SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTE
CONTEMPORÂNEA
DO OP-ART A VIDEOARTE
PROFESSORA VIVIAN TROMBINI
ARTE
CONCEITU
AL
Piero Manzoni – Merda de
Artista
• DEFENDE A SUPERIORIDADE
DAS IDEIAS VEICULADAS PELA
OBRA DE ARTE, DEIXANDO OS
MEIOS USADOS PARA A CRIAR
EM LUGAR SECUNDÁRIO.
• TEVE OS SEUS INÍCIOS EM
MEADOS DA DÉCADA DE 1960,
PARCIALMENTE EM REAÇÃO AO
FORMALISMO.
• MARCEL DUCHAMP, NAS
DÉCADAS DE 1910 E 1920 TINHA
PRENUNCIADO O MOVIMENTO
CONCEITUALISTA, AO PROPOR
VÁRIOS EXEMPLOS DE
TRABALHOS QUE SE
TORNARIAM O PROTÓTIPO DAS
OBRAS CONCEPTUAIS, COMO
OS READYMADES, AO DESAFIAR
QUALQUER TIPO DE
CATEGORIZAÇÃO, COLOCANDO-
SE MESMO A QUESTÃO DE NÃO
EXPRESSIONISMO
ABSTRATO
ACTION PAINTING –
JACKSON POLLOCK
• EXPRESSIONISMO
ABSTRATO FOI UM
MOVIMENTO ARTÍSTICO
COM ORIGEM NOS ESTADOS
UNIDOS, MUITO POPULAR
NO PÓS-GUERRA. FOI O
PRIMEIRO MOVIMENTO
ESPECIFICAMENTE
AMERICANO A ATINGIR
INFLUÊNCIA MUNDIAL E
TAMBÉM O QUE COLOCOU
NOVA IORQUE NO CENTRO
DO MUNDO ARTÍSTICO
(POSIÇÃO PREVIAMENTE
EXERCIDA POR PARIS, NA
FRANÇA).
PINTURA NÃO -FIGURATIVA
ABSTRACIONISMO FORMAL ABSTRACIONISMO INFORMAL
POLLOCK, Jackson. Nº 8, 1949.
MONDRIAN, Pierre. Composição
com vermelho, amarelo e azul,
1921
No início da segunda metade do século XX, os grandes centros urbanos
já estão recuperados dos danos causados pela Segunda Guerra
Mundial. A indústria tem sua capacidade de produção redobrada,
colocando no mercado artigos que são largamente consumidos pelos
habitantes das cidades, que crescem sem parar.”
Op-Art Pop-Art
OP ART
O SEU PRECURSOR É VICTOR VASARELY (1908-1997),
CRIADOR DA PLÁSTICA DO MOVIMENTO.
As obras da Op-Art
apresentam diferentes
figuras geométricas, em
preto e branco ou coloridas,
combinadas de modo a
provocar no espectador
sensações de movimento.
• POP ART, MOVIMENTO QUE
USAVA FIGURAS E ÍCONES
POPULARES COMO TEMA DE
SUAS PINTURAS
• COM O OBJETIVO DA CRÍTICA
IRÔNICA DO
BOMBARDEAMENTO DA
SOCIEDADE PELOS OBJETOS DE
CONSUMO
• OPERAVA COM SIGNOS
ESTÉTICOS MASSIFICADOS DA
PUBLICIDADE E DO CONSUMO,
USANDO COMO MATERIAIS
PRINCIPAIS, TINTA ACRÍLICA,
POLIÉSTER, LÁTEX, PRODUTOS
COM CORES INTENSAS,
BRILHANTES E VIBRANTES,
REPRODUZINDO OBJETOS DO
COTIDIANO EM TAMANHO
CONSIDERAVELMENTE GRANDE,
TRANSFORMANDO O REAL EM
HIPER-REAL.
POP – ART 1950
MINIMALISMOMINIMALISMO
• O MINIMALISMO SURGIU EM NOVA
YORK NO FIM DA DÉCADA DE 1960.
CARACTERIZA-SE PELA EXTREMA
SIMPLICIDADE DE FORMAS E PELA
ABORDAGEM LITERAL E OBJETIVA
DOS TEMAS.
• AS PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DOS
ESCULTORES E PINTORES
MINIMALISTAS NASCERAM DE SUA
