SlideShare uma empresa Scribd logo
II – As Três Ópticas do Valor da Produção Nacional
I. Óptica da Produção: quando queremos saber quanto é que se produz. Por isso, temos de
calcular o valor acrescentado (VA) de cada empresa durante o processo produtivo até aos bens
chegarem ao consumidor final e, depois, somar cada um desses valores acrescentados de modo
a obtermos o valor da produção nacional.
Nota: VA = Valor das Vendas (VV) - Consumos Intermédios (CI)
II. Óptica do Rendimento: quando queremos saber como é que se distribui a produção de uma
dada economia pelos seus agentes: salários, lucros, juros, etc.
III. Óptica da Despesa: quando há interesse em saber quanto é que cada agente económico (em
termos agregados) gasta — Consumo Privado (das Famílias), Despesas Públicas, Investimento,
Importações e Exportações.
Como calcular o Produto (o valor da produção de um país) ?
Existem dois métodos: o Método dos Valores Finais e o Método dos Valores
Acrescentados.
I. Método dos Valores Finais tomamos os valores finais da produção aos preços de
mercado, isto é, utilizamos os valores do consumo final em bens e serviços para a satisfação
directa das necessidades humanas.
II. Método dos Valores Acrescentados, o valor do produto vai ser decomposto nas
parcelas com que os diversos sectores de actividade contribuem para a formação desse mesmo
produto: VA = VV - CI .
O Valor das Vendas (VV) diz respeito a uma determinada etapa do processo produtivo e
os Consumos Intermédios (CI) correspondem ao valor dos bens não duráveis e dos serviços
comerciais usados no decurso do processo de produção a preços de aquisição.
Deste modo, evitamos contabilizar duas vezes o mesmo valor acrescentado porque
retiramos o valor que foi acrescentado (anteriormente) aos produtos intermédios que uma
determinada empresa compra para produzir um novo produto ou serviço - problema da dupla
contagem.
Recorrendo a um exemplo extremamente simples, veremos como é que se pode aplicar
cada um dos dois métodos.
Imaginemos uma economia fechada com 4 agentes: um agricultor, um moleiro, um
padeiro e uma empresa produtora de energia eléctrica.
• O agricultor produz trigo que vende ao moleiro por 30 u.m. (unidades monetárias).
• O moleiro compra o trigo por 30 u.m., produzindo farinha que vende por 90 u.m.,
utilizando 20 u.m. de energia eléctrica.
• O padeiro compra a farinha ao moleiro (por 90 u.m.) e utiliza 30 u.m. de energia
eléctrica; o pão é vendido por 150 u.m.
• A empresa produtora de energia realiza vendas no valor de 20 u.m. (moleiro) e 30 u.m.
(padeiro) e não tem consumos intermédios visto que usa um gerador hidroeléctrico.
Compra
s
Agricultor Vendas Compra
s
Moleiro Vendas
CI 0 Trigo 30 Energia 20 Farinha 90
VA 30 Trigo 30
30 30 VA 40
90 90
Compra
s
Padeiro Vendas Compra
s
Energia Vendas
Energia 30 Pão 150 CI 0 Energia 20+30
Farinha 90 VA 50
VA 30 50 50
150 150
Método dos Valores Finais:
Produto (é igual ao valor de venda do pão - único bem de consumo final) = 150 u.m.
Método dos Valores Acrescentados:
ΣVA = VA Agricultor + VA Moleiro + VA Padeiro + VA Energia =
= 30 + 40+ 30 + 50 =150 u.m.
*
* *
Noções de Contabilidade Nacional
Produto Interno e Produto Nacional
Produto Interno (PI): é o somatório de todos os valores acrescentados de todas as unidades
produtivas residentes (i.e., independentemente de pertencerem ou não a agentes económicos
nacionais) no território nacional, calculado para um determinado período (geralmente, um ano).
Produto Nacional (PN): é o somatório dos valores acrescentados, atribuível a factores de
produção nacionais. Por isso, temos de adicionar o valor das remunerações que recebemos do
resto do mundo (por ex., de emigrantes portugueses em França) e os rendimentos de propriedade
e de empresa que recebemos do exterior (por ex., lucros de empresas portuguesas em
Moçambique) e deduzir as remunerações e os rendimentos que saem de Portugal por não
pertencerem a agentes económicos nacionais (ex.: lucros das filiais de multinacionais
estrangeiras em Portugal).
PI → PN ⇒ PN = PI + RRRM - RPRM
PN = PI + SRRM
RRRM : Rendimentos Recebidos do Resto do Mundo
RPRM : Rendimentos Pagos ao Resto do Mundo
SRRM = RRRM - RPRM :Saldo dos Rendimentos com o Resto do Mundo
