SlideShare uma empresa Scribd logo
Caprinos nativos
Caprinos nativos
Introdução
• Os caprinos são descendentes dos caprinos exóticos.
• Introduzidos pelos europeus em 1535.
• Sofrendo seleção natural por várias gerações.
• perfeitamente adaptadas ao meio ambiente.
• Apresentando alta capacidade de sobrevivência.
• Os animais serão avaliados de acordo com o Padrão Racial
definido para cada uma das raças.
Objetivo
• O Brasil detém um expressivo rebanho caprino
• Cerca de 9.164 milhões de caprinos
• A maior produção encontra-se no Nordeste
• Constituindo apenas 1% de caprinos nativos
Rebanho No Brasil
Semiárido
Nordeste:
90% caprinos Nativos
14,9%
42,5%
Bahia
PernambucoPiauí
14,4%
Características
Grande resistência Reduzida capacidade
Alimentação produção de Carne
Doenças produção de Leite
Clima
Cauda voltada
para cima
Alguns apresentam
chifres
Pequeno porte
Pelos curtos
Orelhas eretas
Raças e suas aptidões
MOXOTO: (Pele)
Marota (Mista e pele)
REPARTIDA: (Carne e Pele)
CANINDÉ: ( pele e
Leite)
Graúna: (Leite) AZUL: (Carne leite)
Gurgéia: (Carne e
pele)
• Registro intermediário
• Classificação de pureza racial
• Categoria:
Raças Nacionais Animais Puros de Origem (PO)
tabela de pontos elaborada pela ABCC (aprovada pelo Ministério da Agricultura e
Abastecimento)
• Características raciais
Conjunto de caracteres fenotípicos tais como biótipo, pelagem, conformação, e
desempenho produtivo que define uma população de indivíduos como
pertencente ao mesmo grupo genético ou raça.
Como regulamentar uma raça?
CANINDÉ
Origem da Raça Canindé
o De que forma se originou essa Raça:
o Descendente da raças charmequeira e
serrana , trazidas pelos colonizadores
Português, a cabra Canindé foi formada
principalmente na região do Piauí. Raça
naturalizadas no Nordeste Brasileiros, e
provavelmente se originária da rança
Grisonne negra, dos Alpes Suíços.
o Porque raça se chama canindé?
o Em que ano esse caprino foi considerado
uma Raça? E porque?
APTIDÃO
 Leite;
 Carne;
Características Morfológicas da Raça
Canindé
• Tipo de pelagem e pele:
• Formato da cabeça e do perfil da fronte do animal:
Sub-concâvo
Outras características
permissíveis na raça Canindé
1:Pescoço
2:Peito
3,4,5:Tronco
3: Dorso
4: Lombo
5: Garupa
6: Tórax
7: Ancas
8: Costelas
9: Ventre
10: Membros
11:órgãos genitais
12: Úbere
1
2
3 4 5
7
6
8
9
11
10
1012
Defeitos que são considerados permissíveis:
• Orelhas de tamanho médio;
• Chifres com ligeira assimetria e chifres
paralelos e amochados;
• Pescoço curto e grosso;
• Linha dorso lombar com uma ligeira
depressão;
• Tórax com média profundidade;
• Garupa curta;
• Úbere com tetas longas;
Defeitos que são considerados
desclassificatórios
• Cabeça grande;
• Perfil côncavo e convexo;
• Orelhas grandes e pendentes;
• Tórax estreito;
• Garupa muito inclinada;
• A vulva, a bolsa escrotal e a pele não podem ser
despigmentadas;
• O ventre não pode ser preto
CABRA AZUL
Sua origem
Cabras anãs do oeste africano Cabra azul
Números
indeterminad
os e em
processo de
extinção
População no Brasil
Fonte: Google
Aptidões
Corte
Pele
Leite
Produção de queijo para consumo familiar
Fonte: O Candeeiro, Paraíba 2009.
Características Morfológicas da raça
o Mas em geral são animais que apresentam
grande rusticidade;
o A pelagem é azulada, ou cinza-azulada; mais
escura no inverno;
o Barbicha afogueada nos machos;
Não existe descrição oficial dos padrões raciais
Características Morfológicas da raça
