SlideShare uma empresa Scribd logo
Sofistas ou Sophistés
- Sofista (sophistés) vem da palavra “sophos” que significa sábio.
—Principais sofistas:
- Protágoras de Abdera
480-410 a.C.
- Gógias de Leontini
487?-380? a.C.
- Isócrates de Atenas
436-338 a.C.
julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano
Sofistas
—Considerações importantes sobre os sofistas e suas reflexões:
Pertencem, em regra, ao segundo período da filosofia antiga, conhecido como
socrático, clássico ou antropológico V-IV a.C.;
Considerado pela história da filosofia como falsos ou pseudos-filósofos, pois, em
regra, não possuíam compromisso com a verdade;
- Afirmam que não existem verdades
absolutas mas apenas convenções, que
são fruto da força do convencimento
nos debates em Assembleias e nas
praças-públicas, Ágora.
Representação de uma Assembleia.
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
Sofistas: Pseudos-Filósofos
—Considerações importantes sobre os sofistas e suas reflexões:
- São andarilhos em busca de alunos que pudessem pagar pelos seus
ensinamentos, ou seja, cobravam para ensinar;
- Eram professores de filosofia, literatura, matemática, astronomia,
gramática etc., mas principalmente oratória, que é a arte da
persuasão, do convencimento;
- Foram os responsáveis por mudarem a referência de reflexão
filosófica do cosmos para o antropo/homem;
- Viveram no período auge da democracia ateniese, por isso
seus principais pensamentos estão voltados à política e à moral.
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
Pensamento Sofístico
—Afirmavam, em regra, que:
- Em filosofia tudo é possível...
- Em filosofia tudo é verdade...
Dessas afirmações nascem as duas principais teorias sofísticas:
1º. Relativismo Subjetivo
 Ignora os princípios da Lógica Formal
Logo:
2º. Ceticismo Absoluto
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
—As três principais características do pensamento sofístico são:
- Relativismo subjetivo: afirma que a verdade é relativa e não
absoluta, i. é, muda de homem para homem.
- Ceticismo absoluto: afirma que se existe verdade absoluta
o homem não pode conhecer, ficará em permanente dúvida.
- Convencionalismo: afirma que as normas, os costumes, as
leis são fruto de convenções e acordos criados através de
diálogos, debates e consensos.
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
Pensamento Sofístico
Prof. Juliano
—Objetivo dos sofistas:
Poder político;
- Poder econômico;
- Status social.
Atenção!
- Para os sofistas a felicidade humana só pode ser alcançada por meio do poder
político e da máxima riqueza. Em resumo: sendo um tirano, um déspota. Porém, para
os filósofos, a abundância dos bens materiais, em vez de preencher o homem, o tem
esvaziado fazendo perder o significado espiritual do existir, o sentido da própria vida.
julianojbs@yahoo.com.br
Sofistas: Pseudos-Filósofos
—Contribuições dos sofistas para o Ocidente na...
 Política:
- fonte de remuneração;
- criação da Oratória à defesa dos interesses públicos e privados.
 Educação:
- reformulação dos conceitos pedagógicos;
- criação de escolas científicas.
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
Sofistas: Pseudos-Filósofos
ensinavam aos seus discípulos que não pode haver
conhecimento verdadeiro, mas só um conhecimento provável,
por causa de sua origem sensível [sentidos], e que não existe
uma lei moral absoluta, mas somente leis convencionais.
http://www.famedrado.kit.net
Filósofos vs. Sofistas
ensinavam aos seus discípulos que o conhecimento
verdadeiro só poderia ser alcançado através do uso da
razão/alma, e que o mesmo deveria ser válido para todos os
homens, independentemente do tempo e espaço; qualquer
concepção distinta dessa seria apenas uma opinião.
—Os filósofos...
—Os sofistas...
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
— Concepções de verdade para os...
Filósofos:
 A verdade [absoluta]:
- deriva da razão;
- objetiva: universal e necessária.
Não há relativismo, pois a verdade
vale para TODOS.
 Sofistas:
 A verdade [relativa]:
- deriva dos sentidos;
- subjetiva: particular e possível.
Há relativismo, pois a verdade vale
somente para UM ou ALGUNS.
Filósofos vs. Sofistas
Pensar
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
O que determina uma teoria como verdadeira?
As proposições de uma teoria podem ser classificadas quanto a sua quantidade,
proposta por Aristóteles em sua Lógica Formal, de três modos, a saber:
 Universal: refere-se ao todo ou nenhum: Filósofos (Antigos, Medievais e Modernos).
- “maioria”: Filósofos (Modernos e Contemporâneos).
Particular: refere-se à alguns, da
- “minoria”: Sofistas.
 Singular: refere-se a um(a): Sofistas.
Proposição e sua quantidade:
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
—Portanto para os...
 Filósofos:
- A razão produz conhecimento verdadeiro (absoluto);
- Os sentidos produzem opiniões - falso.
 Sofistas:
- A razão produz conhecimento verdadeiro (relativo);
- Os sentidos produzem verdades (relativas).
Filósofos vs. Sofistas
julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano
Protágoras de Abdera
Pai da Sofística
— Máximas:
- “O homem é a medida [juízo] de todas as coisas
[fatos, experiências particulares]; daquelas que são
