SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Kerem Apuque M. Marques
Luana S. Santos
Petúnia R. de Jesus
ESTUDO DE CASO
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA DO CUIDAR II
Professoras: Janaina G. Guarizi Pires
Mirian Cristina dos Santos Almeida
São Sebastião – SP
2015
ESTUDO DE CASO
K.L.M. 13 anos, sexo masculino, deu entrada na UTI 05/06/2015
procedente da Clínica Médica, com diagnóstico médico de Glomerulonefrite
Difusa Aguda, apresenta-se consciente, agitado, com cianose de extremidades,
sudoreico, dispneico (28rpm), taquicárdico (120bpm), PA 140x80mmHg, afebril
(36,5ºC), com máscara de oxigênio à 10L/min e satO2 80%. Evoluiu para
Edema Agudo de Pulmão tendo que ser entubado, colocado em ventilação
mecânica, e sedado logo após a sua admissão. Depois de estabilizado o
paciente, foram realizados os procedimentos de Cateterismo Venoso Central
para administração de medicações, COLETA DE SANGUE PARA EXAMES
LABORATORIAIS, SONDAGEM NASOGÁSTRICA para alimentação e
CATETERISMO VESICAL DE DEMORA para controle hídrico.
COLETA DE SANGUE PARA EXAMES LABORATORIAIS
Material:
 Garrote
 Luvas de procedimento
 Seringa e agulha
 Algodão e álcool
 Tubos de coleta
 Etiquetas
 Formulário de solicitação do exame
 Esparadrapo
Procedimento:
1. Confirmar a identidade do paciente;
2. Lavar bem as mãos e colocar luvas;
3. Informar ao paciente que você coletará uma amostra de sangue (mesmo
com o paciente sedado);
4. Avaliar as veias do paciente para determinar o melhor local da punção;
5. Observar a pele à procura da coloração azulada da veia, ou palpá-la e
verificar se existe uma forte sensação de rebote;
6. Inserir agulha adequada (escolher seringa grande o suficiente para
manter todo o sangue necessário para o exame);
7. Ajustar o garrote 5 cm proximamente à área escolhida;
8. Limpar o local da punção com o algodão embebido no álcool, para evitar
introduzir flora potencialmente infecciosa no vaso sanguíneo durante o
procedimento;
9. Deixar a pele secar antes de realizar a punção;
10.Imobilizar a veia pressionando logo abaixo do local da punção com seu
polegar e mantendo a pele esticada;
11.Posicionar a seringa com o bisel da agulha pra cima e desviar
paralelamente ao trajeto da veia;
12.Retirar o sangue lentamente para criar aspiração constante até obter
amostra desejada. Se for muito rápido pode causar colapso da veia;
13.Remover o garrote assim que o sangue fluir para evitar estase e
hemoconcentração, que podem influenciar no resultado;
14.Se o fluxo for lento, deixar o garrote no local mais tempo, mas sempre
remova antes de retirar a agulha. Não deixar o garrote mais de 3 min;
15.Coletar quantos tubos forme necessário;
16.Movimentá-lo delicadamente para misturar o aditivo do tubo com a
amostra;
17.Após terminar a coleta, colocar a compressa antisséptica no local da
punção e retirar a agulha delicadamente;
18.Comprimir o local por 2 ou 3 min para que o sangramento cesse;
19.Colocar curativo adesivo;
20.Abrir o tubo e colocar o sangue delicadamente, para não formar espuma
o que pode causar hemólise;
21.Descartar o material corretamente;
22.Se necessário, anotar em prontuário;
23.Etiquetar os tubos com nome e data de nascimento e número do quarto.
SONDAGEM NASOGÁSTICA
Material:
 Sonda Nasogástrica (Levine) de numeração adequada
 Esparadrapo
 Xilocaína gel
 Gaze
 Par de luvas de procedimento
 Seringa de 20 ML
 Estetoscópio
 Toalha de rosto para uso pessoal
Procedimento:
1. Lavar as mãos;
2. Explicar o procedimento ao paciente (mesmo com o paciente sedado);
3. Colocá-lo em posição de Fowler;
4. Colocar a toalha sob o pescoço;
5. Calçar as luvas de procedimento;
6. Abrir a sonda;
