SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Universidade Federal do Vale do São Francisco                                       DISTRIBUIÇÃO DO REBANHO OVINO BRASILEIRO
                    Colegiado de Zootecnia


                                                                                                                                                      58,55%
        PRODUÇÃO DE OVINOS E                                                    3,10%                    496.755
         CAPRINOS DE CORTE                                                                                                             9.379.380

                                                                                         6,16%                     987.090

                                                                                                                                664.422           4,15%

                            Profa. Sandra Mari Yamamoto
                                                                                        28,04%                      4.491.523
                                                                                                                                                           2
                                                                                                                                      Fonte: IBGE (2010)




         DISTRIBUIÇÃO DO REBANHO CAPRINO BRASILEIRO
                                                                                DISTRIBUIÇÃO DOS OVINOS NOS ESTADOS BRASILEIROS


                                                                                             ESTADO                    OVINOS (2006)
                                                                   92,43%                Rio Grande do Sul               3.764.031
                                                                                                 Bahia                   3.165.757
1,50%                 154.678                                                                    Ceará                   1.961.724
                                                                                                 Piauí                   1.534.969
                                                   9.542.910
                                                                                            Pernambuco                   1.180.943

        1,12%                   114.297
                                                                                    FONTE: IBGE (2010)

                                            252.124          2,53%


           2,42%                  195.400
                                                                            3                                                                              4
                                                       Fonte: IBGE (2010)




  MUNICÍPIOS DE MAIORES REBANHOS DE OVINOS DESLANADOS                                   MUNICÍPIOS DE MAIORES REBANHOS DE CAPRINOS


                MUNICÍPIO                 OVINOS (2006)                                       MUNICÍPIO                  CAPRINOS (2006)
           REMANSO (BA)                      195.368                                        REMANSO (BA)                        438.017
           JUAZEIRO (BA)                     187.800                                       CASA NOVA (BA)                       419.546
           CASA NOVA (BA)                    137.967                                        JUAZEIRO (BA)                       375.000
                TAUÁ (BA)                    133.807                                        FLORESTA (PE)                       230.000
                UAUÁ (BA)                    133.759                                          UAUÁ (BA)                         194.788

    PETROLINA – 40.600 OVINOS                                                       PETROLINA – 80.500 CAPRINOS




                                                FONTE: IBGE (2010)                                                               FONTE: IBGE (2010)



                                                                            5                                                                              6
PRODUÇÃO DE CARNES OVINA E
            CAPRINA                                              MERCADO INTERNO
                                                                   abastecimento

• PRODUÇÃO NACIONAL: em torno de 172 mil                CHILE                          ARGENTINA
                                                                         URUGUAI
  toneladas/ano

• Consumo anual brasileiro: 240 mil toneladas

• Consumo per capita nacional: 0,700 kg/hab/ano                           BRASIL
• Juazeiro – Petrolina: 11 kg/hab/ano




       Produção de carne ovina                        Aspectos envolvidos na produção
                                                              de carne ovina
 FATORES LIMITANTES
                                                      Pontos mais importantes:
• Forrageiras tropicais: sazonalidade
                                                  •   Genética
• Incidência de verminose (grandes perdas na      •   Nutrição
  caprinovinocultura)
                                                  •   Sanidade
                                                  •   Mercado (estrutura de comercialização)
• Baixo potencial genético dos animais




                                                              Escolha dos animais
      TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS
                                                      Características desejáveis no rebanho materno

Melhoria dos sistemas de produção e exploração
                                                  • Não estacionalidade reprodutiva


Melhoria das raças, aptidões e adaptabilidade     • Habilidade materna

                                                  • Resistência à parasitos
PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OVINOS E
              Escolha dos animais                                                                          CAPRINOS
                                                                                                             Parâmetros          Ovinos         Caprinos
   Características desejáveis no rebanho paterno
                                                                                           Características         N°de               54                60
                                                                                                               cromossomos
                                                                                              genéticas
• Alta velocidade de ganho de peso                                                                               Taxonomia         Ovis aires      Capra hircus

                                                                                                                   Cauda             Caída             Ereta
• Rendimento de carcaça                                                                                        Fossa lacrimal      Presente          Ausente
                                                                                      Aspectos físicos
                                                                                                              Glândula dos pés     Presente          Ausente
• Acabamento    adequado                    de         carcaça          (relação
                                                                                                                Glândula de        Ausente           Presente
  músculo:osso)                                                                                                  Schietzel
                                                                                                                   Barba           Ausente           Presente

                                                                                                              Pelame do corpo      Pelo e lã           Pelo
                                                                                                                                                                  14




    PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OVINOS E                                                     PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OVINOS E
                  CAPRINOS                                                                                 CAPRINOS


                      Parâmetros           Ovinos        Caprinos                                            Parâmetros          Ovinos         Caprinos
                         Idade à           5 – 9 meses       5 – 7 meses                                     Idade à puberdade   5 – 9 meses       5 – 7 meses
                        puberdade
   Aspectos                                                                               Aspectos            Sêmen - Volume     0,8 – 1,2 mL      0,1 – 1,5 mL
                        Ciclo estral         17 dias           21 dias
reprodutivos em                              (14-19)           (18-22)                 reprodutivos em
    fêmeas                  Cio            24-36 horas       24-48 horas                   machos                Sêmen –              1,5        2 – 6 bilhões/mL
                                                                                                               Concentração       bilhões/mL

                      Ovulação (n°por          1-3               2-3                                          Acasalamento           1:30             1:50
                           ciclo)                                                                                 (M:F)


FONTE: HAFEZ (2004)                                                                    FONTE: HAFEZ (2004)



                                                                                15                                                                                16




    PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OVINOS E                                                           TERMINOLOGIA DAS CATEGORIAS OVINAS
                  CAPRINOS
                                                                                     Cordeiro (a): Do nascimento até a troca das pinças

                       Parâmetros            Ovinos           Caprinos               Borrego: Macho - antes de ser usado para reprodução
                         Preferência por      Gramíneas e              Brotos
                            alimento            vegetais                             Borrega: Fêmea após troca das pinças até antes da parição
                                              suculentos
   Aspectos            Seleção de habitat     Áreas planas     Escalam rochas e
comportamentais                                                                      Ovelha: Fêmea após a parição
                                                 e vales          elevações
                              Briga            Cabeçadas      Levantam as patas
                                                                  traseiras          Carneiro: Macho já iniciado na reprodução
                            Estresse           Isolamento                -
                                                                                     Capão: macho castrado
 FONTE: PUGH (2005)

                                                                                17
                                                                                     Rufião (a): macho ou fêmea utilizado para marcar animais no
                                                                                     cio
MERINO AUSTRALIANO



RAÇAS ESPECIALIZADAS NA
    PRODUÇÃO DE LÃ




         IDEAL
      (POLWARTH)


                              RAÇAS MISTAS PARA LÃ E
                                      CARNE




      CORRIEDALE                            CORRIEDALE


                          Raça mista por excelência, sendo o ovino de dupla aptidão
                          mais difundido no Cone Sul.

