SlideShare uma empresa Scribd logo
CULTURA NO PLURAL
PROF. ÍTALO COLARES
A questão cultural: um campo de tensões.
A palavra cultura possui vários significados.
Algumas com forte concepção preconceituosa.
Algo que a Sociologia não pode compactuar.
A cultura corresponde a um modo
compartilhado por um coletivo de produzir
significados, relações e coisas.
Assim, a cultura é algo dinâmico e histórico.
 A MULTIPLICIDADE DAS CULTURAS
O QUE É CULTURA?
Em um sentido amplo, significa tudo aquilo que
o ser humano faz e pensa, isto é, conjunto de
tradições e invenções de produções simbólicas e
materiais que singularizam coletivos.
Quem produz cultura?
O ser humano é um ser cultural.
A cultura pode materializar-se em uma obra
específica, ou em uma tradição coletiva.
A Sociologia que estuda a vida cultural e
reconhece a existência de diferentes matrizes
de cultura.
Uma tipologia possível é dividir sua produção
em:
 Cultura Erudita  Cultura popular
Após a década de 1970 surgiu um fenômeno
novo: a diluição ou o declínio dos limites entre
essas duas formas de cultura, se é que algum dia
tais fronteiras foram estanques.
Pode-se dizer que a cultura popular elabora e
expressa os valores e a visão de mundo das
camadas sociais subordinadas.
CULTURA POPULAR E IDENTIDADE BRASILEIRA
No Brasil, a cultura popular teve grande evolução
no ramo da música. Nos morros cariocas, desde o
final do século XIX, desenvolveu-se um tipo de
música, que era elaborada coletivamente.
Os músicos e poetas não tinham a noção do
romantismo europeu do século XIX e da cultura
burguesa, de artista ou de arte.
Eles não se consideravam compositores, não
valorizavam a ideia de autoria . A produção musical
foi feita de forma espontânea e coletiva.
Essa música era o PAGODE.
O BERÇO DO SAMBA
No início do séc. XX, a cultura
popular brasileira quase
desaparece. O advento do
Estado Novo Varguista acabou
por quebrar definitivamente,
o que ocorreu porque o
governo necessitou forjar uma
cultura nacional, capaz de
oferecer uma identidade aos
brasileiros das mais diversas
regiões.
Em 1936 a Rádio Nacional do Rio de Janeiro foi
estatizada em 1940 e transformada na emissora
oficial do governo. Caberia a ela buscar promover a
unificação cultural do Brasil.
A Rádio estimulou o aparecimento de um gênero
musical capaz de despertar em cada cidadão um
sentimento correspondente aos valores e emoções
típicos do brasileiro.
Esse gênero foi o SAMBA.
O terno do artista
A criação da indústria fonográgica no país também
ocorreu no período em que apareceram duas
gravadoras. Elas liquidaram os músicos anônimos,
ligados a comunidade. Para estimular a adoção de
uma postura profissional.
O “brasileiro típico”
A indústria cultural apropriou-se das formas
espontâneas da cultura popular. Esse processo
assinalou o nascimento de uma nova onde cultural no
país.
Nesse período, a questão cultural mostrou-se
elemento forjador na construção da “identidade
nacional”.
A CULTURA POPULAR E A POLÍTICA
Ressurgida na década de 1960, dominando o
campo das artes antes do golpe militar de 1964.
Nesse período através da UNE que estimulou a
organização dos Centros Populares de Cultura.
A cultua popular era então concebida como uma
cultura política, capaz de resistir à produção da
indústria cultural. Entretanto, logo após o golpe
militar a repressão foi violenta e truculenta. Gerando
assim um forte sentimento de oposição ao regime
militar. Apareceram assim...
Duplo Controle
Robert Schwarz afirmava que depois de 1964 a vida
política do país passou a ser controlada pela direita,
enquanto a vida cultural era controlada pela
esquerda.
Assim os militares decretaram o
Com a política da censura, os militares pretendiam
