SlideShare uma empresa Scribd logo
PROPOSTA CURRICULAR
PARA BERÇARIOS - SJC
Sugere ações a serem desenvolvidas com
crianças de 0 a 3 anos e cujo objetivo é
oferecer subsídios para uma discussão
articulada entre saberes e competências
relativos à atuação do educador de creche
no Berçário.
09 CAPÍTULOS: COMO OS BEBÊS APRENDEM, ADAPTAÇÃO,
ROTINA NAS SALAS DE BERÇARIOS, AMBITOS E
EXPERIENCIAS, FAZ DE CONTA, ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO,
AVALIAÇÃO, DESAFIOS E CONQUISTAS NA ARTE DE CUIDAR E
EDUCAR BEBES, CONSIDERAÇÕES FINAIS.
OBJETIVOS
Nortear e oferecer
subsídios no trabalho
de orientadores
pedagógicos, diretores,
professores e
educadores que estão
nas creches de nosso
município.
Qualificar o
atendimento de
crianças de zero a três
anos.
Articular o cuidado
diário e educação aos
saberes e
competências em sua
atuação no Berçário,
enriquecendo
possibilidades de ações
transformadoras em
sua prática pedagógica.
Respeitar e adequar a
proposta pedagógica às
especificidades desta
faixa etária,
potencializando o
desenvolvimento global
das crianças
frequentadoras deste
espaço.
Falta de material que norteie a prática com crianças de 0 a 3 anos
(psicomotricidade e estágios de desenvolvimento).
CUIDAR
Suprir as necessidades físicas.
EDUCAR
Adaptação da rotina de 3 a 6 anos.
ORGANIZAÇÃO DAS
SALAS DOS
BERÇÁRIOS.
BERÇÁRIO I
DO NASCIMENTO A 11 MESES .
INFANTIL I
2 ANOS
BERÇÁRIO II
1 ANOS
Como os bebes aprendem?
Construtivismo piagetiano: sujeito é o construtor do seu próprio desenvolvimento e
conhecimento.
Interação entre sujeito e mundo
Relação dialética
DESENVOLVIMENTO E SOBREVIVENCIA
 Agarrar,
 Chupar,
 Engolir,
 Piscar,
 Focar,
 Acompanhar.
CONSTANCIA - APRENDIZAGEM
A lógica da criança em especial não advém da experiência dos objetos, mas sim das ações exercidas sobre
os objetos
base para o primeiro desenvolvimento mental.
Segundo Jacob (2002/p.20) os bebês constroem o
conhecimento agindo sobre o objeto quando o manipula,
experimentando suas texturas, temperatura, cheiro, gosto,
peso, ou seja, todas as características necessárias para
conhecê-lo, aprimorando assim seu conhecimento. Se
observarmos, os bebês tem a necessidade de praticar
repetidamente o que foi apreendido e assim ampliar seu
conhecimento acerca deste objeto.
Cada material colocado à disposição das
crianças nos berçários é carregado de
intencionalidades educativas, não devem ser
escolhas casuais e sim fazer parte da
intervenção das educadoras.
VÍNCULO
CRIANÇA
ser ativo
capaz de construir seu
proprio conhecimento
EDUCADOR
promotor do crescimento
e desenvolvimento e de
fomentador da autonomia
da criança.
ADAPTAÇÃO
FAMÍLIA-CRECHE,
PROFESSOR-FUNCIONÁRIO-CRECHE,
EDUCADORES-ALUNOS,
ALUNOS-CRECHE.
Etapas do Processo de Adaptação:
INSCRIÇÃO, MATRÍCULA E ENTREVISTA COM OS PAIS;
REUNIÃO COM OS PAIS DAS CRIANÇAS NOVAS;
PLANEJAMENTO DO PERÍODO DE ADAPTAÇÃO COM O GRUPO-ESCOLA;
AÇÕES ESPERADAS:
DO EDUCADOR JUNTO PARA AS CRIANÇAS/ JUNTO AOS PAIS/ EQUIPE DE LIDERANÇA/ COZINHEIRAS.
PAUTAS DE OBSERVAÇÃO PARA O PERÍODO DE ADAPTAÇÃO
O papel do professor e profissionais:
 Promover seu crescimento e desenvolvimento, ajudando-as na
construção de sua autonomia.
 Intervir de forma adequada para que suas aprendizagens se
desenvolvam com qualidade.
 Oferecer um ambiente interativo entre os adultos e crianças.
ROTINA NAS SALAS DE BERÇÁRIOS
É UMA SEQUÊNCIA DE AÇÕES QUE DÁ CONDIÇÕES PARA QUE A CRIANÇA SE ORGANIZE NO
ESPAÇO, NO TEMPO E NA PROPOSTA
deve ter intencionalidade educativa,
Todos os envolvidos devem conhece-la
seja norteada por um rico ambiente interacional,
apresentada de forma clara e com marcos que
assegurem sua regularidade
O TRABALHO COM CANTOS
Quando falamos em rotina dos
berçários é necessário lembrar
que a criança passa mais tempo na
creche do que em casa.
ROTINAS
 Toda rotina deve ser
apresentada de forma clara em
um ambiente rico e intencional,
com marcos (que são sinais que
remetem a uma outra situação)
que dão para os bebês a