enquanto são; daquelas que não são enquanto não
são”.
- “Não existe verdade absoluta”.
— Obras:
- A verdade;
- Sobre os Deuses.
Ideia de relativismo.
Ideia de ceticismo.
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
se os homens são a medida de todas as coisas (…), nenhuma medida pode ser a
medida para todos os homens. As coisas assim vão ser definidas... [por cada
indivíduo], o que vale para determinada situação [e pessoa] não vai valer para
outras. www.filosofia.com.br/historia
Assim podemos concluir que...
Protágoras de Abdera
julianojbs@yahoo.com.br
—Relativismo Subjetivo ou “Ceticismo Relativo” é:
- Subjetivo: a verdade é pessoal;
- Relativo: a verdade depende de um certo tempo e espaço, contexto histórico;
- Provável: na medida em que não existe verdade plena, a mesma se torna provável.
Prof. Juliano
Afirma que uma coisa é verdade se para o meu eu parecer verdade, independentemente
da opinião do eu do outro; em contrapartida, uma coisa é verdade para o eu do outro,
independentemente da opinião do meu eu.
Relativismo Subjetivo ou Ceticismo Relativo
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
Relativismo Subjetivo
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
julianojbs@yahoo.com.br
Górgias de Leontini
- Um dos maiores oradores da Antiguidade.
— Obra:
- Do não ser ou da natureza.
— Máximas:
- “Não existe realidade alguma...”
- “se existe o homem não pode conhecê-la...”
- “e, ainda que a conhecesse, não a poderia
expressar nem comunicar”.
Ideia de ceticismo.
Ideia de relativismo.
julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano
-Considerado por muitos o Pai do Ceticismo Absoluto;
Ceticismo Absoluto
O ceticismo absoluto, como concepção sofística, afirma não existir a possibilidade
de se encontrar o conhecimento absolutamente verdadeiro, mas somente o saber
relativo. Como consequência, haveria uma permanente dúvida, sendo essa utilizada na
sofística como um fim e na filosofia, exceto para o filósofo Pírron de Élis, como um
meio.
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
Górgias de Leontini
—Ceticismo Absoluto:
a verdade é impossível devido a duas fontes principais de erro, são elas:
- os Sentidos: não são dignos de confiança, pois induz o homem
ao erro, ao alternar, a todo o momento, os desejos do corpo. Ex.:
saciedade e fome.
Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
- a Razão: por produzir diferentes opiniões que se apresentam
divergentes entre si, revelando assim os limites e as capacidades
da inteligência humana.
Ceticismo Sofístico vs. Ceticismo Filosófico
—O que é ceticismo?
Independentemente do ceticismo ser sofístico (relativo ou absoluto) ou ser filosófico,
o ceticismo deve ser entendido como a impossibilidade de universalização do saber,
ou seja, nunca existirá conhecimento válido para todos.
Atenção!
- Os filósofos posteriores irão utilizar a dúvida como meio e não como fim.
julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano
julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano
Diferença do Ceticismo Sofístico e Ceticismo Filosófico
- Ceticismo Sofístico: nega o saber para todos e maioria. Dito de outro modo: o
conhecimento será possível somente para a minoria ou um.
- Ceticismo Filosófico/Pirrônico: nega o saber para todos. Todavia, ao contrário
ceticismo sofístico, afirma que o conhecimento deve ser entendido como possível
apenas à maioria, e não para minoria ou um.
Referências Bibliográficas
ABBAGNANO, Nicola. História da Filosofia. Lisboa: Presença, 1992.
ARANHA, M. L. & MARTINS, M. H. P. Filosofando. São Paulo: Moderna, 2003.
CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2003.
CHALITA, G. Vivendo a filosofia. São Paulo: Atual, 2002.
COTRIM, G. Fundamentos da filosofia. São Paulo: Saraiva, 2002 [e 2006].
GILES, T. R. Introdução à Filosofia. São Paulo: EDUSP, 1979.
MANDIN, B. Curso de filosofia. Os filósofos do ocidente. São Paulo: Paulus, 1982.
OLIVEIRA, A. M. (org.). Primeira filosofia. São Paulo: Brasiliense, 1996.
REZENDE, A. (org.). Curso de filosofia; para professores e alunos dos cursos de
segundo grau e graduação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, 2002.
julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
Paulo Alexandre
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Professor Sypriano
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
rafaforte
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesAula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Leandro Nazareth Souto
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Diego Bian Filo Moreira
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
João Paulo Rodrigues
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Juliana Corvino de Araújo
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
Juliana Corvino de Araújo
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Leandro Nazareth Souto
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas características
Alexandre Misturini
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
João Marcelo
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
DeaaSouza
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
Edirlene Fraga
 