INSATISFAÇÃO COM A ACTION
PAINTING, RAMO DO
EXPRESSIONISMO ABSTRATO QUE
DOMINOU A ARTE AMERICANA DE
VANGUARDA DURANTE GRANDE
PARTE DA DÉCADA DE 1950.
MINIMALISMO
• DESENVOLVEU-SE NOS EUA
DURANTE OS ANOS 50 E SÓ
USAVA AS FORMAS
GEOMÉTRICAS MAIS SIMPLES.
O CARÁTER IMPESSOAL DESSE
GÊNERO É VISTO COMO
REAÇÃO À EMOTIVIDADE DO
EXPRESSIONISMO ABSTRATO.
• ALUDE OU À REDUÇÃO DA
VARIEDADE VISUAL NUMA
IMAGEM, OU AO NÍVEL DE
ESFORÇO ARTÍSTICO
NECESSÁRIO PARA PRODUZIR
TAL REDUÇÃO.
• FORMA DE ARTE PURA E LIVRE
DE MISTURA, DESPOJADA DE
REFERÊNCIAS NÃO-ESSENCIAIS
E INCONTAMINADA PELA
SUBJETIVIDADE.
• AS OBRAS MINIMALISTAS
POSSUEM UM MÍNIMO DE
RECURSOS E ELEMENTOS.
A PINTURA MINIMALISTA
USA UM NÚMERO
LIMITADO DE CORES E
PRIVILEGIA FORMAS
GEOMÉTRICAS SIMPLES,
REPETIDAS
SIMETRICAMENTE.
GRAFIT
E
GRAFFITE
• GRAFITE É UMA
FORMA DE
MANIFESTAÇÃO
ARTÍSTICA EM
ESPAÇOS
PÚBLICOS.
• O QUE A ARTE DE
RUA (GRAFFITE) FAZ
É SUBVERTER
ESTES CONCEITOS.
HAPPENING
 CARACTERÍSTICAS DAS ARTES
CÊNICAS.
 QUASE SEMPRE PLANEJADA
 INCORPORA-SE ALGUM
ELEMENTO DE ESPONTANEIDADE
OU IMPROVISAÇÃO, QUE NUNCA
SE REPETE DA MESMA MANEIRA
A CADA NOVA APRESENTAÇÃO.
 APESAR DE SER DEFINIDA POR
ALGUNS HISTORIADORES COMO
UM SINÔNIMO DE
PERFO RMANCE, O HAPPENING É
DIFERENTE PORQUE, ALÉM DO
ASPECTO DE IMPREVISIBILIDADE,
GERALMENTE ENVOLVE A
BODY ART
 A BO DY ART (DO INGLÊS, ARTE
DO CORPO) ESTÁ ASSOCIADA À
ARTE CONCEITUAL E AO
MINIMALISMO. É UMA
MANIFESTAÇÃO DAS ARTES
VISUAIS ONDE O CORPO DO
ARTISTA É UTILIZADO COMO
SUPORTE OU MEIO DE
EXPRESSÃO.
 O ESPECTADOR PODE ATUAR
NÃO APENAS DE FORMA
PASSIVA, MAS TAMBÉM COMO
VOYEUR OU AGENTE
INTERATIVO. VIA DE REGRA, AS
OBRAS DE BODY ART, COMO
CRIAÇÕES CONCEITUAIS, SÃO
UM CONVITE À REFLEXÃO.
 FOI NA DÉCADA DE 1960 QUE
ESSA FORMA DE ARTE SE
MARINA ABRAMOVIC
YVES KLEIN
PIERO MANZONI
LAND ART
• A LANDART, TAMBÉM CONHECIDA COMO EARTH ART OU EARTHWO RK É O TIPO DE
ARTE EM QUE O TERRENO NATURAL, EM VEZ DE PROVER O AMBIENTE PARA UMA
OBRA DE ARTE, É ELE PRÓPRIO TRABALHADO DE MODO A INTEGRAR-SE À OBRA.
• A LANDART SURGIU EM FINAIS DA DÉCADA DE 1960, EM PARTE COMO
CONSEQUÊNCIA DE UMA INSATISFAÇÃO CRESCENTE EM FACE DA DELIBERADA
MONOTONIA CULTURAL PELAS FORMAS SIMPLES DO MINIMALISMO, EM PARTE COMO
EXPRESSÃO DE UM DESENCANTO RELATIVO À SOFISTICADA TECNOLOGIA DA
CULTURA INDUSTRIAL, BEM COMO AO AUMENTO DO INTERESSE ÀS QUESTÕES
LIGADAS À ECOLOGIA.
INSTALAÇÕES
• ARTE DE INSTALAÇÕES (KRAFTS) É UMA MANIFESTAÇÃO
ARTÍSTICA ONDE A OBRA É COMPOSTA DE ELEMENTOS
ORGANIZADOS EM UM AMBIENTE FECHADO. A
DISPOSIÇÃO DE ELEMENTOS NO ESPAÇO TEM A
INTENÇÃO DE CRIAR UMA RELAÇÃO COM O ESPECTADOR.
