SlideShare uma empresa Scribd logo
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



       Parte 3 – Modelos Alternativos
       de Curva de Oferta Agregada

        Nesta parte serão discutidos
        oito modelos alternativos de
         curva de oferta agregada.
           Será considerada uma
             economia fechada.
                                                                                        1
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira




                     Capítulo 7
                 Modelos da Síntese
                    Neoclássica



                                                                                        2
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                           Aula Anterior
      CAPÍTULO 6 – Primórdios da curva de
                oferta agregada
6.1 Mercado de trabalho;
6.1.1 Conceitos básicos para entender o
     funcionamento do mercado de trabalho.




                                                                                        3
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


                              Nesta Aula
CAPÍTULO 7 – Modelos da Síntese Neoclássica
7.1 A função de produção;
7.2 A demanda de trabalho;
7.3 A oferta de trabalho;
7.4 Modelo clássico da Síntese Neoclássica;
7.5 O modelo salário nominal da Síntese Neoclássica;
7.6 A armadilha da liquidez;
7.7 O modelo básico da Síntese Neoclássica;
7.8 Modelo da Síntese Neoclássica com influência dos autores
    novos clássicos;
7.9 Modelo de curva de oferta agregada da Síntese
    Neoclássica com influência dos autores novos
                                                                                        4
    keynesianos.
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                              Introdução
     • Neste tópico são desenvolvidos cinco
       modelos da curva de oferta agregada
       baseados no equilíbrio do mercado de
       trabalho e com firmas maximizando a
       massa de lucros.




                                                                                        5
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



      Modelos da Síntese Neoclássica

     • Síntese Neoclássica é a denominação
       que     se    dá     aos      modelos
       macroeconômicos que combinam a
       curva de demanda agregada via o
       modelo IS/LM com curvas de oferta
       agregada    obtidas   a    partir  de
       formulações      neoclássicas      de
       funcionamento do mercado de trabalho.                                            6
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



      Modelos da Síntese Neoclássica

     • Estes modelos têm em comum o fato
       de     considerarem     firmas   em
       concorrência perfeita e em monopólio
       que maximizam a massa de lucro, e o
       fato de considerarem uma função de
       produção de curto-prazo com produtos
       marginais decrescentes do fator
       variável.
                                                                                        7
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                  A função de produção
     • Uma função de produção é uma
       equação que dá o máximo de produto
       que se pode obter de uma série de
       fatores ou insumos.
     • Assim, a função de produção
       representa como fatores de trabalho
       (N), capital (K), recursos naturais (T)
       são combinados para gerar o produto
       nacional (y). Ou seja:
                    y = y (N, K, T)                                                     8
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                  A função de produção
                                y = y(N, K, T)

     • No curto prazo, pode-se considerar o
       montante de capital, de recursos naturais e a
       tecnologia como sendo constantes e
       definidos por K. Assim, a função de produção
       de curto prazo é:
                                    y     y N, K
     • A função de produção indica o montante de
       trabalho, N, necessário para gerar um dado
       nível de produto y.                                                              9
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                  A função de produção
                                y = y(N, K, T)

     • No curto prazo, pode-se considerar o
       montante de capital, de recursos naturais e a
       tecnologia como sendo constantes e
       definidos por K. Assim, a função de produção
       de curto prazo é:
                                    y     y N, K
     • Uma das possíveis especificações da função
       de produção de curto prazo é: y = C N .
                                                                                        10
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

                     Estágios de Produção
                 y                                         Função de produção
                                                                  y f N, K




                                                              N

                                                                       y
                                                           PMeT
                                                                       N

                                                    y          N
                                       PMgT
                                                    N                                   11
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

                   Estágios de Produção
 y                                        Função de produção
        ESTÁGIO I                                 y fN
                                                               Estágio I
                                                        É excluído porque
                                                             engloba
                                              N            rendimentos
                                                       médios crescentes
                                                      y     do insumo
                                          PMeT               variável.
                                                      N

                                    y         N
                      PMgT
                                    N                                                   12
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

                   Estágios de Produção
 y                                        Função de produção
        ESTÁGIO I                                 y fN
                                     ESTÁGIO III
                                                              Estágio III
                                                       É excluído porque
                                                        apresenta PMgT
                                              N           negativo (há
                                                         desperdício do
                                                      y fator variável).
                                          PMeT
                                                      N

                                    y         N
                      PMgT
                                    N                                                   13
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

                   Estágios de Produção
 y                                        Função de produção
        ESTÁGIO I                                 y fN
                                     ESTÁGIO III
                                                              Estágio II
                                                             É o estágio
                                                            relevante de
                                              N               produção
                                                              (racional)
                                                      y
                                          PMeT
                                                      N

                                    y         N
                      PMgT
                                    N                                                   14
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho

     • A análise será feita considerando a
       demanda de trabalho para uma firma
       competitiva e para uma firma
       monopolista e em seguida serão
       agregadas as demandas de trabalho de
       todas as firmas competitivas e
       monopolistas.

                                                                                        15
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho

     • Considere uma firma competitiva que
       tenha como objetivo maximizar a massa
       de lucros e tenha uma função de
       produção como y = y(N,K), em que o
       fator variável é a quantidade de
       trabalho                             e
       apresenta, inicialmente, rendimentos
       marginais      crescentes e     depois
       rendimentos marginais decrescentes do
                                                                                        16
       fator trabalho.
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
   • Sendo PMgT o produto marginal do fator
     trabalho, o acréscimo da receita ( RT) da firma
     ao empregar N de trabalho adicional é:

                              RT = P·PMgT· N

      sendo o trabalho o único fator variável, o
      acréscimo de custo ao empregar N de trabalho
      é C = W· N, em que W é o salário nominal por
      unidade de trabalho.
                                                                                        17
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
            RT = P·PMgT· N                               C = W· N
   • A firma competitiva atinge o máximo lucro
     total quando:
         RT = C                 No estágio II da
        P·PMgT· N = W· N função de produção:
        W = P·PMgT               N     PMgT
                   W                                              e
                             PMgT                        N         PMgT
                   P
          em que           é o salário real.                                            18
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
    =W
     P                                               Demanda de trabalho
                                                     em função do salário
      W0                                             real, para uma firma
      P                                              em concorrência
                                         =PMgT
                                                     perfeita
                                  N0       N
      W
                                                Demanda de trabalho
                                                em função do salário
     W0                                         nominal, para uma
                                       W=P.PMgT firma em concorrência
                                                perfeita
                                N0         N
                                                                                        19
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
    =W                                                • Observa-se que existe
     P                                                  uma curva de demanda de
                                                        trabalho para cada nível
      W0                                                de preço.
      P                                               • Se P aumentar, a curva de
                                         =PMgT          demanda de trabalho se
                                                        desloca para a direita.
                                  N0       N          • Isto ocorre porque se P
                                                        aumenta, a firma deseja
      W
                                                        contratar, em cada nível
                                                        de salário nominal, uma
     W0                                                 quantidade maior de
                                                        trabalho de modo a
                                       W=P.PMgT         aumentar a sua produção.

                                N0         N
                                                                                        20
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
   • Considere uma firma monopolista.
   • Ela se depara com uma curva de
     demanda negativamente inclinada pelo
     seu produto. Logo, a firma monopolista
     pode variar preço e produção. Sua receita
     total é de RT = P·Q e sua receita marginal
                RT
     é RMg          .
                 Q                                                                      21
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
                                              RT
                                 RMg
                                              Q
                                             P Q
                               RMg
Para frações                                  Q
infinitesimais:                      P     Q Q P
                          RMg
                                            Q
                                 Q          P                     P
                RMg P                    Q    P Q
                                 Q          Q                     Q
                                 Q                     P
                         RMg P 1
                                 P                     Q                                22
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
                                 Q                     P
                         RMg P 1
                                 P                     Q

  Sendo e a elasticidade-preço da demanda, tem-se:

                                            1
                             RMg        P 1
                                            e


                                                                                        23
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
                 Ganho do
             monopolista ao
                                        = RMg · PMgT
            contratar um novo
               trabalhador:


                              RT           RT        Q
                              N            Q         N
                                  1
                     RT       P 1   PMgT                       N
                                  e
                                                                                        24
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
       Uma firma monopolista atinge o máximo
                   lucro quando:
                       RT    C
                  1
            P 1       PMgT N W N
                  e
                           1
                W P 1         PMgT
                           e
                              W           1
                                        1   PMgT
                              P           e                                             25
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
    =W                                                  Demanda de trabalho
     P
                                                        em função do salário
                                                        real, para uma firma
      W0
                                                        monopolista
      P                                         1
                                            1     PMgT
                                                e
                                  N0       N
                                                        Demanda de trabalho
      W
                                                        em função do salário
                                                        nominal, para uma
     W0                                                 firma monopolista
                                                    1
                                       W    P 1       PMgT
                                                    e
                                N0         N
                                                                                        26
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
   • Para se obter a curva de demanda agregada
     de trabalho, deve-se somar horizontalmente
     as curvas de demanda de trabalho de cada
     firma em concorrência perfeita com as
     curvas de demanda de trabalho de cada
     firma monopolista.
   • Nota-se que se soma quantidade de trabalho
     em cada nível de salário.
                                                                                        27
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho

   • Para haver a maximização da massa de
     lucros por parte de uma firma em
     concorrência perfeita i tem-se que é
     necessário = PMgT, que é função da
     quantidade de trabalho Ni.
      – Quanto maior Ni, menor PMgTi.
                          gi Ni                  Ni     hi

                                                                                        28
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
   • Para haver maximização da massa de lucros
     por parte de uma firma monopolista j é
     necessário:
                          1
                     1       PMgTj
                         ej
   • Mas PMgTj = l(Nj). Logo, para uma firma
     monopolista necessita-se, para haver
     maximização dos lucros, que:
                                     1
                 1            Nj          mj
             1       l Nj              1
                 ej                1
                                      ej                                                29
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
  • A quantidade total de trabalho demandada
    na economia é dada pela expressão (em
    que i representa as firmas em concorrência
    perfeita e j as firmas em monopólio):
                                     1
     N       Ni     Nj     hi            mj
           i      j      i       j
                                       1
                                   1
    ou                                ej

                                  N p                                   N
                                                                                        30
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho

                                   N p

                                        W
                                                 fN
                                        P
                         ou
                                W        P fN
                                                                                        31
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
    =W
     P                                                  Demanda de trabalho
                                                        em função do salário
      W0                                                real, para toda a
      P                                                 economia
                                               fN
                                  N0       N
      W                                                 Demanda de trabalho
                                                        em função do salário
     W0
                                                        nominal, para toda a
                                                        economia
                                        W      P fN
                                N0         N
                                                                                        32
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho

   • Quando uma firma demanda trabalho, ela
     oferta salário ao trabalhador.
   • Assim, as equações dos slides anteriores
     (e seus gráficos) expressam a demanda
     de trabalho pelo conjunto de firmas em
     cada nível de salário ou a oferta de salário
     para cada nível de emprego.
                                                                                        33
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                A demanda por trabalho
               W


               W0

                                                 W      P fN
                                         N0         N

  Se aumentar o nível de preço, a curva de demanda de
  trabalho se deslocará para a direita, pois as firmas – ao
  receberem um preço maior pelo produto que elaboram –
  desejarão, em cada nível de salário nominal, demandar
  maior quantidade de trabalho para poderem produzir mais
  de seu produto e tentarem vender a um preço constante.                                34
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


      Expressão algébrica da curva de
           demanda de trabalho
   • Considerando a função:

                                y      y N, K

   • Pode-se ter:
                                 y      C N
      O termo C indica que certa parcela do produto
      interno (y) depende do capital fixo. Logo, C > 0.
                                                                                        35
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


      Expressão algébrica da curva de
           demanda de trabalho
                                 y       C N
   • Considera-se que as firmas operam no estágio
     II da função de produção, em que o produto
     marginal físico do trabalho é positivo, mas
     decrescente e menor do que o produto médio
     do trabalho. Isso implica:
                                                       2
                       y                               y
                               0                       2
                                                                0
                       N                              N                                 36
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


