Modos Ventilatórios Avançados

2.426 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

Modos Ventilatórios Avançados

  1. 1. Modos Ventilatórios Avançados Dr. José Alexandre Pires de Almeida Especialista em Fisioterapia Intensiva IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
  2. 2. RELEMBRANDO
  3. 3. Ventilação Mecânica Básica “…consiste em um método de suporte para o tratamento de pacientes com insuficiência respiratória aguda ou crônica agudizada.” ( Ventilação Mecânica – Vol II, Carlos R. R. Carvalho, 2000. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica, 2007 )
  4. 4. Ventilação Mecânica Básica Objetivos da VM: • Manutenção das trocas Gasosas (hipoxemia/acid. Resp) • Reverter ou evitar fadiga da musculatura respiratória • Alívio do trabalho respiratório • ↓ consumo de O2 • Permitir a aplicação de terapêuticas específicas ( Ventilação Mecânica – Vol II, Carlos R. R. Carvalho, 2000. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica, 2007 )
  5. 5. Ventilação Mecânica Básica • Volume? • Fluxo? • Pressão?
  6. 6. Ventilação Mecânica Básica • Volume: determinada quantidade de espaço ocupado por um corpo. • Fluxo: escoamento ou movimento contínuo de algo que segue um curso • Pressão: é efeito que ocorre quando uma força é exercida sobre uma superfície.
  7. 7. Ventilação Mecânica Básica MODALIDADES VENTILATÓRIAS CONVENCIONAIS
  8. 8. Ventilação Mecânica Básica • Ventilação Mandatória Contínua VCV (A/C) ou PCV (A/C) J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  9. 9. Ventilação Mecânica Básica • Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada SIMV (VCV+PSV) ou SIMV (PCV+PSV) J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  10. 10. Ventilação Mecânica Básica • Ventilação Espontânea Contínua PSV (Disp/Ciclagem Pct) J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  11. 11. Ventilação Mecânica Avançada MODALIDADES VENTILATÓRIAS AVANÇADAS
  12. 12. Ventilação Mecânica Avançada • Ventilação de Duplo Controle em um Único Ciclo - VAPS • Ventilação de Duplo Controle Ciclo a Ciclo - PRVC • Neurally Adjusted Ventilatory Assist (NAVA) • Ventilação Proporcional Assistida (PAV) • Ventilação por Liberação de Pressão nas Vias Aéreas (APRV)
  13. 13. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO • VAPS (Volume-Assured Pressure Support ou Ventilação Volumétrica Assistida com Pressão de Suporte)
  14. 14. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • O ventilador muda do controle a pressão para o controle a volume dentro do mesmo ciclo. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  15. 15. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • O ciclo começa disparado pelo paciente ou por tempo. (FR, Sensib) J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  16. 16. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • Após o disparo, o ventilador tenta alcançar a pressão de suporte o mais rápido possível. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  17. 17. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • Ao alcançar a pressão, o ventilador calcula o volume que foi distribuído na primeira fase da inspiração. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  18. 18. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • Se todo o volume mínimo foi distribuído, a mudança de fase ocorre por ciclagem a fluxo, como no modo pressão de suporte. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  19. 19. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • Se o volume fixado não foi atingido, o fluxo desacelera e alcança o pico de fluxo indicado pelo operador inicialmente e mantém-se constante até que o volume mínimo seja alcançado. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  20. 20. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • Vantagens: redução do trabalho respiratório mantendo o volume minuto e o volume corrente constantes. Melhora da sincronia paciente-ventilador. Redução na PS não acompanha a redução no VC. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  21. 21. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • Desvantagens: podem ocorrer elevados níveis de pressão inspiratória e aumento do tempo inspiratório se os valores do ventilador não forem bem ajustados. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  22. 22. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS
  23. 23. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM UM ÚNICO CICLO – VAPS • Ajustes: FR, Pico de Fluxo, PEEP, FiO2, Sensibilidade, VC mínimo e PS.
  24. 24. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC
  25. 25. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • PRVC (Pressure-Regulated Volume- Control ou Ventilação Pressão Regulada com Volume Controlado)
  26. 26. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • O ventilador opera em pressão controlada, sendo que o limite de pressão aumenta ou diminui em uma tentativa de manter o volume corrente pré-estabelecido pelo operador.
  27. 27. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • O primeiro ciclo respiratório é no modo volume controlado, permitindo ao ventilador calcular a mecânica respiratória.
  28. 28. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • Nos próximos ciclos a ventilação é distribuída com limite de pressão (pressão de platô calculada na primeira ventilação) e ciclada a tempo.
  29. 29. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • A cada ciclo o ventilador ajusta o limite de pressão (3 cmH2O para cima ou para baixo) conforme o volume corrente distribuído no ciclo prévio até alcançar o volume corrente indicado pelo operador
  30. 30. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • 1º Ciclo: Ciclo Teste onde há uma análise da mecânica respiratória. Ventilação Mecânica – Vol II, Carlos R. R. Carvalho, 2000. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica, 2007.
  31. 31. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • 2º Ciclo em diante: Há um ajuste da Pinsp para 75% da pressão que seria necessária para gerar o VC Mínimo programado Ventilação Mecânica – Vol II, Carlos R. R. Carvalho, 2000. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica, 2007.