eliminar o controle da vida cultural por parte da
esquerda. Ao mesmo tempo, que o governo procurou
estimular a modernização da indústria cultural.
DISSOLUÇÃO DAS FRONTEIRAS CULTURAIS
A partir da década 1970 a indústria cultura
predomina no Brasil.
A linha demarcatória entre cultura “superior” ou
“erudita” e a “popular” ou “de massa” perdeu a
nitidez.
Esse enfraquecimento deu hegemonia a indústria
cultural, mas mesmo assim a cultura popular se
manteve na memória do povo e assim, na criação
do povo, ela se tornou um patrimônio histórico
popular.
Cultura no Plural
Cultura Material
O patrimônio material é formado por um conjunto de bens
culturais classificados segundo sua natureza: arqueológico,
paisagístico e etnográfico; histórico; belas artes; e das artes
aplicadas. Eles estão divididos em bens imóveis e móveis.
Cultura Imaterial
Os bens culturais imateriais estão relacionados aos saberes, às
habilidades, às crenças, às práticas, ao modo de ser das pessoas.
Patrimônio Imaterial é transmitido de geração em geração e
constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função
de seu ambiente, interação com a natureza e sua história,
gerando um sentimento de identidade e continuidade,
contribuindo, assim, para promover o respeito à diversidade
cultural e à criatividade humana.
CULTURA E IDEOLOGIA
A questão da cultura está relacionada com a
política, com a dominação social, com a afirmação
ou contestação dos valores socialmente
dominantes.
VÍNCULO DIRETO
O vínculo entre trabalho e cultura é direto, pois,
existem laços imediatos entre aqueles que trabalham
e aqueles que produzem cultura, no sentido de
expressões artísticas ou simbólicas.
LAZER E DIVERSÃO
Uma sociedade industrial exige enorme divisão do
trabalho. Essa divisão acarreta uma separação entreo
trabalho manual e o trabalho intelectual.
Nessa situação, o vínculo entre o trabalho e o
produto cultural é rompido.
A cultura é produzida por especialistas, que
conhecem e dominam os meios técnicos da produção
cultural.
Os produtos que os trabalhadores intelectuais
fabricam no âmbito da indústria cultural destinam-se
basicamente ao entretenimento e à diversão. Eles
servem para amenizar o esgotamento do trabalhador
fabril.
A oferta de bens culturais massificados é
amplamente favorável à produção e reprodução de
uma certa ideologia.
1) A indústria cultural induz ao conformismo e à
aceitação do status quo.
2) Os produtores culturais tendem, por sua posição
social relativamente privilegiada, a fazer crer que essa
é a ordem natural da sociedade.
CULTURA E REIFICAÇÃO
INVERSÃO DA REALIDADE
Produtores e consumidores de cultura tecem uma
representação burguesa e ideologizada de cultura,
anulando seu potencial crítico.
Esse fenômeno é chamado na teoria social crítica de
REIFICAÇÃO. Tal conceito designa o endurecimento
da consciência, mostrando-se incapaz de entender os
motivos profundos da dinâmica social.
A reificação produz uma inversão da realidade.
Tal consciência adere às frases prontas, aos chavões,
aos slogans e às palavras de ordem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação da Relações Étnico-Raciais - Apresentação Deborah Moema
Educação da Relações Étnico-Raciais -  Apresentação Deborah MoemaEducação da Relações Étnico-Raciais -  Apresentação Deborah Moema
Educação da Relações Étnico-Raciais - Apresentação Deborah Moema
coordenacaodiversidade
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Turma Olímpica
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
Edenilson Morais
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
Ariella Araujo
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
Cristofer Castillo
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
Maira Conde
 
