SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                               Campus Ribeirão das Neves
                                  Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                           Disciplina de Introdução à Economia



         Respostas – Capítulo 1: Dez princípios de economia

                           Questões para revisão

1) Dê três exemplos de trade-off importantes com que você se depara na
vida.

Trade-off entre dormir mais ou ir trabalhar mais cedo.
Trade-off entre comprar uma moto nova ou ir viajar.
Trade-off entre fazer hora extra ou chegar mais cedo em casa.

2) Qual o custo de oportunidade de assistir a um filme de cinema?

O custo de oportunidade será composto pelos custos financeiros de ir e assistir
ao filme (custo do transporte, preço do ingresso, etc..) somados aos custos não
financeiros da escolha (o tempo que você usou para poder ir e assistir o filme,
o benefício ou bem-estar que poderia ser “adquirido” caso você decidisse fazer
outra atividade, etc..).
Ou seja, o custo de oportunidade engloba tudo que você teve que abdicar para
poder efetivar a escolha de ir ao cinema.

3) A água é necessária para a vida. O benefício marginal de um copo de
água é grande ou pequeno?

Como o beneficio marginal (beneficio extra que a próxima unidade que você
consumir gerará) de qualquer bem depende da quantidade deste bem que você
já consumiu ou possui, o beneficio marginal de um copo de água vai depender
da facilidade de acesso e necessidade relacionada ao consumo dele.
Em situações normais do cotidiano, este beneficio marginal deve ser relativa-
mente baixo dado que existe água em abundância para consumo. Por exem-
plo, é mais comum ver pessoas passando fome do que sede.
Em situações incomuns e extremas, como no caso de você ficar perdido em
um deserto onde a água seja escassa e você possa ser privado de acesso à
água por longos períodos de tempo, é de se esperar que a utilidade marginal
de um copo de água seja alta.

4) Porque os formuladores de políticas devem pensar sobre os incenti-
vos?

Porque políticas alteram os custos e benefícios para asa pessoas ou mudam a
forma como os indivíduos valiam estes custos e benefícios. Assim, quando
formuladores de políticas deixam de considerar que políticas podem alteram
incentivos eles podem gerar consequências indesejadas.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                                Campus Ribeirão das Neves
                                   Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                            Disciplina de Introdução à Economia



5) Por que o comércio entre países não é como um jogo, em que alguns
vencem e outros perdem?

Pelo fato de que todos podem ser beneficiados pelo comércio devido a três
fatores básicos:
     O comércio permite que os indivíduos tenham a cesso a uma maior di-
       versidade de bens. Sem comércio alguns indivíduos não teriam acesso a
       determinados bens.
     O comércio permite que cada um dos indivíduos se especializem em ati-
       vidades em que tem maior proficiência e produtividade fazendo com que
       o número de bens disponíveis seja maior que na situação de inexistên-
       cia de comércio.
     O comércio permite que por meio da competição cada indivíduo busque
       realizar seu melhor na atividade que realiza (seja o mais eficiente possí-
       vel) para poder garantir sua capacidade de adquiri bens e manter ou
       aumentar seu nível de bem estar.

6) O que a “mão invisível” do mercado faz?

Conduz os interesses particulares de maneira que seja promovido o bem estar
econômico geral.
A constatação de Adam Smith na realidade é de que indivíduos se deixados a
agir em prol de seus próprios interesses e benéficos, ao interagirem em merca-
dos, frequentemente findam por promover o interesse ou bem estar econômico
da sociedade como um todo, e muitas vezes de modo mais eficaz do que fari-
am se realmente tivesse o objetivo de fazê-lo. Quase como se uma “mão invi-
sível” conduzisse estes indivíduos a tal fim.

7) Explique as duas principais causas de falhas de mercado e dê um e-
xemplo de cada.

Externalidades: Seria o impacto das ações de um indivíduo sobre o bem-estar
de outros que não tomam parte da ação.
Ex: Uma empresa polui o rio que fornece água para uma comunidade durante
suas operações de produção de bens, gerando um custo para a comunidade
como um todo.

Poder de mercado: É a capacidade de um agente econômico de influenciar de
forma significativa os preços de mercado.
Ex: Varias pessoas precisam de remédio para curar câncer se um única em-
presa é capaz de produzir este remédio ela poderá influenciar os preços para
cima em busca de benefício próprio e à custa da sociedade.

8) Por que a produtividade é importante?
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                                 Campus Ribeirão das Neves
                                    Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                             Disciplina de Introdução à Economia



Dado que produtividade é a quantidade de bens e serviços que somos capazes
de produzir dada uma quantidade de insumo (ou por unidades de insumo), te-
mos que o bem estar de um país, indivíduo ou localidade depende de sua pro-
dutividade.
Com isso, toda mudança ou melhoria de bem estar seria dada pela alteração
de produtividade, sendo este um conceito chave para entender diferenças ou
melhoria de bem estar de indivíduos e países.

9) O que é inflação e quais suas causas?

Inflação é o aumento progressivo e generalizado de preços.
A inflação elevada e persistente na maioria dos casos teria origem no aumento
excessivo da quantidade de moeda.

10) Como a inflação e o desemprego estão relacionados no curto prazo?

Existe uma relação inversa ou trade-off entre desemprego e inflação no curto
prazo.


                           Problemas e aplicações

1) Descreva alguns trade-offs enfrentados nas seguintes situações:
a. Uma família decidindo se compra um carro novo.

Trade-off entre comprar o carro ou viajar no final do ano.

b. Um membro do Congresso decidindo quanto gastar nos parques na-
cionais.

Trade-off entra gastar mais recursos nos parques ou gastar mais no sistema de
educação.

c. O presidente de uma empresa decidindo se abre uma nova fábrica.