      Expressão algébrica da curva de
           demanda de trabalho
                                 y       C N
                                                        2
                       y                                 y
                               0                         2
                                                                 0
                       N                                N
                           y                        1
                                        C N                 0
                           N
                         C 0
                          1                                  0
       N 0             N    0                                                           37
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


      Expressão algébrica da curva de
           demanda de trabalho
                                 y       C N
                                                       2
                       y                               y
                               0                       2
                                                                0
                       N                              N
                   2
                   y                                       2
                   2
                                     1          C N                0
                  N
                           0
                         C 0                               1      0               1
                         2
       N 0             N   0                                                            38
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


      Expressão algébrica da curva de
           demanda de trabalho
                                 y       C N
                                                       2
                       y                               y
                               0                       2
                                                                0
                       N                              N

                         C 0 e 0                                1

                                                                                        39
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


      Expressão algébrica da curva de
           demanda de trabalho
                                                W                           y
              y       C N                                PMgT
                                                P                           N
      W                            1                                             1
                      C N                      W               C P N
      P
       Como ( – 1) < 0
                                            C P
                              W             1
                                           N                                            40
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


      Expressão algébrica da curva de
           demanda de trabalho
                       C P
               W       1
                     N
   • Ao se aumentar N, diminui-se W. Isto implica
     a inclinação negativa da curva de demanda
     de trabalho.
   • Quando se aumenta P, encontra-se W maior
     para o mesmo N. Isto implica em deslocar a
     curva de demanda de trabalho para a direita.
                                                                                        41
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira


      Expressão algébrica da curva de
           demanda de trabalho       C P
                                   W                                           1
                                                                            N
   • Considerando o seguinte exemplo:
                                            0,5
                           y      20 N               (função de produção)

                                                     0,5 1
                    W = 0,5 20 P N
                        ?
                                                   0,5
                       W 10 P N
                                    10 P
                          W           0,5
                                     N                                                  42
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                    A oferta de trabalho

   • Modelos de oferta de trabalho diferentes
     podem ser construídos segundo as
     seguintes alternativas de hipóteses:
       – A oferta de trabalho depende do salário
         nominal ou do salário real?
       – Os salários são rígidos ou flexíveis?

                                                                                        43
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



                    A oferta de trabalho
• A oferta de trabalho depende do salário nominal ou do
  salário real?
  Inicialmente será considerado que os trabalhadores
  não se preocupam com o salário nominal, mas sim
  com o salário real (os trabalhadores não têm ilusão
  monetária)
• Os salários são rígidos ou flexíveis?
  Será considerado que os salários nominais e os preços
  são flexíveis.
• Essas eram as hipóteses das formulações teóricas
  antes da Teoria Geral de John Maynard Keynes, que
  foi chamada por esse autor de economia clássica.                                      44
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica
   • Considere um trabalhador que pode alocar o
     seu tempo para trabalhar e, assim, obter renda
     ou alocá-lo para o lazer.
                        U = U(y, S)
     Sendo U a utilidade, y a renda real e S as horas
     de lazer.
   • O total de horas disponíveis é de H, alocando n
     horas para o trabalho e S horas para o lazer. A
     renda obtida pelo trabalhador é:
                            W                                       Restrição
                     y        H S                     H S          Orçamentária
                            P                                                           45
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica

            y      U0 U
                        1U H
                          2
         ω2.H

            y2                C
          ω1.H
                                                                            U2
            y1                      B
          ω0.H                                                            U1
             y0                                 A
                                                                            U0
                             S2 S1             S0                    H      S
                                                                                        46
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica




 Ao salário 0 é ofertado trabalho igual a H – S0 = n0.
 Ao salário 1 a oferta de trabalho é H – S1 = n1. Veja
 que 1 > 0 e n1 > n0. Assim, pode-se construir a
 curva de oferta de trabalho de um trabalhador                                          47
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica




                         0




                                              n0            n

  Ao salário         0   é ofertado trabalho igual a H – S0 = n0.
                                                                                        48
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica



                        1

                        0




                                              n0 n1         n

      Ao salário         1   a oferta de trabalho é H – S1 = n1.
                              1 >   0  e n 1 > n0                                       49
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica



                        1

                        0




                                              n0 n1         n

       Assim, pode-se construir a curva de oferta de
               trabalho de um trabalhador                                               50
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica
                                           • Observa-se que a partir
                                             de um determinado valor
                                             de salário real a curva de
                                             oferta de trabalho inclina-
  1                                          se para a esquerda.
 0
                                       • Isto ocorre porque a partir
                                         de um certo nível de
                                         salário real o trabalhador
                       n0 n1         n   prefere aumentar as
                                         horas de lazer e diminuir
                                         as horas de trabalho.      51
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica

   • Se forem somadas horizontalmente as
     curvas de oferta de trabalho de todos os
     trabalhadores será encontrada a curva de
     oferta de trabalho agregada.
                   W
                          gN                      W      P gN
                   P

   • Uma das possíveis formulações para g(N) é:
     g(N) = D N, sendo D > 0.
                                                                                        52
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira



Modelo clássico da Síntese Neoclássica

     • Oferta de trabalho agregada.



                                                  = g(N)




                                                          N                             53
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
   O equilíbrio no mercado de trabalho segundo a
    formulação clássica da Síntese Neoclássica

  • Demanda de trabalho (ou oferta de salário)
                       = f (N) ou             W = P f (N)
 • Oferta de trabalho (ou demanda de salário)
                   = g (N) ou             W = P g (N)
 • A condição de equilíbrio – em que o salário
   ofertado é igual ao salário demandado – é :
                             f (N) = g (N)
      ou
                             P f(N) = P g(N)                                            54
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
   O equilíbrio no mercado de trabalho segundo a
    formulação clássica da Síntese Neoclássica
          W                                Equilíbrio do mercado de trabalho
          P                    g(N)        Demanda de Trabalho          = f (N)
                                           (ou oferta de salário)
          0
                                           Oferta de trabalho         = g (N)
                               f(N)        (ou demanda de salário)
                          N0     N
         W                                 Equilíbrio no mercado de trabalho
                               P0.g(N)     Demanda de Trabalho        W = P.f (N)
         W0                                (ou oferta de salário)
                          A                Oferta de trabalho         W = P.g (N)
                               P0.f(N)
                          N0               (ou demanda de salário)
                                 N
          y
                                  y(N,K)   Função de produção
         y0
                                           y   y N, K
                      N0         N
              P
                                           Oferta agregada de produto
          P0          A

                     y0               y
                                                                                        55
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
   O equilíbrio no mercado de trabalho segundo a
    formulação clássica da Síntese Neoclássica
          W                                Equilíbrio do mercado de trabalho
          P                    g(N)
          0
                                                Não há ilusão monetária
                               f(N)                  P não afeta
                          N0 P .g(N)
                                  N
         W                    1            Equilíbrio no mercado de trabalho
                      B
         W1                    P0.g(N)
         W0                    P1.f(N)
                          A
                               P0.f(N)
                          N0     N
          y
                                  y(N,K)   Função de produção
         y0
                                                N permanece fixo em N0
                      N0         N
           P
          P1          B                    Oferta agregada de produto
          P0          A
                                               A curva de oferta agregada é
                     y0               y        Se uma reta vertical
                                                                                        56
                                               P
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
   O equilíbrio no mercado de trabalho segundo a
    formulação clássica da Síntese Neoclássica
          W                                Resumindo:
          P                    g(N)
          0                                • A partir da análise de equilíbrio do
                               f(N)          mercado de trabalho, observa-se o
                          N0 P .g(N)
                                  N          que ocorre com N quando P varia.
         W            B
                              1

         W1                    P0.g(N)     • Substitui N na função de produção.
         W0                    P1.f(N)
                          A
                               P0.f(N)     • Obtém-se y ofertado em cada nível
                          N0     N           de P.
          y
                                  y(N,K)
         y0
                                           Note que a curva de oferta agregada
                                           não tem a mesma origem que as da
                      N0         N
           P                               microeconomia convencional,
          P1          B                    baseadas na estrutura de custo
          P0          A                    marginal das firmas.
                     y0               y
                                                                                        57
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
O modelo clássico completo da Síntese
            Neoclássica
     • O nível de emprego e o salário real são
       determinados inteiramente no mercado de
       trabalho.
     • O nível de emprego de equilíbrio independe
       das ocorrências no mercado de produto e nos
       mercados de moeda e títulos.
     • O modelo apresenta uma dicotomia entre o
       mercado de trabalho (que determina a curva
       de oferta agregada) e os mercados bens, de
       moeda e títulos (a partir dos quais se obtém a
       curva da demanda agregada).                                                      58
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
O modelo clássico completo da Síntese
            Neoclássica
• O modelo clássico para uma economia fechada
  corresponde às seguintes equações:

  y = c[y – t(y)] + i(r) + g          equilíbrio no mercado de produto
                                       Com y0 , determina r0
 M                                     equilíbrio no mercado de moedas
       lr    ky                        e títulos
 P
                                       Com r0 e y0 , determina P0
  y y N, K                             função de produção
                                       Com N0 , determina y0

 f (N) = g (N)                         equilíbrio no mercado de trabalho
                                       Determina N0                      59
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
O modelo clássico completo da Síntese
            Neoclássica
   • No modelo clássico da Síntese
     Neoclássica, a demanda agregada só
     determina o nível de preço,

   • Mas não altera o nível de produto de
     equilíbrio.



                                                                                        60
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
    Política fiscal no modelo clássico da Síntese Neoclássica
                             D1
         P             D0            OO         Excesso de
         P1                          C
                                                demanda             Oferta e demanda agregada
         P0                                B
                                 A
                                                  D1
                                                D0
                                   y0             y
         r                  I1       M1(M0/P1)
                       I0          C     M0(M0/P0)                  Equilíbrio nos mercados de bens e de moedas
                  L1                           S1
             r0                         B                                Aumento de G
                                 A
                       L0                   S0
                                  y0      y1            y
                                               g(N)                 Equilíbrio no mercado de trabalho
                                     C=A
                  0

                                                 f(N)                    Não há ilusão monetária
                                     N0                     N                  P não afeta
              W                          P1.g(N)
                                       C
              W1                          P0.g(N)                   Equilíbrio no mercado de trabalho
             W0                           A               P1.f(N)
                                                        P0.f(N)
                                                                                                             61
                                       N0                  N
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

  Política fiscal no modelo clássico da
           Síntese Neoclássica
  • O nível de renda de equilíbrio não se alterou,
      – Mas a taxa de juros aumentou (de ro para r1).
      – Com isso, o investimento do setor privado
        diminuiu.