o Pêlos fortes e grossos nos
machos, mais delicados
nas fêmeas;
o Corpo – Retilíneo. Ventre
reto, paralelo à linha
dorso-lombar;
o Membros - Fortes, da
altura do corpo
Não existe descrição oficial dos padrões raciais
Fonte: Google
Características Morfológicas da raça
o Altura média - Fêmeas:
60-65 cm (podendo
chegar a 75 cm);
o Machos: 65-75 cm
(podendo chegar a 90
cm);
o Peso médio - Fêmeas: 45-
55 kg. Machos: 60-75 kg;
Não existe descrição oficial dos padrões raciais
Fonte: Google
Criação em sistema semi intensivo
GURGUÉIA
De acordo com MCMANUS (2010) este
animal é resultado do processo de
seleção natural, ocorridos entre os
ecotipos trazidos pelos colonizadores
portugueses.
Seu nome é referente a um afluente do
rio Paraíba/PI.
Figura : Comparação entre o ecotipo Gurgueia e seu possivel ancestral a raça
Parda Alpina. a) Gurgueia e b) Parda Alpina, Teresina – Piauí, 2011.
Características zootécnicas
o Animal de pequeno porte e de baixo potencial
leiteiro;
o A presenta pelagem vermelha escura com ventre
de cor castanha;
o Perfil retilíneo; chifres voltados para cima e para
trás;
o Orelhas retas e pequenas;
o O dorso, ventre e extremidades pretas
Não existe descrição oficial dos padrões raciais, mas apresentam
semelhanças aos da raça Pardo-Alpina.
o Pescoço proporcional à cabeça e ao corpo;
o Linha de dorso reta;
o Garupa curta e inclinada;
o Pesam em média 36 kg.
Não existe descrição oficial dos padrões raciais, mas apresentam
semelhanças aos da raça Pardo-Alpina.
Características zootécnicas
Situação do rebanho hoje
Atualmente, o ecotipo Gurgueia
encontra-se em risco de
desaparecimento devido a exposição
a cruzamentos sem controle com
animais sem raça definida, (COSTA,
2010).
Apenas Marota e Azul são conservados in situ pela
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária –
EMBRAPA/CPAMN
Importância econômica
São animais de grande rusticidade, que
nos últimos anos vem sendo
explorados nos cruzamentos com
outras raças, principalmente devido ao
seu alto desempenho reprodutivo:
cerca de 98,33% de parição, 170,27%
de capacidade de proliferação e 71%
de partos múltiplos, McManus (2010).
RAÇA MOXOTÓ
 Teorias da origem da raça moxotó:
 1ª Teoria:
ORIGEM DA RAÇA
Alpina Francesa Cabra Branca Moxotó
2ª Teoria:
ORIGEM DA RAÇA
Serpentina Moxotó
 Vale do Rio Moxotó Pernambuco
HABITAT
Pernambuco
Ceará
Nordeste Brasileiro
Bahia
Piauí
Paraíba
REGISTRO DA RAÇA
As outras cabras morrem
de inveja só porque somos a
única raça brasileira
reconhecida oficialmente e
com livro de registro.
Bejim no ombro
que o recalque
passa longe...
 Também chamada de “Lombo Preto”;
 Rústica;
 Pequeno Porte;
 Prolífica;
PADRÃO RACIAL
Leite e Carne Pele
 Perfil Reto;
 Peso médio ao Nascer: 2,0 a 2,3 Kg;
 Adulto: 34 Kg;
PADRÃO RACIAL
CABEÇA Média
Cônica
Alongada
PADRÃO RACIAL
Altura varia entre
50 a 70 cm
Orelhas pequenas e levantadas
Lista negra
Ventre e Úbere são pretos
Cascos e membros
inferiores são pretos
PADRÃO RACIAL
Presença de brincos
Chifres fortes
e retilíneos
Pescoço curto,
forte e erguido
PADRÃO RACIAL
Lista negra na
linha dorso-lombar
Barba
Dir. para cima,
levemente para
trás e para fora.
Dir. para cima
e para trás.
 Pelagem
 Pele preta e mucosas escuras;
 Potencial Genético da raça moxotó;
 Animais de dupla aptidão
PADRÃO RACIAL
Branca ou Baia
Pele
Carne
 Cabeça de tamanho médio;
 Perfil retilíneo;
 Chifres ligeiramente assimétricos ou amochados;
 Pescoço curto;
