SlideShare uma empresa Scribd logo
Cateterismo Vesical




              Prof. Rodrigo Abreu
Eliminações urinária

A eliminação urinária depende da função dos rins,
ureteres, bexiga e uretra;
Os rins removem resíduos do sangue para formar a
urina;
Os ureteres transportam a urina dos rins até a
bexiga;
A bexiga retém a urina até que se desenvolva a
vontade de urinar;
A urina sai do corpo através da uretra.
Semiologia do sistema renal
Cateterismo

 O cateterismo da bexiga envolve a
  introdução de sonda de silicone,
  polietileno ou borracha através da
  uretra e dentro da bexiga. A sonda
  proporciona um fluxo de urina
  contínuo nos clientes incapazes de
  controlar a micção ou naqueles
  com obstruções.

 Também é usado para avaliar o
  débito urinário     horário em
  clientes  com       instabilidade
  hemodinâmica.
TIPOS DE SONDAS OU CATETERES

 Variam de modelos e materiais, de acordo com o
 tipo de sondagem, se de alívio ou de demora.

 Para as sondagens de alívio, as mais utilizadas
 são a sonda de nelaton;

 Para as sondagens de demora temos as sondas
 de duas vias, como a de Foley ou a de três vias para
 lavagem vesical, a de Owen.
Cateterismo vesical de alívio

 Um cateter reto e de uso único é introduzido por
  um período suficiente para drenar a bexiga. Quando
  a bexiga estiver vazia o cateter deve ser retirado
  imediatamente.
 Este tipo de cateterismo pode ser repetido quando
  necessário, porém, o uso repetido aumenta os riscos
  de trauma e infecção.
 Numeração de 8 – 12 Fr.
Cateterismo vesical de alívio

 Indicações para o cateterismo de alívio:


 Alívio para retenção urinária;
 Obtenção de urina estéril;
 Avaliação de urina residual depois da micção;
Cateterismo vesical de alívio

 Cateterismo intermitente:


 Utilizado em horários pré-estabelecidos:
 Ex. a cada 6 horas
 Ex. portadores de bexiga neurogênica
Cateterismo vesical de demora

 Uma sonda de demora ou foley permanece no local
    por um período prolongado.
   Possui um balão insuflável com água que envolve a
    sonda exatamente abaixo da extremidade, quando
    insuflado, o balão repousa contra a saída da
    bexiga, fixando a sonda na posição.
   A sonda de retenção ou de demora possui duas ou
    três luzes dentro do corpo da sonda.
   Tempo de permanência Indeterminado
   Numeração de 14 – 16 Fr em mulheres
                    16 - 20 Fr em homens
CATETERES UTILIZADOS NA SONDAGEM
       VESICAL DE DEMORA

             Sonda de foley possui uma via para drenagem de
              urina e outra para inflar e desinflar o balonete.




              Sonda de Owen é usada quando é necessário
              manter a irrigação da bexiga, instilação
              de medicamentos.
FINALIDADES

 Facilitar a eliminação vesical.
 Facilitar a coleta de amostras estéreis de urina.
 Facilitar a avaliação da quantidade de urina residual.
 Permitir uma avaliação continua e apurada da diurese.
 Fornecer uma via para irrigação da bexiga.
 Realizar o controle indireto da função hemodinâmica
  e promover a drenagem de paciente com incontinência
  urinaria.
 Esvaziar a bexiga para procedimentos cirúrgicos ou
  diagnósticos.
 Controlar sangramentos.
Cuidados de Enfermagem

         O cateterismo deve ser realizado quando
      absolutamente necessário, devido ao grande risco
            de originar infecção no trato urinário.
   Quando paciente estiver com retenção urinaria, realizar
    algumas técnicas que levam a micção voluntária.
   Transmitir atitudes calmas ao paciente.
   Oferecer medicamentos para o alivio da dor .
   Atender prontamente a solicitação do paciente urinar.
   Proporcionar privacidade.
   Favorecer a posição mas adequada ao paciente.
   Proporcionar estímulos que facilitem a micção, como deixar
    uma torneira aberta perto do paciente.
   Colocar bolsas com água morna sobre a região inferior do
    abdômen do paciente.
   Oferecer banho quente que pode resultar em relaxamento
    muscular.
COMPLICAÇÕES

