SlideShare uma empresa Scribd logo
PSICOLOGIA Processos Emocionais Emoções e Sentimentos Afectividade e Juízo De acordo com Programa de Psicologia B – 12º Ano Jorge Barbosa, 2010
Emoções, Sentimentos e Afectos Emoção Reacção complexa a estímulos externos e internos, traduzida em alterações fisiológicas, comportamentais, cognitivas e em expressões faciais EMOÇÕES SOCIAIS Vergonha, por ex. EMOÇÕES PRIMÁRIAS Medo, por ex.
Componentes da Emoção Social Cognitiva Fisiológica A Amígdala e o Sistema Nervoso Autónomo desempenham um papel importante na regulação das emoções O Modo como percepcionamos ou interpretamos um estímulo e uma situação determina o tipo de emoção que sentimos Manifestações exteriores das emoções: expressões faciais, postura corporal...
Teorias Fisiológicas 40% 30% 20% 10% Reacção emocional Situação Normal As emoções resultam de estados fisiológicos, desencadeados por estímulos e situações Teoria de William James e Carl Lange Reacções corporais a  estímulos ambientais
Teorias Fisiológicas Argumentos da Teoria de James-Lange Em primeiro lugar, uma situação provoca um excitação fisiológica. A excitação fisiológica conduz a uma resposta física. Só então interpretamos ou percepcionamos a resposta física como emoção.
Teorias Fisiológicas 1 2 3 4 Teoria de james-Lange Excitação fisiológica Resposta do Organismo Interpretação da Resposta do Organismo
Teorias Fisiológicas 40% 30% 20% 10% Reacção emocional Situação Normal As emoções têm origem no cérebro; emoções e respostas fisiológicas podem acontecer ao mesmo tempo, mas as emoções não são causadas pelas reacções fisiológicas. Teoria de WalterCannon e de Bard Reacções corporais a  estímulos ambientais
Teorias Fisiológicas Argumentos da Teoria de Cannon-Bard A experiência fisiológica da emoção não varia de emoção para emoção. O aspecto fisiológico ou corporal da emoção acontece, por vezes, depois da experiência subjectiva da emoção. Respostas fisiológicas artificialmente criadas não dão origem a emoções.
Teorias Fisiológicas 1 2 3 4 Teoria de Cannon-Bard Resposta Emocional do Cérebro Reacção Fisiológica O Sentimento da emoção é provocado pelo tratamento cerebral da informação.
Teoria Cognitiva Teoria Bifactorial das Emoções de Schachter e Singer
Teorias Cognitivas Consensos Cognitivistas - Não há emoções sem componentes cognitivas de interpretação. - O Cérebro e o Corpo desempenham um papel importante.
Photo Icons with motives SCENE Teoria de Schachter e Singer Estímulo Emocional Sentimento da Emoção Reacção Emocional Rótulo Cognitivo
Afectividade e Juízo Tomar conhecimento da situação Conhecer opções Conhecer consequências Perspectiva de António Damásio Estudo das Áreas Pré-Frontais do Cérebro: - As emoções estão envolvidas nos processos de decisão ,[object Object],[object Object]
Afectividade e Juízo Raciocínio Experiências Emocionais Duas Vias Paralelas para a Tomada de Decisão Raciocínio - Avaliação da situação - Levantamento de opções - Comparações lógicas… Duas Vias Experiências Emocionais: - Memórias do passado ,[object Object],[object Object]
Afectividade e Juízo ANTES AGORA DEPOIS Por mais simples que a decisão seja, existe sempre uma emoção associada à escolha feita Estabelece-se sempre uma ligação entre o tipo de situação e o estado  somático. As manifestações corporais simulam as consequências esperadas,  orientando as escolhas.
Problemático, depois Afectividade e Juízo Interessante, agora Estado Somático I
Problemático, agora Afectividade e Juízo Interessante, depois Estado Somático II
Emoções e Sentimentos Sexualidade
5 4 3 2 1
1 SEXUALIDADE… O Papel das emoções, dos sentimentos, da afectividade e do juízo nas tomadas de decisão
A sexualidade é um processo complexo que implica todos os tipos de tendências humanas Tendências secundárias Tendências Primárias São aprendidas, adquiridas no processo de socialização e correspondem a necessidades sociais Manifestam-se desde o nascimento e são independentes da aprendizagem Sexualidade Sexualidade e Motivação
SCENE A sexualidade é um processo complexo que implica todos os tipos de tendências humanas Tendências Sociais Tendências Individuais Estão na base das interacções sociais e têm a ver com o estabelecimento das relações com os outros. Relacionam-se com os iteresses do indivíduo e visam o seu desenvolvimento e preservação Sexualidade Tendências Ideais Relacionam-se com a promoção de valores. Sexualidade e Motivação
Teoria Motivacional de Freud Consciente Subconsciente Inconsciente Estruturas do Psiquismo – A sexualidade
Teoria Motivacional de Freud Superego Ego ID Estruturas do Psiquismo – A sexualidade Estruturas: - Superego – parcialmente inconsciente - Ego – parcialmente inconsciente - Id – totalmente inconsciente
Perspectiva Freudianada Sexualidade ID Base dinâmica de toda a vida psíquica Reservatório de energia pulsional Tende à auto-satisfação imediata, procurando obter o prazer e evitar a dor.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Ego Representante da realidade e do mundo externo Deriva da tensão entre as pulsões do Id e as exigências morais do Superego Tende a procurar o equilíbrio entre as forças contrárias do Id e do Superego..