• UMA DAS POSSIBILIDADES DA INSTALAÇÃO É PROVOCAR
SENSAÇÕES: FRIO, CALOR, ODORES, SOM OU COISAS
QUE SIMPLESMENTE CHAMEM A ATENÇÃO DO PÚBLICO AO
REDOR.
INSTALAÇÕES
MISCHA KUBALL
BROCA RE:MIX, 2007,
MULTIMEDIA
INSTALLATION,
DIMENSIONS VARIABLE "SPACE-SPEECH-SPEED" 1998
PERFORMANCE
 A PERFORMANCEÉ UMA MODALIDADE DE ARTES VISUAIS QUE, ASSIM COMO O HAPPENING,
APRESENTA LIGAÇÕES COM O TEATRO E, EM ALGUMAS SITUAÇÕES, COM A MÚSICA,
POESIA, O VÍDEO.
 DIFERE DO HAPPENINGPOR SER MAIS CUIDADOSAMENTE ELABORADA E NÃO ENVOLVER
NECESSARIAMENTE A PARTICIPAÇÃO DOS ESPECTADORES. ASSIM, COMO GERALMENTE
POSSUI UM "ROTEIRO" PREVIAMENTE DEFINIDO, É PASSÍVEL DE SER REPRODUZIDA
FIELMENTE, EM OUTROS MOMENTOS OU LOCAIS.
 COMO MUITAS VEZES A PERFORMANCE É REALIZADA PARA UMA PLATEIA RESTRITA OU
MESMO AUSENTE, SEU CONHECIMENTO DEPENDE DE REGISTROS ATRAVÉS DE
FOTOGRAFIAS, VÍDEOS E/OU MEMORIAIS DESCRITIVOS.
CORPOS INFORMÁTICOS
INTERVENÇÃO
INTERVENÇÃO, NO UNIVERSO DAS ARTES, É TODO PROCESSO QUE PROVOCA UMA INTERFERÊNCIA
ARTÍSTICA SEJA NUM ESPAÇO URBANO, EM OBRAS DE ARTE OU PRODUTOS PREEXISTENTES OU EM
PROJETOS ARQUITETÔNICOS, DE FORMA DEFINITIVA OU EFÊMERA. NO URBANISMO, AS
INTERVENÇÕES BUSCAM NORMALMENTE A RESTAURAÇÃO E A RECUPERAÇÃO DE ÁREAS E
EDIFICAÇÕES SIMBÓLICAS DE UMA CIDADE. A INTERVENÇÃO É VISTA TAMBÉM COMO UMA VERTENTE
DA ARTE FEITA EM ESPAÇOS PÚBLICOS OU COMO UM PROCESSO EM QUE SE MANIPULAM, POR MEIO
DE COLAGENS, MONTAGENS E EDIÇÕES, OBRAS PREEXISTENTES COMO FOTOGRAFIAS, PINTURAS,
ESCULTURAS E OUTROS OBJETOS. O PRINCIPAL OBJETIVO ARTÍSTICO DAS INTERVENÇÕES É,
GERALMENTE, UMA APROXIMAÇÃO DO TRABALHO DO ARTISTA COM A VIDA COTIDIANA PARA TORNAR A
ARTE MAIS ACESSÍVEL AO PÚBLICO E TIRÁ-LA DE SEUS AMBIENTES CONSAGRADOS, COMO GALERIAS
E MUSEUS. A INTERVENÇÃO TEM SIDO UMA PRÁTICA ARTÍSTICA CONSTANTE NA ARTE
CONTEMPORÂNEA A PARTIR DO USO DE MÚLTIPLAS LINGUAGENS E TÉCNICAS, COMO A ARTE XEROX,
ARTE POSTAL, INSTALAÇÃO, VIDEOARTE OU HAPPENINGS. EXEMPLOS DE INTERVENÇÕES SÃO A
INSERÇÃO DE INSTALAÇÕES ARTÍSTICAS EM PAISAGENS PÚBLICAS OU EM EDIFÍCIOS, A REALIZAÇÃO
DE PERFORMANCES E TRABALHOS CÊNICOS EM ÁREAS ABERTAS, A INTERFERÊNCIA EM PLACAS
PUBLICIDADE E O USO DE RECURSOS DA ARTE DE RUA COMO O GRAFITE. ELAS ACONTECEM COM
APROVAÇÃO INSTITUCIONAL OU SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO, O QUE AS TORNAM ALGUMAS VEZES
ILÍCITAS.
VIDEOARTE
 A VIDEOARTE É UMA
FORMA DE
EXPRESSÃO
ARTÍSTICA QUE
UTILIZA A TECNOLOGIA
DO VÍDEO EM ARTES
VISUAIS.
 DESDE OS ANOS 1960,
A VIDEOARTE ESTÁ
ASSOCIADA A
CORRENTES DE
VANGUARDA.
NAM JUNE PAIK

