SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Realismo
“ Eu não posso pintar um anjo porque nunca vi nenhum. Mostrem-me um anjo e eu pintá-lo-ei.” Gustave Coubert
Origem do Realismo O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do século XIX.  A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano.  Possuía um forte caráter ideológico, marcado por uma linguagem política e de denúncia dos problemas sociais como, por exemplo, miséria, pobreza, exploração, corrupção entre outros. Com uma linguagem clara, os artistas e escritores realistas iam diretamente ao foco da questão, reagindo, desta forma, ao subjetivismo do romantismo. Uma das correntes do realismo foi o  naturalismo , onde a objetividade está presente,porém sem o conteúdo ideológico.
 
 
Realismo •  Movimento do Séc. XIX, que tem início mais ou menos na década de 30. •  Tem como marco associado o aparecimento da Fotografia «(…) realizava-se uma série de descobrimentos científicos dos mais variados géneros, que fomentaram a eclosão de uma doutrina optimista: o do progresso social.» ... A Lavadeira, Honoré Daumier, 1863
Realismo ...«Assim, como outrora o homem do romantismo sentia a  nostalgia do passado , a partir de agora os ideais irão ser  projectados para o futuro . Em vez de sonhar, como antes, com a melhoria utópica de uma vida que lhe aparecia como algo substancialmente imutável, o homem orienta agora as suas especulações a partir da realidade:  torna-se realista »
Realismo O Realismo é uma forma de expressão artística que procura reproduzir de forma mais ou menos evidente e naturalista o mundo e os objectos da realidade envolvente, surgindo de forma cíclica ao longo da história e tendo como grande impulsionadora a França.  O Angelus, Jean-François Millet, 1858-1859
Realismo Caracteriza-se por: •  Pintura figurativa •  Retratavam-se cenas reais •  Não apenas as mais «belas» •  Outras realidades, como a pobreza, as más condições de vida Marques D’Oliveira
Retratavam degradação  da parte «feia» da vida
Naturalismo e Realismo No século XIX, o termo Realismo estava associado ao conceito de Naturalismo, corrente estética que reagiu contra o subjectivismo romântico e o idealismo classicista. As Respigadoras, Jean-François Millet, 1857
Naturalismo e Realismo O interesse dos artistas pela realidade visível manifestou-se primeiramente em França com um grupo de pintores que, nos anos 30 do séc. XIX, abandonou a agitação urbana que então se vivia e o rigoroso academismo da época, para se instalar em plena Floresta de Fontainebleau, na aldeia de Barbizon, onde desenvolveu uma pintura da Natureza, em pleno ar livre, inaugurando a  pintura fora dos ateliers.   Clara ou Torcendo a Roupa, José Malhoa, 1903
Naturalismo e Realismo “ A pintura do século XIX fez sua primeira ruptura com a literatura quando, na pessoa de Coubert, fugiu do espírito para a matéria. Courbet, o primeiro verdadeiro pintor da vanguarda, tentou reduzir a sua arte a dados sensoriais imediatos, pintando unicamente o que os olhos podiam ver, como uma máquina sem o auxílio do espírito.”
Naturalismo e Realismo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Charneca de Belas,  Silva Porto
 
A Revolução Industrial foi um factor muito importante para o desenvolvimento da Arquitectura do Ferro no XIX  O desenvolvimento da indústria metalúrgica, têxtil, a máquina a vapor e as novas fontes de energia (electricidade e petróleo) caracterizam este crescente progresso que teve consequências a nível económico, tecnológico e sócio-cultural  Arquitectura do Ferro fundição belga
Os engenheiros eram portadores de maior preparação científico-técnica Foram eles que inovaram ao criarem novas infra-estruturas para produção e transportes: fábricas, armazéns, gares de caminho-de-ferro , mercados, pontes, pavilhões… Aproveitaram os novos equipamentos  e os novos materiais (tijolo cozido, ferro, vidro, aço, cimento armado e o betão)
 
