SlideShare uma empresa Scribd logo
Infecções de transmissão
vertical
Enf. Tuanny Sampaio
• Os processos infecciosos graves de origem
bacteriana têm uma elevada incidência no
período neonatal.
• As doenças infecciosas, a asfixia neonatal e a
prematuridade são as principais causas de
óbitos.
• A resistência do neonato a infecção pode se
modificar a depender dos fatores:
- Agente infeccioso
- Dependentes do RN
- Fatores ambientais
- Outros
Toxoplasmose Congênita
• Doença cosmopolita, causada por um
protozoário Toxoplasma gondii.
• Há hospedeiros definitivos e hospedeiros
intermediários.
• Transmissão
• Manifestações:
- Viscerais
- Neurológico
- Oftalmológica
• A sorologia é para todas as gestantes com
repetição na 17° e 25° semana de gestação.
• Quando positivo o resultado, iniciar a
quimioterapia adequada e uso de espiramicina.
Diagnóstico do RN
• Clínico
- Manifestações
- Antecedentes epidemiológicos e obstétricos.
- Está indicado:
* Radiografia simples de crânio
* Tomografia Computadorizada encefálica
* USG de crânio
* Exames: hemograma, bilirrubina total,
enzima hepática, IGm especifico.
Tratamento
• A terapêutica será instituída por um ano
• As drogas utilizadas nos primeiros seis meses:
pirimetamina (saraprim) 2mg/kg/dia, VO, nos
primeiros 2 dias, seguido de 1 ml/kg/dia VO
de 6/6 horas ou 8/8 horas mais ácido folínico
(leucovarim).
• Após o primeiro semestre, acrescenta-se
Espirimicina 100mg/kg/dia, VO, 6/6 horas
alternando mensalmente com esquema tríplice
anterior.
• Corticosteroides para RN acometidos grave do
SNC. Uso de prednisona 1 mg/kg/dia, VO,
12/12 horas. Fazer controle semanal de
hemograma. É necessária a avaliação da
acuidade auditiva.
Prevenção
• A gestação deverá evitar ingerir carne mal
cozida e contato com gatos ou material que
possa estar contaminado com fezes de animal.
HEPATITE B e C
• Pode apresentar forma (as) sintomática com
evolução grave (hepatite fulminante).
• Em 50% não ocorre icterícia e há evolução da
hepatite para cronicidade
• A transmissão do vírus da hepatite B: através
do sangue ou fluido corporal
• Pode ser por transmissão vertical.
• A transmissão do vírus da hepatite C: ocorre
pela transfusão de hemocomponentes nos
transplantes, uso de drogas injetáveis ou
inaladas, exposição em estabelecimentos de
saúde. A transmissão perinatal quase sempre
ocorre.
• O aleitamento materno e a vacinação.
Diagnóstico e prevenção
• Sorologia HB
- Vacinação do RN para HB nas primeiras
semanas ,12 horas após nascimento.
- Uso da imunoglobulina humana especifica para
HB (RN nas primeiras 12 horas ate no máximo
7 dias após o nascimento- 0,5 ml - IM).
INFECÇÃO PELO HIV
• Transmissão sexual, sanguínea e pelo leite
materno.
• A sorologia do HIV é recomendada na 1°
consulta com consentimento para prevenção.
Tratamento
• A partir da 14° semana de gestação, ou antes, do
parto a mulher recebe AZT (Zidovidina 100 mg) de
500 a 600 mg/dia dividido em 2 a 5 tomadas.
• Na parturiente indica AZT injetável (20 ml com
200mg-10mg/ml) dose de ataque: 2 mg/kg na 1° hora
de trabalho de parto diluído em 100 ml de SG a 5%,
infusão continua (35-36 gotas/min). Com dose de
manutenção de 1 mg/kg/hora (também em 100 ml de
SG a 5%).
• Se não tiver AZT, prepara-se dose oral com
comprimido de 300 mg a cada 3 horas ate o
nascimento do bebê.
• No RN a dose xarope é de 2 mg/kg/dose ,VO,
de 6/6 horas, durante 6 meses. Iniciar de 8 a 12
horas pós-nascimento.
PREVENÇÃO DE TRANSMISSÃO VERTICAL
• O parto vaginal é contraindicado.
• O campleamento do cordão imediato. Aspirar
as vias aéreas do neonato.
• Banhar o RN com água e sabão ou clorexidine
e mantê-lo em isolamento.
• Coletar sangue por punção periférica em vez
de cordão para sorologia.
• A amamentação é contraindicada.
• Obrigatória a notificação da gestante HIV + e
criança, a OMS.
• Observar e tratar osofagite e candidiase oral
SÍNDROME DA RUBÉOLA CONGÊNITA.
• Geralmente é grave
• A infecção da placenta e viremia fetal.
• O vírus tem tropismo por células em formação
e quanto mais precoce a IG, mais elevadas são
as taxas de malformação congênita.
Sinais e sintomas:
• Aborto espontâneo
• Glaucoma e catarata
• Deficiência auditiva
• Alteração cardíaca
• Meningoencefalite
• Retardo mental
• Esplenomegalia
• Púrpura.
• Lactentes com SRC podem eliminar o vírus
através da secreção nasofaringea, sangue,
urina, fezes, por ate um ano após o
nascimento.
• O risco de malformação congênita é maior se a
infecção materna ocorreu nas primeiras
semanas de gestação.
Diagnóstico
• Clínico, epidemiológico e laboratorial.
• O feto infectado é capaz de produzir anticorpos
específicos (IgM e IgG) para rubéola, antes mesmo
do nascimento.
• A presença de anticorpos IgM específicos para
rubéola no sangue do RN é a evidencia da infecção
congênita, o IgM raramente são detectados após o 18°
mês.
• O exame laboratorial para investigação de
SRC se faz com uma amostra de sangue do RN
logo após o nascimento
• Se o resultado apresentado tiver anticorpos
IgG no sangue do RN, repetir o exame após 5
meses e na persistência será confirmado o
