SlideShare uma empresa Scribd logo
AS TEORIAS SOCIALISTAS
 CONTEÚDO PLENO DO 3º BIMESTRE.
 MÊS DE AGOSTO
A ORIGEM DO PROLETÁRIADO
 Início do Séc. XIX – Revoluções Burguesas querem
acabar com o absolutismo excluindo a burguesia do
poder.
 1848 - Proletariado se opõe ao pensamento liberal;
 Operários mal acomodados em suas moradias;
 Jornada de trabalho excessiva;
 Exploração do trabalho infantil;
 Essas injustiças pediam mudanças;
1864 - AIT
 A Associação
Internacional dos
Trabalhadores (AIT), às
vezes chamada de Primeira
Internacional, foi uma
organização que procurou
unir vários grupos políticos
de esquerda
e sindicatos baseados
na classe operária.
 A organização foi criada
em 1864 em Genebra
 De pé, ó vitimas da fome
De pé, famélicos da terra
Da ideia a chama já consome
A crosta bruta que a soterra
Cortai o mal bem pelo fundo
De pé, de pé, não mais senhores
Se nada somos em tal mundo
Sejamos tudo, ó produtores
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
Senhores, Patrões, chefes supremos
Nada esperamos de nenhum
Sejamos nós que conquistemos
A terra mãe livre e comum
Para não ter protestos vãos
Para sair desse antro estreito
Façamos nós por nossas mãos
Tudo o que a nós nos diz respeito
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
 O crime de rico, a lei o cobre
O Estado esmaga o oprimido
Não há direitos para o pobre
Ao rico tudo é permitido
À opressão não mais sujeitos
Somos iguais todos os seres
Não mais deveres sem direitos
Não mais direitos sem deveres
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
Abomináveis na grandeza
Os reis da mina e da fornalha
Edificaram a riqueza
Sobre o suor de quem trabalha
Todo o produto de quem sua
A corja rica o recolheu
Querendo que ela o restitua
O povo só quer o que é seu
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional

Nós fomos de fumo embriagados
Paz entre nós, guerra aos senhores
Façamos greve de soldados
Somos irmãos, trabalhadores
Se a raça vil, cheia de galas
Nos quer à força canibais
Logo verás que as nossas balas
São para os nossos generais
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
Pois somos do povo os ativos
Trabalhador forte e fecundo
Pertence a Terra aos produtivos
Ó parasitas deixai o mundo
Ó parasitas que te nutres
Do nosso sangue a gotejar
Se nos faltarem os abutres
Não deixa o sol de fulgurar
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
HINO DA INTERNACIONAL COMUNISTA
Proletariado
 Proletário: único meio de vida é sua força de trabalho.
 O proletário se diferencia do simples trabalhador no fato que ele não pode
vender seus produtos, vendendo apenas sua força de trabalho.
 Os proletários são um objeto de consumo para a burguesia enriquecer.
 O capitalista comanda o trabalho do proletário e se apropria de seus produtos
para vendê-los no mercado.
 Proletariado é o grupo de proletários enquanto classe social.
 Surgiu com o capitalismo industrial(relações mediadas pelo mercado).
 Bens tornaram-se mercadorias, Possível mediante a acumulação privativa.
 Lutas dos operários: concessão de direitos trabalhistas e sindicatos.
 Única riqueza que o proletário possuía ou multiplicava era sua prole (filhos).
Ficha técnica:
 Proletariado
Do latim proletarius, “do povo”, “das classes
desfavorecidas”.
Por sua vez, proletarius vem de proles, “proles”,
“descendência”, “filhos”,
Ou seja, os pobres são “ricos” de filhos.
Burguesia
 Classe social do regime capitalista.
 Não fazem nenhum tipo de trabalho braçal.
 Alta burguesia: responsável pelos meios de produção.
 Média Burguesia: pessoas com função liberal.
 Pequena Burguesia: camadas médias e inferiores da indústria e comércio.
 Surgimento: Idade Média, comerciantes de roupas, jóias e especiarias.
 Moravam nos burgos (cidades afastadas e cercadas por muros).
 Participaram ativamente das revoluções Francesa e Industrial.
 Atualmente, os burgueses são pessoas da classe média com seu próprio
negócio.
Socialismo científico
 Karl Marx e Friederich Engels (meados do século XIX-
Inglaterra- país mais industrializado da Europa).
Revoluções até 1848- direitos sociais e políticos.
 Comunismo e Socialismo
 O Manifesto Comunista Engels e Marx: “Toda historia
humana é a história da luta de classes: H. livre X escravo/
patrícios e plebeus/ barões e servos/ patrões X
assalariados- opressores e oprimidos em constante
oposição, uns contra os outros numa luta sem tréguas que
cada vez
Lutas de Classes
 Denominação de Marx e Engels para designar o
confronto entre a burguesia e o proletariado,
classes antagônicas no capitalismo.
 Luta expressada nos campos econômicos,
ideológicos e políticos.
 Marx procura explicar a evolução das relações
econômicas na sociedade ao longo do tempo.
 Haveria para Marx um permanente diálogo entre
poderosos e fracos, opressores e oprimidos.
 A história da humanidade seria constituída por
uma permanente luta de classes.
Marxismo
 É o conjunto de ideias filosóficas, econômicas,
políticas e sociais elaboradas primariamente por Karl
Marx e Friedrich Engels e desenvolvidas mais tarde
por outros seguidores.
 Interpreta a vida social conforme a dinâmica da luta
de classes e prevê a transformação das sociedades de
acordo com as leis do desenvolvimento histórico de
seu sistema produtivo.
O Socialismo Utópico
 Crítica a ganância da classe rica;
 Movimento de crítica social e luta política;
 Proposta de um novo modelo de sociedade “ideal” .
Primeiros pensadores:
 Saint Simon, Charles Fourier, Robert Owen,
Proudhon e Louis Blanc: uso do racionalismo para
uma sociedade fraterna, livre e igualitária / bem
estar social
 Proposta: organizações cooperativas vivências em
comunidades modelo ;
Karl Marx
 Produziu obras de filosofia, economia e sociologia,
tencionando propor uma ampla transformação política,
econômica e social.
 Marx sofreu algumas influencias como a filosofia de Hegel.
 Desenvolveu o conceito de alienação, mostrando que a
industrialização, a propriedade privada e o assalariamento
separavam o trabalhador dos meios de produção, que se
tornaram propriedade privada do capitalista.
 Marx proclamava ainda a inexistência de igualdade natural
e observa que o liberalismo vê os homens como átomos,
como se estivessem livres das evidentes desigualdades
sociais.
Karl Heinrich Marx
nasceu em Trier,
Prússia, em 5 de
maio de 1818.
Referências
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Burguesia
 http://www.infoescola.com/sociologia/burguesia/
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Proletariado
 http://www.infoescola.com/sociologia/proletariado/
 http://comunism0.wordpress.com/definir-proletariado/
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Luta_de_classes
 http:// pt.wikipedia.org/wiki/Karl_Marx
 http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Resumo-Karl-Marx-Emile-Durkheim-
e/2688.html
Materialismo histórico Relações de produção
 MODOS DE PRODUÇÃO
= forças produtivas +
relações de produção.
 O modo de produção é a
maneira pela qual a
sociedade produz seus
bens e serviços, como os
utiliza e os distribui.
E na próxima aula...
O Marxismo
( S O C I A L I S M O C I E N T Í F I C O )
Kaiteos.blogspot.com.br
O materialismo histórico dialético
Definição: Método para compreensão da sociedade
desenvolvido no decorrer das obras de Marx e Engels.
-Materialismo: Baseado na compreensão das relações
sociais dos seres humanos.
-Histórico: Tais relações sociais se desenvolvem dentro de
