SlideShare uma empresa Scribd logo
PARADIGMAS DO
PENSAMENTO OCIDENTAL
1º BIMESTRE – SEGUNDA ETAPA
Um novo tempo
Paradigmas
Eu Racional – Descartes
Atividade OnLine
Exercícios de Fixação
Anomia
 É “o estado da sociedade em que
desaparecem os padrões normativos
de conduta e de crença e o indivíduo,
em conflito íntimo, encontra
dificuldade para conformar-se às
contraditórias exigências das normas
sociais” (de acordo com a definição
mais sociológica apresentada pelo
dicionário Houaiss).
Um Novo Tempo
 ...as transformações que se
operaram por meio da revolução dos
costumes e do vertiginoso avanço da
ciência e da tecnologia continuam por
marcar fortemente as sociedades no
século XXI.
 ...um mundo revirado, pautado pela
anomia, onde emerge uma nova
ordem mundial em que a velocidade
geral das coisas ganha notável
impulso, comprimindo tempo e
espaço.
 O dinheiro viaja para onde quiser, e é
cada vez mais fácil vender e comprar
pela internet, como, por exemplo, de
sapatos a computadores, de cursos
de filosofia a frango assado, de
revistas em quadrinhos a músicas que
nem foram lançadas em CD.
 Conceitos complexos como os de
globalização e sociedade da
comunicação e da informação estão
na ordem do dia, constituindo-se em
processos irreversíveis nas
sociedades do mundo inteiro.
Paradigmas
 Paradigma é um modelo ou padrão a
seguir.
 Etimologicamente, este termo tem
origem no grego paradeigma que
significa modelo ou padrão,
correspondendo a algo que vai servir
de modelo ou exemplo a ser seguido
em determinada situação.
Paradigmas do mundo ocidental
 ...a ciência, em todas as suas fases
de evolução, nos mostra que a teoria
e a prática científicas são baseadas
em uma visão de mundo, ou seja, a
ciência procura explicar os fenômenos
que lhe interessam de uma maneira
apropriada aos critérios aceitos como
sendo científicos.
 todo conhecimento humano está
vinculado a uma época, é fruto de um
momento histórico e possui, por isso,
suas limitações – tanto que mesmo
teorias bem-sucedidas em um dado
momento podem ser revistas,
aprimoradas ou até substituídas por
outras.
 Como acreditamos que estudar essas
grandes mudanças pode nos ajudar a
perceber o que está por trás do que a
gente consegue pensar, e também
pode nos mostrar melhor que é
natural e bom que as coisas e as
ideias mudem, vamos mostrar um
breve panorama desses grandes
modelos muito influentes no mundo
ocidental, indicando também o modo
como eles foram sendo alterados.
Visão orgânica
A imponência das catedrais medievais mostram
muito do poder que a Igreja tinha na Idade Média e
também uma visão que considerava tudo no mundo
integrado e subordinado a um ser superior, em
direção do qual onde as torres mais altas se
erguiam.
 A visão de mundo que
predominava na Europa da Idade
Média (de 450 a 1400 d.C.).
 ...tudo sobre a terra era visto como
um grande organismo interligado –
e, para a Igreja, tudo era
comandado por Deus.
 As pessoas buscavam sempre o
sentido mais geral do que viam ou
viviam, subordinando a uma ordem
superior a lógica das coisas do
mundo.
 Se um bezerro nascesse doente, isso
podia ser visto como um mau sinal
para toda a comunidade;
 Já uma pessoa leprosa era vista como
alguém castigado por Deus e a chuva
nunca era só um fenômeno físico,
mas uma bênção.
 A estrutura científica que prevalecia
nessa visão de mundo orgânica se
assentava em duas autoridades:
Aristóteles e a Igreja. No século XIII,
Tomás de Aquino ainda combinou o
abrangente sistema da natureza de
Aristóteles com a teologia e a ética
cristã e, assim fazendo, estabeleceu a
estrutura conceitual que permaneceu
inconteste durante toda a Idade
Média.
 A característica marcante do período
é a transformação dos textos bíblicos
em fonte de autoridade “científica” e,
de modo geral, a existência de uma
atitude de preservação/contemplação
da natureza, considerada sagrada, um
verdadeiro “código vivo” que nos
mostrava concretamente, através das
mensagens inscritas no mundo físico,
a palavra divina.
Tomás de Aquino
Nasceu em 1225 num castelo da
cidade de Aquino, no reino de
Nápoles, Itália. Fez a síntese do
cristianismo com a visão
aristotélica do mundo. A partir dele,
a Igreja passou a ter uma Teologia
(fundada na revelação) e uma
Filosofia (baseada no exercício da
razão humana) que se fundem
numa síntese definitiva: fé e razão.
Aristóteles
Filósofo grego, aluno
de Platão e professor
de Alexandre, o
Grande, considerado
um dos maiores
pensadores de todos
os tempos e criador do
pensamento lógico.
Viveu entre (384 a.C.
Visão cartesiana
A máquina é uma boa metáfora de um
dos grandes paradigmas que já
nortearam a nossa visão de como
funcionava o mundo e mesmo o ser
humano.
 A partir do século XV, com os
primeiros estudos sistemáticos de
Galileu Galilei, inicia-se uma
mudança na base do conhecimento
da época, que abalou a crença no
geocentrismo, dominante tanto entre
os sábios como na igreja.
 Contudo, a principal contribuição de
Galileu foi para o método científico,
pois a ciência se assentava numa
metodologia aristotélica.
 Segundo Aristóteles, os céus eram
divinamente perfeitos e os corpos
celestes só podiam se mover segundo
a mais perfeita das formas: o círculo.
Contrariando essa visão, a
abordagem matemática não
subordinava mais o conhecimento a
explicações transcendentais e se
tornaria a marca registrada da física
dos séculos XVII e XVIII
 (por essa razão, aliás, é que Galileu
seria chamado o Pai da Física
Matemática).
