SlideShare uma empresa Scribd logo
ROMANTISMO
O que você deverá saber:
   O que foi o Romantismo.
   Como        as   revoluções    burguesas
    desencadearam o movimento romântico;
   Quais foram as características do projeto
    literário do Romantismo;
   Quais foram as principais correntes
    românticas.
Contexto histórico:
                    1760      –  Início  da
                     revolução Industrial na
                     Inglaterra;
                    1789      –   Revolução
                     Francesa: fim da idade
                     moderna e início da
                     contemporânea;
                    1799 – Napoleão assume
                     o poder na França.
                    1801 – Thomas Jefferson
                     é eleito presidente nos
                     EUA.
   1803 – A Inglaterra        1808 – A corte
    declara guerra contra       portuguesa chega ao
    a França.                   Brasil. Os portos são
                                abertos ao comércio
   1808 – Em Londres,          internacional.
    Hipólito da Costa
    publica o Correio
    Brasiliense,     o
    primeiro     jornal
    brasileiro.
  1810 - Goya
 começa a pintar
 Os desastres da
Guerra. Uma série
 de quadros que
    retrata as
conseqüências da
    ocupação
 napoleônica na
    Espanha.
   1812 – EUA declaram        1818 – Mary Shelley
     guerra à Inglaterra.       publica Frankenstein.
     1815 - Derrota de                1822 –
        Napoleão em               independência do
          Waterloo.                     Brasil.
     1816 – Argentina           1830 – revolução
           declara                liberal na França.
       independência.
O Romantismo:
    Ascensão da burguesia: criação de novas
                       estéticas;
 A realidade passa pelo filtro da emoção, que se
         alia à subjetividade e originalidade;
        Originalidade substitui a imitação;
    Individualidade: levar em consideração as
      emoções que sentimos para interpretar a
                       realidade.
  Ruptura com os padrões clássicos de beleza.
      Valores burgueses: Esforço individual,
                sinceridade e trabalho.
 “Tomo uma resolução de que jamais houve
exemplo e que não terá imitador. Quero mostrar
 aos meus semelhantes um homem em toda a
 verdade de sua natureza, e esse homem serei
   eu. Somente eu. Conheço meu coração e
conheço os homens. Não sou da mesma massa
  daqueles com quem lidei; ouso crer que não
sou feito como os outros. Mesmo que não tenha
    maior mérito, pelo menos sou diferente.

                                    Rousseau
O projeto literário do Romantismo
   Criar uma intimidade estética para o
    burguês;
   Valorização do indivíduo e toda sua
    complexidade emocional;
   Perfis de heróis que precisam amar,
    sofrer, agir, superando obstáculos de toda
    natureza para se qualificarem como
    exemplares;
   Os sentimentos puros e verdadeiros
    transformam os indivíduos e lhe dão
    condições para enfrentar a hipocrisia da
    sociedade;
   Amor à pátria e símbolos nacionais são
    exaltados como símbolos de beleza e
    bondade.
Agentes do discurso:
   Desaparecimento dos mecenas e
    profissionalização dos artistas;
   Divulgar os valores burgueses e entreter
    os leitores;
   Publicação em grandes veículos de
    comunicação;
   Folhetins.
A fuga do presente e da realidade
   Valorização do racional e das posturas
    coletivas;
   Emoção e subjetivismo;
   Fuga da realidade;
   Morte como idealização;
   Mundo dos sonhos;
   Passado idealizado;
   Exploração de temas medievais.
Nacionalismo
 É a consciência partilhada por um grupo
  de indivíduos que se sente ligado a uma
  terra e possui uma cultura e uma história
  comuns, marcadas por eventos gloriosos
       ou trágicos vividos em conjunto.
  O indivíduo é o cidadão de uma pátria.
(...)
    Esta é a cidade e eu sou um dos cidadãos,
   O que interessa aos outros a mim interessa,
    políticas, guerras, mercados, jornais, escolas,
 O presidente da câmara e os conselhos, bancos
  tarifas, navios, fábricas, mercadorias, armazéns,
               bens públicos e privados.

                                        Walt Whitman
Linguagem
              Liberdade formal;
          Adjetivação abundante;

 Pontuação: exclamações, interrogações,
  reticências deixam o leitor reconhecer as
 emoções, angústias e aflições que tomam
              conta da narrativa;
               Subjetividade.
As 3 correntes românticas
 Alemanha, Inglaterra e França foram o
     berço das estéticas românticas:
 nacionalismo, temática social, gosto pelo
                 grotesco.
Alemanha
   A alma do povo: nacionalismo e exaltação
                 da população.