um processo histórico.
- Dialético: Este processo histórico se dá dentro de uma
lógica dialética (mas dentro da concepção de dialética de
Marx)
Karl Marx (1818 – 1883)
Frederich Engles (1820 –
1895)
Socialismo Utópico
 foi uma corrente de pensamento que tinha como
objetivo a criação de uma sociedade ideal, que seria
alcançada de forma pacífica graças à boa vontade da
burguesia. Essa teoria se desenvolveu primeiramente
sob a forma de ideias que foram consideradas
utópicas para a época. Os principais nomes do
socialismo utópico são
 Robert Owen, Saint-Simon e Charles Fourier.
Socialismo Científico
 foi um projeto social que buscava formas para
superar as dificuldades sociais que se agravavam na
Europa, decorrentes da Revolução Industrial.
Marx e Engles e o socialismo científico: Desenvolvem
a crítica mais bem elaborada da sociedade capitalista
pensando seu processo de formação e suas
contradições, assim como a possibilidade de
transformação desta sociedade pelos trabalhadores.
Para tanto desenvolvem um método de análise
conhecido como materialismo histórico dialético.
As bases teóricas
Importante: O materialismo histórico dialético é
desenvolvido a partir da crítica radical (na raiz)
de uma série de teorias e movimentos políticos
no qual estavam inseridos tanto Marx como
Engels. (contexto histórico)
a) O socialismo (movimentos políticos e teorias críticas a
sociedade capitalista)
-O socialismo utópico
- Movimento operário inglês (a experiência de formação dos sindicatos)
- O movimento socialista: Louis-Auguste Blanqui e as tentativas
revolucionárias de construção da ditadura do proletariado
b) A economia política
- Liberalismo econômico (Adam Smith, Ricardo, Malthus)
- Liberalismo Político (Bethan e Stuart Mill)
c) A filosofia alemã
- A dialética de Hegel
MAIS-VALIA
Parcela produzida pelo trabalhador não
remunerada e apropriada pelo dono dos
meios de produção.
Riqueza produzida > Salário
Mais-Valia ABSOLUTA
Aumento da jornada de trabalho.
Mais-Valia RELATIVA
Implantação de novas tecnologias
no processo produtivo;
Desemprego estrutural
ALIENAÇÃO
Perda de consciência do trabalhador.
Os trabalhadores não
reconhecem que os
produtos produzidos por
eles são resultado do seu
trabalho.
O trabalho "não constitui a satisfação de uma
necessidade, mas apenas um meio de
satisfazer outras necessidades"
Agravantes: Alta D.S.T.
Meios de comunicação
Mecanismos ideológicos
IDEOLOGIA BURGUESA
Estabilizador social
Mecanismo de dominação
Inversão entre causa e efeito da realidade social.
Georg W. F. Hegel (1770 – 1831)
 Visão histórica da
Filosofia:
– Razão humana é
histórica.
 Visão filosófica da
História:
- História é Racional.
Teses sobre Feuerbach
Karl Marx
• A pergunta se convém ao pensamento humano uma verdade
objetiva não é teórica mas prática. É na práxis que o homem deve
demonstrar a verdade, a saber, a efetividade e o poder, o caráter
terreal de seu pensamento. A disputa sobre a efetividade ou não-
efetividade do pensamento - isolado da práxis – é uma questão
puramente escolástica.
•Os filósofos limitaram-se a interpretar o mundo de maneiras
diferentes, mas cabe chegar a transformá-lo.
Formulações de Marx sobre a Práxis
Relações
Materiais
(prática)
Idéias
(Teoria)
PRAXIS
(Interdependência entre idéias e
relaçõesmateriais =
TOTALIDADE.)
O Materialismo
A teoria marxista é materialista porque, ao explicar as
manifestações espirituais humanas, as considera
derivadas da estrutura material da sociedade (ou seja,
da estrutura econômica), diferentemente dos
idealistas para quem "as ideias movem o mundo".
Mas o materialismo marxista é dialético, pois o mundo é
concebido como processo, e o real é contraditório e di-
nâmico. Nesse sentido, a consciência do homem,
mesmo sendo determinada pela matéria e estando
historicamente situada, não é pura passividade: a
consciência determinada pode reagir sobre as causas
que atuam sobre ela.
Portanto, o marxismo não consiste apenas em uma análise
teórica, mas também se configura como uma prática política
revolucionária que pretende destruir o capitalismo e
instaurar a nova ordem socialista.
São palavras de Marx:
"Os filósofos sempre se preocuparam em interpretar a
realidade, é preciso agora transformá-la". Por isso a
doutrina marxista é chamada de filosofia da práxis,
entendida como a união dialética da teoria e da prática.
Manifesto Comunista
“A história de toda a sociedade até aqui é a história de
lutas de classes. [Homem] livre e escravo, patrício e
plebeu, barão e servo, burgueses de corporação e oficial,
em suma, opressores e oprimidos, estiveram em constante
oposição uns aos outros, travaram uma luta ininterrupta,
ora oculta ora aberta, uma luta que de cada vez acabou por
uma reconfiguração revolucionária de toda a sociedade ou
pelo declínio comum das classes em luta. (...) A moderna
sociedade burguesa, saída do declínio da sociedade feudal,
não aboliu as oposições de classes. Apenas pôs novas
classes, novas condições de opressão, novas configurações
de luta, no lugar das antigas.
(...)As armas com que a burguesia deitou por terra
o feudalismo viram-se agora contra a própria
burguesia. Mas a burguesia não forjou apenas as
armas que lhe trazem a morte; também gerou os
homens que manejarão essas armas - os operários
modernos, os proletários.”
(Karl Marx e Frederich Engels, Manifesto Comunista, 1848)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Democracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e ParticipativaDemocracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e Participativa
CapacitaPOA - SistemaPGLP
 
