SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 76
AVALIAÇÃO E CUIDADOS
PRÁTICOS INICIAIS PARA O
TRATAMENTO DAS FERIDAS
 Qual a causaQual a causa
 Há quanto tempo surgiuHá quanto tempo surgiu
 História ou não de infecçãoHistória ou não de infecção
 Intensidade da dor/edemaIntensidade da dor/edema
 Extensão/profundidadeExtensão/profundidade
 Características do leitoCaracterísticas do leito
 Situação da pele ao redorSituação da pele ao redor
Antes da conduta terapêutica,
precisamos investigar a evolução
da ferida
 TamanhoTamanho
Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
 LocalizaçãoLocalização
Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
 ProfundidadeProfundidade
Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
 Exposição tendinosaExposição tendinosa
Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
 Presença de túneis e cavidadesPresença de túneis e cavidades
Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
 Presença de descolamentos, lojasPresença de descolamentos, lojas
Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
9
 Presença de tecido necróticoPresença de tecido necrótico
Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
 Remoção de tecidos necróticos/corpos estranhos do leito da ferida
 Identificação e eliminação de processos infecciosos
 Eliminação de espaços mortos
 Absorção do excesso de exsudato
 Manutenção do leito da ferida úmido
 Isolamento térmico da ferida
 Proteção contra traumas e contaminação bacteriana
LimpezaLimpeza
DesbridamentoDesbridamento
Curativo em siCurativo em si
 Soluções preferencialmente aquecidas (temperatura
constante de 37o
C é capaz de estimular a mitose durante a
granulação e a epitelização).
 Minimizar traumas mecânicos e/ou químicos. Em feridas
granuladas e limpas, se preconiza uma irrigação suave, para
não danificar o tecido neoformado.
 Para irrigações suaves de feridas mais superficiais:
pode ser utilizada agulha de calibre 12 e seringa de 20 mL ou
ainda um frasco de soro perfurado em diferentes locais.
 Em feridas profundas,Em feridas profundas,
estreitas ou com espaçoestreitas ou com espaço
morto:morto:
mais eficaz se realizadamais eficaz se realizada
com uma seringacom uma seringa
conectada a um cateter, oconectada a um cateter, o
qual deverá ser introduzidoqual deverá ser introduzido
com cuidado no leito dacom cuidado no leito da
ferida antes de se iniciar aferida antes de se iniciar a
irrigação.irrigação.
 Material Necessário
- Pacote estéril de curativo : 1 pinça anatômica, 1
1 pinça kelly 1 pinça dente de rato 1 anatômica
À medida que a ferida cronifica, a eficácia da irrigação
poderá tornar-se menor, uma vez que as bactérias alojam-se
mais profundamente nos tecidos.
Nestes casos, considerar o uso de medidas mais agressivas,
como desbridamento e antibioticoterapia.
 Remoção de tecidos necrosados aderidos e/ou de corpos
estranhos, deixando-a em condições adequadas para a
cicatrização.
 Recomenda-se que qualquer tecido necrótico seja
desbridado, desde que consistente com as condições clínicas
do paciente.
 Exceções:

Feridas isquêmicas com necrose seca (melhorar as condições
vasculares)

Úlceras com escaras (poderia haver desconforto e dor)

