SlideShare uma empresa Scribd logo
O Comportamento Humano dentro das
Estruturas Organizacionais e a sua Relação
com o Clima e a Cultura Organizacional

1
Em Comportamento Organizacional estuda-se
tanto
a
natureza
das
organizações
quanto o papel que a pessoa desenvolve dentro
delas e para isso aborda-se inúmeros
temas que envolvem a vida corporativa como
aqueles ligados ao microuniverso do
ser
humano
como:
motivação,
percepção,
comunicação
interpessoal,
liderança,
como
também os temas ligados ao macrouniverso
como: a cultura e clima organizacional,
estrutura, mudanças organizacionais.
2
Essa ciência enfoca como melhorar a
produtividade, reduzir o absenteísmo e a
rotatividade e aumentar a cidadania
organizacional e a satisfação no trabalho.
Comportamento Organizacional é uma
ciência multidisciplinar, pois se apóia em
diversas outras disciplinas comportamentais
como: Psicologia, Sociologia, Psicologia
Social, Antropologia.
3
A Psicologia, ciência que melhor fundamenta
esse estudo, procura medir, explicar, algumas
vezes, modificar o comportamento dos seres
humanos. O início do século XX marcou o
aparecimento da Psicologia como ciência
aplicada e o desenvolvimento de teorias
próprias nas áreas clínica, como a
Psicanálise, o behaviorismo, a Psicologia da
Percepção e a Psicologia Social.
4
O uso de elementos dessas correntes propiciou o
surgimento de uma Psicologia que auxilia as
organizações em seu desenvolvimento e
produtividade, obedecendo às normas capitalistas.

5
Dessa
forma,
Comportamento
Organizacional é uma das principais áreas
de
aplicação
da Psicologia e seu foco está voltado ao
aspecto humano das organizações; ou
seja, a disciplina se preocupa em analisar e
compreender o comportamento de cada
indivíduo na organização, assim como
aumentar o bem-estar de todo o grupo de
funcionários
dentro do contexto do trabalho.
6
O que é uma organização?

7
Uma organização é a junção de esforços
individuais que tem como objetivo realizar
propósitos coletivos. Por intermédio de uma
organização é possível alcançar metas
que seriam impossíveis para uma só pessoa.
Uma organização é formada pela soma de
pessoas, máquinas, equipamentos e
recursos financeiros.
8
O pré-requisito básico para o
funcionamento
de
uma
organização é ter em seu
quadro pessoas que sejam
capazes de se comunicar e que
estejam dispostas a contribuir
na ação conjunta a fim de
alcançar um objetivo comum.
9
a limitação final para alcançar os
objetivos não é mais a capacidade
intelectual ou a força, mas a habilidade
de trabalhar de maneira eficaz com os
outros. Os objetivos das organizações
variam
dos
lucrativos
aos
educacionais, religiosos, políticos, sociai
s e filantrópicos.
10
As organizações são distintas dos grupos e
sociedades em termos de complexidade
estrutural, isto é, em diferenciação vertical. À
medida que ocorre maior divisão do
trabalho, aumenta a complexidade horizontal da
organização.
Conforme
novos
níveis
verticais surgem, como hierarquias para melhorar
processos de controle e regulação, a
complexidade vertical aumenta.
11
Nos pequenos grupos, os integrantes
estabelecem um relacionamento próximo
e pessoal. Nas grandes organizações, que
dependem de muitos níveis intermediários
para coordenar e integrar as atividades das
pessoas,
a
interação
é
indireta.

12
Nos pequenos grupos, os integrantes
estabelecem um relacionamento
próximo e pessoal. Nas grandes
organizações, que dependem de
muitos
níveis
intermediários
para coordenar e integrar as atividades
das pessoas, a interação é indireta.

13
Quando a finalidade de uma organização é
gerar lucro, ter autosustentação e
obter retorno de capital estamos diante de
uma
empresa;
ou
seja,
de
um
empreendimento
que procura integrar recursos humanos e não
humanos
(financeiros,
físicos,
tecnológicos mercadológicos) para atingir
seus objetivos.
14
Na outra ponta, temos as ONGs e entidades
filantrópicas,
organizações
sem
fins
lucrativos cuja finalidade é o cuidado com o ser
humano, o meio ambiente e a qualidade de
vida.