segurança desta regularidade.
 O trabalho é mais individualizado
e em pequenos grupos, do que
no coletivo ,por isso, o trabalho
com cantos de atividades pode
melhor atender às
individualidades, tendo maior
variedade de materiais e
ferramentas, possibilitando a
liberdade de escolha e maior
interação com objetos,
educadores e demais crianças.
ACOLHIDA
ALIMENTAÇÃO
HIGIENE
SONO E REPOUSO
ATIVIDADES NA ÁREA EXTERNA
MOMENTOS DE RODA
SAÍDA
ÂMBITOS DE EXPERIÊNCIA
IDENTIDADE AUTONOMIA
Processos de socialização
Espaços de socialização
Contato e confronto entre adulto e criança
Brincar também é uma das atividades fundamentais para o desenvolvimento
da identidade e autonomia
O fato de a criança, desde muito cedo, poder se comunicar por meio de
gestos, sons e, mais tarde, representar determinado papel na brincadeira faz
com que ela desenvolva sua imaginação, atenção, imitação e memória.
Objetivos e conteúdo que norteiam o trabalho com
a Formação Pessoal e Social da criança, de acordo
com os Referenciais Curriculares Nacionais da
Educação Infantil.
Objetivos:
CONTEÚDOS:
CONHECIMENTO DE MUNDO:
BERÇARIO I
Formação pessoal e social
Movimento
Linguagem
Música
BERÇARIO II
Formação pessoal e social
Movimento
Linguagem
Música
Artes
INFANTIL I
Formação pessoal e social
Movimento
Linguagem
Música
Artes
Natureza e sociedade
Matemática
LINGUAGEM ORAL E ESCRITA: As conversas com o bebê nos momentos de banho, de
alimentação, de troca de fraldas são exemplos dessas situações.
MOVIMENTO: importantes conquistas no plano da sustentação do próprio corpo, manipular
objetos que tenham um uso cultural bem definido não significa que a manipulação se restrinja a
este uso.
MATEMÁTICA: As modificações no espaço, a construção de diferentes circuitos de obstáculos
com cadeiras, mesas, pneus e panos por onde as crianças possam engatinhar ou andar –
subindo, descendo, passando por dentro, por cima, por baixo.
ARTES VISUAIS: apreciar obras de arte através de leitura de imagens, objetos tridimensionais,
podendo ser de pessoas, animais, objetos específicos às culturas regionais, cenas familiares,
cores, formas, linhas, à medida em que começam a estabelecer relações com o seu universo.
MÚSICA: O ambiente sonoro e a presença da música em diferentes e variadas situações do
cotidiano fazem com que os bebês e as crianças iniciem seu processo de musicalização de forma
intuitiva.
NATUREZA E SOCIEDADE: A observação e a exploração do meio constituem duas das principais
possibilidades de aprendizagem das crianças desta faixa etária.
FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL
FAVORECE PRIORITARIAMENTE OS
PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO DA
IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS
CRIANÇAS .
OS CONTEÚDOS PERMITEM AS CRIANÇAS DESENVOLVEREM:
1-SUA COMUNICAÇÃO EM TODOS OS ASPECTOS,
2-RECONHECIMENTO DO PRÓPRIO CORPO,
3- INICIATIVA DE SOLICITAR AJUDA NAS SITUAÇÕES QUE SE
FIZEREM NECESSÁRIO
4- INTERAÇÃO COM O OUTRO
5- DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA NAS ATIVIDADES
COTIDIANAS
6- APRENDIZADO DE REGRAS E PAPÉIS SOCIAIS.
O movimento e a linguagem oral
estão em pleno desenvolvimento de
zero a três anos, portanto consistem
em eixos de conhecimento
prioritários
LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
DESENVOLVE A FALA, ESCUTA E
COMPREENSÃO DA LINGUAGEM.
OS CONTEÚDOS DEVEM PERMITIR AS CRIANÇAS
DESENVOLVEREM:
1- A ORALIDADE ATRAVÉS DA CONVERSA CONSTANTE, DA
MÚSICA E A ESCUTA DE HISTÓRIAS.
2- ESTIMULAR O GOSTO PELA LEITURA ATRAVÉS DO MANUSEIO
DE LIVROS, MATERIAIS IMPRESSOS E ENREDOS QUE
APRESENTAM OBJETOS E PERSONAGENS COMUNS DO UNIVERSE
INFANTIL.
ARTES VISUAIS
O FAZER ARTÍSTICO, DEVE OCORRER A
PARTIR DO MOMENTO EM QUE AS
CRIANÇAS TENHAM CONDIÇÕES MOTORAS
PARA O SEU MANUSEIO.
OS CONTEÚDOS DEVEM:
1- GARANTIR ÀS CRIANÇAS MANUSEAREM
DIFERENTES MATERIAIS E SUPORTES,
PERCEBER MARCAS, GESTOS E TEXTURAS,
EXPLORAR O ESPAÇO FÍSICO E CONSTRUIR
OBJETOS VARIADOS.
MÚSICA
DESENVOLVE O EXERCÍCIO