  • Pode-se concluir que no modelo clássico o
    aumento dos gastos do governo não altera a
    renda de equilíbrio, mas apenas substitui o
    investimento privado pelo gasto do governo na
    composição da renda de equilíbrio.                                                  62
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
 Política monetária no modelo clássico da Síntese Neoclássica
       P            D                   Excesso de
                  D0 2 OO
       P2              C                demanda          Oferta e demanda agregada
       P0                          B
                         A
                                          D
                                        D0 2
                             y0    y2            y
                                     M
                                   M0 0
        r           I0       A    M2 P0
         r0 L                     P2    M
                                                         Equilíbrio nos mercados de bens e monetário
              0     M2                M2 2
                                         P0
         r2         P0
                  L2               B S                     Aumento da oferta nominal de
                                       0
                         y0       y2     y                 moeda
                                  A g(N)                 Equilíbrio no mercado de trabalho
              0

                                          f(N)
                             N0                      N
          W
                                        P0.g(N)          Equilíbrio no mercado de trabalho
         W0                        A
                                             P0.f(N)
                                  N0             N                                                     63
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
 Política monetária no modelo clássico da Síntese Neoclássica
       P            D
                  D0 2 OO
       P2               C                              Oferta e demanda agregada
       P0                        B
                       A
                                        D
                                      D0 2
                           y0    y2           y
                             M0 M2
                        M0     ,
        r         I0 C=A M P0 P2
         r0
                           2
                                 M2                    Equilíbrio nos mercados de bens e monetário
              L0 M       p2 M2
                     2           P0
        r2
                L p0
                   2
                         B S
                                       0                 Aumento da oferta nominal de
                       y0       y2            y          moeda
                           C= A g(N)                   Equilíbrio no mercado de trabalho
              0

                                       f(N)                     Não há ilusão monetária
                           N0                     N                  P não afeta
          W                      P2.g(N)
          W2                       P0.g(N)             Equilíbrio no mercado de trabalho
          W0                    A            P2.f(N)
                                           P0.f(N)
                                N0             N                                                     64
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

Política monetária no modelo clássico
        da Síntese Neoclássica
   • Os valores de y, e N não se alteraram, mas
     apenas o nível de preço e o salário nominal.
   • Ou seja, uma modificação da quantidade
     nominal de moeda não altera o lado real da
     economia, mas apenas os valores nominais.
               Isto é conhecido como a neutralidade
               da moeda.
   • Nota-se que no modelo clássico a demanda
     agregada só determina o nível de preço, mas
     não altera o nível de produto de equilíbrio.
                                                                                        65
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Políticas fiscal e monetária no modelo
  clássico da Síntese Neoclássica
  • Raciocínio nos modelos da Síntese Neoclássica:
    – Partem de um ponto de equilíbrio inicial da
        economia;
    – Consideram, então, uma perturbação (como
        uma      política   fiscal ou     monetária
        expansionista) na economia;
    – Verificam que desajuste essa perturbação
        gera entre oferta e demanda agregada;
    – Esse desajuste levará a uma modificação
        dos preços, que podem subir ou reduzir);
    – Essa modificação dos preços levará a
        economia a atingir um novo equilíbrio.                                          66
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Políticas fiscal e monetária no modelo
  clássico da Síntese Neoclássica
      • Raciocínio nos modelos da Síntese Neoclássica:
         –   Partem de um ponto de equilíbrio inicial da
             economia;
         –   Consideram, então, uma perturbação (como
             uma      política    fiscal ou     monetária
             expansionista) na economia;
         –   Verificam que desajuste essa perturbação
             gera entre oferta e demanda agregada;
         –   Esse desajuste levará a uma modificação
             dos preços, que podem subir ou reduzir);
         –   Essa modificação dos preços levará a
             economia a atingir um novo equilíbrio.
 • Portanto, a modificação dos preços permite que a
   economia se ajuste a uma perturbação que sofra. 67
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho
   no modelo clássico da Síntese Neoclássica
                                                    W
   • Oferta de trabalho:                                    gN
                                                    P

   • Supondo formato linear:
                                   W
                                           D N
                                   P
                     ou

                                 W       D P N
                                                                                        68
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho
   no modelo clássico da Síntese Neoclássica


                                            1
                            C P N                D P N
                       Demanda de                Oferta
                         trabalho               trabalho

                     Em que 0 <              <1 e C>0

                                           1
                                 C N             D N
                                                                                        69
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho
   no modelo clássico da Síntese Neoclássica

                                           1
                                 C N               D N
                                               2
                                  C N               D
                                      2        D
                                N
                                                C
                                                   1
                                          D            2
                              N
                                           C
                 Em que C > 0 e D > 0                      N>0
                                                                                        70
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho
   no modelo clássico da Síntese Neoclássica
                                1
                      D             2
                                                       y      C N
           N
                       C

                                            D           2
                            y       C
                                             C
   Curva de oferta agregada para o modelo clássico

     C, D e       são parâmetros     y independe de P
                 curva de oferta agregada vertical                                      71
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho
   no modelo clássico da Síntese Neoclássica

           Considere o seguinte exemplo numérico:

  Função de produção:                      y 20 N0,5
                                           W
  Oferta de trabalho:                         10 N
                                           P

      Calcular equação de demanda de trabalho e a
          equação da curva de oferta agregada

  Pag. 159-160                                                                          72
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica do modelo clássico da
          Síntese Neoclássica
  Curva IS – equilíbrio no
                                                  r     A0       A1 g A 2 y
  mercado de produto

  Curva LM – equilíbrio no                                     M
                                                  r     B0       B1 y
  mercado de moeda                                             P
  Função de produção:                             y      C N
  Curva de Oferta de trabalho:                        W       D P N
  Curva de Demanda de trabalho:                                                    1
                                                      W            C P N                73
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica do modelo clássico da
          Síntese Neoclássica




  Em que A0 > 0 , A1 > 0 , A2 < 0 , B0 < 0 , B1 > 0 ,
         C > 0 , 0 < < 1 e D > 0.                                                       74
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica do modelo clássico da
          Síntese Neoclássica
   • A curva de demanda agregada surge do
     equilíbrio simultâneo nos mercados de produto,
     moeda e títulos:
                     A0              A1                   B0         M
             y                           g
                   A2 B1           A2 B1               A2 B1         P

   • A curva de oferta agregada surge do equilíbrio
     no mercado de trabalho, substituindo o seu
     resultado na função de produção:
                            D     2
                    y C                                                                 75
                             C
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica do modelo clássico da
          Síntese Neoclássica
      Considere o seguinte exemplo numérico:
Função consumo:      C = 80 + 0,90·(y–t)
Função investimento: i = 750 – 2.000·r
Função tributação:   t = 0,30·y
Gastos do governo:   g = 750
                          Md
Demanda real de moeda:          0,1625 y 1.000 r
                          P
Oferta nominal de moeda: Ms = 600
Função de produção: y = 1.063,659·N0,5
Oferta de trabalho:  W = 10·P·N                                                         76
                                                                Pag. 161-163
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica do modelo clássico da
          Síntese Neoclássica
      Considere o seguinte exemplo numérico:
Função consumo:      c = 75 + 0,85·(y–t)
Função investimento: i = 650 – 1.800·r
Função tributação:    t = 0,30·y
Gastos do governo:   g = 800
                          Md
Demanda real de moeda:         0,1625 y 1.000 r
                           P
Oferta nominal de moeda: Ms = 800
Função de produção: y = 962,296·N0,5
Oferta de trabalho:  W = 10·P·N                                                         77
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica do modelo clássico da
          Síntese Neoclássica




                     Calcule y, P, r, N, w e W                                          78
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica do modelo clássico da
          Síntese Neoclássica

     • Nota-se que a partir das funções consumo,
       investimento, tributação, certo valor de g,
       função demanda real de moeda, valor da
       oferta nominal de moeda, função de
       produção e função de oferta de trabalho,
       deduz-se: a curva IS, a curva LM, a curva de
       demanda agregada, a curva de oferta
       agregada e o ponto de equilíbrio da
       economia.
                                                                                        79
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica do modelo clássico da
          Síntese Neoclássica
• A partir das funções consumo, investimento e tributação e dos gastos do
  governo, obtém-se a curva IS.
• A partir das funções oferta e demanda de moeda, obtém-se a curva LM.
• A curva de demanda agregada surge do equilíbrio simultâneo nos
  mercados de produto e de moeda.
• A partir da função de produção, é derivada a curva de demanda de
  trabalho.
• O equilíbrio no mercado de trabalho ocorre quando a demanda de
  trabalho é igual à oferta de trabalho.
• Substituindo esse valor de N na função de produção, encontra-se a curva
  de oferta agregada (que é uma reta vertical no plano y versus P).
• Igualando oferta e demanda agregada encontra-se preço de equilíbrio e
  produção de equilíbrio.
• Substituindo o valor de y na curva IS, encontra-se r.
• Substituindo o valor de N e P na expressão de oferta de trabalho,
  encontra-se W.                                                          80
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

    Modelo salário nominal da Síntese
              Neoclássica
   • Agora será considerado que os
      trabalhadores estão interessados no
      salário nominal, de modo que a oferta de
      trabalho é função do salário nominal W e
      não do salário real                  W    .
                                           P



                                                                                        81
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

    Modelo salário nominal da Síntese
              Neoclássica
   • O trabalhador tenta maximizar a função utilidade,
                         U = U(Y, S)
      sujeito à restrição orçamentária,
                        Y = W (H – S)
       em que
          Y = renda nominal,
          S = horas de lazer,
          H = tempo total disponível
          W = salário nominal.                                                          82
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

    Modelo salário nominal da Síntese
              Neoclássica
            y U0
                         U1 H
         W1.H

             y1               B
                                                                            U1

         W0.H
             y0                                 A
                                                                            U0
                             S1                S0                    H      S
                                                                                        83
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

    Modelo salário nominal da Síntese
              Neoclássica
                     W


                    W1
                    W0



                                              n0 n1         n

       Assim, pode-se construir a curva de oferta de
               trabalho de um trabalhador                                               84
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

    Modelo salário nominal da Síntese
              Neoclássica

     • Oferta de trabalho agregada.
 W
                                                          Nota-se que a
                                   W = h(N)             oferta de trabalho
                                                        no modelo salário
                                                           nominal não
                                                        depende do nível
                                                          geral de preço

                                               N
                                                                                        85
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

    Modelo salário nominal da Síntese
              Neoclássica

     • A demanda de trabalho no modelo
       salário nominal é a mesma que no
       modelo clássico. Isto é:
                                 W = P f(N)
        Obtida de uma função de produção
        com rendimentos marginais
        decrescentes do fator trabalho (o único
        variável).                                                                      86
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
   O equilíbrio no mercado de trabalho segundo o
   modelo salário nominal da Síntese Neoclássica


     • Foram formuladas as seguintes
       equações:

        oferta de trabalho                             W = h(N)

        demanda de trabalho                            W = P f(N)

        equilíbrio                                     h(N) = P f(N)

                                                                                        87
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
   O equilíbrio no mercado de trabalho segundo o
   modelo salário nominal da Síntese Neoclássica

          W                                                    h (N)

                                                 E
          W0
                                      G                    F
          W1
                                                               P0.f (N)

                                      NS         N0      ND      N

• Observa-se que se o salário nominal for W1, a demanda de
  trabalho ND será maior que a oferta de trabalho NS.
• O excesso de demanda de trabalho (ND – NS) gera um aumento
  do salário nominal, até o valor de equilíbrio W0 ser alcançado. 88
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
A curva de oferta agregada no modelo salário
      nominal da Síntese Neoclássica

W                                                    h (N)
                                                                    O nível de
W0
                                       E                             emprego
                            G                    F                      de
W1                                                                   equilíbrio
                                                     P0.f (N)
                                                                     depende
                            NS         N0       ND      N           do nível de
                                                                      preços.
       equilíbrio               h(N) = P f(N)

                                                                                        89
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
        A curva de oferta agregada no modelo salário
              nominal da Síntese Neoclássica
W                                              Equilíbrio no
                              C h (N)
                          B                    mercado de
                  A                            trabalho.
                                   P2.f (N)                    • Com um preço maior, o
                                P1.f (N)                         valor nominal do produto
                              P0.f (N)                           marginal (P PMgT) sobe.
                   N0 N1 N2            N                         Em cada nível de salário
  y
y2                                                               nominal, as firmas
   y1
y0                        B C              Função de             desejarão contratar mais
                      A
                                           Produção              trabalho, para elaborar um
                                                                 produto maior.