7. Medir o comprimento da sonda: da asa do nariz, ao lóbulo da orelha e
para baixo até a ponta do apêndice xifoide;
8. Marcar o local com o esparadrapo;
9. Passar xilocaína gel aproximadamente em 10 cm da sonda;
10.Introduzir a sonda por uma das narinas;
11.Flexionar o pescoço aproximando ao tórax, pedindo ao paciente para
realizar movimentos de deglutição (se paciente acordado);
12.Introduzir a sonda até o ponto do esparadrapo;
13.Interromper a introdução da sonda se o paciente começar a tossir ou
engasgar, observar cianose, angústia respiratória e dispneia;
14.Recuar a sonda ligeiramente para trás caso ele continue tossindo;
15.Após o paciente relaxar, avançar cuidadosamente com a sonda
enquanto o paciente engole a seco (se paciente acordado);
16.Teste de localização da sonda: conectar a seringa à extremidade da
sonda Nasogástrica. Colocar o diafragma do estetoscópio sobre a região
epigástrica e, imediatamente abaixo do rebordo costal. Injetar 20 cm³ de
ar, enquanto auscultar o abdome do paciente.
17.Quando a sonda estiver colocada corretamente, fechar sua extremidade;
18.Fixar a sonda: com um pedaço de fita hipoalergênica de 8 cm de
comprimento, dividir essa tira ao meio longitudinalmente até
aproximadamente 4 cm. Prender a outra extremidade no dorso do nariz
e enrolar os cm restantes da tira em torno da sonda, no ponto de onde
ela emergir da narina. Pode-se fixar na região frontal também;
19.Realizar a anotação de todo o procedimento.
CATETERISMO VESICAL DE DEMORA
Material:
 Pacote de cateterismo vesical (cuba rim, uma pinça, cúpula pequena,
campo fenestrado, gaze)
 Anestésico local tipo geleia (no caso de ser homem uma seringa 10 ml
para colocar anestésico)
 Sonda vesical (Foley) de calibre adequado
 Solução antisséptica (PVPI ou Clorohexidina tópico)
 Seringa de 20 ml
 Ampolas de água destilada
 Agulha para aspiração (40 X 12)
 Coletor de drenagem de urina em sistema fechado
 Luvas estéreis
 Esparadrapo ou micropore
 Saco plástico para lixo
Procedimento:
1. Realização da higiene íntima do paciente;
2. Preparar o ambiente: observar se há boa iluminação, colocar biombo, se
necessário, fechar portas e janelas;
3. Realizar a lavagem das mãos e levar todo o material;
4. Colocar saco plástico em local de fácil acesso;
5. Colocar o paciente de forma confortável, homens em decúbito dorsal
horizontal com os membros inferiores afastados;
6. Abrir o pacote do cateterismo (entre as pernas do cliente ou conforme
situação em mesa auxiliar);
7. Colocar: solução antisséptica na cúpula, a sonda sobre o campo, o
coletor de urina e o lubrificante dentro da cuba rim (em gaze estéril), o
caso do homem será necessário aspirar/colocar com seringa lubrificante
(estéril) – de 5 a 10 ml para introduzir no meato uretral;
8. Calçar luvas estéreis aspirar com seringa: 10 ml de água destilada
mantê-la dentro do invólucro da seringa, ao lado do campo estéril;
9. Testar o balonete da sonda com água destilada;
10.Conectar a sonda ao sistema de drenagem fechando a extremidade final
do coletor;
11.Realizar a antissepsia do meato uretral: colocar campo fenestrado antes
abaixe o prepúcio expondo a glande, coloque o pênis em posição
perpendicular e realize movimentos circulares na glande a partir do
meato uretral por três vezes;
12.Lubrificar a sonda com anestésico local;
13.Nos homens injete anestésico local através do meato uretral com
seringa, esse anestésico deve estar estéril;
14.Introduzir a sonda no meato uretral até o final e aguarde a drenagem da
urina;
15.Após a drenagem, insuflar o balonete com água destilada de acordo
com o que é pedido na sonda;
16.Fixar a sonda na região supra púbica;