Perspectiva Freudianada Sexualidade Superego Interiorização das normas externas, é constituído por normas e ideais morais Tende a controlar o Id, através do Ego Reprime as infracções à moralidade.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Ansiedade Ansiedade Real - Medo de perigos ou ameaças externas Ansiedade Neurótica – receio de que os impulsos do Id fujam ao controlo do Ego. Ansiedade moral – receio de ser punido por violar normas morais interiorizadas.
2 SEXUALIDADE… Mecanismos de defesa do Ego
Perspectiva Freudianada Sexualidade Recalcamento Reprime e afasta da consciência impulsos do Id e recordações traumáticas Bloqueia pulsões, desejos, sentimentos e recordações. Mecanismo inconsciente que nos permite não tomar consciência de conflitos causadores de ansiedade. O que é recalcado não é eliminado: pode manifestar-se de formas disfarçadas, nem sempre inofensivas (caso das neuroses).
Perspectiva Freudianada Sexualidade Racionalização Protege a auto-estima e evita sentimentos de inferioridade Recorre a argumentos ou justificações racionais que mascaram os fracassos ou frustrações.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Projecção Redução da ansiedade através da atribuição dos nossos impulsos, desejos e sentimentos inaceitáveis à pessoa que deles é alvo. O objecto da pulsão torna-se em sujeito: “o alvo transforma-se em atirador”.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Deslocamento Substituição do objecto original de um impulso por outro sobre o qual liberta a tensão.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Sublimação Orientação dos impulsos indesejáveis para actividades socialmente aprovadas e valorizadas. (Segundo Freud, a sublimação é um mecanismo de defesa do Ego crucial para o desenvolvimento da cultura e da civilização)
Perspectiva Freudianada Sexualidade Compensação Visa a superação de situações ou sentimentos de inferioridade, através do envolvimento em actividades que promovam a auto-afirmação.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Regressão Adopção de formas de comportamento características de estádios anteriores do desenvolvimento psicossexual. A regressão é o retorno simbólico a um estádio anterior, no qual ocorreu uma fixação.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade Em cada estádio psicossexual, os impulsos do Id, em busca de prazer, concentram-se numa determinada área do corpo e em actividades ligadas àquela área. As áreas do corpo que, nos seis primeiros anos de vida, são objecto de manifestações do Id, são as que estão presentes de forma mais significativa no prazer sexual na idade adulta.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE ORAL – Primeiro ano de vida. Os bebés obtêm prazer da amamentação e da sucção.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE ANAL – Segundo ano de vida. As crianças obtêm prazer da retenção e da expulsão das fezes.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE FÁLICA – Dos 3 aos 6 anos. As crianças obtêm prazer da manipulação dos genitais.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade COMPLEXO DE ÉDIPO– Entre os 5 e os 6 anos. Os impulsos sexuais do rapaz dirigem-se para a mãe;  O pai é fantasiado como rival com quem o rapaz tem de se identificar. Ansiedade de castração
Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade COMPLEXO DE ÉDIPO– Entre os 5 e os 6 anos. Os impulsos sexuais da rapariga dirigem-se para o pai;  A mãe é fantasiada como rival, responsável pela falta de pénis na rapariga.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE DE LATÊNCIA – Entre os 7 e os 12 anos. Recalcamento da situação edipiana As crianças preocupam-se menos com o seu corpo.
Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE GENITAL – A partir da adolescência. A situação edipiana toma novas formas: o impulso sexual dirige-se para fora do ambiente familiar. As partes do corpo, fonte de prazer nas fases anteriores, são integradas na vida sexual adulta.
Contributos Actuais Emoções, marcadores somáticos e pulsões Freud utilizou a linguagem possível no seu tempo. Não é sensato atribuir-lhe o rigor científico que actualmente a Psicologia possui. É, todavia, evidente que Freud teve intuições muito importantes. Vamos, então, discutir hipóteses que compatibilizem os conceitos de emoção, marcador, pulsão, inconsciente, sentimento, sexualidade, Id, etc. ...
EmoçõeseSentimentos Jorge Barbosa, 2010 Sexualidade
Processos Emocionais
Processos Emocionais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processos Conativos
Processos ConativosProcessos Conativos
Processos Conativos
Jorge Barbosa
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
Cognição Social
Cognição SocialCognição Social
Cognição Social
nockinhas22
 
