SlideShare uma empresa Scribd logo
 Com as novas ideologias políticas,
econômicas e sociais, influência das
revoluções francesas e industrial, surgiu um
“novo modo de pensar” no séc. XVIII, esse era
o pensamento liberal que a emoção
predomina sobre a razão.
 O Romantismo, designa uma tendência geral
da vida e da arte. O comportamento
romântico caracteriza-se pelo sonho, pelo
devaneio, por uma atitude emotiva,
subjetiva, diante das coisas.
 O pensamento romântico vai muito além do
que podemos ver; procura desvendar o que
estamos sentindo. O Romantismo não conta,
faz de conta, idealiza um universo melhor,
defendendo a idéia da expressão do eu-lírico,
onde prevalece o tom melancólico, falando
de solidão e nostalgia.
 Portugal, é reflexo dos dois acontecimentos
que marcaram e mudaram a face da Europa
na segunda metade do século XVIII: a
Revolução Francesa e a Revolução Industrial,
responsáveis pela abolição da monarquias
aristocratas e pela introdução da burguesia
que então, dominara a vida política,
econômica e social da época.
 A luta pelo trono em Portugal, se dá com
veemência, gerando conturbação e
desordem interna na nação. Com isso,
AlmeidaGarrett acaba por exilar-se na
Inglaterra, onde entra em contato com a
Obra de Lord Byron e Scott. Ao mesmo
tempo, por estar presenciando o
Romantismo inglês, envolve-se com o teatro
deWilliam Shakespeare (Hamlet).
 O Romantismo foi encarado como uma nova
maneira de se expressar, enfrentar os
problemas da vida e do pensamento.
 Esta escola, repudiava os clássicos, opondo-
se às regras e modelos, procurando a total
liberdade de criação, além de defender a
"impureza" dos gêneros literários.
 Com o domínio burguês, ocorre a
profissionalização do escritor, que recebe uma
remuneração para produzir a obra, enquanto o
público paga para consumi-la. O escritor
romântico projetava-se para dentro de si, tendo
como fonte o eu-lírico, do qual fluía um diverso
conteúdo sentimentalista e, muitas vezes,
melancólico da vida, do amor e, às vezes,
exageradamente, da própria morte. A
introversão era característica essencialmente
romântica.
 A natureza, assim como a mulher são
importantes pontos desse momento. O homem,
idealizava a mulher como uma deusa, coisa
divina e, com isso, retornava ao passado, no
trovadorismo, onde as "madames" eram tão
sonhadas e desejadas, mesmo que fossem
inatingíveis. Ao procurar a mulher de seus
sonhos e, então, frustrar-se por não encontrá-la
ou, muitas vezes, por encontrá-la e perdê-la, o
romântico entrava em constante devaneio.
 Para amenizar a situação, ao escrever
despojava todos os seus anseios fugindo da
realidade para isso usava o escapismo, onde,
tinha a natureza como confidente.Outra
forma de escapismo utilizada, era o
escapismo pela obscuridade, onde buscavam
o bem-estar nos ambientes fúnebres e
obscuros. Essas frustrações tidas por amores
ou simples desilusões com a vida,
provocaram muitos suicídios.
 Como toda tendência nova, o Romantismo
não veio implantar-se totalmente nos
primeiros momentos em Portugal.
Inicialmente, buscava-se gradativamente,
apagar os modelos clássicos que ainda
permeavam o meio sócio-econômico. Os
escritores dessa época, eram românticos em
espírito, ideal e ação política e literária, mas
ainda clássicos em muitos aspectos.
 Almeida Garrett - Na poesia, assimilou os
moldes clássicos e morreu sem tornar-se
romântico autêntico, pois carecia do
egocentrismo tão almejado pelos
românticos, deixando sua fantasia no teatro e
na prosa de ficção. Escreveu Camões (1825),
Dona Branca (1826), Folhas Caídas (1853),
Viagens na minha terra (1846), dentre outras.
 Alexandre Herculano - Na ficção de Alexandre
Herculano, prevalece o caráter histórico dos enredos,
voltados para a Idade Média, enfocando as origens de
Portugal como nação. Além disso, ocorrem muitos
temas de caráter religioso. Quanto à sua obra não-
ficcional, os críticos consideram que renovou a
historiografia, uma vez que se baseia não mais em
ações individuais, mas no conflito de classes sociais
para explicar a dinâmica da história.
 Sua obras principais são: A harpa do crente (1838),
Eurico, o presbítero (1844), dentre outras.
 Neste momento, desfazem-se os enlaces
arcádicos que ainda envolviam os escritores
da época. Aqui, notamos com plena
facilidade o domínio da estética e da
ideologia romântica. Os escritores tomam
atitudes extremas, transformando-se em
românticos descabelados, caindo fatalmente
no exagero, tendenciando temas soturnos e
fúnebres, tudo expresso numa linguagem
fácil e comunicativa.
 Soares de Passos - Soares de Passos
constitui a encarnação perfeita do "mal-do-
século".Vivendo na própria carne os
devaneios de que se nutria a fértil imaginação
de tuberculoso, sua vida e sua obra espelham
claramente o prazer romântico do escapismo
das responsabilidades sociais da época,
acabando por cair em extremo pessimismo,
um incrível desalento derrotista
 Acontece aqui, um tardio florescimento
literário que corresponde ao terceiro
momento do Romantismo, em fusão dos
remanescentes do Ultra-Romantismo. Esse
período é marcado pela presença de poetas,
como João de Deus,Tomás Ribeiro, Bulhão
Pato, Xavier de Novais, Pinheiro Chagas e
Júlio Dinis, que purificam até o extremo as
características românticas.
 Tomás Ribeiro mistura a influência de Castilho e
deVictor Hugo, o que explica o caráter entre
passadista e progressista da sua poesia.
 Bulhão Pato começa ultra-romântico e evolui,
através duma sátira às vezes cortante, para
atitudes realistas e parnasianas.
 Faustino Xavier de Novais dirigiu uma folha
literária. Satirizou o Ultra-Romantismo.
 Manuel Pinheiro Chagas cultivou a poesia de
Castilho, que motivou a Questão Coimbrã; a
historiografia e a crítica literária.
 Compreendemos que o Romantismo, não
passou de uma forma de repudiar as regras
que contornavam e preenchiam o campo
literário da época que, juntamente com a
ideologia vigente, traziam um enorme
descontentamento. Este momento em que a
literatura presenciava, talvez fosse, o marco
principal para a definitiva liberdade de
expressão do pensamento, que viria se firma,
tardiamente com o Modernismo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O contexto do Realismo
O contexto do Realismo O contexto do Realismo
O contexto do Realismo
Cláudia Heloísa
 