                          Duplo propósito: 50% para produção de lã e 50% para
                          produção de carne


                          Originário da Nova Zelândia, por cruzamento da raça Merino
                          (lã fina), com a raça Lincoln (lã grossa e extra-grossa)
ROMNEY MARSH



                    RAÇAS ESPECIALIZADAS NA
                      PRODUÇÃO DE CARNE




   SUFFOLK                              SUFFOLK
                 Vantagens:

                 Grande capacidade de adaptação a diferentes climas.

                 Rústica e precoce.

                 Muito profífica.

                 Cordeiros com excelentes ganhos de peso e ótimo
                 rendimento de carcaça.

                 Machos adultos atingem facilmente os 150 kg.




HAMPSHIRE DOWN                        ILE DE FRANCE
ILE DE FRANCE                                                 ILE DE FRANCE
                                                             Das raças especializadas para carne, é a que produz lã
                                                             mais fina e de boa resistência.
Raça de carne de grande formato, com machos adultos
pesando de 110 a 150 kg e fêmeas de 70 a 90 kg.
                                                             Vantagens:
                                                             Produz carcaça pesada e de boa qualidade
                                                             Muito precoce
Aspecto geral: é um ovino de constituição robusta e          Muito prolífera
conformação harmoniosa, típica de animal produtor de         Possui facilidade de adaptação ao clima e ao sistema de
carne.                                                       criação
                                                             Carneiros utilizados em cruzamentos industriais sobre
                                                             numerosas raças rústicas




                       TEXEL                                                           TEXEL

                                                             Originária da Ilha de Texel (Holanda).

                                                             Entrou no Brasil pelo       RS, a    partir   da Exposição
                                                             Internacional de Esteio

                                                             Pesos médios:

                                                             Carneiros: 115 – 130 kg
                                                             Ovelhas: 75 – 80 kg




                       TEXEL                                                         DORSET
Vantagens:

Rústica, produz bem no sistema extensivo e semi-intensivo.

Produz ótima carcaça, com gordura reduzida.

Precocidade sexual: aos 45 – 50 kg (8 a 9 meses de idade),
as borregas podem ser cobertas.
DORSET                                                   DORPER

As ovelhas adultas Dorset pesam de 70 a 90 Kg, podendo
ultrapassar este peso dependendo da condição de criação.
Os machos adultos pesam em média 100 a 125 Kg.

É uma das poucas raças que tem como característica
reprodutiva à "não estacionalidade".




                       DORPER                                                      DORPER

Esta raça ovina foi criada em 1930 na África do Sul, com o   O Dorper se destaca pela qualidade de peso das carcaças
único propósito de produzir carne, mesmo submetidos a        e também pelo seu rápido crescimento.
variadas e desfavoráveis condições ambientais.
                                                             Os cordeiros podem atingir, quando confinados, 36Kg
A raça é originada do cruzamento da ovelha Blackhead         antes dos 120 dias de idade. Outra vantagem da raça é
Persian (conhecida no Brasil por Somális) com a Dorset       apresentar boa taxa de fertilidade.
Horn.
                                                             .




                                                                              WHITE DORPER
SAMM



                  RAÇAS NATIVAS PARA
               PRODUÇÃO DE CARNE E PELE




 SANTA INÊS                      SANTA INÊS

               Pertence ao grupo de ovinos “pêlo de boi”.

               Animais deslanados de várias cores (branca, chitada,
               vermelha, preta, malhada), com orelhas médias e caídas.

               Proveniente de cruzamentos de carneiros da raça
               Bergamácia sobre ovelhas Crioula e Morada Nova.




MORADA NOVA                   MORADA NOVA
              Pertence ao grupo de ovinos “pêlo de boi”

              De origem controvertida, pode ser resultado do cruzamento
              ovinos bordaleiros de Portugal e deslanados africanos.

              Vista pela primeira vez no município de Morada Nova, Vale
              do Jaguaribe, CE.

              Aspecto geral: animais deslanados, mochos, de pelagem
              vermelha ou branca

              Machos adultos: 40 – 60 kg
              Fêmeas adultas: 30 – 50 kg
MORADA NOVA                                               SOMÁLIS BRASILEIRA
Vantagens:

Produção de carne e peles de alta qualidade;

Ovelhas muito prolíficas (índice de prolificidade de 1,96);

Ovelhas muito rústicas adaptadas às regiões áridas;

Desempenha importante função social no Nordeste.




             SOMÁLIS BRASILEIRA                                            SOMÁLIS BRASILEIRA
Pertence ao grupo de ovinos de “cauda grossa”.                Vantagens:

Originária da Ásia Central, introduzida no Brasil por         Produção de carne e pele;
criadores no Estado do Rio de Janeiro.
                                                              Fêmeas prolíficas;
Aspecto geral: ovinos de porte médio, rústicos, deslanados,
mochos, cabeça e pescoços negros ou pardos; ancas e           Animais rústicos, adaptam-se bem às condições climáticas
caudas gordas.                                                da região semi-árida

Machos adultos: 40 – 60 kg
Fêmeas adultas: 30 – 50 kg.




                   RABO LARGO                                                      RABO LARGO
                                                              Machos adultos: 45 – 50 kg

                                                              Fêmeas adultas: 30 – 40 kg

                                                              Pelagem: vermelha, branca e suas combinações; pêlos
                                                              curtos ou médios e lã.

                                                              Vantagens:

                                                              Produção de carne e pele;

                                                              Animais rústicos, bem adaptados às condições do semi-
                                                              árido nordestino brasileiro.
BARRIGA NEGRA                  BARRIGA NEGRA

                Origem: Acredita-se que ovinos deslanados da região oeste
                da África foram introduzidos no Norte e no Nordeste do
                Brasil, no começo do século XVII, juntamente com os
                escravos.

                Rústicos com bom rendimento de carcaça.

                Peso médio - Fêmeas: 43- 55 kg . Machos: 55- 70 kg




   CARIRI                              CARIRI
                ORIGEM - A raça Cariri originou-se no Nordeste Brasileiro,
                encontrando-se em maior número na região semi-árida dos
                Cariris Paraibanos, daí sua denominação.

                Porte de médio:

                Machos   adultos    pesando      de    70     a   90    Kg
                Fêmeas de 40 a 50 Kg.

                PELAGEM – A pelagem típica é preta, com o ventre e a
                parte interna dos membros e pescoço branca ou castanha
                clara. Apresenta na cabeça uma linha branca ou castanha
                clara.




   CABUGI                             CABUGI
                Características: coluna vertebral curta, cabeça muito curta
                e membros com 50% do tamanho normal.


                Apresentam boa conformação de carcaça, com boa
                musculatura.

