SlideShare uma empresa Scribd logo
EXTERNALIDADES
OBJETIVO GERAL
   Identificar e explicar externalidades como uma falha de
    mercado, bem como políticas publicas e soluções
    privadas associadas a este “problema”.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
   Identificar e explicar externalidades como uma falha de
    mercado e especificar seus efeitos.
   Efeitos desta falha de mercado no bem-estar, seja por meio
    de externalidades positivas ou negativas.
   Identificar e explicar as políticas públicas relacionadas a este
    conjunto de falhas de mercado.
   Identificar e explicar as soluções privadas para este conjunto
    de falhas de mercado.
EXTERNALIDADES: DEFINIÇÃO
 É o efeito do impacto das ações de um agente
  econômico sobre o bem-estar de outros agentes
  econômicos que não estão diretamente relacionados a
  esta ação ou que não tomam parte da ação.
 Externalidades são falhas de mercado.

 Com externalidades, o interesse da sociedade em
  relação a um resultado de mercado vai além do próprio
  mercado. Inclui também o bem-estar das demais
  pessoas afetadas.
 Assim, em situações de existência de externalidade o
  governo pode melhorar ou potencializar os resultados
  de mercado.
EXTERNALIDADES: DEFINIÇÃO
   Se o efeito deste impacto causado pela externalidade
    for adverso/danoso, temos uma externalidade
    negativa.
       Ex: Quando uma empresa polui os rios de uma cidade para
        efetivar sua produção. Gera custo adicionais para a
        sociedade.


    Se o efeito deste impacto causado pela externalidade
    for benéfico, temos uma externalidade positiva.
       Ex: Desenvolvimento de novas tecnologias. Gera benefícios
        adicionais que transcendem indivíduos que desenvolveram a
        tecnologia.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
 MERCADO SEM EXTERNALIDADE
       Em um mercado, sem intervenção do governo, o preço
        do produto se ajusta para equilibrar/coordenar oferta e
        demanda.
                                                            Ou seja, coordena a quantidade
        P
                                                            comercializada ao confrontar o custo
                                                            privado das empresas de produzir
                                           Oferta
                                       (Custo Privado)      com o benefício ou valor privado
                                                            avaliado pelos consumidores deste
                                                            mercado.
P Eq.
Mercado
                                                            Ex: Uma empresa produzindo
                                         Demanda            medicamentos. Custo social de
                                      (Benefício Privado)   produzir medicamentos é da
                            Q Eq.                           empresa e o Benefício social é dos
                                                   Q        consumidores.
                            Mercado

            Custo Social = Custo Privado
            Beneficio Social = Beneficio Privado
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA OFERTA
   Se uma empresa durante sua atividade de produção ou
    venda gerar custos que não são absorvidos apenas pela
    empresa do mercado em questão, mas são pagos pela
    sociedade; esta empresa esta gerando externalidade
    negativa.
       Por exemplo, se a empresa de medicamentos emitir
        poluentes que geram risco a saúde das pessoas desta
        sociedade, ela estará gerando externalidade negativa.
   Ou seja, esta gerando custos pra sociedade, mas estes
    custo não são pagos apenas pelas empresas do
    mercado. O custo social é maior que o custo privado das
    empresas.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
    MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA OFERTA
                                        Custo Social              Para realizar a produção as
                                (Custo Privado + Custo Externo)   empresas de um mercado geram
        P
                                                                  custos, parte destes custos serão
                                                                  pagos pela empresa e outra
                                              Oferta
                                          (Custo Privado)         parte será externalizada para ser
                      B                                           “paga” pela sociedade.
P Ótimo
                                                                  O benefício da produção de será
P Eq.                          A                                  absorvido pelo consumidores.
Mercado