  32. 32. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • Ciclos subsequentes: VC programado atingido mantém a Pinsp constante. Ventilação Mecânica – Vol II, Carlos R. R. Carvalho, 2000. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica, 2007.
  33. 33. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC Vela Ventilator Systems – chap 3
  34. 34. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • Vantagens: permite os volumes minuto e corrente constantes com o controle da pressão, além de reduzir automaticamente o limite de pressão conforme a mecânica do sistema respiratório melhore ou o esforço do paciente aumente Ventilação Mecânica – Vol II, Carlos R. R. Carvalho, 2000. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica, 2007.
  35. 35. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC • Desvantagens: deve-se ter cuidado ao indicar o volume corrente, pois este será um dos responsáveis pelo pico de pressão alcançado pelo ventilador. Ventilação Mecânica – Vol II, Carlos R. R. Carvalho, 2000. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica, 2007
  36. 36. Ventilação Mecânica Avançada VENTILAÇÃO DE DUPLO CONTROLE EM CICLO A CICLO– PRVC
  37. 37. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist - NAVA
  38. 38. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA • Modo relativamente novo • Baseado na utilização do sinal obtido da ativação elétrica do diafragma (Edi, do inglês electric activity of the diaphragm) para o controle da ventilação.
  39. 39. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA • Edi representa diretamente o impulso ventilatório central e reflete a duração e a intensidade com que o paciente deseja ventilar
  40. 40. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA • O sistema utiliza uma configuração de dez elétrodos esofágicos incorporados em série na parte distal do cateter NAVA
  41. 41. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA
  42. 42. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA • A assistência inspiratória mecânica inicia-se no momento em que o centro respiratório o demanda, e o disparo é independente de qualquer componente pneumático.
  43. 43. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA • Durante a inspiração, a pressão fornecida é proporcional à Edi, e a pressurização inspiratória cessa quando a ativação neural da musculatura diafragmática apresenta uma queda após atingir um valor máximo.
  44. 44. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA
  45. 45. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA • Usando o próprio drive respiratório do paciente, o modo NAVA controla o tempo e a quantidade de assistência do ventilador. • O critério de ciclagem varia de 40-70% do pico de Edi captado • O disparo pode ocorrer ou por trigger pneumático ou por trigger neural (aquele que for detectado primeiro abre a válvula inspiratória), Sinderby. C, Beck. Jennifer. Neurally adjusted ventilatory assist for infants in critical condition. Pediatric Health. 2009; 3(4): 297-301.
  46. 46. Ventilação Mecânica Avançada Neurally Adjusted Ventilatory Assist – NAVA • Colombo et al. recentemente relataram que a ventilação no modo pressão de suporte está associada com graves assincronias em 36% dos pacientes, enquanto a prevalência dessas em NAVA foi nula.
  47. 47. Ventilação Mecânica Avançada Proportional-Assist Ventilation ou Ventilação Proporcional Assistida - PAV
  48. 48. Ventilação Mecânica Avançada Proportional-Assist Ventilation ou Ventilação Proporcional Assistida – PAV • Desenvolvido para aumentar ou reduzir a pressão nas vias aéreas em proporção ao esforço do paciente ao amplificar a proporção de pressão nas vias aéreas pelo suporte em volume e em fluxo inspiratório. J Bras Pneumol. 2007;33(Supl 2):S 54-S 70
  49. 49. Ventilação Mecânica Avançada Proportional-Assist Ventilation ou Ventilação Proporcional Assistida – PAV • O fluxo ofertado ao paciente é similar à PS, mas o nível de pressão suporte entregue é variável e proporcional ao esforço do indivíduo. • Quanto maior o esforço do paciente, maior será o suporte que o ventilador dará (Feedback Postivo) • Quanto menor o esforço do paciente, menor será o suporte do ventilador
  50. 50. Ventilação Mecânica Avançada Proportional-Assist Ventilation ou Ventilação Proporcional Assistida – PAV • Disparo: Paciente • Limitação: Limitado a pressão (Depende da carga de esforço do paciente) • Ciclagem: Fluxo
  51. 51. Ventilação Mecânica Avançada Proportional-Assist Ventilation ou Ventilação Proporcional Assistida – PAV • A assistência se dá por meio assistência de fluxo proporcional ao esforço ou volume proporcional ao esforço gerado pelo paciente. • Pva=Pres+Pel-Pmus • Pva=Pres+Pel→Menor a Pmus ou Esforço do Pct
  52. 52. Ventilação Mecânica Avançada Proportional-Assist Ventilation ou Ventilação Proporcional Assistida – PAV • Vantagens: Depende do drive central e mecânica respiratória, podendo acompanhar mudanças neste esforço. Proporciona maior autonomia/sincronia/conforto ao paciente.
  53. 53. Ventilação Mecânica Avançada Proportional-Assist Ventilation ou Ventilação Proporcional Assistida – PAV • Desvantagens: necessita que o paciente tenha drive e esteja respirando espontaneamente. Não é indicado com deficiência neuromuscular ou depressão do SNC (Baixo esforço, baixo suporte ventilatório).
  54. 54. Ventilação Mecânica Avançada Proportional-Assist Ventilation ou Ventilação Proporcional Assistida – PAV Fluxo aéreo (FA) ↓ Volume ↓ Componente Resistivo (Pres) Componente Elástico (Pel) Ajuste com base na elastância e resistência
  55. 55. Ventilação Mecânica Avançada Ventilação por Liberação de Pressão nas Vias Aéreas - APRV
  56. 56. Ventilação Mecânica Avançada Ventilação por Liberação de Pressão nas Vias Aéreas - APRV
  57. 57. Ventilação Mecânica Avançada Ventilação por Liberação de Pressão nas Vias Aéreas - APRV
  58. 58. FIM Obrigado!!

×