SlideShare uma empresa Scribd logo
AS TEORIAS SOCIALISTAS
 CONTEÚDO DO 4º BIMESTRE.
 MÊS DE OUTUBRO
Proletariado
Burguesia
Socialismo
Marxismo
Luta de Classes
Karl Marx
A ORIGEM DO PROLETÁRIADO
 Início do Séc. XIX – Revoluções Burguesas querem
acabar com o absolutismo excluindo a burguesia do
poder.
 1848 - Proletariado se opõe ao pensamento liberal;
 Operários mal acomodados em suas moradias;
 Jornada de trabalho excessiva;
 Exploração do trabalho infantil;
 Essas injustiças pediam mudanças;
1864 - AIT
 A Associação
Internacional dos
Trabalhadores (AIT), às
vezes chamada de Primeira
Internacional, foi uma
organização que procurou
unir vários grupos políticos
de esquerda
e sindicatos baseados
na classe operária.
 A organização foi criada
em 1864 em Genebra
 De pé, ó vitimas da fome
De pé, famélicos da terra
Da ideia a chama já consome
A crosta bruta que a soterra
Cortai o mal bem pelo fundo
De pé, de pé, não mais senhores
Se nada somos em tal mundo
Sejamos tudo, ó produtores
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
Senhores, Patrões, chefes supremos
Nada esperamos de nenhum
Sejamos nós que conquistemos
A terra mãe livre e comum
Para não ter protestos vãos
Para sair desse antro estreito
Façamos nós por nossas mãos
Tudo o que a nós nos diz respeito
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
 O crime de rico, a lei o cobre
O Estado esmaga o oprimido
Não há direitos para o pobre
Ao rico tudo é permitido
À opressão não mais sujeitos
Somos iguais todos os seres
Não mais deveres sem direitos
Não mais direitos sem deveres
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
Abomináveis na grandeza
Os reis da mina e da fornalha
Edificaram a riqueza
Sobre o suor de quem trabalha
Todo o produto de quem sua
A corja rica o recolheu
Querendo que ela o restitua
O povo só quer o que é seu
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional

Nós fomos de fumo embriagados
Paz entre nós, guerra aos senhores
Façamos greve de soldados
Somos irmãos, trabalhadores
Se a raça vil, cheia de galas
Nos quer à força canibais
Logo verás que as nossas balas
São para os nossos generais
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
Pois somos do povo os ativos
Trabalhador forte e fecundo
Pertence a Terra aos produtivos
Ó parasitas deixai o mundo
Ó parasitas que te nutres
Do nosso sangue a gotejar
Se nos faltarem os abutres
Não deixa o sol de fulgurar
Bem unidos façamos
Nesta luta final
Uma terra sem amos
A Internacional
HINO DA INTERNACIONAL COMUNISTA
Proletariado
 Proletário: único meio de vida é sua força de trabalho.
 O proletário se diferencia do simples trabalhador no fato que ele não pode
vender seus produtos, vendendo apenas sua força de trabalho.
 Os proletários são um objeto de consumo para a burguesia enriquecer.
 O capitalista comanda o trabalho do proletário e se apropria de seus produtos
para vendê-los no mercado.
 Proletariado é o grupo de proletários enquanto classe social.
 Surgiu com o capitalismo industrial(relações mediadas pelo mercado).
 Bens tornaram-se mercadorias, Possível mediante a acumulação privativa.
 Lutas dos operários: concessão de direitos trabalhistas e sindicais.
 Única riqueza que o proletário possuía ou multiplicava era sua prole (filhos).
Ficha técnica:
 Proletariado
Do latim proletarius, “do povo”, “das classes
desfavorecidas”.
Por sua vez, proletarius vem de proles, “proles”,
“descendência”, “filhos”,
Ou seja, os pobres são “ricos” de filhos.
Burguesia
 Classe social do regime capitalista.
 Não fazem nenhum tipo de trabalho braçal.
 Alta burguesia: responsável pelos meios de produção.
 Média Burguesia: pessoas com função liberal.
 Pequena Burguesia: camadas médias e inferiores da indústria e comércio.
 Surgimento: Idade Média, comerciantes de roupas, jóias e especiarias.
 Moravam nos burgos (cidades afastadas e cercadas por muros).
 Participaram ativamente das revoluções Francesa e Industrial.
 Atualmente, os burgueses são pessoas da classe média com seu próprio
negócio.
Lutas de Classes
 Denominação de Marx e Engels para designar o confronto entre a burguesia
e o proletariado, classes antagônicas no capitalismo.
 Luta expressada nos campos econômicos, ideológicos e políticos.
 De acordo com Marx, cabe a classe social, um caráter revolucionário
intervir por meio de ações concretas práticas, para que essas
transformações ocorram.
 O filósofo afirma: a lutas de classe é o motor da história, isto é a luta de
classe faz a história se mover.
 De acordo com Marx, o capitalismo criou uma classe revolucionária que
deve se organizar para no momento oportuno fazer a revolução social.
Lutas de Classes
Essa classe seria o PROLETARIADO, que é a classe de trabalhadores
assalariados modernos que destituídos dos meios de produção, se veem
obrigados a vender sua força de trabalho para perder existir.
Marx procura explicar a evolução das relações econômicas na sociedade ao
longo do tempo.
Haveria para Marx um permanente diálogo entre poderosos e fracos,
opressores e oprimidos.
A história da humanidade seria constituída por uma permanente luta de
classes.
Marxismo
 É o conjunto de ideias filosóficas,
econômicas, políticas e sociais elaboradas
primariamente por Karl Marx e Friedrich
Engels e desenvolvidas mais tarde por outros
seguidores.
 Interpreta a vida social conforme a dinâmica
da luta de classes e prevê a transformação
das sociedades de acordo com as leis do
desenvolvimento histórico de seu sistema
produtivo.
Portanto, o marxismo não consiste apenas em uma
análise teórica, mas também se configura como uma
prática política revolucionária que pretende destruir o
capitalismo e instaurar a nova ordem socialista.
São palavras de Marx:
"Os filósofos sempre se preocuparam em interpretar a
realidade, é preciso agora transformá-la". Por isso a
doutrina marxista é chamada de filosofia da práxis,
entendida como a união dialética da teoria e da prática.
Marxismo
MODOS DE PRODUÇÃO
 Maneira como se organiza a produção material em
determinado estagio de desenvolvimento social ou
seja maneira pela qual a sociedade produz seus bens
e serviços como os utiliza e os distribui.
 Modo de produção é formado por suas forças
produtivas e pelas relações de produção existentes
nessa sociedade.
Maneira pela qual a sociedade produz seus bens e serviços, como os
utiliza e os distribui. O modo de produção de uma sociedade é
formado por suas forças produtivas e pelas relações de produção
existentes nessa sociedade.
Modo de produção =
forças produtivas + relações de produção.
A passagem de um modo para o outro, acontece no momento em que
o nível de desenvolvimento das forças produtivas entra em
contradição com as relações sociais de produção.
O modo de produção é a o centro organizador de todos os aspectos da
sociedade e sub divide-se em: Primitivo, Asiático, Escravista,
Feudal, Capitalista, Comunista.
MODOS DE PRODUÇÃO
RELAÇÕES DE PRODUÇÃO E LUTA DE
CLASSES
AS RELAÇÕES DE PRODUÇÃO SÃO MODO COMO OS SERES
HUMANOS, COM BASE EM DETERMINADA CONDIÇÕES NATURAIS,
SE ORGANIZAM PARA EXECUTAR UMA ATIVIDADE PRODUTIVAS,
ESTABELECENDO A DIVISÃO DO TRABALHO SOCIAL.
AS FORÇAS PRODUTIVAS SÃO O CONJUNTO FORMADO POR
CLIMA, ÁGUA, SOLO, MATERIAS-PRIMAS, MAQUINAS, MÃOS DE
OBRA E INSTRUMENTOS DE TRABALHO.
O MODO DE PRODUÇÃO É A MANEIRA DE ORGANIZAÇÃO DAS
FORÇAS PRODUTIVAS EM DETERMINADAS RELAÇÕES DE
PRODUÇÃO NUM DADO MOMENTO HISTORICO.
O MATERIALISMO HISTÓRICO
DIALÉTICO
Definição: Método para compreensão da sociedade
desenvolvido no decorrer das obras de Marx e Engels.
Materialismo: Baseado na compreensão das relações sociais
dos seres humanos.
Histórico: Tais relações sociais se desenvolvem dentro de um
processo histórico.
Dialético: É um diálogo, um discurso compartilhado por
dois interlocutores de opiniões opostas sobre alguma
coisa que levam a uma discussão de modo a superar
essas opiniões contrárias e chegar a unidade de ideias.
O MATERIALISMO HISTÓRICO
 É A EXPLICAÇÃO DA HISTÓRIA POR
FATORES MATERIAIS, OU SEJA,
ECONÔMICOS E TÉCNICOS.
 PARA O MARXISMO, EMBORA POSSAMOS
TENTAR DEFINIR O SER HUMANO PELA
CONSCIÊNCIA, PELA LINGUAGEM, PELA
RELIGIÃO, O QUE FUNDAMENTALMENTE O
CARACTERIZA É O MODO PELO QUAL
REPRODUZ SUAS CONDIÇÕES DE EXISTÊNCIA.
O Materialismo
A teoria marxista é materialista porque, ao explicar as
manifestações espirituais humanas, as considera
derivadas da estrutura material da sociedade (ou seja,
da estrutura econômica), diferentemente dos
idealistas para quem "as ideias movem o mundo".
MAS O MATERIALISMO MARXISTA É DIALÉTICO, POIS
O MUNDO É CONCEBIDO COMO PROCESSO, E O REAL
É CONTRADITÓRIO E DINÂMICO.
NESSE SENTIDO, A CONSCIÊNCIA DO HOMEM, MESMO
SENDO DETERMINADA PELA MATÉRIA E ESTANDO
HISTORICAMENTE SITUADA, NÃO É PURA
PASSIVIDADE: A CONSCIÊNCIA DETERMINADA PODE
REAGIR SOBRE AS CAUSAS QUE ATUAM SOBRE ELA.
O Materialismo
INFRAESTRUTURA E SUPERESTRUTURA
 A INFRAESTRUTURA: constitui a base econômica e
engloba as relações do ser humano com a natureza no
esforço de produzir a própria existência.
 Composta pelos meios materiais de produção (meios
de produção e força-de-trabalho).
 Clima> (árido e chuvoso) e os instrumentos de
trabalho> (pedra, madeira, metal ou eletrônicos), são
desenvolvidas certas técnicas que influenciam as
relações de produção, ou seja, modo pela qual os seres
humanos se organizam na divisão do trabalho social.
 A SUPERESTRUTURA constitui o caráter político-
ideológico de uma sociedade, isto é, a forma como os
indivíduos se organizam a partir de suas leis, crenças
religiosas, literatura, artes, filosofia, concepções de
ciência.
 Elementos que fazem parte da ideologia, como
cultura, religião e educação. Todos esses elementos
subordinam-se de alguma forma aos interesses
econômicos das classes dominantes.
INFRAESTRUTURA E SUPERESTRUTURA
As teorias socialistas 2019
MAIS-VALIA:
O valor do trabalho é abstrato, no sentido em
que o valor padrão de um salário para uma
determinada atividade (e para uma determinada
duração da jornada de trabalho) é dado pelo
Mercado, isto é, pela demanda agregada dos
capitalistas.
A mais-valia seria a ampliação da duração da
jornada de trabalho mantendo o salário
constante - o que ele chama de mais-valia
absoluta;
ou ampliar a produtividade física do trabalho
pela via da mecanização - o que ele chama de
mais-valia relativa.
MAIS-VALIA
É uma relação que associa
TEMPO – LUCRO – TRABALHO - EXPLORAÇÃO.
Marx sustentava a ideia de que o valor de troca de uma
mercadoria é determinado pela quantidade de trabalho
aplicado em sua produção.
SEGUNDO MARX - acumulação de capital resulta do
acumulo de mais-valia (parte que o trabalhador produz e
que não lhe é paga)
Tipos de Mais-Valia
Absoluta – aumenta o lucro a
partir do aumento das horas de
trabalho do operário
Relativa – utilização da tecnologia
para aumentar a produção e o
lucro, com o mesmo número de
trabalhadores e mesmo salário
VENDE
PRODUZ
MAIS - VALIA
Horas de trabalho
excedente que são
apropriadas pelo
capitalista
8 horas de
trabalho
6 horas de
trabalho
2 horas de
trabalho
Pagamento de salário
O Socialismo Utópico
 Crítica a ganância da classe rica;
 Movimento de crítica social e luta política;
 Proposta de um novo modelo de sociedade “ideal” .
Primeiros pensadores:
 Saint Simon, Charles Fourier, Robert Owen,
Proudhon e Louis Blanc: uso do racionalismo para
uma sociedade fraterna, livre e igualitária / bem
estar social
 Proposta: organizações cooperativas vivências em
comunidades modelo ;
O Socialismo Utópico
 Tinha como objetivo a criação de uma sociedade
ideal, que seria alcançada de forma pacífica
graças à boa vontade da burguesia.
 De acordo com os socialistas utópicos, o sistema
socialista se instalaria de forma lenta e
gradual.
 Karl Marx se distanciou do conceito de socialismo
utópico, visto que de acordo com essa corrente a
fórmula para alcançar a igualdade na sociedade não
era discutida.
O Socialismo Utópico
 O socialismo utópico surgiu como resposta
aos abusos causados pelo liberalismo e
capitalismo na altura da Revolução Industrial.
 Nesta ocasião, muitos trabalhadores (sendo muitos
deles crianças) viviam em grande miséria e eram
explorados, com horários de trabalho absurdos e sem
condições.
Socialismo Utópico
 foi uma corrente de pensamento que tinha como
objetivo a criação de uma sociedade ideal, que seria
alcançada de forma pacífica graças à boa vontade da
burguesia. Essa teoria se desenvolveu primeiramente
sob a forma de ideias que foram consideradas
utópicas para a época. Os principais nomes do
socialismo utópico são
 Robert Owen, Saint-Simon e Charles Fourier.
Socialismo científico
 Os socialistas científicos criticavam o socialismo
utópico porque viam nesta corrente uma passividade e
uma utopia, pois esperavam que os indivíduos
exploradores ganhassem uma consciência social para
que as reformas fossem postas em prática.
 O socialismo científico tinha objetivos semelhantes,
mas tinha uma visão menos "romântica", pois previa
melhores condições de trabalho e de vida para os
trabalhadores através de uma revolução
proletária e da luta armada.
Socialismo científico
 Karl Marx e Friederich Engels (meados do século XIX-
Inglaterra- país mais industrializado da Europa).
Revoluções até 1848- direitos sociais e políticos.
 Comunismo e Socialismo
 O Manifesto Comunista Engels e Marx: “Toda historia
humana é a história da luta de classes: H. livre X escravo/
patrícios e plebeus/ barões e servos/ patrões X
assalariados- opressores e oprimidos em constante
oposição, uns contra os outros numa luta sem tréguas que
cada vez
Socialismo Científico
 foi um projeto social que buscava formas para
superar as dificuldades sociais que se agravavam na
