SlideShare uma empresa Scribd logo
Produção
Tecnologia da Produção
Produção com um Insumo Variável (Trabalho)
Produção com dois Insumos Variáveis
Rendimentos de Escala
1
Produção – Conceitos Básicos
Produção é o processo pelo qual uma firma transforma os
fatores de produção adquiridos em produtos ou serviços para
a venda no mercado.
inputs
Combinação dos
Fatores de Produção outputs
Compra
insumos Vende produtos
no Mercado
Teoria da Produção: trata das relações tecnológicas e físicas entre
a quantidade produzida e as quantidades de insumos utilizadas na
produção.
2
Função de Produção
É a relação técnica entre a quantidade física de fatores
de produção e a quantidade física do produto em
determinado período de tempo.
Escolha da Eficiência
-Técnica (tecnologia) – utiliza menor quantidade de
insumos (fatores de produção) para produzir a
mesma quantidade física de produtos.
-Econômica – produção com menos custos.
Produção
3
Supõe-se que foi atendida a eficiência técnica (máxima
produção possível, em dados níveis de mão-de-obra,
capital e tecnologia).
Função de Produção Função Oferta≠
Função Oferta = Relaciona a produção com os preços dos
fatores de produção.
Função Produção = Relaciona a produção com as quantidades
físicas dos fatores de produção.
Função de Produção
Produção
4
• Fatores de Produção Fixos – Permanecem inalterados quando a produção varia.
Ex.: O capital físico e as instalações da empresa
• Fatores de Produção Variáveis – Se alteram, com a quantidade produzida.
Ex.: Mão-de-obra e as matérias-primas utilizadas
• Curto Prazo – Período no qual existe pelo menos um fator de produção fixo.
• Longo Prazo – Todos os fatores se alteram.
o Obs.1: O curto prazo para uma metalúrgica é maior do que o de uma fábrica
de biscoitos (as alterações de equipamentos ou instalações daquela
demandam mais tempo que a desta).
o Obs.2: Na teoria Microeconômica, a questão de prazo está definida em
termos da existência ou não de fatores fixos de produção.
Distinção entre Fatores de Produção Fixos e
Variáveis e entre Curto e Longo Prazos
Produção
5
q = f ( N, K )
Dois fatores de produção => Mão-de-obra Capital
Supondo constante ou
fixo no curto prazo.
q = f ( N )
O nível do produto varia apenas em função de alterações na
mão-de-obra, a curto prazo, ceteris paribus.
Produção
Produção com um fator variável e um fixo:
Uma análise de curto prazo.
6
• Produto Total (PT) – É a quantidade total produzida, em
determinado período de tempo.
PT = q
• Produto Média – É a relação entre o nível do produto e a
quantidade do fator de produção, em determinado período de
tempo.
PMeN = PT/N – Produto médio da mão-de-obra
PMeK = PT/K – Produto médio do capital
Produção
Conceitos de Produto Total, Produtividade Média
e Produtividade Marginal.
7
• Produto Marginal – É a variação do produto, dada uma variação de
uma unidade na quantidade de fator de produção, em determinado
período de tempo.
PMgN = PT /  N =  q /  N = (q2 – q1)/(N2-N1) – Produto marginal da mão-de-obra
PMgK = PT /  K =  q /  K = (q2 – q1)/(K2-K1) – Produto marginal do capital
• Produto Marginal decrescente – é a propriedade dos insumos
segundo o qual o produto marginal deste insumo diminui
conforme a quantidade utilizada deste insumo aumenta.
• Exemplo: Conforme são contratados mais trabalhadores para
trabalhar em uma lavoura, cada novo trabalhador contribui cada
vez menos para a produção total deste empreendimento. Isso
ocorre porque todos os outros insumos (como terreno e
máquinas) estão fixos.
Produção
Conceitos de Produto Total, Produtividade Média
e Produtividade Marginal.
8
Produção
Produto Total, Médio e Marginal.
K N PT
Pme =
PT/N
PMg = PT /
 N
10 0 0 0
10 1 3 3 3-0=3
10 2 8 4 8-3=5
10 3 12 4 12-8=4
10 4 15 3.8 15-12=3
10 5 17 3.4 17-15=2
10 6 17 2.8 17-17=0
10 7 16 2.3 16-17=-1
10 8 13 1.6 13-16=-3
OBS:
O formato das curvas PMgN e
PMeN dá-se em virtude da Lei dos
Rendimentos Decrescentes.
9
Produção
Produto Total, Médio e Marginal.
• Quando o PT é crescente, então o
PMG é positivo
• Quando o PMg atinge o seu ponto
de máximo, o PT atinge o seu ponto
de inflexão;
• Quando o PME atinge o seu
máximo ele se iguala ao PMg no seu
ramo descendente;
• Quando o PT é máximo o PMG é
nulo (zero).
• Quando o PT diminui o PMG é
negativo e o PME é decrescente.
10
11
Produção
Estágios de Produção
• Existem três estágios de produção:
• Estágio I – Ineficiente
• Estágio II – Eficiente ou Racional
• Estágio III - Irracional
Produção
Estágios de Produção
• Estágio I - Ineficiente
• Região que vai da origem ao
ponto L2, onde o produto
marginal cruza o produto
médio;
• Proporção ineficiente de
fator fixo e variável: muito fator
fixo e pouco fator variável;
• PMe cresce à medida que se
aumenta o nível de fator
variável
• Fator fixo é subutilizado
12
Produção
Estágios de Produção
• Estágio II – Eficiente ou
Racional
• Região que vai do ponto L2
ao ponto L3, onde o PT é
máximo;
• Estágio onde ocorrerá maior
retorno líquido (máximo lucro);
• Proporção eficiente no uso
dos fatores fixo e variável
13
Produção
Estágios de Produção
• Estágio III – Irracional
• Região que fica à direita do
nível de produto máximo, ou
onde o PMg é zero;
• Proporção ineficiente de
fator fixo e variável: muito de
fator variável para pouco fator
fixo;
• Fator variável é desperdiçado
e causando queda na
produção.
14
“Ao aumentar o fator variável (N), sendo dada a quantidade de
um fator fixo, a PMg do fator variável cresce até certo ponto e,
a partir daí, decresce, até tornar-se negativa.”
Ex.: Atividade agrícola (Fator fixo: área cultivada).
Essa lei só é válida se for mantido um fator fixo (portanto, só vale
a curto prazo).
Produção
Lei dos Rendimentos Decrescentes
15
q = f ( N, K )
Dois fatores de produção 
(Ambos Variáveis)
Mão-de-obra Capital
Considera que todos os fatores de produção (mão-de-obra,
capital, instalações, matérias-primas) variam.
É uma função de produção representada por uma
curva chamada de Isoquanta.
Produção
Produção a Longo Prazo
16
Análise das vantagens e desvantagens que a empresa tem, a longo
prazo, em aumentar sua dimensão, seu tamanho, demandando
mais fatores de produção.
• Rendimentos crescentes de escala: Se todos os fatores de
produção crescerem numa mesma proporção, a produção cresce
numa proporção maior.
• Ex.: um aumento de 10% na quantidade de mão-de-obra e
10% na quantidade de capital aumenta a produção em mais
de 10%.
• Rendimentos constantes de escala: Se todos os fatores de
produção crescerem numa mesma proporção, a produção cresce
na mesma proporção. A produtividade média dos fatores de
produção são constantes.
Produção
Rendimentos de escala ou economia de escala
17
• Rendimentos decrescentes de escala: Ocorre quando todos os fatores de
produção crescem numa mesma proporção, e a produção cresce numa
proporção menor.
• Ex.: um aumento de 10% na quantidade de mão-de-obra e 10% na
quantidade de capital aumenta a produção em 5%.
• Motivo provável: A expansão de uma empresa pode provocar uma
dificuldade de comunicação entre a direção e as linhas de montagem.
Produção
Rendimentos de escala ou economia de escala
18
Custos de Produção
19
Medição de Custos: Quais Custos Considerar?
Custos a Curto Prazo
Custos a Longo Prazo
Curvas de Custo a Longo versus a Curto Prazo
Custos de Produção –