Trade-off entre abrir nova fabrica ou ampliar as fábricas existentes.

d. Um professor decidindo o quanto preparar de matéria para uma aula.

Trade-off entre preparar mais conteúdo para ser ensinado ou realizar mais e-
xercícios em sala.

e. Um recém-formado decidindo se faz pós-graduação.

Trade-off entre fazer pós-graduação ou começar a trabalhar.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                                 Campus Ribeirão das Neves
                                    Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                             Disciplina de Introdução à Economia



2) Você esta tentando decidir se tira férias ou não. A maioria dos custos
se mede em dólares, mas os benefícios são psicológicos. Como se po-
dem comparar os benefícios com os custos?

Primeiro devemos identificar o máximo que estaríamos dispostos a pagar pelos
benefícios esperados a serem gerados pelas férias. Então devemos comparar
este valor com o preço efetivo de tirar estas férias para poder decidir ir ou não.

3) Você pretendia passar o sábado trabalhando, mas um amigo o convida
para jogar futebol. Qual o verdadeiro custo de ir jogar futebol? Agora su-
ponha que você planeja passar o dia estudando. Nesse caso qual é o cus-
to de ir jogar futebol? Explique.

Situação1: Custo de jogar futebol seria deixar de realizar o trabalho que se es-
tava planejando e deixar de ganhar todos os benefícios que você adquiriria se
realmente trabalhasse no sábado. Por exemplo, aumento de remuneração,
promoção de cargo, manutenção do cargo, etc..

Situação 2: Custo de jogar futebol seria deixar de estudar como se estava pla-
nejando e deixar de ganhar todos os benefícios que você adquiriria se realmen-
te tivesse estudado no sábado. Por exemplo, tirar uma nota alta, manter uma
posição de destaque na turma, manter uma bolsa, etc..

4) Você ganhou R$ 100 em um bolão e pode escolher entre gastar o di-
nheiro agora e guardá-lo por um ano, depositando numa conta de pou-
pança que paga juros de 5% ao ano. Qual o custo de oportunidade de
gastar os R$ 100 agora?

O custo seria a remuneração adicional que geraria uma possibilidade de um
consumo maior de bens no futuro.
Sendo que a decisão seria comparar o bem-estar gerado pelos bens que você
pode consumir agora versus o bem-estar gerado pelos bens que você poderá
consumir no futuro.

5) A empresa que você administra investiu R$ 5 milhões no desenvolvi-
mento de um novo produto, mas ele ainda não foi concluído. Em recente
reunião, seu pessoal de vendas relatou que a introdução de produtos
concorrentes reduziu o volume previsto de vendas de seu novo produto
para R$ 3 milhões. Se o custo de completar o desenvolvimento e fazer o
produto fosse de R$ 1 milhão, valeria gastar este dinheiro? Qual o valor
máximo que você deveria pagar para concluir o desenvolvimento?

Dado que os R$ 5 milhões de investimento realizados até agora não desenvol-
veram um “produto acabado” que possa gerar renda de qualquer espécie, po-
demos considerar que até agora estes são irrecuperáveis. Ou seja, se parás-
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                              Campus Ribeirão das Neves
                                 Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                          Disciplina de Introdução à Economia



semos agora os R$ 5 milhões seriam inevitavelmente perdidos em sua integra.
Então serão irrelevantes em termos de comparação benefício/custo.
O que devemos comparar são os custos que podemos decidir ter ou não de
agora em diante (o R$ 1 milhão) frente aos benefícios que podemos ter (os R$
3 milhões).
Assim, comparando o custo potencial de R$ 1 milhão frente ao benefício po-
tencial de R$ 3 milhões, podemos chegar a conclusão de que valeria a pena
investir o dinheiro.
Esta avaliação seria sempre correta desde que os custos não ultrapassassem
o valor do benefício potencial, ou seja, R$ 3 milhões.

6) Três gerentes da Poção Mágica S.A. estão discutindo um possível au-
mento da produção. Cada um sugere uma maneira de tomar esta decisão:
Harry: Devemos verificar se a produtividade de nossa empresa aumenta-
ria ou diminuiria.
Ron: Devemos verificar se nosso custo médio aumentaria ou diminuiria.
Hermione: Devemos verificar se a receita adicional de venda da poção
adicional vai ser maior ou menor do que os custos adicionais.
Quem está certo? Porque?

Harry estaria potencialmente errado dado que embora seja interessante que a
produtividade aumente isso não é o suficiente para tomar a decisão, dado que
estaríamos em situação pior se os custos marginais aumentarem mais que a o
aumento de renda gerado pelo aumento de produtividade.

Ron também está errado dado que mesmo com custo médio aumentando pode
ser que exista possibilidade de melhorar a situação vigente, desde que o au-
mento no custo médio seja inferior ao aumento na receita média; ou seja, des-
de que o aumento adicional de renda seja superior ao aumento adicional de
custo.

Hermione estaria correta dado que enquanto o beneficio marginal (adicional)
for maior que o custo marginal (adicional) haverá margem para aumentar a
produção com o objetivo de aumentar lucro (diferença entre receita e custo).

7) O sistema de seguro social proporciona renda a pessoas com mais de
65 anos de idade. Se um beneficiário do seguro social decidir trabalhar
para obter uma renda extra, o valor dos benefícios que recebe deverá di-
minuir.

a. Como essa decisão do seguro social afeta a decisão de poupar das
pessoas enquanto ainda não tiver completado 65 anos?