Europa, decorrentes da Revolução Industrial.
 Marx e Engels e o socialismo científico:
Desenvolvem a crítica mais bem elaborada da
sociedade capitalista pensando seu processo de
formação e suas contradições, assim como a
possibilidade de transformação desta sociedade pelos
trabalhadores. Para tanto desenvolvem um método
de análise conhecido como materialismo histórico
dialético.
Karl Marx
 Produziu obras de filosofia, economia e sociologia,
tencionando propor uma ampla transformação política,
econômica e social.
 Marx sofreu algumas influencias como a filosofia de Hegel.
 Desenvolveu o conceito de alienação, mostrando que a
industrialização, a propriedade privada e o assalariamento
separavam o trabalhador dos meios de produção, que se
tornaram propriedade privada do capitalista.
 Marx proclamava ainda a inexistência de igualdade natural
e observa que o liberalismo vê os homens como átomos,
como se estivessem livres das evidentes desigualdades
sociais.
Karl Heinrich Marx
Nasceu em Tréveris
(1818)
Faleceu em Londres
(1883)
foi um intelectual alemão
considerado um dos
fundadores da sociologia.
Podemos encontrar a influência de Marx em várias outras áreas tais
como: filosofia, economia e história.
Teve participação como intelectual e como revolucionário no
movimento operário, sendo que ambos (Marx e o movimento
operário) influenciaram uns aos outros durante o período em que o
autor viveu.
Atualmente é bastante difícil analisar a sociedade humana sem
referenciar-se, em maior ou menor grau, à produção de Karl Marx,
mesmo que a pessoa não seja simpática a sua ideologia.
Principais temas: Modo de produção; mais-valia; acumulação
primitiva; materialismo histórico e dialético, luta de classes.
Biografia de Karl Marx
Karl Marx (1818 – 1883)
Frederich Engles (1820 –
1895)
ATIVIDADE DE F – 1 PONTO - (COPIAR AS QUESTÕES)
NOME:_____________________Nº:____SÉRIE:_____DATA: __/__/2018
 1) Como podemos diferenciar o socialismo utópico do socialismo
científico? Dê a definição de cada um.
 2) Defina o materialismo histórico.
 3) De acordo com o pensamento socialista, qual a relação entre a
teoria da mais valia e a exploração da força de trabalho dos
operários?
 4) Defina os níveis da burguesia e dê exemplo.
 5) Defina o conceito de Forças Produtivas e Modo de Produção
num contexto prático.
 6) O que é o Marxismo?
 7) Defina o que é o Proletariado e cite como ele funciona?
 8) De acordo com Marx o que é Infraestrutura e a Superestrutura?
 9) Explique o Materialismo Histórico Dialético.
 10) Como a Luta de Classes pode provocar mudanças na sociedade?
Karl Marx e as Classes Sociais
 A perspectiva de Karl Marx era a do Materialismo
Histórico e Dialético, ou seja, interpretando os
acontecimentos históricos como fatores econômicos
sociais.
 A produção e reprodução da sociedade capitalista só se
realiza porque capitalistas e trabalhadores entram em uma
relação de dominação e exploração.
 Para Marx o Estado é o instrumento no qual uma
classe domina e explora outra, assim, o Estado é a
classe dominante que deste modo, garante os seus
interesses e o bom funcionamento da economia.
Práticas econômicas desenvolvida na Europa na Idade Moderna,
entre século XV, e o final do século XVIII. O mercantilismo originou
um conjunto de medidas econômicas diversas de acordo com os
Estados.
Caracterizou-se por uma forte intervenção do Estado na economia.
Consistiu numa série de medidas tendentes a unificar o mercado
interno e teve como finalidade a formação de fortes Estados
nacionais. Este período estende-se do século XVI ao XVIII. Inicia-se
com as Expansões Marítimas Europeias.
MODO DE PRODUÇÃO MERCANTILISTA
(PRÉ CAPITALISMO):
Período específico atual da história do
mundo ocidental, iniciado a partir da
Revolução Francesa (1789 d.C.).
O seu início foi bastante marcado pela
corrente filosófica iluminista, que elevava
a importância da razão.
IDADE
CONTEMPORÂNEA
O capitalismo é um sistema econômico em que os meios de
produção e distribuição são de propriedade privada e com fins
lucrativos; decisões sobre oferta, demanda, preço, distribuição e
investimentos são realizadas pelos proprietários.
O termo capitalismo foi criado e utilizado por socialistas e
anarquistas ( Karl Marx, Proudhon e Sombart), no final do séc. XIX
e início do séc. XX, para identificar o sistema político econômico
existente na sociedade ocidental quando se referiam a ele em suas
críticas.
MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA:
É uma ideologia política e socioeconômica, que pretende
promover o estabelecimento de uma sociedade igualitária,
sem classes sociais e apátrida, baseada na propriedade
comum e no controle dos meios de produção e da
propriedade em geral.
Karl Marx, postulou que o comunismo seria a fase final na
sociedade humana, o que seria alcançado através de uma
revolução proletária.
MODO DE PRODUÇÃO COMUNISTA
 O "comunismo puro", no sentido marxista
refere-se a uma sociedade sem classes, sem
Estado e livre de opressão, onde as decisões
sobre o que produzir e quais as políticas
devem prosseguir são tomadas
democraticamente, permitindo que cada
membro da sociedade possa participar do
processo decisório, tanto na esfera política
e econômica da vida.
MODO DE PRODUÇÃO COMUNISTA
SOCIALISMO, COMUNISMO,
ANARQUISMO
 Socialismo: Corrente reformista que
tinha como seu objetivo a socialização dos
meios de produção com base no pressuposto de
que os problemas são oriundos das desigualdade
sociais.
 Comunismo: é um sistema de governo,
no qual o objetivo era acabar com as
classes sociais, a propriedade privada e o
Estado.
 Anarquismo: seria organizada de acordo com
a necessidade das comunidades, cujas relações
seriam voltadas ao auto-abastecimento sem fins
lucrativos e à base de trocas. O anarquismo
postulava o fim do Estado e de toda e
qualquer forma de governo, que seriam as
causas da existência dos males sociais e
deveriam ser substituídas por uma sociedade em
que os homens fossem livres, sem leis, polícia,
tribunais ou forças armadas.
DIVISÃO DA SOCIEDADE EM DE KARL MARX
SUPERESTRUTURA
ESTRUTURA
CAPITALISMO
 Para entender, é preciso saber que Marx retoma a
temática hegeliana do trabalho como condição de
liberdade. É pelo trabalho que o ser humano se
confronta com a natureza e, ao mesmo tempo que a
modifica, também transforma a sim mesmo,
humaniza-se.
 O produto de seu trabalho é apropriado pelo
burguês, que determina o salário, o horário e o
ritmo de trabalho.
 O trabalhador deixa de ser o centro de si
mesmo para ser comandado por fora.
PRINCIPAIS CATEGORIAS DA
TEORIA DE KARL MARX
PRINCIPAIS CATEGORIAS DA
TEORIA DE KARL MARX
ALIENAÇÃO:
Para Marx, tem um sentido negativo,
em que o trabalho, ao invés de realizar
o homem, o escraviza; ao invés de
humanizá-lo, o desumaniza.
O homem é estimulado a troca o verbo
SER pelo TER: sua vida passa a medir-
se pelo que ele possui, não pelo que ele
é...
Para Marx a religião e o Estado são
formas de alienação.
A alienação econômica é uma forma
do homem explorar o próprio homem,
utilizando formas de manipulação e
expropriação.
ALIENAÇÃO
 O capitalista, ao vender sua força de trabalho
mediante o salário, o operário também se transforma
em mercadoria.
 Ocorre o que Marx chama de: Fetichismo é a
percepção das relações sociais envolvidas na
produção, não como relações entre as pessoas, mas
como as relações econômicas entre o dinheiro e as
commodities negociadas no mercado.
Reificação.
FETICHE:
Significa “objeto animado ou inanimado, feito pelo homem ou produzido
pela natureza, ao qual se atribui poder sobrenatural e se presta culto.
Significado conferido ao fenômeno da atribuição de valor simbólico aos
produtos (manufaturas). É um objeto material ao qual se atribuem
poderes mágicos ou sobrenaturais, positivos ou negativos.
TRABALHO:
se refere a uma atividade própria do homem. O trabalho é um
desprendimento de energia exclusivamente humano. Neste processo, o
homem se enfrenta como um poder natural, em palavras de Karl Marx,
o trabalho transforma a natureza.
IDEOLOGIA:
Marx não separa a produção das
ideias e as condições sociais e
históricas nas quais são produzidas
(tal separação é o que caracteriza a
ideologia).
Pode ser compreendida como ciência
das idéias; para Marx a ideologia age
como uma deformadora de realidade,
pois mascaras as explorações do
sistema capitalista.
A ideologia é utilizada nos processos
de alienação.
PRODUÇÃO-CONSUMO:
Atividade de transformação mediada pelo trabalho.
"Sem produção – afirma Marx – não há consumo, porém,
sem consumo tampouco há produção, já que neste caso a
produção não teria objeto". As esferas da produção e do
consumo estão interligadas por um terceiro momento: o
distributivo. Marx alinha produção, distribuição,
intercâmbio e consumo.
ANTAGONISMO DE CLASSE
 Inversão da pirâmide social
 Revolução socialista
PATRÃO
PATRÃOPROLETARIADO
PROLETARIADO
Método – O PESQUISADOR NÃO DEVE SE LIMITAR À DESCREVER
A REALIDADE SOCIAL, MAS DEVE PROCURAR IDENTIFICAR
COMO ESSA REALIDADE SE PRODUZ E SE REPRODUZ AO
LONGO DA HISTÓRIA
MARX CIÊNCIA TEM UM PAPEL POLÍTICO
Deve ser INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE
“Que as classes dominantes tremam à ideia de uma
revolução comunista! Os proletários nada têm a
perder a não ser suas algemas. Têm um mundo a
ganhar. PROLETÁRIOS DE TODO O MUNDO, UNI-
VOS!”
(MARX, Karl e ENGELS, Friedrich, Manifesto do
Partido Comunista - 1848)
Georg W. F. Hegel (1770 – 1831)
 Visão histórica da
Filosofia:
– Razão humana é
histórica.
 Visão filosófica da
História:
- História é Racional.
Teses sobre Feuerbach
Karl Marx
• A pergunta se convém ao pensamento humano uma verdade
objetiva não é teórica mas prática. É na práxis que o homem deve
demonstrar a verdade, a saber, a efetividade e o poder, o caráter
terreal de seu pensamento. A disputa sobre a efetividade ou não-
efetividade do pensamento - isolado da práxis – é uma questão
puramente escolástica.
•Os filósofos limitaram-se a interpretar o mundo de maneiras
diferentes, mas cabe chegar a transformá-lo.
Formulações de Marx sobre a Práxis
Relações
Materiais
(prática)
Idéias
(Teoria)
PRAXIS
(Interdependência entre idéias e
relaçõesmateriais =
TOTALIDADE.)
Manifesto Comunista
“A história de toda a sociedade até aqui é a história de
lutas de classes. [Homem] livre e escravo, patrício e
plebeu, barão e servo, burgueses de corporação e oficial,
em suma, opressores e oprimidos, estiveram em constante
oposição uns aos outros, travaram uma luta ininterrupta,
ora oculta ora aberta, uma luta que de cada vez acabou por
uma reconfiguração revolucionária de toda a sociedade ou
pelo declínio comum das classes em luta. (...) A moderna
sociedade burguesa, saída do declínio da sociedade feudal,
não aboliu as oposições de classes. Apenas pôs novas
classes, novas condições de opressão, novas configurações
de luta, no lugar das antigas.
(...)As armas com que a burguesia deitou por terra
o feudalismo viram-se agora contra a própria
burguesia. Mas a burguesia não forjou apenas as
armas que lhe trazem a morte; também gerou os
homens que manejarão essas armas - os operários
modernos, os proletários.”
(Karl Marx e Frederich Engels, Manifesto Comunista, 1848)
Referências
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Burguesia
 http://www.infoescola.com/sociologia/burguesia/
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Proletariado
 http://www.infoescola.com/sociologia/proletariado/
 http://comunism0.wordpress.com/definir-proletariado/
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Luta_de_classes
 http:// pt.wikipedia.org/wiki/Karl_Marx
 http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Resumo-Karl-Marx-Emile-Durkheim-
e/2688.html
As teorias socialistas 2019