15
O que é Comportamento
Organizacional?

16
Comportamento Organizacional é um campo
de estudo que ajuda a prever, explicar
e compreender os comportamentos nas
organizações. É o estudo do comportamento
humano no local de trabalho, da interação
entre as pessoas e entre a empresa
em si. Refere-se ao processo e não ao
conteúdo do trabalho administrativo.
17
Podemos dizer que é uma especialidade que
investiga
três
determinantes
do
comportamento
nas
organizações:
indivíduos, grupos e estrutura, utilizando-se
desse
conhecimento para promover uma maior
eficácia organizacional. Essa área preocupa-se com o estudo de como as pessoas atuam nas
organizações, assim como esse comportamento
afeta o desempenho das empresas.
18
Habilidades técnicas, humanas e conceituais
necessárias nas organizações contemporâneas

19
Atualmente, as empresas têm se preocupado
com
os
aspectos
mais
subjetivos
na carreira de seus funcionários, não só na
hora de contratar, mas também na hora da
avaliação.

20
Os profissionais estão ficando muito
parecidos do ponto de vista técnico, e o
que vai diferenciar mesmo um profissional do
outro é a pessoa que cada um é, são as
suas habilidades humanas que farão a
diferença.

21
Dessa forma, são identificadas três
habilidades necessárias nas organizações:
técnica, humana e conceitual.

22
As habilidades técnicas envolvem a
capacidade de aplicar conhecimentos
específicos,
assimilados pela educação formal ou no
exercício de funções. Por exemplo:
engenheiro
civil, cirurgião-dentista, médico
cardiologista.
23
As habilidades humanas envolvem a
capacidade de trabalhar com outras
pessoas,
compreendendo-as e motivando-as, de
forma individual como em grupo. Esse tipo
de habilidade humana permite à pessoa
ser boa ouvinte, saber administrar
conflitos,
entender a necessidade de outras pessoas.
24
As habilidades conceituais envolvem a
capacidade mental para a tomada de
decisões,
sabendo localizar problemas, identificando
alternativas, avaliando alternativas,
selecionando sempre as melhores. É uma
habilidade que envolve a capacidade de
processar
e interpretar racionalmente as informações.
25
O funcionário contemporâneo necessita
aprender a conviver com a flexibilidade,
a espontaneidade e a imprevisibilidade. Dessa
forma, o estudo do Comportamento
Organizacional pode ajudar a compreender o
panorama profissional que está em contínua
mudança e colaborar no aprendizado da
superação das resistências às mudanças,
justamente contribuindo na construção de
uma cultura organizacional eficaz e
positiva.
26
Estrutura organizacional

27
Conforme pontuamos no início desta
unidade, existem três pilares para a
compreensão
do Comportamento Organizacional, que são:
indivíduos,
grupos
e
estruturas
organizacionais.

28
É
importante
sabermos
que
as
organizações
possuem
estruturas
organizacionais diferentes, e são essas
estruturas que causam impacto sobre as
atitudes
e comportamentos de seus funcionários.

29
A estrutura organizacional define como as
tarefas
de
seus
funcionários
serão
distribuídas, agrupadas e coordenadas.

30
Estrutura-se uma organização por meio
de seis elementos básicos. São eles:

31
Especialização do Trabalho;
Departamentalização;
Cadeia de Comando;
Amplitude de Controle;
Centralização;
Descentralização;
Formalização.
32
A Especialização do Trabalho se dá
através do grau em que as funções na
organização são subdivididas em
tarefas separadas. No início do século
XX, Henry Ford adotou esse
paradigma.
33
Na primeira metade do século XX, a
especialidade do trabalho foi vista como
causa
do
aumento
de
produtividade, assim como também foi
percebida posteriormente como causa de
fadiga, estresse, tédio, perda de
qualidade de vida.
34
Na contemporaneidade, os administradores
percebem a especialização do trabalho
nem como atuação obsoleta e nem como
motivo de aumento de produtividade.
Vemos um exemplo de alta especialização no
trabalho, na rede McDonald`s, tanto para
fazer como para vender sanduíches e batatas
fritas.
35
A Departamentalização se dá após a
divisão do trabalho por
Especialização, agrupando as atividades
comuns para que sejam coordenadas. O
agrupamento das atividades acontece
através das funções realizadas.
36
Em um hospital podemos ter vários
departamentos como: atendimento ao
paciente, contabilidade, almoxarifado,
pronto-socorro, posto de
vacinação, exames por imagem etc.

