SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho Coletivo
Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elementos centrais
à Educação
SEDF – CRET – EC Arniqueira - EEAA
Ma. Anaí Haeser Peña
Psicóloga Escolar
Estrutura do trabalho proposto
1. Elementos para reflexões iniciais (20min)
2. Substrato teórico (1h)
3. Ode à Alegria (10min)
4. Atividade em grupo (30min)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
2
Para refletir
• “A educação é direito de todo ser humano e um trabalho
coletivo. Portanto, não se pode dizer que uma escola é boa se
nela não há igualdade.” (Ronca, 2013).
☻QUE TIPO DE IGUALDADE É NECESSÁRIA EM UMA ESCOLA,
PARA QUE ELA SEJA BOA?
☻ COMO ESSA IGUALDADE SE RELACIONA COM O TRABALHO
COLETIVO?
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
3
Filme: Osegredodosucesso–trabalhoemequipe
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
4
Jogo do nó
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
5
SINTESE REFLEXIVA
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
6
SUBSTRATO TEÓRICO
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
7
A caixa de ovos (Borges,2010)
• Forma de organização do trabalho em estabelecimentos
escolares em torno da sala de aula
• Trabalho docente isolado ou relativamente isolado
• Saberes organizados em unidades (discretas, autônomas,
independentes)
• Vínculos entre docentes relaxados (e praticamente
inexistentes com o administrativo)
• Ocasionalmente ocorrem práticas colaborativas entre
docentes (conselhos de classe, eventos)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
8
Coletivo
• origem ao latim collectivus
• 1. Recolhido; 2. Que é fundado no
raciocínio, concludente; 3. Colher
juntamente, recolher, juntar,
reunir; 4. Ligar juntamente, atar
juntamente, reunir, prender; 5.
Ter elementos ligados em
conjunto (VICENTINI, 2006, pg. 64,
apud Boy, 2011)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
9
De onde veio a ideia de trabalho
coletivo na Educação?
• Mudanças na legislação, políticas públicas, gestão, organização
escolar e no trabalho docente de 1990 a 2000 (Boy, 2011)
• Gestão democrática
• Mecanismos mais coletivos e participativos
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
10
O que é trabalho coletivo?
1. Conjunto de trabalhos
individuais?
2. Colaboração?
3. Partilhar ampliado?
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
11
O que é ‘Trabalho Coletivo’? (1)
• Conjunto dos trabalhos individuais especializados
• Divisão/ especialização do trabalho – Marx (ou da superação do
trabalho individual)
“totalidade das atividades diferenciadas que assumem e realizam os
vários agentes escolares, professores, bem evidentemente, mas
também diretores de escola, profissionais técnicos, psicólogos
escolares, orientadores pedagógicos, entre outros.” (Borges, 2010)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
12
• Trabalho colaborativo - (Co – laborar)
“práticas interativas entre dois ou mais profissionais do ensino
que possuem um mesmo estatuto e que atuam sobre diferentes
objetos: alunos, material didático, estratégias e conteúdos de
ensino, projeto de estabelecimento, relação com os pais de
alunos, com os dirigentes escolares, etc., assumindo a
responsabilidade coletiva desse trabalho.” (Borges, 2010)
O que é ‘Trabalho Coletivo’? (2)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
13
• Trabalho partilhado: ação comum, colaborativa e
cooperativa (Marcel, apud Borges, 2010), com alterações*
O que é ‘Trabalho Coletivo’?(3)
Trabalho
administrativo*
Trabalho
Pedagógico
Fora da sala de
aula
Dentro da sala
de aula
Ação comum
Partilha de
espaço, tempo,
recursos
Cooperação
(Ação Conjunta)
Comunicação,
Objetivo comum
Tomada de decisão
Coordenação de ações
individuais e
percepções individuais
Agir junto
Ajustar sua atividade
profissional em função de
necessidades comuns
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
14
Formas de trabalho coletivo mais
comuns (Boy,2011)
• Balcanização (agrupamento de profissionais em torno de algo
comum: turma, série/ ciclo)
• Permeabilidade reduzida
• Permanência duradoura
• Identificação pessoal
• Reforça a caixa de ovos
• Colegialidade artificial (práticas formais e obrigatórias de trabalho
em grupo)
• Pode ser um momento na construção de uma cultura coletiva de
trabalho
• Colaboração confortável (prática, imediata, circunscrita)
• Trabalho em conjunto (resolução de um problema, objetivo comum,
ação comum, negociação)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
15
A superação da caixa
de ovos (Borges,2010)
• Ainda emergente
• Tem como fundamento a ideia da cultura de colaboração:
trabalho partilhado, a colaboração, a cooperação, o colegiado.
• Evolução do trabalho docente e aumento da multiplicidade de
agentes escolares (profissionais da educação não docentes):
• maior interatividade entre as partes
• Transformação da missão da escola e dos princípios que
regem o processo de ensino-aprendizagem
• necessidade de desenvolvimento de novas competências
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
16
Trabalho coletivo e cooperativo
• “Entende-se por trabalho coletivo e cooperativo na escola,
aquele concretizado por um grupo de pessoas diversas
(comunidade, alunos, professores, coordenadores, diretores)
com um objetivo em comum. O trabalho só é coletivo
quando, além de possibilitar a participação da coletividade
na elaboração e na formulação de propostas, assim como na
sua execução, propicia também a possibilidade de
participação na tomada de decisão. É uma forma de trabalho
que busca a democratização das relações no interior da
escola” (Ruiz, 2008).
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
17
O trabalho coletivo é...
• “uma forma de ação coletiva vinculada ao processo de
trabalho desenvolvida no interior de uma escola, num dado
momento histórico, articulada por certos objetivos, fins e
propósitos. Não se trata de uma ação espontânea, mas de
algo que se insere no conjunto das práticas didático-
pedagógicas elaboradas e que possui sentido e significados
diversos, segundo o projeto político pedagógico que está
sendo desenvolvido na unidade escolar.” (Dias,)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
18
Pesquisa 1 (Silva,2013)
• Estudo de especialização em escola classe de Taguatinga (DF)
• Objetivo: verificar a influência do trabalho coletivo no
rendimento escolar
• Instrumentos: Observação, questionários, verificação do
rendimento dos alunos (teste psicogênese)
• Conclusões:
• Dificuldades enfrentadas pelos professores em
abandonar hábitos e construir novas posturas;
• Dificuldades nos estudos teóricos em momentos de
formação;
• Dificuldades em absorver e colocar em prática teorias;
• Todos concordam com a importância do trabalho
coletivo, mas não colocam em prática.
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
19
Pesquisa 2 (Boy, 2007,apudBoy,2011)
• Pesquisa de monografia, realizada em escola pública de Belo
Horizonte
• Objetivo: fazer uma comparação do que foi proposto no projeto
político pedagógico de uma escola de tempo integral da RME-BH
sobre o trabalho coletivo entre os docentes, com o que foi
efetuado por eles
• Resultados:
• “os espaços e tempos institucionalizados pela escola para a
realização do trabalho coletivo entre os docentes, apesar de
propiciarem o encontro dos mesmos, eram prejudicados por
serem ocupados por outras tarefas e atividades vindas da
própria exigência da profissão (planejamento individual,
correção de tarefas, entre outras) e da emergência de
questões da escola, como a necessidade de substituição de
professores faltosos”
• Rotatividade e descontinuidade
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
20
Pesquisa 3 (Boy, 2011)
• Estudo de mestrado realizado em escolas públicas de Belo Horizonte
• Objetivo: investigar como as escolas municipais de Belo Horizonte
e seus docentes têm se organizado para a realização do trabalho
coletivo
• Instrumentos: observação direta e entrevista semiestruturada
• Resultados:
• “docentes, quando concebem o trabalho coletivo, entendem-
no como divisão de poder, participação na gestão, criação de
projeto pedagógico e organizacional comum, partilha do
saber, troca de experiências”
• distância entre discurso e prática
• tempos e espaços atualmente não são suficientes para suprir
as necessidades que emergem e demandam o trabalho em
conjunto
• condições de trabalho postas não favorecem o trabalho
coletivo
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
21
Pesquisa 4 (Oliveira,2013)
• Pesquisa de especialização realizada em escola pública de
Sobradinho (DF)
• Objetivo: investigar a falta de perspectiva pedagógica na IE
• Instrumentos: observação, questionários, entrevistas
• Resultados:
• Dificuldades geradas pela falta de valorização e condições de
trabalho
• Quando o trabalho coletivo aconteceu* o resultado foi
positivo no rendimento escolar e na satisfação pessoal
• Falta de compreensão sobre o papel desempenhado por cada
um no grupo
• Falta de identidade grupal
• Falta de formação, informação e condições institucionais para
realizar o trabalho coletivamente
• Falta de compreensão sobre o significado de servidor público
e de serviço público
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
22
O que atrapalha o trabalho coletivo?
(Fusari,1993;Guimarães, 2007;Boy,2011;Ruiz,2008)
• Pensamento capitalista/ neoliberal
• Individualismo, competitividade, consumismo
• Fragmentação e especialização sem diálogo/ troca
• Falta de vivência em outros espaços (formação, especialmente)
• Segregação de tarefas
• Ausência de articulação dentro dos órgãos gestores
• Falta de profissionais e rotatividade
• Falta de programação de momentos para planejar e implementar o
trabalho coletivo
• Falta de vivenciar a interdisciplinaridade/ transdisciplinaridade
• Frustração com a carreira e questões relacionadas ao reconhecimento
do papel e importância da Educação e de seus profissionais
• Usar os momentos coletivos para tarefas individuais ou não
relacionadas ao coletivo
• Se ocupar de tarefas consideradas imediatas e urgentes apenas
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
23
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
24
INDIVIDUALISMO
“A exacerbação ao individualismo no sistema capitalista é uma constante, o