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Manifesto Comunista Marx
Apresentação Manifesto Comunista MarxApresentação Manifesto Comunista Marx
Apresentação Manifesto Comunista Marx
Carlos Faria
 
As teorias socialistas
As teorias socialistasAs teorias socialistas
As teorias socialistas
Alan
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
Colégio Nova Geração COC
 
Teorias Socialistas
Teorias SocialistasTeorias Socialistas
Teorias Socialistas
Edenilson Morais
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
I Explici..
I Explici..I Explici..
I Explici..
guest1c29c31
 
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxAula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Carlo Romani
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Tamires Deolin
 
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Noções de tga 1º ano 2013   parte iNoções de tga 1º ano 2013   parte i
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Nathan Felix Raposo
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
Tiago de Melo
 
Karl Marx E A História Da Exploração Atualizado
Karl  Marx E A  História Da  Exploração AtualizadoKarl  Marx E A  História Da  Exploração Atualizado
Karl Marx E A História Da Exploração Atualizado
roberto mosca junior
 
Manifesto comunista
Manifesto comunistaManifesto comunista
Manifesto comunista
Raphael Garbina
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Max
Karl MaxKarl Max
Karl Max
Matias Silva
 
Seminário de marx final 2
Seminário de marx final 2Seminário de marx final 2
Seminário de marx final 2
Mariclei2011
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
gray 87
 
Sociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino MédioSociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino Médio
Matheus Rodrigues
 
Análise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marxAnálise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marx
Ciências Humanas e Suas Tecnologias
 

Mais procurados (20)

Apresentação Manifesto Comunista Marx
Apresentação Manifesto Comunista MarxApresentação Manifesto Comunista Marx
Apresentação Manifesto Comunista Marx
 
As teorias socialistas
As teorias socialistasAs teorias socialistas
As teorias socialistas
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx
Aula Karl Marx
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Materialismo histórico
Materialismo histórico Materialismo histórico
Materialismo histórico
 
Teorias Socialistas
Teorias SocialistasTeorias Socialistas
Teorias Socialistas
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
I Explici..
I Explici..I Explici..
I Explici..
 
