SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIDADE 1: INICIAÇÃO À ACTIVIDADE
FILOSÓFICA
CAPÍTULO 2: Os instrumentos do trabalho filosófico. A
importância da argumentação em filosofia.
ÍNDICE

 1. A importância da lógica para a filosofia.
 2. O que é um argumento.

 3. Como identificar e reconstruir argumentos

 4. Em que consiste a validade de um
  argumento.
 5. O que é um bom argumento.

 6. A lógica é importante para a filosofia pois
  esta consiste na discução de argumentos e
  ideias.
1. A IMPORTÂNCIA DA LÓGICA
      PARA A FILOSOFIA.
1.A IMPORTÂNCIA DA LÓGICA PARA A FILOSOFIA.

     Os filósofos discutem problemas
     fundamentais e tentam encontrar respostas.


         As respostas têm o nome de teses ou
         teorias.


              As teses são afirmações acompanhadas de
              razões para as aceitarmos.


                  A essas razões damos o nome de
                  argumentos.


Conclusão: As teorias filosóficas são as conclusões a que chegamos
através de argumentos, e sem estes, as respostas aos problemas da
filosofia não passariam de simples opiniões sem fundamento.
1.A IMPORTÂNCIA DA LÓGICA PARA A FILOSOFIA.


O pensamento filosófico não tem nenhum valor se
                  não for lógico.

      O modo como os
  filósofos pensam tem o               O pensamento critico é
   nome de pensamento                  o método da filosofia.
           crítico.


Para responder aos problemas filosóficos ,os filósofos não podem,
   recorrer à experiência nem ao cálculo nem à experimentação.
        A sua única alternativa é utilizar a argumentação.
1.A IMPORTÂNCIA DA LÓGICA PARA A FILOSOFIA.


      A lógica é indispensável para o exercício da
      actividade filosófica pelas seguintes razões:

   Permite-nos distinguir argumentos, de não argumentos.
   Permite-nos clarificar os argumentos.
   Ensina-nos a avaliar criticamente argumentos, ou seja, a
    verificar se são bons.
    Ensina-nos a pensar de forma consequente.
   Como a actividade filosófica consiste essencialmente na
    discussão de ideias, mediante a lógica tornamo-nos mais
    capazes de apresentar argumentos a favor de uma ideia,
    ou de contra-argumentar.
2. O que é um
 argumento?
2. O QUE É UM ARGUMENTO?


   Onde está o argumento?

   1.Aumentou nos últimos dois anos o número de
    jovens que manteve relações sexuais sem o
    uso de preservativo no mundo, segundo
    pesquisa feita em 26 países pela Fundação
    Parenthood. A pesquisa mostra um aumento do
    sexo   desprotegido    principalmente   entre
    adolescentes dos Estados Unidos e da Europa.
2. O QUE É UM ARGUMENTO?


   2. Na Arábia Saudita, o rei Abdullah anulou a
    sentença do tribunal que condenava Shaima
    Jastaina a dez chicotadas por ter sido apanhada
    a conduzir, avança a AP. Jastaina tinha sido
    condenada, esta segunda-feira, em Jidá, cidade
    onde tinha sido presa em Julho, quando
    conduzia. Na Arábia Saudita, as mulheres estão
    proibidas de conduzir, no entanto, esta foi a
    primeira condenada a uma punição legal.
2. O QUE É UM ARGUMENTO?

 3.Permitir que as mulheres da Arábia Saudita
  conduzam pode estimulá-las a fazer sexo antes
  do casamento. Essa foi a conclusão de um
  relatório elaborado por Kamal Subhi, um
  acadêmico conhecido no país, e entregue ao
  Conselho Shura, grupo que assessora o rei
  Abdullah, segundo informações divulgadas
  pelo ativista saudita Waleed Abu Alkhair,
  defensor dos direitos humanos.
 A conclusão do relatório foi a de de que, ao
  permitir que as mulheres conduzam, amplia-se
  a mistura de gêneros e estimula-se o sexo.
2. O QUE É UM ARGUMENTO?
   Os textos 1 e 2 são meramente descritivos.
          - Descrevem factos.
          - Não defendem ideia alguma.
          - Não justificam qualquer tese ou opinião.
2. O QUE É UM ARGUMENTO?
   O texto 3 apresenta um argumento que podemos
    explicitar:

   1.A mistura ou a convivência entre géneros estimula as
    práticas sexuais entre homens e mulheres antes de
    estas casarem.
   2.Conduzir promove a convivência entre géneros, entre
    homens e mulheres.
   3.Logo, conduzir estimula as relações sexuais entre
    homens e mulheres antes de estas casarem.
2. O QUE É UM ARGUMENTO?
   Um Argumento é :

   um conjunto de proposições em que uma delas é
    defendida pelas outras.

   No exemplo dado, a proposição defendida(3) – a
    tese – tem o nome de conclusão.
3. COMO IDENTIFICAR E
RECONSTRUIR ARGUMENTOS
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


   O primeiro passo na análise de argumentos é
    identificá-los.

   Perante qualquer conjunto de enunciados, em
    primeiro lugar perguntamos se contém uma
    conclusão.

   Se houver conclusão, há argumento e vice-versa.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

  Indicações para encontrar a conclusão de um
                      argumento:
1 – Procure saber qual o tema e que posição o autor
                   toma acerca dele.
 2 – Pergunte o que está o autor a tentar provar.
 3 – Olhe para o início e para o fim do texto. A
  conclusão encontra- se muitas vezes (mas não
  sempre) em algum desses lugares.
 4 – Tente colocar a palavra “portanto” antes de uma
  das proposições e verifique se é adequado. Se for,
  é provável que tenha encontrado a conclusão.)
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


   Exemplo de argumento em que uma das premissas
    foi omitida :

Porque são barulhentos, os alunos daquela turma
              são indisciplinados.

   É um argumento, o que significa que uma das
    frases é a conclusão.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


    Neste argumento existem 2 afirmações:

   Os alunos daquela turma são barulhentos

                      e

 Os alunos daquela turma são indisciplinados.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


     Qual é a premissa? Qual é a conclusão?

A premissa é:
     Os alunos daquela turma são barulhentos.

