SlideShare uma empresa Scribd logo
INVESTIGAÇÃO DO CURRÍCULO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO INFANTI.
Simone Helen Drumond Ischkanian
Os aspectos voltados ao intelecto-cultural da criança se constroem e se explicita num espaço
que é socialmente construído. Somos seres unos, dotados de diversas possibilidades e nesse
contexto, a criança precisa ser visualizada não apenas na sua aparente UNIDADE, mas também
na sua DIVERSIDADE. As crianças não formam um conjunto social cujo principal atributo é o
de ser constituído por indivíduos pertencentes a certa fase da vida, mas como conjunto social
com atributos sociais que diferenciam os adultos. Esse lugar das culturas é continuamente
reelaborado pelas condições estruturais que definem as gerações em cada momento histórico
concreto e passa por tendências que devem focar no ser criança, respeitando sua
individualidade, sua diversidade e sua cultura.
OS PRINCÍPIOS E OS ASPECTOS PEDAGÓGICOS QUE DEFINEM A
ORGANIZAÇÃO CURRICULAR, DOS TEMPOS E DOS ESPAÇOS NA EDUCAÇÃO
INFANTIL, A PARTIR DA VISÃO DE CARMEM BARBOSA.
UM CURRÍCULO QUE PODE EMERGIR DO DIÁLOGO ENTRE CRIANÇAS, FAMÍLIAS
E DOCENTES: Um currículo que se organiza no diálogo entre crianças, famílias e docentes
apresenta como característica específica não se configurar apenas nos documentos, nos
discursos elaborados ou explicitados verbalmente, mas se manifestar, de modo prioritário, em
todas as interações do dia-a-dia. Nessa perspectiva, currículo são as ações que acontecem nos
estabelecimentos educacionais, e não apenas a ação de refletir, projetar e listar as intenções e os
conteúdos de aprendizagens. É preciso atenção aos aspectos organizacionais, pois é também na
configuração do cotidiano, nas escolhas, nas decisões e no planejamento de possibilidades
diárias que se manifesta o currículo.
O CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO PRÁTICA SOCIAL E LINGUAGENS:
Os campos de aprendizagem das crianças na educação infantil são as práticas sociais e as
linguagens. As ações de educação e cuidado que proporcionamos às crianças pequenas e as
práticas sociais que oferecemos em um estabelecimento educacional conformam sua primeira
experiência curricular. Assim, através de gestos, toques, palavras, modos de organização de
vida e ritmo cotidiano, ofereceram a elas sensações, ideias e experiências que são por elas
ativamente incorporadas em seus modos de olhar, balbuciar, escutar, imitar e que,
posteriormente, estarão presentes em seus cuidados pessoais, na sua alimentação, no seu
vocabulário e em outras escolhas que configurarão seu modo singular de viver e conviver em
grupo. Contudo, a vida em uma sociedade diversificada e a necessidade de as crianças
pequenas irem estabelecendo nexos de pertencimento com seu grupo de origem faz com que
cada uma delas tenha uma experiência própria, enraizada, por sua vez, na vida e na experiência
dos adultos que são por ela responsáveis. As linguagens nos permitem compreender o mundo e
produzir mundos: expressar sensações, ideias, sentimentos e compartilhar as produções
pessoais com os demais, participando da vida coletiva. As capacidades motoras e simbólicas
das crianças possibilitam a interação com diferentes sistemas de signos que configuram
especificidades como a oralidade, a escrita, o desenho, a pintura, a dramatização, a música, a
imitação, enfim as diferentes formas de linguagem. As linguagens são ações, geram confrontos,
intercâmbios, compartilhamento de ideias e de pensamentos. Assim, as formas de sentir o
mundo e de expressá-lo acontecem através de diferentes linguagens nos fazendo compreender
que as linguagens são performáticas, isto é, são composições de linguagem.
A GESTÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A gestão de uma escola de educação infantil
defronta-se com a exigência de considerá-la um estabelecimento de educação e cuidado em
todos os seus espaços e relações. A expectativa de que todas as pessoas envolvidas no processo
educacional, independente de seus cargos ou funções, tenham respeitado seu direito à
participação em um ambiente que vive e valoriza a democracia, tem como intenção enfrentar o
desafio de tanto garantir a diversidade pessoal, social e cultural quanto preservar e constituir
um espaço de pertencimento e construção de singularidade.
ORGANIZAÇÃO DA VIDA COTIDIANA: O principal desafio das escolas de educação
infantil é garantir e manter o compromisso com a infância na organização da vida cotidiana
alicerçada na participação democrática e na sustentabilidade. Ou seja, preocupa-se em
organizar espaços com definição pedagógica pautada em práticas específicas relacionadas ao
cuidado com as características das crianças, à ludicidade, à estética e à ética das relações entre
adultos e criança s e entre os pares tão importantes nessa fase da vida.
ENTRADAS, TRANSIÇÕES E SAÍDAS: Aos educadores cabem-lhes acolher as crianças,
encorajando-as em suas descobertas e invenções; ouvindo as em suas necessidades, desejos e
inquietações; apoiando-as em seus desafios e ensinando-as a conviver favorecendo o sucesso
das crianças. Durante o período em que as crianças estão na escola elas vivem vários momentos
de transições entre diferentes atividades ou espaços físicos. Estes momentos precisam ser
previstos para que não criem rupturas, desconfortos e ansiedade nas crianças. Também é
importante lembrar que as transições muitas vezes significam momentos onde as crianças
precisam fazer silencio ou permanecerem paradas. A participação das crianças no
planejamento, o controle que estabelecem sobre aquilo que vão realizar a possibilidade de
conversar ou brincar enquanto esperam a hora de uma refeição ou a chegada dos pais são
modos mais construtivos de lidar com estes tempos.
TRANSFORMANDO ESPAÇO EM AMBIENTE: A intencionalidade pedagógica transforma
espaços físicos em ambientes. Para compor um espaço educacional é preciso conhecer os seres
que o habitam. É preciso construir com eles uma experiência de vida temporal nele enraizada.
O ambiente envolve aspectos físicos, culturais, afetivos e sociais. Ao pensar no ambiente,
precisamos levar em conta os odores, as cores e tudo que se relaciona ao ser criança.
COMER, VESTIR, DORMIR, SONHAR: Nessas situações interativas com adultos e outras
crianças acontece a conquista da autonomia, da construção da identidade, das manifestações
corporais e expressivas da criança, da ludicidade, entre outras coisas que fundamentam a
pedagogia da educação infantil. Associada aos cuidados físicos está a importância do afeto e do
contato corporal, ou seja, a construção de vínculos para a promoção de um desenvolvimento
saudável dentro das instituições de educação infantil. No caso das crianças que estão nos
primeiros meses de vida, o contato corporal é, inclusive, muito importante para que conheçam
os limites do próprio corpo, fator fundamental para o desenvolvimento da sua identidade.
Enfim, até para a identificação de suas necessidades e desejos, a criança depende que o adulto
traduza a sua linguagem que, nessa fase, é prioritariamente corporal.
MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E REPERTÓRIOS: Materiais nas mãos de crianças e adultos
curiosos são pequenos eventos que podem originar processos amplos e profundos de
aprendizagem. As matérias fornecem perguntas, os jogos estruturam relações e ambos
propiciam interações. Ao agir com os materiais e sobre os materiais as crianças ampliam suas
capacidades de concentrações. A estruturação do pensamento, a atuação de acordo com o
próprio ritmo. Com eles, se utilizam das mãos e de todo o corpo, criam a capacidade de
escolher, numa gama muito variada de objetos, aqueles que, por suas propriedades, lhes serão
mais úteis e também a terem o prazer do inesperado. Para que essas explorações aconteçam é
preciso um ambiente tranquilo e que propicie a concentração, a ação e o desenvolvimento da
comunicação com seus pares. Ao organizar a vida cotidiana através do espaço, do tempo, dos
materiais e da organização do grupo, a professora realiza uma observação sistemática das ações
dos grupos de crianças, conhece cada uma delas, dá oportunidade à imaginação e enriquece o
ambiente e aprende junto com as crianças a potencialidade de suas ações. As práticas
educativas da professora como: sentir, pensar, saber e fazer: intervenção se faz através da
criação e da transformação das condições materiais do espaço, da seleção de materialidades, da
proposição de situações que provoquem o desejo e a necessidade de aprender. A professora está
sempre implicada e ocupada com as crianças, mesmo quando está distante apenas observando.
Seu olhar atento, os gestos delicados, as palavras escolhidas, a oferta de ideias e materiais,
garante às crianças a segurança necessária para ir além do conhecido e experimentar o novo
Um olhar de aprovação torna-se então fundamental para dar sustentação e demonstrar a
confiança do adulto na criança. É também através do olhar e da voz que o professor demonstra
seu interesse pela singularidade de cada criança. Destacar em relação aos atos de observar,
registrar e documentar é que além de configurarem instrumentos didáticos também configuram
construções históricas dos modos de aprender, pensar e agir em nossa sociedade. As crianças
pequenas, ao assistirem e participarem das formas como a professora organiza e realiza seu
trabalho, aprendem também como as pessoas, em conjunto, podem construir ações e
conhecimentos em colaboração.
OBSERVAÇÃO E ESCUTA: Exercitar e praticar a escuta das crianças é perseguir a
compreensão de seus modos de sentir, pensar, fazer, perguntar, desejar, planejar. Ao valorizar a
observação e a escuta das crianças, estamos afirmando o reconhecimento delas como capazes
de propor e criar. É a presença sutil do adulto implicado, comprometido com a escuta da
criança e do grupo, e sensível aos momentos tensos de descobertas do outro. A observação das
crianças significa notar o sentido das suas ações, tendo em vista planejar o cotidiano com elas.
REGISTRO, MEMÓRIA E DOCUMENTAÇÃO: A observação pedagógica é uma ferramenta
que precisa ser bem apreendida e desenvolvida pelos professores, pois não basta olhar
rapidamente, sem sistematização. Realizar uma observação pedagógica é poder observar
atentamente um grupo, as suas relações, suas criações, suas culturas, realizando registros que
possam gerar reflexão ao serem retomados individualmente ou de maneira coletiva. Os
registros podem ser escritos, mas também podem incluir fotos, filmagens, desenhos. Há toda
uma tecnologia, cada vez mais acessível, que fornece recursos para observações cada vez mais
detalhadas e processuais das ações das crianças que podem participar registrando e
documentando acontecimentos e eventos cotidianos.
PENSAR, PROPOR E PLANEJAR: O professor pode e deve, no início do ano, definir, a partir
da proposta pedagógica da escola, da observação das crianças da turma e de suas histórias,
metas de longo prazo, porém, o dia-a-dia é que trará elementos para efetivar planejamento.
Garantir a intencionalidade educacional nos planejamentos e nas propostas é ajustar a
observação e a intervenção no momento em que está acontecendo, com sensibilidade e sutileza.
Como alguém que sabe acolher e potencializar o modo ativo, direto, implicado da criança
pequena. O planejamento precisa ser integrado tanto na organização das atividades, quanto na
ação dos diversos profissionais que atuam na instituição, especialmente, junto às crianças.
AS AÇÕES E AS EXPERIÊNCIAS: As ações realizadas no dia-a-dia oferecem experiências
complexas, pois a cultura, a ciência, ou mesmo a vida é composta de situações onde estão
presentes linguagens. A organização destas ações e experiências de aprendizagem podem ser
realizada de várias maneiras: por meio de projetos, de temas geradores, ou outros modos de
sistematização, afinal a pluralidade didática e a escolha docente precisam ser respeitadas. O
importante é que essa estratégia didática interrogue e promova a aprendizagem. Um fazer
pedagógico coerente com a concepção de criança e infância adotada, de democracia, com a
indissociação entre o cuidar e educar, com a ludicidade e a brincadeira e que, em sua realização
pressuponha processos de interação e colaboração sistemáticas, com base na escuta, no diálogo
e na negociação, e tenha em consideração a diversidade e o pertencimento.
ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO: Os instrumentos avaliativos da educação infantil,
em algumas situações são diferenciados daqueles utilizados nos demais níveis de ensino. Desde
a LDB/96 a avaliação das crianças na educação infantil não será classificatória nem poderá dar
margem à exclusão, mas será efetivada através de acompanhamento contínuo. Nesse sentido a
observação, o registro em suas diferentes modalidades-e a documentação são ferramentas
essenciais no processo avaliativo. A avaliação, além de não estar centrada no aspecto individual
das crianças, não pode enfatizar apenas aspectos cognitivos em situações de testagem. Ela
precisa deter-se nos processos e não apenas nos resultados. A avaliação na escola de educação
