SlideShare uma empresa Scribd logo
Estética Romântica:
Idealização e arrebatamento.
Romantismo em Portugal
Revolução
Francesa amanheceu nublado
 O dia 14 de Julho de 1789
em Paris, e um multidão composta por guardas,
marceneiros, sapateiros, diaristas, escultores,
operários, negociantes de vinhos, chapeleiros,
alfaiates e outros artesãos pegavam em armas
e à força, transformavam em realidade os ideais
defendidos pelos filósofos iluministas. A
Revolução Francesa havia começado e suas
consequencias mudariam toda a Europa e o
século das luzes havia chegado ao fim.
A Revolução Francesa dá destaque a uma
nova personagem na cena europeia: O
POVO.
Os heróis solitários se tornam elementos
do passado.
Agora, quem faz a história, pela força de
seus braços e pela convicção de seus
ideais, é o indivíduo.
Iluminismo
 Este movimento surgiu na França do século XVII e
defendia o domínio da razão sobre a visão teocêntrica
que dominava a Europa desde a Idade Média. Segundo
os filósofos iluministas, esta forma de pensamento tinha
o propósito de iluminar as trevas em que se encontrava
a sociedade.
 Os pensadores que defendiam estes ideais acreditavam
que o pensamento racional deveria ser levado adiante
substituindo as crenças religiosas e o misticismo, que,
segundo eles, bloqueavam a evolução do homem. O
homem deveria ser o centro e passar a buscar
respostas para as questões que, até então, eram
justificadas somente pela fé.
O Romantismo: a força dos
sentimentos
Até o século XVIII, a arte sempre esteve
voltada para os nobres e seus valores.
Quando o burguês conquista o poder
político, precisa criar as suas referências
artísticas, definir padrões estéticos nos
quais se reconheça e que o diferenciem
da nobreza deposta. É nesse contexto
que o movimento romântico surge,
provocando uma verdadeira revolução na
produção artística.
O termo Romantismo faz referência à
estética definida pela expressão da
imaginação, das emoções e da
criatividade individual do artista.
Representa uma ruptura com os padrões
clássicos de beleza.
Projeto literário Romântico
 O filósofo que inspirou boa parte dos princípios
românticos foi Jean-Jacques Rousseau.
 Rousseau afirma que deseja mostrar a seus
semelhantes “um homem em toda a verdade
sua natureza”
 O Projeto Literário do Romantismo: Criar uma
identidade estética para o Burguês. Assim, o
Romantismo pode ser definido como uma arte
da burguesia.
Os agentes do
Discurso modifica-se bastante.
 O contexto de produção
Os escritores românticos, pela primeira vez na
história, escrevem para sobreviver.
 Por esse motivo, procuram conciliar dois
objetivos distintos: divulgar os valores da
burguesia e ao mesmo tempo divertir os
leitores.
 A Burguesia é também o novo contexto de
circulação para a literatura. Com a possibilidade
de publicação em veículos de grande
circulação, como os jornais e revistas, o alcance
da literatura se amplia bastante.
 O público que lê os textos românticos tem um
perfil bem mais heterogêneo do que os públicos
de séculos anteriores, que vivia nos salões da
corte e no ambiente restrito das academias e
das arcádias.
 Os burgueses que leem jornais e folhetins não
contam com a mesma formação dos nobres. Por
isso, preferem uma linguagem mais direta,
passional, que não se ligue necessariamente
aos padrões da herança literária.
Esse novo perfil de leitor muda a relação
entre LEITOR-ESCRITOR.
O escritor vê a necessidade de agradar o
seu leitor com histórias que provoquem
diversão e entretenimento.
O romântico considera a imaginação
superior à razão e à beleza, porque ela
não conhece limites.
O Folhetim “O Conde de Monte Cristo” foi publicado
em 1860. Seu capítulos eram publicados no Jornal e
os leitores ficavam ansiosos pelo próximo capítulo.
A fuga do presente e
da realidade
O autor romântico escreve para uma
sociedade que se formou sob a influência
dos filósofos iluministas e que, por isso,
valoriza os processos racionais e as
posturas coletivas, é essa mentalidade
que ele deseja mudar e contra a qual se
manifesta.
Um dos temas mais explorados pela
literatura romântica: a fuga da realidade.
Nesse contexto, a morte passa a ser vista
como possibilidade de fuga do real e, por
isso, é idealizada. Ela se manifesta como
opção de alívio para os males do mundo
ou para o encontro definitivo dos amantes,
separados pelos obstáculos da realidade.
Além da morte, o mundo dos sonhos
torna-se um espaço de fuga para o
Romântico. Nele, o escritor projeta suas
utopias (pessoais e sociais).
Os temas medievais ressurgem com força
total. A Idade Média representa para os
românticos uma época em que a
sociedade estava repleta de feitos
heróicos, sentimentos nobres e harminia.
O nacionalismo é uma das mais importantes
características do Romantismo.

 Nacionalismo é a consciência partilhada por
um grupo de indivíduos que se sente ligado a
uma terra e possui uma cultura e uma história
comuns, marcadas por eventos (gloriosos ou
trágicos) vividos em conjunto.
 A transformação política estabeleceu um novo
princípio: a soberania não tem existência em si
mesma. Ela deriva da nação, do povo como um
todo. O indivíduo deixa de se ver como súdito
de um rei e torna-se cidadão de uma pátria.
Linguagem: a
liberdade formal