Condições clínicas não forem boas (cicatrização seria
prejudicada)
 utiliza os próprios leucócitos e enzimas do
paciente para a degradação do tecido necrótico.
Lento, porém confortável. Necessidade de meio
úmido.
AUTOLÍTICOAUTOLÍTICO
QUÍMICO ou ENZIMÁTICOQUÍMICO ou ENZIMÁTICO  utiliza enzimas proteolíticas que estimulam a
degradação do tecido necrótico. Pouco agressivo.
Necessidade de meio úmido.
MECÂNICOMECÂNICO  remoção do tecido necrótico com o uso de força
física (fricção com gazes ou esponja ou remoção
de gazes secas previamente aderidas na lesão).
CIRÚRGICOCIRÚRGICO  realizado com tesoura ou lâmina de bisturi (à
beira do leito, em ambulatório ou em centro
cirúrgico). O mais eficaz, embora possa haver dor
ou sangramento.
 Necessidade de escarotomia: feita para que a
cobertura penetre mais facilmente na escara
Apendicite, usado actisorb
Tec. adiposo
necrose
Tec.de
granulação
Tecido
pronto
para
enxerto
Dermatite
Ocre
Colonização
Pouco tec.de
granulação
Tecido
desvitalizado
Tecido de
granulação
 Aberto: curativo em feridas sem infecção,
que após tratamento permanecem
abertos (sem proteção de gaze).
 Fechado: São curativos que
permanecem fechados com gases,
sendo fixado somente nas laterais
 Oclusivo: curativo que após a limpeza da
ferida e aplicação do medicamento é
fechado ou ocluido com gaze ou
atadura, pode ser seco ou úmido com
soluções prescritas;
 Compressivo: é o que faz compressão
para estancar hemorragia ou vedar bem
uma incisão.
 Com irrigação: nos ferimentos com
infecção dentro da cavidade ou fistula,
com indicação de irrigação com
soluções salinas ou anti-séptico. A
irrigação é feita com seringa.
 Com drenagem: nos ferimentos com
grande quantidade de exsudato.
Coloca-se dreno de (Penrose, Kehr),
tubos, cateteres ou bolsas de colostomia.
Relato de
Casos
03.04.20
08
E FINALMENTE... O CURATIVOE FINALMENTE... O CURATIVO
Este não seria o termo mais adequado, uma vez que a palavra "curar" englobaria também todos osEste não seria o termo mais adequado, uma vez que a palavra "curar" englobaria também todos os
procedimentos anteriores. A adoção do termo cobertura parece então ser mais adequadaprocedimentos anteriores. A adoção do termo cobertura parece então ser mais adequada
1. Manter elevada umidade entre a ferida e a cobertura.
2. Remover o excesso de exudação.
3. Permitir as trocas gasosas.
4. Manter o isolamento térmico.
5. Manter impermeabilidade a bactérias.
6. Ser asséptica.
7. Permitir sua remoção sem traumas.
Características fundamentais de qualquer coberturaCaracterísticas fundamentais de qualquer cobertura
Algoritmo de Turner, 1982
66
COBERTURASCOBERTURAS
MAIS DE 400 TIPOS NO MERCADOMAIS DE 400 TIPOS NO MERCADO
PASSIVASPASSIVAS  LIMPEZA / ABSORÇÃO / PROTEÇÃOLIMPEZA / ABSORÇÃO / PROTEÇÃO
INTERATIVASINTERATIVAS  UMIDADE / pH BACTERIANO / OXIGÊNIOUMIDADE / pH BACTERIANO / OXIGÊNIO
BIOATIVASBIOATIVAS  FATORES DE CRESCIMENTO EQUIVALENTE ÀFATORES DE CRESCIMENTO EQUIVALENTE À
PELE HUMANAPELE HUMANA
67
CoberturasCoberturas
DUODERM
2ND SKIN
AQUACEL
BIOFILL
TIELLE
COMFEEL
TEGASORB
TEGAGEN
ALLEVYN
CARBOFLEX
NU-GEL
ACTISORB
PLUS
ADAPTIC
FIBRACOL
PLUS
Drenos abertos:
Eliminam secreções para dentro do curativo ou
coletores específicos, normalmente são inseridos
por meio de incisão cirúrgica.
 Drenos abertos
 Penrose:
 Consiste numa “fita” de
látex semelhante ao
dedo de luva;
 Tamanho variado;
 Utilizado
principalmente para
secreções
 Da cavidade abdominal
em cirurgias
contaminadas;