O seguro social se estabelece como um incentivo negativo para a decisão de
“poupar para a velhice”. Dado que o objetivo da poupança de garantir o con-
sumo futuro já esta sendo providenciado pela renda gerado pelo seguro social.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                              Campus Ribeirão das Neves
                                 Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                          Disciplina de Introdução à Economia




b. Como a redução do benefício associada a maiores rendimentos afeta a
disposição de as pessoas trabalharem depois de 65 anos?

A redução do valor do seguro social nesta condição se estabelece como um
incentivo negativo para a decisão de trabalhar após 65 anos. Isso ocorre pelo
fato de que só será benéfico trabalhar depois dos 65 anos se a renda gerada
pela atividade for, pelo menos, maior que a redução do beneficio do seguro
social.

8) Ao reformar os programas antipobreza do governo, um recente projeto
de lei limitou, para muitos dos beneficiários dos programas de assistên-
cia social, o período de recebimento para dois anos (diminuição do tempo
do benefício).

a. Como isso afeta os incentivos para trabalhar?

Essa ação se estabelece como um incentivo positivo para a busca por emprego
dado que os custos de “persistir” na situação de desempregado aumentaram.

b. Como isso poderia representar um trade-off entre igualdade e eficiên-
cia?

Esta ação promove a eficiência dado que incentiva a busca por emprego dina-
mizando o mercado de oferta e demanda por trabalho, mas diminui a igualdade
porque não assegura condições de amenizar a situação de “falta de renda” dos
que estão desempregados não garantindo assim condições mínimas de vida
para estes indivíduos.

9) Seu colega de quarto cozinha melhor do que você, mas você é mais
rápido na faxina. Se seu colega sempre cozinhasse e você sempre fizesse
a limpeza, essas tarefas levariam mais ou menos tempo do que se fossem
divididas por igual entre vocês? Dê um exemplo semelhante de como a
especialização e o comércio podem beneficiar dois países.

Ambos levariam menos tempo e realizariam as atividades com melhor nível de
qualidade.
Se um país que tem mais dotações para produzir eletroeletrônicos e o outro
pais mais dotações para produzir alimentos, ambos poderiam se especializar
nestes produtos e depois se beneficiar com o comércio entre eles.

10) Suponhamos que os Estados Unidos adotem o planejamento central
em sua economia e que você se torne o planejador-chefe. Entre milhões
de decisões que você precisa tomar para o próximo ano, estão quantos
CD’s produzir, que artistas vão gravar e que consumidores devem receber
os discos. Para tomar estas decisões de forma inteligente, de que infor-
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                                Campus Ribeirão das Neves
                                   Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                            Disciplina de Introdução à Economia



mações sobre a industria de CD você precisaria? E sobre cada cidadão
do país? Você acha que seria fisicamente possível fazer um bom traba-
lho?

Sobre o mercado seria importante identificar a estrutura de custos das empre-
sas para identificar o custo de cada nível de produção.
Sobre os indivíduos seria necessário identificar o quanto cada indivíduo estaria
disposto a pagar para consumir quantidades determinadas de CD’s.
Após consideradas estas informações seria necessário identificar o nível de
custo de produção compatível com a possibilidade/disponibilidade de pagar dos
indivíduos pela quantidade a ser produzida.
Realizar este planejamento de forma razoável seria laborioso e provavelmente
impraticável dada a complexidade do processo envolvido para obter estas in-
formações.

11) Explique se cada uma das seguintes atividades do governo é motiva-
da pela preocupação com a igualdade ou por uma preocupação com efi-
ciência. Quando a preocupação for com eficiência, discuta o tipo de falha
de mercado em questão.
a. Regulamentação de preços de TV a cabo.

Preocupação com eficiência. Presença de poder de mercado.

b. Dar às pessoas pobres tíquetes que podem ser utilizados para comprar
comida.

Preocupação com igualdade.

c. Proibir que as pessoas fumem em locais públicos.

Preocupação com eficiência. Presença de externalidade.

d. Dividir a Standard Oil (que possui 90% do mercado de petróleo mundi-
al) em várias pequenas empresas.

Preocupação com eficiência. Presença de poder de mercado.

e. Aumentar alíquotas do imposto de renda das pessoas com renda ele-
vada.

Preocupação com igualdade.

f. Aprovação de leis para punir quem dirigir bêbado ou sob efeito de dro-
gas.

Preocupação com eficiência. Presença de externalidade.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                               Campus Ribeirão das Neves
                                  Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                           Disciplina de Introdução à Economia




12) Discuta cada uma afirmativas a seguir do ponto de vista da igualdade
e eficiência.

a. “É preciso garantir a todos os membros da sociedade o melhor atendi-
mento médico possível.”

A intenção de “fornecer o serviço a todos” é buscar mais igualdade e buscar
“fornecer o melhor serviço” é buscar eficiência. Assim, a afirmação chega a
expressar pontos até certo ponto incompatíveis segundo o trade-off que a soci-
edade enfrenta.

b. “Os trabalhadores que são demitidos devem estar qualificados a rece-
ber os benefícios do seguro desemprego até que encontrassem trabalho”.

A afirmação identifica uma ação em direção a maior igualdade ao afirmar a
concessão do seguro até que o indivíduo encontre trabalho.

13) De que maneira o seu padrão de vida é diferente do de seus pais ou
avós quando eles tinham sua idade? O que causou estas mudanças?

Podemos identificar vários pontos de diferença como maior diversidade, acesso
e quantidade de bens que estão disponíveis gerando um nível maior de bem-
estar. Estas são mudanças geradas por alterações do nível de produtividade ao
longo do tempo.

14) Suponhamos que os norte-americanos decidam poupar uma parte
maior da renda que recebem. Se os bancos emprestarem esta poupança
extra para as empresas, que usam estes fundo para construir novas fábri-
cas, como este aumento de poupança poderia levar a um crescimento rá-
pido da produtividade? Quem se beneficiaria da maior produtividade? A
sociedade está obtendo um “almoço gratuito”?