A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
psicologiaazambuja
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
norberto faria
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Vitor Manuel de Carvalho
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
Jorge Barbosa
 
MENTE
MENTEMENTE
Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
RaQuel Oliveira
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
filosofia-alijo
 
A formação de impressões
A formação de impressõesA formação de impressões
A formação de impressões
Luis De Sousa Rodrigues
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Cérebro
CérebroCérebro
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
Josevânia Silva
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
Maria Oliveira
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
Sara Afonso
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
Ana Felizardo
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Processos Conativos
Processos ConativosProcessos Conativos
Processos Conativos
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
O conformismo
 
Cognição Social
Cognição SocialCognição Social
Cognição Social
 
A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Processos Emocionais
Processos EmocionaisProcessos Emocionais
Processos Emocionais
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
 
A formação de impressões
A formação de impressõesA formação de impressões
A formação de impressões
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 

Destaque

A Pedagogia do Afeto
A Pedagogia do Afeto A Pedagogia do Afeto
A Pedagogia do Afeto
Adilson P Motta Motta
 
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Graça Maciel
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
Graça Martins
 
A multidão e Jesus - n.15
A multidão e Jesus - n.15A multidão e Jesus - n.15
A multidão e Jesus - n.15
Graça Maciel
 
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Graça Maciel
 
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espíritaO Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
Anderson Santos
 
Jesus e o templo - n.16
Jesus e o templo - n.16Jesus e o templo - n.16
Jesus e o templo - n.16
Graça Maciel
 
A visão espírita da bíblia
A visão espírita da bíbliaA visão espírita da bíblia
A visão espírita da bíblia
Graça Maciel
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidade
Joaquim Fontes
 
Atmosfera espiritual da terra
Atmosfera espiritual da terraAtmosfera espiritual da terra
Atmosfera espiritual da terra
Graça Maciel
 