Realismo no brasil 3
Realismo no brasil 3Realismo no brasil 3
Realismo no brasil 3
kingkaya
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
Carla Teixeira
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
Israel Ferreira
 
Realismo no brasil 5
Realismo no brasil 5Realismo no brasil 5
Realismo no brasil 5
kingkaya
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Características do Romantismo
Características do RomantismoCaracterísticas do Romantismo
Características do Romantismo
Anabela Fernandes
 
LITERATURA - REALISMO
LITERATURA - REALISMOLITERATURA - REALISMO
LITERATURA - REALISMO
Sônia Guedes
 
O REALISMO NO BRASIL
 O REALISMO NO BRASIL O REALISMO NO BRASIL
O REALISMO NO BRASIL
Sônia Guedes
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Wallinhas Souza
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
Andressa Rosa
 
O Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O SimbolismoO Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O Simbolismo
Beatriz Dias
 
Introdução ao romantismo
Introdução ao romantismoIntrodução ao romantismo
Introdução ao romantismo
ma.no.el.ne.ves
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
Isabella Silva
 
Slide realismo
Slide realismoSlide realismo
Slide realismo
JulianaBibiano
 
Realismo
RealismoRealismo
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
Equipemundi2014
 

Mais procurados (20)

O contexto do Realismo
O contexto do Realismo O contexto do Realismo
O contexto do Realismo
 
Realismo no brasil 3
Realismo no brasil 3Realismo no brasil 3
Realismo no brasil 3
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
Realismo no brasil 5
Realismo no brasil 5Realismo no brasil 5
Realismo no brasil 5
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Características do Romantismo
Características do RomantismoCaracterísticas do Romantismo
Características do Romantismo
 