37
A Cadeia de Comando é a linha de
autoridade que se dá dentro da
organização,ou seja, é a linha que
descreve quem se reporta a quem.
Ela vai do topo da empresa até o
escalão mais baixo.
38
A Amplitude de Controle significa o
número de funcionários que um
administrador consegue dirigir com eficiência.
Nos últimos tempos a tendência é que as
amplitudes tornem-se maiores por razões
diversificadas como: redução de custos, corte
de excessos, agilização do processo
decisório, aumento da
flexibilidade, autonomia de
funcionários.
39
A Centralização é o grau em que o
processo de decisão está submetido em
um único ponto da organização, ou
seja, as decisões essenciais são tomadas
por uma cúpula com pouca ou nenhuma
participação de funcionários de escalões
inferiores.
40
Já a Descentralização, é o processo
decisório que se dá com a maior
participação
dos
escalões
inferiores,
originando
nos
funcionários sentimentos de menor
distanciamento da empresa.
41
A Formalização é a padronização das
tarefas, objetivando um resultado
uniforme. As descrições das tarefas são
detalhadas e explícitas. Esse recurso
impossibilita
os
funcionários
de
buscarem
e
adotarem
comportamentos e soluções alternativos.
42
É indiscutível que a estrutura de uma
organização gera impacto no comportamento
dos funcionários. Nem todo profissional
prefere liberdade e flexibilidade da estrutura
onde executa o seu trabalho, sentido-se mais
satisfeito e produtivo quando a tarefa por
exemplo é padronizada.
43
Por outro lado, existem profissionais que se
adaptam melhor a um estilo de estrutura
onde ele possa se sentir mais criativo
atuando com maior liberdade e criatividade.

44
Dessa forma, entendemos que o efeito do
modelo
organizacional
sobre
o
comportamento dos funcionários precisa
considerar sempre as diferenças individuais
de cada ser humano.

45
Cada ser humano responde de forma
muito singular à estrutura organizacional
instituída em cada empresa. Alguns se
adaptam a determinadas
estruturas, outros não necessariamente.

46
O ideal é que a estrutura organizacional e a
personalidade
de
cada
funcionário desenvolvam adaptação para que
o mecanismo organizacional e a satisfação
do funcionário sejam atendidos plenamente.

47
02  estudo do comportamento individual na organização
02  estudo do comportamento individual na organização
02  estudo do comportamento individual na organização
02  estudo do comportamento individual na organização
02  estudo do comportamento individual na organização
02  estudo do comportamento individual na organização

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Feedback
FeedbackFeedback
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdfRELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
KellyCristianyRodrig
 
As Emoções e a Inteligência Emocional
As Emoções e a Inteligência EmocionalAs Emoções e a Inteligência Emocional
As Emoções e a Inteligência Emocional
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão das emoções
Gestão das emoçõesGestão das emoções
Gestão das emoções
Mariana Manteiga
 
Relacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal Relacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal
Carmen Pinto
 
Teorias Motivacionais - Maslow e Alderfer
Teorias Motivacionais - Maslow e AlderferTeorias Motivacionais - Maslow e Alderfer
Teorias Motivacionais - Maslow e Alderfer
Odolir Reginatto dos Santos
 
desenvolvimento profissional
desenvolvimento profissionaldesenvolvimento profissional
desenvolvimento profissional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
Graziela Bernardo Mota
 
10 comunicação assertiva
10 comunicação assertiva10 comunicação assertiva
10 comunicação assertiva
António Revez
 
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio PascoalEntendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Julio Pascoal
 
Estrutura Organizacional - Organograma e Fluxograma
Estrutura Organizacional - Organograma e FluxogramaEstrutura Organizacional - Organograma e Fluxograma
Estrutura Organizacional - Organograma e Fluxograma
Luh Vieira
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
Leandro Lopes
 
14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração
Taizi Mendes Izaguirre
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Fabrício Ottoni
 
Dinamicas de grupo mocidade (1)
Dinamicas de grupo mocidade (1)Dinamicas de grupo mocidade (1)
Dinamicas de grupo mocidade (1)
Alice Lirio
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
angelavbecker
 