 
Por ser aberto, constitui porta de entrada
para bactérias;
Deve-se realizar curativo, trocar bolsa
coletora adesiva quando a drenagem é
volumosa.
Técnica de limpeza do dreno da ferida
-Retirar o curativo anterior;
-Limpar pele ao redor do dreno e depois dreno
se presença de infecção, caso contrário,
primeiro o dreno.
- Usar SF 0,9%;
- PVPI, esperar 2 minutos e retirar com SF
0,9%;
- Aplicar gaze e fechar com esparadrapo,
deixando a gaze exposta para observação
de drenagem.
Dreno Kehr
Inserido no canal colédoco para drenagem
de bile, sua extremidade tem forma de T
- Deve-se observar a pele ao redor, que
pode ser irritada pela bile se esta
extravasar;
- Realizar a limpeza da mesma forma que
se faz com o dreno suctor;
- Trocar o vaso coletor anotando aspecto
e quantidade de drenagem;
Drenos Fechados
Suctor / Portovac:
- Drena a secreção atraves do
efeito de vácuo
provocado pelo seu coletor,
através de sucção;
-Por ser um sistema fechado,
tem baixo
Índice de infecção;
Possui coletor acoplado em
forma de
“sanfona”.
Técnicas de limpeza de dreno suctor:
-Retirar o curativo com gaze embebida em éter;
-Limpar a pele ao redor do dreno com SF 0,9%;
-Limpar parte do dreno em contato com a pele
com SF 0,9%;
-Fechar com curativo;
-Pinçar extensão do dreno;
-Esvaziar o coletor em recipiente, lavando-o com
SF 0,9% e em seguida fechá-lo.
 Observar funcionamento do dreno ,anotar débito e a
coloração da secreção drenada.
 Observar a extensão do dreno e evitar dobras e
toções;
 Observar sinais de infecção em pele peri-dreno;
 Trocar diariamente o curativo do local de inserção do
dreno;
 Manter o dreno com vácuo (sucção).
Dreno de tórax –
Tudo inserido no tórax para
drenagem de ar ( pneumotrax)
ou secreções ( hemotórax ,
empiema).
-O fim de sua extensão fica
submerso em recipiente com
SF 0,9% (selo d’água);
-Realizar o curativo do local de
inserção do dreno com SF
0,9%, aplicar PVPI, esperar 2
minutos e retirar com SF 0,9%
e ocluir;
- Pinçar dreno para evitar a
entrada de ar no sistema;
- Desprezar o soro com
secreções do recipiente,
lavando-o e colocando soro
suficiente para deixar o dreno
imerso.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativosLuh Soares
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosHeberth Macedo
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadahospital
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativosJocasta Bonmann
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelizaçãoGilson Betta Sevilha
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosLaiane Alves
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridasRodrigo Abreu
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemMarco Antonio
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaRicardo Augusto
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeISCISA
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalRodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridas
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 

Destaque

Feridas E Curativos
Feridas E CurativosFeridas E Curativos
Feridas E Curativostecnicas
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01SMS - Petrópolis
 
Manual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeManual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeViviane da Silva
 

Destaque (6)

Feridas - FSA
Feridas - FSAFeridas - FSA
Feridas - FSA
 
Curativos especiais
Curativos especiaisCurativos especiais
Curativos especiais
 
Feridas E Curativos
Feridas E CurativosFeridas E Curativos
Feridas E Curativos
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01
 
Manual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeManual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saude
 
Catálogo de curativos e coberturas
Catálogo de curativos e coberturasCatálogo de curativos e coberturas
Catálogo de curativos e coberturas
 

Semelhante a Avaliação e cuidados iniciais para feridas

5343303 tipos-de-curativos
5343303 tipos-de-curativos5343303 tipos-de-curativos
5343303 tipos-de-curativosLucia Tome
 
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptxCONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptxjoseantoniodesouza72
 
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdfCONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdfjoseantoniodesouza72
 
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfLarissaMachado97
 
Pop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisadoPop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisadoRoderly
 
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptxaula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptxMarcioCruz62
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosAlexandre Donha
 
Curativo apresentação (1)
Curativo apresentação (1)Curativo apresentação (1)
Curativo apresentação (1)Solange Broggine
 
Aula 4 - 2_CUIDADO_INTEGRAL_PORTADOR_LESOES_UNIDADE_I (revisado HAAF) (revisa...
Aula 4 - 2_CUIDADO_INTEGRAL_PORTADOR_LESOES_UNIDADE_I (revisado HAAF) (revisa...Aula 4 - 2_CUIDADO_INTEGRAL_PORTADOR_LESOES_UNIDADE_I (revisado HAAF) (revisa...
Aula 4 - 2_CUIDADO_INTEGRAL_PORTADOR_LESOES_UNIDADE_I (revisado HAAF) (revisa...anagabrielasilvaoliv
 
Colostomia apresentação
Colostomia apresentaçãoColostomia apresentação
Colostomia apresentaçãoLindiane Eloisa
 
Curativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptCurativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptClarissePaes
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemJoaraSilva1
 

Semelhante a Avaliação e cuidados iniciais para feridas (20)

5343303 tipos-de-curativos
5343303 tipos-de-curativos5343303 tipos-de-curativos
5343303 tipos-de-curativos
 
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptxCONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
 
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdfCONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
 
tratamento-de-feridas.ppt
tratamento-de-feridas.ppttratamento-de-feridas.ppt
tratamento-de-feridas.ppt
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
 
Pop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisadoPop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisado
 
FERIDAS E COBERTURAS.pdf
FERIDAS E COBERTURAS.pdfFERIDAS E COBERTURAS.pdf
FERIDAS E COBERTURAS.pdf
 
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptxaula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
 
