SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
Redes de Cooperação:
Unindo forças para competitividade


    Virgilio Ferreira Marques dos Santos
    FM2S
    Campinas, SP
    virgilioms@gmail.com

    Campinas, 14 de outubro de 2009
Agenda

• Apresentação

• Porque participar de um rede

• Exposição do conceito de formação de redes

• Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul




                                                          2
Agenda

• Apresentação

• Porque participar de um rede

• Exposição do conceito de formação de redes

• Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul




                                                          3
Apresentação
•   Formação:
     – Engenharia Mecânica, 2006

     – Mestrado em Engenharia, 2009

•   Experiência Profissional:

     – 2006:

     – 2007:

     – 2008:

     – Atualmente:
     – Doutorando em Engenharia Mecânica, Processos e Fabricação (2013)

                                                                          4
Agenda

• Apresentação

• Porque participar de um rede

• Exposição do conceito de formação de redes

• Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul




                                                          5
Porque participar de uma rede de cooperação?

  Objetivo principal:


“promover estratégias empresariais conjuntas na forma de
redes de cooperação, a colaboração mútua entre
empreendimentos e instituições e o fomento a uma maior
integração entre as diversas esferas da sociedade”
Porque participar de uma rede de cooperação?
As vantagens:


 •Acesso a soluções;

 •Escala e poder de mercado;

 •Aprendizagem e inovação;

 •Relações sociais;

 •Redução de custos e riscos.
Porque participar de uma rede de cooperação?
As vantagens:


 •Acesso a soluções;

 •Escala e poder de mercado;

 •Aprendizagem e inovação;

 •Relações sociais;

 •Redução de custos e riscos.
Porque participar de uma rede de cooperação?
Acesso a soluções:

 •As redes são meios de minimizar as dificuldades individuais
 mediante a soluções compartilhadas;
 •Permite compartilhar infra-estruturas de suporte;
 •Cursos e treinamentos;
 •Consultorias;

 A rede permite acesso a serviços antes restritos a grandes
 empresas
Porque participar de uma rede de cooperação?
As vantagens:


 •Acesso a soluções;

 •Escala e poder de mercado;

 •Aprendizagem e inovação;

 •Relações sociais;

 •Redução de custos e riscos.
Porque participar de uma rede de cooperação?
Escala e poder de mercado:

 •Vantagens de escala nas relações com fornecedores e clientes;
 •Permite a criação de uma marca com maior credibilidade em
 seu ambiente de negócios;
 •Melhores negociações;
 •Ações com maior impacto nos mercados consumidores;

 A rede permite que se unam forças e assim, tornar-se
 coletivamente, maior
Porque participar de uma rede de cooperação?
As vantagens:


 •Acesso a soluções;

 •Escala e poder de mercado;

 •Aprendizagem e inovação;

 •Relações sociais;

 •Redução de custos e riscos.
Porque participar de uma rede de cooperação?
Aprendizagem e inovação:

 •Socialização de informações e implantação de práticas de
 melhorias conjuntas;
 •Criação de um ambiente favorável à aprendizagem
 organizacional e às inovações;



 A rede permite aos seus integrantes, beneficiarem-se
 diretamente da aprendizagem e inovação coletivas.
Porque participar de uma rede de cooperação?
As vantagens:


 •Acesso a soluções;

 •Escala e poder de mercado;

 •Aprendizagem e inovação;

 •Relações sociais;

 •Redução de custos e riscos.
Porque participar de uma rede de cooperação?
Relações Sociais:

 •Valorização das relações pessoais e de benefícios intangíveis e não-
 econômicos;
 •Desenvolvimento de relações sociais permanentes, gerando
 sentimento comunitário e sólidos laços de confiança;

 A rede permite a formação de grupo social com relações além daquelas
 puramente econômicas, o que inibe ações de empresários oportunistas
 e desleais, principalmente no início da rede.
Porque participar de uma rede de cooperação?
As vantagens:


 •Acesso a soluções;

 •Escala e poder de mercado;

 •Aprendizagem e inovação;

 •Relações sociais;

 •Redução de custos e riscos.
Porque participar de uma rede de cooperação?
Redução de custos e riscos:

 •Elevação da lucratividade e rentabilidade, através da reduções
 de custos diversos, tais como produção, transação, informação e
 resolução de conflitos;
 •Redução dos riscos de ações complexas, como ações conjuntas
 de marketing;

 A rede permite acesso a recursos não-existentes na empresa,
 disponíveis somente na rede
Agenda

• Apresentação

• Porque participar de um rede

• Exposição do conceito de formação de redes

• Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul




                                                          18
Introdução ao Conceito de Formação das Redes



                  Programa Redes de Cooperação
                          de Campinas




 Metodologia:              Estrutura de
  Formação;                 suporte à
                                                   Entidade de
 Consolidação;             implantação
                                                   coordenação
 Expansão das             do modelo de
    redes                      rede




Teoria de Redes          FM2S                    Governo / Classe
Introdução ao Conceito de Formação das Redes

  Qual é a metodologia de trabalho?