SENSORIAL E MOTOR.
OS CONTEÚDOS DEVEM:
1- OFERECER INTERAÇÕES QUE PERMITAM AS CRIANÇAS
CONSTRUIREM UM REPERTÓRIO DE COMUNICAÇÃO POR
MEIO DE SONS, COM O OBJETIVO DE INTERAGIREM COM
OS OBJETOS E BRINQUEDOS SONOROS DISPONÍVEIS.
NATUREZA E SOCIEDADE
PERMITE CONSTRUIREM AS
PRIMEIRAS NOÇÕES A
RESPEITO DAS PESSOAS, DO
SEU GRUPO SOCIAL E DAS
RELAÇÕES HUMANAS.
OS CONTEÚDOS DEVEM:
1- CONTEMPLAR A EXPLORAÇÃO DO ESPAÇO, O
CONTATO COM A NATUREZA, BRINCADEIRAS,
MÚSICAS, HISTÓRIAS, JOGOS E DANÇAS
TRADICIONAIS FAVORECENDO A AMPLIAÇÃO E A
VALORIZAÇÃO DA CULTURA.
MOVIMENTO
ESSAS ATIVIDADES PERMITEM OS
BEBÊS ADEQUAREM SEUS
GESTOS E MOVIMENTOS ÀS SUAS
INTENÇÕES E ÀS DEMANDAS DA
REALIDADE DESENVOLVENDO
SUA PSICOMOTRICIDADE.
OS CONTEÚDOS DEVEM:
1- ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS E
DESAFIADORAS, PROPOR AÇÕES DE VIRAR-SE, ROLAR-
SE, SENTAR-SE, FICAR EM QUATRO APOIOS, FICAR EM PÉ
COM OU SEM APOIO, ETC.
MATEMÁTICA
OS CONTEÚDOS DEVEM:
1-DESENVOLVER AS IDEIAS MATEMÁTICAS
ATRAVÉS DE HISTÓRIAS E MÚSICAS QUE
ENVOLVAM CONTAGENS, JOGOS (CONSTRUIR
TORRES, PISTAS PARA CARRINHOS E CIDADES
COM BLOCOS DE MADEIRA OU ENCAIXE
POSSIBILITAM REPRESENTAR O ESPAÇO NUMA
OUTRA DIMENSÃO) E AS BRINCADEIRAS PARA
COMPREENDEREM DIVERSOS CONCEITOS
MATEMÁTICOS, COMO: LONGE, PERTO, EM CIMA,
EMBAIXO, GRANDE, PEQUENO,ETC.
FAZ DE CONTA
O jogo do faz-de-conta é uma maneira de exercitar e testar o próprio eu, seja
atribuindo algumas de suas partes a outros (brinquedos e colegas), seja
imaginando ser um outro, experimentando assim diversas possibilidades de ser.
15 meses: as crianças começam a usar os objetos de acordo com seus
significados afetivos ou convencionais.
15 a 21 meses: a criança realiza ações sobre os objetos imaginários ou então dá
um significado incomum a um objeto conhecido.
2 anos e meio: a criança é capaz de construir cenários imaginários no qual
dramatiza sequências de ação sempre mais longas.
O papel do brinquedo é guiar a ação lúdica,
ajudar a criança a compor a brincadeira,
ser os acessórios dela.
A
INTERVENÇÃO
DO
EDUCADOR
NA ATIVIDADE
LÚDICA
OS PROFESSORES E EDUCADORES DEVEM CRIAR ESPAÇOS LÚDICOS
PARA CRIANÇAS PEQUENAS, CUIDANDO DAS INTERAÇÕES QUE SE
ESTABELECEM NESSE CONTEXTO, PARA ISSO DEVE GARANTIR :
DISPOSIÇÃO
LÓGICA DO
MOBILIÁRIO
LÚDICO.
DIVERSIFICAÇÃO
DOS OBJETOS E
DOS PAPÉIS
SUGERIDOS
PELO MATERIAL
DISPONÍVEL.
PRESENÇA DE
UM MATERIAL
COMPLETO
PARA OS
ROTEIROS
SUGERIDOS.
FECHAMENTO
RELATIVO
POSSIBILITANDO
A INTIMIDADE
DA ÁREA EM
RELAÇÃO AO
RESTO DA
CLASSE
(CANTOS).
De acordo com Bondioli e Mantovani (1998),
é necessário que o educador desenvolva
algumas competências que podem ser
adquiridas e melhoradas.
Oliveira Formosinho
Diversidade de espaços
como fonte de intervenção
do educador
Hohmann e Weikart (1997)
Definir áreas de interesse
para aumentar a
autonomia
Vasconcellos (In Zabalza,
1998)
Material variado e
estimulante
O espaço é tudo, a
sala de aula, o lugar onde
brincam, se alimentam,
dormem, escovam seus
dentes!
6.ESPAÇO
Arranjo espacial semiaberto é uma
maneira de organizar o espaço.
AVALIAÇÃO
É DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA QUE O
EDUCADOR ACOMPANHE O PROCESSO DE ENSINO
E APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS. PARA ISTO,
DEVE REALIZAR UM DIAGNÓSTICO DOS SABERES E
UTILIZAR-SE DE INDICADORES PARA AVALIAR O
PROCESSO CONTÍNUO DE APRENDIZAGEM DAS
CRIANÇAS, REGISTRANDO SEUS
AVANÇOS,ATRAVÉS DE PAUTAS DE OBSERVAÇÃO.
É IMPRECINDIVEL QUE HAJA
ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DA
EQUIPE DE LIDERANÇA DA CRECHE EM
RELAÇÃO AS DIFERENTES AÇÕES E
COMINADOS ESTABELECIDOS EM GRUPOS
DE FORMAÇÃO COM OS EDUCADORES PARA
EFETIVAÇÃO DESTA PROPOSTA.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
IMAGEM DA PRIMEIRISSIMA INFANCIA:
AUTONOMIA
SOCIALIZAÇÃO
CONSTRUIR O MUNDO
EXPLORAR
ATENDIMENTO AS NECESSIDADES DE AFETO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1
Educação Infantil
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativos
craeditgd
 