Inteligência emocional as 5 chaves fundamentais
Inteligência emocional   as 5 chaves fundamentaisInteligência emocional   as 5 chaves fundamentais
Inteligência emocional as 5 chaves fundamentais
Manuela Selas
 
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 2
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 2Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 2
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 2
Professor Cristiano Barreto
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
Nome Sobrenome
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
Fernanda Nascimento Nascimento
 

Mais procurados (20)

Feedback
FeedbackFeedback
Feedback
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdfRELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
 
As Emoções e a Inteligência Emocional
As Emoções e a Inteligência EmocionalAs Emoções e a Inteligência Emocional
As Emoções e a Inteligência Emocional
 
Gestão das emoções
Gestão das emoçõesGestão das emoções
Gestão das emoções
 
Relacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal Relacionamento Interpessoal
Relacionamento Interpessoal
 
Teorias Motivacionais - Maslow e Alderfer
Teorias Motivacionais - Maslow e AlderferTeorias Motivacionais - Maslow e Alderfer
Teorias Motivacionais - Maslow e Alderfer
 
desenvolvimento profissional
desenvolvimento profissionaldesenvolvimento profissional
desenvolvimento profissional
 
Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
 
10 comunicação assertiva
10 comunicação assertiva10 comunicação assertiva
10 comunicação assertiva
 
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio PascoalEntendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
Entendendo o Comportamento humano - Por Julio Pascoal
 
Estrutura Organizacional - Organograma e Fluxograma
Estrutura Organizacional - Organograma e FluxogramaEstrutura Organizacional - Organograma e Fluxograma
Estrutura Organizacional - Organograma e Fluxograma
 
Relacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoalRelacionalmento interpessoal
Relacionalmento interpessoal
 
14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Dinamicas de grupo mocidade (1)
Dinamicas de grupo mocidade (1)Dinamicas de grupo mocidade (1)
Dinamicas de grupo mocidade (1)
 
Palestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino MédioPalestra Motivacional Ensino Médio
Palestra Motivacional Ensino Médio
 
Inteligência emocional as 5 chaves fundamentais
Inteligência emocional   as 5 chaves fundamentaisInteligência emocional   as 5 chaves fundamentais
Inteligência emocional as 5 chaves fundamentais
 
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 2
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 2Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 2
Relacionamento interpessoal e trabalho em equipe - Aula 2
 
Relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoalRelacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
 
O que é qualidade de vida
O que é qualidade de vidaO que é qualidade de vida
O que é qualidade de vida
 

Destaque

Psicologia do comportamento
Psicologia do comportamentoPsicologia do comportamento
Psicologia do comportamento
Liliane Ennes
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Rui Loureiro
 
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalAula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aula 2 - Perspectiva Histórica do Comportamento Organizacional
Aula 2 - Perspectiva Histórica do Comportamento OrganizacionalAula 2 - Perspectiva Histórica do Comportamento Organizacional
Aula 2 - Perspectiva Histórica do Comportamento Organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Comportamento Organizacional 1
Comportamento Organizacional 1Comportamento Organizacional 1
Comportamento Organizacional 1
Tajra Assessoria Educacional Ltda
 
Comportamento organizacional Aula1
Comportamento organizacional Aula1Comportamento organizacional Aula1
Comportamento organizacional Aula1
Niraldo Nascimento
 
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitosRelações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Janaina Becker
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
guestcda5ca
 
Administracao unidade06
Administracao unidade06Administracao unidade06
Administracao unidade06
koddyrj2011
 
Comportamento humano nas organizações
Comportamento humano nas organizaçõesComportamento humano nas organizações
Comportamento humano nas organizações
Marco Coelho
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
A. Rui Teixeira Santos
 
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 -  A Psicologia do Comportamento OrganizacionalAula 2 -  A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Luis Henrique
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Carlos Benjoino Bidu
 
Modelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTModelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNT
Micheli Wink
 
Conceito de Valor, Docente: Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (INP 2011)
Conceito de Valor, Docente: Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (INP 2011)Conceito de Valor, Docente: Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (INP 2011)
Conceito de Valor, Docente: Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (INP 2011)
A. Rui Teixeira Santos
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
A. Rui Teixeira Santos
 