 A linha de dorso com ligeira depressão;
DEFEITOS PERMISSÍVEIS
 Tórax de comprimento médio;
 Ventre ligeiramente distendido;
 Garupa curta;
 Testículos de tamanho mediano;
 Pelagem com pelos claros na extremidade ventral da bolsa
escrotal. Listra negra atingindo 50% da linha dorso-lombar.
DEFEITOS PERMISSÍVEIS
 Cabeça grande;
 Perfil côncavo ou convexo;
 Animais mochos;
 Pescoço comprido e fino;
 Peito excessivamente estreito, interferindo nos aprumos;
 Linha de dorso com forte depressão;
DEFEITOS DESCLASSIFICATÓRIOS
 Tórax estreito;
 Ventre distendido;
 Garupa acentuadamente inclinada;
 Cascos rajados e brancos;
 Pelos longos
 Mucosas claras;
 Pele despigmentada.
DEFEITOS DESCLASSIFICATÓRIOS
Raça Repartida
Origem
• Colonização
Raça Repartida
Características
Raça de pequeno
porte;
chifres grandes;
corpo alongado;
peso médio de 36
quilos (Kg) para
cabras adultas.
Porque esta raça que
vive no Nordeste
que é um local tão
seco, é uma grande
produtora de carne?
Raça Marota
 Origem: Vale do São Francisco entre os sertões
da Bahia e Pernambuco. Seleção Natural ocorrido
entre ecótipos trazidos por colonizadores
Português. Provavelmente se originou da própria
alpina branca.
Também denominada Curaçá.
Hábitat: Nordeste Brasileiro, principalmente no
trecho do rio São Francisco, entre o sertão da Bahia
e o Sertão de Pernambuco.
Raça Marota
Características Morfológicas
 Características principais: Raça Marota
é a descrição de uma cabra alpina de
pelagem branca ou clara um pouco
maior nos machos e presença de barbas
com pequenas pintas nas orelhas de
forma alongada, terminando com as
pontas arredondadas, sem detalhes ou
manchas escuras pelo resto do corpo,
nativa no Nordeste brasileiro.
 As orelhas nem sempre são
pigmentadas.
 Clima mais adequado: Quente e seco.
Região mais adequada: Nordeste
brasileiro.
PRODUÇÃO
• Leite;
• Peles:
• Carne;
GRAÚNA
GRAÚNA
 Origem;
 Preta graúna ou preta de corda;
 Redução na sua produção de leite;
 Pelagem preta;
 Altamente resistentes;
 Capacidade produtiva;
Resistência térmica
RF: FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA
TR: TEMPERATURA RETAL
TS: TEMPERATURA SUPERFICIAL
Fonte: LEITE et al (2012)
DESEMPENHO PRODUTIVO
• GPMD: GANHO DE PESO MÉDIO DIÁRIO
Fonte: LEITE et al (2012)
APTIDÃO
 Mista e Pele;
 Peso corporal entre 35 e 40 Kg;
Sem Raça Definida
(SRD)
SRD
• Resultado de cruzamentos indiscriminados;
• 75% do total de caprinos existentes no semiárido
nordestino;
Pelagem variada;
Diversas cores.
RESISTÊNCIA
• Machos: 35 e 40 kg
• Fêmeas: 28 e 32 kg
CONCLUSÃO
• Caprinocultura no
nordeste brasileiro
• Importância da
Interligação dos
sistema de criação
de caprinos para
fomentar o
crescimento.
BIBLIOGRAFIA
PIMENTEL, C.M.M. Caprinos no Brasil. 2010.
MACIEL, S.A. Caracterização genética de caprinos Gurgueia no
Estado do Piauí, Teresina – PI, 2011.
CANDEEIRO, O jovem Agricultor Guardião da Cabra Azul uma
raridade no cariri, Paraíba, 2009.
COSTA, M.S. Inventario e caracterização de caprinos do grupo
naturalizado Gurgueia e sua relação com os principais grupos
genéticos do semiárido do Estado do Piaui. 2009. 76f. Dissertação
(Mestrado em Ciência Animal), Universidade Federal do Piauí,
Teresina, 2010.
COSTA, M. S. et al. Caracterização genética de caprinos Marota no
estado do Piauí por meio de Microssatélites de DNA. In: Simpósio
Brasileiro de Melhoramento Animal, 7. São Carlos, 2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
Nayara Michelle
 