Manejo comportamental de crianças com transtorno do especto do autismo em co...
Manejo comportamental de crianças com transtorno  do especto do autismo em co...Manejo comportamental de crianças com transtorno  do especto do autismo em co...
Manejo comportamental de crianças com transtorno do especto do autismo em co...
Rosane Domingues
 
A historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
A historia infantil como um instrumento para desenvol criancaA historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
A historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
Nádia Cachado
 
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogiaDisciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Giovanazava
 
Relações étnico raciais
Relações étnico raciaisRelações étnico raciais
Relações étnico raciais
Soares Junior
 
A criança e o brincar
A criança e o brincarA criança e o brincar
A criança e o brincar
Ateliê Giramundo
 
Protagonismo Infantil na História Brasileira
Protagonismo Infantil na História BrasileiraProtagonismo Infantil na História Brasileira
Protagonismo Infantil na História Brasileira
Imprensa-semec
 
Cultura e Sociedade
Cultura e SociedadeCultura e Sociedade
Cultura e Sociedade
Lucas Origuela
 
Materiais pedagogicos adaptados
Materiais pedagogicos adaptadosMateriais pedagogicos adaptados
Materiais pedagogicos adaptados
Jucemar Formigoni Candido
 
Promoção do desenvolvimento motor
Promoção do desenvolvimento motorPromoção do desenvolvimento motor
Promoção do desenvolvimento motor
Tae Escola D. Maria II
 
Metodologias de alfabetização
Metodologias de alfabetizaçãoMetodologias de alfabetização
Metodologias de alfabetização
Alice Lima
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Juazeiro do Norte e Região do Cariri
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
Genilson Costa e Silva
 
Seres microscópicos
Seres microscópicosSeres microscópicos
Seres microscópicos
ladyacp
 
meios de comunicação - sinais libras
meios de comunicação - sinais libras meios de comunicação - sinais libras
meios de comunicação - sinais libras
GabiLopez28
 
SlideShare e Scribd
SlideShare e ScribdSlideShare e Scribd
SlideShare e Scribd
Iuri Lammel
 
O Enigma da Infância - ou o que vai do impossível ao verdadeiro
O Enigma da Infância - ou o que vai do impossível ao verdadeiroO Enigma da Infância - ou o que vai do impossível ao verdadeiro
O Enigma da Infância - ou o que vai do impossível ao verdadeiro
Gabrielle Silva
 
Acolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptxAcolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptx
Gabih Rocha
 
Cartaz adaptação escolar
Cartaz adaptação escolarCartaz adaptação escolar
Cartaz adaptação escolar
SimoneHelenDrumond
 

Mais procurados (20)

Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativos
 
Manejo comportamental de crianças com transtorno do especto do autismo em co...
Manejo comportamental de crianças com transtorno  do especto do autismo em co...Manejo comportamental de crianças com transtorno  do especto do autismo em co...
Manejo comportamental de crianças com transtorno do especto do autismo em co...
 
A historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
A historia infantil como um instrumento para desenvol criancaA historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
A historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
 
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogiaDisciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
Disciplina jogos, recreação e lazer para o curso de pedagogia
 
Relações étnico raciais
Relações étnico raciaisRelações étnico raciais
Relações étnico raciais
 
A criança e o brincar
A criança e o brincarA criança e o brincar
A criança e o brincar
 
Protagonismo Infantil na História Brasileira
Protagonismo Infantil na História BrasileiraProtagonismo Infantil na História Brasileira
Protagonismo Infantil na História Brasileira
 
Cultura e Sociedade
Cultura e SociedadeCultura e Sociedade
Cultura e Sociedade
 
Materiais pedagogicos adaptados
Materiais pedagogicos adaptadosMateriais pedagogicos adaptados
Materiais pedagogicos adaptados
 
Promoção do desenvolvimento motor
Promoção do desenvolvimento motorPromoção do desenvolvimento motor
Promoção do desenvolvimento motor
 
Metodologias de alfabetização
Metodologias de alfabetizaçãoMetodologias de alfabetização
Metodologias de alfabetização
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Seres microscópicos
Seres microscópicosSeres microscópicos
Seres microscópicos
 
meios de comunicação - sinais libras
meios de comunicação - sinais libras meios de comunicação - sinais libras
meios de comunicação - sinais libras
 
SlideShare e Scribd
SlideShare e ScribdSlideShare e Scribd
SlideShare e Scribd
 
O Enigma da Infância - ou o que vai do impossível ao verdadeiro
O Enigma da Infância - ou o que vai do impossível ao verdadeiroO Enigma da Infância - ou o que vai do impossível ao verdadeiro
O Enigma da Infância - ou o que vai do impossível ao verdadeiro
 
Acolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptxAcolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptx
 
Cartaz adaptação escolar
Cartaz adaptação escolarCartaz adaptação escolar
Cartaz adaptação escolar
 

Semelhante a PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx

29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação
SimoneHelenDrumond
 
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberesTrabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
SimoneHelenDrumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
SimoneHelenDrumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
SimoneHelenDrumond
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROCaderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
LOCIMAR MASSALAI
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
CeimariaizabelCei
 
Arte cultura e linguística
Arte cultura e linguísticaArte cultura e linguística
Arte cultura e linguística
Elaine Gonçalves Dos Santos
 
Arte cultura e linguística
Arte cultura e linguísticaArte cultura e linguística
Arte cultura e linguística
Elaine Gonçalves Dos Santos
 
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
marlene_herter
 
Curriculo na ed infantil
Curriculo na ed infantilCurriculo na ed infantil
Curriculo na ed infantil
Geuza Livramento
 
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação InfantilDiretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Camila Coelho
 
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantilDiretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Camila Coelho
 
Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2
SimoneHelenDrumond
 
Unidade 3 pedagogia da educação infantil
Unidade 3  pedagogia da educação infantilUnidade 3  pedagogia da educação infantil
Unidade 3 pedagogia da educação infantil
Marta Carolina Santos
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinar
gracabt2011
 
Plano resgate dos valores etica e cidadania de simone helen drumond
Plano resgate dos valores   etica e cidadania de simone helen drumondPlano resgate dos valores   etica e cidadania de simone helen drumond
Plano resgate dos valores etica e cidadania de simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietariaA abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
Veronica Almeida
 
BEBÊS 1.pdf
BEBÊS 1.pdfBEBÊS 1.pdf
BEBÊS 1.pdf
FlviaVeiga3
 
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
MayraAzevedo3
 

Semelhante a PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx (20)

29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação29 dezembro a relatório de investigação
29 dezembro a relatório de investigação
 
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberesTrabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
Trabalho 2 ok natureza e cultura conhecimentos e saberes
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROCaderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
 
Arte cultura e linguística
Arte cultura e linguísticaArte cultura e linguística
Arte cultura e linguística
 
Arte cultura e linguística
Arte cultura e linguísticaArte cultura e linguística
Arte cultura e linguística
 
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
 
Curriculo na ed infantil
Curriculo na ed infantilCurriculo na ed infantil
Curriculo na ed infantil
 
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação InfantilDiretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil
 
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantilDiretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil
 
Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2
 
Unidade 3 pedagogia da educação infantil
Unidade 3  pedagogia da educação infantilUnidade 3  pedagogia da educação infantil
Unidade 3 pedagogia da educação infantil
 
O que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinarO que a creche pode ensinar
O que a creche pode ensinar
 
Plano resgate dos valores etica e cidadania de simone helen drumond
Plano resgate dos valores   etica e cidadania de simone helen drumondPlano resgate dos valores   etica e cidadania de simone helen drumond
Plano resgate dos valores etica e cidadania de simone helen drumond
 
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietariaA abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
A abordagem triangular em um contexto de educacao infantil multietaria
 