A Filosofia Contemporânea - Os mestres da suspeita
A Filosofia Contemporânea  - Os mestres da suspeitaA Filosofia Contemporânea  - Os mestres da suspeita
A Filosofia Contemporânea - Os mestres da suspeita
Isaquel Silva
 

Mais procurados (20)

Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: SócratesAula de filosofia antiga, tema: Sócrates
Aula de filosofia antiga, tema: Sócrates
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas características
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
A Filosofia Contemporânea - Os mestres da suspeita
A Filosofia Contemporânea  - Os mestres da suspeitaA Filosofia Contemporânea  - Os mestres da suspeita
A Filosofia Contemporânea - Os mestres da suspeita
 

Semelhante a Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas

Ossofistas 150531230234-lva1-app6891 (1)-convertido
Ossofistas 150531230234-lva1-app6891 (1)-convertidoOssofistas 150531230234-lva1-app6891 (1)-convertido
Ossofistas 150531230234-lva1-app6891 (1)-convertido
LenonMaciel
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
A filosofia
A filosofiaA filosofia
A filosofia
AnaKlein1
 
Aula 02 - Os sofistas e Sócrates.pdf
Aula 02 - Os sofistas e Sócrates.pdfAula 02 - Os sofistas e Sócrates.pdf
Aula 02 - Os sofistas e Sócrates.pdf
NatanHenriqueTaveira
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Duzg
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoFilosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Carson Souza
 
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdfSlides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Natan Baptista
 
Fundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofiaFundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofia
megainfoin
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
Bruno Carrasco
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
Luci Bonini
 
1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar
MaraCoelho27
 
Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
Wilton Moretto
 
FILOSOFIA 1°ANO.ppt
FILOSOFIA 1°ANO.pptFILOSOFIA 1°ANO.ppt
FILOSOFIA 1°ANO.ppt
cassio franca
 
