SlideShare uma empresa Scribd logo
Dtp 04 21
SALA PRESENCIAL 03/05/2021
Pergunta âncora 1
 Paciente masculino,54 anos apresenta-se à
consulta médica com quadro de Dispnéia,cianose e
tiragem. Observa-se forma de tórax Globoso ou
“em barril”. Qual a sua hipótese diagnóstica?
Justifique.
Resposta da pergunta âncora 1
 Tórax em barril: Tórax enfisematoso.É chamado tórax em
inspiração permanente ou em tonel.Quase sempre
adquirido.Tem a forma globosa,com diâmetro ântero-
posterior excedendo o transversal,sendo característico do
enfisema pulmonar
 TIRAGEM: É a retração dos espaços intercostais mais nítida
e progressiva durante toda a inspiração devido o atraso da
expansão pulmonar secundário a algum obstáculo que
dificulta ou impede a penetração do ar nos brônquios.Como
a tiragem nesse caso presume-se ser bilateral esse
obstáculo está em toda a árvore bronquica.
Tórax em barril
https://images.app.goo.gl/BB2k7eYN88HRMWZ69
Resposta da pergunta âncora 1
 DPOC por asma/bronquite crônica
Pergunta âncora 2
 Quais as características do Ritmo Respiratório de
Kusmaul ?Em quais condições clínicas está
presente?
 Antes de conceituarmos o Ritmo respiratório de
Kusmaul temos de conceituar o Ritmo de Cantani
Ritmo de Cantani
 Caracteriza-se pelo aumento da amplitude dos movimentos
respiratórios, de modo regular, secundariamente à presença de
acidose metabólica, encontrada, por exemplo, na cetoacidose diabética
ou insuficiência renal.
Ritmo de Kusmaul
 À medida que a acidose metabólica agrava-se, raramente pode haver
o surgimento do ritmo de Kussmaul, traduzido pela alternância
sequencial de apnéias inspiratórias e expiratórias.
ATIVIDADE EM SALA DE AULA VIRTUAL
Perguntas para atividade em sala de aula virtual
 1) Qual a causa mais comum do aparecimento de
circulação colateral no tórax?
 2) Como é o tórax paralítico? Qual a causa?
 3) Qual a diferença entre pectus excavatum e pectus
carinatum?
 4) Quais as principais causas de retração de todo um
hemitórax?
O que é uma circulação colateral? Quando pensar?
 A circulação colateral consiste na presença de vascularização
superficial anormal e exuberante e está relacionada a obstáculos
na circulação venosa profunda.
 Quando isso ocorre o sangue não consegue seguir seu caminho anatô-
mico e se desvia para veias colaterais em uma tentativa de contornar
a oclusão.
 A circulação colateral é um circuito fisiológico também no sistema
arterial, protegendo contra alterações isquêmicas que, potencialmente,
evita os efeitos de uma oclusão arterial e com isso pode influenciar nas
dimensões e no crescimento de uma lesão isquêmica
Causa mais comum de circulação colateral no tórax
 A Síndrome da Veia Cava Superior(SVCS)
 A SVCS é um conjunto de sinais e sintomas decorrentes da estase
venosa gerada pela obstrução da veia cava superior(VCS), seja por
trombose, compressão extrínseca ou invasão direta da veia. As causas
mais comuns de SVCS são malignas, sendo o câncer de pulmão a
principal causa
Circulação colateral no tórax
2) Como é o tórax paralítico? Qual a causa?
Diminuição nítida do diâmetro ântero-posterior,com
Predominância do diâmetro vertical.Pode ser de ori
Congênita ou adquirida como ocorre nas doenças
Consuptivas graves como a tuberculose pulmonar
Extensa.
3) Qual a diferença entre pectus excavatum e pectus
carinatum
O pectus excavatum é a tração do
apéndice xifoide em direção ao diafragma,
esta anomalía se relaciona com o prolapso
mitral numa prevalencia del 15%.
Sinonímia: Tóax infundibuliforme ou
sapateiro
(esse quando só atinge o 1/3 inferior
O pectus carinatum é a protrusão do apéndice xifoide,
chamado também “peito de pomba” ou “peito em quilha
de barco”. Está associado com a síndrome de
Marfan e raquitismo.
4) Quais as principais causas de retração de todo um
hemitórax?
 As mais intensas retrações de um hemitórax são causadas pelas
atelectasias decorrentes de obstrução de brônquio e de processos
fibróticos extensos , tanto pulmonares quanto pleurais
Retração do
hemitórax
esquerdo por
paquipleuris
O termo atelectasia é derivado do grego “ateles”
(imperfeito) e “ektasis” (expansão), portanto
refere-se à uma condição de expansão
incompleta do pulmão. A atelectasia pulmonar é
definida como um colapso do pulmonar ou de
parte dele.
Paqui-pleuriz
Paqui-pleuriz
DTP 0421