                Rusticidade: resistente a secas prolongadas
BERGAMÁCIA



      RAÇAS PRODUTORAS DE
              LEITE




                   BERGAMÁCIA                                               BERGAMÁCIA

Originária do Norte da Itália;                             Aspecto geral:

                                                           Ovinos de grande porte, brancos, mochos, lanados.
Ovelhas proliferas, produzindo geralmente 2 cordeiros.
                                                           Machos adultos: 100 – 120 kg

Aptidão leiteira desenvolvida (250 kg de leite com 6% de   Fêmeas adultas: 70 – 80 kg
gordura em 6 meses de lactação, com média de 1,4 l/dia)




                       LACAUNE                                               LACAUNE

                                                           Predominante leiteira (150 a 200 kg/ lactação com 8% de
                                                           gordura e média de 1,5 l/dia)


                                                           Produz carne de boa qualidade e pouca lã


                                                           Peso médio do macho adulto: 90 kg

                                                           Fêmea adulta: 60 kg
TERMINOLOGIA DAS CATEGORIAS CAPRINAS


                                                         Cabrito (a): animal caprino jovem, do nascimento até antes de
                                                         ser usado na reprodução. Fêmea antes da 1ª parição.


              RAÇAS CAPRINAS                             Cabra: fêmea após a parição.


                                                         Bode: macho já em reprodução

                                                         Capão: macho castrado


                                                         Rufião (a): macho ou fêmea utilizado para marcar animais no
                                                         cio




    CLASSIFICAÇÃO DAS RAÇAS - SRGC                       RAÇAS NACIONAIS

                                                         CARACTERÍSTICAS GERAIS:
  Raças Nacionais ou Nativas (naturalizadas):
descendem dos tipos trazidos pelos colonizadores         • A maioria (90%) encontra-se no Nordeste;
portugueses                                              • Capacidade de sobrevivência;

  Grupamentos étnicos nativos: padrão racial ainda não   • Alta prolificidade;
definido
                                                         • Pequeno porte;

                                                         • Pelo curto;
  Raças Importadas ou Exóticas
                                                         • Baixa produção de leite




                             MOXOTÓ                                                  CANINDÉ

                                                                                                      Origem:    Vale    do
                                                                                                      Canindé/PI
• Origem do   nome:   Vale   do
Moxotó/PE
MAMBRINA                                            JAMNAPARI

                                    • Originária da Síria                               • Representa um dos maiores
                                                                                        rebanhos da India
                                    • Trazida ao Brasil no final do séc.
                                    XIX                                                 • Formação da raça Anglo-
                                                                                        Nubiana
                                    • Porte grande (70-80 cm)
                                                                                        • Orelhas longas
                                    • Pelagem:   todas      as   variações
                                    possíveis                                           • Chifres longos

                                    • Boa produtora de leite                            • Variedade     grande    de
                                                                                        pelagem        mais comum
                                                                                        branca      com     pequenas
                                                                                        manchas marrons




                           JAMNAPARI                                         BHUJ BRASILEIRA
                                                                                        • Originária      das     regiões
                                                                                        áridas da India
                                        • Peles e mucosas escuras                       • No   Brasil     desenvolveu
                                                                                        padrão racial diferente
                                        • Situação atual do rebanho:
                                        300 cabeças classificáveis
                                                                                        • Cabeça       pequena,     perfil
                                        como PO
                                                                                        convexo

                                                                                        • Orelhas longas

                                                                                        • Pelagem preta com orelhas
                                                                                        e focinhos chitados

                                                                                        • Pele escura




                         REPARTIDA                                            GURGUÉIA

                                                                                      • Seu nome deve-se a um afluente
• Pelagem clara na parte anterior                                                     do Rio Parnaíba, no Piauí
do corpo e escura na parte
posterior
                                                                                      • Pelagem vermelho escuro, com
                                                                                      partes pretas (ventre, membros,
                                                                                      face)
• Admite-se também o inverso
                                                                                      • Chifres voltados para trás
• Chifres de tamanho mediano
MAROTA                                                                                       AZUL

                                               • Também conhecida como                                                           • Pelagem azulada ou cinza-
                                               Curaçá                                                                            azulada

                                               • Pelagem branca uniforme                                                         • Pele escura (cinza)

                                               • Mucosas    cinzas      ou                                                       • Risco de extinção
                                               escuras
                                                                                                                                 • Rebanho nacional puro:
                                                                                                                                 20.000 animais




                                                                                    Características de Grupos Raciais de Caprinos de Corte indicadas para o Nordeste
                                                                                                                       Brasileiro.
                           GRAÚNA                                                            Peso
                                                                               Raça ou      Macho     Peso Fêmea                Prolificid         Qualidade    Qualidade
                                                                                                                    Adaptação                GPD
                                                                             grupo racial   Adulto    Adulta (kg)                 ade              de carcaça    da pele
                                                                                             (kg)
                                                                             Anglo-          70-95       55-65          A          A+         A        M           A+
                                                                             nubiana
                                   • Provavelmente originária da raça
                                                                             Bôer           110-135      70-80         M-A        M-A        A++       A           A
                                   Murciana
                                                                             Canindé         45-55       35-40         A++          A        B+        B          A++
                                   • Também conhecida como Preta
                                   Graúna ou Preta de Corda                  Gurguéia        35-40       30-35         A++          A         B        B          A++

                                                                             Kalahari       100-130      60-70          M         M-A        A+        A           A
                                   • Pelagem preta
                                                                             Marota          35-40       30-35          A+        M-A         B        B           A+
                                                                             Moxotó          45-55       35-40         A++          A        B+        B          A+++
                                                                             Repartida       35-45       35-40         A++          A         B        B          A++

                                                                             Savana         100-130      60-70          M         M-A        A+        A           A

                                                                             SRD             40-60       30-50        A++++       M-A         B        B          A++

                                                                             Fonte: Lôbo (2003)




                RAÇAS EXÓTICAS
                                                                              CARÁTER LEITEIRO                                          CARÁTER CÁRNICO
Aptidão para produção de leite: Saanen, Toggenburg,, Murciana,
Parda Alpina, Parda Francesa, Parda Alemã


Aptidão para produção de carne: Boer, Savanna, Kalahari


Dupla aptidão (leite e carne): Anglo-nubiana


Aptidão para produção de pelo: Angorá
SAANEN
                 RAÇAS DE CAPRINOS DE LEITE




                 Saanen
                 Toggenburg
                 Parda Francesa
                 Parda Alemã
                 Parda Alpina
                 Murciana




ORIGEM: Suíça, do Vale de Saanen.                                    TOGGENBURG

CARACTERÍSTICAS - Porte grande, de estrutura óssea forte e de
orelhas eretas e curtas.

Pêlos curtos, às vezes medianos na linha dorso lombar e coxas.

Pelagem uniformemente branca, sendo também aceita a pelagem
baia.

Peso médio entre 75 kg e 90 kg nos machos e entre 50 kg e 65 kg
nas fêmeas.

No Brasil, a média diária de leite tem variado de 2,5 a 6,0 litros
para uma lactação com duração de 260 dias a 305 dias.




Origem: Suíça - Vale de Toggenburg
                                                                     PARDA ALPINA
Produção: 2,5 kg de leite/dia
                                                                                Origem: Alpes suíços
Pêlos de comprimento variável, com uma coloração que vai do
pardo à cor do chocolate.                                                       Apresentam vários padrões de
                                                                                pelagem:
Apresenta duas faixas brancas ou acinzentadas, que partem das                    - chamoiseé – única aceita para
laterais da boca ata as orelhas. As patas, a baixo dos jarretes,                registro (foto)
mostram tons cinzentos ou mais claros.
                                                                                - Grande porte
As fêmeas medem de 70 a 80 cm de altura e pesam de 40 a 50
Kg;   bodes, entre 75 85 cm e 65 a 75 kg.
MURCIANA                                          ANGLO NUBIANA

         Origem: Espanha

         Pelagem preta e castanho-escuro                           Peso mínimo de 55kg na
                                                                   cabra e 75kg no bode.
         Geralmente mocho
                                                                   Pelagem      muito variável,
         Porte    pequeno,     com peso                            freqüentemente malhada ou
         variando nas fêmeas adultas de                            "tartaruga", sendo comum
         45 kg a 60 kg, e nos machos                               combinação de pelos pretos,
         adultos de 60 kg a 70 kg.                                 vermelhos, pardos.




ANGLO NUBIANA
                                                RAÇAS DE CAPRINOS DE CORTE


        Muito utilizada no Nordeste para
        cruzamento com cabras comuns

                                                Boer
        Aptidão:carne e leite
                                                Savanna
                                                Kalahari
       O rebanho estimado em mestiçagem é de
       3,0 milhão de cabeças.

       Maior rebanho brasileiro em atividade.

       Calcula-se que existam mais de 70.000
       cabeças "puras de origem" (PO)




    BOER
BOER = CARNE (alemão)
                                                                     Peso médio de 80 a 90 kg para machos e de 50 a 70 kg para
ORIGEM: raças indianas, européias e africanas.                       fêmeas, podendo alcançar pesos maiores.


Aspecto Geral: Animal vigoroso, de possante caixa torácica, perfil   É preferível os com coloração branca com cabeça e peito
romano,    orelhas     pendulosas,     chifres     para     trás.    vermelhos.


Aptidões: Carne e pele                                               São precoces, poliéstricas não-estacionais

                                                                     Em regimes de confinamento apresentam ganhos de 200 a 500
Pele: Macia, pregueada, solta, sem pelos, de cor escura.             g/dia.




                                                                                              SAVANNA
                          SAVANNA
                                                                                                              Origem: África do Sul



                                                                                                              A    pele     é     totalmente
                                                                                                              pigmentada de negro, assim
                                                                                                              como os chifres, cascos.




                          KALAHARI                                                           KALAHARI
SISTEMAS DE CRIAÇÃO OVINA NO                             SISTEMAS DE CRIAÇÃO OVINA E
               BRASIL                                             CAPRINA NO BRASIL
                                                        • Diferenças técnico-econômicas nos sistemas de
                                                          produção:
• Caracterizados por peculiaridades técnicas,
  econômicas e sociológicas;
                                                         Estrutura das produções e dos fatores
                                                         produtivos;
• Combinação entre terras e meios de trabalho
  com fins de produção;                                  Dimensão das explorações;
                                                         Restrições estruturais e as condições regionais;




SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE OVINOS E                                     SISTEMA EXTENSIVO
            CAPRINOS
                                                        • Animais não especializados para produção de leite;

                                                        • Mantidos em pastagens (nativas)

                                                        • Baixos índices produtivos




                                                  105                                                          106




       SISTEMA INTENSIVO À PASTO                        SISTEMA INTENSIVO SEMI-CONFINADO

• Animais de raças especializadas ou mestiços           • Animais de raças especializadas ou mestiços

• Pastejo rotativo (pastagem cultivada)                 • Áreas restritas ou galpões (alimentação no cocho)

• Pode haver suplementação de volumosos         e/ou    • Levadas ao pastejo rotacionado durante algumas
  concentrados em determinadas épocas                     horas por dia




                                                  107                                                          108
SISTEMAS DE CRIAÇÃO OVINA E
     SISTEMA INTENSIVO CONFINADO
                                                             CAPRINA NO BRASIL
• Animais de raças especializadas (alto potencial de
  produção)
                                                         NÃO HÁ UM SISTEMA PADRÃO PARA
• Áreas restritas ou galpões                            CRIAÇÃO DE OVINOS QUE FUNCIONE DE
                                                          MANEIRA EFICIENTE EM TODAS AS
• Dieta e manejo nutricional adequados, mão-de-obra         REGIÕES E PROPRIEDADES!!!
  qualificada; instalações funcionais



                                                  109

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Rômulo Alexandrino Silva
 

Mais procurados (20)

Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Gado corte
Gado corteGado corte
Gado corte
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças Equinas
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
 
Caprinos nativos
Caprinos nativosCaprinos nativos
Caprinos nativos
 
Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 

Destaque

Manual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de OvinoculturaManual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de Ovinocultura
AgriPoint
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Pbsmal
 
Impacto ambiental da suinocultura nos recursos hídricos pork world
Impacto ambiental da suinocultura nos recursos hídricos   pork worldImpacto ambiental da suinocultura nos recursos hídricos   pork world
Impacto ambiental da suinocultura nos recursos hídricos pork world
jurous
 
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
Ionara Urrutia Moura
 
Manejo reprodutivo de caprino e ovino
Manejo reprodutivo de caprino e ovinoManejo reprodutivo de caprino e ovino
Manejo reprodutivo de caprino e ovino
adelmosantana
 
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Pbsmal
 
Lista exercicios genética maio_2012
Lista  exercicios  genética maio_2012Lista  exercicios  genética maio_2012
Lista exercicios genética maio_2012
Ionara Urrutia Moura
 

Destaque (20)

Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
Manual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de OvinoculturaManual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de Ovinocultura
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De CriaçãoZootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
 
Impacto ambiental da suinocultura nos recursos hídricos pork world
Impacto ambiental da suinocultura nos recursos hídricos   pork worldImpacto ambiental da suinocultura nos recursos hídricos   pork world
Impacto ambiental da suinocultura nos recursos hídricos pork world
 
Manual prático de caprino e ovinocultura
Manual prático de caprino e ovinoculturaManual prático de caprino e ovinocultura
Manual prático de caprino e ovinocultura
 
Situação atual e tendências para o mercado de ovinos e caprinos
Situação atual e tendências para o mercado de ovinos e caprinosSituação atual e tendências para o mercado de ovinos e caprinos
Situação atual e tendências para o mercado de ovinos e caprinos
 
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta3S   Lista  exercicios  genética maio_sem resposta
3S Lista exercicios genética maio_sem resposta
 
Manejo reprodutivo de caprino e ovino
Manejo reprodutivo de caprino e ovinoManejo reprodutivo de caprino e ovino
Manejo reprodutivo de caprino e ovino
 
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODEZootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
 
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
 
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
Relatório de estágio  abatedouro frigoríficoRelatório de estágio  abatedouro frigorífico
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
 
Lista exercicios genética maio_2012
Lista  exercicios  genética maio_2012Lista  exercicios  genética maio_2012
Lista exercicios genética maio_2012
 
Manual de Criação de Cabras no Semiárido
Manual de Criação de Cabras no SemiáridoManual de Criação de Cabras no Semiárido
Manual de Criação de Cabras no Semiárido
 
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na Seca
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na SecaManual de Criação de Caprinos e Ovinos na Seca
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na Seca
 
Bem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamentoBem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamento
 
Aula 1 Prof Guth Berger
Aula 1 Prof Guth BergerAula 1 Prof Guth Berger
Aula 1 Prof Guth Berger
 
Sociedade Brasileira de D. Agropecuária - SBDA Responsabilidade Compartilhada
Sociedade Brasileira de D. Agropecuária - SBDA  Responsabilidade CompartilhadaSociedade Brasileira de D. Agropecuária - SBDA  Responsabilidade Compartilhada
Sociedade Brasileira de D. Agropecuária - SBDA Responsabilidade Compartilhada
 

Semelhante a Produção de ovinos e caprinos de corte

07 apresentação marcel mendes reis v2
07 apresentação marcel mendes reis v207 apresentação marcel mendes reis v2
07 apresentação marcel mendes reis v2
AgroTalento
 
111018 safra pecuaria nft
111018 safra pecuaria nft111018 safra pecuaria nft
111018 safra pecuaria nft
NFT Alliance
 
[Palestra] Pastagens e mitigacao CO2 - FEED2011 - Mauricio P. Nogueira (Bigma...
[Palestra] Pastagens e mitigacao CO2 - FEED2011 - Mauricio P. Nogueira (Bigma...[Palestra] Pastagens e mitigacao CO2 - FEED2011 - Mauricio P. Nogueira (Bigma...
[Palestra] Pastagens e mitigacao CO2 - FEED2011 - Mauricio P. Nogueira (Bigma...
AgroTalento
 
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produ...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produ...[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produ...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produ...
AgroTalento
 
120926 13-wbeef-associacoes-bruno-andrade
120926 13-wbeef-associacoes-bruno-andrade120926 13-wbeef-associacoes-bruno-andrade
120926 13-wbeef-associacoes-bruno-andrade
AgroTalento
 
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015 Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Petrobras
 
Apresentação dos Resultados do 1T08
Apresentação dos Resultados do 1T08Apresentação dos Resultados do 1T08
Apresentação dos Resultados do 1T08
JBS RI
 
Mobile marketing[2][1]
Mobile marketing[2][1]Mobile marketing[2][1]
Mobile marketing[2][1]
nanypereira
 
Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
cbsaf
 
Extrativismo da carnaúba desafio de estimar custos.doc
Extrativismo da carnaúba desafio de estimar custos.docExtrativismo da carnaúba desafio de estimar custos.doc
Extrativismo da carnaúba desafio de estimar custos.doc
MARIA ODETE ALVES
 
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Juliano Hoffmann
 
11 tri 2008
11   tri 200811   tri 2008
11 tri 2008
Cteep
 
11 tri 2008
11   tri 200811   tri 2008
11 tri 2008
Cteep
 

Semelhante a Produção de ovinos e caprinos de corte (20)

Pecuaria
PecuariaPecuaria
Pecuaria
 
07 apresentação marcel mendes reis v2
07 apresentação marcel mendes reis v207 apresentação marcel mendes reis v2
07 apresentação marcel mendes reis v2
 
O papel dos frigoríficos no debate ambiental
O papel dos frigoríficos no debate ambientalO papel dos frigoríficos no debate ambiental
O papel dos frigoríficos no debate ambiental
 
Rondônia: Estado Natural da Pecuária
Rondônia: Estado Natural da PecuáriaRondônia: Estado Natural da Pecuária
Rondônia: Estado Natural da Pecuária
 
111018 safra pecuaria nft
111018 safra pecuaria nft111018 safra pecuaria nft
111018 safra pecuaria nft
 
[Palestra] Pastagens e mitigacao CO2 - FEED2011 - Mauricio P. Nogueira (Bigma...
[Palestra] Pastagens e mitigacao CO2 - FEED2011 - Mauricio P. Nogueira (Bigma...[Palestra] Pastagens e mitigacao CO2 - FEED2011 - Mauricio P. Nogueira (Bigma...
[Palestra] Pastagens e mitigacao CO2 - FEED2011 - Mauricio P. Nogueira (Bigma...
 
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produ...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produ...[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produ...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produ...
 
4º Levantamento da safra de café 2009 CONAB - dezembro/2009
4º Levantamento da safra de café 2009 CONAB - dezembro/20094º Levantamento da safra de café 2009 CONAB - dezembro/2009
4º Levantamento da safra de café 2009 CONAB - dezembro/2009
 
120926 13-wbeef-associacoes-bruno-andrade
120926 13-wbeef-associacoes-bruno-andrade120926 13-wbeef-associacoes-bruno-andrade
120926 13-wbeef-associacoes-bruno-andrade
 
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015 Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
Apresentação Webcast Plano de Negócios 2011-2015
 
Apresentação dos Resultados do 1T08
Apresentação dos Resultados do 1T08Apresentação dos Resultados do 1T08
Apresentação dos Resultados do 1T08
 
SBC- 2 planurb 5
SBC- 2 planurb 5 SBC- 2 planurb 5
SBC- 2 planurb 5
 
Mobile marketing[2][1]
Mobile marketing[2][1]Mobile marketing[2][1]
Mobile marketing[2][1]
 
Relatório de atividades 2012 - Governo de Sergipe
Relatório de atividades 2012  - Governo de SergipeRelatório de atividades 2012  - Governo de Sergipe
Relatório de atividades 2012 - Governo de Sergipe
 
Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
 
Extrativismo da carnaúba desafio de estimar custos.doc
Extrativismo da carnaúba desafio de estimar custos.docExtrativismo da carnaúba desafio de estimar custos.doc
Extrativismo da carnaúba desafio de estimar custos.doc
 
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
 
CTEEP - Apresentação da Reunião Pública na Apimec no 1º trimestre de 2008
CTEEP - Apresentação da Reunião Pública na Apimec no 1º trimestre de 2008CTEEP - Apresentação da Reunião Pública na Apimec no 1º trimestre de 2008
CTEEP - Apresentação da Reunião Pública na Apimec no 1º trimestre de 2008
 
11 tri 2008
11   tri 200811   tri 2008
11 tri 2008
 
11 tri 2008
11   tri 200811   tri 2008
11 tri 2008
 

Mais de Rômulo Alexandrino Silva (14)

Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
 
Dad hplc
Dad hplcDad hplc
Dad hplc
 
Reações de alcenos
Reações de alcenosReações de alcenos
Reações de alcenos
 
Haloidrina
HaloidrinaHaloidrina
Haloidrina
 
Dihaleto[1]
Dihaleto[1]Dihaleto[1]
Dihaleto[1]
 
Reações de alcenos haletos
Reações de alcenos haletosReações de alcenos haletos
Reações de alcenos haletos
 
Como fazer referencias
Como fazer referenciasComo fazer referencias
Como fazer referencias
 
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_admAbnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
 
Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012
 
Tabela de racas_suinas
Tabela de racas_suinasTabela de racas_suinas
Tabela de racas_suinas
 
