SlideShare uma empresa Scribd logo
Aparelho Cardiovascular
Ciclo Cardíaco, ictus cordis, focos e bulhas cardíacas
DISCIPLINA DE PROPEDÊUTICA
Noções de anatomia cardíaca
• Coração separado em 2 partes (direita e esquerda) e cada metade
consiste em 2 câmaras:
• Átrios -> Recebem sangue das veias
• Ventrículos -> Impulsionam o sangue para as artérias
• O átrio direito (recebe sangue venoso pelas veias cavas) -> Valva
tricúspide-> Ventrículo direito -> Valva pulmonar -> Artéria
pulmonar -> Pulmão -> Veias pulmonares -> Átrio esquerdo -> Valva
Mitral -> Ventrículo Esquerdo -> Valva aórtica -> Aorta
Semiologia cardíaca
Semiologia cardíaca
Ciclo cardíaco
• Sequência de eventos cardíacos que ocorre do início de cada
batimento cardíaco até o início do próximo batimento
• Cada ciclo consiste em um período de relaxamento (diástole) e
contração (sístole)
• Tem início pela geração espontânea de um potencial de ação no nó
sinusal, que se propaga pelos átrios -> nó atrioventricular -> feixe
de His (ramos direito e esquerdo) e fibras de Purkinje
Ciclo Cardíaco - Sístole
1) Contração isovolumétrica
- Inicia-se na contração ventricular
- Aumento abrupto da pressão dentro do ventrículo e fechamento das valvas
Atrioventriculares
- Após 0,02-0,03s os ventrículos geram pressão suficiente para abrir as valvas
semilunares
2) Período de Ejeção
- Pressão ventricular força a abertura da semilunares
- 70% do sangue sai nos primeiros 2/3 da ejeção (ejeção rápida) e 30% no 1/3
final (ejeção lenta)
Ciclo Cardíaco - Diástole
1) Relaxamento isovolumétrico
- Queda rápida da pressão intraventricular
- Fechamento abrupto das valvas semilunares
- Por 0,03-0,06s o músculo relaxa, porém o volume não se altera
- Quando a pressão intraventricular fica menor que a dos átrios -> abertura
das valvas atrioventriculares
Ciclo Cardíaco - Diástole
2) Enchimento rápido
- Após abertura das valvas atrioventriculares
- Cerca do primeiro 1/3 da diástole
3) Enchimento lento (diástese)
- Ocorre no 1/3 médio da diástole
- Pequena quantidade de sangue que flui diretamente das ceias para o
ventrículo
4) Contração atrial
- Último 1/3 da diástole
- Impulso adicional de sangue para os ventrículos (25%)
Semiologia cardíaca
Ciclo Cardíaco
• Fechamento dos folhetos da valva mitral e tricúspide -> principal
componente da 1ª bulha cardíaca
• Fechamento da valva aórtica e pulmonar-> principal componente
da 2ª bulha cardíaca
Projeção do Coração no Tórax
Semiologia cardíaca
Exame Físico do Coração
• Inspeção
• Palpação
• Ausculta
Inspeção
• Abaulamentos
• Intrínsecos
• Hipertrofia e/ou dilatação cardíaca
• Mais evidente nos jovens
• Extrínsecos
• Derrame pericárdico, enfisema, empiema, aneurisma de aorta
Semiologia cardíaca
Inspeção
• Deformidades
• Batimentos e movimentos
• Pulsação epigástrica (transmissão da aorta abdominal ou hipertrofia de VD)
• Pulsação na fúrcula (pode significar HAS, aneurisma de aorta)
• Análise do Ictus cordis (se visível)
Inspeção/Palpação
• Ictus cordis (choque da ponta)
• Corresponde ao choque da ponta do ventrículo esquerdo contra o arcabouço
torácico
• Observar -> Localização, extensão, mobilidade, intensidade, ritmo e
frequência
Ictus Cordis
• Inspeção
• Ao lado direito do paciente e junto aos pés
• Pode não ser visível em pessoas normais
• Localização pode variar com biotipo
• Localização
• Normalmente -> 5º EIC na linha hemiclavicular
Semiologia cardíaca
Ictus Cordis
• Extensão
• Normal – 2 polpas digitais
• Intensidade
• Palpação com a palma da mão
• Mobilidade
• Ictus varia com a posição do indivíduo
• Ritmo e frequência
Ictus Cordis
• Hipertrofia e/ou dilatação do VE -> Deslocamento do ictus para
baixo e para esquerda
• Hipertrofia do VD -> Deslocamento horizontal para esquerda
• Ictus difuso (ou globoso) -> ≥ 3 polpas digitais (dilatação)
• Ictus propulsivo -> Hipertrofia
Semiologia cardíaca
Palpação Precordial