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Sociologia   direitosa humanos e cidadaniaSociologia   direitosa humanos e cidadania
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Gustavo Soares
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Beatriz Schnaider Tontini
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
Marcela Marangon Ribeiro
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
Mauricio Serafim
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Profernanda
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
A chegada dos "tempos modernos"
A chegada dos "tempos modernos"A chegada dos "tempos modernos"
A chegada dos "tempos modernos"
isameucci
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Acessa Esterina
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Italo Colares
 
Globalização 2
Globalização   2Globalização   2
Globalização 2
Professor
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
Dênis Ribas
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Edenilson Morais
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
Elaine Bogo Pavani
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
Alê Maldonado
 

Mais procurados (20)

Democracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e ParticipativaDemocracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e Participativa
 
Sociologia direitosa humanos e cidadania
Sociologia   direitosa humanos e cidadaniaSociologia   direitosa humanos e cidadania
Sociologia direitosa humanos e cidadania
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A chegada dos "tempos modernos"
A chegada dos "tempos modernos"A chegada dos "tempos modernos"
A chegada dos "tempos modernos"
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Modernidade
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
 
Globalização 2
Globalização   2Globalização   2
Globalização 2
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
 

Destaque

Karl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistasKarl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistas
espacoaberto
 
Manifiesto Comunista
Manifiesto ComunistaManifiesto Comunista
Manifiesto Comunista
camilo2010
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
Tiago de Melo
 
Teoria Marxista
Teoria MarxistaTeoria Marxista
Teoria Marxista
Isabella Silva
 
364 abcd socialismo real em cuba
364 abcd socialismo real em cuba364 abcd socialismo real em cuba
364 abcd socialismo real em cuba
crpp
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Fatima Freitas
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
Josias Vitor
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
João Marcelo
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
leoplan2
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Marxismo
MarxismoMarxismo
Karl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teoriasKarl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teorias
Rafaela Alves
 
Teorias Socialistas
Teorias SocialistasTeorias Socialistas
Teorias Socialistas
Edenilson Morais
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
minervagigia
 

Destaque (15)

Karl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistasKarl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistas
 
Manifiesto Comunista
Manifiesto ComunistaManifiesto Comunista
Manifiesto Comunista
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
 
Teoria Marxista
Teoria MarxistaTeoria Marxista
Teoria Marxista
 
364 abcd socialismo real em cuba
364 abcd socialismo real em cuba364 abcd socialismo real em cuba
364 abcd socialismo real em cuba
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
 
Karl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teoriasKarl Marx e suas teorias
Karl Marx e suas teorias
 
Teorias Socialistas
Teorias SocialistasTeorias Socialistas
Teorias Socialistas
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 

Semelhante a As teorias socialistas

As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
Alan
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
ProfessoresColeguium
 
Ideologias do século XIX
Ideologias do século XIXIdeologias do século XIX
Doutrinas sociais do séc xix
Doutrinas  sociais do séc xix Doutrinas  sociais do séc xix
Doutrinas sociais do séc xix
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Doutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIXDoutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIX
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
ProfessoresColeguium
 
As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019
Alan
 
Doutrinas sociais
Doutrinas sociaisDoutrinas sociais
Doutrinas sociais
ProfessoresColeguium
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
ProfessoresColeguium
 
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix pptO embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
AliceLani
 
Movimento operário e as ideias socialistas
Movimento operário e as ideias socialistasMovimento operário e as ideias socialistas
Movimento operário e as ideias socialistas
Edilene Ruth Pereira
 