         Goethe (Os sofrimentos do jovem
                     Werther,
Inglaterra
 Mitologia celta e tradições irlandesas e
  escocesas;
Romance gótico:
 Charlotte Brontë (Jane Eyre);

 Emily Brontë (O morro dos ventos uivantes);

 Mary Shelley (Frankenstein);

 Robert Louis Stevenson ( O médico e o
  monstro)
França
   Consciência social;
   A função política da literatura é mais importante
    que a literária;
   Victor Hugo (Os miseráveis, os trabalhadores do
    mar);
   Alexandre Dumas (O máscara de ferro, os três
    mosqueteiros);
   Alexandre Dumas Filho ( A dama das
    Camélias);
“É possível dizer que o romantismo viveu muito do
   chamado amor idealizado; da projeção pura e
   simples de um modelo amoroso, cujas origens
   mais remotas poderiam ser encontradas junto
     às cantigas trovadorescas medievais. Daí a
   Constância do tema do amor ausente, ou seja,
    da enlevação de alguém, um homem ou uma
     mulher, cuja distancia permitisse apenas o
      exercício de um desejo pela imagem, pelo
               desenho, pela figuração”
O ROMANTISMO CONTEMPORÂNEO:
  Todo amor que houver nessa vida – Barão
                 Vermelho

     Eu quero a sorte de um amor tranqüilo
         Com sabor de fruta mordida
      Nós, na batida, no embalo da rede
          Matando a sede na saliva

         Ser teu pão, ser tua comida
      Todo amor que houver nessa vida
      E algum trocado pra dar garantia
E ser artista no nosso convívio
   Pelo inferno e céu de todo dia
  Pra poesia que a gente não vive
 Transformar o tédio em melodia...

    Ser teu pão, ser tua comida
 Todo amor que houver nessa vida
          E algum veneno
          anti-monotonia...

E se eu achar a tua fonte escondida
       Te alcanço em cheio
         O mel e a ferida
 E o corpo inteiro feito um furacão
Boca, nuca, mão e a tua mente, não
Ser teu pão, ser tua comida
 Todo amor que houver nessa vida
E algum remédio que me dê alegria...

    Ser teu pão, ser tua comida
 Todo amor que houver nessa vida
 E algum trocado pra dar garantia
 E algum veneno anti-monotonia...
O ROMANTISMO NA MPB
Fonte de mel
Nos olhos de gueixa
Kabuki, máscara
Choque entre o azul
E o cacho de acácias
Luz das acácias
Você é mãe do sol
A sua coisa é toda tão certa
Beleza esperta
Você me deixa a rua deserta
Quando atravessa
E não olha pra trás
Linda
E sabe viver
Você me faz feliz
Esta canção é só pra dizer
E diz
Você é linda
Mais que demais
Vocé é linda sim
Onda do mar do amor
Que bateu em mim
Você é forte
Dentes e músculos
Peitos e lábios
Você é forte
Letras e músicas
Todas as músicas
Que ainda hei de ouvir
No Abaeté
Areias e estrelas
Não são mais belas
Do que você
Mulher das estrelas
Mina de estrelas
Diga o que você quer
Gosto de ver
Você no seu ritmo
Dona do carnaval
Gosto de ter
Sentir seu estilo
Ir no seu íntimo
Nunca me faça mal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Lucélia Rodrigues
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Cláudia Heloísa
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
Colégio Santa Luzia
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 

Mais procurados (20)

Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 

Destaque

Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
Ana Karina Silva
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
Cristina Medina
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
xipolito
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Vívian mourett
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Prof Palmito Rocha
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
Isabelle Ribeiro
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
NathalyNara
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
Elaine Chiullo
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
FOLHA NAZA
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
guest276c9
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
sfotoinpoc
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
Carlos Pinheiro
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Igor Moura
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
guest5e4f04
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
Ana Barreiros
 

Destaque (20)

Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Romantismo poesia power point
Romantismo poesia power pointRomantismo poesia power point
Romantismo poesia power point
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
 
O romantismo no brasil poesia
O romantismo no brasil   poesiaO romantismo no brasil   poesia
O romantismo no brasil poesia
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 

Semelhante a Romantismo contexto histórico e características

romantismo.pdf literatura resumo slide 1
romantismo.pdf literatura resumo slide 1romantismo.pdf literatura resumo slide 1
romantismo.pdf literatura resumo slide 1
BrunaLeal72
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
Sirlene Rosa Santos
 
Estética Romântica e o Romantismo em Portugal
Estética Romântica e o Romantismo em PortugalEstética Romântica e o Romantismo em Portugal
Estética Romântica e o Romantismo em Portugal
elenir duarte dias
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
newtonbonfim
 
Romantismo Parte 1
Romantismo   Parte 1Romantismo   Parte 1
Romantismo Parte 1
guestc1495d6
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Silmara Braz
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
Carla Teixeira
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo ii
Romantismo iiRomantismo ii
Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1
Marina Alessandra
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
ANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arieli Bis Sobbis
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
WandersonBarros16
 