BEBÊS 1.pdf
BEBÊS 1.pdfBEBÊS 1.pdf
BEBÊS 1.pdf
 
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 

PROPOSTA CURRICULAR PARA BERÇARIOS - SJC (1).pptx

  • 2. Sugere ações a serem desenvolvidas com crianças de 0 a 3 anos e cujo objetivo é oferecer subsídios para uma discussão articulada entre saberes e competências relativos à atuação do educador de creche no Berçário. 09 CAPÍTULOS: COMO OS BEBÊS APRENDEM, ADAPTAÇÃO, ROTINA NAS SALAS DE BERÇARIOS, AMBITOS E EXPERIENCIAS, FAZ DE CONTA, ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO, AVALIAÇÃO, DESAFIOS E CONQUISTAS NA ARTE DE CUIDAR E EDUCAR BEBES, CONSIDERAÇÕES FINAIS.
  • 3. OBJETIVOS Nortear e oferecer subsídios no trabalho de orientadores pedagógicos, diretores, professores e educadores que estão nas creches de nosso município. Qualificar o atendimento de crianças de zero a três anos. Articular o cuidado diário e educação aos saberes e competências em sua atuação no Berçário, enriquecendo possibilidades de ações transformadoras em sua prática pedagógica. Respeitar e adequar a proposta pedagógica às especificidades desta faixa etária, potencializando o desenvolvimento global das crianças frequentadoras deste espaço.
  • 4. Falta de material que norteie a prática com crianças de 0 a 3 anos (psicomotricidade e estágios de desenvolvimento). CUIDAR Suprir as necessidades físicas. EDUCAR Adaptação da rotina de 3 a 6 anos.
  • 5. ORGANIZAÇÃO DAS SALAS DOS BERÇÁRIOS. BERÇÁRIO I DO NASCIMENTO A 11 MESES . INFANTIL I 2 ANOS BERÇÁRIO II 1 ANOS
  • 6. Como os bebes aprendem? Construtivismo piagetiano: sujeito é o construtor do seu próprio desenvolvimento e conhecimento. Interação entre sujeito e mundo Relação dialética DESENVOLVIMENTO E SOBREVIVENCIA  Agarrar,  Chupar,  Engolir,  Piscar,  Focar,  Acompanhar. CONSTANCIA - APRENDIZAGEM A lógica da criança em especial não advém da experiência dos objetos, mas sim das ações exercidas sobre os objetos base para o primeiro desenvolvimento mental.
  • 7. Segundo Jacob (2002/p.20) os bebês constroem o conhecimento agindo sobre o objeto quando o manipula, experimentando suas texturas, temperatura, cheiro, gosto, peso, ou seja, todas as características necessárias para conhecê-lo, aprimorando assim seu conhecimento. Se observarmos, os bebês tem a necessidade de praticar repetidamente o que foi apreendido e assim ampliar seu conhecimento acerca deste objeto.
  • 8. Cada material colocado à disposição das crianças nos berçários é carregado de intencionalidades educativas, não devem ser escolhas casuais e sim fazer parte da intervenção das educadoras.
  • 9. VÍNCULO CRIANÇA ser ativo capaz de construir seu proprio conhecimento EDUCADOR promotor do crescimento e desenvolvimento e de fomentador da autonomia da criança.
  • 10. ADAPTAÇÃO FAMÍLIA-CRECHE, PROFESSOR-FUNCIONÁRIO-CRECHE, EDUCADORES-ALUNOS, ALUNOS-CRECHE. Etapas do Processo de Adaptação: INSCRIÇÃO, MATRÍCULA E ENTREVISTA COM OS PAIS; REUNIÃO COM OS PAIS DAS CRIANÇAS NOVAS; PLANEJAMENTO DO PERÍODO DE ADAPTAÇÃO COM O GRUPO-ESCOLA; AÇÕES ESPERADAS: DO EDUCADOR JUNTO PARA AS CRIANÇAS/ JUNTO AOS PAIS/ EQUIPE DE LIDERANÇA/ COZINHEIRAS. PAUTAS DE OBSERVAÇÃO PARA O PERÍODO DE ADAPTAÇÃO
  • 11. O papel do professor e profissionais:  Promover seu crescimento e desenvolvimento, ajudando-as na construção de sua autonomia.  Intervir de forma adequada para que suas aprendizagens se desenvolvam com qualidade.  Oferecer um ambiente interativo entre os adultos e crianças.
  • 12. ROTINA NAS SALAS DE BERÇÁRIOS É UMA SEQUÊNCIA DE AÇÕES QUE DÁ CONDIÇÕES PARA QUE A CRIANÇA SE ORGANIZE NO ESPAÇO, NO TEMPO E NA PROPOSTA deve ter intencionalidade educativa, Todos os envolvidos devem conhece-la seja norteada por um rico ambiente interacional, apresentada de forma clara e com marcos que assegurem sua regularidade O TRABALHO COM CANTOS Quando falamos em rotina dos berçários é necessário lembrar que a criança passa mais tempo na creche do que em casa.
  • 13. ROTINAS  Toda rotina deve ser apresentada de forma clara em um ambiente rico e intencional, com marcos (que são sinais que remetem a uma outra situação) que dão para os bebês a segurança desta regularidade.  O trabalho é mais individualizado e em pequenos grupos, do que no coletivo ,por isso, o trabalho com cantos de atividades pode melhor atender às individualidades, tendo maior variedade de materiais e ferramentas, possibilitando a liberdade de escolha e maior interação com objetos, educadores e demais crianças. ACOLHIDA ALIMENTAÇÃO HIGIENE SONO E REPOUSO ATIVIDADES NA ÁREA EXTERNA MOMENTOS DE RODA SAÍDA
  • 14. ÂMBITOS DE EXPERIÊNCIA IDENTIDADE AUTONOMIA Processos de socialização Espaços de socialização Contato e confronto entre adulto e criança Brincar também é uma das atividades fundamentais para o desenvolvimento da identidade e autonomia O fato de a criança, desde muito cedo, poder se comunicar por meio de gestos, sons e, mais tarde, representar determinado papel na brincadeira faz com que ela desenvolva sua imaginação, atenção, imitação e memória.
  • 15. Objetivos e conteúdo que norteiam o trabalho com a Formação Pessoal e Social da criança, de acordo com os Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil. Objetivos: CONTEÚDOS: CONHECIMENTO DE MUNDO: BERÇARIO I Formação pessoal e social Movimento Linguagem Música BERÇARIO II Formação pessoal e social Movimento Linguagem Música Artes INFANTIL I Formação pessoal e social Movimento Linguagem Música Artes Natureza e sociedade Matemática
  • 16. LINGUAGEM ORAL E ESCRITA: As conversas com o bebê nos momentos de banho, de alimentação, de troca de fraldas são exemplos dessas situações. MOVIMENTO: importantes conquistas no plano da sustentação do próprio corpo, manipular objetos que tenham um uso cultural bem definido não significa que a manipulação se restrinja a este uso. MATEMÁTICA: As modificações no espaço, a construção de diferentes circuitos de obstáculos com cadeiras, mesas, pneus e panos por onde as crianças possam engatinhar ou andar – subindo, descendo, passando por dentro, por cima, por baixo. ARTES VISUAIS: apreciar obras de arte através de leitura de imagens, objetos tridimensionais, podendo ser de pessoas, animais, objetos específicos às culturas regionais, cenas familiares, cores, formas, linhas, à medida em que começam a estabelecer relações com o seu universo. MÚSICA: O ambiente sonoro e a presença da música em diferentes e variadas situações do cotidiano fazem com que os bebês e as crianças iniciem seu processo de musicalização de forma intuitiva. NATUREZA E SOCIEDADE: A observação e a exploração do meio constituem duas das principais possibilidades de aprendizagem das crianças desta faixa etária.
  • 17. FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL FAVORECE PRIORITARIAMENTE OS PROCESSOS DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS CRIANÇAS . OS CONTEÚDOS PERMITEM AS CRIANÇAS DESENVOLVEREM: 1-SUA COMUNICAÇÃO EM TODOS OS ASPECTOS, 2-RECONHECIMENTO DO PRÓPRIO CORPO, 3- INICIATIVA DE SOLICITAR AJUDA NAS SITUAÇÕES QUE SE FIZEREM NECESSÁRIO 4- INTERAÇÃO COM O OUTRO 5- DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA NAS ATIVIDADES COTIDIANAS 6- APRENDIZADO DE REGRAS E PAPÉIS SOCIAIS.
  • 18. O movimento e a linguagem oral estão em pleno desenvolvimento de zero a três anos, portanto consistem em eixos de conhecimento prioritários
  • 19. LINGUAGEM ORAL E ESCRITA DESENVOLVE A FALA, ESCUTA E COMPREENSÃO DA LINGUAGEM. OS CONTEÚDOS DEVEM PERMITIR AS CRIANÇAS DESENVOLVEREM: 1- A ORALIDADE ATRAVÉS DA CONVERSA CONSTANTE, DA MÚSICA E A ESCUTA DE HISTÓRIAS. 2- ESTIMULAR O GOSTO PELA LEITURA ATRAVÉS DO MANUSEIO DE LIVROS, MATERIAIS IMPRESSOS E ENREDOS QUE APRESENTAM OBJETOS E PERSONAGENS COMUNS DO UNIVERSE INFANTIL.
  • 20. ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO, DEVE OCORRER A PARTIR DO MOMENTO EM QUE AS CRIANÇAS TENHAM CONDIÇÕES MOTORAS PARA O SEU MANUSEIO. OS CONTEÚDOS DEVEM: 1- GARANTIR ÀS CRIANÇAS MANUSEAREM DIFERENTES MATERIAIS E SUPORTES, PERCEBER MARCAS, GESTOS E TEXTURAS, EXPLORAR O ESPAÇO FÍSICO E CONSTRUIR OBJETOS VARIADOS.
