SlideShare uma empresa Scribd logo
Higiene Corporal
Pro fa. Dra. Maria He le na L. Caliri
EERP -USP
Objetivos das aulas
teórico-práticas para o aluno
• Identificar a importância da higiene corporal no
contexto da assistência de enfermagem.
• Justificar os objetivos das intervenções de
enfermagem relacionadas a higiene corporal.
Objetivos das aulas teórico-
práticas para o aluno
• Utilizar as fases do processo de enfermagem
(SAE) para prestar a assistência aos
pacientes considerando a necessidade de
higiene.
• Identificar os princípios básicos para a
realização dos procedimentos.
Higiene corporal envolve:
• Higiene oral
• Banho
• Higiene íntima ou lavagem externa
• Lavagem dos cabelos ou “xampu”
• Higiene das mãos e do rosto
Importância da higiene corporal
Conceito de higiene
e saúde
prevenção de problemas
(verminoses, escabiose,
pediculose, infecções de pele)
Fatores que influenciam
a prática de higiene
• Práticas sociais – cultura, hábito s fam iliare s
• Condição sócio-econômica – lim itaçõ e s, adaptaçõ e s.
• Conhecimento
• Preferências pessoais
• Condição física e mental
Doença e hospitalização
necessidades de higiene
• As pessoas saudáveis ou sem limitações
realizam seu próprio auto cuidado
• Pessoas doentes ou com comprometimento
físico podem necessitar de níveis variados de
assistência
Doença e hospitalização
necessidades de higiene
• Fatores que influenciam a capacidade da
pessoa para fazer o auto cuidado
• Limitações
Percepção da necessidade,
Diminuição da tolerância para a atividade (fadiga,
redução da força muscular)
Capacidade de equilibrar-se, ficar em pé, sentar.
Coordenação motora
Visão
Dor
Problemas de enfermagem
relacionados a higiene corporal
Identificação do Problema
de enfermagem (exemplos)
• Dificuldade para realização do auto cuidado relacionada a
diminuição da mobilidade de membros superiores.
• Perda da integridade da pele relacionada a permanência
do paciente com roupa molhada devido a incontinência
urinária .
• Falta de conhecimento sobre o cuidado com os pés e unhas
relacionado com a falta de exposição à informação.
• Risco para infecção relacionado a presença de ferida cirúrgica.
Problemas de enfermagem
(exemplo)
Falta de conhecimento sobre o cuidado com os pés
e unhas relacionado com a falta de exposição à
informação.
Planejamento de metas para as intervenções de
enfermagem:
O paciente compreenderá e realizará os métodos para
o cuidado corretamente.
O cliente terá as superfícies da pele e unha intactas.
Processo de enfermagem
Primeira fase da SAE - Coleta de dados:
Levantamento das necessidades de higiene
corporal do paciente.
Quando?
Na passagem de plantão, pela leitura do prontuário
do paciente, pela entrevista e pelo exame físico.
Processo de enfermagem
Coleta de dados: Levantamento das
necessidades de higiene corporal do paciente.
Como?
Pela avaliação da capacidade do paciente para o
auto cuidado: capacidade para deambular,
sentar-se ou movimentar os MMSS; intolerância
a atividade, diminuição do nível de consciência,
presença de equipamentos, sondas, drenos
AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL
para realizar as AB da VD
Banhar-se e vestir-se
Banhar-se – a avaliação da atividade é realizada em relação ao uso do chuveiro,
da banheira e ao ato de esfregar-se em qualquer uma dessas situações. Nessa
função, além do padronizado para todas as outras, também são considerados
independentes os idosos que receberem algum auxílio para banhar uma parte
específica do corpo como, por exemplo, a região dorsal ou uma das
extremidades.
Não recebe assistência (entra e
sai do banheiro sozinho se
essa é usualmente utilizada
para banho).
Recebe assistência no banho
somente para uma parte do
corpo (como costas ou uma
perna).
Recebe assistência no banho
em mais de uma parte do
corpo.
Vestir –se - Considera-se o ato de pegar as roupas no armário, bem como o
ato de se vestir propriamente dito. Como roupas são compreendidas roupas
íntimas, roupas externas, fechos e cintos. Calçar sapatos está excluído da
avaliação. A designação de dependência é dada às pessoas que recebem
alguma assistência pessoal ou que permanecem parcial ou totalmente
despidos.
Pega as roupas e se veste
completamente sem
assistência.
Pega as roupas e se veste sem
assistência, exceto para
amarrar os sapatos.
Recebe assistência para pegar
as roupas ou para vestir-se ou
permanece parcial ou
totalmente despido.
Banheiro – a função “ir ao banheiro” compreende o ato de ir ao
banheiro para excreções, higienizar-se e arrumar as próprias
roupas. Os idosos considerados independentes podem ou não
utilizar algum equipamento ou ajuda mecânica para desempenhar
a função sem que isso altere sua classificação. Dependentes são
aqueles que recebem qualquer auxílio direto ou que não
desempenham a função. Aqueles que utilizam “papagaios” ou
“comadres” também são considerados dependentes;
Vai ao banheiro,
higieniza-se e se veste
após as eliminações sem
assistência (pode utilizar
objetos de apoio como
bengala, andador, barras
de apoio ou cadeira de
rodas e pode utilizar
comadre ou urinol à
noite esvaziando por si
mesmo pela manhã).