O SRRM pode ser nulo, positivo ou negativo, consoante os Rendimentos Recebidos sejam iguais,
superiores ou inferiores aos Rendimentos Pagos ao Resto do Mundo:
SRRM = 0 (nulo): RRRM - RPRM = 0 ⇔ RRRM = RPRM
SRRM > 0 (positivo): RRRM - RPRM > 0 ⇔ RRRM > RPRM
SRRM < 0 (negativo): RRRM - RPRM < 0 ⇔ RRRM < RPRM
Distinção entre o Produto Líquido e o Produto Bruto
Para calcularmos o valor do produto retiramos o valor do que foi gasto para a produção
dos bens (as matérias primas, os produtos intermédios, etc.). Deste modo evitamos o problema
da dupla contagem quando aplicamos o Método dos Valores Acrescentados. Contudo não se
considerou o valor do desgaste (ou mais tecnicamente, o valor da depreciação: obsolescência e
desgaste físico) das máquinas e equipamentos utilizados no processo produtivo - as
amortizações.
Uma forma de analisar esta questão é fazer a distinção entre investimento líquido
(investimento que corresponde realmente a um aumento da capacidade produtiva) e investimento
bruto (total do investimento que visa repor a capacidade perdida durante o processo produtivo - a
amortização dos equipamentos - e ainda permitir um aumento de capacidade). Logo: Invest.
Bruto = Invest Líq. + Amort.
Assim, teremos as seguintes equações para a Contabilidade Nacional:
PIL = PIB - Amort. PIL / PIB : Produto Interno Líquido / Bruto
ou PNL = PNB - Amort.PNL / PNB : Produto Nacional Líquido / Bruto
Distinção entre a valorização a preços de mercado (pm) e a valorização a custo de factores (cf)
A valorização a preços de mercado (pm) não é mais do que aquilo que o consumidor paga
quando adquire um bem para satisfação de qualquer necessidade e a valorização a custo de
factores (cf) aquilo que custaria esse mesmo bem se incluísse o valor correspondente apenas à
remuneração dos factores produtivos, i.e., se ao preço no mercado retirássemos o valor dos
impostos indirectos (impostos sobre o consumo, como o IVA - Imposto sobre o Valor
Acrescentado) e adicionássemos o valor dos subsídios à exploração concedidos aos produtores.
Esquematicamente, para passarmos de “cf” para “pm” adicionamos os impostos
indirectos (I I) e deduzimos os subsídios (Sub):
pmcf SubII
 → −+
E para obtermos uma valorização a custo de factores a partir de uma valorização a preços
de mercado, retiramos os impostos indirectos e acrescentamos os subsídios:
pm cf
I I Sub− +
 →
logo: PIBcf = PIBpm - I I + Sub
⇔ PIBpm = PIBcf + I I - Sub
e: PNBcf = PNBpm - I I + Sub
⇔ PNBpm = PNBcf + I I - Sub
Formação Bruta de Capital
O Investimento Bruto é geralmente designado na Contabilidade Nacional por Formação Bruta de
Capital, sendo esta composta por duas parcelas, a Formação Bruta de Capital Fixo e a Variação
das Existências: FBC = FBCF + ∆Exist
Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF): valor dos bens duráveis destinados a fins não militares
adquiridos pelas unidades produtivas residentes para utilização por um prazo superior a um ano
no processo produtivo, ou seja, toda a despesa em aumentos de maquinaria, edifícios ou outro
capital produtivo1
.
Variação das Existências (∆Exist): é a diferença entre as existências de bens, seja qual for a fase
do processo produtivo; é, pois, a diferença entre as entradas e saídas de existências de bens que
se encontram em armazém e ainda não vendidas.
CONTABILIDADE NACIONAL
1. ÓPTICA DA PRODUÇÃO
PIBpm = ΣVABpm+Impostos sobre a Importação
PIBcf = PIBpm - Imp. sobre a Importação - Imp. sobre a Produção + Subsídios à Exploração
= PIBpm - I I + Sub
com:
Impostos Indirectos (I I) = Imp. sobre a Importação + Imp. sobre a Produção
2. ÓPTICA DO RENDIMENTO
PIBcf = Remunerações + EBE
PIBpm = PIBcf + I I - Sub = Remunerações + EBE+ I I - Sub
EBE → Excedente Bruto de Exploração (outros rendimentos: rendas, juros, etc.)
EBE = PIBcf - Remunerações (ou EBE = PIBpm - I I + Sub - Remunerações)
3. ÓPTICA DA DESPESA
DI (Despesa Interna) = PIBpm = C + G + FBCF + ∆Exist + X - M
= C + G + FBC + SBC
C: Consumo Privado (despesa em produtos consumidos e pagos directamente pelos residentes)
1
In, Introdução à Economia, João de Sousa Andrade (1998).
G: Gastos/Despesa Públicas (despesa realizada pelo Sector Público Administrativo em produtos