Iracema
IracemaIracema
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
bruna danielle carvalho
 
webnode2
webnode2webnode2
webnode2
pauloyjosiele
 
tudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismotudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismo
Felipe Alencar Barros
 

Semelhante a Romantismo contexto histórico e características (20)

romantismo.pdf literatura resumo slide 1
romantismo.pdf literatura resumo slide 1romantismo.pdf literatura resumo slide 1
romantismo.pdf literatura resumo slide 1
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
 
Estética Romântica e o Romantismo em Portugal
Estética Romântica e o Romantismo em PortugalEstética Romântica e o Romantismo em Portugal
Estética Romântica e o Romantismo em Portugal
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
 
Romantismo Parte 1
Romantismo   Parte 1Romantismo   Parte 1
Romantismo Parte 1
 
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
Realismofinal 100118094323-phpapp01 (1)
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo ii
Romantismo iiRomantismo ii
Romantismo ii
 
Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
 
webnode2
webnode2webnode2
webnode2
 
tudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismotudo sobre o romantismo
tudo sobre o romantismo
 

Mais de VIVIAN TROMBINI

PAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANOPAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANO
VIVIAN TROMBINI
 
CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2
VIVIAN TROMBINI
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
VIVIAN TROMBINI
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
VIVIAN TROMBINI
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
VIVIAN TROMBINI
 
VANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIASVANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIAS
VIVIAN TROMBINI
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
VIVIAN TROMBINI
 
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃODANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
VIVIAN TROMBINI
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
VIVIAN TROMBINI
 
Resumo
ResumoResumo
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
VIVIAN TROMBINI
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
VIVIAN TROMBINI
 
Redação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - invernoRedação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - inverno
VIVIAN TROMBINI
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
VIVIAN TROMBINI
 
Revisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEMRevisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEM
VIVIAN TROMBINI
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
VIVIAN TROMBINI
 
Memórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubasMemórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubas
VIVIAN TROMBINI
 
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.MAULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.MAULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 

Mais de VIVIAN TROMBINI (20)

PAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANOPAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANO
 
CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
 
VANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIASVANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIAS
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃODANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Redação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - invernoRedação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - inverno
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
 
Revisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEMRevisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEM
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Memórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubasMemórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubas
 
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.MAULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
 
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.MAULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
 