                 N0       N1N2         N
                                                               • Já a oferta de trabalho
                                   O
                                                                 depende do salário
     P
                              C            Oferta                nominal, não sendo
    P2
                          B                agregada              influenciada pelo preço.
    P1
                      A
    P0                                                             P
             O
                                                                                            90
                  y0      y1 y2        y
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
As equações do modelo salário nominal da
          Síntese Neoclássica
• Equilíbrio no mercado de produto                      y cy t y ir                 g
• Equilíbrio no mercado de moedas                         M
                                                             lr k y
                                                          P
• Equilíbrio no mercado de trabalho                       hN P f N
• Função de produção                                            y    y N, K
  Neste modelo não se tem o caso de uma equação com
  apenas uma incógnita.
  A solução do sistema de equações acima tem que ser
  simultânea, ao contrário do modelo clássico em que o
  produto real era determinado no mercado de trabalho.                                  91
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Os efeitos da política fiscal no modelo salário
      nominal da Síntese Neoclássica
   P              D0    D1                    O                                  Aumento de g
                                                              Curvas de
                                                               oferta e
  P2
                        A
                                                              demanda     Excesso de demanda (y1 – y0)
                                          B
  P0                                                          agregada
                                                       D1
             O                            D0                                     Aumento de P
                       y0            y1           y
                  I0        I1
   r

                                      B           M0            Curvas
                            A                                  IS e LM
                                                  S1
   r0
             L0                            S0
                       y0             y1          y
        W
                                                      h(N)    Curvas de
                                 A                             oferta e
        W0                                                   demanda de
                                           P0 .f(N)            trabalho                                  92
                             N0                        N
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Os efeitos da política fiscal no modelo salário
      nominal da Síntese Neoclássica
   P              D0    D1                  O                                     Aumento de g
                                                             Curvas de
                                                              oferta e
                                 C
  P2
                        A
                                                             demanda       Excesso de demanda (y1 – y0)
                                       B
  P0                                                         agregada
                                                     D1
             O                         D0                                         Aumento de P
                       y0 y2 y1                  y
                            I1                                           Desloca a curva LM para esquerda
   r              I0                        M1
                                  C
   r2                                           M0                              Eleva taxa de juros
                                      B                        Curvas
             L1             A                                 IS e LM
                                                 S1
   r0                                                                          Reduz o investimento
             L0                            S0
                       y0        y2   y1         y                        Reduz y (isto é observado como
        W
                                                     h(N)    Curvas de     um deslocamento ao longo da
                                  A                           oferta e               curva OO)
        W0                                                  demanda de
                                           P0 .f(N)           trabalho                                     93
                             N0                       N
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Os efeitos da política fiscal no modelo salário
      nominal da Síntese Neoclássica
   P              D0    D1                     O                                      Aumento de g
                                                                Curvas de
                                                                 oferta e
                                 C
  P2
                        A
                                                                demanda       Excesso de demanda (y1 – y0)
                                           B
  P0                                                            agregada
                                                        D1
             O                             D0                                         Aumento de P
                       y0 y2          y1            y
                            I1                                                Desloca a curva de demanda de
   r              I0                           M1
                                  C                                          trabalho para a direita (pois eleva
   r2                                              M0                        P PMgT, permitindo às empresas
                                       B                          Curvas
                                                                 IS e LM    pagarem maiores salários nominais
            L1              A                       S1
   r0                                                                       para cada quantidade de trabalho).
             L0                             S0
                                                                                 Com isso, aumenta-se a
                       y0        y2    y1           y                             quantidade de trabalho
        W
                                                        h(N)    Curvas de    empregada, elevando o produto
        W2                                 C                     oferta e
                                  A                                          ofertado (isto é observado como
        W0                                        P2 .f(N)     demanda de     um deslocamento ao longo da
                                            P0 .f(N)             trabalho                                    94
                             N0            N2        N                                   curva OO
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Os efeitos da política fiscal no modelo salário
      nominal da Síntese Neoclássica
   P              D0    D1                     O
                                                                Curvas de
                                                                 oferta e • O preço elevará até
  P2                             C                              demanda     P2, estabelecendo o equilíbrio
                        A                  B
  P0                                                            agregada    em y , N , r e W (ponto C).
                                                                                  2   2   2   2
                                                        D1
             O                             D0
                       y0 y2          y1            y                      • O investimento diminui porque
                  I0        I1                                               a taxa de juros subiu. Mas a
   r                                           M1
                                  C                                          diminuição de i foi em
   r2                                              M0
                                       B                          Curvas     montante inferior ao aumento
             L1             A                                    IS e LM     de g (y aumentou).
                                                    S1
   r0
             L0                             S0
                                                                          • No modelo clássico, variações
                       y0        y2    y1           y                       de g afetavam, apenas P. No
        W
                                                        h(N)    Curvas de
        W2                                 C                                modelo salário nominal afeta
                                  A                              oferta e
        W0                                        P2 .f(N)     demanda de   P e y.
                                            P0 .f(N)            trabalho                                     95
                             N0            N2        N
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
        Os efeitos da política monetária no modelo
         salário nominal da Síntese Neoclássica
   P              D0    D1                   O                                       Aumento de M
                                                                Curvas de
                                                                 oferta e
                             C
  P2
                         A
                                                                demanda      Excesso de demanda (y1 – y0)
                                        B
  P0                                                            agregada
                                                      D1
             O                          D0                                           Aumento de P
                       y0 y2       y1            y
                                                                            A elevação da taxa de juros reduz
   r              I0
                                                                            o investimento i, provocando um
                                                 M0                         deslocamento ao longo da curva
                                                       M2 M1      Curvas
                                                                 IS e LM     de demanda agregada D1D1, do
   r0                    A
                               C                                                      ponto B ao C.
   r2        L0                         B
   r1                  L2 L1                S0
                        y0 y2       y1           y
        W
                                                     h(N)       Curvas de
                               A                                 oferta e
        W0                                                     demanda de
                                            P0 .f(N)             trabalho                                   96
                             N0                        N
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
        Os efeitos da política monetária no modelo
         salário nominal da Síntese Neoclássica
   P              D0    D1                  O                                        Aumento de M
                                                               Curvas de
                                                                oferta e
                             C
  P2
                         A
                                                               demanda       Excesso de demanda (y1 – y0)
                                        B
  P0                                                           agregada
                                                      D1
             O                          D0                                           Aumento de P
                       y0 y2       y1            y
                                                                             Desloca a curva de demanda de
   r              I0
                                                                            trabalho para a direita (pois eleva
                                                 M0                         P PMgT, permitindo às empresas
                                                      M2 M1      Curvas
                                                                IS e LM    pagarem maiores salários nominais
   r0                    A
                               C                                           para cada quantidade de trabalho).
   r2        L0                         B
   r1                  L2 L1                S0
                                                                        O produto ofertado aumenta, o que
                        y0 y2       y1           y                      é visto como um deslocamento ao
        W
                                                     h(N)     Curvas de longo da curva de oferta agregada
        W2                              C                      oferta e
                               A                                               OO do ponto A ao C.
        W0                                     P2 .f(N)       demanda de
                                         P0 .f(N)               trabalho                                     97
                             N0         N2        N
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
        Os efeitos da política monetária no modelo
         salário nominal da Síntese Neoclássica
   P              D0    D1                  O
                                                               Curvas de
                                                                oferta e • O preço elevará até
  P2                         C                                 demanda     P2, estabelecendo o equilíbrio
                         A              B
  P0                                                           agregada    em y , N , r e W (ponto C).
                                                                                  2   2   2   2
                                                      D1
             O                          D0
                       y0 y2       y1            y                         • No modelo salário nominal a
                  I0                                                         moeda não é neutra. Ela afeta
   r
                                                                             as variáveis reais da economia.
                                                 M0              Curvas
                                                      M2 M1
   r0                    A                                      IS e LM    • O aumento da quantidade de
                               C
   r2        L0                         B                                    moeda causa aumento do PIB.
   r1                  L2 L1                S0
                        y0 y2       y1           y
        W
                                                     h(N)      Curvas de
        W2                              C                       oferta e
                               A
        W0                                     P2 .f(N)       demanda de
                                         P0 .f(N)               trabalho                                       98
                             N0         N2        N
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no
   modelo salário nominal da Síntese Neoclássica

   • Oferta de trabalho:                         W      hN


   • Supondo formato linear:

                                   W E N
                     em que
                                      E 0
                                                                                        99
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no
   modelo salário nominal da Síntese Neoclássica


                                              1
                               C P N               E N
                                               Oferta de
                          Demanda              trabalho
                             de
                          trabalho
                                  C P E N2

                                 2             C P
                              N
                                               E
                                                                                    100
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no
   modelo salário nominal da Síntese Neoclássica

                                  2            C P
                              N
                                               E
                                                       1
                                          C P      2             Há um valor de
                              N                                  N de equilíbrio
                                          E                       para cada P

  Considerando a função de produção: y                             C N

                                            C P        2
                          y       C
                                            E
                                                                                    101
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no
   modelo salário nominal da Síntese Neoclássica

                                            C P       2
                           y     C
                                            E
  curva de oferta agregada no modelo salário nominal

                     0           1                            0
                                                2
• Logo, quando P é aumentado, eleva-se y.
• A curva de oferta agregada do modelo salário
  nominal é positivamente inclinada no plano
  cartesiano renda (y) versus nível geral de preços (P).102
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
  Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no
     modelo salário nominal da Síntese Neoclássica

           Considere o seguinte exemplo numérico:

  Função de produção:                      y     20 N0,5

  Oferta de trabalho:                      W      0,01 N


      Calcular a curva de oferta agregada do modelo
                      salário nominal

  Pag. 174-175                                                                      103
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
    Expressão algébrica do modelo salário
       nominal da Síntese Neoclássica
  Curva IS – equilíbrio no
                                                  r     A0       A1 g A 2 y
  mercado de produto

  Curva LM – equilíbrio no                                     M
                                                  r     B0       B1 y
  mercado de moeda                                             P
  Função de produção:                             y      C N
  Curva de Oferta de trabalho:                           W E N

  Curva de Demanda de trabalho:                                                    1
                                                      W            C P N               104
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
    Expressão algébrica do modelo salário
       nominal da Síntese Neoclássica




  Em que A0 > 0 , A1 > 0 , A2 < 0 , B0 < 0 , B1 > 0 ,
         C > 0 , 0 < < 1 e E > 0.                                                   105
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
    Expressão algébrica do modelo salário
       nominal da Síntese Neoclássica
   • A curva de demanda agregada surge do
     equilíbrio simultâneo nos mercados de produto,
     moeda e títulos:
                      A0             A1                   B0        M
              y                          g
                    A2 B1          A2 B1               A2 B1        P

   • A curva de oferta agregada surge do equilíbrio
     no mercado de trabalho, substituindo o seu
     resultado na função de produção:
                            C P 2
                   y C
                            E                                                       106
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
    Expressão algébrica do modelo salário
       nominal da Síntese Neoclássica
      Considere o seguinte exemplo numérico:
Função consumo:      c = 75 + 0,90·(y–t)
Função investimento: i = 650 – 1.000·r
Função tributação:    t = 0,20·y
Gastos do governo:   g = 1.500
                                          Md
Demanda real de moeda:                            0,2000 y 2.000 r
                                          P
Oferta nominal de moeda: Ms = 300
Função de produção: y = 450,000·N0,5
Oferta de trabalho:  W = 0,01·N                                                     107
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
    Expressão algébrica do modelo salário
       nominal da Síntese Neoclássica




                     Calcule y, P, r, N, w e W                                      108
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira
    Expressão algébrica do modelo salário
       nominal da Síntese Neoclássica
      Considere o seguinte exemplo numérico:
Função consumo:      C = 80 + 0,90·(y–t)
Função investimento: i = 750 – 2.000·r
Função tributação:    t = 0,30·y
Gastos do governo:   g = 750
                          Md
Demanda real de moeda:         0,1625 y 1.000 r
                           P
Oferta nominal de moeda: Ms = 600
Função de produção: y = 1.063,659·N0,5
Oferta de trabalho:  W = 0,01·N                                                     109
                                                                Pag. 176-179
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Clássico
                                                              No Modelo Brasileira

                                  A armadilha da liquidez
         P            D1     D0
                                       O                                 • Considere que haja queda das
                                                           Equilíbrio
                                                           entre oferta    expectativas de lucros e redução
                                                           e demanda       brusca do volume de investimento.
     P0                                                    agregada.     • O excesso de oferta (y0 – y1) reduz
                      D1               O         D0
                                                                           os preços.
                 y1               y0                   y
                                                                         • O produto demandado permanece
                                             g(N)          Equilíbrio no   estável em y1, ou seja, a curva de
                                                           mercado de      demanda agregada torna-se
     0                                                     trabalho.       vertical.
                                                                         • A alteração dos preços não afeta o
                                             f(N)
                                                                           mercado de trabalho e, portanto, a
             y1                        N0              N                   oferta agregada ainda é vertical no
         r                  I0                                             produto y0.
                                                      M0   Equilíbrio
                                                           simultâneo    • Nota-se que se não houver uma
                                                      M1
             I1                                            nos mercados política fiscal para deslocar a curva
    r0                                                     de produto e    IS, a economia permanece fora do
             L                              S0             de moeda.       equilíbrio, com o excesso de oferta
                       S1
                  y1              y0                   y                   (y0 – y1).                         110
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