Concepções filosoficas-s
Concepções filosoficas-sConcepções filosoficas-s
Concepções filosoficas-s
LEONARDO RODRIGUES DA SILVA
 
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docxATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
Elieidw
 
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.pptCAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
MarcoAntonio251662
 
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Wagner Stefani
 
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Jorge Barbosa
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Rita Gonçalves
 
Johannes Hessen 06-06.pptx
Johannes Hessen  06-06.pptxJohannes Hessen  06-06.pptx
Johannes Hessen 06-06.pptx
GUILHERMEBERTOLIN2
 

Semelhante a Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas (20)

Ossofistas 150531230234-lva1-app6891 (1)-convertido
Ossofistas 150531230234-lva1-app6891 (1)-convertidoOssofistas 150531230234-lva1-app6891 (1)-convertido
Ossofistas 150531230234-lva1-app6891 (1)-convertido
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
 
A filosofia
A filosofiaA filosofia
A filosofia
 
Aula 02 - Os sofistas e Sócrates.pdf
Aula 02 - Os sofistas e Sócrates.pdfAula 02 - Os sofistas e Sócrates.pdf
Aula 02 - Os sofistas e Sócrates.pdf
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao HelenismoFilosofia Grega Clássica ao Helenismo
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo
 
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdfSlides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
Slides - Aula 02 - Sofistas e Sócrates.pdf
 
Fundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofiaFundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofia
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
 
1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar1.Filosofia e Filosofar
1.Filosofia e Filosofar
 
Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
 
FILOSOFIA 1°ANO.ppt
FILOSOFIA 1°ANO.pptFILOSOFIA 1°ANO.ppt
FILOSOFIA 1°ANO.ppt
 
Concepções filosoficas-s
Concepções filosoficas-sConcepções filosoficas-s
Concepções filosoficas-s
 
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docxATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
 
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.pptCAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
CAPÍTULO 1 - A EXPERIÊNCIA FILOSÓFICA.ppt
 
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
 
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
 
Johannes Hessen 06-06.pptx
Johannes Hessen  06-06.pptxJohannes Hessen  06-06.pptx
Johannes Hessen 06-06.pptx
 

Mais de Leandro Nazareth Souto

Laudato si - Papa Francisco (exposição no Brasil)
Laudato si - Papa Francisco (exposição no Brasil)Laudato si - Papa Francisco (exposição no Brasil)
Laudato si - Papa Francisco (exposição no Brasil)
Leandro Nazareth Souto
 
Quem somos nós, muçulmanos
Quem somos nós, muçulmanosQuem somos nós, muçulmanos
Quem somos nós, muçulmanos
Leandro Nazareth Souto
 
Jesus, cristo e os desafios do ecumenismo e do diálogo inter religioso
Jesus, cristo e os desafios do ecumenismo e do diálogo inter religiosoJesus, cristo e os desafios do ecumenismo e do diálogo inter religioso
Jesus, cristo e os desafios do ecumenismo e do diálogo inter religioso
Leandro Nazareth Souto
 
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religiãoFé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Leandro Nazareth Souto
 
Livro da Sabedoria Antigo Testamento
Livro da Sabedoria Antigo TestamentoLivro da Sabedoria Antigo Testamento
Livro da Sabedoria Antigo Testamento
Leandro Nazareth Souto
 
Jesus, Cristo e o desafio das missões
Jesus, Cristo e o desafio das missõesJesus, Cristo e o desafio das missões
Jesus, Cristo e o desafio das missões
Leandro Nazareth Souto
 
Do mundo fechado ao universo infinito (Capítulos VII e VIII)
Do mundo fechado ao universo infinito (Capítulos VII e VIII)Do mundo fechado ao universo infinito (Capítulos VII e VIII)
Do mundo fechado ao universo infinito (Capítulos VII e VIII)
Leandro Nazareth Souto
 