infantil precisa dar atenção as relações das crianças no grupo e suas aprendizagens, ainda é
necessário que a avaliação não seja apenas das crianças mas, que também, por meio de
reflexões sistemáticas,com uso de ferramentas especificas, se avalie o trabalho do professor e o
da instituição, a colaboração com pais e comunidade e a análise dos projetos desenvolvidos.
ÁREAS, HABILIDADES E MATERIAIS MEDIADORES DA ORGANIZAÇÃO
PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A PARTIR DA VISÃO DE TIZUKO
KISHIMOTO.
A criança pode brincar com brinquedo industrializado, artesanal, construído por adultos e
crianças, além de outros feitos de materiais de sucata e da natureza. O brinquedo deve ser
utilizado, mas com responsabilidade.
A criança deve aprender a usar, limpar, guardar e a reutilizar materiais. Pode-se construir
mobiliário para organizar o ambiente de brincadeira junto com as crianças, com caixas de leite
de papelão, enchidas com jornal picado e amassado e presas com fita crepe, recobertas de
jornal picado e cola ou tecido. São muitos os brinquedos que, feitos com materiais de sucata,
divertem as crianças.
Respeitar o meio ambiente significa não jogar papéis e brinquedos pelo chão e aprender a
preservar os recursos naturais: usar os materiais sem desperdiçar, reutilizar materiais, como
caixas, copinhos de iogurte e garrafas de plástico para construir brinquedos. Ao brincar com
coisas que conhece, que aprendeu com a família e a amigos do seu grupo étnico/racial, a
criança aprende a construir sua identidade e compreende que outras crianças brincam de forma
diferente.
A criança explora o mundo, vendo casas, prédios, morros, florestas, árvores com flores e frutos,
pássaros, animais, nuvens, céu, plantações, rios e riachos, jardins, ruas, bueiros, lixos, fumaça
das fábricas, mangues, supermercado e carro s. E, dessa forma, brincando sozinha ou com seus
amigos, vai compreendendo o mundo em que vive, cuidando em preservar a natureza, sem
desperdício dos recursos naturais. Na comunidade indígena, a onça, o macaco, as aves e os
peixes estão presentes nos contos e brincadeiras coletivas e mostram os valores da cultura e sua
ligação com a natureza.
Brincar no rio, subir em árvores, construir brinquedos com sementes, frutos e galhos são
práticas que preservam valores e tradições, querem montam a tempos longínquos. As práticas
cotidianas garantem a memória do povo e a continuidade de sua cultura, por isso a língua
materna, a escrita, as músicas, os contos, os jogos e as brincadeiras indígenas devem fazer parte
do repertório de suas creches e pré-escolas. Se a mãe indígena carrega o bebê na tipóia presa a
o corpo durante os afazeres diários, é fundamental manter essa prática quando possível. A
professora deve garantir a continuidade do lar na creche, introduzir brincadeiras interativas com
o bebê, valendo-se de chocalhos de cascas e sementes de frutas e, gradativamente, jogos
coletivos, rituais e festas. introdução de brinquedos e brincadeiras na educação infantil implica
definir o que se pensa da criança. Quem é ela? Brinca ? O brincar é importante? A criança,
mesmo pequena, sabe muitas coisas: tom a decisões, escolhe o que quer fazer, interage com
pessoas, expressa o que sabe fazer e mostra, em seus gestos, em um olhar, uma palavra, como é
capaz de compreender o mundo. Entre as coisas de que a criança gosta está o brincar, que é um
dos seus direitos. O brincar é uma ação livre, que surge a qualquer hora, iniciada e conduzida
pela criança; dá prazer, não exige como condição um produto final; relaxa, envolve, ensina
regras, linguagens, desenvolve habilidades e introduz a criança no mundo imaginário.
Todo o período da educação infantil é importante para a introdução das brincadeiras. Pela
diversidade de formas de conceber o brincar, alguns tendem a focalizá-lo como característico
dos processos imitativos da criança, dando maior destaque apenas ao período posterior aos dois
anos de idade. O período anterior é visto como preparatório para o aparecimento do lúdico. No
entanto, temos clareza de que a opção pelo brincar desde o início da educação infantil é o que
garante a cidadania da criança e ações pedagógicas de maior qualidade.
Para a criança, o brincar é a atividade principal do dia-a-dia. É importante porque dá a ela o
poder de tomar decisões, expressar sentimentos e valores, conhecer a si, aos outros e o mundo,
de repetir ações prazerosas, de partilhar, expressar sua individualidade e identidade por meio de
diferentes linguagens, de usar o corpo, os sentidos, os movimentos, de solucionar problemas e
criar. Ao brincar, a criança experimenta o poder de explorar o mundo dos objetos, das pessoas,
da natureza e da cultura, para compreendê-lo e expressá-lo por meio de variadas linguagens.
Mas é no plano da imaginação que o brincar se destaca pela mobilização dos significados.
Enfim, sua importância se relaciona com a cultura da infância, que coloca a brincadeira como
ferramenta para a criança se expressar, aprender e se desenvolver.
A pouca qualidade da educação infantil pode estar relacionada com a oposição que alguns
estabelecem entre o brincar livre e o dirigido. É preciso desconstruir essa visão equivocada
para pensar na criança inteira, que, em sua subjetividade, aproveita a liberdade que tem para
escolher um brinquedo para brincar e a mediação do adulto ou de outra criança, para aprender
novas brincadeiras.
A criança não nasce sabendo brincar, ela precisa aprender, por meio das interações com outras
crianças e com os adultos. Ela descobre, em contato com objetos e brinquedos, certas formas de
uso desses materiais. Observando outras crianças e as intervenções da professora,ela aprende
novas brincadeiras e suas regras.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
BARBOSA, Carmem. Organização curricular da Ed. Infantil. Disponível em:
http://cefort.ufam.edu.br/posinfantil/mod/resource/view.php?id=714&redirect=1
Acessado em 18/05/2013
KISHIMOTO, TIZUKO. Dinâmica Pedagógica da Ed. Infantil. Disponível em:
http://cefort.ufam.edu.br/posinfantil/mod/resource/view.php?id=715&redirect=1.
Acessado em 18/05/2013
Vídeo: Conhecendo Reggio Emilia. Disponível em
http://www.youtube.com/watch?v=vEnTD8wOZz4. Acessado em 16/05/2013
Vídeo: Organização do Espaço e do Tempo. Disponível em:
http://www.youtube.com/watch?v=Gdg2j_Y-BsQ&feature=relmfu. Acessado em
16/05/2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
vivianpansonato
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Ewerton Gindri
 
Slide disciplina gestao (4)
Slide disciplina gestao (4)Slide disciplina gestao (4)
Slide disciplina gestao (4)
FERNANDOCSARDOSSANTO1
 
Capítulo 3 bassedas
Capítulo 3 bassedasCapítulo 3 bassedas
Capítulo 3 bassedas
Vera Lúcia Fialho Capellini
 
Projeto conscientização do transito
Projeto conscientização do transitoProjeto conscientização do transito
Projeto conscientização do transito
Gisela Martin
 
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Kelly Moreira
 
Tecnologia e o seu uso na educação
Tecnologia e o seu uso na educação  Tecnologia e o seu uso na educação
Tecnologia e o seu uso na educação
Luana Winner
 
Teorias e praticas da psicopedagogia
Teorias e praticas da psicopedagogiaTeorias e praticas da psicopedagogia
Teorias e praticas da psicopedagogia
Diego Rodrigues
 
Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula
Grasiela Dourado
 
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELASResolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Beatriz Dornelas
 
Construção da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escolaConstrução da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escola
Marcelo Assis
 
A prática reflexiva no ofício do professor
A prática reflexiva no ofício do professorA prática reflexiva no ofício do professor
A prática reflexiva no ofício do professor
Helenice Silva
 
Decroly
DecrolyDecroly
25 ARTIGO ROBOTICA SUSTENTAVEL - COMPLETO(1).pdf
25 ARTIGO ROBOTICA SUSTENTAVEL - COMPLETO(1).pdf25 ARTIGO ROBOTICA SUSTENTAVEL - COMPLETO(1).pdf
25 ARTIGO ROBOTICA SUSTENTAVEL - COMPLETO(1).pdf
SimoneHelenDrumond
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
Angélica Manenti
 
A Matematica como um texto
A Matematica como um textoA Matematica como um texto
A Matematica como um texto
Denise Oliveira
 
Projeto escola limpa estudante consciente.
Projeto escola limpa estudante consciente.Projeto escola limpa estudante consciente.
Projeto escola limpa estudante consciente.
luzialuiz
 
A importância do computador na educação
A importância do computador na educaçãoA importância do computador na educação
A importância do computador na educação
Adanildo Fio
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
Gislaine
 
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EIResumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
Carina
 

Mais procurados (20)

A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Slide disciplina gestao (4)
Slide disciplina gestao (4)Slide disciplina gestao (4)
Slide disciplina gestao (4)
 
Capítulo 3 bassedas
Capítulo 3 bassedasCapítulo 3 bassedas
Capítulo 3 bassedas
 
Projeto conscientização do transito
Projeto conscientização do transitoProjeto conscientização do transito
Projeto conscientização do transito
 
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
 
Tecnologia e o seu uso na educação
Tecnologia e o seu uso na educação  Tecnologia e o seu uso na educação
Tecnologia e o seu uso na educação
 
Teorias e praticas da psicopedagogia
Teorias e praticas da psicopedagogiaTeorias e praticas da psicopedagogia
Teorias e praticas da psicopedagogia
 
Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula
 
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELASResolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
Resolução 05 2009 DCNEI Profª. BEATRIZ DORNELAS
 
Construção da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escolaConstrução da proposta pedagógica da escola
Construção da proposta pedagógica da escola
 
A prática reflexiva no ofício do professor
A prática reflexiva no ofício do professorA prática reflexiva no ofício do professor
A prática reflexiva no ofício do professor
 
Decroly
DecrolyDecroly
Decroly
 
25 ARTIGO ROBOTICA SUSTENTAVEL - COMPLETO(1).pdf
25 ARTIGO ROBOTICA SUSTENTAVEL - COMPLETO(1).pdf25 ARTIGO ROBOTICA SUSTENTAVEL - COMPLETO(1).pdf
25 ARTIGO ROBOTICA SUSTENTAVEL - COMPLETO(1).pdf
 
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
6º ano E. F. II - Linguagem verbal e não verbal
 
A Matematica como um texto
A Matematica como um textoA Matematica como um texto
A Matematica como um texto
 
Projeto escola limpa estudante consciente.
Projeto escola limpa estudante consciente.Projeto escola limpa estudante consciente.
Projeto escola limpa estudante consciente.
 
A importância do computador na educação
A importância do computador na educaçãoA importância do computador na educação
A importância do computador na educação
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EIResumo - Proposta Curricular Básica EI
Resumo - Proposta Curricular Básica EI
 

Destaque

O pedagogo na educação do autista
O pedagogo na educação do autistaO pedagogo na educação do autista
O pedagogo na educação do autista
SimoneHelenDrumond
 
O trabalho pedagógico durante o ano letivo
O  trabalho pedagógico durante o ano letivoO  trabalho pedagógico durante o ano letivo
O trabalho pedagógico durante o ano letivo
SimoneHelenDrumond
 
Capas de cadernos tratores
Capas de cadernos tratoresCapas de cadernos tratores
Capas de cadernos tratores
SimoneHelenDrumond
 
6. absceso hepático amibiano.
6. absceso hepático amibiano.6. absceso hepático amibiano.
6. absceso hepático amibiano.
Mocte Salaiza
 
Cuidados
CuidadosCuidados
Plano ludico 1
Plano ludico 1Plano ludico 1
Plano ludico 1
SimoneHelenDrumond
 
5 t. de ansiedad
5 t. de ansiedad5 t. de ansiedad
5 t. de ansiedad
Mocte Salaiza
 
Teo2012
Teo2012Teo2012
Innovación Abierta
Innovación AbiertaInnovación Abierta
Innovación Abierta
ITECAM_CT
 
3. analisis en presupuestos
3.  analisis en presupuestos3.  analisis en presupuestos
3. analisis en presupuestos
Enides Ctta
 
Atividades dia da mulher 1
Atividades dia da mulher 1Atividades dia da mulher 1
Atividades dia da mulher 1
SimoneHelenDrumond
 
Formação e escolarização da criança suely amaral
Formação e escolarização da criança   suely amaralFormação e escolarização da criança   suely amaral
Formação e escolarização da criança suely amaral
SimoneHelenDrumond
 
Balanço 2010
Balanço 2010Balanço 2010
Balanço 2010
Paraná Banco
 
Mujeres ejecutivas 2
Mujeres ejecutivas 2Mujeres ejecutivas 2
Mujeres ejecutivas 2
Alberto Castañeda Chavez
 
Diplominhas da dora
Diplominhas da doraDiplominhas da dora
Diplominhas da dora
SimoneHelenDrumond
 
Currículo do sistema de currículos lattes (carlos augusto vailatti)
Currículo do sistema de currículos lattes (carlos augusto vailatti)Currículo do sistema de currículos lattes (carlos augusto vailatti)
Currículo do sistema de currículos lattes (carlos augusto vailatti)
Carlos Augusto Vailatti
 
Reproduções artisticas transportes
Reproduções artisticas transportesReproduções artisticas transportes
Reproduções artisticas transportes
SimoneHelenDrumond
 
Arte colares e cintos
Arte colares e cintosArte colares e cintos
Arte colares e cintos
SimoneHelenDrumond
 
Analista Telecom Ti2010
Analista Telecom Ti2010Analista Telecom Ti2010
Analista Telecom Ti2010
Rodrigo Silva
 
Meu querido livro
Meu querido livroMeu querido livro
Meu querido livro
SimoneHelenDrumond
 

Destaque (20)

O pedagogo na educação do autista
O pedagogo na educação do autistaO pedagogo na educação do autista
O pedagogo na educação do autista
 
O trabalho pedagógico durante o ano letivo
O  trabalho pedagógico durante o ano letivoO  trabalho pedagógico durante o ano letivo
O trabalho pedagógico durante o ano letivo
 
Capas de cadernos tratores
Capas de cadernos tratoresCapas de cadernos tratores
Capas de cadernos tratores
 
6. absceso hepático amibiano.
6. absceso hepático amibiano.6. absceso hepático amibiano.
6. absceso hepático amibiano.
 
Cuidados
CuidadosCuidados
Cuidados
 
Plano ludico 1
Plano ludico 1Plano ludico 1
Plano ludico 1
 
5 t. de ansiedad
5 t. de ansiedad5 t. de ansiedad
5 t. de ansiedad
 
Teo2012
Teo2012Teo2012
Teo2012
 
Innovación Abierta
Innovación AbiertaInnovación Abierta
Innovación Abierta
 
3. analisis en presupuestos
3.  analisis en presupuestos3.  analisis en presupuestos
3. analisis en presupuestos
 
Atividades dia da mulher 1
Atividades dia da mulher 1Atividades dia da mulher 1
Atividades dia da mulher 1
 
Formação e escolarização da criança suely amaral
Formação e escolarização da criança   suely amaralFormação e escolarização da criança   suely amaral
Formação e escolarização da criança suely amaral
 
Balanço 2010
Balanço 2010Balanço 2010
Balanço 2010
 
Mujeres ejecutivas 2
Mujeres ejecutivas 2Mujeres ejecutivas 2
Mujeres ejecutivas 2
 
Diplominhas da dora
Diplominhas da doraDiplominhas da dora
Diplominhas da dora
 
Currículo do sistema de currículos lattes (carlos augusto vailatti)
Currículo do sistema de currículos lattes (carlos augusto vailatti)Currículo do sistema de currículos lattes (carlos augusto vailatti)
Currículo do sistema de currículos lattes (carlos augusto vailatti)
 
Reproduções artisticas transportes
Reproduções artisticas transportesReproduções artisticas transportes
Reproduções artisticas transportes
 
Arte colares e cintos
Arte colares e cintosArte colares e cintos
Arte colares e cintos
 
Analista Telecom Ti2010
Analista Telecom Ti2010Analista Telecom Ti2010
Analista Telecom Ti2010
 
Meu querido livro
Meu querido livroMeu querido livro
Meu querido livro
 

Semelhante a Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1

O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
marlene_herter
 
Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.
Elisa Maria Gomide
 
RCNEI.pdf
RCNEI.pdfRCNEI.pdf
RCNEI.pdf
karlliny martins
 
10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo
Ulisses Vakirtzis
 
29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação
SimoneHelenDrumond
 
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberesTrabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
SimoneHelenDrumond
 
Semana Pedagógica 2022.pptx
Semana Pedagógica 2022.pptxSemana Pedagógica 2022.pptx
Semana Pedagógica 2022.pptx
SocorroBrito12
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
CeimariaizabelCei
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinar
gracabt2011
 
PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx
PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptxPROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx
PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx
Felipe.Abreu
 
RCNEI resumo eixos 2014
RCNEI resumo eixos 2014RCNEI resumo eixos 2014
RCNEI resumo eixos 2014
Jacqueline Campos
 
Educaoinfantilparaqu 170620120431
Educaoinfantilparaqu 170620120431Educaoinfantilparaqu 170620120431
Educaoinfantilparaqu 170620120431
Prefeitura de Cianorte
 
Educação infantil, para quê?
Educação infantil, para quê?Educação infantil, para quê?
Educação infantil, para quê?
Magda Marques
 
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdfUNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
SAVIOVASCONCELOS5
 
Quadro de conteúdos- anual jardim II 2023.docx.pdf
Quadro de conteúdos- anual  jardim II 2023.docx.pdfQuadro de conteúdos- anual  jardim II 2023.docx.pdf
Quadro de conteúdos- anual jardim II 2023.docx.pdf
KeniaeRodrigoOliveir
 
Função social da escrita eliane poster
Função social da escrita eliane  posterFunção social da escrita eliane  poster
Função social da escrita eliane poster
Eliane Tramontin Silveira Moleta
 
Proposta gênios educação infantil
Proposta gênios educação infantil Proposta gênios educação infantil
Proposta gênios educação infantil
Marcos Azevedo
 
Apresentação GRUPO1
Apresentação GRUPO1Apresentação GRUPO1
Apresentação GRUPO1
JulianeFD
 
Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
MARCOS SOUSA
 
Oppi
OppiOppi

Semelhante a Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1 (20)

O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
 
Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.
 
RCNEI.pdf
RCNEI.pdfRCNEI.pdf
RCNEI.pdf
 
10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo
 
29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação
 
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberesTrabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
 
Semana Pedagógica 2022.pptx
Semana Pedagógica 2022.pptxSemana Pedagógica 2022.pptx
Semana Pedagógica 2022.pptx
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinar
 
PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx
PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptxPROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx
PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx
 
RCNEI resumo eixos 2014
RCNEI resumo eixos 2014RCNEI resumo eixos 2014
RCNEI resumo eixos 2014
 
Educaoinfantilparaqu 170620120431
Educaoinfantilparaqu 170620120431Educaoinfantilparaqu 170620120431
Educaoinfantilparaqu 170620120431
 
Educação infantil, para quê?
Educação infantil, para quê?Educação infantil, para quê?
Educação infantil, para quê?
 
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdfUNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
UNICAMP-BNCC-NA-EDUCAÇÃO-INFANTIL.pdf
 
Quadro de conteúdos- anual jardim II 2023.docx.pdf
Quadro de conteúdos- anual  jardim II 2023.docx.pdfQuadro de conteúdos- anual  jardim II 2023.docx.pdf
Quadro de conteúdos- anual jardim II 2023.docx.pdf
 
Função social da escrita eliane poster
Função social da escrita eliane  posterFunção social da escrita eliane  poster
Função social da escrita eliane poster
 
Proposta gênios educação infantil
Proposta gênios educação infantil Proposta gênios educação infantil
Proposta gênios educação infantil
 
Apresentação GRUPO1
Apresentação GRUPO1Apresentação GRUPO1
Apresentação GRUPO1
 
Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
 
Oppi
OppiOppi
Oppi
 

Mais de SimoneHelenDrumond

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
SimoneHelenDrumond
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
SimoneHelenDrumond
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdfARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
SimoneHelenDrumond
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdfARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
SimoneHelenDrumond
 

Mais de SimoneHelenDrumond (20)

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
 
ARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdfARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdf
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
 
ARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdfARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdf
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
 

Último

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1

  • 1. INVESTIGAÇÃO DO CURRÍCULO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO INFANTI. Simone Helen Drumond Ischkanian Os aspectos voltados ao intelecto-cultural da criança se constroem e se explicita num espaço que é socialmente construído. Somos seres unos, dotados de diversas possibilidades e nesse contexto, a criança precisa ser visualizada não apenas na sua aparente UNIDADE, mas também na sua DIVERSIDADE. As crianças não formam um conjunto social cujo principal atributo é o de ser constituído por indivíduos pertencentes a certa fase da vida, mas como conjunto social com atributos sociais que diferenciam os adultos. Esse lugar das culturas é continuamente reelaborado pelas condições estruturais que definem as gerações em cada momento histórico concreto e passa por tendências que devem focar no ser criança, respeitando sua individualidade, sua diversidade e sua cultura. OS PRINCÍPIOS E OS ASPECTOS PEDAGÓGICOS QUE DEFINEM A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR, DOS TEMPOS E DOS ESPAÇOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A PARTIR DA VISÃO DE CARMEM BARBOSA. UM CURRÍCULO QUE PODE EMERGIR DO DIÁLOGO ENTRE CRIANÇAS, FAMÍLIAS E DOCENTES: Um currículo que se organiza no diálogo entre crianças, famílias e docentes apresenta como característica específica não se configurar apenas nos documentos, nos discursos elaborados ou explicitados verbalmente, mas se manifestar, de modo prioritário, em todas as interações do dia-a-dia. Nessa perspectiva, currículo são as ações que acontecem nos estabelecimentos educacionais, e não apenas a ação de refletir, projetar e listar as intenções e os conteúdos de aprendizagens. É preciso atenção aos aspectos organizacionais, pois é também na configuração do cotidiano, nas escolhas, nas decisões e no planejamento de possibilidades diárias que se manifesta o currículo. O CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO PRÁTICA SOCIAL E LINGUAGENS: Os campos de aprendizagem das crianças na educação infantil são as práticas sociais e as linguagens. As ações de educação e cuidado que proporcionamos às crianças pequenas e as práticas sociais que oferecemos em um estabelecimento educacional conformam sua primeira experiência curricular. Assim, através de gestos, toques, palavras, modos de organização de vida e ritmo cotidiano, ofereceram a elas sensações, ideias e experiências que são por elas ativamente incorporadas em seus modos de olhar, balbuciar, escutar, imitar e que, posteriormente, estarão presentes em seus cuidados pessoais, na sua alimentação, no seu vocabulário e em outras escolhas que configurarão seu modo singular de viver e conviver em grupo. Contudo, a vida em uma sociedade diversificada e a necessidade de as crianças pequenas irem estabelecendo nexos de pertencimento com seu grupo de origem faz com que cada uma delas tenha uma experiência própria, enraizada, por sua vez, na vida e na experiência dos adultos que são por ela responsáveis. As linguagens nos permitem compreender o mundo e produzir mundos: expressar sensações, ideias, sentimentos e compartilhar as produções pessoais com os demais, participando da vida coletiva. As capacidades motoras e simbólicas das crianças possibilitam a interação com diferentes sistemas de signos que configuram especificidades como a oralidade, a escrita, o desenho, a pintura, a dramatização, a música, a imitação, enfim as diferentes formas de linguagem. As linguagens são ações, geram confrontos, intercâmbios, compartilhamento de ideias e de pensamentos. Assim, as formas de sentir o mundo e de expressá-lo acontecem através de diferentes linguagens nos fazendo compreender que as linguagens são performáticas, isto é, são composições de linguagem.
  • 2. A GESTÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A gestão de uma escola de educação infantil defronta-se com a exigência de considerá-la um estabelecimento de educação e cuidado em todos os seus espaços e relações. A expectativa de que todas as pessoas envolvidas no processo educacional, independente de seus cargos ou funções, tenham respeitado seu direito à participação em um ambiente que vive e valoriza a democracia, tem como intenção enfrentar o desafio de tanto garantir a diversidade pessoal, social e cultural quanto preservar e constituir um espaço de pertencimento e construção de singularidade. ORGANIZAÇÃO DA VIDA COTIDIANA: O principal desafio das escolas de educação infantil é garantir e manter o compromisso com a infância na organização da vida cotidiana alicerçada na participação democrática e na sustentabilidade. Ou seja, preocupa-se em organizar espaços com definição pedagógica pautada em práticas específicas relacionadas ao cuidado com as características das crianças, à ludicidade, à estética e à ética das relações entre adultos e criança s e entre os pares tão importantes nessa fase da vida. ENTRADAS, TRANSIÇÕES E SAÍDAS: Aos educadores cabem-lhes acolher as crianças, encorajando-as em suas descobertas e invenções; ouvindo as em suas necessidades, desejos e inquietações; apoiando-as em seus desafios e ensinando-as a conviver favorecendo o sucesso das crianças. Durante o período em que as crianças estão na escola elas vivem vários momentos de transições entre diferentes atividades ou espaços físicos. Estes momentos precisam ser previstos para que não criem rupturas, desconfortos e ansiedade nas crianças. Também é importante lembrar que as transições muitas vezes significam momentos onde as crianças precisam fazer silencio ou permanecerem paradas. A participação das crianças no planejamento, o controle que estabelecem sobre aquilo que vão realizar a possibilidade de conversar ou brincar enquanto esperam a hora de uma refeição ou a chegada dos pais são modos mais construtivos de lidar com estes tempos. TRANSFORMANDO ESPAÇO EM AMBIENTE: A intencionalidade pedagógica transforma espaços físicos em ambientes. Para compor um espaço educacional é preciso conhecer os seres que o habitam. É preciso construir com eles uma experiência de vida temporal nele enraizada. O ambiente envolve aspectos físicos, culturais, afetivos e sociais. Ao pensar no ambiente, precisamos levar em conta os odores, as cores e tudo que se relaciona ao ser criança. COMER, VESTIR, DORMIR, SONHAR: Nessas situações interativas com adultos e outras crianças acontece a conquista da autonomia, da construção da identidade, das manifestações corporais e expressivas da criança, da ludicidade, entre outras coisas que fundamentam a pedagogia da educação infantil. Associada aos cuidados físicos está a importância do afeto e do contato corporal, ou seja, a construção de vínculos para a promoção de um desenvolvimento saudável dentro das instituições de educação infantil. No caso das crianças que estão nos primeiros meses de vida, o contato corporal é, inclusive, muito importante para que conheçam os limites do próprio corpo, fator fundamental para o desenvolvimento da sua identidade. Enfim, até para a identificação de suas necessidades e desejos, a criança depende que o adulto traduza a sua linguagem que, nessa fase, é prioritariamente corporal. MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E REPERTÓRIOS: Materiais nas mãos de crianças e adultos curiosos são pequenos eventos que podem originar processos amplos e profundos de aprendizagem. As matérias fornecem perguntas, os jogos estruturam relações e ambos propiciam interações. Ao agir com os materiais e sobre os materiais as crianças ampliam suas capacidades de concentrações. A estruturação do pensamento, a atuação de acordo com o próprio ritmo. Com eles, se utilizam das mãos e de todo o corpo, criam a capacidade de
  • 3. escolher, numa gama muito variada de objetos, aqueles que, por suas propriedades, lhes serão mais úteis e também a terem o prazer do inesperado. Para que essas explorações aconteçam é preciso um ambiente tranquilo e que propicie a concentração, a ação e o desenvolvimento da comunicação com seus pares. Ao organizar a vida cotidiana através do espaço, do tempo, dos materiais e da organização do grupo, a professora realiza uma observação sistemática das ações dos grupos de crianças, conhece cada uma delas, dá oportunidade à imaginação e enriquece o ambiente e aprende junto com as crianças a potencialidade de suas ações. As práticas educativas da professora como: sentir, pensar, saber e fazer: intervenção se faz através da criação e da transformação das condições materiais do espaço, da seleção de materialidades, da proposição de situações que provoquem o desejo e a necessidade de aprender. A professora está sempre implicada e ocupada com as crianças, mesmo quando está distante apenas observando. Seu olhar atento, os gestos delicados, as palavras escolhidas, a oferta de ideias e materiais, garante às crianças a segurança necessária para ir além do conhecido e experimentar o novo Um olhar de aprovação torna-se então fundamental para dar sustentação e demonstrar a confiança do adulto na criança. É também através do olhar e da voz que o professor demonstra seu interesse pela singularidade de cada criança. Destacar em relação aos atos de observar, registrar e documentar é que além de configurarem instrumentos didáticos também configuram construções históricas dos modos de aprender, pensar e agir em nossa sociedade. As crianças pequenas, ao assistirem e participarem das formas como a professora organiza e realiza seu trabalho, aprendem também como as pessoas, em conjunto, podem construir ações e conhecimentos em colaboração. OBSERVAÇÃO E ESCUTA: Exercitar e praticar a escuta das crianças é perseguir a compreensão de seus modos de sentir, pensar, fazer, perguntar, desejar, planejar. Ao valorizar a observação e a escuta das crianças, estamos afirmando o reconhecimento delas como capazes de propor e criar. É a presença sutil do adulto implicado, comprometido com a escuta da criança e do grupo, e sensível aos momentos tensos de descobertas do outro. A observação das crianças significa notar o sentido das suas ações, tendo em vista planejar o cotidiano com elas. REGISTRO, MEMÓRIA E DOCUMENTAÇÃO: A observação pedagógica é uma ferramenta que precisa ser bem apreendida e desenvolvida pelos professores, pois não basta olhar rapidamente, sem sistematização. Realizar uma observação pedagógica é poder observar atentamente um grupo, as suas relações, suas criações, suas culturas, realizando registros que possam gerar reflexão ao serem retomados individualmente ou de maneira coletiva. Os registros podem ser escritos, mas também podem incluir fotos, filmagens, desenhos. Há toda uma tecnologia, cada vez mais acessível, que fornece recursos para observações cada vez mais detalhadas e processuais das ações das crianças que podem participar registrando e documentando acontecimentos e eventos cotidianos. PENSAR, PROPOR E PLANEJAR: O professor pode e deve, no início do ano, definir, a partir da proposta pedagógica da escola, da observação das crianças da turma e de suas histórias, metas de longo prazo, porém, o dia-a-dia é que trará elementos para efetivar planejamento. Garantir a intencionalidade educacional nos planejamentos e nas propostas é ajustar a observação e a intervenção no momento em que está acontecendo, com sensibilidade e sutileza. Como alguém que sabe acolher e potencializar o modo ativo, direto, implicado da criança pequena. O planejamento precisa ser integrado tanto na organização das atividades, quanto na ação dos diversos profissionais que atuam na instituição, especialmente, junto às crianças.