                  •Exposição da idéia ao público alvo;
                  •Disponibilização de instrumentos para a formação da rede;
                  •Definição de um plano de atuação conjunta das empresas;
                  •Apresentação da rede aos fornecedores e consumidores;
 Metodologia
                  •Execução pelos empresários das ações previstas no plano
                  operacional da rede;
                  •Análise dos objetivos alcançados;
                  •Execução de um planejamento de longo prazo para o
                  desenvolvimento da rede.
Teoria de Redes
Introdução ao Conceito de Formação das Redes

Como formar uma rede de cooperação empresarial?


              •Diagnosticar pontos      comuns entre as empresas e as
              possibilidades de ação em conjunto;
              •Elencar os objetivos prioritários do grupo;
              •Auxiliar na formação legal da rede, disponibilizando a
Formação
              documentação jurídica e resolvendo quaisquer dúvidas do
              processo, caso seja necessário.
Introdução ao Conceito de Formação das Redes

 Como consolidar uma rede de cooperação empresarial?


               •Desenvolver, em conjunto com as empresas, um planejamento
               operacional de atuação no curto e médio prazos, através do
               qual os objetivos da rede serão perseguidos;
               •Acompanhar, durante 12 meses, as ações empreendidas pelos
Consolidação
               empresários, para o alcance das metas previstas no
               planejamento da rede;
               •Criar e atualizar o planejamento estratégico de longo prazo da
               rede;
Introdução ao Conceito de Formação das Redes

 Como é composta estrutura de suporte à implantação?


                 •FM2S – Consultoria de apoio para instrumentalização
                 estratégica da metodologia, fornecendo consultores para
                 auxiliar na superação de conflitos e na motivação dos
  Estrutura de
   suporte à     envolvidos;
implantação do
   modelo de
      rede
Introdução ao Conceito de Formação das Redes

 Qual é o papel da entidade coordenadora na rede?


                •Aumentar    a   competitividade    das   pequenas       empresas
                fomentando o desenvolvimento regional;
                •Criar   e   disponibilizar   instrumentos   para    o     melhor

Entidade de     desenvolvimento das redes, por exemplo, cursos de capacitação
coordenação     para os empreendedores, auxiliando no nivelamento do
                conhecimento entre eles, facilitando a cooperação;
                •Aproximar a rede de outras instituições, facilitando a
                participação em feiras, bem como negociando linhas de crédito
                em condições melhores, graças ao menor risco de inadimplência
                em empréstimos às empresas organizadas em rede.
Introdução ao Conceito de Formação das Redes

Quais os pontos de atenção?


               •Mentalidade individualista do empreendedor que, na maioria
               dos casos, “se faz sozinho”, ou seja, cresce a partir do seu
               próprio esforço contando com a ajuda de poucos;
               •Baixo acúmulo de capital social:“A habilidade para se associar
               depende do grau que as comunidades compartilham normas e
               valores e são capazes de subordinar os interesses individuais aos
               coletivos”;
Introdução ao Conceito de Formação das Redes

Como superar as dificuldades iniciais?


                •Transformação cultural;
                •Construção de uma sociedade sustentada em valores distintos,
                centrados na solidariedade, na união e na colaboração;
                •Estimular os relacionamentos entre os diferentes atores sociais
                através   da   inserção    da   sociedade   civil   na   definição,
                detalhamento e, principalmente, implementação e avaliação de
                ações empreendidas coletivamente;
                •Estimular a tomada de decisão coletiva;
                •Divulgação dos resultados obtidos com as redes piloto;
Introdução ao Conceito de Formação das Redes

Porque utilizar as redes, como nova abordagem de auxílio a MPEs de
Campinas?
               •Programas tradicionais, enfocam individualmente as
               dificuldades, levando soluções como crédito e capacitação
               gerencial para que as empresas possam competir e crescer
               isoladamente;
               •A idéia de redes focaliza o crescimento não como uma
               eficiência individual e sim coletiva, baseada na união de
               esforços e na cooperação entre os agentes;
               •Possibilita que os obstáculos particulares de cada pequena
               empresa possam ser superados a partir da ação conjunta,
               possibilitando a realização de ações como o marketing
               compartilhado, investimentos conjuntos e suporte à exportação
               que, de forma isolada, seriam impossíveis.
Agenda

• Apresentação

• Porque participar de um rede

• Exposição do conceito de formação de redes

• Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul




                                                          28
Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI RS

     “No somatório de atividades desde seu início no ano 2000, constituímos e
     apoiamos mais de 220 Redes de Cooperação, com um total de 4.700 empresas
     integradas, gerando e/ou mantendo mais de 61.100 postos de trabalho diretos
     e alcançando em conjunto um faturamento anual superior a R$
     5.000.000.000.”