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Estudo dos Valores Organizacionais Percebidos na Cultura Organizacional de um...
Estudo dos Valores Organizacionais Percebidos na Cultura Organizacional de um...Estudo dos Valores Organizacionais Percebidos na Cultura Organizacional de um...
Estudo dos Valores Organizacionais Percebidos na Cultura Organizacional de um...
Juliana Camboim Lula
 

Destaque (20)

Psicologia do comportamento
Psicologia do comportamentoPsicologia do comportamento
Psicologia do comportamento
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento OrganizacionalAula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
Aula 1 - Introdução ao Comportamento Organizacional
 
Aula 2 - Perspectiva Histórica do Comportamento Organizacional
Aula 2 - Perspectiva Histórica do Comportamento OrganizacionalAula 2 - Perspectiva Histórica do Comportamento Organizacional
Aula 2 - Perspectiva Histórica do Comportamento Organizacional
 
Comportamento Organizacional 1
Comportamento Organizacional 1Comportamento Organizacional 1
Comportamento Organizacional 1
 
Comportamento organizacional Aula1
Comportamento organizacional Aula1Comportamento organizacional Aula1
Comportamento organizacional Aula1
 
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitosRelações interpessoais na organização e gestão de conflitos
Relações interpessoais na organização e gestão de conflitos
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Administracao unidade06
Administracao unidade06Administracao unidade06
Administracao unidade06
 
Comportamento humano nas organizações
Comportamento humano nas organizaçõesComportamento humano nas organizações
Comportamento humano nas organizações
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 -  A Psicologia do Comportamento OrganizacionalAula 2 -  A Psicologia do Comportamento Organizacional
Aula 2 - A Psicologia do Comportamento Organizacional
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Modelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNTModelo trabalho na ABNT
Modelo trabalho na ABNT
 
Conceito de Valor, Docente: Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (INP 2011)
Conceito de Valor, Docente: Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (INP 2011)Conceito de Valor, Docente: Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (INP 2011)
Conceito de Valor, Docente: Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (INP 2011)
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
POR UNA SOSTENIBILIDAD HUMANA EN LA EMPRESA: APORTACIONES DE LA FILOSOFÍA DE ...
 
Estudo dos Valores Organizacionais Percebidos na Cultura Organizacional de um...
Estudo dos Valores Organizacionais Percebidos na Cultura Organizacional de um...Estudo dos Valores Organizacionais Percebidos na Cultura Organizacional de um...
Estudo dos Valores Organizacionais Percebidos na Cultura Organizacional de um...
 

Semelhante a 02 estudo do comportamento individual na organização

Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
Coach Prof. Cesar Rufino
 
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.pptaula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
PatricMelloMartins1
 
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Marcos Souza
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Marcela Montalvão Teti
 
Características básicas das organizações formais modernas apostila
Características básicas das organizações formais modernas   apostilaCaracterísticas básicas das organizações formais modernas   apostila
Características básicas das organizações formais modernas apostila
Débora Soares Teodoro
 
Administração
AdministraçãoAdministração
Administração
Patrícia Ventura
 
Gestão de Pessoas I
Gestão de Pessoas IGestão de Pessoas I
Gestão de Pessoas I
AVP90
 
Capítulo 1 O QUE É COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL
Capítulo 1 O QUE É COMPORTAMENTO ORGANIZACIONALCapítulo 1 O QUE É COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL
Capítulo 1 O QUE É COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL
MauricioPaniza1
 
Conceitos Centrais de Gestão Organizacional
Conceitos Centrais de Gestão OrganizacionalConceitos Centrais de Gestão Organizacional
Conceitos Centrais de Gestão Organizacional
Gustavo Pereira
 
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3   teoria do desenvolvimento organizacionalAula 3   teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Niloar Bissani
 
Administração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Administração de Recursos Humanos - Gestão de PessoasAdministração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Administração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Meme Maria Souza
 
Organização_formal_e_informal
Organização_formal_e_informalOrganização_formal_e_informal
Organização_formal_e_informal
Jordanio Silva Santos
 
Comportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-finalComportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-final
Sandra Oliveira
 
Atps tecnologias de gestão
Atps tecnologias de gestãoAtps tecnologias de gestão
Atps tecnologias de gestão
55556681
 
O que e administracao
O que e administracaoO que e administracao
O que e administracao
Rosemeire Camacho
 
Apostila gestão de pessoas 2013
Apostila gestão de pessoas 2013Apostila gestão de pessoas 2013
Apostila gestão de pessoas 2013
Ricardo Verrengia
 