Cultura e vida social
Cultura e vida socialCultura e vida social
Cultura e vida social
EEBMiguelCouto
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
Isaquel Silva
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Beatriz Schnaider Tontini
 
Mobilidade social
Mobilidade socialMobilidade social
Mobilidade social
Gabriel D
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
Julhinha Camara
 
Planejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologiaPlanejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologia
Sandro Lima
 
Classes sociais e estratifica
Classes sociais e estratificaClasses sociais e estratifica
Classes sociais e estratifica
VitoriaNunes
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
carlosbidu
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
Paula Meyer Piagentini
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
EEBMiguelCouto
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
Jonathas Morato da Costa
 

Mais procurados (20)

Educação da Relações Étnico-Raciais - Apresentação Deborah Moema
Educação da Relações Étnico-Raciais -  Apresentação Deborah MoemaEducação da Relações Étnico-Raciais -  Apresentação Deborah Moema
Educação da Relações Étnico-Raciais - Apresentação Deborah Moema
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do TrabalhoSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Divisão Social do Trabalho
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
 
Cultura e vida social
Cultura e vida socialCultura e vida social
Cultura e vida social
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
 
Estratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade SocialEstratificação e Desigualdade Social
Estratificação e Desigualdade Social
 
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Mobilidade social
Mobilidade socialMobilidade social
Mobilidade social
 
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIAALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
ALIENAÇÃO E IDEOLOGIA
 
Planejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologiaPlanejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologia
 
Classes sociais e estratifica
Classes sociais e estratificaClasses sociais e estratifica
Classes sociais e estratifica
 
Indivíduo e Sociedade
Indivíduo e SociedadeIndivíduo e Sociedade
Indivíduo e Sociedade
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
 

Destaque

Unificações europeias
Unificações europeias Unificações europeias
Unificações europeias
Italo Colares
 
Frases de Pensadores
Frases de PensadoresFrases de Pensadores
Frases de Pensadores
Italo Colares
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
Italo Colares
 
Filosofia introdução
Filosofia   introduçãoFilosofia   introdução
Filosofia introdução
Italo Colares
 
Violência e concórdia
Violência e concórdiaViolência e concórdia
Violência e concórdia
Italo Colares
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
Italo Colares
 
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnoOs Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
colegiomb
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.
Italo Colares
 
O estado contemporaneo
O estado contemporaneoO estado contemporaneo
O estado contemporaneo
Italo Colares
 
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
Italo Colares
 
Desigualdade de gênero na família e na sociedade
Desigualdade de gênero na família e na sociedadeDesigualdade de gênero na família e na sociedade
Desigualdade de gênero na família e na sociedade
Italo Colares
 
Desafio democrático
Desafio democráticoDesafio democrático
Desafio democrático
Italo Colares
 
Fascimo e nazismo
Fascimo e nazismoFascimo e nazismo
Fascimo e nazismo
Italo Colares
 
Povos mesopotâmicos
Povos mesopotâmicosPovos mesopotâmicos
Povos mesopotâmicos
Italo Colares
 
Periodo entre guerras
Periodo entre guerrasPeriodo entre guerras
Periodo entre guerras
Italo Colares
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
Italo Colares
 
O conhecimento mítico
O conhecimento míticoO conhecimento mítico
O conhecimento mítico
Italo Colares
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Cultura e arte
Cultura e arteCultura e arte
Cultura e arte
Italo Colares
 
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
O que é a filosofia   os problemas filosóficos.O que é a filosofia   os problemas filosóficos.
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
Luis De Sousa Rodrigues
 

Destaque (20)

Unificações europeias
Unificações europeias Unificações europeias
Unificações europeias
 
Frases de Pensadores
Frases de PensadoresFrases de Pensadores
Frases de Pensadores
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
 
Filosofia introdução
Filosofia   introduçãoFilosofia   introdução
Filosofia introdução
 
Violência e concórdia
Violência e concórdiaViolência e concórdia
Violência e concórdia
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
 
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnoOs Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.
 
O estado contemporaneo
O estado contemporaneoO estado contemporaneo
O estado contemporaneo
 
Filosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula PalestraFilosofia ENEM Aula Palestra
Filosofia ENEM Aula Palestra
 
Desigualdade de gênero na família e na sociedade
Desigualdade de gênero na família e na sociedadeDesigualdade de gênero na família e na sociedade
Desigualdade de gênero na família e na sociedade
 
Desafio democrático
Desafio democráticoDesafio democrático
Desafio democrático
 
Fascimo e nazismo
Fascimo e nazismoFascimo e nazismo
Fascimo e nazismo
 
Povos mesopotâmicos
Povos mesopotâmicosPovos mesopotâmicos
Povos mesopotâmicos
 
Periodo entre guerras
Periodo entre guerrasPeriodo entre guerras
Periodo entre guerras
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
 
O conhecimento mítico
O conhecimento míticoO conhecimento mítico
O conhecimento mítico
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Cultura e arte
Cultura e arteCultura e arte
Cultura e arte
 