• Frêmito cardiovascular
• Sensação tátil determinada por vibrações produzidas no coração ou nos
vasos
• Corresponde aos sopros
• Determinar a localização, a situação no ciclo cardíaco e a intensidade (+ a
++++)
• Raro
Ausculta cardíaca
• Auscultar todos os focos
• Paciente sentado, decúbito dorsal e decúbito lateral esquerdo
(Pachon)
• Observar bulhas cardíacas, ritmo e frequência, cliques ou estalidos,
sopros, ruídos de pericardite e atrito pericárdico
Ausculta Cardíaca
• Manobras
• Ligeira flexão do tronco (focos da base)
• Müller – inspiração forçada com a glote fechada
• Valsalva – Expiração forçada com a glote fechada
• Rivero-Carvalho – Apnéia inspiratória com inspiração forçada
Semiologia cardíaca
Ausculta Cardíaca
• Focos apicais
• Foco mitral -> 5º EIC esquerdo, linha hemiclavicular
• Foco tricúspide -> Base do apêndice xifoide, ligeiramente à esquerda
• Focos da base
• Foco aórtico -> 2º EIC direito, junto ao esterno
• Foco aórtico acessório -> 3º EIC esquerdo, próximo ao esterno
• Foco pulmonar -> 2º EIC esquerdo, junto ao esterno
*Observar outras localizações, como dorso, axila e pescoço (irradiações)
Semiologia cardíaca
Bulhas Cardíacas
• São vibrações geradas pela aceleração e desaceleração da coluna de
sangue e pelas estruturas cardiovasculares (ventrículos, aparelhos
valvares)
• Podem ser ouvidas em todos os focos
• B1, B2, B3 e B4
Bulhas Cardíacas
• Primeira Bulha (B1)
• Principal elemento -> fechamento das valvas mitral e tricúspide (vibração
destes após o fechamento pela movimentação de sangue), além da tensão
na parede dos ventrículos e aceleração da coluna líquida
• Coincide com o ictus cordis e o pulso carotídeo
• Timbre mais grave e duração pouco maior que a 2ª bulha
• “TUM”
Semiologia cardíaca
Bulhas Cardíacas
• Segunda Bulha (B2)
• Principal elemento -> Fechamento das valvas aórtica (A2) e pulmonar (P2)
(vibração por desaceleração da coluna líquida)
• Desdobramento fisiológico é comum nas crianças
• Timbre mais agudo e seco
• “TA”
Semiologia cardíaca
Alterações das Bulhas Cardíacas - Intensidade
• Hiperfonese de ambas as bulhas em todos os focos
• Exercício, emoção, febre, hipertireoidismo
• Hipofonese de ambas as bulhas em todos os focos
• Obesidade, enfisema, derrame pericárdico
Alterações das Bulhas Cardíacas - Intensidade
• B1
• Mais audível nos focos mitral e tricúspide
• Hiperfonese
• Hipertrofia do VE (HAS, insuficiência aórtica)
• Alterações valvares -> estenose mitral (acompanhado de modificações de timbre)
• Hipofonese
• Principalmente por insuficiência contrátil (IC)
Alterações das Bulhas Cardíacas - Intensidade
• B2
• Mais audível nas áreas da base
• Hiperfonese
• Ocorre em situações em que há aumento do débito (tanto arterial aórtico quanto
pulmonar)
• Hipofonese
• Situações com redução do DC -> ruído menos intenso
Alterações das Bulhas Cardíacas - Desdobramentos
• B1
• É percebido descontinuidade na bulha
• Fisiológico -> mais comum em adultos (maior diferença pressórica entra
aórtica e pulmonar) e é transitório
• Patológico ->Pode representar um atraso no fechamento da valva tricúspide
e sobrecargas ventriculares
• Presente tanto na inspiração quanto na expiração
• Diferenciar de aparentes desdobramentos de B1 (estalidos sistólicos, B4)
• “Trum – Ta”
Alterações das Bulhas Cardíacas - Desdobramentos
• B2
• Analisar áreas da base
• Fisiológico
• Comum em crianças e jovens
• Evidente na inspiração
• Queda da pressão intratorácica -> aumento do retorno venoso -> aumento do tempo
de ejeção do VD -> atraso de P2
• “Tum – trá”
Alterações das Bulhas Cardíacas - Desdobramentos
• B2 (Patológico)
• Presentes na inspiração e expiração
• Bloqueio de ramo direito
• Acentua-se na inspiração
• Comunicação interatrial (desdobramento fixo de B2)
• Não se modifica com inspiração
• Bloqueio de ramo esquerdo (desdobramento paradoxal)
• Evidente na expiração
Semiologia cardíaca