                                                                  Ex: Empresa de medicamentos
                                            Demanda
                                        (Benefício Privado)       emite poluentes que geram risco
                                                                  a saúde.
                     Q Ótima Q Eq.
                                                    Q             Neste caso, o custo da saúde são
                            Mercado
                                                                  externalizado para a sociedade.
            Custo Social > Custo Privado
            Custo Social = Custo Privado + Custo Externo
            Beneficio Social = Beneficio Privado
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO :
MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA OFERTA
 Como a externalidade gera um custo social maior que o
  custo privado das empresas haverá divergência entre os
  preço e quantidade de equilíbrio definido pelo ótimo de
  mercado (Ponto A), e o preço e quantidade ótimos para
  a sociedade como um todo (Ponto B).
 Como fazer para “incentivar” as empresa a produzir no
  nível de ótimo social ?
     Internalizar os “custos externos” frutos de externalidades por
      meio de impostos, taxas ou multas relativas a quantidade
      produzida (custos externo gerados).
     Essa internalizarão destes custos deslocaria a curva de oferta
      para a esquerda até o ponto de ótimo social.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO
COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA DEMANDA

   Se compradores em sua atividade de compra geram
    custos que não são absorvidos apenas por quem compra
    neste mercado em questão, estará gerando
    externalidade negativa.
       Por exemplo, se um indivíduo decide comprar e consumir
        cigarros gerará custos de manutenção a saúde para a
        sociedade, ele estará gerando externalidade negativa.
   Ou seja, o benefício privado do indivíduo esta sendo
    super avaliado se comparado com o benefício social,
    dado que não esta considerando ou descontando os
    custos que tal consumo implicará.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO
    COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA DEMANDA

                                                                   Ao realizar alguns consumos
        P                                                          indivíduos absorvem benefícios e
                                                                   geram custos sociais.
                                              Oferta               O benefício       privado    será
                                   A       (Custo Privado)
P Eq.                                                              absorvido na integra pelo
Mercado
                            B                                      consumidor, mas o benefício
P Ótimo                                          Demanda           social será menor que o privado
                                             (Benefício Privado)   dado que tem que arcar com
                                              Benefício Social     custos externos.
                                             (Benefício Privado    Ex: Pessoa consumindo cigarros.
                                              - Custo Externo)
                                                                   Neste caso, o custo da saúde são
                           Q Ótima Q Eq.             Q
                                   Mercado
                                                                   externalizado para a sociedade.


            Benefício Privado > Benefício Privado
            Custo Social = Custo Privado
            Beneficio Social = Beneficio Privado - Custo Externo
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO : MERCADO
COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA DEMANDA

 Como a externalidade gera um beneficio privado maior
  que o benefício social dado os custos externos haverá
  divergência entre os preço e quantidade de equilíbrio
  definido pelo ótimo de mercado (Ponto A), e o preço e
  quantidade ótimos para a sociedade como um todo
  (Ponto B).
 Como fazer para “incentivar” compradores a consumir
  no nível de ótimo social ?
     Internalizar os “custos externos” frutos de externalidades por
      meio de impostos, taxas ou multas relativas a quantidade
      consumida (custos externo gerados).
     Essa internalizarão destes custos deslocaria a curva de
      demanda para a esquerda até o ponto de ótimo social.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
MERCADO COM EXTERNALIDADE POSITIVA NA OFERTA
   Se uma empresa durante sua atividade de produção ou
    venda gerar benefício que não são inteiramente
    absorvidos só por este mercado, mas são absorvidos
    pela sociedade; esta empresa esta gerando
    externalidade positiva.
       Por exemplo, se a empresa de medicamentos desenvolver
        um novo método purificar a água geram um benefício
        tecnológico que pode ser aproveitado por pessoas fora do
        mercado de medicamentos, ela estará gerando externalidade
        positiva.
   Ou seja, esta gerando benefícios pra sociedade, mas
    estes benefício não afetam apenas o mercado gerando
    um custo social inferior que o custo privado daquele
    mercado se descontarmos o benefício externo gerado.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
   MERCADO COM EXTERNALIDADE POSITIVA NA OFERTA
                                                           Após realizar a produção as
    P                                 Oferta
                                   (Custo Privado)         empresas de um mercado geram
                                                           benefícios e custos sociais.
                                       Custo Social        O custo privado será absorvido na
                  A                    (Custo Privado
P Eq.                               - Benefício Externo)   integra pelo produtor, mas o custo
Mercado
                        B                                  social será menor que o privado
P Ótimo                                                    dado     que     foram     gerados
                                                           benefícios externos.
                                       Demanda
                                   (Benefício Privado)
                                                           Ex: Empresa de medicamentos
                                                           desenvolve nova tecnologia.
                  Q Eq. Q Ótima                Q           Neste caso, o benefício da nova
                  Mercado
                                                           tecnologia são externalizados para
    Custo Privado > Custo Social                           a sociedade.
    Custo Social = Custo Privado - Benefício Externo
    Benefício Social = Beneficio Privado
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO :
MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA OFERTA
 Como a externalidade gera um custo privado maior que
  o custo social neste mercado haverá divergência entre
  os preço e quantidade de equilíbrio definido pelo ótimo
  de mercado (Ponto A), e o preço e quantidade ótimos
  para a sociedade como um todo (Ponto B).
 Como fazer para “incentivar” as empresa a produzir no
  nível de ótimo social ?
     Efetivar subsídios sobre a quantidade produzida (benefícios
      externo gerados).
     Esse subsídio deslocaria a curva de oferta para a direita até o
      ponto de ótimo social.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO
COM EXTERNALIDADE POSITIVA NA DEMANDA