17.Retirar o excesso de solução antisséptica da região com água e sabão;
18.Prender o coletor de urina à lateral da cama, abaixo dos quadris do
cliente;
19.Deixar o cliente confortável e ambiente em ordem;
20.Providenciar limpeza e a ordem do material;
21.Lavar as mãos;
22.Realizar a anotação de todo o procedimento.
Kerem Apuque M. Marques
Luana S. Santos
Petúnia R. de Jesus
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
ESTUDO DE CASO
Professora: Tânia Cristina Freitas Barbosa
São Sebastião – SP
2015
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
Histórico de Enfermagem
Realizada a entrevista com a mãe do paciente:
O paciente K.L.M. 13 anos, sexo masculino, leito 01 da UTI, nascido em
15/04/2002, católico, estudante, natural de Caraguatatuba, reside com os pais
na Enseada bairro do município de São Sebastião há 10 anos, admitido no
Hospital de Clínicas de São Sebastião em 31/05/2015 pelo Pronto Socorro
Central, com diagnóstico de Glomerulonefrite Difusa Aguda sendo internado na
clínica médica, o quadro clínico complicou-se e evoluiu para Edema Agudo de
Pulmão, encaminhado à UTI em 05/06/2015. Anteriormente apresentou
diversos casos de “dor de garganta”, segundo a mãe.
Procurou o pronto socorro após apresentar hematúria, edema
generalizado e sentir fortes dores na região ilíaca direita, a mãe relata que o
filho não gosta de ficar internado, mas que não se recusa a fazer o tratamento
toma as medicações e deixa realizar os procedimentos, espera melhorar para
voltar à escola.
Antes da internação: costumava dormir por volta das 22:00 hs, acordava
as 7:00 hs para ir à escola, tem um sono tranquilo e pesado, não tem
dificuldade para dormir, as vezes dormia depois do almoço quando retornava
da escola. É um pré-adolescente ativo, jogava futebol várias vezes na semana.
Comia pouco antes da internação, tomava café com leite de manhã, mas não
queria comer nada, na hora do almoço alimentava-se pouco, à tarde tomava
achocolatado ou suco e no jantar comia somente lanche. Não tinha muito
apetite, bebia pouca água. Evacuava todos os dias sem dificuldades, urinava
com pouca frequência, antes da internação, apresentou hematúria. Tomava
banho uma vez ao dia, escovava os dentes quando acordava, depois do
almoço e antes de dormir. Mora na Enseada, em casa de alvenaria, com água
encanada e rede de esgoto, o posto de saúde é um pouco distante. Sempre
que pode joga futebol com os amigos, no hospital jogava jogos no tablet, ficava
um pouco entediado de permanecer no hospital. É católico, mas não frequenta
igreja.
Não tem nenhuma alergia a medicamentos nem a alimentos, está com
as vacinas em dia, e há pouco tempo foi ao dentista.
Exame físico
Exame físico geral: Paciente REG encontra-se sedado, em decúbito dorsal
horizontal, afebril com temperatura axilar 36ºC, frequência cardíaca de 90bpm
com ritmo regular, em ventilação mecânica com FIO2 40%, frequência
respiratória 12rpm e Sat de O2 95%, pressão arterial 120x70mmHg. Apresenta
pele pálida, fria, emagrecido, com edema generalizado. Presença de sonda
nasogástrica para gavagem, cateter venoso central em subclávia direita com
soroterapia e sedação em bomba infusora, sonda vesical de demora com bolsa
coletora sistema fechado, diurese presente com aspecto hematúrico.
Exame físico ampliado e específico: Mucosas hipocoradas, presença de tubo
orotraqueal (Nº 7.0), pupilas isocóricas e fotorreagentes, presença de SNG na
narina direita, ausência de alterações em cabeça e pescoço, ausculta pulmonar
com sibilos, estertores crepitantes e subcrepitantes até os ápices dos pulmões
respiratórios, ausculta cardíaca sem alterações, abdome normotenso, foram