Os recursos disponíveis podem ser utilizados para aumentar a produtividade
por meio de investimentos em produção,inovação, educação, etc..; evento que
beneficiará a sociedade como um todo.
A sociedade não obtém um “almoço gratuito”, pois tem como um todo que se
privar do consumo presente para o crescimento de consumo futuro.

15) Durante a guerra de independência, as colônias americanas não con-
seguiam obter receita pública suficiente para financiar os esforços de
guerra; para compensar essa diferença as colônias decidiram imprimir
mais moeda. Às vezes imprimir mais moeda para cobrir despesas chama-
se “imposto inflacionário”. Quem paga a conta quando mais moeda é im-
pressa? Porquê?
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
                                               Campus Ribeirão das Neves
                                  Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
                                           Disciplina de Introdução à Economia



A sociedade como um todo finda por dividir este ônus por meio dos prejuízos
causados pelo processo inflacionário que resultará desta expansão monetária.

16) Imagine que você é um formulador de políticas tentando decidir se
deve ou não reduzir a taxa de inflação. Para tomar uma decisão inteligen-
te, o que você precisa saber sobre inflação, desemprego e o trade-off en-
tre eles?

É preciso saber que no curto prazo existe um trade-off entre inflação e desem-
prego. Ou seja, se houver um esforço para reduzir inflação é preciso estar
consciente que haverá, pelo menos no curto prazo, um aumento no nível de
desemprego.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Luciano Pires
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Thaís Ferreira
 
I lista de exercícios microeconomica -2011-1
I  lista de exercícios microeconomica -2011-1 I  lista de exercícios microeconomica -2011-1
I lista de exercícios microeconomica -2011-1
jucielima
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Luciano Pires
 
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
EduardoAugusto801381
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Felipe Leo
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Os 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economiaOs 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economia
Alexandre Cunha Gomes
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
Lídia Aguiar
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
Na Silva
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
Felipe Leo
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
Mitsubishi Motors Brasil
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Felipe Leo
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Na Silva
 
Introdução à Economia
Introdução à EconomiaIntrodução à Economia
Introdução à Economia
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
Ivanildo Moreira
 
Cap02
Cap02Cap02
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
Mitsubishi Motors Brasil
 

Mais procurados (20)

Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
 
I lista de exercícios microeconomica -2011-1
I  lista de exercícios microeconomica -2011-1 I  lista de exercícios microeconomica -2011-1
I lista de exercícios microeconomica -2011-1
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
 
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
Cap 1 introdução à economia by gregory mankiw
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Os 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economiaOs 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economia
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Macroeconomia -aula 1
Macroeconomia -aula  1Macroeconomia -aula  1
Macroeconomia -aula 1
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
 
Introdução à Economia
Introdução à EconomiaIntrodução à Economia
Introdução à Economia
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
 
Cap02
Cap02Cap02
Cap02
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
 

Destaque

Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
Luciano Pires
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
Luciano Pires
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
Luciano Pires
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
Luciano Pires
 

Destaque (8)

Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 

Semelhante a Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)

1 2024 - Introdução à economia.pdf Introdução à economia.pdf.pdf.pdf
1 2024 - Introdução à economia.pdf Introdução à economia.pdf.pdf.pdf1 2024 - Introdução à economia.pdf Introdução à economia.pdf.pdf.pdf
1 2024 - Introdução à economia.pdf Introdução à economia.pdf.pdf.pdf
Roxane Dias
 
Aula 1 fundamentos economia 300712
Aula 1   fundamentos economia 300712Aula 1   fundamentos economia 300712
Aula 1 fundamentos economia 300712
Carlos Camargo
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresas
Felipe Pontes
 
Projeto empreendedorismo
Projeto   empreendedorismoProjeto   empreendedorismo
Projeto empreendedorismo
Vtonetto
 
Economia de Empresas para MBA´s
Economia de Empresas para MBA´sEconomia de Empresas para MBA´s
Economia de Empresas para MBA´s
Fernando Bueno Prof_Fernandobueno
 
Educação financeira ao alcance de todos
Educação financeira ao alcance de todosEducação financeira ao alcance de todos
Educação financeira ao alcance de todos
Ronaldo Andrade
 
Como criar uma Startup do Zero (por Matt Montenegro e Rodrigo Stoqui)
Como criar uma Startup do Zero (por Matt Montenegro e Rodrigo Stoqui)Como criar uma Startup do Zero (por Matt Montenegro e Rodrigo Stoqui)
Como criar uma Startup do Zero (por Matt Montenegro e Rodrigo Stoqui)
Moip
 
Resumo de economia -02
Resumo de economia -02Resumo de economia -02
Resumo de economia -02
Cleber de Jesus
 
Educacaofinanceira12220402876989088 1222212919101481 8
Educacaofinanceira12220402876989088 1222212919101481 8Educacaofinanceira12220402876989088 1222212919101481 8
Educacaofinanceira12220402876989088 1222212919101481 8
oleinik
 
Um Vício Pelo Nome Platitude
Um Vício Pelo Nome PlatitudeUm Vício Pelo Nome Platitude
Um Vício Pelo Nome Platitude
BrainstormingBR
 
1 aula dez_principios_de_economia
1 aula dez_principios_de_economia1 aula dez_principios_de_economia
1 aula dez_principios_de_economia
JosueFernandesdaSilv
 
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 6: Projeto Digital
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 6: Projeto DigitalCRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 6: Projeto Digital
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 6: Projeto Digital
Cauê de Souza
 
Economia Sem Truqes 141108
Economia Sem Truqes 141108Economia Sem Truqes 141108
Economia Sem Truqes 141108
Alexsandro Rebello Bonatto
 
Arte de Produzir Melhor
Arte de Produzir MelhorArte de Produzir Melhor
Arte de Produzir Melhor
Cassio Henrique. F. Ramos, CRISC
 
Adm. de Marketing I - Conceitos Centrais
Adm. de Marketing I - Conceitos CentraisAdm. de Marketing I - Conceitos Centrais
Adm. de Marketing I - Conceitos Centrais
SeiZo Soares SeiZo
 
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketingAdm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
SeiZo Soares SeiZo
 
Filosofia enxuta textos
Filosofia enxuta   textosFilosofia enxuta   textos
Filosofia enxuta textos
Éder Wendel Battagiotto
 
Filosofia enxuta textos
Filosofia enxuta   textosFilosofia enxuta   textos
Filosofia enxuta textos
Éder Wendel Battagiotto
 
Respostas avaliacao 1 custo beneficio-valoracao servicos ecossistemicos
Respostas avaliacao 1 custo beneficio-valoracao servicos ecossistemicosRespostas avaliacao 1 custo beneficio-valoracao servicos ecossistemicos
Respostas avaliacao 1 custo beneficio-valoracao servicos ecossistemicos
Diego Ennes
 
Criando valor ao cliente por Mauricio França
Criando valor ao cliente por Mauricio FrançaCriando valor ao cliente por Mauricio França
Criando valor ao cliente por Mauricio França
Mauricio França
 

Semelhante a Respostas mankiw - capítulo 1 (superior) (20)

1 2024 - Introdução à economia.pdf Introdução à economia.pdf.pdf.pdf
1 2024 - Introdução à economia.pdf Introdução à economia.pdf.pdf.pdf1 2024 - Introdução à economia.pdf Introdução à economia.pdf.pdf.pdf
1 2024 - Introdução à economia.pdf Introdução à economia.pdf.pdf.pdf
 
Aula 1 fundamentos economia 300712
Aula 1   fundamentos economia 300712Aula 1   fundamentos economia 300712
Aula 1 fundamentos economia 300712
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresas
 
Projeto empreendedorismo
Projeto   empreendedorismoProjeto   empreendedorismo
Projeto empreendedorismo
 
Economia de Empresas para MBA´s
Economia de Empresas para MBA´sEconomia de Empresas para MBA´s
Economia de Empresas para MBA´s
 
Educação financeira ao alcance de todos
Educação financeira ao alcance de todosEducação financeira ao alcance de todos
Educação financeira ao alcance de todos
 
Como criar uma Startup do Zero (por Matt Montenegro e Rodrigo Stoqui)
Como criar uma Startup do Zero (por Matt Montenegro e Rodrigo Stoqui)Como criar uma Startup do Zero (por Matt Montenegro e Rodrigo Stoqui)
Como criar uma Startup do Zero (por Matt Montenegro e Rodrigo Stoqui)
 
Resumo de economia -02
Resumo de economia -02Resumo de economia -02
Resumo de economia -02
 
Educacaofinanceira12220402876989088 1222212919101481 8
Educacaofinanceira12220402876989088 1222212919101481 8Educacaofinanceira12220402876989088 1222212919101481 8
Educacaofinanceira12220402876989088 1222212919101481 8
 
Um Vício Pelo Nome Platitude
Um Vício Pelo Nome PlatitudeUm Vício Pelo Nome Platitude
Um Vício Pelo Nome Platitude
 
1 aula dez_principios_de_economia
1 aula dez_principios_de_economia1 aula dez_principios_de_economia
1 aula dez_principios_de_economia
 
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 6: Projeto Digital
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 6: Projeto DigitalCRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 6: Projeto Digital
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 6: Projeto Digital
 
Economia Sem Truqes 141108
Economia Sem Truqes 141108Economia Sem Truqes 141108
Economia Sem Truqes 141108
 
Arte de Produzir Melhor
Arte de Produzir MelhorArte de Produzir Melhor
Arte de Produzir Melhor
 
Adm. de Marketing I - Conceitos Centrais
Adm. de Marketing I - Conceitos CentraisAdm. de Marketing I - Conceitos Centrais
Adm. de Marketing I - Conceitos Centrais
 
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketingAdm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
Adm. Marketing I - Conceitos centrais de marketing
 
Filosofia enxuta textos
Filosofia enxuta   textosFilosofia enxuta   textos
Filosofia enxuta textos
 
Filosofia enxuta textos
Filosofia enxuta   textosFilosofia enxuta   textos
Filosofia enxuta textos
 
Respostas avaliacao 1 custo beneficio-valoracao servicos ecossistemicos
Respostas avaliacao 1 custo beneficio-valoracao servicos ecossistemicosRespostas avaliacao 1 custo beneficio-valoracao servicos ecossistemicos
Respostas avaliacao 1 custo beneficio-valoracao servicos ecossistemicos
 
Criando valor ao cliente por Mauricio França
Criando valor ao cliente por Mauricio FrançaCriando valor ao cliente por Mauricio França
Criando valor ao cliente por Mauricio França
 

Mais de Luciano Pires

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Luciano Pires
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
Luciano Pires
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
Luciano Pires
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Luciano Pires
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
Luciano Pires
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
Luciano Pires
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Luciano Pires
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
Luciano Pires
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
Luciano Pires
 

Mais de Luciano Pires (10)

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 

Último

Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 

Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)

