SlideShare uma empresa Scribd logo
Simbolismo
O que caracteriza a poesia simbolista? Na França, a poesia da segunda metade  do século XIX  assumiu duas formas:   o Parnasianismo o Simbolismo Os parnasianos consideravam  um poema o fruto de um exaustivo trabalho  de sabedoria e perfeição rítmica e musical que pretendia descrever objetivamente a realidade. Da evolução do Parnasianismo surgiu  o chamado Simbolismo, que queria fugir da rigidez estética parnasiana  em direção a uma poesia  mais livre nos temas e na forma.
Seu objetivo era ter como base a sugestão, a criação de imagens fluidas e a apresentação subjetiva da realidade, expressa pelo uso de sinestesias e metáforas sutis. O poeta viajante, de Gustavo Moureau
Ícones  Simbolistas Baudelaire começou a escrever sob os ideais parnasianos. Sua evolução rumo ao Simbolismo deu-se no livro  As Flores do Mal  (18 57).  Seu trabalho foi tão importante que todos os poetas posteriores declararam-se de alguma forma devedores à sua poesia. Baudelaire inventou a poesia da cidade, com massas anônimas, prazeres proibidos, miséria. Entre seus temas estão a beleza, a mulher, a boemia, a embriaguez, a morte e o tédio.  Stéphane Mallarmé (1842-1898) Charles Baudelaire  (1821-1867) Paul Verlaine  (1844-1896) Arthur Rimbaud  (1854-1891)
Les fleurs du mal “ As  Flores do Mal   não contêm poemas nem lendas nem nada que tenha que ver com uma forma narrativa. Não há nelas nenhum discurso filosófico. A política está ausente por completo. As descrições, escassas, são sempre densas de significado. Mas no livro tudo é fascinação, música, sensualidade abstrata e poderosa.” As  Flores do Mal  foi editado em 1857 provocando imediatamente um grande escândalo. Seis poemas do livro foram condenados e proibidos de circular. Os editores Poulet-Melassis et de Broise tinham no armazém duzentos exemplares a quando da condenação e para não destruírem os livros, limitaram-se a retirar as páginas dos poemas proibidos. Nasceram assim os exemplares amputados que são disputadíssimos pelos bibliófilos, valendo quantias avultadas.  Baudelaire foi um dos primeiros a compreender o declínio da arte no mundo capitalista. O artista moderno nasce ao cair das alturas. Exilado no meio da multidão, fabrica flores do mal. Toda a sua força vem justamente dessa negatividade.
Gustave Moureau Os simbolistas procuraram  resgatar a relação do homem com o sagrado , com a liturgia e com os símbolos. Buscam o sentimento de totalidade, que se daria numa  integração da poesia com a vida cósmica , como se ela, a poesia, fosse uma religião.  Sua forma de tratar a realidade é radicalmente  diferente da dos realistas.  Não aceitam a separação entre sujeito e objeto ou entre objetivo e subjetivo. Partem do princípio de que  é impossível o retrato fiel do objeto ; o papel do artista, no caso seria o de sugeri-lo, por meio de tentativas, sem querer esgotá-lo. Desses modo,  a obra de arte nunca é perfeita ou acabada, mas aberta, podendo sempre ser modificada ou refeita.
                 O Simbolismo - com as propostas de inovação, oposição e pesquisa trazidas pela geração de Verlaine, Rimbaud e Mallarmé - não sobrevive muito.  O mundo presencia a euforia capitalista , o avanço científico e tecnológico. A burguesia vive a  belle époque , um período de prosperidade, de acumulação e de prazeres materiais que só terminaria com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, em 1914.              Nesse contexto, o Simbolismo desaparece . Mas deixa ao mundo um alerta sobre o mal-estar trazido pela civilização moderna e industrializada .
O Simbolismo no Brasil            Ao contrário do que aconteceu na Europa, onde o Simbolismo se sobrepôs ao Parnasianismo,  no Brasil o Simbolismo foi quase inteiramente abafado pelo movimento parnasiano , (que gozou de amplo prestígio entre as camadas  cultas  até as primeiras décadas  do século XX).
