SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
ADMINISTRAÇÃO DE
MEDICAMENTOS POR VIA
ENDOVENOSA
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA
Profa. Ms. Priscila Cristina O. Zignani
Pimentel
VIA ENDOVENOSA








Via bastante utilizada;
Introdução de medicamentos diretamente na
veia;
Indicada quando se pretende uma ação
imediata ou em grandes volumes de líquido, ex:
1.000 ml de SF em 2h.
São administradas por essa via substâncias
como sais orgânicos solúveis, eletrólitos e
substâncias com propriedades osmóticas.
SOLUÇÕES COM PROPRIEDADES
OSMÓTICAS






Osmolaridade = concentração de uma substância/1 litro de
solução;
São definidas a partir da osmolaridade do sangue que é de
280 a 295 mOsm/l.
Podem ser:






Soluções Isotônicas: possuem osmolaridade muito semelhante a do
sangue, ex. SG 5%, SF 0,9% e Ringer Lactato.
Soluções Hipertônicas: possui osmolaridade maior que a do
sangue, promovem retirada do líquido das células para dentro das
veias, ex. SG 10% ou 20%, glicose 50% e albumina 25%.
Soluções Hipotônicas: possui osmolaridade menor que a do
sangue, deslocam líquido para fora do compartimento intravascular,
ex. água destilada, glicose a 2,5% e cloreto de sódio a 0,45%.
SOLUÇÕES MAIS UTILIZADAS








SG 5%
SG 10%
SF 0,9%
SGF
Solução de Manitol 10 ou
20%
Ringer Lactato (solução de
eletrólitos)










Algumas drogas podem ser
adicionadas às soluções:
Vitamina C
KCL (cloreto de potássio)
NaCl (cloreto de sódio)
Complexo B
Dentre outros...
LOCAIS MAIS UTILIZADOS PARA
PUNÇÃO



REGIÃO CEFÁLICA – bastante utilizada em bebês.
REGIÃO CERVICAL
LOCAIS MAIS UTILIZADOS PARA PUNÇÃO




REGIÃO DO MMSS- braço (cefálica e basílica), antebraço(cefálica,
cefálica-acessória, basílica, intermediária do antebraço).
REGIÃO DA MÃO
LOCAIS MAIS UTILIZADOS PARA PUNÇÃO


REGIÃO DOS MEMBROS INFERIORES
(veias de última escolha):
CRIANÇAS E ADULTOS

Dorso da mão, antebraço
e braço

BEBÊS

Região cefálica, mão e
dorso do pé

COLETA DE SANGUE E
ADMINISTRAÇÃO DE
DOSE ÚNICA

Articulação do cotovelo

VIA DE ÚLTIMA
ESCOLHA

Membros inferiores
* Há risco de estagnação do
medicamento na circulação periférica
podendo causar trombos ou flebites.
LEMBRETES









Utilizar luvas sempre;
Utilize sempre a veia de
maior calibre;
Capriche na fixação e em
crianças na imobilização;
Após a punção observar o
local constantemente, a
infiltração pode trazer sérias
complicações;
Não reencape agulhas.
DISPOSITIVOS PARA PUNÇÃO


Garrote/ torniquete- geralmente de látex, é um cinto
flexível para procurar a retenção do sangue venoso e
o ingurgitamento da veia para facilitar a visualização
da veia no momento da punção.
DISPOSITIVOS PARA PUNÇÃO


Cateteres agulhados: utilizado para terapia
de curto prazo.
CÂNULA

AGULHA

ADAPTADOR
ASAS
CALIBRE DO DISPOSITIVO










São disponíveis no mercado os números:
19G – maior calibre de cor bege ou creme;
21G – calibre médio de cor verde;
23G – pequeno calibre de cor azul;
25G – calibre fino, utilizado em crianças de
cor laranja;
27G – calibre muito fino, utilizado em
neonatos, cor cinza;
DISPOSITIVOS PARA PUNÇÃO


Cateter flexível: utilizado para terapia de
longo prazo
CALIBRES











24G – menor calibre, utilizado em recém nascido, bebês,
crianças e veias de pequeno calibre, de cor amarela;
22G – utilizado em bebês crianças, adolescentes e
adultos, de cor azul;
20G – utilizado em adolescentes e adultos
especialmente em transfusões,de cor rosa;
18G – utilizado em adultos submetidos a cirurgia,
indicado para infusão de grande volume, de cor verde;
16G – mesma indicação do 18, de cor cinza;
14G – deve ser utilizado quando há necessidade de
infundir grandes quantidades de
líquido(traumatismos),de cor laranja;
ABBOCATH RELAÇÃO FLUENCIA
AGUÁ ML/MIN.