  • 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Respostas – Capítulo 1: Dez princípios de economia Questões para revisão 1) Dê três exemplos de trade-off importantes com que você se depara na vida. Trade-off entre dormir mais ou ir trabalhar mais cedo. Trade-off entre comprar uma moto nova ou ir viajar. Trade-off entre fazer hora extra ou chegar mais cedo em casa. 2) Qual o custo de oportunidade de assistir a um filme de cinema? O custo de oportunidade será composto pelos custos financeiros de ir e assistir ao filme (custo do transporte, preço do ingresso, etc..) somados aos custos não financeiros da escolha (o tempo que você usou para poder ir e assistir o filme, o benefício ou bem-estar que poderia ser “adquirido” caso você decidisse fazer outra atividade, etc..). Ou seja, o custo de oportunidade engloba tudo que você teve que abdicar para poder efetivar a escolha de ir ao cinema. 3) A água é necessária para a vida. O benefício marginal de um copo de água é grande ou pequeno? Como o beneficio marginal (beneficio extra que a próxima unidade que você consumir gerará) de qualquer bem depende da quantidade deste bem que você já consumiu ou possui, o beneficio marginal de um copo de água vai depender da facilidade de acesso e necessidade relacionada ao consumo dele. Em situações normais do cotidiano, este beneficio marginal deve ser relativa- mente baixo dado que existe água em abundância para consumo. Por exem- plo, é mais comum ver pessoas passando fome do que sede. Em situações incomuns e extremas, como no caso de você ficar perdido em um deserto onde a água seja escassa e você possa ser privado de acesso à água por longos períodos de tempo, é de se esperar que a utilidade marginal de um copo de água seja alta. 4) Porque os formuladores de políticas devem pensar sobre os incenti- vos? Porque políticas alteram os custos e benefícios para asa pessoas ou mudam a forma como os indivíduos valiam estes custos e benefícios. Assim, quando formuladores de políticas deixam de considerar que políticas podem alteram incentivos eles podem gerar consequências indesejadas.
  • 2. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 5) Por que o comércio entre países não é como um jogo, em que alguns vencem e outros perdem? Pelo fato de que todos podem ser beneficiados pelo comércio devido a três fatores básicos:  O comércio permite que os indivíduos tenham a cesso a uma maior di- versidade de bens. Sem comércio alguns indivíduos não teriam acesso a determinados bens.  O comércio permite que cada um dos indivíduos se especializem em ati- vidades em que tem maior proficiência e produtividade fazendo com que o número de bens disponíveis seja maior que na situação de inexistên- cia de comércio.  O comércio permite que por meio da competição cada indivíduo busque realizar seu melhor na atividade que realiza (seja o mais eficiente possí- vel) para poder garantir sua capacidade de adquiri bens e manter ou aumentar seu nível de bem estar. 6) O que a “mão invisível” do mercado faz? Conduz os interesses particulares de maneira que seja promovido o bem estar econômico geral. A constatação de Adam Smith na realidade é de que indivíduos se deixados a agir em prol de seus próprios interesses e benéficos, ao interagirem em merca- dos, frequentemente findam por promover o interesse ou bem estar econômico da sociedade como um todo, e muitas vezes de modo mais eficaz do que fari- am se realmente tivesse o objetivo de fazê-lo. Quase como se uma “mão invi- sível” conduzisse estes indivíduos a tal fim. 7) Explique as duas principais causas de falhas de mercado e dê um e- xemplo de cada. Externalidades: Seria o impacto das ações de um indivíduo sobre o bem-estar de outros que não tomam parte da ação. Ex: Uma empresa polui o rio que fornece água para uma comunidade durante suas operações de produção de bens, gerando um custo para a comunidade como um todo. Poder de mercado: É a capacidade de um agente econômico de influenciar de forma significativa os preços de mercado. Ex: Varias pessoas precisam de remédio para curar câncer se um única em- presa é capaz de produzir este remédio ela poderá influenciar os preços para cima em busca de benefício próprio e à custa da sociedade. 8) Por que a produtividade é importante?
  • 3. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Dado que produtividade é a quantidade de bens e serviços que somos capazes de produzir dada uma quantidade de insumo (ou por unidades de insumo), te- mos que o bem estar de um país, indivíduo ou localidade depende de sua pro- dutividade. Com isso, toda mudança ou melhoria de bem estar seria dada pela alteração de produtividade, sendo este um conceito chave para entender diferenças ou melhoria de bem estar de indivíduos e países. 9) O que é inflação e quais suas causas? Inflação é o aumento progressivo e generalizado de preços. A inflação elevada e persistente na maioria dos casos teria origem no aumento excessivo da quantidade de moeda. 10) Como a inflação e o desemprego estão relacionados no curto prazo? Existe uma relação inversa ou trade-off entre desemprego e inflação no curto prazo. Problemas e aplicações 1) Descreva alguns trade-offs enfrentados nas seguintes situações: a. Uma família decidindo se compra um carro novo. Trade-off entre comprar o carro ou viajar no final do ano. b. Um membro do Congresso decidindo quanto gastar nos parques na- cionais. Trade-off entra gastar mais recursos nos parques ou gastar mais no sistema de educação. c. O presidente de uma empresa decidindo se abre uma nova fábrica. Trade-off entre abrir nova fabrica ou ampliar as fábricas existentes. d. Um professor decidindo o quanto preparar de matéria para uma aula. Trade-off entre preparar mais conteúdo para ser ensinado ou realizar mais e- xercícios em sala. e. Um recém-formado decidindo se faz pós-graduação. Trade-off entre fazer pós-graduação ou começar a trabalhar.
