SlideShare uma empresa Scribd logo
P R O F . Í T A L O C O L A R E S
LÓGICA
Na charge abaixo há duas formas de poder: o poder da
força e o poder das ideias...
I. O QUE É LÓGICA?
• Lógica vem do grego “palavra”, “expressão”,
“pensamento”, “conceito”, “discurso”, “razão”.
• ARISTÓTELES, é o filósofo que ampliou o estudo
sobre a lógica.
• A obra de Aristóteles dedicada à lógica chama-se
ÓRGANON, que significa “instrumento”, e no caso,
INSTRUMENTO PARA SE PROCEDER CORRETAMENTO
NO PENSAR.
• O estudo dos métodos e princípios da
argumentação.
• A investigação das condições em que a
conclusão de um argumento se segue
necessariamente de enunciados iniciais,
chamados premissas;
• o estudo que estabelece as regras da forma
correta das operações do pensamento e
identifica as argumentações não válidas.
Vejamos o que significa a LÓGICA, como instrumento
do pensar...
Segundo Aristóteles a LÓGICA se divide em:
• FORMAL OU SIMBÓLICA: que estabelece
a forma correta das operações do
pensamento.
• MATERIAL: trata-se da aplicação das
operações do pensando segundo a
matéria ou a natureza dos objetos a
conhecer.
II. TERMOS, PROPOSIÇÃO E
ARGUMENTOS.
• ARGUMENTO – em psicologia é chamada
de raciocínio, é uma sequência de
proposições. Em que existe uma relação
entre as PREMISSAS e a CONCLUSÃO.
• INFERÊNCIAS – É a passagem das premissas
para a conclusão.
• PROPOSIÇÃO – É um enunciado no qual
afirmamos ou negamos um TERMO de
outro. Ou seja, é aquilo que é proposto ou
declarado, podendo ser verdadeira ou
falsa.
• Quanto à qualidade, são afirmativas ou
negativas.
• Quanto à quantidade são gerais –
universais ou totais - ou particulares. Estas
últimas podem ser singulares caso se
refiram a um só indivíduo:
As proposições podem ser distinguidas pela
QUALIDADE e pela QUANTIDADE:
Exemplificando...
• “Todo cão é mamífero”.
•  Proposição universal afirmativa.
• “Nenhum animal é mineral”.
•  Universal negativa.
• “Algum metal não é sólido”.
•  Particular negativa.
• “Sócrates é mortal”.
•  Singular afirmativa.
QUADRADO LÓGICO.
Cada proposição tem dois TERMOS.
• É preciso também observar a EXTENSÃO
dos termos.
• A extensão é a amplitude de um termo,
isto é, a coleção de todos os seres que o
termo designa no contexto da
proposição. É fácil identificar a extensão
do sujeito, mas a do predicado exige
maior atenção.
• Observe os seguintes exemplos:
• É preciso também observar a EXTENSÃO
dos termos.
• A extensão é a amplitude de um termo,
isto é, a coleção de todos os seres que o
termo designa no contexto da
proposição. É fácil identificar a extensão
do sujeito, mas a do predicado exige
maior atenção.
• Observe os seguintes exemplos:
• TODO BRASILEIRO É SUL-AMERICANO
• TODO PAULISTA É BRASILEIRO
•  LOGO, TODO PAULISTA É SUL-AMERICANO
*****
• NENHUM BRASILEIRO É ARGENTINO.
• ALGUM BRASILEIRO É SUL-AMERICANO.
•  LOGO, ALGUM SUL-AMERICANO NÃO É ARGENTINO.
• O termo BRASILEIRO é total na primeira
premissa (todo brasileiro). E particular na
segunda premissa, porque é como se
estivéssemos dizendo: TODO PAULISTA É
(algum) BRASILEIRO.
• Já no segundo exemplo (NENHUM
BRASILEIRO É ARGENTINO), tanto o termo
BRASILEIRO como o termo ARGENTINO são
totais, porque o conjunto de todos os
BRASILEIROS é excluído do conjunto de
todos os ARGENTINOS.
O SILOGISMO, por sua vez, compõem-se de
três termos...
• TODO BRASILEIRO É SUL-AMERICANO
• TODO PAULISTA É BRASILEIRO
•  LOGO, TODO PAULISTA É SUL-AMERICANO.
TERMO MÉDIO
TERMO MÉDIO
TERMO MAIOR
TERMO MENOR
III. VERDADE E VALIDADE
• É PRECISO MUITA ATENÇÃO NO USO DE
VERDADEIRO/FALSO, VÁLIDO/INVÁLIDO.
• As proposições podem ser verdadeiras ou falsas:
uma proposição é verdadeira quando
corresponde ao fato que expressa.
• Os argumentos são válidos ou inválidos (e não
verdadeiros ou falsos): um argumento é válido
quando sua conclusão é consequência lógica