                                  A armadilha da liquidez
         P            D1     D0
                                       O
                                                           Equilíbrio
                                                                           • Isto é a inconsistência do
                                                           entre oferta
                                                           e demanda         modelo clássico, oriunda
     P0                                                    agregada.         da economia operar com
                      D1               O         D0
                 y1
                                                                             uma taxa de juros muito
                                  y0                   y
                                                                             baixa, na qual os indivíduos
                                             g(N)          Equilíbrio no     são indiferentes a ter
                                                           mercado de
                                                           trabalho.
                                                                             moeda ou títulos (essa
      0
                                                                             situação é chamada de
                                             f(N)                            armadilha da liquidez).
             y1                        N0              N
         r                  I0                        M0   Equilíbrio
                                                      M1   simultâneo
             I1                                            nos mercados
    r0                                                     de produto e
             L                              S0             de moeda.
                       S1
                  y1              y0                   y                                                111
BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira

                                  A armadilha da liquidez
         P            D1     D0                                                   No Modelo Salário Nominal
                                                  O          Equilíbrio    • Considere que haja queda das
                                                             entre oferta    expectativas de lucros e redução
                                                             e demanda       brusca do volume de investimento.
     P0
                                                             agregada.     • O excesso de oferta (y0 – y1) reduz
     P1 O D1                                     D0
                                                                             os preços.
                 y1               y0                     y
                                                                           • O produto demandado permanece
     W                                           g(N)        Equilíbrio no   estável em y1, ou seja, a curva de
                                                             mercado de      demanda agregada torna-se
    W0                                                       trabalho.       vertical.
                                                                           • o produto de equilíbrio nesses
                       P1·f(N)               P0·f(N)
                                                                             mercados fica em y1, apesar do
             y1                        N0                N                   preço cair.
         r                  I0                        M0     Equilíbrio    • O modelo salário nominal permite a
                                                             simultâneo      economia estar em equilíbrio em
                                                        M1
             I1                                              nos mercados uma situação de armadilha de
    r0                                                       de produto e    liquidez. E para sair de tal situação
             L                              S0               de moeda.       é necessária uma política fiscal
                       S1
                  y1              y0                     y                   expansionista.                       112
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro
Cap7 macro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
Lídia Aguiar
 
Clase 07 crecimiento-2014-unmsm (1)
Clase 07 crecimiento-2014-unmsm (1)Clase 07 crecimiento-2014-unmsm (1)
Clase 07 crecimiento-2014-unmsm (1)
Andres Zelada Zamora
 
Cap5 macro
Cap5 macroCap5 macro
Cap5 macro
Roberto Arruda
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Thaís Ferreira
 
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
Ronne Seles
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
Felipe Leo
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Felipe Leo
 
Modelo keynesiano - Economia
Modelo keynesiano - EconomiaModelo keynesiano - Economia
Modelo keynesiano - Economia
RafaelYamaji
 
Modelo islm
Modelo islmModelo islm
Modelo islm
Adilson Mendonça
 
Economia – a economia intertemporal parte 2
Economia – a economia intertemporal parte 2Economia – a economia intertemporal parte 2
Economia – a economia intertemporal parte 2
Felipe Leo
 
Cap16 macro
Cap16 macroCap16 macro
Cap16 macro
Roberto Arruda
 
A Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento EconômicoA Evolução do Pensamento Econômico
2+demanda+moeda
2+demanda+moeda2+demanda+moeda
2+demanda+moeda
Gold Calil Haddad Haddad
 
Modelo ak (2)
Modelo ak (2)Modelo ak (2)
Modelo ak (2)
IrÁn Nash
 
Cap3 macro
Cap3 macroCap3 macro
Cap3 macro
Roberto Arruda
 
Cap8 macro
Cap8 macroCap8 macro
Cap8 macro
Roberto Arruda
 
El Multiplicador Keynesiano
El Multiplicador KeynesianoEl Multiplicador Keynesiano
El Multiplicador Keynesiano
saladehistoria.net
 
Aula 03 elasticidade e suas aplicações
Aula 03   elasticidade e suas aplicaçõesAula 03   elasticidade e suas aplicações
Aula 03 elasticidade e suas aplicações
petecoslides
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
Mitsubishi Motors Brasil
 
Mankiw6e chap11
Mankiw6e chap11Mankiw6e chap11

Mais procurados (20)

Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
 
Clase 07 crecimiento-2014-unmsm (1)
Clase 07 crecimiento-2014-unmsm (1)Clase 07 crecimiento-2014-unmsm (1)
Clase 07 crecimiento-2014-unmsm (1)
 
Cap5 macro
Cap5 macroCap5 macro
Cap5 macro
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
 
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
 
Modelo keynesiano - Economia
Modelo keynesiano - EconomiaModelo keynesiano - Economia
Modelo keynesiano - Economia
 
Modelo islm
Modelo islmModelo islm
Modelo islm
 
Economia – a economia intertemporal parte 2
Economia – a economia intertemporal parte 2Economia – a economia intertemporal parte 2
Economia – a economia intertemporal parte 2
 
Cap16 macro
Cap16 macroCap16 macro
Cap16 macro
 
A Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento EconômicoA Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento Econômico
 
2+demanda+moeda
2+demanda+moeda2+demanda+moeda
2+demanda+moeda
 
Modelo ak (2)
Modelo ak (2)Modelo ak (2)
Modelo ak (2)
 
Cap3 macro
Cap3 macroCap3 macro
Cap3 macro
 
Cap8 macro
Cap8 macroCap8 macro
Cap8 macro
 
El Multiplicador Keynesiano
El Multiplicador KeynesianoEl Multiplicador Keynesiano
El Multiplicador Keynesiano
 
Aula 03 elasticidade e suas aplicações
Aula 03   elasticidade e suas aplicaçõesAula 03   elasticidade e suas aplicações
Aula 03 elasticidade e suas aplicações
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
 
Mankiw6e chap11
Mankiw6e chap11Mankiw6e chap11
Mankiw6e chap11
 

Destaque

Cap1 macro
Cap1 macroCap1 macro
Cap1 macro
Roberto Arruda
 
Cap11 macro
Cap11 macroCap11 macro
Cap11 macro
Roberto Arruda
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Na Silva
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
apostila macroeconomia (hugo meza)
apostila macroeconomia (hugo meza)apostila macroeconomia (hugo meza)
apostila macroeconomia (hugo meza)
Nilma Almeida Do Nascimento
 
Cap4 macro
Cap4 macroCap4 macro
Cap4 macro
Roberto Arruda
 
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades CooperativasAula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Erick Cotta
 
Cap13 macro
Cap13 macroCap13 macro
Cap13 macro
Roberto Arruda
 
Cap12 macro
Cap12 macroCap12 macro
Cap12 macro
Roberto Arruda
 
Cap15 macro
Cap15 macroCap15 macro
Cap15 macro
Roberto Arruda
 
Aula 1 objetivos da macroeconomia
Aula 1 objetivos da macroeconomiaAula 1 objetivos da macroeconomia
Aula 1 objetivos da macroeconomia
Babi Kramer
 
Constituição do Estado de São Paulo
Constituição do Estado de São PauloConstituição do Estado de São Paulo
Constituição do Estado de São Paulo
Juliana De Castro
 
Adm aulas de-direito_administrativo
Adm aulas de-direito_administrativoAdm aulas de-direito_administrativo
Adm aulas de-direito_administrativo
Raimundo Nonato
 
Curva de phillips
Curva de phillipsCurva de phillips
Curva de phillips
Jorge Carvalho
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
Roberto Arruda
 
Macroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RIMacroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RI
José Vinci
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
Daniel Moura
 
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc   microeconomia - 01-2013 - introduçãoPuc   microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUC/GO
 
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 20121001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
Scarlatt Polidoro
 
Eco 2
Eco 2Eco 2

Destaque (20)

Cap1 macro
Cap1 macroCap1 macro
Cap1 macro
 
Cap11 macro
Cap11 macroCap11 macro
Cap11 macro
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
apostila macroeconomia (hugo meza)
apostila macroeconomia (hugo meza)apostila macroeconomia (hugo meza)
apostila macroeconomia (hugo meza)
 
Cap4 macro
Cap4 macroCap4 macro
Cap4 macro
 
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades CooperativasAula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
Aula 4 - Microeconomia - Economia de Sociedades Cooperativas
 
Cap13 macro
Cap13 macroCap13 macro
Cap13 macro
 
Cap12 macro
Cap12 macroCap12 macro
Cap12 macro
 
Cap15 macro
Cap15 macroCap15 macro
Cap15 macro
 
Aula 1 objetivos da macroeconomia
Aula 1 objetivos da macroeconomiaAula 1 objetivos da macroeconomia
Aula 1 objetivos da macroeconomia
 
Constituição do Estado de São Paulo
Constituição do Estado de São PauloConstituição do Estado de São Paulo
Constituição do Estado de São Paulo
 
Adm aulas de-direito_administrativo
Adm aulas de-direito_administrativoAdm aulas de-direito_administrativo
Adm aulas de-direito_administrativo
 
Curva de phillips
Curva de phillipsCurva de phillips
Curva de phillips
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
 
Macroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RIMacroeconomia ESPM RI
Macroeconomia ESPM RI
 
Capitulo 1 a empresa moderna
Capitulo 1   a empresa modernaCapitulo 1   a empresa moderna
Capitulo 1 a empresa moderna
 
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc   microeconomia - 01-2013 - introduçãoPuc   microeconomia - 01-2013 - introdução
Puc microeconomia - 01-2013 - introdução
 
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 20121001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
1001 Questões - Direito do Trabalho FCC 2012
 
Eco 2
Eco 2Eco 2
Eco 2
 

Mais de Roberto Arruda

Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012
Roberto Arruda
 
Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012
Roberto Arruda
 

Mais de Roberto Arruda (20)

Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
 
Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011
 
Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011
 
Artigo equina 36
Artigo equina 36Artigo equina 36
Artigo equina 36
 
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
 
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
 
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
 
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
 
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
 
Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011
 
Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012
 
Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012
 
Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012
 
Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011
 
Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011
 
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
 
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
 
Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012
 
Artigo equina 42
Artigo equina 42Artigo equina 42
Artigo equina 42
 
Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012
 

Cap7 macro

  • 1. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Parte 3 – Modelos Alternativos de Curva de Oferta Agregada Nesta parte serão discutidos oito modelos alternativos de curva de oferta agregada. Será considerada uma economia fechada. 1
  • 2. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Capítulo 7 Modelos da Síntese Neoclássica 2
  • 3. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Aula Anterior CAPÍTULO 6 – Primórdios da curva de oferta agregada 6.1 Mercado de trabalho; 6.1.1 Conceitos básicos para entender o funcionamento do mercado de trabalho. 3
  • 4. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Nesta Aula CAPÍTULO 7 – Modelos da Síntese Neoclássica 7.1 A função de produção; 7.2 A demanda de trabalho; 7.3 A oferta de trabalho; 7.4 Modelo clássico da Síntese Neoclássica; 7.5 O modelo salário nominal da Síntese Neoclássica; 7.6 A armadilha da liquidez; 7.7 O modelo básico da Síntese Neoclássica; 7.8 Modelo da Síntese Neoclássica com influência dos autores novos clássicos; 7.9 Modelo de curva de oferta agregada da Síntese Neoclássica com influência dos autores novos 4 keynesianos.
  • 5. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Introdução • Neste tópico são desenvolvidos cinco modelos da curva de oferta agregada baseados no equilíbrio do mercado de trabalho e com firmas maximizando a massa de lucros. 5
  • 6. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelos da Síntese Neoclássica • Síntese Neoclássica é a denominação que se dá aos modelos macroeconômicos que combinam a curva de demanda agregada via o modelo IS/LM com curvas de oferta agregada obtidas a partir de formulações neoclássicas de funcionamento do mercado de trabalho. 6
  • 7. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelos da Síntese Neoclássica • Estes modelos têm em comum o fato de considerarem firmas em concorrência perfeita e em monopólio que maximizam a massa de lucro, e o fato de considerarem uma função de produção de curto-prazo com produtos marginais decrescentes do fator variável. 7
  • 8. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A função de produção • Uma função de produção é uma equação que dá o máximo de produto que se pode obter de uma série de fatores ou insumos. • Assim, a função de produção representa como fatores de trabalho (N), capital (K), recursos naturais (T) são combinados para gerar o produto nacional (y). Ou seja: y = y (N, K, T) 8
  • 9. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A função de produção y = y(N, K, T) • No curto prazo, pode-se considerar o montante de capital, de recursos naturais e a tecnologia como sendo constantes e definidos por K. Assim, a função de produção de curto prazo é: y y N, K • A função de produção indica o montante de trabalho, N, necessário para gerar um dado nível de produto y. 9
  • 10. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A função de produção y = y(N, K, T) • No curto prazo, pode-se considerar o montante de capital, de recursos naturais e a tecnologia como sendo constantes e definidos por K. Assim, a função de produção de curto prazo é: y y N, K • Uma das possíveis especificações da função de produção de curto prazo é: y = C N . 10
  • 11. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Estágios de Produção y Função de produção y f N, K N y PMeT N y N PMgT N 11
  • 12. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Estágios de Produção y Função de produção ESTÁGIO I y fN Estágio I É excluído porque engloba N rendimentos médios crescentes y do insumo PMeT variável. N y N PMgT N 12
  • 13. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Estágios de Produção y Função de produção ESTÁGIO I y fN ESTÁGIO III Estágio III É excluído porque apresenta PMgT N negativo (há desperdício do y fator variável). PMeT N y N PMgT N 13
  • 14. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Estágios de Produção y Função de produção ESTÁGIO I y fN ESTÁGIO III Estágio II É o estágio relevante de N produção (racional) y PMeT N y N PMgT N 14
  • 15. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • A análise será feita considerando a demanda de trabalho para uma firma competitiva e para uma firma monopolista e em seguida serão agregadas as demandas de trabalho de todas as firmas competitivas e monopolistas. 15
  • 16. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • Considere uma firma competitiva que tenha como objetivo maximizar a massa de lucros e tenha uma função de produção como y = y(N,K), em que o fator variável é a quantidade de trabalho e apresenta, inicialmente, rendimentos marginais crescentes e depois rendimentos marginais decrescentes do 16 fator trabalho.
  • 17. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • Sendo PMgT o produto marginal do fator trabalho, o acréscimo da receita ( RT) da firma ao empregar N de trabalho adicional é: RT = P·PMgT· N sendo o trabalho o único fator variável, o acréscimo de custo ao empregar N de trabalho é C = W· N, em que W é o salário nominal por unidade de trabalho. 17
  • 18. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho RT = P·PMgT· N C = W· N • A firma competitiva atinge o máximo lucro total quando: RT = C No estágio II da P·PMgT· N = W· N função de produção: W = P·PMgT N PMgT W e PMgT N PMgT P em que é o salário real. 18
  • 19. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho =W P Demanda de trabalho em função do salário W0 real, para uma firma P em concorrência =PMgT perfeita N0 N W Demanda de trabalho em função do salário W0 nominal, para uma W=P.PMgT firma em concorrência perfeita N0 N 19
  • 20. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho =W • Observa-se que existe P uma curva de demanda de trabalho para cada nível W0 de preço. P • Se P aumentar, a curva de =PMgT demanda de trabalho se desloca para a direita. N0 N • Isto ocorre porque se P aumenta, a firma deseja W contratar, em cada nível de salário nominal, uma W0 quantidade maior de trabalho de modo a W=P.PMgT aumentar a sua produção. N0 N 20
  • 21. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • Considere uma firma monopolista. • Ela se depara com uma curva de demanda negativamente inclinada pelo seu produto. Logo, a firma monopolista pode variar preço e produção. Sua receita total é de RT = P·Q e sua receita marginal RT é RMg . Q 21
  • 22. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho RT RMg Q P Q RMg Para frações Q infinitesimais: P Q Q P RMg Q Q P P RMg P Q P Q Q Q Q Q P RMg P 1 P Q 22
  • 23. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho Q P RMg P 1 P Q Sendo e a elasticidade-preço da demanda, tem-se: 1 RMg P 1 e 23
  • 24. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho Ganho do monopolista ao = RMg · PMgT contratar um novo trabalhador: RT RT Q N Q N 1 RT P 1 PMgT N e 24
  • 25. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho Uma firma monopolista atinge o máximo lucro quando: RT C 1 P 1 PMgT N W N e 1 W P 1 PMgT e W 1 1 PMgT P e 25
  • 26. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho =W Demanda de trabalho P em função do salário real, para uma firma W0 monopolista P 1 1 PMgT e N0 N Demanda de trabalho W em função do salário nominal, para uma W0 firma monopolista 1 W P 1 PMgT e N0 N 26
  • 27. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • Para se obter a curva de demanda agregada de trabalho, deve-se somar horizontalmente as curvas de demanda de trabalho de cada firma em concorrência perfeita com as curvas de demanda de trabalho de cada firma monopolista. • Nota-se que se soma quantidade de trabalho em cada nível de salário. 27
  • 28. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • Para haver a maximização da massa de lucros por parte de uma firma em concorrência perfeita i tem-se que é necessário = PMgT, que é função da quantidade de trabalho Ni. – Quanto maior Ni, menor PMgTi. gi Ni Ni hi 28
  • 29. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • Para haver maximização da massa de lucros por parte de uma firma monopolista j é necessário: 1 1 PMgTj ej • Mas PMgTj = l(Nj). Logo, para uma firma monopolista necessita-se, para haver maximização dos lucros, que: 1 1 Nj mj 1 l Nj 1 ej 1 ej 29
  • 30. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • A quantidade total de trabalho demandada na economia é dada pela expressão (em que i representa as firmas em concorrência perfeita e j as firmas em monopólio): 1 N Ni Nj hi mj i j i j 1 1 ou ej N p N 30
  • 31. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho N p W fN P ou W P fN 31
  • 32. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho =W P Demanda de trabalho em função do salário W0 real, para toda a P economia fN N0 N W Demanda de trabalho em função do salário W0 nominal, para toda a economia W P fN N0 N 32
  • 33. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho • Quando uma firma demanda trabalho, ela oferta salário ao trabalhador. • Assim, as equações dos slides anteriores (e seus gráficos) expressam a demanda de trabalho pelo conjunto de firmas em cada nível de salário ou a oferta de salário para cada nível de emprego. 33
  • 34. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A demanda por trabalho W W0 W P fN N0 N Se aumentar o nível de preço, a curva de demanda de trabalho se deslocará para a direita, pois as firmas – ao receberem um preço maior pelo produto que elaboram – desejarão, em cada nível de salário nominal, demandar maior quantidade de trabalho para poderem produzir mais de seu produto e tentarem vender a um preço constante. 34
  • 35. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de demanda de trabalho • Considerando a função: y y N, K • Pode-se ter: y C N O termo C indica que certa parcela do produto interno (y) depende do capital fixo. Logo, C > 0. 35
  • 36. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de demanda de trabalho y C N • Considera-se que as firmas operam no estágio II da função de produção, em que o produto marginal físico do trabalho é positivo, mas decrescente e menor do que o produto médio do trabalho. Isso implica: 2 y y 0 2 0 N N 36
  • 37. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de demanda de trabalho y C N 2 y y 0 2 0 N N y 1 C N 0 N C 0 1 0 N 0 N 0 37
  • 38. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de demanda de trabalho y C N 2 y y 0 2 0 N N 2 y 2 2 1 C N 0 N 0 C 0 1 0 1 2 N 0 N 0 38
  • 39. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de demanda de trabalho y C N 2 y y 0 2 0 N N C 0 e 0 1 39
  • 40. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de demanda de trabalho W y y C N PMgT P N W 1 1 C N W C P N P Como ( – 1) < 0 C P W 1 N 40
  • 41. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de demanda de trabalho C P W 1 N • Ao se aumentar N, diminui-se W. Isto implica a inclinação negativa da curva de demanda de trabalho. • Quando se aumenta P, encontra-se W maior para o mesmo N. Isto implica em deslocar a curva de demanda de trabalho para a direita. 41
  • 42. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de demanda de trabalho C P W 1 N • Considerando o seguinte exemplo: 0,5 y 20 N (função de produção) 0,5 1 W = 0,5 20 P N ? 0,5 W 10 P N 10 P W 0,5 N 42
  • 43. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A oferta de trabalho • Modelos de oferta de trabalho diferentes podem ser construídos segundo as seguintes alternativas de hipóteses: – A oferta de trabalho depende do salário nominal ou do salário real? – Os salários são rígidos ou flexíveis? 43
  • 44. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A oferta de trabalho • A oferta de trabalho depende do salário nominal ou do salário real? Inicialmente será considerado que os trabalhadores não se preocupam com o salário nominal, mas sim com o salário real (os trabalhadores não têm ilusão monetária) • Os salários são rígidos ou flexíveis? Será considerado que os salários nominais e os preços são flexíveis. • Essas eram as hipóteses das formulações teóricas antes da Teoria Geral de John Maynard Keynes, que foi chamada por esse autor de economia clássica. 44