  • 4. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 2) Você esta tentando decidir se tira férias ou não. A maioria dos custos se mede em dólares, mas os benefícios são psicológicos. Como se po- dem comparar os benefícios com os custos? Primeiro devemos identificar o máximo que estaríamos dispostos a pagar pelos benefícios esperados a serem gerados pelas férias. Então devemos comparar este valor com o preço efetivo de tirar estas férias para poder decidir ir ou não. 3) Você pretendia passar o sábado trabalhando, mas um amigo o convida para jogar futebol. Qual o verdadeiro custo de ir jogar futebol? Agora su- ponha que você planeja passar o dia estudando. Nesse caso qual é o cus- to de ir jogar futebol? Explique. Situação1: Custo de jogar futebol seria deixar de realizar o trabalho que se es- tava planejando e deixar de ganhar todos os benefícios que você adquiriria se realmente trabalhasse no sábado. Por exemplo, aumento de remuneração, promoção de cargo, manutenção do cargo, etc.. Situação 2: Custo de jogar futebol seria deixar de estudar como se estava pla- nejando e deixar de ganhar todos os benefícios que você adquiriria se realmen- te tivesse estudado no sábado. Por exemplo, tirar uma nota alta, manter uma posição de destaque na turma, manter uma bolsa, etc.. 4) Você ganhou R$ 100 em um bolão e pode escolher entre gastar o di- nheiro agora e guardá-lo por um ano, depositando numa conta de pou- pança que paga juros de 5% ao ano. Qual o custo de oportunidade de gastar os R$ 100 agora? O custo seria a remuneração adicional que geraria uma possibilidade de um consumo maior de bens no futuro. Sendo que a decisão seria comparar o bem-estar gerado pelos bens que você pode consumir agora versus o bem-estar gerado pelos bens que você poderá consumir no futuro. 5) A empresa que você administra investiu R$ 5 milhões no desenvolvi- mento de um novo produto, mas ele ainda não foi concluído. Em recente reunião, seu pessoal de vendas relatou que a introdução de produtos concorrentes reduziu o volume previsto de vendas de seu novo produto para R$ 3 milhões. Se o custo de completar o desenvolvimento e fazer o produto fosse de R$ 1 milhão, valeria gastar este dinheiro? Qual o valor máximo que você deveria pagar para concluir o desenvolvimento? Dado que os R$ 5 milhões de investimento realizados até agora não desenvol- veram um “produto acabado” que possa gerar renda de qualquer espécie, po- demos considerar que até agora estes são irrecuperáveis. Ou seja, se parás-
  • 5. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia semos agora os R$ 5 milhões seriam inevitavelmente perdidos em sua integra. Então serão irrelevantes em termos de comparação benefício/custo. O que devemos comparar são os custos que podemos decidir ter ou não de agora em diante (o R$ 1 milhão) frente aos benefícios que podemos ter (os R$ 3 milhões). Assim, comparando o custo potencial de R$ 1 milhão frente ao benefício po- tencial de R$ 3 milhões, podemos chegar a conclusão de que valeria a pena investir o dinheiro. Esta avaliação seria sempre correta desde que os custos não ultrapassassem o valor do benefício potencial, ou seja, R$ 3 milhões. 6) Três gerentes da Poção Mágica S.A. estão discutindo um possível au- mento da produção. Cada um sugere uma maneira de tomar esta decisão: Harry: Devemos verificar se a produtividade de nossa empresa aumenta- ria ou diminuiria. Ron: Devemos verificar se nosso custo médio aumentaria ou diminuiria. Hermione: Devemos verificar se a receita adicional de venda da poção adicional vai ser maior ou menor do que os custos adicionais. Quem está certo? Porque? Harry estaria potencialmente errado dado que embora seja interessante que a produtividade aumente isso não é o suficiente para tomar a decisão, dado que estaríamos em situação pior se os custos marginais aumentarem mais que a o aumento de renda gerado pelo aumento de produtividade. Ron também está errado dado que mesmo com custo médio aumentando pode ser que exista possibilidade de melhorar a situação vigente, desde que o au- mento no custo médio seja inferior ao aumento na receita média; ou seja, des- de que o aumento adicional de renda seja superior ao aumento adicional de custo. Hermione estaria correta dado que enquanto o beneficio marginal (adicional) for maior que o custo marginal (adicional) haverá margem para aumentar a produção com o objetivo de aumentar lucro (diferença entre receita e custo). 7) O sistema de seguro social proporciona renda a pessoas com mais de 65 anos de idade. Se um beneficiário do seguro social decidir trabalhar para obter uma renda extra, o valor dos benefícios que recebe deverá di- minuir. a. Como essa decisão do seguro social afeta a decisão de poupar das pessoas enquanto ainda não tiver completado 65 anos? O seguro social se estabelece como um incentivo negativo para a decisão de “poupar para a velhice”. Dado que o objetivo da poupança de garantir o con- sumo futuro já esta sendo providenciado pela renda gerado pelo seguro social.
  • 6. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia b. Como a redução do benefício associada a maiores rendimentos afeta a disposição de as pessoas trabalharem depois de 65 anos? A redução do valor do seguro social nesta condição se estabelece como um incentivo negativo para a decisão de trabalhar após 65 anos. Isso ocorre pelo fato de que só será benéfico trabalhar depois dos 65 anos se a renda gerada pela atividade for, pelo menos, maior que a redução do beneficio do seguro social. 8) Ao reformar os programas antipobreza do governo, um recente projeto de lei limitou, para muitos dos beneficiários dos programas de assistên- cia social, o período de recebimento para dois anos (diminuição do tempo do benefício). a. Como isso afeta os incentivos para trabalhar? Essa ação se estabelece como um incentivo positivo para a busca por emprego dado que os custos de “persistir” na situação de desempregado aumentaram. b. Como isso poderia representar um trade-off entre igualdade e eficiên- cia? Esta ação promove a eficiência dado que incentiva a busca por emprego dina- mizando o mercado de oferta e demanda por trabalho, mas diminui a igualdade porque não assegura condições de amenizar a situação de “falta de renda” dos que estão desempregados não garantindo assim condições mínimas de vida para estes indivíduos. 