A conclusão é:
 Logo, os alunos daquela turma são indisciplinados.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


   No entanto, houve uma premissa que foi omitida
    mas que está subentendida:
       Os alunos barulhentos são indisciplinados.

   O argumento é, então:

     Os alunos barulhentos são indisciplinados
     Os alunos daquela turma são barulhentos
 Logo, os alunos daquela turma são indisciplinados.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


               Indicadores de conclusão:
   Então…
   O que mostra (prova) que…
   Assim…
   Consequentemente….
   Daí que…
   Por conseguinte…
   Assim sendo…
   Por isso…
   Portanto…
   Segue-se que…
   E por essa razão…
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


                     Indicadores de premissa
   Porque…
   Uma vez que…
   Pois…
   Visto que…
   Em virtude de…
   Como…
   Assumindo que…
   Considerando que…
   Pode inferir-se disto…
   Devido a…
   Por causa de…
   Ora...
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

                     ACTIVIDADE 1:


                        I
 1.O que são argumentos?



   2. Que relação deve existir entre as premissas e a
    conclusão de um argumento?

   3. Por que razão não se pode falar de argumento
    se não houver conclusão?
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

                        II
 Reconstitua – quando for o caso - os
  argumentos seguintes identificando premissas
  e conclusão (há, na maioria dos casos, uma
  premissa omitida e subentendida).

   1.Quem não sabe o que são deveres não tem
    direitos. É incrível que haja gente a dizer que os
    animais têm direitos.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


   2. Ser mulher é ser inteligente. A Joana é
    inteligente.

   3. Sendo errado roubar, quem rouba deve ser
    punido.

   4.A fachada deste prédio é colorida por ser azul e
    branca.

   5. Os triângulos são figuras geométricas por serem
    polígonos.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


   6. Deus é grande e Maomé o seu profeta.

   7. Não admira que todos os portugueses sejam
    patriotas. Na verdade, todos adoram a seleção nacional
    de futebol.

   8.Qual é o melhor clube de futebol do mundo? O que
    tem mais títulos. É o Real Madrid.

   9. Porque todos os benfiquistas gostam do Manchester
    United, alguns portugueses também gostam do
    Manchester United.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS


   10.“Basta observar o comportamento das pessoas para
    sabermos que agem sempre condicionadas pelos seus
    interesses. Se não fosse esse o caso, só a estupidez
    explicaria que agíssemos contra os nossos interesses. Ora,
    as pessoas não são estúpidas.”

   11.Todos os seres humanos possuem uma absoluta
    dignidade. Por isso, o aborto é errado.

   12.A pena de morte não é a melhor forma de punição
    para o assassínio. O assassínio deve ser punido o mais
    severamente possível. A prisão perpétua é uma punição
    mais severa do que a execução.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

   13. O dinheiro é necessário para que a vida tenha
    sentido (a vida não tem sentido, a menos que as
    pessoas tenham dinheiro). Por isso, a vida de
    muitas pessoas não tem sentido.

   14. Como podes pensar em ter sucesso, se não
    tens vontade de trabalhar? Conversa, conversa e
    farra, é só o que vejo!
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

                        III
 Identifique a conclusão dos argumentos
  seguintes.

   1. Não és a minha mãe biológica. Os documentos
    da conservatória são conclusivos. Fui adoptado.

   2. Devemos casar tarde. Só as pessoas que casam
    cedo correm risco de divórcio.

   3. Os peixes não respiram porque não têm
    pulmões e sem pulmões não há respiração.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

   4. Os problemas de saúde não são somente
    bioquímicos. Com efeito, têm a ver com estados
    psicológicos e com o nosso estilo de vida. Pensar
    que podem ser resolvidos só com medicamentos é
    portanto um erro.

   5. Um computador não pode fazer batota num jogo
    de xadrez. Com efeito, fazer batota implica que
    haja vontade deliberada de violar as regras do
    jogo. Um computador não possui esta capacidade.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

                         IV
 Leia   o diálogos seguintes e exponha o
  argumento na forma – padrão, ou seja,
  distinguindo as premissas da conclusão.
1
 Rui – Sendo benfiquista, só posso ser desportista.
 Nuno – Gostei de ouvir, mas é preciso não saber
  nada de futebol para acreditar nisso.
 Rui – Vou dizer-te porquê. Todos os adeptos de
  clubes com um historial de grandes sucessos são
  desportistas.
 Nuno – Não sei o que dirão os adeptos portistas.
  Será que não são desportistas?
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

                                2
   Miguel - Sabes qual é a diferença entre um católico e
    um judeu?
   Jonas - Uns acreditam no Deus do Antigo Testamento e
    outros no Deus do Novo Testamento.
   Miguel – Ah? Por cada livro um Deus diferente?
   Jonas – Oops, religiões monoteístas e vários Deuses
    não bate certo.
   Miguel – Olha, a diferença entre judeus e católicos tem
    a ver com o facto de os judeus não acreditarem que
    Jesus seja Cristo, o filho de Deus. Não passa, para
    eles, de mais um profeta como havia muitos naquele
    tempo. Jesus é um simples homem e não Deus feito
    homem.
   Jonas – Pois, por isso ainda esperam pelo Messias.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

                         3
 Miguel – Gostas dos Pink Floyd?

 Joana – Quem é que não gosta?

 Miguel – Quem gosta dos Pink Floyd também
  gosta dos Génesis.
 Joana – Não, nem penses nisso. Não tem nada a
  ver. Não há ninguém que goste dos dois grupos.
 Miguel – Rock um pouco sinfónico, não é?

 Joana – Hum? Não.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS

                          4
 João – As obras de arte modernas são piores do
  que as obras de arte antigas.
 Joana – Não vejo porquê.

 João – Atualmente as obras ditas de arte valem
  mais pelas ideias que estiveram na sua origem do
  que pela qualidade do produto final e perceptível.
 Joana – Então uma obra é artística se for o quê?