que tem levado à desarticulação das instâncias coletivas da vida social. Para
Bauman (2001) a modernidade é a era na qual a vida social passa a ter como
centro o indivíduo, sendo esta a sua marca registrada. As relações humanas,
assim como as relações mercadológicas, tornam-se descartáveis. O outro,
quando visto, é encarado como instrumento que traga ou possibilite o alcance
a alguma vantagem pessoal, algum benefício individual.
Muitas vezes, na escola percebem-se comportamentos reforçadores deste
individualismo vindos da comunidade em geral. Assim, se aceita, por exemplo,
que um aluno ou um professor difame o outro, estimula-se fofocas como forma
de obter informações, classifica-se os alunos por notas e rendimentos, expõe-
se a individualidade de alunos e professores citando-lhes como exemplo
positivo ou negativo. Estes fatores reforçam a competitividade e abafa-se a
possibilidade de desenvolver a ‘unidade do coletivo’.” (Ruiz, 2008)
Importância do Trabalho Coletivo
• Trabalho coletivo, segundo Fusari (1993), “é aquele realizado por um
grupo de pessoas que têm compromisso com a democratização da
educação escolar no país: diretores, coordenadores, professores,
funcionários, alunos, membros do Conselho de Escola e demais
representantes da comunidade.”
• “O objetivo do grupo, quando comum, leva à coesão desse grupo e a
melhoria será alcançada. Melhora, inclusive, a convivência, o
relacionamento entre as pessoas, mesmo não sendo esse o objetivo
primeiro do trabalho; acaba sendo uma consequência. O grupo está
ali, unido, para estudar, diagnosticar problemas e descobrir e propor
soluções.” (Silva, 2013, p.14)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
25
Portanto...
• “vale lembrar que o desenvolvimento de projetos
pedagógicos pela escola, (...) é oportuno para o
fortalecimento do trabalho docente em equipe, onde dois ou
mais professores assumem a responsabilidade por um grupo
maior de estudantes (Villas Boas, 2010, apud SEDF, 2013a).”,
juntamente com outros profissionais da educação da IE.
• “o trabalho pedagógico deve ser organizado com todo o
coletivo da instituição escolar, envolvendo a equipe gestora e
pedagógica, além dos professores” (SEDF, 2013b).
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
26
Então...
• O trabalho coletivo não é algo pronto, precisa ser construído
• “trabalho eletivo organizado cujo objetivo seja a
elaboração, o desenvolvimento e a avaliação de uma
Proposta Educacional” (Fusari, 1993)
• Supõe:
• existência de profissionais que atuem em grupo/ conjunto;
• educadores que tenham pontos de partida (princípios) e
pontos de chegada (objetivos) comuns
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
27
Assim...
• Realizar um trabalho coletivo é uma tarefa desafiante, que exige
empenho, persistência, paciência e crença naquilo que se quer
“Trabalhar coletivamente é, então, algo a ser conquistado a médio e a
longo prazos, que exige disponibilidade de cada uma das pessoas
envolvidas no processo. Exige mais: querer crescer, mudar,
transformar; querer participar do processo de criação de uma nova
Escola, de uma nova sociedade.” (Fusari, 1993).
• “é fruto de um processo de planejamento e um meio para a
elaboração da Proposta Educacional da Escola. Esta Proposta
Educacional precisa estar incorporada à ação de cada educador e, ao
mesmo tempo, deve estar concretizada num documento, fruto de
um processo de planejamento coletivo.” (Fusari, 1993).
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
28
Por isso...
• “Para a construção de um trabalho educativo que possibilite
alcançar a todos, independente de suas condições
econômicas, sociais e culturais e, condizente com a proposta
de ensino na escola em ciclos, faz-se necessário que a escola
promova espaços reflexivos que favoreçam o (re)pensar de
seus objetivos, práticas pedagógicas e avaliativas, tendo em
vista o cidadão que se quer formar, a escola e a sociedade que
se pretende ajudar a construir.” (SEDF, 2013).
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
29
Trabalho coletivo como
Trabalho em Equipe
• Características de uma Equipe:
• Todos são capazes de resolver problemas e contribuir para
os resultados esperados
• Os objetivos, as metas e a missão são compartilhados
• Envolvimento e comprometimento de todos no processo de
trabalho
• Respeito às diferenças individuais
• Elevado grau de cooperação e colaboração
• Comunicação clara, objetiva e constante
• Auto avaliação constante funciona como feedback para o
trabalho
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
30
Trabalho em Equipe
Abertura a novas
ideias
Uma meta
clara Papeis claros
Compromisso
com a meta
Decisões por
consenso
Reconhecimento dos
esforços de cada membro
Auto avaliação periódica e
retro-alimentativa
Suporte da
equipe
gestora
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
31
Trabalho Coletivo como ação dialógica
• “A convivência no grupo é uma ação pedagógica.” (Guimarães,
2007)
• Dialogicidade (freireana)
• Escutar e ser escutado
• Aceitar os outros conhecimentos que vêm integrar-se e
enriquecer o meu conhecimento
• “posição de compreensão de sua humanização, isto é, do seu
papel no mundo como realizador e construtor da sua
existência” (Guimarães, 2007)
• “a solidariedade entre os componentes do grupo (...) se
efetiva na ação do compartilhar, no acolhimento do outro”
(Guimarães, 2007)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
32
Trabalho coletivo como trabalho em
grupo
• Cultura colaborativa
• Qualidades, atitudes e valores transmitidos e vivenciados
nas relações entre educadores
• Caráter espontâneo e voluntário
• “professores discutem as tarefas e fins do trabalho em
conjunto, ao invés de somente implementar objetivos
vindos de terceiros”
• Onipresente no tempo e no espaço
• Imprevisibilidade dos resultados
• Valorização individual e do grupo
• Confiança coletiva
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
33
Ação Pedagógica &
Administrativa Escolar
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
34
Como trabalhar coletivamente?
“A construção do coletivo é um processo que tem relação com
participação, tomada de decisões, colaboração – que envolve diversos
atores, com múltiplos interesses, em diferentes posições de
autoridade e poder e também, sujeitos que relacionam-se a partir de
suas representações, valores, sua história pessoal e concepções de
educação diferenciados.
(...) as relações sociais presentes no interior da escola sejam frutos de
hierarquização, fragmentação, divisão do trabalho, ou seja,
apresentam-se sob forma específica do modo de produção capitalista.
É importante pensar na organização do trabalho coletivo docente
enquanto um trabalho que pressupõe relações horizontais, solidárias
e igualitárias. Sem atitudes de solidariedade, de reciprocidade e de
participação coletiva não há ação coletiva entre os profissionais da
educação.” (Dias, 2005)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
35
Para isso, é necessário
• Repensar:
• Individualismo x Coletividade
• Representatividade & Liderança
• Solidariedade, Reciprocidade
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
36
“o trabalho coletivo não é algo dado ou
tutelado, é algo a ser construído,
apreendido e conquistado exigindo, do
grupo de pessoas envolvidas no processo,
disponibilidade para mudar, participar,
rever princípios e práticas” (Dias, 2005)
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
37
INDIVIDUALISMO
“Lutar contra o individualismo, dentro da escola, assim como na vida social,
trata-se de nadar contra a corrente, talvez de uma luta inglória, mas
necessária. Qualquer discurso de democratização do ambiente escolar que
não de um trato especial a esta questão, estará fadado ao fracasso. É
necessário levar isto em conta se, de fato, o desejo é o de empreender um
trabalho coletivo.” (Ruiz, 2008)
Como iniciar?(Fusari,1993;Boy,2011;Ruiz,2008)
• Criar e fortalecer o sentimento de grupo/ equipe
• “nosso no lugar do meu” – Makarenko
• Sentimento de unidade do coletivo (co-responsabilidade)
• Princípio de solidariedade
• Espaços de autogestão da coletividade: Assembléias, reuniões...
• Criar e fortalecer momentos formais e informais de troca e
convivência
• Preocupação em garantir tempos e espaços de trabalho coletivo
• Criar e fortalecer o respeito mútuo (cortesia, cordialidade,
amabilidade)
• não tratar o outro com rispidez como um exercício constante
• Propiciar o engajamento e responsabilização coletiva
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
38
...
• Encontrar um sentido em colaborar no trabalho
• Inquirição reflexiva focalizada (discussão, experimentação,
avaliação)
• Observação e assessoria mútua
• Lideranças
• Pensar o seu trabalho a longo prazo: A alegria do amanhã
• “um verdadeiro estímulo da vida humana é a alegria do amanhã”
• Objetivos a serem atingidos a curto, médio e longo prazo
• “estimular estratégias de formação processuais, coletivas, dinâmicas
e contínuas, em que os docentes possam refletir entre si e
compartilhar erros e acertos, negociando significados e
confrontando pontos de vista (Damiani, 2008, apud Boy, 2011)”
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
39
...
• Dar um novo papel ao conflito: “fazer avançar a vida nova,
interceder a cada conflito, mas não se deixar envolver por ele, não
voltar ao passado, olhar sempre para frente, com otimismo”.
• Discutir e refletir sobre alguns elementos curriculares básicos:
educador, professor, aluno, Escola, sociedade, objetivos, conteúdos,
métodos de ensino e avaliação
• Ter clareza sobre
• pressupostos teóricos subjacentes****
• aquilo que ela espera do aluno ao final
• Situação da Unidade Escolar
• Diferenciar supra-estrutural e infra-estrutural
• Papel de cada profissional
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
40
Benefícios...
• “Em relação aos benefícios das relações de trabalho colaborativas,
alguns autores apontam que os professores que confiam, valorizam
e legitimam a partilha do saber especializado, que procuram
aconselhamento e concedem ajuda, têm maiores probabilidades de
se tornarem profissionais melhores em relação ao ensino. O
impacto da colaboração sob a incerteza dos professores os leva a