auscultados ruídos hidroaéreos, com ausência de massas ou coleção de
líquido, ausência de alterações em genitais com presença de SVD com débito
hematúrico, MMSS e MMII foram inspecionado e apresentam edema, com
inatividade musculoesquelética resultante de sedação.
Diagnóstico de enfermagem
 Risco para infecção (Respiratória) (pág. 485) relacionado à Presença de
tubo endotraqueal, à imobilidade física, à agentes farmacêuticos, ao
estresse, à desnutrição.
 Risco para aspiração (pág. 489) relacionado à alimentação por sonda
nasogástrica, à presença de tubo endotraqueal, ao reflexo faríngeo
diminuído secundário à sedação.
 Risco de integridade da pele prejudicada (pág. 495) relacionado à
fatores mecânicos (por pressão), à imobilidade física, ao
emagrecimento, à proeminências ósseas, à sensações prejudicadas.
Prescrição de Enfermagem
Risco para infecção:
 Lavar as mãos antes de realizar qualquer procedimento com o paciente;
 Aspirar secreções endotraqueal e orofaríngea de 2 em 2 horas ou
sempre que houver necessidade;
 Auscultar campos pulmonares a cada 8 horas;
 Administrar a antibioticoterapia nos horários prescritos;
 Realizar higiene oral de 2 em 2 horas;
 Lubrificar os lábios com óleo mineral 3x ao dia;
Risco para aspiração:
 Realizar testes para a comprovação da localização da sonda antes de
instalar a alimentação;
 Controlar o gotejamento da dieta;
 Manter a cabeceira elevada a 30º ou 45º intercalando em tempo integral,
caso não haja recomendação contrária.
Risco de integridade da pele prejudicada:
 Realizar mudança de decúbito de 2 em 2 horas, observando e
informando sinais de infecção da pele a cada troca de posição;
 Manter colchão piramidal no leito;
 Aplicar AGE (Ácidos Graxos Essenciais) nas proeminências ósseas 3x
ao dia;
 Realizar massagens de estímulo circulatório durante o banho;
 Manter coxins nas proeminências ósseas para evitar a pressão do local.
Evolução de Enfermagem
Paciente no 2º DIH por Glomerulonefrite Difusa Aguda evoluiu para
Edema Agudo de Pulmão. REG, evolui hemodinamicamente estável em uso de
midazolan + fentanil 5 ml/h. Não apresenta pico febril nas últimas 24hs em uso
de antibioticoterapia. Paciente em desmame da sedação, Ramsay 3 (sonolento
acordado), apresenta pupilas isocóricas e fotorreagentes. Mantém Cateter
Venoso Central em VSCD sem sinais flogísticos. Mantém intubação
orotraqueal em ventilação mecânica controlada; SNG com dieta em bomba de
infusão; tórax simétrico, ausculta pulmonar apresenta melhora de ruídos
adventícios. Apresenta melhora do edema em MMSS e MMII. Normocárdico,
80bpm, PA 100x60mmHg com ritmo cardíaco regular. Abdome normotenso.
Mantém SVD com diurese em volume normal e apresenta melhora da
hematúria. Sem presença de hiperemia na região dorsal, sacral e
trocanterianas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Aline Bandeira
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'joselene beatriz
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemRaíssa Soeiro
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonEdison Santos
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Will Nunes
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadahospital
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeAngelica Reis Angel
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoFabricio Marques Moreira
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxRafaela Amanso
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
SAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
SAE aplicada ao DPOC - EnfermagemSAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
SAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Uti
UtiUti
Uti
 