A Bíblia - n. 3
A Bíblia - n. 3A Bíblia - n. 3
A Bíblia - n. 3
Graça Maciel
 
Estudos bíblicos - n.4
Estudos bíblicos - n.4 Estudos bíblicos - n.4
Estudos bíblicos - n.4 Graça Maciel
 
Jesus e as sinagogas - n.17
Jesus e as sinagogas - n.17Jesus e as sinagogas - n.17
Jesus e as sinagogas - n.17
Graça Maciel
 
Reformador 2007-04
Reformador 2007-04Reformador 2007-04
Reformador 2007-04
Tarcillo Armindo Schmaedecke
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
guest6d35e1
 
7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos 7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos
Leonardo Pereira
 
Sentimento
SentimentoSentimento
Sentimento
joja2001
 
Saude integral
Saude integralSaude integral
Saude integral
Andre Luiz Campos
 
Os três batismos - n.13
Os três batismos - n.13Os três batismos - n.13
Os três batismos - n.13
Graça Maciel
 
A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10Graça Maciel
 

Destaque (20)

A Pedagogia do Afeto
A Pedagogia do Afeto A Pedagogia do Afeto
A Pedagogia do Afeto
 
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
Jesus o cristo de Deus (1 ) - N 11
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
 
A multidão e Jesus - n.15
A multidão e Jesus - n.15A multidão e Jesus - n.15
A multidão e Jesus - n.15
 
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
Nao basta compreender a doutrina: é preciso, sobretudo, assimilá-la.
 
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espíritaO Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
O Duplo Etérico - atualidades da ciência espírita
 
Jesus e o templo - n.16
Jesus e o templo - n.16Jesus e o templo - n.16
Jesus e o templo - n.16
 
A visão espírita da bíblia
A visão espírita da bíbliaA visão espírita da bíblia
A visão espírita da bíblia
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidade
 
Atmosfera espiritual da terra
Atmosfera espiritual da terraAtmosfera espiritual da terra
Atmosfera espiritual da terra
 
A Bíblia - n. 3
A Bíblia - n. 3A Bíblia - n. 3
A Bíblia - n. 3
 
Estudos bíblicos - n.4
Estudos bíblicos - n.4 Estudos bíblicos - n.4
Estudos bíblicos - n.4
 
Jesus e as sinagogas - n.17
Jesus e as sinagogas - n.17Jesus e as sinagogas - n.17
Jesus e as sinagogas - n.17
 
Reformador 2007-04
Reformador 2007-04Reformador 2007-04
Reformador 2007-04
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
 
7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos 7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos
 
Sentimento
SentimentoSentimento
Sentimento
 
Saude integral
Saude integralSaude integral
Saude integral
 
Os três batismos - n.13
Os três batismos - n.13Os três batismos - n.13
Os três batismos - n.13
 
A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10
 

Semelhante a Processos Emocionais

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Bruno Carrasco
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
João Carlos Gomes
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
Daniele Rubim
 
Emoção
Emoção  Emoção
Emoção
Marlene Gomes
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
guested634f
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
Liliane Ennes
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
Rolando Almeida
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdfDiferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Vitor149557
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freud
Dani Silva
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
bia_chersoni
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
BeatrizSousa577457
 
Fases do desenvolvimento março 2013 urca
Fases do desenvolvimento março 2013 urcaFases do desenvolvimento março 2013 urca
Fases do desenvolvimento março 2013 urca
Universidade Federal do Ceará
 
Psicologia: Cognição
Psicologia:  Cognição Psicologia:  Cognição
Psicologia: Cognição
CarolinaQ Sousa
 
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptxSlides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
AndreLuizJunior2
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Isabella Ruas
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
alinerabelo31
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
Rolando Almeida
 

Semelhante a Processos Emocionais (20)

