.html
  • 67. FFeemmiinniinnaa http://www.aventaldeseda.com/2009/08/higiene-intima-na-mulher. html • Lave e seque a parte superior das coxas da cliente; • Lave os grandes lábios, pequenos lábios, clitóris, pregas cutâneas; • Limpe da região anterior para a posterior do períneo para o reto.
  • 69. MMaassccuulliinnaa http://carzem.blogspot.com/2010_01_01_archive.html  Começar a lavar com movimentos circulares pela ponta do pênis, puxando o prepúcio para baixo e lavando a glande, posteriormente o pênis e o escroto;  Não esquecer de voltar a colocar o prepúcio na sua posição normal, nomeadamente em caso de não circuncidado;
  • 70. MMaassccuulliinnaa Luis Cláudio http://blog.perguntame.com/2010/01/cuidados-de-higiene
  • 71. Problemas de desconforto: • Úlceras de decúbito:são lesões na pele que necrosou e desprendeu-se, após pressão inadequada do local,são causadas pela interrupção da circulação numa parte do corpo.
  • 72. Fatores predisponentes: Umidade, má nutrição, desidratação, distúrbios circulatórios, proeminências ósseas desprotegidas do tecido adiposo pelo emagrecimento. Sinais/ sintomas: rubor, amolecimento da região e sensação de queimadura no local. Se o individuo não for tratado nesta fase a lesão evolui com maceração da pele, aumentando de profundidade e formando gradativamente crostas.
  • 73. Medidas profiláticas: • Mudança de decúbito em intervalos regulares conforme necessidade individual do paciente. Diminui a pressão sobre a área atingida • Exercícios ativos quando o estado do paciente permite: melhora a circulação local • Manter a pele e as roupas do paciente limpas e secas: evitar escoriações e infecções. • Manter roupas de cama esticadas e sem migalhas de comida; • Uso de colchões especiais (piramidal) • Ingesta hídrica adequada, conforme orientação médica .