Produção de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corteProdução de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corte
Rômulo Alexandrino Silva
 
Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
Amanda Souza
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
Marília Gomes
 
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Killer Max
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
Ricardo Portela
 
Racas de bovinos de leite
Racas de bovinos de leiteRacas de bovinos de leite
Racas de bovinos de leite
Arkinor Neto
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
Killer Max
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Elaine
 
Slide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animalSlide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animal
Larisse Gonçalves
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
velton12
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Universidade de São Paulo
 
Manual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de OvinoculturaManual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de Ovinocultura
AgriPoint
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
Rogger Wins
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
Vanderlei Holz Lermen
 
Eqüídeos
EqüídeosEqüídeos
Eqüídeos
João Felix
 

Mais procurados (20)

Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
 
Produção de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corteProdução de ovinos e caprinos de corte
Produção de ovinos e caprinos de corte
 
Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Instalações para eqüinos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
 
Racas de bovinos de leite
Racas de bovinos de leiteRacas de bovinos de leite
Racas de bovinos de leite
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
Slide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animalSlide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animal
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Gado leite
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
 
Manual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de OvinoculturaManual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de Ovinocultura
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
 
Eqüídeos
EqüídeosEqüídeos
Eqüídeos
 

Destaque

Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
Sheila Cassenotte
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Ovinos
OvinosOvinos
Cabra de leite
Cabra de leiteCabra de leite
Cabra de leite
adelmosantana
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Caprinos
CaprinosCaprinos
Caprinos
Jesu Bustillo
 
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODEZootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Bruno Anacleto
 
Livro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinosLivro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinos
Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Pbsmal
 
Razas caprinas
Razas caprinasRazas caprinas
Razas caprinas
Juan Camilo
 
Apresentação Cati Leite
Apresentação   Cati LeiteApresentação   Cati Leite
Apresentação Cati Leite
Agricultura Sao Paulo
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Killer Max
 
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
Relatório de estágio  abatedouro frigoríficoRelatório de estágio  abatedouro frigorífico
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
monimatos
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Portal Canal Rural
 
Caprinos
CaprinosCaprinos
Caprinos
Martin Perez
 
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e CaprinosManual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Sérgio Amaral
 
Razas de caprinos
Razas de caprinosRazas de caprinos
Razas de caprinos
Kevin Fernández
 

Destaque (18)

Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Ovinos
OvinosOvinos
Ovinos
 
Cabra de leite
Cabra de leiteCabra de leite
Cabra de leite
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
 
Caprinos
CaprinosCaprinos
Caprinos
 
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODEZootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
Zootecnia Geral - Raça Canindé - FACEBODE
 
Livro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinosLivro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinos
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
 
Razas caprinas
Razas caprinasRazas caprinas
Razas caprinas
 
Apresentação Cati Leite
Apresentação   Cati LeiteApresentação   Cati Leite
Apresentação Cati Leite
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
Relatório de estágio  abatedouro frigoríficoRelatório de estágio  abatedouro frigorífico
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
 
Caprinos
CaprinosCaprinos
Caprinos
 
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e CaprinosManual de Criação de Ovinos e Caprinos
Manual de Criação de Ovinos e Caprinos
 