Destaque

Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemYasmin Casini
 
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...resenfe2013
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemDanilo Nunes Anunciação
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoLetícia Gonzaga
 

Destaque (7)

Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
 
Sae pronto unic
Sae pronto unicSae pronto unic
Sae pronto unic
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 

Semelhante a Estudo de caso SAE

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxJessiellyGuimares
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffBruceCosta5
 
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfAULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfIngredMariano1
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemJoaraSilva1
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfssuser80ae40
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem KalianeValente
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxssuser80ae40
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalRodrigo Abreu
 
Administração de Sonda Vesical
Administração de Sonda VesicalAdministração de Sonda Vesical
Administração de Sonda Vesicalbrenda correa
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfLarissaMachado97
 

Semelhante a Estudo de caso SAE (20)

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfAULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
 
Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
 
fund.pptx
fund.pptxfund.pptx
fund.pptx
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
 
Administração de Sonda Vesical
Administração de Sonda VesicalAdministração de Sonda Vesical
Administração de Sonda Vesical
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 

Mais de Luana Santos

Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
Fisiologia do Exercício e Pressão Arterial (Banner)
Fisiologia do Exercício e Pressão Arterial (Banner)Fisiologia do Exercício e Pressão Arterial (Banner)
Fisiologia do Exercício e Pressão Arterial (Banner)Luana Santos
 
Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)Luana Santos
 
Fisiologia do exercício e pressão arterial
Fisiologia do exercício e pressão arterialFisiologia do exercício e pressão arterial
Fisiologia do exercício e pressão arterialLuana Santos
 
Projeto educação Sexual
Projeto educação SexualProjeto educação Sexual
Projeto educação SexualLuana Santos
 

Mais de Luana Santos (7)

Slide psiquiatria
Slide psiquiatriaSlide psiquiatria
Slide psiquiatria
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Fisiologia do Exercício e Pressão Arterial (Banner)
Fisiologia do Exercício e Pressão Arterial (Banner)Fisiologia do Exercício e Pressão Arterial (Banner)
Fisiologia do Exercício e Pressão Arterial (Banner)
 
Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)
 
Fisiologia do exercício e pressão arterial
Fisiologia do exercício e pressão arterialFisiologia do exercício e pressão arterial
Fisiologia do exercício e pressão arterial
 
Projeto educação Sexual
Projeto educação SexualProjeto educação Sexual
Projeto educação Sexual
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 

Último

ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 

Último (10)

ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 

Estudo de caso SAE

  • 1. Kerem Apuque M. Marques Luana S. Santos Petúnia R. de Jesus ESTUDO DE CASO SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA DO CUIDAR II Professoras: Janaina G. Guarizi Pires Mirian Cristina dos Santos Almeida São Sebastião – SP 2015
  • 2. ESTUDO DE CASO K.L.M. 13 anos, sexo masculino, deu entrada na UTI 05/06/2015 procedente da Clínica Médica, com diagnóstico médico de Glomerulonefrite Difusa Aguda, apresenta-se consciente, agitado, com cianose de extremidades, sudoreico, dispneico (28rpm), taquicárdico (120bpm), PA 140x80mmHg, afebril (36,5ºC), com máscara de oxigênio à 10L/min e satO2 80%. Evoluiu para Edema Agudo de Pulmão tendo que ser entubado, colocado em ventilação mecânica, e sedado logo após a sua admissão. Depois de estabilizado o paciente, foram realizados os procedimentos de Cateterismo Venoso Central para administração de medicações, COLETA DE SANGUE PARA EXAMES LABORATORIAIS, SONDAGEM NASOGÁSTRICA para alimentação e CATETERISMO VESICAL DE DEMORA para controle hídrico. COLETA DE SANGUE PARA EXAMES LABORATORIAIS Material:  Garrote  Luvas de procedimento  Seringa e agulha  Algodão e álcool  Tubos de coleta  Etiquetas  Formulário de solicitação do exame  Esparadrapo Procedimento: 1. Confirmar a identidade do paciente; 2. Lavar bem as mãos e colocar luvas; 3. Informar ao paciente que você coletará uma amostra de sangue (mesmo com o paciente sedado); 4. Avaliar as veias do paciente para determinar o melhor local da punção; 5. Observar a pele à procura da coloração azulada da veia, ou palpá-la e verificar se existe uma forte sensação de rebote; 6. Inserir agulha adequada (escolher seringa grande o suficiente para manter todo o sangue necessário para o exame); 7. Ajustar o garrote 5 cm proximamente à área escolhida;
  • 3. 8. Limpar o local da punção com o algodão embebido no álcool, para evitar introduzir flora potencialmente infecciosa no vaso sanguíneo durante o procedimento; 9. Deixar a pele secar antes de realizar a punção; 10.Imobilizar a veia pressionando logo abaixo do local da punção com seu polegar e mantendo a pele esticada; 11.Posicionar a seringa com o bisel da agulha pra cima e desviar paralelamente ao trajeto da veia; 12.Retirar o sangue lentamente para criar aspiração constante até obter amostra desejada. Se for muito rápido pode causar colapso da veia; 13.Remover o garrote assim que o sangue fluir para evitar estase e hemoconcentração, que podem influenciar no resultado; 14.Se o fluxo for lento, deixar o garrote no local mais tempo, mas sempre remova antes de retirar a agulha. Não deixar o garrote mais de 3 min; 15.Coletar quantos tubos forme necessário; 16.Movimentá-lo delicadamente para misturar o aditivo do tubo com a amostra; 17.Após terminar a coleta, colocar a compressa antisséptica no local da punção e retirar a agulha delicadamente; 18.Comprimir o local por 2 ou 3 min para que o sangramento cesse; 19.Colocar curativo adesivo; 20.Abrir o tubo e colocar o sangue delicadamente, para não formar espuma o que pode causar hemólise; 21.Descartar o material corretamente; 22.Se necessário, anotar em prontuário; 23.Etiquetar os tubos com nome e data de nascimento e número do quarto. SONDAGEM NASOGÁSTICA Material:  Sonda Nasogástrica (Levine) de numeração adequada  Esparadrapo  Xilocaína gel  Gaze  Par de luvas de procedimento  Seringa de 20 ML  Estetoscópio  Toalha de rosto para uso pessoal Procedimento: 1. Lavar as mãos; 2. Explicar o procedimento ao paciente (mesmo com o paciente sedado);
  • 4. 3. Colocá-lo em posição de Fowler; 4. Colocar a toalha sob o pescoço; 5. Calçar as luvas de procedimento; 6. Abrir a sonda; 7. Medir o comprimento da sonda: da asa do nariz, ao lóbulo da orelha e para baixo até a ponta do apêndice xifoide; 8. Marcar o local com o esparadrapo; 9. Passar xilocaína gel aproximadamente em 10 cm da sonda; 10.Introduzir a sonda por uma das narinas; 11.Flexionar o pescoço aproximando ao tórax, pedindo ao paciente para realizar movimentos de deglutição (se paciente acordado); 12.Introduzir a sonda até o ponto do esparadrapo; 13.Interromper a introdução da sonda se o paciente começar a tossir ou engasgar, observar cianose, angústia respiratória e dispneia; 14.Recuar a sonda ligeiramente para trás caso ele continue tossindo; 15.Após o paciente relaxar, avançar cuidadosamente com a sonda enquanto o paciente engole a seco (se paciente acordado); 16.Teste de localização da sonda: conectar a seringa à extremidade da sonda Nasogástrica. Colocar o diafragma do estetoscópio sobre a região epigástrica e, imediatamente abaixo do rebordo costal. Injetar 20 cm³ de ar, enquanto auscultar o abdome do paciente. 