e serviços que fornece a título gratuito ou não, tais como educação, saúde, policiamento, defesa,
saneamento básico, etc.)
FBC = FBCF + ∆Exist
X: Exportações (despesa feita por não residentes em bens e serviços vendidos por agentes
residentes)
M: Importações (despesa dos residentes em bens e serviços que não são produzidos
internamente)
Saldo da Balança Comercial: SBC = X-M
Outras noções fundamentais para a Contabilidade Nacional:
• Procura Interna = C + G + FBC
• Procura Externa = X
Logo: Procura Global = Proc. Interna + Proc. Externa
= (C + G + FBC) + X
Como parte dessa Procura Global é satisfeita por importações, temos de as subtrair de modo a
obtermos o valor da Despesa Interna:
DI = Proc. Global - M =
= Proc. Interna + Proc. Externa - M
= (C + G + FBC) + X -M
• Despesa Nacional (DN) = Produto Nacional (PN) = PNBpm = PIB pm + SRRM
⇔ DN = PN = PNBpm = PIB pm + (RRRM - RPRM)
• Rendimento Nacional (RN) = PNLcf = PNBcf - Amort.
= PNBpm - I I + Sub - Amort.
• Rendimento Disponível (RD) = RN - Lucros Não Distrib. – I D + Tr
Lucros Não Distrib. → lucros não distribuídos pelas empresas
I D → Impostos Directos pagos pelas Famílias (IRS)
Tr → Transferências do Estado para as Famílias
• Poupança = Rendimento Disponível - Consumo Privado
*
* *
CASO PRÁTICO:
Para uma dada economia conhecem-se os seguintes dados (em unidades monetárias):
Consumo Privado = 1500 RRRM = 100 Transferências do Estado= 150
Gastos Públicos = 500 RPRM = 300 Remessas de Emigrantes = 350
Investimento = 800 Impostos Indirectos: I I = 600 Amortizações = 200
Exportações = 400 Subsídios à Exploração = 100 Lucros Não Distrib = 200
Importações = 600
Determine:
a) a Procura Interna, a Procura Externa, a Procura Global e a Despesa Interna
b) o PIBpm ; o PIBcf ; o PNBpm e o PNBcf
c) o Rendimento Nacional, o Rendimento Disponível e a Poupança
Resolução:
a) Procura Interna = C + G + FBC = 1500 + 500 + 800 = 2800 u.m.
Procura Externa = X = 400 u.m.
Procura Global = Proc. Interna + Proc. Externa = 2800 + 400 = 3200 u.m.
Despesa Interna: DI = Proc. Global - M = 3200 - 600 = 2600 u.m.
ou DI = C + G + FBC + X - M
= 1500 + 500 +800 + 400 - 600 =2600 u.m.
b) PIBpm = D I = 2600 u.m.
PIBcf = PIBpm - Imp. Indirectos + Sub. à Explor. = 2600 - 600 + 100 = 2100 u.m.
Dado que SRRM = RRRM - RPRM = 100 - 300 = -200 u.m.
então, PNBpm = PIBpm + SRRM = 2600 - 200 = 2400 u.m.
e PNBcf = PIBcf + SRRM = 2100 - 200 = 1900 u.m.
Ou, partindo do valor de PNBpm:
PNBcf = PNBpm- Imp. Indirectos + Sub. à Explor.
= 2400 - 600 + 100 = 1900 u.m.
c) Rendimento Nacional: RN = PNLcf = PNBcf - Amort. = 1900 - 200 = 1700 u.m.
Rendimento Disponível: RD = RN - lucros não distrib. + Tr + RE
= 1700 - 200 + 150 + 350 = 2000 u.m.
Poupança: S = RD - C = 2000 - 1500 = 500 u.m.
Gastos Públicos = 500 RPRM = 300 Remessas de Emigrantes = 350
Investimento = 800 Impostos Indirectos: I I = 600 Amortizações = 200
Exportações = 400 Subsídios à Exploração = 100 Lucros Não Distrib = 200
Importações = 600
Determine:
a) a Procura Interna, a Procura Externa, a Procura Global e a Despesa Interna
b) o PIBpm ; o PIBcf ; o PNBpm e o PNBcf
c) o Rendimento Nacional, o Rendimento Disponível e a Poupança
Resolução:
a) Procura Interna = C + G + FBC = 1500 + 500 + 800 = 2800 u.m.
Procura Externa = X = 400 u.m.
Procura Global = Proc. Interna + Proc. Externa = 2800 + 400 = 3200 u.m.
Despesa Interna: DI = Proc. Global - M = 3200 - 600 = 2600 u.m.
ou DI = C + G + FBC + X - M
= 1500 + 500 +800 + 400 - 600 =2600 u.m.
b) PIBpm = D I = 2600 u.m.
PIBcf = PIBpm - Imp. Indirectos + Sub. à Explor. = 2600 - 600 + 100 = 2100 u.m.
Dado que SRRM = RRRM - RPRM = 100 - 300 = -200 u.m.
então, PNBpm = PIBpm + SRRM = 2600 - 200 = 2400 u.m.
e PNBcf = PIBcf + SRRM = 2100 - 200 = 1900 u.m.
Ou, partindo do valor de PNBpm:
PNBcf = PNBpm- Imp. Indirectos + Sub. à Explor.
= 2400 - 600 + 100 = 1900 u.m.
c) Rendimento Nacional: RN = PNLcf = PNBcf - Amort. = 1900 - 200 = 1700 u.m.
Rendimento Disponível: RD = RN - lucros não distrib. + Tr + RE
= 1700 - 200 + 150 + 350 = 2000 u.m.
Poupança: S = RD - C = 2000 - 1500 = 500 u.m.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contabilidade de gestao
Contabilidade de gestaoContabilidade de gestao
Contabilidade de gestao
Universidade Pedagogica
 