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
Colégio Nova Geração COC
 
SOCIALISMO, ANARQUISMO.pptx
SOCIALISMO, ANARQUISMO.pptxSOCIALISMO, ANARQUISMO.pptx
SOCIALISMO, ANARQUISMO.pptx
dawdsoncangussu
 
Basicão – 3ºano século xix
Basicão – 3ºano   século xixBasicão – 3ºano   século xix
Basicão – 3ºano século xix
Rafael Noronha
 
Trabalho de Filosofia - Karl Marx
Trabalho de Filosofia - Karl MarxTrabalho de Filosofia - Karl Marx
Trabalho de Filosofia - Karl Marx
Brenna Tainá
 
Aula 9 e 10 karl marx
Aula 9 e 10   karl marxAula 9 e 10   karl marx
Aula 9 e 10 karl marx
professorleo1989
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariado
João Grego
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariado
João Grego
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Karl marxKarl marx

Semelhante a As teorias socialistas (20)

As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
 
Ideologias do século XIX
Ideologias do século XIXIdeologias do século XIX
Ideologias do século XIX
 
Doutrinas sociais do séc xix
Doutrinas  sociais do séc xix Doutrinas  sociais do séc xix
Doutrinas sociais do séc xix
 
Doutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIXDoutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIX
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
 
As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019
 
Doutrinas sociais
Doutrinas sociaisDoutrinas sociais
Doutrinas sociais
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
 
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix pptO embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
O embate entre as correntes liberaias e os socialismos no século xix ppt
 
Movimento operário e as ideias socialistas
Movimento operário e as ideias socialistasMovimento operário e as ideias socialistas
Movimento operário e as ideias socialistas
 
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
 
SOCIALISMO, ANARQUISMO.pptx
SOCIALISMO, ANARQUISMO.pptxSOCIALISMO, ANARQUISMO.pptx
SOCIALISMO, ANARQUISMO.pptx
 
Basicão – 3ºano século xix
Basicão – 3ºano   século xixBasicão – 3ºano   século xix
Basicão – 3ºano século xix
 
Trabalho de Filosofia - Karl Marx
Trabalho de Filosofia - Karl MarxTrabalho de Filosofia - Karl Marx
Trabalho de Filosofia - Karl Marx
 
Aula 9 e 10 karl marx
Aula 9 e 10   karl marxAula 9 e 10   karl marx
Aula 9 e 10 karl marx
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariado
 
A evolução do operariado
A evolução do operariadoA evolução do operariado
A evolução do operariado
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 

Mais de Alan

Grecia antiga 1 termo a e b
Grecia antiga   1 termo a e bGrecia antiga   1 termo a e b
Grecia antiga 1 termo a e b
Alan
 
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundialNeocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Alan
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
Alan
 
Belle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º anoBelle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º ano
Alan
 
Belle epoque
Belle epoqueBelle epoque
Belle epoque
Alan
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Alan
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Alan
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Alan
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
Alan
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Alan
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
Alan
 
Como fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tccComo fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tcc
Alan
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
Alan
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Alan
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
Alan
 
O conhecimento filosófico
O conhecimento filosóficoO conhecimento filosófico
O conhecimento filosófico
Alan
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
Alan
 
Dos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievaisDos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievais
Alan
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
Alan
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Alan
 

Mais de Alan (20)

Grecia antiga 1 termo a e b
Grecia antiga   1 termo a e bGrecia antiga   1 termo a e b
Grecia antiga 1 termo a e b
 
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundialNeocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
 
Belle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º anoBelle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º ano
 
Belle epoque
Belle epoqueBelle epoque
Belle epoque
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
 
Como fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tccComo fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tcc
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
 
O conhecimento filosófico
O conhecimento filosóficoO conhecimento filosófico
O conhecimento filosófico
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
 
Dos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievaisDos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievais
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 