Apesar disso, a produção simbolista deixou contribuições significativas, preparando terreno para as grandes inovações que iriam ocorrer no século XX, no domínio da poesia.  As primeiras manifestações simbolistas já eram sentidas desde o final da década de 80 do século XIX. Apesar disso, tradicionalmente se tem apontado como marco introdutório do movimento simbolista brasileiro a publicação (em 1893) das obras  Missal   (prosa) e  Broquéis   (poesia), de nosso maior simbolista:  Cruz e Souza.             Além de Cruz e Sousa, destacam-se Augusto dos Anjos e  Alphonsus de Guimaraens .
1.   Cruz e Sousa   -  O Cavador do Infinito.            Cruz e Sousa sempre foi alvo do preconceito racial. Na juventude, teve uma grande decepção amorosa ao apaixonar-se por uma artista branca. Acabou casando-se com Gravita, uma negra, que mais tarde ficaria louca. De quatro filhos que o casal teve, apenas dois sobreviveram. Cruz e Souza  morreu com 36 anos, vítima de tuberculose . Suas únicas obras publicadas em vida foram Missal e Broquéis.             Hoje Cruz e Souza é  considerado o mais importante poeta simbolista   brasileiro   e um dos maiores poetas nacionais de todos os tempos. Seu valor, contudo, só foi reconhecido postumamente,  e está entre os maiores poetas do Simbolismo universal. Sua obra apresenta diversidade e riqueza.
Parnasianismo o culto da noite,  certo satanismo,  pessimismo,morte poesia meditativa e filosófica preocupação formal,  o verbalismo requintado,  a força das imagens Cruz e Souza Realismo Romantismo
"Inexorável“ Ó meu Amor, que já morreste,  Ó meu Amor, que morta estás!  Lá nessa cova a que desceste  Ó meu Amor, que já morreste,  Ah! Nunca mais florescerás?  Ao teu esquálido esqueleto,  Que tinha outrora de uma flor  A graça e o encanto do amuleto  Ao teu esquálido esqueleto  Não voltará novo esplendor?
Harmonias que pungem, que laceram,   Dedos nervosos e ágeis que percorrem   Cordas e um mundo de dolências geram   Gemidos, prantos, que no espaço morrem...   E sons soturnos, suspiradas mágoas,   Mágoas amargas e melancolias,   No sussurro monótono das águas,   Noturnamente, entre ramagens frias.   Vozes veladas, veludosas vozes,   Volúpias dos violões, vozes veladas,   Vagam nos velhos vórtices velozes   Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.   Tudo nas cordas dos violões ecoa   E vibra e se contorce no ar, convulso...   Tudo na noite, tudo clama e voa   Sob a febril agitação de um pulso.   Que esses violões nevoentos e tristonhos   São ilhas de degredo atroz, funéreo,   Para onde vão, fatigadas do sonho,   Almas que se abismaram no mistérios Violões que choram...   Ah! plangentes violões dormente, mornos,   Soluços ao luar, choros ao vento...   Tristes perfis, os mais vagos contornos,   Bocas murmurejantes de lamento.   Noites de além, remotas, que eu recordo,   Noites de solidão, noites remotas   que nos azuis da Fantasia bordo,   Vou constelando de visões ignotas.   Sutis palpitações à luz da lua,   Anseio dos momentos mais saudosos   Quando lá choram na deserta rua   As cordas vivas dos violões chorosos.   Quando os sons dos violões vão soluçando,   Quando os sons dos violões nas cordas gemem,   E vão dilacerando e deliciando,   Rasgando as almas que nas sombras tremem.
Poesia metafísica- a dor do existir Cruz e Sousa apresenta uma das poéticas de maior profundidade em língua portuguesa, quanto à investigação filosófica e à angústia metafísica.             Além disso, certas posturas de sua poesia - o desejo de fugir da realidade, de transcender a matéria e integrar-se espiritualmente no cosmo - parecem originar-se não apenas do sentimento de opressão e mal-estar trazido pelo capitalismo, mas também pelo drama racial e pessoal que vivia.             A trajetória de sua obra parte   da consciência e da dor de ser negro   (em Broquéis)   à dor de ser homem, em busca da transcendência   (em Faróis e Últimos sonetos, obras póstumas).  http://www.youtube.com/watch?v=PKjlgDy9-Jk&feature=related Cárcere de Almas