14G – 270ml/min.
16G – 180ml/min.
18G – 80ml/min.
20G – 54ml/min.
22G – 33ml/min.
24G – 20ml/min.
FIXAÇÃO
DISPOSITIVOS PARA PUNÇÃO


MULTIVIA OU POLYFIX - utilizado para
infusão simultânea de 02 soluções ou para
manter o sistema fechado.
EQUIPOS


Equipos de infusão são estruturas destinados
a introdução de grande volumes de líquido
na circulação sanguínea, com a finalidade de
entremear a ligação do dispositivos venoso
periférico ao recipiente que contém líquido a
ser infundido.
Os materiais que fazem parte do
equipo de infusão são:
1.regulador de fluxo – serve pra
controlar o gotejamento do
líquido;
2.ponta perfurante – adapta o
equipo ao frasco de solução
parenteral de grande volume;
3.protetor – acessório que se
adapta a extremidade do
equipo;
4.conector – componente tipo
macho;
5.copinho – onde goteja o líquido
a ser infundido;
6.injetor lateral – acessório
disponível para permitir
injeções;
Dependendo do tipo e da finalidade do equipo a
câmara de gotejamento
permite a passagem de gotas ou microgotas.

GOTAS

MICROGOTAS

1 GOTA = 3 MICROGOTAS


A força da gravidade
atua sobre fluídos
administrados por via
EV .



Se o paciente, por
exemplo, elevar o
braço e colocá-lo sobre
a cabeça, o fluxo de
gotejamento irá alterar.
TÉCNICA DE PUNÇÃO PARA
ADMINISTRAÇÃO EM DOSE ÚNICA
Lave bem as mãos;
Reúna todo material necessário: bolas de
algodão com álcool, seringas, agulhas, garrote e
luvas de procedimento;
Scalp se necessário;
Colocar as luvas de procedimento;
Realizar a anti-sepsia;
Aspirar a medicação;
Posicionar o braço do paciente;
Posicionar o braço do paciente;
Peça ao paciente/cliente para fechar a mão;
Faça a punção da veia, com o bisel da agulha
voltado para cima, utilizando um ângulo de 15º;
Solte o garrote para introduzir o medicamento;
Em intervalos regulares aspire para certificar
que a agulha está bem posicionada;
Com a mão esquerda pressione o local de
introdução da agulha com uma bola de algodão,
embebido em álcool;
Desprezar agulha e seringa em local adequado
Checar e anotar no prontuário do paciente a
medicação administrada.
PUNÇÃO
COMPLICAÇÕES






Flebite: é uma inflamação na veia~, o cliente refere dor
e o local fica sensível ao toque. Fique atento a
hiperemia no local de inserção do cateter, dor, local
quente, edema velocidade de infusão lenta e presença
de cordão fibroso palpável no trajeto da veia.
Infiltração: é o derramamento da solução ou medicação
fora da veia, apresenta pele fria no local, tensa, edema e
retorno ausente do fluxo de sangue.
Obstrução: quando a infusão é interrompida formandose um coágulo dentro do dispositivo.
COMPLICAÇÕES








Embolia gasosa: ocorre por infusão de ar na
veia. Pode trazer desconforto respiratório, pulso
e PA diminuídos e perda de consciência.
Infecção sistêmica: causada por contaminação
do material de punção.
Choque Anafilático: reação alérgica a
determinados medicamentos;
Choque pirogênico: ocorre quando uma
partícula estranha é inoculada na corrente
sanguínea, causando uma reação febril.
DÚVIDAS?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
shara cedraz
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
ANDRESSA POUBEL
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
Fabricio Lopes
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
resenfe2013
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Karina Pereira
 