                 •Aumento médio no faturamento das empresas: 26,51%
                 •Aumento médio no número de empregos: 36,73%
                 •Aumento médio nos investimentos: 30,95%
                 •Aumento médio no recolhimento dos impostos: 26,59%
                 •Redução média dos custos: 13,38%



* Fonte: Pesquisa realizada pelo CPP-Feevale (Centro de Pesquisas e Planejamento, em
novembro de 2006)
Benefícios obtidos pelo PRC – SEDAI RS

•ganhos de credibilidade no mercado, redimensionando a importância da empresa em
seu ambiente comercial;
•novas possibilidades de relacionamentos empresariais, com Universidades, agências
estatais e instituições tecnológicas que pequenas empresas não conseguem
estabelecer;
•valorização de marcas, lançamento de produtos diferenciados e marketing
compartilhado;
•redução de custos de produção e riscos de investimento, com compras conjuntas de
mercadorias, materiais de expediente, máquinas e equipamentos e acesso a grandes
marcas;
•normatização de procedimentos e certificações;
•aumento da produtividade e redução da ociosidade;
Benefícios obtidos pelo PRC – SEDAI RS

•contratação de novos empregados e manutenção de postos de trabalho;
•capacitação gerencial e qualificação profissional;
•assessoramento e consultorias em diversas áreas, proporcionando o conhecimento
de novos conceitos, métodos e estilos de gestão;
•abertura e consolidação de mercados com estruturas de comercialização nacionais e
internacionais;
•organização dos negócios a partir de planejamento estratégico e da gestão conjunta;
•ampliação da escala produtiva e atendimento de grandes pedidos através da
produção conjunta;
•troca de informações e experiências;
•aumento da motivação e confiança no negócio;
•facilitação do acesso ao crédito, através de ações de investimentos
Redes de cooperação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAlexandre Conte
 
Estratégia competitiva de Michael Porter
Estratégia competitiva de Michael PorterEstratégia competitiva de Michael Porter
Estratégia competitiva de Michael PorterThiago Rocha
 
Fatores que influenciam o comportamento do consumidor
Fatores que influenciam o comportamento do consumidorFatores que influenciam o comportamento do consumidor
Fatores que influenciam o comportamento do consumidorCésar William
 
Ciclo de vida de um produto
Ciclo de vida de um produtoCiclo de vida de um produto
Ciclo de vida de um produtoVasco Andorinha
 
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06   qs - garantia da qualidade de swAula 06   qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06 qs - garantia da qualidade de swJunior Gomes
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalCarlos Alves
 
ADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesGabriel Faustino
 
Sistemas de Informações - Aula 07: Sistemas de Processamento de Transações (SPT)
Sistemas de Informações - Aula 07: Sistemas de Processamento de Transações (SPT)Sistemas de Informações - Aula 07: Sistemas de Processamento de Transações (SPT)
Sistemas de Informações - Aula 07: Sistemas de Processamento de Transações (SPT)Marcus Araújo
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacionalMichael Silva
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organizaçãoRobson Costa
 

Mais procurados (20)

Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Estratégia competitiva de Michael Porter
Estratégia competitiva de Michael PorterEstratégia competitiva de Michael Porter
Estratégia competitiva de Michael Porter
 
Fatores que influenciam o comportamento do consumidor
Fatores que influenciam o comportamento do consumidorFatores que influenciam o comportamento do consumidor
Fatores que influenciam o comportamento do consumidor
 
Ciclo de vida de um produto
Ciclo de vida de um produtoCiclo de vida de um produto
Ciclo de vida de um produto
 
Exercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABCExercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABC
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Aula Compras
Aula ComprasAula Compras
Aula Compras
 
Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000
 
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06   qs - garantia da qualidade de swAula 06   qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
ADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizaçõesADM - Introdução à administração e às organizações
ADM - Introdução à administração e às organizações
 
Decisão de Compra
Decisão de CompraDecisão de Compra
Decisão de Compra
 
Sistemas de Informações - Aula 07: Sistemas de Processamento de Transações (SPT)
Sistemas de Informações - Aula 07: Sistemas de Processamento de Transações (SPT)Sistemas de Informações - Aula 07: Sistemas de Processamento de Transações (SPT)
Sistemas de Informações - Aula 07: Sistemas de Processamento de Transações (SPT)
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Aula 10 bsc
Aula 10   bscAula 10   bsc
Aula 10 bsc
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Exercicios marketing estratégico
Exercicios marketing estratégicoExercicios marketing estratégico
Exercicios marketing estratégico
 
Gestão Estratégica
Gestão EstratégicaGestão Estratégica
Gestão Estratégica
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
 

Destaque

Redes publicas de_cooperacao_gpm_miolo_grafica_27-01-11_1_
Redes publicas de_cooperacao_gpm_miolo_grafica_27-01-11_1_Redes publicas de_cooperacao_gpm_miolo_grafica_27-01-11_1_
Redes publicas de_cooperacao_gpm_miolo_grafica_27-01-11_1_refugiodosanjos
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Anaí Peña
 
COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?
COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?
COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?Sandra Cristina Ramos
 
Redes De Cooperacao
Redes De CooperacaoRedes De Cooperacao
Redes De CooperacaoJoão Lima
 
Crónica dos Bons Malandros de Mário Zambujal realizado por Filipe Feijão
Crónica dos Bons Malandros de Mário Zambujal realizado por Filipe FeijãoCrónica dos Bons Malandros de Mário Zambujal realizado por Filipe Feijão
Crónica dos Bons Malandros de Mário Zambujal realizado por Filipe Feijão12anogolega
 
Redes de Cooperação - AGRECI
Redes de Cooperação - AGRECIRedes de Cooperação - AGRECI
Redes de Cooperação - AGRECIguestc0fa22
 
A FORMAÇÃO DE REDES DE COOPERAÇÃO POR MEIO DE APLS-PROGREDIR: UMA INOVAÇÃO ...
A FORMAÇÃO DE REDES DE COOPERAÇÃO  POR MEIO DE APLS-PROGREDIR:  UMA INOVAÇÃO ...A FORMAÇÃO DE REDES DE COOPERAÇÃO  POR MEIO DE APLS-PROGREDIR:  UMA INOVAÇÃO ...
A FORMAÇÃO DE REDES DE COOPERAÇÃO POR MEIO DE APLS-PROGREDIR: UMA INOVAÇÃO ...Karlla Costa
 
Desenvolvimento novo produto
Desenvolvimento novo produto   Desenvolvimento novo produto
Desenvolvimento novo produto Flávia Natalia
 
Introdução à economia troster e monchón cap 2
Introdução à economia troster e monchón cap 2Introdução à economia troster e monchón cap 2
Introdução à economia troster e monchón cap 2Claudia Sá de Moura
 
04 foundation and_history_of_the_pdsa_cycle_rmcln_10_23_09
04 foundation and_history_of_the_pdsa_cycle_rmcln_10_23_0904 foundation and_history_of_the_pdsa_cycle_rmcln_10_23_09
04 foundation and_history_of_the_pdsa_cycle_rmcln_10_23_09Virgilio Marques dos Santos, Dr.
 
Economia industrial
Economia industrialEconomia industrial
Economia industrialR D
 
Aula 10 Arranjo FíSico ContinuaçãO
Aula 10 Arranjo FíSico   ContinuaçãOAula 10 Arranjo FíSico   ContinuaçãO
Aula 10 Arranjo FíSico ContinuaçãOguesteb91dafb
 
Desporto De Alta CompetiçãO
Desporto De Alta CompetiçãODesporto De Alta CompetiçãO
Desporto De Alta CompetiçãOdesportoac
 

Destaque (20)

Redes de cooperação
Redes de cooperaçãoRedes de cooperação
Redes de cooperação
 
Redes publicas de_cooperacao_gpm_miolo_grafica_27-01-11_1_
Redes publicas de_cooperacao_gpm_miolo_grafica_27-01-11_1_Redes publicas de_cooperacao_gpm_miolo_grafica_27-01-11_1_
Redes publicas de_cooperacao_gpm_miolo_grafica_27-01-11_1_
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
 
COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?
COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?
COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?
 
Redes De Cooperacao
Redes De CooperacaoRedes De Cooperacao
Redes De Cooperacao
 
Tendências da cooperação
Tendências da cooperaçãoTendências da cooperação
Tendências da cooperação
 
Crónica dos Bons Malandros de Mário Zambujal realizado por Filipe Feijão
Crónica dos Bons Malandros de Mário Zambujal realizado por Filipe FeijãoCrónica dos Bons Malandros de Mário Zambujal realizado por Filipe Feijão
Crónica dos Bons Malandros de Mário Zambujal realizado por Filipe Feijão
 
Redes de Cooperação - AGRECI
Redes de Cooperação - AGRECIRedes de Cooperação - AGRECI
Redes de Cooperação - AGRECI
 
A FORMAÇÃO DE REDES DE COOPERAÇÃO POR MEIO DE APLS-PROGREDIR: UMA INOVAÇÃO ...
A FORMAÇÃO DE REDES DE COOPERAÇÃO  POR MEIO DE APLS-PROGREDIR:  UMA INOVAÇÃO ...A FORMAÇÃO DE REDES DE COOPERAÇÃO  POR MEIO DE APLS-PROGREDIR:  UMA INOVAÇÃO ...
A FORMAÇÃO DE REDES DE COOPERAÇÃO POR MEIO DE APLS-PROGREDIR: UMA INOVAÇÃO ...
 