2. Alphonsus de Guimaraens.            Alphonsus de Guimaraens (1870 - 1921) nasceu em Ouro Preto, estudou Direito em São Paulo e foi durante muitos anos juiz em Mariana, cidade histórica, vizinha de Ouro Preto.             Marcado pela morte da prima Constança - a quem amava e contava apenas 17 anos - sua poesia é quase toda voltada ao tema da  morte da mulher amada , que aconteceu apenas dois dias antes de seu casamento.  Todos os outros  temas  que  explorou , como  natureza, arte e religião , estão de alguma forma relacionados àquele. A exploração do tema da morte abre ao poeta, por um lado, o vasto campo da  literatura gótica ou macabra dos escritores ultra-românticos ,  recuperada  por alguns simbolistas; por outro lado, possibilita a criação de uma atmosfera mística e litúrgica, em que abundam referências ao corpo morto, ao esquife, às orações, às cores roxa e negra e ao sepultamento.                          
Quando Ismália enlouqueceu, Pôs-se na torre a sonhar... Viu uma lua no céu, Viu outra lua no mar. No sonho em que se perdeu, Banhou-se toda em luar... Queria subir ao céu, Queria descer ao mar... E, no desvario seu, Na torre pôs-se a cantar... Estava perto do céu, Estava longe do mar... E como um anjo pendeu As asas para voar... Queria a lua do céu, Queria a lua do mar... As asas que Deus lhe deu Ruflaram de par em par... Sua alma subiu ao céu, Seu corpo desceu ao mar. Ismália Video em  http://www.youtube.com/watch?v=_9ooRosBXiw
3.Augusto dos Anjos Augusto dos Anjos (1884-1914) nasceu na Paraíba. Foi educado nas primeiras letras pelo pai e estudou no Liceu Paraibano, onde viria a ser professor. Precoce poeta brasileiro, compôs os primeiros versos aos 7 anos de idade. Em 1903, ingressou no curso de Direito na Faculdade de Direito do Recife. Morreu de pneumonia, em Minas Gerais.
as fases de sua  produção literária A obra de Augusto dos Anjos pode ser dividida, não com rigor, em três fases “ Ao Luar” sua produção mais complexa  e madura “ Psicologia de um Vencido” visão de mundo peculiar “ Saudade  e  Versos Íntimos” muito influenciada pelo simbolismo e  sem a originalidade
Versos Íntimos Vês! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão - esta pantera - Foi tua companheira inseparável! Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera. Othon Bastos recita – youtube http://www.youtube.com/watch?v=J0rj7us5Zok Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja. Se a alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!
PSICOLOGIA DE UM VENCIDO Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos do zodíaco. Profundissimamente hipocondríaco, Este ambiente me causa repugnância… Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia Que se escapa da boca de um cardíaco. Já o verme - este operário das ruínas - Que o sangue podre das carnificinas Come, e á vida em geral declara guerra, Anda a espreitar meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos, Na frialdade inorgânica da terra!
Ao Luar Quando, à noite, o Infinito se levanta A luz do luar, pelos caminhos quedos Minha tactil intensidade é tanta Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos! Quebro a custódia dos sentidos tredos E a minha mão, dona, por fim, de quanta Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos, Todas as coisas íntimas suplanta! Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado, Nos paroxismos da hiperestesia, O Infinitésimo e o Indeterminado... Transponho ousadamente o átomo rude E, transmudado em rutilância fria, Encho o Espaço com a minha plenitude!
Crítica literária Sua linguagem  agressivamente crua,com ritmados jogos de palavras, idéias, e rimas geniais, causava  repulsa na crítica e no grande público  da época.  Eu   somente apresentou grande vendagem anos após a sua morte. Muitas divergências há entre os críticos de  Augusto dos Anjos  quanto à apreciação de sua obra e suas posições são geralmente extremas. De qualquer forma, seja por ácidas críticas destrutivas, seja através de entusiasmos exaltados de sua obra poética, Augusto dos Anjos está longe de se passar despercebido na literatura brasileira. “ o uso inusitado dos adjetivos por Augusto dos Anjos, e qualifica seus substantivos como extremamente sinestésicos, criando dimensões desconhecidas para a adjetivação convencional. Manuel Bandeira destaca o uso das sinéreses como forma de representar a impossibilidade da língua, ou da matéria, para expressar os ideais do espírito. Portanto, os recursos estilísticos de Augusto dos Anjos se reconhecem como geniais.” (BARROS, Eudes.  A Poesia de Augusto dos Anjos: uma Análise de Psicologia e Estilo  )
 