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl MarxAula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
Aula sobre materialismo historico com base na Ideologia Alema de Karl Marx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
Noções de tga 1º ano 2013   parte iNoções de tga 1º ano 2013   parte i
Noções de tga 1º ano 2013 parte i
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
 
Karl Marx E A História Da Exploração Atualizado
Karl  Marx E A  História Da  Exploração AtualizadoKarl  Marx E A  História Da  Exploração Atualizado
Karl Marx E A História Da Exploração Atualizado
 
Manifesto comunista
Manifesto comunistaManifesto comunista
Manifesto comunista
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Karl Max
Karl MaxKarl Max
Karl Max
 
Seminário de marx final 2
Seminário de marx final 2Seminário de marx final 2
Seminário de marx final 2
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Sociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino MédioSociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino Médio
 
Análise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marxAnálise do capitalismo por karl marx
Análise do capitalismo por karl marx
 

Semelhante a As teorias socialistas 2019

As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
Alan
 
Marx.pptx
Marx.pptxMarx.pptx
Marx.pptx
AndrZuzarte2
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Fatima Freitas
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
Josias Vitor
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
maynara marques
 
Karl marx1
Karl marx1Karl marx1
Karl marx1
Eliana Paz
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
Ronaldo Silva
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Aula 08 - Modos de Produção e Formações Sociais - I
Aula 08 - Modos de Produção e Formações Sociais - IAula 08 - Modos de Produção e Formações Sociais - I
Aula 08 - Modos de Produção e Formações Sociais - I
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
brendagersanti
 
3º Bloco 1 Estado E Classes Joan
3º Bloco   1   Estado E Classes   Joan3º Bloco   1   Estado E Classes   Joan
3º Bloco 1 Estado E Classes Joan
Wladimir Crippa
 
3º Bloco 1 Estado E Classes Joan
3º Bloco   1   Estado E Classes   Joan3º Bloco   1   Estado E Classes   Joan
3º Bloco 1 Estado E Classes Joan
Wladimir Crippa
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
João Marcelo
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
ProfessoresColeguium
 
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
SamaraDosSantosCarva1
 
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismoKARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
Meg Rioko Chan
 
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.pptCLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
ssuser30948b
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
ProfessoresColeguium
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
ProfessoresColeguium
 

Semelhante a As teorias socialistas 2019 (20)

As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
 
Marx.pptx
Marx.pptxMarx.pptx
Marx.pptx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 
Karl marx1
Karl marx1Karl marx1
Karl marx1
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
 
Aula 08 - Modos de Produção e Formações Sociais - I
Aula 08 - Modos de Produção e Formações Sociais - IAula 08 - Modos de Produção e Formações Sociais - I
Aula 08 - Modos de Produção e Formações Sociais - I
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
 
3º Bloco 1 Estado E Classes Joan
3º Bloco   1   Estado E Classes   Joan3º Bloco   1   Estado E Classes   Joan
3º Bloco 1 Estado E Classes Joan
 
3º Bloco 1 Estado E Classes Joan
3º Bloco   1   Estado E Classes   Joan3º Bloco   1   Estado E Classes   Joan
3º Bloco 1 Estado E Classes Joan
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
 
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
3EM_Aula 5 - Materialismo histórico de Karl Marx (Capítulo 11).pptx
 
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismoKARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
 
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.pptCLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Socialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismoSocialismos e anarquismo
Socialismos e anarquismo
 

Mais de Alan

Grecia antiga 1 termo a e b
Grecia antiga   1 termo a e bGrecia antiga   1 termo a e b
Grecia antiga 1 termo a e b
Alan
 
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundialNeocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Alan
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
Alan
 
Belle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º anoBelle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º ano
Alan
 
Belle epoque
Belle epoqueBelle epoque
Belle epoque
Alan
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Alan
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Alan
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Alan
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
Alan
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Alan
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
Alan
 
Como fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tccComo fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tcc
Alan
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
Alan
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Alan
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
Alan
 
O conhecimento filosófico
O conhecimento filosóficoO conhecimento filosófico
O conhecimento filosófico
Alan
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
Alan
 
Dos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievaisDos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievais
Alan
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
Alan
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Alan
 

Mais de Alan (20)

Grecia antiga 1 termo a e b
Grecia antiga   1 termo a e bGrecia antiga   1 termo a e b
Grecia antiga 1 termo a e b
 
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundialNeocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
 
Belle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º anoBelle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º ano
 
Belle epoque
Belle epoqueBelle epoque
Belle epoque
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
 
Como fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tccComo fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tcc
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
 
Paradigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento OcidentalParadigmas do Pensamento Ocidental
Paradigmas do Pensamento Ocidental
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
 
O conhecimento filosófico
O conhecimento filosóficoO conhecimento filosófico
O conhecimento filosófico
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
 
Dos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievaisDos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievais
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 