Razas de caprinos
Razas de caprinosRazas de caprinos
Razas de caprinos
 

Semelhante a Caprinos nativos

Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
Larissa Lobo
 
LANDRACE - SUINOCULTURA - Raça Land.pptx
LANDRACE - SUINOCULTURA - Raça Land.pptxLANDRACE - SUINOCULTURA - Raça Land.pptx
LANDRACE - SUINOCULTURA - Raça Land.pptx
JeanMarcelo21
 
Bos taurus - Melhoramente Genetico
Bos taurus - Melhoramente GeneticoBos taurus - Melhoramente Genetico
Bos taurus - Melhoramente Genetico
denizecardoso
 
Raça gir
Raça girRaça gir
Raça gir
Cristieli Mendes
 
LANDRACE
LANDRACELANDRACE
LANDRACE
FranaCortez
 
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economicaintrodução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
cleber16
 
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raçasCavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Keven Caires
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
Carls Tavares
 
Raça saanen
Raça saanenRaça saanen
Raça saanen
jaissonvale
 
SUÍNOS (RAÇAS NACIONAIS).pptx
SUÍNOS (RAÇAS NACIONAIS).pptxSUÍNOS (RAÇAS NACIONAIS).pptx
SUÍNOS (RAÇAS NACIONAIS).pptx
AnaPaulaPossamai
 
20066667 suinocultura
20066667 suinocultura20066667 suinocultura
20066667 suinocultura
Thiago Silverio
 
Raças bovinas caracu-gir-guzerá-sindi
Raças bovinas caracu-gir-guzerá-sindiRaças bovinas caracu-gir-guzerá-sindi
Raças bovinas caracu-gir-guzerá-sindi
Edilane Nascimento
 
Bo
BoBo
Bo
BoBo
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxAula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
ThonJovita
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
JulioGarcia972475
 
Raças Equinas - Part.2
Raças Equinas - Part.2Raças Equinas - Part.2
Raças Equinas - Part.2
Killer Max
 
Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia
Rodrigo Padilha
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças Equinas
Killer Max
 
Carpa
CarpaCarpa

Semelhante a Caprinos nativos (20)

Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
 
LANDRACE - SUINOCULTURA - Raça Land.pptx
LANDRACE - SUINOCULTURA - Raça Land.pptxLANDRACE - SUINOCULTURA - Raça Land.pptx
LANDRACE - SUINOCULTURA - Raça Land.pptx
 
Bos taurus - Melhoramente Genetico
Bos taurus - Melhoramente GeneticoBos taurus - Melhoramente Genetico
Bos taurus - Melhoramente Genetico
 
Raça gir
Raça girRaça gir
Raça gir
 
LANDRACE
LANDRACELANDRACE
LANDRACE
 
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economicaintrodução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
introdução ovinos e caprinos, manejo , iimportancia economica
 
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raçasCavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
Cavalos Árabe, Crioulo, Nordestino e Pantaneiro - Seminário sobre raças
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
 
Raça saanen
Raça saanenRaça saanen
Raça saanen
 
SUÍNOS (RAÇAS NACIONAIS).pptx
SUÍNOS (RAÇAS NACIONAIS).pptxSUÍNOS (RAÇAS NACIONAIS).pptx
SUÍNOS (RAÇAS NACIONAIS).pptx
 
20066667 suinocultura
20066667 suinocultura20066667 suinocultura
20066667 suinocultura
 
Raças bovinas caracu-gir-guzerá-sindi
Raças bovinas caracu-gir-guzerá-sindiRaças bovinas caracu-gir-guzerá-sindi
Raças bovinas caracu-gir-guzerá-sindi
 
Bo
BoBo
Bo
 
Bo
BoBo
Bo
 
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxAula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
 
Raças Equinas - Part.2
Raças Equinas - Part.2Raças Equinas - Part.2
Raças Equinas - Part.2
 
Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças Equinas
 
Carpa
CarpaCarpa
Carpa
 

Último

Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 

Último (20)

Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 

Caprinos nativos

  • 3. Introdução • Os caprinos são descendentes dos caprinos exóticos. • Introduzidos pelos europeus em 1535. • Sofrendo seleção natural por várias gerações. • perfeitamente adaptadas ao meio ambiente. • Apresentando alta capacidade de sobrevivência. • Os animais serão avaliados de acordo com o Padrão Racial definido para cada uma das raças.
  • 5. • O Brasil detém um expressivo rebanho caprino • Cerca de 9.164 milhões de caprinos • A maior produção encontra-se no Nordeste • Constituindo apenas 1% de caprinos nativos Rebanho No Brasil Semiárido Nordeste: 90% caprinos Nativos 14,9% 42,5% Bahia PernambucoPiauí 14,4%
  • 6. Características Grande resistência Reduzida capacidade Alimentação produção de Carne Doenças produção de Leite Clima Cauda voltada para cima Alguns apresentam chifres Pequeno porte Pelos curtos Orelhas eretas
  • 7. Raças e suas aptidões MOXOTO: (Pele) Marota (Mista e pele) REPARTIDA: (Carne e Pele) CANINDÉ: ( pele e Leite) Graúna: (Leite) AZUL: (Carne leite) Gurgéia: (Carne e pele)
  • 8. • Registro intermediário • Classificação de pureza racial • Categoria: Raças Nacionais Animais Puros de Origem (PO) tabela de pontos elaborada pela ABCC (aprovada pelo Ministério da Agricultura e Abastecimento) • Características raciais Conjunto de caracteres fenotípicos tais como biótipo, pelagem, conformação, e desempenho produtivo que define uma população de indivíduos como pertencente ao mesmo grupo genético ou raça. Como regulamentar uma raça?
  • 10. Origem da Raça Canindé o De que forma se originou essa Raça: o Descendente da raças charmequeira e serrana , trazidas pelos colonizadores Português, a cabra Canindé foi formada principalmente na região do Piauí. Raça naturalizadas no Nordeste Brasileiros, e provavelmente se originária da rança Grisonne negra, dos Alpes Suíços. o Porque raça se chama canindé? o Em que ano esse caprino foi considerado uma Raça? E porque?
  • 12. Características Morfológicas da Raça Canindé • Tipo de pelagem e pele:
  • 13. • Formato da cabeça e do perfil da fronte do animal: Sub-concâvo
  • 14. Outras características permissíveis na raça Canindé 1:Pescoço 2:Peito 3,4,5:Tronco 3: Dorso 4: Lombo 5: Garupa 6: Tórax 7: Ancas 8: Costelas 9: Ventre 10: Membros 11:órgãos genitais 12: Úbere 1 2 3 4 5 7 6 8 9 11 10 1012
  • 15. Defeitos que são considerados permissíveis: • Orelhas de tamanho médio; • Chifres com ligeira assimetria e chifres paralelos e amochados; • Pescoço curto e grosso; • Linha dorso lombar com uma ligeira depressão; • Tórax com média profundidade; • Garupa curta; • Úbere com tetas longas;
  • 16. Defeitos que são considerados desclassificatórios • Cabeça grande; • Perfil côncavo e convexo; • Orelhas grandes e pendentes; • Tórax estreito; • Garupa muito inclinada; • A vulva, a bolsa escrotal e a pele não podem ser despigmentadas; • O ventre não pode ser preto
  • 18. Sua origem Cabras anãs do oeste africano Cabra azul
  • 19. Números indeterminad os e em processo de extinção População no Brasil Fonte: Google
  • 21. Leite Produção de queijo para consumo familiar Fonte: O Candeeiro, Paraíba 2009.
  • 22. Características Morfológicas da raça o Mas em geral são animais que apresentam grande rusticidade; o A pelagem é azulada, ou cinza-azulada; mais escura no inverno; o Barbicha afogueada nos machos; Não existe descrição oficial dos padrões raciais