Tabelas -ambiencia
Tabelas  -ambienciaTabelas  -ambiencia
Tabelas -ambiencia
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
 
Introduçao a engenharia agricola trabalho(1)
Introduçao a engenharia agricola   trabalho(1)Introduçao a engenharia agricola   trabalho(1)
Introduçao a engenharia agricola trabalho(1)
 
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambientalDesenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

Produção de ovinos e caprinos de corte

  • 1. Universidade Federal do Vale do São Francisco DISTRIBUIÇÃO DO REBANHO OVINO BRASILEIRO Colegiado de Zootecnia 58,55% PRODUÇÃO DE OVINOS E 3,10% 496.755 CAPRINOS DE CORTE 9.379.380 6,16% 987.090 664.422 4,15% Profa. Sandra Mari Yamamoto 28,04% 4.491.523 2 Fonte: IBGE (2010) DISTRIBUIÇÃO DO REBANHO CAPRINO BRASILEIRO DISTRIBUIÇÃO DOS OVINOS NOS ESTADOS BRASILEIROS ESTADO OVINOS (2006) 92,43% Rio Grande do Sul 3.764.031 Bahia 3.165.757 1,50% 154.678 Ceará 1.961.724 Piauí 1.534.969 9.542.910 Pernambuco 1.180.943 1,12% 114.297 FONTE: IBGE (2010) 252.124 2,53% 2,42% 195.400 3 4 Fonte: IBGE (2010) MUNICÍPIOS DE MAIORES REBANHOS DE OVINOS DESLANADOS MUNICÍPIOS DE MAIORES REBANHOS DE CAPRINOS MUNICÍPIO OVINOS (2006) MUNICÍPIO CAPRINOS (2006) REMANSO (BA) 195.368 REMANSO (BA) 438.017 JUAZEIRO (BA) 187.800 CASA NOVA (BA) 419.546 CASA NOVA (BA) 137.967 JUAZEIRO (BA) 375.000 TAUÁ (BA) 133.807 FLORESTA (PE) 230.000 UAUÁ (BA) 133.759 UAUÁ (BA) 194.788 PETROLINA – 40.600 OVINOS PETROLINA – 80.500 CAPRINOS FONTE: IBGE (2010) FONTE: IBGE (2010) 5 6
  • 2. PRODUÇÃO DE CARNES OVINA E CAPRINA MERCADO INTERNO abastecimento • PRODUÇÃO NACIONAL: em torno de 172 mil CHILE ARGENTINA URUGUAI toneladas/ano • Consumo anual brasileiro: 240 mil toneladas • Consumo per capita nacional: 0,700 kg/hab/ano BRASIL • Juazeiro – Petrolina: 11 kg/hab/ano Produção de carne ovina Aspectos envolvidos na produção de carne ovina FATORES LIMITANTES Pontos mais importantes: • Forrageiras tropicais: sazonalidade • Genética • Incidência de verminose (grandes perdas na • Nutrição caprinovinocultura) • Sanidade • Mercado (estrutura de comercialização) • Baixo potencial genético dos animais Escolha dos animais TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS Características desejáveis no rebanho materno Melhoria dos sistemas de produção e exploração • Não estacionalidade reprodutiva Melhoria das raças, aptidões e adaptabilidade • Habilidade materna • Resistência à parasitos
  • 3. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OVINOS E Escolha dos animais CAPRINOS Parâmetros Ovinos Caprinos Características desejáveis no rebanho paterno Características N°de 54 60 cromossomos genéticas • Alta velocidade de ganho de peso Taxonomia Ovis aires Capra hircus Cauda Caída Ereta • Rendimento de carcaça Fossa lacrimal Presente Ausente Aspectos físicos Glândula dos pés Presente Ausente • Acabamento adequado de carcaça (relação Glândula de Ausente Presente músculo:osso) Schietzel Barba Ausente Presente Pelame do corpo Pelo e lã Pelo 14 PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OVINOS E PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OVINOS E CAPRINOS CAPRINOS Parâmetros Ovinos Caprinos Parâmetros Ovinos Caprinos Idade à 5 – 9 meses 5 – 7 meses Idade à puberdade 5 – 9 meses 5 – 7 meses puberdade Aspectos Aspectos Sêmen - Volume 0,8 – 1,2 mL 0,1 – 1,5 mL Ciclo estral 17 dias 21 dias reprodutivos em (14-19) (18-22) reprodutivos em fêmeas Cio 24-36 horas 24-48 horas machos Sêmen – 1,5 2 – 6 bilhões/mL Concentração bilhões/mL Ovulação (n°por 1-3 2-3 Acasalamento 1:30 1:50 ciclo) (M:F) FONTE: HAFEZ (2004) FONTE: HAFEZ (2004) 15 16 PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE OVINOS E TERMINOLOGIA DAS CATEGORIAS OVINAS CAPRINOS Cordeiro (a): Do nascimento até a troca das pinças Parâmetros Ovinos Caprinos Borrego: Macho - antes de ser usado para reprodução Preferência por Gramíneas e Brotos alimento vegetais Borrega: Fêmea após troca das pinças até antes da parição suculentos Aspectos Seleção de habitat Áreas planas Escalam rochas e comportamentais Ovelha: Fêmea após a parição e vales elevações Briga Cabeçadas Levantam as patas traseiras Carneiro: Macho já iniciado na reprodução Estresse Isolamento - Capão: macho castrado FONTE: PUGH (2005) 17 Rufião (a): macho ou fêmea utilizado para marcar animais no cio
  • 4. MERINO AUSTRALIANO RAÇAS ESPECIALIZADAS NA PRODUÇÃO DE LÃ IDEAL (POLWARTH) RAÇAS MISTAS PARA LÃ E CARNE CORRIEDALE CORRIEDALE Raça mista por excelência, sendo o ovino de dupla aptidão mais difundido no Cone Sul. Duplo propósito: 50% para produção de lã e 50% para produção de carne Originário da Nova Zelândia, por cruzamento da raça Merino (lã fina), com a raça Lincoln (lã grossa e extra-grossa)
  • 5. ROMNEY MARSH RAÇAS ESPECIALIZADAS NA PRODUÇÃO DE CARNE SUFFOLK SUFFOLK Vantagens: Grande capacidade de adaptação a diferentes climas. Rústica e precoce. Muito profífica. Cordeiros com excelentes ganhos de peso e ótimo rendimento de carcaça. Machos adultos atingem facilmente os 150 kg. HAMPSHIRE DOWN ILE DE FRANCE
  • 6. ILE DE FRANCE ILE DE FRANCE Das raças especializadas para carne, é a que produz lã mais fina e de boa resistência. Raça de carne de grande formato, com machos adultos pesando de 110 a 150 kg e fêmeas de 70 a 90 kg. Vantagens: Produz carcaça pesada e de boa qualidade Muito precoce Aspecto geral: é um ovino de constituição robusta e Muito prolífera conformação harmoniosa, típica de animal produtor de Possui facilidade de adaptação ao clima e ao sistema de carne. criação Carneiros utilizados em cruzamentos industriais sobre numerosas raças rústicas TEXEL TEXEL Originária da Ilha de Texel (Holanda). Entrou no Brasil pelo RS, a partir da Exposição Internacional de Esteio Pesos médios: Carneiros: 115 – 130 kg Ovelhas: 75 – 80 kg TEXEL DORSET Vantagens: Rústica, produz bem no sistema extensivo e semi-intensivo. Produz ótima carcaça, com gordura reduzida. Precocidade sexual: aos 45 – 50 kg (8 a 9 meses de idade), as borregas podem ser cobertas.