Definições e fundamentos
20
• Lei de oferta:
• Existe uma relação positiva entre o preço e a quantidade
ofertada. O que resulta em uma curva positivamente
inclinada;
• Objetivo da firma:
• Maximizar lucro
• Quanto maior os preços maior a receita e maior a
possibilidade de ter um lucro maior
• Mas este resultado depende da estrutura de custos
21
• Receita Total
• Quantia total que a empresa recebe pela venda de seus
produtos;
• Receita Total = Preço de Venda X Quantidade Vendida
• Custo Total:
• Quantia total gasta pela firma ao comprar e utilizar
insumos de produção, visando viabilizar a quantidade
produzida.
• Lucro Total:
• É a diferença entre Receita Total e Custo Total
• Lucro Total = Receita Total - Custo Total
Custos de Produção –
Definições e fundamentos
Custos de Produção
• Para realizar o processo produtivo, as empresas precisam
arcar com as despesas de produção, despesas essas que são
definidas, em linguagem mais técnica, como Custos de
Produção.
• A firma procura produzir sempre da melhor maneira
possível.
22
Custos de Produção
• Assim, para cada nível de produção, a empresa realiza
sempre um nível ótimo de custos.
• É importante ainda que se possa diferenciar a noção de
Custo Social de Produção da noção de Custo Privado de
Produção.
23
Custos de Produção
• Custo Social de Produção: é decorrente de uma análise
macroeconômica e se constitui no custo que toda a
sociedade deve suportar para que os recursos limitados
sejam usados para produzir bens e serviços a serem
colocados a sua disposição.
• Custo Privado de Produção: decorre de uma análise
microeconômica, e se constitui no gasto explícito realizado
pela empresa para a aquisição dos recursos necessários.
24
25
Custos fixos e custos variáveis
Os Custos Totais de Produção são subdivididos em dois
tipos: custos fixos totais (CFT) e custos variáveis totais (CVT).
• Custo Variável Total: parcela do custo que varia, quando a
produção varia. É a parcela dos custos da empresa que
depende da quantidade produzida, ou seja, são os gastos
com fatores variáveis de produção, como folha de
pagamento, despesas com matérias-primas etc.
• Custo Fixo Total: parcela do custo que se mantém fixa,
quando a produção varia, ou seja, são os gastos com fatores
fixos de produção, como aluguéis, depreciação etc.
26
Custo Total
O Custo Total de Produção ou simplesmente Custo
Total é a soma do custo variável total com o custo fixo total.
Custos Totais
CFT
CT = CVT + CFT
CVT
Custos
Totais
$
Quantidade produzida
CVCFCT 
27
Custo Total Médio, Custo Variável Médio e
Custo Fixo médio
São conceitos de custos por unidade de produção:
• Custo Médio (CME ou CTMe) = CT / q
• Custo Variável Médio (CVMe) = CVT / q
• Custo Fixo Médio = CFT / q
q
Custos
Médios
$
CFMe
Tende a zero, pois CFMe =
CFT/q. Como q tende ao
infinito, CFMe tende a zero.
Como CFMe tende a zero,
quando q aumenta, segue-se
que o CVMe tende a igualar-se
ao CTMe, pois CTMe = CVMe +
CFMe.
CTMe
CVMe
CTMe = CVMe + CFMe
Produção
total
(Q/dia)
(1)
Custo fixo
total (CFT)
R$
(2)
Custo variável
total (CVT)
R$
(3)
Custo total
(CT)
R$
(4)= (2) + (3)
Custo fixo
médio (CFMe)
R$
(5) = (2) : (1)
Custo
Variável
Médio
(CVMe) R$
(6) = (3) : (1)
Custo médio
(CMe)
R$
(7)= (4) : (1)
Custo
marginal
(CMg)
R$
Δ em 4
Δ em 1
0 10,00 0 10,00 - - - -
1 10,00 5,00 15,00 10,00 5,00 15,00 5,00
2 10,00 8,00 18,00 5,00 4,00 9,00 3,00
3 10,00 10,00 20,00 3,33 3,33 6,67 2,00
4 10,00 11,00 21,00 2,50 2,75 5,25 1,00
5 10,00 13,00 23,00 2,00 2,60 4,60 2,00
6 10,00 16,00 26,00 1,67 2,67 4,33 3,00
7 10,00 20,00 30,00 1,43 2,86 4,28 4,00
8 10,00 25,00 35,00 1,25 3,13 4,38 5,00
9 10,00 31,00 41,00 1,11 3,44 4,56 6,00
10 10,00 38,00 48,00 1,00 3,80 4,80 7,00
Custos de produção
28
29
• O formato em U das curvas de CTMe e CVMe a curto prazo
também se deve à lei dos rendimentos decrescentes, ou lei
dos custo crescente.
• Inicialmente, os custos médios são declinantes, pois tem-se
pouca mão-de-obra para um relativamente grande
equipamento de capital. Até certo ponto, é vantajoso
absorver mais trabalhadores e aumentar a produção, pois o
custo médio cai.
• No entanto, chega-se a certo pronto em que satura a
utilização de capital (que está fixado) e a admissão de mais
trabalhadores não trará aumentos proporcionais de
produção, ou seja, os custos médio ou unitários começam a
elevar-se.
Custos Médios
30
Custos de Produção
Custo Marginal – Diferentemente dos custos médios, os custos
marginais referem-se às variações de custo, quando se altera a
produção.
• O custo marginal pode também ser definido como o custo
adicional de uma unidade de produção.
• É obtido pela divisão da variação do custo total pela variação
da quantidade produzida.
Custo Marginal (CMg) = 𝑣𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑑𝑜 𝐶𝑇
𝑣𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑑𝑒 𝑞
=
∆𝐶𝑇
∆𝑞
= 𝐶𝑇2−𝐶𝑇1
𝑞2−𝑞1
 Os custos marginais não são influenciados pelos custos fixos
(invariáveis a curto prazo).
 O Custo Marginal é importante para identificarmos se vale a
pena produzir mais uma unidade de um produto ou não.
31
Relação entre Custo Marginal e os Custos Médios Total e Variável
• Quando o custo marginal supera o custo médio (total ou
variável), significa que o custo médio estará crescendo.
• Ao mesmo tempo, se o custo marginal for inferior ao médio, o
médio só poderá cair.
• Os custos médios e marginal de curto prazo têm a forma de U,
refletindo os rendimentos decrescentes;
• No ponto em que as curvas de Custo Marginal e Custo Total
Médio se cruzarem teremos o nível de escala eficiente.
• A escala eficiente é o nível de produção em que temos o menor
custo total médio, ou seja, o menor custo por unidade padrão.
Custos de Produção
Custo Total Médio e Custo Marginal
32
33
Custos a longo prazo
No longo prazo não existem custos fixos, todos os
custos são variáveis, sendo assim, um agente
econômico:
1. Opera no curto prazo e;
2. Planeja no longo prazo.
Os empresários têm um elenco de possibilidades de
produção de curto prazo, com diferentes escalas de
produção (tamanho), que podem escolher.
34
Custos de Produção: Custos a Longo Prazo
Supondo 3 escalas de produção: I) 10, II) 15 e III) 30 máquinas. Neste caso, as
curvas de custo médio de longo prazo serão:
I. Produção de q1  CMeC1 < CMeC2 e CMeC3
II. Produção de q3  CMeC2 < CMeC1 e CMeC3
III. Se planeja produzir em:
- q2  CMeC2 = CMeC1
- q4  CMeC2 = CMeC3
- são as opções normalmente escolhidas.
35
Custos de Produção: Custos a Longo Prazo
A curva “cheia” é a curva de custo médio de longo prazo CMeLP) (Curva de
Envoltória ou curva de planejamento de longo prazo). Esta curva mostra o
menor custo unitário.
Embora, as curvas de custo médio de longo e de curto prazo tenham o mesmo formato em U,
elas diferem no sentido de que o formato a curto prazo deve-se a Lei dos rendimentos
decrescentes (ou custos crescentes), a uma dada planta ou tamanho, enquanto o formato da
curva de longo prazo deve-se aos rendimentos de escala, quando varia o tamanho da empresa.
Bibliografia:
MANKIW, N. Gregory. Introdução à economia : princípios de micro e
macroeconomia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001.
VASCONCELLOS, Marco A.S.. Economia micro e macro: teoria e
exercícios. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2008.
36

