SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
A estrutura lógica
do discurso
COMO SE ESTRUTURA O DISCURSO
ARGUMENTATIVO?
O discurso argumentativo: estrutura
• O discurso argumentativo é analisado segundo as suas
componentes que são:
• 1. Os Conceitos ou Termos
O primeiro elemento que compõe a estrutura do
discurso argumentativo é o conceito.
O conceito é uma abstração, ou ideia. É produto do
pensamento e pretende pensar e referir classes de
objetos com as mesmas características.
Os conceitos expressam-se por termos
• Termo é a parte linguística do conceito, expressa um
conceito:
• Pode haver o mesmo termo com conceitos diferentes:
• Exemplo: Vela (pode ser um objeto de cera para iluminar ou um
objeto que serve para suportar o vento e permitir a um barco
navegar.
• Também pode haver o mesmo conceito com diferentes termos:
Exemplo: Dog, cão, perro.
Em lógica formal o termo pode ser
substituído por uma letra.
• Aos conceitos, quando expressos numa linguagem , chamamos
Termos Gerais.
• Distinguem-se dos termos singulares que expressam nomes,
classes com apenas um elemento.
• Na lógica formal (que faz abstração do conteúdo) ou dedutiva
podemos formalizar os conceitos substituindo-os por letras
porque o seu conteúdo é irrelevante.(chamam-se variáveis).
Juízos ou proposições
• A relação entre conceitos/termos permite manifestar o nosso
conhecimento do mundo. Exemplo:
“O Sol é uma estrela. “ ou “ O Sol não é um planeta” Ao
relacionar conceitos fazemos juízos, isto é declarações sobre
os conceitos. Nestas declarações pode-se afirmar ou negar um
conceito de outro.
Proposições
• Os juízos, quando são traduzidos numa qualquer linguagem,
chamam-se proposições.
• AS PROPOSIÇÕES SÂO FRASES DECLARATIVAS COM
VALOR DE VERDADE, isto é, podem ser verdadeiras ou
falsas.
• Serão verdadeiras quando o conteúdo do que é pensado e dito
corresponde à realidade e falsas se isso não ocorrer.
Nem todas as frases são proposições.
• Há frases que não são proposições porque não são
verdadeiras nem falsas. Por exemplo:
“Aconselho-te a pagar impostos” ou “ Importas-te de fechar a
porta!”
A proposição é o conteúdo da frase (O juízo que a frase
enuncia).
A proposição é o conteúdo da frase
• FRASES DIFERENTES PODEM CORRESPONDER À
MESMA PROPOSIÇÃO.
Exemplo: "Le garçon est simpatique"
"O rapaz é simpático"
• Ou
• "O governo representa o poder executivo"
• " O poder executivo é representado pelo governo"
Em lógica formal podemos usar uma
linguagem simbólica
• Na linguagem da lógica formal porque podemos substituir a
linguagem natural por uma linguagem simbólica, uma vez que
em lógica formal o conteúdo do que se diz é irrelevante e
apenas interessa a forma lógica ou estrutura do raciocínio.
Tipos de proposições:
• São muitos os juízos/proposições que fazemos sobre a
realidade. Vamos estudar quatro tipos de proposições, as mais
elementares:
Proposições simples, chamadas Categóricas: Forma padrão: A
é B. Exemplo: “Estrela é um astro com luz própria.” Estudadas
por Aristóteles.
”
Proposições complexas
Proposições complexas, formadas por duas ou mais
proposições simples.
Condicionais ou hipotéticas; Forma padrão: Se A então B
Exemplo: “Se as estrelas são astros então são corpos do
universo”
Disjuntivas: Forma padrão; Ou A ou B “ Ou as estrelas são
acessíveis ao homem ou só podemos fazer conjeturas sobre
elas.”
Conjuntivas: Forma padrão A e B " O autor da Metafísica é grego
e é filósofo"
Os raciocínios ou argumentos
• 3. Os Raciocínios ou Argumentos.
Com os juízos/proposições podemos construir raciocínios. Os
raciocínios quando expressos numa linguagem chamam-se
argumentos. Os raciocínios/argumentos são inferências em que
de uma ou mais proposições retiramos uma outra que é a
conclusão.
Premissas e conclusão
Os elementos que constituem o argumento são as
Premissas (as proposições que sustentam
racionalmente a conclusão) e
A conclusão ( proposição sustentada e justificada pelas
premissas).
Os argumentos são o objeto de estudo da lógica.
Na análise lógica do discurso:
• Devemos saber isolar os argumentos.
• Distinguir as premissas da conclusão.
• Indicadores de premissas: Porque, Já que..., Dado que...sendo
que...etc
• Indicadores de conclusão:
• Logo, então, portanto, daí, por isso. etc
Há duas grandes classes de argumentos:
DEDUTIVOS E INDUTIVOS
• Os argumentos dedutivos são estudados na lógica formal
porque podem ser reduzidos a uma forma lógica.
Os argumentos dedutivos utilizam nas premissas e conclusão
proposições do tipo que vimos acima. Sendo chamados de
Silogismos (se utilizam proposições categóricas) Hipotéticos
(se utilizam proposições hipotéticas) e Disjuntivos (Se utilizam
proposições disjuntivas) e conjunções.
Argumentos não dedutivos ou indutivos
• Para além dos raciocínios/argumentos dedutivos há outros
tipos de raciocínios/argumentos não dedutivos ou indutivos que
são estudados pela lógica informal. Estes não podem ser
reduzidos a uma forma lógica, a sua validade depende do
conteúdo das premissas e da conclusão.
Exemplo de argumentos dedutivos:
• Com proposições simples categóricas:
• ARGUMENTO NA FORMA PADRÃO:
• PREMISSA 1 - Todos os filósofos são pensadores lógicos.
• PREMISSA 2 - Sócrates é filósofo.
• CONLUSÃO - Logo, Sócrates é um pensador lógico.
Argumentos dedutivos com proposições
complexas condicionais:
• Argumentos na forma padrão:
• PREMISSA 1 - Se os filósofos defendem uma certa visão do
mundo então têm de usar argumentos.
PREMISSA 2 – Os filósofos defendem uma certa visão do
mundo.
• CONCLUSÃO - Então têm de usar argumentos.
ENTIMEMAS
• São argumentos em que uma das premissas está oculta mas se
subentende.
• Exemplo:
• Sócrates é filósofo. Logo, estuda lógica.
• (FALTA A PREMISSA TODOS OS FILÓSOFOS ESTUDAM LÓGICA)
• O objetivo da lógica é avaliar a validade dos argumentos, deste
modo devemos colocar os argumentos com a forma padrão-
Selecione os conceitos/termos e as
proposições deste texto:
Texto
• A solução não é a tecnologia. A tecnologia está na moda e
parece que vamos consertar a natureza com a tecnologia.
Só que a única coisa que conseguimos fazer com a
tecnologia foi acabar com muito do ambiente. Ainda
temos muito a aprender com a natureza. Isto não quer
dizer que a tecnologia não possa ajudar, mas a primeira
coisa é estudar. Ainda não estudámos todos os pontos de
como funciona uma floresta. As árvores são capazes de
fotossíntese e nós não conseguimos replicar isso com
tecnologia, até agora. Fazemos painéis solares muito
poluentes, com muitos gastos. Não há comparação com o
que faz a natureza. Além disso, é preciso perceber que o
que é mais barato para parar o CO2 [dióxido de carbono]
são as árvores.
Selecione o argumento
• Estabeleça as premissas e a conclusão.
• O que não faz parte do argumento não interessa.
Elabore um argumento a partir da figura:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresAcção Humana e os Valores
Acção Humana e os Valores
Jorge Barbosa
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
AidaCunha73
 
