SlideShare uma empresa Scribd logo
1


             “A arte de ensinar Economia de uma maneira simples, sem mistérios”.
                                                 De Maria Eulália, uma ex-aluna.




    AULA 8 - EXERCÍCIOS DE REVISÃO:
2ª BATERIA - COM SOLUÇÃO COMENTADA
       Observação: Esta lista não contém somente questões da matéria vista em
Economia 2, mas, sim, questões de provas recentes de Economia, selecionadas de
acordo com a intensidade com que têm aparecido naquelas provas. Ou seja, são
questões que, por caírem repetitivamente nas provas elaboradas pela Esaf, servem de
indicador para o candidato sobre onde concentrar seu estudo de revisão final. Um
abraço e boa sorte!


   1. (AFRF-2002.2) Considere um sistema de contas nacionais para uma economia
      aberta sem governo. Suponha os seguintes dados:
   Importações de bens e serviços não-fatores = 100
   Renda líquida enviada ao exterior = 50
   Renda nacional líquida = 1.000
   Depreciação = 5
   Exportações de bens e serviços não-fatores = 200
   Consumo pessoal = 500
   Variação de estoques = 80
   Com base nessas informações, é correto afirmar que a formação bruta de capital fixo
   é igual a:
   a) 375
   b) 275
   c) 430
   d) 330
   e) 150.
Solução: Lembre-se de que, a nível macroeconômico, a Oferta Agregada (OA) = PIB a
preços de mercado + importações de bens e serviços não-fatores (M) e que a Demanda
Agregada (DA) = consumo pessoal ou final (C) + formação bruta de capital fixo
(FBKF) + gastos do governo (G) + exportações de bens e serviços não-fatores (X) +
variações de estoques (∆est). De outra parte, a OA = DA, ou seja:
       PIBpm + M = C + FBKF + G + X + ∆est
No caso presente, não havendo governo, não há G nem impostos e só existe o PIB a
custo de fatores. Então, temos de achar o valor do PIBcf que é igual à Renda Interna
Bruta (RIB).
Para acharmos a RIB, procedemos da seguinte forma: Renda Nacional líquida (1000)
mais RLEE (50) = RIL (1050) + depreciação (5) = RIB = 1055 = PIBcf. Assim,
1055 + 100 = 500 + FBKF + 200 + 80
FBKF = 375.
Logo, a resposta é a letra a.
2



   2.    (AFRF-2002.2) No ano de 2000, a conta de produção do sistema de contas
        nacionais no Brasil apresentou os seguintes dados (em R$1.000.000,00):
        Produção: 1.979.057
        Consumo intermediário: 1.011.751
        Impostos sobre produto: 119.394
        Imposto sobre importação: 8.430
        Produto interno bruto: 1.086.700
   Com base nestas informações, o item da conta “demais impostos sobre produto”,
   foi:
   a) 839.482
   b) 74.949
   c) 110.964
   d) 128.364
   e) 66.519
Solução: Este tipo de questão tem caído bastante, quando se trata de “contabilidade
nacional e estão sempre pedindo para calcular um dos valores listados na questão. A
fórmula geral para resolver este tipo de questão (e que você deve saber de cor) é a
seguinte:
Produto interno bruto = produção – consumo intermediário + impostos sobre produto.
Os impostos sobre produto são compostos de impostos indiretos (IPI + ICMS + imposto
sobre importação).
No caso presente, como foram dados os valores dos impostos sobre produtos e
discriminado apenas o imposto sobre importação, fica fácil achar o valor dos “demais
impostos”: basta subtrair dos impostos sobre produto o imposto sobre importação,
encontrando:
       119.394 – 8.430 = 110.964
Logo, a resposta é a letra c.

  3. (Esaf-APO-MP-2005) Considere os seguintes dados de um sistema de contas
      nacionais, que segue a metodología do sistema adotado no Brasil, em unidades
      monetárias:
                   - Produção = 1200
                   - Importação de bens e serviços = 60
                   - Impostos sobre produtos = 70
                   - Consumo final = 600
                   - Formação bruta de capital fixo = 100
                   - Variação de estoques = 10
                   - Exportações de bens e serviços = 120.
Com base nessas informações, o consumo intermediário é igual a:
  a) 500
  b) 400
  c) 450
  d) 550
  e) 600
Solução: Lembre-se do que dissemos na questão anterior: a fórmula para este tipo de
questão – que, como foi dito, tem caído muito nas provas de Economia – é a seguinte:
Produto interno bruto = produção – produção intermediária + imposto s sobre produto.
3

Para resolver esta fórmula, temos de ter o valor do PIB que, pelos dados do problema,
pode ser assim encontrado:
PIB + importações = C + FBKF + G + X + ∆est
PIB + 60 = 600 + 100 + 120 + 10 (não há G).
PIB = 770. Ssubstituindo este valor na fórmula anterior:
770 = 1200 – consumo intermediário + 70
Consumo intermediário = 500
Logo, a resposta é a letra a.


   4. (AFRF-2002.2) No ano de 1999, a conta de capital do sistema de contas
         nacionais no Brasil apresentou os seguintes dados (R$1.000.000,00):
        Poupança bruta: 149.491
        Formação bruta de capital fixo: 184.087
        Variação de estoques: 11.314
        Transferências de capital recebida do resto do mundo: 91
        Transferências de capital enviada para o resto do mundo: 29
Com base nessas informações, é correto afirmar que a necessidade de financiamento foi
igual a:
   a) 334.566
   b) 45.848
   c) 80.414
   d) 11.282
   e) 195.401
   Solução: Este é outro tipo de questão que está sempre caindo nas provas de
   Economia. Para resolver, você deve colocar do lado esquerdo os investimentos e do
   lado direito as poupanças, assim:

                  Investimentos                             Poupanças
   FBKF = 184.087                            Poupança bruta = 149.491
   Var. estoques = 11.314                    Transf. de cap. Resto do mundo = 91
                                             Transf. de cap. p/ resto mundo = -29
   Total = 195.401                           Total = 149.553
   Como os dois lados da tabela acima têm de apresentar valores totais iguais,
   constata-se que há uma diferença de poupança igual a 195.401 – 149.553 =
   45.848. Esta é, então, a “necessidade de financiamento”.
   Logo, a resposta é a letra b.

    5. (AFRF-2002.2) Considere:
    . Curva de demanda agregada derivada do modelo IS/LM
    .Curva de oferta agregada de longo prazo horizontal
    .Curva de oferta agregada de curto prazo vertical.
Considere a ocorrência de um choque adverso de oferta como, por exemplo, uma
elevação nos preços internacionais do petróleo. Supondo que este choque não desloca a
curva de oferta de longo prazo, é correto afirmar que:
4

   a) Uma elevação na demanda tenderá a intensificar a queda no produto que decorre
      do choque de oferta.
   b) O choque adverso de oferta aumenta os custos e, portanto, os preços. Se não
      houver alterações na demanda agregada, teremos uma combinação, no curto
      prazo, de preços crescentes com redução do produto. No longo prazo, com a
      queda dos preços, a economia retornará ao seu nível de pleno emprego.
   c) Se não ocorrer deslocamentos na curva de demanda agregada, o choque de
      oferta causará deflação.
   d) O choque de oferta alterará apenas o produto de pleno emprego.
   e) Não ocorrerá alterações nem nos preços, nem no nível do produto, tanto no curto
      quanto no longo prazo, uma vez que, se o choque de oferta não desloca a curva
      de oferta de longo prazo, também não deslocará a curva de oferta de curto prazo.
Solução: Este é o típico modelo clássico. Caso haja algum choque de oferta (aumentos
abruptos de custos, como o aumento dos preços do petróleo, mencionado nesta
questão), os preços devem se elevar no curto prazo. Graficamente, a curva de oferta
vertical se desloca para a esquerda, cortando a curva de demanda agregada (DA) num
ponto mais elevado e reduzindo o produto de equilíbrio e elevando os preços no curto
prazo. Com o passar do tempo, no entanto, com preços e salários flexíveis, tudo volta
ao nível original, definido pela curva de oferta de oferta horizontal. Assim considerado,
vejamos as afirmativas da questão:
    i)      a letra a está errada porque, com uma curva de oferta vertical, um aumento
            da DA desloca esta curva para a direita, porém ela continua interceptando a
            curva de oferta vertical no mesmo nível de produto (Y) de equilíbrio – não
            intensificando, assim, o efeito do choque de oferta.
    ii)     a letra b está correta e responde à questão.
    iii)    Pelo que se disse acima, as demais alternativas estão erradas.

   6.    (AFRF-2003) Não fazem parte do ativo do balancete consolidado dos bancos
        comerciais:
           a) Os encaixes em moeda corrente
           b) Os redescontos e demais recursos provenientes do Banco Central
           c) Os empréstimos ao setor público
           d) Os empréstimos ao setor privado
           e) Os títulos privados.
Solução: Todas as alternativa desta questão – exceto a descrita na letra b – são,
tecnicamente, aplicações ou destino dos recursos que vêm do passivo. Já os descontos e
outros recursos que o Banco Central fornece aos bancos comerciais fazem parte do
passivo dos bancos comerciais.
Logo, a resposta é a letra b.

   7. (AFRF-2003) Considere uma economia hipotética aberta e sem governo.
      Suponha os seguintes dados, em unidades monetárias:
                  - renda líquida enviada ao exterior = 100
                  - soma dos salários, juros, lucros e aluguéis = 900
                  - importações de bens e serviços não-fatores = 50
                  - depreciação = 10
                  - exportações de bens e serviços não-fatores = 100
5

                     - formação bruta de capital fixo mais variação de estoques = 360
Com base nestas informações e considerando a identidades macroeconômicas de um
sistema de contas nacionais, é correto afirmar que a renda nacional líquida e o consumo
pessoal são, respectivamente:
    a) 950 e 600
    b) 900 e 500
    c) 900 e 600
    d) 850 e 550
    e) 800 e 500
Solução: A soma de salários + juros + aluguéis + lucros = 900, corresponde ao
produto interno líquido a custo de fatores – que é igual, por definição, à renda interna
líquida (RIL).
Subtraindo-se da RIL a renda líquida enviada ao exterior (100) encontramos a “renda
nacional líquida” (RNL) = 800.
Para encontrarmos o consumo pessoal, temos de usar a fórmula já vista atrás: OA =
DA, ou seja:
PIB + M = C + FBKF + G + X + ∆est
O PIB = RIL (900) + depreciação (10) = 910. Assim:
910 + 50 = C + 360 + 100 (não há G nem variação de estoques!)
Ou, C = 500.
Logo, a resposta é a letra e. Vale observar que o gabarito oficial deu como correta a
letra c, mas, como se pode ver pelas contas acima, o correto é a letra e.