A misericórdia é o segredo de deus
A misericórdia é o segredo de deusA misericórdia é o segredo de deus
A misericórdia é o segredo de deus
Leandro Nazareth Souto
 
Livro de Juízes Antigo Testamento
Livro de Juízes Antigo TestamentoLivro de Juízes Antigo Testamento
Livro de Juízes Antigo Testamento
Leandro Nazareth Souto
 
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãsEncontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
Leandro Nazareth Souto
 
O que sabemos sobre a bíblia
O que sabemos sobre a bíbliaO que sabemos sobre a bíblia
O que sabemos sobre a bíblia
Leandro Nazareth Souto
 
Como ter um (r) encontro com jesus, tornando se seu discípulo amado à luz da ...
Como ter um (r) encontro com jesus, tornando se seu discípulo amado à luz da ...Como ter um (r) encontro com jesus, tornando se seu discípulo amado à luz da ...
Como ter um (r) encontro com jesus, tornando se seu discípulo amado à luz da ...
Leandro Nazareth Souto
 
As influências da religião e filosofia antiga grega na construção da doutrina...
As influências da religião e filosofia antiga grega na construção da doutrina...As influências da religião e filosofia antiga grega na construção da doutrina...
As influências da religião e filosofia antiga grega na construção da doutrina...
Leandro Nazareth Souto
 
Aula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
Aula de filosofia antiga, tema: AntropogêneseAula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
Aula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
Leandro Nazareth Souto
 
Aula de filosofia antiga, tema: Liberdade vs. determinismo
Aula de filosofia antiga, tema: Liberdade vs. determinismoAula de filosofia antiga, tema: Liberdade vs. determinismo
Aula de filosofia antiga, tema: Liberdade vs. determinismo
Leandro Nazareth Souto
 
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de AquinoAula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
Leandro Nazareth Souto
 
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universaisAula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Leandro Nazareth Souto
 
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia HelênicaAula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Leandro Nazareth Souto
 
Aula de filosofia antiga, tema: Heráclito de Éfeso
Aula de filosofia antiga, tema: Heráclito de ÉfesoAula de filosofia antiga, tema: Heráclito de Éfeso
Aula de filosofia antiga, tema: Heráclito de Éfeso
Leandro Nazareth Souto
 
Aula de filosofia antiga, tema: Platão de Atenas (aula 2)
Aula de filosofia antiga, tema: Platão de Atenas (aula 2)Aula de filosofia antiga, tema: Platão de Atenas (aula 2)
Aula de filosofia antiga, tema: Platão de Atenas (aula 2)
Leandro Nazareth Souto
 

Mais de Leandro Nazareth Souto (20)

Laudato si - Papa Francisco (exposição no Brasil)
Laudato si - Papa Francisco (exposição no Brasil)Laudato si - Papa Francisco (exposição no Brasil)
Laudato si - Papa Francisco (exposição no Brasil)
 
Quem somos nós, muçulmanos
Quem somos nós, muçulmanosQuem somos nós, muçulmanos
Quem somos nós, muçulmanos
 
Jesus, cristo e os desafios do ecumenismo e do diálogo inter religioso
Jesus, cristo e os desafios do ecumenismo e do diálogo inter religiosoJesus, cristo e os desafios do ecumenismo e do diálogo inter religioso
Jesus, cristo e os desafios do ecumenismo e do diálogo inter religioso
 
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religiãoFé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
 
Livro da Sabedoria Antigo Testamento
Livro da Sabedoria Antigo TestamentoLivro da Sabedoria Antigo Testamento
Livro da Sabedoria Antigo Testamento
 
Jesus, Cristo e o desafio das missões
Jesus, Cristo e o desafio das missõesJesus, Cristo e o desafio das missões
Jesus, Cristo e o desafio das missões
 
Do mundo fechado ao universo infinito (Capítulos VII e VIII)
Do mundo fechado ao universo infinito (Capítulos VII e VIII)Do mundo fechado ao universo infinito (Capítulos VII e VIII)
Do mundo fechado ao universo infinito (Capítulos VII e VIII)
 