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do OmbroCinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do Ombro
João Luiz Pandolphi
 
Fraturas de coluna
Fraturas de colunaFraturas de coluna
Fraturas de coluna
Norberto Werle
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
pauloalambert
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
Lucrécia De Matos Silva
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Tônus muscular
Tônus muscularTônus muscular
Tônus muscular
Psicomotricidade
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
pauloalambert
 
472964955 tabela-musculos-origem-insercao-acao-pdf
472964955 tabela-musculos-origem-insercao-acao-pdf472964955 tabela-musculos-origem-insercao-acao-pdf
472964955 tabela-musculos-origem-insercao-acao-pdf
RodrigoAugustoDalia
 
Quadril - Exame Físico
Quadril - Exame FísicoQuadril - Exame Físico
Quadril - Exame Físico
Guilherme Biasuz
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
SemioOrto
 
Vascularização mmii
Vascularização mmiiVascularização mmii
Vascularização mmii
Blenda Neiva
 
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoAula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Hamilton Nobrega
 
Força 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame NeurológicoForça 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame Neurológico
Paulo Alambert
 
Corrente interferencial
Corrente interferencialCorrente interferencial
Corrente interferencial
Rodrigo Ferreira
 
Joelho anatomia e radiologia
Joelho   anatomia e radiologiaJoelho   anatomia e radiologia
Joelho anatomia e radiologia
Marcelo Madureira Montroni
 
Bulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasBulhas Cardíacas
Bulhas Cardíacas
Kelvia Dias
 
Plexo Lombossacral - Prof. Rogério Gozzi
Plexo Lombossacral - Prof. Rogério GozziPlexo Lombossacral - Prof. Rogério Gozzi
Plexo Lombossacral - Prof. Rogério Gozzi
Anatomia Fácil
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaBacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Patricia de Rossi
 
Desconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório NeonatalDesconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório Neonatal
blogped1
 

Mais procurados (20)

Cinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do OmbroCinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do Ombro
 
Fraturas de coluna
Fraturas de colunaFraturas de coluna
Fraturas de coluna
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
 
Mecanismo do parto
Mecanismo do partoMecanismo do parto
Mecanismo do parto
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonar
 
Tônus muscular
Tônus muscularTônus muscular
Tônus muscular
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
 
472964955 tabela-musculos-origem-insercao-acao-pdf
472964955 tabela-musculos-origem-insercao-acao-pdf472964955 tabela-musculos-origem-insercao-acao-pdf
472964955 tabela-musculos-origem-insercao-acao-pdf
 
Quadril - Exame Físico
Quadril - Exame FísicoQuadril - Exame Físico
Quadril - Exame Físico
 
Modulo 15
Modulo 15Modulo 15
Modulo 15
 
Vascularização mmii
Vascularização mmiiVascularização mmii
Vascularização mmii
 
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoAula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
 
Força 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame NeurológicoForça 17 Exame Neurológico
Força 17 Exame Neurológico
 
Corrente interferencial
Corrente interferencialCorrente interferencial
Corrente interferencial
 
Joelho anatomia e radiologia
Joelho   anatomia e radiologiaJoelho   anatomia e radiologia
Joelho anatomia e radiologia
 
Bulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasBulhas Cardíacas
Bulhas Cardíacas
 
Plexo Lombossacral - Prof. Rogério Gozzi
Plexo Lombossacral - Prof. Rogério GozziPlexo Lombossacral - Prof. Rogério Gozzi
Plexo Lombossacral - Prof. Rogério Gozzi
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicinaBacia obstétrica - aula para graduação de medicina
Bacia obstétrica - aula para graduação de medicina
 
Desconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório NeonatalDesconforto Respiratório Neonatal
Desconforto Respiratório Neonatal
 