Recebe assistência para
ir ao banheiro ou para
higienizar-se ou para
vestir-se após as
eliminações ou para usar
o urinol ou comadre à
noite.
Não vai ao banheiro para
urinar ou evacuar.
Transferência – a função “transferência” é avaliada pelo
movimento desempenhado pelo idoso para sair da cama e
sentar-se em uma cadeira e vice-versa. Como na função anterior,
o uso de equipamentos ou suporte mecânico não altera a
classificação de independência para a função.
Dependentes são as pessoas que recebem qualquer auxílio em
qualquer das transferências ou que não executam uma ou mais
transferências;
Deita-se e levanta-
se da cama ou da
cadeira sem
assistência (pode
utilizar um objeto de
apoio como bengala
ou andador.
Deita-se e levanta-
se da cama ou da
cadeira com auxilio.
Não sai da cama.
Continência – “continência” refere-se ao ato inteiramente
autocontrolado de urinar ou defecar.
A dependência está relacionada à presença de incontinência total
ou parcial em qualquer das funções.
Qualquer tipo de controle externo como enemas, cateterização ou
uso regular de fraldas classifica a pessoa como dependente;
Tem controle sobre
as funções de urinar
e evacuar.
Tem “acidentes” *
ocasionais.
*acidentes = perdas
urinárias ou fecais.
Supervisão para
controlar urina e
fezes, utiliza
cateterismo ou é
incontinente.
Sistematização da
Assistência de
enfermagem
Identificação do problema quanto a capacidade
do auto cuidado:
Paciente independente para realizar a sua própria
higiene corporal.
Pode necessitar de orientação quanto a forma de
realizá-la.
Identificação do problema quanto a capacidade
do auto cuidado:
Paciente semi-dependente para realizar a sua
própria higiene corporal.
Pode necessitar de auxílio na deambulação ou
uso de cadeira de banho e em alguma fase da
higiene corporal.
Sistematização da Assistência de enfermagem
Aula de higiene corporal 2012   cópia
Sistematização da Assistência de
enfermagem
Identificação do problema quanto a capacidade do
auto cuidado:
Paciente totalmente dependente de assistência
para realizar a higiene corporal.
Aula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópia
Planejamento do cuidado e
prescrição de enfermagem
• Estabelecimento das metas ou objetivos
do cuidado
• Identificação e preparo do material
disponível
• Preparo do ambiente
• Preparo do paciente
Planejamento do cuidado e prescrição
Intervenções
• Higiene oral – limpeza, conforto e umidificação das
estruturas da boca e próteses quando presentes.
• Cuidados com os cabelos: lavar e pentear
• Tricotomia do pêlo facial (fazer a barba)
• Higiene corporal completa incluindo unhas
• Lavagem das mão antes e após refeições e após
eliminações.
• Higiene perineal no pós-parto e certas cirurgias,
• Higiene íntima após eliminações, antes de
Princípios básicos para a higiene
• Iniciar a higiene do menos contaminado para o
mais contaminado (paciente com evacuação no
leito retirar a fralda ou limpar com papel higiênico
ou pano úmido antes de começar a higiene
corporal. Trocar luvas)
• Usar hamper. Não colocar a roupa suja no chão.
• Encaminhar a roupa suja para local adequado
• Usar as precauções padrão antes, durante e após
o procedimento.
1. Manter a proteção contra a contaminação
2. Conservar energia
• Organizar todo o material necessário
• Fechar portas e janelas.
• Usar água morna
• Manter o paciente coberto.
• Não demorar na realização do cuidado para
não cansar o paciente.
3. Favorecer a privacidade para o paciente
• Usar biombos nas enfermarias.
• Colocar aviso na porta e fechá-la
• Permitir, se possível que o paciente faça a
sua própria higiene íntima.
• Se necessário, solicitar ajuda de profissional
de mesmo sexo do/da paciente
4. Dar conforto físico e psicológico
• Explicar, orientar, conversar com o
paciente
• Coordenar a higiene com outras atividades
• Perguntar se o paciente quer
urinar/evacuar antes de iniciar o banho
• Estimular a participação do paciente
• Não deixá-lo sozinho ou desamparado
5. Prevenir acidentes, danos
•Avaliar a capacidade funcional ( nível de
independência) e necessidade de mais
pessoas para o procedimento
•Prevenir quedas do leito e no banheiro.
•Prevenir lipotímias e desmaios
•Prevenir queimaduras
Avaliação e documentação
do cuidado
• Inspecionar a pele e cavidades
• Inspecionar e palpar áreas específicas para observar
estado de circulação, dor
• Escutar o paciente. Observar o autocuidado
• Documentar o cuidado registrando as observações e
cuidados prestados.
Respostas do paciente
Aulas práticas
- Vídeo de procedimentos (antigos) -
reservar Lab fora do período de aula solicitar
no Lab 1
- Demonstração e Treinos em laboratório
-Estudo – livros textos de Fundamentos de
Enfermagem
LAVE-AS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Rosiane Maria
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
Fernanda Marinho
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdfHISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
RodrigoBatista51924
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
FernandaEvangelista17
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
enfanhanguera
 