Aula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas EconômicosAula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas Econômicos
Caio Roberto de Souza Filho
 
Procura oferta
Procura   ofertaProcura   oferta
Procura oferta
Helena Fonseca
 
Aula 06 custos de produção
Aula 06   custos de produçãoAula 06   custos de produção
Aula 06 custos de produção
petecoslides
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Os ciclos económicos
Os ciclos económicosOs ciclos económicos
Os ciclos económicos
lena21cruz
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Na Silva
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Bens – noção e classificação
Bens – noção e classificaçãoBens – noção e classificação
Bens – noção e classificação
EconomicSintese
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
Helena Fonseca
 
Teoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custosTeoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custos
Credencio Maunze
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Felipe Leo
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
Felipe Leo
 
Estruturas de mercado
Estruturas de mercadoEstruturas de mercado
Estruturas de mercado
Eliz Evan
 
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
Ronne Seles
 
Apontamentos de contabilidade Geral 1 Ano
Apontamentos de contabilidade Geral 1 AnoApontamentos de contabilidade Geral 1 Ano
Apontamentos de contabilidade Geral 1 Ano
nihomue
 
Mercado
MercadoMercado
Mercado
turma10ig
 
Mercados de concorrência perfeita
Mercados de concorrência perfeitaMercados de concorrência perfeita
Mercados de concorrência perfeita
turmainformaticadegestao
 
Economia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Economia: Elementos Básicos, Oferta e ProcuraEconomia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Economia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Pedro De Almeida
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
RichardSariaZacarias
 

Mais procurados (20)

Contabilidade de gestao
Contabilidade de gestaoContabilidade de gestao
Contabilidade de gestao
 
Aula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas EconômicosAula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas Econômicos
 
Procura oferta
Procura   ofertaProcura   oferta
Procura oferta
 
Aula 06 custos de produção
Aula 06   custos de produçãoAula 06   custos de produção
Aula 06 custos de produção
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Os ciclos económicos
Os ciclos económicosOs ciclos económicos
Os ciclos económicos
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Bens – noção e classificação
Bens – noção e classificaçãoBens – noção e classificação
Bens – noção e classificação
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
 
Teoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custosTeoria de produção e de custos
Teoria de produção e de custos
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Estruturas de mercado
Estruturas de mercadoEstruturas de mercado
Estruturas de mercado
 
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
 
Apontamentos de contabilidade Geral 1 Ano
Apontamentos de contabilidade Geral 1 AnoApontamentos de contabilidade Geral 1 Ano
Apontamentos de contabilidade Geral 1 Ano
 
Mercado
MercadoMercado
Mercado
 
Mercados de concorrência perfeita
Mercados de concorrência perfeitaMercados de concorrência perfeita
Mercados de concorrência perfeita
 
Economia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Economia: Elementos Básicos, Oferta e ProcuraEconomia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Economia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
 

Destaque

Contabilidade nacional
Contabilidade nacionalContabilidade nacional
Contabilidade nacional
Augusto Magalhães
 
Limitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade NacionalLimitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade Nacional
duartealbuquerque
 
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
David Ribeiro
 
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade NacionalUnidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
duartealbuquerque
 
Opticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesaOpticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesa
duartealbuquerque
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Felipe Leo
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
Na Silva
 
Higiene e segurança no trabalho para estagiários
Higiene e segurança no trabalho para estagiáriosHigiene e segurança no trabalho para estagiários
Higiene e segurança no trabalho para estagiários
Mateus Manharage
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Vania Guedes
 
Producao de instrumentos de recolhas de dados
Producao de instrumentos de recolhas de dadosProducao de instrumentos de recolhas de dados
Producao de instrumentos de recolhas de dados
Universidade Pedagogica
 
09.02.2012 economia (4)
09.02.2012 economia (4)09.02.2012 economia (4)
09.02.2012 economia (4)
Mariangela Souza
 