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
Jucie Vasconcelos
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
pauloalambert
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
dapab
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
Brenda Lahlou
 
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula BarretoSemiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
labap
 
Propedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal lPropedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal l
pauloalambert
 
Semiologia Cardiovascular
Semiologia CardiovascularSemiologia Cardiovascular
Semiologia Cardiovascular
Anderson Armstrong
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
pauloalambert
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Aula teorica do torax
Aula teorica do toraxAula teorica do torax
Aula teorica do torax
Jucie Vasconcelos
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
Wesley Lima de Oliveira
 
Semiologia da Febre
Semiologia da FebreSemiologia da Febre
Semiologia da Febre
pauloalambert
 
Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos
Isis Maia Castro
 
Noções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografiaNoções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografia
resenfe2013
 
Propedêutica dos ruidos cardiacos
Propedêutica dos ruidos cardiacosPropedêutica dos ruidos cardiacos
Propedêutica dos ruidos cardiacos
pauloalambert
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
resenfe2013
 
Derrames Pleurais
Derrames PleuraisDerrames Pleurais
Derrames Pleurais
Flávia Salame
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Jucie Vasconcelos
 
Ausculta
AuscultaAusculta
Ausculta
Coralina Nunes
 
Dispnéia
Dispnéia Dispnéia
Dispnéia
Paulo Alambert
 

Mais procurados (20)

Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula BarretoSemiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
 
Propedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal lPropedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal l
 
Semiologia Cardiovascular
Semiologia CardiovascularSemiologia Cardiovascular
Semiologia Cardiovascular
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Aula teorica do torax
Aula teorica do toraxAula teorica do torax
Aula teorica do torax
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
 
Semiologia da Febre
Semiologia da FebreSemiologia da Febre
Semiologia da Febre
 
Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos
 
Noções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografiaNoções de eletrocardiografia
Noções de eletrocardiografia
 
Propedêutica dos ruidos cardiacos
Propedêutica dos ruidos cardiacosPropedêutica dos ruidos cardiacos
Propedêutica dos ruidos cardiacos
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
 
Derrames Pleurais
Derrames PleuraisDerrames Pleurais
Derrames Pleurais
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
 
Ausculta
AuscultaAusculta
Ausculta
 
Dispnéia
Dispnéia Dispnéia
Dispnéia
 

Semelhante a Semiologia cardíaca

Semiologia cardiaca
Semiologia cardiacaSemiologia cardiaca
Semiologia cardiaca
pauloalambert
 