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
Mitsubishi Motors Brasil
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Luciano Pires
 
Teoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custosTeoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custos
Credencio Maunze
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Luciano Pires
 
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
Sidinei Da Silva Vidal
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
Cátia Pascoal
 
Custos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomiaCustos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomia
Camila Carvalho
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
Luciano Pires
 
Teoria da produção
Teoria da produçãoTeoria da produção
Teoria da produção
anatasse
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
Luciano Pires
 
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentaisEconomia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Felipe Leo
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Teoria De ProduçãO
Teoria De ProduçãOTeoria De ProduçãO
Teoria De ProduçãO
ecsette
 
Teoria da firma
Teoria da firmaTeoria da firma
Teoria da firma
Sebastião Ribeiro
 
Inflacao
InflacaoInflacao
Teoria da produção 2011_01
Teoria da produção 2011_01Teoria da produção 2011_01
Teoria da produção 2011_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Contabilidade nacional
Contabilidade nacionalContabilidade nacional
Contabilidade nacional
Augusto Magalhães
 
Teoria da produção
Teoria da produçãoTeoria da produção
Teoria da produção
Cleber Renan
 

Mais procurados (20)

Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
 
Teoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custosTeoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custos
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
 
Custos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomiaCustos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomia
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 
Teoria da produção
Teoria da produçãoTeoria da produção
Teoria da produção
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentaisEconomia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Teoria De ProduçãO
Teoria De ProduçãOTeoria De ProduçãO
Teoria De ProduçãO
 