Último

CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

As teorias socialistas

  • 1. AS TEORIAS SOCIALISTAS  CONTEÚDO PLENO DO 3º BIMESTRE.  MÊS DE AGOSTO
  • 2. A ORIGEM DO PROLETÁRIADO  Início do Séc. XIX – Revoluções Burguesas querem acabar com o absolutismo excluindo a burguesia do poder.  1848 - Proletariado se opõe ao pensamento liberal;  Operários mal acomodados em suas moradias;  Jornada de trabalho excessiva;  Exploração do trabalho infantil;  Essas injustiças pediam mudanças;
  • 3. 1864 - AIT  A Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT), às vezes chamada de Primeira Internacional, foi uma organização que procurou unir vários grupos políticos de esquerda e sindicatos baseados na classe operária.  A organização foi criada em 1864 em Genebra
  • 4.  De pé, ó vitimas da fome De pé, famélicos da terra Da ideia a chama já consome A crosta bruta que a soterra Cortai o mal bem pelo fundo De pé, de pé, não mais senhores Se nada somos em tal mundo Sejamos tudo, ó produtores Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional Senhores, Patrões, chefes supremos Nada esperamos de nenhum Sejamos nós que conquistemos A terra mãe livre e comum Para não ter protestos vãos Para sair desse antro estreito Façamos nós por nossas mãos Tudo o que a nós nos diz respeito Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional  O crime de rico, a lei o cobre O Estado esmaga o oprimido Não há direitos para o pobre Ao rico tudo é permitido À opressão não mais sujeitos Somos iguais todos os seres Não mais deveres sem direitos Não mais direitos sem deveres Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional Abomináveis na grandeza Os reis da mina e da fornalha Edificaram a riqueza Sobre o suor de quem trabalha Todo o produto de quem sua A corja rica o recolheu Querendo que ela o restitua O povo só quer o que é seu Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional  Nós fomos de fumo embriagados Paz entre nós, guerra aos senhores Façamos greve de soldados Somos irmãos, trabalhadores Se a raça vil, cheia de galas Nos quer à força canibais Logo verás que as nossas balas São para os nossos generais Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional Pois somos do povo os ativos Trabalhador forte e fecundo Pertence a Terra aos produtivos Ó parasitas deixai o mundo Ó parasitas que te nutres Do nosso sangue a gotejar Se nos faltarem os abutres Não deixa o sol de fulgurar Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional HINO DA INTERNACIONAL COMUNISTA
  • 5. Proletariado  Proletário: único meio de vida é sua força de trabalho.  O proletário se diferencia do simples trabalhador no fato que ele não pode vender seus produtos, vendendo apenas sua força de trabalho.  Os proletários são um objeto de consumo para a burguesia enriquecer.  O capitalista comanda o trabalho do proletário e se apropria de seus produtos para vendê-los no mercado.  Proletariado é o grupo de proletários enquanto classe social.  Surgiu com o capitalismo industrial(relações mediadas pelo mercado).  Bens tornaram-se mercadorias, Possível mediante a acumulação privativa.  Lutas dos operários: concessão de direitos trabalhistas e sindicatos.  Única riqueza que o proletário possuía ou multiplicava era sua prole (filhos).
  • 6. Ficha técnica:  Proletariado Do latim proletarius, “do povo”, “das classes desfavorecidas”. Por sua vez, proletarius vem de proles, “proles”, “descendência”, “filhos”, Ou seja, os pobres são “ricos” de filhos.
  • 7. Burguesia  Classe social do regime capitalista.  Não fazem nenhum tipo de trabalho braçal.  Alta burguesia: responsável pelos meios de produção.  Média Burguesia: pessoas com função liberal.  Pequena Burguesia: camadas médias e inferiores da indústria e comércio.  Surgimento: Idade Média, comerciantes de roupas, jóias e especiarias.  Moravam nos burgos (cidades afastadas e cercadas por muros).  Participaram ativamente das revoluções Francesa e Industrial.  Atualmente, os burgueses são pessoas da classe média com seu próprio negócio.
  • 8. Socialismo científico  Karl Marx e Friederich Engels (meados do século XIX- Inglaterra- país mais industrializado da Europa). Revoluções até 1848- direitos sociais e políticos.  Comunismo e Socialismo  O Manifesto Comunista Engels e Marx: “Toda historia humana é a história da luta de classes: H. livre X escravo/ patrícios e plebeus/ barões e servos/ patrões X assalariados- opressores e oprimidos em constante oposição, uns contra os outros numa luta sem tréguas que cada vez
  • 9. Lutas de Classes  Denominação de Marx e Engels para designar o confronto entre a burguesia e o proletariado, classes antagônicas no capitalismo.  Luta expressada nos campos econômicos, ideológicos e políticos.  Marx procura explicar a evolução das relações econômicas na sociedade ao longo do tempo.  Haveria para Marx um permanente diálogo entre poderosos e fracos, opressores e oprimidos.  A história da humanidade seria constituída por uma permanente luta de classes.
  • 10. Marxismo  É o conjunto de ideias filosóficas, econômicas, políticas e sociais elaboradas primariamente por Karl Marx e Friedrich Engels e desenvolvidas mais tarde por outros seguidores.  Interpreta a vida social conforme a dinâmica da luta de classes e prevê a transformação das sociedades de acordo com as leis do desenvolvimento histórico de seu sistema produtivo.
  • 11. O Socialismo Utópico  Crítica a ganância da classe rica;  Movimento de crítica social e luta política;  Proposta de um novo modelo de sociedade “ideal” . Primeiros pensadores:  Saint Simon, Charles Fourier, Robert Owen, Proudhon e Louis Blanc: uso do racionalismo para uma sociedade fraterna, livre e igualitária / bem estar social  Proposta: organizações cooperativas vivências em comunidades modelo ;
  • 12. Karl Marx  Produziu obras de filosofia, economia e sociologia, tencionando propor uma ampla transformação política, econômica e social.  Marx sofreu algumas influencias como a filosofia de Hegel.  Desenvolveu o conceito de alienação, mostrando que a industrialização, a propriedade privada e o assalariamento separavam o trabalhador dos meios de produção, que se tornaram propriedade privada do capitalista.  Marx proclamava ainda a inexistência de igualdade natural e observa que o liberalismo vê os homens como átomos, como se estivessem livres das evidentes desigualdades sociais.
  • 13. Karl Heinrich Marx nasceu em Trier, Prússia, em 5 de maio de 1818.
  • 14. Referências  http://pt.wikipedia.org/wiki/Burguesia  http://www.infoescola.com/sociologia/burguesia/  http://pt.wikipedia.org/wiki/Proletariado  http://www.infoescola.com/sociologia/proletariado/  http://comunism0.wordpress.com/definir-proletariado/  http://pt.wikipedia.org/wiki/Luta_de_classes  http:// pt.wikipedia.org/wiki/Karl_Marx  http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Resumo-Karl-Marx-Emile-Durkheim- e/2688.html
  • 15. Materialismo histórico Relações de produção  MODOS DE PRODUÇÃO = forças produtivas + relações de produção.  O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus bens e serviços, como os utiliza e os distribui. E na próxima aula...
  • 16. O Marxismo ( S O C I A L I S M O C I E N T Í F I C O ) Kaiteos.blogspot.com.br
  • 17. O materialismo histórico dialético Definição: Método para compreensão da sociedade desenvolvido no decorrer das obras de Marx e Engels. -Materialismo: Baseado na compreensão das relações sociais dos seres humanos. -Histórico: Tais relações sociais se desenvolvem dentro de um processo histórico. - Dialético: Este processo histórico se dá dentro de uma lógica dialética (mas dentro da concepção de dialética de Marx)
  • 18. Karl Marx (1818 – 1883) Frederich Engles (1820 – 1895)
  • 19. Socialismo Utópico  foi uma corrente de pensamento que tinha como objetivo a criação de uma sociedade ideal, que seria alcançada de forma pacífica graças à boa vontade da burguesia. Essa teoria se desenvolveu primeiramente sob a forma de ideias que foram consideradas utópicas para a época. Os principais nomes do socialismo utópico são  Robert Owen, Saint-Simon e Charles Fourier.
  • 20. Socialismo Científico  foi um projeto social que buscava formas para superar as dificuldades sociais que se agravavam na Europa, decorrentes da Revolução Industrial.
  • 21. Marx e Engles e o socialismo científico: Desenvolvem a crítica mais bem elaborada da sociedade capitalista pensando seu processo de formação e suas contradições, assim como a possibilidade de transformação desta sociedade pelos trabalhadores. Para tanto desenvolvem um método de análise conhecido como materialismo histórico dialético.