   8.   (AFRF-2002) Suponha uma economia hipotética que produza apenas 2 bens
       finais: A e B. Considere a tabela a seguir:
                       Ano                 bem A                     bem B
                                      Preço Quantidade          Preço Quantidade
                       1               2,00        10            3,50     15
                       2               2,50        12            4,83     10
Com base nestas informações e utilizando-se o índice de preços de Laspeyres, é correto
afirmar que, entre os períodos 1 2:
    a) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 8% e o produto real não
       apresentou variação.
    b) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 12% e o produto real
       uma variação negativa de 19,65%, aproximadamente.
    c) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 8% e o produto real
       uma variação negativa de 8,33%, aproximadamente.
    d) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 8% e o produto real
       uma variação positiva de 2,5%.
    e) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 8% e o produto real
       uma variação negativa de 19,66%, aproximadamente.
   Solução: O critério ou fórmula de Laspeyres para o cálculo de variações de preços
   é expressa por:
6


       Lto . tj =
                    ∑ QoPj
                    ∑ QoPo
       Onde,
                 to = ano base
                tj = ano atual
                QoPo = quantidades e preços vigentes no ano base.
                QoPj = quantidades vigentes no ano base e preços vigentes no ano atual.
    Ou seja, pela fórmula de Laspeyres, o índice de preços toma como constantes as
    quantidades produzidas nos dois anos (igual à do ano base), fazendo distinção
    apenas entre os preços vigentes nos dois anos.
    Assim, aplicando o índice de preços de Laspeyres nos dados da questão, temos:
        Σ QoPj = 10 x 2,50 + 15 x 4,83 = 97,45
        Σ QoPo = 10 x 2,00 + 15 x 3,50 = 72,50
   Dividindo-se 97,45 por 72,50 encontramos 1, 344. Logo, a taxa de inflação entre o
ano 1 e o ano 2 foi de 34,4%.
Vamos, agora, achar o valor do produto nominal no ano 1 e no ano 2:
Ano 1: 10 x 2 + 3,50 x 15 = 72,50
Ano 2:         2,50 x 12 + 4,83 x 10 = 78,30
Para acharmos a taxa de crescimento nominal entre os dois anos, dividimos 78,30 por
72,50, encontrando 1,08. Logo, houve um crescimento nominal de 8%.
Para acharmos a taxa de crescimento (ou queda) real do Ano 2 em relação ao Ano 1,
temos de deflacionar o valor do produto nominal do Ano 2 pela taxa de inflação
(dividindo por 1,344), assim:
               97,45/1,344 = 58,40
Agora, o produto do Ano 2 é “real”, estando medido aos preços do Ano 1. E verifica-se
que, em termos reais, o produto do Ano 2 é menor que o do Ano 1. Para sabermos de
quanto foi a queda real, dividimos o produto real do Ano 2 pelo produto do Ano 1,
assim:
               58,40/72,50 = 0,8055
               (0,80,55–1) x 100 = -19,45
Logo, a reposta é a letra e.


    9. (AFRF-2002) Considere o modelo a seguir, também conhecido como modelo
        IS/LM para uma pequena economia aberta com livre mobilidade de capital:
        Y = C(Y-T) + I(r) + G + NX(e)
        M/P= L(r,Y); Lr < 0 e Ly >0
        r = r*
Onde,
Y = produto;
(T-Y) = renda disponível;
C = Consumo;
I = Investimento;
G = Gastos de governo;
NX = exportações líquidas;
e = taxa de câmbio;
r = taxa de juros;
M/P = oferta de saldos monetários reais;
7

L(r,Y) = demanda de saldos monetários reais;
Lr = derivada parcial da função demanda de saldos monetários reais em relação à taxa
de juros;
Ly = derivada parcial da função demanda de saldos monetários reais em relação à renda;
r* = taxa de juros mundial.

Com base neste modelo, é incorreto afirmar que:
  a) O modelo é compatível com a hipótese de perfeita mobilidade de capital.
  b) Um aumento dos gastos do governo não exerce influência sobre a renda
      agregada quando as taxas de câmbio são flutuantes.
  c) Os efeitos tanto da política monetária quanto fiscal dependem do regime cambial
      adotado.
  d) No modelo a curva LM é positivamente inclinada.
  e) Uma expansão monetária exerce influência sobre a renda, se a economia
      trabalha com um regime de taxas de câmbio fixas.
Solução: Este é o nosso conhecido modelo de Mundell-Fleming – para o sistema IS-LM
com uma economia aberta. Como já vimos em nossa Aula 9 de Economia 1, este
modelo prevê perfeita mobilidade de capital – o que faz com que a taxa de juros interna
(r) seja igual à taxa de juros externa (r*). Também sabemos da análise deste modelo,
que, num regime de taxas de câmbio flutuantes, a política monetária é a única eficaz
para alterar o nível da renda ou produto de equilíbrio; enquanto que, num regime de
câmbio fixo, a política fiscal é a única eficaz para aquele fim.
Assim, analisando as afirmativas propostas, verifica-se que a opção contida na letra e é
claramente incorreta e, como tal, responde à questão. No entanto, vale observar que,
no gráfico do modelo Mundell-Fleming, aparece no eixo horizontal os valores do
produto – Y, enquanto no eixo vertical aparece a taxa de câmbio (e), em lugar da taxa
de juros (r). Assim, como na equação da LM a taxa de câmbio não aparece, a curva LM
é desenhada, sempre, verticalmente no modelo Mundell-Fleming. Assim, a rigor, a
alternativa d também está errada. Mas, como temos de escolher apenas uma
alternativa, ficamos com a letra e sobre a qual não paira dúvidas.
Logo, a resposta é a letra e.

   10. (Esaf- APO/MPOG-2002) Considere os seguintes dados para uma economia
       hipotética, em unidades monetárias e num determinado período de tempo:
                     - déficit comercial = 100
                     - transferências unilaterais recebidas = 10
                     - saldo líquido positivo do movimento de capitais autônomos =
                         100
Considerando que o saldo total do Balanço de Pagamentos foi nulo e supondo a
ausência de erros e omissões, é correto afirmar:
   a) o balanço de serviços apresentou saldo negativo de 110 e o saldo em transações
       correntes foi deficitário em 110.
   b) O saldo do balanço de sérvios foi nulo e o saldo em transações correntes foi
       deficitário em 90.
   c) O balanço de serviços apresentou saldo negativo de 10 e o saldo em transações
       correntes foi deficitário em 100.
   d) O saldo do balanço de serviços foi nulo e o saldo em transações correntes foi
       deficitário em 110.
   e) O saldo do balanço de serviços foi igual ao saldo em transações correntes.
8

Solução: Lembre-se de que o resultado do Balanço de Pagamentos é dado pela soma
do saldo da balança de transações correntes (BTC) + o saldo da conta de capitais
autônomos. Como o resultado do BP = 0 e como a conta de capitais autônomos teve um
saldo positivo de 100, o saldo da BTC foi, obrigatoriamente, negativo em 100.
Assim, como o saldo da conta comercial (-100) + o saldo da conta de serviços (+10) foi
de –90, então a conta de serviços apresentou um saldo negativo de 10.
Logo, a resposta é a letra c.


11. (AFC/STN-ESAF-2005) Com relação ao conceito de produto agregado, é incorreto
afirmar que:
    a) o produto agregado a preços de mercado é necessariamente maior do que o
       produto agregado a custo de fatores.
    b) O produto agregado pode ser considerado como uma “variável-fluxo"
    c) É possível uma elevação do produto agregado nominal junto com uma queda no
       produto real.
    d) O produto agregado pode ser entendido como a renda agregada da economia.
    e) O produto interno bruto pode ser menor do que o produto nacional bruto.
Solução: Este é o tipo de questão que a gente deve torcer para cair na nossa prova, de
tão trivial que é. Senão vejamos:
     - A opção a está incorreta porque, caso os subsídios sejam maiores que os
     impostos indiretos (algo surrealista, mas possível!), o produto a preços de
     mercado torna-se menor que o produto a custo de fatores.
     - A opção b está correta: produto agregado começa a ser medido no dia 1° de
     janeiro de um ano e é encerrado no dia 31/dezembro deste mesmo ano. Logo é
     uma variável-fluxo pois ocorre num período e não em uma data específica.
     - O produto nominal pode crescer, sim, enquanto cai o produto real. Um exemplo
     disso foi o problema que nós resolvemos na questão 8, acima.
     - Em macroeconomia, o valor do produto agregado é, por definição, igual ao
     valor da renda agregada. Assim, a alternativa d está correta.
     - A letra e está correta: se um país recebe mais renda do exterior do que envia
     para o exterior, seu PNB é maior que seu PIB.
     Logo, a resposta é a letra a.

   12. (Esaf-AFC/STN – 2005) No modelo IS/LM sem os denominados casos clássico
   e keynesiano, a demanda por moeda:
   a) Não varia com a renda e com a taxa de juros.
   b) Não depende da renda.
   c) Só depende da taxa de juros quando esta taxa produz juros reais negativos.
   d) É inversamente proporcional à renda.
   e) É inversamente proporcional à taxa de juros.
Solução: Para responder esta questão, é preciso que você releia o texto de nossa Aula
8, da Economia 1. De toda forma, vamos lá:
9

              a) No modelo IS-LM, a demanda por moeda é uma função positiva do nível
                 de renda (para transações) e uma função inversa da taxa de juros (para
                 especulação). Assim, a opção a está errada.
              b) Pela explicação dada na letra (a) anterior, as opções b, c e d estão
                 erradas.
              c) Resta, assim, a letra e como resposta da questão. Porém, devemos fazer
                 uma ressalva: não se trata de uma relação inversamente proporcional à
                 taxa de juros e, sim, simplesmente, uma relação inversa à taxa de juros.
                 Diz-se que a relação é proporcional quando as duas variáveis se alteram
                 na mesma proporção ou no mesmo percentual (exemplo, ambas variam
                 10% por cento). Mas, como não resta outra alternativa melhor, ficamos
                 com esta letra e.
          Logo, a resposta é a letra e.