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
O que é a filosofia   os problemas filosóficos.O que é a filosofia   os problemas filosóficos.
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
 

Semelhante a Cultura no Plural

O que se entende por cultura
O que se entende por culturaO que se entende por cultura
O que se entende por cultura
Ivon Rodrigues
 
da cultura popular a cultura negra
da cultura popular a cultura negrada cultura popular a cultura negra
da cultura popular a cultura negra
Alex Sandro
 
Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
licasoler
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
Edvilson Itb
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
UNEB
 
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia  cultura - 2º ano- estudar para provaSociologia  cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Socorro Vasconcelos
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
UNIP. Universidade Paulista
 
1469658.ppt
1469658.ppt1469658.ppt
1469658.ppt
EduardoSoaresGuia2
 
Cultura e Humanização
Cultura e HumanizaçãoCultura e Humanização
Cultura e Humanização
Wendell Santos
 
Unidade 1 - Aula 2 - Cultura popular, folclore e cultura popular brasileira
Unidade 1 - Aula 2 - Cultura popular, folclore e cultura popular brasileiraUnidade 1 - Aula 2 - Cultura popular, folclore e cultura popular brasileira
Unidade 1 - Aula 2 - Cultura popular, folclore e cultura popular brasileira
Cleverson Domingos
 
T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000
Elisio Estanque
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
aulasgege
 
Experienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latinaExperienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latina
CBD0282 - Estados e Formas da Cultura na Atualidade
 
Ppt_Aula_Cultura-industria.pdf
Ppt_Aula_Cultura-industria.pdfPpt_Aula_Cultura-industria.pdf
Ppt_Aula_Cultura-industria.pdf
LeandroMarinho25
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Péricles Penuel
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
WillianVieira54
 
Aula 20 cultura, conhecimento e poder
Aula 20   cultura, conhecimento e poderAula 20   cultura, conhecimento e poder
Aula 20 cultura, conhecimento e poder
Claudio Henrique Ramos Sales
 
ESTUDO DIRECIONADO DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA.pdf
ESTUDO DIRECIONADO DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA.pdfESTUDO DIRECIONADO DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA.pdf
ESTUDO DIRECIONADO DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA.pdf
DeniseSilva92
 

Semelhante a Cultura no Plural (20)

O que se entende por cultura
O que se entende por culturaO que se entende por cultura
O que se entende por cultura
 
da cultura popular a cultura negra
da cultura popular a cultura negrada cultura popular a cultura negra
da cultura popular a cultura negra
 
Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
 
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia  cultura - 2º ano- estudar para provaSociologia  cultura - 2º ano- estudar para prova
Sociologia cultura - 2º ano- estudar para prova
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
 
1469658.ppt
1469658.ppt1469658.ppt
1469658.ppt
 
Cultura e Humanização
Cultura e HumanizaçãoCultura e Humanização
Cultura e Humanização
 
Unidade 1 - Aula 2 - Cultura popular, folclore e cultura popular brasileira
Unidade 1 - Aula 2 - Cultura popular, folclore e cultura popular brasileiraUnidade 1 - Aula 2 - Cultura popular, folclore e cultura popular brasileira
Unidade 1 - Aula 2 - Cultura popular, folclore e cultura popular brasileira
 
T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000T12 povo como construção social, 2000
T12 povo como construção social, 2000
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Experienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latinaExperienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latina
 
Ppt_Aula_Cultura-industria.pdf
Ppt_Aula_Cultura-industria.pdfPpt_Aula_Cultura-industria.pdf
Ppt_Aula_Cultura-industria.pdf
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
 
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 -  Cultura e Antropologia.pptxMaterial 7 -  Cultura e Antropologia.pptx
Material 7 - Cultura e Antropologia.pptx
 
Aula 20 cultura, conhecimento e poder
Aula 20   cultura, conhecimento e poderAula 20   cultura, conhecimento e poder
Aula 20 cultura, conhecimento e poder
 
ESTUDO DIRECIONADO DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA.pdf
ESTUDO DIRECIONADO DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA.pdfESTUDO DIRECIONADO DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA.pdf
ESTUDO DIRECIONADO DA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA.pdf
 