Teoria da firma
Teoria da firmaTeoria da firma
Teoria da firma
 
Inflacao
InflacaoInflacao
Inflacao
 
Teoria da produção 2011_01
Teoria da produção 2011_01Teoria da produção 2011_01
Teoria da produção 2011_01
 
Contabilidade nacional
Contabilidade nacionalContabilidade nacional
Contabilidade nacional
 
Teoria da produção
Teoria da produçãoTeoria da produção
Teoria da produção
 

Destaque

Economia solucao dos exercicios
Economia solucao dos exerciciosEconomia solucao dos exercicios
Economia solucao dos exercicios
zeramento contabil
 
Aula 3 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 3 - Microeconomia - Economia de Sociedades CooperativasAula 3 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 3 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Erick Cotta
 
Ec2ad_a05
Ec2ad_a05Ec2ad_a05
Ec2ad_a05
Angelo Yasui
 
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades CooperativasAula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Erick Cotta
 
Cap7 macro
Cap7 macroCap7 macro
Cap7 macro
Roberto Arruda
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
José Cruz
 
Capítulo 1 - Microeconomia
Capítulo 1 - MicroeconomiaCapítulo 1 - Microeconomia
Capítulo 1 - Microeconomia
Juliana Tessari
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
MicroEconomia
MicroEconomiaMicroEconomia
MicroEconomia
Renan Stoffel
 
Unidad iv los costos de produccion
Unidad iv los costos de produccionUnidad iv los costos de produccion
Unidad iv los costos de produccion
JESUS MARCANO
 
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber MoralesTeoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Robérgio Kleber Morais
 
Teoriadafirma
TeoriadafirmaTeoriadafirma
Teoriadafirma
Bruno Santos
 
Resumo custos
Resumo custosResumo custos
Resumo custos
simuladocontabil
 
Blogging, Travel, Making Money etc.
Blogging, Travel, Making Money etc.Blogging, Travel, Making Money etc.
Blogging, Travel, Making Money etc.
guestffba61
 
Trabalho de economia
Trabalho de economiaTrabalho de economia
Trabalho de economia
Thielly Natasha
 

Destaque (15)

Economia solucao dos exercicios
Economia solucao dos exerciciosEconomia solucao dos exercicios
Economia solucao dos exercicios
 
Aula 3 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 3 - Microeconomia - Economia de Sociedades CooperativasAula 3 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 3 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
 
Ec2ad_a05
Ec2ad_a05Ec2ad_a05
Ec2ad_a05
 
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades CooperativasAula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
 
Cap7 macro
Cap7 macroCap7 macro
Cap7 macro
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
 
Capítulo 1 - Microeconomia
Capítulo 1 - MicroeconomiaCapítulo 1 - Microeconomia
Capítulo 1 - Microeconomia
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
MicroEconomia
MicroEconomiaMicroEconomia
MicroEconomia
 
Unidad iv los costos de produccion
Unidad iv los costos de produccionUnidad iv los costos de produccion
Unidad iv los costos de produccion
 
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber MoralesTeoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
 
Teoriadafirma
TeoriadafirmaTeoriadafirma
Teoriadafirma
 
Resumo custos
Resumo custosResumo custos
Resumo custos
 
Blogging, Travel, Making Money etc.
Blogging, Travel, Making Money etc.Blogging, Travel, Making Money etc.
Blogging, Travel, Making Money etc.
 
Trabalho de economia
Trabalho de economiaTrabalho de economia
Trabalho de economia
 

Semelhante a Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia

Aula produção
Aula produçãoAula produção
Cap 4- Teoria da Firma AA.pptx
Cap 4- Teoria da Firma AA.pptxCap 4- Teoria da Firma AA.pptx
Cap 4- Teoria da Firma AA.pptx
ManuelSitoe
 
Economia - Produção - 2016.pdf
Economia - Produção - 2016.pdfEconomia - Produção - 2016.pdf
Economia - Produção - 2016.pdf
vanitoruivictorvicto
 
Aula 4 - Teoria da Firma AA.pptx
Aula 4 - Teoria da Firma AA.pptxAula 4 - Teoria da Firma AA.pptx
Aula 4 - Teoria da Firma AA.pptx
ManuelSitoe
 
Teoria da Firma.pdf
Teoria da Firma.pdfTeoria da Firma.pdf
Teoria da Firma.pdf
MoniqueSilvaresMissg
 
Cap 9 A Teoria da Producao e dos Custos (2).pdf
Cap 9 A Teoria da Producao e dos Custos (2).pdfCap 9 A Teoria da Producao e dos Custos (2).pdf
Cap 9 A Teoria da Producao e dos Custos (2).pdf
MauricioMarane
 
aula 8 - análise micro Teoria da Firma Ib_2690e257bee84fa9938ee0ad5a345b90.pptx
aula 8 - análise micro Teoria da Firma Ib_2690e257bee84fa9938ee0ad5a345b90.pptxaula 8 - análise micro Teoria da Firma Ib_2690e257bee84fa9938ee0ad5a345b90.pptx
aula 8 - análise micro Teoria da Firma Ib_2690e257bee84fa9938ee0ad5a345b90.pptx
GiovannaLucchin1
 
Aula 5-teoria-da-produc3a7c3a3o
Aula 5-teoria-da-produc3a7c3a3oAula 5-teoria-da-produc3a7c3a3o
Aula 5-teoria-da-produc3a7c3a3o
Isabela Freitas
 
Teoria do produtor teoria dos custos
Teoria do produtor teoria dos custosTeoria do produtor teoria dos custos
Teoria do produtor teoria dos custos
biestavel
 
Economia - Aulas 10 e 11 - Custos de Produção - 2018 - Alunos.pdf
Economia - Aulas 10 e 11 - Custos de Produção - 2018 - Alunos.pdfEconomia - Aulas 10 e 11 - Custos de Produção - 2018 - Alunos.pdf
Economia - Aulas 10 e 11 - Custos de Produção - 2018 - Alunos.pdf
ssusere9e7d1
 