[object Object],[object Object],Gustave Eiffel
Torre  Eiffel
Projectada por Gustave Eiffel em 1889; Foi relevante para a divulgação do uso do metal em construções. Edifício mais alto do mundo, com altura projectada em 300 metros. Foram feitos 5.300 desenhos, detalhando as 18.038 peças que compõe a torre.  O monumento foi construído para expor temporariamente a Feira Mundial, realizada naquele ano na capital francesa. Quase foi destruída em 1909 e só foi salva por ter sido descoberto o seu uso para transmissão de sinais de rádio.  Desde então, tornou-se um dos monumentos mais famosos do mundo. 
Estátua da Liberdade
Projectado por Joseph Paxton em 1851; o Arquitecto do Projecto foi o Inglês Thomas Dillen,  1861   Superfície coberta - equivalente a 3.300 colunas e 2.224 vigas de ferro que seriam vedadas com 300 mil placas de vidro); o Palácio de Cristal é formado por uma estrutura metálica e placas de vidro francês.  O Palácio de cristal de Londres é um dos exemplos de como a Revolução Industrial influenciou os estilos arquitectónicos. Foi destruído num incêndio, em 1936.  Palácio de Cristal, Londres
Características ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ponte de D. Luís I- Porto
Palácio de Cristal, Porto O Palácio de cristal do Porto foi construído por Thomas Dillen Jones, em ferro e vidro com a finalidade da exposição Industrial Internacional do Porto e da Península em 1865.
Ponte D. Maria Pia
O Elevador de Santa Justa é uma obra de arte concebida por um aprendiz de Gustave Eiffel e liga a Baixa ao Bairro Alto.  Abriu em 1902, altura em que funcionava a vapor, e em 1907 começou a trabalhar a energia eléctrica, sendo o único elevador vertical em Lisboa a prestar um serviço público. Feito inteiramente de ferro fundido e enriquecido com trabalhos em filigrana, o elevador dentro da torre sobe 45 metros e leva 45 pessoas em cada cabine (existem duas). Elevador de Santa Justa, Raoul Mesnier du Pousard, 1900-1901, Lisboa Arquitectura do Ferro em Portugal
Foi edificada no princípio do século XX, no Porto, no preciso local onde existiu o Convento de S. Bento de Avé-Maria. Daí o nome com que a estação foi baptizada. O átrio está revestido com vinte mil azulejos historiados, do pintor Jorge Colaço (1864-1942). É um dos mais notáveis empreendimentos artísticos que marcou o início do século. O edifício é do arquitecto Marques da Silva. Estação de São Bento, Porto
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
Expressionismo
 
MODERNISMO EM PORTUGAL
MODERNISMO EM PORTUGALMODERNISMO EM PORTUGAL
MODERNISMO EM PORTUGAL
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Arte - Romantismo
Arte - RomantismoArte - Romantismo
Arte - Romantismo
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Geração de 70
Geração de 70Geração de 70
Geração de 70
 

Semelhante a Realismo (20)

M8
M8M8
M8
 
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptxA 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
 
Cultura da Gare
Cultura da Gare Cultura da Gare
Cultura da Gare
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Cultura da gare
Cultura da gareCultura da gare
Cultura da gare
 
Novos
NovosNovos
Novos
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
Aula arte realista
Aula   arte realistaAula   arte realista
Aula arte realista
 
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 20122c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
A belle époque
A belle époqueA belle époque
A belle époque
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
História do Design - Mov Reforma - Hd04
História do Design - Mov Reforma - Hd04História do Design - Mov Reforma - Hd04
História do Design - Mov Reforma - Hd04
 
L'Art Nouveau
L'Art NouveauL'Art Nouveau
L'Art Nouveau
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
L'art nouveau
L'art nouveauL'art nouveau
L'art nouveau
 
Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03
 
Album de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAlbum de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao Design
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