9) Seu colega de quarto cozinha melhor do que você, mas você é mais rápido na faxina. Se seu colega sempre cozinhasse e você sempre fizesse a limpeza, essas tarefas levariam mais ou menos tempo do que se fossem divididas por igual entre vocês? Dê um exemplo semelhante de como a especialização e o comércio podem beneficiar dois países. Ambos levariam menos tempo e realizariam as atividades com melhor nível de qualidade. Se um país que tem mais dotações para produzir eletroeletrônicos e o outro pais mais dotações para produzir alimentos, ambos poderiam se especializar nestes produtos e depois se beneficiar com o comércio entre eles. 10) Suponhamos que os Estados Unidos adotem o planejamento central em sua economia e que você se torne o planejador-chefe. Entre milhões de decisões que você precisa tomar para o próximo ano, estão quantos CD’s produzir, que artistas vão gravar e que consumidores devem receber os discos. Para tomar estas decisões de forma inteligente, de que infor-
  • 7. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia mações sobre a industria de CD você precisaria? E sobre cada cidadão do país? Você acha que seria fisicamente possível fazer um bom traba- lho? Sobre o mercado seria importante identificar a estrutura de custos das empre- sas para identificar o custo de cada nível de produção. Sobre os indivíduos seria necessário identificar o quanto cada indivíduo estaria disposto a pagar para consumir quantidades determinadas de CD’s. Após consideradas estas informações seria necessário identificar o nível de custo de produção compatível com a possibilidade/disponibilidade de pagar dos indivíduos pela quantidade a ser produzida. Realizar este planejamento de forma razoável seria laborioso e provavelmente impraticável dada a complexidade do processo envolvido para obter estas in- formações. 11) Explique se cada uma das seguintes atividades do governo é motiva- da pela preocupação com a igualdade ou por uma preocupação com efi- ciência. Quando a preocupação for com eficiência, discuta o tipo de falha de mercado em questão. a. Regulamentação de preços de TV a cabo. Preocupação com eficiência. Presença de poder de mercado. b. Dar às pessoas pobres tíquetes que podem ser utilizados para comprar comida. Preocupação com igualdade. c. Proibir que as pessoas fumem em locais públicos. Preocupação com eficiência. Presença de externalidade. d. Dividir a Standard Oil (que possui 90% do mercado de petróleo mundi- al) em várias pequenas empresas. Preocupação com eficiência. Presença de poder de mercado. e. Aumentar alíquotas do imposto de renda das pessoas com renda ele- vada. Preocupação com igualdade. f. Aprovação de leis para punir quem dirigir bêbado ou sob efeito de dro- gas. Preocupação com eficiência. Presença de externalidade.
  • 8. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 12) Discuta cada uma afirmativas a seguir do ponto de vista da igualdade e eficiência. a. “É preciso garantir a todos os membros da sociedade o melhor atendi- mento médico possível.” A intenção de “fornecer o serviço a todos” é buscar mais igualdade e buscar “fornecer o melhor serviço” é buscar eficiência. Assim, a afirmação chega a expressar pontos até certo ponto incompatíveis segundo o trade-off que a soci- edade enfrenta. b. “Os trabalhadores que são demitidos devem estar qualificados a rece- ber os benefícios do seguro desemprego até que encontrassem trabalho”. A afirmação identifica uma ação em direção a maior igualdade ao afirmar a concessão do seguro até que o indivíduo encontre trabalho. 13) De que maneira o seu padrão de vida é diferente do de seus pais ou avós quando eles tinham sua idade? O que causou estas mudanças? Podemos identificar vários pontos de diferença como maior diversidade, acesso e quantidade de bens que estão disponíveis gerando um nível maior de bem- estar. Estas são mudanças geradas por alterações do nível de produtividade ao longo do tempo. 14) Suponhamos que os norte-americanos decidam poupar uma parte maior da renda que recebem. Se os bancos emprestarem esta poupança extra para as empresas, que usam estes fundo para construir novas fábri- cas, como este aumento de poupança poderia levar a um crescimento rá- pido da produtividade? Quem se beneficiaria da maior produtividade? A sociedade está obtendo um “almoço gratuito”? Os recursos disponíveis podem ser utilizados para aumentar a produtividade por meio de investimentos em produção,inovação, educação, etc..; evento que beneficiará a sociedade como um todo. A sociedade não obtém um “almoço gratuito”, pois tem como um todo que se privar do consumo presente para o crescimento de consumo futuro. 15) Durante a guerra de independência, as colônias americanas não con- seguiam obter receita pública suficiente para financiar os esforços de guerra; para compensar essa diferença as colônias decidiram imprimir mais moeda. Às vezes imprimir mais moeda para cobrir despesas chama- se “imposto inflacionário”. Quem paga a conta quando mais moeda é im- pressa? Porquê?
  • 9. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia A sociedade como um todo finda por dividir este ônus por meio dos prejuízos causados pelo processo inflacionário que resultará desta expansão monetária. 16) Imagine que você é um formulador de políticas tentando decidir se deve ou não reduzir a taxa de inflação. Para tomar uma decisão inteligen- te, o que você precisa saber sobre inflação, desemprego e o trade-off en- tre eles? É preciso saber que no curto prazo existe um trade-off entre inflação e desem- prego. Ou seja, se houver um esforço para reduzir inflação é preciso estar consciente que haverá, pelo menos no curto prazo, um aumento no nível de desemprego.