  • 45. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica • Considere um trabalhador que pode alocar o seu tempo para trabalhar e, assim, obter renda ou alocá-lo para o lazer. U = U(y, S) Sendo U a utilidade, y a renda real e S as horas de lazer. • O total de horas disponíveis é de H, alocando n horas para o trabalho e S horas para o lazer. A renda obtida pelo trabalhador é: W Restrição y H S H S Orçamentária P 45
  • 46. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica y U0 U 1U H 2 ω2.H y2 C ω1.H U2 y1 B ω0.H U1 y0 A U0 S2 S1 S0 H S 46
  • 47. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica Ao salário 0 é ofertado trabalho igual a H – S0 = n0. Ao salário 1 a oferta de trabalho é H – S1 = n1. Veja que 1 > 0 e n1 > n0. Assim, pode-se construir a curva de oferta de trabalho de um trabalhador 47
  • 48. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica 0 n0 n Ao salário 0 é ofertado trabalho igual a H – S0 = n0. 48
  • 49. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica 1 0 n0 n1 n Ao salário 1 a oferta de trabalho é H – S1 = n1. 1 > 0 e n 1 > n0 49
  • 50. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica 1 0 n0 n1 n Assim, pode-se construir a curva de oferta de trabalho de um trabalhador 50
  • 51. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica • Observa-se que a partir de um determinado valor de salário real a curva de oferta de trabalho inclina- 1 se para a esquerda. 0 • Isto ocorre porque a partir de um certo nível de salário real o trabalhador n0 n1 n prefere aumentar as horas de lazer e diminuir as horas de trabalho. 51
  • 52. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica • Se forem somadas horizontalmente as curvas de oferta de trabalho de todos os trabalhadores será encontrada a curva de oferta de trabalho agregada. W gN W P gN P • Uma das possíveis formulações para g(N) é: g(N) = D N, sendo D > 0. 52
  • 53. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo clássico da Síntese Neoclássica • Oferta de trabalho agregada. = g(N) N 53
  • 54. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O equilíbrio no mercado de trabalho segundo a formulação clássica da Síntese Neoclássica • Demanda de trabalho (ou oferta de salário) = f (N) ou W = P f (N) • Oferta de trabalho (ou demanda de salário) = g (N) ou W = P g (N) • A condição de equilíbrio – em que o salário ofertado é igual ao salário demandado – é : f (N) = g (N) ou P f(N) = P g(N) 54
  • 55. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O equilíbrio no mercado de trabalho segundo a formulação clássica da Síntese Neoclássica W Equilíbrio do mercado de trabalho P g(N) Demanda de Trabalho = f (N) (ou oferta de salário) 0 Oferta de trabalho = g (N) f(N) (ou demanda de salário) N0 N W Equilíbrio no mercado de trabalho P0.g(N) Demanda de Trabalho W = P.f (N) W0 (ou oferta de salário) A Oferta de trabalho W = P.g (N) P0.f(N) N0 (ou demanda de salário) N y y(N,K) Função de produção y0 y y N, K N0 N P Oferta agregada de produto P0 A y0 y 55
  • 56. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O equilíbrio no mercado de trabalho segundo a formulação clássica da Síntese Neoclássica W Equilíbrio do mercado de trabalho P g(N) 0 Não há ilusão monetária f(N) P não afeta N0 P .g(N) N W 1 Equilíbrio no mercado de trabalho B W1 P0.g(N) W0 P1.f(N) A P0.f(N) N0 N y y(N,K) Função de produção y0 N permanece fixo em N0 N0 N P P1 B Oferta agregada de produto P0 A A curva de oferta agregada é y0 y Se uma reta vertical 56 P
  • 57. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O equilíbrio no mercado de trabalho segundo a formulação clássica da Síntese Neoclássica W Resumindo: P g(N) 0 • A partir da análise de equilíbrio do f(N) mercado de trabalho, observa-se o N0 P .g(N) N que ocorre com N quando P varia. W B 1 W1 P0.g(N) • Substitui N na função de produção. W0 P1.f(N) A P0.f(N) • Obtém-se y ofertado em cada nível N0 N de P. y y(N,K) y0 Note que a curva de oferta agregada não tem a mesma origem que as da N0 N P microeconomia convencional, P1 B baseadas na estrutura de custo P0 A marginal das firmas. y0 y 57
  • 58. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O modelo clássico completo da Síntese Neoclássica • O nível de emprego e o salário real são determinados inteiramente no mercado de trabalho. • O nível de emprego de equilíbrio independe das ocorrências no mercado de produto e nos mercados de moeda e títulos. • O modelo apresenta uma dicotomia entre o mercado de trabalho (que determina a curva de oferta agregada) e os mercados bens, de moeda e títulos (a partir dos quais se obtém a curva da demanda agregada). 58
  • 59. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O modelo clássico completo da Síntese Neoclássica • O modelo clássico para uma economia fechada corresponde às seguintes equações: y = c[y – t(y)] + i(r) + g equilíbrio no mercado de produto Com y0 , determina r0 M equilíbrio no mercado de moedas lr ky e títulos P Com r0 e y0 , determina P0 y y N, K função de produção Com N0 , determina y0 f (N) = g (N) equilíbrio no mercado de trabalho Determina N0 59
  • 60. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O modelo clássico completo da Síntese Neoclássica • No modelo clássico da Síntese Neoclássica, a demanda agregada só determina o nível de preço, • Mas não altera o nível de produto de equilíbrio. 60
  • 61. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Política fiscal no modelo clássico da Síntese Neoclássica D1 P D0 OO Excesso de P1 C demanda Oferta e demanda agregada P0 B A D1 D0 y0 y r I1 M1(M0/P1) I0 C M0(M0/P0) Equilíbrio nos mercados de bens e de moedas L1 S1 r0 B Aumento de G A L0 S0 y0 y1 y g(N) Equilíbrio no mercado de trabalho C=A 0 f(N) Não há ilusão monetária N0 N P não afeta W P1.g(N) C W1 P0.g(N) Equilíbrio no mercado de trabalho W0 A P1.f(N) P0.f(N) 61 N0 N
  • 62. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Política fiscal no modelo clássico da Síntese Neoclássica • O nível de renda de equilíbrio não se alterou, – Mas a taxa de juros aumentou (de ro para r1). – Com isso, o investimento do setor privado diminuiu. • Pode-se concluir que no modelo clássico o aumento dos gastos do governo não altera a renda de equilíbrio, mas apenas substitui o investimento privado pelo gasto do governo na composição da renda de equilíbrio. 62
  • 63. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Política monetária no modelo clássico da Síntese Neoclássica P D Excesso de D0 2 OO P2 C demanda Oferta e demanda agregada P0 B A D D0 2 y0 y2 y M M0 0 r I0 A M2 P0 r0 L P2 M Equilíbrio nos mercados de bens e monetário 0 M2 M2 2 P0 r2 P0 L2 B S Aumento da oferta nominal de 0 y0 y2 y moeda A g(N) Equilíbrio no mercado de trabalho 0 f(N) N0 N W P0.g(N) Equilíbrio no mercado de trabalho W0 A P0.f(N) N0 N 63
  • 64. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Política monetária no modelo clássico da Síntese Neoclássica P D D0 2 OO P2 C Oferta e demanda agregada P0 B A D D0 2 y0 y2 y M0 M2 M0 , r I0 C=A M P0 P2 r0 2 M2 Equilíbrio nos mercados de bens e monetário L0 M p2 M2 2 P0 r2 L p0 2 B S 0 Aumento da oferta nominal de y0 y2 y moeda C= A g(N) Equilíbrio no mercado de trabalho 0 f(N) Não há ilusão monetária N0 N P não afeta W P2.g(N) W2 P0.g(N) Equilíbrio no mercado de trabalho W0 A P2.f(N) P0.f(N) N0 N 64
  • 65. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Política monetária no modelo clássico da Síntese Neoclássica • Os valores de y, e N não se alteraram, mas apenas o nível de preço e o salário nominal. • Ou seja, uma modificação da quantidade nominal de moeda não altera o lado real da economia, mas apenas os valores nominais. Isto é conhecido como a neutralidade da moeda. • Nota-se que no modelo clássico a demanda agregada só determina o nível de preço, mas não altera o nível de produto de equilíbrio. 65
  • 66. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Políticas fiscal e monetária no modelo clássico da Síntese Neoclássica • Raciocínio nos modelos da Síntese Neoclássica: – Partem de um ponto de equilíbrio inicial da economia; – Consideram, então, uma perturbação (como uma política fiscal ou monetária expansionista) na economia; – Verificam que desajuste essa perturbação gera entre oferta e demanda agregada; – Esse desajuste levará a uma modificação dos preços, que podem subir ou reduzir); – Essa modificação dos preços levará a economia a atingir um novo equilíbrio. 66
  • 67. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Políticas fiscal e monetária no modelo clássico da Síntese Neoclássica • Raciocínio nos modelos da Síntese Neoclássica: – Partem de um ponto de equilíbrio inicial da economia; – Consideram, então, uma perturbação (como uma política fiscal ou monetária expansionista) na economia; – Verificam que desajuste essa perturbação gera entre oferta e demanda agregada; – Esse desajuste levará a uma modificação dos preços, que podem subir ou reduzir); – Essa modificação dos preços levará a economia a atingir um novo equilíbrio. • Portanto, a modificação dos preços permite que a economia se ajuste a uma perturbação que sofra. 67
  • 68. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo clássico da Síntese Neoclássica W • Oferta de trabalho: gN P • Supondo formato linear: W D N P ou W D P N 68
  • 69. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo clássico da Síntese Neoclássica 1 C P N D P N Demanda de Oferta trabalho trabalho Em que 0 < <1 e C>0 1 C N D N 69
  • 70. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo clássico da Síntese Neoclássica 1 C N D N 2 C N D 2 D N C 1 D 2 N C Em que C > 0 e D > 0 N>0 70
  • 71. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo clássico da Síntese Neoclássica 1 D 2 y C N N C D 2 y C C Curva de oferta agregada para o modelo clássico C, D e são parâmetros y independe de P curva de oferta agregada vertical 71
  • 72. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo clássico da Síntese Neoclássica Considere o seguinte exemplo numérico: Função de produção: y 20 N0,5 W Oferta de trabalho: 10 N P Calcular equação de demanda de trabalho e a equação da curva de oferta agregada Pag. 159-160 72
  • 73. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo clássico da Síntese Neoclássica Curva IS – equilíbrio no r A0 A1 g A 2 y mercado de produto Curva LM – equilíbrio no M r B0 B1 y mercado de moeda P Função de produção: y C N Curva de Oferta de trabalho: W D P N Curva de Demanda de trabalho: 1 W C P N 73
  • 74. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo clássico da Síntese Neoclássica Em que A0 > 0 , A1 > 0 , A2 < 0 , B0 < 0 , B1 > 0 , C > 0 , 0 < < 1 e D > 0. 74
  • 75. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo clássico da Síntese Neoclássica • A curva de demanda agregada surge do equilíbrio simultâneo nos mercados de produto, moeda e títulos: A0 A1 B0 M y g A2 B1 A2 B1 A2 B1 P • A curva de oferta agregada surge do equilíbrio no mercado de trabalho, substituindo o seu resultado na função de produção: D 2 y C 75 C
  • 76. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo clássico da Síntese Neoclássica Considere o seguinte exemplo numérico: Função consumo: C = 80 + 0,90·(y–t) Função investimento: i = 750 – 2.000·r Função tributação: t = 0,30·y Gastos do governo: g = 750 Md Demanda real de moeda: 0,1625 y 1.000 r P Oferta nominal de moeda: Ms = 600 Função de produção: y = 1.063,659·N0,5 Oferta de trabalho: W = 10·P·N 76 Pag. 161-163
  • 77. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo clássico da Síntese Neoclássica Considere o seguinte exemplo numérico: Função consumo: c = 75 + 0,85·(y–t) Função investimento: i = 650 – 1.800·r Função tributação: t = 0,30·y Gastos do governo: g = 800 Md Demanda real de moeda: 0,1625 y 1.000 r P Oferta nominal de moeda: Ms = 800 Função de produção: y = 962,296·N0,5 Oferta de trabalho: W = 10·P·N 77
  • 78. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo clássico da Síntese Neoclássica Calcule y, P, r, N, w e W 78
  • 79. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo clássico da Síntese Neoclássica • Nota-se que a partir das funções consumo, investimento, tributação, certo valor de g, função demanda real de moeda, valor da oferta nominal de moeda, função de produção e função de oferta de trabalho, deduz-se: a curva IS, a curva LM, a curva de demanda agregada, a curva de oferta agregada e o ponto de equilíbrio da economia. 79
  • 80. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo clássico da Síntese Neoclássica • A partir das funções consumo, investimento e tributação e dos gastos do governo, obtém-se a curva IS. • A partir das funções oferta e demanda de moeda, obtém-se a curva LM. • A curva de demanda agregada surge do equilíbrio simultâneo nos mercados de produto e de moeda. • A partir da função de produção, é derivada a curva de demanda de trabalho. • O equilíbrio no mercado de trabalho ocorre quando a demanda de trabalho é igual à oferta de trabalho. • Substituindo esse valor de N na função de produção, encontra-se a curva de oferta agregada (que é uma reta vertical no plano y versus P). • Igualando oferta e demanda agregada encontra-se preço de equilíbrio e produção de equilíbrio. • Substituindo o valor de y na curva IS, encontra-se r. • Substituindo o valor de N e P na expressão de oferta de trabalho, encontra-se W. 80