17.Quando a sonda estiver colocada corretamente, fechar sua extremidade; 18.Fixar a sonda: com um pedaço de fita hipoalergênica de 8 cm de comprimento, dividir essa tira ao meio longitudinalmente até aproximadamente 4 cm. Prender a outra extremidade no dorso do nariz e enrolar os cm restantes da tira em torno da sonda, no ponto de onde ela emergir da narina. Pode-se fixar na região frontal também; 19.Realizar a anotação de todo o procedimento. CATETERISMO VESICAL DE DEMORA Material:  Pacote de cateterismo vesical (cuba rim, uma pinça, cúpula pequena, campo fenestrado, gaze)  Anestésico local tipo geleia (no caso de ser homem uma seringa 10 ml para colocar anestésico)  Sonda vesical (Foley) de calibre adequado  Solução antisséptica (PVPI ou Clorohexidina tópico)  Seringa de 20 ml  Ampolas de água destilada  Agulha para aspiração (40 X 12)  Coletor de drenagem de urina em sistema fechado
  • 5.  Luvas estéreis  Esparadrapo ou micropore  Saco plástico para lixo Procedimento: 1. Realização da higiene íntima do paciente; 2. Preparar o ambiente: observar se há boa iluminação, colocar biombo, se necessário, fechar portas e janelas; 3. Realizar a lavagem das mãos e levar todo o material; 4. Colocar saco plástico em local de fácil acesso; 5. Colocar o paciente de forma confortável, homens em decúbito dorsal horizontal com os membros inferiores afastados; 6. Abrir o pacote do cateterismo (entre as pernas do cliente ou conforme situação em mesa auxiliar); 7. Colocar: solução antisséptica na cúpula, a sonda sobre o campo, o coletor de urina e o lubrificante dentro da cuba rim (em gaze estéril), o caso do homem será necessário aspirar/colocar com seringa lubrificante (estéril) – de 5 a 10 ml para introduzir no meato uretral; 8. Calçar luvas estéreis aspirar com seringa: 10 ml de água destilada mantê-la dentro do invólucro da seringa, ao lado do campo estéril; 9. Testar o balonete da sonda com água destilada; 10.Conectar a sonda ao sistema de drenagem fechando a extremidade final do coletor; 11.Realizar a antissepsia do meato uretral: colocar campo fenestrado antes abaixe o prepúcio expondo a glande, coloque o pênis em posição perpendicular e realize movimentos circulares na glande a partir do meato uretral por três vezes; 12.Lubrificar a sonda com anestésico local; 13.Nos homens injete anestésico local através do meato uretral com seringa, esse anestésico deve estar estéril; 14.Introduzir a sonda no meato uretral até o final e aguarde a drenagem da urina; 15.Após a drenagem, insuflar o balonete com água destilada de acordo com o que é pedido na sonda; 16.Fixar a sonda na região supra púbica; 17.Retirar o excesso de solução antisséptica da região com água e sabão; 18.Prender o coletor de urina à lateral da cama, abaixo dos quadris do cliente; 19.Deixar o cliente confortável e ambiente em ordem; 20.Providenciar limpeza e a ordem do material; 21.Lavar as mãos; 22.Realizar a anotação de todo o procedimento.
  • 6. Kerem Apuque M. Marques Luana S. Santos Petúnia R. de Jesus SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ESTUDO DE CASO Professora: Tânia Cristina Freitas Barbosa São Sebastião – SP 2015
  • 7. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Histórico de Enfermagem Realizada a entrevista com a mãe do paciente: O paciente K.L.M. 13 anos, sexo masculino, leito 01 da UTI, nascido em 15/04/2002, católico, estudante, natural de Caraguatatuba, reside com os pais na Enseada bairro do município de São Sebastião há 10 anos, admitido no Hospital de Clínicas de São Sebastião em 31/05/2015 pelo Pronto Socorro Central, com diagnóstico de Glomerulonefrite Difusa Aguda sendo internado na clínica médica, o quadro clínico complicou-se e evoluiu para Edema Agudo de Pulmão, encaminhado à UTI em 05/06/2015. Anteriormente apresentou diversos casos de “dor de garganta”, segundo a mãe. Procurou o pronto socorro após apresentar hematúria, edema generalizado e sentir fortes dores na região ilíaca direita, a mãe relata que o filho não gosta de ficar internado, mas que não se recusa a fazer o tratamento toma as medicações e deixa realizar os procedimentos, espera melhorar para voltar à escola. Antes da internação: costumava dormir por volta das 22:00 hs, acordava as 7:00 hs para ir à escola, tem um sono tranquilo e pesado, não tem dificuldade para dormir, as vezes dormia depois do almoço quando retornava da escola. É um pré-adolescente ativo, jogava futebol várias vezes na semana. Comia pouco antes da internação, tomava