Galileu Galilei
Nasceu em Pisa, na Itália, em 15 de fevereiro
de 1564, e morreu em 1642. Foi um físico,
matemático, astrônomo e filósofo italiano que
teve um papel preponderante na chamada
Revolução Científica. O método empírico,
defendido por ele, criou um corte efetivo com o
método aristotélico mais abstrato utilizado
nessa época.
 Contemporâneo de Galileu, Descartes
apresentou o “Discurso do método”, com
os seguintes pressupostos: jamais
acolher alguma coisa como verdade
sem evidência concreta;
 dividir cada um dos conceitos em
tantas partes quantos possível para
resolvê-las;
 partir da ordem dos conceitos mais
simples para os mais complexos para
conduzir degrau a degrau o
conhecimento e buscar em toda parte
enumerações tão completas e revisões
tão gerais que provocasse a certeza de
nada omitir.
René Descartes
Nasceu em 1596 e morreu em 1650, tendo
sido um filósofo, físico e matemático francês.
Notabilizou-se, sobretudo, por seu trabalho
na filosofia e na ciência.
 Aliada ao pensamento cartesiano, a
influência de Isaac Newton foi
significativa na ciência moderna, pois
ele propôs a mais completa
sistematização matemática da
concepção mecanicista da natureza.
 Newton apresentou o universo e o ser
humano como uma máquina.
 Essa visão de mundo-máquina deu
origem ao mecanicismo e à
possibilidade de trabalhar o raciocínio
pela indução e pela dedução.
 Esse conhecimento científico lógico-
dedutivo caracteriza-se pelo
mecanicismo e passa a ser a única
forma legítima de fazer ciência.
 Essa abordagem passou a ser um
novo paradigma, a própria visão da
realidade.
 O conhecimento científico passou a
ser sintetizado em manuais. O século
XVIII, aliás, acabou ficando
conhecido como “Século das
luzes”, exatamente na medida em
que esse tipo de pensamento se torna
dominante nesse período, o assim
chamado “Iluminismo”.
Isaac Newton
Nasceu em 1643 e morreu em 1727. Foi
um cientista inglês, mais reconhecido
como físico e matemático, embora tenha
sido também astrônomo, alquimista,
filósofo natural e teólogo. Foi o primeiro a
demonstrar que o movimento de objetos,
tanto na Terra como em outros corpos
celestes, são governados pelo mesmo
conjunto de leis naturais. De personalidade
sóbria, para ele a função da ciência era
descobrir leis universais e enunciá-las de
forma precisa e racional.
Visão Positivista
As ideias de Darwin sobre a evolução já apontavam
para um mundo em constante movimento.
 Já no século XIX, as ideias evolutivas
de Darwin introduziram um novo
modo de pensar e fizeram com que os
cientistas abandonassem a
concepção cartesiana de que o
mundo era uma máquina perfeita
construída por Deus.
 A partir de Darwin, o universo passou
então a ser descrito como um sistema
em evolução, em permanente estado
de mudança, no qual formas mais
simples podiam acabar por
desenvolver estruturas complexas.
 ...o que podemos notar é que o
modelo de racionalidade que
fundamenta a ciência moderna, que
se constituiu no século XVI com o
domínio das ciências naturais,
permanece até o século XIX,
estendido às ciências sociais
emergentes.
Charles Robert Darwin
Naturalista britânico nascido em 12
de fevereiro de 1809 e morto em
1882. Alcançou fama ao convencer a
comunidade científica da ocorrência
da evolução e propor uma teoria para
explicar como ela se dá por meio da
seleção natural e sexual.
A revolução quântica
Você já viu essa
equação antes?
É de Einstein e
revolucionou a
maneira como,
hoje em dia,
podemos ver o
mundo.
 nas primeiras três décadas do século
XX surgem teorias que fazem
desmoronar a sua racionalidade.
Descobertas no campo da física,
culminando no que depois ficou
conhecido como a relatividade e a
física quântica, questionaram alguns
dos principais conceitos da visão de
mundo cartesiana baseada na
mecânica newtoniana.
 A teoria quântica foi formulada
durante as três primeiras décadas do
século XX por um grupo internacional
de físicos, entre eles Albert Einstein,
Max Planck, Werner Heisenberg e
depois Niels Bohr. Essa teoria
introduziu o conceito de pacotes de
energia, ou quantum, dando origem à
mecânica quântica e à teoria quântica
da matéria.
Albert Einstein
Nascido em 1879 e morto em 1955,
foi um físico teórico alemão
radicado nos Estados Unidos. É
conhecido por desenvolver a Teoria
da Relatividade. Recebeu o Nobel
de Física de 1921. Seu trabalho
teórico possibilitou o
desenvolvimento da energia
atômica, apesar de não prever tal
possibilidade.
 Outra contribuição significativa que conduz
a uma concepção holística e dinâmica do
universo é a que Capra elabora: uma nova
compreensão dos sistemas vivos nomeada
como concepção de rede. Esse modo de
conceber o universo surge do pensamento
sistêmico.
 Em sua obra O ponto de mutação, apoiado
pelas descobertas revolucionárias da física
quântica, Capra introduz a formulação de
uma concepção sistêmica da vida. Para
ele, a concepção sistêmica vê o mundo em
termos de relações e de integração. Os
sistemas são totalidades integradas, cujas
propriedades não podem ser reduzidas à
de unidades menores.
Fritjof Capra
Físico, teórico e escritor que desenvolve
trabalho na promoção da educação
ecológica. Nascido em 1939, na Áustria,
fez doutorado em Física teórica pela
Universidade de Viena e tem dado
palestras e escrito extensamente sobre as
aplicações filosóficas da nova ciência.
Tornou-se famoso com livros como o O
Tao da física e O ponto de mutação. Mora
em Berkeley, EUA.
Paradigmas do Pensamento Ocidental