  • 4. AS AÇÕES E AS EXPERIÊNCIAS: As ações realizadas no dia-a-dia oferecem experiências complexas, pois a cultura, a ciência, ou mesmo a vida é composta de situações onde estão presentes linguagens. A organização destas ações e experiências de aprendizagem podem ser realizada de várias maneiras: por meio de projetos, de temas geradores, ou outros modos de sistematização, afinal a pluralidade didática e a escolha docente precisam ser respeitadas. O importante é que essa estratégia didática interrogue e promova a aprendizagem. Um fazer pedagógico coerente com a concepção de criança e infância adotada, de democracia, com a indissociação entre o cuidar e educar, com a ludicidade e a brincadeira e que, em sua realização pressuponha processos de interação e colaboração sistemáticas, com base na escuta, no diálogo e na negociação, e tenha em consideração a diversidade e o pertencimento. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO: Os instrumentos avaliativos da educação infantil, em algumas situações são diferenciados daqueles utilizados nos demais níveis de ensino. Desde a LDB/96 a avaliação das crianças na educação infantil não será classificatória nem poderá dar margem à exclusão, mas será efetivada através de acompanhamento contínuo. Nesse sentido a observação, o registro em suas diferentes modalidades-e a documentação são ferramentas essenciais no processo avaliativo. A avaliação, além de não estar centrada no aspecto individual das crianças, não pode enfatizar apenas aspectos cognitivos em situações de testagem. Ela precisa deter-se nos processos e não apenas nos resultados. A avaliação na escola de educação infantil precisa dar atenção as relações das crianças no grupo e suas aprendizagens, ainda é necessário que a avaliação não seja apenas das crianças mas, que também, por meio de reflexões sistemáticas,com uso de ferramentas especificas, se avalie o trabalho do professor e o da instituição, a colaboração com pais e comunidade e a análise dos projetos desenvolvidos. ÁREAS, HABILIDADES E MATERIAIS MEDIADORES DA ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A PARTIR DA VISÃO DE TIZUKO KISHIMOTO. A criança pode brincar com brinquedo industrializado, artesanal, construído por adultos e crianças, além de outros feitos de materiais de sucata e da natureza. O brinquedo deve ser utilizado, mas com responsabilidade. A criança deve aprender a usar, limpar, guardar e a reutilizar materiais. Pode-se construir mobiliário para organizar o ambiente de brincadeira junto com as crianças, com caixas de leite de papelão, enchidas com jornal picado e amassado e presas com fita crepe, recobertas de jornal picado e cola ou tecido. São muitos os brinquedos que, feitos com materiais de sucata, divertem as crianças. Respeitar o meio ambiente significa não jogar papéis e brinquedos pelo chão e aprender a preservar os recursos naturais: usar os materiais sem desperdiçar, reutilizar materiais, como caixas, copinhos de iogurte e garrafas de plástico para construir brinquedos. Ao brincar com coisas que conhece, que aprendeu com a família e a amigos do seu grupo étnico/racial, a criança aprende a construir sua identidade e compreende que outras crianças brincam de forma diferente. A criança explora o mundo, vendo casas, prédios, morros, florestas, árvores com flores e frutos, pássaros, animais, nuvens, céu, plantações, rios e riachos, jardins, ruas, bueiros, lixos, fumaça das fábricas, mangues, supermercado e carro s. E, dessa forma, brincando sozinha ou com seus amigos, vai compreendendo o mundo em que vive, cuidando em preservar a natureza, sem desperdício dos recursos naturais. Na comunidade indígena, a onça, o macaco, as aves e os
  • 5. peixes estão presentes nos contos e brincadeiras coletivas e mostram os valores da cultura e sua ligação com a natureza. Brincar no rio, subir em árvores, construir brinquedos com sementes, frutos e galhos são práticas que preservam valores e tradições, querem montam a tempos longínquos. As práticas cotidianas garantem a memória do povo e a continuidade de sua cultura, por isso a língua materna, a escrita, as músicas, os contos, os jogos e as brincadeiras indígenas devem fazer parte do repertório de suas creches e pré-escolas. Se a mãe indígena carrega o bebê na tipóia presa a o corpo durante os afazeres diários, é fundamental manter essa prática quando possível. A professora deve garantir a continuidade do lar na creche, introduzir brincadeiras interativas com o bebê, valendo-se de chocalhos de cascas e sementes de frutas e, gradativamente, jogos coletivos, rituais e festas. introdução de brinquedos e brincadeiras na educação infantil implica definir o que se pensa da criança. Quem é ela? Brinca ? O brincar é importante? A criança, mesmo pequena, sabe muitas coisas: tom a decisões, escolhe o que quer fazer, interage com pessoas, expressa o que sabe fazer e mostra, em seus gestos, em um olhar, uma palavra, como é capaz de compreender o mundo. Entre as coisas de que a criança gosta está o brincar, que é um dos seus direitos. O brincar é uma ação livre, que surge a qualquer hora, iniciada e conduzida pela criança; dá prazer, não exige como condição um produto final; relaxa, envolve, ensina regras, linguagens, desenvolve habilidades e introduz a criança no mundo imaginário. Todo o período da educação infantil é importante para a introdução das brincadeiras. Pela diversidade de formas de conceber o brincar, alguns tendem a focalizá-lo como característico dos processos imitativos da criança, dando maior destaque apenas ao período posterior aos dois anos de idade. O período anterior é visto como preparatório para o aparecimento do lúdico. No entanto, temos clareza de que a opção pelo brincar desde o início da educação infantil é o que garante a cidadania da criança e ações pedagógicas de maior qualidade. Para a criança, o brincar é a atividade principal do dia-a-dia. É importante porque dá a ela o poder de tomar decisões, expressar sentimentos e valores, conhecer a si, aos outros e o mundo, de repetir ações prazerosas, de partilhar, expressar sua individualidade e identidade por meio de diferentes linguagens, de usar o corpo, os sentidos, os movimentos, de solucionar problemas e criar. Ao brincar, a criança experimenta o poder de explorar o mundo dos objetos, das pessoas, da natureza e da cultura, para compreendê-lo e expressá-lo por meio de variadas linguagens. Mas é no plano da imaginação que o brincar se destaca pela mobilização dos significados. Enfim, sua importância se relaciona com a cultura da infância, que coloca a brincadeira como ferramenta para a criança se expressar, aprender e se desenvolver. A pouca qualidade da educação infantil pode estar relacionada com a oposição que alguns estabelecem entre o brincar livre e o dirigido. É preciso desconstruir essa visão equivocada para pensar na criança inteira, que, em sua subjetividade, aproveita a liberdade que tem para escolher um brinquedo para brincar e a mediação do adulto ou de outra criança, para aprender novas brincadeiras. A criança não nasce sabendo brincar, ela precisa aprender, por meio das interações com outras crianças e com os adultos. Ela descobre, em contato com objetos e brinquedos, certas formas de uso desses materiais. Observando outras crianças e as intervenções da professora,ela aprende novas brincadeiras e suas regras.
  • 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BARBOSA, Carmem. Organização curricular da Ed. Infantil. Disponível em: http://cefort.ufam.edu.br/posinfantil/mod/resource/view.php?id=714&redirect=1 Acessado em 18/05/2013 KISHIMOTO, TIZUKO. Dinâmica Pedagógica da Ed. Infantil. Disponível em: http://cefort.ufam.edu.br/posinfantil/mod/resource/view.php?id=715&redirect=1. Acessado em 18/05/2013 Vídeo: Conhecendo Reggio Emilia. Disponível em http://www.youtube.com/watch?v=vEnTD8wOZz4. Acessado em 16/05/2013 Vídeo: Organização do Espaço e do Tempo. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=Gdg2j_Y-BsQ&feature=relmfu. Acessado em 16/05/2013