café com leite de manhã, mas não queria comer nada, na hora do almoço alimentava-se pouco, à tarde tomava achocolatado ou suco e no jantar comia somente lanche. Não tinha muito apetite, bebia pouca água. Evacuava todos os dias sem dificuldades, urinava com pouca frequência, antes da internação, apresentou hematúria. Tomava banho uma vez ao dia, escovava os dentes quando acordava, depois do almoço e antes de dormir. Mora na Enseada, em casa de alvenaria, com água encanada e rede de esgoto, o posto de saúde é um pouco distante. Sempre que pode joga futebol com os amigos, no hospital jogava jogos no tablet, ficava um pouco entediado de permanecer no hospital. É católico, mas não frequenta igreja. Não tem nenhuma alergia a medicamentos nem a alimentos, está com as vacinas em dia, e há pouco tempo foi ao dentista. Exame físico
  • 8. Exame físico geral: Paciente REG encontra-se sedado, em decúbito dorsal horizontal, afebril com temperatura axilar 36ºC, frequência cardíaca de 90bpm com ritmo regular, em ventilação mecânica com FIO2 40%, frequência respiratória 12rpm e Sat de O2 95%, pressão arterial 120x70mmHg. Apresenta pele pálida, fria, emagrecido, com edema generalizado. Presença de sonda nasogástrica para gavagem, cateter venoso central em subclávia direita com soroterapia e sedação em bomba infusora, sonda vesical de demora com bolsa coletora sistema fechado, diurese presente com aspecto hematúrico. Exame físico ampliado e específico: Mucosas hipocoradas, presença de tubo orotraqueal (Nº 7.0), pupilas isocóricas e fotorreagentes, presença de SNG na narina direita, ausência de alterações em cabeça e pescoço, ausculta pulmonar com sibilos, estertores crepitantes e subcrepitantes até os ápices dos pulmões respiratórios, ausculta cardíaca sem alterações, abdome normotenso, foram auscultados ruídos hidroaéreos, com ausência de massas ou coleção de líquido, ausência de alterações em genitais com presença de SVD com débito hematúrico, MMSS e MMII foram inspecionado e apresentam edema, com inatividade musculoesquelética resultante de sedação. Diagnóstico de enfermagem  Risco para infecção (Respiratória) (pág. 485) relacionado à Presença de tubo endotraqueal, à imobilidade física, à agentes farmacêuticos, ao estresse, à desnutrição.  Risco para aspiração (pág. 489) relacionado à alimentação por sonda nasogástrica, à presença de tubo endotraqueal, ao reflexo faríngeo diminuído secundário à sedação.  Risco de integridade da pele prejudicada (pág. 495) relacionado à fatores mecânicos (por pressão), à imobilidade física, ao emagrecimento, à proeminências ósseas, à sensações prejudicadas. Prescrição de Enfermagem Risco para infecção:  Lavar as mãos antes de realizar qualquer procedimento com o paciente;  Aspirar secreções endotraqueal e orofaríngea de 2 em 2 horas ou sempre que houver necessidade;  Auscultar campos pulmonares a cada 8 horas;  Administrar a antibioticoterapia nos horários prescritos;  Realizar higiene oral de 2 em 2 horas;
  • 9.  Lubrificar os lábios com óleo mineral 3x ao dia; Risco para aspiração:  Realizar testes para a comprovação da localização da sonda antes de instalar a alimentação;  Controlar o gotejamento da dieta;  Manter a cabeceira elevada a 30º ou 45º intercalando em tempo integral, caso não haja recomendação contrária. Risco de integridade da pele prejudicada:  Realizar mudança de decúbito de 2 em 2 horas, observando e informando sinais de infecção da pele a cada troca de posição;  Manter colchão piramidal no leito;  Aplicar AGE (Ácidos Graxos Essenciais) nas proeminências ósseas 3x ao dia;  Realizar massagens de estímulo circulatório durante o banho;  Manter coxins nas proeminências ósseas para evitar a pressão do local. Evolução de Enfermagem Paciente no 2º DIH por Glomerulonefrite Difusa Aguda evoluiu para Edema Agudo de Pulmão. REG, evolui hemodinamicamente estável em uso de midazolan + fentanil 5 ml/h. Não apresenta pico febril nas últimas 24hs em uso de antibioticoterapia. Paciente em desmame da sedação, Ramsay 3 (sonolento acordado), apresenta pupilas isocóricas e fotorreagentes. Mantém Cateter Venoso Central em VSCD sem sinais flogísticos. Mantém intubação orotraqueal em ventilação mecânica controlada; SNG com dieta em bomba de infusão; tórax simétrico, ausculta pulmonar apresenta melhora de ruídos adventícios. Apresenta melhora do edema em MMSS e MMII. Normocárdico, 80bpm, PA 100x60mmHg com ritmo cardíaco regular. Abdome normotenso. Mantém SVD com diurese em volume normal e apresenta melhora da hematúria. Sem presença de hiperemia na região dorsal, sacral e trocanterianas.