SlideShare uma empresa Scribd logo

 O termo Barroco é usado para designar o estilo que,
partindo das artes plásticas, se apogeu literário no séc. XVII,
prolongando-se até meados do séc. XVIII.
Esse movimento no Brasil, por razões didáticas, costuma-se
delimitar entre 1601 e 1768.
 1601: Publicação de Prosopopeia, de Bento Teixeira
 1768: Publicação das Obras poéticas, de Cláudio Manuel da
Costa, que assinala o início do Arcadismo no Brasil.
Contexto Histórico

 Em 1517, o monge alemão Martino Lutero deflagra a Reforma
Protestante, seguida da adesão de João Calvino, em 1532.
 Calvino prega a teoria da predestinação, afirmando que Deus concede
a salvação a poucos e que o homem deve busca-lo por meio do
trabalho e da vida regrada.
 Católicos reagem (1545 - 1563) resultando no início da Contra
Reforma.
 A arte Barroca predomina durante todo o séc. XVII e nas primeiras
décadas do séc. XVIII.
Reforma e Contra - Reforma

 Da Idade Média até o Renascimento, a Igreja exerceu destacada ação
política, social e econômica. Isso fez com que alguns dos seus
elementos vivessem como senhores nobre ou como pecadores,
contrariando os ideais de humildade e simplicidade da doutrina cristã.
Reforma Protestante
 A partir de 1517, o monge alemão Martino Lutero publica suas “95
teses contra a venda de indulgências” e deflagra a Reforma
Protestante, um início de uma Crise Religiosa começou, agravando o
rompimento de Henrique VIII com a Igreja Católica e a fundação da
Igreja Anglicana em 1529.
Reforma
 Surgiu com o objetivo de eliminar os abusos que haviam afastado os
fiéis da Igreja Católica.
 Convocado o Concílio de Trento (1545 –1563) para objetivar o
restabelecimento da disciplina do clero e a reafirmação dos dogmas e
crenças Católicas.
 A partir do Concílio de Trento, cria-se a Congregação do Index, para
censurar livros contrários à doutrina Católica, estabelecendo-se a
tortura e a pena de morte.
 Tentativa de conciliar o espiritualismo medieval e o humanismo
renascentista resulta em forças opostas: o Teocentrismo e o
antropocentrismo.
Contra - Reforma

 Teocentrismo: é o homem no centro do universo.
 Antropocentrismo: é Deus como o centro do
universo.
Quando ocorre esse choque de passagem do
Antropocentrismo para o Teocentrismo é que nasce o
Barroco.
Teocentrismo e Antropocentrismo

Características
da
Literatura
Barroca

 O dualismo coloca contraste a matéria e o espírito,
o bem e o mal, Deus e o diabo, o céu e a Terra...
O alegre do dia entristecido,
O silêncio da noite perturbado,
O resplendor do sol todo eclipsado,
O luzente da lua desmentido!
(Gregório de Mattos)
Culto do Contraste
 A ideia de que o tempo tudo consome, tudo leva consigo, conduzindo
irrevogavelmente à morte. Reafirma os ideais de humanidade e
desvaloriza os bens materiais.
Discreta, e formosíssima Maria,
Enquanto estamos vendo a qualquer hora
Em tuas faces a rosada Aurora,
Em teus olhos, e boca o Sol, e o dia:
Enquanto com gentil descortesia
O ar, que fresco Adônis te namora,
Te espalha a rica trança voadora,
Quando vem passear-te pela fria:
Goza, goza da flor da mocidade,
Que o tempo trota a toda ligeireza,
E imprime em toda a flor sua pisada.
Oh, não aguardes, que a madura idade
Te converta em flor, essa beleza
Em terra, em cinza, em pó, em sobra, em nada.
(Gregório de Matos)
Consciência da
Transitoriedade da vida

 Característica comumente expressa com o auxílio de
hipérboles, figura que consiste em engrandecer
exageradamente algo a que estamos nos referindo.
Suspende o curso, ó rio (...)
Pois já meu pranto inunda teus escolhos.
(Gregório de Mattos)
Gosto pela Grandiosidade

 Que refletem dúvidas e incertezas.
Que amor sigo? Que busco? Que desejo?
Que enleio é este vão da fantasia?
(Francisco Rodrigues Lobo)
Frases Interrogativas