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Introdução Psicologia
Introdução Psicologia Introdução Psicologia
Introdução Psicologia
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
Emoção
Emoção  Emoção
Emoção
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Processos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos ConativosProcessos Emocionais E Processos Conativos
Processos Emocionais E Processos Conativos
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdfDiferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
Diferentes conceções sobre o estudo do ser humano.pdf
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freud
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
 
EMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdfEMOÇÕES.pdf
EMOÇÕES.pdf
 
Fases do desenvolvimento março 2013 urca
Fases do desenvolvimento março 2013 urcaFases do desenvolvimento março 2013 urca
Fases do desenvolvimento março 2013 urca
 
Psicologia: Cognição
Psicologia:  Cognição Psicologia:  Cognição
Psicologia: Cognição
 
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptxSlides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
Enoções
EnoçõesEnoções
Enoções
 

Mais de Jorge Barbosa

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Jorge Barbosa
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na Educação
Jorge Barbosa
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14
Jorge Barbosa
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Jorge Barbosa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Jorge Barbosa
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
Jorge Barbosa
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Jorge Barbosa
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Jorge Barbosa
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
Jorge Barbosa
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014
Jorge Barbosa
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estado
Jorge Barbosa
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
Jorge Barbosa
 
A Cidade
A CidadeA Cidade
A Cidade
Jorge Barbosa
 
Velha do Postigo
Velha do PostigoVelha do Postigo
Velha do Postigo
Jorge Barbosa
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
Jorge Barbosa
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
Jorge Barbosa
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Jorge Barbosa
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Jorge Barbosa
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a Espinosa
Jorge Barbosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do Presidente
Jorge Barbosa
 

Mais de Jorge Barbosa (20)

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na Educação
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estado
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
 
A Cidade
A CidadeA Cidade
A Cidade
 
Velha do Postigo
Velha do PostigoVelha do Postigo
Velha do Postigo
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MEC
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a Espinosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do Presidente
 