Cooperação
CooperaçãoCooperação
Cooperação
 
Eap proj prod
Eap proj prodEap proj prod
Eap proj prod
 
Institucional_FM2S_
Institucional_FM2S_Institucional_FM2S_
Institucional_FM2S_
 
Cuidado com o Papo de Palestrante
Cuidado com o Papo de PalestranteCuidado com o Papo de Palestrante
Cuidado com o Papo de Palestrante
 
Desenvolvimento novo produto
Desenvolvimento novo produto   Desenvolvimento novo produto
Desenvolvimento novo produto
 
Introdução à economia troster e monchón cap 2
Introdução à economia troster e monchón cap 2Introdução à economia troster e monchón cap 2
Introdução à economia troster e monchón cap 2
 
04 foundation and_history_of_the_pdsa_cycle_rmcln_10_23_09
04 foundation and_history_of_the_pdsa_cycle_rmcln_10_23_0904 foundation and_history_of_the_pdsa_cycle_rmcln_10_23_09
04 foundation and_history_of_the_pdsa_cycle_rmcln_10_23_09
 
Economia industrial
Economia industrialEconomia industrial
Economia industrial
 
Desenvolvimento de Produto
Desenvolvimento de ProdutoDesenvolvimento de Produto
Desenvolvimento de Produto
 
Aula 10 Arranjo FíSico ContinuaçãO
Aula 10 Arranjo FíSico   ContinuaçãOAula 10 Arranjo FíSico   ContinuaçãO
Aula 10 Arranjo FíSico ContinuaçãO
 
Desporto De Alta CompetiçãO
Desporto De Alta CompetiçãODesporto De Alta CompetiçãO
Desporto De Alta CompetiçãO
 

Semelhante a Redes de cooperação

redesdecooperao-110815090859-phpapp02.pptx
redesdecooperao-110815090859-phpapp02.pptxredesdecooperao-110815090859-phpapp02.pptx
redesdecooperao-110815090859-phpapp02.pptxRicardodeQueirozMach
 
Redes interorganizacionais
Redes interorganizacionais Redes interorganizacionais
Redes interorganizacionais Karlla Costa
 
Global virtual collaboration resumido
Global virtual collaboration resumidoGlobal virtual collaboration resumido
Global virtual collaboration resumidoCentrical
 
CNO - Chief Networking Officer - PT
CNO - Chief Networking Officer - PTCNO - Chief Networking Officer - PT
CNO - Chief Networking Officer - PTCNO University
 
CNO - Chief Networking Officer - PT
CNO - Chief Networking Officer - PTCNO - Chief Networking Officer - PT
CNO - Chief Networking Officer - PTCNO Cartoon
 
O que há de mais eficaz em tecnologia para portais corporativos e Intranets ...
O que há de mais eficaz em tecnologia para portais corporativos  e Intranets ...O que há de mais eficaz em tecnologia para portais corporativos  e Intranets ...
O que há de mais eficaz em tecnologia para portais corporativos e Intranets ...Carlos Henrique Carvalho
 
Inovação na era da colaboratividade
Inovação na era da colaboratividadeInovação na era da colaboratividade
Inovação na era da colaboratividadeABGI Brasil
 
Marketing associativo - CNC
Marketing associativo - CNCMarketing associativo - CNC
Marketing associativo - CNCCNC
 
A importância das redes sociais para a comunicação
A importância das redes sociais para a comunicaçãoA importância das redes sociais para a comunicação
A importância das redes sociais para a comunicaçãoDanielmendesGO
 
A importância das redes
A importância das redesA importância das redes
A importância das redesIDEMER2017
 
Dheka - Apresentacao Institucional
Dheka - Apresentacao InstitucionalDheka - Apresentacao Institucional
Dheka - Apresentacao Institucionaldheka
 
Trii - Apresentacao Institucional
Trii - Apresentacao InstitucionalTrii - Apresentacao Institucional
Trii - Apresentacao InstitucionalTrii
 

Semelhante a Redes de cooperação (20)

redesdecooperao-110815090859-phpapp02.pptx
redesdecooperao-110815090859-phpapp02.pptxredesdecooperao-110815090859-phpapp02.pptx
redesdecooperao-110815090859-phpapp02.pptx
 
Redes setur
Redes   setur Redes   setur
Redes setur
 
Redes interorganizacionais
Redes interorganizacionais Redes interorganizacionais
Redes interorganizacionais
 
Redes de cooperação
Redes de cooperaçãoRedes de cooperação
Redes de cooperação
 
Resultados do Programa DI 2012/13
Resultados do Programa DI 2012/13Resultados do Programa DI 2012/13
Resultados do Programa DI 2012/13
 
Projeto Desenvolva
Projeto DesenvolvaProjeto Desenvolva
Projeto Desenvolva
 
Global virtual collaboration resumido
Global virtual collaboration resumidoGlobal virtual collaboration resumido
Global virtual collaboration resumido
 
CNO - Chief Networking Officer - PT
CNO - Chief Networking Officer - PTCNO - Chief Networking Officer - PT
CNO - Chief Networking Officer - PT
 
CNO - Chief Networking Officer - PT
CNO - Chief Networking Officer - PTCNO - Chief Networking Officer - PT
CNO - Chief Networking Officer - PT
 
O que há de mais eficaz em tecnologia para portais corporativos e Intranets ...
O que há de mais eficaz em tecnologia para portais corporativos  e Intranets ...O que há de mais eficaz em tecnologia para portais corporativos  e Intranets ...
O que há de mais eficaz em tecnologia para portais corporativos e Intranets ...
 