Mais procurados (20)

Complicações em Terapia Intravenosa
Complicações em Terapia IntravenosaComplicações em Terapia Intravenosa
Complicações em Terapia Intravenosa
 
Injetáveis com segurança
Injetáveis com segurançaInjetáveis com segurança
Injetáveis com segurança
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
 
Administração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteralAdministração de medicamentos por via parenteral
Administração de medicamentos por via parenteral
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Administração de injetáveis.pptx
Administração de injetáveis.pptxAdministração de injetáveis.pptx
Administração de injetáveis.pptx
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Aula tecnicas
Aula tecnicasAula tecnicas
Aula tecnicas
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
 
Drenos
DrenosDrenos
Drenos
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 

Semelhante a Administração de medicamentos por via endovenosa pdf

29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
Maria Jaqueline Mesquita
 
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
commed1
 
Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13
commed1
 
Admnistração de medicamentos via parenteral
Admnistração de medicamentos   via parenteralAdmnistração de medicamentos   via parenteral
Admnistração de medicamentos via parenteral
willian cesar
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
rasg75
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagemRotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Gis Ferreira
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
JessiellyGuimares
 

Semelhante a Administração de medicamentos por via endovenosa pdf (20)

Aula 1 - B
Aula 1 - BAula 1 - B
Aula 1 - B
 
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptxCATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
 
Medicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligiaMedicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligia
 
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdfaulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
 
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
 
1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...Panfleto valencia medicina   explicativo das aulas práticas de simulação com ...
Panfleto valencia medicina explicativo das aulas práticas de simulação com ...
 
Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13Panfleto alunos im versao final13
Panfleto alunos im versao final13
 
Admnistração de medicamentos via parenteral
Admnistração de medicamentos   via parenteralAdmnistração de medicamentos   via parenteral
Admnistração de medicamentos via parenteral
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
 
1_5121149855053382281.pptx
1_5121149855053382281.pptx1_5121149855053382281.pptx
1_5121149855053382281.pptx
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
 
Aula_Adminiustração de medicamentos III_endovenoso.pptx
Aula_Adminiustração de medicamentos III_endovenoso.pptxAula_Adminiustração de medicamentos III_endovenoso.pptx
Aula_Adminiustração de medicamentos III_endovenoso.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagemRotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagem
 
aula-de-puncao-venosa.ppt periferica....
aula-de-puncao-venosa.ppt periferica....aula-de-puncao-venosa.ppt periferica....
aula-de-puncao-venosa.ppt periferica....
 
PUNÇÃO VENOSA PERIFERICA PARA APERFEIÇOAMENTO
PUNÇÃO VENOSA PERIFERICA PARA APERFEIÇOAMENTOPUNÇÃO VENOSA PERIFERICA PARA APERFEIÇOAMENTO
PUNÇÃO VENOSA PERIFERICA PARA APERFEIÇOAMENTO
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 

Mais de jaddy xavier

Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
jaddy xavier
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
jaddy xavier
 
Manual Farmacêutico do Hospital Israelita Albert Einstein 2011/2012
Manual Farmacêutico do Hospital Israelita Albert Einstein 2011/2012Manual Farmacêutico do Hospital Israelita Albert Einstein 2011/2012
Manual Farmacêutico do Hospital Israelita Albert Einstein 2011/2012
jaddy xavier
 
Instrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgicaInstrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgica
jaddy xavier
 
Terminologia hospitalar
Terminologia hospitalarTerminologia hospitalar
Terminologia hospitalar
jaddy xavier
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
jaddy xavier
 
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientesTécnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
jaddy xavier
 

Mais de jaddy xavier (7)

Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
Manual Farmacêutico do Hospital Israelita Albert Einstein 2011/2012
Manual Farmacêutico do Hospital Israelita Albert Einstein 2011/2012Manual Farmacêutico do Hospital Israelita Albert Einstein 2011/2012
Manual Farmacêutico do Hospital Israelita Albert Einstein 2011/2012
 
Instrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgicaInstrumentação cirúrgica
Instrumentação cirúrgica
 