de suas premissas.
Para entendermos isso melhor, precisamos das
REGRAS DO SILOGISMO.
• 1) Todo silogismo contém somente três termos:
maior, médio e menor;
• 2) Os termos da conclusão não podem ter
extensão maior que os termos das premissas;
• 3) O termo médio não pode entrar na conclusão;
• 4) O termo médio deve ser universal ao menos
uma vez;
• 5) De duas premissas negativas, nada se conclui;
• 6) De duas premissas afirmativas não pode haver
conclusão negativa;
• 7) A conclusão segue sempre a premissa mais
fraca;
• 8) De duas premissas particulares, nada se
conclui.
III.TIPOS DE ARGUMENTAÇÃO
• Tradicionalmente dividimos os
argumentos em dois tipos, os DEDUTIVOS
e os INDUTIVOS, sendo que a ANALOGIA
constitui um tipo de indução.
DEDUÇÃO
• Em um argumento dedutivo correto, a
conclusão é inferida necessariamente das
premissas. Ou seja, o que está dito na
conclusão é extraído das premissas, pois na
verdade está implícito nelas. Como já
vimos, na dedução lógica o enunciado da
conclusão não excede o conteúdo das
premissas, isto é, não se diz mais na
conclusão do que já tinha sido dito nas
premissas.
INDUÇÃO
• Enquanto na dedução as premissas
constituem razão suficiente para se derivar a
conclusão, na indução, ao contrário, chega-se
à conclusão a partir de evidências parciais.
• A indução por enumeração é uma
argumentação pela qual, a partir de diversos
dados singulares constatados, chegamos a
proposições universais. Nesse tipo de
argumento ocorre uma generalização
indutiva.
ANALOGIA
• É uma indução parcial ou imperfeita, na
qual passamos de um ou de alguns fatos
singulares não a uma conclusão universal,
mas a uma outra enunciação singular ou
particular.
• Da comparação entre objetos ou
fenômenos diferentes, inferimos pontos de
semelhança.
IV. FALÁCIAS
• É um tipo de raciocínio incorreto, apesar de ter
a aparência de correção. É conhecida
também como sofisma, embora alguns
estudiosos façam urna distinção, pela qual o
sofisma teria a intenção de enganar o
interlocutor, diferentemente da falácia, que
seria um engano involuntário.
• São inúmeros os tipos de falácia, e por isso
vamos nos restringir a alguns poucos.
• As falácias formais ocorrem quando as regras do
raciocínio correto são contrariadas ou não se
atende às regras da inferência válida.
• Exemplo:
FALÁCIAS FORMAIS
• TODOS OS HOMENS SÃO CALVOS.
• ORA, EU SOU HOMEM
•  LOGO, EU SOU CALVO.
• São diversos os tipos de falácias não formais:
muitas decorrem da irrelevância das
premissas, que não estabelecem a
conclusão; outras são generalizações
apressadas, que partem de falsas causas ou
se baseiam em preconceitos; e assim por
diante. Geralmente exercem a função
psicológica de convencer, ao mobilizar
emoções como entusiasmo, medo,
hostilidade ou reverência.
• Vejamos algumas delas.
FALÁCIAS NÃO FORMAIS
• ARGUMENTO DE AUTORIDADE;
• ARGUMENTO CONTRA O HOMEM;
• FALÁCIA DE ACIDENTE OU GENERALIZAÇÃO
APRESSADA;
• FALÁCIA DE CONCLUSÃO IRRELEVANTE;
• FALÁCIA DE PETIÇÃO DE PRINCÍPIO, OU CÍRCULO
VICIOSO;
• FALÁCIA DE AMBIGUIDADE;
• FALÁCIA DE FALSA CAUSA;
V. PRINCÍPIOS DA LÓGICA
• Para compreender as relações que se
estabelecem entre as proposições,
foram definidos os primeiros princípios
da lógica, assim chamados por serem
anteriores a qualquer raciocínio e
servirem de base a todos os
argumentos. Por serem princípios, são
de conhecimento imediato e, portanto,
indemonstráveis.
• O princípio de identidade, se um
enunciado é verdadeiro, então ele é
verdadeiro.
• O princípio de não contradição, afirma
que não é o caso de um enunciado e
de sua negação.
• O princípio do terceiro excluído, afirma
que nenhum enunciado é verdadeiro
nem falso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
Rodrigo Cisco
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Juliana Corvino de Araújo
 