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Alexandre Misturini
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
DeaaSouza
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
Juliana Corvino de Araújo
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
Alison Nunes
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
Juliana Corvino de Araújo
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Os quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis BaconOs quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis Bacon
Sarah Mendes
 
Fisiologia Humana
Fisiologia HumanaFisiologia Humana
Fisiologia Humana
BIOGERALDO
 
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas HobbesAula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Schopenhauer e Nietzsche
Schopenhauer e Nietzsche Schopenhauer e Nietzsche
Schopenhauer e Nietzsche
Marcos Ramon
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
Carlos Tesch
 
REGIMES POLÍTICOS 1ª aula
REGIMES POLÍTICOS 1ª aulaREGIMES POLÍTICOS 1ª aula
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
Erizon Júnior
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Juliana Corvino de Araújo
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
professorleo1989
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
Péricles Penuel
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
Alan
 
Os contratualistas
Os contratualistasOs contratualistas
Os contratualistas
Conrado_p_m
 
Aula 2 - Formas de organização social
Aula 2 - Formas de organização socialAula 2 - Formas de organização social
Aula 2 - Formas de organização social
Fábio Nogueira, PhD
 
Introdução ao estudo da anatomia
Introdução ao estudo da anatomiaIntrodução ao estudo da anatomia
Introdução ao estudo da anatomia
Rodrigo Bruno
 

Mais procurados (20)

Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Os quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis BaconOs quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis Bacon
 
Fisiologia Humana
Fisiologia HumanaFisiologia Humana
Fisiologia Humana
 
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas HobbesAula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
 
Schopenhauer e Nietzsche
Schopenhauer e Nietzsche Schopenhauer e Nietzsche
Schopenhauer e Nietzsche
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
 
REGIMES POLÍTICOS 1ª aula
REGIMES POLÍTICOS 1ª aulaREGIMES POLÍTICOS 1ª aula
REGIMES POLÍTICOS 1ª aula
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
 
Os contratualistas
Os contratualistasOs contratualistas
Os contratualistas
 
Aula 2 - Formas de organização social
Aula 2 - Formas de organização socialAula 2 - Formas de organização social
Aula 2 - Formas de organização social
 
Introdução ao estudo da anatomia
Introdução ao estudo da anatomiaIntrodução ao estudo da anatomia
Introdução ao estudo da anatomia
 

Destaque

Como fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tccComo fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tcc
Alan
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
Alan
 
As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
Alan
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
Alan
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Alan
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
Alan
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Alan
 
Dos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievaisDos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievais
Alan
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
Alan
 
Belle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º anoBelle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º ano
Alan
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Alan
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Alan
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Alan
 
Belle epoque
Belle epoqueBelle epoque
Belle epoque
Alan
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
Alan
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 

Destaque (16)

Como fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tccComo fazer uma boa introdução de tcc
Como fazer uma boa introdução de tcc
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
 
As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1As teorias socialistas 1
As teorias socialistas 1
 
Manual do TCC
Manual do TCCManual do TCC
Manual do TCC
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Era dos paradigmas rené descartes
Era dos paradigmas  rené descartesEra dos paradigmas  rené descartes
Era dos paradigmas rené descartes
 
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
Filosofia politica   de maquiavel a rosseauFilosofia politica   de maquiavel a rosseau
Filosofia politica de maquiavel a rosseau
 
Dos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievaisDos pré socráticos ao medievais
Dos pré socráticos ao medievais
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
 
Belle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º anoBelle époque parte ii_3º ano
Belle époque parte ii_3º ano
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Belle epoque
Belle epoqueBelle epoque
Belle epoque
 
A teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de AristótelesA teoria politica de Aristóteles
A teoria politica de Aristóteles
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 

Semelhante a Paradigmas do Pensamento Ocidental

A gênese da ciência... - artigo-Renato A. Afonso
A gênese da ciência... - artigo-Renato A. AfonsoA gênese da ciência... - artigo-Renato A. Afonso
A gênese da ciência... - artigo-Renato A. Afonso
Renato Afonso
 
Racionalismo erick 25 tp
Racionalismo erick 25 tpRacionalismo erick 25 tp
Racionalismo erick 25 tp
alemisturini
 
Idade moderna3 26
Idade moderna3 26Idade moderna3 26
Idade moderna3 26
Alexandre Misturini
 
Do mito à ciência
Do mito à ciênciaDo mito à ciência
Do mito à ciência
Aldenei Barros
 
A evolução da razão no ocidente
A evolução da razão no ocidenteA evolução da razão no ocidente
A evolução da razão no ocidente
Roberto Monteiro de Oliveira
 
A evolução da razão no ocidente (2)
A evolução da razão no ocidente (2)A evolução da razão no ocidente (2)
A evolução da razão no ocidente (2)
Roberto Monteiro de Oliveira
 
Educação discursos e saberes
Educação discursos e saberesEducação discursos e saberes
Educação discursos e saberes
academicoseconcursos
 
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
Carlos Ribeiro
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Edenilson Morais
 
Idade moderna 2 25
Idade moderna 2 25Idade moderna 2 25
Idade moderna 2 25
Alexandre Misturini
 
Racionalismo lascrael 21 mp
Racionalismo lascrael 21 mpRacionalismo lascrael 21 mp
Racionalismo lascrael 21 mp
alemisturini
 
Racionalismo e empirismo saiane e camila 25 tp
Racionalismo e empirismo saiane e camila 25 tpRacionalismo e empirismo saiane e camila 25 tp
Racionalismo e empirismo saiane e camila 25 tp
alemisturini
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Maria Gomes
 
Realismo icriciane 24 tp
Realismo icriciane 24 tpRealismo icriciane 24 tp
Realismo icriciane 24 tp
alemisturini
 