Mais de Italo Colares

Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Italo Colares
 
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Italo Colares
 
Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.
Italo Colares
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
Italo Colares
 
Instituicoes Sociais
Instituicoes SociaisInstituicoes Sociais
Instituicoes Sociais
Italo Colares
 
A sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidianoA sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidiano
Italo Colares
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
Italo Colares
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundial Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
Italo Colares
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Italo Colares
 
Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.
Italo Colares
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
Italo Colares
 
Karl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociaisKarl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociais
Italo Colares
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
Italo Colares
 
O que é a natureza humana
O que é a natureza humanaO que é a natureza humana
O que é a natureza humana
Italo Colares
 

Mais de Italo Colares (14)

Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
Mod. 05 cap. 04 as mutações da família.
 
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
Mod. 05 cap. 03 consumo e lazer.
 
Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.Sociologia. Tribos.
Sociologia. Tribos.
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
 
Instituicoes Sociais
Instituicoes SociaisInstituicoes Sociais
Instituicoes Sociais
 
A sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidianoA sociologia aplicada ao cotidiano
A sociologia aplicada ao cotidiano
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
 
Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundial Segunda guerra mundial
Segunda guerra mundial
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
 
Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.Conhecimento pela arte.
Conhecimento pela arte.
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Karl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociaisKarl marx e as classes sociais
Karl marx e as classes sociais
 
Feio ou bonito
Feio ou bonitoFeio ou bonito
Feio ou bonito
 
O que é a natureza humana
O que é a natureza humanaO que é a natureza humana
O que é a natureza humana
 