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
 
curativos aula.pptx
curativos aula.pptxcurativos aula.pptx
curativos aula.pptx
 
curativos.ppt
curativos.pptcurativos.ppt
curativos.ppt
 
Curativo apresentação (1)
Curativo apresentação (1)Curativo apresentação (1)
Curativo apresentação (1)
 
Curativos léia
Curativos  léiaCurativos  léia
Curativos léia
 
Aula 4 - 2_CUIDADO_INTEGRAL_PORTADOR_LESOES_UNIDADE_I (revisado HAAF) (revisa...
Aula 4 - 2_CUIDADO_INTEGRAL_PORTADOR_LESOES_UNIDADE_I (revisado HAAF) (revisa...Aula 4 - 2_CUIDADO_INTEGRAL_PORTADOR_LESOES_UNIDADE_I (revisado HAAF) (revisa...
Aula 4 - 2_CUIDADO_INTEGRAL_PORTADOR_LESOES_UNIDADE_I (revisado HAAF) (revisa...
 
Colostomia apresentação
Colostomia apresentaçãoColostomia apresentação
Colostomia apresentação
 
Manual sobre drenos
Manual sobre drenosManual sobre drenos
Manual sobre drenos
 
Curativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptCurativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.ppt
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
 

Mais de Viviane da Silva

Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éViviane da Silva
 
Cuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctorCuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctorViviane da Silva
 
Administração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginalAdministração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginalViviane da Silva
 
Administração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaAdministração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaViviane da Silva
 
Administração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasalAdministração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasalViviane da Silva
 
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)Viviane da Silva
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioViviane da Silva
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoViviane da Silva
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Viviane da Silva
 
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spViviane da Silva
 
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoaisAula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoaisViviane da Silva
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteViviane da Silva
 
Manual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinaçãoManual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinaçãoViviane da Silva
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retalViviane da Silva
 

Mais de Viviane da Silva (20)

Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
Cancer de pele
Cancer de peleCancer de pele
Cancer de pele
 
Cuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctorCuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctor
 
Administração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginalAdministração medicamenos via vaginal
Administração medicamenos via vaginal
 
Administração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmicaAdministração de medicamentos via oftalmica
Administração de medicamentos via oftalmica
 
Administração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasalAdministração de medicamentos via nasal
Administração de medicamentos via nasal
 
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
Aula Remoção manual impactação fecal (fecaloma)
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições
 
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-spManual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
Manual anotacoes-de-enfermagem-coren-sp
 
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoaisAula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
Aula 1 orientações gerais e cuidados pessoais
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
 
Limpeza terminal
Limpeza terminalLimpeza terminal
Limpeza terminal
 
Manual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinaçãoManual procedimento vacinação
Manual procedimento vacinação
 
Reformapsiquiatrica
ReformapsiquiatricaReformapsiquiatrica
Reformapsiquiatrica
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 

Último

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 

Último (9)