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduoComunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
Pedro Alves
 
As funções sintáticas - vocativo
As funções sintáticas - vocativoAs funções sintáticas - vocativo
As funções sintáticas - vocativo
António Fernandes
 

Mais procurados (20)

Filosofia 10. ano
Filosofia   10. anoFilosofia   10. ano
Filosofia 10. ano
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Estudar e Aprender na Universidade
Estudar e Aprender na UniversidadeEstudar e Aprender na Universidade
Estudar e Aprender na Universidade
 
A distinção validade verdade
A distinção validade verdadeA distinção validade verdade
A distinção validade verdade
 
Acção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresAcção Humana e os Valores
Acção Humana e os Valores
 
Texto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativoTexto expositivo explicativo
Texto expositivo explicativo
 
O dualismo cartesiano
O dualismo cartesianoO dualismo cartesiano
O dualismo cartesiano
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
 
Ciência com consciência
Ciência com consciênciaCiência com consciência
Ciência com consciência
 
Aula economia - modificado2
Aula   economia - modificado2Aula   economia - modificado2
Aula economia - modificado2
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
 
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofarCap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
Cap01.1 Abordagem introdutória à filosofia e ao filosofar
 
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduoComunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
 
As funções sintáticas - vocativo
As funções sintáticas - vocativoAs funções sintáticas - vocativo
As funções sintáticas - vocativo
 
Perfil Assertivo
Perfil AssertivoPerfil Assertivo
Perfil Assertivo
 
Aula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
Aula de filosofia antiga, tema: AntropogêneseAula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
Aula de filosofia antiga, tema: Antropogênese
 