Terminologia hospitalar
Terminologia hospitalarTerminologia hospitalar
Terminologia hospitalar
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientesTécnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
Técnicas basicas de enfermagem.direitos dos pacientes
 

Último

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 

Administração de medicamentos por via endovenosa pdf

  • 1. ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA Profa. Ms. Priscila Cristina O. Zignani Pimentel
  • 2. VIA ENDOVENOSA     Via bastante utilizada; Introdução de medicamentos diretamente na veia; Indicada quando se pretende uma ação imediata ou em grandes volumes de líquido, ex: 1.000 ml de SF em 2h. São administradas por essa via substâncias como sais orgânicos solúveis, eletrólitos e substâncias com propriedades osmóticas.
  • 3. SOLUÇÕES COM PROPRIEDADES OSMÓTICAS    Osmolaridade = concentração de uma substância/1 litro de solução; São definidas a partir da osmolaridade do sangue que é de 280 a 295 mOsm/l. Podem ser:    Soluções Isotônicas: possuem osmolaridade muito semelhante a do sangue, ex. SG 5%, SF 0,9% e Ringer Lactato. Soluções Hipertônicas: possui osmolaridade maior que a do sangue, promovem retirada do líquido das células para dentro das veias, ex. SG 10% ou 20%, glicose 50% e albumina 25%. Soluções Hipotônicas: possui osmolaridade menor que a do sangue, deslocam líquido para fora do compartimento intravascular, ex. água destilada, glicose a 2,5% e cloreto de sódio a 0,45%.
  • 4. SOLUÇÕES MAIS UTILIZADAS       SG 5% SG 10% SF 0,9% SGF Solução de Manitol 10 ou 20% Ringer Lactato (solução de eletrólitos)       Algumas drogas podem ser adicionadas às soluções: Vitamina C KCL (cloreto de potássio) NaCl (cloreto de sódio) Complexo B Dentre outros...
  • 5. LOCAIS MAIS UTILIZADOS PARA PUNÇÃO   REGIÃO CEFÁLICA – bastante utilizada em bebês. REGIÃO CERVICAL
  • 6. LOCAIS MAIS UTILIZADOS PARA PUNÇÃO   REGIÃO DO MMSS- braço (cefálica e basílica), antebraço(cefálica, cefálica-acessória, basílica, intermediária do antebraço). REGIÃO DA MÃO
  • 7. LOCAIS MAIS UTILIZADOS PARA PUNÇÃO  REGIÃO DOS MEMBROS INFERIORES (veias de última escolha):
  • 8. CRIANÇAS E ADULTOS Dorso da mão, antebraço e braço BEBÊS Região cefálica, mão e dorso do pé COLETA DE SANGUE E ADMINISTRAÇÃO DE DOSE ÚNICA Articulação do cotovelo VIA DE ÚLTIMA ESCOLHA Membros inferiores * Há risco de estagnação do medicamento na circulação periférica podendo causar trombos ou flebites.
  • 9. LEMBRETES      Utilizar luvas sempre; Utilize sempre a veia de maior calibre; Capriche na fixação e em crianças na imobilização; Após a punção observar o local constantemente, a infiltração pode trazer sérias complicações; Não reencape agulhas.
  • 10. DISPOSITIVOS PARA PUNÇÃO  Garrote/ torniquete- geralmente de látex, é um cinto flexível para procurar a retenção do sangue venoso e o ingurgitamento da veia para facilitar a visualização da veia no momento da punção.
  • 11. DISPOSITIVOS PARA PUNÇÃO  Cateteres agulhados: utilizado para terapia de curto prazo. CÂNULA AGULHA ADAPTADOR ASAS
  • 12.
  • 13. CALIBRE DO DISPOSITIVO       São disponíveis no mercado os números: 19G – maior calibre de cor bege ou creme; 21G – calibre médio de cor verde; 23G – pequeno calibre de cor azul; 25G – calibre fino, utilizado em crianças de cor laranja; 27G – calibre muito fino, utilizado em neonatos, cor cinza;
  • 14. DISPOSITIVOS PARA PUNÇÃO  Cateter flexível: utilizado para terapia de longo prazo
  • 15.
