SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Cateterismo vesical
Enfº Eduardo Gomes – R1
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares
Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade
Residência
Maio / 2013
CONCEITO
• Consiste na introdução de um tubo de plástico ou de
borracha na bexiga, pela uretra.
• Assegura eliminação contínua ou intermitente de urina, no
paciente que for incapaz de controlar a micção ou que
apresentar obstrução ao fluxo urinário.
INTRODUÇÃO
• As primeiras sensações do enchimento da bexiga
ocorrem quando há 100 – 150ml de urina na bexiga
• Desejo de urinar ocorre quando há 200 – 300ml de
urina na bexiga
• Com 400ml de urina há uma sensação significativa
de enchimento da bexiga
MEDIDAS PARA ESTIMULAR A MICÇÃO
ESPONTÂNEA
• Confirmar quadro de retenção urinária ou bexigoma:
palpar região da bexiga, se houver hipertensão
dolorosa da bexiga, é retenção urinária;
• Abrir torneira próximo ao paciente;
• Despejar água morna na região perineal;
• Colocar bolsa de água quente na região abdominal;
• Promover privacidade do paciente
TIPOS DE SONDA VESICAL
Sonda de
Foley
Sonda de
Nelaton
TIPOS DE SONDA VESICAL
Sonda de Foley
TIPOS DE SONDA VESICAL
Sonda de
Owens
SONDAGEM VESICAL
• MATERIAL:
▫ Cuba rim, cuba redonda, gazes ou bolas de algodão, pinça Cheron,
campo fenestrado;
▫ Sonda vesical de acordo com a indicação;
▫ lidocaína gel;
▫ gazes;
▫ Solução antisséptica (PVPI tópico ou clorexidine);
▫ 1 par de luva de procedimento e 1 par de luva estéril (ou 2 pares de
luva estéril)
▫ Seringa 20 ml, agulha para aspiração, solução de água destilada
(AD);
▫ Bolsa coletora com sistema fechado;
▫ Saco plástico;
▫ Biombo (S/N).
SONDAGEM VESICAL
• Técnica:
▫ Reunir o material, lavar as mãos e explicar o
procedimento e sua finalidade;
▫ Promover um ambiente iluminado e privativo (proteger
o leito com biombo);
▫ Colocar o paciente em decúbito dorsal com as pernas
afastadas, calçar as luvas de procedimento;
▫ Fazer a higiene íntima com água e sabão;
▫ Retirar as luvas de procedimento e lavar as mãos;
 Obs: Pode se solicitar ao paciente a higiene íntima
SONDAGEM VESICAL
• Técnica:
▫ Colocar um saco para lixo próximo a cama;
▫ Abrir pacote de coletor de urina e utilizar a embalagem
como campo;
▫ Colocar sobre o campo: seringas, agulha, sonda vesical,
gaze;
▫ Abrir ampola de AD e deixar fora do campo, ao alcance;
▫ Colocar solução antisséptica na cuba redonda;
▫ Calçar luvas estéril;
▫ Aspirar a AD com o auxílio de outra pessoa, se
necessário;
SONDAGEM VESICAL
• Técnica:
▫ A segunda seringa pode ser utilizada para aspirar lidocaína
gel para ser instilado no meato ou lubrificar a sonda;
▫ Testar balonete com 10 a 20 ml, conforme o fabricante;
▫ Conectar sonda ao coletor;
▫ Colocar campo fenestrado sobre a região genital, expondo o
órgão;
▫ Realizar degermação com gazes montadas embebidas na
solução antisséptica;
▫ Inserir a sonda até a bifurcação nos homens, ou retorno da
urina nas mulheres;
▫ Encher o balonete, tracionar para fora e fixar.
▫ Recolher o material e registrar o procedimento
SONDAGEM VESICAL
• Antissepsia:
▫ No homem: do meato para a periferia;
▫ Na mulher: sentido púbis-ânus, dos grandes lábios para
a uretra;
• Na sondagem de alívio, utilizar um coletor
convencional;
SONDAGEM VESICAL
• Atenção:
▫ Na sondagem masculina ao invés de injetar a geléia
anestésica na uretra pode-se lubrificar a sonda com a
geléia;
▫ Nunca forçar a introdução da sonda;
▫ Para facilitar a saída da urina e prevenir a infecção,
deve-se evitar que a extremidade da extensão fique
mergulhada na urina coletada;
▫ Não desconectar a junção sonda-tubo de drenagem;
▫ Manter higiene perineal;
▫ Manter sempre o sistema de drenagem abaixo do nível
do paciente.
SONDAGEM VESICAL
• Complicações:
▫ Infecção
▫ Hemorragia
▫ Cálculos renais
▫ Bexiga neurogênica
▫ Trauma tissular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosLaiane Alves
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxbianca375788
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalRodrigo Abreu
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxRafaela Amanso
 
Acesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagemAcesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagemÉlcio Medeiros
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasMarci Oliveira
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Heraldo Maia
 
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesicalPelo Siro
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Adriana Saraiva
 

Mais procurados (20)

Drenos e Sondas
Drenos e SondasDrenos e Sondas
Drenos e Sondas
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Drenos
DrenosDrenos
Drenos
 
Acesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagemAcesso venoso enfermagem
Acesso venoso enfermagem
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Manual sobre drenos
Manual sobre drenosManual sobre drenos
Manual sobre drenos
 
Drenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondasDrenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondas
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
1238687 cuidados de_manutencao_da_sonda_vesical
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 

Semelhante a Cateterismo vesical

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxJessiellyGuimares
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxbianca375788
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfssuser80ae40
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffBruceCosta5
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptxyassmim2023gomess
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxssuser80ae40
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoAgneldo Ferreira
 
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de UripenSondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripennayara368
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAELuana Santos
 
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfAULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfIngredMariano1
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retalViviane da Silva
 
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxGabriellyAndrade18
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfAnthonySantos74
 
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987RosilaneConceio1
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coletarasg75
 

Semelhante a Cateterismo vesical (20)

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
 
A 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptxA 7 Cateteres.pptx
A 7 Cateteres.pptx
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
 
Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica Sonda Nasogástrica
Sonda Nasogástrica
 
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de UripenSondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdfAULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
AULA+SEÇÃO+2.2+Sondagem+gástrica+e+nasoenteral.pdf
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
 
Sonda nasoenteral
Sonda nasoenteralSonda nasoenteral
Sonda nasoenteral
 
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
 

Mais de resenfe2013

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aortaresenfe2013
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivasresenfe2013
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulasresenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultosresenfe2013
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumáticaresenfe2013
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocarditeresenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonarresenfe2013
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratóriaresenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterialresenfe2013
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonarresenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIresenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmãoresenfe2013
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificialresenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaresenfe2013
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínearesenfe2013
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologicoresenfe2013
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagasresenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátricaresenfe2013
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresresenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 