SRC.
•
Tratamento e prevenção
• Não há tratamento, mas o acompanhamento
deverá ser por um ano.
• Tríplice viral
• O aleitamento pode ser mantido.
Infecção por citomegalovírus (CMV)
• Herpes vírus que causa infecção nos seres
humanos.
• Pode sofrer períodos de latência e de ativação.
• Transmissão fetal.
• Quando a infecção é primária, a chance de
transmissão para o feto e da existência de
sequelas mais graves é maior.
• O CMV está relacionado com o aborto
espontâneo, no inicio da gestação.
• Sinais clínicos: petéquias, anemia,
hepatoesplenomegalia, trombocitopenia,
microcefalia, calcificação intracraniana e
surdez.
Diagnóstico
• - Isolamento do vírus por meio de cultura
(amostra urinária).
• Reação em cadeia para pesquisa do DNA
viral.
Tratamento
• Não há tratamento intrauterino.
• Em RN sintomáticos tem se administrado (
Ganciclair- 7,5 mg/kg/dia de 12/12 horas por 2
semanas e manutenção com 10 mg/kg/dia, 3
vezes por duas semanas , no 1° trimestre.
• Outras drogas podem ser utilizadas –
Valganciclavir, Foscarnet, Cidoforvir).
Cuidados
• Isolamento de contato e medidas preventivas
de higiene.
• Identificação da mãe e diagnóstico precoce.
• A amamentação não é contraindicada.
• O vírus pode ser inativado.
INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HERPES SIMPLES
(VHS)
• Virose transmitida pelo contato sexual.
• Contato direto com lesões, objetos
contaminados.
• Determina quadros benignos ou graves.
• Há dois tipos de vírus:
-Tipo 1: Responsável por infecção na face e
tronco.
-Tipo 2: Mais neurotóxico, relacionado as
infecções na genitália e em transmissão sexual.
Sinais e sintomas
• Febre
• Aparecimento de vesícula com ardência,
prurido na cavidade oral e genital.
• Alteração ocular como vesículas e erosões na
conjuntiva e córnea.
• O herpes simples neonatal ocorre quando a
parturiente apresenta herpes genital com
contaminação do filho durante o parto.
• São vesículas e bolhas que se rompem e são
recobertas por crostas, sendo a maioria
causada pelo VHS 2.
• Realização de cesariana quando houver lesão
hepática ativa.
• A infecção herpética neonatal é grave.
• RN sintomático ao nascimento é raro,
significando transmissão viral transplacentária.
• Manifestações clínicas viscerais e
neurológicas.
Diagnóstico
• A cultura viral é o método mais sensível e
especifico. A detecção do IgM especifico ou o
aumento dos níveis do IgG (4x) em amostra
com intervalos de 2 a 3 semanas também
fecham o diagnóstico.
• Exames laboratoriais:
- Cultura e exame citopatológico
- LC
- Pesquisa de anticorpos específicos anti-VHS
- Ultrassonografia de crânio
- Tomografia computadorizada de crânio
- Eletroencefalograma
- Eletrocardiograma
- Radiografia do tórax.
Tratamento
• Evitar proliferação e recorrências durante a gestação.
• A droga Aciclovir (200mg VO- 5 vezes ao dia por 7 a
10 dias).
• O recém-nascido com infecção herpética deve ser
tratado com a droga na dose de 5mg /dia por IE durante
7 dias.
• Investigar gestante com história de Herpes genital e
parceiros infectados .
Cuidados
• Infecção primária:
* Parto Cesário dentro de 24 horas
* Cultura de olhos, nariz, boca, urina e fezes
nas primeiras 48 horas.
* Tratar com a Aciclovir
* A amamentação é permitida se não tiver lesão
de pele.
Sífilis Congênita
• Treponema Pallidium
• Dois estágios:
- Sífilis congênita recente ( lesões cutâneas -
mucosa, óssea e visceral) logo após o
nascimento ou nos primeiros anos de vida.
-Sífilis congênita tardia (lesões
osteoarticulares do sistema nervoso dos órgãos
dos sentidos como surdez e deformidade
dentária).
Diagnóstico
• Realizar VDRL
• Teste treponêmico como FTA-abs
• O sangue deve ser periférico e não do cordão
umbilical
• O exame do LCR também é indicado para
comprovar o comprometimento do sistema
nervoso.
• Exame radiológico de ossos longos e útil com
apoio ao diagnostico com sífilis congênita.
Tratamento
• Período neonatal: Realizar VDRL do sangue
periférico.
• RN de mãe com sífilis não tratada ou tratada
inadequadamente. Independente do resultado
do VDRL do RN, realizar hemograma,
radiografia de ossos longos e punção lombar.
• Se alteração clinica/sorológica ou
hematológica: Penicilina g cristalina (50 mil
UI/Kg/dose – IV , a cada 12 horas nos
primeiros 7 dias e a cada 8 horas após os 7 dias
durante 10 dias).
• - Penicilina G procaína 50 mil UI/Kg dose
única, IM, durante 10 dias.
• Alteração liquórica: Penicilina G cristalina (50
mil UI/Kg/dose, IV,a cada 12 horas nos
primeiros 7 dias, durante 10 dias.
• Todas as alterações e a sorologia for negativa:
realizar tratamento com Penicilina G
benzantina 50 mil UI/Kg dose única, IM.
• RN de mãe tratada: realizar VDRL em amostra
de sangue periférico do RN;
Cuidados
• Precaução de contato por ate 24 horas pós
inicio da penicilina.
• Equipamentos: EPI’s e isolamento.
• VDRL obrigatório.
• Não há contraindicação para aleitamento.
SARAMPO
• Doença rara durante a gestação .
• Risco maior de parto prematuro.
• O tempo entre o inicio do exantema materno e
do RN varia de 2 a 10 anos.