A linguagem dos textos românticos é
marcada pela liberdade formal. As
fórmulas literárias, com rigorosos
esquemas métricos e rimas, são
abandonadas.
Para expressar o arrebatamento que
caracteriza o olhar romântico para a
realidade, os escritores recorrem à
adjetivação abundante e pontuação.
Nos poemas e romances românticos, o
uso de exclamações, interrogações e
reticências procura fazer com que o leitor
reconheça as emoções, angústias e
aflições que tomam conta de quem as
expressa.
Portugal: um país sem rei
entra em crise
No início do séc. XIX, Portugal precisa
enfrentar uma séria crise políticoeconômica.
O imperador francês Napoleão Bonaparte
decretara o bloqueio continental e exigia
que a coroa portuguesa rompesse
relações comerciais com a Inglaterra, sua
aliada histórica.
A desobediência portuguesa trouxe a
certeza da invasão do país pelas tropas
francesas.
Para o rei, D. João VI, e sua corte, a única
saída era o mar. Toda a corte real foge
para o Brasil.
Para a brigar a coroa portuguesa, a
colônia é elevada à condição de reino
Unido a Portugal e Algarve.
É nesse cenário agitado por crises
políticas e econômicas, que a estética
romântica chega a Portugal para definir
novos temas e dar voz à sociedade que,
transformada pela revolução liberal, aos
poucos vai se tornando laica.
Os primeiros
Românticos

O primeiro poeta romântico foi Almeida
Garrete, que em 1825 publicou o poema
“Camões” dividido em dez cantos e escrito
em versos decassílabos brancos,
apresenta uma espécie de biografia
romântica de Camões destacando seus
amores com Natércia.
Em 1826, Garrett publica Dona Branca,
também de inspiração romântica em que
desenvolvia temas medievais e utilizava o
folclore nacional em lugar da mitologia
clássica.
Folhas Caídas é o último livro de Garrett e
dá origem a versos de tom confessional,
que impulsionam o romantismo mais
explícitos da obra do poeta.
Destino
Quem disse à estrela o caminho
Que ela há de seguir no céu?
A fabricar o seu ninho
Como é que a ave aprendeu?
Quem diz à planta – “Floresce!” –
E ao mundo verme que tece
Sua mortalha de seda
Os fios quem lhos enreda?
Ensinou alguém à abelha
Que no prado anda a zumbir
Se á flor branca ou à vermelha
O seu mel há de pedir?
Que eras tu meu ser, querida,
Teus olhos a minha vida,
Teu amor todo o meu bem...
Ai! Não mo disse ninguém.

Como a abelha corre ao prado,
Como no céu gira a estrela
Como a todo o ente o seu fado
Por instinto se revela,
Eu no teu seio divino
Vim cumprir o meu destino...
Vim, que em ti só sei viver,
Só por ti posso morrer.
Alexandre Herculano:
entre o romance e a
história ele foi o
Ao lado de Almeida Garrett,
responsável por desenvolver um
programa de reconstrução da cultura
portuguesa.
Tenta resgatar o passado histórico de
Portugal.
Dedica-se a recriar a história portuguesa
em romances ficcionais que trazem em
comum traços de heroísmo e bravura.
A poesia Herculano, ao contrário dos
outros românticos, caracteriza-se pelo tom
contido e pelo rigor estrutural.
O que há de romântico em seus poemas é
a preocupação em fazer da literatura um
espaço de reflexão sobre temas de
importância contemporânea: apologia do
cristianismo contra a falta de religião
iluminista.
A cruz mutilada
(Alexandre Herculano)
Amo-te, ó cruz, no vértice firmada
de esplêndidas igrejas;
Amo-te quando à noite, sobre a campa,
junto ao cipreste alvejas;
Amo-te sobre o altar, onde, entre incensos,
As preces te rodeiam; [...]
Amo-te, ó cruz, até, quando no vale
negrejas triste e só,
Núncia do crime, a quem deveu a terra
Do assassinado o pó:

Porém quando mais te amo,
Ó cruz do meu Senhor,
É, se te encontro à tarde,
Antes de o sol se pôr.
Na clareira da serra,
Que o arvoredo assombra,
Quando à luz que fenece
Se estira a tua sombra.
E o dia último raios
Com o luar mistura,
E o seu hino da tarde
O pinheiral murmura. [...]
 Foi com Herculano que a primeira geração
romântica portuguesa conheceu o
desenvolvimento máximo de uma de suas
características definidoras: a reconstituição do
passado como base para a construção de uma
identidade nacional.
O fado
 Na segunda metade do século XIX, surge
em Lisboa, embalado nas correntes do
romantismo, uma melopeia que tanto exprimia a
tristeza unânime de um povo e a desilusão
deste para com o ambiente instável em que
vivia, como abria faróis de esperança sobre o
quotidiano das gentes mais desfavorecidas e,
mais tarde, penetrava ainda nos salões da
aristocracia, tornando-se rapidamente uma
expressão musical nacional.
Barco Negro (Amália Rodrigues)
De manhã, que medo, que me achasses feia!
Acordei, tremendo, deitada n'areia
Mas logo os teus olhos disseram que não,
E o sol penetrou no meu coração.[Bis]
Vi depois, numa rocha, uma cruz,
E o teu barco negro dançava na luz
Vi teu braço acenando, entre as velas já
soltas
Dizem as velhas da praia, que não voltas:
São loucas! São loucas!
Eu sei, meu amor,
Que nem chegaste a partir,
Pois tudo, em meu redor,
Me diz qu'estás sempre comigo.[Bis]
No vento que lança areia nos vidros;
Na água que canta, no fogo mortiço;
No calor do leito, nos bancos vazios;
Dentro do meu peito, estás sempre comigo.
O Ultrarromantismo
Português

Palácio da Pena, Sintra, Portugal. Exemplo dos gosto
romântico português pelo exótico e pela mistura de estilos.
As crises de natureza política que tanto
influenciaram os autores da primeira
geração não se farão presentes durante
os quase trinta anos em que a segunda
geração se manifesta, o que, de certa
forma, contribui para explicar o tom
bem mais pessoal e particularizado que
passa a caracterizar a produção
literária.
A 2º geração é marcada pelo exagero
sentimental.
Inspirados pela literatura inglesa, por
poetas como Lord Byron, que exaltava os
sentimentos arrebatadores, ao mesmo
tempo em que se imaginavam isolados da
sociedade, incompreendidos por
defenderem princípios morais e éticos.
Essa imagem do Herói romântico que luta
por valores incorruptíveis como a
honestidade, o amor, o direito à liberdade
povoará a imaginação de incontáveis
poetas.
Uma taça feita de um crânio humano

Não recues! De mim não foi-se o espírito...
Em mim verás - pobre caveira fria Único crânio que, ao invés dos vivos,
Só derrama alegria.
Vivi! amei! bebi qual tu: Na morte
Arrancaram da terra os ossos meus.
Não me insultes! empina-me!... que a larva
Tem beijos mais sombrios do que os teus.
Mais vale guardar o sumo da parreira
Do que ao verme do chão ser pasto vil;
- Taça - levar dos Deuses a bebida,
Que o pasto do réptil.