  • 23. Características Morfológicas da raça o Pêlos fortes e grossos nos machos, mais delicados nas fêmeas; o Corpo – Retilíneo. Ventre reto, paralelo à linha dorso-lombar; o Membros - Fortes, da altura do corpo Não existe descrição oficial dos padrões raciais Fonte: Google
  • 24. Características Morfológicas da raça o Altura média - Fêmeas: 60-65 cm (podendo chegar a 75 cm); o Machos: 65-75 cm (podendo chegar a 90 cm); o Peso médio - Fêmeas: 45- 55 kg. Machos: 60-75 kg; Não existe descrição oficial dos padrões raciais Fonte: Google
  • 25. Criação em sistema semi intensivo
  • 27. De acordo com MCMANUS (2010) este animal é resultado do processo de seleção natural, ocorridos entre os ecotipos trazidos pelos colonizadores portugueses. Seu nome é referente a um afluente do rio Paraíba/PI.
  • 28. Figura : Comparação entre o ecotipo Gurgueia e seu possivel ancestral a raça Parda Alpina. a) Gurgueia e b) Parda Alpina, Teresina – Piauí, 2011.
  • 29. Características zootécnicas o Animal de pequeno porte e de baixo potencial leiteiro; o A presenta pelagem vermelha escura com ventre de cor castanha; o Perfil retilíneo; chifres voltados para cima e para trás; o Orelhas retas e pequenas; o O dorso, ventre e extremidades pretas Não existe descrição oficial dos padrões raciais, mas apresentam semelhanças aos da raça Pardo-Alpina.
  • 30. o Pescoço proporcional à cabeça e ao corpo; o Linha de dorso reta; o Garupa curta e inclinada; o Pesam em média 36 kg. Não existe descrição oficial dos padrões raciais, mas apresentam semelhanças aos da raça Pardo-Alpina. Características zootécnicas
  • 31. Situação do rebanho hoje Atualmente, o ecotipo Gurgueia encontra-se em risco de desaparecimento devido a exposição a cruzamentos sem controle com animais sem raça definida, (COSTA, 2010). Apenas Marota e Azul são conservados in situ pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA/CPAMN
  • 32. Importância econômica São animais de grande rusticidade, que nos últimos anos vem sendo explorados nos cruzamentos com outras raças, principalmente devido ao seu alto desempenho reprodutivo: cerca de 98,33% de parição, 170,27% de capacidade de proliferação e 71% de partos múltiplos, McManus (2010).
  • 34.  Teorias da origem da raça moxotó:  1ª Teoria: ORIGEM DA RAÇA Alpina Francesa Cabra Branca Moxotó
  • 35. 2ª Teoria: ORIGEM DA RAÇA Serpentina Moxotó  Vale do Rio Moxotó Pernambuco
  • 37. REGISTRO DA RAÇA As outras cabras morrem de inveja só porque somos a única raça brasileira reconhecida oficialmente e com livro de registro. Bejim no ombro que o recalque passa longe...
  • 38.  Também chamada de “Lombo Preto”;  Rústica;  Pequeno Porte;  Prolífica; PADRÃO RACIAL Leite e Carne Pele
  • 39.  Perfil Reto;  Peso médio ao Nascer: 2,0 a 2,3 Kg;  Adulto: 34 Kg; PADRÃO RACIAL CABEÇA Média Cônica Alongada
  • 40. PADRÃO RACIAL Altura varia entre 50 a 70 cm Orelhas pequenas e levantadas Lista negra Ventre e Úbere são pretos Cascos e membros inferiores são pretos
  • 41. PADRÃO RACIAL Presença de brincos Chifres fortes e retilíneos Pescoço curto, forte e erguido
  • 42. PADRÃO RACIAL Lista negra na linha dorso-lombar Barba Dir. para cima, levemente para trás e para fora. Dir. para cima e para trás.
  • 43.  Pelagem  Pele preta e mucosas escuras;  Potencial Genético da raça moxotó;  Animais de dupla aptidão PADRÃO RACIAL Branca ou Baia Pele Carne