• A infecção congênita pode variar de simples
exantema a doença generalizada e fatal.
Tratamento e cuidados
• Uso de imunoglobulina (0,25 ml/kg) nas
primeiras 72 horas após a exposição ao vírus
para mulheres e RN susceptíveis.
• Isolamento da mãe e do RN por 72 horas após
o nascimento do exantema.
• A amamentação pode ser suspenso
temporariamente.
INFECÇÃO DO PARVOVÍRUS B19
• Único parvovírus patogênico para o homem.
• Transmissão por contato direto, transfusão de
hemoderivados e via placentária.
• O vírus replica-se no núcleo da célula
precursora da hemácia, causando lise e aplasia
da serie eritróide.
• Achado clínico:
- Hepatomegalia
- Cardiomegalia
- Derrame pleural
- Hidropsia.
- A infecção pode variar desde assintomática ate
o aparecimento de erupção cutânea
acompanhada de sintomas gerais.
Diagnóstico
• Sorologia com dosagem de IgM e IgG e
detecção de antigeno fetal.
• IgM anti-B19: infecção recente.
• IgG : infecção passada e imunidade.
Tratamento
• RN: tratamento de suporte.
• Hidropsia: Exsanguineotransfusão.
• Complicação da infecção: IV-
gamaglobulina.
DOENÇA DE CHAGAS CONGÊNITA
• Infecção generalizada geralmente grave
causada por Triponosoma Cruzi, transmitida
ao homem por meio de um triatamínico
hematófago contaminado.
• Apresenta varias formas. A congênita ocorre
em crianças nascidas de mãe com exame
positivo.
• Pode ocorrer prematuridade e baixo peso.
Diagnóstico
• Laboratorial: sangue ou LCR.
• Diferencial: sífilis, toxoplasmose,
citomegalovírus, rubéola, herpes.
Tratamento e prevenção
• Benzenidazol (Rochagan 100 mg) dose:
5-10 mg/kg/dia. Duas a três tomadas ao
dia durante 45-60 dias.
• Nifurtemox: 20 mg/kg/dia de 8/8 horas
com as mamadas.
• Melhoria de habitação e controle químico
do vetor.
• Identificação da gestante.
• A amamentação deve ser suspensa se a
infecção for aguda ou houver fissura.
INFECÇÃO POR CLAMIDIA E/OU GONOCOCO.
• Bactéria obrigatoriamente intracelular.
• Causa também tracoma conjuntival,
linfogranuloma venérea.
• Transmitida pelo contato social.
• A infecção pode causar: aumento do risco de
prematuridade, ruptura prematura da
membrana, perda fetal, retardo do crescimento
intrauterino e febre puerperal.
• No RN: conjuntivite, septicemia, artrite,
abscesso de couro cabeludo, pneumonia e
meningite.
Diagnóstico
• Esfregaço corado de exsudato conjuntival para
detecção de diplococos intracelular.
• Raspado da conjuntiva pelo Giemsa.
Tratamento e prevenção
• Nitrato de prata a 1% dose única na 1° hora do
nascimento ou colírio de Eritromicina a 0.5% ou
tetraciclina a 1% dose única.
• Profilaxia ocular: Eritromicina a 0.5%
• Conjuntivite: Eritromicina, VO 40mg/kg/dia; 4 doses
por duas semanas.
• Pneumo: Eritromicina 40 mg/kg/dia. 4 doses por 14
dias.
INFECÇÃO PELO VÍRUS DA VARICELA
ZOSTER
• Resultante da infecção primária pelo vírus
Varicela Zoster.
• Benigna na criança.
• Tanto a varicela como a Herpes Zoster são
causadas pelo mesmo bioagente.
• Sinais e sintomas.
• O herpes zoster ocorre em pessoas que já
tiveram varicela e acompanha-se por exantema
vesicular doloroso.
• O vírus VZ causa três tipos de infecções: a
primária, a latente e a recorrente.
• O HZ é raro na gestante.
• A varicela é considerada congênita quando
ocorrem nos primeiros 10 dias de vida da
criança. É incubação de 10 a 21 dias.
• A transmissão e transplacentária durante ou
após o parto.
• Quando a varicela materna ocorre cinco dias
antes e dois dias depois do parto a doença no
RN pode ser disseminada com lesões
hemorrágicas ao óbito.
• Quando a varicela ocorre nos primeiros meses
da gestação pode causar a embriopatia com
síndrome da varicela congênita (atrofia, defeito
cutâneo, cariorretinite bilateral, atrofia cortical,
hidronefrose, reflexo gastroesifagico).
Diagnóstico
• Clínico: Nas primeiras semanas de gestação:
radiografia dos ossos longos e tomografia do
crânio.
• Laboratorial: Anticorpo IgG, IgM do vírus VZ
por imunofluorescência, fixação do
complemento e Elisa.
Tratamento e cuidado
• Imunoglobulina humana antivaricela zoster ate
96 horas pós-contato.
• IM, dose única, 125 UI/10kg.
• Precaução de transmissão via aérea.
• EPI’s
Referência
• SOUZA, Aspásia Basile Gesteira. Enfermagem neonatal cuidado
integral ao recém-nascido. Organizadora – São Paulo-Martinari,
2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reanimação Neonatal
Reanimação NeonatalReanimação Neonatal
Reanimação Neonatal
Samuel Benjamin
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Karynne Alves do Nascimento
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
Rodrigo Biondi
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Lúcia Vieira
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
Rodrigo Abreu
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
WAGNER OLIVEIRA
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
joselene beatriz
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Alexandre Donha
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
Anderson da Silva
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Laíz Coutinho
 