 João – Se for bela. Não vejo outra maneira de uma
  coisa ser uma obra artística.
3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR
ARGUMENTOS
                                   5
   João – Não percebo porque chamam geração de ouro à seleção
    em que jogou o Figo, o Rui Costa e o João Pinto. Não ganharam
    ouro nenhum, nunca foram campeões do mundo e da Europa.
    Essa designação é a expressão de um desejo frustrado.
   Vítor – Calma aí! Eles foram campeões do mundo em sub-21 na
    Arábia Saudita e em Lisboa.
   João – Mas alguém dá importância a esses títulos juvenis?
    Quando se diz que a Alemanha é uma grande potência, pensa-
    se exclusivamente nos três campeonatos mundiais e nos três
    campeonatos europeus de seniores ganhos, sem esquecer as
    várias finais em que estiveram e perderam. E olha que nas
    camadas jovens tipo sub-21, eles quase não ganharam nada!
   Vítor – Ok. Mas vê se entendes. Como em seniores só fomos a
    uma final que acabou em tragédia grega, temos de valorizar os
    títulos desses jovens que na altura nem titulares eram nas
    equipas dos seus clubes.
   João – Isso só prova que somos um país com gente de
    mentalidade desportiva pobre.
4. EM QUE CONSISTE A
VALIDADE DE UM ARGUMENTO
4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM
ARGUMENTO




           O que é um argumento válido?


 Argumento cuja conclusão é uma consequência
 necessária das premissas.

                       Ou

 Argumento cuja conclusão tem de ser verdadeira,
 admitida a verdade das premissas e havendo uma
 relação apropriada entre elas.
4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM
ARGUMENTO


 Um argumento Válido, é um argumento com as seguintes
                     características:


    Se as premissas forem verdadeiras, então a
    conclusão também é verdadeira.

   A conclusão segue necessariamente das
    premissas.
4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM
ARGUMENTO


            Exemplo de argumentos válido:


Todos os dentistas ganham muito dinheiro.
João é dentista.
Logo, João ganha muito dinheiro.
4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM
ARGUMENTO




O argumento é válido pois, se a proposição "Todos
 os dentistas ganham muito dinheiro" for verdadeira
 e se supusermos que a proposição "João é
 dentista" também é verdadeira, o que dizer da
 conclusão "João ganha muito dinheiro"? Temos de
 afirmar que a conclusão é verdadeira.
4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM
ARGUMENTO


                 Nota importante


Os argumentos não são verdadeiros nem falsos. As
  proposições que os constituem é que podem ser
              verdadeiras ou falsas.
5. O QUE É UM ARGUMENTO
        SÓLIDO?
5. O QUE É UM ARGUMENTO SÓLIDO?



  A falsidade das premissas e da conclusão não
           impede que um argumento seja
                  válido, correcto.
Um argumento tem de ser válido e ter premissas de
                  facto verdadeiras.
 Os nossos argumentos só serão convincentes ou
  persuasivos se a validade for acompanhada pela
  verdade efectiva ou plausível do que dizemos, ou
         seja, das premissas e da conclusão.
5. O QUE É UM ARGUMENTO SÓLIDO?



        Exemplo de um argumento sólido:


     Todos os animais que ladram são cães
    Os São Bernardo são animais que ladram
        Logo os São Bernardo são cães.

.
5. O QUE É UM ARGUMENTO SÓLIDO?



É um argumento sólido porque:

1. É válido – A conclusão deriva das premissas, é
  logicamente apoiada por estas, ou seja, aceite a
  verdade das premissas a conclusão só pode
  ser esta.
2. As premissas e a conclusão são de facto
  verdadeiras.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE
PARA A FILOSOFIA PORQUE
    ESTA CONSISTE NA
DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS
      E DE IDEIAS.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.


 A filosofia é a arte da argumentação e do debate de ideias.
  Discutir ideias consiste essencialmente em duas coisas:

   1 – Avaliar um argumento para ver se é sólido, isto é , se
    além de válido ou correctamente construído, é constituído por
    premissas verdadeiras.

   2 – Criticar argumentos negando que alguma das premissas
    seja verdadeira ou de certa forma indiscutível.

Antes de darmos algumas noções de como se debatem ou se
  refutam argumentos temos de prestar alguns esclarecimentos
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.

          O que faz de uma frase uma proposição ?


   Uma frase só exprime uma proposição quando for
    declarativa e tiver valor de verdade.

   Ser declarativa quer dizer que através dela
    exprimimos ideias e pensamentos.

   Ter valor de verdade significa que a frase pode ser
    verdadeira ou falsa.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.



                 Exemplo de uma proposição:


   A frase:
               O leão é o símbolo do Sporting

É uma proposição porque é uma frase declarativa
 com valor de verdade, neste caso do nosso
 conhecimento.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.



    Para que uma frase exprima uma proposição, é
    necessário que seja declarativa, mas isso não é
    suficiente.

    Uma frase só exprime uma proposição se, além de
    declarativa, tiver um valor de verdade, isto é, for
    classificável como verdadeira ou falsa

   Uma frase declarativa tem valor de verdade,
    mesmo que não saibamos se é verdadeira ou falsa.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.



   Proposições: Frases declarativas com sentido e
    com valor de verdade – que ou são verdadeiras ou
    são falsas – mesmo que o desconheçamos e que
    ainda não o tenhamos descoberto.

   Exemplos:

1 – Hoje é feriado.
2 – Domingo é dia de descanso para toda a gente.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.

            As proposições universais: o que são ?

   As proposições universais são proposições que se referem a
    todos os elementos de um conjunto ou classe de objectos.

   Exemplos:

1 – Todos os computadores têm memória;
2 – Nenhum ser humano é de plástico;
3 – Todos os animais têm direitos.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.

        Como se refuta uma proposição universal?

Como a proposição universal deve ser verdadeira para todos os
  casos, então basta encontrar um caso em que esta não seja
  verdadeira para a contrariar.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.

       As proposições condicionais: o que são ?


São condicionais todas as
proposições que podemos
representar na forma: Se A,
então B.



        Se estudar então passo.
6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA
PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE
ARGUMENTOS E DE IDEIAS.

        Como se refuta uma proposição condicional?


   Exemplo:

         Se ganhar o jogo, então pago o jantar.

   Esta proposição só será falsa se a pessoa ganhar
    o jogo, mas não pagar o jantar.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
   Atividade 1:
                         II
1.Não saber o que são deveres é não ter direitos.
  Os animais não sabem o que são deveres.
  Logo, os animais não têm direitos.