Último

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 

Cultura no Plural

  • 1. CULTURA NO PLURAL PROF. ÍTALO COLARES
  • 2. A questão cultural: um campo de tensões. A palavra cultura possui vários significados. Algumas com forte concepção preconceituosa. Algo que a Sociologia não pode compactuar. A cultura corresponde a um modo compartilhado por um coletivo de produzir significados, relações e coisas. Assim, a cultura é algo dinâmico e histórico.
  • 3.  A MULTIPLICIDADE DAS CULTURAS O QUE É CULTURA? Em um sentido amplo, significa tudo aquilo que o ser humano faz e pensa, isto é, conjunto de tradições e invenções de produções simbólicas e materiais que singularizam coletivos.
  • 4. Quem produz cultura? O ser humano é um ser cultural. A cultura pode materializar-se em uma obra específica, ou em uma tradição coletiva.
  • 5. A Sociologia que estuda a vida cultural e reconhece a existência de diferentes matrizes de cultura. Uma tipologia possível é dividir sua produção em:  Cultura Erudita  Cultura popular
  • 6. Após a década de 1970 surgiu um fenômeno novo: a diluição ou o declínio dos limites entre essas duas formas de cultura, se é que algum dia tais fronteiras foram estanques. Pode-se dizer que a cultura popular elabora e expressa os valores e a visão de mundo das camadas sociais subordinadas.
  • 7. CULTURA POPULAR E IDENTIDADE BRASILEIRA No Brasil, a cultura popular teve grande evolução no ramo da música. Nos morros cariocas, desde o final do século XIX, desenvolveu-se um tipo de música, que era elaborada coletivamente. Os músicos e poetas não tinham a noção do romantismo europeu do século XIX e da cultura burguesa, de artista ou de arte. Eles não se consideravam compositores, não valorizavam a ideia de autoria . A produção musical foi feita de forma espontânea e coletiva. Essa música era o PAGODE.
  • 8. O BERÇO DO SAMBA No início do séc. XX, a cultura popular brasileira quase desaparece. O advento do Estado Novo Varguista acabou por quebrar definitivamente, o que ocorreu porque o governo necessitou forjar uma cultura nacional, capaz de oferecer uma identidade aos brasileiros das mais diversas regiões.
  • 9. Em 1936 a Rádio Nacional do Rio de Janeiro foi estatizada em 1940 e transformada na emissora oficial do governo. Caberia a ela buscar promover a unificação cultural do Brasil. A Rádio estimulou o aparecimento de um gênero musical capaz de despertar em cada cidadão um sentimento correspondente aos valores e emoções típicos do brasileiro. Esse gênero foi o SAMBA.
  • 10. O terno do artista A criação da indústria fonográgica no país também ocorreu no período em que apareceram duas gravadoras. Elas liquidaram os músicos anônimos, ligados a comunidade. Para estimular a adoção de uma postura profissional.
  • 11. O “brasileiro típico” A indústria cultural apropriou-se das formas espontâneas da cultura popular. Esse processo assinalou o nascimento de uma nova onde cultural no país. Nesse período, a questão cultural mostrou-se elemento forjador na construção da “identidade nacional”.
  • 12. A CULTURA POPULAR E A POLÍTICA Ressurgida na década de 1960, dominando o campo das artes antes do golpe militar de 1964. Nesse período através da UNE que estimulou a organização dos Centros Populares de Cultura.
  • 13. A cultua popular era então concebida como uma cultura política, capaz de resistir à produção da indústria cultural. Entretanto, logo após o golpe militar a repressão foi violenta e truculenta. Gerando assim um forte sentimento de oposição ao regime militar. Apareceram assim...
  • 14. Duplo Controle Robert Schwarz afirmava que depois de 1964 a vida política do país passou a ser controlada pela direita, enquanto a vida cultural era controlada pela esquerda. Assim os militares decretaram o
  • 15. Com a política da censura, os militares pretendiam eliminar o controle da vida cultural por parte da esquerda. Ao mesmo tempo, que o governo procurou estimular a modernização da indústria cultural.
  • 16. DISSOLUÇÃO DAS FRONTEIRAS CULTURAIS A partir da década 1970 a indústria cultura predomina no Brasil. A linha demarcatória entre cultura “superior” ou “erudita” e a “popular” ou “de massa” perdeu a nitidez. Esse enfraquecimento deu hegemonia a indústria cultural, mas mesmo assim a cultura popular se manteve na memória do povo e assim, na criação do povo, ela se tornou um patrimônio histórico popular.
  • 18. Cultura Material O patrimônio material é formado por um conjunto de bens culturais classificados segundo sua natureza: arqueológico, paisagístico e etnográfico; histórico; belas artes; e das artes aplicadas. Eles estão divididos em bens imóveis e móveis. Cultura Imaterial Os bens culturais imateriais estão relacionados aos saberes, às habilidades, às crenças, às práticas, ao modo de ser das pessoas. Patrimônio Imaterial é transmitido de geração em geração e constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, interação com a natureza e sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade, contribuindo, assim, para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana.
  • 19. CULTURA E IDEOLOGIA A questão da cultura está relacionada com a política, com a dominação social, com a afirmação ou contestação dos valores socialmente dominantes.
  • 20. VÍNCULO DIRETO O vínculo entre trabalho e cultura é direto, pois, existem laços imediatos entre aqueles que trabalham e aqueles que produzem cultura, no sentido de expressões artísticas ou simbólicas.
  • 21. LAZER E DIVERSÃO Uma sociedade industrial exige enorme divisão do trabalho. Essa divisão acarreta uma separação entreo trabalho manual e o trabalho intelectual. Nessa situação, o vínculo entre o trabalho e o produto cultural é rompido. A cultura é produzida por especialistas, que conhecem e dominam os meios técnicos da produção cultural.
  • 22. Os produtos que os trabalhadores intelectuais fabricam no âmbito da indústria cultural destinam-se basicamente ao entretenimento e à diversão. Eles servem para amenizar o esgotamento do trabalhador fabril.
  • 23. A oferta de bens culturais massificados é amplamente favorável à produção e reprodução de uma certa ideologia. 1) A indústria cultural induz ao conformismo e à aceitação do status quo. 2) Os produtores culturais tendem, por sua posição social relativamente privilegiada, a fazer crer que essa é a ordem natural da sociedade. CULTURA E REIFICAÇÃO
  • 24. INVERSÃO DA REALIDADE Produtores e consumidores de cultura tecem uma representação burguesa e ideologizada de cultura, anulando seu potencial crítico. Esse fenômeno é chamado na teoria social crítica de REIFICAÇÃO. Tal conceito designa o endurecimento da consciência, mostrando-se incapaz de entender os motivos profundos da dinâmica social.
  • 25. A reificação produz uma inversão da realidade. Tal consciência adere às frases prontas, aos chavões, aos slogans e às palavras de ordem.