Aula 2 adminis
Aula 2 adminisAula 2 adminis
Aula 2 adminis
Marluce Filipe
 
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
Catarina Guedes
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
Salvador Abreu
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacional Comportamento organizacional
Comportamento organizacional
Marlei88
 

Semelhante a 02 estudo do comportamento individual na organização (20)

Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.pptaula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
 
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Características básicas das organizações formais modernas apostila
Características básicas das organizações formais modernas   apostilaCaracterísticas básicas das organizações formais modernas   apostila
Características básicas das organizações formais modernas apostila
 
Administração
AdministraçãoAdministração
Administração
 
Gestão de Pessoas I
Gestão de Pessoas IGestão de Pessoas I
Gestão de Pessoas I
 
Capítulo 1 O QUE É COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL
Capítulo 1 O QUE É COMPORTAMENTO ORGANIZACIONALCapítulo 1 O QUE É COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL
Capítulo 1 O QUE É COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL
 
Conceitos Centrais de Gestão Organizacional
Conceitos Centrais de Gestão OrganizacionalConceitos Centrais de Gestão Organizacional
Conceitos Centrais de Gestão Organizacional
 
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3   teoria do desenvolvimento organizacionalAula 3   teoria do desenvolvimento organizacional
Aula 3 teoria do desenvolvimento organizacional
 
Administração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Administração de Recursos Humanos - Gestão de PessoasAdministração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Administração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
 
Organização_formal_e_informal
Organização_formal_e_informalOrganização_formal_e_informal
Organização_formal_e_informal
 
Comportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-finalComportamento organ v11-final
Comportamento organ v11-final
 
Atps tecnologias de gestão
Atps tecnologias de gestãoAtps tecnologias de gestão
Atps tecnologias de gestão
 
O que e administracao
O que e administracaoO que e administracao
O que e administracao
 
Apostila gestão de pessoas 2013
Apostila gestão de pessoas 2013Apostila gestão de pessoas 2013
Apostila gestão de pessoas 2013
 
Aula 2 adminis
Aula 2 adminisAula 2 adminis
Aula 2 adminis
 
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacional Comportamento organizacional
Comportamento organizacional
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 