 Infecção urinaria: mas comum causada principalmente pelo
    uso incorreto da técnica asséptica.
   Hemorragia: pode ser causada pela utilização de uma sonda
    de calibre inadequado ao tamanho da uretra, passagem
    incorreta , existência de patologias previas.
   Formação de cálculos na bexiga: devido a,longa permanência
    da sonda.
   Bexiga neurogênica: nos pacientes com permanência
    prolongada da sonda .
   Trauma tissular: devido a aplicação de força durante a
    passagem ,utilização de sonda muito calibrosa.
MATERIAL NECESSARIO




SONDA DE FOLEY
                          Sistema fechado de coleta
                                   de urina
Água destilada
                                              Seringa de 20 ml
                      Luvas de Procedimento




                                                    lidocaina
Antisséptico tópico




    Micropore          Saco de lixo                Luvas estéreis
Campo estéril; cuba redonda ou cúpula; gaze; pinça Sheron; cuba rim;
Recipiente para coleta de urina; Recipiente estéril para coleta de amostra de
urina; Biombo s/n.
Vamos Praticar ???
PROCEDIMENTO

1 Orientar o paciente quanto ao procedimento se este estiver lúcido.

                                           2 Lave bem as mãos.




3 Reunir material necessário em bandeja

4 Organizar a unidade do paciente Manter a privacidade
  Calçar as luvas de procedimento
  Fazer assepsia (higiene do paciente)
5 Posicionar o paciente em decúbito dorsal (Homem) e posição ginecológica
(Mulher).




 6 Abrir o pacote de sondagem sobre a mesa auxiliar.
 7 Abrir o material sobre o campo (de forma estéril)
 8 Colocar antisséptico na cuba redonda.

9 Colocar 10 ml de lidocaina gel na seringa (homem) e na gaze (mulher).
10 Calçar as luvas de Procedimento
11 Realizar antissepsia do períneo

12 Colocar campo fenestrado

13 Calçar Luvas estéreis

14 Testar o balonete

15 Conectar a bolsa coletora
16 Visualizar o meato uretral e introduzir a sonda lenta e delicadamente
17 Inflar o balonete com 10 a 20 ml de água destilada
18 Tracionar a sonda para posiciona-la e testar segurança
19 Retira o campo estéril
20 Fixar a Sonda




 Homens : região supra púbica            Mulher : face interna da coxa.
•Manter a unidade em ordem

•Descartar material usado

•Registrar procedimento no prontuário da paciente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
Luana Santos
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
Madalena Silveira
 
Drenos e Sondas
Drenos e SondasDrenos e Sondas
Drenos e Sondas
Eduardo Bernardino
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
Laís Lucas
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdfTE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
YancaViana2016
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
Luana Silva
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
Guiomar Dutra Lima
 
Manual sobre drenos
Manual sobre drenosManual sobre drenos
Manual sobre drenos
Eduardo Bernardino
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
fundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptxfundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptx
NaraLcia2
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
bianca375788
 
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
Pelo Siro
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
Viviane da Silva
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 

Mais procurados (20)

Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 
Drenos e Sondas
Drenos e SondasDrenos e Sondas
Drenos e Sondas
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdfTE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
TE. ENFERMAGEM SONDAS DRENOS E CATETER.pdf
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Manual sobre drenos
Manual sobre drenosManual sobre drenos
Manual sobre drenos
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
fundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptxfundamentos higiene corporal .pptx
fundamentos higiene corporal .pptx
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
 
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 

Destaque

Cuidados en la instalación de sonda foley y manejo posterior
Cuidados en la instalación de sonda foley y manejo posteriorCuidados en la instalación de sonda foley y manejo posterior
Cuidados en la instalación de sonda foley y manejo posterior
Nacha Vilches
 
Aparato genitourinario
Aparato genitourinarioAparato genitourinario
Aparato genitourinario
Victor Montero
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Fernando Rivera Fortín-Magaña
 
Cuiados Enfermeria a Pacientes con Sondas
Cuiados Enfermeria a Pacientes con SondasCuiados Enfermeria a Pacientes con Sondas
Cuiados Enfermeria a Pacientes con Sondas
abgiovanola
 
Sondaje nasogastrico
Sondaje nasogastricoSondaje nasogastrico
Sondaje nasogastrico
Benn Torres
 
Colocación de sonda Foley en hombre y mujer (Sondaje Vesical)
Colocación de sonda Foley en hombre y mujer (Sondaje Vesical)Colocación de sonda Foley en hombre y mujer (Sondaje Vesical)
Colocación de sonda Foley en hombre y mujer (Sondaje Vesical)
Tania Chavez
 
Colocacion Sonda Vesical
Colocacion Sonda VesicalColocacion Sonda Vesical
Colocacion Sonda Vesical
guest85de80
 
Colocación de sonda foley
Colocación de sonda foleyColocación de sonda foley
Sonda vesical
Sonda vesicalSonda vesical
Sonda vesical
Ruth Mariela Churata
 
Cuidados de Enfermería en el paciente con sonda
Cuidados de Enfermería en el paciente con sondaCuidados de Enfermería en el paciente con sonda
Cuidados de Enfermería en el paciente con sonda
Radiofonico
 

Destaque (10)

Cuidados en la instalación de sonda foley y manejo posterior
Cuidados en la instalación de sonda foley y manejo posteriorCuidados en la instalación de sonda foley y manejo posterior
Cuidados en la instalación de sonda foley y manejo posterior
 
Aparato genitourinario
Aparato genitourinarioAparato genitourinario
Aparato genitourinario
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Cuiados Enfermeria a Pacientes con Sondas
Cuiados Enfermeria a Pacientes con SondasCuiados Enfermeria a Pacientes con Sondas
Cuiados Enfermeria a Pacientes con Sondas
 
Sondaje nasogastrico
Sondaje nasogastricoSondaje nasogastrico
Sondaje nasogastrico
 
Colocación de sonda Foley en hombre y mujer (Sondaje Vesical)
Colocación de sonda Foley en hombre y mujer (Sondaje Vesical)Colocación de sonda Foley en hombre y mujer (Sondaje Vesical)
Colocación de sonda Foley en hombre y mujer (Sondaje Vesical)
 
Colocacion Sonda Vesical
Colocacion Sonda VesicalColocacion Sonda Vesical
Colocacion Sonda Vesical
 
Colocación de sonda foley
Colocación de sonda foleyColocación de sonda foley
Colocación de sonda foley
 
Sonda vesical
Sonda vesicalSonda vesical
Sonda vesical
 
Cuidados de Enfermería en el paciente con sonda
Cuidados de Enfermería en el paciente con sondaCuidados de Enfermería en el paciente con sonda
Cuidados de Enfermería en el paciente con sonda
 

Semelhante a Cateterismo vesical

Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de UripenSondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
nayara368
 
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
RosilaneConceio1
 
Apostila enfermagem cirurgica
Apostila   enfermagem cirurgica Apostila   enfermagem cirurgica
Apostila enfermagem cirurgica
Ricardo Araujo
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ssuser80ae40
 
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
GabriellyAndrade18
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
JessiellyGuimares
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
BruceCosta5
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Agneldo Ferreira
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ssuser80ae40
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
Ivanilson Gomes
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
ssuser51d27c1
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
AnthonySantos74
 
Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
Danilo Modesto
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
yassmim2023gomess
 
Transporte de amostras biológicas diferentes tipos
Transporte de amostras biológicas diferentes tiposTransporte de amostras biológicas diferentes tipos
Transporte de amostras biológicas diferentes tipos
Sónia Lameirão
 
T
TT
Diálise peritoneal
Diálise peritonealDiálise peritoneal
Diálise peritoneal
Anderson Santana
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
Viviane da Silva
 
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdfAssistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
YuriFargom1
 

Semelhante a Cateterismo vesical (20)

Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de UripenSondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
 
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
 
Apostila enfermagem cirurgica
Apostila   enfermagem cirurgica Apostila   enfermagem cirurgica
Apostila enfermagem cirurgica
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
 
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
 
Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
 
Transporte de amostras biológicas diferentes tipos
Transporte de amostras biológicas diferentes tiposTransporte de amostras biológicas diferentes tipos
Transporte de amostras biológicas diferentes tipos
 
T
TT
T
 
Diálise peritoneal
Diálise peritonealDiálise peritoneal
Diálise peritoneal
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdfAssistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
 

Mais de Rodrigo Abreu

Aula 3 pesquisas eletrônicas
Aula 3   pesquisas eletrônicasAula 3   pesquisas eletrônicas
Aula 3 pesquisas eletrônicas
Rodrigo Abreu
 
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Rodrigo Abreu
 
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Aula 1   elaboração de trabalhos científicosAula 1   elaboração de trabalhos científicos
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Rodrigo Abreu
 
Ciclo iii 04
Ciclo iii 04Ciclo iii 04
Ciclo iii 04
Rodrigo Abreu
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
Rodrigo Abreu
 
