SlideShare uma empresa Scribd logo
RACIONALISMO X EMPIRISMO
O pensamento dos
séculos XVII e XVIII
A Idade Moderna
 A Idade Moderna, inaugurada como o
Renascimento, época ainda de transição
entre o "novo" e o "velho", se estabelece de
fato como os séculos XVII e XVIII.
 Os dois grandes movimentos filosóficos dos
séculos XVII e XVIII são o Racionalismo,
corrente vinculada ao pensamento francês, e
o Empirismo, tendência positiva e prática,
expressa pela cultura anglo-saxônica.
A Razão
 Ainda que a "razão" seja um componente básico de
todas as manifestações da filosofia ocidental, no
pensamento moderno adquire característica e
importância inusitadas.
 Enquanto na Antiguidade é considerada
propriedade inteligível da Natureza e, na Idade
Média, uma luz cedida por Deus ao homem para
que bem a utilize, na filosofia moderna a "razão"
é determinada como uma faculdade autônoma,
que possui finalidade própria.
A Razão
Em outras palavras, torna-se, por excelência, veículo
de análise e de entendimento do Real, que
caracteriza, de modo específico, o ser ou a
substância racional, isto é, o homem. E, se por um
lado se afirma veículo cognitivo do Real, por outro
se estabelece como órgão experimental da
mesma Realidade. Quer dizer, as construções
racionais (Racionalismo) se aliam aos dados da
experiência (Empirismo)
RACIONALISMO
 O Racionalismo dos séculos XVII e XVIII é a
doutrina que afirma ser a razão o único órgão
adequado e completo do saber, de modo que
todo conhecimento verdadeiro tem origem
racional. Por tal motivo, essa corrente filosófica é
chamada de Racionalismo "gnoseológico" ou
"epistemológico". A importância conferida à razão
por Descartes e pelos cartesianos seus seguidores é
um modo de racionalizar a Realidade, um lastro
"metafísico" de cunho racional.
O Racionalismo Cartesiano
 Descartes (1596-1650) afirmava que, para conhecer
a verdade, é preciso, de início, colocar todos os
nossos conhecimentos em dúvida.
 Aplicação metódica da dúvida
 COGITO ERGO SUN
 É preciso colocar em dúvida a
existência de tudo que constitui a
realidade e o próprio conteúdo dos
pensamentos.
 A única verdade livre das dúvidas:
PENSO, LOGO EXISTO
Racionalismo Cartesiano
 Do COGITO é possível extrair:
O pensamento (consciência) é algo mais certo que a
própria matéria corporal
Valorização do SUJEITO em detrimento
ao objeto IDEALISMO
Tendência a ressaltar a consciência subjetiva sobre o
ser objetivo, e “a considerar a matéria como algo
apenas conhecível, se é que o é, por dedução do
que se sabe da mente”.
Racionalismo e Direito
 Quais as doutrinas ou correntes que, no campo da
Jurisprudência, correspondem à posição do racionalismo?
Racionalistas, na tela do Direito, são muitos autores, antigos e
modernos, que sustentam que, acima ou ao lado de um direito
empírico, desenrolado na experiência, existe um Direito Ideal,
um Direito Racional, ou um Direito Natural, em razão de cujos
ditames seria possível afirmar-se a validade ou obrigatoriedade
das regras jurídicas positivas.
Racionalismo e Direito
 Direito racional ou um Direito natural. O Direito Natural é um
direito inerente à razão, como conjunto dos “princípios inatos”
em todos os homens. Acima do direito empírico está o Direito
Natural, um tipo ideal de valores jurídicos como expressão
daquilo que é constante, universal na razão humana sendo
correspondente à natureza do homem em sua universalidade.
EMPIRISMO
 Em termos gerais, o Empirismo é a doutrina
filosófica segundo a qual o conhecimento se
determina pela "experiência" (empeiría). Neste
sentido, o Empirismo é usualmente contraposto ao
Racionalismo que prescreve um conhecimento
fundado na "razão" (ratio).
 Ainda que o termo "empirismo" tenha sido atribuído
a um grande número de posições filosóficas, a
tradição prefere aceitar como "empiristas" aqueles
pensadores que afirmam ser o conhecimento
derivado exclusivamente da "experiência" dos
sentidos, da "sensação" ou da "emperia".
EMPIRISMO
 ...De acordo com a teoria de que o espírito, a mente,
seja uma tabula rasa, uma superfície maleável às
impressões da experiência externa, o Empirismo
pode ser estimado sob um prisma psicológico e
outro gnoseológico. À medida que a fonte do
conhecimento não é a "razão" ou o pensamento,
mas a "experiência", a origem temporal de conhecer
é concebida como resultado da experiência externa
e interna - aspecto psicológico -, e, por conseguinte,
só o conhecimento "empírico" é válido - o aspecto
gnoseológico.
EMPIRISMO
 Do ponto de vista gnoseológico, o Empirismo
rechaça o inatismo (doutrina que se entrelaça com
o Racionalismo), que admite a existência de um
sujeito cognoscente (a mente, o espírito) dotado de
"idéias inatas", isentas de qualquer dado da
"experiência". Ora, o Empirismo, ao contrário,
afirma que o sujeito cognoscente é uma espécie de
tabula rasa, onde são gravadas as impressões
decorrentes da "experiência" com o mundo exterior.
EMPIRISMO
Tendências basilares
EMPIRISMO
 empirismo integral, que reduz todos os
conhecimentos, inclusive os matemáticos, à
fonte empírica, àquilo que é produto de
contacto direto e imediato cora a experiência
(posição de Hume, de Stuart Mill e de alguns
positivistas contemporâneos). Quando a
redução é feita à mera experiência sensível,
temos o sensismo ou sensualismo;
EMPIRISMO
 empirismo moderado ou genético-psicológico, que explica a
origem temporal dos conhecimentos a partir da experiência,
mas não reduz a ela a validez do conhecimento mesmo, o qual
pode ser não-empiricamente válido, como no caso dos juízos
analíticos, os quais, como já dito, são aqueles cujo predicado
está contido no sujeito e que, assim sendo, são a priori, como
no exemplo: — "Todos os corpos são extensos". A simples
idéia de "corpo" já implica a de extensão, por identidade
(posição de Locke).
EMPIRISIMO
 empirismo científico, que só admite como válido o
conhecimento oriundo da experiência ou verificado
experimentalmente, atribuindo aos juízos analíticos
significações de ordem formal enquadradas no domínio dos
enunciados lógicos, em essencial conexão com a linguagem
peculiar a cada tipo de ciência. Esta é outra tendência
destacada no neopositivismo, que está longe de alcançar a
almejada "unanimidade científica".
EMPIRISMO e DIREITO
 No plano da Jurisprudência encontramos também essa
orientação, que é uma das constantes do pensamento jurídico.
Desde quando surgiu a Ciência do Direito, provocando
renovadas aporias, surgiram empiristas. Já em Roma se
sustentava que o direito brota do fato e é ditado pelo evolver
dos acontecimentos: — ex facto oritur jus.
 Os empiristas sustentam que o direito é um fato que se liga a
outros fatos através de nexos de causalidade. Do fato, seja ele
econômico, geográfico, demográfico ou racial, passar-se-ia à
regra jurídica, através de um laço necessário de causalidade.
Esta é a tese do empirismo jurídico: — até mesmo os
princípios mais gerais do direito seriam afinal redutíveis a
fontes empíricas. O direito da experiência.
CONCLUSÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Platão
PlatãoPlatão
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
Joel Nóbrega
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Diego Bian Filo Moreira
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
Italo Colares
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Leandro Nazareth Souto
 
Filosofia moderna
Filosofia moderna Filosofia moderna
Filosofia moderna
Over Lane
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
Péricles Penuel
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
Juliana Corvino de Araújo
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Helenismo
HelenismoHelenismo
Helenismo
Robson Costa
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
Erica Frau
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
Juliana Corvino de Araújo
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
professorleo1989
 

Mais procurados (20)

Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Filosofia moderna
Filosofia moderna Filosofia moderna
Filosofia moderna
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
Helenismo
HelenismoHelenismo
Helenismo
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 

Destaque

A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimento
Paulo Gama
 
Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444
Alexandre Misturini
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
Ana Bea Morales
 
O empirismo
O empirismoO empirismo
O empirismo
Isabella Silva
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas características
Alexandre Misturini
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
lipexleal
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
Alexandre Misturini
 
Filosofia Moderna
Filosofia ModernaFilosofia Moderna
Slide filosofia
Slide filosofiaSlide filosofia
Slide filosofia
Alexandre Misturini
 
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
3 filosofia moderna e iluminista   filosofia3 filosofia moderna e iluminista   filosofia
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
Daniele Rubim
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Fernanda Carvalho
 
Introdução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia ModernaIntrodução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia Moderna
CursoDeFerias
 
Cristiano Mascaro
Cristiano MascaroCristiano Mascaro
Cristiano Mascaro
bianca jansen
 
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeEmpirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Rafael Oliveira
 
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
babelisa
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
Victoria Perdomo
 
Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.
Roger Pimentel
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Carson Souza
 

Destaque (20)

A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimento
 
Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
O empirismo
O empirismoO empirismo
O empirismo
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas características
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
 
Filosofia Moderna
Filosofia ModernaFilosofia Moderna
Filosofia Moderna
 
Slide filosofia
Slide filosofiaSlide filosofia
Slide filosofia
 
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
3 filosofia moderna e iluminista   filosofia3 filosofia moderna e iluminista   filosofia
3 filosofia moderna e iluminista filosofia
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Introdução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia ModernaIntrodução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia Moderna
 
Cristiano Mascaro
Cristiano MascaroCristiano Mascaro
Cristiano Mascaro
 
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeEmpirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
 
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Moderna- Prof.Altair Aguilar.
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
 
Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 

Semelhante a Racionalismo x Empirismo

Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Linda Lopes
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Apriorismo Lazaro.docx
Apriorismo Lazaro.docxApriorismo Lazaro.docx
Apriorismo Lazaro.docx
TafadzuaJosefaAizequ
 
O empirismo de David Hume (Doc. 2)
O empirismo de David Hume (Doc. 2)O empirismo de David Hume (Doc. 2)
O empirismo de David Hume (Doc. 2)
Joaquim Melro
 
O empirismo e o racionalismo (Doc. 2)
O empirismo e o racionalismo (Doc. 2)O empirismo e o racionalismo (Doc. 2)
O empirismo e o racionalismo (Doc. 2)
Joaquim Melro
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Joana Darc
 
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
guest9578d1
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
alemisturini
 
Ppt 11º c
Ppt 11º cPpt 11º c
Ppt 11º c
j_sdias
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
alemisturini
 
Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Filo 2 trimestre larissa e monique 26Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Alexandre Misturini
 
Filosofia Moderna: Empirismo
Filosofia Moderna: EmpirismoFilosofia Moderna: Empirismo
Filosofia Moderna: Empirismo
Kely Cristina Metzker
 
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Rita Gonçalves
 
Epistemologia
Epistemologia Epistemologia
Epistemologia
Fernanda Zechinatto
 
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Wagner Stefani
 
Razão e Lógica
Razão e LógicaRazão e Lógica
Razão e Lógica
Kelly Gonzatto
 
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espiritaEsdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Denise Aguiar
 
Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?
Fábio Nogueira, PhD
 
Para que filosofia do direito
Para que filosofia do direitoPara que filosofia do direito
Para que filosofia do direito
Joao Carlos
 
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Joao Carlos
 

Semelhante a Racionalismo x Empirismo (20)

Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
Apriorismo Lazaro.docx
Apriorismo Lazaro.docxApriorismo Lazaro.docx
Apriorismo Lazaro.docx
 
O empirismo de David Hume (Doc. 2)
O empirismo de David Hume (Doc. 2)O empirismo de David Hume (Doc. 2)
O empirismo de David Hume (Doc. 2)
 
O empirismo e o racionalismo (Doc. 2)
O empirismo e o racionalismo (Doc. 2)O empirismo e o racionalismo (Doc. 2)
O empirismo e o racionalismo (Doc. 2)
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
 
Ppt 11º c
Ppt 11º cPpt 11º c
Ppt 11º c
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo brenda 22 mp
 
Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Filo 2 trimestre larissa e monique 26Filo 2 trimestre larissa e monique 26
Filo 2 trimestre larissa e monique 26
 
Filosofia Moderna: Empirismo
Filosofia Moderna: EmpirismoFilosofia Moderna: Empirismo
Filosofia Moderna: Empirismo
 
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
 
Epistemologia
Epistemologia Epistemologia
Epistemologia
 
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
Introdução a Filosofia. Aula Introdutória sobre a origem da Filosofia e seus ...
 
Razão e Lógica
Razão e LógicaRazão e Lógica
Razão e Lógica
 
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espiritaEsdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
 
Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?
 
Para que filosofia do direito
Para que filosofia do direitoPara que filosofia do direito
Para que filosofia do direito
 
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
 

Mais de Leonardo Leitão

Zetética x Dogmática
Zetética x DogmáticaZetética x Dogmática
Zetética x Dogmática
Leonardo Leitão
 
Ser x Dever Ser
Ser x Dever SerSer x Dever Ser
Ser x Dever Ser
Leonardo Leitão
 
Direito público x direito privado
Direito público x direito privadoDireito público x direito privado
Direito público x direito privado
Leonardo Leitão
 
Direito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivoDireito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivo
Leonardo Leitão
 
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito SubjetivoDireito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Leonardo Leitão
 
As ilusões das relações raciais
As ilusões das relações raciaisAs ilusões das relações raciais
As ilusões das relações raciais
Leonardo Leitão
 

Mais de Leonardo Leitão (6)

Zetética x Dogmática
Zetética x DogmáticaZetética x Dogmática
Zetética x Dogmática
 
Ser x Dever Ser
Ser x Dever SerSer x Dever Ser
Ser x Dever Ser
 
Direito público x direito privado
Direito público x direito privadoDireito público x direito privado
Direito público x direito privado
 
Direito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivoDireito natural x direito positivo
Direito natural x direito positivo
 
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito SubjetivoDireito Objetivo x Direito Subjetivo
Direito Objetivo x Direito Subjetivo
 
As ilusões das relações raciais
As ilusões das relações raciaisAs ilusões das relações raciais
As ilusões das relações raciais
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 

Racionalismo x Empirismo

  • 1. RACIONALISMO X EMPIRISMO O pensamento dos séculos XVII e XVIII
  • 2. A Idade Moderna  A Idade Moderna, inaugurada como o Renascimento, época ainda de transição entre o "novo" e o "velho", se estabelece de fato como os séculos XVII e XVIII.  Os dois grandes movimentos filosóficos dos séculos XVII e XVIII são o Racionalismo, corrente vinculada ao pensamento francês, e o Empirismo, tendência positiva e prática, expressa pela cultura anglo-saxônica.
  • 3. A Razão  Ainda que a "razão" seja um componente básico de todas as manifestações da filosofia ocidental, no pensamento moderno adquire característica e importância inusitadas.  Enquanto na Antiguidade é considerada propriedade inteligível da Natureza e, na Idade Média, uma luz cedida por Deus ao homem para que bem a utilize, na filosofia moderna a "razão" é determinada como uma faculdade autônoma, que possui finalidade própria.
  • 4. A Razão Em outras palavras, torna-se, por excelência, veículo de análise e de entendimento do Real, que caracteriza, de modo específico, o ser ou a substância racional, isto é, o homem. E, se por um lado se afirma veículo cognitivo do Real, por outro se estabelece como órgão experimental da mesma Realidade. Quer dizer, as construções racionais (Racionalismo) se aliam aos dados da experiência (Empirismo)
  • 5. RACIONALISMO  O Racionalismo dos séculos XVII e XVIII é a doutrina que afirma ser a razão o único órgão adequado e completo do saber, de modo que todo conhecimento verdadeiro tem origem racional. Por tal motivo, essa corrente filosófica é chamada de Racionalismo "gnoseológico" ou "epistemológico". A importância conferida à razão por Descartes e pelos cartesianos seus seguidores é um modo de racionalizar a Realidade, um lastro "metafísico" de cunho racional.
  • 6. O Racionalismo Cartesiano  Descartes (1596-1650) afirmava que, para conhecer a verdade, é preciso, de início, colocar todos os nossos conhecimentos em dúvida.  Aplicação metódica da dúvida  COGITO ERGO SUN  É preciso colocar em dúvida a existência de tudo que constitui a realidade e o próprio conteúdo dos pensamentos.  A única verdade livre das dúvidas: PENSO, LOGO EXISTO
  • 7. Racionalismo Cartesiano  Do COGITO é possível extrair: O pensamento (consciência) é algo mais certo que a própria matéria corporal Valorização do SUJEITO em detrimento ao objeto IDEALISMO Tendência a ressaltar a consciência subjetiva sobre o ser objetivo, e “a considerar a matéria como algo apenas conhecível, se é que o é, por dedução do que se sabe da mente”.
  • 8. Racionalismo e Direito  Quais as doutrinas ou correntes que, no campo da Jurisprudência, correspondem à posição do racionalismo? Racionalistas, na tela do Direito, são muitos autores, antigos e modernos, que sustentam que, acima ou ao lado de um direito empírico, desenrolado na experiência, existe um Direito Ideal, um Direito Racional, ou um Direito Natural, em razão de cujos ditames seria possível afirmar-se a validade ou obrigatoriedade das regras jurídicas positivas.
  • 9. Racionalismo e Direito  Direito racional ou um Direito natural. O Direito Natural é um direito inerente à razão, como conjunto dos “princípios inatos” em todos os homens. Acima do direito empírico está o Direito Natural, um tipo ideal de valores jurídicos como expressão daquilo que é constante, universal na razão humana sendo correspondente à natureza do homem em sua universalidade.
  • 10. EMPIRISMO  Em termos gerais, o Empirismo é a doutrina filosófica segundo a qual o conhecimento se determina pela "experiência" (empeiría). Neste sentido, o Empirismo é usualmente contraposto ao Racionalismo que prescreve um conhecimento fundado na "razão" (ratio).  Ainda que o termo "empirismo" tenha sido atribuído a um grande número de posições filosóficas, a tradição prefere aceitar como "empiristas" aqueles pensadores que afirmam ser o conhecimento derivado exclusivamente da "experiência" dos sentidos, da "sensação" ou da "emperia".
  • 11. EMPIRISMO  ...De acordo com a teoria de que o espírito, a mente, seja uma tabula rasa, uma superfície maleável às impressões da experiência externa, o Empirismo pode ser estimado sob um prisma psicológico e outro gnoseológico. À medida que a fonte do conhecimento não é a "razão" ou o pensamento, mas a "experiência", a origem temporal de conhecer é concebida como resultado da experiência externa e interna - aspecto psicológico -, e, por conseguinte, só o conhecimento "empírico" é válido - o aspecto gnoseológico.
  • 12. EMPIRISMO  Do ponto de vista gnoseológico, o Empirismo rechaça o inatismo (doutrina que se entrelaça com o Racionalismo), que admite a existência de um sujeito cognoscente (a mente, o espírito) dotado de "idéias inatas", isentas de qualquer dado da "experiência". Ora, o Empirismo, ao contrário, afirma que o sujeito cognoscente é uma espécie de tabula rasa, onde são gravadas as impressões decorrentes da "experiência" com o mundo exterior.
  • 14. EMPIRISMO  empirismo integral, que reduz todos os conhecimentos, inclusive os matemáticos, à fonte empírica, àquilo que é produto de contacto direto e imediato cora a experiência (posição de Hume, de Stuart Mill e de alguns positivistas contemporâneos). Quando a redução é feita à mera experiência sensível, temos o sensismo ou sensualismo;
  • 15. EMPIRISMO  empirismo moderado ou genético-psicológico, que explica a origem temporal dos conhecimentos a partir da experiência, mas não reduz a ela a validez do conhecimento mesmo, o qual pode ser não-empiricamente válido, como no caso dos juízos analíticos, os quais, como já dito, são aqueles cujo predicado está contido no sujeito e que, assim sendo, são a priori, como no exemplo: — "Todos os corpos são extensos". A simples idéia de "corpo" já implica a de extensão, por identidade (posição de Locke).
  • 16. EMPIRISIMO  empirismo científico, que só admite como válido o conhecimento oriundo da experiência ou verificado experimentalmente, atribuindo aos juízos analíticos significações de ordem formal enquadradas no domínio dos enunciados lógicos, em essencial conexão com a linguagem peculiar a cada tipo de ciência. Esta é outra tendência destacada no neopositivismo, que está longe de alcançar a almejada "unanimidade científica".
  • 17. EMPIRISMO e DIREITO  No plano da Jurisprudência encontramos também essa orientação, que é uma das constantes do pensamento jurídico. Desde quando surgiu a Ciência do Direito, provocando renovadas aporias, surgiram empiristas. Já em Roma se sustentava que o direito brota do fato e é ditado pelo evolver dos acontecimentos: — ex facto oritur jus.  Os empiristas sustentam que o direito é um fato que se liga a outros fatos através de nexos de causalidade. Do fato, seja ele econômico, geográfico, demográfico ou racial, passar-se-ia à regra jurídica, através de um laço necessário de causalidade. Esta é a tese do empirismo jurídico: — até mesmo os princípios mais gerais do direito seriam afinal redutíveis a fontes empíricas. O direito da experiência.