Custos padrão e meta grupo 5
Custos padrão e meta   grupo 5Custos padrão e meta   grupo 5
Custos padrão e meta grupo 5
Universidade Federal de Viçosa
 
Custos no agronegócio para melhor controlo
Custos no agronegócio para melhor controloCustos no agronegócio para melhor controlo
Custos no agronegócio para melhor controlo
joseteca1
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
simuladocontabil
 
Custo produção
Custo produçãoCusto produção
Custo produção
Bruna Madeira
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Daniel Moura
 
Aula dia 26 03 18
Aula dia 26 03 18Aula dia 26 03 18
Aula dia 26 03 18
Danielle Da Silva Batista
 
112213094-Capitulo-6-Producao-Microeconomia-PINDYCK-E-RUBINFELD.pdf
112213094-Capitulo-6-Producao-Microeconomia-PINDYCK-E-RUBINFELD.pdf112213094-Capitulo-6-Producao-Microeconomia-PINDYCK-E-RUBINFELD.pdf
112213094-Capitulo-6-Producao-Microeconomia-PINDYCK-E-RUBINFELD.pdf
MairaLuizaSpanholi
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
MestredaContabilidade
 
Agentes Econômicos e Atividades Economicas.pptx
Agentes Econômicos e Atividades Economicas.pptxAgentes Econômicos e Atividades Economicas.pptx
Agentes Econômicos e Atividades Economicas.pptx
Nome Sobrenome
 
Apontamentos controlo-de-gestao
Apontamentos controlo-de-gestaoApontamentos controlo-de-gestao
Apontamentos controlo-de-gestao
Tiago Alves
 

Semelhante a Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia (20)

Aula produção
Aula produçãoAula produção
Aula produção
 
Cap 4- Teoria da Firma AA.pptx
Cap 4- Teoria da Firma AA.pptxCap 4- Teoria da Firma AA.pptx
Cap 4- Teoria da Firma AA.pptx
 
Economia - Produção - 2016.pdf
Economia - Produção - 2016.pdfEconomia - Produção - 2016.pdf
Economia - Produção - 2016.pdf
 
Aula 4 - Teoria da Firma AA.pptx
Aula 4 - Teoria da Firma AA.pptxAula 4 - Teoria da Firma AA.pptx
Aula 4 - Teoria da Firma AA.pptx
 
Teoria da Firma.pdf
Teoria da Firma.pdfTeoria da Firma.pdf
Teoria da Firma.pdf
 
Cap 9 A Teoria da Producao e dos Custos (2).pdf
Cap 9 A Teoria da Producao e dos Custos (2).pdfCap 9 A Teoria da Producao e dos Custos (2).pdf
Cap 9 A Teoria da Producao e dos Custos (2).pdf
 
aula 8 - análise micro Teoria da Firma Ib_2690e257bee84fa9938ee0ad5a345b90.pptx
aula 8 - análise micro Teoria da Firma Ib_2690e257bee84fa9938ee0ad5a345b90.pptxaula 8 - análise micro Teoria da Firma Ib_2690e257bee84fa9938ee0ad5a345b90.pptx
aula 8 - análise micro Teoria da Firma Ib_2690e257bee84fa9938ee0ad5a345b90.pptx
 
Aula 5-teoria-da-produc3a7c3a3o
Aula 5-teoria-da-produc3a7c3a3oAula 5-teoria-da-produc3a7c3a3o
Aula 5-teoria-da-produc3a7c3a3o
 
Teoria do produtor teoria dos custos
Teoria do produtor teoria dos custosTeoria do produtor teoria dos custos
Teoria do produtor teoria dos custos
 
Economia - Aulas 10 e 11 - Custos de Produção - 2018 - Alunos.pdf
Economia - Aulas 10 e 11 - Custos de Produção - 2018 - Alunos.pdfEconomia - Aulas 10 e 11 - Custos de Produção - 2018 - Alunos.pdf
Economia - Aulas 10 e 11 - Custos de Produção - 2018 - Alunos.pdf
 
Custos padrão e meta grupo 5
Custos padrão e meta   grupo 5Custos padrão e meta   grupo 5
Custos padrão e meta grupo 5
 
Custos no agronegócio para melhor controlo
Custos no agronegócio para melhor controloCustos no agronegócio para melhor controlo
Custos no agronegócio para melhor controlo
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
 
Custo produção
Custo produçãoCusto produção
Custo produção
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
Aula dia 26 03 18
Aula dia 26 03 18Aula dia 26 03 18
Aula dia 26 03 18
 
112213094-Capitulo-6-Producao-Microeconomia-PINDYCK-E-RUBINFELD.pdf
112213094-Capitulo-6-Producao-Microeconomia-PINDYCK-E-RUBINFELD.pdf112213094-Capitulo-6-Producao-Microeconomia-PINDYCK-E-RUBINFELD.pdf
112213094-Capitulo-6-Producao-Microeconomia-PINDYCK-E-RUBINFELD.pdf
 
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de CusteioAula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio
 
Agentes Econômicos e Atividades Economicas.pptx
Agentes Econômicos e Atividades Economicas.pptxAgentes Econômicos e Atividades Economicas.pptx
Agentes Econômicos e Atividades Economicas.pptx
 
Apontamentos controlo-de-gestao
Apontamentos controlo-de-gestaoApontamentos controlo-de-gestao
Apontamentos controlo-de-gestao
 

Mais de Na Silva

Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay
Na Silva
 
1001 Questões comentadas de AFO (cespe) - Admnistração financeira e orçament...
1001 Questões comentadas de AFO (cespe)  - Admnistração financeira e orçament...1001 Questões comentadas de AFO (cespe)  - Admnistração financeira e orçament...
1001 Questões comentadas de AFO (cespe) - Admnistração financeira e orçament...
Na Silva
 