  • 81. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo salário nominal da Síntese Neoclássica • Agora será considerado que os trabalhadores estão interessados no salário nominal, de modo que a oferta de trabalho é função do salário nominal W e não do salário real W . P 81
  • 82. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo salário nominal da Síntese Neoclássica • O trabalhador tenta maximizar a função utilidade, U = U(Y, S) sujeito à restrição orçamentária, Y = W (H – S) em que Y = renda nominal, S = horas de lazer, H = tempo total disponível W = salário nominal. 82
  • 83. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo salário nominal da Síntese Neoclássica y U0 U1 H W1.H y1 B U1 W0.H y0 A U0 S1 S0 H S 83
  • 84. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo salário nominal da Síntese Neoclássica W W1 W0 n0 n1 n Assim, pode-se construir a curva de oferta de trabalho de um trabalhador 84
  • 85. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo salário nominal da Síntese Neoclássica • Oferta de trabalho agregada. W Nota-se que a W = h(N) oferta de trabalho no modelo salário nominal não depende do nível geral de preço N 85
  • 86. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Modelo salário nominal da Síntese Neoclássica • A demanda de trabalho no modelo salário nominal é a mesma que no modelo clássico. Isto é: W = P f(N) Obtida de uma função de produção com rendimentos marginais decrescentes do fator trabalho (o único variável). 86
  • 87. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O equilíbrio no mercado de trabalho segundo o modelo salário nominal da Síntese Neoclássica • Foram formuladas as seguintes equações: oferta de trabalho W = h(N) demanda de trabalho W = P f(N) equilíbrio h(N) = P f(N) 87
  • 88. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira O equilíbrio no mercado de trabalho segundo o modelo salário nominal da Síntese Neoclássica W h (N) E W0 G F W1 P0.f (N) NS N0 ND N • Observa-se que se o salário nominal for W1, a demanda de trabalho ND será maior que a oferta de trabalho NS. • O excesso de demanda de trabalho (ND – NS) gera um aumento do salário nominal, até o valor de equilíbrio W0 ser alcançado. 88
  • 89. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A curva de oferta agregada no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica W h (N) O nível de W0 E emprego G F de W1 equilíbrio P0.f (N) depende NS N0 ND N do nível de preços. equilíbrio h(N) = P f(N) 89
  • 90. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A curva de oferta agregada no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica W Equilíbrio no C h (N) B mercado de A trabalho. P2.f (N) • Com um preço maior, o P1.f (N) valor nominal do produto P0.f (N) marginal (P PMgT) sobe. N0 N1 N2 N Em cada nível de salário y y2 nominal, as firmas y1 y0 B C Função de desejarão contratar mais A Produção trabalho, para elaborar um produto maior. N0 N1N2 N • Já a oferta de trabalho O depende do salário P C Oferta nominal, não sendo P2 B agregada influenciada pelo preço. P1 A P0 P O 90 y0 y1 y2 y
  • 91. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira As equações do modelo salário nominal da Síntese Neoclássica • Equilíbrio no mercado de produto y cy t y ir g • Equilíbrio no mercado de moedas M lr k y P • Equilíbrio no mercado de trabalho hN P f N • Função de produção y y N, K Neste modelo não se tem o caso de uma equação com apenas uma incógnita. A solução do sistema de equações acima tem que ser simultânea, ao contrário do modelo clássico em que o produto real era determinado no mercado de trabalho. 91
  • 92. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Os efeitos da política fiscal no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica P D0 D1 O Aumento de g Curvas de oferta e P2 A demanda Excesso de demanda (y1 – y0) B P0 agregada D1 O D0 Aumento de P y0 y1 y I0 I1 r B M0 Curvas A IS e LM S1 r0 L0 S0 y0 y1 y W h(N) Curvas de A oferta e W0 demanda de P0 .f(N) trabalho 92 N0 N
  • 93. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Os efeitos da política fiscal no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica P D0 D1 O Aumento de g Curvas de oferta e C P2 A demanda Excesso de demanda (y1 – y0) B P0 agregada D1 O D0 Aumento de P y0 y2 y1 y I1 Desloca a curva LM para esquerda r I0 M1 C r2 M0 Eleva taxa de juros B Curvas L1 A IS e LM S1 r0 Reduz o investimento L0 S0 y0 y2 y1 y Reduz y (isto é observado como W h(N) Curvas de um deslocamento ao longo da A oferta e curva OO) W0 demanda de P0 .f(N) trabalho 93 N0 N
  • 94. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Os efeitos da política fiscal no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica P D0 D1 O Aumento de g Curvas de oferta e C P2 A demanda Excesso de demanda (y1 – y0) B P0 agregada D1 O D0 Aumento de P y0 y2 y1 y I1 Desloca a curva de demanda de r I0 M1 C trabalho para a direita (pois eleva r2 M0 P PMgT, permitindo às empresas B Curvas IS e LM pagarem maiores salários nominais L1 A S1 r0 para cada quantidade de trabalho). L0 S0 Com isso, aumenta-se a y0 y2 y1 y quantidade de trabalho W h(N) Curvas de empregada, elevando o produto W2 C oferta e A ofertado (isto é observado como W0 P2 .f(N) demanda de um deslocamento ao longo da P0 .f(N) trabalho 94 N0 N2 N curva OO
  • 95. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Os efeitos da política fiscal no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica P D0 D1 O Curvas de oferta e • O preço elevará até P2 C demanda P2, estabelecendo o equilíbrio A B P0 agregada em y , N , r e W (ponto C). 2 2 2 2 D1 O D0 y0 y2 y1 y • O investimento diminui porque I0 I1 a taxa de juros subiu. Mas a r M1 C diminuição de i foi em r2 M0 B Curvas montante inferior ao aumento L1 A IS e LM de g (y aumentou). S1 r0 L0 S0 • No modelo clássico, variações y0 y2 y1 y de g afetavam, apenas P. No W h(N) Curvas de W2 C modelo salário nominal afeta A oferta e W0 P2 .f(N) demanda de P e y. P0 .f(N) trabalho 95 N0 N2 N
  • 96. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Os efeitos da política monetária no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica P D0 D1 O Aumento de M Curvas de oferta e C P2 A demanda Excesso de demanda (y1 – y0) B P0 agregada D1 O D0 Aumento de P y0 y2 y1 y A elevação da taxa de juros reduz r I0 o investimento i, provocando um M0 deslocamento ao longo da curva M2 M1 Curvas IS e LM de demanda agregada D1D1, do r0 A C ponto B ao C. r2 L0 B r1 L2 L1 S0 y0 y2 y1 y W h(N) Curvas de A oferta e W0 demanda de P0 .f(N) trabalho 96 N0 N
  • 97. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Os efeitos da política monetária no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica P D0 D1 O Aumento de M Curvas de oferta e C P2 A demanda Excesso de demanda (y1 – y0) B P0 agregada D1 O D0 Aumento de P y0 y2 y1 y Desloca a curva de demanda de r I0 trabalho para a direita (pois eleva M0 P PMgT, permitindo às empresas M2 M1 Curvas IS e LM pagarem maiores salários nominais r0 A C para cada quantidade de trabalho). r2 L0 B r1 L2 L1 S0 O produto ofertado aumenta, o que y0 y2 y1 y é visto como um deslocamento ao W h(N) Curvas de longo da curva de oferta agregada W2 C oferta e A OO do ponto A ao C. W0 P2 .f(N) demanda de P0 .f(N) trabalho 97 N0 N2 N
  • 98. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Os efeitos da política monetária no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica P D0 D1 O Curvas de oferta e • O preço elevará até P2 C demanda P2, estabelecendo o equilíbrio A B P0 agregada em y , N , r e W (ponto C). 2 2 2 2 D1 O D0 y0 y2 y1 y • No modelo salário nominal a I0 moeda não é neutra. Ela afeta r as variáveis reais da economia. M0 Curvas M2 M1 r0 A IS e LM • O aumento da quantidade de C r2 L0 B moeda causa aumento do PIB. r1 L2 L1 S0 y0 y2 y1 y W h(N) Curvas de W2 C oferta e A W0 P2 .f(N) demanda de P0 .f(N) trabalho 98 N0 N2 N
  • 99. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica • Oferta de trabalho: W hN • Supondo formato linear: W E N em que E 0 99
  • 100. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica 1 C P N E N Oferta de Demanda trabalho de trabalho C P E N2 2 C P N E 100
  • 101. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica 2 C P N E 1 C P 2 Há um valor de N N de equilíbrio E para cada P Considerando a função de produção: y C N C P 2 y C E 101
  • 102. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica C P 2 y C E curva de oferta agregada no modelo salário nominal 0 1 0 2 • Logo, quando P é aumentado, eleva-se y. • A curva de oferta agregada do modelo salário nominal é positivamente inclinada no plano cartesiano renda (y) versus nível geral de preços (P).102
  • 103. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica da curva de oferta de trabalho no modelo salário nominal da Síntese Neoclássica Considere o seguinte exemplo numérico: Função de produção: y 20 N0,5 Oferta de trabalho: W 0,01 N Calcular a curva de oferta agregada do modelo salário nominal Pag. 174-175 103
  • 104. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo salário nominal da Síntese Neoclássica Curva IS – equilíbrio no r A0 A1 g A 2 y mercado de produto Curva LM – equilíbrio no M r B0 B1 y mercado de moeda P Função de produção: y C N Curva de Oferta de trabalho: W E N Curva de Demanda de trabalho: 1 W C P N 104
  • 105. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo salário nominal da Síntese Neoclássica Em que A0 > 0 , A1 > 0 , A2 < 0 , B0 < 0 , B1 > 0 , C > 0 , 0 < < 1 e E > 0. 105
  • 106. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo salário nominal da Síntese Neoclássica • A curva de demanda agregada surge do equilíbrio simultâneo nos mercados de produto, moeda e títulos: A0 A1 B0 M y g A2 B1 A2 B1 A2 B1 P • A curva de oferta agregada surge do equilíbrio no mercado de trabalho, substituindo o seu resultado na função de produção: C P 2 y C E 106
  • 107. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo salário nominal da Síntese Neoclássica Considere o seguinte exemplo numérico: Função consumo: c = 75 + 0,90·(y–t) Função investimento: i = 650 – 1.000·r Função tributação: t = 0,20·y Gastos do governo: g = 1.500 Md Demanda real de moeda: 0,2000 y 2.000 r P Oferta nominal de moeda: Ms = 300 Função de produção: y = 450,000·N0,5 Oferta de trabalho: W = 0,01·N 107
  • 108. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo salário nominal da Síntese Neoclássica Calcule y, P, r, N, w e W 108
  • 109. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira Expressão algébrica do modelo salário nominal da Síntese Neoclássica Considere o seguinte exemplo numérico: Função consumo: C = 80 + 0,90·(y–t) Função investimento: i = 750 – 2.000·r Função tributação: t = 0,30·y Gastos do governo: g = 750 Md Demanda real de moeda: 0,1625 y 1.000 r P Oferta nominal de moeda: Ms = 600 Função de produção: y = 1.063,659·N0,5 Oferta de trabalho: W = 0,01·N 109 Pag. 176-179
  • 110. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Clássico No Modelo Brasileira A armadilha da liquidez P D1 D0 O • Considere que haja queda das Equilíbrio entre oferta expectativas de lucros e redução e demanda brusca do volume de investimento. P0 agregada. • O excesso de oferta (y0 – y1) reduz D1 O D0 os preços. y1 y0 y • O produto demandado permanece g(N) Equilíbrio no estável em y1, ou seja, a curva de mercado de demanda agregada torna-se 0 trabalho. vertical. • A alteração dos preços não afeta o f(N) mercado de trabalho e, portanto, a y1 N0 N oferta agregada ainda é vertical no r I0 produto y0. M0 Equilíbrio simultâneo • Nota-se que se não houver uma M1 I1 nos mercados política fiscal para deslocar a curva r0 de produto e IS, a economia permanece fora do L S0 de moeda. equilíbrio, com o excesso de oferta S1 y1 y0 y (y0 – y1). 110
  • 111. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A armadilha da liquidez P D1 D0 O Equilíbrio • Isto é a inconsistência do entre oferta e demanda modelo clássico, oriunda P0 agregada. da economia operar com D1 O D0 y1 uma taxa de juros muito y0 y baixa, na qual os indivíduos g(N) Equilíbrio no são indiferentes a ter mercado de trabalho. moeda ou títulos (essa 0 situação é chamada de f(N) armadilha da liquidez). y1 N0 N r I0 M0 Equilíbrio M1 simultâneo I1 nos mercados r0 de produto e L S0 de moeda. S1 y1 y0 y 111
  • 112. BACHA, C.J.C.; LIMA, R.A.S. Macroeconomia: Teorias e Aplicações à Economia Brasileira A armadilha da liquidez P D1 D0 No Modelo Salário Nominal O Equilíbrio • Considere que haja queda das entre oferta expectativas de lucros e redução e demanda brusca do volume de investimento. P0 agregada. • O excesso de oferta (y0 – y1) reduz P1 O D1 D0 os preços. y1 y0 y • O produto demandado permanece W g(N) Equilíbrio no estável em y1, ou seja, a curva de mercado de demanda agregada torna-se W0 trabalho. vertical. • o produto de equilíbrio nesses P1·f(N) P0·f(N) mercados fica em y1, apesar do y1 N0 N preço cair. r I0 M0 Equilíbrio • O modelo salário nominal permite a simultâneo economia estar em equilíbrio em M1 I1 nos mercados uma situação de armadilha de r0 de produto e liquidez. E para sair de tal situação L S0 de moeda. é necessária uma política fiscal S1 y1 y0 y expansionista. 112