Os Sofistas
Os SofistasOs Sofistas
Os Sofistas
daysefaro
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Platão
PlatãoPlatão
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
Péricles Penuel
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Mariana Couto
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
sociofilo2012
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
Italo Colares
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
Fillipe Lobo
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
Danilo Pires
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
Erica Frau
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
João Marcelo
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 

Mais procurados (20)

O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
Os Sofistas
Os SofistasOs Sofistas
Os Sofistas
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e CriticismoDogmatismo, Ceticismo e Criticismo
Dogmatismo, Ceticismo e Criticismo
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 

Semelhante a Lógica filosófica

O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
Arlindo Picoli
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
Munis Pedro
 
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência validaSilogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
pcls66
 
Filosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano agFilosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano ag
Fátima Teixeira Kika
 
Raciocínio lógico
Raciocínio lógicoRaciocínio lógico
Raciocínio lógico
Jeferson S. J.
 
Introdução-à-Filosofia.pptx
Introdução-à-Filosofia.pptxIntrodução-à-Filosofia.pptx
Introdução-à-Filosofia.pptx
ssusera1ec45
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
almada76
 
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e FaláciasFilosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Joana Pinto
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
cattonia
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
DanielaMoreira84
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
Cláudia Heloísa
 
Aristóteles e Falácias.pptx
Aristóteles e Falácias.pptxAristóteles e Falácias.pptx
Aristóteles e Falácias.pptx
PedroBarbalho4
 
Erro - Comunicação e Expressão
Erro - Comunicação e ExpressãoErro - Comunicação e Expressão
Erro - Comunicação e Expressão
Marciano Machado
 
Razão e Lógica
Razão e LógicaRazão e Lógica
Razão e Lógica
Kelly Gonzatto
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Breve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofiaBreve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofia
Adriana Cahongo
 
Aprender
AprenderAprender
Aprender
Iracema Tavares
 
Instrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosoficoInstrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosofico
Luis De Sousa Rodrigues
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
Alan
 
O nascimento da lógica 2º ano ok
O nascimento da lógica 2º ano okO nascimento da lógica 2º ano ok
O nascimento da lógica 2º ano ok
Milena Leite
 

Semelhante a Lógica filosófica (20)

O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência validaSilogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
 
Filosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano agFilosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano ag
 
Raciocínio lógico
Raciocínio lógicoRaciocínio lógico
Raciocínio lógico
 
Introdução-à-Filosofia.pptx
Introdução-à-Filosofia.pptxIntrodução-à-Filosofia.pptx
Introdução-à-Filosofia.pptx
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e FaláciasFilosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
Aristóteles e Falácias.pptx
Aristóteles e Falácias.pptxAristóteles e Falácias.pptx
Aristóteles e Falácias.pptx
 
Erro - Comunicação e Expressão
Erro - Comunicação e ExpressãoErro - Comunicação e Expressão
Erro - Comunicação e Expressão
 