adquirir um sentimento maior de confiança e reduz o sentimento
de impotência (FULLAN e HARGREAVES, 2001, apud Boy, 2011)”.
• Maior produtividade (nova expertise – eficácia e performance)
• Melhor rendimento (sucesso dos alunos, diminuição da retenção e
evasão)
• Melhora na inclusão
• Maior satisfação no trabalho
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
41
...
• “para Titton (2003), permite superar a luta contra si mesmo, contra
suas próprias ambivalências, contra os outros e suas diferenças,
contra o sistema e suas imposições. Varani (2005) destaca que o
grupo proporciona melhor compreensão do seu próprio trabalho, no
sentido de armá-lo para o enfrentamento das políticas autoritárias.”
(Boy, 2011).
• “a ‘cultura de coletividade’ permite aos envolvidos reconhecer o que
sabem, o que os outros sabem e o que todos não sabem. Atitudes
que resultam na busca de superação dos limites do grupo.” (Boy,
2011).
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
42
OdeàAlegria(OdeandieFreude)
Poema escrito por F. Schiller (1785) e cantado no 4º movimento da 9ª Sinfonia de
Beethoven, também chamada de Ode à Alegria ou Hino da União Européia.
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
43
REFERÊNCIA
• BOY, L. C. G. Trabalho coletivo entre docentes em escolas da rede municipal de educação de belo horizonte:
concepções, permanências e rupturas. Dissertação, Programa de Pós-graduação em Educação, Conhecimento e
Inclusão Social da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.
• BORGES, C. Trabalho coletivo. In: OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.M.C.; VIEIRA, L.M.F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão
e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM
• DIAS, R. C. Trabalho coletivo docente – desafios e possibilidades numa escola municipal de ensino fundamental de
são paulo. II Encontro de Pesquisa Discente do Programa de Pós-graduação em Educação da UNINOVE. A Teoria
em Pesquisa – O lugar e a importância do referencial teórico na produção em Educação. Uninove. São Paulo, 2005.
Disponível em http://www.uninove.br/PDFs/Mestrados/Educa%C3%A7%C3%A3o/eventos/PC%209.pdf. Acessado
aos 10/02/2015.
• FUSARI, J. C. A Construção da Proposta Educacional e do Trabalho Coletivo na Unidade Escolar. Série Idéias, n. 16,
pp. 69-77. São Paulo: FDE, 1993.
• GUIMARÃES, S. P. O. Contribuições da dialogicidade para a construção do trabalho coletivo. Revela – Periódico de
Divulgação Científica da FALS, I (1), 2007. Disponível em www.fals.com.br/revela6/educacao.pdf. Acessado aos
12/02/2015.
• OLIVEIRA, C. S. C. A construção do trabalho coletivo: Estímulo à execução e ao aperfeiçoamento do PPP.
Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista em Coordenação Pedagógica.
Universidade de Brasilia, 2013.
• RONCA, A. C. C. Declaração durante 3º Debate de Avaliação do Desempenho Escolar do Estudante da Rede
Pública de Ensino, com o tema "Avaliação Educacional: Limites e Possibilidades“. 2013.
• RUIZ, M. J. F. Trabalho coletivo na escola pública: contribuições pedagógicas de Anton Semionovitch Makarenko.
ORG & DEMO, Marília, v.9, n.1/2, p. 223-240, 2008.
• SEDF - SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Estratégias didático-pedagógicas e avaliação nos ciclos.
2013a.
• SEDF - SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Currículo em Movimento – Educação Básica. 2013b.
• SILVA, A. C. A Influência do Trabalho Coletivo no Sucesso Escolar. Monografia aprovada como requisito parcial
para obtenção do grau de Especialista em Coordenação Pedagógica. Universidade de Brasilia, 2013.
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
44
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
45
Estamos juntos nessa
e...
Obrigada!
MATERIAIS PARA OS TRABALHOS EM
GRUPOS
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
46
Discussão em grupos
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
47
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
48
PROPOSTA DE ROTEIRO DE REFLEXÃO INICIAL PARA O TRABALHO COLETIVO PROPOSTA POR FUSARI (1993), com adaptações,
para ser repensado pela Equipe
A - Avaliação do ano anterior
1. Quais foram os problemas básicos enfrentados no ano (ou semestre) letivo anterior e que nos impediram de realizar um
trabalho pedagógico de melhor qualidade?
1.1. Quais foram os índices de evasão e retenção na nossa escola?
1.2. Existem dados acerca da qualidade do ensino e da aprendizagem na nossa Unidade?
1.3. Quais são as dificuldades básicas que os profissionais enfrentam no dia a dia?
1.3.1. Quais são as queixas dos profissionais?
1.3.2. Quais são as dificuldades identificadas nos diferentes períodos (matutino, vespertino)?
B - É preciso pensar o planejamento do próximo ano (ou semestre) como um todo*
2. Quais são os problemas da realidade brasileira atual?
2.1. Como os problemas nacionais se manifestam no nosso Estado, Região, Bairro e Escola?
3. Qual é a função social da Escola brasileira?
3.1. Qual é o papel da Educação Escolar na transformação da realidade brasileira?
3.1.1. Como superar o "idealismo ingênuo" ("escola redentora da humanidade") e o "pessimismo crítico" (escola reprodutora
das desigualdades sociais)?
3.1.2. Como assumir uma atitude de "realismo crítico" ("autonomia relativa" e "especificidade da Educação Escolar")?
4. Quem são e como vivem os alunos que freqüentam a nossa escola?
4.1. Quais são as necessidades e expectativas que os alunos têm a respeito desta escola?
4.1.1. Quais seriam os valores que mobilizam os nossos alunos, quando se matriculam nesta escola?
5. Qual é a caracterização básica do grupo de professores da nossa escola?
5.1. Quem somos, quantos somos, quais motivações dirigiram os docentes para o magistério?
6. Quais são as características físicas e organizacionais da nossa escola?
6.1. O prédio da nossa escola tem condições mínimas para a realização de um bom trabalho pedagógico?
6.2. Que tipo de gestão está sendo praticada na nossa escola?
6.2.1. Democrática, autocrática ou laissez-feire?
7. De que maneira temos pensado e vivenciado a Proposta Educacional da Escola?
7.1. Existe uma clareza (coletiva) mínima acerca do tipo de cidadão que a escola pretende ajudar a formar?
7.1.1. A formação da cidadania do educando tem sido o "fio condutor" do trabalho político-pedagógico da escola?
7.2. Quais são os objetivos educacionais da nossa escola?
7.2.1. Quais são os objetivos dos cursos, das áreas de estudo e das disciplinas?
7.2.2. Como, quando e por quem foram definidos?
7.2.3. Eles estão apoiados numa tendência pedagógica específica? Qual?
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
49
7.2.4. Quais valores estão presentes nos objetivos educacionais da nossa escola?
7.3. Quais conteúdos estamos trabalhando no processo de ensino-aprendizagem?
7.3.1.Como, quando e por quem foram selecionados?
7.3.2. Qual é o papel do livro didático e dos outros meios de comunicação no trato com os conteúdos?
7.3.3. Existe uma preocupação com a democratização e também com a construção do conhecimento?
7.3.4. As áreas de estudo têm propostas próprias, articulando o conteúdo trabalhado ao contexto social mais amplo?
7.3.5. Os alunos aprendem criticamente os conteúdos trabalhados? O que significa isso?
7.4. Que métodos ("caminhos para se atingirem os objetivos educacionais") e procedimentos (etapas, passos, técnicas, uso de
materiais/meios de comunicação) os conteúdos estão exigindo para se processarem os trabalhos de ensinar e aprender?
7.4.1. As áreas de estudo discutem a questão da relação conteúdo-método?
7.4.2. Foi problematizada a questão das "estratégias de ensino"? Como? Quando?
7.4.3. A Escola tentou discutir o método básico necessário ao atingimento dos objetivos educacionais?
7.4.3.1. As áreas de estudo apresentam métodos básicos de trabalho?
7.5. Qual é o padrão de interação professor-aluno mais praticado na nossa escola?
7.5.1. Existe uma relação entre os objetivos educacionais, a construção da cidadania e a interação professor-aluno nas salas de
aula?
7.5.2. Os educadores têm clareza de que a boa interação (relação comunicacional) com os alunos facilita a aprendizagem?
7.6. Qual(is) tendência(s) de avaliação está(ão) sendo praticadas) na nossa escola?
7.6.1. Quais são os principais problemas percebidos pelos docentes no processo de avaliação dos alunos?
7.6.2. Existe uma clareza de articulação profunda entre objetivos, conteúdos, métodos e avaliação?
7.7. Quais princípios de ensino-aprendizagem estão subsidiando o trabalho pedagógico na nossa escola?
7.7.1 Como as áreas de estudo definem a aprendizagem e o ensino?
7.8. O que queremos e precisamos mudar na nossa escola e nas nossas aulas?
7.8.1. Quais mudanças são necessárias no coletivo dos professores e no plano individual de cada um?
7.9. Quais condições mínimas necessitamos para realizar um bom trabalho pedagógico na nossa escola?
7.9.1. Como nos podemos mobilizar para conseguir condições mínimas de trabalho pedagógico?
7.10. Existe alguma iniciativa da escola no sentido de avaliar o seu trabalho como um todo? 7.10.1. Os diferentes profissionais
que atuam na escola se auto-avaliam sistematicamente?
7.10.2. Os alunos avaliam a escola como um todo e em especial o processo de ensino-aprendizagem?
SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA-
EEAA-ANAÍHAESERPEÑA
50
C - É preciso pensar na elaboração da Proposta Educacional da Escola e seus desdobramentos em Planos de Ensino e Planos de
Aula
8. Qual tem sido a sistemática de planejamento vivenciada na nossa escola?
8.1. Quais problemas podem ser identificados nela?
8.1.1. O que precisamos transformar nesta prática?
8.2. Como as aulas têm sido planejadas?
8.2.1. Quais instrumentos são utilizados no preparo das aulas?
8.2.2. Qual tem sido a sistemática básica que orienta o seu trabalho na sala de aula?
8.2.3. As áreas de estudo conseguem elaborar alguma proposta para a avaliação das aulas dadas?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pauta
PautaPauta
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
Arte Tecnologia
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
mtolentino1507
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
carmensilva723002
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
Anaí Peña
 