Romantismo contexto histórico e características

  • 2. O que você deverá saber:  O que foi o Romantismo.  Como as revoluções burguesas desencadearam o movimento romântico;  Quais foram as características do projeto literário do Romantismo;  Quais foram as principais correntes românticas.
  • 3. Contexto histórico:  1760 – Início da revolução Industrial na Inglaterra;  1789 – Revolução Francesa: fim da idade moderna e início da contemporânea;  1799 – Napoleão assume o poder na França.  1801 – Thomas Jefferson é eleito presidente nos EUA.
  • 4. 1803 – A Inglaterra  1808 – A corte declara guerra contra portuguesa chega ao a França. Brasil. Os portos são abertos ao comércio  1808 – Em Londres, internacional. Hipólito da Costa publica o Correio Brasiliense, o primeiro jornal brasileiro.
  • 5.  1810 - Goya começa a pintar Os desastres da Guerra. Uma série de quadros que retrata as conseqüências da ocupação napoleônica na Espanha.
  • 6. 1812 – EUA declaram  1818 – Mary Shelley guerra à Inglaterra. publica Frankenstein.  1815 - Derrota de  1822 – Napoleão em independência do Waterloo. Brasil.  1816 – Argentina  1830 – revolução declara liberal na França. independência.
  • 7. O Romantismo:  Ascensão da burguesia: criação de novas estéticas;  A realidade passa pelo filtro da emoção, que se alia à subjetividade e originalidade;  Originalidade substitui a imitação;  Individualidade: levar em consideração as emoções que sentimos para interpretar a realidade.  Ruptura com os padrões clássicos de beleza.  Valores burgueses: Esforço individual, sinceridade e trabalho.
  • 8.  “Tomo uma resolução de que jamais houve exemplo e que não terá imitador. Quero mostrar aos meus semelhantes um homem em toda a verdade de sua natureza, e esse homem serei eu. Somente eu. Conheço meu coração e conheço os homens. Não sou da mesma massa daqueles com quem lidei; ouso crer que não sou feito como os outros. Mesmo que não tenha maior mérito, pelo menos sou diferente. Rousseau
  • 9. O projeto literário do Romantismo  Criar uma intimidade estética para o burguês;  Valorização do indivíduo e toda sua complexidade emocional;  Perfis de heróis que precisam amar, sofrer, agir, superando obstáculos de toda natureza para se qualificarem como exemplares;
  • 10. Os sentimentos puros e verdadeiros transformam os indivíduos e lhe dão condições para enfrentar a hipocrisia da sociedade;  Amor à pátria e símbolos nacionais são exaltados como símbolos de beleza e bondade.
  • 11. Agentes do discurso:  Desaparecimento dos mecenas e profissionalização dos artistas;  Divulgar os valores burgueses e entreter os leitores;  Publicação em grandes veículos de comunicação;  Folhetins.
  • 12. A fuga do presente e da realidade  Valorização do racional e das posturas coletivas;  Emoção e subjetivismo;  Fuga da realidade;  Morte como idealização;  Mundo dos sonhos;  Passado idealizado;  Exploração de temas medievais.
  • 13. Nacionalismo  É a consciência partilhada por um grupo de indivíduos que se sente ligado a uma terra e possui uma cultura e uma história comuns, marcadas por eventos gloriosos ou trágicos vividos em conjunto.  O indivíduo é o cidadão de uma pátria.
  • 14. (...) Esta é a cidade e eu sou um dos cidadãos, O que interessa aos outros a mim interessa, políticas, guerras, mercados, jornais, escolas, O presidente da câmara e os conselhos, bancos tarifas, navios, fábricas, mercadorias, armazéns, bens públicos e privados. Walt Whitman
  • 15. Linguagem  Liberdade formal;  Adjetivação abundante;  Pontuação: exclamações, interrogações, reticências deixam o leitor reconhecer as emoções, angústias e aflições que tomam conta da narrativa;  Subjetividade.
  • 16. As 3 correntes românticas Alemanha, Inglaterra e França foram o berço das estéticas românticas: nacionalismo, temática social, gosto pelo grotesco.
  • 17. Alemanha  A alma do povo: nacionalismo e exaltação da população.  Goethe (Os sofrimentos do jovem Werther,
  • 18. Inglaterra  Mitologia celta e tradições irlandesas e escocesas; Romance gótico:  Charlotte Brontë (Jane Eyre);  Emily Brontë (O morro dos ventos uivantes);  Mary Shelley (Frankenstein);  Robert Louis Stevenson ( O médico e o monstro)
  • 19. França  Consciência social;  A função política da literatura é mais importante que a literária;  Victor Hugo (Os miseráveis, os trabalhadores do mar);  Alexandre Dumas (O máscara de ferro, os três mosqueteiros);  Alexandre Dumas Filho ( A dama das Camélias);
  • 20. “É possível dizer que o romantismo viveu muito do chamado amor idealizado; da projeção pura e simples de um modelo amoroso, cujas origens mais remotas poderiam ser encontradas junto às cantigas trovadorescas medievais. Daí a Constância do tema do amor ausente, ou seja, da enlevação de alguém, um homem ou uma mulher, cuja distancia permitisse apenas o exercício de um desejo pela imagem, pelo desenho, pela figuração”
  • 21. O ROMANTISMO CONTEMPORÂNEO: Todo amor que houver nessa vida – Barão Vermelho Eu quero a sorte de um amor tranqüilo Com sabor de fruta mordida Nós, na batida, no embalo da rede Matando a sede na saliva Ser teu pão, ser tua comida Todo amor que houver nessa vida E algum trocado pra dar garantia
  • 22. E ser artista no nosso convívio Pelo inferno e céu de todo dia Pra poesia que a gente não vive Transformar o tédio em melodia... Ser teu pão, ser tua comida Todo amor que houver nessa vida E algum veneno anti-monotonia... E se eu achar a tua fonte escondida Te alcanço em cheio O mel e a ferida E o corpo inteiro feito um furacão Boca, nuca, mão e a tua mente, não
  • 23. Ser teu pão, ser tua comida Todo amor que houver nessa vida E algum remédio que me dê alegria... Ser teu pão, ser tua comida Todo amor que houver nessa vida E algum trocado pra dar garantia E algum veneno anti-monotonia...
  • 24. O ROMANTISMO NA MPB Fonte de mel Nos olhos de gueixa Kabuki, máscara Choque entre o azul E o cacho de acácias Luz das acácias Você é mãe do sol A sua coisa é toda tão certa Beleza esperta Você me deixa a rua deserta Quando atravessa E não olha pra trás
  • 25. Linda E sabe viver Você me faz feliz Esta canção é só pra dizer E diz Você é linda Mais que demais Vocé é linda sim Onda do mar do amor Que bateu em mim
  • 26. Você é forte Dentes e músculos Peitos e lábios Você é forte Letras e músicas Todas as músicas Que ainda hei de ouvir No Abaeté Areias e estrelas Não são mais belas Do que você Mulher das estrelas Mina de estrelas Diga o que você quer
  • 27. Gosto de ver Você no seu ritmo Dona do carnaval Gosto de ter Sentir seu estilo Ir no seu íntimo Nunca me faça mal