Logica
LogicaLogica
Logica
 

Semelhante a A estrutura lógica do discurso.pptx

Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Rolando Almeida
 
Resumo 2º teste
Resumo 2º testeResumo 2º teste
Resumo 2º teste
Inês Mota
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
complementoindirecto
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Sônia Maciel Alves
 
Aula6 resumo-prof andre luiz
Aula6  resumo-prof andre luizAula6  resumo-prof andre luiz
Aula6 resumo-prof andre luiz
André Figundio
 

Semelhante a A estrutura lógica do discurso.pptx (20)

Filosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações IniciaisFilosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações Iniciais
 
Ensaio
EnsaioEnsaio
Ensaio
 
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio   como escrever um ensaio filosóficoArtur polónio   como escrever um ensaio filosófico
Artur polónio como escrever um ensaio filosófico
 
Como se estuda filosofia
Como se estuda filosofiaComo se estuda filosofia
Como se estuda filosofia
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 
A redação aula 1
A redação   aula 1A redação   aula 1
A redação aula 1
 
Como estudar
 Como estudar Como estudar
Como estudar
 
Resumo 2º teste
Resumo 2º testeResumo 2º teste
Resumo 2º teste
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
 
2 características da dissertação 9º ano 2009
2 características da dissertação    9º ano 20092 características da dissertação    9º ano 2009
2 características da dissertação 9º ano 2009
 
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdfComo escrever um ensaio filosófico.pdf
Como escrever um ensaio filosófico.pdf
 
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e FaláciasFilosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias
 
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKSModelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
 
Aula6 resumo-prof andre luiz
Aula6  resumo-prof andre luizAula6  resumo-prof andre luiz
Aula6 resumo-prof andre luiz
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
 
Orientações de redação
Orientações de redaçãoOrientações de redação
Orientações de redação
 
Orientações de redação
Orientações de redaçãoOrientações de redação
Orientações de redação
 
Topico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdfTopico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdf
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 