Ciclo iii 02
Ciclo iii 02Ciclo iii 02
Ciclo iii 02
Rodrigo Abreu
 
Ciclo iii 01
Ciclo iii 01Ciclo iii 01
Ciclo iii 01
Rodrigo Abreu
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Rodrigo Abreu
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 
Genero 08
Genero 08Genero 08
Genero 08
Rodrigo Abreu
 
Genero 07
Genero 07Genero 07
Genero 07
Rodrigo Abreu
 
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Rodrigo Abreu
 
Genero 06
Genero 06Genero 06
Genero 06
Rodrigo Abreu
 
Genero 05
Genero 05Genero 05
Genero 05
Rodrigo Abreu
 
Saude mental
Saude mentalSaude mental
Saude mental
Rodrigo Abreu
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
Rodrigo Abreu
 
Ciclo i 03
Ciclo i 03Ciclo i 03
Ciclo i 03
Rodrigo Abreu
 
Ciclo i 04
Ciclo i 04Ciclo i 04
Ciclo i 04
Rodrigo Abreu
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
Rodrigo Abreu
 

Mais de Rodrigo Abreu (20)

Aula 3 pesquisas eletrônicas
Aula 3   pesquisas eletrônicasAula 3   pesquisas eletrônicas
Aula 3 pesquisas eletrônicas
 
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
 
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Aula 1   elaboração de trabalhos científicosAula 1   elaboração de trabalhos científicos
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
 
Ciclo iii 04
Ciclo iii 04Ciclo iii 04
Ciclo iii 04
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
 
Ciclo iii 02
Ciclo iii 02Ciclo iii 02
Ciclo iii 02
 
Ciclo iii 01
Ciclo iii 01Ciclo iii 01
Ciclo iii 01
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapia
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Genero 08
Genero 08Genero 08
Genero 08
 
Genero 07
Genero 07Genero 07
Genero 07
 
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
 
Genero 06
Genero 06Genero 06
Genero 06
 
Genero 05
Genero 05Genero 05
Genero 05
 
Saude mental
Saude mentalSaude mental
Saude mental
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
 
Ciclo i 03
Ciclo i 03Ciclo i 03
Ciclo i 03
 
Ciclo i 04
Ciclo i 04Ciclo i 04
Ciclo i 04
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
 