2.Todas as mulheres são inteligentes.
  A Joana é mulher.
  Logo, Joana é inteligente.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
3.Roubar é um ato errado.
  Os atos errados devem ser punidos.
  Logo, Quem rouba deve ser punido.

4.O que é azul e branco é colorido.
 A fachada deste prédio é azul e branca.
 Logo, a fachada deste prédio é colorida.

5. Os polígonos são figuras geométricas.
   Os triângulos são polígonos
   Logo, triângulos são figuras geométricas
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
6. Trata – se de uma proposição (complexa) e não
 de um argumento porque nada se justifica ou
 defende através de outra proposição.

 7. Todas as pessoas que adoram a seleção nacional
  de futebol do seu país são patriotas.
Todos os portugueses adoram a seleção nacional de
  futebol do seu país.
Logo, todos os portugueses são patriotas.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
8. O melhor clube de futebol do mundo é o que tem
  mais títulos.
O Real Madrid é o clube que tem mais títulos.
Logo, o Real Madrid é o melhor clube do mundo.

9. Todos os benfiquistas gostam do Manchester
 United.
   Alguns portugueses são benfiquistas.
  Logo, alguns portugueses gostam do Manchester
 United.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
10. As pessoas estúpidas são as que não agem sempre
  condicionadas pelos seus interesses.
As pessoas não são estúpidas.
Logo, as pessoas agem sempre condicionadas pelos seus
  interesses.

11. Todos os seres humanos têm uma dignidade
  absoluta.
O aborto é uma violação da absoluta dignidade do ser
  humano.
O que viola a dignidade absoluta do ser humano é
  errado.
Logo, o aborto é errado.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
12. A melhor forma de punição para o assassínio é a
  mais severa.
A prisão perpétua é uma forma de punição mais
  severa do que a pena de morte.
Logo, a pena de morte não é a melhor forma de
  punição para o assassínio.( A prisão perpétua é
  melhor forma de punição do assassínio do que a
  pena de morte)

13. Se têm dinheiro, então a vida de muitas pessoas
 tem sentido.
  Ora, muitas pessoas não têm dinheiro.
  Logo, a vida de muitas pessoas não tem sentido.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
14. Se trabalhares, então terás sucesso.
   Ora, não trabalhas (não tens vontade de trabalhar).
   Logo, não terás sucesso.
                            III
1. Não és a minha mãe biológica.
Como os documentos provam que alguém foi adoptado,
  então conclui-se que certa pessoa não é a sua mãe
  biológica.

2. Devemos casar tarde. É conveniente casar tarde.
Como se justifica esta conclusão? Dizendo há risco de
  divórcio para quem casa cedo.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
3. Os peixes não respiram.
Apesar de falsa, esta é a conclusão. Como se diz que só
  o que tem pulmões respira e se diz também que os
  peixes não têm pulmões, conclui-se que os peixes não
  respiram.

4. É um erro julgar que os problemas de saúde das
  pessoas podem ser resolvidos exclusivamente por
  meio de medicamentos.
Como se justifica a conclusão? Dizendo que os problemas
  de saúde não são somente bioquímicos. Têm também a
  ver com factores psíquicos e estilos de vida (sociais).
  Daí ser errado pensar em tratá-los somente por meio de
  fármacos.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
5. Um computador não pode fazer batota num jogo de
  xadrez.
Não tem vontade própria e isso é condição necessária do
  acto de fazer batota.
                            IV
1. Argumento:
P1 – Todos os adeptos de clubes com historial de grandes
  sucessos são desportistas.
P2 – Os benfiquistas são adeptos de clube com um
  historial de grandes sucessos.
C – Logo, todos os benfiquistas são desportistas.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
2. Argumento:
P1 – Todos os católicos são pessoas que acreditam na
  divindade de Jesus.
P2 – Nenhum judeu é pessoa que acredite na divindade
  de Jesus.
C - Logo, nenhum judeu é católico.

3. Argumento:
   P1 – Todas as pessoas que gostam dos Pink Floyd são
  pessoas com bom gosto.
   P2 – Todas as pessoas que gostam dos Pink Floyd são
  pessoas que não gostam dos Génesis.
   C – Logo, algumas pessoas com bom gosto são
  pessoas que não gostam dos Génesis.
SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS
4. Argumento:
P1 - Todas as obras artísticas são obras belas.
P2 - As obras de arte moderna não são obras belas.
C - Logo, as obras de arte moderna não são obras
  artísticas.

5. Argumento:
P1 – Países com gente de mentalidade desportiva pobre
  são países que sobrevalorizam triunfos com pouca
  importância no futebol mundial
P2 – Portugal é um país que sobrevalorizou triunfos com
  pouca importância no futebol mundial (Os triunfos dos
  sub-21)
C – Logo, Portugal é um país com gente de mentalidade
  desportiva pobre.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IV
mluisavalente
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
Helena Serrão
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
António Padrão
 
Filosofia ae lógica caderno 2_ (paginado com soluções)
Filosofia ae lógica caderno 2_ (paginado com soluções)Filosofia ae lógica caderno 2_ (paginado com soluções)
Filosofia ae lógica caderno 2_ (paginado com soluções)
IsabelPereira2010
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Mariana Monteiro
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
Joaquim Duarte
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
InesTeixeiraDuarte
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
Filazambuja
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Jorge Barbosa
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Isabel Moura
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
InesTeixeiraDuarte
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
Jorge Barbosa
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
Hneves
 
conhecimento_crença_verdadeira
conhecimento_crença_verdadeiraconhecimento_crença_verdadeira
conhecimento_crença_verdadeira
Isabel Moura
 
Iniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosóficaIniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosófica
Filazambuja
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Descartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IVDescartes - Trab. Grupo IV
Descartes - Trab. Grupo IV
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Filosofia ae lógica caderno 2_ (paginado com soluções)
Filosofia ae lógica caderno 2_ (paginado com soluções)Filosofia ae lógica caderno 2_ (paginado com soluções)
Filosofia ae lógica caderno 2_ (paginado com soluções)
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
conhecimento_crença_verdadeira
conhecimento_crença_verdadeiraconhecimento_crença_verdadeira
conhecimento_crença_verdadeira
 
Iniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosóficaIniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosófica
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 