Que este vaso, onde o espírito brilhava,
Vá nos outros o espírito acender.
Ai! Quando um crânio já não tem mais cérebro
...Podeis de vinho o encher!

Bebe, enquanto inda é tempo! Uma outra
raça,
Quando tu e os teus fordes nos fossos,
Pode do abraço te livrar da terra,
E ébria folgando profanar teus ossos.
E por que não? Se no correr da vida
Tanto mal, tanta dor ai repousa?
É bom fugindo à podridão do lado
Servir na morte enfim p'ra alguma coisa!...

Lord Byron
(Tradução de Castro Alves)
 Atualmente podemos encontrar “Ecos” do
ultrarromantismo nas culturas GÓTICAS e EMO.
 Você pode encontrar mais poemas de Lord Byron no
site: http://ladydark-darkness.blogspot.com.br/p/poemaslord-byron.html
 Podemos traçar um paralelo entre o poema de Lord
Byron e a música tema do filme “A noiva cadáver”,
“Bring Me To Life” da Banda Evanescence, o próprio
filme também possui “ecos ultrarromânticos”.
Camilo Castelo
Branco
A grande quantidade de romances e
novelas publicada por Camilo Castelo
Branco dá-nos a justa medida do que
significa ser um escritor profissional
durante o Romantismo.
Nem todas as obras dele traziam a marca
do ultrarromantismo, o escritor alterna
entre novelas, em que a tragédia amorosa
é o centro do enredo, com outras,
beirando a sátira, em que os exageros
românticos são ridicularizados. Suas
novelas podem ser organizadas da
seguinte forma:
Romancefolhetim escritos por
Inspirado nos folhetins
Eugênio Sue e Alexandre Dumas, focaliza
as aventuras de uma personagem
misteriosa e dá origem a narrativas
múltiplas e a evocações históricas. Ex:
Mistérios de Lisboa; Livro negro do padre
Dinis.
Romance de amor
trágico

História de personagem apaixonados cuja
realização amorosa é impedida por
obstáculos sociais ou familiares. Ex: Amor
de Perdição.
Romance-sátira
Caricatura de um determinado tipo social,
como o burguês ou o provinciano
deslocado no grande centro urbano. Ex:
Coração, cabeça, estômago; a queda de
um anjo; o que fazem as mulheres.
Romance de costumes
provincianos

Narrativas que focalizam a vida no campo,
caracterizando a realidade local de modo
idealizado. Ex: Novelas do Minho; A
brasileira de Prazins.
Romance histórico

 Narrativas ambientadas principalmente no século
XVIII, resgatando alguma figura da história
portuguesa. Ex: O Judeu (António José da Silva Nasceu no Rio de Janeiro foi batizado, mas era
de origem judaica, foi vítima da perseguição que
dizimou a comunidade dos cristãos-novos do Rio
de Janeiro em 1712. Em Lisboa, o dramaturgo e
escritor, foi preso pela Inquisição portuguesa
junto com a sua a mãe, a tia, o irmão (André) e a
sua mulher, Leonor Maria de Carvalho, que se
encontrava grávida. Viria a morrer na fogueira às
mãos da Inquisição, num auto-de-fé. A sua vida é
retratada no filme luso-brasileiro O Judeu (1995).)
 Camilo também desenvolveu, em Portugal, um
gênero de grande sucesso na Inglaterra: Os
romances de mistério, de terror.
 O macabro, o enredo complexo, a intriga, a
história de separações, reconhecimentos,
vinganças, o excessivo e o inverossímil marcam
tais narrativas. Ex: Coisas espantosas (1862); O
esqueleto (1865); e O demônio do ouro (1874).
Amor de perdição:
exemplo máximo do
exagero passionais que o talento de
sentimental
 Foi com as novelas
Camilo Castelo Branco atingiu seu ponto
máximo.
 Ao apresentar histórias de amor impossíveis
entre dois jovens, o autor é capaz de
contextualizar o enredo de modo a traçar alguns
importantes cenários de Portugal.
 Geralmente, o impedimento ao amor é de
ordem social, motivado pela diferença de
classes entre os apaixonados ou por inimizades
familiares.
O sofrimentos amoroso é enaltecido,
sendo capaz de transformar
completamente o caráter das
personagens, fazendo com que os jovens
amantes sejam envolvidos por uma aura
de pureza e abnegação que os santifica.
O final trágico é a sentença final para um
amor que transgride os princípios de uma
sociedade interesseira e corrupta.
Outro aspecto da novela ultrarromântica é
a função desempenhada pela natureza.
Ela será paradisíaca quando vislumbrada
pelos amantes em um momento de sonho
(jamais como realidade por eles vivida);
Ou soturna, servindo de refúgio final para
os desesperados sofredores.
Podemos destacar as novelas passionais
de Camilo:
Onde está a felicidade? (1856); Um home
de brios (1856); Carlota Angela (1858);
Romance de um homem rico (1861), entre
outros.
Uma mudança de olhar:
mo romance aproxima-se
da realidade
Após a década de 1860, a literatura
portuguesa viu surgir uma série de
romances em que os traços exagerados
da segunda geração romântica não mais
predominavam.
As personagens idealizadas cedem lugar
a personagens construídas de modo mais
cuidadoso, com comportamentos mais
bem motivados.
O diálogo intenso é, em alguns casos,
substituído pelo monólogo interior, o que
contribui para o aprofundamento
psicológico das personagens.
O principal autor dessa transformação no
romance romântico português é Júlio
Diniz.
Júlio Diniz
 O tema escolhido por Júlio Diniz é a vida
doméstica no campo, ambientada nas casas de
pequenos proprietários rurais e lavradores, ou o
meio mercantil do Porto.

 Essa mudança de cenário narrativo inaugura,
em Portugal, o romance de tema
contemporâneo, fazendo transição entre o país
arcaico retratado nos romances de Camilo
Castelo Branco e o Portugal transformado pela
revolução liberal e que, aos poucos, vê a sua
sociedade ganhar novo perfil.
A obra de Júlio Diniz ilustra a tentativa de
aproximação entre uma visão romântica e
a realidade que inspira o autor a escrever.
Trabalho
Pesquise textos/poemas dos autores que
estudamos até o momento e traga para a
sala de aula, você deve treinar a leitura
em casa, pois eles serão lidos em um
SARAU na próxima aula. Procure passar
por meio de sua leitura, toda emoção e
sentimento expresso no poema ou texto.
Dica para pesquisa
https://www.facebook.com/asas.leitura
http://contosdocovil.wordpress.com/catego
ry/lord-byron/
http://contosdocovil.wordpress.com/catego
ry/edgar-allan-poe/
http://dandaramachado.wordpress.com/20
11/10/22/recordacao-emily-bronte/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
Cláudia Heloísa
 
Poesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida GarretPoesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida Garret
becresforte
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
guesta61019
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Lírica Camoniana
Lírica CamonianaLírica Camoniana
Lírica Camoniana
Gijasilvelitz 2
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
Roberta Savana
 
Hist trag marit_10_palavras_areal
Hist trag marit_10_palavras_arealHist trag marit_10_palavras_areal
Hist trag marit_10_palavras_areal
fatimamendonca64
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
Cicero Luciano
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Lusíadas: Visão Global
Lusíadas: Visão GlobalLusíadas: Visão Global
Lusíadas: Visão Global
Dina Baptista
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
Burghard Baltrusch
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula

Mais procurados (20)

O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
Poesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida GarretPoesia de Almeida Garret
Poesia de Almeida Garret
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Lírica Camoniana
Lírica CamonianaLírica Camoniana
Lírica Camoniana
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Hist trag marit_10_palavras_areal
Hist trag marit_10_palavras_arealHist trag marit_10_palavras_areal
Hist trag marit_10_palavras_areal
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Lusíadas: Visão Global
Lusíadas: Visão GlobalLusíadas: Visão Global
Lusíadas: Visão Global
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 

Destaque

Estética romântica
Estética românticaEstética romântica
Estética romântica
Marcela Marangon Ribeiro
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
xipolito
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Vívian mourett
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
Isabelle Ribeiro
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
NathalyNara
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
Ana Karina Silva
 
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal  -  Romanticism in PortugalRomantismo em Portugal  -  Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
Lídia Pavan
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
Cristina Medina
 
Manifestacoes aritisticas e literarias
Manifestacoes aritisticas e literariasManifestacoes aritisticas e literarias
Manifestacoes aritisticas e literarias
FernandoMarques
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Daniel Leitão
 
Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal
Sílvia Tavares
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Diego
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
Carla Teixeira
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Thiago Rodrigues
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
Elaine Chiullo
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Lissandro Jonas
 
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXA arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
anabelasilvasobral
 

Destaque (20)

Estética romântica
Estética românticaEstética romântica
Estética romântica
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal  -  Romanticism in PortugalRomantismo em Portugal  -  Romanticism in Portugal
Romantismo em Portugal - Romanticism in Portugal
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
 
Manifestacoes aritisticas e literarias
Manifestacoes aritisticas e literariasManifestacoes aritisticas e literarias
Manifestacoes aritisticas e literarias
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIXA arte e a cultura em Portugal do século XIX
A arte e a cultura em Portugal do século XIX
 

Semelhante a Estética Romântica e o Romantismo em Portugal

Romantismo Parte 1
Romantismo   Parte 1Romantismo   Parte 1
Romantismo Parte 1
guestc1495d6
 
Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1
Marina Alessandra
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
newtonbonfim
 
Romantismo ii
Romantismo iiRomantismo ii
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
bruna danielle carvalho
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
Bárbara Hellen
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ValeriaCristina51
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arieli Bis Sobbis
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
DaianniSilv
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Ana Sales
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Joyce Micielle
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Nivaldo Marques
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
AldenoraMarciaChaves
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
Portal do Vestibulando
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
FabrcioFerreira32
 
romantismo.pdf literatura resumo slide 1
romantismo.pdf literatura resumo slide 1romantismo.pdf literatura resumo slide 1
romantismo.pdf literatura resumo slide 1
BrunaLeal72
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
mariasantos1451
 
Renascimento e Classicismo
Renascimento e ClassicismoRenascimento e Classicismo
Renascimento e Classicismo
Colégio Estadual Felipe Cassiano
 
webnode2
webnode2webnode2
webnode2
pauloyjosiele
 

Semelhante a Estética Romântica e o Romantismo em Portugal (20)

Romantismo Parte 1
Romantismo   Parte 1Romantismo   Parte 1
Romantismo Parte 1
 
Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1Romantismo Parte 1
Romantismo Parte 1
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
 
Romantismo ii
Romantismo iiRomantismo ii
Romantismo ii
 
Romantismo parte 1
Romantismo parte 1Romantismo parte 1
Romantismo parte 1
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.docROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
ROMANTISMO- CARACTERÍSTICAS E CONTEXTO HISTÓRICO.doc
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O romantismo em_portugal
O romantismo em_portugalO romantismo em_portugal
O romantismo em_portugal
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
 
romantismo.pdf literatura resumo slide 1
romantismo.pdf literatura resumo slide 1romantismo.pdf literatura resumo slide 1
romantismo.pdf literatura resumo slide 1
 
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURAliteratura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
literatura-classicismo: AULA SOBRE LITERATURA
 
Renascimento e Classicismo
Renascimento e ClassicismoRenascimento e Classicismo
Renascimento e Classicismo
 
webnode2
webnode2webnode2
webnode2
 

Mais de elenir duarte dias

Sucessão espanhola
Sucessão espanhola  Sucessão espanhola
Sucessão espanhola
elenir duarte dias
 
Saúde
Saúde  Saúde
Representação do negro na tv resumo das disciplinas - uol vestibular
Representação do negro na tv  resumo das disciplinas - uol vestibularRepresentação do negro na tv  resumo das disciplinas - uol vestibular
Representação do negro na tv resumo das disciplinas - uol vestibular
elenir duarte dias
 
Racismo
Racismo Racismo
Queda do muro de berlim
Queda do muro de berlim  Queda do muro de berlim
Queda do muro de berlim
elenir duarte dias
 
Política
Política  Política
Política
elenir duarte dias
 
Pena de morte
Pena de morte  Pena de morte
Pena de morte
elenir duarte dias
 
Mitos
Mitos   Mitos
Geopolítica
Geopolítica  Geopolítica
Geopolítica
elenir duarte dias
 
Família
Família  Família
Economia
Economia Economia
Direito ao esquecimento
Direito ao esquecimento   Direito ao esquecimento
Direito ao esquecimento
elenir duarte dias
 
Democracia grega
Democracia grega   Democracia grega
Democracia grega
elenir duarte dias
 
Crise do clima
Crise do clima  Crise do clima
Crise do clima
elenir duarte dias
 
Autoimagem e publicidade
Autoimagem e publicidade  Autoimagem e publicidade
Autoimagem e publicidade
elenir duarte dias
 
6 suis je charlie est-ce que je ne suis pas charlie
6 suis je charlie  est-ce que je ne suis pas charlie6 suis je charlie  est-ce que je ne suis pas charlie
6 suis je charlie est-ce que je ne suis pas charlie
elenir duarte dias
 
7 três perdas recentes na literatura
7 três perdas recentes na literatura   7 três perdas recentes na literatura
7 três perdas recentes na literatura
elenir duarte dias
 
5 gênero e identidade
5 gênero e identidade  5 gênero e identidade
5 gênero e identidade
elenir duarte dias
 
3 participação social
3 participação social  3 participação social
3 participação social
elenir duarte dias
 
2 papa pop
2 papa pop  2 papa pop
2 papa pop
elenir duarte dias
 

Mais de elenir duarte dias (20)

Sucessão espanhola
Sucessão espanhola  Sucessão espanhola
Sucessão espanhola
 
Saúde
Saúde  Saúde
Saúde
 
Representação do negro na tv resumo das disciplinas - uol vestibular
Representação do negro na tv  resumo das disciplinas - uol vestibularRepresentação do negro na tv  resumo das disciplinas - uol vestibular
Representação do negro na tv resumo das disciplinas - uol vestibular
 
Racismo
Racismo Racismo
Racismo
 
Queda do muro de berlim
Queda do muro de berlim  Queda do muro de berlim
Queda do muro de berlim
 
Política
Política  Política
Política
 
Pena de morte
Pena de morte  Pena de morte
Pena de morte
 
Mitos
Mitos   Mitos
Mitos
 
Geopolítica
Geopolítica  Geopolítica
Geopolítica
 
Família
Família  Família
Família
 
Economia
Economia Economia
Economia
 
Direito ao esquecimento
Direito ao esquecimento   Direito ao esquecimento
Direito ao esquecimento
 
Democracia grega
Democracia grega   Democracia grega
Democracia grega
 
Crise do clima
Crise do clima  Crise do clima
Crise do clima
 
Autoimagem e publicidade
Autoimagem e publicidade  Autoimagem e publicidade
Autoimagem e publicidade
 
6 suis je charlie est-ce que je ne suis pas charlie
6 suis je charlie  est-ce que je ne suis pas charlie6 suis je charlie  est-ce que je ne suis pas charlie
6 suis je charlie est-ce que je ne suis pas charlie
 
7 três perdas recentes na literatura
7 três perdas recentes na literatura   7 três perdas recentes na literatura
7 três perdas recentes na literatura
 
5 gênero e identidade
5 gênero e identidade  5 gênero e identidade
5 gênero e identidade
 
3 participação social
3 participação social  3 participação social
3 participação social
 
2 papa pop
2 papa pop  2 papa pop
2 papa pop
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 