Semiologia cardiológica
Semiologia cardiológicaSemiologia cardiológica
Semiologia cardiológica
pauloalambert
 
Aparelho cardiovascula
Aparelho cardiovasculaAparelho cardiovascula
Aparelho cardiovascula
Pedro Cury
 
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologiaFisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
UNINASSAU
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
giobbertolini
 
Aula 4 - Coração e seu funcionamento.pdf
Aula 4 - Coração e seu funcionamento.pdfAula 4 - Coração e seu funcionamento.pdf
Aula 4 - Coração e seu funcionamento.pdf
AidaCarolo2
 
Aula exame fisico.pptx
Aula exame fisico.pptxAula exame fisico.pptx
Aula exame fisico.pptx
DiegoFerro12
 
Valvulopatias
ValvulopatiasValvulopatias
Valvulopatias
pauloalambert
 
Ciclo cardíaco
Ciclo cardíacoCiclo cardíaco
Ciclo cardíaco
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
coração
coraçãocoração
coração
carlotabuchi
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
030887
 
BIOFÍSICA CARDIOVASCULAR
BIOFÍSICA CARDIOVASCULARBIOFÍSICA CARDIOVASCULAR
BIOFÍSICA CARDIOVASCULAR
Michelle Alves
 
Sistema circulatrio Humano
Sistema circulatrio HumanoSistema circulatrio Humano
Sistema circulatrio Humano
Egberto Neto
 
Sistema cardiovascular.ppt
Sistema cardiovascular.pptSistema cardiovascular.ppt
Sistema cardiovascular.ppt
DaniloAlves59059
 
Coração
CoraçãoCoração
Coração
Isabel Ribeiro
 
Pressão arterial
Pressão arterialPressão arterial
Pressão arterial
Raul Tomé
 
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Suzy Bastos
 
Sistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - BiologiaSistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - Biologia
Carson Souza
 
Aula 5.1 Coração (Fisiologia). PPT Anatomia
Aula 5.1 Coração (Fisiologia). PPT AnatomiaAula 5.1 Coração (Fisiologia). PPT Anatomia
Aula 5.1 Coração (Fisiologia). PPT Anatomia
delfioanalia77
 

Semelhante a Semiologia cardíaca (20)

Semiologia cardiaca
Semiologia cardiacaSemiologia cardiaca
Semiologia cardiaca
 
Semiologia cardiológica
Semiologia cardiológicaSemiologia cardiológica
Semiologia cardiológica
 
Aparelho cardiovascula
Aparelho cardiovasculaAparelho cardiovascula
Aparelho cardiovascula
 
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologiaFisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
 
Aula 4 - Coração e seu funcionamento.pdf
Aula 4 - Coração e seu funcionamento.pdfAula 4 - Coração e seu funcionamento.pdf
Aula 4 - Coração e seu funcionamento.pdf
 
Aula exame fisico.pptx
Aula exame fisico.pptxAula exame fisico.pptx
Aula exame fisico.pptx
 
Valvulopatias
ValvulopatiasValvulopatias
Valvulopatias
 
Ciclo cardíaco
Ciclo cardíacoCiclo cardíaco
Ciclo cardíaco
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
coração
coraçãocoração
coração
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 
BIOFÍSICA CARDIOVASCULAR
BIOFÍSICA CARDIOVASCULARBIOFÍSICA CARDIOVASCULAR
BIOFÍSICA CARDIOVASCULAR
 
Sistema circulatrio Humano
Sistema circulatrio HumanoSistema circulatrio Humano
Sistema circulatrio Humano
 
Sistema cardiovascular.ppt
Sistema cardiovascular.pptSistema cardiovascular.ppt
Sistema cardiovascular.ppt
 