Semelhante a Instrumentos do trabalho filosofico

Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosóficoFicha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
AnaKlein1
 
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisaAlvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
André de Oliveira
 
Jogos de Filosofia.pptx
Jogos de Filosofia.pptxJogos de Filosofia.pptx
Jogos de Filosofia.pptx
HerosFalco1
 
Lógica
LógicaLógica
TP 6
TP 6TP 6
Filosofia exame resumoglobal (1)
Filosofia exame  resumoglobal (1)Filosofia exame  resumoglobal (1)
Filosofia exame resumoglobal (1)
Sandra Bolinhas
 
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
AnaKlein1
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
Luis De Sousa Rodrigues
 
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdfComo escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
Maria Da Guia Fonseca
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
Cleber Oliveira
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Rolando Almeida
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Aprender
AprenderAprender
Aprender
Iracema Tavares
 
O que é discutir argumentos
O que é discutir argumentosO que é discutir argumentos
O que é discutir argumentos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
IndAgação e a filosofia do questionamento
IndAgação e a filosofia do questionamentoIndAgação e a filosofia do questionamento
IndAgação e a filosofia do questionamento
SamaraSilva883286
 
Raciocinio logico
Raciocinio logicoRaciocinio logico
Raciocinio logico
Lilliane Renata Defante
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Maria Freitas
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
mluisavalente
 

Semelhante a Instrumentos do trabalho filosofico (20)

Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosóficoFicha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
 
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisaAlvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
Alvorada rh-tecno-métodos e técnicas de pesquisa
 
Jogos de Filosofia.pptx
Jogos de Filosofia.pptxJogos de Filosofia.pptx
Jogos de Filosofia.pptx
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Tp6
Tp6Tp6
Tp6
 
TP 6
TP 6TP 6
TP 6
 
Filosofia exame resumoglobal (1)
Filosofia exame  resumoglobal (1)Filosofia exame  resumoglobal (1)
Filosofia exame resumoglobal (1)
 
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdfComo escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 
Aprender
AprenderAprender
Aprender
 
O que é discutir argumentos
O que é discutir argumentosO que é discutir argumentos
O que é discutir argumentos
 
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
 
IndAgação e a filosofia do questionamento
IndAgação e a filosofia do questionamentoIndAgação e a filosofia do questionamento
IndAgação e a filosofia do questionamento
 
Raciocinio logico
Raciocinio logicoRaciocinio logico
Raciocinio logico
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Luis De Sousa Rodrigues
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Luis De Sousa Rodrigues
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 5
Freud 5Freud 5