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 

Avaliação e cuidados iniciais para feridas

  • 1. AVALIAÇÃO E CUIDADOS PRÁTICOS INICIAIS PARA O TRATAMENTO DAS FERIDAS
  • 2.  Qual a causaQual a causa  Há quanto tempo surgiuHá quanto tempo surgiu  História ou não de infecçãoHistória ou não de infecção  Intensidade da dor/edemaIntensidade da dor/edema  Extensão/profundidadeExtensão/profundidade  Características do leitoCaracterísticas do leito  Situação da pele ao redorSituação da pele ao redor Antes da conduta terapêutica, precisamos investigar a evolução da ferida
  • 3.  TamanhoTamanho Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
  • 4.  LocalizaçãoLocalização Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
  • 5.  ProfundidadeProfundidade Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
  • 6.  Exposição tendinosaExposição tendinosa Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
  • 7.  Presença de túneis e cavidadesPresença de túneis e cavidades Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
  • 8.  Presença de descolamentos, lojasPresença de descolamentos, lojas Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
  • 9. 9  Presença de tecido necróticoPresença de tecido necrótico Avaliação das FeridasAvaliação das Feridas
  • 10.  Remoção de tecidos necróticos/corpos estranhos do leito da ferida  Identificação e eliminação de processos infecciosos  Eliminação de espaços mortos  Absorção do excesso de exsudato  Manutenção do leito da ferida úmido  Isolamento térmico da ferida  Proteção contra traumas e contaminação bacteriana
  • 12.
  • 13.  Soluções preferencialmente aquecidas (temperatura constante de 37o C é capaz de estimular a mitose durante a granulação e a epitelização).  Minimizar traumas mecânicos e/ou químicos. Em feridas granuladas e limpas, se preconiza uma irrigação suave, para não danificar o tecido neoformado.
  • 14.
  • 15.  Para irrigações suaves de feridas mais superficiais: pode ser utilizada agulha de calibre 12 e seringa de 20 mL ou ainda um frasco de soro perfurado em diferentes locais.  Em feridas profundas,Em feridas profundas, estreitas ou com espaçoestreitas ou com espaço morto:morto: mais eficaz se realizadamais eficaz se realizada com uma seringacom uma seringa conectada a um cateter, oconectada a um cateter, o qual deverá ser introduzidoqual deverá ser introduzido com cuidado no leito dacom cuidado no leito da ferida antes de se iniciar aferida antes de se iniciar a irrigação.irrigação.
  • 16.  Material Necessário - Pacote estéril de curativo : 1 pinça anatômica, 1 1 pinça kelly 1 pinça dente de rato 1 anatômica
  • 17. À medida que a ferida cronifica, a eficácia da irrigação poderá tornar-se menor, uma vez que as bactérias alojam-se mais profundamente nos tecidos. Nestes casos, considerar o uso de medidas mais agressivas, como desbridamento e antibioticoterapia.
  • 18.  Remoção de tecidos necrosados aderidos e/ou de corpos estranhos, deixando-a em condições adequadas para a cicatrização.  Recomenda-se que qualquer tecido necrótico seja desbridado, desde que consistente com as condições clínicas do paciente.  Exceções:  Feridas isquêmicas com necrose seca (melhorar as condições vasculares)  Úlceras com escaras (poderia haver desconforto e dor)  Condições clínicas não forem boas (cicatrização seria prejudicada)
  • 19.
  • 20.  utiliza os próprios leucócitos e enzimas do paciente para a degradação do tecido necrótico. Lento, porém confortável. Necessidade de meio úmido. AUTOLÍTICOAUTOLÍTICO QUÍMICO ou ENZIMÁTICOQUÍMICO ou ENZIMÁTICO  utiliza enzimas proteolíticas que estimulam a degradação do tecido necrótico. Pouco agressivo. Necessidade de meio úmido. MECÂNICOMECÂNICO  remoção do tecido necrótico com o uso de força física (fricção com gazes ou esponja ou remoção de gazes secas previamente aderidas na lesão). CIRÚRGICOCIRÚRGICO  realizado com tesoura ou lâmina de bisturi (à beira do leito, em ambulatório ou em centro cirúrgico). O mais eficaz, embora possa haver dor ou sangramento.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.  Necessidade de escarotomia: feita para que a cobertura penetre mais facilmente na escara
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. Apendicite, usado actisorb Tec. adiposo necrose Tec.de granulação
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.  Aberto: curativo em feridas sem infecção, que após tratamento permanecem abertos (sem proteção de gaze).  Fechado: São curativos que permanecem fechados com gases, sendo fixado somente nas laterais
  • 49.  Oclusivo: curativo que após a limpeza da ferida e aplicação do medicamento é fechado ou ocluido com gaze ou atadura, pode ser seco ou úmido com soluções prescritas;  Compressivo: é o que faz compressão para estancar hemorragia ou vedar bem uma incisão.