  • 16. CALIBRES       24G – menor calibre, utilizado em recém nascido, bebês, crianças e veias de pequeno calibre, de cor amarela; 22G – utilizado em bebês crianças, adolescentes e adultos, de cor azul; 20G – utilizado em adolescentes e adultos especialmente em transfusões,de cor rosa; 18G – utilizado em adultos submetidos a cirurgia, indicado para infusão de grande volume, de cor verde; 16G – mesma indicação do 18, de cor cinza; 14G – deve ser utilizado quando há necessidade de infundir grandes quantidades de líquido(traumatismos),de cor laranja;
  • 17. ABBOCATH RELAÇÃO FLUENCIA AGUÁ ML/MIN.       14G – 270ml/min. 16G – 180ml/min. 18G – 80ml/min. 20G – 54ml/min. 22G – 33ml/min. 24G – 20ml/min.
  • 19.
  • 20.
  • 21. DISPOSITIVOS PARA PUNÇÃO  MULTIVIA OU POLYFIX - utilizado para infusão simultânea de 02 soluções ou para manter o sistema fechado.
  • 22.
  • 23.
  • 24. EQUIPOS  Equipos de infusão são estruturas destinados a introdução de grande volumes de líquido na circulação sanguínea, com a finalidade de entremear a ligação do dispositivos venoso periférico ao recipiente que contém líquido a ser infundido.
  • 25. Os materiais que fazem parte do equipo de infusão são: 1.regulador de fluxo – serve pra controlar o gotejamento do líquido; 2.ponta perfurante – adapta o equipo ao frasco de solução parenteral de grande volume; 3.protetor – acessório que se adapta a extremidade do equipo; 4.conector – componente tipo macho; 5.copinho – onde goteja o líquido a ser infundido; 6.injetor lateral – acessório disponível para permitir injeções;
  • 26. Dependendo do tipo e da finalidade do equipo a câmara de gotejamento permite a passagem de gotas ou microgotas. GOTAS MICROGOTAS 1 GOTA = 3 MICROGOTAS
  • 27.  A força da gravidade atua sobre fluídos administrados por via EV .  Se o paciente, por exemplo, elevar o braço e colocá-lo sobre a cabeça, o fluxo de gotejamento irá alterar.
  • 28. TÉCNICA DE PUNÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO EM DOSE ÚNICA Lave bem as mãos; Reúna todo material necessário: bolas de algodão com álcool, seringas, agulhas, garrote e luvas de procedimento; Scalp se necessário; Colocar as luvas de procedimento; Realizar a anti-sepsia; Aspirar a medicação; Posicionar o braço do paciente;
  • 29. Posicionar o braço do paciente; Peça ao paciente/cliente para fechar a mão; Faça a punção da veia, com o bisel da agulha voltado para cima, utilizando um ângulo de 15º; Solte o garrote para introduzir o medicamento; Em intervalos regulares aspire para certificar que a agulha está bem posicionada; Com a mão esquerda pressione o local de introdução da agulha com uma bola de algodão, embebido em álcool; Desprezar agulha e seringa em local adequado Checar e anotar no prontuário do paciente a medicação administrada.
  • 31. COMPLICAÇÕES    Flebite: é uma inflamação na veia~, o cliente refere dor e o local fica sensível ao toque. Fique atento a hiperemia no local de inserção do cateter, dor, local quente, edema velocidade de infusão lenta e presença de cordão fibroso palpável no trajeto da veia. Infiltração: é o derramamento da solução ou medicação fora da veia, apresenta pele fria no local, tensa, edema e retorno ausente do fluxo de sangue. Obstrução: quando a infusão é interrompida formandose um coágulo dentro do dispositivo.
  • 32. COMPLICAÇÕES     Embolia gasosa: ocorre por infusão de ar na veia. Pode trazer desconforto respiratório, pulso e PA diminuídos e perda de consciência. Infecção sistêmica: causada por contaminação do material de punção. Choque Anafilático: reação alérgica a determinados medicamentos; Choque pirogênico: ocorre quando uma partícula estranha é inoculada na corrente sanguínea, causando uma reação febril.