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Ana Paula Silva
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
Grafite
GrafiteGrafite
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
Daniella Cincoetti
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
Edenilson Morais
 
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
cafumilena
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
Cristiane Seibt
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
Rebeca Neiva
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
Retrato e auto retrato
Retrato e auto retratoRetrato e auto retrato
Retrato e auto retrato
luciliapereira
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinema
sergioborgato
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
Wellinton Augusto
 
História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
Isaque Marques Pascoal
 
Arte Africana
Arte Africana Arte Africana
Arte Africana
Joemille Leal
 
Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
professoramariaraquel
 

Mais procurados (20)

Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
Expressionismo
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Dadaismo
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Retrato e auto retrato
Retrato e auto retratoRetrato e auto retrato
Retrato e auto retrato
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinema
 
Arte Conceitual
Arte ConceitualArte Conceitual
Arte Conceitual
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 
História da dança
História da dançaHistória da dança
História da dança
 
Arte Africana
Arte Africana Arte Africana
Arte Africana
 
Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
 

Destaque

A Arte ContemporâNea
A   Arte ContemporâNeaA   Arte ContemporâNea
A Arte ContemporâNea
rosangela13
 
Arte Contemporanea
Arte ContemporaneaArte Contemporanea
Arte Contemporanea
guest1652ff
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
CEF16
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
Jucielly Vasconcellos
 
Arte+contemporanea+brasileira
Arte+contemporanea+brasileiraArte+contemporanea+brasileira
Arte+contemporanea+brasileira
Matheus Oliveira
 
História da arte - Arte Contemporânea
História da arte -  Arte ContemporâneaHistória da arte -  Arte Contemporânea
História da arte - Arte Contemporânea
Andrea Dressler
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
gil junior
 

Destaque (7)

A Arte ContemporâNea
A   Arte ContemporâNeaA   Arte ContemporâNea
A Arte ContemporâNea
 
Arte Contemporanea
Arte ContemporaneaArte Contemporanea
Arte Contemporanea
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Arte+contemporanea+brasileira
Arte+contemporanea+brasileiraArte+contemporanea+brasileira
Arte+contemporanea+brasileira
 
História da arte - Arte Contemporânea
História da arte -  Arte ContemporâneaHistória da arte -  Arte Contemporânea
História da arte - Arte Contemporânea
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 

Semelhante a Arte contemporânea

EHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte UrbanaEHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte Urbana
Odair Tuono
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da História
Antonio Abreu
 
Franz Weissmann
Franz WeissmannFranz Weissmann
Franz Weissmann
atelieplasticaexposicao
 
Franz Weissmann
Franz WeissmannFranz Weissmann
Franz Weissmann
atelieplasticaexposicao
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
Patilucaeduardo
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
Patilucaeduardo
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
Patilucaeduardo
 
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artesOp art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
Marcio Duarte
 