Caso Clínico IRA
Caso Clínico IRACaso Clínico IRA
Caso Clínico IRA
Ana Nataly
 
Síndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênitaSíndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênita
Pietro de Azevedo
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
Flávia Salame
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Raíssa Soeiro
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais procurados (20)

Reanimação Neonatal
Reanimação NeonatalReanimação Neonatal
Reanimação Neonatal
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Relatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegemRelatórios de enfermegem
Relatórios de enfermegem
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
 
Caso Clínico IRA
Caso Clínico IRACaso Clínico IRA
Caso Clínico IRA
 
Síndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênitaSíndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênita
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 

Destaque

Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal. Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
Trabalho de Herpes
Trabalho de HerpesTrabalho de Herpes
Trabalho de Herpes
Hevelins
 
Protocolo de transmissão vertical do hiv e da sífilis 2007
Protocolo de transmissão vertical do hiv e da sífilis 2007Protocolo de transmissão vertical do hiv e da sífilis 2007
Protocolo de transmissão vertical do hiv e da sífilis 2007
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Tv das hepatites
Tv das hepatitesTv das hepatites
Tv das hepatites
tvf
 
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinataisAspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
José Luiz
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Citomegalovirus CMV
Citomegalovirus CMVCitomegalovirus CMV
Citomegalovirus CMV
Jessica Luna
 
Herpes (seminário)
Herpes (seminário)Herpes (seminário)
Herpes (seminário)
Odontologia
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Protocolo ms
Protocolo msProtocolo ms
Protocolo ms
Weidson Carvalho Lima
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Denise Selegato
 
Hipoglicemia e lesão cerebral neonatal
Hipoglicemia e lesão cerebral neonatalHipoglicemia e lesão cerebral neonatal
Hipoglicemia e lesão cerebral neonatal
Leandro Junior
 
1o ano ds ts - herpes genital
1o ano   ds ts - herpes genital1o ano   ds ts - herpes genital
1o ano ds ts - herpes genital
SESI 422 - Americana
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
guestb30c39
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Nome Sobrenome
 
Camila brucelose final
Camila brucelose finalCamila brucelose final
Camila brucelose final
Cicero Moraes
 
Trabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagasTrabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagas
Fhellipe Nobre
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologia
chirlei ferreira
 
Neuroinfecciones imagen
Neuroinfecciones imagenNeuroinfecciones imagen
Neuroinfecciones imagen
Carlos Rene Espino de la Cueva
 

Destaque (20)

Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal. Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Trabalho de Herpes
Trabalho de HerpesTrabalho de Herpes
Trabalho de Herpes
 
Protocolo de transmissão vertical do hiv e da sífilis 2007
Protocolo de transmissão vertical do hiv e da sífilis 2007Protocolo de transmissão vertical do hiv e da sífilis 2007
Protocolo de transmissão vertical do hiv e da sífilis 2007
 
Tv das hepatites
Tv das hepatitesTv das hepatites
Tv das hepatites
 
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinataisAspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
Aspectos gerais do diagnóstico de infecções congênitas e perinatais
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Citomegalovirus CMV
Citomegalovirus CMVCitomegalovirus CMV
Citomegalovirus CMV
 
Herpes (seminário)
Herpes (seminário)Herpes (seminário)
Herpes (seminário)
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Protocolo ms
Protocolo msProtocolo ms
Protocolo ms
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
 
Hipoglicemia e lesão cerebral neonatal
Hipoglicemia e lesão cerebral neonatalHipoglicemia e lesão cerebral neonatal
Hipoglicemia e lesão cerebral neonatal
 
1o ano ds ts - herpes genital
1o ano   ds ts - herpes genital1o ano   ds ts - herpes genital
1o ano ds ts - herpes genital
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Camila brucelose final
Camila brucelose finalCamila brucelose final
Camila brucelose final
 
Trabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagasTrabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagas
 
Dor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologiaDor pélvica aguda em ginecologia
Dor pélvica aguda em ginecologia
 