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 5
 

Instrumentos do trabalho filosofico

  • 1. UNIDADE 1: INICIAÇÃO À ACTIVIDADE FILOSÓFICA CAPÍTULO 2: Os instrumentos do trabalho filosófico. A importância da argumentação em filosofia.
  • 2. ÍNDICE  1. A importância da lógica para a filosofia.  2. O que é um argumento.  3. Como identificar e reconstruir argumentos  4. Em que consiste a validade de um argumento.  5. O que é um bom argumento.  6. A lógica é importante para a filosofia pois esta consiste na discução de argumentos e ideias.
  • 3. 1. A IMPORTÂNCIA DA LÓGICA PARA A FILOSOFIA.
  • 4. 1.A IMPORTÂNCIA DA LÓGICA PARA A FILOSOFIA. Os filósofos discutem problemas fundamentais e tentam encontrar respostas. As respostas têm o nome de teses ou teorias. As teses são afirmações acompanhadas de razões para as aceitarmos. A essas razões damos o nome de argumentos. Conclusão: As teorias filosóficas são as conclusões a que chegamos através de argumentos, e sem estes, as respostas aos problemas da filosofia não passariam de simples opiniões sem fundamento.
  • 5. 1.A IMPORTÂNCIA DA LÓGICA PARA A FILOSOFIA. O pensamento filosófico não tem nenhum valor se não for lógico. O modo como os filósofos pensam tem o O pensamento critico é nome de pensamento o método da filosofia. crítico. Para responder aos problemas filosóficos ,os filósofos não podem, recorrer à experiência nem ao cálculo nem à experimentação. A sua única alternativa é utilizar a argumentação.
  • 6. 1.A IMPORTÂNCIA DA LÓGICA PARA A FILOSOFIA. A lógica é indispensável para o exercício da actividade filosófica pelas seguintes razões:  Permite-nos distinguir argumentos, de não argumentos.  Permite-nos clarificar os argumentos.  Ensina-nos a avaliar criticamente argumentos, ou seja, a verificar se são bons.  Ensina-nos a pensar de forma consequente.  Como a actividade filosófica consiste essencialmente na discussão de ideias, mediante a lógica tornamo-nos mais capazes de apresentar argumentos a favor de uma ideia, ou de contra-argumentar.
  • 7. 2. O que é um argumento?
  • 8. 2. O QUE É UM ARGUMENTO?  Onde está o argumento?  1.Aumentou nos últimos dois anos o número de jovens que manteve relações sexuais sem o uso de preservativo no mundo, segundo pesquisa feita em 26 países pela Fundação Parenthood. A pesquisa mostra um aumento do sexo desprotegido principalmente entre adolescentes dos Estados Unidos e da Europa.
  • 9. 2. O QUE É UM ARGUMENTO?  2. Na Arábia Saudita, o rei Abdullah anulou a sentença do tribunal que condenava Shaima Jastaina a dez chicotadas por ter sido apanhada a conduzir, avança a AP. Jastaina tinha sido condenada, esta segunda-feira, em Jidá, cidade onde tinha sido presa em Julho, quando conduzia. Na Arábia Saudita, as mulheres estão proibidas de conduzir, no entanto, esta foi a primeira condenada a uma punição legal.
  • 10. 2. O QUE É UM ARGUMENTO?  3.Permitir que as mulheres da Arábia Saudita conduzam pode estimulá-las a fazer sexo antes do casamento. Essa foi a conclusão de um relatório elaborado por Kamal Subhi, um acadêmico conhecido no país, e entregue ao Conselho Shura, grupo que assessora o rei Abdullah, segundo informações divulgadas pelo ativista saudita Waleed Abu Alkhair, defensor dos direitos humanos.  A conclusão do relatório foi a de de que, ao permitir que as mulheres conduzam, amplia-se a mistura de gêneros e estimula-se o sexo.
  • 11. 2. O QUE É UM ARGUMENTO?  Os textos 1 e 2 são meramente descritivos. - Descrevem factos. - Não defendem ideia alguma. - Não justificam qualquer tese ou opinião.
  • 12. 2. O QUE É UM ARGUMENTO?  O texto 3 apresenta um argumento que podemos explicitar:  1.A mistura ou a convivência entre géneros estimula as práticas sexuais entre homens e mulheres antes de estas casarem.  2.Conduzir promove a convivência entre géneros, entre homens e mulheres.  3.Logo, conduzir estimula as relações sexuais entre homens e mulheres antes de estas casarem.
  • 13. 2. O QUE É UM ARGUMENTO?  Um Argumento é :  um conjunto de proposições em que uma delas é defendida pelas outras.  No exemplo dado, a proposição defendida(3) – a tese – tem o nome de conclusão.
  • 14. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS
  • 15. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS  O primeiro passo na análise de argumentos é identificá-los.  Perante qualquer conjunto de enunciados, em primeiro lugar perguntamos se contém uma conclusão.  Se houver conclusão, há argumento e vice-versa.
  • 16. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS Indicações para encontrar a conclusão de um argumento: 1 – Procure saber qual o tema e que posição o autor toma acerca dele. 2 – Pergunte o que está o autor a tentar provar. 3 – Olhe para o início e para o fim do texto. A conclusão encontra- se muitas vezes (mas não sempre) em algum desses lugares. 4 – Tente colocar a palavra “portanto” antes de uma das proposições e verifique se é adequado. Se for, é provável que tenha encontrado a conclusão.)
  • 17. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS  Exemplo de argumento em que uma das premissas foi omitida : Porque são barulhentos, os alunos daquela turma são indisciplinados.  É um argumento, o que significa que uma das frases é a conclusão.
  • 18. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS Neste argumento existem 2 afirmações: Os alunos daquela turma são barulhentos e Os alunos daquela turma são indisciplinados.
  • 19. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS Qual é a premissa? Qual é a conclusão? A premissa é: Os alunos daquela turma são barulhentos. A conclusão é: Logo, os alunos daquela turma são indisciplinados.
  • 20. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS  No entanto, houve uma premissa que foi omitida mas que está subentendida: Os alunos barulhentos são indisciplinados.  O argumento é, então: Os alunos barulhentos são indisciplinados Os alunos daquela turma são barulhentos Logo, os alunos daquela turma são indisciplinados.
  • 21. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS Indicadores de conclusão:  Então…  O que mostra (prova) que…  Assim…  Consequentemente….  Daí que…  Por conseguinte…  Assim sendo…  Por isso…  Portanto…  Segue-se que…  E por essa razão…
  • 22. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS Indicadores de premissa  Porque…  Uma vez que…  Pois…  Visto que…  Em virtude de…  Como…  Assumindo que…  Considerando que…  Pode inferir-se disto…  Devido a…  Por causa de…  Ora...
  • 23. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS ACTIVIDADE 1: I  1.O que são argumentos?  2. Que relação deve existir entre as premissas e a conclusão de um argumento?  3. Por que razão não se pode falar de argumento se não houver conclusão?
  • 24. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS II  Reconstitua – quando for o caso - os argumentos seguintes identificando premissas e conclusão (há, na maioria dos casos, uma premissa omitida e subentendida).  1.Quem não sabe o que são deveres não tem direitos. É incrível que haja gente a dizer que os animais têm direitos.
  • 25. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS  2. Ser mulher é ser inteligente. A Joana é inteligente.  3. Sendo errado roubar, quem rouba deve ser punido.  4.A fachada deste prédio é colorida por ser azul e branca.  5. Os triângulos são figuras geométricas por serem polígonos.
  • 26. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS  6. Deus é grande e Maomé o seu profeta.  7. Não admira que todos os portugueses sejam patriotas. Na verdade, todos adoram a seleção nacional de futebol.  8.Qual é o melhor clube de futebol do mundo? O que tem mais títulos. É o Real Madrid.  9. Porque todos os benfiquistas gostam do Manchester United, alguns portugueses também gostam do Manchester United.