   Se compradores em sua atividade de compra geram
    benefício que não são absorvidos apenas por quem
    compra neste mercado em questão, estará gerando
    externalidade positiva.
       Por exemplo, se um indivíduo decide comprar e consumir
        mais educação (estudar mais) gerará benéficos para a
        população com um todo, ele estará gerando externalidade
        positiva.
   Ou seja, o benefício privado do indivíduo esta sendo sub
    avaliado se comparado com o benefício social, dado que
    não esta considerando os benefícios externos que tal
    consumo implicará.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO
    COM EXTERNALIDADE POSITIVA NA DEMANDA
                                                                       Ao realizar alguns consumos
        P                                                              indivíduos absorvem benefícios e
                                                                       geram benefícios sociais, parte
                                                                       destes benéficos serão absorvidos
                                               Oferta
                                      B     (Custo Privado)            pelos consumidores e outra parte
P Ótimo                                                                será externalizada para sociedade
                           A                                           que está fora deste mercado.
P Eq.                                            Benefício Social
                                                 (Benefício Privado    O custo da produção de será
Mercado
                                                + Benefício Externo)   absorvido pelos produtores.
                                              Demanda
                                          (Benefício Privado)          Ex:   Pessoas     que     decidem
                            Q Eq. Q Ótima                              consumir mais educação.
                                                      Q
                            Mercado                                    Neste caso, o benefício de um
        Benefício Social > Benefício Privado                           maior nível de educação será
        Custo Social = Custo Privado                                   externalizado para a sociedade.
        Benefício Social = Beneficio Privado + Benefício Externo
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO : MERCADO
COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA DEMANDA

 Como a externalidade gera um benefício social maior
  que o benefício privado, neste mercado haverá
  divergência entre os preço e quantidade de equilíbrio
  definido pelo ótimo de mercado (Ponto A), e o preço e
  quantidade ótimos para a sociedade como um todo
  (Ponto B).
 Como fazer para “incentivar” as pessoas a consumirem
  no nível de ótimo social ?
     Efetivar subsídios sobre a quantidade consumida (benefícios
      externo gerados). Ex: Bolsas de incentivo a estudo.
     Esse subsídio deslocaria a curva de demanda para a direita
      até o ponto de ótimo social.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
RESUMO
   Externalidades Negativas
     Induzem uma quantidade comercializada maior do que a
      socialmente desejável.
     Ação do Governo: Internalizar externalidades por meio de
      impostos, taxas e multas sobre consumidores ou produtores.


   Externalidades Positivas
     Induzem uma quantidade comercializada menor do que a
      socialmente desejável.
     Ação do Governo: Subsídios ou incentivos que induzam
      maior produção ou consumo.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
SOLUÇÕES PRIVADAS
   Em alguns casos, o “problema” das externalidades
    podem ser solucionados por meio de códigos morais ou
    sanções sociais.
     Ex: Pessoas podem não jogar lixo na rua porque acha que é
      “a coisa errada de se fazer” ou porque entendem as
      consequências amplas deste ato.
     Ex: Pessoas realizam doações para instituições de suporte
      social porque acham que é “a coisa errada de se fazer” ou
      porque entendem as consequências amplas deste ato.
   Podem seguir o lema: “Não faça aos outros o que não
    quer que façam a você”.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
TEOREMA DE COASE (DEFINIÇÃO)
   Se agentes privados podem negociar sem custos a
    alocação de recursos, então o mercado privado sempre
    resolverá o problema das externalidades e alocará
    eficientemente os recursos.