3a lista cn ufc novo respostas
3a lista cn ufc novo   respostas3a lista cn ufc novo   respostas
3a lista cn ufc novo respostas
Ângelo Barros
 
Economia
Economia Economia
Economia
narcas2011
 
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentaisEconomia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Felipe Leo
 
Macro, politicas inflacionarias.
Macro, politicas inflacionarias.Macro, politicas inflacionarias.
Macro, politicas inflacionarias.
Centro Universitário Una
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
Vinicius Carneiro
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
André Cerqueira
 

Destaque (17)

Contabilidade nacional
Contabilidade nacionalContabilidade nacional
Contabilidade nacional
 
Limitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade NacionalLimitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade Nacional
 
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
 
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade NacionalUnidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
 
Opticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesaOpticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesa
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
 
Higiene e segurança no trabalho para estagiários
Higiene e segurança no trabalho para estagiáriosHigiene e segurança no trabalho para estagiários
Higiene e segurança no trabalho para estagiários
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Producao de instrumentos de recolhas de dados
Producao de instrumentos de recolhas de dadosProducao de instrumentos de recolhas de dados
Producao de instrumentos de recolhas de dados
 
09.02.2012 economia (4)
09.02.2012 economia (4)09.02.2012 economia (4)
09.02.2012 economia (4)
 
3a lista cn ufc novo respostas
3a lista cn ufc novo   respostas3a lista cn ufc novo   respostas
3a lista cn ufc novo respostas
 
Economia
Economia Economia
Economia
 
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentaisEconomia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
 
Macro, politicas inflacionarias.
Macro, politicas inflacionarias.Macro, politicas inflacionarias.
Macro, politicas inflacionarias.
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 

Semelhante a Contabilidade nacional 2011

REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptxREC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
Sher Hamid
 
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Vanessa Alves
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
Roberto Arruda
 
Macroeconomia
MacroeconomiaMacroeconomia
Macroeconomia
simuladocontabil
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
bergerbird
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
zeramento contabil
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.pptCapitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
MairaLuizaSpanholi
 
E 2a07
E 2a07E 2a07
E 2a07
Angelo Yasui
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
Ewerton Uchôa
 
Slides dre
Slides dreSlides dre
Slides dre
Slides dreSlides dre
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
custos contabil
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencial
PUC Minas
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
custos contabil
 
Lista Exercicios 1.docx
Lista Exercicios 1.docxLista Exercicios 1.docx
Lista Exercicios 1.docx
GeraodeconhecimentoN
 
4787-operacoes-com-mercadorias-fernando-aprato.pdf
4787-operacoes-com-mercadorias-fernando-aprato.pdf4787-operacoes-com-mercadorias-fernando-aprato.pdf
4787-operacoes-com-mercadorias-fernando-aprato.pdf
joaogrisi
 
Classifique os custos 10
Classifique os custos 10Classifique os custos 10
Classifique os custos 10
zeramento contabil
 
Cmv = ei + compras ef
Cmv = ei + compras   efCmv = ei + compras   ef
Cmv = ei + compras ef
simuladocontabil
 
Apostila etec pfo
Apostila etec   pfoApostila etec   pfo
Apostila etec pfo
simuladocontabil
 

Semelhante a Contabilidade nacional 2011 (20)

REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptxREC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
 
Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
 
Macroeconomia
MacroeconomiaMacroeconomia
Macroeconomia
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.pptCapitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
 
E 2a07
E 2a07E 2a07
E 2a07
 
Contabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidadeContabilidade social i unidade
Contabilidade social i unidade
 
Slides dre
Slides dreSlides dre
Slides dre
 
Slides dre
Slides dreSlides dre
Slides dre
 
Apostila gestao de custos
Apostila gestao de custosApostila gestao de custos
Apostila gestao de custos
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencial
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
 
Lista Exercicios 1.docx
Lista Exercicios 1.docxLista Exercicios 1.docx
Lista Exercicios 1.docx
 
4787-operacoes-com-mercadorias-fernando-aprato.pdf
4787-operacoes-com-mercadorias-fernando-aprato.pdf4787-operacoes-com-mercadorias-fernando-aprato.pdf
4787-operacoes-com-mercadorias-fernando-aprato.pdf
 
Classifique os custos 10
Classifique os custos 10Classifique os custos 10
Classifique os custos 10
 
Cmv = ei + compras ef
Cmv = ei + compras   efCmv = ei + compras   ef
Cmv = ei + compras ef
 
Apostila etec pfo
Apostila etec   pfoApostila etec   pfo
Apostila etec pfo
 

Último

Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 

Último (8)

Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 

Contabilidade nacional 2011

  • 1. II – As Três Ópticas do Valor da Produção Nacional I. Óptica da Produção: quando queremos saber quanto é que se produz. Por isso, temos de calcular o valor acrescentado (VA) de cada empresa durante o processo produtivo até aos bens chegarem ao consumidor final e, depois, somar cada um desses valores acrescentados de modo a obtermos o valor da produção nacional. Nota: VA = Valor das Vendas (VV) - Consumos Intermédios (CI) II. Óptica do Rendimento: quando queremos saber como é que se distribui a produção de uma dada economia pelos seus agentes: salários, lucros, juros, etc. III. Óptica da Despesa: quando há interesse em saber quanto é que cada agente económico (em termos agregados) gasta — Consumo Privado (das Famílias), Despesas Públicas, Investimento, Importações e Exportações. Como calcular o Produto (o valor da produção de um país) ? Existem dois métodos: o Método dos Valores Finais e o Método dos Valores Acrescentados. I. Método dos Valores Finais tomamos os valores finais da produção aos preços de mercado, isto é, utilizamos os valores do consumo final em bens e serviços para a satisfação directa das necessidades humanas. II. Método dos Valores Acrescentados, o valor do produto vai ser decomposto nas parcelas com que os diversos sectores de actividade contribuem para a formação desse mesmo produto: VA = VV - CI . O Valor das Vendas (VV) diz respeito a uma determinada etapa do processo produtivo e os Consumos Intermédios (CI) correspondem ao valor dos bens não duráveis e dos serviços comerciais usados no decurso do processo de produção a preços de aquisição. Deste modo, evitamos contabilizar duas vezes o mesmo valor acrescentado porque retiramos o valor que foi acrescentado (anteriormente) aos produtos intermédios que uma determinada empresa compra para produzir um novo produto ou serviço - problema da dupla contagem. Recorrendo a um exemplo extremamente simples, veremos como é que se pode aplicar cada um dos dois métodos. Imaginemos uma economia fechada com 4 agentes: um agricultor, um moleiro, um padeiro e uma empresa produtora de energia eléctrica. • O agricultor produz trigo que vende ao moleiro por 30 u.m. (unidades monetárias). • O moleiro compra o trigo por 30 u.m., produzindo farinha que vende por 90 u.m., utilizando 20 u.m. de energia eléctrica. • O padeiro compra a farinha ao moleiro (por 90 u.m.) e utiliza 30 u.m. de energia eléctrica; o pão é vendido por 150 u.m. • A empresa produtora de energia realiza vendas no valor de 20 u.m. (moleiro) e 30 u.m. (padeiro) e não tem consumos intermédios visto que usa um gerador hidroeléctrico.
  • 2. Compra s Agricultor Vendas Compra s Moleiro Vendas CI 0 Trigo 30 Energia 20 Farinha 90 VA 30 Trigo 30 30 30 VA 40 90 90 Compra s Padeiro Vendas Compra s Energia Vendas Energia 30 Pão 150 CI 0 Energia 20+30 Farinha 90 VA 50 VA 30 50 50 150 150 Método dos Valores Finais: Produto (é igual ao valor de venda do pão - único bem de consumo final) = 150 u.m. Método dos Valores Acrescentados: ΣVA = VA Agricultor + VA Moleiro + VA Padeiro + VA Energia = = 30 + 40+ 30 + 50 =150 u.m. * * * Noções de Contabilidade Nacional Produto Interno e Produto Nacional Produto Interno (PI): é o somatório de todos os valores acrescentados de todas as unidades produtivas residentes (i.e., independentemente de pertencerem ou não a agentes económicos nacionais) no território nacional, calculado para um determinado período (geralmente, um ano). Produto Nacional (PN): é o somatório dos valores acrescentados, atribuível a factores de produção nacionais. Por isso, temos de adicionar o valor das remunerações que recebemos do resto do mundo (por ex., de emigrantes portugueses em França) e os rendimentos de propriedade e de empresa que recebemos do exterior (por ex., lucros de empresas portuguesas em Moçambique) e deduzir as remunerações e os rendimentos que saem de Portugal por não pertencerem a agentes económicos nacionais (ex.: lucros das filiais de multinacionais estrangeiras em Portugal). PI → PN ⇒ PN = PI + RRRM - RPRM PN = PI + SRRM RRRM : Rendimentos Recebidos do Resto do Mundo RPRM : Rendimentos Pagos ao Resto do Mundo