A estrutura lógica do discurso.pptx

  • 1. A estrutura lógica do discurso COMO SE ESTRUTURA O DISCURSO ARGUMENTATIVO?
  • 2. O discurso argumentativo: estrutura • O discurso argumentativo é analisado segundo as suas componentes que são: • 1. Os Conceitos ou Termos O primeiro elemento que compõe a estrutura do discurso argumentativo é o conceito. O conceito é uma abstração, ou ideia. É produto do pensamento e pretende pensar e referir classes de objetos com as mesmas características.
  • 3. Os conceitos expressam-se por termos • Termo é a parte linguística do conceito, expressa um conceito: • Pode haver o mesmo termo com conceitos diferentes: • Exemplo: Vela (pode ser um objeto de cera para iluminar ou um objeto que serve para suportar o vento e permitir a um barco navegar. • Também pode haver o mesmo conceito com diferentes termos: Exemplo: Dog, cão, perro.
  • 4. Em lógica formal o termo pode ser substituído por uma letra. • Aos conceitos, quando expressos numa linguagem , chamamos Termos Gerais. • Distinguem-se dos termos singulares que expressam nomes, classes com apenas um elemento. • Na lógica formal (que faz abstração do conteúdo) ou dedutiva podemos formalizar os conceitos substituindo-os por letras porque o seu conteúdo é irrelevante.(chamam-se variáveis).
  • 5. Juízos ou proposições • A relação entre conceitos/termos permite manifestar o nosso conhecimento do mundo. Exemplo: “O Sol é uma estrela. “ ou “ O Sol não é um planeta” Ao relacionar conceitos fazemos juízos, isto é declarações sobre os conceitos. Nestas declarações pode-se afirmar ou negar um conceito de outro.
  • 6. Proposições • Os juízos, quando são traduzidos numa qualquer linguagem, chamam-se proposições. • AS PROPOSIÇÕES SÂO FRASES DECLARATIVAS COM VALOR DE VERDADE, isto é, podem ser verdadeiras ou falsas. • Serão verdadeiras quando o conteúdo do que é pensado e dito corresponde à realidade e falsas se isso não ocorrer.
  • 7. Nem todas as frases são proposições. • Há frases que não são proposições porque não são verdadeiras nem falsas. Por exemplo: “Aconselho-te a pagar impostos” ou “ Importas-te de fechar a porta!” A proposição é o conteúdo da frase (O juízo que a frase enuncia).
  • 8. A proposição é o conteúdo da frase • FRASES DIFERENTES PODEM CORRESPONDER À MESMA PROPOSIÇÃO. Exemplo: "Le garçon est simpatique" "O rapaz é simpático" • Ou • "O governo representa o poder executivo" • " O poder executivo é representado pelo governo"
  • 9. Em lógica formal podemos usar uma linguagem simbólica • Na linguagem da lógica formal porque podemos substituir a linguagem natural por uma linguagem simbólica, uma vez que em lógica formal o conteúdo do que se diz é irrelevante e apenas interessa a forma lógica ou estrutura do raciocínio.
  • 10. Tipos de proposições: • São muitos os juízos/proposições que fazemos sobre a realidade. Vamos estudar quatro tipos de proposições, as mais elementares: Proposições simples, chamadas Categóricas: Forma padrão: A é B. Exemplo: “Estrela é um astro com luz própria.” Estudadas por Aristóteles. ”
  • 11. Proposições complexas Proposições complexas, formadas por duas ou mais proposições simples. Condicionais ou hipotéticas; Forma padrão: Se A então B Exemplo: “Se as estrelas são astros então são corpos do universo” Disjuntivas: Forma padrão; Ou A ou B “ Ou as estrelas são acessíveis ao homem ou só podemos fazer conjeturas sobre elas.” Conjuntivas: Forma padrão A e B " O autor da Metafísica é grego e é filósofo"
  • 12. Os raciocínios ou argumentos • 3. Os Raciocínios ou Argumentos. Com os juízos/proposições podemos construir raciocínios. Os raciocínios quando expressos numa linguagem chamam-se argumentos. Os raciocínios/argumentos são inferências em que de uma ou mais proposições retiramos uma outra que é a conclusão.
  • 13. Premissas e conclusão Os elementos que constituem o argumento são as Premissas (as proposições que sustentam racionalmente a conclusão) e A conclusão ( proposição sustentada e justificada pelas premissas). Os argumentos são o objeto de estudo da lógica.
  • 14. Na análise lógica do discurso: • Devemos saber isolar os argumentos. • Distinguir as premissas da conclusão. • Indicadores de premissas: Porque, Já que..., Dado que...sendo que...etc • Indicadores de conclusão: • Logo, então, portanto, daí, por isso. etc
  • 15. Há duas grandes classes de argumentos: DEDUTIVOS E INDUTIVOS • Os argumentos dedutivos são estudados na lógica formal porque podem ser reduzidos a uma forma lógica. Os argumentos dedutivos utilizam nas premissas e conclusão proposições do tipo que vimos acima. Sendo chamados de Silogismos (se utilizam proposições categóricas) Hipotéticos (se utilizam proposições hipotéticas) e Disjuntivos (Se utilizam proposições disjuntivas) e conjunções.
  • 16. Argumentos não dedutivos ou indutivos • Para além dos raciocínios/argumentos dedutivos há outros tipos de raciocínios/argumentos não dedutivos ou indutivos que são estudados pela lógica informal. Estes não podem ser reduzidos a uma forma lógica, a sua validade depende do conteúdo das premissas e da conclusão.
  • 17. Exemplo de argumentos dedutivos: • Com proposições simples categóricas: • ARGUMENTO NA FORMA PADRÃO: • PREMISSA 1 - Todos os filósofos são pensadores lógicos. • PREMISSA 2 - Sócrates é filósofo. • CONLUSÃO - Logo, Sócrates é um pensador lógico.
  • 18. Argumentos dedutivos com proposições complexas condicionais: • Argumentos na forma padrão: • PREMISSA 1 - Se os filósofos defendem uma certa visão do mundo então têm de usar argumentos. PREMISSA 2 – Os filósofos defendem uma certa visão do mundo. • CONCLUSÃO - Então têm de usar argumentos.
  • 19. ENTIMEMAS • São argumentos em que uma das premissas está oculta mas se subentende. • Exemplo: • Sócrates é filósofo. Logo, estuda lógica. • (FALTA A PREMISSA TODOS OS FILÓSOFOS ESTUDAM LÓGICA) • O objetivo da lógica é avaliar a validade dos argumentos, deste modo devemos colocar os argumentos com a forma padrão-
  • 20. Selecione os conceitos/termos e as proposições deste texto:
  • 21. Texto • A solução não é a tecnologia. A tecnologia está na moda e parece que vamos consertar a natureza com a tecnologia. Só que a única coisa que conseguimos fazer com a tecnologia foi acabar com muito do ambiente. Ainda temos muito a aprender com a natureza. Isto não quer dizer que a tecnologia não possa ajudar, mas a primeira coisa é estudar. Ainda não estudámos todos os pontos de como funciona uma floresta. As árvores são capazes de fotossíntese e nós não conseguimos replicar isso com tecnologia, até agora. Fazemos painéis solares muito poluentes, com muitos gastos. Não há comparação com o que faz a natureza. Além disso, é preciso perceber que o que é mais barato para parar o CO2 [dióxido de carbono] são as árvores.
  • 22. Selecione o argumento • Estabeleça as premissas e a conclusão. • O que não faz parte do argumento não interessa.
  • 23. Elabore um argumento a partir da figura: