SlideShare uma empresa Scribd logo
Realismo
Profª Andriane
Realismo
A palavra Realismo denota ação e
designa uma forma de interpretar a
realidade. O Realismo propunha-se a
reagir pela observação dos objetos e
das situações, contra os excessos da
imaginação na arte romântica. O seu
princípio era REPRESENTAR A
REALIDADE, quer o assunto fosse
bonito ou feio, nobre ou trivial, com o
objetivo de alcançar a beleza, a
fraternidade e a justiça.
Surge o Realismo
É na segunda metade do século XIX que a Europa se vê arejada por novos ventos
políticos, científicos, sociais e religiosos. Neste contexto, surge na França um movimento
artístico cuja influência se estendeu a numerosos países, chamado Realismo. Esta
corrente aparece no momento em que ocorrem as primeiras lutas sociais, sendo
também objeto de ação contra o capitalismo progressivamente mais dominador.
O Realismo no Brasil tem como marco inicial a obra Memórias póstumas de Brás
Cubas (1881), de Machado de Assis.
Contexto histórico
- 2ª Revolução Industrial
- Segundo Reinado (D. Pedro II)
- Capital: Rio de Janeiro
- Abolição da escravatura (1888)
- Proclamação da República (1889)
Valores
- Engajamento social e político;
- Novas ideologias;
- Retrato fiel da sociedade;
- Crítica às instituições;
- Literatura transforma a realidade;
- Teorias científicas.
Teorias & Correntes
❖ O positivismo de Comte ( teoria científica que defende posturas exclusivamente materialistas e
limita o conhecimento das coisas apenas quando estas podem ser provadas cientificamente);
❖ O socialismo de Marx e Engels (teoria científica que estimula as lutas de classe e a organização
política do proletariado);
❖ O evolucionismo de Darwin (teoria científica que mostra o processo de evolução das espécies a
partir da seleção natural);
❖ O determinismo de Taine (teoria que defende que o comportamento humano é determinado por
três fatores: o meio, a raça, e o momento histórico);
❖ A psicanálise de Freud (teoria da alma ou da psique. Metodologia terapêuticaque examina o
teor inconsciente das palavras, atos e/ou concepções imaginativas de um ser, baseando-se nas
relações livres);
❖ A medicina de Claude Bernard (teorias da medicina experimental, mostrando a importância da
fisiologia no comportamento do indivíduo).
Características
● Veracidade: despreza a imaginação romântica;
● Contemporaneidade: descreve a realidade;
● Retrato fiel das personagens: caráter, aspectos negativos da natureza humana;
● Gosto pelos detalhes: lentidão na narrativa;
● Materialismo do amor: mulher objeto de prazer/adultério;
● Denúncia das injustiças sociais;
● Determinismo e relação entre causa e efeito;
● Linguagem próxima à realidade: simples, natural, clara e equilibrada.
REALISMO ROMANTISMO
Valoriza o que se é Valoriza o que se idealiza e sente
Crítica direta Crítica indireta
Objetividade Sentimentos à flor da pele
Textos, às vezes, sem censura Textos geralmente respeitosos
Imagens sem fantasias, reais Imagens fantasiadas, perfeitas
Aversão ao amor platônico Amores platônicos
Mistura de épico e lírico nos textos Separação
Cosmopolita Nacionalista
Teatro
Com o Realismo, os problemas do cotidiano ocupam os palcos no mundo
do teatro. O herói romântico é substituído por personagens do dia a dia e a
linguagem torna-se coloquial. O primeiro grande dramaturgo realista é o
francês Alexandre Dumas Filho, autor da primeira peça realista, A Dama das
Camélias (1852), que aborda o tema prostituição.
Pintura
Na pintura, as obras passam a privilegiar cenas cotidianas de grupos sociais menos
favorecidos e as telas tornam-se pesadas e tristes.
Neste campo, destaca-se o pintor francês Gustave Coubert .
Escultura
A escultura realista não se preocupa com a idealização da realidade, recria os seres tais como são.
Aqui especial destaque para o franceses Auguste Rodin e Camille Claudel.
Autores e suas influências
- Gustave Flaubert (Madame Bovary)
- Honoré de Balzac (A Mulher de Trinta Anos, Ilusões Perdidas)
- Charles Dickens (David Copperfield, Oliver Twist)
- Eça de Queirós (Os Maias, O Crime do Padre Amaro)
- Stendhal (O Vermelho e o Negro)
- Émile Zola (Germinal)
- Dostoievski (Os irmãos Karamazov)
- Léon Tolstoi (Guerra e Paz, Anna Karenina)
Eça de Queirós (Portugal)
José Maria de Eça de Queirós nasceu na
Póvoa de Varzim a 25 de Novembro de 1845 e
foi um dos maiores escritores portugueses. Foi
autor, entre outros romances de importância
reconhecida, de Os Maias e O Crime do Padre
Amaro, tendo sido este último por muitos
considerado o melhor romance realista
português do século XIX. Morreu em Paris, a 16
de Agosto de 1900.
O Crime do Padre Amaro
É uma das obras do escritor português Eça de Queirós
mais difundidas por todo o mundo. Trata-se de uma obra
polêmica, que causou protestos da Igreja Católica, ao ser
publicada em 1875, em Portugal. É a primeira realização
artística do realismo português.
Trata do romance entre Amaro e a jovem Amélia, que
surge num ambiente em que o próprio papel da religião é alvo
de grandes discussões e a moralidade de cada um é posta à
prova. Enquanto a trágica história de amor se desenvolve,
personagens secundárias travam debates sobre o papel da fé.
Os Maias
A obra ocupa-se da história de uma família
(Maia) ao longo de três gerações, centrando-se
depois na última geração e dando relevo aos
amores incestuosos de Carlos da Maia e Maria
Eduarda. Mas a história é também um pretexto
para o autor fazer uma crítica à situação
decadente do país (a nível político e cultural) e à
alta burguesia lisboeta oitocentista, por onde
perpassa um humor (ora fino, ora satírico) que
configura a derrota e o desengano de todas as
personagens.
Machado de Assis
Machado de Assis nasceu na cidade do Rio de Janeiro (1839), era mestiço
e de origem humilde. Cresceu sob os cuidados da madrasta Maria Inês, pois
assim como a mãe, a portuguesa Maria Leopoldina, seu pai, o mulato Francisco
José de Assis, morreu cedo. Apesar de ter frequentado escola pública e
começado a trabalhar desde cedo, alcançou boa posição como funcionário
público, cargo que lhe proporcionou tranquilidade financeira. Casado com
Carolina Xavier de Novais, Machado de Assis dedicou-se à literatura e produziu a
melhor prosa brasileira do século XIX. Morreu em 1908
O escritor compôs cerca de duzentos contos.
Os romances e contos anteriores à década de 1880 revelam influências
românticas, assim como Ressurreição (1872), A mão e a luva (1874), Helena
(1876), Iaiá Garcia (1878), Contos Fluminenses (1870) e Histórias da meia-noite
(1873).
Machado de Assis
Machado revela-se mais maduro a partir da publicação de Memórias Póstumas de Brás
Cubas (1881); essa marca a segunda etapa de sua produção. O escritor desenvolve uma
ironia feroz, retrata um humor velado e amargo em relação àquilo que retrata.
Nessa nova fase incluem-se os romances Quincas Borba (1891), Dom Casmurro ( 1899),
Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908). Entre seus inúmeros contos estão: “O
alienista”, “A cartomante”, “Missa do galo”, “Uns braços”, “O espelho”, “Cantiga de esponsais”,
“Teoria do medalhão”, “A causa secreta”.
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Brás Cubas é um homem rico e solteiro que, depois de morto, resolve
se dedicar à tarefa de narrar sua própria vida. Dessa perspectiva, emite
opiniões sem se preocupar com o julgamento que os vivos podem fazer
dele. De sua infância, registra apenas o contato com um colega de escola,
Quincas Borba, e o comportamento de menino endiabrado, que o fazia
maltratar o escravo Prudêncio e atrapalhar os amores adúlteros de uma
amiga da família, D. Eusébia. Da juventude, resgata o envolvimento com
uma prostituta de luxo, Marcela.
Depois de retornar de uma temporada de estudos na Europa, vive uma
existência de moço rico, despreocupado e fútil. Conhece a filha de D.
Eusébia, Eugênia, e a despreza por ser manca.
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Envolve-se com Virgília, uma namorada da juventude, agora casada com o político Lobo Neves.
O adultério dura muitos anos e se desfaz de maneira fria. Brás ainda se aproxima de Nhã Loló,
parenta de seu cunhado Cotrim, mas a morte da moça interrompe o projeto de casamento.
Desse ponto até o fim da vida, Brás se dedica à carreira política, que exerce sem talento, e a
ações beneficentes, que pratica sem nenhuma paixão. O balanço final, tão melancólico quanto a
própria existência, arremata a narrativa de forma pessimista: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma
criatura o legado da nossa miséria”.
Dom Casmurro (1899)
Bentinho (Bento Santiago): o narrador-personagem que conta suas memórias, membro da elite carioca do século
XIX.
Capitu (Capitolina): grande amor de Bentinho, personagem de origem pobre, mas independente e avançada.
Escobar: o melhor amigo de Bentinho, a quem conheceu quando estudaram juntos no seminário.
Dona Sancha: mulher de Escobar, ex-colega de colégio de Capitu.
Dona Glória: mãe de Bentinho, adora o filho e é também muito religiosa. Quer que o garoto se ordene padre como
cumprimento de uma promessa que fez.
José Dias: agregado que vive de favores na casa de dona Glória. Suposto médico, tem o hábito de agradar aos
proprietários da casa com o uso de superlativos.
Ezequiel: filho de Capitu, sobre o qual o narrador sustenta forte dúvida quanto à paternidade, pois o garoto tinha
grande semelhança física com Escobar.
Naturalismo
Naturalismo
O Naturalismo foi um movimento cultural relacionado às artes plásticas, literatura e teatro.
Surgiu na França, na segunda metade do século XIX. Este movimento foi uma radicalização do
Realismo.
Com a publicação de O Mulato(1881), Aluísio Azevedo consagrou-se como um escritor
naturalista. A publicação dessa obra marca o início do Naturalismo brasileiro.
O livro (que não é a nossa obra naturalista mais marcante) causou impacto na sociedade,
principalmente entre o clero e a alta sociedade de São Luís do Maranhão.
O Mulato aborda temas como o puritanismo sexual, o anticlericalismo e o racismo.
Em 1890, o Naturalismo atinge o seu ápice com a publicação de O cortiço (obra repleta de
personagens marginalizados).
Contexto histórico
- 2ª Revolução Industrial
- Segundo Reinado (D. Pedro II)
- Capital: Rio de Janeiro
- Abolição da escravatura (1888)
- Proclamação da República (1889)
Características
- Objetividade
- Verossimilhança
- Descritivismo
- Razão, observação e análise
- Universalismo
- Retrato fiel das personagens
Características extras natulistas
- Realismo científico
- Romance de tese e/ou experimental
- Instinto
- Coletivo
- Patologias
- Homossexualidade
Aluísio Azevedo (1857-1913)
Aluísio Azevedo conviveu com o preconceito desde muito cedo. O
relacionamento dos pais, David Gonçalves de Azevedo e Emília Amália Pinto de
Magalhães, era julgado pela sociedade tradicionalista, já que David era viúvo, Emília
separada e os dois não oficializaram a união. Nascido em São Luís do Maranhão, o
jovem foi cursar a Academia Imperial de Belas Artes em 1876, no Rio de Janeiro.
Com a morte do pai, em 1878, precisa retornar ao Maranhão para ajudar os
familiares. Com isso, encontra na escrita um sustento. A primeira publicação, com
características do romantismo, é “Uma lágrima de mulher”. Mas a obra que reflete
melhor as características literárias do autor é “O Mulato”. Nessa época, 1881, o autor
volta ao Rio e passa a produzir peças, contos e romances.
Em 1895 foi nomeado diplomata e passou por vários países, entre eles
Argentina, Itália, Inglaterra e Japão. Vinte anos depois, Aluísio foi morar novamente
em Buenos Aires como cônsul de primeira classe. A literatura foi deixada de lado.
O cortiço
O cortiço
Jerônimo assume a condição de gerente da pedreira de João Romão e passa a viver no cortiço
com a esposa Piedade. Sua honestidade, força e nobreza de caráter logo chamam a atenção de
todos. No entanto, seduzido pela envolvente Rita Baiana, assassina o namorado desta, Firmo.
Jerônimo abandona a esposa e vai viver com Rita. Entra então em um acelerado processo de
decadência física e moral, assim como sua esposa, que termina alcoólatra.
A decadência atinge também outros moradores do cortiço. É o caso de Pombinha, moça culta
que aguardava a primeira menstruação para se casar. Seduzida pela prostituta Léonie, abandona o
marido e vai viver com a amante, prostituindo-se também.
Impressionismo
Raul Pompéia
Raul d’Ávila Pompéia nasceu no dia 12 de abril de 1863, em Angra dos Reis, RJ.
Começou o curso de Direito em São Paulo, no ano de 1881. Nesse contexto influenciou-se com
as causas abolicionistas e republicanas.
Por causa de seus ataques à oligarquia, sofreu perseguições políticas, essas provocaram sua
reprovação na faculdade.
Raul e mais noventa e três acadêmicos partiram para o Recife a fim de concluir o curso.
Após alcançar seu objetivo retornou ao Rio de Janeiro, em 1885, mas não exerceu a advocacia.
Na cidade do Rio de Janeiro escreveu crônicas, folhetins, artigos e contos. Foi nesse período que
escreveu O Ateneu, romance de cunho autobiográfico.
Raul Pompéia
Em 1893, publicou a charge “O Brasil crucificado entre dois ladrões”
combatendo ingleses e portugueses, tal publicação provocou escândalo no
meio político.
Olavo Bilac atacou-o num artigo de jornal. Em 1895, foi demitido da
direção da Biblioteca Nacional.
Foi caluniado por Luís Murat e desprezado por toda parte, essa
situação trouxe-lhe grande abatimento moral.
No dia 25 de dezembro de 1895, dia de Natal, Raul põe fim em sua
vida com um tiro no coração
O Ateneu
Trata-se de uma narrativa na primeira pessoa, em que o personagem Sérgio, já adulto, conta
sobre seu tempo de aluno interno no Colégio Ateneu. A ação do livro transcorre no ambiente fechado
e corrupto do internato, onde convivem crianças, adolescentes, professores e empregados.
Dr. Aristarco é o diretor do colégio. Figura soberba que visava apenas o lucro. Tinha o
sonho de ver um busto com a sua face. Sérgio vai narrando as decepções, os medos, as dúvidas, a
rígida disciplina, as amizades, os acontecimentos em torno da própria sexualidade, as questões nem
sempre respondidas. O romance é um diário de um internato.
Misturando alegria e tristezas, decepções e entusiasmos, Sérgio, pacientemente reconstrói, por
meio da memória, a adolescência vivida e perdida entre as paredes do famoso internato. A obra
acaba com o incêndio do Ateneu pelo estudante Américo. No incêndio o diretor fica perdido, estático
com o que está acontecendo com seu patrimônio e naquele mesmo dia é abandonado pela esposa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
rillaryalvesj
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Marcimária Xavier
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
Andriane Cursino
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
Andriane Cursino
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
rkhelena
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
ma.no.el.ne.ves
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
Andrea Dressler
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
Josi Motta
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
claudia murta
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
Carolina Loçasso Pereira
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
Israel Ferreira
 

Mais procurados (20)

LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 

Destaque

Raquel de queiroz
Raquel de queirozRaquel de queiroz
Raquel de queiroz
Larissa Silva
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Cristiane Silva
 
Rachel de queiroz
Rachel de queirozRachel de queiroz
Rachel de queiroz
Laíza Krul Kuryluk
 
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Universidade Federal de Roraima
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZSEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
Marcelo Fernandes
 
Romantismo - História da Arte
Romantismo - História da ArteRomantismo - História da Arte
Romantismo - História da Arte
VIVIAN TROMBINI
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
Carla Prestes
 
Revolução Industrial: As Novas Tecnologias
Revolução Industrial: As Novas TecnologiasRevolução Industrial: As Novas Tecnologias
Revolução Industrial: As Novas Tecnologias
lucasdtmj
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
José Ricardo Lima
 
Adam smith
Adam smithAdam smith
Adam smith
renatassf
 
Adam Smith - Quem foi, contribuições e contexto histórico
Adam Smith - Quem foi, contribuições e contexto históricoAdam Smith - Quem foi, contribuições e contexto histórico
Adam Smith - Quem foi, contribuições e contexto histórico
Diego Lopes
 
Pré modernismo I
Pré modernismo IPré modernismo I
Pré modernismo I
Ana Karina Silva
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismo
camilagarciaia
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
Ana Karina Silva
 

Destaque (14)

Raquel de queiroz
Raquel de queirozRaquel de queiroz
Raquel de queiroz
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Rachel de queiroz
Rachel de queirozRachel de queiroz
Rachel de queiroz
 
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
Bibliografia Rachel de Queiroz (SLIDE)
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZSEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
 
Romantismo - História da Arte
Romantismo - História da ArteRomantismo - História da Arte
Romantismo - História da Arte
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
 
Revolução Industrial: As Novas Tecnologias
Revolução Industrial: As Novas TecnologiasRevolução Industrial: As Novas Tecnologias
Revolução Industrial: As Novas Tecnologias
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
Adam smith
Adam smithAdam smith
Adam smith
 
Adam Smith - Quem foi, contribuições e contexto histórico
Adam Smith - Quem foi, contribuições e contexto históricoAdam Smith - Quem foi, contribuições e contexto histórico
Adam Smith - Quem foi, contribuições e contexto histórico
 
Pré modernismo I
Pré modernismo IPré modernismo I
Pré modernismo I
 
Impressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-ImpressionismoImpressionismo e Pós-Impressionismo
Impressionismo e Pós-Impressionismo
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 

Semelhante a Realismo - Naturalismo

realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
ANDRESSASILVADESOUSA
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
AliceEmanuelladeOliv
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
Carlos100coliCoimbra
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
LeandroBolivar1
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
carolpixel
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
Josi Motta
 
Realismo
RealismoRealismo
a cultura da gare.realismo.ppt
a cultura da gare.realismo.ppta cultura da gare.realismo.ppt
a cultura da gare.realismo.ppt
Patrícia Alves
 
Realismo (3)
Realismo (3)Realismo (3)
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
profanajulia
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
Vitor Barreto
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
keilaoliveira69
 
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOO ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
CntiaAleixo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Natália Araújo
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Silvia Fontoura
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
CrisBiagio
 

Semelhante a Realismo - Naturalismo (20)

realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
a cultura da gare.realismo.ppt
a cultura da gare.realismo.ppta cultura da gare.realismo.ppt
a cultura da gare.realismo.ppt
 
Realismo (3)
Realismo (3)Realismo (3)
Realismo (3)
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
 
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOO ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 

Mais de Andriane Cursino

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
Andriane Cursino
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - Answers
Andriane Cursino
 
Gabarito - Romantismo
Gabarito -  RomantismoGabarito -  Romantismo
Gabarito - Romantismo
Andriane Cursino
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
Andriane Cursino
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
Andriane Cursino
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - Answers
Andriane Cursino
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Andriane Cursino
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Andriane Cursino
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
Andriane Cursino
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
Andriane Cursino
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil Vicente
Andriane Cursino
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Andriane Cursino
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Andriane Cursino
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
Andriane Cursino
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Andriane Cursino
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
Andriane Cursino
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Andriane Cursino
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
Andriane Cursino
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Andriane Cursino
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
Andriane Cursino
 

Mais de Andriane Cursino (20)

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - Answers
 
Gabarito - Romantismo
Gabarito -  RomantismoGabarito -  Romantismo
Gabarito - Romantismo
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - Answers
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ Arcadismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil Vicente
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 

Realismo - Naturalismo

  • 2. Realismo A palavra Realismo denota ação e designa uma forma de interpretar a realidade. O Realismo propunha-se a reagir pela observação dos objetos e das situações, contra os excessos da imaginação na arte romântica. O seu princípio era REPRESENTAR A REALIDADE, quer o assunto fosse bonito ou feio, nobre ou trivial, com o objetivo de alcançar a beleza, a fraternidade e a justiça.
  • 3. Surge o Realismo É na segunda metade do século XIX que a Europa se vê arejada por novos ventos políticos, científicos, sociais e religiosos. Neste contexto, surge na França um movimento artístico cuja influência se estendeu a numerosos países, chamado Realismo. Esta corrente aparece no momento em que ocorrem as primeiras lutas sociais, sendo também objeto de ação contra o capitalismo progressivamente mais dominador. O Realismo no Brasil tem como marco inicial a obra Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), de Machado de Assis.
  • 4. Contexto histórico - 2ª Revolução Industrial - Segundo Reinado (D. Pedro II) - Capital: Rio de Janeiro - Abolição da escravatura (1888) - Proclamação da República (1889)
  • 5. Valores - Engajamento social e político; - Novas ideologias; - Retrato fiel da sociedade; - Crítica às instituições; - Literatura transforma a realidade; - Teorias científicas.
  • 6. Teorias & Correntes ❖ O positivismo de Comte ( teoria científica que defende posturas exclusivamente materialistas e limita o conhecimento das coisas apenas quando estas podem ser provadas cientificamente); ❖ O socialismo de Marx e Engels (teoria científica que estimula as lutas de classe e a organização política do proletariado); ❖ O evolucionismo de Darwin (teoria científica que mostra o processo de evolução das espécies a partir da seleção natural); ❖ O determinismo de Taine (teoria que defende que o comportamento humano é determinado por três fatores: o meio, a raça, e o momento histórico); ❖ A psicanálise de Freud (teoria da alma ou da psique. Metodologia terapêuticaque examina o teor inconsciente das palavras, atos e/ou concepções imaginativas de um ser, baseando-se nas relações livres); ❖ A medicina de Claude Bernard (teorias da medicina experimental, mostrando a importância da fisiologia no comportamento do indivíduo).
  • 7. Características ● Veracidade: despreza a imaginação romântica; ● Contemporaneidade: descreve a realidade; ● Retrato fiel das personagens: caráter, aspectos negativos da natureza humana; ● Gosto pelos detalhes: lentidão na narrativa; ● Materialismo do amor: mulher objeto de prazer/adultério; ● Denúncia das injustiças sociais; ● Determinismo e relação entre causa e efeito; ● Linguagem próxima à realidade: simples, natural, clara e equilibrada.
  • 8. REALISMO ROMANTISMO Valoriza o que se é Valoriza o que se idealiza e sente Crítica direta Crítica indireta Objetividade Sentimentos à flor da pele Textos, às vezes, sem censura Textos geralmente respeitosos Imagens sem fantasias, reais Imagens fantasiadas, perfeitas Aversão ao amor platônico Amores platônicos Mistura de épico e lírico nos textos Separação Cosmopolita Nacionalista
  • 9. Teatro Com o Realismo, os problemas do cotidiano ocupam os palcos no mundo do teatro. O herói romântico é substituído por personagens do dia a dia e a linguagem torna-se coloquial. O primeiro grande dramaturgo realista é o francês Alexandre Dumas Filho, autor da primeira peça realista, A Dama das Camélias (1852), que aborda o tema prostituição.
  • 10. Pintura Na pintura, as obras passam a privilegiar cenas cotidianas de grupos sociais menos favorecidos e as telas tornam-se pesadas e tristes. Neste campo, destaca-se o pintor francês Gustave Coubert .
  • 11. Escultura A escultura realista não se preocupa com a idealização da realidade, recria os seres tais como são. Aqui especial destaque para o franceses Auguste Rodin e Camille Claudel.
  • 12. Autores e suas influências - Gustave Flaubert (Madame Bovary) - Honoré de Balzac (A Mulher de Trinta Anos, Ilusões Perdidas) - Charles Dickens (David Copperfield, Oliver Twist) - Eça de Queirós (Os Maias, O Crime do Padre Amaro) - Stendhal (O Vermelho e o Negro) - Émile Zola (Germinal) - Dostoievski (Os irmãos Karamazov) - Léon Tolstoi (Guerra e Paz, Anna Karenina)
  • 13. Eça de Queirós (Portugal) José Maria de Eça de Queirós nasceu na Póvoa de Varzim a 25 de Novembro de 1845 e foi um dos maiores escritores portugueses. Foi autor, entre outros romances de importância reconhecida, de Os Maias e O Crime do Padre Amaro, tendo sido este último por muitos considerado o melhor romance realista português do século XIX. Morreu em Paris, a 16 de Agosto de 1900.
  • 14. O Crime do Padre Amaro É uma das obras do escritor português Eça de Queirós mais difundidas por todo o mundo. Trata-se de uma obra polêmica, que causou protestos da Igreja Católica, ao ser publicada em 1875, em Portugal. É a primeira realização artística do realismo português. Trata do romance entre Amaro e a jovem Amélia, que surge num ambiente em que o próprio papel da religião é alvo de grandes discussões e a moralidade de cada um é posta à prova. Enquanto a trágica história de amor se desenvolve, personagens secundárias travam debates sobre o papel da fé.
  • 15. Os Maias A obra ocupa-se da história de uma família (Maia) ao longo de três gerações, centrando-se depois na última geração e dando relevo aos amores incestuosos de Carlos da Maia e Maria Eduarda. Mas a história é também um pretexto para o autor fazer uma crítica à situação decadente do país (a nível político e cultural) e à alta burguesia lisboeta oitocentista, por onde perpassa um humor (ora fino, ora satírico) que configura a derrota e o desengano de todas as personagens.
  • 16. Machado de Assis Machado de Assis nasceu na cidade do Rio de Janeiro (1839), era mestiço e de origem humilde. Cresceu sob os cuidados da madrasta Maria Inês, pois assim como a mãe, a portuguesa Maria Leopoldina, seu pai, o mulato Francisco José de Assis, morreu cedo. Apesar de ter frequentado escola pública e começado a trabalhar desde cedo, alcançou boa posição como funcionário público, cargo que lhe proporcionou tranquilidade financeira. Casado com Carolina Xavier de Novais, Machado de Assis dedicou-se à literatura e produziu a melhor prosa brasileira do século XIX. Morreu em 1908 O escritor compôs cerca de duzentos contos. Os romances e contos anteriores à década de 1880 revelam influências românticas, assim como Ressurreição (1872), A mão e a luva (1874), Helena (1876), Iaiá Garcia (1878), Contos Fluminenses (1870) e Histórias da meia-noite (1873).
  • 17. Machado de Assis Machado revela-se mais maduro a partir da publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881); essa marca a segunda etapa de sua produção. O escritor desenvolve uma ironia feroz, retrata um humor velado e amargo em relação àquilo que retrata. Nessa nova fase incluem-se os romances Quincas Borba (1891), Dom Casmurro ( 1899), Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908). Entre seus inúmeros contos estão: “O alienista”, “A cartomante”, “Missa do galo”, “Uns braços”, “O espelho”, “Cantiga de esponsais”, “Teoria do medalhão”, “A causa secreta”.
  • 18. Memórias Póstumas de Brás Cubas Brás Cubas é um homem rico e solteiro que, depois de morto, resolve se dedicar à tarefa de narrar sua própria vida. Dessa perspectiva, emite opiniões sem se preocupar com o julgamento que os vivos podem fazer dele. De sua infância, registra apenas o contato com um colega de escola, Quincas Borba, e o comportamento de menino endiabrado, que o fazia maltratar o escravo Prudêncio e atrapalhar os amores adúlteros de uma amiga da família, D. Eusébia. Da juventude, resgata o envolvimento com uma prostituta de luxo, Marcela. Depois de retornar de uma temporada de estudos na Europa, vive uma existência de moço rico, despreocupado e fútil. Conhece a filha de D. Eusébia, Eugênia, e a despreza por ser manca.
  • 19. Memórias Póstumas de Brás Cubas Envolve-se com Virgília, uma namorada da juventude, agora casada com o político Lobo Neves. O adultério dura muitos anos e se desfaz de maneira fria. Brás ainda se aproxima de Nhã Loló, parenta de seu cunhado Cotrim, mas a morte da moça interrompe o projeto de casamento. Desse ponto até o fim da vida, Brás se dedica à carreira política, que exerce sem talento, e a ações beneficentes, que pratica sem nenhuma paixão. O balanço final, tão melancólico quanto a própria existência, arremata a narrativa de forma pessimista: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria”.
  • 20. Dom Casmurro (1899) Bentinho (Bento Santiago): o narrador-personagem que conta suas memórias, membro da elite carioca do século XIX. Capitu (Capitolina): grande amor de Bentinho, personagem de origem pobre, mas independente e avançada. Escobar: o melhor amigo de Bentinho, a quem conheceu quando estudaram juntos no seminário. Dona Sancha: mulher de Escobar, ex-colega de colégio de Capitu. Dona Glória: mãe de Bentinho, adora o filho e é também muito religiosa. Quer que o garoto se ordene padre como cumprimento de uma promessa que fez. José Dias: agregado que vive de favores na casa de dona Glória. Suposto médico, tem o hábito de agradar aos proprietários da casa com o uso de superlativos. Ezequiel: filho de Capitu, sobre o qual o narrador sustenta forte dúvida quanto à paternidade, pois o garoto tinha grande semelhança física com Escobar.
  • 22. Naturalismo O Naturalismo foi um movimento cultural relacionado às artes plásticas, literatura e teatro. Surgiu na França, na segunda metade do século XIX. Este movimento foi uma radicalização do Realismo. Com a publicação de O Mulato(1881), Aluísio Azevedo consagrou-se como um escritor naturalista. A publicação dessa obra marca o início do Naturalismo brasileiro. O livro (que não é a nossa obra naturalista mais marcante) causou impacto na sociedade, principalmente entre o clero e a alta sociedade de São Luís do Maranhão. O Mulato aborda temas como o puritanismo sexual, o anticlericalismo e o racismo. Em 1890, o Naturalismo atinge o seu ápice com a publicação de O cortiço (obra repleta de personagens marginalizados).
  • 23. Contexto histórico - 2ª Revolução Industrial - Segundo Reinado (D. Pedro II) - Capital: Rio de Janeiro - Abolição da escravatura (1888) - Proclamação da República (1889)
  • 24. Características - Objetividade - Verossimilhança - Descritivismo - Razão, observação e análise - Universalismo - Retrato fiel das personagens
  • 25. Características extras natulistas - Realismo científico - Romance de tese e/ou experimental - Instinto - Coletivo - Patologias - Homossexualidade
  • 26. Aluísio Azevedo (1857-1913) Aluísio Azevedo conviveu com o preconceito desde muito cedo. O relacionamento dos pais, David Gonçalves de Azevedo e Emília Amália Pinto de Magalhães, era julgado pela sociedade tradicionalista, já que David era viúvo, Emília separada e os dois não oficializaram a união. Nascido em São Luís do Maranhão, o jovem foi cursar a Academia Imperial de Belas Artes em 1876, no Rio de Janeiro. Com a morte do pai, em 1878, precisa retornar ao Maranhão para ajudar os familiares. Com isso, encontra na escrita um sustento. A primeira publicação, com características do romantismo, é “Uma lágrima de mulher”. Mas a obra que reflete melhor as características literárias do autor é “O Mulato”. Nessa época, 1881, o autor volta ao Rio e passa a produzir peças, contos e romances. Em 1895 foi nomeado diplomata e passou por vários países, entre eles Argentina, Itália, Inglaterra e Japão. Vinte anos depois, Aluísio foi morar novamente em Buenos Aires como cônsul de primeira classe. A literatura foi deixada de lado.
  • 28. O cortiço Jerônimo assume a condição de gerente da pedreira de João Romão e passa a viver no cortiço com a esposa Piedade. Sua honestidade, força e nobreza de caráter logo chamam a atenção de todos. No entanto, seduzido pela envolvente Rita Baiana, assassina o namorado desta, Firmo. Jerônimo abandona a esposa e vai viver com Rita. Entra então em um acelerado processo de decadência física e moral, assim como sua esposa, que termina alcoólatra. A decadência atinge também outros moradores do cortiço. É o caso de Pombinha, moça culta que aguardava a primeira menstruação para se casar. Seduzida pela prostituta Léonie, abandona o marido e vai viver com a amante, prostituindo-se também.
  • 30. Raul Pompéia Raul d’Ávila Pompéia nasceu no dia 12 de abril de 1863, em Angra dos Reis, RJ. Começou o curso de Direito em São Paulo, no ano de 1881. Nesse contexto influenciou-se com as causas abolicionistas e republicanas. Por causa de seus ataques à oligarquia, sofreu perseguições políticas, essas provocaram sua reprovação na faculdade. Raul e mais noventa e três acadêmicos partiram para o Recife a fim de concluir o curso. Após alcançar seu objetivo retornou ao Rio de Janeiro, em 1885, mas não exerceu a advocacia. Na cidade do Rio de Janeiro escreveu crônicas, folhetins, artigos e contos. Foi nesse período que escreveu O Ateneu, romance de cunho autobiográfico.
  • 31. Raul Pompéia Em 1893, publicou a charge “O Brasil crucificado entre dois ladrões” combatendo ingleses e portugueses, tal publicação provocou escândalo no meio político. Olavo Bilac atacou-o num artigo de jornal. Em 1895, foi demitido da direção da Biblioteca Nacional. Foi caluniado por Luís Murat e desprezado por toda parte, essa situação trouxe-lhe grande abatimento moral. No dia 25 de dezembro de 1895, dia de Natal, Raul põe fim em sua vida com um tiro no coração
  • 32. O Ateneu Trata-se de uma narrativa na primeira pessoa, em que o personagem Sérgio, já adulto, conta sobre seu tempo de aluno interno no Colégio Ateneu. A ação do livro transcorre no ambiente fechado e corrupto do internato, onde convivem crianças, adolescentes, professores e empregados. Dr. Aristarco é o diretor do colégio. Figura soberba que visava apenas o lucro. Tinha o sonho de ver um busto com a sua face. Sérgio vai narrando as decepções, os medos, as dúvidas, a rígida disciplina, as amizades, os acontecimentos em torno da própria sexualidade, as questões nem sempre respondidas. O romance é um diário de um internato. Misturando alegria e tristezas, decepções e entusiasmos, Sérgio, pacientemente reconstrói, por meio da memória, a adolescência vivida e perdida entre as paredes do famoso internato. A obra acaba com o incêndio do Ateneu pelo estudante Américo. No incêndio o diretor fica perdido, estático com o que está acontecendo com seu patrimônio e naquele mesmo dia é abandonado pela esposa.