  • 3. SRRM = RRRM - RPRM :Saldo dos Rendimentos com o Resto do Mundo O SRRM pode ser nulo, positivo ou negativo, consoante os Rendimentos Recebidos sejam iguais, superiores ou inferiores aos Rendimentos Pagos ao Resto do Mundo: SRRM = 0 (nulo): RRRM - RPRM = 0 ⇔ RRRM = RPRM SRRM > 0 (positivo): RRRM - RPRM > 0 ⇔ RRRM > RPRM SRRM < 0 (negativo): RRRM - RPRM < 0 ⇔ RRRM < RPRM Distinção entre o Produto Líquido e o Produto Bruto Para calcularmos o valor do produto retiramos o valor do que foi gasto para a produção dos bens (as matérias primas, os produtos intermédios, etc.). Deste modo evitamos o problema da dupla contagem quando aplicamos o Método dos Valores Acrescentados. Contudo não se considerou o valor do desgaste (ou mais tecnicamente, o valor da depreciação: obsolescência e desgaste físico) das máquinas e equipamentos utilizados no processo produtivo - as amortizações. Uma forma de analisar esta questão é fazer a distinção entre investimento líquido (investimento que corresponde realmente a um aumento da capacidade produtiva) e investimento bruto (total do investimento que visa repor a capacidade perdida durante o processo produtivo - a amortização dos equipamentos - e ainda permitir um aumento de capacidade). Logo: Invest. Bruto = Invest Líq. + Amort. Assim, teremos as seguintes equações para a Contabilidade Nacional: PIL = PIB - Amort. PIL / PIB : Produto Interno Líquido / Bruto ou PNL = PNB - Amort.PNL / PNB : Produto Nacional Líquido / Bruto Distinção entre a valorização a preços de mercado (pm) e a valorização a custo de factores (cf) A valorização a preços de mercado (pm) não é mais do que aquilo que o consumidor paga quando adquire um bem para satisfação de qualquer necessidade e a valorização a custo de factores (cf) aquilo que custaria esse mesmo bem se incluísse o valor correspondente apenas à remuneração dos factores produtivos, i.e., se ao preço no mercado retirássemos o valor dos impostos indirectos (impostos sobre o consumo, como o IVA - Imposto sobre o Valor Acrescentado) e adicionássemos o valor dos subsídios à exploração concedidos aos produtores. Esquematicamente, para passarmos de “cf” para “pm” adicionamos os impostos indirectos (I I) e deduzimos os subsídios (Sub): pmcf SubII  → −+ E para obtermos uma valorização a custo de factores a partir de uma valorização a preços de mercado, retiramos os impostos indirectos e acrescentamos os subsídios: pm cf I I Sub− +  → logo: PIBcf = PIBpm - I I + Sub ⇔ PIBpm = PIBcf + I I - Sub e: PNBcf = PNBpm - I I + Sub
  • 4. ⇔ PNBpm = PNBcf + I I - Sub Formação Bruta de Capital O Investimento Bruto é geralmente designado na Contabilidade Nacional por Formação Bruta de Capital, sendo esta composta por duas parcelas, a Formação Bruta de Capital Fixo e a Variação das Existências: FBC = FBCF + ∆Exist Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF): valor dos bens duráveis destinados a fins não militares adquiridos pelas unidades produtivas residentes para utilização por um prazo superior a um ano no processo produtivo, ou seja, toda a despesa em aumentos de maquinaria, edifícios ou outro capital produtivo1 . Variação das Existências (∆Exist): é a diferença entre as existências de bens, seja qual for a fase do processo produtivo; é, pois, a diferença entre as entradas e saídas de existências de bens que se encontram em armazém e ainda não vendidas. CONTABILIDADE NACIONAL 1. ÓPTICA DA PRODUÇÃO PIBpm = ΣVABpm+Impostos sobre a Importação PIBcf = PIBpm - Imp. sobre a Importação - Imp. sobre a Produção + Subsídios à Exploração = PIBpm - I I + Sub com: Impostos Indirectos (I I) = Imp. sobre a Importação + Imp. sobre a Produção 2. ÓPTICA DO RENDIMENTO PIBcf = Remunerações + EBE PIBpm = PIBcf + I I - Sub = Remunerações + EBE+ I I - Sub EBE → Excedente Bruto de Exploração (outros rendimentos: rendas, juros, etc.) EBE = PIBcf - Remunerações (ou EBE = PIBpm - I I + Sub - Remunerações) 3. ÓPTICA DA DESPESA DI (Despesa Interna) = PIBpm = C + G + FBCF + ∆Exist + X - M = C + G + FBC + SBC C: Consumo Privado (despesa em produtos consumidos e pagos directamente pelos residentes) 1 In, Introdução à Economia, João de Sousa Andrade (1998).