 
Diálogos com o simbolismo Além de códigos literários novos, o simbolismo abriu campo para as correntes artísticas do século XX, principalmente o Expressionismo e o Surrealismo, também preocupados com a expressão e com as zonas inexploradas da mente humana, como o inconsciente e a loucura.  Vladimir Kush
Vladimir Kush
Renée Magritte
Salvador Dali
Hugo Simberg (finlandês) “O Anjo ferido”
Gustav Klimt (austríaco) “O beijo”
Flores do Mal Eu quis você E me perdi Você não viu E eu não senti Não acredito nem vou julgar Você sorriu, ficou e quis me provocar Quis dar uma volta em todo o mundo Mas não é bem assim que as coisas são Seu interesse é só traição E mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Tua indecência não serve mais Tão decadente e tanto faz Quais são as regras? O que ficou? O seu cinismo essa sedução Volta pro esgoto baby Vê se alguém lhe quer O que ficou é esse modelito da estação passada Extorsão e drogas demais Todos já sabem o que você faz Teu perfume barato, teus truques banais Você acabou ficando pra trás Porque mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Volta pro esgoto baby e vê se alguém lhe quer Renato Russo In  Uma outra Estação, 1997
Fontes Simbolismo, a linguagem da música (http://www.geocities.com/alcalina.geo/39litera/simbol.htm#Contexto%20Hist%F3rico) Brasil escola ( www.brasilescola.com.br ) passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos_comentarios/a/as_flores_do_mal Enciclopédia Digital Master.  http://www2.tvcultura.com.br/entrelinhas/colaboradores.asp?colabresenhaid=27 Enciclopédia Koogan-Houaiss. Wikisource.com ANJOS, Augusto dos.  Obra Completa.  Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1996.  BARROS, Eudes.  A poesia de Augusto dos Anjos: uma análise de psicologia e estilo.  Rio de  Janeiro: Ouvidor, 1974.  Youtube.com Pesquisa e organização Profa.  Cláudia Heloísa Cunha Andria  [email_address]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
O barroco
O barrocoO barroco
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
CrisBiagio
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
Luciene Gomes
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Colégio Santa Luzia
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Vidas secas
Vidas secas Vidas secas
Vidas secas
milton junior
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 