Razão e Lógica
Razão e LógicaRazão e Lógica
Razão e Lógica
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Breve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofiaBreve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofia
 
Aprender
AprenderAprender
Aprender
 
Instrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosoficoInstrumentos do trabalho filosofico
Instrumentos do trabalho filosofico
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
 
O nascimento da lógica 2º ano ok
O nascimento da lógica 2º ano okO nascimento da lógica 2º ano ok
O nascimento da lógica 2º ano ok
 

Mais de Italo Colares

Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Italo Colares
 
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Italo Colares
 
Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.
Italo Colares
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
Italo Colares
 
Filosofia introdução
Filosofia   introduçãoFilosofia   introdução
Filosofia introdução
Italo Colares
 
Frases de Pensadores
Frases de PensadoresFrases de Pensadores
Frases de Pensadores
Italo Colares
 
Cultura no Plural
Cultura no PluralCultura no Plural
Cultura no Plural
Italo Colares
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
Italo Colares
 
Unificações europeias
Unificações europeias Unificações europeias
Unificações europeias
Italo Colares
 
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
Italo Colares
 
Violência e concórdia
Violência e concórdiaViolência e concórdia
Violência e concórdia
Italo Colares
 
Desafio democrático
Desafio democráticoDesafio democrático
Desafio democrático
Italo Colares
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
Italo Colares
 
Periodo entre guerras
Periodo entre guerrasPeriodo entre guerras
Periodo entre guerras
Italo Colares
 
O conhecimento mítico
O conhecimento míticoO conhecimento mítico
O conhecimento mítico
Italo Colares
 
Instituicoes Sociais
Instituicoes SociaisInstituicoes Sociais
Instituicoes Sociais
Italo Colares
 
O estado contemporaneo
O estado contemporaneoO estado contemporaneo
O estado contemporaneo
Italo Colares
 
A sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidianoA sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidiano
Italo Colares
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.
Italo Colares
 
Cultura e arte
Cultura e arteCultura e arte
Cultura e arte
Italo Colares
 

Mais de Italo Colares (20)

Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
 
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
 
Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
 
Filosofia introdução
Filosofia   introduçãoFilosofia   introdução
Filosofia introdução
 
Frases de Pensadores
Frases de PensadoresFrases de Pensadores
Frases de Pensadores
 
Cultura no Plural
Cultura no PluralCultura no Plural
Cultura no Plural
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
 
Unificações europeias
Unificações europeias Unificações europeias
Unificações europeias
 
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
 
Violência e concórdia
Violência e concórdiaViolência e concórdia
Violência e concórdia
 
Desafio democrático
Desafio democráticoDesafio democrático
Desafio democrático
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
 
Periodo entre guerras
Periodo entre guerrasPeriodo entre guerras
Periodo entre guerras
 
O conhecimento mítico
O conhecimento míticoO conhecimento mítico
O conhecimento mítico
 
Instituicoes Sociais
Instituicoes SociaisInstituicoes Sociais
Instituicoes Sociais
 
O estado contemporaneo
O estado contemporaneoO estado contemporaneo
O estado contemporaneo
 
A sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidianoA sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidiano
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.
 