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
LeidijaneRolim2
 
Missão artística francesa 3
Missão artística francesa 3Missão artística francesa 3
Missão artística francesa 3
Cristiane Costa
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
Cristiane Seibt
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Semana 22 parte 1
Semana 22 parte 1Semana 22 parte 1
Semana 22 parte 1
denise lugli
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
História da arte brasileira
História da arte brasileiraHistória da arte brasileira
História da arte brasileira
Emilha Souza
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
Karine Barros
 
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_20112C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
www.historiadasartes.com
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Educação visual e tecnológica a arte
Educação visual e tecnológica   a arteEducação visual e tecnológica   a arte
Educação visual e tecnológica a arte
p337
 
AULÃO-3º ANOSE.M..pptx
AULÃO-3º ANOSE.M..pptxAULÃO-3º ANOSE.M..pptx
AULÃO-3º ANOSE.M..pptx
RosaMariaDaSilvaSous1
 

Semelhante a Arte contemporânea (20)

EHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte UrbanaEHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte Urbana
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da História
 
Franz Weissmann
Franz WeissmannFranz Weissmann
Franz Weissmann
 
Franz Weissmann
Franz WeissmannFranz Weissmann
Franz Weissmann
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Op art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artesOp art, Pop art e outras artes
Op art, Pop art e outras artes
 
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
Primeiras manifestações artísticas e Arte nas cidades mural, afresco e grafit...
 
Missão artística francesa 3
Missão artística francesa 3Missão artística francesa 3
Missão artística francesa 3
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
 
Semana 22 parte 1
Semana 22 parte 1Semana 22 parte 1
Semana 22 parte 1
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
História da arte brasileira
História da arte brasileiraHistória da arte brasileira
História da arte brasileira
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_20112C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
 
Educação visual e tecnológica a arte
Educação visual e tecnológica   a arteEducação visual e tecnológica   a arte
Educação visual e tecnológica a arte
 
AULÃO-3º ANOSE.M..pptx
AULÃO-3º ANOSE.M..pptxAULÃO-3º ANOSE.M..pptx
AULÃO-3º ANOSE.M..pptx
 

Mais de VIVIAN TROMBINI

PAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANOPAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANO
VIVIAN TROMBINI
 
CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2
VIVIAN TROMBINI
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
VIVIAN TROMBINI
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
VIVIAN TROMBINI
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
VIVIAN TROMBINI
 
VANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIASVANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIAS
VIVIAN TROMBINI
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
VIVIAN TROMBINI
 
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃODANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
VIVIAN TROMBINI
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
VIVIAN TROMBINI
 
Resumo
ResumoResumo
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
VIVIAN TROMBINI
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
VIVIAN TROMBINI
 
Redação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - invernoRedação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - inverno
VIVIAN TROMBINI
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
VIVIAN TROMBINI
 
Revisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEMRevisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEM
VIVIAN TROMBINI
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
VIVIAN TROMBINI
 
Memórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubasMemórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubas
VIVIAN TROMBINI
 
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.MAULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.MAULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 
AULA 3 - ARTE - 1º E.M
AULA 3 - ARTE - 1º E.MAULA 3 - ARTE - 1º E.M
AULA 3 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 

Mais de VIVIAN TROMBINI (20)

PAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANOPAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANO
 
CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2CARTAS - UEM - PAS 2
CARTAS - UEM - PAS 2
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
 
VANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIASVANGUARDAS EUROPEIAS
VANGUARDAS EUROPEIAS
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃODANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Redação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - invernoRedação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - inverno
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
 
Revisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEMRevisão de literatura - UEM
Revisão de literatura - UEM
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 
Memórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubasMemórias postumas de brás cubas
Memórias postumas de brás cubas
 
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.MAULA 5 - ARTE - 1º E.M
AULA 5 - ARTE - 1º E.M
 
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.MAULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
 
AULA 3 - ARTE - 1º E.M
AULA 3 - ARTE - 1º E.MAULA 3 - ARTE - 1º E.M
AULA 3 - ARTE - 1º E.M
 

Último

7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 

Último (20)