Coração
CoraçãoCoração
Coração
 
Pressão arterial
Pressão arterialPressão arterial
Pressão arterial
 
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
Sistema circulatório sanguíneo (aula 3 maço)
 
Sistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - BiologiaSistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - Biologia
 
Aula 5.1 Coração (Fisiologia). PPT Anatomia
Aula 5.1 Coração (Fisiologia). PPT AnatomiaAula 5.1 Coração (Fisiologia). PPT Anatomia
Aula 5.1 Coração (Fisiologia). PPT Anatomia
 

Mais de Paulo Alambert

Osteoporose 2019
Osteoporose 2019Osteoporose 2019
Osteoporose 2019
Paulo Alambert
 
Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19
Paulo Alambert
 
Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19
Paulo Alambert
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
Paulo Alambert
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
Paulo Alambert
 
Dtp17 sp
Dtp17 spDtp17 sp
Dtp17 sp
Paulo Alambert
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
Paulo Alambert
 
Gota.pdf19 re
Gota.pdf19 reGota.pdf19 re
Gota.pdf19 re
Paulo Alambert
 
Esclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanEsclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renan
Paulo Alambert
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoLúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Paulo Alambert
 
Dor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresDor nos membros Inferiores
Dor nos membros Inferiores
Paulo Alambert
 
Dor em membros superiores
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superiores
Paulo Alambert
 
Gota
GotaGota
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
Paulo Alambert
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Paulo Alambert
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
Paulo Alambert
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Paulo Alambert
 
Fibromialgia
FibromialgiaFibromialgia
Fibromialgia
Paulo Alambert
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Paulo Alambert
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
Paulo Alambert
 

Mais de Paulo Alambert (20)

Osteoporose 2019
Osteoporose 2019Osteoporose 2019
Osteoporose 2019
 
Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19Partes moles membros inferiores 19
Partes moles membros inferiores 19
 
Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19Dermatomiosite polimiosite 19
Dermatomiosite polimiosite 19
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
 
Dtp18 video
Dtp18 videoDtp18 video
Dtp18 video
 
Dtp17 sp
Dtp17 spDtp17 sp
Dtp17 sp
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
 
Gota.pdf19 re
Gota.pdf19 reGota.pdf19 re
Gota.pdf19 re
 
Esclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renanEsclerose sistêmica.pdf renan
Esclerose sistêmica.pdf renan
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso SistêmicoLúpus Eritematoso Sistêmico
Lúpus Eritematoso Sistêmico
 
Dor nos membros Inferiores
Dor nos membros InferioresDor nos membros Inferiores
Dor nos membros Inferiores
 
Dor em membros superiores
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superiores
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
 
Fibromialgia
FibromialgiaFibromialgia
Fibromialgia
 
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
Diagnósticos diferenciais das monoartrites.
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 

Último

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 

Último (7)