Processos Emocionais

  • 1. PSICOLOGIA Processos Emocionais Emoções e Sentimentos Afectividade e Juízo De acordo com Programa de Psicologia B – 12º Ano Jorge Barbosa, 2010
  • 2. Emoções, Sentimentos e Afectos Emoção Reacção complexa a estímulos externos e internos, traduzida em alterações fisiológicas, comportamentais, cognitivas e em expressões faciais EMOÇÕES SOCIAIS Vergonha, por ex. EMOÇÕES PRIMÁRIAS Medo, por ex.
  • 3. Componentes da Emoção Social Cognitiva Fisiológica A Amígdala e o Sistema Nervoso Autónomo desempenham um papel importante na regulação das emoções O Modo como percepcionamos ou interpretamos um estímulo e uma situação determina o tipo de emoção que sentimos Manifestações exteriores das emoções: expressões faciais, postura corporal...
  • 4. Teorias Fisiológicas 40% 30% 20% 10% Reacção emocional Situação Normal As emoções resultam de estados fisiológicos, desencadeados por estímulos e situações Teoria de William James e Carl Lange Reacções corporais a estímulos ambientais
  • 5. Teorias Fisiológicas Argumentos da Teoria de James-Lange Em primeiro lugar, uma situação provoca um excitação fisiológica. A excitação fisiológica conduz a uma resposta física. Só então interpretamos ou percepcionamos a resposta física como emoção.
  • 6. Teorias Fisiológicas 1 2 3 4 Teoria de james-Lange Excitação fisiológica Resposta do Organismo Interpretação da Resposta do Organismo
  • 7. Teorias Fisiológicas 40% 30% 20% 10% Reacção emocional Situação Normal As emoções têm origem no cérebro; emoções e respostas fisiológicas podem acontecer ao mesmo tempo, mas as emoções não são causadas pelas reacções fisiológicas. Teoria de WalterCannon e de Bard Reacções corporais a estímulos ambientais
  • 8. Teorias Fisiológicas Argumentos da Teoria de Cannon-Bard A experiência fisiológica da emoção não varia de emoção para emoção. O aspecto fisiológico ou corporal da emoção acontece, por vezes, depois da experiência subjectiva da emoção. Respostas fisiológicas artificialmente criadas não dão origem a emoções.
  • 9. Teorias Fisiológicas 1 2 3 4 Teoria de Cannon-Bard Resposta Emocional do Cérebro Reacção Fisiológica O Sentimento da emoção é provocado pelo tratamento cerebral da informação.
  • 10. Teoria Cognitiva Teoria Bifactorial das Emoções de Schachter e Singer
  • 11. Teorias Cognitivas Consensos Cognitivistas - Não há emoções sem componentes cognitivas de interpretação. - O Cérebro e o Corpo desempenham um papel importante.
  • 12. Photo Icons with motives SCENE Teoria de Schachter e Singer Estímulo Emocional Sentimento da Emoção Reacção Emocional Rótulo Cognitivo
  • 13.
  • 14.
  • 15. Afectividade e Juízo ANTES AGORA DEPOIS Por mais simples que a decisão seja, existe sempre uma emoção associada à escolha feita Estabelece-se sempre uma ligação entre o tipo de situação e o estado somático. As manifestações corporais simulam as consequências esperadas, orientando as escolhas.
  • 16. Problemático, depois Afectividade e Juízo Interessante, agora Estado Somático I
  • 17. Problemático, agora Afectividade e Juízo Interessante, depois Estado Somático II
  • 18. Emoções e Sentimentos Sexualidade
  • 19. 5 4 3 2 1
  • 20. 1 SEXUALIDADE… O Papel das emoções, dos sentimentos, da afectividade e do juízo nas tomadas de decisão
  • 21. A sexualidade é um processo complexo que implica todos os tipos de tendências humanas Tendências secundárias Tendências Primárias São aprendidas, adquiridas no processo de socialização e correspondem a necessidades sociais Manifestam-se desde o nascimento e são independentes da aprendizagem Sexualidade Sexualidade e Motivação
  • 22. SCENE A sexualidade é um processo complexo que implica todos os tipos de tendências humanas Tendências Sociais Tendências Individuais Estão na base das interacções sociais e têm a ver com o estabelecimento das relações com os outros. Relacionam-se com os iteresses do indivíduo e visam o seu desenvolvimento e preservação Sexualidade Tendências Ideais Relacionam-se com a promoção de valores. Sexualidade e Motivação
  • 23. Teoria Motivacional de Freud Consciente Subconsciente Inconsciente Estruturas do Psiquismo – A sexualidade
  • 24. Teoria Motivacional de Freud Superego Ego ID Estruturas do Psiquismo – A sexualidade Estruturas: - Superego – parcialmente inconsciente - Ego – parcialmente inconsciente - Id – totalmente inconsciente
  • 25. Perspectiva Freudianada Sexualidade ID Base dinâmica de toda a vida psíquica Reservatório de energia pulsional Tende à auto-satisfação imediata, procurando obter o prazer e evitar a dor.