Último

Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

As teorias socialistas 2019

  • 1. AS TEORIAS SOCIALISTAS  CONTEÚDO DO 4º BIMESTRE.  MÊS DE OUTUBRO Proletariado Burguesia Socialismo Marxismo Luta de Classes Karl Marx
  • 2. A ORIGEM DO PROLETÁRIADO  Início do Séc. XIX – Revoluções Burguesas querem acabar com o absolutismo excluindo a burguesia do poder.  1848 - Proletariado se opõe ao pensamento liberal;  Operários mal acomodados em suas moradias;  Jornada de trabalho excessiva;  Exploração do trabalho infantil;  Essas injustiças pediam mudanças;
  • 3. 1864 - AIT  A Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT), às vezes chamada de Primeira Internacional, foi uma organização que procurou unir vários grupos políticos de esquerda e sindicatos baseados na classe operária.  A organização foi criada em 1864 em Genebra
  • 4.  De pé, ó vitimas da fome De pé, famélicos da terra Da ideia a chama já consome A crosta bruta que a soterra Cortai o mal bem pelo fundo De pé, de pé, não mais senhores Se nada somos em tal mundo Sejamos tudo, ó produtores Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional Senhores, Patrões, chefes supremos Nada esperamos de nenhum Sejamos nós que conquistemos A terra mãe livre e comum Para não ter protestos vãos Para sair desse antro estreito Façamos nós por nossas mãos Tudo o que a nós nos diz respeito Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional  O crime de rico, a lei o cobre O Estado esmaga o oprimido Não há direitos para o pobre Ao rico tudo é permitido À opressão não mais sujeitos Somos iguais todos os seres Não mais deveres sem direitos Não mais direitos sem deveres Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional Abomináveis na grandeza Os reis da mina e da fornalha Edificaram a riqueza Sobre o suor de quem trabalha Todo o produto de quem sua A corja rica o recolheu Querendo que ela o restitua O povo só quer o que é seu Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional  Nós fomos de fumo embriagados Paz entre nós, guerra aos senhores Façamos greve de soldados Somos irmãos, trabalhadores Se a raça vil, cheia de galas Nos quer à força canibais Logo verás que as nossas balas São para os nossos generais Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional Pois somos do povo os ativos Trabalhador forte e fecundo Pertence a Terra aos produtivos Ó parasitas deixai o mundo Ó parasitas que te nutres Do nosso sangue a gotejar Se nos faltarem os abutres Não deixa o sol de fulgurar Bem unidos façamos Nesta luta final Uma terra sem amos A Internacional HINO DA INTERNACIONAL COMUNISTA
  • 5. Proletariado  Proletário: único meio de vida é sua força de trabalho.  O proletário se diferencia do simples trabalhador no fato que ele não pode vender seus produtos, vendendo apenas sua força de trabalho.  Os proletários são um objeto de consumo para a burguesia enriquecer.  O capitalista comanda o trabalho do proletário e se apropria de seus produtos para vendê-los no mercado.  Proletariado é o grupo de proletários enquanto classe social.  Surgiu com o capitalismo industrial(relações mediadas pelo mercado).  Bens tornaram-se mercadorias, Possível mediante a acumulação privativa.  Lutas dos operários: concessão de direitos trabalhistas e sindicais.  Única riqueza que o proletário possuía ou multiplicava era sua prole (filhos).
  • 6. Ficha técnica:  Proletariado Do latim proletarius, “do povo”, “das classes desfavorecidas”. Por sua vez, proletarius vem de proles, “proles”, “descendência”, “filhos”, Ou seja, os pobres são “ricos” de filhos.
  • 7. Burguesia  Classe social do regime capitalista.  Não fazem nenhum tipo de trabalho braçal.  Alta burguesia: responsável pelos meios de produção.  Média Burguesia: pessoas com função liberal.  Pequena Burguesia: camadas médias e inferiores da indústria e comércio.  Surgimento: Idade Média, comerciantes de roupas, jóias e especiarias.  Moravam nos burgos (cidades afastadas e cercadas por muros).  Participaram ativamente das revoluções Francesa e Industrial.  Atualmente, os burgueses são pessoas da classe média com seu próprio negócio.
  • 8. Lutas de Classes  Denominação de Marx e Engels para designar o confronto entre a burguesia e o proletariado, classes antagônicas no capitalismo.  Luta expressada nos campos econômicos, ideológicos e políticos.  De acordo com Marx, cabe a classe social, um caráter revolucionário intervir por meio de ações concretas práticas, para que essas transformações ocorram.  O filósofo afirma: a lutas de classe é o motor da história, isto é a luta de classe faz a história se mover.  De acordo com Marx, o capitalismo criou uma classe revolucionária que deve se organizar para no momento oportuno fazer a revolução social.
  • 9. Lutas de Classes Essa classe seria o PROLETARIADO, que é a classe de trabalhadores assalariados modernos que destituídos dos meios de produção, se veem obrigados a vender sua força de trabalho para perder existir. Marx procura explicar a evolução das relações econômicas na sociedade ao longo do tempo. Haveria para Marx um permanente diálogo entre poderosos e fracos, opressores e oprimidos. A história da humanidade seria constituída por uma permanente luta de classes.
  • 10. Marxismo  É o conjunto de ideias filosóficas, econômicas, políticas e sociais elaboradas primariamente por Karl Marx e Friedrich Engels e desenvolvidas mais tarde por outros seguidores.  Interpreta a vida social conforme a dinâmica da luta de classes e prevê a transformação das sociedades de acordo com as leis do desenvolvimento histórico de seu sistema produtivo.
  • 11. Portanto, o marxismo não consiste apenas em uma análise teórica, mas também se configura como uma prática política revolucionária que pretende destruir o capitalismo e instaurar a nova ordem socialista. São palavras de Marx: "Os filósofos sempre se preocuparam em interpretar a realidade, é preciso agora transformá-la". Por isso a doutrina marxista é chamada de filosofia da práxis, entendida como a união dialética da teoria e da prática. Marxismo
  • 12. MODOS DE PRODUÇÃO  Maneira como se organiza a produção material em determinado estagio de desenvolvimento social ou seja maneira pela qual a sociedade produz seus bens e serviços como os utiliza e os distribui.  Modo de produção é formado por suas forças produtivas e pelas relações de produção existentes nessa sociedade.
  • 13. Maneira pela qual a sociedade produz seus bens e serviços, como os utiliza e os distribui. O modo de produção de uma sociedade é formado por suas forças produtivas e pelas relações de produção existentes nessa sociedade. Modo de produção = forças produtivas + relações de produção. A passagem de um modo para o outro, acontece no momento em que o nível de desenvolvimento das forças produtivas entra em contradição com as relações sociais de produção. O modo de produção é a o centro organizador de todos os aspectos da sociedade e sub divide-se em: Primitivo, Asiático, Escravista, Feudal, Capitalista, Comunista. MODOS DE PRODUÇÃO
  • 14. RELAÇÕES DE PRODUÇÃO E LUTA DE CLASSES AS RELAÇÕES DE PRODUÇÃO SÃO MODO COMO OS SERES HUMANOS, COM BASE EM DETERMINADA CONDIÇÕES NATURAIS, SE ORGANIZAM PARA EXECUTAR UMA ATIVIDADE PRODUTIVAS, ESTABELECENDO A DIVISÃO DO TRABALHO SOCIAL. AS FORÇAS PRODUTIVAS SÃO O CONJUNTO FORMADO POR CLIMA, ÁGUA, SOLO, MATERIAS-PRIMAS, MAQUINAS, MÃOS DE OBRA E INSTRUMENTOS DE TRABALHO. O MODO DE PRODUÇÃO É A MANEIRA DE ORGANIZAÇÃO DAS FORÇAS PRODUTIVAS EM DETERMINADAS RELAÇÕES DE PRODUÇÃO NUM DADO MOMENTO HISTORICO.
  • 15. O MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO Definição: Método para compreensão da sociedade desenvolvido no decorrer das obras de Marx e Engels. Materialismo: Baseado na compreensão das relações sociais dos seres humanos. Histórico: Tais relações sociais se desenvolvem dentro de um processo histórico. Dialético: É um diálogo, um discurso compartilhado por dois interlocutores de opiniões opostas sobre alguma coisa que levam a uma discussão de modo a superar essas opiniões contrárias e chegar a unidade de ideias.
  • 16. O MATERIALISMO HISTÓRICO  É A EXPLICAÇÃO DA HISTÓRIA POR FATORES MATERIAIS, OU SEJA, ECONÔMICOS E TÉCNICOS.  PARA O MARXISMO, EMBORA POSSAMOS TENTAR DEFINIR O SER HUMANO PELA CONSCIÊNCIA, PELA LINGUAGEM, PELA RELIGIÃO, O QUE FUNDAMENTALMENTE O CARACTERIZA É O MODO PELO QUAL REPRODUZ SUAS CONDIÇÕES DE EXISTÊNCIA.
  • 17. O Materialismo A teoria marxista é materialista porque, ao explicar as manifestações espirituais humanas, as considera derivadas da estrutura material da sociedade (ou seja, da estrutura econômica), diferentemente dos idealistas para quem "as ideias movem o mundo".