  • 21. MÚSICA DESENVOLVE O EXERCÍCIO SENSORIAL E MOTOR. OS CONTEÚDOS DEVEM: 1- OFERECER INTERAÇÕES QUE PERMITAM AS CRIANÇAS CONSTRUIREM UM REPERTÓRIO DE COMUNICAÇÃO POR MEIO DE SONS, COM O OBJETIVO DE INTERAGIREM COM OS OBJETOS E BRINQUEDOS SONOROS DISPONÍVEIS.
  • 22. NATUREZA E SOCIEDADE PERMITE CONSTRUIREM AS PRIMEIRAS NOÇÕES A RESPEITO DAS PESSOAS, DO SEU GRUPO SOCIAL E DAS RELAÇÕES HUMANAS. OS CONTEÚDOS DEVEM: 1- CONTEMPLAR A EXPLORAÇÃO DO ESPAÇO, O CONTATO COM A NATUREZA, BRINCADEIRAS, MÚSICAS, HISTÓRIAS, JOGOS E DANÇAS TRADICIONAIS FAVORECENDO A AMPLIAÇÃO E A VALORIZAÇÃO DA CULTURA.
  • 23. MOVIMENTO ESSAS ATIVIDADES PERMITEM OS BEBÊS ADEQUAREM SEUS GESTOS E MOVIMENTOS ÀS SUAS INTENÇÕES E ÀS DEMANDAS DA REALIDADE DESENVOLVENDO SUA PSICOMOTRICIDADE. OS CONTEÚDOS DEVEM: 1- ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS E DESAFIADORAS, PROPOR AÇÕES DE VIRAR-SE, ROLAR- SE, SENTAR-SE, FICAR EM QUATRO APOIOS, FICAR EM PÉ COM OU SEM APOIO, ETC.
  • 24. MATEMÁTICA OS CONTEÚDOS DEVEM: 1-DESENVOLVER AS IDEIAS MATEMÁTICAS ATRAVÉS DE HISTÓRIAS E MÚSICAS QUE ENVOLVAM CONTAGENS, JOGOS (CONSTRUIR TORRES, PISTAS PARA CARRINHOS E CIDADES COM BLOCOS DE MADEIRA OU ENCAIXE POSSIBILITAM REPRESENTAR O ESPAÇO NUMA OUTRA DIMENSÃO) E AS BRINCADEIRAS PARA COMPREENDEREM DIVERSOS CONCEITOS MATEMÁTICOS, COMO: LONGE, PERTO, EM CIMA, EMBAIXO, GRANDE, PEQUENO,ETC.
  • 25. FAZ DE CONTA O jogo do faz-de-conta é uma maneira de exercitar e testar o próprio eu, seja atribuindo algumas de suas partes a outros (brinquedos e colegas), seja imaginando ser um outro, experimentando assim diversas possibilidades de ser. 15 meses: as crianças começam a usar os objetos de acordo com seus significados afetivos ou convencionais. 15 a 21 meses: a criança realiza ações sobre os objetos imaginários ou então dá um significado incomum a um objeto conhecido. 2 anos e meio: a criança é capaz de construir cenários imaginários no qual dramatiza sequências de ação sempre mais longas. O papel do brinquedo é guiar a ação lúdica, ajudar a criança a compor a brincadeira, ser os acessórios dela.
  • 26. A INTERVENÇÃO DO EDUCADOR NA ATIVIDADE LÚDICA OS PROFESSORES E EDUCADORES DEVEM CRIAR ESPAÇOS LÚDICOS PARA CRIANÇAS PEQUENAS, CUIDANDO DAS INTERAÇÕES QUE SE ESTABELECEM NESSE CONTEXTO, PARA ISSO DEVE GARANTIR : DISPOSIÇÃO LÓGICA DO MOBILIÁRIO LÚDICO. DIVERSIFICAÇÃO DOS OBJETOS E DOS PAPÉIS SUGERIDOS PELO MATERIAL DISPONÍVEL. PRESENÇA DE UM MATERIAL COMPLETO PARA OS ROTEIROS SUGERIDOS. FECHAMENTO RELATIVO POSSIBILITANDO A INTIMIDADE DA ÁREA EM RELAÇÃO AO RESTO DA CLASSE (CANTOS).
  • 27. De acordo com Bondioli e Mantovani (1998), é necessário que o educador desenvolva algumas competências que podem ser adquiridas e melhoradas. Oliveira Formosinho Diversidade de espaços como fonte de intervenção do educador Hohmann e Weikart (1997) Definir áreas de interesse para aumentar a autonomia Vasconcellos (In Zabalza, 1998) Material variado e estimulante O espaço é tudo, a sala de aula, o lugar onde brincam, se alimentam, dormem, escovam seus dentes! 6.ESPAÇO
  • 28. Arranjo espacial semiaberto é uma maneira de organizar o espaço.
  • 29. AVALIAÇÃO É DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA QUE O EDUCADOR ACOMPANHE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS. PARA ISTO, DEVE REALIZAR UM DIAGNÓSTICO DOS SABERES E UTILIZAR-SE DE INDICADORES PARA AVALIAR O PROCESSO CONTÍNUO DE APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS, REGISTRANDO SEUS AVANÇOS,ATRAVÉS DE PAUTAS DE OBSERVAÇÃO.
  • 30. É IMPRECINDIVEL QUE HAJA ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DA EQUIPE DE LIDERANÇA DA CRECHE EM RELAÇÃO AS DIFERENTES AÇÕES E COMINADOS ESTABELECIDOS EM GRUPOS DE FORMAÇÃO COM OS EDUCADORES PARA EFETIVAÇÃO DESTA PROPOSTA.
  • 31. CONSIDERAÇÕES FINAIS IMAGEM DA PRIMEIRISSIMA INFANCIA: AUTONOMIA SOCIALIZAÇÃO CONSTRUIR O MUNDO EXPLORAR ATENDIMENTO AS NECESSIDADES DE AFETO