7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 

Arte contemporânea

  • 1. ARTE CONTEMPORÂNEA DO OP-ART A VIDEOARTE PROFESSORA VIVIAN TROMBINI
  • 3. • DEFENDE A SUPERIORIDADE DAS IDEIAS VEICULADAS PELA OBRA DE ARTE, DEIXANDO OS MEIOS USADOS PARA A CRIAR EM LUGAR SECUNDÁRIO. • TEVE OS SEUS INÍCIOS EM MEADOS DA DÉCADA DE 1960, PARCIALMENTE EM REAÇÃO AO FORMALISMO. • MARCEL DUCHAMP, NAS DÉCADAS DE 1910 E 1920 TINHA PRENUNCIADO O MOVIMENTO CONCEITUALISTA, AO PROPOR VÁRIOS EXEMPLOS DE TRABALHOS QUE SE TORNARIAM O PROTÓTIPO DAS OBRAS CONCEPTUAIS, COMO OS READYMADES, AO DESAFIAR QUALQUER TIPO DE CATEGORIZAÇÃO, COLOCANDO- SE MESMO A QUESTÃO DE NÃO
  • 6. • EXPRESSIONISMO ABSTRATO FOI UM MOVIMENTO ARTÍSTICO COM ORIGEM NOS ESTADOS UNIDOS, MUITO POPULAR NO PÓS-GUERRA. FOI O PRIMEIRO MOVIMENTO ESPECIFICAMENTE AMERICANO A ATINGIR INFLUÊNCIA MUNDIAL E TAMBÉM O QUE COLOCOU NOVA IORQUE NO CENTRO DO MUNDO ARTÍSTICO (POSIÇÃO PREVIAMENTE EXERCIDA POR PARIS, NA FRANÇA).
  • 7. PINTURA NÃO -FIGURATIVA ABSTRACIONISMO FORMAL ABSTRACIONISMO INFORMAL POLLOCK, Jackson. Nº 8, 1949. MONDRIAN, Pierre. Composição com vermelho, amarelo e azul, 1921
  • 8. No início da segunda metade do século XX, os grandes centros urbanos já estão recuperados dos danos causados pela Segunda Guerra Mundial. A indústria tem sua capacidade de produção redobrada, colocando no mercado artigos que são largamente consumidos pelos habitantes das cidades, que crescem sem parar.” Op-Art Pop-Art
  • 9. OP ART O SEU PRECURSOR É VICTOR VASARELY (1908-1997), CRIADOR DA PLÁSTICA DO MOVIMENTO.
  • 10. As obras da Op-Art apresentam diferentes figuras geométricas, em preto e branco ou coloridas, combinadas de modo a provocar no espectador sensações de movimento.
  • 11.
  • 12. • POP ART, MOVIMENTO QUE USAVA FIGURAS E ÍCONES POPULARES COMO TEMA DE SUAS PINTURAS • COM O OBJETIVO DA CRÍTICA IRÔNICA DO BOMBARDEAMENTO DA SOCIEDADE PELOS OBJETOS DE CONSUMO • OPERAVA COM SIGNOS ESTÉTICOS MASSIFICADOS DA PUBLICIDADE E DO CONSUMO, USANDO COMO MATERIAIS PRINCIPAIS, TINTA ACRÍLICA, POLIÉSTER, LÁTEX, PRODUTOS COM CORES INTENSAS, BRILHANTES E VIBRANTES, REPRODUZINDO OBJETOS DO COTIDIANO EM TAMANHO CONSIDERAVELMENTE GRANDE, TRANSFORMANDO O REAL EM HIPER-REAL.
  • 13. POP – ART 1950
  • 14. MINIMALISMOMINIMALISMO • O MINIMALISMO SURGIU EM NOVA YORK NO FIM DA DÉCADA DE 1960. CARACTERIZA-SE PELA EXTREMA SIMPLICIDADE DE FORMAS E PELA ABORDAGEM LITERAL E OBJETIVA DOS TEMAS. • AS PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DOS ESCULTORES E PINTORES MINIMALISTAS NASCERAM DE SUA INSATISFAÇÃO COM A ACTION PAINTING, RAMO DO EXPRESSIONISMO ABSTRATO QUE DOMINOU A ARTE AMERICANA DE VANGUARDA DURANTE GRANDE PARTE DA DÉCADA DE 1950.