LITERATURA - REALISMO
LITERATURA - REALISMOLITERATURA - REALISMO
LITERATURA - REALISMO
 
O REALISMO NO BRASIL
 O REALISMO NO BRASIL O REALISMO NO BRASIL
O REALISMO NO BRASIL
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
Movimento Literário Realismo: o estilo de Machado de Assis
 
O Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O SimbolismoO Realismo E O Simbolismo
O Realismo E O Simbolismo
 
Introdução ao romantismo
Introdução ao romantismoIntrodução ao romantismo
Introdução ao romantismo
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
Slide realismo
Slide realismoSlide realismo
Slide realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
 

Destaque

Estudos o amigo do noivo
Estudos  o amigo do noivoEstudos  o amigo do noivo
Estudos o amigo do noivo
Joel Silva
 
Noivado do sepulcro
Noivado do sepulcroNoivado do sepulcro
Noivado do sepulcro
Aparecida Mallagoli
 
At3 9º
At3 9ºAt3 9º
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
kamikase3000
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 
Tecnica De Interpretação
Tecnica De InterpretaçãoTecnica De Interpretação
Tecnica De Interpretação
Catedral de Adoração
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Elzimar Oliveira
 
A leitura e a interpretação de textos
A leitura e a interpretação de textosA leitura e a interpretação de textos
A leitura e a interpretação de textos
Évelyn Aquino
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
ADRIANA BECKER
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
Ana Karina Silva
 
Aula 02 interpretação de textos
Aula 02 interpretação de textosAula 02 interpretação de textos
Aula 02 interpretação de textos
Marluci Brasil
 
Interpretação de Texto
Interpretação de TextoInterpretação de Texto
Interpretação de Texto
Rita Borges
 
Interpretação De Texto
Interpretação De TextoInterpretação De Texto
Interpretação De Texto
clemildapetrolina
 
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
nehemiasj
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
Antônio Fernandes
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
Cláudia Heloísa
 
Leitura e identificação da ideia cental de texto
Leitura e identificação da ideia cental de textoLeitura e identificação da ideia cental de texto
Leitura e identificação da ideia cental de texto
tecciencia
 

Destaque (17)

Estudos o amigo do noivo
Estudos  o amigo do noivoEstudos  o amigo do noivo
Estudos o amigo do noivo
 
Noivado do sepulcro
Noivado do sepulcroNoivado do sepulcro
Noivado do sepulcro
 
At3 9º
At3 9ºAt3 9º
At3 9º
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
Tecnica De Interpretação
Tecnica De InterpretaçãoTecnica De Interpretação
Tecnica De Interpretação
 
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveiraInterpretação e leitura de textos  slides   professora elzimar oliveira
Interpretação e leitura de textos slides professora elzimar oliveira
 
A leitura e a interpretação de textos
A leitura e a interpretação de textosA leitura e a interpretação de textos
A leitura e a interpretação de textos
 
Lingüística aplicada
Lingüística aplicadaLingüística aplicada
Lingüística aplicada
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 
Aula 02 interpretação de textos
Aula 02 interpretação de textosAula 02 interpretação de textos
Aula 02 interpretação de textos
 
Interpretação de Texto
Interpretação de TextoInterpretação de Texto
Interpretação de Texto
 
Interpretação De Texto
Interpretação De TextoInterpretação De Texto
Interpretação De Texto
 
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUALCOMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Leitura e identificação da ideia cental de texto
Leitura e identificação da ideia cental de textoLeitura e identificação da ideia cental de texto
Leitura e identificação da ideia cental de texto
 

Semelhante a Romantismo

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Joyce Micielle
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
AldenoraMarciaChaves
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Daniel Leitão
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
Karen Olivan
 
Viagens na minha terra (Garrett)
Viagens na minha terra (Garrett)Viagens na minha terra (Garrett)
Viagens na minha terra (Garrett)
maariane27
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
GreenDragon123
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
miovi
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Ana Sales
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
bruna danielle carvalho
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
Romantismo ii
Romantismo iiRomantismo ii
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
nixsonmachado
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
Lilian Lima
 