  • 26. Perspectiva Freudianada Sexualidade Ego Representante da realidade e do mundo externo Deriva da tensão entre as pulsões do Id e as exigências morais do Superego Tende a procurar o equilíbrio entre as forças contrárias do Id e do Superego..
  • 27. Perspectiva Freudianada Sexualidade Superego Interiorização das normas externas, é constituído por normas e ideais morais Tende a controlar o Id, através do Ego Reprime as infracções à moralidade.
  • 28. Perspectiva Freudianada Sexualidade Ansiedade Ansiedade Real - Medo de perigos ou ameaças externas Ansiedade Neurótica – receio de que os impulsos do Id fujam ao controlo do Ego. Ansiedade moral – receio de ser punido por violar normas morais interiorizadas.
  • 29. 2 SEXUALIDADE… Mecanismos de defesa do Ego
  • 30. Perspectiva Freudianada Sexualidade Recalcamento Reprime e afasta da consciência impulsos do Id e recordações traumáticas Bloqueia pulsões, desejos, sentimentos e recordações. Mecanismo inconsciente que nos permite não tomar consciência de conflitos causadores de ansiedade. O que é recalcado não é eliminado: pode manifestar-se de formas disfarçadas, nem sempre inofensivas (caso das neuroses).
  • 31. Perspectiva Freudianada Sexualidade Racionalização Protege a auto-estima e evita sentimentos de inferioridade Recorre a argumentos ou justificações racionais que mascaram os fracassos ou frustrações.
  • 32. Perspectiva Freudianada Sexualidade Projecção Redução da ansiedade através da atribuição dos nossos impulsos, desejos e sentimentos inaceitáveis à pessoa que deles é alvo. O objecto da pulsão torna-se em sujeito: “o alvo transforma-se em atirador”.
  • 33. Perspectiva Freudianada Sexualidade Deslocamento Substituição do objecto original de um impulso por outro sobre o qual liberta a tensão.
  • 34. Perspectiva Freudianada Sexualidade Sublimação Orientação dos impulsos indesejáveis para actividades socialmente aprovadas e valorizadas. (Segundo Freud, a sublimação é um mecanismo de defesa do Ego crucial para o desenvolvimento da cultura e da civilização)
  • 35. Perspectiva Freudianada Sexualidade Compensação Visa a superação de situações ou sentimentos de inferioridade, através do envolvimento em actividades que promovam a auto-afirmação.
  • 36. Perspectiva Freudianada Sexualidade Regressão Adopção de formas de comportamento características de estádios anteriores do desenvolvimento psicossexual. A regressão é o retorno simbólico a um estádio anterior, no qual ocorreu uma fixação.
  • 37. Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade Em cada estádio psicossexual, os impulsos do Id, em busca de prazer, concentram-se numa determinada área do corpo e em actividades ligadas àquela área. As áreas do corpo que, nos seis primeiros anos de vida, são objecto de manifestações do Id, são as que estão presentes de forma mais significativa no prazer sexual na idade adulta.
  • 38. Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE ORAL – Primeiro ano de vida. Os bebés obtêm prazer da amamentação e da sucção.
  • 39. Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE ANAL – Segundo ano de vida. As crianças obtêm prazer da retenção e da expulsão das fezes.
  • 40. Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE FÁLICA – Dos 3 aos 6 anos. As crianças obtêm prazer da manipulação dos genitais.
  • 41. Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade COMPLEXO DE ÉDIPO– Entre os 5 e os 6 anos. Os impulsos sexuais do rapaz dirigem-se para a mãe; O pai é fantasiado como rival com quem o rapaz tem de se identificar. Ansiedade de castração
  • 42. Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade COMPLEXO DE ÉDIPO– Entre os 5 e os 6 anos. Os impulsos sexuais da rapariga dirigem-se para o pai; A mãe é fantasiada como rival, responsável pela falta de pénis na rapariga.
  • 43. Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE DE LATÊNCIA – Entre os 7 e os 12 anos. Recalcamento da situação edipiana As crianças preocupam-se menos com o seu corpo.
  • 44. Perspectiva Freudianada Sexualidade Desenvolvimento da Sexualidade FASE GENITAL – A partir da adolescência. A situação edipiana toma novas formas: o impulso sexual dirige-se para fora do ambiente familiar. As partes do corpo, fonte de prazer nas fases anteriores, são integradas na vida sexual adulta.
  • 45. Contributos Actuais Emoções, marcadores somáticos e pulsões Freud utilizou a linguagem possível no seu tempo. Não é sensato atribuir-lhe o rigor científico que actualmente a Psicologia possui. É, todavia, evidente que Freud teve intuições muito importantes. Vamos, então, discutir hipóteses que compatibilizem os conceitos de emoção, marcador, pulsão, inconsciente, sentimento, sexualidade, Id, etc. ...
  • 46.