  • 16. • DESENVOLVEU-SE NOS EUA DURANTE OS ANOS 50 E SÓ USAVA AS FORMAS GEOMÉTRICAS MAIS SIMPLES. O CARÁTER IMPESSOAL DESSE GÊNERO É VISTO COMO REAÇÃO À EMOTIVIDADE DO EXPRESSIONISMO ABSTRATO. • ALUDE OU À REDUÇÃO DA VARIEDADE VISUAL NUMA IMAGEM, OU AO NÍVEL DE ESFORÇO ARTÍSTICO NECESSÁRIO PARA PRODUZIR TAL REDUÇÃO. • FORMA DE ARTE PURA E LIVRE DE MISTURA, DESPOJADA DE REFERÊNCIAS NÃO-ESSENCIAIS E INCONTAMINADA PELA SUBJETIVIDADE.
  • 17. • AS OBRAS MINIMALISTAS POSSUEM UM MÍNIMO DE RECURSOS E ELEMENTOS. A PINTURA MINIMALISTA USA UM NÚMERO LIMITADO DE CORES E PRIVILEGIA FORMAS GEOMÉTRICAS SIMPLES, REPETIDAS SIMETRICAMENTE.
  • 19. GRAFFITE • GRAFITE É UMA FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA EM ESPAÇOS PÚBLICOS. • O QUE A ARTE DE RUA (GRAFFITE) FAZ É SUBVERTER ESTES CONCEITOS.
  • 21.  CARACTERÍSTICAS DAS ARTES CÊNICAS.  QUASE SEMPRE PLANEJADA  INCORPORA-SE ALGUM ELEMENTO DE ESPONTANEIDADE OU IMPROVISAÇÃO, QUE NUNCA SE REPETE DA MESMA MANEIRA A CADA NOVA APRESENTAÇÃO.  APESAR DE SER DEFINIDA POR ALGUNS HISTORIADORES COMO UM SINÔNIMO DE PERFO RMANCE, O HAPPENING É DIFERENTE PORQUE, ALÉM DO ASPECTO DE IMPREVISIBILIDADE, GERALMENTE ENVOLVE A
  • 22.
  • 24.  A BO DY ART (DO INGLÊS, ARTE DO CORPO) ESTÁ ASSOCIADA À ARTE CONCEITUAL E AO MINIMALISMO. É UMA MANIFESTAÇÃO DAS ARTES VISUAIS ONDE O CORPO DO ARTISTA É UTILIZADO COMO SUPORTE OU MEIO DE EXPRESSÃO.  O ESPECTADOR PODE ATUAR NÃO APENAS DE FORMA PASSIVA, MAS TAMBÉM COMO VOYEUR OU AGENTE INTERATIVO. VIA DE REGRA, AS OBRAS DE BODY ART, COMO CRIAÇÕES CONCEITUAIS, SÃO UM CONVITE À REFLEXÃO.  FOI NA DÉCADA DE 1960 QUE ESSA FORMA DE ARTE SE
  • 29. • A LANDART, TAMBÉM CONHECIDA COMO EARTH ART OU EARTHWO RK É O TIPO DE ARTE EM QUE O TERRENO NATURAL, EM VEZ DE PROVER O AMBIENTE PARA UMA OBRA DE ARTE, É ELE PRÓPRIO TRABALHADO DE MODO A INTEGRAR-SE À OBRA. • A LANDART SURGIU EM FINAIS DA DÉCADA DE 1960, EM PARTE COMO CONSEQUÊNCIA DE UMA INSATISFAÇÃO CRESCENTE EM FACE DA DELIBERADA MONOTONIA CULTURAL PELAS FORMAS SIMPLES DO MINIMALISMO, EM PARTE COMO EXPRESSÃO DE UM DESENCANTO RELATIVO À SOFISTICADA TECNOLOGIA DA CULTURA INDUSTRIAL, BEM COMO AO AUMENTO DO INTERESSE ÀS QUESTÕES LIGADAS À ECOLOGIA.
  • 30. INSTALAÇÕES • ARTE DE INSTALAÇÕES (KRAFTS) É UMA MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA ONDE A OBRA É COMPOSTA DE ELEMENTOS ORGANIZADOS EM UM AMBIENTE FECHADO. A DISPOSIÇÃO DE ELEMENTOS NO ESPAÇO TEM A INTENÇÃO DE CRIAR UMA RELAÇÃO COM O ESPECTADOR. • UMA DAS POSSIBILIDADES DA INSTALAÇÃO É PROVOCAR SENSAÇÕES: FRIO, CALOR, ODORES, SOM OU COISAS QUE SIMPLESMENTE CHAMEM A ATENÇÃO DO PÚBLICO AO REDOR.