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite LopesA imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
beherega
 
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptxÉtica, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
SamaraSilva883286
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
Alexandre Misturini
 
Raízes Históricas e Críticas da Inter e Transdisciplinaridade
Raízes Históricas e Críticas da Inter e TransdisciplinaridadeRaízes Históricas e Críticas da Inter e Transdisciplinaridade
Raízes Históricas e Críticas da Inter e Transdisciplinaridade
Simone Athayde
 
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Empirismo iluminismo 24 tp luana pimmel
Empirismo iluminismo 24 tp luana pimmelEmpirismo iluminismo 24 tp luana pimmel
Empirismo iluminismo 24 tp luana pimmel
alemisturini
 

Semelhante a Paradigmas do Pensamento Ocidental (20)

A gênese da ciência... - artigo-Renato A. Afonso
A gênese da ciência... - artigo-Renato A. AfonsoA gênese da ciência... - artigo-Renato A. Afonso
A gênese da ciência... - artigo-Renato A. Afonso
 
Racionalismo erick 25 tp
Racionalismo erick 25 tpRacionalismo erick 25 tp
Racionalismo erick 25 tp
 
Idade moderna3 26
Idade moderna3 26Idade moderna3 26
Idade moderna3 26
 
Do mito à ciência
Do mito à ciênciaDo mito à ciência
Do mito à ciência
 
A evolução da razão no ocidente
A evolução da razão no ocidenteA evolução da razão no ocidente
A evolução da razão no ocidente
 
A evolução da razão no ocidente (2)
A evolução da razão no ocidente (2)A evolução da razão no ocidente (2)
A evolução da razão no ocidente (2)
 
Educação discursos e saberes
Educação discursos e saberesEducação discursos e saberes
Educação discursos e saberes
 
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
A prática científica e a religião durante o Empirismo e o Iluminismo.
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
Idade moderna 2 25
Idade moderna 2 25Idade moderna 2 25
Idade moderna 2 25
 
Racionalismo lascrael 21 mp
Racionalismo lascrael 21 mpRacionalismo lascrael 21 mp
Racionalismo lascrael 21 mp
 
Racionalismo e empirismo saiane e camila 25 tp
Racionalismo e empirismo saiane e camila 25 tpRacionalismo e empirismo saiane e camila 25 tp
Racionalismo e empirismo saiane e camila 25 tp
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Realismo icriciane 24 tp
Realismo icriciane 24 tpRealismo icriciane 24 tp
Realismo icriciane 24 tp
 
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite LopesA imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
A imagem física do mundo: de Parmênides a Eistein - José Leite Lopes
 
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptxÉtica, revoluções cientificas  e Iluminismo.pptx
Ética, revoluções cientificas e Iluminismo.pptx
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
 
Raízes Históricas e Críticas da Inter e Transdisciplinaridade
Raízes Históricas e Críticas da Inter e TransdisciplinaridadeRaízes Históricas e Críticas da Inter e Transdisciplinaridade
Raízes Históricas e Críticas da Inter e Transdisciplinaridade
 
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 
Empirismo iluminismo 24 tp luana pimmel
Empirismo iluminismo 24 tp luana pimmelEmpirismo iluminismo 24 tp luana pimmel
Empirismo iluminismo 24 tp luana pimmel
 

Mais de Alan

As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019
Alan
 
Grecia antiga 1 termo a e b
Grecia antiga   1 termo a e bGrecia antiga   1 termo a e b
Grecia antiga 1 termo a e b
Alan
 
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundialNeocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Alan
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
Alan
 
O conhecimento filosófico
O conhecimento filosóficoO conhecimento filosófico
O conhecimento filosófico
Alan
 
As teorias socialistas
As teorias socialistasAs teorias socialistas
As teorias socialistas
Alan
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientifica
Alan
 
O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanas
Alan
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xvii
Alan
 
Liberalismo, neoliberalismo e globalização
Liberalismo, neoliberalismo e globalizaçãoLiberalismo, neoliberalismo e globalização
Liberalismo, neoliberalismo e globalização
Alan
 
Resumo abnt
Resumo abntResumo abnt
Resumo abnt
Alan
 
Orientação da sequencia filosófica do trabalho
Orientação da sequencia filosófica do trabalhoOrientação da sequencia filosófica do trabalho
Orientação da sequencia filosófica do trabalho
Alan
 