   Indivíduos podem e irão internalizar custos ou
    incentivar a externalização de benefícios buscando a
    melhor alocação de recursos ou melhor bem-estar
    social.
EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO:
TEOREMA DE COASE
   Resumindo, qualquer que seja a distribuição de direitos,
    as partes interessadas (Stakeholders) podem sempre
    chegar a um acordo em que cada uma das partes fique
    em melhor situação e o resultado seja eficiente.

   Isso nem sempre ocorre por que existem custos de
    transação para que o melhor resultado seja atingido.

   Custos de transação são os custos que as partes
    interessada incorrem para efetivar a negociação que
    leva ao melhor resultado social.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo:
  Cengage Learning, 2009. 838 pg.
 VASCONCELLOS, M. S. Economia, Micro e Macro, Atlas,
  2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à Economia
Introdução à EconomiaIntrodução à Economia
Introdução à Economia
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
Jenny Fortes
 
Aula 6 monopólio
Aula 6   monopólioAula 6   monopólio
Aula 6 monopólio
Mitsubishi Motors Brasil
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Felipe Leo
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
Cátia Pascoal
 
Estruturas de mercado
Estruturas de mercadoEstruturas de mercado
Estruturas de mercado
Eliz Evan
 
Bens & necessidades
Bens & necessidades Bens & necessidades
Bens & necessidades
Alzira Figueiredo
 
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes EconómicosA Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
duartealbuquerque
 
Educação para o consumo
Educação para o consumoEducação para o consumo
Educação para o consumo
Fillipe Lobo
 
Aula 11 teoria da escolha do consumidor
Aula 11   teoria da escolha do consumidorAula 11   teoria da escolha do consumidor
Aula 11 teoria da escolha do consumidor
petecoslides
 
Teoria da produção
Teoria da produçãoTeoria da produção
Teoria da produção
anatasse
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Felipe Leo
 
Padrões de consumo
Padrões de consumoPadrões de consumo
Padrões de consumo
EconomicSintese
 
Unidade 8 final
Unidade 8 finalUnidade 8 final
Unidade 8 final
ajorgelopes
 
A evolução da moeda
A evolução da moedaA evolução da moeda
A evolução da moeda
ciganito5
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
Danilo Pires
 
Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas
Dágina Cristina
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Luciano Pires
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
José Cruz
 

Mais procurados (20)

Introdução à Economia
Introdução à EconomiaIntrodução à Economia
Introdução à Economia
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
 
Aula 6 monopólio
Aula 6   monopólioAula 6   monopólio
Aula 6 monopólio
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
 
Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1Slides aula 3_economia-1
Slides aula 3_economia-1
 
Estruturas de mercado
Estruturas de mercadoEstruturas de mercado
Estruturas de mercado
 
Bens & necessidades
Bens & necessidades Bens & necessidades
Bens & necessidades
 
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes EconómicosA Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
 
Educação para o consumo
Educação para o consumoEducação para o consumo
Educação para o consumo
 
Aula 11 teoria da escolha do consumidor
Aula 11   teoria da escolha do consumidorAula 11   teoria da escolha do consumidor
Aula 11 teoria da escolha do consumidor
 
Teoria da produção
Teoria da produçãoTeoria da produção
Teoria da produção
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
 
Padrões de consumo
Padrões de consumoPadrões de consumo
Padrões de consumo
 
Unidade 8 final
Unidade 8 finalUnidade 8 final
Unidade 8 final
 
A evolução da moeda
A evolução da moedaA evolução da moeda
A evolução da moeda
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
 

Destaque

Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
Luciano Pires
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
Luciano Pires
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
Luciano Pires
 
Curva de engel
Curva de engelCurva de engel
Curva de engel
Brenda Hilerio
 
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souzaPrincipais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 
Bens públicos
Bens públicosBens públicos
Bens públicos
Gian Silva
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Luciano Pires
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
Luciano Pires
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
Luciano Pires
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
Luciano Pires
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Luciano Pires
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 