500 Exercícios da Lei 8112 Comentadas - PROF. PAULO LUSTOSA
500 Exercícios da Lei 8112 Comentadas - PROF. PAULO LUSTOSA500 Exercícios da Lei 8112 Comentadas - PROF. PAULO LUSTOSA
500 Exercícios da Lei 8112 Comentadas - PROF. PAULO LUSTOSA
Na Silva
 
Elasticidade - Macroeconomia e Microeconomia
Elasticidade - Macroeconomia e Microeconomia Elasticidade - Macroeconomia e Microeconomia
Elasticidade - Macroeconomia e Microeconomia
Na Silva
 
1001 Questões de Informática
1001 Questões de Informática 1001 Questões de Informática
1001 Questões de Informática
Na Silva
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
Na Silva
 

Mais de Na Silva (6)

Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay
 
1001 Questões comentadas de AFO (cespe) - Admnistração financeira e orçament...
1001 Questões comentadas de AFO (cespe)  - Admnistração financeira e orçament...1001 Questões comentadas de AFO (cespe)  - Admnistração financeira e orçament...
1001 Questões comentadas de AFO (cespe) - Admnistração financeira e orçament...
 
500 Exercícios da Lei 8112 Comentadas - PROF. PAULO LUSTOSA
500 Exercícios da Lei 8112 Comentadas - PROF. PAULO LUSTOSA500 Exercícios da Lei 8112 Comentadas - PROF. PAULO LUSTOSA
500 Exercícios da Lei 8112 Comentadas - PROF. PAULO LUSTOSA
 
Elasticidade - Macroeconomia e Microeconomia
Elasticidade - Macroeconomia e Microeconomia Elasticidade - Macroeconomia e Microeconomia
Elasticidade - Macroeconomia e Microeconomia
 
1001 Questões de Informática
1001 Questões de Informática 1001 Questões de Informática
1001 Questões de Informática
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 

Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia

  • 1. Produção Tecnologia da Produção Produção com um Insumo Variável (Trabalho) Produção com dois Insumos Variáveis Rendimentos de Escala 1
  • 2. Produção – Conceitos Básicos Produção é o processo pelo qual uma firma transforma os fatores de produção adquiridos em produtos ou serviços para a venda no mercado. inputs Combinação dos Fatores de Produção outputs Compra insumos Vende produtos no Mercado Teoria da Produção: trata das relações tecnológicas e físicas entre a quantidade produzida e as quantidades de insumos utilizadas na produção. 2
  • 3. Função de Produção É a relação técnica entre a quantidade física de fatores de produção e a quantidade física do produto em determinado período de tempo. Escolha da Eficiência -Técnica (tecnologia) – utiliza menor quantidade de insumos (fatores de produção) para produzir a mesma quantidade física de produtos. -Econômica – produção com menos custos. Produção 3
  • 4. Supõe-se que foi atendida a eficiência técnica (máxima produção possível, em dados níveis de mão-de-obra, capital e tecnologia). Função de Produção Função Oferta≠ Função Oferta = Relaciona a produção com os preços dos fatores de produção. Função Produção = Relaciona a produção com as quantidades físicas dos fatores de produção. Função de Produção Produção 4
  • 5. • Fatores de Produção Fixos – Permanecem inalterados quando a produção varia. Ex.: O capital físico e as instalações da empresa • Fatores de Produção Variáveis – Se alteram, com a quantidade produzida. Ex.: Mão-de-obra e as matérias-primas utilizadas • Curto Prazo – Período no qual existe pelo menos um fator de produção fixo. • Longo Prazo – Todos os fatores se alteram. o Obs.1: O curto prazo para uma metalúrgica é maior do que o de uma fábrica de biscoitos (as alterações de equipamentos ou instalações daquela demandam mais tempo que a desta). o Obs.2: Na teoria Microeconômica, a questão de prazo está definida em termos da existência ou não de fatores fixos de produção. Distinção entre Fatores de Produção Fixos e Variáveis e entre Curto e Longo Prazos Produção 5
  • 6. q = f ( N, K ) Dois fatores de produção => Mão-de-obra Capital Supondo constante ou fixo no curto prazo. q = f ( N ) O nível do produto varia apenas em função de alterações na mão-de-obra, a curto prazo, ceteris paribus. Produção Produção com um fator variável e um fixo: Uma análise de curto prazo. 6
  • 7. • Produto Total (PT) – É a quantidade total produzida, em determinado período de tempo. PT = q • Produto Média – É a relação entre o nível do produto e a quantidade do fator de produção, em determinado período de tempo. PMeN = PT/N – Produto médio da mão-de-obra PMeK = PT/K – Produto médio do capital Produção Conceitos de Produto Total, Produtividade Média e Produtividade Marginal. 7
  • 8. • Produto Marginal – É a variação do produto, dada uma variação de uma unidade na quantidade de fator de produção, em determinado período de tempo. PMgN = PT /  N =  q /  N = (q2 – q1)/(N2-N1) – Produto marginal da mão-de-obra PMgK = PT /  K =  q /  K = (q2 – q1)/(K2-K1) – Produto marginal do capital • Produto Marginal decrescente – é a propriedade dos insumos segundo o qual o produto marginal deste insumo diminui conforme a quantidade utilizada deste insumo aumenta. • Exemplo: Conforme são contratados mais trabalhadores para trabalhar em uma lavoura, cada novo trabalhador contribui cada vez menos para a produção total deste empreendimento. Isso ocorre porque todos os outros insumos (como terreno e máquinas) estão fixos. Produção Conceitos de Produto Total, Produtividade Média e Produtividade Marginal. 8
  • 9. Produção Produto Total, Médio e Marginal. K N PT Pme = PT/N PMg = PT /  N 10 0 0 0 10 1 3 3 3-0=3 10 2 8 4 8-3=5 10 3 12 4 12-8=4 10 4 15 3.8 15-12=3 10 5 17 3.4 17-15=2 10 6 17 2.8 17-17=0 10 7 16 2.3 16-17=-1 10 8 13 1.6 13-16=-3 OBS: O formato das curvas PMgN e PMeN dá-se em virtude da Lei dos Rendimentos Decrescentes. 9
  • 10. Produção Produto Total, Médio e Marginal. • Quando o PT é crescente, então o PMG é positivo • Quando o PMg atinge o seu ponto de máximo, o PT atinge o seu ponto de inflexão; • Quando o PME atinge o seu máximo ele se iguala ao PMg no seu ramo descendente; • Quando o PT é máximo o PMG é nulo (zero). • Quando o PT diminui o PMG é negativo e o PME é decrescente. 10
  • 11. 11 Produção Estágios de Produção • Existem três estágios de produção: • Estágio I – Ineficiente • Estágio II – Eficiente ou Racional • Estágio III - Irracional
  • 12. Produção Estágios de Produção • Estágio I - Ineficiente • Região que vai da origem ao ponto L2, onde o produto marginal cruza o produto médio; • Proporção ineficiente de fator fixo e variável: muito fator fixo e pouco fator variável; • PMe cresce à medida que se aumenta o nível de fator variável • Fator fixo é subutilizado 12
  • 13. Produção Estágios de Produção • Estágio II – Eficiente ou Racional • Região que vai do ponto L2 ao ponto L3, onde o PT é máximo; • Estágio onde ocorrerá maior retorno líquido (máximo lucro); • Proporção eficiente no uso dos fatores fixo e variável 13
  • 14. Produção Estágios de Produção • Estágio III – Irracional • Região que fica à direita do nível de produto máximo, ou onde o PMg é zero; • Proporção ineficiente de fator fixo e variável: muito de fator variável para pouco fator fixo; • Fator variável é desperdiçado e causando queda na produção. 14
  • 15. “Ao aumentar o fator variável (N), sendo dada a quantidade de um fator fixo, a PMg do fator variável cresce até certo ponto e, a partir daí, decresce, até tornar-se negativa.” Ex.: Atividade agrícola (Fator fixo: área cultivada). Essa lei só é válida se for mantido um fator fixo (portanto, só vale a curto prazo). Produção Lei dos Rendimentos Decrescentes 15
  • 16. q = f ( N, K ) Dois fatores de produção  (Ambos Variáveis) Mão-de-obra Capital Considera que todos os fatores de produção (mão-de-obra, capital, instalações, matérias-primas) variam. É uma função de produção representada por uma curva chamada de Isoquanta. Produção Produção a Longo Prazo 16
  • 17. Análise das vantagens e desvantagens que a empresa tem, a longo prazo, em aumentar sua dimensão, seu tamanho, demandando mais fatores de produção. • Rendimentos crescentes de escala: Se todos os fatores de produção crescerem numa mesma proporção, a produção cresce numa proporção maior. • Ex.: um aumento de 10% na quantidade de mão-de-obra e 10% na quantidade de capital aumenta a produção em mais de 10%. • Rendimentos constantes de escala: Se todos os fatores de produção crescerem numa mesma proporção, a produção cresce na mesma proporção. A produtividade média dos fatores de produção são constantes. Produção Rendimentos de escala ou economia de escala 17
  • 18. • Rendimentos decrescentes de escala: Ocorre quando todos os fatores de produção crescem numa mesma proporção, e a produção cresce numa proporção menor. • Ex.: um aumento de 10% na quantidade de mão-de-obra e 10% na quantidade de capital aumenta a produção em 5%. • Motivo provável: A expansão de uma empresa pode provocar uma dificuldade de comunicação entre a direção e as linhas de montagem. Produção Rendimentos de escala ou economia de escala 18
  • 19. Custos de Produção 19 Medição de Custos: Quais Custos Considerar? Custos a Curto Prazo Custos a Longo Prazo Curvas de Custo a Longo versus a Curto Prazo