Capa trabalho
Capa trabalhoCapa trabalho
Capa trabalho
Alan
 
GRUPOS E TEMAS DOS TRABALHOS
GRUPOS E TEMAS DOS TRABALHOSGRUPOS E TEMAS DOS TRABALHOS
GRUPOS E TEMAS DOS TRABALHOS
Alan
 

Mais de Alan (14)

As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019
 
Grecia antiga 1 termo a e b
Grecia antiga   1 termo a e bGrecia antiga   1 termo a e b
Grecia antiga 1 termo a e b
 
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundialNeocolonialismo e primeira guerra mundial
Neocolonialismo e primeira guerra mundial
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
 
O conhecimento filosófico
O conhecimento filosóficoO conhecimento filosófico
O conhecimento filosófico
 
As teorias socialistas
As teorias socialistasAs teorias socialistas
As teorias socialistas
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientifica
 
O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanas
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xvii
 
Liberalismo, neoliberalismo e globalização
Liberalismo, neoliberalismo e globalizaçãoLiberalismo, neoliberalismo e globalização
Liberalismo, neoliberalismo e globalização
 
Resumo abnt
Resumo abntResumo abnt
Resumo abnt
 
Orientação da sequencia filosófica do trabalho
Orientação da sequencia filosófica do trabalhoOrientação da sequencia filosófica do trabalho
Orientação da sequencia filosófica do trabalho
 
Capa trabalho
Capa trabalhoCapa trabalho
Capa trabalho
 
GRUPOS E TEMAS DOS TRABALHOS
GRUPOS E TEMAS DOS TRABALHOSGRUPOS E TEMAS DOS TRABALHOS
GRUPOS E TEMAS DOS TRABALHOS
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Paradigmas do Pensamento Ocidental