Ata Htpc
Ata HtpcAta Htpc
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
Roteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classeRoteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classe
Elisângela Chaves
 
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgdPlano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Lucinaldo Tenório
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
ssuser6c03a6
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
Colmanetti
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
Maria da C.A.Versiani
 
FORMAÇÃO TUTORIA PARA ENSINO INTEGRAL.pptx
FORMAÇÃO TUTORIA PARA ENSINO INTEGRAL.pptxFORMAÇÃO TUTORIA PARA ENSINO INTEGRAL.pptx
FORMAÇÃO TUTORIA PARA ENSINO INTEGRAL.pptx
Paul Roger Gonçalves Ocampos .'.
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
packarde2709
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
driminas
 
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
SimoneHelenDrumond
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Belister Paulino
 
Mensagem De Boas Vindas
Mensagem De Boas VindasMensagem De Boas Vindas
Mensagem De Boas Vindas
João Gomes
 
Formação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
Formação para os professores Premissa Protagonismo JuvenilFormação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
Formação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
SandraRombi
 

Mais procurados (20)

Pauta
PautaPauta
Pauta
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
 
Ata Htpc
Ata HtpcAta Htpc
Ata Htpc
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Roteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classeRoteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classe
 
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgdPlano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
FORMAÇÃO TUTORIA PARA ENSINO INTEGRAL.pptx
FORMAÇÃO TUTORIA PARA ENSINO INTEGRAL.pptxFORMAÇÃO TUTORIA PARA ENSINO INTEGRAL.pptx
FORMAÇÃO TUTORIA PARA ENSINO INTEGRAL.pptx
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
 
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
 
Mensagem De Boas Vindas
Mensagem De Boas VindasMensagem De Boas Vindas
Mensagem De Boas Vindas
 
Formação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
Formação para os professores Premissa Protagonismo JuvenilFormação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
Formação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
 

Semelhante a Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elementos centrais à Educação

Ideias 16 p069-077_c[1]
Ideias 16 p069-077_c[1]Ideias 16 p069-077_c[1]
Ideias 16 p069-077_c[1]
MaryLucySilva
 
Trabalho ev056 md4_sa7_id9614_15082016091103
Trabalho ev056 md4_sa7_id9614_15082016091103Trabalho ev056 md4_sa7_id9614_15082016091103
Trabalho ev056 md4_sa7_id9614_15082016091103
Maria Rosa Lopes
 
Lembrando dos movimentos 1 e 2 de ces ii eb imprimir
Lembrando dos movimentos 1 e 2 de ces ii eb imprimirLembrando dos movimentos 1 e 2 de ces ii eb imprimir
Lembrando dos movimentos 1 e 2 de ces ii eb imprimir
Daniela Marckevitz
 
Papel pedagogo
Papel pedagogo Papel pedagogo
Papel pedagogo
Fatima Luzs
 
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
ProfessorPrincipiante
 
pedagogia de projetos
pedagogia de projetospedagogia de projetos
pedagogia de projetos
Governo do Estado de São Paulo
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
Ivaneide B S
 
Projeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogicoProjeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogico
labteotonio
 
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.pptPAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
JefersonFranco9
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
Jorci Ponce
 
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
Sandra Menucelli
 
Pacto 16ago14
Pacto 16ago14Pacto 16ago14
Pacto 16ago14
Juciane Teixeira
 
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexãoPesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
telasnorte1
 
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Nelma Quinto
 
Manha.ppt
 Manha.ppt Manha.ppt
Manha.ppt
Marcia pereira
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Elicio Lima
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
Seduc MT
 
Slides Dispositivos
Slides DispositivosSlides Dispositivos
Slides Dispositivos
Socorro
 
Slides Dispositivos
Slides DispositivosSlides Dispositivos
Slides Dispositivos
Socorro
 
Slide aula otp
Slide aula otpSlide aula otp
Slide aula otp
IsisRA1
 

Semelhante a Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elementos centrais à Educação (20)

Ideias 16 p069-077_c[1]
Ideias 16 p069-077_c[1]Ideias 16 p069-077_c[1]
Ideias 16 p069-077_c[1]
 
Trabalho ev056 md4_sa7_id9614_15082016091103
Trabalho ev056 md4_sa7_id9614_15082016091103Trabalho ev056 md4_sa7_id9614_15082016091103
Trabalho ev056 md4_sa7_id9614_15082016091103
 
Lembrando dos movimentos 1 e 2 de ces ii eb imprimir
Lembrando dos movimentos 1 e 2 de ces ii eb imprimirLembrando dos movimentos 1 e 2 de ces ii eb imprimir
Lembrando dos movimentos 1 e 2 de ces ii eb imprimir
 
Papel pedagogo
Papel pedagogo Papel pedagogo
Papel pedagogo
 
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
 
pedagogia de projetos
pedagogia de projetospedagogia de projetos
pedagogia de projetos
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
 
Projeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogicoProjeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogico
 
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.pptPAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
 
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
 
Pacto 16ago14
Pacto 16ago14Pacto 16ago14
Pacto 16ago14
 
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexãoPesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
Pesquisa ação crítico colaborativa e reflexão
 
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
Estagio curricular obrigatorio na gestao escolar observacoes participacoes e ...
 