Mais procurados (20)

Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Vidas secas
Vidas secas Vidas secas
Vidas secas
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 

Semelhante a Simbolismo

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Josi Motta
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Simbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptxSimbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptx
Colégio Waldorf Micael
 
João da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinenseJoão da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinense
Marilene dos Santos
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Alef Santana
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
FabrcioFerreira32
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
FACETEG - UPE
 
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
MnicaOliveira567571
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
AlineEliasReisSantos
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Pablo Rodrigues
 
Antecedentes da Semana de Arte Moderna
Antecedentes da Semana de Arte ModernaAntecedentes da Semana de Arte Moderna
Antecedentes da Semana de Arte Moderna
2º ano CSR
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Adriane Ferreira
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
Bárbara Hellen
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
Ana Maria Marques
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Anjo da Luz
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
CrisBiagio
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
CrisBiagio
 
Simbolismo teoria
Simbolismo teoriaSimbolismo teoria
Simbolismo teoria
VIVIAN TROMBINI
 

Semelhante a Simbolismo (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
Simbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptxSimbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptx
 
João da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinenseJoão da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinense
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
 
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdfsimbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
simbolismo-120918170412-phpapp02 (2).pdf
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Antecedentes da Semana de Arte Moderna
Antecedentes da Semana de Arte ModernaAntecedentes da Semana de Arte Moderna
Antecedentes da Semana de Arte Moderna
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Simbolismo teoria
Simbolismo teoriaSimbolismo teoria
Simbolismo teoria
 

Mais de Cláudia Heloísa

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Cláudia Heloísa
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Cláudia Heloísa
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
Cláudia Heloísa
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
Cláudia Heloísa
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
Cláudia Heloísa
 
Mayombe
MayombeMayombe
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
Cláudia Heloísa
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
Cláudia Heloísa
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
Cláudia Heloísa
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
Cláudia Heloísa
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
Cláudia Heloísa
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
Cláudia Heloísa
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
Cláudia Heloísa
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
Cláudia Heloísa
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
Cláudia Heloísa
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
Cláudia Heloísa
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Cláudia Heloísa
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
Cláudia Heloísa
 

Mais de Cláudia Heloísa (20)