  • 1. PARADIGMAS DO PENSAMENTO OCIDENTAL 1º BIMESTRE – SEGUNDA ETAPA Um novo tempo Paradigmas Eu Racional – Descartes Atividade OnLine Exercícios de Fixação
  • 2. Anomia  É “o estado da sociedade em que desaparecem os padrões normativos de conduta e de crença e o indivíduo, em conflito íntimo, encontra dificuldade para conformar-se às contraditórias exigências das normas sociais” (de acordo com a definição mais sociológica apresentada pelo dicionário Houaiss).
  • 3. Um Novo Tempo  ...as transformações que se operaram por meio da revolução dos costumes e do vertiginoso avanço da ciência e da tecnologia continuam por marcar fortemente as sociedades no século XXI.
  • 4.  ...um mundo revirado, pautado pela anomia, onde emerge uma nova ordem mundial em que a velocidade geral das coisas ganha notável impulso, comprimindo tempo e espaço.
  • 5.  O dinheiro viaja para onde quiser, e é cada vez mais fácil vender e comprar pela internet, como, por exemplo, de sapatos a computadores, de cursos de filosofia a frango assado, de revistas em quadrinhos a músicas que nem foram lançadas em CD.
  • 6.  Conceitos complexos como os de globalização e sociedade da comunicação e da informação estão na ordem do dia, constituindo-se em processos irreversíveis nas sociedades do mundo inteiro.
  • 7. Paradigmas  Paradigma é um modelo ou padrão a seguir.  Etimologicamente, este termo tem origem no grego paradeigma que significa modelo ou padrão, correspondendo a algo que vai servir de modelo ou exemplo a ser seguido em determinada situação.
  • 8. Paradigmas do mundo ocidental  ...a ciência, em todas as suas fases de evolução, nos mostra que a teoria e a prática científicas são baseadas em uma visão de mundo, ou seja, a ciência procura explicar os fenômenos que lhe interessam de uma maneira apropriada aos critérios aceitos como sendo científicos.
  • 9.  todo conhecimento humano está vinculado a uma época, é fruto de um momento histórico e possui, por isso, suas limitações – tanto que mesmo teorias bem-sucedidas em um dado momento podem ser revistas, aprimoradas ou até substituídas por outras.
  • 10.  Como acreditamos que estudar essas grandes mudanças pode nos ajudar a perceber o que está por trás do que a gente consegue pensar, e também pode nos mostrar melhor que é natural e bom que as coisas e as ideias mudem, vamos mostrar um breve panorama desses grandes modelos muito influentes no mundo ocidental, indicando também o modo como eles foram sendo alterados.
  • 11. Visão orgânica A imponência das catedrais medievais mostram muito do poder que a Igreja tinha na Idade Média e também uma visão que considerava tudo no mundo integrado e subordinado a um ser superior, em direção do qual onde as torres mais altas se erguiam.
  • 12.  A visão de mundo que predominava na Europa da Idade Média (de 450 a 1400 d.C.).  ...tudo sobre a terra era visto como um grande organismo interligado – e, para a Igreja, tudo era comandado por Deus.  As pessoas buscavam sempre o sentido mais geral do que viam ou viviam, subordinando a uma ordem superior a lógica das coisas do mundo.
  • 13.  Se um bezerro nascesse doente, isso podia ser visto como um mau sinal para toda a comunidade;  Já uma pessoa leprosa era vista como alguém castigado por Deus e a chuva nunca era só um fenômeno físico, mas uma bênção.
  • 14.  A estrutura científica que prevalecia nessa visão de mundo orgânica se assentava em duas autoridades: Aristóteles e a Igreja. No século XIII, Tomás de Aquino ainda combinou o abrangente sistema da natureza de Aristóteles com a teologia e a ética cristã e, assim fazendo, estabeleceu a estrutura conceitual que permaneceu inconteste durante toda a Idade Média.
  • 15.  A característica marcante do período é a transformação dos textos bíblicos em fonte de autoridade “científica” e, de modo geral, a existência de uma atitude de preservação/contemplação da natureza, considerada sagrada, um verdadeiro “código vivo” que nos mostrava concretamente, através das mensagens inscritas no mundo físico, a palavra divina.
  • 16. Tomás de Aquino Nasceu em 1225 num castelo da cidade de Aquino, no reino de Nápoles, Itália. Fez a síntese do cristianismo com a visão aristotélica do mundo. A partir dele, a Igreja passou a ter uma Teologia (fundada na revelação) e uma Filosofia (baseada no exercício da razão humana) que se fundem numa síntese definitiva: fé e razão. Aristóteles Filósofo grego, aluno de Platão e professor de Alexandre, o Grande, considerado um dos maiores pensadores de todos os tempos e criador do pensamento lógico. Viveu entre (384 a.C.
  • 17. Visão cartesiana A máquina é uma boa metáfora de um dos grandes paradigmas que já nortearam a nossa visão de como funcionava o mundo e mesmo o ser humano.
  • 18.  A partir do século XV, com os primeiros estudos sistemáticos de Galileu Galilei, inicia-se uma mudança na base do conhecimento da época, que abalou a crença no geocentrismo, dominante tanto entre os sábios como na igreja.  Contudo, a principal contribuição de Galileu foi para o método científico, pois a ciência se assentava numa metodologia aristotélica.
  • 19.  Segundo Aristóteles, os céus eram divinamente perfeitos e os corpos celestes só podiam se mover segundo a mais perfeita das formas: o círculo. Contrariando essa visão, a abordagem matemática não subordinava mais o conhecimento a explicações transcendentais e se tornaria a marca registrada da física dos séculos XVII e XVIII  (por essa razão, aliás, é que Galileu seria chamado o Pai da Física Matemática).