Mais procurados (20)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdfHISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
HISTORIA DA ENFERMAGEM fund 1.pdf
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
 

Destaque

Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
9999894014
 
Tratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressãoTratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressão
Frederico Brandão
 
Ulcera Por Pressao 1
Ulcera Por Pressao 1Ulcera Por Pressao 1
Ulcera Por Pressao 1
enfermeirostecnicos
 
Úlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: PrevençãoÚlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: Prevenção
Proqualis
 
Ulcera De Pressao
Ulcera De PressaoUlcera De Pressao
Ulcera De Pressao
enfermeirostecnicos
 
Úlcera Por Pressão
Úlcera Por PressãoÚlcera Por Pressão
Úlcera Por Pressão
Cíntia Costa
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
Nathanael Amparo
 
Higiene e saude
Higiene e saudeHigiene e saude
Higiene e saude
estevamdua
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Rômulo Augusto
 

Destaque (10)

Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
Tratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressãoTratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressão
 
Ulcera Por Pressao 1
Ulcera Por Pressao 1Ulcera Por Pressao 1
Ulcera Por Pressao 1
 
Úlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: PrevençãoÚlcera por Pressão: Prevenção
Úlcera por Pressão: Prevenção
 
Ulcera De Pressao
Ulcera De PressaoUlcera De Pressao
Ulcera De Pressao
 
Úlcera Por Pressão
Úlcera Por PressãoÚlcera Por Pressão
Úlcera Por Pressão
 
úLceras de pressão
úLceras de pressãoúLceras de pressão
úLceras de pressão
 
Higiene e saude
Higiene e saudeHigiene e saude
Higiene e saude
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
 

Semelhante a Aula de higiene corporal 2012 cópia

aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
patriciapeixotocustd
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
MarianaMylena
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
LaisSalamene
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
PolianaPaiva9
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
LuanahMacarinny
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
DeyseCaroliniAlmeida
 