Estética Romântica e o Romantismo em Portugal

  • 1. Estética Romântica: Idealização e arrebatamento. Romantismo em Portugal
  • 2. Revolução Francesa amanheceu nublado  O dia 14 de Julho de 1789 em Paris, e um multidão composta por guardas, marceneiros, sapateiros, diaristas, escultores, operários, negociantes de vinhos, chapeleiros, alfaiates e outros artesãos pegavam em armas e à força, transformavam em realidade os ideais defendidos pelos filósofos iluministas. A Revolução Francesa havia começado e suas consequencias mudariam toda a Europa e o século das luzes havia chegado ao fim.
  • 3. A Revolução Francesa dá destaque a uma nova personagem na cena europeia: O POVO. Os heróis solitários se tornam elementos do passado. Agora, quem faz a história, pela força de seus braços e pela convicção de seus ideais, é o indivíduo.
  • 4. Iluminismo  Este movimento surgiu na França do século XVII e defendia o domínio da razão sobre a visão teocêntrica que dominava a Europa desde a Idade Média. Segundo os filósofos iluministas, esta forma de pensamento tinha o propósito de iluminar as trevas em que se encontrava a sociedade.  Os pensadores que defendiam estes ideais acreditavam que o pensamento racional deveria ser levado adiante substituindo as crenças religiosas e o misticismo, que, segundo eles, bloqueavam a evolução do homem. O homem deveria ser o centro e passar a buscar respostas para as questões que, até então, eram justificadas somente pela fé.
  • 5. O Romantismo: a força dos sentimentos Até o século XVIII, a arte sempre esteve voltada para os nobres e seus valores. Quando o burguês conquista o poder político, precisa criar as suas referências artísticas, definir padrões estéticos nos quais se reconheça e que o diferenciem da nobreza deposta. É nesse contexto que o movimento romântico surge, provocando uma verdadeira revolução na produção artística.
  • 6. O termo Romantismo faz referência à estética definida pela expressão da imaginação, das emoções e da criatividade individual do artista. Representa uma ruptura com os padrões clássicos de beleza.
  • 7. Projeto literário Romântico  O filósofo que inspirou boa parte dos princípios românticos foi Jean-Jacques Rousseau.  Rousseau afirma que deseja mostrar a seus semelhantes “um homem em toda a verdade sua natureza”  O Projeto Literário do Romantismo: Criar uma identidade estética para o Burguês. Assim, o Romantismo pode ser definido como uma arte da burguesia.
  • 8. Os agentes do Discurso modifica-se bastante.  O contexto de produção Os escritores românticos, pela primeira vez na história, escrevem para sobreviver.  Por esse motivo, procuram conciliar dois objetivos distintos: divulgar os valores da burguesia e ao mesmo tempo divertir os leitores.  A Burguesia é também o novo contexto de circulação para a literatura. Com a possibilidade de publicação em veículos de grande circulação, como os jornais e revistas, o alcance da literatura se amplia bastante.
  • 9.  O público que lê os textos românticos tem um perfil bem mais heterogêneo do que os públicos de séculos anteriores, que vivia nos salões da corte e no ambiente restrito das academias e das arcádias.  Os burgueses que leem jornais e folhetins não contam com a mesma formação dos nobres. Por isso, preferem uma linguagem mais direta, passional, que não se ligue necessariamente aos padrões da herança literária.
  • 10. Esse novo perfil de leitor muda a relação entre LEITOR-ESCRITOR. O escritor vê a necessidade de agradar o seu leitor com histórias que provoquem diversão e entretenimento. O romântico considera a imaginação superior à razão e à beleza, porque ela não conhece limites.
  • 11. O Folhetim “O Conde de Monte Cristo” foi publicado em 1860. Seu capítulos eram publicados no Jornal e os leitores ficavam ansiosos pelo próximo capítulo.
  • 12. A fuga do presente e da realidade O autor romântico escreve para uma sociedade que se formou sob a influência dos filósofos iluministas e que, por isso, valoriza os processos racionais e as posturas coletivas, é essa mentalidade que ele deseja mudar e contra a qual se manifesta.
  • 13. Um dos temas mais explorados pela literatura romântica: a fuga da realidade. Nesse contexto, a morte passa a ser vista como possibilidade de fuga do real e, por isso, é idealizada. Ela se manifesta como opção de alívio para os males do mundo ou para o encontro definitivo dos amantes, separados pelos obstáculos da realidade.
  • 14. Além da morte, o mundo dos sonhos torna-se um espaço de fuga para o Romântico. Nele, o escritor projeta suas utopias (pessoais e sociais). Os temas medievais ressurgem com força total. A Idade Média representa para os românticos uma época em que a sociedade estava repleta de feitos heróicos, sentimentos nobres e harminia.
  • 15. O nacionalismo é uma das mais importantes características do Romantismo.  Nacionalismo é a consciência partilhada por um grupo de indivíduos que se sente ligado a uma terra e possui uma cultura e uma história comuns, marcadas por eventos (gloriosos ou trágicos) vividos em conjunto.  A transformação política estabeleceu um novo princípio: a soberania não tem existência em si mesma. Ela deriva da nação, do povo como um todo. O indivíduo deixa de se ver como súdito de um rei e torna-se cidadão de uma pátria.
  • 16. Linguagem: a liberdade formal A linguagem dos textos românticos é marcada pela liberdade formal. As fórmulas literárias, com rigorosos esquemas métricos e rimas, são abandonadas. Para expressar o arrebatamento que caracteriza o olhar romântico para a realidade, os escritores recorrem à adjetivação abundante e pontuação.
  • 17. Nos poemas e romances românticos, o uso de exclamações, interrogações e reticências procura fazer com que o leitor reconheça as emoções, angústias e aflições que tomam conta de quem as expressa.