 13. (Esaf-AFC/STN -2005) Considere um regime de câmbio fixo. Seja a taxa de
câmbio representada pela letra “e” e considere o conceito de taxa de câmbio utilizado no
Brasil. Suponha que o Banco Central fixe a taxa de câmbio em “e1”. Com base nessas
informações, é correto afirmar que:
    a) O Banco Central é obrigado a comprar qualquer demanda por moeda estrangeira
        a uma taxa menor que “e1”.
    b) Não é possível utilizar a política fiscal.
    c) Se existem pressões no mercado de câmbio para uma taxa maior do que e1 o
        Banco Central deverá vender a moeda estrangeira à taxa e1.
    d) O Banco Central não precisa intervir no mercado cambial uma vez que o regime
        de câmbio fixo é determinado por lei.
    e) Se o mercado sinaliza para uma taxa maior do que e1, o Banco Central deve
        emitir moeda para manter a taxa fixa.
Solução: A regra é: Quando um país adota um regime de câmbio fixo, o Banco Central
é obrigado a vender e a comprar qualquer quantidade de divisa estrangeira à taxa que
ele mesmo fixou. Assim:
   i)         A letra a está incorreta;
   ii)        Como já foi visto na questão 9, num regime de câmbio fixo, somente á
              política fiscal é eficaz. Logo, a opção b também está incorreta.
   iii)       Pelo que afirmamos anteriormente, a opção c está correta.
   iv)        A letra d não tem nem sentido lógico. Está errada.
   v)         Não existe a relação mencionada na letra e.
   Logo, a resposta correta é a letra c.

14. (Esaf-AFTN-1998) O governo pode afetar a demanda agregada usando uma política
fiscal recessiva quando:
    a) Diminui os gastos do governo e/ou aumenta os impostos.
    b) Aumenta os dispêndios governamentais.
    c) Aumenta o nível da renda e a taxa de juros.
    d) Aumenta o nível de impacto fiscal a um nível de renda de pleno emprego.
    e) Aumenta os gastos públicos e diminui os impostos, introduzindo um diminuição
         no consumo.
10

Solução: Como já sabemos dos modelos keynesianos, todas as medidas listadas nas
alternativas b, c, d e e são expansionistas, isto é, aumentam a demanda agregada da
economia. A única que não tem esta característica é a letra a.
Logo, a resposta é a letra a.

15. (Esaf-Gestor-2003) Considere os seguintes dados extraídos da Conta de Produção
do Sistema de Contas Econômicas Integradas:
                   - Produção: 1.323.410.847
                   - Produto Interno Bruto: 778.889.727
                   - Imposto de importação: 4.183.987
                   - Demais impostos sobre produtos: 79.736.442
Com base nestas informações, é correto afirmar que o consumo intermediário é:
   a) 628.444.549
   b) 632.628.536
   c) 600.000.000
   d) 595.484.200
   e) 550.000.003
Solução: Mais um exemplo de um tipo de questão que tem se tornado repetitivo nas
provas de Economia. Como já dissemos anteriormente (veja questões 2 e 3, acima), a
fórmula para responder este tipo de questão é:
Produto interno bruto = produção – consumo intermediário = impostos sobre produtos.
No caso presente, os impostos sobre produtos foram abertos em “imposto de
importação” e “demais impostos sobre produtos”. Assim, temos:
778.889.727 = 1.323.410.847 – consumo intermediário + 4.183.987 + 79.736.442
Consumo intermediário = 628.444.549.
Logo, a reposta é a letra a.

16. (Esaf-Gestor-2003) Considere os seguintes dados extraídos da Conta de Bens e
Serviços do Sistema de Contas Econômicas Integradas:
                    - Produção: 1.323.410.847
                    - Importação de bens e serviços: 69.310.584
                    - Impostos sobre produtos: 83.920.429
                    - Consumo intermediário: 628.444.549
                    - Consumo final: 630.813.704
                    - Variação de estoques: 12.903.180
                    - Exportações de bens e serviços: 54.430.127
Com base nessas informações, é correto afirmar que a formação bruta de capital fixo é
igual a:
    a) 150.050.300
    b) 66.129.871
    c) 233.970.729
    d) 100.540.580
    e) 200.000.000
Solução: Para acharmos a FBKF, usamos a equação da OA = DA, ou seja:
                         PIB + M = C + FBKF + G + X + ∆est.
11

Temos, assim, de achar o valor do PIB através daquela já nossa bastante conhecida
equação:
          PIB = produção – consumo intermediário + impostos sobre produto
Ou: PIB = 1.323.410.847 – 628.444.549 + 83.920.429
PIB = 778.889.727
Assim: 778.889.727 + 69.310.584 = 630.813.704 + FBKF + 54.430.127 + 12.903.180
E, FBKF = 150.050.300
Logo, a resposta é a letra a.

17. (Esaf-Gestor-2003) Considere que as exportações brasileiras dependam da taxa de
câmbio real calculada a partir da relação entre o real e o dólar e considerando as taxas
de inflação no Brasil e Estados Unidos da América. É então correto afirmar que:
    a) A inflação americana tende a desestimular as exportações brasileiras.
    b) Tudo o mais constante, a inflação brasileira tende a estimular as exportações
        brasileiras.
    c) Tudo o mais constante, uma desvalorização do dólar frente ao real tende a
        estimular as exportações brasileiras.
    d) Tudo o mais constante, uma desvalorização do real frente ao dólar tende a
        desestimular as exportações brasileiras.
    e) Tudo o mais constante, a inflação americana tende a estimular as exportações
        brasileiras.
   Solução:
   i) Caso a inflação americana implique em desvalorização do dólar perante o real,
      isto é, o dólar compraria menos produtos brasileiros cotados em real, tal fato
      tenderia a reduzir as importações americanas de produtos brasileiros. Mas,
      mantida a taxa de câmbio, o fato de os preços nos Estados Unidos estarem mais
      altos em dólares, tende a aumentar as exportações brasileiras para aquele país.
   ii) A inflação brasileira tende a estimular os exportadores a vender no mercado
       doméstico, e as exportações brasileiras tenderia a se reduzir. A letra b está
       errada.
   iii) Se o dólar perder valor frente ao real, as exportações brasileiras tenderão a se
        reduzir. Logo, a alternativa c está incorreta.
   iv)     Com uma desvalorização do real frente ao dólar, a moeda americana estará
           valorizada, isto é, pode comprar mais produtos brasileiros que antes. As
           exportações tendem a aumentar. A afirmativa d está errada.
   v)      Se consideramos a alternativa a errada, então, por conclusão a alternativa e
           está correta.
   Logo, a opção e é a resposta.




18. (Esaf-AFC/STN-2002) Não faz(em) parte do balancete consolidado do sistema
monetário:
12

   a)   Empréstimos dos bancos comerciais ao setor privado.
   b)   Reservas internacionais.
   c)   Empréstimos do Banco Central ao setor privado.
   d)   Papel-moeda em poder do público.
   e)   Aplicações dos bancos comerciais em títulos públicos e privados.
Solução: Há um engano do examinador na formulação desta questão: Na verdade,
todos os itens fazem parte do balancete consolidado do sistema monetário. Só que todos
os itens, exceto a opção d, fazem parte do ativo do sistema monetário. De fato, a letra
d é a única que faz parte do passivo. A proposição correta seria: “Não faz parte do
Ativo do balancete consolidado do sistema monetário”...:

19. (Esaf-AFC-STN-2002) Considere:
c = papel-moeda em poder do público/meios de pagamentos
d = depósitos à vista nos bancos comerciais/meios de pagamento
R = encaixes totais dos bancos comerciais/depósitos à vista nos bancos comerciais.
Sabendo-se que c = d e R = 0,3, pode-se afirmar que o valor do multiplicador será de,
aproximadamente:
   a) 1,2234
   b) 2,1023
   c) 1,9687
   d) 1
   e) 1,5385.
Solução: Se Meios de pagamento = papel-moeda em poder do público (PMP) mais
Depósitos à vista do público nos bancos comerciais (DV) e se c = PMP/MP e se d =
DV/MP e, mais ainda, se c = d, então c = d = 0,5. Sabendo que R = taxa de encaixe
total
dos bancos comerciais, então o multiplicador dos meios de pagamento é dado por:

k = 1/1-d (1-R) >> k = 1/1-0,5 (1-0,3) >> k = 1/0,65 >> k = 1,5385
Logo, a resposta é a letra e.

20. (Esaf-Gestor-2005) Considere os seguintes dados de um sistema de contas
nacionais que segue a metodologia do sistema adotado no Brasil, em unidades
monetárias:
                   - Produção: 1.300
                   - Importação de bens e serviços: 70
                   - Imposto sobre produtos: 85
                   - Consumo intermediário: 607
                   - Consumo final: 630
                   - Variação de estoques: 13
                   - Exportação de bens e serviços: 55
Com base nessas informações, a formação bruta de capital fixo é igual a:
   a) 150
   b) 100
   c) 50
   d) 200
   e) 250.
13

Solução: Como podem ver, seja em provas de 2002 ou de 2003, ou de 2005, como esta,
este tipo de questão está sempre se repetindo. Aqui, como já foi visto, temos de usar a
equação da OA = DA, ou seja:
PIB + M = C + FBKF + G + X + ∆est
Para resolver a questão, temos de achar, antes, o valor do PIB que é dado por:
Produto interno bruto = produção – consumo intermediário + impostos sobre produtos
Assim: PIB = 1.300 – 607 + 85
PIB = 778
Substituindo este valor na fórmula OA = DA:
778 + 70 = 630 + FBKF + 55 + 13
FBKF = 150
Logo, a resposta é a opção a.

21. (Esaf-AFC/STN-2002) Considere:
                   - A = Poupança privada
                   - B = Investimento privado
                   - C = Poupança externa
                   - D = Déficit público.
Com base nas identidades macroeconômicas básicas, é correto afirmar que:
    a) D = C –A
    b) D = A –B+C
    c) D = C-B
    d) D = B – C
    e) D = - A-B-C
Solução: Se o investimento é igual à poupança total (D + A + C), temos que:
Déficit público (D) = à poupança privada (A) mais a poupança externa (C) menos o
investimento privado (B).
Ou seja, D = A + C – B.
Logo, a resposta é a letra b.

21. (AFRF-2003) Com relação ao modelo de crescimento de Solow, é correto afirmar
    que, no equilíbrio de longo prazo:
           a) Quanto maior for a taxa de depreciação, maior será o estoque de capital
               por trabalhador.
           b) A taxa de crescimento do produto por trabalhador é igual à taxa de
               depreciação.
           c) Quanto maior for a taxa de poupança, maior será o consumo por
               trabalhador.
           d) Quanto maior for a taxa de crescimento populacional, maior será o
               estoque de capital por trabalhador.
           e) Quanto maior a taxa de poupança, maior será o estoque de capital por
               trabalhador.
       Solução: A rigor, o modelo de crescimento de Solow não consta do programa
       do concurso do AFRF. Se se forçar muito a barra, o examinador da ESAF
14

       argumentaria que este modelo faz parte da economia intertemporal. Mas, na
       realidade, não faz, mesmo!
       No entanto, em praticamente todas as provas de concursos elaboradas pela
       Esaf, aparece pelo menos uma questão do modelo de Solow. Esta é a razão pela
       qual resolvemos incluir três questões deste modelo. Quem sabe, com a
       orientação que damos a seguir, você acerta a resposta. Quem sabe?
       Mas, veja bem: o modelo de Solow é um tanto complexo, complicado mesmo,
       cheio de equações confusas para os não-matemáticos. Assim, me parece uma
       perda de tempo um candidato de concurso – que luta contra o tempo e o relógio
       – pretender gastar boa parte de seu precioso tempo procurando entender este
       modelo. Por isso, achei melhor fornecer a você, candidato, algumas dicas e
       definições importantes sobre as características deste modelo e que, certamente,
       o ajudarão a resolver qualquer questão sobre Solow que vier na prova e que,
       por isso mesmo, você deve procurar decorar (e, não necessariamente,
       entender!). São as seguintes:
       1) No modelo de Solow, a taxa de poupança (s) de uma economia determina, no
          longo prazo, o tamanho do estoque de capital e, também, por conseqüência,
          o nível do produto desta economia.
       2) “Estado estacionário” – corresponde a uma situação de equilíbrio da
          economia de longo prazo.
       3) “Estado estacionário da regra de ouro” corresponde ao nível de capital que
          maximiza o consumo da população.
       4) O modelo de Solow mostra que a taxa de crescimento da população de uma
          economia é um dos determinantes do padrão de vida no longo prazo.
       5) Quanto maior a taxa de crescimento populacional, menor é o produto por
          trabalhador.
       6) Pelo modelo de Solow, somente o progresso tecnológico explica o
          crescimento de longo prazo.
       7) No modelo de Solow, valem as seguintes definições:
           k = estoque de capital por trabalhador;
           y = produto por trabalhador = √k, ou seja, o produto por trabalhador
           é dado pela raiz quadrada do estoque de capital.
           s = taxa de poupança da economia;
           ∂ = taxa de depreciação do estoque de capital.
       Com estes esclarecimentos e com estas simbologias, pode-se deduzir que a
única alternativa correta dentre as opções da questão 21 é a letra e.
Logo, a resposta é a letra e.

22. Com relação ao modelo de Solow, é incorreto afirmar:
          a) O estado estacionário que maximiza o consumo é aquele definido pela
              denominada “regra de ouro”.
          b) A taxa de poupança determina a quantidade do estoque de capital por
              trabalhador e, portanto, o nível do produto por trabalhador no estado
              estacionário.
15

            c) Quanto maior a taxa de poupança, maior o bem-estar da sociedade.
            d) O estado estacionário pode ser considerado como um equilíbrio de longo
               prazo.
            e) Somente o progresso tecnológico explica o crescimento de longo prazo.
       Solução: Pelo que foi resumido na solução da questão 21, anterior, a resposta
       que está incorreta é a letra c.
       Logo, a resposta é a letra c.

25. Considere os seguintes dados para o modelo de crescimento de Solow:
k = estoque de capital por trabalhador
δ = taxa de depreciação
y = produto por trabalhador
s = taxa de poupança.
                         0,5
Sabendo-se que y = (k) , δ = 0,1 e s = 0,4, os níveis de k e y no estado estacionário
serão, respectivamente:
    a) 16 e 4
    b) 16 e 8
    c) 4 e 16
    d) 4 e 8
    e) 4 e 12.
Solução: Parece até que estes números foram retirados do próprio texto onde Solow
expõe seu modelo de crescimento. Há mais uma ou duas questões em outras provas
passadas semelhantes a esta, com variação apenas dos números. O padrão de solução
para esta questão é:
                                       k/√k = s/ δ
                       ou, k/√k = 0,4/01 >> k/√k = 4
Elevando-se ambos os lado desta última equação ao quadrado, temos:
k2/k = 16 >> k = 16
e y = √k = √16 = 4.
Ou seja, k = 16 e y = 4.
Portanto, a resposta é a letra a.

______________________




            THAT’S ALL! >>> B O A                    S O R T E!!!<<<

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Luciano Pires
 
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentaisEconomia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Felipe Leo
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Luciano Pires
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
Mitsubishi Motors Brasil
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Felipe Leo
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Felipe Leo
 
Rendimentos à escala
Rendimentos à escalaRendimentos à escala
Rendimentos à escala
Micaela Jardim
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
Cátia Pascoal
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Luciano Pires
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Thaís Ferreira
 
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber MoralesTeoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Robérgio Kleber Morais
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
Mitsubishi Motors Brasil
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Felipe Leo
 
Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas
Dágina Cristina
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
Ivanildo Moreira
 
Aula 3 macro- modelo clássico
Aula 3 macro- modelo clássicoAula 3 macro- modelo clássico
Aula 3 macro- modelo clássico
Neli Chastinet
 
Aula 11 teoria da escolha do consumidor
Aula 11   teoria da escolha do consumidorAula 11   teoria da escolha do consumidor
Aula 11 teoria da escolha do consumidor
petecoslides
 

Mais procurados (20)

Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
 
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentaisEconomia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
Economia em exercícios – identidades macroeconômicas fundamentais
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
 
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia   aula 4 - introdução à macroeconomiaEconomia   aula 4 - introdução à macroeconomia
Economia aula 4 - introdução à macroeconomia
 
Rendimentos à escala
Rendimentos à escalaRendimentos à escala
Rendimentos à escala
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
 
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber MoralesTeoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
Teoria do consumidor - Prof. Kleber Morales
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
 
Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
 
Aula 3 macro- modelo clássico
Aula 3 macro- modelo clássicoAula 3 macro- modelo clássico
Aula 3 macro- modelo clássico
 
Aula 11 teoria da escolha do consumidor
Aula 11   teoria da escolha do consumidorAula 11   teoria da escolha do consumidor
Aula 11 teoria da escolha do consumidor
 

Destaque

Economia aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Economia   aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbioEconomia   aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Economia aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Felipe Leo
 
Economia solucao dos exercicios
Economia solucao dos exerciciosEconomia solucao dos exercicios
Economia solucao dos exercicios
zeramento contabil
 
Iniciando na cozinha
Iniciando na cozinhaIniciando na cozinha
Iniciando na cozinha
Felipe Leo
 
Economia em exercícios – apresentação
Economia em exercícios – apresentaçãoEconomia em exercícios – apresentação
Economia em exercícios – apresentação
Felipe Leo
 
Economia – inflação e emprego
Economia – inflação e empregoEconomia – inflação e emprego
Economia – inflação e emprego
Felipe Leo
 
Economia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflaçãoEconomia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflação
Felipe Leo
 
Economia aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Economia   aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadasEconomia   aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Economia aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Felipe Leo
 
Economia aula 1 - introduzindo a economia
Economia   aula 1 - introduzindo a economiaEconomia   aula 1 - introduzindo a economia
Economia aula 1 - introduzindo a economia
Felipe Leo
 
Economia – economia intertemporal parte 4
Economia – economia intertemporal parte 4Economia – economia intertemporal parte 4
Economia – economia intertemporal parte 4
Felipe Leo
 
Economia – as contas do sistema financeiro
Economia – as contas do sistema financeiroEconomia – as contas do sistema financeiro
Economia – as contas do sistema financeiro
Felipe Leo
 
Economia – aula 0 – a elasticidade e suas aplicações
Economia – aula 0 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia – aula 0 – a elasticidade e suas aplicações
Economia – aula 0 – a elasticidade e suas aplicações
Felipe Leo
 
Economia – a equação da curva de phillips e a tese aceleracionista
Economia – a equação da curva de phillips e a tese aceleracionistaEconomia – a equação da curva de phillips e a tese aceleracionista
Economia – a equação da curva de phillips e a tese aceleracionista
Felipe Leo
 
Economia aula 8 - o sistema is - lm e as políticas fiscal e monetária
Economia   aula 8 - o sistema is - lm e as políticas fiscal e monetáriaEconomia   aula 8 - o sistema is - lm e as políticas fiscal e monetária
Economia aula 8 - o sistema is - lm e as políticas fiscal e monetária
Felipe Leo
 
Demanda Agregada E Oferta Agregada
Demanda Agregada E Oferta AgregadaDemanda Agregada E Oferta Agregada
Demanda Agregada E Oferta Agregada
JARDILENE PINHEIRO
 
Economia aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Economia   aula 6 - a moeda e o sistema bancárioEconomia   aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Economia aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Felipe Leo
 
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
Ronne Seles
 
Receitas internet n freitas
Receitas internet   n freitasReceitas internet   n freitas
Receitas internet n freitas
Felipe Leo
 
Economia – a economia intertemporal parte 2
Economia – a economia intertemporal parte 2Economia – a economia intertemporal parte 2
Economia – a economia intertemporal parte 2
Felipe Leo
 
Economia – a economia intertemporal
Economia – a economia intertemporalEconomia – a economia intertemporal
Economia – a economia intertemporal
Felipe Leo
 
Introdução à Macroeconomia
Introdução à MacroeconomiaIntrodução à Macroeconomia
Introdução à Macroeconomia
Yuri Silver
 

Destaque (20)

Economia aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Economia   aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbioEconomia   aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
Economia aula 5 - o balanço de pagamentos e a taxa de câmbio
 
Economia solucao dos exercicios
Economia solucao dos exerciciosEconomia solucao dos exercicios
Economia solucao dos exercicios
 
Iniciando na cozinha
Iniciando na cozinhaIniciando na cozinha
Iniciando na cozinha
 
Economia em exercícios – apresentação
Economia em exercícios – apresentaçãoEconomia em exercícios – apresentação
Economia em exercícios – apresentação
 
Economia – inflação e emprego
Economia – inflação e empregoEconomia – inflação e emprego
Economia – inflação e emprego
 
Economia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflaçãoEconomia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflação
 
Economia aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Economia   aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadasEconomia   aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Economia aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
 
Economia aula 1 - introduzindo a economia
Economia   aula 1 - introduzindo a economiaEconomia   aula 1 - introduzindo a economia
Economia aula 1 - introduzindo a economia
 
Economia – economia intertemporal parte 4
Economia – economia intertemporal parte 4Economia – economia intertemporal parte 4
Economia – economia intertemporal parte 4
 
Economia – as contas do sistema financeiro
Economia – as contas do sistema financeiroEconomia – as contas do sistema financeiro
Economia – as contas do sistema financeiro
 
Economia – aula 0 – a elasticidade e suas aplicações
Economia – aula 0 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia – aula 0 – a elasticidade e suas aplicações
Economia – aula 0 – a elasticidade e suas aplicações
 
Economia – a equação da curva de phillips e a tese aceleracionista
Economia – a equação da curva de phillips e a tese aceleracionistaEconomia – a equação da curva de phillips e a tese aceleracionista
Economia – a equação da curva de phillips e a tese aceleracionista
 
Economia aula 8 - o sistema is - lm e as políticas fiscal e monetária
Economia   aula 8 - o sistema is - lm e as políticas fiscal e monetáriaEconomia   aula 8 - o sistema is - lm e as políticas fiscal e monetária
Economia aula 8 - o sistema is - lm e as políticas fiscal e monetária
 
Demanda Agregada E Oferta Agregada
Demanda Agregada E Oferta AgregadaDemanda Agregada E Oferta Agregada
Demanda Agregada E Oferta Agregada
 
Economia aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Economia   aula 6 - a moeda e o sistema bancárioEconomia   aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Economia aula 6 - a moeda e o sistema bancário
 
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
402 macroeconomia-i-caderno-de-exercicios-para-exame-resolvidos
 
Receitas internet n freitas
Receitas internet   n freitasReceitas internet   n freitas
Receitas internet n freitas
 
Economia – a economia intertemporal parte 2
Economia – a economia intertemporal parte 2Economia – a economia intertemporal parte 2
Economia – a economia intertemporal parte 2
 
Economia – a economia intertemporal
Economia – a economia intertemporalEconomia – a economia intertemporal
Economia – a economia intertemporal
 
Introdução à Macroeconomia
Introdução à MacroeconomiaIntrodução à Macroeconomia
Introdução à Macroeconomia
 

Semelhante a Economia – exercícios de revisão

Questões de contabilidade de custos
Questões de contabilidade de custosQuestões de contabilidade de custos
Questões de contabilidade de custos
zeramento contabil
 
Contabilidade decifrada 17
Contabilidade decifrada 17Contabilidade decifrada 17
Contabilidade decifrada 17
simuladocontabil
 
3a lista cn ufc novo respostas
3a lista cn ufc novo   respostas3a lista cn ufc novo   respostas
3a lista cn ufc novo respostas
Ângelo Barros
 
Contabilidade decifrada 04
Contabilidade decifrada 04Contabilidade decifrada 04
Contabilidade decifrada 04
simuladocontabil
 
Parte I - Guia fundamental.pdf
Parte I - Guia fundamental.pdfParte I - Guia fundamental.pdf
Parte I - Guia fundamental.pdf
murilomessiano2
 
Ficha de exercicios
Ficha de exerciciosFicha de exercicios
Ficha de exercicios
Emília Reiz
 
Apostila contabilidade geral 127 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 127 exercicios resolvidosApostila contabilidade geral 127 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 127 exercicios resolvidos
PC Net Informatica e Automação Ltda.
 
Exercícios para o Modelo IS-LM-BP MACRO.pdf
Exercícios para o Modelo IS-LM-BP MACRO.pdfExercícios para o Modelo IS-LM-BP MACRO.pdf
Exercícios para o Modelo IS-LM-BP MACRO.pdf
arthurmarquesmdo
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
custos contabil
 
Apostila custos industriais
Apostila custos industriais Apostila custos industriais
Apostila custos industriais
Emerson Tranquilino
 
127 exercicios resolvidos
127 exercicios resolvidos127 exercicios resolvidos
127 exercicios resolvidos
lili4321
 
Adm custos 2ed_respostas
Adm custos 2ed_respostasAdm custos 2ed_respostas
Adm custos 2ed_respostas
Patrícia Amarante
 
Apostila etec pfo
Apostila etec   pfoApostila etec   pfo
Apostila etec pfo
simuladocontabil
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de CustosTurma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Marta Chaves
 
Revisão para o enade 2015: Quants
Revisão para o enade 2015: QuantsRevisão para o enade 2015: Quants
Revisão para o enade 2015: Quants
Felipe Pontes
 
Adm custos 2ed_respostas
Adm custos 2ed_respostasAdm custos 2ed_respostas
Adm custos 2ed_respostas
Adriano Bruni
 
Apostila etec pfo ii
Apostila etec   pfo iiApostila etec   pfo ii
Apostila etec pfo ii
simuladocontabil
 
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptxREC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
Sher Hamid
 
Classifique os custos 11
Classifique os custos 11Classifique os custos 11
Classifique os custos 11
razonetecontabil
 
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidosApostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos
omar pontes
 

Semelhante a Economia – exercícios de revisão (20)

Questões de contabilidade de custos
Questões de contabilidade de custosQuestões de contabilidade de custos
Questões de contabilidade de custos
 
Contabilidade decifrada 17
Contabilidade decifrada 17Contabilidade decifrada 17
Contabilidade decifrada 17
 
3a lista cn ufc novo respostas
3a lista cn ufc novo   respostas3a lista cn ufc novo   respostas
3a lista cn ufc novo respostas
 
Contabilidade decifrada 04
Contabilidade decifrada 04Contabilidade decifrada 04
Contabilidade decifrada 04
 
Parte I - Guia fundamental.pdf
Parte I - Guia fundamental.pdfParte I - Guia fundamental.pdf
Parte I - Guia fundamental.pdf
 
Ficha de exercicios
Ficha de exerciciosFicha de exercicios
Ficha de exercicios
 
Apostila contabilidade geral 127 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 127 exercicios resolvidosApostila contabilidade geral 127 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 127 exercicios resolvidos
 
Exercícios para o Modelo IS-LM-BP MACRO.pdf
Exercícios para o Modelo IS-LM-BP MACRO.pdfExercícios para o Modelo IS-LM-BP MACRO.pdf
Exercícios para o Modelo IS-LM-BP MACRO.pdf
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
 
Apostila custos industriais
Apostila custos industriais Apostila custos industriais
Apostila custos industriais
 
127 exercicios resolvidos
127 exercicios resolvidos127 exercicios resolvidos
127 exercicios resolvidos
 
Adm custos 2ed_respostas
Adm custos 2ed_respostasAdm custos 2ed_respostas
Adm custos 2ed_respostas
 
Apostila etec pfo
Apostila etec   pfoApostila etec   pfo
Apostila etec pfo
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de CustosTurma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
 
Revisão para o enade 2015: Quants
Revisão para o enade 2015: QuantsRevisão para o enade 2015: Quants
Revisão para o enade 2015: Quants
 
Adm custos 2ed_respostas
Adm custos 2ed_respostasAdm custos 2ed_respostas
Adm custos 2ed_respostas
 
Apostila etec pfo ii
Apostila etec   pfo iiApostila etec   pfo ii
Apostila etec pfo ii
 
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptxREC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
REC2104 - Aula 1- Conceitos Básicos2.pptx
 
Classifique os custos 11
Classifique os custos 11Classifique os custos 11
Classifique os custos 11
 
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidosApostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos
 

Mais de Felipe Leo

Cozinha portuguesa
Cozinha portuguesaCozinha portuguesa
Cozinha portuguesa
Felipe Leo
 
As 50 receitas mais pedidas dos últimos 50 anos
As 50 receitas mais pedidas dos últimos 50 anosAs 50 receitas mais pedidas dos últimos 50 anos
As 50 receitas mais pedidas dos últimos 50 anos
Felipe Leo
 
500 segredos culinarios
500 segredos culinarios500 segredos culinarios
500 segredos culinarios
Felipe Leo
 
Receitas uniao de a a z
Receitas uniao de a a zReceitas uniao de a a z
Receitas uniao de a a z
Felipe Leo
 
Economia – a economia intertemporal parte 3
Economia – a economia intertemporal parte 3Economia – a economia intertemporal parte 3
Economia – a economia intertemporal parte 3
Felipe Leo
 
Setor externo
Setor externoSetor externo
Setor externo
Felipe Leo
 
Qualidade iso
Qualidade isoQualidade iso
Qualidade iso
Felipe Leo
 
Projetos de administração
Projetos de administraçãoProjetos de administração
Projetos de administração
Felipe Leo
 
Plano de contas
Plano de contasPlano de contas
Plano de contas
Felipe Leo
 

Mais de Felipe Leo (9)

Cozinha portuguesa
Cozinha portuguesaCozinha portuguesa
Cozinha portuguesa
 
As 50 receitas mais pedidas dos últimos 50 anos
As 50 receitas mais pedidas dos últimos 50 anosAs 50 receitas mais pedidas dos últimos 50 anos
As 50 receitas mais pedidas dos últimos 50 anos
 
500 segredos culinarios
500 segredos culinarios500 segredos culinarios
500 segredos culinarios
 
Receitas uniao de a a z
Receitas uniao de a a zReceitas uniao de a a z
Receitas uniao de a a z
 
Economia – a economia intertemporal parte 3
Economia – a economia intertemporal parte 3Economia – a economia intertemporal parte 3
Economia – a economia intertemporal parte 3
 
Setor externo
Setor externoSetor externo
Setor externo
 
Qualidade iso
Qualidade isoQualidade iso
Qualidade iso
 
Projetos de administração
Projetos de administraçãoProjetos de administração
Projetos de administração
 