 É o jogo de palavras, o estilo trabalhado. Predominam
hipérboles e hipérbatos (alteração da ordem natural das
palavras na oração ou das orações no período) e metáforas,
como: diamantes significando dentes ou olhos; cristal
significando orvalho ou rio...
Ofendi-vos, Meu Deus, é bem verdade,
É verdade, Senhor, que hei delinquido,
Delinquido vos tenho e ofendido,
Ofendido vos tem minha maldade.
(Gregório de Mattos)
Cultismo
 É o jogo de ideias ou conceitos, de conformidade com a técnica de
argumentação. É comum o uso de antíteses, paradoxos ou juízos
contrários ao senso comum.
Que Demócrito não risse, eu o provo;
Demócrito ria sempre.
Logo nunca ria.
A consequência parece difícil e é evidente.
O riso nasce da novidade ou da admiração.
E cessando a novidade ou admiração.
Cessa também o riso.
(Antônio Vieira)
Conceptismo

Barroco
no
Brasil

 Ao longo do séc. XVII, os portugueses não
demonstravam amor à terra e exerciam uma
exploração predatória; os jesuítas cuidavam da
educação e dominavam a mentalidade.
 A agricultura mais importante era o cultivo da
cana –de – açúcar e nada podia ser fabricado.
 Os Portugueses mantinham o monopólio do
comércio e os Jesuítas da agricultura.
Contexto Histórico
 Refletindo o dualismo do barroco, Gregório demostrava a
aversão que sentia pelo clero.
 Ora revelava em seus poemas uma profunda devoção às
coisas sagradas, ora escrevia versos pornográficos e
sensuais.
 Com a linguagem maliciosa e ferina com que criticava
pessoas e instituições da época, recebeu o apelido de Boca
do Inferno.
 Perseguido pelo filho do governador Antônio da Câmara
Coutinho (vítima de suas sátiras),teve que exila-se por
algum tempo para Angola.
Gregório de Mattos

Poesia Lírico – Amorosa
Poesia Religiosa
Poesia Satírica
Divisão das Obras

Celebra o sensualismo africano, o erotismo
nativista e vincula-se à tradição renascentista.
Ontem quando te vi, meu doce emprego,
Tão perdido fiquei por ti, meu bem,
Que parece este amor nasce, de quem
Por amar-te já vive sem sossego.
Poesia Lírico - Amorosa

Refletem a inquietação do homem diante da
divindade e a consciência da fragilidade e da
pequenez dos mortais.
Estou, Senhor, da vossa mão tocado,
E este toque em flagelo desmentido
Era à vossa justiça tão devido,
Quão merecido foi meu pecado.
Poesia Religiosa

Como o próprio nome diz, ela é uma sátira,
ou seja, uma crítica de escárnio, que faz rir.
Ilustre e reverendo Frei Lourenço,
Quem vos disse que um burro tão imenso,
Siso em agraz, miolos de pateta
Pode meter-se em réstia de poeta?
Poesia Satírica
 Defensor dos negros e dos índios, sobretudo dos
índios, e dos cristãos-novos ( judeus convertidos).
 Após a morte do seu protetor, D. João IV, a
inquisição processou-o por opiniões heréticas.
 Durante algum tempo foi imposto a ele o
internamento em uma casa jesuítica e o impedimento
de pregar.
 Anistiado por D. Pedro, regressou ao Brasil em 1681.
Padre Antônio Vieira

Bento Teixeira
Manuel Botelho de Oliveira
Outros Autores

 É considerado a primeira expressão do nosso
nativismo e iniciador da população literária
influenciada pelo Barroco português.
 Sua obra mais importante é Prosopopéia, poemeto
épico que revela forte influência de Os lusíadas.
Bento Teixeira

 Primeiro poeta lírico nascido no Brasil e o primeiro a
sair em livro.
 Escreveu Música do Parnaso, nessa obra encontra-se
o poema “À ilha de Maré”, precursor da poesia de
sentimento brasileira.
Manuel Botelho de Oliveira

Anderson Nóbrega
Kaíne Colodetti
Luciano Mattos
Mayanne Rodrigues
2° v05
Componentes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Claudia Lazarini
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Barroco Brasileiro
Barroco  BrasileiroBarroco  Brasileiro
Barroco Brasileiro
Thalles Yvson
 
Trabalho de literatura- barroco
Trabalho de literatura- barroco Trabalho de literatura- barroco
Trabalho de literatura- barroco
Rebeka Caetano Lima
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
Diego Barcelar
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Bruna Wagner
 
Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.
Julia Maldonado Garcia
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
Historia da Literatura
Historia da LiteraturaHistoria da Literatura
Historia da Literatura
Miriam Zelmikaitis
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
Ana Karina Silva
 
Barroco
BarrocoBarroco
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Ana Paula Brisolar
 

Mais procurados (20)

Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Barroco Brasileiro
Barroco  BrasileiroBarroco  Brasileiro
Barroco Brasileiro
 
Trabalho de literatura- barroco
Trabalho de literatura- barroco Trabalho de literatura- barroco
Trabalho de literatura- barroco
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Historia da Literatura
Historia da LiteraturaHistoria da Literatura
Historia da Literatura
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 

Semelhante a Barroco

2- Perioddo Barroco.pptx
2- Perioddo Barroco.pptx2- Perioddo Barroco.pptx
2- Perioddo Barroco.pptx
GrazielyHeloisaMorce
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
Karla Mascarenhas
 
Barroco aula
Barroco aulaBarroco aula
Barroco aula
colveromachado
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
preuniversitarioitab
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
Camila24463
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
91118538
 
Barroco 2010
Barroco 2010Barroco 2010
Barroco
Barroco Barroco
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
Andréia Peixoto
 
Barroco.ppt
Barroco.pptBarroco.ppt
Barroco.ppt
LairtesChaves1
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
preuniversitarioitab
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
CamilaOliveira83116
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Khatlen Lohanne
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
Nataly Silva
 
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Chrys Novaes
 
Barroco - CILP
Barroco - CILPBarroco - CILP
Barroco - CILP
jasonrplima
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
carvalho31
 
Barroco nota de aula -
Barroco nota de aula    - Barroco nota de aula    -
Barroco nota de aula -
Péricles Penuel
 

Semelhante a Barroco (20)

2- Perioddo Barroco.pptx
2- Perioddo Barroco.pptx2- Perioddo Barroco.pptx
2- Perioddo Barroco.pptx
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
 
Barroco aula
Barroco aulaBarroco aula
Barroco aula
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Barroco 2010
Barroco 2010Barroco 2010
Barroco 2010
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Barroco.ppt
Barroco.pptBarroco.ppt
Barroco.ppt
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
 
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
 
Barroco - CILP
Barroco - CILPBarroco - CILP
Barroco - CILP
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 
Barroco nota de aula -
Barroco nota de aula    - Barroco nota de aula    -
Barroco nota de aula -
 

Mais de Kaíne Colodetti

Uva
UvaUva
Influência Indígena-Pintura
Influência Indígena-PinturaInfluência Indígena-Pintura
Influência Indígena-Pintura
Kaíne Colodetti
 
Ciberativismo
CiberativismoCiberativismo
Ciberativismo
Kaíne Colodetti
 
Eletrização por Atrito
Eletrização por AtritoEletrização por Atrito
Eletrização por Atrito
Kaíne Colodetti
 
Alguns pontos turísticos da Espanha
Alguns pontos turísticos da Espanha Alguns pontos turísticos da Espanha
Alguns pontos turísticos da Espanha
Kaíne Colodetti
 
Processo de Refinação e Derivados do Petróleo
Processo de Refinação e Derivados do PetróleoProcesso de Refinação e Derivados do Petróleo
Processo de Refinação e Derivados do Petróleo
Kaíne Colodetti
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Kaíne Colodetti
 
Tecido Muscular
Tecido MuscularTecido Muscular
Tecido Muscular
Kaíne Colodetti
 
Comércio no Brasil
Comércio no BrasilComércio no Brasil
Comércio no Brasil
Kaíne Colodetti
 
Política de Maquiavel
Política de Maquiavel Política de Maquiavel
Política de Maquiavel
Kaíne Colodetti
 
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
Kaíne Colodetti
 
Hip Hop
Hip HopHip Hop
Tupis
TupisTupis

Mais de Kaíne Colodetti (13)

Uva
UvaUva
Uva
 
Influência Indígena-Pintura
Influência Indígena-PinturaInfluência Indígena-Pintura
Influência Indígena-Pintura
 
Ciberativismo
CiberativismoCiberativismo
Ciberativismo
 
Eletrização por Atrito
Eletrização por AtritoEletrização por Atrito
Eletrização por Atrito
 
Alguns pontos turísticos da Espanha
Alguns pontos turísticos da Espanha Alguns pontos turísticos da Espanha
Alguns pontos turísticos da Espanha
 