  • 5. G: Gastos/Despesa Públicas (despesa realizada pelo Sector Público Administrativo em produtos e serviços que fornece a título gratuito ou não, tais como educação, saúde, policiamento, defesa, saneamento básico, etc.) FBC = FBCF + ∆Exist X: Exportações (despesa feita por não residentes em bens e serviços vendidos por agentes residentes) M: Importações (despesa dos residentes em bens e serviços que não são produzidos internamente) Saldo da Balança Comercial: SBC = X-M Outras noções fundamentais para a Contabilidade Nacional: • Procura Interna = C + G + FBC • Procura Externa = X Logo: Procura Global = Proc. Interna + Proc. Externa = (C + G + FBC) + X Como parte dessa Procura Global é satisfeita por importações, temos de as subtrair de modo a obtermos o valor da Despesa Interna: DI = Proc. Global - M = = Proc. Interna + Proc. Externa - M = (C + G + FBC) + X -M • Despesa Nacional (DN) = Produto Nacional (PN) = PNBpm = PIB pm + SRRM ⇔ DN = PN = PNBpm = PIB pm + (RRRM - RPRM) • Rendimento Nacional (RN) = PNLcf = PNBcf - Amort. = PNBpm - I I + Sub - Amort. • Rendimento Disponível (RD) = RN - Lucros Não Distrib. – I D + Tr Lucros Não Distrib. → lucros não distribuídos pelas empresas I D → Impostos Directos pagos pelas Famílias (IRS) Tr → Transferências do Estado para as Famílias • Poupança = Rendimento Disponível - Consumo Privado * * * CASO PRÁTICO: Para uma dada economia conhecem-se os seguintes dados (em unidades monetárias): Consumo Privado = 1500 RRRM = 100 Transferências do Estado= 150
  • 6. Gastos Públicos = 500 RPRM = 300 Remessas de Emigrantes = 350 Investimento = 800 Impostos Indirectos: I I = 600 Amortizações = 200 Exportações = 400 Subsídios à Exploração = 100 Lucros Não Distrib = 200 Importações = 600 Determine: a) a Procura Interna, a Procura Externa, a Procura Global e a Despesa Interna b) o PIBpm ; o PIBcf ; o PNBpm e o PNBcf c) o Rendimento Nacional, o Rendimento Disponível e a Poupança Resolução: a) Procura Interna = C + G + FBC = 1500 + 500 + 800 = 2800 u.m. Procura Externa = X = 400 u.m. Procura Global = Proc. Interna + Proc. Externa = 2800 + 400 = 3200 u.m. Despesa Interna: DI = Proc. Global - M = 3200 - 600 = 2600 u.m. ou DI = C + G + FBC + X - M = 1500 + 500 +800 + 400 - 600 =2600 u.m. b) PIBpm = D I = 2600 u.m. PIBcf = PIBpm - Imp. Indirectos + Sub. à Explor. = 2600 - 600 + 100 = 2100 u.m. Dado que SRRM = RRRM - RPRM = 100 - 300 = -200 u.m. então, PNBpm = PIBpm + SRRM = 2600 - 200 = 2400 u.m. e PNBcf = PIBcf + SRRM = 2100 - 200 = 1900 u.m. Ou, partindo do valor de PNBpm: PNBcf = PNBpm- Imp. Indirectos + Sub. à Explor. = 2400 - 600 + 100 = 1900 u.m. c) Rendimento Nacional: RN = PNLcf = PNBcf - Amort. = 1900 - 200 = 1700 u.m. Rendimento Disponível: RD = RN - lucros não distrib. + Tr + RE = 1700 - 200 + 150 + 350 = 2000 u.m. Poupança: S = RD - C = 2000 - 1500 = 500 u.m.
  • 7. Gastos Públicos = 500 RPRM = 300 Remessas de Emigrantes = 350 Investimento = 800 Impostos Indirectos: I I = 600 Amortizações = 200 Exportações = 400 Subsídios à Exploração = 100 Lucros Não Distrib = 200 Importações = 600 Determine: a) a Procura Interna, a Procura Externa, a Procura Global e a Despesa Interna b) o PIBpm ; o PIBcf ; o PNBpm e o PNBcf c) o Rendimento Nacional, o Rendimento Disponível e a Poupança Resolução: a) Procura Interna = C + G + FBC = 1500 + 500 + 800 = 2800 u.m. Procura Externa = X = 400 u.m. Procura Global = Proc. Interna + Proc. Externa = 2800 + 400 = 3200 u.m. Despesa Interna: DI = Proc. Global - M = 3200 - 600 = 2600 u.m. ou DI = C + G + FBC + X - M = 1500 + 500 +800 + 400 - 600 =2600 u.m. b) PIBpm = D I = 2600 u.m. PIBcf = PIBpm - Imp. Indirectos + Sub. à Explor. = 2600 - 600 + 100 = 2100 u.m. Dado que SRRM = RRRM - RPRM = 100 - 300 = -200 u.m. então, PNBpm = PIBpm + SRRM = 2600 - 200 = 2400 u.m. e PNBcf = PIBcf + SRRM = 2100 - 200 = 1900 u.m. Ou, partindo do valor de PNBpm: PNBcf = PNBpm- Imp. Indirectos + Sub. à Explor. = 2400 - 600 + 100 = 1900 u.m. c) Rendimento Nacional: RN = PNLcf = PNBcf - Amort. = 1900 - 200 = 1700 u.m. Rendimento Disponível: RD = RN - lucros não distrib. + Tr + RE = 1700 - 200 + 150 + 350 = 2000 u.m. Poupança: S = RD - C = 2000 - 1500 = 500 u.m.