  • 7. DORSET DORPER As ovelhas adultas Dorset pesam de 70 a 90 Kg, podendo ultrapassar este peso dependendo da condição de criação. Os machos adultos pesam em média 100 a 125 Kg. É uma das poucas raças que tem como característica reprodutiva à "não estacionalidade". DORPER DORPER Esta raça ovina foi criada em 1930 na África do Sul, com o O Dorper se destaca pela qualidade de peso das carcaças único propósito de produzir carne, mesmo submetidos a e também pelo seu rápido crescimento. variadas e desfavoráveis condições ambientais. Os cordeiros podem atingir, quando confinados, 36Kg A raça é originada do cruzamento da ovelha Blackhead antes dos 120 dias de idade. Outra vantagem da raça é Persian (conhecida no Brasil por Somális) com a Dorset apresentar boa taxa de fertilidade. Horn. . WHITE DORPER
  • 8. SAMM RAÇAS NATIVAS PARA PRODUÇÃO DE CARNE E PELE SANTA INÊS SANTA INÊS Pertence ao grupo de ovinos “pêlo de boi”. Animais deslanados de várias cores (branca, chitada, vermelha, preta, malhada), com orelhas médias e caídas. Proveniente de cruzamentos de carneiros da raça Bergamácia sobre ovelhas Crioula e Morada Nova. MORADA NOVA MORADA NOVA Pertence ao grupo de ovinos “pêlo de boi” De origem controvertida, pode ser resultado do cruzamento ovinos bordaleiros de Portugal e deslanados africanos. Vista pela primeira vez no município de Morada Nova, Vale do Jaguaribe, CE. Aspecto geral: animais deslanados, mochos, de pelagem vermelha ou branca Machos adultos: 40 – 60 kg Fêmeas adultas: 30 – 50 kg
  • 9. MORADA NOVA SOMÁLIS BRASILEIRA Vantagens: Produção de carne e peles de alta qualidade; Ovelhas muito prolíficas (índice de prolificidade de 1,96); Ovelhas muito rústicas adaptadas às regiões áridas; Desempenha importante função social no Nordeste. SOMÁLIS BRASILEIRA SOMÁLIS BRASILEIRA Pertence ao grupo de ovinos de “cauda grossa”. Vantagens: Originária da Ásia Central, introduzida no Brasil por Produção de carne e pele; criadores no Estado do Rio de Janeiro. Fêmeas prolíficas; Aspecto geral: ovinos de porte médio, rústicos, deslanados, mochos, cabeça e pescoços negros ou pardos; ancas e Animais rústicos, adaptam-se bem às condições climáticas caudas gordas. da região semi-árida Machos adultos: 40 – 60 kg Fêmeas adultas: 30 – 50 kg. RABO LARGO RABO LARGO Machos adultos: 45 – 50 kg Fêmeas adultas: 30 – 40 kg Pelagem: vermelha, branca e suas combinações; pêlos curtos ou médios e lã. Vantagens: Produção de carne e pele; Animais rústicos, bem adaptados às condições do semi- árido nordestino brasileiro.
  • 10. BARRIGA NEGRA BARRIGA NEGRA Origem: Acredita-se que ovinos deslanados da região oeste da África foram introduzidos no Norte e no Nordeste do Brasil, no começo do século XVII, juntamente com os escravos. Rústicos com bom rendimento de carcaça. Peso médio - Fêmeas: 43- 55 kg . Machos: 55- 70 kg CARIRI CARIRI ORIGEM - A raça Cariri originou-se no Nordeste Brasileiro, encontrando-se em maior número na região semi-árida dos Cariris Paraibanos, daí sua denominação. Porte de médio: Machos adultos pesando de 70 a 90 Kg Fêmeas de 40 a 50 Kg. PELAGEM – A pelagem típica é preta, com o ventre e a parte interna dos membros e pescoço branca ou castanha clara. Apresenta na cabeça uma linha branca ou castanha clara. CABUGI CABUGI Características: coluna vertebral curta, cabeça muito curta e membros com 50% do tamanho normal. Apresentam boa conformação de carcaça, com boa musculatura. Rusticidade: resistente a secas prolongadas
  • 11. BERGAMÁCIA RAÇAS PRODUTORAS DE LEITE BERGAMÁCIA BERGAMÁCIA Originária do Norte da Itália; Aspecto geral: Ovinos de grande porte, brancos, mochos, lanados. Ovelhas proliferas, produzindo geralmente 2 cordeiros. Machos adultos: 100 – 120 kg Aptidão leiteira desenvolvida (250 kg de leite com 6% de Fêmeas adultas: 70 – 80 kg gordura em 6 meses de lactação, com média de 1,4 l/dia) LACAUNE LACAUNE Predominante leiteira (150 a 200 kg/ lactação com 8% de gordura e média de 1,5 l/dia) Produz carne de boa qualidade e pouca lã Peso médio do macho adulto: 90 kg Fêmea adulta: 60 kg
  • 12. TERMINOLOGIA DAS CATEGORIAS CAPRINAS Cabrito (a): animal caprino jovem, do nascimento até antes de ser usado na reprodução. Fêmea antes da 1ª parição. RAÇAS CAPRINAS Cabra: fêmea após a parição. Bode: macho já em reprodução Capão: macho castrado Rufião (a): macho ou fêmea utilizado para marcar animais no cio CLASSIFICAÇÃO DAS RAÇAS - SRGC RAÇAS NACIONAIS CARACTERÍSTICAS GERAIS: Raças Nacionais ou Nativas (naturalizadas): descendem dos tipos trazidos pelos colonizadores • A maioria (90%) encontra-se no Nordeste; portugueses • Capacidade de sobrevivência; Grupamentos étnicos nativos: padrão racial ainda não • Alta prolificidade; definido • Pequeno porte; • Pelo curto; Raças Importadas ou Exóticas • Baixa produção de leite MOXOTÓ CANINDÉ Origem: Vale do Canindé/PI • Origem do nome: Vale do Moxotó/PE