Neuroinfecciones imagen
Neuroinfecciones imagenNeuroinfecciones imagen
Neuroinfecciones imagen
 

Semelhante a Infecção de transmissão vertical

Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
Ibrahim Massuqueto
 
Cmv na gesta+º+úo
Cmv na gesta+º+úoCmv na gesta+º+úo
Cmv na gesta+º+úo
Natalia Valente
 
Citomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: PatologiaCitomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: Patologia
Raphael Machado
 
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptxEPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
JessiellyGuimares
 
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
Patricia Nunes
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
FlviaFranchin
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
blogped1
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
narayaskara215
 
Citomegalovirose neonatal
Citomegalovirose neonatalCitomegalovirose neonatal
Citomegalovirose neonatal
Arquivo-FClinico
 
Aainfecções na gestação
Aainfecções na gestaçãoAainfecções na gestação
Aainfecções na gestação
Rafael Ghisi
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênitaToxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
Igor Thé Braga
 
Hiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No RnHiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No Rn
alecfcms
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Gustavo Henrique
 
Hemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular NeonatalHemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular Neonatal
Leandro Junior
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
itsufpr
 
Mononucleose Infecciosa
Mononucleose InfecciosaMononucleose Infecciosa
Mononucleose Infecciosa
blogped1
 
Rotura pre termo de membranas.luisa
Rotura pre termo de membranas.luisaRotura pre termo de membranas.luisa
Rotura pre termo de membranas.luisa
Faruk Nobre
 
Patologia obstetricia 2014
Patologia obstetricia  2014Patologia obstetricia  2014
Patologia obstetricia 2014
angelalessadeandrade
 
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Med. Veterinária 2011
 

Semelhante a Infecção de transmissão vertical (20)

Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
 
Cmv na gesta+º+úo
Cmv na gesta+º+úoCmv na gesta+º+úo
Cmv na gesta+º+úo
 
Citomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: PatologiaCitomegalovírus: Patologia
Citomegalovírus: Patologia
 
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptxEPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
 
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
Doença Hemolítica Perinatal (DHPN)
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Citomegalovirose neonatal
Citomegalovirose neonatalCitomegalovirose neonatal
Citomegalovirose neonatal
 
Aainfecções na gestação
Aainfecções na gestaçãoAainfecções na gestação
Aainfecções na gestação
 
Toxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênitaToxoplasmose congênita
Toxoplasmose congênita
 
Hiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No RnHiv Na GestaçãO E No Rn
Hiv Na GestaçãO E No Rn
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Hemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular NeonatalHemorragia Intraventricular Neonatal
Hemorragia Intraventricular Neonatal
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
 
Mononucleose Infecciosa
Mononucleose InfecciosaMononucleose Infecciosa
Mononucleose Infecciosa
 
Rotura pre termo de membranas.luisa
Rotura pre termo de membranas.luisaRotura pre termo de membranas.luisa
Rotura pre termo de membranas.luisa
 
Patologia obstetricia 2014
Patologia obstetricia  2014Patologia obstetricia  2014
Patologia obstetricia 2014
 
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e HepatiteCoronavírus, Rotavírus e Hepatite
Coronavírus, Rotavírus e Hepatite
 

Mais de Tuanny Sampaio - Estética Avançada

Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteralAlimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Paciente internado
Paciente internadoPaciente internado
Ética Profissional na Enfermagem
Ética Profissional na EnfermagemÉtica Profissional na Enfermagem
Ética Profissional na Enfermagem
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Radiofrequência
RadiofrequênciaRadiofrequência
Avaliação da dor no recém-nascido
Avaliação da dor no recém-nascidoAvaliação da dor no recém-nascido
Avaliação da dor no recém-nascido
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Teste de triagem neonatal
Teste de triagem neonatalTeste de triagem neonatal
Teste de triagem neonatal
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 

Mais de Tuanny Sampaio - Estética Avançada (9)

Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteralAlimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
 
Paciente internado
Paciente internadoPaciente internado
Paciente internado
 
Ética Profissional na Enfermagem
Ética Profissional na EnfermagemÉtica Profissional na Enfermagem
Ética Profissional na Enfermagem
 
Radiofrequência
RadiofrequênciaRadiofrequência
Radiofrequência
 
Avaliação da dor no recém-nascido
Avaliação da dor no recém-nascidoAvaliação da dor no recém-nascido
Avaliação da dor no recém-nascido
 
Teste de triagem neonatal
Teste de triagem neonatalTeste de triagem neonatal
Teste de triagem neonatal
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 