Manha.ppt
 Manha.ppt Manha.ppt
Manha.ppt
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
 
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
O Coordenador Pedagógico. Sobre outros olhares.
 
Slides Dispositivos
Slides DispositivosSlides Dispositivos
Slides Dispositivos
 
Slides Dispositivos
Slides DispositivosSlides Dispositivos
Slides Dispositivos
 
Slide aula otp
Slide aula otpSlide aula otp
Slide aula otp
 

Mais de Anaí Peña

Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
Anaí Peña
 
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino MédioEncontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Anaí Peña
 
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopeeOs desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Anaí Peña
 
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi   sopeeTdah e seus desafios na escola do século xxi   sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
Anaí Peña
 
Apresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicólogaApresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicóloga
Anaí Peña
 
Apresentação da equipe de apoio da UNIEB
Apresentação da equipe de apoio da UNIEBApresentação da equipe de apoio da UNIEB
Apresentação da equipe de apoio da UNIEB
Anaí Peña
 
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
Formação UNIEB -   Desafios a inclusãoFormação UNIEB -   Desafios a inclusão
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
Anaí Peña
 
Adequação curricular
Adequação curricularAdequação curricular
Adequação curricular
Anaí Peña
 
Material de apoio do seaa
Material de apoio do seaaMaterial de apoio do seaa
Material de apoio do seaa
Anaí Peña
 
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Anaí Peña
 
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
Anaí Peña
 
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdahEstratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Anaí Peña
 
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdahEstratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Anaí Peña
 
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAvaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Anaí Peña
 
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantilProjeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Anaí Peña
 
Mapeamento institucional devolutiva
Mapeamento institucional   devolutivaMapeamento institucional   devolutiva
Mapeamento institucional devolutiva
Anaí Peña
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
Anaí Peña
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Anaí Peña
 
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAARelato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Anaí Peña
 
Mapeamento institucional concepções docentes
Mapeamento institucional   concepções docentesMapeamento institucional   concepções docentes
Mapeamento institucional concepções docentes
Anaí Peña
 

Mais de Anaí Peña (20)

Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
 
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino MédioEncontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
Encontro SEEDF - CRE TAG - Anos Finais & Ensino Médio
 
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopeeOs desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
Os desafios do tdah nos processos de ensino aprendizagem sopee
 
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi   sopeeTdah e seus desafios na escola do século xxi   sopee
Tdah e seus desafios na escola do século xxi sopee
 
Apresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicólogaApresentação da nova psicóloga
Apresentação da nova psicóloga
 
Apresentação da equipe de apoio da UNIEB
Apresentação da equipe de apoio da UNIEBApresentação da equipe de apoio da UNIEB
Apresentação da equipe de apoio da UNIEB
 
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
Formação UNIEB -   Desafios a inclusãoFormação UNIEB -   Desafios a inclusão
Formação UNIEB - Desafios a inclusão
 
Adequação curricular
Adequação curricularAdequação curricular
Adequação curricular
 
Material de apoio do seaa
Material de apoio do seaaMaterial de apoio do seaa
Material de apoio do seaa
 
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
Necessidades educacionais especiais no ensino fundamental anos finais cef vil...
 
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
O Professor e a Inclusão: A Formação e os desafios à prática docente
 
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdahEstratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
Estratégias didático pedagógicas para a inclusão tdah
 
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdahEstratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
Estratégias didático pedagógicas para a qualidade da relação prof aluno tdah
 
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAvaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
 
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantilProjeto cei 1   abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
Projeto cei 1 abordagem à problemas de comportamento na educação infantil
 
Mapeamento institucional devolutiva
Mapeamento institucional   devolutivaMapeamento institucional   devolutiva
Mapeamento institucional devolutiva
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAARelato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
Relato de uma experiência de trabalho em equipe na EEAA
 
Mapeamento institucional concepções docentes
Mapeamento institucional   concepções docentesMapeamento institucional   concepções docentes
Mapeamento institucional concepções docentes
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 

Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elementos centrais à Educação