Inovação na era da colaboratividade
Inovação na era da colaboratividadeInovação na era da colaboratividade
Inovação na era da colaboratividade
 
SBGC - Projeto Rede de Melhoria de Gestao - Petrobras
SBGC  - Projeto Rede de Melhoria de Gestao - PetrobrasSBGC  - Projeto Rede de Melhoria de Gestao - Petrobras
SBGC - Projeto Rede de Melhoria de Gestao - Petrobras
 
Marketing associativo - CNC
Marketing associativo - CNCMarketing associativo - CNC
Marketing associativo - CNC
 
A importância das redes sociais para a comunicação
A importância das redes sociais para a comunicaçãoA importância das redes sociais para a comunicação
A importância das redes sociais para a comunicação
 
Programa de Desenvolvimento Institucional
Programa de Desenvolvimento InstitucionalPrograma de Desenvolvimento Institucional
Programa de Desenvolvimento Institucional
 
A importância das redes
A importância das redesA importância das redes
A importância das redes
 
Dheka - Apresentacao Institucional
Dheka - Apresentacao InstitucionalDheka - Apresentacao Institucional
Dheka - Apresentacao Institucional
 
Trii - Apresentacao Institucional
Trii - Apresentacao InstitucionalTrii - Apresentacao Institucional
Trii - Apresentacao Institucional
 
Capitulo9
Capitulo9Capitulo9
Capitulo9
 
GTi Engenharia Jr - Apresentação Institucional 2015
GTi Engenharia Jr - Apresentação Institucional 2015GTi Engenharia Jr - Apresentação Institucional 2015
GTi Engenharia Jr - Apresentação Institucional 2015
 

Mais de Virgilio Marques dos Santos, Dr. (13)

Tese_doutorado_Virgilio
Tese_doutorado_VirgilioTese_doutorado_Virgilio
Tese_doutorado_Virgilio
 
Formulário de feedback
Formulário de feedbackFormulário de feedback
Formulário de feedback
 
Como organizar a rotina
Como organizar a rotinaComo organizar a rotina
Como organizar a rotina
 
Aplicação do Modelo de Melhoria na Área da Saúde
Aplicação do Modelo de Melhoria na Área da SaúdeAplicação do Modelo de Melhoria na Área da Saúde
Aplicação do Modelo de Melhoria na Área da Saúde
 
Como fazer um gráfico de pareto no excel - Passo a Passo
Como fazer um gráfico de pareto no excel - Passo a PassoComo fazer um gráfico de pareto no excel - Passo a Passo
Como fazer um gráfico de pareto no excel - Passo a Passo
 
Desenvolvimento de Produto
Desenvolvimento de ProdutoDesenvolvimento de Produto
Desenvolvimento de Produto
 
Canvas de modelo de negócios
Canvas de modelo de negóciosCanvas de modelo de negócios
Canvas de modelo de negócios
 
Como criar um mapa de processos da sua empresa
Como criar um mapa de processos da sua empresaComo criar um mapa de processos da sua empresa
Como criar um mapa de processos da sua empresa
 
Fm2 s curso completo gestão de projetos
Fm2 s  curso completo gestão de projetosFm2 s  curso completo gestão de projetos
Fm2 s curso completo gestão de projetos
 
Fm2 s aula 1 - gestão de projeto - núcleo e-js
Fm2 s  aula 1 - gestão de projeto - núcleo e-jsFm2 s  aula 1 - gestão de projeto - núcleo e-js
Fm2 s aula 1 - gestão de projeto - núcleo e-js
 
Fm2 s portfolio
Fm2 s   portfolioFm2 s   portfolio
Fm2 s portfolio
 
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS ...
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS ...GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS ...
GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS ...
 
Tomada de decisão 1
Tomada de decisão 1Tomada de decisão 1
Tomada de decisão 1
 

Último

Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...E-Commerce Brasil
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfReinerModro
 
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIAMERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIARAFAELREBELO13
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdflucianatorresdemelo
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxvaniapatriciapimente
 
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptxsistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptxCarladeOliveira25
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxEduardoRodriguesOliv2
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...E-Commerce Brasil
 

Último (12)

Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIAMERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptxsistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
 

Redes de cooperação

  • 1. Redes de Cooperação: Unindo forças para competitividade Virgilio Ferreira Marques dos Santos FM2S Campinas, SP virgilioms@gmail.com Campinas, 14 de outubro de 2009
  • 2. Agenda • Apresentação • Porque participar de um rede • Exposição do conceito de formação de redes • Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul 2
  • 3. Agenda • Apresentação • Porque participar de um rede • Exposição do conceito de formação de redes • Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul 3
  • 4. Apresentação • Formação: – Engenharia Mecânica, 2006 – Mestrado em Engenharia, 2009 • Experiência Profissional: – 2006: – 2007: – 2008: – Atualmente: – Doutorando em Engenharia Mecânica, Processos e Fabricação (2013) 4
  • 5. Agenda • Apresentação • Porque participar de um rede • Exposição do conceito de formação de redes • Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul 5
  • 6. Porque participar de uma rede de cooperação? Objetivo principal: “promover estratégias empresariais conjuntas na forma de redes de cooperação, a colaboração mútua entre empreendimentos e instituições e o fomento a uma maior integração entre as diversas esferas da sociedade”
  • 7. Porque participar de uma rede de cooperação? As vantagens: •Acesso a soluções; •Escala e poder de mercado; •Aprendizagem e inovação; •Relações sociais; •Redução de custos e riscos.
  • 8. Porque participar de uma rede de cooperação? As vantagens: •Acesso a soluções; •Escala e poder de mercado; •Aprendizagem e inovação; •Relações sociais; •Redução de custos e riscos.
  • 9. Porque participar de uma rede de cooperação? Acesso a soluções: •As redes são meios de minimizar as dificuldades individuais mediante a soluções compartilhadas; •Permite compartilhar infra-estruturas de suporte; •Cursos e treinamentos; •Consultorias; A rede permite acesso a serviços antes restritos a grandes empresas
  • 10. Porque participar de uma rede de cooperação? As vantagens: •Acesso a soluções; •Escala e poder de mercado; •Aprendizagem e inovação; •Relações sociais; •Redução de custos e riscos.
  • 11. Porque participar de uma rede de cooperação? Escala e poder de mercado: •Vantagens de escala nas relações com fornecedores e clientes; •Permite a criação de uma marca com maior credibilidade em seu ambiente de negócios; •Melhores negociações; •Ações com maior impacto nos mercados consumidores; A rede permite que se unam forças e assim, tornar-se coletivamente, maior
  • 12. Porque participar de uma rede de cooperação? As vantagens: •Acesso a soluções; •Escala e poder de mercado; •Aprendizagem e inovação; •Relações sociais; •Redução de custos e riscos.
  • 13. Porque participar de uma rede de cooperação? Aprendizagem e inovação: •Socialização de informações e implantação de práticas de melhorias conjuntas; •Criação de um ambiente favorável à aprendizagem organizacional e às inovações; A rede permite aos seus integrantes, beneficiarem-se diretamente da aprendizagem e inovação coletivas.
  • 14. Porque participar de uma rede de cooperação? As vantagens: •Acesso a soluções; •Escala e poder de mercado; •Aprendizagem e inovação; •Relações sociais; •Redução de custos e riscos.
  • 15. Porque participar de uma rede de cooperação? Relações Sociais: •Valorização das relações pessoais e de benefícios intangíveis e não- econômicos; •Desenvolvimento de relações sociais permanentes, gerando sentimento comunitário e sólidos laços de confiança; A rede permite a formação de grupo social com relações além daquelas puramente econômicas, o que inibe ações de empresários oportunistas e desleais, principalmente no início da rede.
  • 16. Porque participar de uma rede de cooperação? As vantagens: •Acesso a soluções; •Escala e poder de mercado; •Aprendizagem e inovação; •Relações sociais; •Redução de custos e riscos.
  • 17. Porque participar de uma rede de cooperação? Redução de custos e riscos: •Elevação da lucratividade e rentabilidade, através da reduções de custos diversos, tais como produção, transação, informação e resolução de conflitos; •Redução dos riscos de ações complexas, como ações conjuntas de marketing; A rede permite acesso a recursos não-existentes na empresa, disponíveis somente na rede
  • 18. Agenda • Apresentação • Porque participar de um rede • Exposição do conceito de formação de redes • Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul 18
  • 19. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Programa Redes de Cooperação de Campinas Metodologia: Estrutura de Formação; suporte à Entidade de Consolidação; implantação coordenação Expansão das do modelo de redes rede Teoria de Redes FM2S Governo / Classe
  • 20. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Qual é a metodologia de trabalho? •Exposição da idéia ao público alvo; •Disponibilização de instrumentos para a formação da rede; •Definição de um plano de atuação conjunta das empresas; •Apresentação da rede aos fornecedores e consumidores; Metodologia •Execução pelos empresários das ações previstas no plano operacional da rede; •Análise dos objetivos alcançados; •Execução de um planejamento de longo prazo para o desenvolvimento da rede. Teoria de Redes
  • 21. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Como formar uma rede de cooperação empresarial? •Diagnosticar pontos comuns entre as empresas e as possibilidades de ação em conjunto; •Elencar os objetivos prioritários do grupo; •Auxiliar na formação legal da rede, disponibilizando a Formação documentação jurídica e resolvendo quaisquer dúvidas do processo, caso seja necessário.