  • 18. MAS O MATERIALISMO MARXISTA É DIALÉTICO, POIS O MUNDO É CONCEBIDO COMO PROCESSO, E O REAL É CONTRADITÓRIO E DINÂMICO. NESSE SENTIDO, A CONSCIÊNCIA DO HOMEM, MESMO SENDO DETERMINADA PELA MATÉRIA E ESTANDO HISTORICAMENTE SITUADA, NÃO É PURA PASSIVIDADE: A CONSCIÊNCIA DETERMINADA PODE REAGIR SOBRE AS CAUSAS QUE ATUAM SOBRE ELA. O Materialismo
  • 19. INFRAESTRUTURA E SUPERESTRUTURA  A INFRAESTRUTURA: constitui a base econômica e engloba as relações do ser humano com a natureza no esforço de produzir a própria existência.  Composta pelos meios materiais de produção (meios de produção e força-de-trabalho).  Clima> (árido e chuvoso) e os instrumentos de trabalho> (pedra, madeira, metal ou eletrônicos), são desenvolvidas certas técnicas que influenciam as relações de produção, ou seja, modo pela qual os seres humanos se organizam na divisão do trabalho social.
  • 20.  A SUPERESTRUTURA constitui o caráter político- ideológico de uma sociedade, isto é, a forma como os indivíduos se organizam a partir de suas leis, crenças religiosas, literatura, artes, filosofia, concepções de ciência.  Elementos que fazem parte da ideologia, como cultura, religião e educação. Todos esses elementos subordinam-se de alguma forma aos interesses econômicos das classes dominantes. INFRAESTRUTURA E SUPERESTRUTURA
  • 22. MAIS-VALIA: O valor do trabalho é abstrato, no sentido em que o valor padrão de um salário para uma determinada atividade (e para uma determinada duração da jornada de trabalho) é dado pelo Mercado, isto é, pela demanda agregada dos capitalistas. A mais-valia seria a ampliação da duração da jornada de trabalho mantendo o salário constante - o que ele chama de mais-valia absoluta; ou ampliar a produtividade física do trabalho pela via da mecanização - o que ele chama de mais-valia relativa.
  • 23. MAIS-VALIA É uma relação que associa TEMPO – LUCRO – TRABALHO - EXPLORAÇÃO. Marx sustentava a ideia de que o valor de troca de uma mercadoria é determinado pela quantidade de trabalho aplicado em sua produção.
  • 24. SEGUNDO MARX - acumulação de capital resulta do acumulo de mais-valia (parte que o trabalhador produz e que não lhe é paga) Tipos de Mais-Valia Absoluta – aumenta o lucro a partir do aumento das horas de trabalho do operário Relativa – utilização da tecnologia para aumentar a produção e o lucro, com o mesmo número de trabalhadores e mesmo salário
  • 25. VENDE PRODUZ MAIS - VALIA Horas de trabalho excedente que são apropriadas pelo capitalista 8 horas de trabalho 6 horas de trabalho 2 horas de trabalho Pagamento de salário
  • 26. O Socialismo Utópico  Crítica a ganância da classe rica;  Movimento de crítica social e luta política;  Proposta de um novo modelo de sociedade “ideal” . Primeiros pensadores:  Saint Simon, Charles Fourier, Robert Owen, Proudhon e Louis Blanc: uso do racionalismo para uma sociedade fraterna, livre e igualitária / bem estar social  Proposta: organizações cooperativas vivências em comunidades modelo ;
  • 27. O Socialismo Utópico  Tinha como objetivo a criação de uma sociedade ideal, que seria alcançada de forma pacífica graças à boa vontade da burguesia.  De acordo com os socialistas utópicos, o sistema socialista se instalaria de forma lenta e gradual.  Karl Marx se distanciou do conceito de socialismo utópico, visto que de acordo com essa corrente a fórmula para alcançar a igualdade na sociedade não era discutida.
  • 28. O Socialismo Utópico  O socialismo utópico surgiu como resposta aos abusos causados pelo liberalismo e capitalismo na altura da Revolução Industrial.  Nesta ocasião, muitos trabalhadores (sendo muitos deles crianças) viviam em grande miséria e eram explorados, com horários de trabalho absurdos e sem condições.
  • 29. Socialismo Utópico  foi uma corrente de pensamento que tinha como objetivo a criação de uma sociedade ideal, que seria alcançada de forma pacífica graças à boa vontade da burguesia. Essa teoria se desenvolveu primeiramente sob a forma de ideias que foram consideradas utópicas para a época. Os principais nomes do socialismo utópico são  Robert Owen, Saint-Simon e Charles Fourier.
  • 30. Socialismo científico  Os socialistas científicos criticavam o socialismo utópico porque viam nesta corrente uma passividade e uma utopia, pois esperavam que os indivíduos exploradores ganhassem uma consciência social para que as reformas fossem postas em prática.  O socialismo científico tinha objetivos semelhantes, mas tinha uma visão menos "romântica", pois previa melhores condições de trabalho e de vida para os trabalhadores através de uma revolução proletária e da luta armada.
  • 31. Socialismo científico  Karl Marx e Friederich Engels (meados do século XIX- Inglaterra- país mais industrializado da Europa). Revoluções até 1848- direitos sociais e políticos.  Comunismo e Socialismo  O Manifesto Comunista Engels e Marx: “Toda historia humana é a história da luta de classes: H. livre X escravo/ patrícios e plebeus/ barões e servos/ patrões X assalariados- opressores e oprimidos em constante oposição, uns contra os outros numa luta sem tréguas que cada vez
  • 32. Socialismo Científico  foi um projeto social que buscava formas para superar as dificuldades sociais que se agravavam na Europa, decorrentes da Revolução Industrial.  Marx e Engels e o socialismo científico: Desenvolvem a crítica mais bem elaborada da sociedade capitalista pensando seu processo de formação e suas contradições, assim como a possibilidade de transformação desta sociedade pelos trabalhadores. Para tanto desenvolvem um método de análise conhecido como materialismo histórico dialético.
  • 33. Karl Marx  Produziu obras de filosofia, economia e sociologia, tencionando propor uma ampla transformação política, econômica e social.  Marx sofreu algumas influencias como a filosofia de Hegel.  Desenvolveu o conceito de alienação, mostrando que a industrialização, a propriedade privada e o assalariamento separavam o trabalhador dos meios de produção, que se tornaram propriedade privada do capitalista.  Marx proclamava ainda a inexistência de igualdade natural e observa que o liberalismo vê os homens como átomos, como se estivessem livres das evidentes desigualdades sociais.
  • 34. Karl Heinrich Marx Nasceu em Tréveris (1818) Faleceu em Londres (1883) foi um intelectual alemão considerado um dos fundadores da sociologia.
  • 35. Podemos encontrar a influência de Marx em várias outras áreas tais como: filosofia, economia e história. Teve participação como intelectual e como revolucionário no movimento operário, sendo que ambos (Marx e o movimento operário) influenciaram uns aos outros durante o período em que o autor viveu. Atualmente é bastante difícil analisar a sociedade humana sem referenciar-se, em maior ou menor grau, à produção de Karl Marx, mesmo que a pessoa não seja simpática a sua ideologia. Principais temas: Modo de produção; mais-valia; acumulação primitiva; materialismo histórico e dialético, luta de classes. Biografia de Karl Marx
  • 36. Karl Marx (1818 – 1883) Frederich Engles (1820 – 1895)
  • 37. ATIVIDADE DE F – 1 PONTO - (COPIAR AS QUESTÕES) NOME:_____________________Nº:____SÉRIE:_____DATA: __/__/2018  1) Como podemos diferenciar o socialismo utópico do socialismo científico? Dê a definição de cada um.  2) Defina o materialismo histórico.  3) De acordo com o pensamento socialista, qual a relação entre a teoria da mais valia e a exploração da força de trabalho dos operários?  4) Defina os níveis da burguesia e dê exemplo.  5) Defina o conceito de Forças Produtivas e Modo de Produção num contexto prático.  6) O que é o Marxismo?  7) Defina o que é o Proletariado e cite como ele funciona?  8) De acordo com Marx o que é Infraestrutura e a Superestrutura?  9) Explique o Materialismo Histórico Dialético.  10) Como a Luta de Classes pode provocar mudanças na sociedade?
  • 38. Karl Marx e as Classes Sociais  A perspectiva de Karl Marx era a do Materialismo Histórico e Dialético, ou seja, interpretando os acontecimentos históricos como fatores econômicos sociais.  A produção e reprodução da sociedade capitalista só se realiza porque capitalistas e trabalhadores entram em uma relação de dominação e exploração.  Para Marx o Estado é o instrumento no qual uma classe domina e explora outra, assim, o Estado é a classe dominante que deste modo, garante os seus interesses e o bom funcionamento da economia.
  • 39. Práticas econômicas desenvolvida na Europa na Idade Moderna, entre século XV, e o final do século XVIII. O mercantilismo originou um conjunto de medidas econômicas diversas de acordo com os Estados. Caracterizou-se por uma forte intervenção do Estado na economia. Consistiu numa série de medidas tendentes a unificar o mercado interno e teve como finalidade a formação de fortes Estados nacionais. Este período estende-se do século XVI ao XVIII. Inicia-se com as Expansões Marítimas Europeias. MODO DE PRODUÇÃO MERCANTILISTA (PRÉ CAPITALISMO):
  • 40. Período específico atual da história do mundo ocidental, iniciado a partir da Revolução Francesa (1789 d.C.). O seu início foi bastante marcado pela corrente filosófica iluminista, que elevava a importância da razão. IDADE CONTEMPORÂNEA
  • 41. O capitalismo é um sistema econômico em que os meios de produção e distribuição são de propriedade privada e com fins lucrativos; decisões sobre oferta, demanda, preço, distribuição e investimentos são realizadas pelos proprietários. O termo capitalismo foi criado e utilizado por socialistas e anarquistas ( Karl Marx, Proudhon e Sombart), no final do séc. XIX e início do séc. XX, para identificar o sistema político econômico existente na sociedade ocidental quando se referiam a ele em suas críticas. MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA:
  • 42. É uma ideologia política e socioeconômica, que pretende promover o estabelecimento de uma sociedade igualitária, sem classes sociais e apátrida, baseada na propriedade comum e no controle dos meios de produção e da propriedade em geral. Karl Marx, postulou que o comunismo seria a fase final na sociedade humana, o que seria alcançado através de uma revolução proletária. MODO DE PRODUÇÃO COMUNISTA
  • 43.  O "comunismo puro", no sentido marxista refere-se a uma sociedade sem classes, sem Estado e livre de opressão, onde as decisões sobre o que produzir e quais as políticas devem prosseguir são tomadas democraticamente, permitindo que cada membro da sociedade possa participar do processo decisório, tanto na esfera política e econômica da vida. MODO DE PRODUÇÃO COMUNISTA
  • 44. SOCIALISMO, COMUNISMO, ANARQUISMO  Socialismo: Corrente reformista que tinha como seu objetivo a socialização dos meios de produção com base no pressuposto de que os problemas são oriundos das desigualdade sociais.  Comunismo: é um sistema de governo, no qual o objetivo era acabar com as classes sociais, a propriedade privada e o Estado.
  • 45.  Anarquismo: seria organizada de acordo com a necessidade das comunidades, cujas relações seriam voltadas ao auto-abastecimento sem fins lucrativos e à base de trocas. O anarquismo postulava o fim do Estado e de toda e qualquer forma de governo, que seriam as causas da existência dos males sociais e deveriam ser substituídas por uma sociedade em que os homens fossem livres, sem leis, polícia, tribunais ou forças armadas.
  • 46. DIVISÃO DA SOCIEDADE EM DE KARL MARX SUPERESTRUTURA ESTRUTURA CAPITALISMO
  • 47.  Para entender, é preciso saber que Marx retoma a temática hegeliana do trabalho como condição de liberdade. É pelo trabalho que o ser humano se confronta com a natureza e, ao mesmo tempo que a modifica, também transforma a sim mesmo, humaniza-se.  O produto de seu trabalho é apropriado pelo burguês, que determina o salário, o horário e o ritmo de trabalho.  O trabalhador deixa de ser o centro de si mesmo para ser comandado por fora. PRINCIPAIS CATEGORIAS DA TEORIA DE KARL MARX
  • 48. PRINCIPAIS CATEGORIAS DA TEORIA DE KARL MARX ALIENAÇÃO: Para Marx, tem um sentido negativo, em que o trabalho, ao invés de realizar o homem, o escraviza; ao invés de humanizá-lo, o desumaniza. O homem é estimulado a troca o verbo SER pelo TER: sua vida passa a medir- se pelo que ele possui, não pelo que ele é... Para Marx a religião e o Estado são formas de alienação. A alienação econômica é uma forma do homem explorar o próprio homem, utilizando formas de manipulação e expropriação.
  • 49. ALIENAÇÃO  O capitalista, ao vender sua força de trabalho mediante o salário, o operário também se transforma em mercadoria.  Ocorre o que Marx chama de: Fetichismo é a percepção das relações sociais envolvidas na produção, não como relações entre as pessoas, mas como as relações econômicas entre o dinheiro e as commodities negociadas no mercado. Reificação.
  • 50. FETICHE: Significa “objeto animado ou inanimado, feito pelo homem ou produzido pela natureza, ao qual se atribui poder sobrenatural e se presta culto. Significado conferido ao fenômeno da atribuição de valor simbólico aos produtos (manufaturas). É um objeto material ao qual se atribuem poderes mágicos ou sobrenaturais, positivos ou negativos. TRABALHO: se refere a uma atividade própria do homem. O trabalho é um desprendimento de energia exclusivamente humano. Neste processo, o homem se enfrenta como um poder natural, em palavras de Karl Marx, o trabalho transforma a natureza.
  • 51. IDEOLOGIA: Marx não separa a produção das ideias e as condições sociais e históricas nas quais são produzidas (tal separação é o que caracteriza a ideologia). Pode ser compreendida como ciência das idéias; para Marx a ideologia age como uma deformadora de realidade, pois mascaras as explorações do sistema capitalista. A ideologia é utilizada nos processos de alienação.
  • 52. PRODUÇÃO-CONSUMO: Atividade de transformação mediada pelo trabalho. "Sem produção – afirma Marx – não há consumo, porém, sem consumo tampouco há produção, já que neste caso a produção não teria objeto". As esferas da produção e do consumo estão interligadas por um terceiro momento: o distributivo. Marx alinha produção, distribuição, intercâmbio e consumo.
  • 53. ANTAGONISMO DE CLASSE  Inversão da pirâmide social  Revolução socialista PATRÃO PATRÃOPROLETARIADO PROLETARIADO
  • 54. Método – O PESQUISADOR NÃO DEVE SE LIMITAR À DESCREVER A REALIDADE SOCIAL, MAS DEVE PROCURAR IDENTIFICAR COMO ESSA REALIDADE SE PRODUZ E SE REPRODUZ AO LONGO DA HISTÓRIA MARX CIÊNCIA TEM UM PAPEL POLÍTICO Deve ser INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE
  • 55. “Que as classes dominantes tremam à ideia de uma revolução comunista! Os proletários nada têm a perder a não ser suas algemas. Têm um mundo a ganhar. PROLETÁRIOS DE TODO O MUNDO, UNI- VOS!” (MARX, Karl e ENGELS, Friedrich, Manifesto do Partido Comunista - 1848)
  • 56. Georg W. F. Hegel (1770 – 1831)  Visão histórica da Filosofia: – Razão humana é histórica.  Visão filosófica da História: - História é Racional.
  • 57. Teses sobre Feuerbach Karl Marx • A pergunta se convém ao pensamento humano uma verdade objetiva não é teórica mas prática. É na práxis que o homem deve demonstrar a verdade, a saber, a efetividade e o poder, o caráter terreal de seu pensamento. A disputa sobre a efetividade ou não- efetividade do pensamento - isolado da práxis – é uma questão puramente escolástica. •Os filósofos limitaram-se a interpretar o mundo de maneiras diferentes, mas cabe chegar a transformá-lo.
  • 58. Formulações de Marx sobre a Práxis Relações Materiais (prática) Idéias (Teoria) PRAXIS (Interdependência entre idéias e relaçõesmateriais = TOTALIDADE.)
  • 59. Manifesto Comunista “A história de toda a sociedade até aqui é a história de lutas de classes. [Homem] livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo, burgueses de corporação e oficial, em suma, opressores e oprimidos, estiveram em constante oposição uns aos outros, travaram uma luta ininterrupta, ora oculta ora aberta, uma luta que de cada vez acabou por uma reconfiguração revolucionária de toda a sociedade ou pelo declínio comum das classes em luta. (...) A moderna sociedade burguesa, saída do declínio da sociedade feudal, não aboliu as oposições de classes. Apenas pôs novas classes, novas condições de opressão, novas configurações de luta, no lugar das antigas.
  • 60. (...)As armas com que a burguesia deitou por terra o feudalismo viram-se agora contra a própria burguesia. Mas a burguesia não forjou apenas as armas que lhe trazem a morte; também gerou os homens que manejarão essas armas - os operários modernos, os proletários.” (Karl Marx e Frederich Engels, Manifesto Comunista, 1848)
  • 61. Referências  http://pt.wikipedia.org/wiki/Burguesia  http://www.infoescola.com/sociologia/burguesia/  http://pt.wikipedia.org/wiki/Proletariado  http://www.infoescola.com/sociologia/proletariado/  http://comunism0.wordpress.com/definir-proletariado/  http://pt.wikipedia.org/wiki/Luta_de_classes  http:// pt.wikipedia.org/wiki/Karl_Marx  http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Resumo-Karl-Marx-Emile-Durkheim- e/2688.html