Cultura e arte
Cultura e arteCultura e arte
Cultura e arte
 

Último

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Lógica filosófica

  • 1. P R O F . Í T A L O C O L A R E S LÓGICA
  • 2. Na charge abaixo há duas formas de poder: o poder da força e o poder das ideias...
  • 3. I. O QUE É LÓGICA? • Lógica vem do grego “palavra”, “expressão”, “pensamento”, “conceito”, “discurso”, “razão”. • ARISTÓTELES, é o filósofo que ampliou o estudo sobre a lógica. • A obra de Aristóteles dedicada à lógica chama-se ÓRGANON, que significa “instrumento”, e no caso, INSTRUMENTO PARA SE PROCEDER CORRETAMENTO NO PENSAR.
  • 4. • O estudo dos métodos e princípios da argumentação. • A investigação das condições em que a conclusão de um argumento se segue necessariamente de enunciados iniciais, chamados premissas; • o estudo que estabelece as regras da forma correta das operações do pensamento e identifica as argumentações não válidas. Vejamos o que significa a LÓGICA, como instrumento do pensar...
  • 5. Segundo Aristóteles a LÓGICA se divide em: • FORMAL OU SIMBÓLICA: que estabelece a forma correta das operações do pensamento. • MATERIAL: trata-se da aplicação das operações do pensando segundo a matéria ou a natureza dos objetos a conhecer.
  • 6. II. TERMOS, PROPOSIÇÃO E ARGUMENTOS. • ARGUMENTO – em psicologia é chamada de raciocínio, é uma sequência de proposições. Em que existe uma relação entre as PREMISSAS e a CONCLUSÃO. • INFERÊNCIAS – É a passagem das premissas para a conclusão. • PROPOSIÇÃO – É um enunciado no qual afirmamos ou negamos um TERMO de outro. Ou seja, é aquilo que é proposto ou declarado, podendo ser verdadeira ou falsa.
  • 7. • Quanto à qualidade, são afirmativas ou negativas. • Quanto à quantidade são gerais – universais ou totais - ou particulares. Estas últimas podem ser singulares caso se refiram a um só indivíduo: As proposições podem ser distinguidas pela QUALIDADE e pela QUANTIDADE:
  • 8. Exemplificando... • “Todo cão é mamífero”. •  Proposição universal afirmativa. • “Nenhum animal é mineral”. •  Universal negativa. • “Algum metal não é sólido”. •  Particular negativa. • “Sócrates é mortal”. •  Singular afirmativa.
  • 10. Cada proposição tem dois TERMOS. • É preciso também observar a EXTENSÃO dos termos. • A extensão é a amplitude de um termo, isto é, a coleção de todos os seres que o termo designa no contexto da proposição. É fácil identificar a extensão do sujeito, mas a do predicado exige maior atenção. • Observe os seguintes exemplos:
  • 11. • É preciso também observar a EXTENSÃO dos termos. • A extensão é a amplitude de um termo, isto é, a coleção de todos os seres que o termo designa no contexto da proposição. É fácil identificar a extensão do sujeito, mas a do predicado exige maior atenção. • Observe os seguintes exemplos:
  • 12. • TODO BRASILEIRO É SUL-AMERICANO • TODO PAULISTA É BRASILEIRO •  LOGO, TODO PAULISTA É SUL-AMERICANO ***** • NENHUM BRASILEIRO É ARGENTINO. • ALGUM BRASILEIRO É SUL-AMERICANO. •  LOGO, ALGUM SUL-AMERICANO NÃO É ARGENTINO.
  • 13. • O termo BRASILEIRO é total na primeira premissa (todo brasileiro). E particular na segunda premissa, porque é como se estivéssemos dizendo: TODO PAULISTA É (algum) BRASILEIRO. • Já no segundo exemplo (NENHUM BRASILEIRO É ARGENTINO), tanto o termo BRASILEIRO como o termo ARGENTINO são totais, porque o conjunto de todos os BRASILEIROS é excluído do conjunto de todos os ARGENTINOS.
  • 14. O SILOGISMO, por sua vez, compõem-se de três termos... • TODO BRASILEIRO É SUL-AMERICANO • TODO PAULISTA É BRASILEIRO •  LOGO, TODO PAULISTA É SUL-AMERICANO. TERMO MÉDIO TERMO MÉDIO TERMO MAIOR TERMO MENOR
  • 15. III. VERDADE E VALIDADE • É PRECISO MUITA ATENÇÃO NO USO DE VERDADEIRO/FALSO, VÁLIDO/INVÁLIDO. • As proposições podem ser verdadeiras ou falsas: uma proposição é verdadeira quando corresponde ao fato que expressa. • Os argumentos são válidos ou inválidos (e não verdadeiros ou falsos): um argumento é válido quando sua conclusão é consequência lógica de suas premissas.