  • 44.  Cabeça de tamanho médio;  Perfil retilíneo;  Chifres ligeiramente assimétricos ou amochados;  Pescoço curto;  A linha de dorso com ligeira depressão; DEFEITOS PERMISSÍVEIS
  • 45.  Tórax de comprimento médio;  Ventre ligeiramente distendido;  Garupa curta;  Testículos de tamanho mediano;  Pelagem com pelos claros na extremidade ventral da bolsa escrotal. Listra negra atingindo 50% da linha dorso-lombar. DEFEITOS PERMISSÍVEIS
  • 46.  Cabeça grande;  Perfil côncavo ou convexo;  Animais mochos;  Pescoço comprido e fino;  Peito excessivamente estreito, interferindo nos aprumos;  Linha de dorso com forte depressão; DEFEITOS DESCLASSIFICATÓRIOS
  • 47.  Tórax estreito;  Ventre distendido;  Garupa acentuadamente inclinada;  Cascos rajados e brancos;  Pelos longos  Mucosas claras;  Pele despigmentada. DEFEITOS DESCLASSIFICATÓRIOS
  • 50. Características Raça de pequeno porte; chifres grandes; corpo alongado; peso médio de 36 quilos (Kg) para cabras adultas.
  • 51. Porque esta raça que vive no Nordeste que é um local tão seco, é uma grande produtora de carne?
  • 53.  Origem: Vale do São Francisco entre os sertões da Bahia e Pernambuco. Seleção Natural ocorrido entre ecótipos trazidos por colonizadores Português. Provavelmente se originou da própria alpina branca. Também denominada Curaçá. Hábitat: Nordeste Brasileiro, principalmente no trecho do rio São Francisco, entre o sertão da Bahia e o Sertão de Pernambuco. Raça Marota
  • 54. Características Morfológicas  Características principais: Raça Marota é a descrição de uma cabra alpina de pelagem branca ou clara um pouco maior nos machos e presença de barbas com pequenas pintas nas orelhas de forma alongada, terminando com as pontas arredondadas, sem detalhes ou manchas escuras pelo resto do corpo, nativa no Nordeste brasileiro.  As orelhas nem sempre são pigmentadas.  Clima mais adequado: Quente e seco. Região mais adequada: Nordeste brasileiro.
  • 57. GRAÚNA  Origem;  Preta graúna ou preta de corda;  Redução na sua produção de leite;  Pelagem preta;  Altamente resistentes;  Capacidade produtiva;
  • 58. Resistência térmica RF: FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA TR: TEMPERATURA RETAL TS: TEMPERATURA SUPERFICIAL Fonte: LEITE et al (2012)
  • 59. DESEMPENHO PRODUTIVO • GPMD: GANHO DE PESO MÉDIO DIÁRIO Fonte: LEITE et al (2012)
  • 60. APTIDÃO  Mista e Pele;  Peso corporal entre 35 e 40 Kg;
  • 62. SRD • Resultado de cruzamentos indiscriminados; • 75% do total de caprinos existentes no semiárido nordestino;
  • 64. RESISTÊNCIA • Machos: 35 e 40 kg • Fêmeas: 28 e 32 kg
  • 65. CONCLUSÃO • Caprinocultura no nordeste brasileiro • Importância da Interligação dos sistema de criação de caprinos para fomentar o crescimento.
  • 66. BIBLIOGRAFIA PIMENTEL, C.M.M. Caprinos no Brasil. 2010. MACIEL, S.A. Caracterização genética de caprinos Gurgueia no Estado do Piauí, Teresina – PI, 2011. CANDEEIRO, O jovem Agricultor Guardião da Cabra Azul uma raridade no cariri, Paraíba, 2009. COSTA, M.S. Inventario e caracterização de caprinos do grupo naturalizado Gurgueia e sua relação com os principais grupos genéticos do semiárido do Estado do Piaui. 2009. 76f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal), Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2010. COSTA, M. S. et al. Caracterização genética de caprinos Marota no estado do Piauí por meio de Microssatélites de DNA. In: Simpósio Brasileiro de Melhoramento Animal, 7. São Carlos, 2008.