  • 50.  Com irrigação: nos ferimentos com infecção dentro da cavidade ou fistula, com indicação de irrigação com soluções salinas ou anti-séptico. A irrigação é feita com seringa.  Com drenagem: nos ferimentos com grande quantidade de exsudato. Coloca-se dreno de (Penrose, Kehr), tubos, cateteres ou bolsas de colostomia.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64. E FINALMENTE... O CURATIVOE FINALMENTE... O CURATIVO Este não seria o termo mais adequado, uma vez que a palavra "curar" englobaria também todos osEste não seria o termo mais adequado, uma vez que a palavra "curar" englobaria também todos os procedimentos anteriores. A adoção do termo cobertura parece então ser mais adequadaprocedimentos anteriores. A adoção do termo cobertura parece então ser mais adequada 1. Manter elevada umidade entre a ferida e a cobertura. 2. Remover o excesso de exudação. 3. Permitir as trocas gasosas. 4. Manter o isolamento térmico. 5. Manter impermeabilidade a bactérias. 6. Ser asséptica. 7. Permitir sua remoção sem traumas. Características fundamentais de qualquer coberturaCaracterísticas fundamentais de qualquer cobertura Algoritmo de Turner, 1982
  • 65.
  • 66. 66 COBERTURASCOBERTURAS MAIS DE 400 TIPOS NO MERCADOMAIS DE 400 TIPOS NO MERCADO PASSIVASPASSIVAS  LIMPEZA / ABSORÇÃO / PROTEÇÃOLIMPEZA / ABSORÇÃO / PROTEÇÃO INTERATIVASINTERATIVAS  UMIDADE / pH BACTERIANO / OXIGÊNIOUMIDADE / pH BACTERIANO / OXIGÊNIO BIOATIVASBIOATIVAS  FATORES DE CRESCIMENTO EQUIVALENTE ÀFATORES DE CRESCIMENTO EQUIVALENTE À PELE HUMANAPELE HUMANA
  • 68. Drenos abertos: Eliminam secreções para dentro do curativo ou coletores específicos, normalmente são inseridos por meio de incisão cirúrgica.
  • 69.  Drenos abertos  Penrose:  Consiste numa “fita” de látex semelhante ao dedo de luva;  Tamanho variado;  Utilizado principalmente para secreções  Da cavidade abdominal em cirurgias contaminadas; 
  • 70.   Por ser aberto, constitui porta de entrada para bactérias; Deve-se realizar curativo, trocar bolsa coletora adesiva quando a drenagem é volumosa. Técnica de limpeza do dreno da ferida -Retirar o curativo anterior; -Limpar pele ao redor do dreno e depois dreno se presença de infecção, caso contrário, primeiro o dreno.
  • 71. - Usar SF 0,9%; - PVPI, esperar 2 minutos e retirar com SF 0,9%; - Aplicar gaze e fechar com esparadrapo, deixando a gaze exposta para observação de drenagem. Dreno Kehr Inserido no canal colédoco para drenagem de bile, sua extremidade tem forma de T
  • 72. - Deve-se observar a pele ao redor, que pode ser irritada pela bile se esta extravasar; - Realizar a limpeza da mesma forma que se faz com o dreno suctor; - Trocar o vaso coletor anotando aspecto e quantidade de drenagem;
  • 73. Drenos Fechados Suctor / Portovac: - Drena a secreção atraves do efeito de vácuo provocado pelo seu coletor, através de sucção; -Por ser um sistema fechado, tem baixo Índice de infecção; Possui coletor acoplado em forma de “sanfona”.
  • 74. Técnicas de limpeza de dreno suctor: -Retirar o curativo com gaze embebida em éter; -Limpar a pele ao redor do dreno com SF 0,9%; -Limpar parte do dreno em contato com a pele com SF 0,9%; -Fechar com curativo; -Pinçar extensão do dreno; -Esvaziar o coletor em recipiente, lavando-o com SF 0,9% e em seguida fechá-lo.
  • 75.  Observar funcionamento do dreno ,anotar débito e a coloração da secreção drenada.  Observar a extensão do dreno e evitar dobras e toções;  Observar sinais de infecção em pele peri-dreno;  Trocar diariamente o curativo do local de inserção do dreno;  Manter o dreno com vácuo (sucção).
  • 76. Dreno de tórax – Tudo inserido no tórax para drenagem de ar ( pneumotrax) ou secreções ( hemotórax , empiema). -O fim de sua extensão fica submerso em recipiente com SF 0,9% (selo d’água); -Realizar o curativo do local de inserção do dreno com SF 0,9%, aplicar PVPI, esperar 2 minutos e retirar com SF 0,9% e ocluir; - Pinçar dreno para evitar a entrada de ar no sistema; - Desprezar o soro com secreções do recipiente, lavando-o e colocando soro suficiente para deixar o dreno imerso.

Notas do Editor

  1. Mr John Smith, 73 years old • Decubitus ulcer, 8 cm x 8 cm, 5 cm deep • Left hip post-surgical procedure • First 3 weeks, wet-to-dry dressings 3 x daily • No granulation, yellow slough present • At 3 weeks, a hydrogel was applied • Occlusive secondary dressing applied • Left intact for four days • On removal, more granulation tissue, less yellow slough • Management continued, including pressure-relieving mattress and nutritional support • Upon discharge after 10 days of new regime, ulcer had decreased to 5 cm x 5 cm, 2 cm deep • Ulcer healed 4 weeks after discharge Reference Jensen 1998
  2. 0,9%