02 estudo do comportamento individual na organização

  • 1. O Comportamento Humano dentro das Estruturas Organizacionais e a sua Relação com o Clima e a Cultura Organizacional 1
  • 2. Em Comportamento Organizacional estuda-se tanto a natureza das organizações quanto o papel que a pessoa desenvolve dentro delas e para isso aborda-se inúmeros temas que envolvem a vida corporativa como aqueles ligados ao microuniverso do ser humano como: motivação, percepção, comunicação interpessoal, liderança, como também os temas ligados ao macrouniverso como: a cultura e clima organizacional, estrutura, mudanças organizacionais. 2
  • 3. Essa ciência enfoca como melhorar a produtividade, reduzir o absenteísmo e a rotatividade e aumentar a cidadania organizacional e a satisfação no trabalho. Comportamento Organizacional é uma ciência multidisciplinar, pois se apóia em diversas outras disciplinas comportamentais como: Psicologia, Sociologia, Psicologia Social, Antropologia. 3
  • 4. A Psicologia, ciência que melhor fundamenta esse estudo, procura medir, explicar, algumas vezes, modificar o comportamento dos seres humanos. O início do século XX marcou o aparecimento da Psicologia como ciência aplicada e o desenvolvimento de teorias próprias nas áreas clínica, como a Psicanálise, o behaviorismo, a Psicologia da Percepção e a Psicologia Social. 4
  • 5. O uso de elementos dessas correntes propiciou o surgimento de uma Psicologia que auxilia as organizações em seu desenvolvimento e produtividade, obedecendo às normas capitalistas. 5
  • 6. Dessa forma, Comportamento Organizacional é uma das principais áreas de aplicação da Psicologia e seu foco está voltado ao aspecto humano das organizações; ou seja, a disciplina se preocupa em analisar e compreender o comportamento de cada indivíduo na organização, assim como aumentar o bem-estar de todo o grupo de funcionários dentro do contexto do trabalho. 6
  • 7. O que é uma organização? 7
  • 8. Uma organização é a junção de esforços individuais que tem como objetivo realizar propósitos coletivos. Por intermédio de uma organização é possível alcançar metas que seriam impossíveis para uma só pessoa. Uma organização é formada pela soma de pessoas, máquinas, equipamentos e recursos financeiros. 8
  • 9. O pré-requisito básico para o funcionamento de uma organização é ter em seu quadro pessoas que sejam capazes de se comunicar e que estejam dispostas a contribuir na ação conjunta a fim de alcançar um objetivo comum. 9
  • 10. a limitação final para alcançar os objetivos não é mais a capacidade intelectual ou a força, mas a habilidade de trabalhar de maneira eficaz com os outros. Os objetivos das organizações variam dos lucrativos aos educacionais, religiosos, políticos, sociai s e filantrópicos. 10
  • 11. As organizações são distintas dos grupos e sociedades em termos de complexidade estrutural, isto é, em diferenciação vertical. À medida que ocorre maior divisão do trabalho, aumenta a complexidade horizontal da organização. Conforme novos níveis verticais surgem, como hierarquias para melhorar processos de controle e regulação, a complexidade vertical aumenta. 11
  • 12. Nos pequenos grupos, os integrantes estabelecem um relacionamento próximo e pessoal. Nas grandes organizações, que dependem de muitos níveis intermediários para coordenar e integrar as atividades das pessoas, a interação é indireta. 12
  • 13. Nos pequenos grupos, os integrantes estabelecem um relacionamento próximo e pessoal. Nas grandes organizações, que dependem de muitos níveis intermediários para coordenar e integrar as atividades das pessoas, a interação é indireta. 13
  • 14. Quando a finalidade de uma organização é gerar lucro, ter autosustentação e obter retorno de capital estamos diante de uma empresa; ou seja, de um empreendimento que procura integrar recursos humanos e não humanos (financeiros, físicos, tecnológicos mercadológicos) para atingir seus objetivos. 14
  • 15. Na outra ponta, temos as ONGs e entidades filantrópicas, organizações sem fins lucrativos cuja finalidade é o cuidado com o ser humano, o meio ambiente e a qualidade de vida. 15
  • 16. O que é Comportamento Organizacional? 16
  • 17. Comportamento Organizacional é um campo de estudo que ajuda a prever, explicar e compreender os comportamentos nas organizações. É o estudo do comportamento humano no local de trabalho, da interação entre as pessoas e entre a empresa em si. Refere-se ao processo e não ao conteúdo do trabalho administrativo. 17
  • 18. Podemos dizer que é uma especialidade que investiga três determinantes do comportamento nas organizações: indivíduos, grupos e estrutura, utilizando-se desse conhecimento para promover uma maior eficácia organizacional. Essa área preocupa-se com o estudo de como as pessoas atuam nas organizações, assim como esse comportamento afeta o desempenho das empresas. 18
  • 19. Habilidades técnicas, humanas e conceituais necessárias nas organizações contemporâneas 19
  • 20. Atualmente, as empresas têm se preocupado com os aspectos mais subjetivos na carreira de seus funcionários, não só na hora de contratar, mas também na hora da avaliação. 20
  • 21. Os profissionais estão ficando muito parecidos do ponto de vista técnico, e o que vai diferenciar mesmo um profissional do outro é a pessoa que cada um é, são as suas habilidades humanas que farão a diferença. 21
  • 22. Dessa forma, são identificadas três habilidades necessárias nas organizações: técnica, humana e conceitual. 22