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 

Semiologia cardíaca

  • 1. Aparelho Cardiovascular Ciclo Cardíaco, ictus cordis, focos e bulhas cardíacas DISCIPLINA DE PROPEDÊUTICA
  • 2. Noções de anatomia cardíaca • Coração separado em 2 partes (direita e esquerda) e cada metade consiste em 2 câmaras: • Átrios -> Recebem sangue das veias • Ventrículos -> Impulsionam o sangue para as artérias • O átrio direito (recebe sangue venoso pelas veias cavas) -> Valva tricúspide-> Ventrículo direito -> Valva pulmonar -> Artéria pulmonar -> Pulmão -> Veias pulmonares -> Átrio esquerdo -> Valva Mitral -> Ventrículo Esquerdo -> Valva aórtica -> Aorta
  • 5. Ciclo cardíaco • Sequência de eventos cardíacos que ocorre do início de cada batimento cardíaco até o início do próximo batimento • Cada ciclo consiste em um período de relaxamento (diástole) e contração (sístole) • Tem início pela geração espontânea de um potencial de ação no nó sinusal, que se propaga pelos átrios -> nó atrioventricular -> feixe de His (ramos direito e esquerdo) e fibras de Purkinje
  • 6. Ciclo Cardíaco - Sístole 1) Contração isovolumétrica - Inicia-se na contração ventricular - Aumento abrupto da pressão dentro do ventrículo e fechamento das valvas Atrioventriculares - Após 0,02-0,03s os ventrículos geram pressão suficiente para abrir as valvas semilunares 2) Período de Ejeção - Pressão ventricular força a abertura da semilunares - 70% do sangue sai nos primeiros 2/3 da ejeção (ejeção rápida) e 30% no 1/3 final (ejeção lenta)
  • 7. Ciclo Cardíaco - Diástole 1) Relaxamento isovolumétrico - Queda rápida da pressão intraventricular - Fechamento abrupto das valvas semilunares - Por 0,03-0,06s o músculo relaxa, porém o volume não se altera - Quando a pressão intraventricular fica menor que a dos átrios -> abertura das valvas atrioventriculares
  • 8. Ciclo Cardíaco - Diástole 2) Enchimento rápido - Após abertura das valvas atrioventriculares - Cerca do primeiro 1/3 da diástole 3) Enchimento lento (diástese) - Ocorre no 1/3 médio da diástole - Pequena quantidade de sangue que flui diretamente das ceias para o ventrículo 4) Contração atrial - Último 1/3 da diástole - Impulso adicional de sangue para os ventrículos (25%)
  • 10. Ciclo Cardíaco • Fechamento dos folhetos da valva mitral e tricúspide -> principal componente da 1ª bulha cardíaca • Fechamento da valva aórtica e pulmonar-> principal componente da 2ª bulha cardíaca
  • 13. Exame Físico do Coração • Inspeção • Palpação • Ausculta
  • 14. Inspeção • Abaulamentos • Intrínsecos • Hipertrofia e/ou dilatação cardíaca • Mais evidente nos jovens • Extrínsecos • Derrame pericárdico, enfisema, empiema, aneurisma de aorta
  • 16. Inspeção • Deformidades • Batimentos e movimentos • Pulsação epigástrica (transmissão da aorta abdominal ou hipertrofia de VD) • Pulsação na fúrcula (pode significar HAS, aneurisma de aorta) • Análise do Ictus cordis (se visível)
  • 17. Inspeção/Palpação • Ictus cordis (choque da ponta) • Corresponde ao choque da ponta do ventrículo esquerdo contra o arcabouço torácico • Observar -> Localização, extensão, mobilidade, intensidade, ritmo e frequência
  • 18. Ictus Cordis • Inspeção • Ao lado direito do paciente e junto aos pés • Pode não ser visível em pessoas normais • Localização pode variar com biotipo • Localização • Normalmente -> 5º EIC na linha hemiclavicular
  • 20. Ictus Cordis • Extensão • Normal – 2 polpas digitais • Intensidade • Palpação com a palma da mão • Mobilidade • Ictus varia com a posição do indivíduo • Ritmo e frequência
  • 21. Ictus Cordis • Hipertrofia e/ou dilatação do VE -> Deslocamento do ictus para baixo e para esquerda • Hipertrofia do VD -> Deslocamento horizontal para esquerda • Ictus difuso (ou globoso) -> ≥ 3 polpas digitais (dilatação) • Ictus propulsivo -> Hipertrofia