  • 1. Trabalho Coletivo Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elementos centrais à Educação SEDF – CRET – EC Arniqueira - EEAA Ma. Anaí Haeser Peña Psicóloga Escolar
  • 2. Estrutura do trabalho proposto 1. Elementos para reflexões iniciais (20min) 2. Substrato teórico (1h) 3. Ode à Alegria (10min) 4. Atividade em grupo (30min) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 2
  • 3. Para refletir • “A educação é direito de todo ser humano e um trabalho coletivo. Portanto, não se pode dizer que uma escola é boa se nela não há igualdade.” (Ronca, 2013). ☻QUE TIPO DE IGUALDADE É NECESSÁRIA EM UMA ESCOLA, PARA QUE ELA SEJA BOA? ☻ COMO ESSA IGUALDADE SE RELACIONA COM O TRABALHO COLETIVO? SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 3
  • 8. A caixa de ovos (Borges,2010) • Forma de organização do trabalho em estabelecimentos escolares em torno da sala de aula • Trabalho docente isolado ou relativamente isolado • Saberes organizados em unidades (discretas, autônomas, independentes) • Vínculos entre docentes relaxados (e praticamente inexistentes com o administrativo) • Ocasionalmente ocorrem práticas colaborativas entre docentes (conselhos de classe, eventos) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 8
  • 9. Coletivo • origem ao latim collectivus • 1. Recolhido; 2. Que é fundado no raciocínio, concludente; 3. Colher juntamente, recolher, juntar, reunir; 4. Ligar juntamente, atar juntamente, reunir, prender; 5. Ter elementos ligados em conjunto (VICENTINI, 2006, pg. 64, apud Boy, 2011) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 9
  • 10. De onde veio a ideia de trabalho coletivo na Educação? • Mudanças na legislação, políticas públicas, gestão, organização escolar e no trabalho docente de 1990 a 2000 (Boy, 2011) • Gestão democrática • Mecanismos mais coletivos e participativos SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 10
  • 11. O que é trabalho coletivo? 1. Conjunto de trabalhos individuais? 2. Colaboração? 3. Partilhar ampliado? SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 11
  • 12. O que é ‘Trabalho Coletivo’? (1) • Conjunto dos trabalhos individuais especializados • Divisão/ especialização do trabalho – Marx (ou da superação do trabalho individual) “totalidade das atividades diferenciadas que assumem e realizam os vários agentes escolares, professores, bem evidentemente, mas também diretores de escola, profissionais técnicos, psicólogos escolares, orientadores pedagógicos, entre outros.” (Borges, 2010) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 12
  • 13. • Trabalho colaborativo - (Co – laborar) “práticas interativas entre dois ou mais profissionais do ensino que possuem um mesmo estatuto e que atuam sobre diferentes objetos: alunos, material didático, estratégias e conteúdos de ensino, projeto de estabelecimento, relação com os pais de alunos, com os dirigentes escolares, etc., assumindo a responsabilidade coletiva desse trabalho.” (Borges, 2010) O que é ‘Trabalho Coletivo’? (2) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 13
  • 14. • Trabalho partilhado: ação comum, colaborativa e cooperativa (Marcel, apud Borges, 2010), com alterações* O que é ‘Trabalho Coletivo’?(3) Trabalho administrativo* Trabalho Pedagógico Fora da sala de aula Dentro da sala de aula Ação comum Partilha de espaço, tempo, recursos Cooperação (Ação Conjunta) Comunicação, Objetivo comum Tomada de decisão Coordenação de ações individuais e percepções individuais Agir junto Ajustar sua atividade profissional em função de necessidades comuns SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 14
  • 15. Formas de trabalho coletivo mais comuns (Boy,2011) • Balcanização (agrupamento de profissionais em torno de algo comum: turma, série/ ciclo) • Permeabilidade reduzida • Permanência duradoura • Identificação pessoal • Reforça a caixa de ovos • Colegialidade artificial (práticas formais e obrigatórias de trabalho em grupo) • Pode ser um momento na construção de uma cultura coletiva de trabalho • Colaboração confortável (prática, imediata, circunscrita) • Trabalho em conjunto (resolução de um problema, objetivo comum, ação comum, negociação) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 15
  • 16. A superação da caixa de ovos (Borges,2010) • Ainda emergente • Tem como fundamento a ideia da cultura de colaboração: trabalho partilhado, a colaboração, a cooperação, o colegiado. • Evolução do trabalho docente e aumento da multiplicidade de agentes escolares (profissionais da educação não docentes): • maior interatividade entre as partes • Transformação da missão da escola e dos princípios que regem o processo de ensino-aprendizagem • necessidade de desenvolvimento de novas competências SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 16
  • 17. Trabalho coletivo e cooperativo • “Entende-se por trabalho coletivo e cooperativo na escola, aquele concretizado por um grupo de pessoas diversas (comunidade, alunos, professores, coordenadores, diretores) com um objetivo em comum. O trabalho só é coletivo quando, além de possibilitar a participação da coletividade na elaboração e na formulação de propostas, assim como na sua execução, propicia também a possibilidade de participação na tomada de decisão. É uma forma de trabalho que busca a democratização das relações no interior da escola” (Ruiz, 2008). SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 17
  • 18. O trabalho coletivo é... • “uma forma de ação coletiva vinculada ao processo de trabalho desenvolvida no interior de uma escola, num dado momento histórico, articulada por certos objetivos, fins e propósitos. Não se trata de uma ação espontânea, mas de algo que se insere no conjunto das práticas didático- pedagógicas elaboradas e que possui sentido e significados diversos, segundo o projeto político pedagógico que está sendo desenvolvido na unidade escolar.” (Dias,) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 18
  • 19. Pesquisa 1 (Silva,2013) • Estudo de especialização em escola classe de Taguatinga (DF) • Objetivo: verificar a influência do trabalho coletivo no rendimento escolar • Instrumentos: Observação, questionários, verificação do rendimento dos alunos (teste psicogênese) • Conclusões: • Dificuldades enfrentadas pelos professores em abandonar hábitos e construir novas posturas; • Dificuldades nos estudos teóricos em momentos de formação; • Dificuldades em absorver e colocar em prática teorias; • Todos concordam com a importância do trabalho coletivo, mas não colocam em prática. SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 19
  • 20. Pesquisa 2 (Boy, 2007,apudBoy,2011) • Pesquisa de monografia, realizada em escola pública de Belo Horizonte • Objetivo: fazer uma comparação do que foi proposto no projeto político pedagógico de uma escola de tempo integral da RME-BH sobre o trabalho coletivo entre os docentes, com o que foi efetuado por eles • Resultados: • “os espaços e tempos institucionalizados pela escola para a realização do trabalho coletivo entre os docentes, apesar de propiciarem o encontro dos mesmos, eram prejudicados por serem ocupados por outras tarefas e atividades vindas da própria exigência da profissão (planejamento individual, correção de tarefas, entre outras) e da emergência de questões da escola, como a necessidade de substituição de professores faltosos” • Rotatividade e descontinuidade SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 20
  • 21. Pesquisa 3 (Boy, 2011) • Estudo de mestrado realizado em escolas públicas de Belo Horizonte • Objetivo: investigar como as escolas municipais de Belo Horizonte e seus docentes têm se organizado para a realização do trabalho coletivo • Instrumentos: observação direta e entrevista semiestruturada • Resultados: • “docentes, quando concebem o trabalho coletivo, entendem- no como divisão de poder, participação na gestão, criação de projeto pedagógico e organizacional comum, partilha do saber, troca de experiências” • distância entre discurso e prática • tempos e espaços atualmente não são suficientes para suprir as necessidades que emergem e demandam o trabalho em conjunto • condições de trabalho postas não favorecem o trabalho coletivo SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 21
  • 22. Pesquisa 4 (Oliveira,2013) • Pesquisa de especialização realizada em escola pública de Sobradinho (DF) • Objetivo: investigar a falta de perspectiva pedagógica na IE • Instrumentos: observação, questionários, entrevistas • Resultados: • Dificuldades geradas pela falta de valorização e condições de trabalho • Quando o trabalho coletivo aconteceu* o resultado foi positivo no rendimento escolar e na satisfação pessoal • Falta de compreensão sobre o papel desempenhado por cada um no grupo • Falta de identidade grupal • Falta de formação, informação e condições institucionais para realizar o trabalho coletivamente • Falta de compreensão sobre o significado de servidor público e de serviço público SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 22
  • 23. O que atrapalha o trabalho coletivo? (Fusari,1993;Guimarães, 2007;Boy,2011;Ruiz,2008) • Pensamento capitalista/ neoliberal • Individualismo, competitividade, consumismo • Fragmentação e especialização sem diálogo/ troca • Falta de vivência em outros espaços (formação, especialmente) • Segregação de tarefas • Ausência de articulação dentro dos órgãos gestores • Falta de profissionais e rotatividade • Falta de programação de momentos para planejar e implementar o trabalho coletivo • Falta de vivenciar a interdisciplinaridade/ transdisciplinaridade • Frustração com a carreira e questões relacionadas ao reconhecimento do papel e importância da Educação e de seus profissionais • Usar os momentos coletivos para tarefas individuais ou não relacionadas ao coletivo • Se ocupar de tarefas consideradas imediatas e urgentes apenas SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 23