Plano de contas
Plano de contasPlano de contas
Plano de contas
 

Economia – exercícios de revisão

  • 1. 1 “A arte de ensinar Economia de uma maneira simples, sem mistérios”. De Maria Eulália, uma ex-aluna. AULA 8 - EXERCÍCIOS DE REVISÃO: 2ª BATERIA - COM SOLUÇÃO COMENTADA Observação: Esta lista não contém somente questões da matéria vista em Economia 2, mas, sim, questões de provas recentes de Economia, selecionadas de acordo com a intensidade com que têm aparecido naquelas provas. Ou seja, são questões que, por caírem repetitivamente nas provas elaboradas pela Esaf, servem de indicador para o candidato sobre onde concentrar seu estudo de revisão final. Um abraço e boa sorte! 1. (AFRF-2002.2) Considere um sistema de contas nacionais para uma economia aberta sem governo. Suponha os seguintes dados: Importações de bens e serviços não-fatores = 100 Renda líquida enviada ao exterior = 50 Renda nacional líquida = 1.000 Depreciação = 5 Exportações de bens e serviços não-fatores = 200 Consumo pessoal = 500 Variação de estoques = 80 Com base nessas informações, é correto afirmar que a formação bruta de capital fixo é igual a: a) 375 b) 275 c) 430 d) 330 e) 150. Solução: Lembre-se de que, a nível macroeconômico, a Oferta Agregada (OA) = PIB a preços de mercado + importações de bens e serviços não-fatores (M) e que a Demanda Agregada (DA) = consumo pessoal ou final (C) + formação bruta de capital fixo (FBKF) + gastos do governo (G) + exportações de bens e serviços não-fatores (X) + variações de estoques (∆est). De outra parte, a OA = DA, ou seja: PIBpm + M = C + FBKF + G + X + ∆est No caso presente, não havendo governo, não há G nem impostos e só existe o PIB a custo de fatores. Então, temos de achar o valor do PIBcf que é igual à Renda Interna Bruta (RIB). Para acharmos a RIB, procedemos da seguinte forma: Renda Nacional líquida (1000) mais RLEE (50) = RIL (1050) + depreciação (5) = RIB = 1055 = PIBcf. Assim, 1055 + 100 = 500 + FBKF + 200 + 80 FBKF = 375. Logo, a resposta é a letra a.
  • 2. 2 2. (AFRF-2002.2) No ano de 2000, a conta de produção do sistema de contas nacionais no Brasil apresentou os seguintes dados (em R$1.000.000,00): Produção: 1.979.057 Consumo intermediário: 1.011.751 Impostos sobre produto: 119.394 Imposto sobre importação: 8.430 Produto interno bruto: 1.086.700 Com base nestas informações, o item da conta “demais impostos sobre produto”, foi: a) 839.482 b) 74.949 c) 110.964 d) 128.364 e) 66.519 Solução: Este tipo de questão tem caído bastante, quando se trata de “contabilidade nacional e estão sempre pedindo para calcular um dos valores listados na questão. A fórmula geral para resolver este tipo de questão (e que você deve saber de cor) é a seguinte: Produto interno bruto = produção – consumo intermediário + impostos sobre produto. Os impostos sobre produto são compostos de impostos indiretos (IPI + ICMS + imposto sobre importação). No caso presente, como foram dados os valores dos impostos sobre produtos e discriminado apenas o imposto sobre importação, fica fácil achar o valor dos “demais impostos”: basta subtrair dos impostos sobre produto o imposto sobre importação, encontrando: 119.394 – 8.430 = 110.964 Logo, a resposta é a letra c. 3. (Esaf-APO-MP-2005) Considere os seguintes dados de um sistema de contas nacionais, que segue a metodología do sistema adotado no Brasil, em unidades monetárias: - Produção = 1200 - Importação de bens e serviços = 60 - Impostos sobre produtos = 70 - Consumo final = 600 - Formação bruta de capital fixo = 100 - Variação de estoques = 10 - Exportações de bens e serviços = 120. Com base nessas informações, o consumo intermediário é igual a: a) 500 b) 400 c) 450 d) 550 e) 600 Solução: Lembre-se do que dissemos na questão anterior: a fórmula para este tipo de questão – que, como foi dito, tem caído muito nas provas de Economia – é a seguinte: Produto interno bruto = produção – produção intermediária + imposto s sobre produto.
  • 3. 3 Para resolver esta fórmula, temos de ter o valor do PIB que, pelos dados do problema, pode ser assim encontrado: PIB + importações = C + FBKF + G + X + ∆est PIB + 60 = 600 + 100 + 120 + 10 (não há G). PIB = 770. Ssubstituindo este valor na fórmula anterior: 770 = 1200 – consumo intermediário + 70 Consumo intermediário = 500 Logo, a resposta é a letra a. 4. (AFRF-2002.2) No ano de 1999, a conta de capital do sistema de contas nacionais no Brasil apresentou os seguintes dados (R$1.000.000,00): Poupança bruta: 149.491 Formação bruta de capital fixo: 184.087 Variação de estoques: 11.314 Transferências de capital recebida do resto do mundo: 91 Transferências de capital enviada para o resto do mundo: 29 Com base nessas informações, é correto afirmar que a necessidade de financiamento foi igual a: a) 334.566 b) 45.848 c) 80.414 d) 11.282 e) 195.401 Solução: Este é outro tipo de questão que está sempre caindo nas provas de Economia. Para resolver, você deve colocar do lado esquerdo os investimentos e do lado direito as poupanças, assim: Investimentos Poupanças FBKF = 184.087 Poupança bruta = 149.491 Var. estoques = 11.314 Transf. de cap. Resto do mundo = 91 Transf. de cap. p/ resto mundo = -29 Total = 195.401 Total = 149.553 Como os dois lados da tabela acima têm de apresentar valores totais iguais, constata-se que há uma diferença de poupança igual a 195.401 – 149.553 = 45.848. Esta é, então, a “necessidade de financiamento”. Logo, a resposta é a letra b. 5. (AFRF-2002.2) Considere: . Curva de demanda agregada derivada do modelo IS/LM .Curva de oferta agregada de longo prazo horizontal .Curva de oferta agregada de curto prazo vertical. Considere a ocorrência de um choque adverso de oferta como, por exemplo, uma elevação nos preços internacionais do petróleo. Supondo que este choque não desloca a curva de oferta de longo prazo, é correto afirmar que:
  • 4. 4 a) Uma elevação na demanda tenderá a intensificar a queda no produto que decorre do choque de oferta. b) O choque adverso de oferta aumenta os custos e, portanto, os preços. Se não houver alterações na demanda agregada, teremos uma combinação, no curto prazo, de preços crescentes com redução do produto. No longo prazo, com a queda dos preços, a economia retornará ao seu nível de pleno emprego. c) Se não ocorrer deslocamentos na curva de demanda agregada, o choque de oferta causará deflação. d) O choque de oferta alterará apenas o produto de pleno emprego. e) Não ocorrerá alterações nem nos preços, nem no nível do produto, tanto no curto quanto no longo prazo, uma vez que, se o choque de oferta não desloca a curva de oferta de longo prazo, também não deslocará a curva de oferta de curto prazo. Solução: Este é o típico modelo clássico. Caso haja algum choque de oferta (aumentos abruptos de custos, como o aumento dos preços do petróleo, mencionado nesta questão), os preços devem se elevar no curto prazo. Graficamente, a curva de oferta vertical se desloca para a esquerda, cortando a curva de demanda agregada (DA) num ponto mais elevado e reduzindo o produto de equilíbrio e elevando os preços no curto prazo. Com o passar do tempo, no entanto, com preços e salários flexíveis, tudo volta ao nível original, definido pela curva de oferta de oferta horizontal. Assim considerado, vejamos as afirmativas da questão: i) a letra a está errada porque, com uma curva de oferta vertical, um aumento da DA desloca esta curva para a direita, porém ela continua interceptando a curva de oferta vertical no mesmo nível de produto (Y) de equilíbrio – não intensificando, assim, o efeito do choque de oferta. ii) a letra b está correta e responde à questão. iii) Pelo que se disse acima, as demais alternativas estão erradas. 6. (AFRF-2003) Não fazem parte do ativo do balancete consolidado dos bancos comerciais: a) Os encaixes em moeda corrente b) Os redescontos e demais recursos provenientes do Banco Central c) Os empréstimos ao setor público d) Os empréstimos ao setor privado e) Os títulos privados. Solução: Todas as alternativa desta questão – exceto a descrita na letra b – são, tecnicamente, aplicações ou destino dos recursos que vêm do passivo. Já os descontos e outros recursos que o Banco Central fornece aos bancos comerciais fazem parte do passivo dos bancos comerciais. Logo, a resposta é a letra b. 7. (AFRF-2003) Considere uma economia hipotética aberta e sem governo. Suponha os seguintes dados, em unidades monetárias: - renda líquida enviada ao exterior = 100 - soma dos salários, juros, lucros e aluguéis = 900 - importações de bens e serviços não-fatores = 50 - depreciação = 10 - exportações de bens e serviços não-fatores = 100
  • 5. 5 - formação bruta de capital fixo mais variação de estoques = 360 Com base nestas informações e considerando a identidades macroeconômicas de um sistema de contas nacionais, é correto afirmar que a renda nacional líquida e o consumo pessoal são, respectivamente: a) 950 e 600 b) 900 e 500 c) 900 e 600 d) 850 e 550 e) 800 e 500 Solução: A soma de salários + juros + aluguéis + lucros = 900, corresponde ao produto interno líquido a custo de fatores – que é igual, por definição, à renda interna líquida (RIL). Subtraindo-se da RIL a renda líquida enviada ao exterior (100) encontramos a “renda nacional líquida” (RNL) = 800. Para encontrarmos o consumo pessoal, temos de usar a fórmula já vista atrás: OA = DA, ou seja: PIB + M = C + FBKF + G + X + ∆est O PIB = RIL (900) + depreciação (10) = 910. Assim: 910 + 50 = C + 360 + 100 (não há G nem variação de estoques!) Ou, C = 500. Logo, a resposta é a letra e. Vale observar que o gabarito oficial deu como correta a letra c, mas, como se pode ver pelas contas acima, o correto é a letra e. 8. (AFRF-2002) Suponha uma economia hipotética que produza apenas 2 bens finais: A e B. Considere a tabela a seguir: Ano bem A bem B Preço Quantidade Preço Quantidade 1 2,00 10 3,50 15 2 2,50 12 4,83 10 Com base nestas informações e utilizando-se o índice de preços de Laspeyres, é correto afirmar que, entre os períodos 1 2: a) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 8% e o produto real não apresentou variação. b) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 12% e o produto real uma variação negativa de 19,65%, aproximadamente. c) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 8% e o produto real uma variação negativa de 8,33%, aproximadamente. d) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 8% e o produto real uma variação positiva de 2,5%. e) O produto nominal apresentou uma variação positiva de 8% e o produto real uma variação negativa de 19,66%, aproximadamente. Solução: O critério ou fórmula de Laspeyres para o cálculo de variações de preços é expressa por:
  • 6. 6 Lto . tj = ∑ QoPj ∑ QoPo Onde, to = ano base tj = ano atual QoPo = quantidades e preços vigentes no ano base. QoPj = quantidades vigentes no ano base e preços vigentes no ano atual. Ou seja, pela fórmula de Laspeyres, o índice de preços toma como constantes as quantidades produzidas nos dois anos (igual à do ano base), fazendo distinção apenas entre os preços vigentes nos dois anos. Assim, aplicando o índice de preços de Laspeyres nos dados da questão, temos: Σ QoPj = 10 x 2,50 + 15 x 4,83 = 97,45 Σ QoPo = 10 x 2,00 + 15 x 3,50 = 72,50 Dividindo-se 97,45 por 72,50 encontramos 1, 344. Logo, a taxa de inflação entre o ano 1 e o ano 2 foi de 34,4%. Vamos, agora, achar o valor do produto nominal no ano 1 e no ano 2: Ano 1: 10 x 2 + 3,50 x 15 = 72,50 Ano 2: 2,50 x 12 + 4,83 x 10 = 78,30 Para acharmos a taxa de crescimento nominal entre os dois anos, dividimos 78,30 por 72,50, encontrando 1,08. Logo, houve um crescimento nominal de 8%. Para acharmos a taxa de crescimento (ou queda) real do Ano 2 em relação ao Ano 1, temos de deflacionar o valor do produto nominal do Ano 2 pela taxa de inflação (dividindo por 1,344), assim: 97,45/1,344 = 58,40 Agora, o produto do Ano 2 é “real”, estando medido aos preços do Ano 1. E verifica-se que, em termos reais, o produto do Ano 2 é menor que o do Ano 1. Para sabermos de quanto foi a queda real, dividimos o produto real do Ano 2 pelo produto do Ano 1, assim: 58,40/72,50 = 0,8055 (0,80,55–1) x 100 = -19,45 Logo, a reposta é a letra e. 9. (AFRF-2002) Considere o modelo a seguir, também conhecido como modelo IS/LM para uma pequena economia aberta com livre mobilidade de capital: Y = C(Y-T) + I(r) + G + NX(e) M/P= L(r,Y); Lr < 0 e Ly >0 r = r* Onde, Y = produto; (T-Y) = renda disponível; C = Consumo; I = Investimento; G = Gastos de governo; NX = exportações líquidas; e = taxa de câmbio; r = taxa de juros; M/P = oferta de saldos monetários reais;
  • 7. 7 L(r,Y) = demanda de saldos monetários reais; Lr = derivada parcial da função demanda de saldos monetários reais em relação à taxa de juros; Ly = derivada parcial da função demanda de saldos monetários reais em relação à renda; r* = taxa de juros mundial. Com base neste modelo, é incorreto afirmar que: a) O modelo é compatível com a hipótese de perfeita mobilidade de capital. b) Um aumento dos gastos do governo não exerce influência sobre a renda agregada quando as taxas de câmbio são flutuantes. c) Os efeitos tanto da política monetária quanto fiscal dependem do regime cambial adotado. d) No modelo a curva LM é positivamente inclinada. e) Uma expansão monetária exerce influência sobre a renda, se a economia trabalha com um regime de taxas de câmbio fixas. Solução: Este é o nosso conhecido modelo de Mundell-Fleming – para o sistema IS-LM com uma economia aberta. Como já vimos em nossa Aula 9 de Economia 1, este modelo prevê perfeita mobilidade de capital – o que faz com que a taxa de juros interna (r) seja igual à taxa de juros externa (r*). Também sabemos da análise deste modelo, que, num regime de taxas de câmbio flutuantes, a política monetária é a única eficaz para alterar o nível da renda ou produto de equilíbrio; enquanto que, num regime de câmbio fixo, a política fiscal é a única eficaz para aquele fim. Assim, analisando as afirmativas propostas, verifica-se que a opção contida na letra e é claramente incorreta e, como tal, responde à questão. No entanto, vale observar que, no gráfico do modelo Mundell-Fleming, aparece no eixo horizontal os valores do produto – Y, enquanto no eixo vertical aparece a taxa de câmbio (e), em lugar da taxa de juros (r). Assim, como na equação da LM a taxa de câmbio não aparece, a curva LM é desenhada, sempre, verticalmente no modelo Mundell-Fleming. Assim, a rigor, a alternativa d também está errada. Mas, como temos de escolher apenas uma alternativa, ficamos com a letra e sobre a qual não paira dúvidas. Logo, a resposta é a letra e. 10. (Esaf- APO/MPOG-2002) Considere os seguintes dados para uma economia hipotética, em unidades monetárias e num determinado período de tempo: - déficit comercial = 100 - transferências unilaterais recebidas = 10 - saldo líquido positivo do movimento de capitais autônomos = 100 Considerando que o saldo total do Balanço de Pagamentos foi nulo e supondo a ausência de erros e omissões, é correto afirmar: a) o balanço de serviços apresentou saldo negativo de 110 e o saldo em transações correntes foi deficitário em 110. b) O saldo do balanço de sérvios foi nulo e o saldo em transações correntes foi deficitário em 90. c) O balanço de serviços apresentou saldo negativo de 10 e o saldo em transações correntes foi deficitário em 100. d) O saldo do balanço de serviços foi nulo e o saldo em transações correntes foi deficitário em 110. e) O saldo do balanço de serviços foi igual ao saldo em transações correntes.
  • 8. 8 Solução: Lembre-se de que o resultado do Balanço de Pagamentos é dado pela soma do saldo da balança de transações correntes (BTC) + o saldo da conta de capitais autônomos. Como o resultado do BP = 0 e como a conta de capitais autônomos teve um saldo positivo de 100, o saldo da BTC foi, obrigatoriamente, negativo em 100. Assim, como o saldo da conta comercial (-100) + o saldo da conta de serviços (+10) foi de –90, então a conta de serviços apresentou um saldo negativo de 10. Logo, a resposta é a letra c. 11. (AFC/STN-ESAF-2005) Com relação ao conceito de produto agregado, é incorreto afirmar que: a) o produto agregado a preços de mercado é necessariamente maior do que o produto agregado a custo de fatores. b) O produto agregado pode ser considerado como uma “variável-fluxo" c) É possível uma elevação do produto agregado nominal junto com uma queda no produto real. d) O produto agregado pode ser entendido como a renda agregada da economia. e) O produto interno bruto pode ser menor do que o produto nacional bruto. Solução: Este é o tipo de questão que a gente deve torcer para cair na nossa prova, de tão trivial que é. Senão vejamos: - A opção a está incorreta porque, caso os subsídios sejam maiores que os impostos indiretos (algo surrealista, mas possível!), o produto a preços de mercado torna-se menor que o produto a custo de fatores. - A opção b está correta: produto agregado começa a ser medido no dia 1° de janeiro de um ano e é encerrado no dia 31/dezembro deste mesmo ano. Logo é uma variável-fluxo pois ocorre num período e não em uma data específica. - O produto nominal pode crescer, sim, enquanto cai o produto real. Um exemplo disso foi o problema que nós resolvemos na questão 8, acima. - Em macroeconomia, o valor do produto agregado é, por definição, igual ao valor da renda agregada. Assim, a alternativa d está correta. - A letra e está correta: se um país recebe mais renda do exterior do que envia para o exterior, seu PNB é maior que seu PIB. Logo, a resposta é a letra a. 12. (Esaf-AFC/STN – 2005) No modelo IS/LM sem os denominados casos clássico e keynesiano, a demanda por moeda: a) Não varia com a renda e com a taxa de juros. b) Não depende da renda. c) Só depende da taxa de juros quando esta taxa produz juros reais negativos. d) É inversamente proporcional à renda. e) É inversamente proporcional à taxa de juros. Solução: Para responder esta questão, é preciso que você releia o texto de nossa Aula 8, da Economia 1. De toda forma, vamos lá:
  • 9. 9 a) No modelo IS-LM, a demanda por moeda é uma função positiva do nível de renda (para transações) e uma função inversa da taxa de juros (para especulação). Assim, a opção a está errada. b) Pela explicação dada na letra (a) anterior, as opções b, c e d estão erradas. c) Resta, assim, a letra e como resposta da questão. Porém, devemos fazer uma ressalva: não se trata de uma relação inversamente proporcional à taxa de juros e, sim, simplesmente, uma relação inversa à taxa de juros. Diz-se que a relação é proporcional quando as duas variáveis se alteram na mesma proporção ou no mesmo percentual (exemplo, ambas variam 10% por cento). Mas, como não resta outra alternativa melhor, ficamos com esta letra e. Logo, a resposta é a letra e. 13. (Esaf-AFC/STN -2005) Considere um regime de câmbio fixo. Seja a taxa de câmbio representada pela letra “e” e considere o conceito de taxa de câmbio utilizado no Brasil. Suponha que o Banco Central fixe a taxa de câmbio em “e1”. Com base nessas informações, é correto afirmar que: a) O Banco Central é obrigado a comprar qualquer demanda por moeda estrangeira a uma taxa menor que “e1”. b) Não é possível utilizar a política fiscal. c) Se existem pressões no mercado de câmbio para uma taxa maior do que e1 o Banco Central deverá vender a moeda estrangeira à taxa e1. d) O Banco Central não precisa intervir no mercado cambial uma vez que o regime de câmbio fixo é determinado por lei. e) Se o mercado sinaliza para uma taxa maior do que e1, o Banco Central deve emitir moeda para manter a taxa fixa. Solução: A regra é: Quando um país adota um regime de câmbio fixo, o Banco Central é obrigado a vender e a comprar qualquer quantidade de divisa estrangeira à taxa que ele mesmo fixou. Assim: i) A letra a está incorreta; ii) Como já foi visto na questão 9, num regime de câmbio fixo, somente á política fiscal é eficaz. Logo, a opção b também está incorreta. iii) Pelo que afirmamos anteriormente, a opção c está correta. iv) A letra d não tem nem sentido lógico. Está errada. v) Não existe a relação mencionada na letra e. Logo, a resposta correta é a letra c. 14. (Esaf-AFTN-1998) O governo pode afetar a demanda agregada usando uma política fiscal recessiva quando: a) Diminui os gastos do governo e/ou aumenta os impostos. b) Aumenta os dispêndios governamentais. c) Aumenta o nível da renda e a taxa de juros. d) Aumenta o nível de impacto fiscal a um nível de renda de pleno emprego. e) Aumenta os gastos públicos e diminui os impostos, introduzindo um diminuição no consumo.