  • 32. MISCHA KUBALL BROCA RE:MIX, 2007, MULTIMEDIA INSTALLATION, DIMENSIONS VARIABLE "SPACE-SPEECH-SPEED" 1998
  • 33.
  • 35.  A PERFORMANCEÉ UMA MODALIDADE DE ARTES VISUAIS QUE, ASSIM COMO O HAPPENING, APRESENTA LIGAÇÕES COM O TEATRO E, EM ALGUMAS SITUAÇÕES, COM A MÚSICA, POESIA, O VÍDEO.  DIFERE DO HAPPENINGPOR SER MAIS CUIDADOSAMENTE ELABORADA E NÃO ENVOLVER NECESSARIAMENTE A PARTICIPAÇÃO DOS ESPECTADORES. ASSIM, COMO GERALMENTE POSSUI UM "ROTEIRO" PREVIAMENTE DEFINIDO, É PASSÍVEL DE SER REPRODUZIDA FIELMENTE, EM OUTROS MOMENTOS OU LOCAIS.  COMO MUITAS VEZES A PERFORMANCE É REALIZADA PARA UMA PLATEIA RESTRITA OU MESMO AUSENTE, SEU CONHECIMENTO DEPENDE DE REGISTROS ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS, VÍDEOS E/OU MEMORIAIS DESCRITIVOS.
  • 38. INTERVENÇÃO, NO UNIVERSO DAS ARTES, É TODO PROCESSO QUE PROVOCA UMA INTERFERÊNCIA ARTÍSTICA SEJA NUM ESPAÇO URBANO, EM OBRAS DE ARTE OU PRODUTOS PREEXISTENTES OU EM PROJETOS ARQUITETÔNICOS, DE FORMA DEFINITIVA OU EFÊMERA. NO URBANISMO, AS INTERVENÇÕES BUSCAM NORMALMENTE A RESTAURAÇÃO E A RECUPERAÇÃO DE ÁREAS E EDIFICAÇÕES SIMBÓLICAS DE UMA CIDADE. A INTERVENÇÃO É VISTA TAMBÉM COMO UMA VERTENTE DA ARTE FEITA EM ESPAÇOS PÚBLICOS OU COMO UM PROCESSO EM QUE SE MANIPULAM, POR MEIO DE COLAGENS, MONTAGENS E EDIÇÕES, OBRAS PREEXISTENTES COMO FOTOGRAFIAS, PINTURAS, ESCULTURAS E OUTROS OBJETOS. O PRINCIPAL OBJETIVO ARTÍSTICO DAS INTERVENÇÕES É, GERALMENTE, UMA APROXIMAÇÃO DO TRABALHO DO ARTISTA COM A VIDA COTIDIANA PARA TORNAR A ARTE MAIS ACESSÍVEL AO PÚBLICO E TIRÁ-LA DE SEUS AMBIENTES CONSAGRADOS, COMO GALERIAS E MUSEUS. A INTERVENÇÃO TEM SIDO UMA PRÁTICA ARTÍSTICA CONSTANTE NA ARTE CONTEMPORÂNEA A PARTIR DO USO DE MÚLTIPLAS LINGUAGENS E TÉCNICAS, COMO A ARTE XEROX, ARTE POSTAL, INSTALAÇÃO, VIDEOARTE OU HAPPENINGS. EXEMPLOS DE INTERVENÇÕES SÃO A INSERÇÃO DE INSTALAÇÕES ARTÍSTICAS EM PAISAGENS PÚBLICAS OU EM EDIFÍCIOS, A REALIZAÇÃO DE PERFORMANCES E TRABALHOS CÊNICOS EM ÁREAS ABERTAS, A INTERFERÊNCIA EM PLACAS PUBLICIDADE E O USO DE RECURSOS DA ARTE DE RUA COMO O GRAFITE. ELAS ACONTECEM COM APROVAÇÃO INSTITUCIONAL OU SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO, O QUE AS TORNAM ALGUMAS VEZES ILÍCITAS.
  • 40.  A VIDEOARTE É UMA FORMA DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA QUE UTILIZA A TECNOLOGIA DO VÍDEO EM ARTES VISUAIS.  DESDE OS ANOS 1960, A VIDEOARTE ESTÁ ASSOCIADA A CORRENTES DE VANGUARDA.