Processo de Refinação e Derivados do Petróleo
Processo de Refinação e Derivados do PetróleoProcesso de Refinação e Derivados do Petróleo
Processo de Refinação e Derivados do Petróleo
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Tecido Muscular
Tecido MuscularTecido Muscular
Tecido Muscular
 
Comércio no Brasil
Comércio no BrasilComércio no Brasil
Comércio no Brasil
 
Política de Maquiavel
Política de Maquiavel Política de Maquiavel
Política de Maquiavel
 
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
 
Hip Hop
Hip HopHip Hop
Hip Hop
 
Tupis
TupisTupis
Tupis
 

Barroco

  • 1.
  • 2.   O termo Barroco é usado para designar o estilo que, partindo das artes plásticas, se apogeu literário no séc. XVII, prolongando-se até meados do séc. XVIII. Esse movimento no Brasil, por razões didáticas, costuma-se delimitar entre 1601 e 1768.  1601: Publicação de Prosopopeia, de Bento Teixeira  1768: Publicação das Obras poéticas, de Cláudio Manuel da Costa, que assinala o início do Arcadismo no Brasil. Contexto Histórico
  • 3.   Em 1517, o monge alemão Martino Lutero deflagra a Reforma Protestante, seguida da adesão de João Calvino, em 1532.  Calvino prega a teoria da predestinação, afirmando que Deus concede a salvação a poucos e que o homem deve busca-lo por meio do trabalho e da vida regrada.  Católicos reagem (1545 - 1563) resultando no início da Contra Reforma.  A arte Barroca predomina durante todo o séc. XVII e nas primeiras décadas do séc. XVIII. Reforma e Contra - Reforma
  • 4.   Da Idade Média até o Renascimento, a Igreja exerceu destacada ação política, social e econômica. Isso fez com que alguns dos seus elementos vivessem como senhores nobre ou como pecadores, contrariando os ideais de humildade e simplicidade da doutrina cristã. Reforma Protestante  A partir de 1517, o monge alemão Martino Lutero publica suas “95 teses contra a venda de indulgências” e deflagra a Reforma Protestante, um início de uma Crise Religiosa começou, agravando o rompimento de Henrique VIII com a Igreja Católica e a fundação da Igreja Anglicana em 1529. Reforma
  • 5.  Surgiu com o objetivo de eliminar os abusos que haviam afastado os fiéis da Igreja Católica.  Convocado o Concílio de Trento (1545 –1563) para objetivar o restabelecimento da disciplina do clero e a reafirmação dos dogmas e crenças Católicas.  A partir do Concílio de Trento, cria-se a Congregação do Index, para censurar livros contrários à doutrina Católica, estabelecendo-se a tortura e a pena de morte.  Tentativa de conciliar o espiritualismo medieval e o humanismo renascentista resulta em forças opostas: o Teocentrismo e o antropocentrismo. Contra - Reforma
  • 6.   Teocentrismo: é o homem no centro do universo.  Antropocentrismo: é Deus como o centro do universo. Quando ocorre esse choque de passagem do Antropocentrismo para o Teocentrismo é que nasce o Barroco. Teocentrismo e Antropocentrismo
  • 8.   O dualismo coloca contraste a matéria e o espírito, o bem e o mal, Deus e o diabo, o céu e a Terra... O alegre do dia entristecido, O silêncio da noite perturbado, O resplendor do sol todo eclipsado, O luzente da lua desmentido! (Gregório de Mattos) Culto do Contraste
  • 9.  A ideia de que o tempo tudo consome, tudo leva consigo, conduzindo irrevogavelmente à morte. Reafirma os ideais de humanidade e desvaloriza os bens materiais. Discreta, e formosíssima Maria, Enquanto estamos vendo a qualquer hora Em tuas faces a rosada Aurora, Em teus olhos, e boca o Sol, e o dia: Enquanto com gentil descortesia O ar, que fresco Adônis te namora, Te espalha a rica trança voadora, Quando vem passear-te pela fria: Goza, goza da flor da mocidade, Que o tempo trota a toda ligeireza, E imprime em toda a flor sua pisada. Oh, não aguardes, que a madura idade Te converta em flor, essa beleza Em terra, em cinza, em pó, em sobra, em nada. (Gregório de Matos) Consciência da Transitoriedade da vida