Aula de Higiene Corporal.pdf
Aula de Higiene Corporal.pdfAula de Higiene Corporal.pdf
Aula de Higiene Corporal.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Aula de Higiene Corporal.pptx
Aula de Higiene Corporal.pptxAula de Higiene Corporal.pptx
Aula de Higiene Corporal.pptx
GustavoWallaceAlvesd
 
Higiene corporal total
Higiene corporal totalHigiene corporal total
Higiene corporal total
Ana Ferraz
 
fundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptxfundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptx
NaraLcia2
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
Viviane da Silva
 
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptxHigiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
tuttitutti1
 
Curso 68
Curso 68Curso 68
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfAulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Johannesabreudeolive1
 
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
SimoneDoCarmodeJesus2
 
12 graus-de_dependencia
12  graus-de_dependencia12  graus-de_dependencia
12 graus-de_dependencia
Johnny Martins
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
Viviane da Silva
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem
KalianeValente
 
Atuação enf. biosseg
Atuação enf. biossegAtuação enf. biosseg
Atuação enf. biosseg
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
fund.pptx
fund.pptxfund.pptx
fund.pptx
DheniseMikaelly
 

Semelhante a Aula de higiene corporal 2012 cópia (20)

aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.pptaula de Higiene Corporal 2012.ppt
aula de Higiene Corporal 2012.ppt
 
Aula de Higiene Corporal.pdf
Aula de Higiene Corporal.pdfAula de Higiene Corporal.pdf
Aula de Higiene Corporal.pdf
 
Aula de Higiene Corporal.pptx
Aula de Higiene Corporal.pptxAula de Higiene Corporal.pptx
Aula de Higiene Corporal.pptx
 
Higiene corporal total
Higiene corporal totalHigiene corporal total
Higiene corporal total
 
fundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptxfundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptx
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
 
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptxHigiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
 
Curso 68
Curso 68Curso 68
Curso 68
 
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfAulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
 
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM.pptx...........
 
12 graus-de_dependencia
12  graus-de_dependencia12  graus-de_dependencia
12 graus-de_dependencia
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem
 
Atuação enf. biosseg
Atuação enf. biossegAtuação enf. biosseg
Atuação enf. biosseg
 
fund.pptx
fund.pptxfund.pptx
fund.pptx
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 