Infecção de transmissão vertical

  • 2. • Os processos infecciosos graves de origem bacteriana têm uma elevada incidência no período neonatal. • As doenças infecciosas, a asfixia neonatal e a prematuridade são as principais causas de óbitos.
  • 3. • A resistência do neonato a infecção pode se modificar a depender dos fatores: - Agente infeccioso - Dependentes do RN - Fatores ambientais - Outros
  • 4. Toxoplasmose Congênita • Doença cosmopolita, causada por um protozoário Toxoplasma gondii. • Há hospedeiros definitivos e hospedeiros intermediários. • Transmissão
  • 5. • Manifestações: - Viscerais - Neurológico - Oftalmológica • A sorologia é para todas as gestantes com repetição na 17° e 25° semana de gestação. • Quando positivo o resultado, iniciar a quimioterapia adequada e uso de espiramicina.
  • 6. Diagnóstico do RN • Clínico - Manifestações - Antecedentes epidemiológicos e obstétricos. - Está indicado: * Radiografia simples de crânio * Tomografia Computadorizada encefálica * USG de crânio * Exames: hemograma, bilirrubina total, enzima hepática, IGm especifico.
  • 7. Tratamento • A terapêutica será instituída por um ano • As drogas utilizadas nos primeiros seis meses: pirimetamina (saraprim) 2mg/kg/dia, VO, nos primeiros 2 dias, seguido de 1 ml/kg/dia VO de 6/6 horas ou 8/8 horas mais ácido folínico (leucovarim).
  • 8. • Após o primeiro semestre, acrescenta-se Espirimicina 100mg/kg/dia, VO, 6/6 horas alternando mensalmente com esquema tríplice anterior. • Corticosteroides para RN acometidos grave do SNC. Uso de prednisona 1 mg/kg/dia, VO, 12/12 horas. Fazer controle semanal de hemograma. É necessária a avaliação da acuidade auditiva.
  • 9. Prevenção • A gestação deverá evitar ingerir carne mal cozida e contato com gatos ou material que possa estar contaminado com fezes de animal.
  • 10. HEPATITE B e C • Pode apresentar forma (as) sintomática com evolução grave (hepatite fulminante). • Em 50% não ocorre icterícia e há evolução da hepatite para cronicidade • A transmissão do vírus da hepatite B: através do sangue ou fluido corporal
  • 11. • Pode ser por transmissão vertical. • A transmissão do vírus da hepatite C: ocorre pela transfusão de hemocomponentes nos transplantes, uso de drogas injetáveis ou inaladas, exposição em estabelecimentos de saúde. A transmissão perinatal quase sempre ocorre. • O aleitamento materno e a vacinação.
  • 12. Diagnóstico e prevenção • Sorologia HB - Vacinação do RN para HB nas primeiras semanas ,12 horas após nascimento. - Uso da imunoglobulina humana especifica para HB (RN nas primeiras 12 horas ate no máximo 7 dias após o nascimento- 0,5 ml - IM).
  • 13. INFECÇÃO PELO HIV • Transmissão sexual, sanguínea e pelo leite materno. • A sorologia do HIV é recomendada na 1° consulta com consentimento para prevenção.
  • 14. Tratamento • A partir da 14° semana de gestação, ou antes, do parto a mulher recebe AZT (Zidovidina 100 mg) de 500 a 600 mg/dia dividido em 2 a 5 tomadas. • Na parturiente indica AZT injetável (20 ml com 200mg-10mg/ml) dose de ataque: 2 mg/kg na 1° hora de trabalho de parto diluído em 100 ml de SG a 5%, infusão continua (35-36 gotas/min). Com dose de manutenção de 1 mg/kg/hora (também em 100 ml de SG a 5%).
  • 15. • Se não tiver AZT, prepara-se dose oral com comprimido de 300 mg a cada 3 horas ate o nascimento do bebê. • No RN a dose xarope é de 2 mg/kg/dose ,VO, de 6/6 horas, durante 6 meses. Iniciar de 8 a 12 horas pós-nascimento.
  • 16. PREVENÇÃO DE TRANSMISSÃO VERTICAL • O parto vaginal é contraindicado. • O campleamento do cordão imediato. Aspirar as vias aéreas do neonato. • Banhar o RN com água e sabão ou clorexidine e mantê-lo em isolamento.
  • 17. • Coletar sangue por punção periférica em vez de cordão para sorologia. • A amamentação é contraindicada. • Obrigatória a notificação da gestante HIV + e criança, a OMS. • Observar e tratar osofagite e candidiase oral
  • 18. SÍNDROME DA RUBÉOLA CONGÊNITA. • Geralmente é grave • A infecção da placenta e viremia fetal. • O vírus tem tropismo por células em formação e quanto mais precoce a IG, mais elevadas são as taxas de malformação congênita.
  • 19. Sinais e sintomas: • Aborto espontâneo • Glaucoma e catarata • Deficiência auditiva • Alteração cardíaca • Meningoencefalite • Retardo mental • Esplenomegalia • Púrpura.
  • 20. • Lactentes com SRC podem eliminar o vírus através da secreção nasofaringea, sangue, urina, fezes, por ate um ano após o nascimento. • O risco de malformação congênita é maior se a infecção materna ocorreu nas primeiras semanas de gestação.
  • 21. Diagnóstico • Clínico, epidemiológico e laboratorial. • O feto infectado é capaz de produzir anticorpos específicos (IgM e IgG) para rubéola, antes mesmo do nascimento. • A presença de anticorpos IgM específicos para rubéola no sangue do RN é a evidencia da infecção congênita, o IgM raramente são detectados após o 18° mês.