  • 10.   Característica comumente expressa com o auxílio de hipérboles, figura que consiste em engrandecer exageradamente algo a que estamos nos referindo. Suspende o curso, ó rio (...) Pois já meu pranto inunda teus escolhos. (Gregório de Mattos) Gosto pela Grandiosidade
  • 11.   Que refletem dúvidas e incertezas. Que amor sigo? Que busco? Que desejo? Que enleio é este vão da fantasia? (Francisco Rodrigues Lobo) Frases Interrogativas
  • 12.   É o jogo de palavras, o estilo trabalhado. Predominam hipérboles e hipérbatos (alteração da ordem natural das palavras na oração ou das orações no período) e metáforas, como: diamantes significando dentes ou olhos; cristal significando orvalho ou rio... Ofendi-vos, Meu Deus, é bem verdade, É verdade, Senhor, que hei delinquido, Delinquido vos tenho e ofendido, Ofendido vos tem minha maldade. (Gregório de Mattos) Cultismo
  • 13.  É o jogo de ideias ou conceitos, de conformidade com a técnica de argumentação. É comum o uso de antíteses, paradoxos ou juízos contrários ao senso comum. Que Demócrito não risse, eu o provo; Demócrito ria sempre. Logo nunca ria. A consequência parece difícil e é evidente. O riso nasce da novidade ou da admiração. E cessando a novidade ou admiração. Cessa também o riso. (Antônio Vieira) Conceptismo
  • 15.   Ao longo do séc. XVII, os portugueses não demonstravam amor à terra e exerciam uma exploração predatória; os jesuítas cuidavam da educação e dominavam a mentalidade.  A agricultura mais importante era o cultivo da cana –de – açúcar e nada podia ser fabricado.  Os Portugueses mantinham o monopólio do comércio e os Jesuítas da agricultura. Contexto Histórico
  • 16.  Refletindo o dualismo do barroco, Gregório demostrava a aversão que sentia pelo clero.  Ora revelava em seus poemas uma profunda devoção às coisas sagradas, ora escrevia versos pornográficos e sensuais.  Com a linguagem maliciosa e ferina com que criticava pessoas e instituições da época, recebeu o apelido de Boca do Inferno.  Perseguido pelo filho do governador Antônio da Câmara Coutinho (vítima de suas sátiras),teve que exila-se por algum tempo para Angola. Gregório de Mattos
  • 17.  Poesia Lírico – Amorosa Poesia Religiosa Poesia Satírica Divisão das Obras
  • 18.  Celebra o sensualismo africano, o erotismo nativista e vincula-se à tradição renascentista. Ontem quando te vi, meu doce emprego, Tão perdido fiquei por ti, meu bem, Que parece este amor nasce, de quem Por amar-te já vive sem sossego. Poesia Lírico - Amorosa
  • 19.  Refletem a inquietação do homem diante da divindade e a consciência da fragilidade e da pequenez dos mortais. Estou, Senhor, da vossa mão tocado, E este toque em flagelo desmentido Era à vossa justiça tão devido, Quão merecido foi meu pecado. Poesia Religiosa
  • 20.  Como o próprio nome diz, ela é uma sátira, ou seja, uma crítica de escárnio, que faz rir. Ilustre e reverendo Frei Lourenço, Quem vos disse que um burro tão imenso, Siso em agraz, miolos de pateta Pode meter-se em réstia de poeta? Poesia Satírica
  • 21.  Defensor dos negros e dos índios, sobretudo dos índios, e dos cristãos-novos ( judeus convertidos).  Após a morte do seu protetor, D. João IV, a inquisição processou-o por opiniões heréticas.  Durante algum tempo foi imposto a ele o internamento em uma casa jesuítica e o impedimento de pregar.  Anistiado por D. Pedro, regressou ao Brasil em 1681. Padre Antônio Vieira
  • 22.  Bento Teixeira Manuel Botelho de Oliveira Outros Autores
  • 23.   É considerado a primeira expressão do nosso nativismo e iniciador da população literária influenciada pelo Barroco português.  Sua obra mais importante é Prosopopéia, poemeto épico que revela forte influência de Os lusíadas. Bento Teixeira
  • 24.   Primeiro poeta lírico nascido no Brasil e o primeiro a sair em livro.  Escreveu Música do Parnaso, nessa obra encontra-se o poema “À ilha de Maré”, precursor da poesia de sentimento brasileira. Manuel Botelho de Oliveira
  • 25.  Anderson Nóbrega Kaíne Colodetti Luciano Mattos Mayanne Rodrigues 2° v05 Componentes