A misericórdia é o segredo de deus
A misericórdia é o segredo de deusA misericórdia é o segredo de deus
A misericórdia é o segredo de deus
 
Livro de Juízes Antigo Testamento
Livro de Juízes Antigo TestamentoLivro de Juízes Antigo Testamento
Livro de Juízes Antigo Testamento
 
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãsEncontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
Encontrar com Deus é potencializar as VIRTUDES humanas e cristãs
 
O que sabemos sobre a bíblia
O que sabemos sobre a bíbliaO que sabemos sobre a bíblia
O que sabemos sobre a bíblia
 
Como ter um (r) encontro com jesus, tornando se seu discípulo amado à luz da ...
Como ter um (r) encontro com jesus, tornando se seu discípulo amado à luz da ...Como ter um (r) encontro com jesus, tornando se seu discípulo amado à luz da ...
Como ter um (r) encontro com jesus, tornando se seu discípulo amado à luz da ...
 
As influências da religião e filosofia antiga grega na construção da doutrina...
As influências da religião e filosofia antiga grega na construção da doutrina...As influências da religião e filosofia antiga grega na construção da doutrina...
As influências da religião e filosofia antiga grega na construção da doutrina...
 
Aula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
Aula de filosofia antiga, tema: AntropogêneseAula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
Aula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
 
Aula de filosofia antiga, tema: Liberdade vs. determinismo
Aula de filosofia antiga, tema: Liberdade vs. determinismoAula de filosofia antiga, tema: Liberdade vs. determinismo
Aula de filosofia antiga, tema: Liberdade vs. determinismo
 
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de AquinoAula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
Aula de filosofia antiga, tema: São Tomás de Aquino
 
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universaisAula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
 
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia HelênicaAula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
Aula de filosofia antiga, tema: Filosofia Helênica
 
Aula de filosofia antiga, tema: Heráclito de Éfeso
Aula de filosofia antiga, tema: Heráclito de ÉfesoAula de filosofia antiga, tema: Heráclito de Éfeso
Aula de filosofia antiga, tema: Heráclito de Éfeso
 
Aula de filosofia antiga, tema: Platão de Atenas (aula 2)
Aula de filosofia antiga, tema: Platão de Atenas (aula 2)Aula de filosofia antiga, tema: Platão de Atenas (aula 2)
Aula de filosofia antiga, tema: Platão de Atenas (aula 2)
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas

  • 1. Sofistas ou Sophistés - Sofista (sophistés) vem da palavra “sophos” que significa sábio. —Principais sofistas: - Protágoras de Abdera 480-410 a.C. - Gógias de Leontini 487?-380? a.C. - Isócrates de Atenas 436-338 a.C. julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano
  • 2. Sofistas —Considerações importantes sobre os sofistas e suas reflexões: Pertencem, em regra, ao segundo período da filosofia antiga, conhecido como socrático, clássico ou antropológico V-IV a.C.; Considerado pela história da filosofia como falsos ou pseudos-filósofos, pois, em regra, não possuíam compromisso com a verdade; - Afirmam que não existem verdades absolutas mas apenas convenções, que são fruto da força do convencimento nos debates em Assembleias e nas praças-públicas, Ágora. Representação de uma Assembleia. Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 3. Sofistas: Pseudos-Filósofos —Considerações importantes sobre os sofistas e suas reflexões: - São andarilhos em busca de alunos que pudessem pagar pelos seus ensinamentos, ou seja, cobravam para ensinar; - Eram professores de filosofia, literatura, matemática, astronomia, gramática etc., mas principalmente oratória, que é a arte da persuasão, do convencimento; - Foram os responsáveis por mudarem a referência de reflexão filosófica do cosmos para o antropo/homem; - Viveram no período auge da democracia ateniese, por isso seus principais pensamentos estão voltados à política e à moral. Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 4. Pensamento Sofístico —Afirmavam, em regra, que: - Em filosofia tudo é possível... - Em filosofia tudo é verdade... Dessas afirmações nascem as duas principais teorias sofísticas: 1º. Relativismo Subjetivo  Ignora os princípios da Lógica Formal Logo: 2º. Ceticismo Absoluto Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 5. —As três principais características do pensamento sofístico são: - Relativismo subjetivo: afirma que a verdade é relativa e não absoluta, i. é, muda de homem para homem. - Ceticismo absoluto: afirma que se existe verdade absoluta o homem não pode conhecer, ficará em permanente dúvida. - Convencionalismo: afirma que as normas, os costumes, as leis são fruto de convenções e acordos criados através de diálogos, debates e consensos. Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br Pensamento Sofístico
  • 6. Prof. Juliano —Objetivo dos sofistas: Poder político; - Poder econômico; - Status social. Atenção! - Para os sofistas a felicidade humana só pode ser alcançada por meio do poder político e da máxima riqueza. Em resumo: sendo um tirano, um déspota. Porém, para os filósofos, a abundância dos bens materiais, em vez de preencher o homem, o tem esvaziado fazendo perder o significado espiritual do existir, o sentido da própria vida. julianojbs@yahoo.com.br Sofistas: Pseudos-Filósofos
  • 7. —Contribuições dos sofistas para o Ocidente na...  Política: - fonte de remuneração; - criação da Oratória à defesa dos interesses públicos e privados.  Educação: - reformulação dos conceitos pedagógicos; - criação de escolas científicas. Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br Sofistas: Pseudos-Filósofos
  • 8. ensinavam aos seus discípulos que não pode haver conhecimento verdadeiro, mas só um conhecimento provável, por causa de sua origem sensível [sentidos], e que não existe uma lei moral absoluta, mas somente leis convencionais. http://www.famedrado.kit.net Filósofos vs. Sofistas ensinavam aos seus discípulos que o conhecimento verdadeiro só poderia ser alcançado através do uso da razão/alma, e que o mesmo deveria ser válido para todos os homens, independentemente do tempo e espaço; qualquer concepção distinta dessa seria apenas uma opinião. —Os filósofos... —Os sofistas... Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 9. — Concepções de verdade para os... Filósofos:  A verdade [absoluta]: - deriva da razão; - objetiva: universal e necessária. Não há relativismo, pois a verdade vale para TODOS.  Sofistas:  A verdade [relativa]: - deriva dos sentidos; - subjetiva: particular e possível. Há relativismo, pois a verdade vale somente para UM ou ALGUNS. Filósofos vs. Sofistas Pensar Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 10. O que determina uma teoria como verdadeira? As proposições de uma teoria podem ser classificadas quanto a sua quantidade, proposta por Aristóteles em sua Lógica Formal, de três modos, a saber:  Universal: refere-se ao todo ou nenhum: Filósofos (Antigos, Medievais e Modernos). - “maioria”: Filósofos (Modernos e Contemporâneos). Particular: refere-se à alguns, da - “minoria”: Sofistas.  Singular: refere-se a um(a): Sofistas. Proposição e sua quantidade: Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 11. —Portanto para os...  Filósofos: - A razão produz conhecimento verdadeiro (absoluto); - Os sentidos produzem opiniões - falso.  Sofistas: - A razão produz conhecimento verdadeiro (relativo); - Os sentidos produzem verdades (relativas). Filósofos vs. Sofistas julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano
  • 12. Protágoras de Abdera Pai da Sofística — Máximas: - “O homem é a medida [juízo] de todas as coisas [fatos, experiências particulares]; daquelas que são enquanto são; daquelas que não são enquanto não são”. - “Não existe verdade absoluta”. — Obras: - A verdade; - Sobre os Deuses. Ideia de relativismo. Ideia de ceticismo. Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 13. se os homens são a medida de todas as coisas (…), nenhuma medida pode ser a medida para todos os homens. As coisas assim vão ser definidas... [por cada indivíduo], o que vale para determinada situação [e pessoa] não vai valer para outras. www.filosofia.com.br/historia Assim podemos concluir que... Protágoras de Abdera julianojbs@yahoo.com.br —Relativismo Subjetivo ou “Ceticismo Relativo” é: - Subjetivo: a verdade é pessoal; - Relativo: a verdade depende de um certo tempo e espaço, contexto histórico; - Provável: na medida em que não existe verdade plena, a mesma se torna provável. Prof. Juliano
  • 14. Afirma que uma coisa é verdade se para o meu eu parecer verdade, independentemente da opinião do eu do outro; em contrapartida, uma coisa é verdade para o eu do outro, independentemente da opinião do meu eu. Relativismo Subjetivo ou Ceticismo Relativo Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 15. Relativismo Subjetivo Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 17. Górgias de Leontini - Um dos maiores oradores da Antiguidade. — Obra: - Do não ser ou da natureza. — Máximas: - “Não existe realidade alguma...” - “se existe o homem não pode conhecê-la...” - “e, ainda que a conhecesse, não a poderia expressar nem comunicar”. Ideia de ceticismo. Ideia de relativismo. julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano -Considerado por muitos o Pai do Ceticismo Absoluto;
  • 18. Ceticismo Absoluto O ceticismo absoluto, como concepção sofística, afirma não existir a possibilidade de se encontrar o conhecimento absolutamente verdadeiro, mas somente o saber relativo. Como consequência, haveria uma permanente dúvida, sendo essa utilizada na sofística como um fim e na filosofia, exceto para o filósofo Pírron de Élis, como um meio. Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br
  • 19. Górgias de Leontini —Ceticismo Absoluto: a verdade é impossível devido a duas fontes principais de erro, são elas: - os Sentidos: não são dignos de confiança, pois induz o homem ao erro, ao alternar, a todo o momento, os desejos do corpo. Ex.: saciedade e fome. Prof. Juliano julianojbs@yahoo.com.br - a Razão: por produzir diferentes opiniões que se apresentam divergentes entre si, revelando assim os limites e as capacidades da inteligência humana.
  • 20. Ceticismo Sofístico vs. Ceticismo Filosófico —O que é ceticismo? Independentemente do ceticismo ser sofístico (relativo ou absoluto) ou ser filosófico, o ceticismo deve ser entendido como a impossibilidade de universalização do saber, ou seja, nunca existirá conhecimento válido para todos. Atenção! - Os filósofos posteriores irão utilizar a dúvida como meio e não como fim. julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano
  • 21. julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano Diferença do Ceticismo Sofístico e Ceticismo Filosófico - Ceticismo Sofístico: nega o saber para todos e maioria. Dito de outro modo: o conhecimento será possível somente para a minoria ou um. - Ceticismo Filosófico/Pirrônico: nega o saber para todos. Todavia, ao contrário ceticismo sofístico, afirma que o conhecimento deve ser entendido como possível apenas à maioria, e não para minoria ou um.
  • 22. Referências Bibliográficas ABBAGNANO, Nicola. História da Filosofia. Lisboa: Presença, 1992. ARANHA, M. L. & MARTINS, M. H. P. Filosofando. São Paulo: Moderna, 2003. CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2003. CHALITA, G. Vivendo a filosofia. São Paulo: Atual, 2002. COTRIM, G. Fundamentos da filosofia. São Paulo: Saraiva, 2002 [e 2006]. GILES, T. R. Introdução à Filosofia. São Paulo: EDUSP, 1979. MANDIN, B. Curso de filosofia. Os filósofos do ocidente. São Paulo: Paulus, 1982. OLIVEIRA, A. M. (org.). Primeira filosofia. São Paulo: Brasiliense, 1996. REZENDE, A. (org.). Curso de filosofia; para professores e alunos dos cursos de segundo grau e graduação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, 2002. julianojbs@yahoo.com.brProf. Juliano