Cateterismo vesical

  • 1. Cateterismo vesical Enfº Eduardo Gomes – R1 Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz Tavares Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Maio / 2013
  • 2. CONCEITO • Consiste na introdução de um tubo de plástico ou de borracha na bexiga, pela uretra. • Assegura eliminação contínua ou intermitente de urina, no paciente que for incapaz de controlar a micção ou que apresentar obstrução ao fluxo urinário.
  • 3. INTRODUÇÃO • As primeiras sensações do enchimento da bexiga ocorrem quando há 100 – 150ml de urina na bexiga • Desejo de urinar ocorre quando há 200 – 300ml de urina na bexiga • Com 400ml de urina há uma sensação significativa de enchimento da bexiga
  • 4. MEDIDAS PARA ESTIMULAR A MICÇÃO ESPONTÂNEA • Confirmar quadro de retenção urinária ou bexigoma: palpar região da bexiga, se houver hipertensão dolorosa da bexiga, é retenção urinária; • Abrir torneira próximo ao paciente; • Despejar água morna na região perineal; • Colocar bolsa de água quente na região abdominal; • Promover privacidade do paciente
  • 5. TIPOS DE SONDA VESICAL Sonda de Foley Sonda de Nelaton
  • 6. TIPOS DE SONDA VESICAL Sonda de Foley
  • 7. TIPOS DE SONDA VESICAL Sonda de Owens
  • 8. SONDAGEM VESICAL • MATERIAL: ▫ Cuba rim, cuba redonda, gazes ou bolas de algodão, pinça Cheron, campo fenestrado; ▫ Sonda vesical de acordo com a indicação; ▫ lidocaína gel; ▫ gazes; ▫ Solução antisséptica (PVPI tópico ou clorexidine); ▫ 1 par de luva de procedimento e 1 par de luva estéril (ou 2 pares de luva estéril) ▫ Seringa 20 ml, agulha para aspiração, solução de água destilada (AD); ▫ Bolsa coletora com sistema fechado; ▫ Saco plástico; ▫ Biombo (S/N).
  • 9. SONDAGEM VESICAL • Técnica: ▫ Reunir o material, lavar as mãos e explicar o procedimento e sua finalidade; ▫ Promover um ambiente iluminado e privativo (proteger o leito com biombo); ▫ Colocar o paciente em decúbito dorsal com as pernas afastadas, calçar as luvas de procedimento; ▫ Fazer a higiene íntima com água e sabão; ▫ Retirar as luvas de procedimento e lavar as mãos;  Obs: Pode se solicitar ao paciente a higiene íntima
  • 10. SONDAGEM VESICAL • Técnica: ▫ Colocar um saco para lixo próximo a cama; ▫ Abrir pacote de coletor de urina e utilizar a embalagem como campo; ▫ Colocar sobre o campo: seringas, agulha, sonda vesical, gaze; ▫ Abrir ampola de AD e deixar fora do campo, ao alcance; ▫ Colocar solução antisséptica na cuba redonda; ▫ Calçar luvas estéril; ▫ Aspirar a AD com o auxílio de outra pessoa, se necessário;
  • 11. SONDAGEM VESICAL • Técnica: ▫ A segunda seringa pode ser utilizada para aspirar lidocaína gel para ser instilado no meato ou lubrificar a sonda; ▫ Testar balonete com 10 a 20 ml, conforme o fabricante; ▫ Conectar sonda ao coletor; ▫ Colocar campo fenestrado sobre a região genital, expondo o órgão; ▫ Realizar degermação com gazes montadas embebidas na solução antisséptica; ▫ Inserir a sonda até a bifurcação nos homens, ou retorno da urina nas mulheres; ▫ Encher o balonete, tracionar para fora e fixar. ▫ Recolher o material e registrar o procedimento
  • 12. SONDAGEM VESICAL • Antissepsia: ▫ No homem: do meato para a periferia; ▫ Na mulher: sentido púbis-ânus, dos grandes lábios para a uretra; • Na sondagem de alívio, utilizar um coletor convencional;
  • 13. SONDAGEM VESICAL • Atenção: ▫ Na sondagem masculina ao invés de injetar a geléia anestésica na uretra pode-se lubrificar a sonda com a geléia; ▫ Nunca forçar a introdução da sonda; ▫ Para facilitar a saída da urina e prevenir a infecção, deve-se evitar que a extremidade da extensão fique mergulhada na urina coletada; ▫ Não desconectar a junção sonda-tubo de drenagem; ▫ Manter higiene perineal; ▫ Manter sempre o sistema de drenagem abaixo do nível do paciente.
  • 14. SONDAGEM VESICAL • Complicações: ▫ Infecção ▫ Hemorragia ▫ Cálculos renais ▫ Bexiga neurogênica ▫ Trauma tissular