Aula de higiene corporal 2012 cópia

  • 1. Higiene Corporal Pro fa. Dra. Maria He le na L. Caliri EERP -USP
  • 2. Objetivos das aulas teórico-práticas para o aluno • Identificar a importância da higiene corporal no contexto da assistência de enfermagem. • Justificar os objetivos das intervenções de enfermagem relacionadas a higiene corporal.
  • 3. Objetivos das aulas teórico- práticas para o aluno • Utilizar as fases do processo de enfermagem (SAE) para prestar a assistência aos pacientes considerando a necessidade de higiene. • Identificar os princípios básicos para a realização dos procedimentos.
  • 4. Higiene corporal envolve: • Higiene oral • Banho • Higiene íntima ou lavagem externa • Lavagem dos cabelos ou “xampu” • Higiene das mãos e do rosto
  • 5. Importância da higiene corporal Conceito de higiene e saúde prevenção de problemas (verminoses, escabiose, pediculose, infecções de pele)
  • 6. Fatores que influenciam a prática de higiene • Práticas sociais – cultura, hábito s fam iliare s • Condição sócio-econômica – lim itaçõ e s, adaptaçõ e s. • Conhecimento • Preferências pessoais • Condição física e mental
  • 7. Doença e hospitalização necessidades de higiene • As pessoas saudáveis ou sem limitações realizam seu próprio auto cuidado • Pessoas doentes ou com comprometimento físico podem necessitar de níveis variados de assistência
  • 8. Doença e hospitalização necessidades de higiene • Fatores que influenciam a capacidade da pessoa para fazer o auto cuidado • Limitações Percepção da necessidade, Diminuição da tolerância para a atividade (fadiga, redução da força muscular) Capacidade de equilibrar-se, ficar em pé, sentar. Coordenação motora Visão Dor
  • 10. Identificação do Problema de enfermagem (exemplos) • Dificuldade para realização do auto cuidado relacionada a diminuição da mobilidade de membros superiores. • Perda da integridade da pele relacionada a permanência do paciente com roupa molhada devido a incontinência urinária . • Falta de conhecimento sobre o cuidado com os pés e unhas relacionado com a falta de exposição à informação. • Risco para infecção relacionado a presença de ferida cirúrgica.
  • 11. Problemas de enfermagem (exemplo) Falta de conhecimento sobre o cuidado com os pés e unhas relacionado com a falta de exposição à informação. Planejamento de metas para as intervenções de enfermagem: O paciente compreenderá e realizará os métodos para o cuidado corretamente. O cliente terá as superfícies da pele e unha intactas.
  • 12. Processo de enfermagem Primeira fase da SAE - Coleta de dados: Levantamento das necessidades de higiene corporal do paciente. Quando? Na passagem de plantão, pela leitura do prontuário do paciente, pela entrevista e pelo exame físico.
  • 13. Processo de enfermagem Coleta de dados: Levantamento das necessidades de higiene corporal do paciente. Como? Pela avaliação da capacidade do paciente para o auto cuidado: capacidade para deambular, sentar-se ou movimentar os MMSS; intolerância a atividade, diminuição do nível de consciência, presença de equipamentos, sondas, drenos AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL para realizar as AB da VD
  • 14. Banhar-se e vestir-se Banhar-se – a avaliação da atividade é realizada em relação ao uso do chuveiro, da banheira e ao ato de esfregar-se em qualquer uma dessas situações. Nessa função, além do padronizado para todas as outras, também são considerados independentes os idosos que receberem algum auxílio para banhar uma parte específica do corpo como, por exemplo, a região dorsal ou uma das extremidades. Não recebe assistência (entra e sai do banheiro sozinho se essa é usualmente utilizada para banho). Recebe assistência no banho somente para uma parte do corpo (como costas ou uma perna). Recebe assistência no banho em mais de uma parte do corpo. Vestir –se - Considera-se o ato de pegar as roupas no armário, bem como o ato de se vestir propriamente dito. Como roupas são compreendidas roupas íntimas, roupas externas, fechos e cintos. Calçar sapatos está excluído da avaliação. A designação de dependência é dada às pessoas que recebem alguma assistência pessoal ou que permanecem parcial ou totalmente despidos. Pega as roupas e se veste completamente sem assistência. Pega as roupas e se veste sem assistência, exceto para amarrar os sapatos. Recebe assistência para pegar as roupas ou para vestir-se ou permanece parcial ou totalmente despido.
  • 15. Banheiro – a função “ir ao banheiro” compreende o ato de ir ao banheiro para excreções, higienizar-se e arrumar as próprias roupas. Os idosos considerados independentes podem ou não utilizar algum equipamento ou ajuda mecânica para desempenhar a função sem que isso altere sua classificação. Dependentes são aqueles que recebem qualquer auxílio direto ou que não desempenham a função. Aqueles que utilizam “papagaios” ou “comadres” também são considerados dependentes; Vai ao banheiro, higieniza-se e se veste após as eliminações sem assistência (pode utilizar objetos de apoio como bengala, andador, barras de apoio ou cadeira de rodas e pode utilizar comadre ou urinol à noite esvaziando por si mesmo pela manhã). Recebe assistência para ir ao banheiro ou para higienizar-se ou para vestir-se após as eliminações ou para usar o urinol ou comadre à noite. Não vai ao banheiro para urinar ou evacuar.