  • 22. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Como consolidar uma rede de cooperação empresarial? •Desenvolver, em conjunto com as empresas, um planejamento operacional de atuação no curto e médio prazos, através do qual os objetivos da rede serão perseguidos; •Acompanhar, durante 12 meses, as ações empreendidas pelos Consolidação empresários, para o alcance das metas previstas no planejamento da rede; •Criar e atualizar o planejamento estratégico de longo prazo da rede;
  • 23. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Como é composta estrutura de suporte à implantação? •FM2S – Consultoria de apoio para instrumentalização estratégica da metodologia, fornecendo consultores para auxiliar na superação de conflitos e na motivação dos Estrutura de suporte à envolvidos; implantação do modelo de rede
  • 24. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Qual é o papel da entidade coordenadora na rede? •Aumentar a competitividade das pequenas empresas fomentando o desenvolvimento regional; •Criar e disponibilizar instrumentos para o melhor Entidade de desenvolvimento das redes, por exemplo, cursos de capacitação coordenação para os empreendedores, auxiliando no nivelamento do conhecimento entre eles, facilitando a cooperação; •Aproximar a rede de outras instituições, facilitando a participação em feiras, bem como negociando linhas de crédito em condições melhores, graças ao menor risco de inadimplência em empréstimos às empresas organizadas em rede.
  • 25. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Quais os pontos de atenção? •Mentalidade individualista do empreendedor que, na maioria dos casos, “se faz sozinho”, ou seja, cresce a partir do seu próprio esforço contando com a ajuda de poucos; •Baixo acúmulo de capital social:“A habilidade para se associar depende do grau que as comunidades compartilham normas e valores e são capazes de subordinar os interesses individuais aos coletivos”;
  • 26. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Como superar as dificuldades iniciais? •Transformação cultural; •Construção de uma sociedade sustentada em valores distintos, centrados na solidariedade, na união e na colaboração; •Estimular os relacionamentos entre os diferentes atores sociais através da inserção da sociedade civil na definição, detalhamento e, principalmente, implementação e avaliação de ações empreendidas coletivamente; •Estimular a tomada de decisão coletiva; •Divulgação dos resultados obtidos com as redes piloto;
  • 27. Introdução ao Conceito de Formação das Redes Porque utilizar as redes, como nova abordagem de auxílio a MPEs de Campinas? •Programas tradicionais, enfocam individualmente as dificuldades, levando soluções como crédito e capacitação gerencial para que as empresas possam competir e crescer isoladamente; •A idéia de redes focaliza o crescimento não como uma eficiência individual e sim coletiva, baseada na união de esforços e na cooperação entre os agentes; •Possibilita que os obstáculos particulares de cada pequena empresa possam ser superados a partir da ação conjunta, possibilitando a realização de ações como o marketing compartilhado, investimentos conjuntos e suporte à exportação que, de forma isolada, seriam impossíveis.
  • 28. Agenda • Apresentação • Porque participar de um rede • Exposição do conceito de formação de redes • Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI Rio Grande do Sul 28
  • 29. Resultados obtidos pelo PRC – SEDAI RS “No somatório de atividades desde seu início no ano 2000, constituímos e apoiamos mais de 220 Redes de Cooperação, com um total de 4.700 empresas integradas, gerando e/ou mantendo mais de 61.100 postos de trabalho diretos e alcançando em conjunto um faturamento anual superior a R$ 5.000.000.000.” •Aumento médio no faturamento das empresas: 26,51% •Aumento médio no número de empregos: 36,73% •Aumento médio nos investimentos: 30,95% •Aumento médio no recolhimento dos impostos: 26,59% •Redução média dos custos: 13,38% * Fonte: Pesquisa realizada pelo CPP-Feevale (Centro de Pesquisas e Planejamento, em novembro de 2006)
  • 30. Benefícios obtidos pelo PRC – SEDAI RS •ganhos de credibilidade no mercado, redimensionando a importância da empresa em seu ambiente comercial; •novas possibilidades de relacionamentos empresariais, com Universidades, agências estatais e instituições tecnológicas que pequenas empresas não conseguem estabelecer; •valorização de marcas, lançamento de produtos diferenciados e marketing compartilhado; •redução de custos de produção e riscos de investimento, com compras conjuntas de mercadorias, materiais de expediente, máquinas e equipamentos e acesso a grandes marcas; •normatização de procedimentos e certificações; •aumento da produtividade e redução da ociosidade;
  • 31. Benefícios obtidos pelo PRC – SEDAI RS •contratação de novos empregados e manutenção de postos de trabalho; •capacitação gerencial e qualificação profissional; •assessoramento e consultorias em diversas áreas, proporcionando o conhecimento de novos conceitos, métodos e estilos de gestão; •abertura e consolidação de mercados com estruturas de comercialização nacionais e internacionais; •organização dos negócios a partir de planejamento estratégico e da gestão conjunta; •ampliação da escala produtiva e atendimento de grandes pedidos através da produção conjunta; •troca de informações e experiências; •aumento da motivação e confiança no negócio; •facilitação do acesso ao crédito, através de ações de investimentos