  • 27. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS  10.“Basta observar o comportamento das pessoas para sabermos que agem sempre condicionadas pelos seus interesses. Se não fosse esse o caso, só a estupidez explicaria que agíssemos contra os nossos interesses. Ora, as pessoas não são estúpidas.”  11.Todos os seres humanos possuem uma absoluta dignidade. Por isso, o aborto é errado.  12.A pena de morte não é a melhor forma de punição para o assassínio. O assassínio deve ser punido o mais severamente possível. A prisão perpétua é uma punição mais severa do que a execução.
  • 28. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS  13. O dinheiro é necessário para que a vida tenha sentido (a vida não tem sentido, a menos que as pessoas tenham dinheiro). Por isso, a vida de muitas pessoas não tem sentido.  14. Como podes pensar em ter sucesso, se não tens vontade de trabalhar? Conversa, conversa e farra, é só o que vejo!
  • 29. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS III  Identifique a conclusão dos argumentos seguintes.  1. Não és a minha mãe biológica. Os documentos da conservatória são conclusivos. Fui adoptado.  2. Devemos casar tarde. Só as pessoas que casam cedo correm risco de divórcio.  3. Os peixes não respiram porque não têm pulmões e sem pulmões não há respiração.
  • 30. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS  4. Os problemas de saúde não são somente bioquímicos. Com efeito, têm a ver com estados psicológicos e com o nosso estilo de vida. Pensar que podem ser resolvidos só com medicamentos é portanto um erro.  5. Um computador não pode fazer batota num jogo de xadrez. Com efeito, fazer batota implica que haja vontade deliberada de violar as regras do jogo. Um computador não possui esta capacidade.
  • 31. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS IV  Leia o diálogos seguintes e exponha o argumento na forma – padrão, ou seja, distinguindo as premissas da conclusão. 1  Rui – Sendo benfiquista, só posso ser desportista.  Nuno – Gostei de ouvir, mas é preciso não saber nada de futebol para acreditar nisso.  Rui – Vou dizer-te porquê. Todos os adeptos de clubes com um historial de grandes sucessos são desportistas.  Nuno – Não sei o que dirão os adeptos portistas. Será que não são desportistas?
  • 32. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS 2  Miguel - Sabes qual é a diferença entre um católico e um judeu?  Jonas - Uns acreditam no Deus do Antigo Testamento e outros no Deus do Novo Testamento.  Miguel – Ah? Por cada livro um Deus diferente?  Jonas – Oops, religiões monoteístas e vários Deuses não bate certo.  Miguel – Olha, a diferença entre judeus e católicos tem a ver com o facto de os judeus não acreditarem que Jesus seja Cristo, o filho de Deus. Não passa, para eles, de mais um profeta como havia muitos naquele tempo. Jesus é um simples homem e não Deus feito homem.  Jonas – Pois, por isso ainda esperam pelo Messias.
  • 33. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS 3  Miguel – Gostas dos Pink Floyd?  Joana – Quem é que não gosta?  Miguel – Quem gosta dos Pink Floyd também gosta dos Génesis.  Joana – Não, nem penses nisso. Não tem nada a ver. Não há ninguém que goste dos dois grupos.  Miguel – Rock um pouco sinfónico, não é?  Joana – Hum? Não.
  • 34. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS 4  João – As obras de arte modernas são piores do que as obras de arte antigas.  Joana – Não vejo porquê.  João – Atualmente as obras ditas de arte valem mais pelas ideias que estiveram na sua origem do que pela qualidade do produto final e perceptível.  Joana – Então uma obra é artística se for o quê?  João – Se for bela. Não vejo outra maneira de uma coisa ser uma obra artística.
  • 35. 3. COMO IDENTIFICAR E RECONSTRUIR ARGUMENTOS 5  João – Não percebo porque chamam geração de ouro à seleção em que jogou o Figo, o Rui Costa e o João Pinto. Não ganharam ouro nenhum, nunca foram campeões do mundo e da Europa. Essa designação é a expressão de um desejo frustrado.  Vítor – Calma aí! Eles foram campeões do mundo em sub-21 na Arábia Saudita e em Lisboa.  João – Mas alguém dá importância a esses títulos juvenis? Quando se diz que a Alemanha é uma grande potência, pensa- se exclusivamente nos três campeonatos mundiais e nos três campeonatos europeus de seniores ganhos, sem esquecer as várias finais em que estiveram e perderam. E olha que nas camadas jovens tipo sub-21, eles quase não ganharam nada!  Vítor – Ok. Mas vê se entendes. Como em seniores só fomos a uma final que acabou em tragédia grega, temos de valorizar os títulos desses jovens que na altura nem titulares eram nas equipas dos seus clubes.  João – Isso só prova que somos um país com gente de mentalidade desportiva pobre.
  • 36. 4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM ARGUMENTO
  • 37. 4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM ARGUMENTO O que é um argumento válido? Argumento cuja conclusão é uma consequência necessária das premissas. Ou Argumento cuja conclusão tem de ser verdadeira, admitida a verdade das premissas e havendo uma relação apropriada entre elas.
  • 38. 4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM ARGUMENTO Um argumento Válido, é um argumento com as seguintes características:  Se as premissas forem verdadeiras, então a conclusão também é verdadeira.  A conclusão segue necessariamente das premissas.
  • 39. 4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM ARGUMENTO Exemplo de argumentos válido: Todos os dentistas ganham muito dinheiro. João é dentista. Logo, João ganha muito dinheiro.
  • 40. 4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM ARGUMENTO O argumento é válido pois, se a proposição "Todos os dentistas ganham muito dinheiro" for verdadeira e se supusermos que a proposição "João é dentista" também é verdadeira, o que dizer da conclusão "João ganha muito dinheiro"? Temos de afirmar que a conclusão é verdadeira.
  • 41. 4. EM QUE CONSISTE A VALIDADE DE UM ARGUMENTO Nota importante Os argumentos não são verdadeiros nem falsos. As proposições que os constituem é que podem ser verdadeiras ou falsas.
  • 42. 5. O QUE É UM ARGUMENTO SÓLIDO?
  • 43. 5. O QUE É UM ARGUMENTO SÓLIDO? A falsidade das premissas e da conclusão não impede que um argumento seja válido, correcto. Um argumento tem de ser válido e ter premissas de facto verdadeiras. Os nossos argumentos só serão convincentes ou persuasivos se a validade for acompanhada pela verdade efectiva ou plausível do que dizemos, ou seja, das premissas e da conclusão.
  • 44. 5. O QUE É UM ARGUMENTO SÓLIDO? Exemplo de um argumento sólido: Todos os animais que ladram são cães Os São Bernardo são animais que ladram Logo os São Bernardo são cães. .
  • 45. 5. O QUE É UM ARGUMENTO SÓLIDO? É um argumento sólido porque: 1. É válido – A conclusão deriva das premissas, é logicamente apoiada por estas, ou seja, aceite a verdade das premissas a conclusão só pode ser esta. 2. As premissas e a conclusão são de facto verdadeiras.
  • 46. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS.
  • 47. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS. A filosofia é a arte da argumentação e do debate de ideias. Discutir ideias consiste essencialmente em duas coisas:  1 – Avaliar um argumento para ver se é sólido, isto é , se além de válido ou correctamente construído, é constituído por premissas verdadeiras.  2 – Criticar argumentos negando que alguma das premissas seja verdadeira ou de certa forma indiscutível. Antes de darmos algumas noções de como se debatem ou se refutam argumentos temos de prestar alguns esclarecimentos