  • 16. Transferência – a função “transferência” é avaliada pelo movimento desempenhado pelo idoso para sair da cama e sentar-se em uma cadeira e vice-versa. Como na função anterior, o uso de equipamentos ou suporte mecânico não altera a classificação de independência para a função. Dependentes são as pessoas que recebem qualquer auxílio em qualquer das transferências ou que não executam uma ou mais transferências; Deita-se e levanta- se da cama ou da cadeira sem assistência (pode utilizar um objeto de apoio como bengala ou andador. Deita-se e levanta- se da cama ou da cadeira com auxilio. Não sai da cama.
  • 17. Continência – “continência” refere-se ao ato inteiramente autocontrolado de urinar ou defecar. A dependência está relacionada à presença de incontinência total ou parcial em qualquer das funções. Qualquer tipo de controle externo como enemas, cateterização ou uso regular de fraldas classifica a pessoa como dependente; Tem controle sobre as funções de urinar e evacuar. Tem “acidentes” * ocasionais. *acidentes = perdas urinárias ou fecais. Supervisão para controlar urina e fezes, utiliza cateterismo ou é incontinente.
  • 18. Sistematização da Assistência de enfermagem Identificação do problema quanto a capacidade do auto cuidado: Paciente independente para realizar a sua própria higiene corporal. Pode necessitar de orientação quanto a forma de realizá-la.
  • 19. Identificação do problema quanto a capacidade do auto cuidado: Paciente semi-dependente para realizar a sua própria higiene corporal. Pode necessitar de auxílio na deambulação ou uso de cadeira de banho e em alguma fase da higiene corporal. Sistematização da Assistência de enfermagem
  • 21. Sistematização da Assistência de enfermagem Identificação do problema quanto a capacidade do auto cuidado: Paciente totalmente dependente de assistência para realizar a higiene corporal.
  • 24. Planejamento do cuidado e prescrição de enfermagem • Estabelecimento das metas ou objetivos do cuidado • Identificação e preparo do material disponível • Preparo do ambiente • Preparo do paciente
  • 25. Planejamento do cuidado e prescrição
  • 26. Intervenções • Higiene oral – limpeza, conforto e umidificação das estruturas da boca e próteses quando presentes. • Cuidados com os cabelos: lavar e pentear • Tricotomia do pêlo facial (fazer a barba) • Higiene corporal completa incluindo unhas • Lavagem das mão antes e após refeições e após eliminações. • Higiene perineal no pós-parto e certas cirurgias, • Higiene íntima após eliminações, antes de
  • 27. Princípios básicos para a higiene • Iniciar a higiene do menos contaminado para o mais contaminado (paciente com evacuação no leito retirar a fralda ou limpar com papel higiênico ou pano úmido antes de começar a higiene corporal. Trocar luvas) • Usar hamper. Não colocar a roupa suja no chão. • Encaminhar a roupa suja para local adequado • Usar as precauções padrão antes, durante e após o procedimento. 1. Manter a proteção contra a contaminação
  • 28. 2. Conservar energia • Organizar todo o material necessário • Fechar portas e janelas. • Usar água morna • Manter o paciente coberto. • Não demorar na realização do cuidado para não cansar o paciente.
  • 29. 3. Favorecer a privacidade para o paciente • Usar biombos nas enfermarias. • Colocar aviso na porta e fechá-la • Permitir, se possível que o paciente faça a sua própria higiene íntima. • Se necessário, solicitar ajuda de profissional de mesmo sexo do/da paciente
  • 30. 4. Dar conforto físico e psicológico • Explicar, orientar, conversar com o paciente • Coordenar a higiene com outras atividades • Perguntar se o paciente quer urinar/evacuar antes de iniciar o banho • Estimular a participação do paciente • Não deixá-lo sozinho ou desamparado
  • 31. 5. Prevenir acidentes, danos •Avaliar a capacidade funcional ( nível de independência) e necessidade de mais pessoas para o procedimento •Prevenir quedas do leito e no banheiro. •Prevenir lipotímias e desmaios •Prevenir queimaduras
  • 32. Avaliação e documentação do cuidado • Inspecionar a pele e cavidades • Inspecionar e palpar áreas específicas para observar estado de circulação, dor • Escutar o paciente. Observar o autocuidado • Documentar o cuidado registrando as observações e cuidados prestados. Respostas do paciente
  • 33. Aulas práticas - Vídeo de procedimentos (antigos) - reservar Lab fora do período de aula solicitar no Lab 1 - Demonstração e Treinos em laboratório -Estudo – livros textos de Fundamentos de Enfermagem