Cateterismo vesical

  • 1. Cateterismo Vesical Prof. Rodrigo Abreu
  • 2. Eliminações urinária A eliminação urinária depende da função dos rins, ureteres, bexiga e uretra; Os rins removem resíduos do sangue para formar a urina; Os ureteres transportam a urina dos rins até a bexiga; A bexiga retém a urina até que se desenvolva a vontade de urinar; A urina sai do corpo através da uretra.
  • 4. Cateterismo  O cateterismo da bexiga envolve a introdução de sonda de silicone, polietileno ou borracha através da uretra e dentro da bexiga. A sonda proporciona um fluxo de urina contínuo nos clientes incapazes de controlar a micção ou naqueles com obstruções.  Também é usado para avaliar o débito urinário horário em clientes com instabilidade hemodinâmica.
  • 5.
  • 6. TIPOS DE SONDAS OU CATETERES  Variam de modelos e materiais, de acordo com o tipo de sondagem, se de alívio ou de demora.  Para as sondagens de alívio, as mais utilizadas são a sonda de nelaton;  Para as sondagens de demora temos as sondas de duas vias, como a de Foley ou a de três vias para lavagem vesical, a de Owen.
  • 7. Cateterismo vesical de alívio  Um cateter reto e de uso único é introduzido por um período suficiente para drenar a bexiga. Quando a bexiga estiver vazia o cateter deve ser retirado imediatamente.  Este tipo de cateterismo pode ser repetido quando necessário, porém, o uso repetido aumenta os riscos de trauma e infecção.  Numeração de 8 – 12 Fr.
  • 8. Cateterismo vesical de alívio  Indicações para o cateterismo de alívio:  Alívio para retenção urinária;  Obtenção de urina estéril;  Avaliação de urina residual depois da micção;
  • 9. Cateterismo vesical de alívio  Cateterismo intermitente:  Utilizado em horários pré-estabelecidos:  Ex. a cada 6 horas  Ex. portadores de bexiga neurogênica
  • 10. Cateterismo vesical de demora  Uma sonda de demora ou foley permanece no local por um período prolongado.  Possui um balão insuflável com água que envolve a sonda exatamente abaixo da extremidade, quando insuflado, o balão repousa contra a saída da bexiga, fixando a sonda na posição.  A sonda de retenção ou de demora possui duas ou três luzes dentro do corpo da sonda.  Tempo de permanência Indeterminado  Numeração de 14 – 16 Fr em mulheres 16 - 20 Fr em homens
  • 11.
  • 12. CATETERES UTILIZADOS NA SONDAGEM VESICAL DE DEMORA  Sonda de foley possui uma via para drenagem de urina e outra para inflar e desinflar o balonete. Sonda de Owen é usada quando é necessário manter a irrigação da bexiga, instilação de medicamentos.
  • 13. FINALIDADES  Facilitar a eliminação vesical.  Facilitar a coleta de amostras estéreis de urina.  Facilitar a avaliação da quantidade de urina residual.  Permitir uma avaliação continua e apurada da diurese.  Fornecer uma via para irrigação da bexiga.  Realizar o controle indireto da função hemodinâmica e promover a drenagem de paciente com incontinência urinaria.  Esvaziar a bexiga para procedimentos cirúrgicos ou diagnósticos.  Controlar sangramentos.
  • 14. Cuidados de Enfermagem O cateterismo deve ser realizado quando absolutamente necessário, devido ao grande risco de originar infecção no trato urinário.  Quando paciente estiver com retenção urinaria, realizar algumas técnicas que levam a micção voluntária.  Transmitir atitudes calmas ao paciente.  Oferecer medicamentos para o alivio da dor .  Atender prontamente a solicitação do paciente urinar.  Proporcionar privacidade.  Favorecer a posição mas adequada ao paciente.  Proporcionar estímulos que facilitem a micção, como deixar uma torneira aberta perto do paciente.  Colocar bolsas com água morna sobre a região inferior do abdômen do paciente.  Oferecer banho quente que pode resultar em relaxamento muscular.
  • 15. COMPLICAÇÕES  Infecção urinaria: mas comum causada principalmente pelo uso incorreto da técnica asséptica.  Hemorragia: pode ser causada pela utilização de uma sonda de calibre inadequado ao tamanho da uretra, passagem incorreta , existência de patologias previas.  Formação de cálculos na bexiga: devido a,longa permanência da sonda.  Bexiga neurogênica: nos pacientes com permanência prolongada da sonda .  Trauma tissular: devido a aplicação de força durante a passagem ,utilização de sonda muito calibrosa.
  • 16. MATERIAL NECESSARIO SONDA DE FOLEY Sistema fechado de coleta de urina
  • 17. Água destilada Seringa de 20 ml Luvas de Procedimento lidocaina Antisséptico tópico Micropore Saco de lixo Luvas estéreis
  • 18. Campo estéril; cuba redonda ou cúpula; gaze; pinça Sheron; cuba rim; Recipiente para coleta de urina; Recipiente estéril para coleta de amostra de urina; Biombo s/n.
  • 20. PROCEDIMENTO 1 Orientar o paciente quanto ao procedimento se este estiver lúcido. 2 Lave bem as mãos. 3 Reunir material necessário em bandeja 4 Organizar a unidade do paciente Manter a privacidade Calçar as luvas de procedimento Fazer assepsia (higiene do paciente)
  • 21. 5 Posicionar o paciente em decúbito dorsal (Homem) e posição ginecológica (Mulher). 6 Abrir o pacote de sondagem sobre a mesa auxiliar. 7 Abrir o material sobre o campo (de forma estéril) 8 Colocar antisséptico na cuba redonda. 9 Colocar 10 ml de lidocaina gel na seringa (homem) e na gaze (mulher). 10 Calçar as luvas de Procedimento
  • 22. 11 Realizar antissepsia do períneo 12 Colocar campo fenestrado 13 Calçar Luvas estéreis 14 Testar o balonete 15 Conectar a bolsa coletora
  • 23. 16 Visualizar o meato uretral e introduzir a sonda lenta e delicadamente
  • 24. 17 Inflar o balonete com 10 a 20 ml de água destilada 18 Tracionar a sonda para posiciona-la e testar segurança 19 Retira o campo estéril 20 Fixar a Sonda Homens : região supra púbica Mulher : face interna da coxa.
  • 25. •Manter a unidade em ordem •Descartar material usado •Registrar procedimento no prontuário da paciente.