  • 10. 10 Solução: Como já sabemos dos modelos keynesianos, todas as medidas listadas nas alternativas b, c, d e e são expansionistas, isto é, aumentam a demanda agregada da economia. A única que não tem esta característica é a letra a. Logo, a resposta é a letra a. 15. (Esaf-Gestor-2003) Considere os seguintes dados extraídos da Conta de Produção do Sistema de Contas Econômicas Integradas: - Produção: 1.323.410.847 - Produto Interno Bruto: 778.889.727 - Imposto de importação: 4.183.987 - Demais impostos sobre produtos: 79.736.442 Com base nestas informações, é correto afirmar que o consumo intermediário é: a) 628.444.549 b) 632.628.536 c) 600.000.000 d) 595.484.200 e) 550.000.003 Solução: Mais um exemplo de um tipo de questão que tem se tornado repetitivo nas provas de Economia. Como já dissemos anteriormente (veja questões 2 e 3, acima), a fórmula para responder este tipo de questão é: Produto interno bruto = produção – consumo intermediário = impostos sobre produtos. No caso presente, os impostos sobre produtos foram abertos em “imposto de importação” e “demais impostos sobre produtos”. Assim, temos: 778.889.727 = 1.323.410.847 – consumo intermediário + 4.183.987 + 79.736.442 Consumo intermediário = 628.444.549. Logo, a reposta é a letra a. 16. (Esaf-Gestor-2003) Considere os seguintes dados extraídos da Conta de Bens e Serviços do Sistema de Contas Econômicas Integradas: - Produção: 1.323.410.847 - Importação de bens e serviços: 69.310.584 - Impostos sobre produtos: 83.920.429 - Consumo intermediário: 628.444.549 - Consumo final: 630.813.704 - Variação de estoques: 12.903.180 - Exportações de bens e serviços: 54.430.127 Com base nessas informações, é correto afirmar que a formação bruta de capital fixo é igual a: a) 150.050.300 b) 66.129.871 c) 233.970.729 d) 100.540.580 e) 200.000.000 Solução: Para acharmos a FBKF, usamos a equação da OA = DA, ou seja: PIB + M = C + FBKF + G + X + ∆est.
  • 11. 11 Temos, assim, de achar o valor do PIB através daquela já nossa bastante conhecida equação: PIB = produção – consumo intermediário + impostos sobre produto Ou: PIB = 1.323.410.847 – 628.444.549 + 83.920.429 PIB = 778.889.727 Assim: 778.889.727 + 69.310.584 = 630.813.704 + FBKF + 54.430.127 + 12.903.180 E, FBKF = 150.050.300 Logo, a resposta é a letra a. 17. (Esaf-Gestor-2003) Considere que as exportações brasileiras dependam da taxa de câmbio real calculada a partir da relação entre o real e o dólar e considerando as taxas de inflação no Brasil e Estados Unidos da América. É então correto afirmar que: a) A inflação americana tende a desestimular as exportações brasileiras. b) Tudo o mais constante, a inflação brasileira tende a estimular as exportações brasileiras. c) Tudo o mais constante, uma desvalorização do dólar frente ao real tende a estimular as exportações brasileiras. d) Tudo o mais constante, uma desvalorização do real frente ao dólar tende a desestimular as exportações brasileiras. e) Tudo o mais constante, a inflação americana tende a estimular as exportações brasileiras. Solução: i) Caso a inflação americana implique em desvalorização do dólar perante o real, isto é, o dólar compraria menos produtos brasileiros cotados em real, tal fato tenderia a reduzir as importações americanas de produtos brasileiros. Mas, mantida a taxa de câmbio, o fato de os preços nos Estados Unidos estarem mais altos em dólares, tende a aumentar as exportações brasileiras para aquele país. ii) A inflação brasileira tende a estimular os exportadores a vender no mercado doméstico, e as exportações brasileiras tenderia a se reduzir. A letra b está errada. iii) Se o dólar perder valor frente ao real, as exportações brasileiras tenderão a se reduzir. Logo, a alternativa c está incorreta. iv) Com uma desvalorização do real frente ao dólar, a moeda americana estará valorizada, isto é, pode comprar mais produtos brasileiros que antes. As exportações tendem a aumentar. A afirmativa d está errada. v) Se consideramos a alternativa a errada, então, por conclusão a alternativa e está correta. Logo, a opção e é a resposta. 18. (Esaf-AFC/STN-2002) Não faz(em) parte do balancete consolidado do sistema monetário:
  • 12. 12 a) Empréstimos dos bancos comerciais ao setor privado. b) Reservas internacionais. c) Empréstimos do Banco Central ao setor privado. d) Papel-moeda em poder do público. e) Aplicações dos bancos comerciais em títulos públicos e privados. Solução: Há um engano do examinador na formulação desta questão: Na verdade, todos os itens fazem parte do balancete consolidado do sistema monetário. Só que todos os itens, exceto a opção d, fazem parte do ativo do sistema monetário. De fato, a letra d é a única que faz parte do passivo. A proposição correta seria: “Não faz parte do Ativo do balancete consolidado do sistema monetário”...: 19. (Esaf-AFC-STN-2002) Considere: c = papel-moeda em poder do público/meios de pagamentos d = depósitos à vista nos bancos comerciais/meios de pagamento R = encaixes totais dos bancos comerciais/depósitos à vista nos bancos comerciais. Sabendo-se que c = d e R = 0,3, pode-se afirmar que o valor do multiplicador será de, aproximadamente: a) 1,2234 b) 2,1023 c) 1,9687 d) 1 e) 1,5385. Solução: Se Meios de pagamento = papel-moeda em poder do público (PMP) mais Depósitos à vista do público nos bancos comerciais (DV) e se c = PMP/MP e se d = DV/MP e, mais ainda, se c = d, então c = d = 0,5. Sabendo que R = taxa de encaixe total dos bancos comerciais, então o multiplicador dos meios de pagamento é dado por: k = 1/1-d (1-R) >> k = 1/1-0,5 (1-0,3) >> k = 1/0,65 >> k = 1,5385 Logo, a resposta é a letra e. 20. (Esaf-Gestor-2005) Considere os seguintes dados de um sistema de contas nacionais que segue a metodologia do sistema adotado no Brasil, em unidades monetárias: - Produção: 1.300 - Importação de bens e serviços: 70 - Imposto sobre produtos: 85 - Consumo intermediário: 607 - Consumo final: 630 - Variação de estoques: 13 - Exportação de bens e serviços: 55 Com base nessas informações, a formação bruta de capital fixo é igual a: a) 150 b) 100 c) 50 d) 200 e) 250.
  • 13. 13 Solução: Como podem ver, seja em provas de 2002 ou de 2003, ou de 2005, como esta, este tipo de questão está sempre se repetindo. Aqui, como já foi visto, temos de usar a equação da OA = DA, ou seja: PIB + M = C + FBKF + G + X + ∆est Para resolver a questão, temos de achar, antes, o valor do PIB que é dado por: Produto interno bruto = produção – consumo intermediário + impostos sobre produtos Assim: PIB = 1.300 – 607 + 85 PIB = 778 Substituindo este valor na fórmula OA = DA: 778 + 70 = 630 + FBKF + 55 + 13 FBKF = 150 Logo, a resposta é a opção a. 21. (Esaf-AFC/STN-2002) Considere: - A = Poupança privada - B = Investimento privado - C = Poupança externa - D = Déficit público. Com base nas identidades macroeconômicas básicas, é correto afirmar que: a) D = C –A b) D = A –B+C c) D = C-B d) D = B – C e) D = - A-B-C Solução: Se o investimento é igual à poupança total (D + A + C), temos que: Déficit público (D) = à poupança privada (A) mais a poupança externa (C) menos o investimento privado (B). Ou seja, D = A + C – B. Logo, a resposta é a letra b. 21. (AFRF-2003) Com relação ao modelo de crescimento de Solow, é correto afirmar que, no equilíbrio de longo prazo: a) Quanto maior for a taxa de depreciação, maior será o estoque de capital por trabalhador. b) A taxa de crescimento do produto por trabalhador é igual à taxa de depreciação. c) Quanto maior for a taxa de poupança, maior será o consumo por trabalhador. d) Quanto maior for a taxa de crescimento populacional, maior será o estoque de capital por trabalhador. e) Quanto maior a taxa de poupança, maior será o estoque de capital por trabalhador. Solução: A rigor, o modelo de crescimento de Solow não consta do programa do concurso do AFRF. Se se forçar muito a barra, o examinador da ESAF
  • 14. 14 argumentaria que este modelo faz parte da economia intertemporal. Mas, na realidade, não faz, mesmo! No entanto, em praticamente todas as provas de concursos elaboradas pela Esaf, aparece pelo menos uma questão do modelo de Solow. Esta é a razão pela qual resolvemos incluir três questões deste modelo. Quem sabe, com a orientação que damos a seguir, você acerta a resposta. Quem sabe? Mas, veja bem: o modelo de Solow é um tanto complexo, complicado mesmo, cheio de equações confusas para os não-matemáticos. Assim, me parece uma perda de tempo um candidato de concurso – que luta contra o tempo e o relógio – pretender gastar boa parte de seu precioso tempo procurando entender este modelo. Por isso, achei melhor fornecer a você, candidato, algumas dicas e definições importantes sobre as características deste modelo e que, certamente, o ajudarão a resolver qualquer questão sobre Solow que vier na prova e que, por isso mesmo, você deve procurar decorar (e, não necessariamente, entender!). São as seguintes: 1) No modelo de Solow, a taxa de poupança (s) de uma economia determina, no longo prazo, o tamanho do estoque de capital e, também, por conseqüência, o nível do produto desta economia. 2) “Estado estacionário” – corresponde a uma situação de equilíbrio da economia de longo prazo. 3) “Estado estacionário da regra de ouro” corresponde ao nível de capital que maximiza o consumo da população. 4) O modelo de Solow mostra que a taxa de crescimento da população de uma economia é um dos determinantes do padrão de vida no longo prazo. 5) Quanto maior a taxa de crescimento populacional, menor é o produto por trabalhador. 6) Pelo modelo de Solow, somente o progresso tecnológico explica o crescimento de longo prazo. 7) No modelo de Solow, valem as seguintes definições: k = estoque de capital por trabalhador; y = produto por trabalhador = √k, ou seja, o produto por trabalhador é dado pela raiz quadrada do estoque de capital. s = taxa de poupança da economia; ∂ = taxa de depreciação do estoque de capital. Com estes esclarecimentos e com estas simbologias, pode-se deduzir que a única alternativa correta dentre as opções da questão 21 é a letra e. Logo, a resposta é a letra e. 22. Com relação ao modelo de Solow, é incorreto afirmar: a) O estado estacionário que maximiza o consumo é aquele definido pela denominada “regra de ouro”. b) A taxa de poupança determina a quantidade do estoque de capital por trabalhador e, portanto, o nível do produto por trabalhador no estado estacionário.
  • 15. 15 c) Quanto maior a taxa de poupança, maior o bem-estar da sociedade. d) O estado estacionário pode ser considerado como um equilíbrio de longo prazo. e) Somente o progresso tecnológico explica o crescimento de longo prazo. Solução: Pelo que foi resumido na solução da questão 21, anterior, a resposta que está incorreta é a letra c. Logo, a resposta é a letra c. 25. Considere os seguintes dados para o modelo de crescimento de Solow: k = estoque de capital por trabalhador δ = taxa de depreciação y = produto por trabalhador s = taxa de poupança. 0,5 Sabendo-se que y = (k) , δ = 0,1 e s = 0,4, os níveis de k e y no estado estacionário serão, respectivamente: a) 16 e 4 b) 16 e 8 c) 4 e 16 d) 4 e 8 e) 4 e 12. Solução: Parece até que estes números foram retirados do próprio texto onde Solow expõe seu modelo de crescimento. Há mais uma ou duas questões em outras provas passadas semelhantes a esta, com variação apenas dos números. O padrão de solução para esta questão é: k/√k = s/ δ ou, k/√k = 0,4/01 >> k/√k = 4 Elevando-se ambos os lado desta última equação ao quadrado, temos: k2/k = 16 >> k = 16 e y = √k = √16 = 4. Ou seja, k = 16 e y = 4. Portanto, a resposta é a letra a. ______________________ THAT’S ALL! >>> B O A S O R T E!!!<<<