  • 16. Para entendermos isso melhor, precisamos das REGRAS DO SILOGISMO. • 1) Todo silogismo contém somente três termos: maior, médio e menor; • 2) Os termos da conclusão não podem ter extensão maior que os termos das premissas; • 3) O termo médio não pode entrar na conclusão; • 4) O termo médio deve ser universal ao menos uma vez; • 5) De duas premissas negativas, nada se conclui; • 6) De duas premissas afirmativas não pode haver conclusão negativa; • 7) A conclusão segue sempre a premissa mais fraca; • 8) De duas premissas particulares, nada se conclui.
  • 17. III.TIPOS DE ARGUMENTAÇÃO • Tradicionalmente dividimos os argumentos em dois tipos, os DEDUTIVOS e os INDUTIVOS, sendo que a ANALOGIA constitui um tipo de indução.
  • 18. DEDUÇÃO • Em um argumento dedutivo correto, a conclusão é inferida necessariamente das premissas. Ou seja, o que está dito na conclusão é extraído das premissas, pois na verdade está implícito nelas. Como já vimos, na dedução lógica o enunciado da conclusão não excede o conteúdo das premissas, isto é, não se diz mais na conclusão do que já tinha sido dito nas premissas.
  • 19. INDUÇÃO • Enquanto na dedução as premissas constituem razão suficiente para se derivar a conclusão, na indução, ao contrário, chega-se à conclusão a partir de evidências parciais. • A indução por enumeração é uma argumentação pela qual, a partir de diversos dados singulares constatados, chegamos a proposições universais. Nesse tipo de argumento ocorre uma generalização indutiva.
  • 20. ANALOGIA • É uma indução parcial ou imperfeita, na qual passamos de um ou de alguns fatos singulares não a uma conclusão universal, mas a uma outra enunciação singular ou particular. • Da comparação entre objetos ou fenômenos diferentes, inferimos pontos de semelhança.
  • 21. IV. FALÁCIAS • É um tipo de raciocínio incorreto, apesar de ter a aparência de correção. É conhecida também como sofisma, embora alguns estudiosos façam urna distinção, pela qual o sofisma teria a intenção de enganar o interlocutor, diferentemente da falácia, que seria um engano involuntário. • São inúmeros os tipos de falácia, e por isso vamos nos restringir a alguns poucos.
  • 22. • As falácias formais ocorrem quando as regras do raciocínio correto são contrariadas ou não se atende às regras da inferência válida. • Exemplo: FALÁCIAS FORMAIS • TODOS OS HOMENS SÃO CALVOS. • ORA, EU SOU HOMEM •  LOGO, EU SOU CALVO.
  • 23. • São diversos os tipos de falácias não formais: muitas decorrem da irrelevância das premissas, que não estabelecem a conclusão; outras são generalizações apressadas, que partem de falsas causas ou se baseiam em preconceitos; e assim por diante. Geralmente exercem a função psicológica de convencer, ao mobilizar emoções como entusiasmo, medo, hostilidade ou reverência. • Vejamos algumas delas. FALÁCIAS NÃO FORMAIS
  • 24. • ARGUMENTO DE AUTORIDADE; • ARGUMENTO CONTRA O HOMEM; • FALÁCIA DE ACIDENTE OU GENERALIZAÇÃO APRESSADA; • FALÁCIA DE CONCLUSÃO IRRELEVANTE; • FALÁCIA DE PETIÇÃO DE PRINCÍPIO, OU CÍRCULO VICIOSO; • FALÁCIA DE AMBIGUIDADE; • FALÁCIA DE FALSA CAUSA;
  • 25. V. PRINCÍPIOS DA LÓGICA • Para compreender as relações que se estabelecem entre as proposições, foram definidos os primeiros princípios da lógica, assim chamados por serem anteriores a qualquer raciocínio e servirem de base a todos os argumentos. Por serem princípios, são de conhecimento imediato e, portanto, indemonstráveis.
  • 26. • O princípio de identidade, se um enunciado é verdadeiro, então ele é verdadeiro. • O princípio de não contradição, afirma que não é o caso de um enunciado e de sua negação. • O princípio do terceiro excluído, afirma que nenhum enunciado é verdadeiro nem falso