  • 22. • O exame laboratorial para investigação de SRC se faz com uma amostra de sangue do RN logo após o nascimento • Se o resultado apresentado tiver anticorpos IgG no sangue do RN, repetir o exame após 5 meses e na persistência será confirmado o SRC. •
  • 23. Tratamento e prevenção • Não há tratamento, mas o acompanhamento deverá ser por um ano. • Tríplice viral • O aleitamento pode ser mantido.
  • 24. Infecção por citomegalovírus (CMV) • Herpes vírus que causa infecção nos seres humanos. • Pode sofrer períodos de latência e de ativação. • Transmissão fetal.
  • 25. • Quando a infecção é primária, a chance de transmissão para o feto e da existência de sequelas mais graves é maior. • O CMV está relacionado com o aborto espontâneo, no inicio da gestação. • Sinais clínicos: petéquias, anemia, hepatoesplenomegalia, trombocitopenia, microcefalia, calcificação intracraniana e surdez.
  • 26. Diagnóstico • - Isolamento do vírus por meio de cultura (amostra urinária). • Reação em cadeia para pesquisa do DNA viral.
  • 27. Tratamento • Não há tratamento intrauterino. • Em RN sintomáticos tem se administrado ( Ganciclair- 7,5 mg/kg/dia de 12/12 horas por 2 semanas e manutenção com 10 mg/kg/dia, 3 vezes por duas semanas , no 1° trimestre. • Outras drogas podem ser utilizadas – Valganciclavir, Foscarnet, Cidoforvir).
  • 28. Cuidados • Isolamento de contato e medidas preventivas de higiene. • Identificação da mãe e diagnóstico precoce. • A amamentação não é contraindicada. • O vírus pode ser inativado.
  • 29. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HERPES SIMPLES (VHS) • Virose transmitida pelo contato sexual. • Contato direto com lesões, objetos contaminados. • Determina quadros benignos ou graves.
  • 30. • Há dois tipos de vírus: -Tipo 1: Responsável por infecção na face e tronco. -Tipo 2: Mais neurotóxico, relacionado as infecções na genitália e em transmissão sexual.
  • 31. Sinais e sintomas • Febre • Aparecimento de vesícula com ardência, prurido na cavidade oral e genital. • Alteração ocular como vesículas e erosões na conjuntiva e córnea.
  • 32. • O herpes simples neonatal ocorre quando a parturiente apresenta herpes genital com contaminação do filho durante o parto. • São vesículas e bolhas que se rompem e são recobertas por crostas, sendo a maioria causada pelo VHS 2. • Realização de cesariana quando houver lesão hepática ativa.
  • 33. • A infecção herpética neonatal é grave. • RN sintomático ao nascimento é raro, significando transmissão viral transplacentária. • Manifestações clínicas viscerais e neurológicas.
  • 34. Diagnóstico • A cultura viral é o método mais sensível e especifico. A detecção do IgM especifico ou o aumento dos níveis do IgG (4x) em amostra com intervalos de 2 a 3 semanas também fecham o diagnóstico.
  • 35. • Exames laboratoriais: - Cultura e exame citopatológico - LC - Pesquisa de anticorpos específicos anti-VHS - Ultrassonografia de crânio - Tomografia computadorizada de crânio - Eletroencefalograma - Eletrocardiograma - Radiografia do tórax.
  • 36. Tratamento • Evitar proliferação e recorrências durante a gestação. • A droga Aciclovir (200mg VO- 5 vezes ao dia por 7 a 10 dias). • O recém-nascido com infecção herpética deve ser tratado com a droga na dose de 5mg /dia por IE durante 7 dias. • Investigar gestante com história de Herpes genital e parceiros infectados .
  • 37. Cuidados • Infecção primária: * Parto Cesário dentro de 24 horas * Cultura de olhos, nariz, boca, urina e fezes nas primeiras 48 horas. * Tratar com a Aciclovir * A amamentação é permitida se não tiver lesão de pele.
  • 38. Sífilis Congênita • Treponema Pallidium • Dois estágios: - Sífilis congênita recente ( lesões cutâneas - mucosa, óssea e visceral) logo após o nascimento ou nos primeiros anos de vida. -Sífilis congênita tardia (lesões osteoarticulares do sistema nervoso dos órgãos dos sentidos como surdez e deformidade dentária).
  • 39. Diagnóstico • Realizar VDRL • Teste treponêmico como FTA-abs • O sangue deve ser periférico e não do cordão umbilical • O exame do LCR também é indicado para comprovar o comprometimento do sistema nervoso. • Exame radiológico de ossos longos e útil com apoio ao diagnostico com sífilis congênita.
  • 40. Tratamento • Período neonatal: Realizar VDRL do sangue periférico. • RN de mãe com sífilis não tratada ou tratada inadequadamente. Independente do resultado do VDRL do RN, realizar hemograma, radiografia de ossos longos e punção lombar.
  • 41. • Se alteração clinica/sorológica ou hematológica: Penicilina g cristalina (50 mil UI/Kg/dose – IV , a cada 12 horas nos primeiros 7 dias e a cada 8 horas após os 7 dias durante 10 dias). • - Penicilina G procaína 50 mil UI/Kg dose única, IM, durante 10 dias.
  • 42. • Alteração liquórica: Penicilina G cristalina (50 mil UI/Kg/dose, IV,a cada 12 horas nos primeiros 7 dias, durante 10 dias. • Todas as alterações e a sorologia for negativa: realizar tratamento com Penicilina G benzantina 50 mil UI/Kg dose única, IM. • RN de mãe tratada: realizar VDRL em amostra de sangue periférico do RN;