Realismo

  • 2. “ Eu não posso pintar um anjo porque nunca vi nenhum. Mostrem-me um anjo e eu pintá-lo-ei.” Gustave Coubert
  • 3. Origem do Realismo O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do século XIX. A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano. Possuía um forte caráter ideológico, marcado por uma linguagem política e de denúncia dos problemas sociais como, por exemplo, miséria, pobreza, exploração, corrupção entre outros. Com uma linguagem clara, os artistas e escritores realistas iam diretamente ao foco da questão, reagindo, desta forma, ao subjetivismo do romantismo. Uma das correntes do realismo foi o naturalismo , onde a objetividade está presente,porém sem o conteúdo ideológico.
  • 4.  
  • 5.  
  • 6. Realismo • Movimento do Séc. XIX, que tem início mais ou menos na década de 30. • Tem como marco associado o aparecimento da Fotografia «(…) realizava-se uma série de descobrimentos científicos dos mais variados géneros, que fomentaram a eclosão de uma doutrina optimista: o do progresso social.» ... A Lavadeira, Honoré Daumier, 1863
  • 7. Realismo ...«Assim, como outrora o homem do romantismo sentia a nostalgia do passado , a partir de agora os ideais irão ser projectados para o futuro . Em vez de sonhar, como antes, com a melhoria utópica de uma vida que lhe aparecia como algo substancialmente imutável, o homem orienta agora as suas especulações a partir da realidade: torna-se realista »
  • 8. Realismo O Realismo é uma forma de expressão artística que procura reproduzir de forma mais ou menos evidente e naturalista o mundo e os objectos da realidade envolvente, surgindo de forma cíclica ao longo da história e tendo como grande impulsionadora a França. O Angelus, Jean-François Millet, 1858-1859
  • 9. Realismo Caracteriza-se por: • Pintura figurativa • Retratavam-se cenas reais • Não apenas as mais «belas» • Outras realidades, como a pobreza, as más condições de vida Marques D’Oliveira
  • 10. Retratavam degradação da parte «feia» da vida
  • 11. Naturalismo e Realismo No século XIX, o termo Realismo estava associado ao conceito de Naturalismo, corrente estética que reagiu contra o subjectivismo romântico e o idealismo classicista. As Respigadoras, Jean-François Millet, 1857
  • 12. Naturalismo e Realismo O interesse dos artistas pela realidade visível manifestou-se primeiramente em França com um grupo de pintores que, nos anos 30 do séc. XIX, abandonou a agitação urbana que então se vivia e o rigoroso academismo da época, para se instalar em plena Floresta de Fontainebleau, na aldeia de Barbizon, onde desenvolveu uma pintura da Natureza, em pleno ar livre, inaugurando a pintura fora dos ateliers. Clara ou Torcendo a Roupa, José Malhoa, 1903
  • 13. Naturalismo e Realismo “ A pintura do século XIX fez sua primeira ruptura com a literatura quando, na pessoa de Coubert, fugiu do espírito para a matéria. Courbet, o primeiro verdadeiro pintor da vanguarda, tentou reduzir a sua arte a dados sensoriais imediatos, pintando unicamente o que os olhos podiam ver, como uma máquina sem o auxílio do espírito.”
  • 14.
  • 15.  
  • 16. A Revolução Industrial foi um factor muito importante para o desenvolvimento da Arquitectura do Ferro no XIX O desenvolvimento da indústria metalúrgica, têxtil, a máquina a vapor e as novas fontes de energia (electricidade e petróleo) caracterizam este crescente progresso que teve consequências a nível económico, tecnológico e sócio-cultural Arquitectura do Ferro fundição belga
  • 17. Os engenheiros eram portadores de maior preparação científico-técnica Foram eles que inovaram ao criarem novas infra-estruturas para produção e transportes: fábricas, armazéns, gares de caminho-de-ferro , mercados, pontes, pavilhões… Aproveitaram os novos equipamentos e os novos materiais (tijolo cozido, ferro, vidro, aço, cimento armado e o betão)
  • 18.  
  • 19.
  • 21. Projectada por Gustave Eiffel em 1889; Foi relevante para a divulgação do uso do metal em construções. Edifício mais alto do mundo, com altura projectada em 300 metros. Foram feitos 5.300 desenhos, detalhando as 18.038 peças que compõe a torre. O monumento foi construído para expor temporariamente a Feira Mundial, realizada naquele ano na capital francesa. Quase foi destruída em 1909 e só foi salva por ter sido descoberto o seu uso para transmissão de sinais de rádio. Desde então, tornou-se um dos monumentos mais famosos do mundo. 
  • 23. Projectado por Joseph Paxton em 1851; o Arquitecto do Projecto foi o Inglês Thomas Dillen, 1861 Superfície coberta - equivalente a 3.300 colunas e 2.224 vigas de ferro que seriam vedadas com 300 mil placas de vidro); o Palácio de Cristal é formado por uma estrutura metálica e placas de vidro francês. O Palácio de cristal de Londres é um dos exemplos de como a Revolução Industrial influenciou os estilos arquitectónicos. Foi destruído num incêndio, em 1936.  Palácio de Cristal, Londres
  • 24.
  • 25.
  • 26. Ponte de D. Luís I- Porto
  • 27. Palácio de Cristal, Porto O Palácio de cristal do Porto foi construído por Thomas Dillen Jones, em ferro e vidro com a finalidade da exposição Industrial Internacional do Porto e da Península em 1865.
  • 29. O Elevador de Santa Justa é uma obra de arte concebida por um aprendiz de Gustave Eiffel e liga a Baixa ao Bairro Alto. Abriu em 1902, altura em que funcionava a vapor, e em 1907 começou a trabalhar a energia eléctrica, sendo o único elevador vertical em Lisboa a prestar um serviço público. Feito inteiramente de ferro fundido e enriquecido com trabalhos em filigrana, o elevador dentro da torre sobe 45 metros e leva 45 pessoas em cada cabine (existem duas). Elevador de Santa Justa, Raoul Mesnier du Pousard, 1900-1901, Lisboa Arquitectura do Ferro em Portugal
  • 30. Foi edificada no princípio do século XX, no Porto, no preciso local onde existiu o Convento de S. Bento de Avé-Maria. Daí o nome com que a estação foi baptizada. O átrio está revestido com vinte mil azulejos historiados, do pintor Jorge Colaço (1864-1942). É um dos mais notáveis empreendimentos artísticos que marcou o início do século. O edifício é do arquitecto Marques da Silva. Estação de São Bento, Porto
  • 31.