  • 48. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS. O que faz de uma frase uma proposição ?  Uma frase só exprime uma proposição quando for declarativa e tiver valor de verdade.  Ser declarativa quer dizer que através dela exprimimos ideias e pensamentos.  Ter valor de verdade significa que a frase pode ser verdadeira ou falsa.
  • 49. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS. Exemplo de uma proposição:  A frase: O leão é o símbolo do Sporting É uma proposição porque é uma frase declarativa com valor de verdade, neste caso do nosso conhecimento.
  • 50. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS.  Para que uma frase exprima uma proposição, é necessário que seja declarativa, mas isso não é suficiente.  Uma frase só exprime uma proposição se, além de declarativa, tiver um valor de verdade, isto é, for classificável como verdadeira ou falsa  Uma frase declarativa tem valor de verdade, mesmo que não saibamos se é verdadeira ou falsa.
  • 51. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS.  Proposições: Frases declarativas com sentido e com valor de verdade – que ou são verdadeiras ou são falsas – mesmo que o desconheçamos e que ainda não o tenhamos descoberto.  Exemplos: 1 – Hoje é feriado. 2 – Domingo é dia de descanso para toda a gente.
  • 52. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS. As proposições universais: o que são ?  As proposições universais são proposições que se referem a todos os elementos de um conjunto ou classe de objectos.  Exemplos: 1 – Todos os computadores têm memória; 2 – Nenhum ser humano é de plástico; 3 – Todos os animais têm direitos.
  • 53. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS. Como se refuta uma proposição universal? Como a proposição universal deve ser verdadeira para todos os casos, então basta encontrar um caso em que esta não seja verdadeira para a contrariar.
  • 54. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS. As proposições condicionais: o que são ? São condicionais todas as proposições que podemos representar na forma: Se A, então B. Se estudar então passo.
  • 55. 6. A LÓGICA É IMPORTANTE PARA A FILOSOFIA PORQUE ESTA CONSISTE NA DISCUSSÃO DE ARGUMENTOS E DE IDEIAS. Como se refuta uma proposição condicional?  Exemplo: Se ganhar o jogo, então pago o jantar.  Esta proposição só será falsa se a pessoa ganhar o jogo, mas não pagar o jantar.
  • 56. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS  Atividade 1: II 1.Não saber o que são deveres é não ter direitos. Os animais não sabem o que são deveres. Logo, os animais não têm direitos. 2.Todas as mulheres são inteligentes. A Joana é mulher. Logo, Joana é inteligente.
  • 57. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 3.Roubar é um ato errado. Os atos errados devem ser punidos. Logo, Quem rouba deve ser punido. 4.O que é azul e branco é colorido. A fachada deste prédio é azul e branca. Logo, a fachada deste prédio é colorida. 5. Os polígonos são figuras geométricas. Os triângulos são polígonos Logo, triângulos são figuras geométricas
  • 58. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 6. Trata – se de uma proposição (complexa) e não de um argumento porque nada se justifica ou defende através de outra proposição. 7. Todas as pessoas que adoram a seleção nacional de futebol do seu país são patriotas. Todos os portugueses adoram a seleção nacional de futebol do seu país. Logo, todos os portugueses são patriotas.
  • 59. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 8. O melhor clube de futebol do mundo é o que tem mais títulos. O Real Madrid é o clube que tem mais títulos. Logo, o Real Madrid é o melhor clube do mundo. 9. Todos os benfiquistas gostam do Manchester United. Alguns portugueses são benfiquistas. Logo, alguns portugueses gostam do Manchester United.
  • 60. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 10. As pessoas estúpidas são as que não agem sempre condicionadas pelos seus interesses. As pessoas não são estúpidas. Logo, as pessoas agem sempre condicionadas pelos seus interesses. 11. Todos os seres humanos têm uma dignidade absoluta. O aborto é uma violação da absoluta dignidade do ser humano. O que viola a dignidade absoluta do ser humano é errado. Logo, o aborto é errado.
  • 61. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 12. A melhor forma de punição para o assassínio é a mais severa. A prisão perpétua é uma forma de punição mais severa do que a pena de morte. Logo, a pena de morte não é a melhor forma de punição para o assassínio.( A prisão perpétua é melhor forma de punição do assassínio do que a pena de morte) 13. Se têm dinheiro, então a vida de muitas pessoas tem sentido. Ora, muitas pessoas não têm dinheiro. Logo, a vida de muitas pessoas não tem sentido.
  • 62. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 14. Se trabalhares, então terás sucesso. Ora, não trabalhas (não tens vontade de trabalhar). Logo, não terás sucesso. III 1. Não és a minha mãe biológica. Como os documentos provam que alguém foi adoptado, então conclui-se que certa pessoa não é a sua mãe biológica. 2. Devemos casar tarde. É conveniente casar tarde. Como se justifica esta conclusão? Dizendo há risco de divórcio para quem casa cedo.
  • 63. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 3. Os peixes não respiram. Apesar de falsa, esta é a conclusão. Como se diz que só o que tem pulmões respira e se diz também que os peixes não têm pulmões, conclui-se que os peixes não respiram. 4. É um erro julgar que os problemas de saúde das pessoas podem ser resolvidos exclusivamente por meio de medicamentos. Como se justifica a conclusão? Dizendo que os problemas de saúde não são somente bioquímicos. Têm também a ver com factores psíquicos e estilos de vida (sociais). Daí ser errado pensar em tratá-los somente por meio de fármacos.
  • 64. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 5. Um computador não pode fazer batota num jogo de xadrez. Não tem vontade própria e isso é condição necessária do acto de fazer batota. IV 1. Argumento: P1 – Todos os adeptos de clubes com historial de grandes sucessos são desportistas. P2 – Os benfiquistas são adeptos de clube com um historial de grandes sucessos. C – Logo, todos os benfiquistas são desportistas.
  • 65. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 2. Argumento: P1 – Todos os católicos são pessoas que acreditam na divindade de Jesus. P2 – Nenhum judeu é pessoa que acredite na divindade de Jesus. C - Logo, nenhum judeu é católico. 3. Argumento: P1 – Todas as pessoas que gostam dos Pink Floyd são pessoas com bom gosto. P2 – Todas as pessoas que gostam dos Pink Floyd são pessoas que não gostam dos Génesis. C – Logo, algumas pessoas com bom gosto são pessoas que não gostam dos Génesis.
  • 66. SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS 4. Argumento: P1 - Todas as obras artísticas são obras belas. P2 - As obras de arte moderna não são obras belas. C - Logo, as obras de arte moderna não são obras artísticas. 5. Argumento: P1 – Países com gente de mentalidade desportiva pobre são países que sobrevalorizam triunfos com pouca importância no futebol mundial P2 – Portugal é um país que sobrevalorizou triunfos com pouca importância no futebol mundial (Os triunfos dos sub-21) C – Logo, Portugal é um país com gente de mentalidade desportiva pobre.