  • 43. Cuidados • Precaução de contato por ate 24 horas pós inicio da penicilina. • Equipamentos: EPI’s e isolamento. • VDRL obrigatório. • Não há contraindicação para aleitamento.
  • 44. SARAMPO • Doença rara durante a gestação . • Risco maior de parto prematuro. • O tempo entre o inicio do exantema materno e do RN varia de 2 a 10 anos. • A infecção congênita pode variar de simples exantema a doença generalizada e fatal.
  • 45. Tratamento e cuidados • Uso de imunoglobulina (0,25 ml/kg) nas primeiras 72 horas após a exposição ao vírus para mulheres e RN susceptíveis. • Isolamento da mãe e do RN por 72 horas após o nascimento do exantema. • A amamentação pode ser suspenso temporariamente.
  • 46. INFECÇÃO DO PARVOVÍRUS B19 • Único parvovírus patogênico para o homem. • Transmissão por contato direto, transfusão de hemoderivados e via placentária. • O vírus replica-se no núcleo da célula precursora da hemácia, causando lise e aplasia da serie eritróide.
  • 47. • Achado clínico: - Hepatomegalia - Cardiomegalia - Derrame pleural - Hidropsia. - A infecção pode variar desde assintomática ate o aparecimento de erupção cutânea acompanhada de sintomas gerais.
  • 48. Diagnóstico • Sorologia com dosagem de IgM e IgG e detecção de antigeno fetal. • IgM anti-B19: infecção recente. • IgG : infecção passada e imunidade.
  • 49. Tratamento • RN: tratamento de suporte. • Hidropsia: Exsanguineotransfusão. • Complicação da infecção: IV- gamaglobulina.
  • 50. DOENÇA DE CHAGAS CONGÊNITA • Infecção generalizada geralmente grave causada por Triponosoma Cruzi, transmitida ao homem por meio de um triatamínico hematófago contaminado. • Apresenta varias formas. A congênita ocorre em crianças nascidas de mãe com exame positivo. • Pode ocorrer prematuridade e baixo peso.
  • 51. Diagnóstico • Laboratorial: sangue ou LCR. • Diferencial: sífilis, toxoplasmose, citomegalovírus, rubéola, herpes.
  • 52. Tratamento e prevenção • Benzenidazol (Rochagan 100 mg) dose: 5-10 mg/kg/dia. Duas a três tomadas ao dia durante 45-60 dias. • Nifurtemox: 20 mg/kg/dia de 8/8 horas com as mamadas. • Melhoria de habitação e controle químico do vetor.
  • 53. • Identificação da gestante. • A amamentação deve ser suspensa se a infecção for aguda ou houver fissura.
  • 54. INFECÇÃO POR CLAMIDIA E/OU GONOCOCO. • Bactéria obrigatoriamente intracelular. • Causa também tracoma conjuntival, linfogranuloma venérea. • Transmitida pelo contato social.
  • 55. • A infecção pode causar: aumento do risco de prematuridade, ruptura prematura da membrana, perda fetal, retardo do crescimento intrauterino e febre puerperal. • No RN: conjuntivite, septicemia, artrite, abscesso de couro cabeludo, pneumonia e meningite.
  • 56. Diagnóstico • Esfregaço corado de exsudato conjuntival para detecção de diplococos intracelular. • Raspado da conjuntiva pelo Giemsa.
  • 57. Tratamento e prevenção • Nitrato de prata a 1% dose única na 1° hora do nascimento ou colírio de Eritromicina a 0.5% ou tetraciclina a 1% dose única. • Profilaxia ocular: Eritromicina a 0.5% • Conjuntivite: Eritromicina, VO 40mg/kg/dia; 4 doses por duas semanas. • Pneumo: Eritromicina 40 mg/kg/dia. 4 doses por 14 dias.
  • 58. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA VARICELA ZOSTER • Resultante da infecção primária pelo vírus Varicela Zoster. • Benigna na criança. • Tanto a varicela como a Herpes Zoster são causadas pelo mesmo bioagente.
  • 59. • Sinais e sintomas. • O herpes zoster ocorre em pessoas que já tiveram varicela e acompanha-se por exantema vesicular doloroso. • O vírus VZ causa três tipos de infecções: a primária, a latente e a recorrente. • O HZ é raro na gestante.
  • 60. • A varicela é considerada congênita quando ocorrem nos primeiros 10 dias de vida da criança. É incubação de 10 a 21 dias. • A transmissão e transplacentária durante ou após o parto. • Quando a varicela materna ocorre cinco dias antes e dois dias depois do parto a doença no RN pode ser disseminada com lesões hemorrágicas ao óbito.
  • 61. • Quando a varicela ocorre nos primeiros meses da gestação pode causar a embriopatia com síndrome da varicela congênita (atrofia, defeito cutâneo, cariorretinite bilateral, atrofia cortical, hidronefrose, reflexo gastroesifagico).
  • 62. Diagnóstico • Clínico: Nas primeiras semanas de gestação: radiografia dos ossos longos e tomografia do crânio. • Laboratorial: Anticorpo IgG, IgM do vírus VZ por imunofluorescência, fixação do complemento e Elisa.
  • 63. Tratamento e cuidado • Imunoglobulina humana antivaricela zoster ate 96 horas pós-contato. • IM, dose única, 125 UI/10kg. • Precaução de transmissão via aérea. • EPI’s
  • 64. Referência • SOUZA, Aspásia Basile Gesteira. Enfermagem neonatal cuidado integral ao recém-nascido. Organizadora – São Paulo-Martinari, 2011