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Dafne Beatriz Santos
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ValeriaCristina51
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
DaianniSilv
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 

Semelhante a Romantismo (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
Viagens na minha terra (Garrett)
Viagens na minha terra (Garrett)Viagens na minha terra (Garrett)
Viagens na minha terra (Garrett)
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
Romantismo ii
Romantismo iiRomantismo ii
Romantismo ii
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
 
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
2011 2 – língua portuguesa roamantismo_história
 
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Mais de Arieli Bis Sobbis

Cultura alemã
Cultura alemãCultura alemã
Cultura alemã
Arieli Bis Sobbis
 
Medicina
MedicinaMedicina
Classicismo!
Classicismo!Classicismo!
Classicismo!
Arieli Bis Sobbis
 
América no século xix
América no século xixAmérica no século xix
América no século xix
Arieli Bis Sobbis
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Arieli Bis Sobbis
 
Astronomia, estudo do universo!
Astronomia, estudo do universo!Astronomia, estudo do universo!
Astronomia, estudo do universo!
Arieli Bis Sobbis
 
Albert einstein
Albert einsteinAlbert einstein
Albert einstein
Arieli Bis Sobbis
 

Mais de Arieli Bis Sobbis (7)

Cultura alemã
Cultura alemãCultura alemã
Cultura alemã
 
Medicina
MedicinaMedicina
Medicina
 
Classicismo!
Classicismo!Classicismo!
Classicismo!
 
América no século xix
América no século xixAmérica no século xix
América no século xix
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Astronomia, estudo do universo!
Astronomia, estudo do universo!Astronomia, estudo do universo!
Astronomia, estudo do universo!
 