  • 24. SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 24 INDIVIDUALISMO “A exacerbação ao individualismo no sistema capitalista é uma constante, o que tem levado à desarticulação das instâncias coletivas da vida social. Para Bauman (2001) a modernidade é a era na qual a vida social passa a ter como centro o indivíduo, sendo esta a sua marca registrada. As relações humanas, assim como as relações mercadológicas, tornam-se descartáveis. O outro, quando visto, é encarado como instrumento que traga ou possibilite o alcance a alguma vantagem pessoal, algum benefício individual. Muitas vezes, na escola percebem-se comportamentos reforçadores deste individualismo vindos da comunidade em geral. Assim, se aceita, por exemplo, que um aluno ou um professor difame o outro, estimula-se fofocas como forma de obter informações, classifica-se os alunos por notas e rendimentos, expõe- se a individualidade de alunos e professores citando-lhes como exemplo positivo ou negativo. Estes fatores reforçam a competitividade e abafa-se a possibilidade de desenvolver a ‘unidade do coletivo’.” (Ruiz, 2008)
  • 25. Importância do Trabalho Coletivo • Trabalho coletivo, segundo Fusari (1993), “é aquele realizado por um grupo de pessoas que têm compromisso com a democratização da educação escolar no país: diretores, coordenadores, professores, funcionários, alunos, membros do Conselho de Escola e demais representantes da comunidade.” • “O objetivo do grupo, quando comum, leva à coesão desse grupo e a melhoria será alcançada. Melhora, inclusive, a convivência, o relacionamento entre as pessoas, mesmo não sendo esse o objetivo primeiro do trabalho; acaba sendo uma consequência. O grupo está ali, unido, para estudar, diagnosticar problemas e descobrir e propor soluções.” (Silva, 2013, p.14) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 25
  • 26. Portanto... • “vale lembrar que o desenvolvimento de projetos pedagógicos pela escola, (...) é oportuno para o fortalecimento do trabalho docente em equipe, onde dois ou mais professores assumem a responsabilidade por um grupo maior de estudantes (Villas Boas, 2010, apud SEDF, 2013a).”, juntamente com outros profissionais da educação da IE. • “o trabalho pedagógico deve ser organizado com todo o coletivo da instituição escolar, envolvendo a equipe gestora e pedagógica, além dos professores” (SEDF, 2013b). SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 26
  • 27. Então... • O trabalho coletivo não é algo pronto, precisa ser construído • “trabalho eletivo organizado cujo objetivo seja a elaboração, o desenvolvimento e a avaliação de uma Proposta Educacional” (Fusari, 1993) • Supõe: • existência de profissionais que atuem em grupo/ conjunto; • educadores que tenham pontos de partida (princípios) e pontos de chegada (objetivos) comuns SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 27
  • 28. Assim... • Realizar um trabalho coletivo é uma tarefa desafiante, que exige empenho, persistência, paciência e crença naquilo que se quer “Trabalhar coletivamente é, então, algo a ser conquistado a médio e a longo prazos, que exige disponibilidade de cada uma das pessoas envolvidas no processo. Exige mais: querer crescer, mudar, transformar; querer participar do processo de criação de uma nova Escola, de uma nova sociedade.” (Fusari, 1993). • “é fruto de um processo de planejamento e um meio para a elaboração da Proposta Educacional da Escola. Esta Proposta Educacional precisa estar incorporada à ação de cada educador e, ao mesmo tempo, deve estar concretizada num documento, fruto de um processo de planejamento coletivo.” (Fusari, 1993). SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 28
  • 29. Por isso... • “Para a construção de um trabalho educativo que possibilite alcançar a todos, independente de suas condições econômicas, sociais e culturais e, condizente com a proposta de ensino na escola em ciclos, faz-se necessário que a escola promova espaços reflexivos que favoreçam o (re)pensar de seus objetivos, práticas pedagógicas e avaliativas, tendo em vista o cidadão que se quer formar, a escola e a sociedade que se pretende ajudar a construir.” (SEDF, 2013). SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 29
  • 30. Trabalho coletivo como Trabalho em Equipe • Características de uma Equipe: • Todos são capazes de resolver problemas e contribuir para os resultados esperados • Os objetivos, as metas e a missão são compartilhados • Envolvimento e comprometimento de todos no processo de trabalho • Respeito às diferenças individuais • Elevado grau de cooperação e colaboração • Comunicação clara, objetiva e constante • Auto avaliação constante funciona como feedback para o trabalho SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 30
  • 31. Trabalho em Equipe Abertura a novas ideias Uma meta clara Papeis claros Compromisso com a meta Decisões por consenso Reconhecimento dos esforços de cada membro Auto avaliação periódica e retro-alimentativa Suporte da equipe gestora SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 31
  • 32. Trabalho Coletivo como ação dialógica • “A convivência no grupo é uma ação pedagógica.” (Guimarães, 2007) • Dialogicidade (freireana) • Escutar e ser escutado • Aceitar os outros conhecimentos que vêm integrar-se e enriquecer o meu conhecimento • “posição de compreensão de sua humanização, isto é, do seu papel no mundo como realizador e construtor da sua existência” (Guimarães, 2007) • “a solidariedade entre os componentes do grupo (...) se efetiva na ação do compartilhar, no acolhimento do outro” (Guimarães, 2007) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 32
  • 33. Trabalho coletivo como trabalho em grupo • Cultura colaborativa • Qualidades, atitudes e valores transmitidos e vivenciados nas relações entre educadores • Caráter espontâneo e voluntário • “professores discutem as tarefas e fins do trabalho em conjunto, ao invés de somente implementar objetivos vindos de terceiros” • Onipresente no tempo e no espaço • Imprevisibilidade dos resultados • Valorização individual e do grupo • Confiança coletiva SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 33
  • 34. Ação Pedagógica & Administrativa Escolar SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 34
  • 35. Como trabalhar coletivamente? “A construção do coletivo é um processo que tem relação com participação, tomada de decisões, colaboração – que envolve diversos atores, com múltiplos interesses, em diferentes posições de autoridade e poder e também, sujeitos que relacionam-se a partir de suas representações, valores, sua história pessoal e concepções de educação diferenciados. (...) as relações sociais presentes no interior da escola sejam frutos de hierarquização, fragmentação, divisão do trabalho, ou seja, apresentam-se sob forma específica do modo de produção capitalista. É importante pensar na organização do trabalho coletivo docente enquanto um trabalho que pressupõe relações horizontais, solidárias e igualitárias. Sem atitudes de solidariedade, de reciprocidade e de participação coletiva não há ação coletiva entre os profissionais da educação.” (Dias, 2005) SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 35
  • 36. Para isso, é necessário • Repensar: • Individualismo x Coletividade • Representatividade & Liderança • Solidariedade, Reciprocidade SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 36 “o trabalho coletivo não é algo dado ou tutelado, é algo a ser construído, apreendido e conquistado exigindo, do grupo de pessoas envolvidas no processo, disponibilidade para mudar, participar, rever princípios e práticas” (Dias, 2005)
  • 37. SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 37 INDIVIDUALISMO “Lutar contra o individualismo, dentro da escola, assim como na vida social, trata-se de nadar contra a corrente, talvez de uma luta inglória, mas necessária. Qualquer discurso de democratização do ambiente escolar que não de um trato especial a esta questão, estará fadado ao fracasso. É necessário levar isto em conta se, de fato, o desejo é o de empreender um trabalho coletivo.” (Ruiz, 2008)
  • 38. Como iniciar?(Fusari,1993;Boy,2011;Ruiz,2008) • Criar e fortalecer o sentimento de grupo/ equipe • “nosso no lugar do meu” – Makarenko • Sentimento de unidade do coletivo (co-responsabilidade) • Princípio de solidariedade • Espaços de autogestão da coletividade: Assembléias, reuniões... • Criar e fortalecer momentos formais e informais de troca e convivência • Preocupação em garantir tempos e espaços de trabalho coletivo • Criar e fortalecer o respeito mútuo (cortesia, cordialidade, amabilidade) • não tratar o outro com rispidez como um exercício constante • Propiciar o engajamento e responsabilização coletiva SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 38
  • 39. ... • Encontrar um sentido em colaborar no trabalho • Inquirição reflexiva focalizada (discussão, experimentação, avaliação) • Observação e assessoria mútua • Lideranças • Pensar o seu trabalho a longo prazo: A alegria do amanhã • “um verdadeiro estímulo da vida humana é a alegria do amanhã” • Objetivos a serem atingidos a curto, médio e longo prazo • “estimular estratégias de formação processuais, coletivas, dinâmicas e contínuas, em que os docentes possam refletir entre si e compartilhar erros e acertos, negociando significados e confrontando pontos de vista (Damiani, 2008, apud Boy, 2011)” SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 39
  • 40. ... • Dar um novo papel ao conflito: “fazer avançar a vida nova, interceder a cada conflito, mas não se deixar envolver por ele, não voltar ao passado, olhar sempre para frente, com otimismo”. • Discutir e refletir sobre alguns elementos curriculares básicos: educador, professor, aluno, Escola, sociedade, objetivos, conteúdos, métodos de ensino e avaliação • Ter clareza sobre • pressupostos teóricos subjacentes**** • aquilo que ela espera do aluno ao final • Situação da Unidade Escolar • Diferenciar supra-estrutural e infra-estrutural • Papel de cada profissional SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 40
  • 41. Benefícios... • “Em relação aos benefícios das relações de trabalho colaborativas, alguns autores apontam que os professores que confiam, valorizam e legitimam a partilha do saber especializado, que procuram aconselhamento e concedem ajuda, têm maiores probabilidades de se tornarem profissionais melhores em relação ao ensino. O impacto da colaboração sob a incerteza dos professores os leva a adquirir um sentimento maior de confiança e reduz o sentimento de impotência (FULLAN e HARGREAVES, 2001, apud Boy, 2011)”. • Maior produtividade (nova expertise – eficácia e performance) • Melhor rendimento (sucesso dos alunos, diminuição da retenção e evasão) • Melhora na inclusão • Maior satisfação no trabalho SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 41
  • 42. ... • “para Titton (2003), permite superar a luta contra si mesmo, contra suas próprias ambivalências, contra os outros e suas diferenças, contra o sistema e suas imposições. Varani (2005) destaca que o grupo proporciona melhor compreensão do seu próprio trabalho, no sentido de armá-lo para o enfrentamento das políticas autoritárias.” (Boy, 2011). • “a ‘cultura de coletividade’ permite aos envolvidos reconhecer o que sabem, o que os outros sabem e o que todos não sabem. Atitudes que resultam na busca de superação dos limites do grupo.” (Boy, 2011). SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 42
  • 43. OdeàAlegria(OdeandieFreude) Poema escrito por F. Schiller (1785) e cantado no 4º movimento da 9ª Sinfonia de Beethoven, também chamada de Ode à Alegria ou Hino da União Européia. SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 43
  • 44. REFERÊNCIA • BOY, L. C. G. Trabalho coletivo entre docentes em escolas da rede municipal de educação de belo horizonte: concepções, permanências e rupturas. Dissertação, Programa de Pós-graduação em Educação, Conhecimento e Inclusão Social da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, 2011. • BORGES, C. Trabalho coletivo. In: OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.M.C.; VIEIRA, L.M.F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM • DIAS, R. C. Trabalho coletivo docente – desafios e possibilidades numa escola municipal de ensino fundamental de são paulo. II Encontro de Pesquisa Discente do Programa de Pós-graduação em Educação da UNINOVE. A Teoria em Pesquisa – O lugar e a importância do referencial teórico na produção em Educação. Uninove. São Paulo, 2005. Disponível em http://www.uninove.br/PDFs/Mestrados/Educa%C3%A7%C3%A3o/eventos/PC%209.pdf. Acessado aos 10/02/2015. • FUSARI, J. C. A Construção da Proposta Educacional e do Trabalho Coletivo na Unidade Escolar. Série Idéias, n. 16, pp. 69-77. São Paulo: FDE, 1993. • GUIMARÃES, S. P. O. Contribuições da dialogicidade para a construção do trabalho coletivo. Revela – Periódico de Divulgação Científica da FALS, I (1), 2007. Disponível em www.fals.com.br/revela6/educacao.pdf. Acessado aos 12/02/2015. • OLIVEIRA, C. S. C. A construção do trabalho coletivo: Estímulo à execução e ao aperfeiçoamento do PPP. Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista em Coordenação Pedagógica. Universidade de Brasilia, 2013. • RONCA, A. C. C. Declaração durante 3º Debate de Avaliação do Desempenho Escolar do Estudante da Rede Pública de Ensino, com o tema "Avaliação Educacional: Limites e Possibilidades“. 2013. • RUIZ, M. J. F. Trabalho coletivo na escola pública: contribuições pedagógicas de Anton Semionovitch Makarenko. ORG & DEMO, Marília, v.9, n.1/2, p. 223-240, 2008. • SEDF - SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Estratégias didático-pedagógicas e avaliação nos ciclos. 2013a. • SEDF - SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Currículo em Movimento – Educação Básica. 2013b. • SILVA, A. C. A Influência do Trabalho Coletivo no Sucesso Escolar. Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista em Coordenação Pedagógica. Universidade de Brasilia, 2013. SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 44
  • 46. MATERIAIS PARA OS TRABALHOS EM GRUPOS SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 46
  • 48. SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 48 PROPOSTA DE ROTEIRO DE REFLEXÃO INICIAL PARA O TRABALHO COLETIVO PROPOSTA POR FUSARI (1993), com adaptações, para ser repensado pela Equipe A - Avaliação do ano anterior 1. Quais foram os problemas básicos enfrentados no ano (ou semestre) letivo anterior e que nos impediram de realizar um trabalho pedagógico de melhor qualidade? 1.1. Quais foram os índices de evasão e retenção na nossa escola? 1.2. Existem dados acerca da qualidade do ensino e da aprendizagem na nossa Unidade? 1.3. Quais são as dificuldades básicas que os profissionais enfrentam no dia a dia? 1.3.1. Quais são as queixas dos profissionais? 1.3.2. Quais são as dificuldades identificadas nos diferentes períodos (matutino, vespertino)? B - É preciso pensar o planejamento do próximo ano (ou semestre) como um todo* 2. Quais são os problemas da realidade brasileira atual? 2.1. Como os problemas nacionais se manifestam no nosso Estado, Região, Bairro e Escola? 3. Qual é a função social da Escola brasileira? 3.1. Qual é o papel da Educação Escolar na transformação da realidade brasileira? 3.1.1. Como superar o "idealismo ingênuo" ("escola redentora da humanidade") e o "pessimismo crítico" (escola reprodutora das desigualdades sociais)? 3.1.2. Como assumir uma atitude de "realismo crítico" ("autonomia relativa" e "especificidade da Educação Escolar")? 4. Quem são e como vivem os alunos que freqüentam a nossa escola? 4.1. Quais são as necessidades e expectativas que os alunos têm a respeito desta escola? 4.1.1. Quais seriam os valores que mobilizam os nossos alunos, quando se matriculam nesta escola? 5. Qual é a caracterização básica do grupo de professores da nossa escola? 5.1. Quem somos, quantos somos, quais motivações dirigiram os docentes para o magistério? 6. Quais são as características físicas e organizacionais da nossa escola? 6.1. O prédio da nossa escola tem condições mínimas para a realização de um bom trabalho pedagógico? 6.2. Que tipo de gestão está sendo praticada na nossa escola? 6.2.1. Democrática, autocrática ou laissez-feire? 7. De que maneira temos pensado e vivenciado a Proposta Educacional da Escola? 7.1. Existe uma clareza (coletiva) mínima acerca do tipo de cidadão que a escola pretende ajudar a formar? 7.1.1. A formação da cidadania do educando tem sido o "fio condutor" do trabalho político-pedagógico da escola? 7.2. Quais são os objetivos educacionais da nossa escola? 7.2.1. Quais são os objetivos dos cursos, das áreas de estudo e das disciplinas? 7.2.2. Como, quando e por quem foram definidos? 7.2.3. Eles estão apoiados numa tendência pedagógica específica? Qual?
  • 49. SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 49 7.2.4. Quais valores estão presentes nos objetivos educacionais da nossa escola? 7.3. Quais conteúdos estamos trabalhando no processo de ensino-aprendizagem? 7.3.1.Como, quando e por quem foram selecionados? 7.3.2. Qual é o papel do livro didático e dos outros meios de comunicação no trato com os conteúdos? 7.3.3. Existe uma preocupação com a democratização e também com a construção do conhecimento? 7.3.4. As áreas de estudo têm propostas próprias, articulando o conteúdo trabalhado ao contexto social mais amplo? 7.3.5. Os alunos aprendem criticamente os conteúdos trabalhados? O que significa isso? 7.4. Que métodos ("caminhos para se atingirem os objetivos educacionais") e procedimentos (etapas, passos, técnicas, uso de materiais/meios de comunicação) os conteúdos estão exigindo para se processarem os trabalhos de ensinar e aprender? 7.4.1. As áreas de estudo discutem a questão da relação conteúdo-método? 7.4.2. Foi problematizada a questão das "estratégias de ensino"? Como? Quando? 7.4.3. A Escola tentou discutir o método básico necessário ao atingimento dos objetivos educacionais? 7.4.3.1. As áreas de estudo apresentam métodos básicos de trabalho? 7.5. Qual é o padrão de interação professor-aluno mais praticado na nossa escola? 7.5.1. Existe uma relação entre os objetivos educacionais, a construção da cidadania e a interação professor-aluno nas salas de aula? 7.5.2. Os educadores têm clareza de que a boa interação (relação comunicacional) com os alunos facilita a aprendizagem? 7.6. Qual(is) tendência(s) de avaliação está(ão) sendo praticadas) na nossa escola? 7.6.1. Quais são os principais problemas percebidos pelos docentes no processo de avaliação dos alunos? 7.6.2. Existe uma clareza de articulação profunda entre objetivos, conteúdos, métodos e avaliação? 7.7. Quais princípios de ensino-aprendizagem estão subsidiando o trabalho pedagógico na nossa escola? 7.7.1 Como as áreas de estudo definem a aprendizagem e o ensino? 7.8. O que queremos e precisamos mudar na nossa escola e nas nossas aulas? 7.8.1. Quais mudanças são necessárias no coletivo dos professores e no plano individual de cada um? 7.9. Quais condições mínimas necessitamos para realizar um bom trabalho pedagógico na nossa escola? 7.9.1. Como nos podemos mobilizar para conseguir condições mínimas de trabalho pedagógico? 7.10. Existe alguma iniciativa da escola no sentido de avaliar o seu trabalho como um todo? 7.10.1. Os diferentes profissionais que atuam na escola se auto-avaliam sistematicamente? 7.10.2. Os alunos avaliam a escola como um todo e em especial o processo de ensino-aprendizagem?
  • 50. SEDF-CRET-ECARNIQUEIRA- EEAA-ANAÍHAESERPEÑA 50 C - É preciso pensar na elaboração da Proposta Educacional da Escola e seus desdobramentos em Planos de Ensino e Planos de Aula 8. Qual tem sido a sistemática de planejamento vivenciada na nossa escola? 8.1. Quais problemas podem ser identificados nela? 8.1.1. O que precisamos transformar nesta prática? 8.2. Como as aulas têm sido planejadas? 8.2.1. Quais instrumentos são utilizados no preparo das aulas? 8.2.2. Qual tem sido a sistemática básica que orienta o seu trabalho na sala de aula? 8.2.3. As áreas de estudo conseguem elaborar alguma proposta para a avaliação das aulas dadas?