Destaque (20)

Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 
Curva de engel
Curva de engelCurva de engel
Curva de engel
 
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souzaPrincipais características da agências reguladoras   palestra aluno scoty souza
Principais características da agências reguladoras palestra aluno scoty souza
 
Bens públicos
Bens públicosBens públicos
Bens públicos
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 

Mais de Luciano Pires

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Luciano Pires
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
Luciano Pires
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Luciano Pires
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
Luciano Pires
 

Mais de Luciano Pires (9)

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 

Último

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Externalidades

  • 2. OBJETIVO GERAL  Identificar e explicar externalidades como uma falha de mercado, bem como políticas publicas e soluções privadas associadas a este “problema”. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Identificar e explicar externalidades como uma falha de mercado e especificar seus efeitos.  Efeitos desta falha de mercado no bem-estar, seja por meio de externalidades positivas ou negativas.  Identificar e explicar as políticas públicas relacionadas a este conjunto de falhas de mercado.  Identificar e explicar as soluções privadas para este conjunto de falhas de mercado.
  • 3. EXTERNALIDADES: DEFINIÇÃO  É o efeito do impacto das ações de um agente econômico sobre o bem-estar de outros agentes econômicos que não estão diretamente relacionados a esta ação ou que não tomam parte da ação.  Externalidades são falhas de mercado.  Com externalidades, o interesse da sociedade em relação a um resultado de mercado vai além do próprio mercado. Inclui também o bem-estar das demais pessoas afetadas.  Assim, em situações de existência de externalidade o governo pode melhorar ou potencializar os resultados de mercado.
  • 4. EXTERNALIDADES: DEFINIÇÃO  Se o efeito deste impacto causado pela externalidade for adverso/danoso, temos uma externalidade negativa.  Ex: Quando uma empresa polui os rios de uma cidade para efetivar sua produção. Gera custo adicionais para a sociedade.  Se o efeito deste impacto causado pela externalidade for benéfico, temos uma externalidade positiva.  Ex: Desenvolvimento de novas tecnologias. Gera benefícios adicionais que transcendem indivíduos que desenvolveram a tecnologia.
  • 5. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO SEM EXTERNALIDADE  Em um mercado, sem intervenção do governo, o preço do produto se ajusta para equilibrar/coordenar oferta e demanda. Ou seja, coordena a quantidade P comercializada ao confrontar o custo privado das empresas de produzir Oferta (Custo Privado) com o benefício ou valor privado avaliado pelos consumidores deste mercado. P Eq. Mercado Ex: Uma empresa produzindo Demanda medicamentos. Custo social de (Benefício Privado) produzir medicamentos é da Q Eq. empresa e o Benefício social é dos Q consumidores. Mercado Custo Social = Custo Privado Beneficio Social = Beneficio Privado
  • 6. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA OFERTA  Se uma empresa durante sua atividade de produção ou venda gerar custos que não são absorvidos apenas pela empresa do mercado em questão, mas são pagos pela sociedade; esta empresa esta gerando externalidade negativa.  Por exemplo, se a empresa de medicamentos emitir poluentes que geram risco a saúde das pessoas desta sociedade, ela estará gerando externalidade negativa.  Ou seja, esta gerando custos pra sociedade, mas estes custo não são pagos apenas pelas empresas do mercado. O custo social é maior que o custo privado das empresas.
  • 7. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA OFERTA Custo Social Para realizar a produção as (Custo Privado + Custo Externo) empresas de um mercado geram P custos, parte destes custos serão pagos pela empresa e outra Oferta (Custo Privado) parte será externalizada para ser B “paga” pela sociedade. P Ótimo O benefício da produção de será P Eq. A absorvido pelo consumidores. Mercado Ex: Empresa de medicamentos Demanda (Benefício Privado) emite poluentes que geram risco a saúde. Q Ótima Q Eq. Q Neste caso, o custo da saúde são Mercado externalizado para a sociedade. Custo Social > Custo Privado Custo Social = Custo Privado + Custo Externo Beneficio Social = Beneficio Privado
  • 8. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO : MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA OFERTA  Como a externalidade gera um custo social maior que o custo privado das empresas haverá divergência entre os preço e quantidade de equilíbrio definido pelo ótimo de mercado (Ponto A), e o preço e quantidade ótimos para a sociedade como um todo (Ponto B).  Como fazer para “incentivar” as empresa a produzir no nível de ótimo social ?  Internalizar os “custos externos” frutos de externalidades por meio de impostos, taxas ou multas relativas a quantidade produzida (custos externo gerados).  Essa internalizarão destes custos deslocaria a curva de oferta para a esquerda até o ponto de ótimo social.
  • 9. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA DEMANDA  Se compradores em sua atividade de compra geram custos que não são absorvidos apenas por quem compra neste mercado em questão, estará gerando externalidade negativa.  Por exemplo, se um indivíduo decide comprar e consumir cigarros gerará custos de manutenção a saúde para a sociedade, ele estará gerando externalidade negativa.  Ou seja, o benefício privado do indivíduo esta sendo super avaliado se comparado com o benefício social, dado que não esta considerando ou descontando os custos que tal consumo implicará.
  • 10. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA DEMANDA Ao realizar alguns consumos P indivíduos absorvem benefícios e geram custos sociais. Oferta O benefício privado será A (Custo Privado) P Eq. absorvido na integra pelo Mercado B consumidor, mas o benefício P Ótimo Demanda social será menor que o privado (Benefício Privado) dado que tem que arcar com Benefício Social custos externos. (Benefício Privado Ex: Pessoa consumindo cigarros. - Custo Externo) Neste caso, o custo da saúde são Q Ótima Q Eq. Q Mercado externalizado para a sociedade. Benefício Privado > Benefício Privado Custo Social = Custo Privado Beneficio Social = Beneficio Privado - Custo Externo
  • 11. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO : MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA DEMANDA  Como a externalidade gera um beneficio privado maior que o benefício social dado os custos externos haverá divergência entre os preço e quantidade de equilíbrio definido pelo ótimo de mercado (Ponto A), e o preço e quantidade ótimos para a sociedade como um todo (Ponto B).  Como fazer para “incentivar” compradores a consumir no nível de ótimo social ?  Internalizar os “custos externos” frutos de externalidades por meio de impostos, taxas ou multas relativas a quantidade consumida (custos externo gerados).  Essa internalizarão destes custos deslocaria a curva de demanda para a esquerda até o ponto de ótimo social.
  • 12. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO COM EXTERNALIDADE POSITIVA NA OFERTA  Se uma empresa durante sua atividade de produção ou venda gerar benefício que não são inteiramente absorvidos só por este mercado, mas são absorvidos pela sociedade; esta empresa esta gerando externalidade positiva.  Por exemplo, se a empresa de medicamentos desenvolver um novo método purificar a água geram um benefício tecnológico que pode ser aproveitado por pessoas fora do mercado de medicamentos, ela estará gerando externalidade positiva.  Ou seja, esta gerando benefícios pra sociedade, mas estes benefício não afetam apenas o mercado gerando um custo social inferior que o custo privado daquele mercado se descontarmos o benefício externo gerado.
  • 13. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO COM EXTERNALIDADE POSITIVA NA OFERTA Após realizar a produção as P Oferta (Custo Privado) empresas de um mercado geram benefícios e custos sociais. Custo Social O custo privado será absorvido na A (Custo Privado P Eq. - Benefício Externo) integra pelo produtor, mas o custo Mercado B social será menor que o privado P Ótimo dado que foram gerados benefícios externos. Demanda (Benefício Privado) Ex: Empresa de medicamentos desenvolve nova tecnologia. Q Eq. Q Ótima Q Neste caso, o benefício da nova Mercado tecnologia são externalizados para Custo Privado > Custo Social a sociedade. Custo Social = Custo Privado - Benefício Externo Benefício Social = Beneficio Privado
  • 14. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO : MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA OFERTA  Como a externalidade gera um custo privado maior que o custo social neste mercado haverá divergência entre os preço e quantidade de equilíbrio definido pelo ótimo de mercado (Ponto A), e o preço e quantidade ótimos para a sociedade como um todo (Ponto B).  Como fazer para “incentivar” as empresa a produzir no nível de ótimo social ?  Efetivar subsídios sobre a quantidade produzida (benefícios externo gerados).  Esse subsídio deslocaria a curva de oferta para a direita até o ponto de ótimo social.
  • 15. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO COM EXTERNALIDADE POSITIVA NA DEMANDA  Se compradores em sua atividade de compra geram benefício que não são absorvidos apenas por quem compra neste mercado em questão, estará gerando externalidade positiva.  Por exemplo, se um indivíduo decide comprar e consumir mais educação (estudar mais) gerará benéficos para a população com um todo, ele estará gerando externalidade positiva.  Ou seja, o benefício privado do indivíduo esta sendo sub avaliado se comparado com o benefício social, dado que não esta considerando os benefícios externos que tal consumo implicará.
  • 16. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: MERCADO COM EXTERNALIDADE POSITIVA NA DEMANDA Ao realizar alguns consumos P indivíduos absorvem benefícios e geram benefícios sociais, parte destes benéficos serão absorvidos Oferta B (Custo Privado) pelos consumidores e outra parte P Ótimo será externalizada para sociedade A que está fora deste mercado. P Eq. Benefício Social (Benefício Privado O custo da produção de será Mercado + Benefício Externo) absorvido pelos produtores. Demanda (Benefício Privado) Ex: Pessoas que decidem Q Eq. Q Ótima consumir mais educação. Q Mercado Neste caso, o benefício de um Benefício Social > Benefício Privado maior nível de educação será Custo Social = Custo Privado externalizado para a sociedade. Benefício Social = Beneficio Privado + Benefício Externo
  • 17. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO : MERCADO COM EXTERNALIDADE NEGATIVA NA DEMANDA  Como a externalidade gera um benefício social maior que o benefício privado, neste mercado haverá divergência entre os preço e quantidade de equilíbrio definido pelo ótimo de mercado (Ponto A), e o preço e quantidade ótimos para a sociedade como um todo (Ponto B).  Como fazer para “incentivar” as pessoas a consumirem no nível de ótimo social ?  Efetivar subsídios sobre a quantidade consumida (benefícios externo gerados). Ex: Bolsas de incentivo a estudo.  Esse subsídio deslocaria a curva de demanda para a direita até o ponto de ótimo social.
  • 18. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: RESUMO  Externalidades Negativas  Induzem uma quantidade comercializada maior do que a socialmente desejável.  Ação do Governo: Internalizar externalidades por meio de impostos, taxas e multas sobre consumidores ou produtores.  Externalidades Positivas  Induzem uma quantidade comercializada menor do que a socialmente desejável.  Ação do Governo: Subsídios ou incentivos que induzam maior produção ou consumo.
  • 19. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: SOLUÇÕES PRIVADAS  Em alguns casos, o “problema” das externalidades podem ser solucionados por meio de códigos morais ou sanções sociais.  Ex: Pessoas podem não jogar lixo na rua porque acha que é “a coisa errada de se fazer” ou porque entendem as consequências amplas deste ato.  Ex: Pessoas realizam doações para instituições de suporte social porque acham que é “a coisa errada de se fazer” ou porque entendem as consequências amplas deste ato.  Podem seguir o lema: “Não faça aos outros o que não quer que façam a você”.
  • 20. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: TEOREMA DE COASE (DEFINIÇÃO)  Se agentes privados podem negociar sem custos a alocação de recursos, então o mercado privado sempre resolverá o problema das externalidades e alocará eficientemente os recursos.  Indivíduos podem e irão internalizar custos ou incentivar a externalização de benefícios buscando a melhor alocação de recursos ou melhor bem-estar social.
  • 21. EXTERNALIDADES E INEFICIÊNCIA DE MERCADO: TEOREMA DE COASE  Resumindo, qualquer que seja a distribuição de direitos, as partes interessadas (Stakeholders) podem sempre chegar a um acordo em que cada uma das partes fique em melhor situação e o resultado seja eficiente.  Isso nem sempre ocorre por que existem custos de transação para que o melhor resultado seja atingido.  Custos de transação são os custos que as partes interessada incorrem para efetivar a negociação que leva ao melhor resultado social.
  • 22. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo: Cengage Learning, 2009. 838 pg.  VASCONCELLOS, M. S. Economia, Micro e Macro, Atlas, 2002.