  • 13. MAMBRINA JAMNAPARI • Originária da Síria • Representa um dos maiores rebanhos da India • Trazida ao Brasil no final do séc. XIX • Formação da raça Anglo- Nubiana • Porte grande (70-80 cm) • Orelhas longas • Pelagem: todas as variações possíveis • Chifres longos • Boa produtora de leite • Variedade grande de pelagem mais comum branca com pequenas manchas marrons JAMNAPARI BHUJ BRASILEIRA • Originária das regiões áridas da India • Peles e mucosas escuras • No Brasil desenvolveu padrão racial diferente • Situação atual do rebanho: 300 cabeças classificáveis • Cabeça pequena, perfil como PO convexo • Orelhas longas • Pelagem preta com orelhas e focinhos chitados • Pele escura REPARTIDA GURGUÉIA • Seu nome deve-se a um afluente • Pelagem clara na parte anterior do Rio Parnaíba, no Piauí do corpo e escura na parte posterior • Pelagem vermelho escuro, com partes pretas (ventre, membros, face) • Admite-se também o inverso • Chifres voltados para trás • Chifres de tamanho mediano
  • 14. MAROTA AZUL • Também conhecida como • Pelagem azulada ou cinza- Curaçá azulada • Pelagem branca uniforme • Pele escura (cinza) • Mucosas cinzas ou • Risco de extinção escuras • Rebanho nacional puro: 20.000 animais Características de Grupos Raciais de Caprinos de Corte indicadas para o Nordeste Brasileiro. GRAÚNA Peso Raça ou Macho Peso Fêmea Prolificid Qualidade Qualidade Adaptação GPD grupo racial Adulto Adulta (kg) ade de carcaça da pele (kg) Anglo- 70-95 55-65 A A+ A M A+ nubiana • Provavelmente originária da raça Bôer 110-135 70-80 M-A M-A A++ A A Murciana Canindé 45-55 35-40 A++ A B+ B A++ • Também conhecida como Preta Graúna ou Preta de Corda Gurguéia 35-40 30-35 A++ A B B A++ Kalahari 100-130 60-70 M M-A A+ A A • Pelagem preta Marota 35-40 30-35 A+ M-A B B A+ Moxotó 45-55 35-40 A++ A B+ B A+++ Repartida 35-45 35-40 A++ A B B A++ Savana 100-130 60-70 M M-A A+ A A SRD 40-60 30-50 A++++ M-A B B A++ Fonte: Lôbo (2003) RAÇAS EXÓTICAS CARÁTER LEITEIRO CARÁTER CÁRNICO Aptidão para produção de leite: Saanen, Toggenburg,, Murciana, Parda Alpina, Parda Francesa, Parda Alemã Aptidão para produção de carne: Boer, Savanna, Kalahari Dupla aptidão (leite e carne): Anglo-nubiana Aptidão para produção de pelo: Angorá
  • 15. SAANEN RAÇAS DE CAPRINOS DE LEITE Saanen Toggenburg Parda Francesa Parda Alemã Parda Alpina Murciana ORIGEM: Suíça, do Vale de Saanen. TOGGENBURG CARACTERÍSTICAS - Porte grande, de estrutura óssea forte e de orelhas eretas e curtas. Pêlos curtos, às vezes medianos na linha dorso lombar e coxas. Pelagem uniformemente branca, sendo também aceita a pelagem baia. Peso médio entre 75 kg e 90 kg nos machos e entre 50 kg e 65 kg nas fêmeas. No Brasil, a média diária de leite tem variado de 2,5 a 6,0 litros para uma lactação com duração de 260 dias a 305 dias. Origem: Suíça - Vale de Toggenburg PARDA ALPINA Produção: 2,5 kg de leite/dia Origem: Alpes suíços Pêlos de comprimento variável, com uma coloração que vai do pardo à cor do chocolate. Apresentam vários padrões de pelagem: Apresenta duas faixas brancas ou acinzentadas, que partem das - chamoiseé – única aceita para laterais da boca ata as orelhas. As patas, a baixo dos jarretes, registro (foto) mostram tons cinzentos ou mais claros. - Grande porte As fêmeas medem de 70 a 80 cm de altura e pesam de 40 a 50 Kg; bodes, entre 75 85 cm e 65 a 75 kg.
  • 16. MURCIANA ANGLO NUBIANA Origem: Espanha Pelagem preta e castanho-escuro Peso mínimo de 55kg na cabra e 75kg no bode. Geralmente mocho Pelagem muito variável, Porte pequeno, com peso freqüentemente malhada ou variando nas fêmeas adultas de "tartaruga", sendo comum 45 kg a 60 kg, e nos machos combinação de pelos pretos, adultos de 60 kg a 70 kg. vermelhos, pardos. ANGLO NUBIANA RAÇAS DE CAPRINOS DE CORTE Muito utilizada no Nordeste para cruzamento com cabras comuns Boer Aptidão:carne e leite Savanna Kalahari O rebanho estimado em mestiçagem é de 3,0 milhão de cabeças. Maior rebanho brasileiro em atividade. Calcula-se que existam mais de 70.000 cabeças "puras de origem" (PO) BOER
  • 17. BOER = CARNE (alemão) Peso médio de 80 a 90 kg para machos e de 50 a 70 kg para ORIGEM: raças indianas, européias e africanas. fêmeas, podendo alcançar pesos maiores. Aspecto Geral: Animal vigoroso, de possante caixa torácica, perfil É preferível os com coloração branca com cabeça e peito romano, orelhas pendulosas, chifres para trás. vermelhos. Aptidões: Carne e pele São precoces, poliéstricas não-estacionais Em regimes de confinamento apresentam ganhos de 200 a 500 Pele: Macia, pregueada, solta, sem pelos, de cor escura. g/dia. SAVANNA SAVANNA Origem: África do Sul A pele é totalmente pigmentada de negro, assim como os chifres, cascos. KALAHARI KALAHARI
  • 18. SISTEMAS DE CRIAÇÃO OVINA NO SISTEMAS DE CRIAÇÃO OVINA E BRASIL CAPRINA NO BRASIL • Diferenças técnico-econômicas nos sistemas de produção: • Caracterizados por peculiaridades técnicas, econômicas e sociológicas; Estrutura das produções e dos fatores produtivos; • Combinação entre terras e meios de trabalho com fins de produção; Dimensão das explorações; Restrições estruturais e as condições regionais; SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE OVINOS E SISTEMA EXTENSIVO CAPRINOS • Animais não especializados para produção de leite; • Mantidos em pastagens (nativas) • Baixos índices produtivos 105 106 SISTEMA INTENSIVO À PASTO SISTEMA INTENSIVO SEMI-CONFINADO • Animais de raças especializadas ou mestiços • Animais de raças especializadas ou mestiços • Pastejo rotativo (pastagem cultivada) • Áreas restritas ou galpões (alimentação no cocho) • Pode haver suplementação de volumosos e/ou • Levadas ao pastejo rotacionado durante algumas concentrados em determinadas épocas horas por dia 107 108
  • 19. SISTEMAS DE CRIAÇÃO OVINA E SISTEMA INTENSIVO CONFINADO CAPRINA NO BRASIL • Animais de raças especializadas (alto potencial de produção) NÃO HÁ UM SISTEMA PADRÃO PARA • Áreas restritas ou galpões CRIAÇÃO DE OVINOS QUE FUNCIONE DE MANEIRA EFICIENTE EM TODAS AS • Dieta e manejo nutricional adequados, mão-de-obra REGIÕES E PROPRIEDADES!!! qualificada; instalações funcionais 109