  • 22. As bases teóricas Importante: O materialismo histórico dialético é desenvolvido a partir da crítica radical (na raiz) de uma série de teorias e movimentos políticos no qual estavam inseridos tanto Marx como Engels. (contexto histórico)
  • 23. a) O socialismo (movimentos políticos e teorias críticas a sociedade capitalista) -O socialismo utópico - Movimento operário inglês (a experiência de formação dos sindicatos) - O movimento socialista: Louis-Auguste Blanqui e as tentativas revolucionárias de construção da ditadura do proletariado b) A economia política - Liberalismo econômico (Adam Smith, Ricardo, Malthus) - Liberalismo Político (Bethan e Stuart Mill) c) A filosofia alemã - A dialética de Hegel
  • 24. MAIS-VALIA Parcela produzida pelo trabalhador não remunerada e apropriada pelo dono dos meios de produção. Riqueza produzida > Salário Mais-Valia ABSOLUTA Aumento da jornada de trabalho. Mais-Valia RELATIVA Implantação de novas tecnologias no processo produtivo; Desemprego estrutural
  • 25. ALIENAÇÃO Perda de consciência do trabalhador. Os trabalhadores não reconhecem que os produtos produzidos por eles são resultado do seu trabalho. O trabalho "não constitui a satisfação de uma necessidade, mas apenas um meio de satisfazer outras necessidades" Agravantes: Alta D.S.T. Meios de comunicação Mecanismos ideológicos
  • 26. IDEOLOGIA BURGUESA Estabilizador social Mecanismo de dominação Inversão entre causa e efeito da realidade social.
  • 27. Georg W. F. Hegel (1770 – 1831)  Visão histórica da Filosofia: – Razão humana é histórica.  Visão filosófica da História: - História é Racional.
  • 28. Teses sobre Feuerbach Karl Marx • A pergunta se convém ao pensamento humano uma verdade objetiva não é teórica mas prática. É na práxis que o homem deve demonstrar a verdade, a saber, a efetividade e o poder, o caráter terreal de seu pensamento. A disputa sobre a efetividade ou não- efetividade do pensamento - isolado da práxis – é uma questão puramente escolástica. •Os filósofos limitaram-se a interpretar o mundo de maneiras diferentes, mas cabe chegar a transformá-lo.
  • 29. Formulações de Marx sobre a Práxis Relações Materiais (prática) Idéias (Teoria) PRAXIS (Interdependência entre idéias e relaçõesmateriais = TOTALIDADE.)
  • 30. O Materialismo A teoria marxista é materialista porque, ao explicar as manifestações espirituais humanas, as considera derivadas da estrutura material da sociedade (ou seja, da estrutura econômica), diferentemente dos idealistas para quem "as ideias movem o mundo".
  • 31. Mas o materialismo marxista é dialético, pois o mundo é concebido como processo, e o real é contraditório e di- nâmico. Nesse sentido, a consciência do homem, mesmo sendo determinada pela matéria e estando historicamente situada, não é pura passividade: a consciência determinada pode reagir sobre as causas que atuam sobre ela.
  • 32. Portanto, o marxismo não consiste apenas em uma análise teórica, mas também se configura como uma prática política revolucionária que pretende destruir o capitalismo e instaurar a nova ordem socialista. São palavras de Marx: "Os filósofos sempre se preocuparam em interpretar a realidade, é preciso agora transformá-la". Por isso a doutrina marxista é chamada de filosofia da práxis, entendida como a união dialética da teoria e da prática.
  • 33. Manifesto Comunista “A história de toda a sociedade até aqui é a história de lutas de classes. [Homem] livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo, burgueses de corporação e oficial, em suma, opressores e oprimidos, estiveram em constante oposição uns aos outros, travaram uma luta ininterrupta, ora oculta ora aberta, uma luta que de cada vez acabou por uma reconfiguração revolucionária de toda a sociedade ou pelo declínio comum das classes em luta. (...) A moderna sociedade burguesa, saída do declínio da sociedade feudal, não aboliu as oposições de classes. Apenas pôs novas classes, novas condições de opressão, novas configurações de luta, no lugar das antigas.
  • 34. (...)As armas com que a burguesia deitou por terra o feudalismo viram-se agora contra a própria burguesia. Mas a burguesia não forjou apenas as armas que lhe trazem a morte; também gerou os homens que manejarão essas armas - os operários modernos, os proletários.” (Karl Marx e Frederich Engels, Manifesto Comunista, 1848)