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 

Simbolismo

  • 2. O que caracteriza a poesia simbolista? Na França, a poesia da segunda metade do século XIX assumiu duas formas: o Parnasianismo o Simbolismo Os parnasianos consideravam um poema o fruto de um exaustivo trabalho de sabedoria e perfeição rítmica e musical que pretendia descrever objetivamente a realidade. Da evolução do Parnasianismo surgiu o chamado Simbolismo, que queria fugir da rigidez estética parnasiana em direção a uma poesia mais livre nos temas e na forma.
  • 3. Seu objetivo era ter como base a sugestão, a criação de imagens fluidas e a apresentação subjetiva da realidade, expressa pelo uso de sinestesias e metáforas sutis. O poeta viajante, de Gustavo Moureau
  • 4. Ícones Simbolistas Baudelaire começou a escrever sob os ideais parnasianos. Sua evolução rumo ao Simbolismo deu-se no livro As Flores do Mal (18 57). Seu trabalho foi tão importante que todos os poetas posteriores declararam-se de alguma forma devedores à sua poesia. Baudelaire inventou a poesia da cidade, com massas anônimas, prazeres proibidos, miséria. Entre seus temas estão a beleza, a mulher, a boemia, a embriaguez, a morte e o tédio. Stéphane Mallarmé (1842-1898) Charles Baudelaire (1821-1867) Paul Verlaine (1844-1896) Arthur Rimbaud (1854-1891)
  • 5. Les fleurs du mal “ As Flores do Mal não contêm poemas nem lendas nem nada que tenha que ver com uma forma narrativa. Não há nelas nenhum discurso filosófico. A política está ausente por completo. As descrições, escassas, são sempre densas de significado. Mas no livro tudo é fascinação, música, sensualidade abstrata e poderosa.” As Flores do Mal foi editado em 1857 provocando imediatamente um grande escândalo. Seis poemas do livro foram condenados e proibidos de circular. Os editores Poulet-Melassis et de Broise tinham no armazém duzentos exemplares a quando da condenação e para não destruírem os livros, limitaram-se a retirar as páginas dos poemas proibidos. Nasceram assim os exemplares amputados que são disputadíssimos pelos bibliófilos, valendo quantias avultadas. Baudelaire foi um dos primeiros a compreender o declínio da arte no mundo capitalista. O artista moderno nasce ao cair das alturas. Exilado no meio da multidão, fabrica flores do mal. Toda a sua força vem justamente dessa negatividade.
  • 6. Gustave Moureau Os simbolistas procuraram resgatar a relação do homem com o sagrado , com a liturgia e com os símbolos. Buscam o sentimento de totalidade, que se daria numa integração da poesia com a vida cósmica , como se ela, a poesia, fosse uma religião. Sua forma de tratar a realidade é radicalmente diferente da dos realistas. Não aceitam a separação entre sujeito e objeto ou entre objetivo e subjetivo. Partem do princípio de que é impossível o retrato fiel do objeto ; o papel do artista, no caso seria o de sugeri-lo, por meio de tentativas, sem querer esgotá-lo. Desses modo, a obra de arte nunca é perfeita ou acabada, mas aberta, podendo sempre ser modificada ou refeita.
  • 7.                 O Simbolismo - com as propostas de inovação, oposição e pesquisa trazidas pela geração de Verlaine, Rimbaud e Mallarmé - não sobrevive muito. O mundo presencia a euforia capitalista , o avanço científico e tecnológico. A burguesia vive a belle époque , um período de prosperidade, de acumulação e de prazeres materiais que só terminaria com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, em 1914.           Nesse contexto, o Simbolismo desaparece . Mas deixa ao mundo um alerta sobre o mal-estar trazido pela civilização moderna e industrializada .
  • 8. O Simbolismo no Brasil           Ao contrário do que aconteceu na Europa, onde o Simbolismo se sobrepôs ao Parnasianismo, no Brasil o Simbolismo foi quase inteiramente abafado pelo movimento parnasiano , (que gozou de amplo prestígio entre as camadas cultas até as primeiras décadas do século XX).
  • 9. Apesar disso, a produção simbolista deixou contribuições significativas, preparando terreno para as grandes inovações que iriam ocorrer no século XX, no domínio da poesia. As primeiras manifestações simbolistas já eram sentidas desde o final da década de 80 do século XIX. Apesar disso, tradicionalmente se tem apontado como marco introdutório do movimento simbolista brasileiro a publicação (em 1893) das obras Missal (prosa) e Broquéis (poesia), de nosso maior simbolista: Cruz e Souza.           Além de Cruz e Sousa, destacam-se Augusto dos Anjos e Alphonsus de Guimaraens .
