Ventilação Não Invasiva

30.463 visualizações

Publicada em

0 comentários
26 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
30.463
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
564
Comentários
0
Gostaram
26
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ventilação Não Invasiva

  1. 1. VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA Dr. José Alexandre Pires de Almeida
  2. 2. PEEP Fisiológica  “Durante a expiração a glote reduz sua abertura criando, uma resistência a saída de ar dos pulmões, ou seja, retardando o fluxo expiratório”. (Presto)  - O volume contido nos pulmões, corresponde CRF, equivale a uma pressão chamada de Peep fisiológica;  - Peep fisiológica = 3-5 cmH2O
  3. 3.  Efeitos Fisiológicos da PEEP  Efeitos Pulmonares  - ↑ CRF;  - ↑ Área de contato Alvéolo- Capilar;  - ↑Complacência Pulmonar;  - Promove Recrutamento Alveolar (quando usado Peep maiores que 10cmH2O)
  4. 4. VNI  O uso da ventilação mecânica não-invasiva tem como objetivo: o alívio dos sintomas; reverter a hipoxemia; diminuição do trabalho respiratório; evitar o TOT; oferecer conforto; maximixar a qualidade de vida, entre outros.  Atualmente os aparelhos mais utilizados são os ventilados a pressão positiva, são eles: CPAP, EPAP, BIPAP e RPPI
  5. 5. EPAP  O EPAP trata-se de um sistema de demanda , no qual a fase inspiratória é realizada sem nenhuma ajuda externa ou fluxo adicional.  A respiração é gerada por uma pressão negativa subatmosférica e a expiração realizada contra uma resistência , tornando-a positiva ao seu final
  6. 6. EPAP  O EPAP possui os mesmos efeitos no sistema respiratório que a peep,o tempo expiratório é modificado, fazendo com que no final da expiração o volume de gás alveolar esteja aumentado dificultando sua total eliminação, aumentando assim a CRF.
  7. 7. Mascara de EPAP
  8. 8. BIPAP  O BIPAP ou Bilevel é um aparelho com dois níveis pressóricos diferentes, o IPAP, pressão na inspiração e o EPAP, pressão na expiração muito utilizado na hipoventilação da obesidade.
  9. 9. RPPI  O RPPI corresponde a respiração por pressão positiva intermitente, como exemplo o reanimador de Muller, este manda um fluxo na fase inspiratória que é controlado pelo fisioterapeuta sendo capaz de comandar e coordenar a freqüência respiratória do paciente e a fase expiratória é realizada passivamente sem fluxo adicional o que difere do CPAP.
  10. 10. RPPI
  11. 11. CPAP  O CPAP é composto por uma máscara: facial, nasal ou oronasal, um fixador e uma demanda de fluxo contínuo adicional na fase inspiratória e na fase expiratória, o paciente deve possuir drive respiratório para iniciar a respiração, esta facilitada pelo fluxo adicional.
  12. 12. CPAP
  13. 13. Conceito  Aplicação de pressão positiva via trato respiratório superior  Com o intuito de aumentar a ventilação alveolar  Conexão entre paciente e ventilador (através de mascaras)
  14. 14. CPAP  Modo de ventilação mecânica no qual o pct respira espontaneamente através do circuito pressurizado do aparelho  Pressão positiva é mantida constante  Fluxo pode ser ofertado contínuo ou por válvula de demanda  Aparelho capaz de geral alto fluxo, mecanismo de funcionamento simples, fluxo contínuo é conduzido ao pct por um circuito conectado à interface a qual possui uma saída de ar onde acoplamos uma válvula de resistência graduada em cmH2O
  15. 15. Efeitos Fisiológicos da VMNI  A pressão positiva oferece uma ajuda parcial ou quase total aos músculos respiratórios para gerar a pressão total suficiente para vencer os componentes resistivos elásticos do sistema respiratório.  Na insuficiência respiratória hipoxêmica, a pressão positiva atua de forma a reduzir ou reverter a causa que levou ao desequilíbrio das trocas gasosas.
  16. 16. Efeitos Fisiológicos da VMNI  A hipoventilação pode ser revertida, pois o suporte pressório adicional aos músculos respiratórios garante um aumento do VC e melhora a ventilação alveolar, suplementando mais oxigênio.  A reabertura de unidades colapsadas através da pressão positiva no final da expiração permitem a reversão do quadro de shunt provocado por atelectasias e das áreas de baixa V/Q provocadas pelas unidades instáveis.  A reabertura das vias colapsadas promovem redistribuição do fluxo sanguíneo pulmonar.
  17. 17. Indicada para pct que apresentar: - Desconforto respiratório acompanhado de dispnéia (fazendo o uso de musculatura acessória) - Acidose hipercápnica com PaCO2 > 45mmHg com pH entre 7,10 7,35 - FR acima de 25rpm Os critérios de exclusão estão relacionados com a estabilidade clínica do pct.
  18. 18. Critérios absolutos de exclusão - Evidencias de isquemia ou arritmias ventriculares - Encefalopatia grave - Pct não cooperativo - HDA (Hemorragia digestiva alta) - Cirurgia facial recente - Trauma craniofacial - Risco de broncoaspiração - Tosse ineficaz - Anomalias anatômicas nasofaríngeas
  19. 19. Cuidados - Preparo psicológico prévio (sempre que possível) (conversar c/paciente preparar p/tto que vai ser feito) - As máscaras devem ser de uso individual (quando possível) - Utilizar máscaras que adaptem melhor ao seu pct - Estar sempre atento ao peso do circuito do ventilador para não forçar a interface. - Ao acoplar a máscara manter a mesma pressão do cadarço bilateralmente (para ‘não vasar) - Se possível realizar intermitência de 15’ a cada 2hs com respiração espontânea no intuito de melhorar trocas gasosas
  20. 20. Aplicação  Quando o pct inspira, o fluxo de ar se desloca para dentro das vias aéreas, a pressão dentro das vias aumentam gradativamente até superar a resistência da válvula de peep, assim o fluxo se desloca para a válvula mantendo nas vias aéreas uma linha de pressão constante. ( pressão ajuda a abrir os alvéolos)  Os benefícios do CPAP estão relacionados ao aumento da pressão intratrorácica, promovendo estabilização das vias aéreas e das unidades alveolares, possibilitando trocas gasosas mais efetivas.
  21. 21. Indicações
  22. 22. Objetivos  Manutenção das trocas gasosas (hipoxemia e hipercapnia);  Facilitar a ventilação alveolar;  Diminuir o trabalho respiratório;  Diminuir a dispnéia (conforto).
  23. 23.  As máscaras são a interface paciente/ ventilador.  As máscaras faciais permitem correção eficiente nas trocas gasosas e em pacientes mais dispneicos respiram de boca aberta. Tem a desvantagem do espaço morto no interior.
  24. 24. Máscaras  As máscaras nasais são mais bem toleradas, e tem a desvantagem de permitir vazamento pela boca e o aumento da resistência das narinas.  Também podem ser utilizados bocais.
  25. 25.  Defini-se que o CPAP melhora a oxigenação e diminui o trabalho respiratório e o esforço ventilatório, reduzindo a necessidade de entubação e de ventilação mecânica.

×