  • 18. Portugal: um país sem rei entra em crise No início do séc. XIX, Portugal precisa enfrentar uma séria crise políticoeconômica. O imperador francês Napoleão Bonaparte decretara o bloqueio continental e exigia que a coroa portuguesa rompesse relações comerciais com a Inglaterra, sua aliada histórica.
  • 19. A desobediência portuguesa trouxe a certeza da invasão do país pelas tropas francesas. Para o rei, D. João VI, e sua corte, a única saída era o mar. Toda a corte real foge para o Brasil. Para a brigar a coroa portuguesa, a colônia é elevada à condição de reino Unido a Portugal e Algarve.
  • 20. É nesse cenário agitado por crises políticas e econômicas, que a estética romântica chega a Portugal para definir novos temas e dar voz à sociedade que, transformada pela revolução liberal, aos poucos vai se tornando laica.
  • 21. Os primeiros Românticos O primeiro poeta romântico foi Almeida Garrete, que em 1825 publicou o poema “Camões” dividido em dez cantos e escrito em versos decassílabos brancos, apresenta uma espécie de biografia romântica de Camões destacando seus amores com Natércia.
  • 22. Em 1826, Garrett publica Dona Branca, também de inspiração romântica em que desenvolvia temas medievais e utilizava o folclore nacional em lugar da mitologia clássica. Folhas Caídas é o último livro de Garrett e dá origem a versos de tom confessional, que impulsionam o romantismo mais explícitos da obra do poeta.
  • 23. Destino Quem disse à estrela o caminho Que ela há de seguir no céu? A fabricar o seu ninho Como é que a ave aprendeu? Quem diz à planta – “Floresce!” – E ao mundo verme que tece Sua mortalha de seda Os fios quem lhos enreda? Ensinou alguém à abelha Que no prado anda a zumbir Se á flor branca ou à vermelha O seu mel há de pedir? Que eras tu meu ser, querida, Teus olhos a minha vida, Teu amor todo o meu bem... Ai! Não mo disse ninguém. Como a abelha corre ao prado, Como no céu gira a estrela Como a todo o ente o seu fado Por instinto se revela, Eu no teu seio divino Vim cumprir o meu destino... Vim, que em ti só sei viver, Só por ti posso morrer.
  • 24. Alexandre Herculano: entre o romance e a história ele foi o Ao lado de Almeida Garrett, responsável por desenvolver um programa de reconstrução da cultura portuguesa. Tenta resgatar o passado histórico de Portugal. Dedica-se a recriar a história portuguesa em romances ficcionais que trazem em comum traços de heroísmo e bravura.
  • 25. A poesia Herculano, ao contrário dos outros românticos, caracteriza-se pelo tom contido e pelo rigor estrutural. O que há de romântico em seus poemas é a preocupação em fazer da literatura um espaço de reflexão sobre temas de importância contemporânea: apologia do cristianismo contra a falta de religião iluminista.
  • 26. A cruz mutilada (Alexandre Herculano) Amo-te, ó cruz, no vértice firmada de esplêndidas igrejas; Amo-te quando à noite, sobre a campa, junto ao cipreste alvejas; Amo-te sobre o altar, onde, entre incensos, As preces te rodeiam; [...] Amo-te, ó cruz, até, quando no vale negrejas triste e só, Núncia do crime, a quem deveu a terra Do assassinado o pó: Porém quando mais te amo, Ó cruz do meu Senhor, É, se te encontro à tarde, Antes de o sol se pôr. Na clareira da serra, Que o arvoredo assombra, Quando à luz que fenece Se estira a tua sombra. E o dia último raios Com o luar mistura, E o seu hino da tarde O pinheiral murmura. [...]
  • 27.  Foi com Herculano que a primeira geração romântica portuguesa conheceu o desenvolvimento máximo de uma de suas características definidoras: a reconstituição do passado como base para a construção de uma identidade nacional.
  • 28. O fado  Na segunda metade do século XIX, surge em Lisboa, embalado nas correntes do romantismo, uma melopeia que tanto exprimia a tristeza unânime de um povo e a desilusão deste para com o ambiente instável em que vivia, como abria faróis de esperança sobre o quotidiano das gentes mais desfavorecidas e, mais tarde, penetrava ainda nos salões da aristocracia, tornando-se rapidamente uma expressão musical nacional.
  • 29. Barco Negro (Amália Rodrigues) De manhã, que medo, que me achasses feia! Acordei, tremendo, deitada n'areia Mas logo os teus olhos disseram que não, E o sol penetrou no meu coração.[Bis] Vi depois, numa rocha, uma cruz, E o teu barco negro dançava na luz Vi teu braço acenando, entre as velas já soltas Dizem as velhas da praia, que não voltas: São loucas! São loucas! Eu sei, meu amor, Que nem chegaste a partir, Pois tudo, em meu redor, Me diz qu'estás sempre comigo.[Bis] No vento que lança areia nos vidros; Na água que canta, no fogo mortiço; No calor do leito, nos bancos vazios; Dentro do meu peito, estás sempre comigo.
  • 30. O Ultrarromantismo Português Palácio da Pena, Sintra, Portugal. Exemplo dos gosto romântico português pelo exótico e pela mistura de estilos.
  • 31. As crises de natureza política que tanto influenciaram os autores da primeira geração não se farão presentes durante os quase trinta anos em que a segunda geração se manifesta, o que, de certa forma, contribui para explicar o tom bem mais pessoal e particularizado que passa a caracterizar a produção literária.
  • 32. A 2º geração é marcada pelo exagero sentimental. Inspirados pela literatura inglesa, por poetas como Lord Byron, que exaltava os sentimentos arrebatadores, ao mesmo tempo em que se imaginavam isolados da sociedade, incompreendidos por defenderem princípios morais e éticos.
  • 33. Essa imagem do Herói romântico que luta por valores incorruptíveis como a honestidade, o amor, o direito à liberdade povoará a imaginação de incontáveis poetas.