  • 20. Galileu Galilei Nasceu em Pisa, na Itália, em 15 de fevereiro de 1564, e morreu em 1642. Foi um físico, matemático, astrônomo e filósofo italiano que teve um papel preponderante na chamada Revolução Científica. O método empírico, defendido por ele, criou um corte efetivo com o método aristotélico mais abstrato utilizado nessa época.
  • 21.  Contemporâneo de Galileu, Descartes apresentou o “Discurso do método”, com os seguintes pressupostos: jamais acolher alguma coisa como verdade sem evidência concreta;  dividir cada um dos conceitos em tantas partes quantos possível para resolvê-las;  partir da ordem dos conceitos mais simples para os mais complexos para conduzir degrau a degrau o conhecimento e buscar em toda parte enumerações tão completas e revisões tão gerais que provocasse a certeza de nada omitir.
  • 22. René Descartes Nasceu em 1596 e morreu em 1650, tendo sido um filósofo, físico e matemático francês. Notabilizou-se, sobretudo, por seu trabalho na filosofia e na ciência.
  • 23.  Aliada ao pensamento cartesiano, a influência de Isaac Newton foi significativa na ciência moderna, pois ele propôs a mais completa sistematização matemática da concepção mecanicista da natureza.  Newton apresentou o universo e o ser humano como uma máquina.
  • 24.  Essa visão de mundo-máquina deu origem ao mecanicismo e à possibilidade de trabalhar o raciocínio pela indução e pela dedução.  Esse conhecimento científico lógico- dedutivo caracteriza-se pelo mecanicismo e passa a ser a única forma legítima de fazer ciência.
  • 25.  Essa abordagem passou a ser um novo paradigma, a própria visão da realidade.  O conhecimento científico passou a ser sintetizado em manuais. O século XVIII, aliás, acabou ficando conhecido como “Século das luzes”, exatamente na medida em que esse tipo de pensamento se torna dominante nesse período, o assim chamado “Iluminismo”.
  • 26. Isaac Newton Nasceu em 1643 e morreu em 1727. Foi um cientista inglês, mais reconhecido como físico e matemático, embora tenha sido também astrônomo, alquimista, filósofo natural e teólogo. Foi o primeiro a demonstrar que o movimento de objetos, tanto na Terra como em outros corpos celestes, são governados pelo mesmo conjunto de leis naturais. De personalidade sóbria, para ele a função da ciência era descobrir leis universais e enunciá-las de forma precisa e racional.
  • 27. Visão Positivista As ideias de Darwin sobre a evolução já apontavam para um mundo em constante movimento.
  • 28.  Já no século XIX, as ideias evolutivas de Darwin introduziram um novo modo de pensar e fizeram com que os cientistas abandonassem a concepção cartesiana de que o mundo era uma máquina perfeita construída por Deus.  A partir de Darwin, o universo passou então a ser descrito como um sistema em evolução, em permanente estado de mudança, no qual formas mais simples podiam acabar por desenvolver estruturas complexas.
  • 29.  ...o que podemos notar é que o modelo de racionalidade que fundamenta a ciência moderna, que se constituiu no século XVI com o domínio das ciências naturais, permanece até o século XIX, estendido às ciências sociais emergentes.
  • 30. Charles Robert Darwin Naturalista britânico nascido em 12 de fevereiro de 1809 e morto em 1882. Alcançou fama ao convencer a comunidade científica da ocorrência da evolução e propor uma teoria para explicar como ela se dá por meio da seleção natural e sexual.
  • 31. A revolução quântica Você já viu essa equação antes? É de Einstein e revolucionou a maneira como, hoje em dia, podemos ver o mundo.
  • 32.  nas primeiras três décadas do século XX surgem teorias que fazem desmoronar a sua racionalidade. Descobertas no campo da física, culminando no que depois ficou conhecido como a relatividade e a física quântica, questionaram alguns dos principais conceitos da visão de mundo cartesiana baseada na mecânica newtoniana.
  • 33.  A teoria quântica foi formulada durante as três primeiras décadas do século XX por um grupo internacional de físicos, entre eles Albert Einstein, Max Planck, Werner Heisenberg e depois Niels Bohr. Essa teoria introduziu o conceito de pacotes de energia, ou quantum, dando origem à mecânica quântica e à teoria quântica da matéria.
  • 34. Albert Einstein Nascido em 1879 e morto em 1955, foi um físico teórico alemão radicado nos Estados Unidos. É conhecido por desenvolver a Teoria da Relatividade. Recebeu o Nobel de Física de 1921. Seu trabalho teórico possibilitou o desenvolvimento da energia atômica, apesar de não prever tal possibilidade.
  • 35.  Outra contribuição significativa que conduz a uma concepção holística e dinâmica do universo é a que Capra elabora: uma nova compreensão dos sistemas vivos nomeada como concepção de rede. Esse modo de conceber o universo surge do pensamento sistêmico.  Em sua obra O ponto de mutação, apoiado pelas descobertas revolucionárias da física quântica, Capra introduz a formulação de uma concepção sistêmica da vida. Para ele, a concepção sistêmica vê o mundo em termos de relações e de integração. Os sistemas são totalidades integradas, cujas propriedades não podem ser reduzidas à de unidades menores.
  • 36. Fritjof Capra Físico, teórico e escritor que desenvolve trabalho na promoção da educação ecológica. Nascido em 1939, na Áustria, fez doutorado em Física teórica pela Universidade de Viena e tem dado palestras e escrito extensamente sobre as aplicações filosóficas da nova ciência. Tornou-se famoso com livros como o O Tao da física e O ponto de mutação. Mora em Berkeley, EUA.