  • 10. 1. Cruz e Sousa - O Cavador do Infinito.           Cruz e Sousa sempre foi alvo do preconceito racial. Na juventude, teve uma grande decepção amorosa ao apaixonar-se por uma artista branca. Acabou casando-se com Gravita, uma negra, que mais tarde ficaria louca. De quatro filhos que o casal teve, apenas dois sobreviveram. Cruz e Souza morreu com 36 anos, vítima de tuberculose . Suas únicas obras publicadas em vida foram Missal e Broquéis.           Hoje Cruz e Souza é considerado o mais importante poeta simbolista brasileiro e um dos maiores poetas nacionais de todos os tempos. Seu valor, contudo, só foi reconhecido postumamente, e está entre os maiores poetas do Simbolismo universal. Sua obra apresenta diversidade e riqueza.
  • 11. Parnasianismo o culto da noite, certo satanismo, pessimismo,morte poesia meditativa e filosófica preocupação formal, o verbalismo requintado, a força das imagens Cruz e Souza Realismo Romantismo
  • 12. "Inexorável“ Ó meu Amor, que já morreste, Ó meu Amor, que morta estás! Lá nessa cova a que desceste Ó meu Amor, que já morreste, Ah! Nunca mais florescerás? Ao teu esquálido esqueleto, Que tinha outrora de uma flor A graça e o encanto do amuleto Ao teu esquálido esqueleto Não voltará novo esplendor?
  • 13. Harmonias que pungem, que laceram, Dedos nervosos e ágeis que percorrem Cordas e um mundo de dolências geram Gemidos, prantos, que no espaço morrem... E sons soturnos, suspiradas mágoas, Mágoas amargas e melancolias, No sussurro monótono das águas, Noturnamente, entre ramagens frias. Vozes veladas, veludosas vozes, Volúpias dos violões, vozes veladas, Vagam nos velhos vórtices velozes Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas. Tudo nas cordas dos violões ecoa E vibra e se contorce no ar, convulso... Tudo na noite, tudo clama e voa Sob a febril agitação de um pulso. Que esses violões nevoentos e tristonhos São ilhas de degredo atroz, funéreo, Para onde vão, fatigadas do sonho, Almas que se abismaram no mistérios Violões que choram... Ah! plangentes violões dormente, mornos, Soluços ao luar, choros ao vento... Tristes perfis, os mais vagos contornos, Bocas murmurejantes de lamento. Noites de além, remotas, que eu recordo, Noites de solidão, noites remotas que nos azuis da Fantasia bordo, Vou constelando de visões ignotas. Sutis palpitações à luz da lua, Anseio dos momentos mais saudosos Quando lá choram na deserta rua As cordas vivas dos violões chorosos. Quando os sons dos violões vão soluçando, Quando os sons dos violões nas cordas gemem, E vão dilacerando e deliciando, Rasgando as almas que nas sombras tremem.
  • 14. Poesia metafísica- a dor do existir Cruz e Sousa apresenta uma das poéticas de maior profundidade em língua portuguesa, quanto à investigação filosófica e à angústia metafísica.           Além disso, certas posturas de sua poesia - o desejo de fugir da realidade, de transcender a matéria e integrar-se espiritualmente no cosmo - parecem originar-se não apenas do sentimento de opressão e mal-estar trazido pelo capitalismo, mas também pelo drama racial e pessoal que vivia.           A trajetória de sua obra parte da consciência e da dor de ser negro (em Broquéis) à dor de ser homem, em busca da transcendência (em Faróis e Últimos sonetos, obras póstumas). http://www.youtube.com/watch?v=PKjlgDy9-Jk&feature=related Cárcere de Almas
  • 15. 2. Alphonsus de Guimaraens.           Alphonsus de Guimaraens (1870 - 1921) nasceu em Ouro Preto, estudou Direito em São Paulo e foi durante muitos anos juiz em Mariana, cidade histórica, vizinha de Ouro Preto.           Marcado pela morte da prima Constança - a quem amava e contava apenas 17 anos - sua poesia é quase toda voltada ao tema da morte da mulher amada , que aconteceu apenas dois dias antes de seu casamento. Todos os outros temas que explorou , como natureza, arte e religião , estão de alguma forma relacionados àquele. A exploração do tema da morte abre ao poeta, por um lado, o vasto campo da literatura gótica ou macabra dos escritores ultra-românticos , recuperada por alguns simbolistas; por outro lado, possibilita a criação de uma atmosfera mística e litúrgica, em que abundam referências ao corpo morto, ao esquife, às orações, às cores roxa e negra e ao sepultamento.                          
  • 16. Quando Ismália enlouqueceu, Pôs-se na torre a sonhar... Viu uma lua no céu, Viu outra lua no mar. No sonho em que se perdeu, Banhou-se toda em luar... Queria subir ao céu, Queria descer ao mar... E, no desvario seu, Na torre pôs-se a cantar... Estava perto do céu, Estava longe do mar... E como um anjo pendeu As asas para voar... Queria a lua do céu, Queria a lua do mar... As asas que Deus lhe deu Ruflaram de par em par... Sua alma subiu ao céu, Seu corpo desceu ao mar. Ismália Video em http://www.youtube.com/watch?v=_9ooRosBXiw
  • 17. 3.Augusto dos Anjos Augusto dos Anjos (1884-1914) nasceu na Paraíba. Foi educado nas primeiras letras pelo pai e estudou no Liceu Paraibano, onde viria a ser professor. Precoce poeta brasileiro, compôs os primeiros versos aos 7 anos de idade. Em 1903, ingressou no curso de Direito na Faculdade de Direito do Recife. Morreu de pneumonia, em Minas Gerais.