  • 34. Uma taça feita de um crânio humano Não recues! De mim não foi-se o espírito... Em mim verás - pobre caveira fria Único crânio que, ao invés dos vivos, Só derrama alegria. Vivi! amei! bebi qual tu: Na morte Arrancaram da terra os ossos meus. Não me insultes! empina-me!... que a larva Tem beijos mais sombrios do que os teus. Mais vale guardar o sumo da parreira Do que ao verme do chão ser pasto vil; - Taça - levar dos Deuses a bebida, Que o pasto do réptil. Que este vaso, onde o espírito brilhava, Vá nos outros o espírito acender. Ai! Quando um crânio já não tem mais cérebro ...Podeis de vinho o encher! Bebe, enquanto inda é tempo! Uma outra raça, Quando tu e os teus fordes nos fossos, Pode do abraço te livrar da terra, E ébria folgando profanar teus ossos. E por que não? Se no correr da vida Tanto mal, tanta dor ai repousa? É bom fugindo à podridão do lado Servir na morte enfim p'ra alguma coisa!... Lord Byron (Tradução de Castro Alves)
  • 35.  Atualmente podemos encontrar “Ecos” do ultrarromantismo nas culturas GÓTICAS e EMO.  Você pode encontrar mais poemas de Lord Byron no site: http://ladydark-darkness.blogspot.com.br/p/poemaslord-byron.html  Podemos traçar um paralelo entre o poema de Lord Byron e a música tema do filme “A noiva cadáver”, “Bring Me To Life” da Banda Evanescence, o próprio filme também possui “ecos ultrarromânticos”.
  • 36.
  • 38. A grande quantidade de romances e novelas publicada por Camilo Castelo Branco dá-nos a justa medida do que significa ser um escritor profissional durante o Romantismo. Nem todas as obras dele traziam a marca do ultrarromantismo, o escritor alterna entre novelas, em que a tragédia amorosa é o centro do enredo, com outras, beirando a sátira, em que os exageros românticos são ridicularizados. Suas novelas podem ser organizadas da seguinte forma:
  • 39. Romancefolhetim escritos por Inspirado nos folhetins Eugênio Sue e Alexandre Dumas, focaliza as aventuras de uma personagem misteriosa e dá origem a narrativas múltiplas e a evocações históricas. Ex: Mistérios de Lisboa; Livro negro do padre Dinis.
  • 40. Romance de amor trágico História de personagem apaixonados cuja realização amorosa é impedida por obstáculos sociais ou familiares. Ex: Amor de Perdição.
  • 41. Romance-sátira Caricatura de um determinado tipo social, como o burguês ou o provinciano deslocado no grande centro urbano. Ex: Coração, cabeça, estômago; a queda de um anjo; o que fazem as mulheres.
  • 42. Romance de costumes provincianos Narrativas que focalizam a vida no campo, caracterizando a realidade local de modo idealizado. Ex: Novelas do Minho; A brasileira de Prazins.
  • 43. Romance histórico  Narrativas ambientadas principalmente no século XVIII, resgatando alguma figura da história portuguesa. Ex: O Judeu (António José da Silva Nasceu no Rio de Janeiro foi batizado, mas era de origem judaica, foi vítima da perseguição que dizimou a comunidade dos cristãos-novos do Rio de Janeiro em 1712. Em Lisboa, o dramaturgo e escritor, foi preso pela Inquisição portuguesa junto com a sua a mãe, a tia, o irmão (André) e a sua mulher, Leonor Maria de Carvalho, que se encontrava grávida. Viria a morrer na fogueira às mãos da Inquisição, num auto-de-fé. A sua vida é retratada no filme luso-brasileiro O Judeu (1995).)
  • 44.  Camilo também desenvolveu, em Portugal, um gênero de grande sucesso na Inglaterra: Os romances de mistério, de terror.  O macabro, o enredo complexo, a intriga, a história de separações, reconhecimentos, vinganças, o excessivo e o inverossímil marcam tais narrativas. Ex: Coisas espantosas (1862); O esqueleto (1865); e O demônio do ouro (1874).
  • 45. Amor de perdição: exemplo máximo do exagero passionais que o talento de sentimental  Foi com as novelas Camilo Castelo Branco atingiu seu ponto máximo.  Ao apresentar histórias de amor impossíveis entre dois jovens, o autor é capaz de contextualizar o enredo de modo a traçar alguns importantes cenários de Portugal.  Geralmente, o impedimento ao amor é de ordem social, motivado pela diferença de classes entre os apaixonados ou por inimizades familiares.
  • 46. O sofrimentos amoroso é enaltecido, sendo capaz de transformar completamente o caráter das personagens, fazendo com que os jovens amantes sejam envolvidos por uma aura de pureza e abnegação que os santifica. O final trágico é a sentença final para um amor que transgride os princípios de uma sociedade interesseira e corrupta.
  • 47. Outro aspecto da novela ultrarromântica é a função desempenhada pela natureza. Ela será paradisíaca quando vislumbrada pelos amantes em um momento de sonho (jamais como realidade por eles vivida); Ou soturna, servindo de refúgio final para os desesperados sofredores.
  • 48. Podemos destacar as novelas passionais de Camilo: Onde está a felicidade? (1856); Um home de brios (1856); Carlota Angela (1858); Romance de um homem rico (1861), entre outros.
  • 49. Uma mudança de olhar: mo romance aproxima-se da realidade Após a década de 1860, a literatura portuguesa viu surgir uma série de romances em que os traços exagerados da segunda geração romântica não mais predominavam. As personagens idealizadas cedem lugar a personagens construídas de modo mais cuidadoso, com comportamentos mais bem motivados.
  • 50. O diálogo intenso é, em alguns casos, substituído pelo monólogo interior, o que contribui para o aprofundamento psicológico das personagens. O principal autor dessa transformação no romance romântico português é Júlio Diniz.
  • 52.  O tema escolhido por Júlio Diniz é a vida doméstica no campo, ambientada nas casas de pequenos proprietários rurais e lavradores, ou o meio mercantil do Porto.  Essa mudança de cenário narrativo inaugura, em Portugal, o romance de tema contemporâneo, fazendo transição entre o país arcaico retratado nos romances de Camilo Castelo Branco e o Portugal transformado pela revolução liberal e que, aos poucos, vê a sua sociedade ganhar novo perfil.
  • 53. A obra de Júlio Diniz ilustra a tentativa de aproximação entre uma visão romântica e a realidade que inspira o autor a escrever.
  • 54. Trabalho Pesquise textos/poemas dos autores que estudamos até o momento e traga para a sala de aula, você deve treinar a leitura em casa, pois eles serão lidos em um SARAU na próxima aula. Procure passar por meio de sua leitura, toda emoção e sentimento expresso no poema ou texto.