  • 23. As habilidades técnicas envolvem a capacidade de aplicar conhecimentos específicos, assimilados pela educação formal ou no exercício de funções. Por exemplo: engenheiro civil, cirurgião-dentista, médico cardiologista. 23
  • 24. As habilidades humanas envolvem a capacidade de trabalhar com outras pessoas, compreendendo-as e motivando-as, de forma individual como em grupo. Esse tipo de habilidade humana permite à pessoa ser boa ouvinte, saber administrar conflitos, entender a necessidade de outras pessoas. 24
  • 25. As habilidades conceituais envolvem a capacidade mental para a tomada de decisões, sabendo localizar problemas, identificando alternativas, avaliando alternativas, selecionando sempre as melhores. É uma habilidade que envolve a capacidade de processar e interpretar racionalmente as informações. 25
  • 26. O funcionário contemporâneo necessita aprender a conviver com a flexibilidade, a espontaneidade e a imprevisibilidade. Dessa forma, o estudo do Comportamento Organizacional pode ajudar a compreender o panorama profissional que está em contínua mudança e colaborar no aprendizado da superação das resistências às mudanças, justamente contribuindo na construção de uma cultura organizacional eficaz e positiva. 26
  • 28. Conforme pontuamos no início desta unidade, existem três pilares para a compreensão do Comportamento Organizacional, que são: indivíduos, grupos e estruturas organizacionais. 28
  • 29. É importante sabermos que as organizações possuem estruturas organizacionais diferentes, e são essas estruturas que causam impacto sobre as atitudes e comportamentos de seus funcionários. 29
  • 30. A estrutura organizacional define como as tarefas de seus funcionários serão distribuídas, agrupadas e coordenadas. 30
  • 31. Estrutura-se uma organização por meio de seis elementos básicos. São eles: 31
  • 32. Especialização do Trabalho; Departamentalização; Cadeia de Comando; Amplitude de Controle; Centralização; Descentralização; Formalização. 32
  • 33. A Especialização do Trabalho se dá através do grau em que as funções na organização são subdivididas em tarefas separadas. No início do século XX, Henry Ford adotou esse paradigma. 33
  • 34. Na primeira metade do século XX, a especialidade do trabalho foi vista como causa do aumento de produtividade, assim como também foi percebida posteriormente como causa de fadiga, estresse, tédio, perda de qualidade de vida. 34
  • 35. Na contemporaneidade, os administradores percebem a especialização do trabalho nem como atuação obsoleta e nem como motivo de aumento de produtividade. Vemos um exemplo de alta especialização no trabalho, na rede McDonald`s, tanto para fazer como para vender sanduíches e batatas fritas. 35
  • 36. A Departamentalização se dá após a divisão do trabalho por Especialização, agrupando as atividades comuns para que sejam coordenadas. O agrupamento das atividades acontece através das funções realizadas. 36
  • 37. Em um hospital podemos ter vários departamentos como: atendimento ao paciente, contabilidade, almoxarifado, pronto-socorro, posto de vacinação, exames por imagem etc. 37
  • 38. A Cadeia de Comando é a linha de autoridade que se dá dentro da organização,ou seja, é a linha que descreve quem se reporta a quem. Ela vai do topo da empresa até o escalão mais baixo. 38
  • 39. A Amplitude de Controle significa o número de funcionários que um administrador consegue dirigir com eficiência. Nos últimos tempos a tendência é que as amplitudes tornem-se maiores por razões diversificadas como: redução de custos, corte de excessos, agilização do processo decisório, aumento da flexibilidade, autonomia de funcionários. 39
  • 40. A Centralização é o grau em que o processo de decisão está submetido em um único ponto da organização, ou seja, as decisões essenciais são tomadas por uma cúpula com pouca ou nenhuma participação de funcionários de escalões inferiores. 40
  • 41. Já a Descentralização, é o processo decisório que se dá com a maior participação dos escalões inferiores, originando nos funcionários sentimentos de menor distanciamento da empresa. 41
  • 42. A Formalização é a padronização das tarefas, objetivando um resultado uniforme. As descrições das tarefas são detalhadas e explícitas. Esse recurso impossibilita os funcionários de buscarem e adotarem comportamentos e soluções alternativos. 42
  • 43. É indiscutível que a estrutura de uma organização gera impacto no comportamento dos funcionários. Nem todo profissional prefere liberdade e flexibilidade da estrutura onde executa o seu trabalho, sentido-se mais satisfeito e produtivo quando a tarefa por exemplo é padronizada. 43
  • 44. Por outro lado, existem profissionais que se adaptam melhor a um estilo de estrutura onde ele possa se sentir mais criativo atuando com maior liberdade e criatividade. 44
  • 45. Dessa forma, entendemos que o efeito do modelo organizacional sobre o comportamento dos funcionários precisa considerar sempre as diferenças individuais de cada ser humano. 45
  • 46. Cada ser humano responde de forma muito singular à estrutura organizacional instituída em cada empresa. Alguns se adaptam a determinadas estruturas, outros não necessariamente. 46
  • 47. O ideal é que a estrutura organizacional e a personalidade de cada funcionário desenvolvam adaptação para que o mecanismo organizacional e a satisfação do funcionário sejam atendidos plenamente. 47