Semelhante a DTP 0421

Cistos e cavidades pulmonares
Cistos e cavidades pulmonaresCistos e cavidades pulmonares
Cistos e cavidades pulmonares
Flávia Salame
 
Traumatismo toracico final.pptx
Traumatismo toracico final.pptxTraumatismo toracico final.pptx
Traumatismo toracico final.pptx
TomasCharles1
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
gisa_legal
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
gisa_legal
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
gisa_legal
 
Apostila de bioimagem radiografia Pulmão
Apostila de bioimagem radiografia PulmãoApostila de bioimagem radiografia Pulmão
Apostila de bioimagem radiografia Pulmão
Italo Emmanoel
 
Dtp9 sp
Dtp9 spDtp9 sp
Dtp9 sp
pauloalambert
 
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
DEPTFIRESERVIOS
 
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratóriaMonitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Fisioterapeuta
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
gisa_legal
 
Sistema Pulmonar.pptx
Sistema Pulmonar.pptxSistema Pulmonar.pptx
Sistema Pulmonar.pptx
gizaraposo
 
Aula t.torax
Aula t.toraxAula t.torax
Aula t.torax
tainankizzy
 
Sling da AP
Sling da APSling da AP
Sling da AP
gisa_legal
 
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
Aroldo Gavioli
 
TC tórax: alterações congênitas
TC tórax: alterações congênitasTC tórax: alterações congênitas
TC tórax: alterações congênitas
arbarretto
 
Semiologia respiration final
Semiologia respiration finalSemiologia respiration final
Semiologia respiration final
Dr madhumati Varma
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
Camila Lopes
 
Dor torácica
Dor torácicaDor torácica
Dor torácica
gisa_legal
 
Aula 04 Semiologia Aparelho Respiratório.pptx
Aula 04 Semiologia Aparelho Respiratório.pptxAula 04 Semiologia Aparelho Respiratório.pptx
Aula 04 Semiologia Aparelho Respiratório.pptx
lvaroCosta22
 
Vias aéreas 1
Vias aéreas 1Vias aéreas 1
Vias aéreas 1
isadoracordenonsi
 

Semelhante a DTP 0421 (20)

Cistos e cavidades pulmonares
Cistos e cavidades pulmonaresCistos e cavidades pulmonares
Cistos e cavidades pulmonares
 
Traumatismo toracico final.pptx
Traumatismo toracico final.pptxTraumatismo toracico final.pptx
Traumatismo toracico final.pptx
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
 
Apostila de bioimagem radiografia Pulmão
Apostila de bioimagem radiografia PulmãoApostila de bioimagem radiografia Pulmão
Apostila de bioimagem radiografia Pulmão
 
Dtp9 sp
Dtp9 spDtp9 sp
Dtp9 sp
 
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
Suporte Básico de Vida no Trauma Lesões Especificas Trauma Torácico e Abdomin...
 
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratóriaMonitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
 
Sistema Pulmonar.pptx
Sistema Pulmonar.pptxSistema Pulmonar.pptx
Sistema Pulmonar.pptx
 
Aula t.torax
Aula t.toraxAula t.torax
Aula t.torax
 
Sling da AP
Sling da APSling da AP
Sling da AP
 
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
 
TC tórax: alterações congênitas
TC tórax: alterações congênitasTC tórax: alterações congênitas
TC tórax: alterações congênitas
 
Semiologia respiration final
Semiologia respiration finalSemiologia respiration final
Semiologia respiration final
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Dor torácica
Dor torácicaDor torácica
Dor torácica
 
Aula 04 Semiologia Aparelho Respiratório.pptx
Aula 04 Semiologia Aparelho Respiratório.pptxAula 04 Semiologia Aparelho Respiratório.pptx
Aula 04 Semiologia Aparelho Respiratório.pptx
 
Vias aéreas 1
Vias aéreas 1Vias aéreas 1
Vias aéreas 1
 

Mais de pauloalambert

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
pauloalambert
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
pauloalambert
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
pauloalambert
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
pauloalambert
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
pauloalambert
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
pauloalambert
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
pauloalambert
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
pauloalambert
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
pauloalambert
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
pauloalambert
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 

Último

Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (6)

Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 

DTP 0421

  • 1. Dtp 04 21 SALA PRESENCIAL 03/05/2021
  • 2. Pergunta âncora 1  Paciente masculino,54 anos apresenta-se à consulta médica com quadro de Dispnéia,cianose e tiragem. Observa-se forma de tórax Globoso ou “em barril”. Qual a sua hipótese diagnóstica? Justifique.
  • 3. Resposta da pergunta âncora 1  Tórax em barril: Tórax enfisematoso.É chamado tórax em inspiração permanente ou em tonel.Quase sempre adquirido.Tem a forma globosa,com diâmetro ântero- posterior excedendo o transversal,sendo característico do enfisema pulmonar  TIRAGEM: É a retração dos espaços intercostais mais nítida e progressiva durante toda a inspiração devido o atraso da expansão pulmonar secundário a algum obstáculo que dificulta ou impede a penetração do ar nos brônquios.Como a tiragem nesse caso presume-se ser bilateral esse obstáculo está em toda a árvore bronquica.
  • 5. Resposta da pergunta âncora 1  DPOC por asma/bronquite crônica
  • 6. Pergunta âncora 2  Quais as características do Ritmo Respiratório de Kusmaul ?Em quais condições clínicas está presente?  Antes de conceituarmos o Ritmo respiratório de Kusmaul temos de conceituar o Ritmo de Cantani
  • 7. Ritmo de Cantani  Caracteriza-se pelo aumento da amplitude dos movimentos respiratórios, de modo regular, secundariamente à presença de acidose metabólica, encontrada, por exemplo, na cetoacidose diabética ou insuficiência renal.
  • 8. Ritmo de Kusmaul  À medida que a acidose metabólica agrava-se, raramente pode haver o surgimento do ritmo de Kussmaul, traduzido pela alternância sequencial de apnéias inspiratórias e expiratórias.
  • 9. ATIVIDADE EM SALA DE AULA VIRTUAL
  • 10. Perguntas para atividade em sala de aula virtual  1) Qual a causa mais comum do aparecimento de circulação colateral no tórax?  2) Como é o tórax paralítico? Qual a causa?  3) Qual a diferença entre pectus excavatum e pectus carinatum?  4) Quais as principais causas de retração de todo um hemitórax?
  • 11. O que é uma circulação colateral? Quando pensar?  A circulação colateral consiste na presença de vascularização superficial anormal e exuberante e está relacionada a obstáculos na circulação venosa profunda.  Quando isso ocorre o sangue não consegue seguir seu caminho anatô- mico e se desvia para veias colaterais em uma tentativa de contornar a oclusão.  A circulação colateral é um circuito fisiológico também no sistema arterial, protegendo contra alterações isquêmicas que, potencialmente, evita os efeitos de uma oclusão arterial e com isso pode influenciar nas dimensões e no crescimento de uma lesão isquêmica
  • 12. Causa mais comum de circulação colateral no tórax  A Síndrome da Veia Cava Superior(SVCS)  A SVCS é um conjunto de sinais e sintomas decorrentes da estase venosa gerada pela obstrução da veia cava superior(VCS), seja por trombose, compressão extrínseca ou invasão direta da veia. As causas mais comuns de SVCS são malignas, sendo o câncer de pulmão a principal causa
  • 14. 2) Como é o tórax paralítico? Qual a causa? Diminuição nítida do diâmetro ântero-posterior,com Predominância do diâmetro vertical.Pode ser de ori Congênita ou adquirida como ocorre nas doenças Consuptivas graves como a tuberculose pulmonar Extensa.
  • 15. 3) Qual a diferença entre pectus excavatum e pectus carinatum O pectus excavatum é a tração do apéndice xifoide em direção ao diafragma, esta anomalía se relaciona com o prolapso mitral numa prevalencia del 15%. Sinonímia: Tóax infundibuliforme ou sapateiro (esse quando só atinge o 1/3 inferior O pectus carinatum é a protrusão do apéndice xifoide, chamado também “peito de pomba” ou “peito em quilha de barco”. Está associado com a síndrome de Marfan e raquitismo.
  • 16. 4) Quais as principais causas de retração de todo um hemitórax?  As mais intensas retrações de um hemitórax são causadas pelas atelectasias decorrentes de obstrução de brônquio e de processos fibróticos extensos , tanto pulmonares quanto pleurais Retração do hemitórax esquerdo por paquipleuris
  • 17. O termo atelectasia é derivado do grego “ateles” (imperfeito) e “ektasis” (expansão), portanto refere-se à uma condição de expansão incompleta do pulmão. A atelectasia pulmonar é definida como um colapso do pulmonar ou de parte dele.