  • 23. Palpação Precordial • Frêmito cardiovascular • Sensação tátil determinada por vibrações produzidas no coração ou nos vasos • Corresponde aos sopros • Determinar a localização, a situação no ciclo cardíaco e a intensidade (+ a ++++) • Raro
  • 24. Ausculta cardíaca • Auscultar todos os focos • Paciente sentado, decúbito dorsal e decúbito lateral esquerdo (Pachon) • Observar bulhas cardíacas, ritmo e frequência, cliques ou estalidos, sopros, ruídos de pericardite e atrito pericárdico
  • 25. Ausculta Cardíaca • Manobras • Ligeira flexão do tronco (focos da base) • Müller – inspiração forçada com a glote fechada • Valsalva – Expiração forçada com a glote fechada • Rivero-Carvalho – Apnéia inspiratória com inspiração forçada
  • 27. Ausculta Cardíaca • Focos apicais • Foco mitral -> 5º EIC esquerdo, linha hemiclavicular • Foco tricúspide -> Base do apêndice xifoide, ligeiramente à esquerda • Focos da base • Foco aórtico -> 2º EIC direito, junto ao esterno • Foco aórtico acessório -> 3º EIC esquerdo, próximo ao esterno • Foco pulmonar -> 2º EIC esquerdo, junto ao esterno *Observar outras localizações, como dorso, axila e pescoço (irradiações)
  • 29. Bulhas Cardíacas • São vibrações geradas pela aceleração e desaceleração da coluna de sangue e pelas estruturas cardiovasculares (ventrículos, aparelhos valvares) • Podem ser ouvidas em todos os focos • B1, B2, B3 e B4
  • 30. Bulhas Cardíacas • Primeira Bulha (B1) • Principal elemento -> fechamento das valvas mitral e tricúspide (vibração destes após o fechamento pela movimentação de sangue), além da tensão na parede dos ventrículos e aceleração da coluna líquida • Coincide com o ictus cordis e o pulso carotídeo • Timbre mais grave e duração pouco maior que a 2ª bulha • “TUM”
  • 32. Bulhas Cardíacas • Segunda Bulha (B2) • Principal elemento -> Fechamento das valvas aórtica (A2) e pulmonar (P2) (vibração por desaceleração da coluna líquida) • Desdobramento fisiológico é comum nas crianças • Timbre mais agudo e seco • “TA”
  • 34. Alterações das Bulhas Cardíacas - Intensidade • Hiperfonese de ambas as bulhas em todos os focos • Exercício, emoção, febre, hipertireoidismo • Hipofonese de ambas as bulhas em todos os focos • Obesidade, enfisema, derrame pericárdico
  • 35. Alterações das Bulhas Cardíacas - Intensidade • B1 • Mais audível nos focos mitral e tricúspide • Hiperfonese • Hipertrofia do VE (HAS, insuficiência aórtica) • Alterações valvares -> estenose mitral (acompanhado de modificações de timbre) • Hipofonese • Principalmente por insuficiência contrátil (IC)
  • 36. Alterações das Bulhas Cardíacas - Intensidade • B2 • Mais audível nas áreas da base • Hiperfonese • Ocorre em situações em que há aumento do débito (tanto arterial aórtico quanto pulmonar) • Hipofonese • Situações com redução do DC -> ruído menos intenso
  • 37. Alterações das Bulhas Cardíacas - Desdobramentos • B1 • É percebido descontinuidade na bulha • Fisiológico -> mais comum em adultos (maior diferença pressórica entra aórtica e pulmonar) e é transitório • Patológico ->Pode representar um atraso no fechamento da valva tricúspide e sobrecargas ventriculares • Presente tanto na inspiração quanto na expiração • Diferenciar de aparentes desdobramentos de B1 (estalidos sistólicos, B4) • “Trum – Ta”
  • 38. Alterações das Bulhas Cardíacas - Desdobramentos • B2 • Analisar áreas da base • Fisiológico • Comum em crianças e jovens • Evidente na inspiração • Queda da pressão intratorácica -> aumento do retorno venoso -> aumento do tempo de ejeção do VD -> atraso de P2 • “Tum – trá”
  • 39. Alterações das Bulhas Cardíacas - Desdobramentos • B2 (Patológico) • Presentes na inspiração e expiração • Bloqueio de ramo direito • Acentua-se na inspiração • Comunicação interatrial (desdobramento fixo de B2) • Não se modifica com inspiração • Bloqueio de ramo esquerdo (desdobramento paradoxal) • Evidente na expiração