  • 18. as fases de sua produção literária A obra de Augusto dos Anjos pode ser dividida, não com rigor, em três fases “ Ao Luar” sua produção mais complexa e madura “ Psicologia de um Vencido” visão de mundo peculiar “ Saudade e Versos Íntimos” muito influenciada pelo simbolismo e sem a originalidade
  • 19. Versos Íntimos Vês! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão - esta pantera - Foi tua companheira inseparável! Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera. Othon Bastos recita – youtube http://www.youtube.com/watch?v=J0rj7us5Zok Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja. Se a alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!
  • 20. PSICOLOGIA DE UM VENCIDO Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos do zodíaco. Profundissimamente hipocondríaco, Este ambiente me causa repugnância… Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia Que se escapa da boca de um cardíaco. Já o verme - este operário das ruínas - Que o sangue podre das carnificinas Come, e á vida em geral declara guerra, Anda a espreitar meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos, Na frialdade inorgânica da terra!
  • 21. Ao Luar Quando, à noite, o Infinito se levanta A luz do luar, pelos caminhos quedos Minha tactil intensidade é tanta Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos! Quebro a custódia dos sentidos tredos E a minha mão, dona, por fim, de quanta Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos, Todas as coisas íntimas suplanta! Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado, Nos paroxismos da hiperestesia, O Infinitésimo e o Indeterminado... Transponho ousadamente o átomo rude E, transmudado em rutilância fria, Encho o Espaço com a minha plenitude!
  • 22. Crítica literária Sua linguagem agressivamente crua,com ritmados jogos de palavras, idéias, e rimas geniais, causava repulsa na crítica e no grande público da época. Eu somente apresentou grande vendagem anos após a sua morte. Muitas divergências há entre os críticos de Augusto dos Anjos quanto à apreciação de sua obra e suas posições são geralmente extremas. De qualquer forma, seja por ácidas críticas destrutivas, seja através de entusiasmos exaltados de sua obra poética, Augusto dos Anjos está longe de se passar despercebido na literatura brasileira. “ o uso inusitado dos adjetivos por Augusto dos Anjos, e qualifica seus substantivos como extremamente sinestésicos, criando dimensões desconhecidas para a adjetivação convencional. Manuel Bandeira destaca o uso das sinéreses como forma de representar a impossibilidade da língua, ou da matéria, para expressar os ideais do espírito. Portanto, os recursos estilísticos de Augusto dos Anjos se reconhecem como geniais.” (BARROS, Eudes. A Poesia de Augusto dos Anjos: uma Análise de Psicologia e Estilo )
  • 23.  
  • 24.  
  • 25. Diálogos com o simbolismo Além de códigos literários novos, o simbolismo abriu campo para as correntes artísticas do século XX, principalmente o Expressionismo e o Surrealismo, também preocupados com a expressão e com as zonas inexploradas da mente humana, como o inconsciente e a loucura. Vladimir Kush
  • 29. Hugo Simberg (finlandês) “O Anjo ferido”
  • 30. Gustav Klimt (austríaco) “O beijo”
  • 31. Flores do Mal Eu quis você E me perdi Você não viu E eu não senti Não acredito nem vou julgar Você sorriu, ficou e quis me provocar Quis dar uma volta em todo o mundo Mas não é bem assim que as coisas são Seu interesse é só traição E mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Tua indecência não serve mais Tão decadente e tanto faz Quais são as regras? O que ficou? O seu cinismo essa sedução Volta pro esgoto baby Vê se alguém lhe quer O que ficou é esse modelito da estação passada Extorsão e drogas demais Todos já sabem o que você faz Teu perfume barato, teus truques banais Você acabou ficando pra trás Porque mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Mentir é fácil demais Volta pro esgoto baby e vê se alguém lhe quer Renato Russo In Uma outra Estação, 1997
  • 32. Fontes Simbolismo, a linguagem da música (http://www.geocities.com/alcalina.geo/39litera/simbol.htm#Contexto%20Hist%F3rico) Brasil escola ( www.brasilescola.com.br ) passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos_comentarios/a/as_flores_do_mal Enciclopédia Digital Master. http://www2.tvcultura.com.br/entrelinhas/colaboradores.asp?colabresenhaid=27 Enciclopédia Koogan-Houaiss. Wikisource.com ANJOS, Augusto dos. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1996. BARROS, Eudes. A poesia de Augusto dos Anjos: uma análise de psicologia e estilo. Rio de Janeiro: Ouvidor, 1974. Youtube.com Pesquisa e organização Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria [email_address]