  • 20. Custos de Produção – Definições e fundamentos 20 • Lei de oferta: • Existe uma relação positiva entre o preço e a quantidade ofertada. O que resulta em uma curva positivamente inclinada; • Objetivo da firma: • Maximizar lucro • Quanto maior os preços maior a receita e maior a possibilidade de ter um lucro maior • Mas este resultado depende da estrutura de custos
  • 21. 21 • Receita Total • Quantia total que a empresa recebe pela venda de seus produtos; • Receita Total = Preço de Venda X Quantidade Vendida • Custo Total: • Quantia total gasta pela firma ao comprar e utilizar insumos de produção, visando viabilizar a quantidade produzida. • Lucro Total: • É a diferença entre Receita Total e Custo Total • Lucro Total = Receita Total - Custo Total Custos de Produção – Definições e fundamentos
  • 22. Custos de Produção • Para realizar o processo produtivo, as empresas precisam arcar com as despesas de produção, despesas essas que são definidas, em linguagem mais técnica, como Custos de Produção. • A firma procura produzir sempre da melhor maneira possível. 22
  • 23. Custos de Produção • Assim, para cada nível de produção, a empresa realiza sempre um nível ótimo de custos. • É importante ainda que se possa diferenciar a noção de Custo Social de Produção da noção de Custo Privado de Produção. 23
  • 24. Custos de Produção • Custo Social de Produção: é decorrente de uma análise macroeconômica e se constitui no custo que toda a sociedade deve suportar para que os recursos limitados sejam usados para produzir bens e serviços a serem colocados a sua disposição. • Custo Privado de Produção: decorre de uma análise microeconômica, e se constitui no gasto explícito realizado pela empresa para a aquisição dos recursos necessários. 24
  • 25. 25 Custos fixos e custos variáveis Os Custos Totais de Produção são subdivididos em dois tipos: custos fixos totais (CFT) e custos variáveis totais (CVT). • Custo Variável Total: parcela do custo que varia, quando a produção varia. É a parcela dos custos da empresa que depende da quantidade produzida, ou seja, são os gastos com fatores variáveis de produção, como folha de pagamento, despesas com matérias-primas etc. • Custo Fixo Total: parcela do custo que se mantém fixa, quando a produção varia, ou seja, são os gastos com fatores fixos de produção, como aluguéis, depreciação etc.
  • 26. 26 Custo Total O Custo Total de Produção ou simplesmente Custo Total é a soma do custo variável total com o custo fixo total. Custos Totais CFT CT = CVT + CFT CVT Custos Totais $ Quantidade produzida CVCFCT 
  • 27. 27 Custo Total Médio, Custo Variável Médio e Custo Fixo médio São conceitos de custos por unidade de produção: • Custo Médio (CME ou CTMe) = CT / q • Custo Variável Médio (CVMe) = CVT / q • Custo Fixo Médio = CFT / q q Custos Médios $ CFMe Tende a zero, pois CFMe = CFT/q. Como q tende ao infinito, CFMe tende a zero. Como CFMe tende a zero, quando q aumenta, segue-se que o CVMe tende a igualar-se ao CTMe, pois CTMe = CVMe + CFMe. CTMe CVMe CTMe = CVMe + CFMe
  • 28. Produção total (Q/dia) (1) Custo fixo total (CFT) R$ (2) Custo variável total (CVT) R$ (3) Custo total (CT) R$ (4)= (2) + (3) Custo fixo médio (CFMe) R$ (5) = (2) : (1) Custo Variável Médio (CVMe) R$ (6) = (3) : (1) Custo médio (CMe) R$ (7)= (4) : (1) Custo marginal (CMg) R$ Δ em 4 Δ em 1 0 10,00 0 10,00 - - - - 1 10,00 5,00 15,00 10,00 5,00 15,00 5,00 2 10,00 8,00 18,00 5,00 4,00 9,00 3,00 3 10,00 10,00 20,00 3,33 3,33 6,67 2,00 4 10,00 11,00 21,00 2,50 2,75 5,25 1,00 5 10,00 13,00 23,00 2,00 2,60 4,60 2,00 6 10,00 16,00 26,00 1,67 2,67 4,33 3,00 7 10,00 20,00 30,00 1,43 2,86 4,28 4,00 8 10,00 25,00 35,00 1,25 3,13 4,38 5,00 9 10,00 31,00 41,00 1,11 3,44 4,56 6,00 10 10,00 38,00 48,00 1,00 3,80 4,80 7,00 Custos de produção 28
  • 29. 29 • O formato em U das curvas de CTMe e CVMe a curto prazo também se deve à lei dos rendimentos decrescentes, ou lei dos custo crescente. • Inicialmente, os custos médios são declinantes, pois tem-se pouca mão-de-obra para um relativamente grande equipamento de capital. Até certo ponto, é vantajoso absorver mais trabalhadores e aumentar a produção, pois o custo médio cai. • No entanto, chega-se a certo pronto em que satura a utilização de capital (que está fixado) e a admissão de mais trabalhadores não trará aumentos proporcionais de produção, ou seja, os custos médio ou unitários começam a elevar-se. Custos Médios
  • 30. 30 Custos de Produção Custo Marginal – Diferentemente dos custos médios, os custos marginais referem-se às variações de custo, quando se altera a produção. • O custo marginal pode também ser definido como o custo adicional de uma unidade de produção. • É obtido pela divisão da variação do custo total pela variação da quantidade produzida. Custo Marginal (CMg) = 𝑣𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑑𝑜 𝐶𝑇 𝑣𝑎𝑟𝑖𝑎çã𝑜 𝑑𝑒 𝑞 = ∆𝐶𝑇 ∆𝑞 = 𝐶𝑇2−𝐶𝑇1 𝑞2−𝑞1  Os custos marginais não são influenciados pelos custos fixos (invariáveis a curto prazo).  O Custo Marginal é importante para identificarmos se vale a pena produzir mais uma unidade de um produto ou não.
  • 31. 31 Relação entre Custo Marginal e os Custos Médios Total e Variável • Quando o custo marginal supera o custo médio (total ou variável), significa que o custo médio estará crescendo. • Ao mesmo tempo, se o custo marginal for inferior ao médio, o médio só poderá cair. • Os custos médios e marginal de curto prazo têm a forma de U, refletindo os rendimentos decrescentes; • No ponto em que as curvas de Custo Marginal e Custo Total Médio se cruzarem teremos o nível de escala eficiente. • A escala eficiente é o nível de produção em que temos o menor custo total médio, ou seja, o menor custo por unidade padrão. Custos de Produção
  • 32. Custo Total Médio e Custo Marginal 32
  • 33. 33 Custos a longo prazo No longo prazo não existem custos fixos, todos os custos são variáveis, sendo assim, um agente econômico: 1. Opera no curto prazo e; 2. Planeja no longo prazo. Os empresários têm um elenco de possibilidades de produção de curto prazo, com diferentes escalas de produção (tamanho), que podem escolher.
  • 34. 34 Custos de Produção: Custos a Longo Prazo Supondo 3 escalas de produção: I) 10, II) 15 e III) 30 máquinas. Neste caso, as curvas de custo médio de longo prazo serão: I. Produção de q1  CMeC1 < CMeC2 e CMeC3 II. Produção de q3  CMeC2 < CMeC1 e CMeC3 III. Se planeja produzir em: - q2  CMeC2 = CMeC1 - q4  CMeC2 = CMeC3 - são as opções normalmente escolhidas.
  • 35. 35 Custos de Produção: Custos a Longo Prazo A curva “cheia” é a curva de custo médio de longo prazo CMeLP) (Curva de Envoltória ou curva de planejamento de longo prazo). Esta curva mostra o menor custo unitário. Embora, as curvas de custo médio de longo e de curto prazo tenham o mesmo formato em U, elas diferem no sentido de que o formato a curto prazo deve-se a Lei dos rendimentos decrescentes (ou custos crescentes), a uma dada planta ou tamanho, enquanto o formato da curva de longo prazo deve-se aos rendimentos de escala, quando varia o tamanho da empresa.
  • 36. Bibliografia: MANKIW, N. Gregory. Introdução à economia : princípios de micro e macroeconomia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001. VASCONCELLOS, Marco A.S.. Economia micro e macro: teoria e exercícios. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 36