Albert einstein
Albert einsteinAlbert einstein
Albert einstein
 

Último

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 

Romantismo

  • 1.
  • 2.  Com as novas ideologias políticas, econômicas e sociais, influência das revoluções francesas e industrial, surgiu um “novo modo de pensar” no séc. XVIII, esse era o pensamento liberal que a emoção predomina sobre a razão.
  • 3.  O Romantismo, designa uma tendência geral da vida e da arte. O comportamento romântico caracteriza-se pelo sonho, pelo devaneio, por uma atitude emotiva, subjetiva, diante das coisas.
  • 4.  O pensamento romântico vai muito além do que podemos ver; procura desvendar o que estamos sentindo. O Romantismo não conta, faz de conta, idealiza um universo melhor, defendendo a idéia da expressão do eu-lírico, onde prevalece o tom melancólico, falando de solidão e nostalgia.
  • 5.  Portugal, é reflexo dos dois acontecimentos que marcaram e mudaram a face da Europa na segunda metade do século XVIII: a Revolução Francesa e a Revolução Industrial, responsáveis pela abolição da monarquias aristocratas e pela introdução da burguesia que então, dominara a vida política, econômica e social da época.
  • 6.  A luta pelo trono em Portugal, se dá com veemência, gerando conturbação e desordem interna na nação. Com isso, AlmeidaGarrett acaba por exilar-se na Inglaterra, onde entra em contato com a Obra de Lord Byron e Scott. Ao mesmo tempo, por estar presenciando o Romantismo inglês, envolve-se com o teatro deWilliam Shakespeare (Hamlet).
  • 7.  O Romantismo foi encarado como uma nova maneira de se expressar, enfrentar os problemas da vida e do pensamento.
  • 8.  Esta escola, repudiava os clássicos, opondo- se às regras e modelos, procurando a total liberdade de criação, além de defender a "impureza" dos gêneros literários.
  • 9.  Com o domínio burguês, ocorre a profissionalização do escritor, que recebe uma remuneração para produzir a obra, enquanto o público paga para consumi-la. O escritor romântico projetava-se para dentro de si, tendo como fonte o eu-lírico, do qual fluía um diverso conteúdo sentimentalista e, muitas vezes, melancólico da vida, do amor e, às vezes, exageradamente, da própria morte. A introversão era característica essencialmente romântica.
  • 10.  A natureza, assim como a mulher são importantes pontos desse momento. O homem, idealizava a mulher como uma deusa, coisa divina e, com isso, retornava ao passado, no trovadorismo, onde as "madames" eram tão sonhadas e desejadas, mesmo que fossem inatingíveis. Ao procurar a mulher de seus sonhos e, então, frustrar-se por não encontrá-la ou, muitas vezes, por encontrá-la e perdê-la, o romântico entrava em constante devaneio.
  • 11.  Para amenizar a situação, ao escrever despojava todos os seus anseios fugindo da realidade para isso usava o escapismo, onde, tinha a natureza como confidente.Outra forma de escapismo utilizada, era o escapismo pela obscuridade, onde buscavam o bem-estar nos ambientes fúnebres e obscuros. Essas frustrações tidas por amores ou simples desilusões com a vida, provocaram muitos suicídios.
  • 12.  Como toda tendência nova, o Romantismo não veio implantar-se totalmente nos primeiros momentos em Portugal. Inicialmente, buscava-se gradativamente, apagar os modelos clássicos que ainda permeavam o meio sócio-econômico. Os escritores dessa época, eram românticos em espírito, ideal e ação política e literária, mas ainda clássicos em muitos aspectos.
  • 13.  Almeida Garrett - Na poesia, assimilou os moldes clássicos e morreu sem tornar-se romântico autêntico, pois carecia do egocentrismo tão almejado pelos românticos, deixando sua fantasia no teatro e na prosa de ficção. Escreveu Camões (1825), Dona Branca (1826), Folhas Caídas (1853), Viagens na minha terra (1846), dentre outras.
  • 14.
  • 15.  Alexandre Herculano - Na ficção de Alexandre Herculano, prevalece o caráter histórico dos enredos, voltados para a Idade Média, enfocando as origens de Portugal como nação. Além disso, ocorrem muitos temas de caráter religioso. Quanto à sua obra não- ficcional, os críticos consideram que renovou a historiografia, uma vez que se baseia não mais em ações individuais, mas no conflito de classes sociais para explicar a dinâmica da história.  Sua obras principais são: A harpa do crente (1838), Eurico, o presbítero (1844), dentre outras.
  • 16.
  • 17.  Neste momento, desfazem-se os enlaces arcádicos que ainda envolviam os escritores da época. Aqui, notamos com plena facilidade o domínio da estética e da ideologia romântica. Os escritores tomam atitudes extremas, transformando-se em românticos descabelados, caindo fatalmente no exagero, tendenciando temas soturnos e fúnebres, tudo expresso numa linguagem fácil e comunicativa.
  • 18.  Soares de Passos - Soares de Passos constitui a encarnação perfeita do "mal-do- século".Vivendo na própria carne os devaneios de que se nutria a fértil imaginação de tuberculoso, sua vida e sua obra espelham claramente o prazer romântico do escapismo das responsabilidades sociais da época, acabando por cair em extremo pessimismo, um incrível desalento derrotista
  • 19.
  • 20.  Acontece aqui, um tardio florescimento literário que corresponde ao terceiro momento do Romantismo, em fusão dos remanescentes do Ultra-Romantismo. Esse período é marcado pela presença de poetas, como João de Deus,Tomás Ribeiro, Bulhão Pato, Xavier de Novais, Pinheiro Chagas e Júlio Dinis, que purificam até o extremo as características românticas.
  • 21.  Tomás Ribeiro mistura a influência de Castilho e deVictor Hugo, o que explica o caráter entre passadista e progressista da sua poesia.  Bulhão Pato começa ultra-romântico e evolui, através duma sátira às vezes cortante, para atitudes realistas e parnasianas.  Faustino Xavier de Novais dirigiu uma folha literária. Satirizou o Ultra-Romantismo.  Manuel Pinheiro Chagas cultivou a poesia de Castilho, que motivou a Questão Coimbrã; a historiografia e a crítica literária.
  • 22.  Compreendemos que o Romantismo, não passou de uma forma de repudiar as regras que contornavam e preenchiam o campo literário da época que, juntamente com a ideologia vigente, traziam um enorme descontentamento. Este momento em que a literatura presenciava, talvez fosse, o marco principal para a definitiva liberdade de expressão do pensamento, que viria se firma, tardiamente com o Modernismo.